Abstract Resumo. Varicela (Catapora) na gestação. At u a l i z a ç ã o. Varicella (Chickenpox) in pregnancy

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Abstract Resumo. Varicela (Catapora) na gestação. At u a l i z a ç ã o. Varicella (Chickenpox) in pregnancy"

Transcrição

1 Varicella (Chickenpox) in pregnancy At u a l i z a ç ã o Abstract Resumo Infecção primária por varicela durante o primeiro e segundo trimestre de gravidez pode aumentar o risco de síndrome de varicela congênita em 0,5-1,5% sobre o risco basal de malformações congênitas severas. A infecção no terceiro trimestre pode conduzir a pneumonia materna, que pode ser letal se não tratada adequadamente. Ao contrário da infecção primária na gravidez, não estão descritas complicações fetais pelo herpes zoster, exceto na sua forma disseminada. Imunoglobulina para varicela-zoster (IGVZ) deve ser administrada o mais breve possível, preferencialmente dentro de 96 h de exposição, para prevenir infecção materna ou complicações subseqüentes. Depois de 96 h, a efetividade da IGVZ não foi avaliada. Varicela neonatal é mais severa se a erupção cutânea materna aparecer entre 5 dias antes ou 2 dias após o parto; ao recém-nascido deve ser administrado IGVZ imediatamente. Aciclovir intravenoso é recomendado para pneumonia materna e neonatal severas. Nenhum estudo controlado ainda avaliou a efetividade de aciclovir ou valaciclovir para profilaxia pós-exposição de gestantes ou neonatos. O advento de técnicas de imagem avançadas e a biologia molecular melhoram o diagnóstico pré-natal. Com o aumento da vacinação, é esperado que a incidência de catapora na gravidez diminua no futuro. Varicella infection during the first and second trimester of pregnancy may increase the risk for congenital varicella syndrome % above the baseline risk for major malformation. Third trimester infection may lead to maternal pneumonia which can be life threatening if not treated appropriately. Unlike primary varicella infection in pregnancy, herpes zoster has not been documented to cause fetal complications except in the disseminated form. Varicellazoster immune globulin (IGVZ) should be administered as soon as possible, preferably within 96 h from exposure to prevent maternal infection or subsequent complications. The effectiveness of IGVZ has not been evaluated after 96 h. Neonatal varicella is more severe if maternal rash appears 5 days prior to or 2 days after delivery, the newborn should receive IGVZ immediately. Intravenous acyclovir is recommended for maternal pneumonia and severely affected neonate. No controlled trial has evaluated the effectiveness of acyclovir or valacyclovir for postexposure prophylaxis to pregnant women or neonates yet. The advent of advanced imaging techniques and molecular biology has improved prenatal diagnosis. With increase use of vaccination, the incidence of chickenpox in pregnancy is expected to decline in the future. Wellington de Paula Martins Carolina Oliveira Nastri Cláudia Oliveira Baraldi Geraldo Duarte Francisco Mauad-Filho Palavras-chave Gestação Varicela Catapora Transmissão vertical Keywords Pregnancy Varicella Chickenpox Vertical infection 1 Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FEMINA Maio 2007 vol 35 nº 5 323

2 Introdução Em 1947, dois estudantes de Medicina do 4º ano, LaForet e Lynch, informaram um caso de defeitos congênitos múltiplos, secundário a um caso de varicela durante a 8ª semana de gestação. Naquele tempo, era ainda duvidoso se o vírus da varicela era a causa etiológica das anomalias congênitas. Este relatório inicial incitou mais médicos e investigadores a informar achados semelhantes que conduziram à confirmação da síndrome da varicela congênita (SVC). De 1947 a 2000, houve mais de 110 casos de SVC relatados na literatura (Sauerbrei & Wutzler, 2003). Apesar de incomum, quando a infecção por varicela ocorre durante o período gestacional, ela pode acarretar efeitos teratogênicos ao feto. Epidemiologia A epidemiologia da infecção pelo vírus da varicela-zoster (VZV) difere entre climas temperados e tropicais. Na região temperada, os picos de infecção de varicela ocorrem no inverno e começo da primavera. Em países como EUA, Japão e Europa, mais de 90% da população têm a infecção primária antes de 15 anos de idade (Enders & Miller, 2000), enquanto que nos países tropicais a incidência varia entre 25 e 85% para esta faixa etária (Lolekha et al., 2001). A verdadeira incidência de infecção de varicela na gravidez não é conhecida. As estimativas atuais são baseadas na proporção de mulheres em idade fértil que são suscetíveis a infecção e ao risco de exposição durante gravidez. No Reino Unido, o risco de infecção entre anos é de 2-3 por enquanto nos EUA, estima-se uma taxa anual entre 1,6 e 4,6 por Em um recente estudo publicado no Brasil (Reis et al., 2003), a prevalência de adultos jovens (975 pessoas de diversas regiões do Brasil com idade entre 20 e 29 anos) com anticorpos contra o VZV foi de 94,2%. Esta taxa, mais elevada que a esperada, sugere que no Brasil o risco de infecção durante a gestação seja mais baixo do que em outros países tropicais, devendo ter valores próximos ao dos EUA e Reino Unido. Patogênese VZV é um agente infeccioso altamente contagioso. O homem é o único hospedeiro conhecido. O vírus é facilmente cultivado de lesões de pele de pacientes. Porém, foi bastante difícil isolar o vírus de secreções da nasofaringe, lançando dúvida se a transmissão poderia acontecer por secreções respiratórias. Porém, com o advento da reação de cadeia de polimerase (PCR), o DNA do VZV foi documentado na nasofaringe. Conseqüentemente, é agora evidente que a doença pode ser transmitida através de contato direto com o fluido vesicular de lesões de pele ou através de secreções respiratórias (Kido et al., 1991). O vírus entra no hospedeiro pela mucosa ou conjuntiva do nariz ou boca através da mão contaminada ou por partículas dispersas no ar. O período de incubação habitual é dias. O mecanismo de infecção do VZV ao feto não é conhecido. Durante as duas primeiras semanas do período de incubação, dois períodos de viremia: dias 4-6 e Durante esses períodos, pode haver transmissão transplacentária do vírus. A profilaxia com IGVZ só é efetiva quando utilizada antes do primeiro período de viremia, entretanto o aciclovir é utilizado para prevenção ou melhora da segunda viremia, sem evidências se isto pode prevenir a transmissão vertical do VZV. Ao término da segunda viremia, inicia-se a erupção cutânea maculopapular com prurido. O período mais infeccioso normalmente inicia-se 2 dias antes do início da erupção cutânea e o contágio acontece até que se formem as crostas, normalmente 5 dias depois do início da erupção cutânea. Embora seja aceito que a infecção por varicela primária confere imunidade por toda a vida, relatórios mostram entre os casos de varicela sintomática entre 4,5 a 13% dos pacientes apresentavam antecedentes da infecção (Hall et al., 2002). Possíveis fatores de risco para a ocorrência de reinfecções por varicela são: primeira infecção em idade jovem (especialmente < 12 meses), primeira infecção branda, fator genético (irmão com reinfecção) e se o contato durante a segunda exposição mora na mesma casa ou é um amigo íntimo (Hall et al., 2002). Sugere-se que a reinfecção possa ocorrer devido a um fracasso para desenvolver ou manter células de memória imune depois da infecção inicial, fracasso para ativar células de memória ou carga viral muito alta que poderia vencer as defesas do hospedeiro. Vacinação A vacina para varicela foi autorizada nos EUA em 1995 e introduzida no Canadá em A incidência da infecção e hospitalizações recuou 70-80% nos EUA entre 1995 a Durante este período, a administração da vacina de varicela para crianças entre meses atingiu 74-84% (Seward et al., 2002). No Brasil, a vacina ainda não faz parte do Calendário Básico definido pelo Programa Nacional de Imunizações, não 324 FEMINA Maio 2007 vol 35 nº 5

3 estando disponível nos Centros Municipais de Saúde para uso geral, mas pode ser encontrada na rede privada. Na rede pública está disponível apenas nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais, para vacinação de susceptíveis (sem referência de ter tido a doença ou ter sido vacinado) nas seguintes situações: imunocomprometidos, nas indicações da literatura: leucemia linfocítica aguda e tumores sólidos em remissão (pelo menos 12 meses), desde que apresentem linfócitos/mm 3, sem radioterapia; caso estejam em quimioterapia, suspendê-la 7 dias antes e 7 dias depois da vacinação; profissionais de saúde, pessoas e familiares suscetíveis à doença e imunocompetentes que estejam em convívio domiciliar ou hospitalar com pacientes imunocomprometidos; pessoas suscetíveis à doença que serão submetidas a transplante de órgãos (fígado, rins, coração, pulmão e outros órgãos sólidos), pelo menos 3 semanas antes do ato cirúrgico; pessoas suscetíveis à doença e imunocompetentes, no momento da internação em enfermaria onde haja caso de varicela; vacinação antes da quimioterapia, em protocolos de pesquisa (Ministério da Saúde do Brasil, 2006). O rastreamento verbal de mulheres susceptíveis à infecção por varicela e as estratégias de vacinação ajudam a prevenir casos de infecção neonatal. O rastreamento verbal (histórico de antecedente de varicela) seguido pela vacinação parece apresentar o melhor custo-benefício (Pinot de Moira et al., 2006), apesar de a vacinação universal ser mais efetiva que o rastreamento verbal. Em um recente estudo realizado nos EUA, de pacientes rastreadas verbalmente sobre antecedentes de varicela, 940 mulheres apresentavam antecedentes positivos e destas 904 (96,2%) eram sorologicamente imunes, mostrando uma forte correlação entre a história relatada e a imunidade sérica, sugerindo que a vacinação universal não pareça necessária (Plourd & Austin, 2005). Após a vacinação, é aconselhado evitar engravidar durante pelo menos um mês (vacina de vírus vivo). Entretanto, em 498 casos informados de exposição à vacina durante a gravidez, nenhuma anomalia congênita compatível com SVC foi documentado (Merck Pregnancy Registry Program, 2003) e a taxa de defeito congênito não foi mais alta que a esperada para a população geral. A vacinação não é recomendada como profilaxia pós-exposição para mulheres grávidas. Foi relatado um caso de transmissão do vírus da vacina de varicela de uma criança de 1 ano de idade, recentemente imunizada, para sua mãe que estava grávida e era susceptível ao VZV (Salzman et al., 1997). A transmissão foi confirmada por PCR específico. Esta gestante desenvolveu catapora durante a 5ª-6ª semana de gestação e optou por aborto, mas nenhum vírus foi notado em tecido fetal. Já as mulheres são vacinadas durante o puerpério podem amamentar normalmente. Um estudo que envolveu 12 mulheres que receberam a vacina não mostrou evidências do DNA do VZV nas amostras de leite em um total de 217 espécimes de leite colecionados (Bohlke et al., 2003). Imunoglobulina para Varicela-Zoster (IGVZ) Gestantes suscetíveis, com exposição significativa ao VZV, são candidatas para terapia com IGVZ. Exposição significativa é definida como contato em casa, contato face a face por pelo menos 5 min, compartilhar o mesmo ambiente por mais de 1 h ou permanecer com um paciente contagioso no mesmo quarto de hospital (Royal College of Obstetricians and Gynecologists, 2001). A IGVZ deve ser administrada dentro de 72 a 96 h após a exposição ao VZV. Usada desta forma, pode prevenir ou modificar significativamente o curso da doença. A efetividade de IGVZ, quando usada após 96 h da exposição inicial, não foi avaliada (Center for Disease Control Prevention, 1996). Foi relatado que de 108 mulheres grávidas que receberam profilaxia de IGVZ depois de exposição e antes do início da erupção cutânea, nenhum dos seus 108 neonatos apresentaram a síndrome de varicela congênita, nem zoster no pós-parto (Enders & Miller, 2000). Pastuszak et al., em 1994, relataram um caso de SVC apesar da mãe ter recebido IGVZ quatro dias após a exposição. Não é conhecido se a IGVZ previne a viremia fetal ou somente a SVC. Devido à raridade da SVC, é improvável que um estudo controlado randomizado conseguirá um número suficiente de casos para mostrar um efeito favorável da IGVZ. Além disso, como está rotulado que a IGVZ previne a infecção pela varicela na gravidez, é improvável que algum comitê de ética aprovasse tal estudo. No momento, IGVZ é usado para prevenir complicações maternas severas na gestação. A duração de ação de IGVZ não é conhecida, mas a proteção deve durar pelo menos uma meia-vida da globulina imune, que é aproximadamente de 3 semanas. Exposições, 3 semanas após a dose da IGVZ, podem requerer doses adicionais (Center for Disease Control Prevention, 1996). IGVZ também é recomendada para neonatos cujas mães apresentaram erupção cutânea pela catapora entre 5 dias antes e até 2 dias após o parto. A IGVZ deve ser administrada a neonatos expostos à varicela nas seguintes situações: nascidos de mães suscetíveis; com menos de 28 semanas de idade gestacional; ou pesando menos de g. Nestas situações há grande probabilidade de não terem adquirido anticorpos passivamente. A dosagem FEMINA Maio 2007 vol 35 nº 5 325

4 indicada é de 125 U/10 kg (ou 0,5 ml/kg) intramuscular ou intravenoso até um máximo de 625 U. A IGVZ pode prolongar o período de incubação do vírus até 28 dias. Assim, neonatos expostos, que foram submetidos à IGVZ, podem precisar ser isolados por um período mais longo. No Brasil, a IGVZ está disponível para uso no SUS nos seguintes grupos de pessoas suscetíveis que tiveram contato significativo: Crianças ou adultos imunocomprometidos; grávidas; recém-nascidos de mães nas quais a varicela apareceu nos 5 últimos dias de gestação ou até 48 h depois do parto; recém-nascidos prematuros, com menos de 28 semanas de gestação (ou com menos de g ao nascimento), independente de história materna de varicela; e recém-nascidos, independente da idade gestacional, cuja mãe nunca teve varicela (Ministério da Saúde do Brasil, 2006). Terapia anti-viral Aciclovir é um nucleosídeo sintético análogo da guanina. Quando fosforilado por enzimas produzidas pelas células infetadas com VZV, inibe a polimerase do DNA viral, bloqueando a replicação do vírus. Quando administrado dentro de 24 h do início da erupção cutânea, foi demonstrado efetivo em reduzir a morbidade e mortalidade associada à varicela (Center for Disease Control Prevention, 1996). Aciclovir endovenoso é melhor para tratamento inicial, pois a via oral apresenta baixa biodisponibilidade. É utilizado principalmente nos casos de pneumonia por varicela durante a segunda metade gestação (Mohsen & Mckendrick, 2003). A dose normalmente é de mg/kg ou 500 mg/m 2 endovenoso a cada 8 h durante 5-10 dias para pneumonia por varicela e deve ser iniciado dentro de h após o início da erupção cutânea. Embora não haja evidência na diminuição da SVC, o aciclovir cruza a placenta prontamente e pode ser achado em tecidos fetais, sangue de cordão e também no líquido amniótico (Birthistle & Carrington, 1998), podendo inibir a replicação viral intra-uterina. Estudos observacionais não demonstraram aumento de malformações associadas ao uso de aciclovir durante a gestação (Ratanajamit et al., 2003). Aciclovir intravenoso é usado em neonatos com sinais de infecção para evitar seqüelas severas. Não há estudo bem controlado mostrando eficácia do aciclovir profilático (na exposição materna à varicela próxima ao termo, ou em neonatos expostos) para prevenir varicela neonatal. Por apresentar melhor absorção oral que o aciclovir, o valaciclovir seria uma melhor escolha para uso oral. Estudos sobre a segurança desta droga durante a gestação ainda são limitados. Diagnóstico da Síndrome da Varicela congênita O diagnóstico pré-natal é freqüentemente realizado por ultra-sonografia detalhada, que procura por deformidade de membro, microcefalia, hidrocefalia, polihidramnia, calcificação de tecidos moles e restrição de crescimento intra-útero (Enders & Miller, 2000). Deve-se lembrar que defeitos menos severos podem passar despercebidos pela ultra-sonografia, a qual deve ser realizada após 5 semanas do início da erupção cutânea materna. O diagnóstico pré-natal a partir da ultra-sonografia e PCR do líquido amniótico foi avaliado por Enders & Miller (2000). Entre semanas de gestação, quando a ultra-sonografia é normal e o PCR é positivo, o risco é questionável. Entre semanas de gestação, quando a ultra-sonografia é normal e o PCR é positivo, o risco é muito baixo. O PCR positivo de líquido amniótico não apresenta bom valor preditivo positivo para a SVC, indicando apenas infecção intra-uterina. Já o risco para SVC é alto se a ultra-sonografia mostrar anormalidades e o PCR for positivo. Se o PCR for negativo entre semanas de gestação o risco de SVC é muito baixo. Entretanto ainda não há consenso de como utilizar estes recursos diagnósticos no período pré-natal, sendo que em países onde o aborto é legalizado, o PCR é mais difundido, pois faz o diagnóstico mais precocemente. Varicela no primeiro e segundo trimestres da gestação A varicela em gestantes durante o primeiro e segundo trimestres desperta preocupação devido ao risco, embora pequeno, de desenvolvimento da SVC. A SVC normalmente é caracterizada por cicatrizes com distribuição em dermátomos, defeitos neurológicos, defeitos de encurtamento unilateral de membros associado à hipoplasia muscular, doenças oculares, anormalidades gastro-intestinais e gênito-urinárias (Sauerbrei & Wutzler, 2003; Enders & Miller, 2000). Vários estudos de coorte são concordantes em relação ao risco de SVC. A taxa foi 4/725 (0,55%) para infecção no primeiro trimestre, 8/642 (1,4%) para infecção no segundo trimestre e 0/385 (0%) para infecção no terceiro trimestre (Pastuszak et al., 1994). A infecção materna ocorreu antes de 20ª semana de gestação em 11 dos 12 casos de SVC. Através do PCR de líquido amniótico, a transmissão vertical do vírus pode ser demonstrada em 8% dos casos das gestantes infectadas (Enders & Miller, 2000). Quase 30% de crianças nascidas com SVC severa morrem durante os primeiros meses de vida. Recentemente, Schulze-Oechtering 326 FEMINA Maio 2007 vol 35 nº 5

5 et al., em 2004, demonstraram o DNA do VZV tanto no fluido cérebro-espinal, como também em amostras de fluido de lesões de pele de um recém-nascido com SVC típica. Isto conduziu a suspeita de que o recém-nascido com SVC possa ser infeccioso e o seu isolamento seja adequado. Pneumonia materna por Varicela A pneumonia por VZV é a complicação mais comum em adultos com varicela (Harger et al., 2002). A incidência de pneumonia por varicela não parece ser aumentada na gravidez, 10-14%, entretanto é bem estabelecido que a morbidade e mortalidade desta infecção em gestantes são mais altas (Sauerbrei & Wutzler, 2001). Os sintomas iniciais são febre, tosse seca, dispnéia e hipoxemia moderada, que normalmente aparecem durante a primeira semana após o início da erupção cutânea. Em condições severas, nas quais o apoio mecânico é necessário, a mortalidade era de 20-45% antes da terapia de anti-viral (Sauerbrei & Wutzler, 2001) e de 3-14% após a terapia anti-viral (Harger et al., 2002). A mortalidade é mais alta se a patologia acontecer no terceiro trimestre, provavelmente devido ao efeito mecânico do aumento uterino, que pode dificultar ainda mais a respiração. O tabagismo é um fator de risco para o desenvolvimento desta patologia (Mohsen et al., 2003). Varicela neonatal A varicela neonatal severa é a principal complicação da infecção materna ocorrida próxima ao termo. Infecção pode acontecer através de viremia transplacentária, durante a passagem pelo canal de parto, ou contato com o vírus após o parto (através de lesões ou partículas aéreas). Miller et al., em 1989, demonstraram que se a infecção materna ocorre de 1 a 4 semanas antes do parto, até 50% dos neonatos podem estar infectados. Aproximadamente 23% destes desenvolvem varicela clínica. Anticorpos estavam presentes em todos os 66 neonatos quando a erupção cutânea da mãe ocorreu com mais de 7 dias antes do parto. Quando a erupção cutânea materna ocorreu entre 7 até 3 dias antes do parto, um número progressivamente menor de neonatos apresentava anticorpos; quando a erupção ocorreu com menos de 3 dias antes do parto, nenhum dos 60 neonatos apresentava anticorpos. A taxa de manifestação clínica foi mais alta (62%) em crianças nascidas dentro de 7 dias após o início da erupção cutânea. Entre as 19 crianças que apresentaram sintomas severos, 16 estavam entre as 118 cujas mães tiveram erupção cutânea entre 4 dias antes e 2 dias após o parto. Estas crianças não tiveram tempo para receber anticorpos varicela-específicos maternos. Não houve morte entre as pacientes que utilizaram IGVZ, entretanto estudos realizados previamente ao uso da IGVZ (associado a piores condições das CTIs neonatais na época) mostram taxa de letalidade em torno de 30% (Schutte et al., 1996). Sauerbrei & Wutzler, em 2001, relataram um caso de fatalidade apesar do uso da IGVZ. Herpes-Zoster O VZV permanece em estado latente em tecidos nervosos e pode reativar em aproximadamente 15% dos infectados. O herpes-zoster manifesta-se como uma erupção cutânea vesicular com dor e prurido na distribuição de um dermátomo. A prevalência de herpes zoster durante a gravidez é estimada em 1,5/ (Brazin et al., 1979) nos EUA e 2 em no Reino Unido (Enders & Miller, 2000). Em dois relatórios envolvendo 480 mulheres com herpes-zoster durante gravidez, incluindo 301 no primeiro e segundo trimestre, não foram documentados casos de SVC (Paryani & Arvin 1986; Enders & Miller, 2000). Teoricamente, a infecção intra-uterina poderia ocorrer se a infecção envolvesse a inervação de T10-L1, que inerva o útero. Porém, nenhum caso de SVC, após herpeszoster, foi descrito. Devido à ausência de casos de infecção pelo VZV em neonatos cujas mães desenvolveram herpeszoster perinatal, a IGVZ não é indicada nestes casos. Leituras suplementares 1. Birthistle K, Carrington D. Fetal varicella syndrome a reappraisal of literature. J Infect 1998; 36: Bohlke K, Galil K, Jackson LA et al. Postpartum varicella vaccination: is the vaccine virus excreted in breast milk? Obstet Gynecol 2003; 102: Brazin SA, Simkovich JW, Johnson WT. Herpes zoster during pregnancy. Obstet Gynecol 1979; 53: 175. Center for Disease Control Prevention (CDC). Prevention of varicella: recommendations of the Advisory Committee on Immunization (ACIP). MMWR 1996; 45: FEMINA Maio 2007 vol 35 nº 5 327

6 5. Enders G, Miller E. Varicella and herpes zoster in pregnancy and the newborn. In: Arvin AM, Gershon AA, editors. Varicella-Zoster Virus Virology and Clinical Management. UK: Cambridge University Press; p Hall S, Maupin T, Seward J et al. Second varicella infections: are they more common than previously thought? Pediatrics 2002; 109: Harger JH, Ernest JM, Thurnau GR et al. Risk factors and outcome of varicella-zoster virus pneumonia in pregnant women. J Infect Dis 2002; 185: Kido S, Ozaki T, Asada H et al. Detection of varicellazoster virus (VZV) DNA in clinical samples from patients with VZV by polymerase chain reaction. J Clin Microbiol 1991; 29: LaForet EG, Lynch Jr CL. Multiple congenital defects following maternal varicela. N Engl J Med 1947; 236: Lolekha S, Tanthiphabha W, Sornchai P et al. Effect of climactic factors and population density on varicella zoster virus epidemiology within a tropical country. Am J Trop Med Hyg 2001; 64: Merck Pregnancy Registry Program. Merck/CDC pregnancy registry for Varivax: the eighth annual report Miller E, Cradock-Watson JE, Ridehalgh MK. Outcome in newborn babies given anti-varicella zoster immunoglobulin after perinatal maternal infection with varicella-zoster virus. Lancet 1989; 2: Ministério da Saúde do Brasil. Imunobiológicos especiais e suas indicações. [Internet Available]. Acessado em 3 de setembro de Disponível em: gov.br/portal/svs/visualizar_texto.cfm?idtxt= Mohsen AH, Mckendrick M. Varicella pneumonia in adults. Eur Respir J 2003; 21: Paryani SG, Arvin AM. Intrauterine infection with varicellazoster virus after maternal varicella. N Engl J Med 1986; 314: Pastuszak AL, Levy M, Schick B et al. Outcome after maternal varicella infection in the first 20 weeks of pregnancy. N Engl J Med 1994; 330: Pinot de Moira A, Edmunds WJ, Breuer J. The costeffectiveness of antenatal varicella screening with postpartum vaccination of susceptibles. Vaccine ; 24: Plourd DM, Austin K. Correlation of a reported history of chickenpox with seropositive immunity in pregnant women. J Reprod Med 2005; 50: Ratanajamit C, Vinther Skriver M, Jepsen P et al. Adverse pregnancy outcome in women exposed to aciclovir during pregnancy: a population-based observational study. Scand J Infect Dis 2003; 35: Reis AD, Pannuti CS, Souza VAUF. Prevalence of varicellazoster virus antibodies in young adults from different Brazilian climatic regions. Rev Soc Bras Med Trop 2003; 36: Royal College of Obstetricians and Gynecologists. Chickenpox in pregnancy. Guideline Nº 13; Salzman MB, Sharrar RG, Steinberg S, LaRussa P. Transmission of varicella vaccine virus from a healthy 12-month old child to his pregnant mother. J Pediatr 1997; 131: Sauerbrei A, Wutzler P. Fetales varizellensyndrom. Monatsschr kinderheilkd 2003; 151: Sauerbrei A, Wutzler P. Neonatal varicela. J Perinatol 2001; 21: Schulze-Oechtering F, Roth B, Enders G, Grosser R. Congenital varicella syndrome is it infectious? Z Geburtshilfe Neonatol 2004; 208: Schutte TJ, Rogers LC, Copas PR. Varicella pneumonia complicating pregnancy: a report of seven cases. Infect Dis Obstet Gynecol 1996; 4: Seward JF, Watson BM, Peterson CL et al. Varicella disease after introduction of varicella vaccine in the United States, JAMA 2002; 287: FEMINA Maio 2007 vol 35 nº 5

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

Vacina Contra - Varicela-Zoster

Vacina Contra - Varicela-Zoster Vacina Contra - Varicela-Zoster Autoria: Sociedade Brasileira de Pediatria Elaboração Final: 3 de julho de 2002 Participante: Aranda CMSS O Projeto Diretrizes, iniciativa conjunta da Associação Médica

Leia mais

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ ZOSTER E GRAVIDEZ A varicela é uma doença comum da infância considerada habitualmente benigna. Adquirida na idade adulta pode acompanhar-se de complicações que serão ainda mais graves se for uma mulher

Leia mais

do Acidente Vascular Cerebral

do Acidente Vascular Cerebral Tratamento Vacina Contra da Fase a Rubéola Aguda do Acidente Vascular Cerebral Academia Sociedade Brasileira de de Neurologia Pediatria Elaboração Final: 24 19 de Julho de 2001 2002 Autoria: Gagliardi

Leia mais

Síndrome da Varicela Congênita. Camilo Vieira MR 1 Pediatria

Síndrome da Varicela Congênita. Camilo Vieira MR 1 Pediatria Síndrome da Varicela Congênita Camilo Vieira MR 1 Pediatria Síndrome da Varicela Congênita (SVC) O risco do RN apresentar a SVC após infecção materna no 1 1 trimestre é menor que 1% Risco de 0,4% entre

Leia mais

do Acidente Vascular Cerebral

do Acidente Vascular Cerebral Tratamento Vacina Contra da Fase - Rubéola Aguda do Acidente Vascular Cerebral Autoria: Academia Sociedade Brasileira de de Neurologia Pediatria Elaboração Final: 24 22 de Julho Maio de 2001 2008 Participantes:

Leia mais

TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR

TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR Profª Filomena Aste Silveira HERPES GENITAL (origem grega significa alastrar-se) DNA virus - Alfaherpes viridae Dupla hélice PERÍODO de incubação 7

Leia mais

Inclusão de cinco vacinas no calendário do SUS é aprovada pelo Senado 3

Inclusão de cinco vacinas no calendário do SUS é aprovada pelo Senado 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(6). Edição 41. Antônia Cristina Batista Lira 1 Cláudia Fernanda De Sousa Oliveira 1 Daniela Batista de Sousa 1 Janiel Ferreira

Leia mais

Review Article/Artigo de Revisão

Review Article/Artigo de Revisão Review Article/Artigo de Revisão Exposure to Herpes Varicella-Zoster during pregnancy: relevance and actuation Exposição ao Herpes Varicela-Zoster na gravidez: relevância e actuação José Agostinho Santos*

Leia mais

VACINAÇÃO DE GESTANTES

VACINAÇÃO DE GESTANTES VACINAÇÃO DE GESTANTES Renato de Ávila Kfouri INTRODUÇÃO A vacinação de grávidas muitas vezes pressupõe oportunidades perdidas de vacinação da mulher, antes da concepção. Doenças imunopreveníveis deveriam

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

2. ETIOLOGIA CITOMEGALOVIRUS

2. ETIOLOGIA CITOMEGALOVIRUS 3 1. INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo abordar as manifestações clínicas do citomegalovírus, assim como seu tratamento, transmissão e seu contato direto com as gestantes. O citomegalovírus (CMV)

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Acompanhamento das gestantes vacinadas inadvertidamente (GVI) com a vacina dupla viral (sarampo e rubéola)

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE)

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) SUBPAV/SVS COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) VACINA INATIVADA CONTRA POLIOMIELITE (VIP) Crianças imunocomprometidas (com deficiência imunológica congênita ou

Leia mais

Toxoplasmose congênita: Um breve estudo revisivo. Congenital toxoplasmosis, a brief review study

Toxoplasmose congênita: Um breve estudo revisivo. Congenital toxoplasmosis, a brief review study Toxoplasmose congênita: Um breve estudo revisivo Congenital toxoplasmosis, a brief review study Gabrielle Fernandes Kurihara ; Aline Gritti Rodrigues; Joyce Beira Miranda da Silva Resumo: Com base nos

Leia mais

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Citomegalovirus Icosaédrico, 150-200 nm de diâmetro, 162 capsômeros hexagonais, envelopado, com

Leia mais

PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA CASOS DE INFECÇÃO PELO VÍRUS VARICELA ZOSTER NAS UNIDADES DE INTERNAMENTO DA MATERNIDADE ESCOLA ASSÍS CHATEAUBRIAND - MEAC

PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA CASOS DE INFECÇÃO PELO VÍRUS VARICELA ZOSTER NAS UNIDADES DE INTERNAMENTO DA MATERNIDADE ESCOLA ASSÍS CHATEAUBRIAND - MEAC PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA CASOS DE INFECÇÃO PELO VÍRUS VARICELA ZOSTER NAS UNIDADES DE INTERNAMENTO DA MATERNIDADE ESCOLA ASSÍS CHATEAUBRIAND - MEAC 1 - Introdução: O presente Plano de Contingência é um

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

RUBÉOLA. Período de incubação: varia de 14 a 21 dias, em média 16-17 dias Período de transmissão vai de uma semana antes até 4 dias após o exantema.

RUBÉOLA. Período de incubação: varia de 14 a 21 dias, em média 16-17 dias Período de transmissão vai de uma semana antes até 4 dias após o exantema. RUBÉOLA Márcio Antonio Almeida Pinheiro Francisco Herlânio Costa Carvalho Agente Etiológico: - RNA vírus da família Togavírus Patogênese: - O homem é o único hospedeiro. - Transmissão através da inalação

Leia mais

Fernanda Valdameri Scapinello Médica Infectologista

Fernanda Valdameri Scapinello Médica Infectologista VACINA PARA HPV F d V ld i S i ll Fernanda Valdameri Scapinello Médica Infectologista HPV Doença Sexualmente Transmissível mais comum no mundo Período de 12 meses: homem sexualmente ativo adquirir um

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

Como o diagnóstico pode ser feito através do exame de ultrassonografia morfológica, é de extrema importância o encaminhamento da gestante para os

Como o diagnóstico pode ser feito através do exame de ultrassonografia morfológica, é de extrema importância o encaminhamento da gestante para os Prevalência dos Tipos de Fissuras em Pacientes atendidos no Centro de Fissurados Labiopalatal (CEFIL) do Hospital Municipal Nossa Senhora do Loreto no Rio de Janeiro. Cruz, Ana Cláudia( Ortodontista- Coordenadora

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

IMPACTO DA VACINAÇÃO CONTRA ROTAVÍRUS NO ATENDIMENTO DE DIARRÉIAS NO MUNICÍPIO DE CURITIBA Autores: Cléa Elisa Lopes Ribeiro, Lílian Yuriko Uratani, Marion Burger, Angela Kikomoto Instituição: Secretaria

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Informações gerais sobre Síndrome da Rubéola Congênita e o impacto das intervenções

Informações gerais sobre Síndrome da Rubéola Congênita e o impacto das intervenções Version 1.1 September 2013 Informações gerais sobre Síndrome da Rubéola Congênita e o impacto das intervenções Este documento apresenta uma visão geral sobre a doença, sua epidemiologia e as intervenções

Leia mais

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov. Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.br Casos notificados de AIDS, Brasil e São Paulo - 1980 a

Leia mais

Vacina contra Varicela (vírus atenuado)

Vacina contra Varicela (vírus atenuado) I) Identificação do medicamento FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES USO ADULTO E PEDIÁTRICO Pó liófilo injetável + diluente para administração subcutânea. A Vacina contra Varicela é uma preparação liofilizada

Leia mais

EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA. O que é a febre hemorrágica - Ebola?

EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA. O que é a febre hemorrágica - Ebola? 1 EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA O que é a febre hemorrágica - Ebola? Febre hemorrágica Ebola (Ebola HF) é uma doença grave, muitas vezes fatal em seres humanos e primatas não-humanos (macacos,

Leia mais

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br A Doença Do Boletim Epidemiológico, Vol 22, nº 3, setembro de 2001 Influenza: Aspectos Epidemiológicos Básicos para o Desenvolvimento de Vacinas A influenza (a flu ) é uma dos mais notórios achaques (doença

Leia mais

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 1 INDICADORES MUNICIPAIS DE SAÚDE II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 Ago/2013 2 INTRODUÇÃO A Vigilância em Saúde tem como objetivo a análise permanente da situação de saúde

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

Varicela na gravidez e no recém-nascido Varicela-zoster infection in pregnancy and in the newborn

Varicela na gravidez e no recém-nascido Varicela-zoster infection in pregnancy and in the newborn TEXTO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE E PARA PAIS Varicela na gravidez e no recém-nascido Varicela-zoster infection in pregnancy and in the newborn Mónica Marçal 1, Raquel Ferreira 2, Manuel Salgado 3 A) INFORMAÇÕES

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO 25 de março de 2014 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Contexto atual Objetivos Manifestações clínicas e definições utilizadas Diagnóstico diferencial

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA VARICELA. Condutas Aplicação da Vacina e Imunoglobulina Situação Epidemiológica

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA VARICELA. Condutas Aplicação da Vacina e Imunoglobulina Situação Epidemiológica Oficina de Capacitação das Doenças Imunopreveníveis Extremo Sul VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA VARICELA Condutas Aplicação da Vacina e Imunoglobulina Situação Epidemiológica Enfa. Euma Fraga Marques Colaboração:

Leia mais

Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo. Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas

Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo. Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas Leite de mãe CMV positivo Como atuar 1. Aspectos gerais 2. Excreção no leite 3. Infecciosidade 4. Infecção sintomática 5. Processos

Leia mais

Jaqueline Urban Moura 2, Gabriela Barbosa Moraes 3, Maria Paula Capiotti 3, Ruth Mauer Silva 4 e Daniela Bitencourt Rosa Leal 5 RESUMO ABSTRACT

Jaqueline Urban Moura 2, Gabriela Barbosa Moraes 3, Maria Paula Capiotti 3, Ruth Mauer Silva 4 e Daniela Bitencourt Rosa Leal 5 RESUMO ABSTRACT Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 8, n. 1, p. 33-39, 2007. 33 ISSN 2177-3355 PREVALÊNCIA SOROLÓGICA DE ANTICORPOS ANTI- CMV EM GESTANTES DA REGIÃO OESTE DE SANTA MARIA, RS 1 SEROLOGIC

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

vacina varicela (atenuada)

vacina varicela (atenuada) 1 vacina varicela (atenuada) Forma farmacêutica e apresentação: Pó liofilizado injetável. Cartucho contendo um frasco-ampola com 1 dose liofilizada + frasco-ampola com 0,7 ml de diluente. A vacina deve

Leia mais

RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE

RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE Procedimentos para Avaliação e Indicação de Imunobiológicos Especiais: 1. Avaliar histórico vacinal

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A varicela é a infecção que resulta do contacto pela primeira vez de um ser humano susceptível com o vírus

Leia mais

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

PROTOCOLO DE VARICELA

PROTOCOLO DE VARICELA GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA e PROTEÇÂO A SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILANCIA EPIDEMIOLOGICA AMBIENTAL E SAUDE DO TRABALHADOR DIRETORIA DE

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Diagnóstico e conduta na Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional; Diabetes; Gravidez Profissionais de Saúde Divisão de Saúde

Leia mais

Infecções virais congênitas

Infecções virais congênitas Infecções virais congênitas Infecções virais congênitas, perinatais e neonatais Intrauterinas Perinatais e Neonatais Rubéola Citomegalovirus (CMV) Parvovírus B19 Varicela-Zoster (VZV) Enterovírus HIV HTLV-1

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Doença pelo novo vírus da gripe A (H1N1)v - Mulheres grávidas ou a amamentar Nº: 26/DSR DATA: 28/07/09 Para: Contacto na DGS: Todos os estabelecimentos

Leia mais

Informativo Empresarial Especial

Informativo Empresarial Especial Informativo Empresarial Especial Gripe Suína Plano de Contingência Empresarial A Gripe Influenza A H1N1 e o Transporte Rodoviário A gripe que ficou conhecida como gripe suína é causada por vírus que se

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: Definição de caso suspeito de sarampo: Todo paciente que, independente da idade e da situação vacinal, apresentar febre

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

AVALIAÇÃO MATERNO-FETAL EM GESTAÇÕES APÓS CIRURGIA BARIÁTRICA NO HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE - BRASILIA - DF.

AVALIAÇÃO MATERNO-FETAL EM GESTAÇÕES APÓS CIRURGIA BARIÁTRICA NO HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE - BRASILIA - DF. AVALIAÇÃO MATERNO-FETAL EM GESTAÇÕES APÓS CIRURGIA BARIÁTRICA NO HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE - BRASILIA - DF. Márcia Maria Holanda Rodrigues Marcelo Costa Cronemberger Marques Obesidade Obesidade mórbida:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 442/2005 Despacho DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE EXAME SOROLÓGICO PRÉ-NATAL EM MULHERES GRÁVIDAS PARA DIAGNÓSTICO PRECOCE DE VÍRUS DA AIDS, DAS HEPATITES B E C E DOS

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

Proposta de Vigilância Epidemiológica da Paracoccidioidomicose

Proposta de Vigilância Epidemiológica da Paracoccidioidomicose MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS UNIDADE DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIAS

Leia mais

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral PARTE 2 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 FAMÍLIA HHV Alfaherpesvirinae HHV1(herpes bucal)

Leia mais

VIROLOGIA. 1. Ebola 2. Febre Chikungunya

VIROLOGIA. 1. Ebola 2. Febre Chikungunya Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA 1. Ebola 2. Febre Chikungunya Prof. Leandro Parussolo Família: Filoviridae Gênero: Filovirus

Leia mais

HPV. Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais. G u i a d e P ediatria

HPV. Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais. G u i a d e P ediatria HPV Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais G u i a d e P ediatria Você tenta fazer tudo que é possível para proteger sua filha, para garantir que tudo dê certo hoje e amanhã. Ela confia em você. Essa

Leia mais

TORC: importância do estudo da Avidez das IgG

TORC: importância do estudo da Avidez das IgG TORC: importância do estudo da Avidez das IgG Carla Almeida 1, Teresa Tente 2 RESUMO TORC é um grupo de doenças infecciosas que é necessário despistar durante a gravidez, o qual corresponde às iniciais

Leia mais

ALERTA SARAMPO nº 11 Retorno das férias de julho, 2012

ALERTA SARAMPO nº 11 Retorno das férias de julho, 2012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA

Leia mais

As infecções que transtornam nosso dia a dia: coqueluche, influenza, varicela, tuberculose. Há esperança?

As infecções que transtornam nosso dia a dia: coqueluche, influenza, varicela, tuberculose. Há esperança? 18ª Jornada de Controle de Infecção Hospitalar - Hospital São Francisco As infecções que transtornam nosso dia a dia: coqueluche, influenza, varicela, tuberculose. Há esperança? Denise Brandão de Assis

Leia mais

Zovirax. aciclovir. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas

Zovirax. aciclovir. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Creme aciclovir I) Identificação do medicamento Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Creme é apresentado em bisnagas contendo 10 g, para uso tópico. Composição Cada

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP O que fazer antes do bebê chegar? Os caminhos do pré-natal... (fase I estamos grávidos

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Serviço de Pediatria. Varicela

Serviço de Pediatria. Varicela Varicela O que é a Varicela? É uma doença da infância muito frequente, das mais contagiosas, que surge principalmente no Inverno e na Primavera afectando todos os anos em Portugal milhares de crianças.

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

Suspeita clínic a de doença celíaca. + IgA sérica POSITIVO 3? Anti-gliadina IgG POSITIVO?

Suspeita clínic a de doença celíaca. + IgA sérica POSITIVO 3? Anti-gliadina IgG POSITIVO? DOENÇA CELÍACA Suspeita clínic a de doença celíaca ttg 1 IgA ou Antiendomísio (AEM) IgA 2 + IgA sérica 3? Probabilidade de doença celíaca é baixa Probabilidade de doença celíaca é alta Deficiência de IgA?

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL USO DE IMUNOBIOLÓGICOS NA ENFERMAGEM UNIDADE NEONATAL Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A garantia da imunização por meio das vacinas básicas disponibilizadas

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora?

O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora? O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora? Folheto Consumidora 9x15cm.indd 1 7/21/08 6:07:48 PM A cada ano, 500.000 mulheres no mundo têm câncer do colo

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO

INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO ÓBITOS POR SARG POR INFLUENZA SAZONAL E H1N1, SEGUNDO PRESENÇA DE FATORES DE RISCO NO BRASIL, 2009 ÓBITOS POR SARG PELA NOVA INFLUENZA, SEGUNDO PRESENÇA DE FATORES DE RISCO NO

Leia mais

Trocando Ideias 2009 Cidade Maravilhosa, 28 de agosto de 2009

Trocando Ideias 2009 Cidade Maravilhosa, 28 de agosto de 2009 Trocando Ideias 2009 Cidade Maravilhosa, 28 de agosto de 2009 HERPES GENITAL SUPRESSÃO Mauro Romero Leal Passos Universidade Federal Fluminense SBDST SGORJ - FEBRASGO HSV DNA-vírus de grandes dimensoes

Leia mais

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE COORDENAÇÃO NACIONAL DE DST E AIDS MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é descrever

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

aciclovir Merck S/A Comprimidos 200 mg

aciclovir Merck S/A Comprimidos 200 mg aciclovir Merck S/A Comprimidos 200 mg aciclovir Medicamento genérico Lei nº 9.797, de 1999 200 mg APRESENTAÇÕES Aciclovir 200 mg é apresentado em embalagens com 25 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO E USO

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS I - INTRODUÇÃO *NOVAS TECNOLOGIAS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO *DECISÃO DIAGNÓSTICA CONFIRMAÇÃO TRATAMENTO MONITORAMENTO PREVENÇÃO

Leia mais

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS Maria José de Camargo IFF / FIOCRUZ CERVIX www.cervixcolposcopia.com.br Gestantes Pós-menopausa Histerectomizadas Imunossuprimidas Adolescentes Mulheres sem história de

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO: mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e bebês com microcefalia

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO: mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e bebês com microcefalia PROTOCOLO DE ATENDIMENTO: mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e bebês com microcefalia Boletim Epidemiológico de Microcefalia (até 5 de dezembro) 1.761 casos suspeitos 14 estados 422 municípios

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com A estatística tem como objetivo fornecer informação (conhecimento) utilizando quantidades numéricas. Seguindo este raciocínio, a estatística

Leia mais

Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação

Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação III WORKSHOP INTERNACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM HEPATOLOGIA Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO Hepatites

Leia mais

INFECÇÃO PELO CITOMEGALOVÍRUS DURANTE A GRAVIDEZ E NO RECÉM-NASCIDO

INFECÇÃO PELO CITOMEGALOVÍRUS DURANTE A GRAVIDEZ E NO RECÉM-NASCIDO INFECÇÃO PELO CITOMEGALOVÍRUS DURANTE A GRAVIDEZ E NO RECÉM-NASCIDO Recomendações para o Diagnóstico Pré-Natal Virológico Importância da determinação da Avidez, para o diagnóstico e prevenção das infecções

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 SÍFILIS NA GESTAÇÃO: UMA ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA A PARTIR DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PR Fabiana Luize Kopper 1 Cláudia Ross 2 INTRODUÇÃO A sífilis na gestação

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão.

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão. DIAGNÓSTICO SANITÁRIO DO REBANHO: MAIS VANTAGENS COM A MESMA AMOSTRA. A Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH) apresenta a todos os associados, produtores e indústrias

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais