ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DA CINOMOSE CANINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DA CINOMOSE CANINA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA CÂMPUS DE BOTUCATU ANDERSON DELLAI MATTHIESEN ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DA CINOMOSE CANINA Monografía apresentada à faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Estadual Paulista UNESP campus de Botucatu, como parte integrante do Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária. Botucatu

2 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA CÂMPUS DE BOTUCATU ANDERSON DELLAI MATTHIESEN ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DA CINOMOSE CANINA Orientador : Prof. Dr. Stelio Pacca L. Luna Prof. Jean Guilherme F. Joaquim Botucatu

3 AGRADECIMENTOS Aos meus pais pelo apoio e dificuldades que tiveram para me formar. À Solange, minha esposa, Tatiana e Isadora, minhas filhas, pela paciência, apoio e compreensão nesta jornada interminável de dedicação aos animais. Aos cães que nos serviram e puderam contribuir desta forma para aumentar meus conhecimentos. Aos colegas do curso de especialização, por compartilharem mensalmente, boas horas de convívio. Aos professores, coordenadores e funcionários da universidade, pela paciência, dedicação e por estarem sempre presentes nestes dois anos de estudo. Á Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Estadual Paulista Campus Botucatu, por ter me acolhido pelo quarto ano consecutivo nos Cursos de Especialização em Cirurgia, Anestesiologia e Acupuntura Veterinária. 3

4 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA CINOMOSE Transmissão e sintomas Diagnóstico Tratamento Prevenção ACUPUNTURA CONDUTA TERAPEUTICA DA CINOMOSE ATRAVES DA ACUPUNTURA Convulsões / rigidez do pescoço / temperatura elevada / opstótono / tremor dos membros / tontura / coma Inconsciência repentina / convulsões / desvio dos olhos e boca / Hemiplegia / afasia ou dislalia / tontura Parestesia dos membros / tique / tremor na cabeça e nos membros Insônia Fezes (diarréia) Vertigens Órgãos dos sentidos Corpo Dor Tosse e dispnéia Náuseas e vômitos, soluço e regurgitação Avaliação da marcha Observação dos olhos TRATAMENTO DA CINOMOSE ATRAVES DA ACUPUNTURA ESTUDO E EXPLICAÇÃO DOS PONTOS VB VB VB VB F R B TA BAI HUI VG B B B IG

5 5.15 IG CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA

6 Introdução Sendo uma das terapias complementares mais testadas e avaliadas., a acupuntura surgiu há aproximadamente anos no oriente, porém, na ultima década, o uso de agulhas para tratamento de enfermidades na área veterinária vem crescendo e se tornando mais uma alternativa para a cura ou prevenção de doenças em animais de grande e pequeno porte. A acupuntura visa, através de sua técnica e procedimentos, a estimular os pontos reflexos que tenham propriedade de restabelecer o equilíbrio, alcançandose assim, resultados terapêuticos. A acupuntura age sobre o sistema nervoso autônomo e sistema endócrino e seu efeito pode ser imunoestimulante, imunossupressivo, analgésico e antiinflamatório. Cada ponto de acupuntura tem função definida e específica, baseado na resposta fisiológica. O tratamento em geral pode envolver de 1 a 20 pontos (Martins & Tanaka, 2003) Inúmeras pesquisas tem sido realizadas em Universidades Brasileiras na área de acupuntura veterinária, em sua maioria, vinculadas à pós graduação, com apoio de órgãos de financiamento. Desta forma, pode-se observar a importância e o crescimento desta especialidade no Brasil. Em diversos estudos pode-se observar a ampla possibilidade de uso da acupuntura tanto na clínica de pequenos animais, como em rebanhos, visando uma maior produtividade, demonstrando também sua importância econômica.em muitas situações, principalmente em distúrbios neuromusculares, a acupuntura tem sido preconizada como uma das mais eficazes formas de tratamento ( Joaquim, 2003). Atualmente, utilizamos com sucesso a acupuntura na clinica veterinária, para tratamento de doenças até então ditas como incuráveis, como a Cinomose, enfermidade que provoca uma encefalite provocada por um vírus e como consequência, leva a sérios danos ao sistema imune do animal provocando 90 % de óbito. Atualmente um animal com cinomose pode ter grandes chances de vida com a utilização da acupuntura. Uma visão mais recente, utilizando 6

7 metodologia científica padronizada, tem demonstrado que a acupuntura é uma técnica eficiente para tratamento de várias doenças e sintomas, como cinomose e constipação (LUNA et all, 2003). Enfermidades ortopédicas como artrite, bursite, displasias, hérnia de disco intervertebral, tendinites, etc. são tratadas com sucesso pela Medicina Tradicional Chinesa, em pequenos e grandes animais, tendo como objetivo a eliminação da dor e a cura. Emergências como convulsão, coma, choque, apnéia, reações alérgicas, hemorragias, distúrbios cardio-respiratórios, etc. também podem ser revertidas pela acupuntura. Dessa forma, a Medicina Tradicional Chinesa chega na Veterinária como mais uma opção para os proprietários de animais de estimação e reprodução, principalmente no tratamento de enfermidades crônicas, visando a solução de problemas que muitas vezes não são solucionados pela medicina ocidental. 7

8 Revisão de Literatura CINOMOSE A cinomose é uma moléstia febril altamente contagiosa de cães e outros carnívoros, com distribuição mundial (Ettinger, 1992). Ocorre principalmente em cães jovens, com três a seis meses de idade, depois que a imunidade passiva materna desaparece. O primeiro relato ocorreu em A partir de 1920 novos avanços ocorreram no diagnóstico e na prevenção. (www.bestconsulting.com/veterinaria/virus/caes/cinomose.htm. Causa mais morbidade (25 a 75%) e mortalidade (50 a 90%, dependendo da cepa do vírus) que qualquer outro vírus que infecta cães. Apenas a Raiva possui uma taxa de mortalidade mais elevada que a cinomose (Ettinger, 1992). O vírus da cinomose é classificado na família Paramyxoviridae, estando relacionado intimamente, em termos antigênicos e biofísicos, ao vírus do sarampo de seres humanos e ao vírus da peste bovina dos ruminantes (Ettinger, 1992). São relativamente lábeis, sendo destruídos pelo calor (50 a 60 graus Celcius por 30 minutos), ressecamento, detergentes, solventes lipídicos e desinfetantes, como éter, clorofórmio, formol, fenol e desinfetante com amônio quaternário. Transmissão e sintomas A transmissão ocorre principalmente por aerosol e gotículas infectantes provenientes de secreções corporais dos animais infectados, que eliminam o vírus por 60 a 90 dias, e se expande rapidamente entre cães jovens susceptíveis. Há apenas um sorotipo do vírus da cinomose, mas existem cepas virulentas, biologicamente distintas. Algumas cepas são levemente virulentas e geralmente causam infecções inaparentes. Outras causam moléstia aguda, com elevada freqüência de encefalite e altos índices de mortalidade. Existem cepas mais viscerotrópicas, causando uma moléstia debilitante com elevada mortalidade, mas com baixa freqüência de encefalite. Um aspecto comum a 8

9 todas as cepas virulentas do vírus da cinomose é o efeito imunossupressivo em cães. A imunossupressão é decorrente da multiplicação viral em tecido linfóide, durante o período de incubação, e é importante fator na determinação das conseqüências da infecção. Os sintomas típicos de cinomose geralmente ocorrem apenas nos cães que estão imunossuprimidos. Os cães que reagiram contra o vírus desenvolvem imunidade e apresentam a infecção inaparente, sem que sejam desenvolvidos os sintomas de cinomose aguda, exceto pela ocorrência de encefalite em uma pequena porcentagem de cães. Infecções bacterianas secundárias são freqüentemente responsáveis por muitos dos sintomas clínicos associados à cinomose e contribuem para o aumento da mortalidade. Alem das infecções secundárias, toxoplasmose, coccidiose, enterite viral e infecções micoplasmicas são favorecidas pelos efeitos imunossupressivos da infecção pelo vírus da cinomose. No primeiro dia de infecção ocorre multiplicação em células monoclonais de linfonódos bronquiais e tonsilas. Entre o segundo e terceiro dia ocorre multiplicação no timo, baço, medula óssea e linfónodo retrofaringeo. Entre o quinto e sexto dia, a multiplicação ocorre na lâmina própria do estômago e intestino, linfónodo mesentérico e células de Kuppfer. Entre o sétimo e oitavo dia ocorre a viremia, com presença de vírus nas células sanguíneas (monócitos e macrófagos). Entre o nono e décimo quarto dia há produção de anticorpos e disseminação do vírus para os tecidos epiteliais. Nesta fase, 50% dos cães tem títulos neutralizantes menores que 1:1000, e a doença se dissemina com manifestações multissistêmicas severas. Febre, perda de peso, anorexia, vômito, diarréia, dispnéia e distúrbios neurológicos, ocorrendo o óbito entre o vigésimo e trigésimo dia da infecção. Nos outros cães, que possuem anticorpos superiores a 1:1000, o antígeno viral desaparece do tecido linfóide e não há disseminação para o tecido epitelial. A maioria não apresenta manifestações clínicas, mas 7% tem quadro neurológico, sem passar por problemas digestivos e respiratórios. O antígeno 9

10 viral vai para o cérebro (síndrome do Sistema Nervoso Central) e coxim plantar (hiperqueratose digital). O período de incubação para o surgimento dos sintomas clínicos da cinomose aguda é, geralmente, de 14 a 18 dias. Após a exposição e infecção pelo vírus da cinomose, ocorrem febre transitória, não muito elevada, entre o quarto e sétimo dias, sem sintomas evidentes da moléstia. A temperatura retorna ao normal após 7 a 14 dias, após o que há uma segunda elevação na temperatura corporal, acompanhada de conjuntivite e rinite. Tosse, dispnéia, alteração dos ruídos pulmonares, diarréia, vômitos, anorexia, desidratação e perda de sangue com debilitação são comumente observados em cães com cinomose aguda. Corrimento óculonasais mucopurulentos e pneumonia freqüentemente resultam de infecções bacterianas secundárias. Bordetella bronchiseptica é comumente encontrada em cães com cinomose (Ettinger, 1992). Uveíte, cegueira repentina, por lesão no nervo óptico, e degeneração retiniana podem ser observados. Erupção cutânea, progredindo para pústulas, pode ocorrer, especialmente no abdômen, mas os cães se recuperam destas lesões com freqüência. Hiperqueratose digital também pode estar presente. A disseminação para o Sistema Nervoso Central (SNC) depende do grau de resposta imune. O inicio da sintomatologia nervosa ocorre entre uma a três semanas após recuperação da doença sistêmica. É impossível prever qual animal irá apresentar quadro neurológico. Diagnóstico precoce em animais jovens diminui a probabilidade de ocorrência de sintomas nervosos. Os sinais neurológicos variam de acordo com a área do SNC afetada. Hiperestesia e rigidez cervical indicam inflamação das meninges; convulsão, sinais cerebelares e vestibulares, paraparesia e tetraparesia estão associados com ataxia sensitiva e mioclonias; convulsões do tipo mascar chiclete relacionam-se com poliencefalomalácea dos lobos temporais. A idade do animal, sua imunocompetência e as propriedades imunossupressoras do vírus, definem o tipo de lesão e o curso da infecção no SNC, classificando-se em encefalite aguda, encefalite não supurativa e encefalite crônica. 10

11 Os sintomas da encefalite aguda podem surgir com uma série de manifestações. Mioclonismo, ataques de mascar borracha, ataxia, incoordenação, locomoção em círculos, hiperestesia, rigidez muscular, vocalização similar a do estado de dor, respostas de temor e cegueira são mais comumente observados na cinomose. Na encefalite não supurativa, alguns sintomas neurológicos podem ocorrer, semanas ou meses após a recuperação de infecções inaparentes, ou depois da recuperação de uma cinomose aguda. Ocorre uma desmielinização internodal primária, principalmente em neonatos, animais mais velhos e em fases tardias da doença. Cães que desenvolvem sintomas neurológicos tardios, geralmente apresentam imunidade ao vírus. O vírus da cinomose é considerado como a causa mais comum de convulsões em cães com menos de seis meses de idade. A desmielinização é um achado compatível na encefalite aguda e subaguda, além de alterações neuronais, gliose, necrose tecidual, edema e infiltração de macrófagos. Os cães que sobrevivem podem apresentar deficiências neurológicas permanentes, envolvendo espasmos flexores e disfunções visuais e olfatórias. A forma de encefalite crônica por cinomose é conhecida como encefalite multifocal. É uma moléstia lentamente progressiva, que pode ter curso clinico de mais de um ano, geralmente ocorrendo em cães com 4 a 8 anos de idade imunocompetentes que sobreviveram à infecção aguda. Os sintomas são : incoordenação, fraqueza nos membros pélvicos, ameaça de deficiência uni ou bilateral, inclinação da cabeça, nistagmo, paralisia facial e tremores da cabeça sem mioclonismo. Os cães afetados podem, ocasionalmente, cair e a perturbação pode progredir para uma eventual paralisia, mas mantêm-se mentalmente alertas. Convulsões generalizadas e alterações da personalidade não são aspectos desta moléstia. Outra forma de encefalite crônica por cinomose é conhecida como encefalite dos cães idosos. É um distúrbio progressivo de rara ocorrência, detectado geralmente em cães com mais de seis anos de idade. O sintoma clínico inicial é a deficiência visual. À medida que progride, os cães afetados 11

12 tornam-se mentalmente deprimidos, evoluem para uma movimentação compulsiva em círculos ou para a compressão de cabeça e manifestam alterações de personalidade, um estado de mudez e não reconhecem seus donos, nem respondem aos estímulos normais em seu ambiente. Diagnóstico O diagnostico baseia-se, geralmente, na história (idade, ingestão do colostro, contato com outros animais) e nos sintomas clínicos. Uma combinação de febre, sintomas respiratórios (rinite, tosse e pneumonia), corrimentos oculonasais mucopurulentos, diarréia, hiperceratose dos coxins plantares e sintomas neurológicos, é altamente indicativa de cinomose, especialmente em cães jovens não vacinados adultos com historia de vacinação inadequada. Linfopenia é um achado compatível com cinomose aguda no exame de sangue, podendo ser base de sustentação para o diagnostico clinico. Trombocitopenia pode estar presente no inicio. Além disso a presença de corpúsculos de inclusão nas células sanguíneas. A radiografia do tórax mostra um quadro intersticial ou alveolar. A analise do liquido cefaloraquidiano (LCR) indica um aumento na quantidade de proteínas e na contagem de células. Testes sorológicos podem, ou não, serem úteis para o diagnostico da cinomose aguda, porque os cães com cinomose geralmente deixam de responder imunologicamente. Cães que se recuperam da cinomose aguda apresentam títulos mais baixos de anticorpos em relação aos cães com infecções inaparentes ou com imunidade induzida por vacinação, mas a relação entre IgM e IgG especificas para o vírus da cinomose é mais elevada no cão em recuperação. Algumas provas imunológicas podem ser realizadas como, por exemplo, a soroneutralização, dp LCR, principalmente; a imunofluorescência indireta (IFI), do LCR, do epitélio conjuntival, genital ou respiratório: e o teste de ELISA, do soro. 12

13 Geralmente o teste de anticorpos fluorescentes é realizado com base em células epiteliais coletadas da conjuntiva ou de outras membranas mucosas. Pode também ser realizado com base em esfregaços de sangue ou em células do tampão linfocitário do hematócrito, visto que o vírus infecta linfócitos e trombócitos. O sucesso do teste baseia-se na detecção do antígeno anti-virus da cinomose, apenas no interior de células epiteliais intactas. O êxito do teste é satisfatório durante os poucos primeiros dias de sintomas agudos da cinomose. O teste geralmente é negativo em outras situações porque os cães com estes distúrbios geralmente possuem anticorpos neutralizadores que eliminararm o vírus, ou que bloqueiam a reação dos anticorpos fluorescentes. Outro teste, o isolamento viral, pode ser realizado através da inoculação de tecidos ou secreções, que supõe-se ter o agente, em furões. O vírus mata os furões entre 10 e 14 dias. Tratamento Não existem medicamentos antivirais ou agentes quimioterápicos de valor pratico para o tratamento especifico da cinomose em cães. O tratamento de apoio pode ser feito através de: - antibióticos de amplo espectro (ampicilina ou amoxacilina, 20 mg/kg TID por 7 dias; ou tetraciclina, 22 mg/kg TID por 7 dias; ou cloranfenicol 15 a 25 mg/kg TID por 7 dias) para o controle de infecções secundarias; - Fluidoterapia (Ringer Lactato para anorexia ou solução com glicose a 5% para fornecer energia); - Anti-eméticos e anti-diarréicos; - Vitaminas do complexo B para melhorar o apetite; - Suplementos nutricionais; - Anticonvulsivantes (fenobarbital, 1 a 2 mg/kg BID) - Antiinflamatórios (dexametasona), nos casos de edema do SNC (1 a 2 mg/kg SID, intra-venoso) ou neurite óptica (0,1 a 0,2 mg/kg 13

14 SID, via oral). Os corticóides são indicados nos casos em que os sinais neurológicos estão presentes há mais de 24 ou 48 horas. - Vitamina C e o éter dietilico tem sido considerado como benéficos no tratamento da cinomose, mas há carência de estudos sobre isto. - Acupuntura, atualmente vem sendo utilizada com sucesso no tratamento da cinomose. O prognostico é reservado para a maioria dos casos de cinomose aguda, especialmente na presença de sintomas neurológicos. Prevenção Atualmente há no mercado nacional, vacinas com vírus vivo modificado, que são as mais potentes e seguras e que induzem imunidade efetiva para a cinomose. A idade na qual os cãezinhos se tornam susceptíveis á cinomose é proporcional ao titulo de anticorpos de sua mãe, e varia de acordo com a transferência colostral. Aproximadamente 50% dos cães são imunizáveis por volta das seis semanas de idade, cerca de 75% com nove semanas, e mais de 95% por volta de 13 semanas de idade. Devido à idade variável na qual os animais se tornam imunizáveis contra a cinomose, recomenda-se varias doses, segundo esquemas de vacinação, que maximizam a probabilidade de indução da imunidade. É recomendada a revacinação anual, visto que o título de anticorpos declina a níveis que não são protetores dentro de um ano, em ate um terço dos cães jovens. (www.bestconsulting.com/veterinaria/virus/caes/cinomose.htm). 14

15 ACUPUNTURA O objetivo da acupuntura no tratamento da cinomose, é a estimulação dos pontos cutâneos através da inserção de agulhas de metal sólidas em locais específicos por onde percorrem os meridianos que estão em desarmonia, conseqüentemente promovendo o equilíbrio do organismo e a cura da doença. Além de agulhas e fios de ouro aplicados nos pontos em desarmonia, na acupuntura veterinária pode-se incluir a prática de moxabustão, que é uma técnica que usa aplicação de calor para estimular os acupontos através da queima da erva Artemísia vulgaris, alem da eletroacupuntura. CONDUTA TERAPEUTICA DA CINOMOSE ATRAVÉS DA ACUPUNTURA Na visão da Medicina Tradicional Chinesa (M.T.C.), a Cinomose canina é sugestiva em estabelecer analogia primordialmente aos síndromes referentes ao vento e calor (Cole, 1996). Como a madeira, o vento simboliza o Yang que cresce no interior, gerando movimento. O vento obstrui, e caracteriza-se pela intensidade e rapidez, o que dá a ele muita capacidade de penetração. Ele também veicula outros fatores que podem resfriar ou aquecer rapidamente um determinado local. Isto causa o rápido aparecimento de fleuma (adensamento do fluido corporal). Inicio súbito é sugestivo de vento. O vento segundo M.T.C. tem característica Yang (que tende a subir), por isso, os sintomas do vento costumam localizar-se ou serem mais intensos no alto do corpo, principalmente na cabeça (Wen, 1985; Auteroche e Navailh, 1986; Gomes, et al., 1993; Bastos, 1993). As manifestações clínicas gerais do vento do fígado (Gan) são: tremor, tique, parestesia, tontura e convulsões ou paralisia. Sinais de vento interior são 15

16 caracterizados por movimentos ou pela ausência destes, portanto o tremor e as convulsões ou paralisias (como no Acidente Vascular Cerebral)(Maciocia, 1996). Podemos citar alguns pontos empíricos que tratam vento interno: B18, VB20, F2, F3, VG20. Levando-se em consideração os Oito Princípios, a identificação da doença na acupuntura é baseada nas categorias de Interior / Exterior, Frio / Calor, Excesso / Deficiência e Yin / Yang. Assim sendo, analisando os sintomas da Cinomose, podemos descreve-la, segundo a M.T.C., como segue. O calor relaciona-se com o movimento fogo e pode ser dividido em dois tipos de acordo com a intensidade dos sintomas. Calor ou fogo moderado se ampliam ao calor que invade pequenas regiões da pele, sem causar sintomas sistêmicos. Calor ou fogo intensos costumam acometer o corpo de forma mais grave e gerar sintomas sistêmicos. O calor consome o Yin gerando um predomínio de Yang, sendo o mais Yang dos fatores, por isto, tende a ascender e dilatar-se. A ascensão faz com que os sintomas predominem na parte superior (e anterior) do corpo, concentrando-se geralmente no aquecedor superior. O calor afeta o Yang do coração por serem os dois relacionados ao movimento fogo. O coração alberga a mente, por isto, as doenças de calor podem evoluir com sintomas relativos a SHEN (Wen, 1985; Auteroche e Navailh, 1986; Gomes, et al., 1993; Bastos, 1993). Com relação à localização da patologia e à profundidade da doença, podemos distinguir a cinomose como uma síndrome interna ou profunda. A desarmonia é definida como interior quando os sistemas internos são afetados, podendo ou não originar-se de um fator patogênico exterior, mas uma vez que a patologia é localizada no interior, é definida como um padrão interno, sendo tratada como tal (Maciocia, 1996). O Padrão interior, afeta os sistemas internos e os ossos,e os sintomas variam de acordo com o Zang Fu afetado. Apreciando-se o carácter relativo a intensidade da enfermidade, que permite avaliar, sob o ponto de vista funcional, se existe uma hiperfunção ou exagero orgânico (excesso) ou se a característica aponta uma hipofunção ou falta (deficiência), verifica-se ser ela de excesso (Gomes, et al. 1993), que é o 16

17 desequilíbrio que ocorre quando existe uma hiperreação aos fatores exteriores, com sinais de luta entre a energia de defesa e o fator patogênico. Finalmente, em relação aos padrões Yin / Yang, dentro da teoria dos oito princípios, sabendo-se que Yin e Yang são uma generalização dos outros seis princípios, uma vez que Interior, Deficiência e Frio são de natureza Yin; e Exterior, Excesso e Calor são de natureza Yang (Maciocia, 1996), analisando os aspectos referentes à cinomose, esta enfermidade demonstra ser Yang, através da analise referente á natureza intrínseca desta doença, já que estabelece compatibilidade com dois dos três fatores de avaliação: excesso e calor (Cole, 1996). Como são três fatores para cada doença, se dois ou três deles forem Yin, então a doença é Yin; se dois ou três forem Yang, então a doença é Yang. A natureza intrínseca de uma doença é sua essência. Determinado qual é a essência da doença é possível estabelecer uma estratégia de tratamento e um prognóstico (Gomes, et al., 1993). Para estabelecer qual é a natureza intrínseca de um desequilíbrio qualquer basta analisar os seus três aspectos básicos: localização, manifestação e intensidade. Eles são polares, e cada um dos pólos dos três aspectos identifica-se com a idéia de Yin e Yang (Wen, 1985; Auteroche e Navailh, 1986: Gomes, et al., 1993; Bastos, 1993). A seguir relataremos alguns sintomas clínicos observados em pacientes com cinomose, sejam eles sistêmicos e/ou neurológicos, analisados de acordo com a metodologia empregada pela M.T.C., sob a ótica da acupuntura. Convulsões / Rigidez do pescoço / Temperatura elevada / Opstótono / Tremor dos membros / Tontura /Coma Vento do Fígado agitando no Fígado- Caudado por Calor extremo gerando vento. Lingua vermelho-escura, rigidez, com saburra espessa e de cor amarela. Pulso em corda-rapido-cheio. Este padrão é encontrado somente nas patologias febris agudas, quando o Calor patogênico exterior tiver penetrado profundamente no nível de Sangue, dando origem ao Vento Interior do Fígado. É um tipo de excesso do Vento Interior e como conseqüência aparecem sinais como tremores e convulsões. Por outro lado, o Vento Interior impede o Fígado de umedecer os 17

18 tendões, o que causa rigidez do pescoço e o opstótono. Nos casos mais severos, o Calor e o Vento extremos podem obscurecer a Mente e causar coma. Como tratamento, os princípios são : Eliminar o Calor, dispersar o Fígado e dominar o vento. (Maciocia, 1996). Inconsciência repentina / convulsões / desvio dos olhos e boca / hemiplegia/ afasia ou dislalia / tontura Vento do Fígado agitando no Fígado Causado por aumento do Yang do Fígado causando Vento. Língua vermelho-escura e desviada. Pulso vazio-flutuante ou em corda-fino e rápido. Esta condição origina-se da Deficiência do Yin que, por um período longo de tempo, causa o aumento ascendente do Yang do Fígado. Sob determinadas circunstância, o Yang do Fígado pode gerar o Vento Interior. Nestes casos o Acidente Vascular Cerebral pode ocorrer. Este padrão necessita de dois fatores para aparecer : Deficiência de Yin do Fígado (atividade sexual excessiva ou excesso de atividade esportiva) e ascendência do Yang deste sistema (fatores emocionais, fúria, ressentimento, frustração, etc).principio de tratamento : Nutrir o Yin do Fígado, dominar o Yang do Fígado e o Vento.(Maciocia, 1996). Parestesia dos membros / Tique / Tremor na cabeça e nos membros Vento do Fígado agitando no Fígado - Causado por Deficiência do Sangue do Fígado causando Vento. Língua pálida e desviada. Pulso agitado. Este padrão é causado pela Deficiência do Sangue do Fígado que cria um vazio nos vasos sanguíneos os quais são preenchidos pelo Vento Interior. Este padrão é do tipo Deficiente do Vento Interior. Tremor da cabeça, tique e tremores são decorrentes de \vento \interior. A parestesia é decorrente do Sangue deficiente que não nutre os músculos e tendões. Neste caso o tremor dos membros é mais ameno, não representando convulsões reais como nos dois casos anteriores. Princípio de tratamento : Tonificar o sangue do Fígado e dominar o Vento. (Maciocia, 1996). 18

19 Insônia A insônia relaciona-se com o equilíbrio do Yin e do Yang no corpo. Quando existe predomínio de Yang (absoluto ou relativo), o paciente tem dificuldade de dormir. A mente, albergada no coração, está envolvida no processo também, pois o sono é o repouso da mente (Wen, 1985; Auteroche e Navailh, 1986; Gomes et al, 1993; Bastos, 1993). A qualidade e a quantidade do sono dependem do curso no estado da Mente. A Mente é enraizada no Coração, especialmente no Sangue e no Yin do Coração. Se o Coração for saudável e o Sangue abundante, a Mente é devidamente enraizada e o sono será profundo. Se o Coração for deficiente ou agitado por fatores patogênicos como o Fogo, a Mente não é devidamente enraizada e o sono será afetado. Como sempre, na M.T.C., há um relacionamento entre o corpo e a Mente. Por um lado, a Deficiência de Sangue ou o fator patogênico, como o Fogo, pode afetar a Mente; por outro lado, estresse emocional afetando a Mente pode causar uma desarmonia dos órgãos internos. De fato, qualquer desarmonia dos órgãos internos, seja proveniente de Deficiência ou de Excesso, afeta o Sangue e a Essência. Uma vez que o Qi são a raiz da mente, a mente não terá resistência, resultando em insônia. Princípio de tratamento: Drenar o Fogo, acalmar a mente e assentar a Alma Etérea. (Maciocia, 1996) Fezes (diarréia) Diarréia aquosa com muitas evacuações diárias e muco nas fezes significa invasão do estômago e intestinos por umidade. Se o muco é branco é Umidade Frio; se o muco é amarelo e/ou existe sangue é Umidade Calor (Wen, 1985; Auteroche e Navailh, 1986; Gomes et al, 1993; bastos, 1993). 19

20 Vertigens Segundo a M.T.C., as vertigens tem duas fisiopatologias básicas: ora causadas por vento (interno ou externo), que perturba os orifícios superiores (órgãos dos sentidos); ora são caudadas por deficiência de Qi e/ou sangue, que não ascendem à cabeça para nutrir os órgãos dos sentidos (Wen, 1985; Auteroche e navailh, 1986; Gomes et al, 1993; Bastos, 1993). Causas das vertigens: - Deficiência de Qi ou Sangue Os sinais manifestam-se como tonteiras leves; - Acometimento por vento Os sinais manifestam-se como vertigens intensas, rotatórias, súbitas, com náuseas e vômitos.(gomes et al, 1993) Órgãos dos sentidos Os órgãos dos sentidos dependem da nutrição de Qi e sangue e do bom funcionamento dos órgãos a que são relacionados para funcionarem adequadamente. Os órgãos dos sentidos também estão conectados com o cérebro, que é o mar de essência. Se a essência é fraca, os órgãos dos sentidos não funcionam adequadamente (Wen, 1985; Auteroche e Navailh, 1986; Gomes et al, 1993; Bastos, 1993). Olhos estão relacionados com o Fígado e o movimento Madeira - Diminuição da visão representa enfraquecimento da essência do Rim e do Fígado; - Perda súbita da visão ocorre por obstrução dos canais que nutrem os olhos. Pode ser devido a estagnação de Qi e sangue ou vento interno obstruindo os canais (Wen, 1985; Auteroche e Navailh, 1986; Gomes et al, 1993; Bastos 1993). Nariz O nariz relaciona-se com o Pulmão e com o movimento Metal (Wen, 1985; Auteroche e Navailh, 1986; Gomes et al, 1993; Bastos, 1993). 20

21 Corpo Os parâmetros analisáveis são os seguintes: - dores generalizadas - perda de sensibilidade corporal ou parestesias Relação entre as alterações da sensibilidade com suas causas: - Parestesias ou hipoestesias causada por obstrução do fluxo de Qi nos canais por Vento, trauma, estagnação de Qi do Fígado ou Fleuma Umidade; - Anestesia causada por obstrução completa do fluxo de Qi por Vento, trauma, lesão de essência ou acúmulo de de Fleuma ou Umidade; - Parestesias em extremidades causada por deficiência do fluxo de Qi por estagnação do Qi do Fígado, deficiência de Qi, ou obstrução por Umidade; - Prurido causada por invasão de Vento ou deficiência de Sangue no Fígado, gerando Vento de deficiência, secura ou Vento Calor no exterior. (Gomes, et al., 1993). Dor Relação existente entre os tipos de dor com suas causas - Dor crônica doença interna causada por deficiência ou estagnação; - Dor aguda doença externa causada por excesso ou doença interna com excesso e Calor; - Dor que piora com a pressão Síndrome de excesso; - Dor que melhora com a pressão Síndrome de deficiência. (Gomes, et al., 1993). Tosse e dispnéia A tosse é a inversão do fluxo de Qi normal dos pulmões. O fluxo de Qi é para baixo, para possibilitar a captura do Qi do ar. Na tosse, o Qi do pulmão 21

Def de Qi do Rim -etiologia

Def de Qi do Rim -etiologia PADRÕES DO RIM Funções energéticas Estoca a essência Fonte do Yin e Yang Domina o metabolismo Recebe o Qi dos Pulmões Controla os orifícios Domina os ossos Abre-se nos ouvidos e manifesta-se nos cabelos

Leia mais

A Vesícula Biliar (DAN)

A Vesícula Biliar (DAN) A Vesícula Biliar (DAN) 44 pontos bilaterais Natureza YANG Elemento Madeira Acoplado ao Fígado (GAN) A Vesícula Biliar (DAN) A Vesícula Biliar (DAN) é considerada uma víscera de comportamento particular,

Leia mais

ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO

ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO Se o problema tem solução, não esquente a cabeça, porque tem solução. Se o problema não tem solução, não esquente a cabeça,

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 07. Acerca da história da Acupuntura, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 07. Acerca da história da Acupuntura, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 07 QUESTÃO 17 Acerca da história da Acupuntura, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO: a) Há 3.000 anos, agulhas de bronze e a pedra bian eram usadas como

Leia mais

Deve-se distinguir a sudorese por meio da Área corpórea, hora do dia, condições e tipo de sudorese.

Deve-se distinguir a sudorese por meio da Área corpórea, hora do dia, condições e tipo de sudorese. CALAFRIOS E FEBRE 12 Calafrios apresenta um significado duplo: significa que o paciente sente frio, mas também que ele tem aversão ao frio ; Se a pessoa apresenta aversão ao frio e sente calafrios, isto

Leia mais

Problemas Gastro-Intestinais

Problemas Gastro-Intestinais Problemas Gastro-Intestinais Parâmetros Ocidentais Vômito; Dor na região abdominal, gástrica, etc. Gastrite, Úlcera, Diarréia, Prisão de ventre (constipação) Cólica, Vermes. Anamnese: Tipo de dor ou desconforto:

Leia mais

RECOMENDAÇÕES: 1) - Mantenha a respiração fluida; 2) Relaxe em cada alongamento. Alongar-se é, em grande parte uma atividade passiva Coloque-se na

RECOMENDAÇÕES: 1) - Mantenha a respiração fluida; 2) Relaxe em cada alongamento. Alongar-se é, em grande parte uma atividade passiva Coloque-se na RECOMENDAÇÕES: 1) - Mantenha a respiração fluida; 2) Relaxe em cada alongamento. Alongar-se é, em grande parte uma atividade passiva Coloque-se na posição e aguarde a musculatura soltar-se; 3) Não balance

Leia mais

dr-cesar TERAPIAS ENERGÉTICAS CURSOS AMBULATÓRIO E CONSULTORIA

dr-cesar TERAPIAS ENERGÉTICAS CURSOS AMBULATÓRIO E CONSULTORIA PRINCIPAIS SÍNDROMES Autor - Wanderley Rocha Casalecchi PADRÕES DO FÍGADO (GAN) ESTAGNAÇÃO DO QI DO FÍGADO (GAN) MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: SENSAÇÃO DE DISTENSÃO E DOR NOS HIPOCÔNDRIOS - NO NÍVEL FÍSICO A

Leia mais

PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO

PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO "A saúde é o resultado não só de nossos atos como também de nossos pensamentos." (Mahatma Gandhi) SHIATSU TERAPIA Terapia

Leia mais

OITO PRINCÍPI P O I S

OITO PRINCÍPI P O I S OITO PRINCÍPIOS TEM COMO FUNÇÃO IDENTIFICAR, ATRAVÉS DOS DADOS OBTIDOS DO PACIENTE: A LOCALIZAÇÃO DA DESARMONIA A NATUREZA DA DESARMONIA AS CONDIÇÕES DOS FATORES PATOGÊNICOS E DE RESISTÊNCIA DO ORGANISMO

Leia mais

Módulo I Lição 6. S. Baço / Estômago S. Fígado / Vesícula biliar S. Rim / Bexiga Sanjiao

Módulo I Lição 6. S. Baço / Estômago S. Fígado / Vesícula biliar S. Rim / Bexiga Sanjiao Módulo I Lição 6 S. Baço / Estômago S. Fígado / Vesícula biliar S. Rim / Bexiga Sanjiao Relembrando Alterações patológicas *Qi (Deficiência, Estagnação, alteração curso normal) *Xue (Deficiência, estagnação,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES DE ACORDO COM OS OITO PRINCÍPIOS

IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES DE ACORDO COM OS OITO PRINCÍPIOS IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES DE ACORDO COM OS OITO PRINCÍPIOS Aplicação dos 8 princípios Aplicável em todos os casos, para doenças interiores e exteriores Divisão : Exterior-Interior Calor-Frio: Calor por

Leia mais

A Lesão. A Lesão. A lesão provoca congestão local causada por obstrução de QiE XUE nas articulações

A Lesão. A Lesão. A lesão provoca congestão local causada por obstrução de QiE XUE nas articulações Acupuntura Acupuntura e Traumatologia e Traumatologia É o estudo das patologias próprias do sistema esquelético, causadas principalmente por traumatismos utilizando a especialidade de acupuntura como recurso

Leia mais

** Pessoas jovens com má alimentação e estresse emocional que também geram vento no Fígado também estão propícios a ter Parkinson.

** Pessoas jovens com má alimentação e estresse emocional que também geram vento no Fígado também estão propícios a ter Parkinson. Doença de Parkinson A Doença de Parkinson é uma síndrome caracterizada por lentidão de movimento, rigidez e tremor resultante de disfunção nos glânglios da base, com diminuição da dopamina e aumento da

Leia mais

PADRÕES DO FÍGADO (GAN)

PADRÕES DO FÍGADO (GAN) PADRÕES DO FÍGADO (GAN) ESTAGNAÇÃO DO QI DO FÍGADO (GAN) SENSAÇÃO DE DISTENSÃO E DOR NOS HIPOCÔNDRIOS - NO NÍVEL FÍSICO A ESTAGNAÇÃO DE FÍGADO SE MANIFESTA PRINCIPALMENTE NESTA REGIÃO, EM AMBOS OS LADOS.

Leia mais

CANAIS E COLATERAIS (JING-LUO)

CANAIS E COLATERAIS (JING-LUO) CANAIS E COLATERAIS (JING-LUO) A TEORIA DE JING-LUO ESTUDA AS ALTERAÇÕES FISIOPATOLÓGICAS DOS CANAIS E COLATERAIS E A RELAÇÃO ENTRE ESTES E OS ÓRGÃOS INTERNOS DO CORPO JING-LUO É O NOME DADO AO CONJUNTO

Leia mais

RYODORAKU. Mensuração Diagnóstica Eletrônica POR DENISE DARIN

RYODORAKU. Mensuração Diagnóstica Eletrônica POR DENISE DARIN RYODORAKU Mensuração Diagnóstica Eletrônica POR DENISE DARIN SIGNIFICADO DO RYODORAKU Ryo significa boa, Do conduzir e Raku linha ou canal. Caminhos Permeáveis (Linha de boa eletrocondutividade). É um

Leia mais

Agentes Virais de Cães e Gatos

Agentes Virais de Cães e Gatos V e t e r i n a r i a n D o c s Agentes Virais de Cães e Gatos Cinomose Etiologia Vírus da família Paramyxoviridae, subfamília Paramyxovirinae e gênero Morbilivirus; -Características: -Vírus grande; -RNA;

Leia mais

S/s cansaço, letargia, fraqueza, problemas de apetite, distensão abdominal, fezes soltas e insegurança.

S/s cansaço, letargia, fraqueza, problemas de apetite, distensão abdominal, fezes soltas e insegurança. Síndromes do Baço Deficiência do Qi do Baço S/s cansaço, letargia, fraqueza, problemas de apetite, distensão abdominal, fezes soltas e insegurança. Pulso- vazio. Língua pálida e flácida, marcas de dentes.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ACUPUNTURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

AVALIAÇÃO DE ACUPUNTURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA AVALIAÇÃO DE ACUPUNTURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Ficha No.: Data: Nome: Data Nasc.: Naturalidade: Estado civil: Filhos: Endereço: Profissão: Fone(s): 1. Queixa Principal (QP): 2. História da Moléstia

Leia mais

MASSAGEM DO-IN. Claudio Prieto - Elza Rodrigues Pinheiro Prieto. Site: www.massagemdoin.net. E-Mail: contato@massagemdoin.net

MASSAGEM DO-IN. Claudio Prieto - Elza Rodrigues Pinheiro Prieto. Site: www.massagemdoin.net. E-Mail: contato@massagemdoin.net MASSAGEM DO-IN Claudio Prieto - Elza Rodrigues Pinheiro Prieto Site: www.massagemdoin.net E-Mail: contato@massagemdoin.net O QUE É? O DO-IN é uma técnica de automassagem aplicada nos pontos energéticos

Leia mais

Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC. Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012

Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC. Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012 Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012 Sistema Vestibular Introdução Função: transmitir a informação do ouvido interno até o cérebro

Leia mais

Utilizando o Diagnóstico pelos Oito Princípios na Acupuntura Veterinária Dra. Eliane Nijishima

Utilizando o Diagnóstico pelos Oito Princípios na Acupuntura Veterinária Dra. Eliane Nijishima Utilizando o Diagnóstico pelos Oito Princípios na Acupuntura Veterinária Dra. Eliane Nijishima 1. Introdução O primeiro e mais importante estágio de identificação das Síndromes na Medicina Tradicional

Leia mais

ARTROSES ARTRITES OSTEO... HÉRNIA ARTRALGIAS...OSES...ITES ETC.

ARTROSES ARTRITES OSTEO... HÉRNIA ARTRALGIAS...OSES...ITES ETC. ORTOPEDIA & REUMATO MTC ARTROSES ARTRITES OSTEO... HÉRNIA ARTRALGIAS...OSES...ITES ETC. CAUSAS CLÍNICAS OCIDENTE CAUSAS CLÍNICAS ORIENTE 1. VENTO 2. FRIO 3. CALOR 4. UMIDADE 5. TRAUMA ORTOPEDIA & REUMATO

Leia mais

6/22/2015. Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc

6/22/2015. Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc Acupuntura na Osteoartrose Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc Osteoartrose 1 Osteoartrose Outras denominações ; Artrose; Doença Articular Degenerativa; Artrite Degenerativa. 2 É a doença articular mais

Leia mais

Padrões de Desarmonia do Movimento Metal

Padrões de Desarmonia do Movimento Metal [Digite texto] Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária Padrões de Desarmonia do Movimento Metal Prof a. Márcia Valéria Rizzo Scognamillo marciascognamillo@yahoo.com.br Junho de 2011 Geral I.

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

Métodos Diagnósticos na MTC. Prof. Thiago Resende

Métodos Diagnósticos na MTC. Prof. Thiago Resende Métodos Diagnósticos na MTC Prof. Thiago Resende Observações da Forma do Corpo Existem cinco diferentes maneiras de se classificar: Yin e Yang Cinco Elementos (Constitucional) Influências pré e pós natais

Leia mais

XII I I S im i pós pós o B ras r i as l i e l i e r i o de o de Aper pe f r e f i e ç i oam oam n e to t e o m e

XII I I S im i pós pós o B ras r i as l i e l i e r i o de o de Aper pe f r e f i e ç i oam oam n e to t e o m e XII Simpósio Brasileiro de Aperfeiçoamento em Acupuntura e Terapias Orientais 三 Método de Três Agulhas Introdução Definição O Método de Três Agulhas é uma forma de acupuntura que utiliza seleções e combinações

Leia mais

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES www.shenqui.com.br Na década de 80, após 25 anos de pesquisas, em renomadas instituições do mundo, a OMS publicou o documento Acupuncture:

Leia mais

Objetivos: 1. Compreender a origem e a natureza da desarmonia 2. Decifrar padrões complicados 3. Identificar as contradições

Objetivos: 1. Compreender a origem e a natureza da desarmonia 2. Decifrar padrões complicados 3. Identificar as contradições IDENTIFICAÇÃO DOS PADRÕES DESARMÔNICOS SEGUNDO OS OITO PRINCÍPIOS DIAGNÓSDTICO Objetivos: 1. Compreender a origem e a natureza da desarmonia 2. Decifrar padrões complicados 3. Identificar as contradições

Leia mais

ATM CERVICALGIAS DORSALGIAS

ATM CERVICALGIAS DORSALGIAS Center-AO Centro de Pesquisa e Estudo da Medicina Chinesa Universidade Federal de São Paulo Departamento de Ortopedia e Traumatologia Disciplina de Ortopedia Setor de Medicina Chinesa-Acupuntura ATM CERVICALGIAS

Leia mais

SANGUE (XUE) NA MTC, O XUE É UMA FORMA DE QI, MUITO DENSO E MATERIAL

SANGUE (XUE) NA MTC, O XUE É UMA FORMA DE QI, MUITO DENSO E MATERIAL SANGUE (XUE) NA MTC, O XUE É UMA FORMA DE QI, MUITO DENSO E MATERIAL SANGUE É INSEPARÁVEL DO QI, JÁ QUE O QI PROPORCIONA VIDA AO XUE, SEM O QUAL ELE SERIA UM FLUIDO INERTE XUE DERIVA EM SUA MAIORIA DO

Leia mais

Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura

Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura REGIÃO CERVICAL, OMBROS E MEMBROS SUPERIORES Dor muscular dor decorrente de traumatismo esportivo, por erro de postura e/ou tensão emocional. Exemplo: dor no

Leia mais

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Acupuntura Profa. Alessandra Barone. Histórico Teoria Yin Yang Teoria dos Cinco Elementos Substâncias Vitais

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Acupuntura Profa. Alessandra Barone. Histórico Teoria Yin Yang Teoria dos Cinco Elementos Substâncias Vitais MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Acupuntura Profa. Alessandra Barone Histórico Teoria Yin Yang Teoria dos Cinco Elementos Substâncias Vitais Medicina Tradicional Chinesa Histórico Antes de 2000 a.c Origem

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA CHINESA EBRAMEC- SP julho/2012. Palestra: ACUPUNTURA DO BALANCEAMENTO Prof. Silvia Ferreira

CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA CHINESA EBRAMEC- SP julho/2012. Palestra: ACUPUNTURA DO BALANCEAMENTO Prof. Silvia Ferreira CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA CHINESA EBRAMEC- SP julho/2012 Palestra: ACUPUNTURA DO BALANCEAMENTO Prof. Silvia Ferreira Método desenvolvido pelo prof Wang Wen Yuan, da província de Shandong China.

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Centro de Acupunctura do Funchal

Centro de Acupunctura do Funchal Centro de Acupunctura do Funchal Medicina Tradicional Chinesa Dr António Franco Medicina Tradicional Chinesa Centro de Acupunctura do Funchal CAF Medicina Tradicional Chinesa Existe há pelo menos 5 mil

Leia mais

MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2

MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2 MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO P1 NA PARTE SUPERIOR LATERAL DA PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2 P2 P3 NA PARTE SUPERIOR LATERAL DA PAREDE TORÁCICA ANTERIOR, ACIMA DA

Leia mais

DOENÇAS VIRAIS EM CÃES

DOENÇAS VIRAIS EM CÃES DOENÇAS VIRAIS EM CÃES Cinomose Etiologia Doença que acomete vários sistemas do animal, sendo altamente contagiosa aos cães domésticos e muitos carnívoros selvagens (raposa, coiote, lobo, furão, etc, mas

Leia mais

Aula de Localização de Pontos e Meridianos do Movimento Metal. Pulmão e Intestino Grosso. Instituto Quallitas. Novembro de 2009.

Aula de Localização de Pontos e Meridianos do Movimento Metal. Pulmão e Intestino Grosso. Instituto Quallitas. Novembro de 2009. Aula de Localização de Pontos e Meridianos do Movimento Metal Pulmão e Intestino Grosso Instituto Quallitas Novembro de 2009 Funções do Pulmão 1. Governar Qi e a Respiração Controla o Qi da respiração

Leia mais

O TUI NA NO TRATAMENTO DA ANSIEDADE

O TUI NA NO TRATAMENTO DA ANSIEDADE O TUI NA NO TRATAMENTO DA ANSIEDADE ANSIEDADE A ansiedade é uma reação ligada ao instinto de sobrevivência frente a situações e momentos de medo, perigo ou de tensão, que prepara a pessoa para o que poderá

Leia mais

XI Simpósio Brasileiro de Aperfeiçoamento em Acupuntura e Terapias Orientas EBRAMEC - CIEFATO

XI Simpósio Brasileiro de Aperfeiçoamento em Acupuntura e Terapias Orientas EBRAMEC - CIEFATO XI Simpósio Brasileiro de Aperfeiçoamento em Acupuntura e Terapias Orientas EBRAMEC - CIEFATO Material elaborado pela Direção e Coordenação da EBRAMEC Direção Geral: Reginaldo de Carvalho Silva Filho Coordenação

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL CURSO DE ACUPUNTURA CORPO ENERGÉTICO. Elaborado por Profa. Romana de Souza Franco. 1

CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL CURSO DE ACUPUNTURA CORPO ENERGÉTICO. Elaborado por Profa. Romana de Souza Franco. 1 CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL CORPO ENERGÉTICO 1 CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL INTRODUÇÃO: O corpo energético humano, às vezes chamado de corpo etéreo permeia e cerca o corpo físico sólido. É a soma dos campos de

Leia mais

Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura

Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura Neuropatias sob a visão da Medicina Chinesa Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura Neuropatias sob a visão da Medicina Chinesa Revisão da neurofisiologia da dor, Revisão da fisiopatologia

Leia mais

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina Uso Veterinário Usar exclusivamente em cães Indicações: É indicado para vacinação de cães de 6 semanas de idade ou mais velhos como prevenção da cinomose canina, da hepatite infecciosa canina (causada

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Elemento: Metal Horário: 05:00 às 07:00 hs. Estação: Outono Trajeto: Centrípeto

Elemento: Metal Horário: 05:00 às 07:00 hs. Estação: Outono Trajeto: Centrípeto Elemento: Metal Horário: 05:00 às 07:00 hs. Estação: Outono Trajeto: Centrípeto O Meridiano do Intestino Grosso recebe energia do Meridiano do Pulmão, transmitindo-a ao Meridiano Estômago. Possui 20 pontos

Leia mais

OS CINCO ELEMENTOS Os cinco elementos, madeira, fogo, terra, metal e água abarcam todos os fenômenos da natureza. Trata-se de um simbolismo que se aplica também ao homem. Nei Jing. Os chineses dividiram

Leia mais

Problemas Gastro-Intestinais

Problemas Gastro-Intestinais Problemas Gastro-Intestinais Parâmetros Ocidentais: Vômito; Dor na região abdominal, gástrica, etc; Gastrite; Úlcera; Diarréia; Prisão de ventre (constipação / obstipação); Cólica (intestinal); Vermes.

Leia mais

TRATAMENTO PARA MIOMA. INSTITUTO Long Tao

TRATAMENTO PARA MIOMA. INSTITUTO Long Tao TRATAMENTO PARA MIOMA INSTITUTO Long Tao Mioma Uterino DEFINIÇÃO: É UM TUMOR BENIGNO QUE SURGE QUANDO UMA CÉLULA DO ÚTERO DA MULHER COMEÇA A SE MULTIPLICAR DE FORMA DESORDENADA. Definição na MTC: O mioma

Leia mais

www.medicinachinesaclassica.org

www.medicinachinesaclassica.org Ombralgias e Dorsalgias Leituras selecionadas no 黄 帝 内 经 - Huangdi Neijing Pesquisa de Ephraim Ferreira Medeiros Projeto www.medicinachinesaclassica.org Teoria Geral Su Wen Cap. 7 阴 阳 别 论 "A doença do

Leia mais

Caso 1. nda. Pulso Flutuante e lentificado.

Caso 1. nda. Pulso Flutuante e lentificado. Caso 1 Paciente com dor e limitação de movimento do pescoço o háh um dia. Acompanha cefaléia occipital, dores pelo corpo, tosse, secreção nasal clara e febre baixa sem transpiração. Língua nda. Pulso Flutuante

Leia mais

REABILITAÇÃO ATRAVÉS DA ACUPUNTURA EM CÃES ACOMETIDOS POR CINOMOSE

REABILITAÇÃO ATRAVÉS DA ACUPUNTURA EM CÃES ACOMETIDOS POR CINOMOSE UNIVERDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO QUALLITAS CURSO DE CLÍNICA MÉDICA EM PEQUENOS ANIMAIS REABILITAÇÃO ATRAVÉS DA ACUPUNTURA EM CÃES ACOMETIDOS POR CINOMOSE MARCOS ROBERTO SCHERMA São

Leia mais

Agentes Virais de Cães e Gatos

Agentes Virais de Cães e Gatos V e t e r i n a r i a n D o c s Agentes Virais de Cães e Gatos Cinomose -Etiologia: vírus da família Paramyxoviridae, subfamília Paramyxovirinae e gênero Morbilivirus; -Características: -Vírus grande;

Leia mais

dr-cesar TERAPIAS ENERGÉTICAS CURSOS AMBULATÓRIO E CONSULTORIA

dr-cesar TERAPIAS ENERGÉTICAS CURSOS AMBULATÓRIO E CONSULTORIA CRANIOPUNTURA DE YAMAMOTO - YNSA Dr. Wu Tou Kwang www.ceata.com.br Na YNSA, como em qualquer outro microssistema, não existem pontos, nem regiões delimitadas, mas apenas áreas com limites dinâmicos, variando

Leia mais

OTORRINOLARINGOLOGIA Labirintite e Zumbido no Ouvido

OTORRINOLARINGOLOGIA Labirintite e Zumbido no Ouvido Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira OTORRINOLARINGOLOGIA Labirintite e Zumbido no Ouvido Labirintite é um termo com significado popular

Leia mais

Elementos de Fisiologia Feminina Tradicional

Elementos de Fisiologia Feminina Tradicional Centro Brasileiro de Acupuntura Acupuntura Aplicada a Ginecologia e Obstetrícia Prof.: Marcelo Brum Elementos de Fisiologia Feminina Tradicional Aparelho Genital Feminino: Abrange: Útero; Ovários; Trompas

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

OS PONTOS DO MERIDIANO DO INTESTINO DELGADO Elemento: Fogo Horário: 13:00 às 15:00 hs. Estação: Verão YANG O Meridiano Principal do Intestino Delgado, é o Meridiano Yang do nível Tae Yang, dos membros

Leia mais

AVICULTURA ALTERNATIVA

AVICULTURA ALTERNATIVA AVICULTURA ALTERNATIVA Principais doenças e métodos de prevenção São várias as doenças que atacam as aves, a maioria são doenças respiratórias. Aspergilose é uma infecção que ataca as aves, sendo provocada

Leia mais

Olá, amigo! Nós somos os seus rins e gostaríamos que nos conhecesse melhor!

Olá, amigo! Nós somos os seus rins e gostaríamos que nos conhecesse melhor! Olá, amigo! Nós somos os seus rins e gostaríamos que nos conhecesse melhor! É essencial que aprenda a nos manter saudáveis, porque o funcionamento de todos os órgãos do seu corpo, depende de nós! Estamos

Leia mais

Canais Distintos Dr. Iriê Tadashi. Prof. Roberto Lalli www.tecnicasjaponesa.blogspot.com rlterapeuta@gmail.com

Canais Distintos Dr. Iriê Tadashi. Prof. Roberto Lalli www.tecnicasjaponesa.blogspot.com rlterapeuta@gmail.com Canais Distintos Dr. Iriê Tadashi Prof. Roberto Lalli www.tecnicasjaponesa.blogspot.com rlterapeuta@gmail.com Canais Distintos Tecnica superficial De 2mm a 5mm de inserção Agulhas mais finas 0,20 X 30mm

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO Alessandra Vascelai #, Ft, Titulacão: Especialista em Fisioterapia em Traumatologia do Adulto Reeducação Postural Global (RPG) Acupuntura. Resumo: Lombalgia

Leia mais

PONTOS FONTE (YUAN) PONTOS DE CONEXÃO (LO) PONTOS DE TRANSPORTE POSTERIOR (BACK SHU) PONTOS DE COLETA FRONTAL (ALARME ou FRONT MU)

PONTOS FONTE (YUAN) PONTOS DE CONEXÃO (LO) PONTOS DE TRANSPORTE POSTERIOR (BACK SHU) PONTOS DE COLETA FRONTAL (ALARME ou FRONT MU) 1 PONTOS FONTE (YUAN) PONTOS DE CONEXÃO (LO) PONTOS DE TRANSPORTE POSTERIOR (BACK SHU) PONTOS DE COLETA FRONTAL (ALARME ou FRONT MU) PONTOS DE ACÚMULO (XI) PONTOS DE REUNIÃO (HUI) 1- PONTOS FONTE (YUAN)

Leia mais

Lembramos, no entanto, que a Deficiência Física, não está contemplada na sua totalidade, existindo outros CIDs não listados e que sofrerão análise.

Lembramos, no entanto, que a Deficiência Física, não está contemplada na sua totalidade, existindo outros CIDs não listados e que sofrerão análise. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Em função de ocorrer dúvidas em relação ao encaminhamento do benefício do passe-livre intermunicipal,

Leia mais

Título Resumido. Poço (Jing)

Título Resumido. Poço (Jing) Analgesia Tendinomuscular pelo Ponto Poço (Jing) Material elaborado pelo corpo docente da EBRAMEC / CIEFATO Para os cursos da Escola Brasileira de Medicina Chinesa Direção Geral: Dr. Reginaldo de Carvalho

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

Prof. Carolina C. T. Haddad. Instituto Bioethicus. Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária PULSOLOGIA

Prof. Carolina C. T. Haddad. Instituto Bioethicus. Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária PULSOLOGIA Instituto Bioethicus Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária PULSOLOGIA A arte da palpação é de extrema importância dentro do exame semiológico da Medicina Veterinária Tradicional Chinesa e a

Leia mais

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo FADIGA, NEURASTENIA ou TRANSTORNOS SOMATOFORMES Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo Sinais e sintomas relatados por pacientes com fadiga

Leia mais

Oito Métodos de Tratamento de Padrões complicados de Qi e Sangue

Oito Métodos de Tratamento de Padrões complicados de Qi e Sangue Oito Métodos de Tratamento de Padrões complicados de Qi e Sangue by Yufang Xue JOURNAL OF CHINESE MEDICINE NUMBER 69 JUNE 2002 Traduzido por Ephraim Ferreira Medeiros Tonificar Qi e Sangue Este método

Leia mais

Dor segundo a Medicina Chinesa

Dor segundo a Medicina Chinesa XII Simpósio Brasileiro de Aperfeiçoamento em Acupuntura e Terapias Orientais Dor segundo a Medicina Chinesa Introdução Definição A IASP- International Association for the Study of Pain (Associação Internacional

Leia mais

Jin Shin Jyutsu A arte do Criador através do Homem de Conhecimento e Compaixão

Jin Shin Jyutsu A arte do Criador através do Homem de Conhecimento e Compaixão 1 Jin Shin Jyutsu A arte do Criador através do Homem de Conhecimento e Compaixão ÉRICKA RAMOS Practitioner e Instrutora de autoaplicação. Organizadora dos cursos de Jin Shin Jyutsu em São Paulo. Licenciada

Leia mais

Afecções físicas. cura obtida em 80% dos casos após 1 sessão

Afecções físicas. cura obtida em 80% dos casos após 1 sessão Fonte: http://www.spma.pt/a-acupuntura/a-oms/ Afecções físicas distensão muscular dor cervical pescoço rígido espondilose cervical dor aguda na coluna dor lombar ciática inflamação no tórax e costelas

Leia mais

Interrogatório DOR. No CD Rom

Interrogatório DOR. No CD Rom Interrogatório No CD Rom - Um artigo complementar sobre a importância do Interrogatório na MTC. - Modelo de Ficha de Avalição de pacientes. Imprima Frente e Verso. ANAMNESE ELABORAR UM QUESTIONÁRIO DIRECIONAR

Leia mais

Diferenciação de Síndromes. Instituto Long Tao

Diferenciação de Síndromes. Instituto Long Tao Diferenciação de Síndromes Instituto Long Tao Revisão Funções do Coração 1. Governa (regula) o Sangue (Xue) 1.1 No Coração o Qi Nutritivo se transforma em Xue 1.2 O Yang do Coração movimenta o Xue nos

Leia mais

Profa. M árcia a L uz

Profa. M árcia a L uz Profa. Márcia Luz MERIDIANO PRINCIPAL DO CORAÇÃO Elemento: Fogo - Imperial Horário: 11:00 às13 13:00 hs. Estação: Verão YIN TA ID CS C BP E O Meridiano do Coração se abre na língua e se espelha na face.

Leia mais

Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo.

Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo. Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo. Assim, além de boas sensações, podemos escapar de problemas sérios, como evitar a ingestão de um alimento estragado, ao sentir o cheiro e gosto

Leia mais

Choo H. Kim Acupuntura Coreana da Mão Passo a passo

Choo H. Kim Acupuntura Coreana da Mão Passo a passo Choo H. Kim Acupuntura Coreana da Mão Passo a passo Conhecendo o segredo da acupuntura coreana da mão 1ª edição São Paulo 2014 Copyright 2014 Ícone Editora Ltda. Ilustrações Choo H. Kim Projeto gráfico,

Leia mais

2 Introdução. Os sintomas da menopausa são: - Fogachos - afetam 75% das mulheres.

2 Introdução. Os sintomas da menopausa são: - Fogachos - afetam 75% das mulheres. 1 1 - Apresentação Este trabalho destina-se a avaliar duas modalidades da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) a acupuntura sistêmica e a auricular, no tratamento dos da menopausa. Para essa averiguação,

Leia mais

ELABORAR UM QUESTIONÁRIO

ELABORAR UM QUESTIONÁRIO INTERROGATÓRIO ANAMNESE ELABORAR UM QUESTIONÁRIO DIRECIONAR AS PERGUNTAS INICIALMENTE TOMANDO POR BASE OS 8 CRITÉRIOS, SUBSTÂNCIAS FUNDAMENTAIS, ZANG FU E ETIOPATOGENIA. DEIXAR QUE O PACIENTE JUSTIFIQUE

Leia mais

Ba gang 8 Princípios de Diagnóstico

Ba gang 8 Princípios de Diagnóstico I. INTRODUÇÃO Ba gang 8 Princípios de Diagnóstico Para se fazer qualquer tratamento em M.T.C, que seja mais do que meramente sintomático, é preciso um diagnóstico correto da disfunção em curso. O diagnóstico

Leia mais

CURSO DE FITOTERAPIA TRADICIONAL CHINESA PADRÕES ENERGÉTICOS

CURSO DE FITOTERAPIA TRADICIONAL CHINESA PADRÕES ENERGÉTICOS CURSO DE FITOTERAPIA TRADICIONAL CHINESA FÓRMULAS MAGISTRAIS CHINESAS PADRÕES ENERGÉTICOS SP 05/07/09 1 Oito princípios: Exterior: Cefálico Cefaléia capacete, costalgia Pulso superficial Face inespecífica

Leia mais

GUIA TERAPÊUTICO NA ACUPUNTURA

GUIA TERAPÊUTICO NA ACUPUNTURA GUIA TERAPÊUTICO NA ACUPUNTURA André Luiz Martins 1ª EDIÇÃO CUIABÁ EDIÇÃO DO AUTOR 2012 Dedico esta obra aos meus alunos de Acupuntura 2 INTRODUÇÃO O Guia terapêutico na Acupuntura não é um tratado complexo

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

Síndrome de Rubéola Congênita: desafios no cuidado da saúde Um guia para pais e profissionais

Síndrome de Rubéola Congênita: desafios no cuidado da saúde Um guia para pais e profissionais Síndrome de Rubéola Congênita: desafios no cuidado da saúde Um guia para pais e profissionais O objetivo deste folheto é informar os pais, profissionais de saúde e de outros serviços, sobre os aspectos

Leia mais

Estudos Científicos. Afecções físicas. alivio da dor e desaparecimento dos sintomas em 82% dos casos. cura obtida em 80% dos casos após 1 sessão

Estudos Científicos. Afecções físicas. alivio da dor e desaparecimento dos sintomas em 82% dos casos. cura obtida em 80% dos casos após 1 sessão Estudos Científicos A partir de 1970, tiveram início diversos estudos científicos no sentido de comprovar a eficácia da acupuntura. Em 1979, a Organização Mundial de Saúde (OMS) editou uma lista com 41

Leia mais

Práticas da MTC para gestação, parto e puerpério. Dra. Gisele Damian Antonio Gouveia

Práticas da MTC para gestação, parto e puerpério. Dra. Gisele Damian Antonio Gouveia Práticas da MTC para gestação, parto e puerpério Dra. Gisele Damian Antonio Gouveia BASES TEÓRICAS DA MTC Teoria Yin e Yan Teoria do Yin e Yang Teoria dos 5 movimentos 5 elementos/movimentos e suas analogias

Leia mais

A coluna vertebral é formada por vários ossos empilhados, uns sobre os outros, denominados vértebras (figura 1).

A coluna vertebral é formada por vários ossos empilhados, uns sobre os outros, denominados vértebras (figura 1). HÉRNIA DE DISCO A hérnia de disco é uma das doenças que mais afligem o homem moderno. Falta de exercício, excesso de peso, má postura, todas podem causar ou agravar uma hérnia de disco. Mas afinal, o que

Leia mais

Etiopatogenia e Fisiopatologia

Etiopatogenia e Fisiopatologia ETFP 1 Etiopatogenia e Fisiopatologia O corpo humano tem a capacidade de resistir a diversos fatores patógenos para manter o equilíbrio relativo entre o interior do corpo e o mundo exterior. Esta capacidade

Leia mais

alivio da dor e desaparecimento dos sintomas em 82% dos casos cura obtida em 80% dos casos após 1 sessão

alivio da dor e desaparecimento dos sintomas em 82% dos casos cura obtida em 80% dos casos após 1 sessão Acupuntura e a Organização Mundial de Saúde A partir de 1970, tiveram início diversos estudos científicos no sentido de comprovar a eficácia da acupuntura. Em 1979, a Organização Mundial de Saúde (OMS)

Leia mais

ESCOLA DE TERAPIAS ORIENTAIS DE SÃO PAULO SUSILAINE MORAES AQUINO 35 - B

ESCOLA DE TERAPIAS ORIENTAIS DE SÃO PAULO SUSILAINE MORAES AQUINO 35 - B 1 ESCOLA DE TERAPIAS ORIENTAIS DE SÃO PAULO SUSILAINE MORAES AQUINO 35 - B PRINCÍPIOS DA MAGNETOTERAPIA APLICADA À ACUPUNTURA São Paulo 2011 2 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO... 3 2. TEORIA GERAL... 4 3. INDICAÇÕES...

Leia mais

Sento assim a MTC permite- nos saber que os dentes estão ligados, pelos meridianos, a órgãos e estruturas tecidulares à distância.

Sento assim a MTC permite- nos saber que os dentes estão ligados, pelos meridianos, a órgãos e estruturas tecidulares à distância. A Acupuntura, no paradigma de saúde tem como preocupação o perfeito equilíbrio energético entre os meridianos que interligam todos os órgãos e vísceras. Sento assim a MTC permite- nos saber que os dentes

Leia mais

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO maleato de timolol 0,5% Medicamento genérico Lei nº 9.787 de 1999

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais