UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL"

Transcrição

1 I. O ZOO das Partículas Elementares. Origem das Partículas Elementares. O Modelo Padrão e a Origem das Partículas e das Forças Fundamentais. O Modelo Padrão é a teoria que explica a origem das partículas e das forças fundamentais. O Modelo Padrão busca explicar do que o mundo é feito e o que o mantém unido. Há muitas questões sobre a origem das partículas e das forças fundamentais a serem respondidas. Por exemplo: por que tantos objetos, corpos e sistemas materiais compartilham características similares? Para os cientistas a matéria, na forma como a conhecemos, é um conglomerado de blocos fundamentais de construção da natureza. Entendemos por blocos fundamentais de construção objetos sem estrutura interna, ou seja, que não são constituídos por nada menor do que eles. E se nos atermos aos primórdios da construção do conhecimento científico, mesmo na Antigüidade, os pensadores da época buscavam compreender o mundo que nos rodeia com base na idéia de organização da natureza em elementos fundamentais, como terra, ar, fogo e água. A Natureza da Matéria. De que é Feito Tudo que Existe no Mundo? Várias civilizações, em diferentes épocas, deram respostas para essa pergunta. Para o filósofo grego Empédocles (c a.c.), por exemplo, haveria quatro elementos eternos (terra, fogo, água e ar) e duas forças fundamentais: uma atrativa (o amor) e outra repulsiva (o ódio). Para os antigos chineses e indianos, madeira, metal e espaço também seriam constituintes básicos da matéria. O Não Divisível. Por volta do século 5 a.c, os filósofos gregos Leucipo (c a.c.) e Demócrito (c.460- c.370 a.c.) propuseram que a matéria era formada por corpúsculos diminutos, invisíveis, dotados de movimento veloz. Essas entidades foram denominadas átomos, cujo significado é não (a) divisível (tomo). As idéias da escola atomista sobreviveram no poema De Rerum Natura (Sobre a natureza das coisas), do romano Lucrécio (c a.c.). Segundo Demócrito de Abdera por definição há cor, por definição há doce, por definição há amargo, mas na realidade há átomos e espaço. Ou seja, nesta busca pela compreensão de uma organização intrínseca da natureza, um dos momentos mais importantes nesta trajetória ocorreu há cerca de 400 A.C. E por volta de 1900, os primeiros modelos atômicos da era moderna foram criados. Os pesquisadores pensavam então em átomos como bolas permeáveis (permeabilidade - capacidade dos materiais em transmitir outros materiais) com pequenas quantidades de carga elétrica vibrando internamente. Mas seria o átomo uma estrutura fundamental? Logo os cientistas perceberam que poderiam classificar os átomos em grupos que compartilham propriedades químicas similares, formando então a Tabela Periódica dos Elementos. Isso indicava que os átomos eram compostos de simples blocos de construção, e que esses blocos em diferentes combinações é que determinavam quais átomos teriam quais propriedades químicas. Hoje nós sabemos portanto que há algo mais fundamental que terra, água, ar e fogo... Além disso, experimentos que possibilitaram o exame do interior do átomo, por meio de sondas de partículas, indicavam que os átomos tinham estrutura interna e que não eram somente bolas permeáveis. Esses experimentos ajudaram os cientistas a determinar que os átomos têm um núcleo minúsculo e denso, de carga elétrica positiva, contendo na parte externa uma nuvem de elétrons de carga elétrica negativa (e-). Por ser pequeno, sólido e denso, os cientistas pensaram originalmente que o núcleo seria um corpo elementar e, portanto, sem estrutura interna. Mais tarde, descobriram que o núcleo era feito de prótons (p), que são carregados positivamente, e nêutrons (n), que não têm carga elétrica. Os físicos descobriram mais tarde ainda que os prótons e os nêutrons são compostos de partículas ainda menores, chamadas quarks. Depois de testar extensivamente essa teoria, os cientistas acreditam hoje que os quarks e o elétron (e algumas outras partículas, como veremos) são fundamentais. Viagem ao Centro do Átomo. O Grande Vazio. Em 1909, o físico neozelandês Ernest Rutherford ( ) e dois auxiliares, o inglês Ernest Marsden ( ) e o alemão Hans Geiger ( ), bombardearam folhas de ouro finíssimas com partículas de carga positiva emitidas por uma fonte radioativa. O resultado causou profunda estranheza. Parte dessas partículas denominadas radiação alfa ricocheteava bruscamente ao atingir a lâmina do metal. Dois anos depois, Rutherford, em letras trêmulas, descreveu sua conclusão: o átomo continha um caroço maciço, de carga elétrica positiva, no qual estavam 99,99% de sua massa. O átomo é um grande vazio, resumiu Rutherford. Em 1919, ele associaria a carga positiva nuclear a uma nova partícula: o próton, cerca de 2 mil vezes mais pesado que o elétron. Um esquema mais detalhado do núcleo atômico se completaria em 1932, quando o físico britânico James Chadwick descobriu o nêutron, que por essa descoberta recebeu o Prêmio Nobel de Física em O nêutron é um bárion eletricamente neutro formado por dois quarks down e um quark up. É uma das partículas que, junto com o próton, forma os núcleos atômicos. Fora do núcleo atômico é instável e tem uma vida média de cerca de 15 minutos, emitindo um elétron e um anti-neutrino para se converter em um próton. Sua massa é muito similar à do próton. Tamanho do Átomo, do Núcleo, dos Quarks e dos Elétrons. Para termos uma idéia das dimensões atômicas, se

2 fossemos desenhar o átomo em escala e assumíssemos que os prótons e os nêutrons têm um centímetro de diâmetro, então os elétrons e os quarks deveriam ter um diâmetro menor do que o de um fio de cabelo e o diâmetro do átomo inteiro deveria ser maior que o comprimento de trinta campos de futebol. É importante salientar que 99,99% do volume de um átomo é apenas espaço vazio. O núcleo por sua vez é dez mil vezes menor do que o átomo. Os quarks e os elétrons são menores que metros. Os Mésons em Cena. Força Forte. Uma pergunta aparentemente simples intrigou os físicos durante muito tempo: o que mantém o núcleo coeso? Prótons, sendo positivos, deveriam se repelir, e nêutrons não sentem a força eletromagnética. No início da década de 1920, já se desconfiava que uma força atrativa, muito intensa, deveria impedir a desintegração (desmantelamento) do núcleo. Em 1935, o físico japonês Hideki Yukawa ( ) lançou uma idéia ousada: se a interação eletromagnética se dá pela troca de fótons entre as partículas com carga elétrica, por que algo semelhante não poderia ocorrer entre prótons e nêutrons? Surgia assim o méson em grego, médio, pois sua massa estaria entre a do próton e a do elétron. O méson de Yukawa hoje, conhecido como méson pi (ou píon) só foi detectado em 1947 na observação de raios cósmicos, por uma equipe da Universidade de Bristol (Inglaterra), liderada pelo inglês Cecil Powell ( ) e com participação determinante do físico brasileiro César Lattes ( ). No ano seguinte, Lattes e o norte-americano Eugene Gardner ( ) detectaram píons produzidos artificialmente no acelerador de partículas da Universidade da Califórnia, em Berkeley (Estados Unidos). Essa descoberta mostrou que a produção e a detecção de partículas podiam ser feitas de modo mais controlado com o desenvolvimento de aceleradores mais potentes e detectores mais precisos. Ainda O ZOO das Partículas Elementares. Também é possível que os quarks e os elétrons não sejam fundamentais de fato, e eventualmente acabem sendo constituídos de outras partículas mais fundamentais. Os físicos constantemente procuram novas partículas. Quando as encontram, eles as classificam e tentam achar padrões universais que informam como os blocos fundamentais de construção do universo interagem. Foram descobertas, até agora, por volta de duzentas partículas (a maioria delas não é fundamental). Para não perdermos de vista todas essas partículas, nós as representamos com as letras dos alfabetos grego e romano. É claro que os nomes das partículas são apenas uma pequena parte de uma teoria física. Os físicos desenvolveram o Modelo Padrão, anteriormente citado, de modo a explicar o que é o mundo e o que o mantém unido. É uma teoria simples e compreensível que explica todas as centenas de partículas e interações complexas com apenas 6 quarks, 6 léptons (o lépton mais conhecido é o elétron) e partículas transportadoras de força (como o fóton, por exemplo). Os Quarks, Simplicidade e Elegância Formal. Em meados da década de 1970, os físicos tinhas uma ampla listagem de partículas elementares. Para dar alguma ordem e explicar as propriedades das inúmeras partículas descobertas, os físicos norte-americanos Murray Gell-Mann e George Zweig propuseram uma nova família de partículas subnucleares: os quarks. Inicialmente, ela conteria três membros: o up, o down e o strange. Segundo esse novo modelo, os mésons seriam formados por um par de quarks na verdade, um quark e um antiquark, e os bárions (prótons e nêutrons, por exemplo) conteriam um trio de quarks. Diferentes combinações desses quarks podiam explicar todos os mésons e bárions conhecidos. E o que manteria os quarks ligados para formar mésons e bárions? Entram em cena os glúons o nome vem de glue, do inglês cola. Quarks permanecem ligados pela transferência mútua de glúons, os verdadeiros portadores da força forte nuclear. Diferentemente das forças gravitacional e eletromagnética, a força forte entre os quarks aumenta conforme aumenta a distância entre eles pode-se imaginar que glúons agem como elásticos ligando os quarks. E isso tem uma implicação: quarks não são observados livres, vivendo, portanto, confinados dentro dos bárions e mésons. Mais uma peculiaridade dos quarks: eles têm cargas elétricas que são uma fração da carga do elétron ou do próton (+2/3 ou 1/3), pois só assim é possível explicar a carga elétrica dos bárions e dos mésons. Por exemplo, um próton é formado por dois quarks up (+2/3) e um down (-1/3). A soma total das cargas elétricas (2/3 + 2/3-1/3) é igual a 1. Por conta do confinamento e das cargas fracionárias, o modelo dos quarks foi recebido com ceticismo. No final da década de 1960, experimentos no acelerador de Stanford (Estados Unidos) e conceitualmente similares ao experimento de Rutherford deram fortes evidências de que prótons e nêutrons continham subestruturas. E o modelo de quarks inicialmente encarado apenas como um artifício matemático forneceu uma boa interpretação desses resultados, trazendo de volta simplicidade e certa elegância ao mundo das partículas elementares. Curiosidade: Gell- Mann tirou o nome quark de uma passagem Three quarks for Muster Mark (Três quarks para o Senhor Mark) do romance Finnegans Wake, do irlandês James Joyce ( ).

3 O ZOO de Partículas e o Modelo Padrão. Segundo o Modelo Padrão, todas as partículas de matéria, bem como os átomos e as moléculas são compostos de quarks e léptons, e as partículas compostas interagem por meio da troca de partículas transportadoras de força. Quarks comportam-se de maneira distinta dos léptons e, para cada partícula de matéria, há uma partícula de anti-matéria (ou anti-partícula). As anti-partículas se parecem e se comportam como suas correspondentes partículas de matéria, exceto pelo fato de terem cargas elétricas ou outros tipos de carga de valores opostos. Por exemplo, um próton é eletricamente positivo, ao passo que um anti-próton é eletricamente negativo. A gravidade afeta a matéria e a anti-matéria do mesmo modo, porque a gravidade, embora sendo uma propriedade ligada à uma carga de matéria, não distingue partículas de matéria de anti-partículas de matéria, uma vez que a massa das partículas são idênticas, em todos os seus atributos, às massas das correspondentes anti-partículas. Quando uma partícula de matéria e uma partícula de anti-matéria se encontram, elas se aniquilam em pura energia. Matéria e Anti-matéria. A idéia de anti-matéria é estranha, ainda mais porque o universo todo parece ser inteiramente composto de matéria. Essa idéia parece ir contra tudo que nós sabemos sobre o universo. Os cientistas podem comprovar a existência de anti-matéria em uma foto de uma câmara de bolhas. O campo magnético na câmara faz por exemplo com que as partículas negativas se curvem digamos para a esquerda e as partículas positivas se curvem correspondentemente para a direita. Pares elétron-pósitron aparecem em fotos deste tipo. Os pósitrons (anti-elétrons) comportam-se exatamente como os elétrons, mas percorrem uma trajetória curva para o lado oposto ao das particulas porque possuem carga elétrica oposta à dos elétrons. Se a anti-matéria e a matéria são exatamente iguais, mas de cargas elétricas opostas, então por que há muito mais matéria do que anti-matéria no universo? Esta é uma pergunta para a qual os físicos ainda não conhecem uma resposta. O símbolo usual para uma anti-partícula é uma barra acima do símbolo correspondente. Por exemplo, o quark up u tem um anti-quark up designado por u-barra. A anti-partícula de um quark é um anti-quark; a anti-partícula de um próton é um anti-próton, e assim por diante. A única exceção é que um anti-elétron é chamado de pósitron e é representado por e +. Quarks e Anti-quarks. Quarks são como vimos um tipo de partícula de matéria. A maior parte da matéria que conhecemos é constituída de prótons e nêutrons, os quais são compostos de quarks. Existem seis quarks na natureza, mas os físicos usualmente falam em termos de três pares: up/down, charmoso/estranho e top/bottom. Para cada um desses quarks, existe um antiquark correspondente. Os quarks têm, como também vimos, a característica não usual de possuírem uma carga elétrica fracionária, diferentemente do próton e do elétron, que têm cargas elétricas inteiras (+1e, -1e). Os quarks também transportam outro tipo de carga, denominada carga de cor. O quark top, em particular, foi descoberto apenas em 1995, depois de ter sido previsto teoricamente por 20 anos. Os quarks existem somente em grupos, formando hádrons, e nunca são encontrados sozinhos. Diz-se então que os quarks apresentam uma propriedade chamada de confinamento. Hádrons. Bárions e Mésons. Partículas compostas por quarks são denominadas de hádrons. Embora os quarks individuais tenham cargas elétricas fracionárias, eles se combinam de tal maneira que os hádrons possuem cargas elétricas inteiras. Outra propriedade dos hádrons é que eles não possuem carga de cor, embora os quarks possuam carga de cor. Existem duas classes de hádrons: aqueles compostos por três quarks (qqq) e aqueles compostos por um par quark-anti-quark (q q-barra). Os prótons são constituídos por dois quarks up e um quark down (uud), e são denominados ainda de bárions. O mesmo ocorre com os nêutrons, constituídos porém por um quark up e dois quarks down (udd). Os mésons são constituídos por um par quark-anti-quark, como por exemplo o méson píon positivo (π + ), que é composto por um quark up e um antiquark down. As antipartículas de um méson têm seus quarks e antiquarks trocados; assim, um antipíon (π - ) é composto por um quark down e um antiquark up. Como os mésons são constituídos por uma partícula e uma antipartícula, eles são altamente instáveis. O méson kaon (K - ), por exemplo, tem um tempo de vida maior do que a maioria dos mésons e é por isso denominado estranho e este aspecto deu origem ao nome do quark estranho, que é um de seus componentes internos. Uma outro aspecto estranho associado aos hádrons é que somente uma pequeníssima parte da massa de um hádron é devida aos quarks nele contidos.

4 Léptons. Outro tipo de partículas de matéria são os léptons. Existem seis tipos de léptons, três dos quais possuem carga elétrica e três que não possuem carga elétrica. Os léptons parecem ser partículas puntiformes, portanto, sem estrutura interna. O lépton mais conhecido é o elétron (e - ). Os outros dois léptons são o múon (µ) e o tau (τ), que são carregados como os elétrons, mas têm massa muito maior. Os outros léptons são os três tipos de neutrinos (νe, ν µ, ν τ ), que não possuem carga elétrica, têm massa muito pequena e são muito elusivas. Os quarks existem apenas no interior de partículas compostas junto com outros quarks, ao passo que os léptons são partículas fundamentais. Para cada lépton há um anti-lépton. O anti-elétron, como vimos, tem um nome especial, pósitron. Os léptons mais pesados, o múon e o tau, não são encontrados na matéria na forma como a conhecemos. Isso porque quando são produzidos, eles decaem muito rapidamente, ou transformam-se em léptons mais leves, e às vezes o tau pode decair em quarks, antiquarks e um neutrino. Os elétrons e as três espécies de neutrinos são estáveis e, por isso, são os tipos mais encontrados ao nosso redor. Quando um lépton pesado decai, uma das partículas na qual ele decai é sempre seu neutrino correspondente. As outras partículas poderão ser um quark e seu anti-quark, ou outro lépton e seu anti-neutrino. Os físicos têm observado que alguns tipos de decaimentos de léptons são possíveis e outros não. Para explicar esse fato, eles os dividiram em três famílias de léptons: o elétron e seu neutrino, o múon e seu neutrino e o tau e seu neutrino. O número total de membros da família deve sempre permanecer constante em um decaimento. Neutrinos são, como já dissemos, um tipo de lépton. Como eles não têm carga forte ou elétrica quase nunca interagem com quaisquer outras partículas. A maioria dos neutrinos passa direto através da terra sem ter sequer interagido com um único átomo dela. Neutrinos são produzidos por uma variedade de interações, especialmente em decaimentos de partículas. De fato, foi através de um estudo cuidadoso de decaimento radioativo que os físicos criaram a hipótese da existência do neutrino. Por exemplo: em um núcleo radioativo, um nêutron em repouso (momentum linear zero) decai, liberando um próton e um elétron; por causa da lei de conservação do momentum linear, o produto resultante de um decaimento deve ter um momentum linear total zero, que o próton e o elétron observados claramente não têm; portanto, podemos concluir a presença de outras partículas com um momentum linear apropriado para balancear o evento; foi suposto então que um anti-neutrino foi liberado e as experiências confirmaram que isso é o que realmente acontece. Uma vez que os neutrinos foram produzidos em grande abundância no início do universo e raramente interagem com a matéria; então, existem muitos deles no Universo. A pequeníssima massa, mas o grande número, deve contribuir para a existência da massa total do universo e afetar a sua expansão. Note-se que tanto quarks quanto léptons existem em 3 grupos distintos. Denominamos cada um desses grupos de geração de partículas de matéria. Uma geração contém um exemplar de quarks e léptons. Cada nova geração tende a ser mais massiva que a anterior. Toda matéria visível no universo é feita da primeira geração de partículas de matéria -- quarks up, quarks down e elétrons. Isso porque todas as partículas da segunda e terceira gerações de partículas são instáveis e decaem, tornando-se partículas de primeira geração, a única geração estável. Mas, se as gerações acima da primeira decaem rapidamente, são raramente observadas e não compõem nenhuma matéria estável ao nosso redor, então por que elas existem? Então por que temos gerações de matéria? Por que três delas? Nós não sabemos. E sem entender porque as partículas de segunda e terceira geração existem, não podemos descartar a possibilidade de haver mais quarks e léptons, com massas ainda maiores, que nós ainda não descobrimos. Ou talvez a resposta seja que os quarks e léptons não são fundamentais, mas são compostos de outras partículas ainda mais elementares, que juntas formariam os quarks.

5 II. Interações Fundamentais. Interação e Força Fundamental. Uma força fundamental é um mecanismo pelo qual as partículas interagem mutuamente, e que não pode ser explicado por nenhuma força mais fundamental do que aquela. Cada fenômeno físico observado, desde uma colisão de galáxias até quarks agitando-se no interior de um próton, pode ser explicado por estas interações. Devido a sua importância, a compreensão destas interações ocupam a atenção dos físicos por meio século e continua até hoje. Tradicionalmente, a física moderna tem listado 4 interações fundamentais: gravidade, eletromagnetismo, a força nuclear fraca, e a força forte. Suas magnitudes e comportamento variam muito, como pode ser visto nas tabelas abaixo. Ainda, existe uma crença muito forte que 3 destas interações sejam a manifestação de uma única interação, mais fundamental, tal como a eletricidade e o magnetismo são agora entendidos como dois aspectos de uma interação eletromagnética. Eletromagnetismo e forças nucleares fracas têm se mostrado como dois aspectos da força eletro-fraca. De forma mais especulativa, a força eletro-fraca e a força nuclear forte podem vir a ser combinadas usando as teorias da grande unificação. Como combinar a quarta interação, a gravidade, com as outras três ainda é um tópico para a pesquisa em gravitação quântica. Os Limites do Modelo Padrão. O Modelo Padrão, teoria que descreve as forças eletromagnética, fraca e forte tem limitações. Não indica, por exemplo, por que há três famílias (ou gerações) de léptons e quarks. Nem é capaz de explicar por que alguns léptons e quarks são tão mais pesados que seus companheiros. Experimentos recentes mostraram que os neutrinos têm massa, e isso cria para o modelo dificuldades que os físicos tentam agora driblar. Há muita expectativa em relação à detecção do chamado bóson de Higgs, uma partícula que seria a responsável pela geração das massas de todas as partículas, o que resolveria parte das limitações do modelo. Espera-se que isso ocorra com os experimentos no acelerador LHC (sigla, em inglês para Grande Colisor de Hádrons), que entrou em funcionamento em 2007 no CERN. O que falta descobrir? Um século depois de a física descobrir que o átomo pode ser partido, a idéia de unificação das quatro forças fundamentais é ainda um sonho. Teoria de Campo Unificado. Em física, uma "teoria do campo unificado" é um tipo de teoria de campo que permite que todas as forças fundamentais entre partículas elementares sejam descritas em termos de um único campo. Não há ainda nenhuma teoria do campo unificado aceita, e este assunto permanece como um campo aberto para pesquisa. O termo foi cunhado por Albert Einstein que tentou unificar a Teoria da Relatividade Geral com o Eletromagnetismo. Uma Teoria de tudo é muito próxima da teoria do campo unificado, mas difere por não exigir que sejam campos a base da natureza, e também por tentar explicar todas as constantes físicas da natureza. Todas as quatro forças fundamentais são mediadas por campos, que no modelo padrão de partículas, são resultado da troca de bósons. Família Spin Massa (em me) Tipo de Interação Bósons Não Massivos Inteiro 0 Eletromagnética, Gravitacional Léptons Meio-inteiro 0 M 207me Fraca, Eletromagnética Mésons Inteiro 273 M 1075me Forte, Fraca, Eletromagnética,

6 Gravitacional Bárions Meio-inteiro 1836 M Forte, Fraca, Eletromagnética, Gravitacional Unificação das Quatro Forças da Natureza. As quatro forças a serem unificadas são (em ordem decrescente de força): força nuclear forte: a força responsável por manter os quarks juntos para formar os nêutrons e prótons, e manter os neutros e prótons juntos para formar o núcleo. A partícula de troca desta força é o glúon; força eletromagnética: a conhecida força que age sobre partículas carregadas. O fóton é a partícula de troca desta força; força nuclear fraca: uma força de repulsão e de curto alcance responsável pela radioatividade, que age sobre elétrons, neutrinos e quarks. É governada pelo bóson W; força gravitacional: uma força de longo alcance que age sobre todas as partículas com massa. A suposta partícula de troca foi denominada gráviton. Em 1963, o físico estadunidense Sheldon Glashow propôs que a força nuclear fraca e a eletricidade e o magnetismo poderiam ser descritas em uma teoria parcial do campo unificado, uma teoria elétro-fraca. Em 1967, o físico paquistanês Abdus Salam e o estadunidense Steven Weinberg independentemente revisaram a teoria de Glashow colocando as massas das partículas W e Z a partir de quebra simétrica espontânea através do mecanismo de Higgs. Esta teoria unificada é governada pela troca de quatro partículas: o fóton, para interações eletromagnéticas, e uma partícula Z neutra e duas partículas W carregadas para a interação fraca. A força fraca tem curto alcance e os bósons Z e W têm massas: 80.4 e 91.2 GeV/ c 2, respectivamente. Em 1983, os bósons Z e W foram produzidos pela primeira vez no CERN pela equipe de Carlo Rubbia. Pela sua contribuição, Salam, Glashow e Weinberg foram agraciados com o Prêmio Nobel de Física de Carlo Rubbia e Simon van der Meer receberam o Prêmio de Exemplos de Processos Envolvendo as Forças Fundamentais. A tabela abaixo apresenta alguns exemplos. Força Decaimentos, Tempos de Vida Constante de Acoplamento Força Forte π - + p π 0 + n τ s gy 2 /hc 13 ; gy é a constante de acoplamento da teoria de Yukawa Força Fraca n p + e - + anti-ν gfraca τ 10-8 s Força Eletromagnética Emissão de Fótons α = ke 2 /hc 1/137 τ s Força Gravitacional Emissão de Grávitons Gm 2 /hc III. Leis de Conservação. Todos os processos de decaimento e reações com partículas elementares envolvem leis de conservação e regras de seleção: massa-energia; momentum linear; momentum angular; carga; conservação do número de léptons; conservação do número de bárions; conservação de spin isotópico; conservação de estranheza; conservação de paridade. Partículas de Vida Curta e Ressonâncias. Partículas como π 0 e η 0 têm vida curta (< s) bem como há ressonâncias que tem vida curta (< s). Problemas 1. Uma partícula K + decai em 2π + + π -. Medições determinam que as energias cinéticas dos π + são 68,6 MeV e 80,8 MeV e a energia cinética do π - é 75,5 MeV. Encontre o valor de Q da reação e da massa da partícula K Descreva as leis de conservação do processo acima. 3. Considere as seguintes reações: a) anti-k - + p K + + X; b) π - + p K 0 + X; c) p + p π + + n + Λ 0 + X; quais partículas representadas por X tornam estas reações possíveis? 4. Determine as energias mínimas para os produtos da reação: π - + p n + π Encontre o limiar para a reação p + p p + p + π 0. Esta reação é possível? 6. Usando a reação π - + p n + γ, determine os valores possíveis do spin do π Estime a massa do méson π. Determine, usando o Princípio da Incerteza, a escala de tempo de processos mediados pela interação forte.

7

8 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito MODELOS ATÔMICOS 478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito - A matéria após sofrer várias subdivisões, chegaria a uma partícula indivisível a que chamaram de átomo. - ÁTOMO a = sem tomos = divisão - Esta

Leia mais

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio MODELOS ATÔMICOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PRIMEIRA IDEIA DO ÁTOMO 546 a.c. Tales de Mileto: propriedade da atração e repulsão de objetos após atrito; 500 a.c. Empédocles:

Leia mais

Afísica é, sem dúvida, um dos

Afísica é, sem dúvida, um dos Afísica é, sem dúvida, um dos mais claros e bem sucedidos exemplos de construção do conhecimento humano, mesmo quando não se está falando apenas de conhecimento científico. Conseqüentemente, para formar

Leia mais

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade Eletricidade é uma palavra derivada do grego élektron, que significa âmbar. Resina vegetal fossilizada Ao ser atritado com um pedaço

Leia mais

UM BREVE RELATO SOBRE A HISTÓRIA DA RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO

UM BREVE RELATO SOBRE A HISTÓRIA DA RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA NÍVEL MESTRADO PROFISSIONAL RAMON MARQUES DE CARVALHO UM BREVE RELATO SOBRE A HISTÓRIA DA RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO PICOS

Leia mais

Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I

Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I 01. (Cftmg) O filme Homem de Ferro 2 retrata a jornada de Tony Stark para substituir o metal paládio, que faz parte do reator de seu peito, por

Leia mais

o universo no seu mais pequeno: o que sabemos acerca da matéria

o universo no seu mais pequeno: o que sabemos acerca da matéria o universo no seu mais pequeno: o que sabemos acerca da matéria Os Gregos antigos afirmaram que a matéria do universo é formada de pequenos ingredientes indivisíveis chamados átomos. Tal como o número

Leia mais

Ricardo Avelino Gomes 1

Ricardo Avelino Gomes 1 artigos Olhando o céu do fundo de um poço Ricardo Avelino Gomes 1 No início havia um múon que atravessou toda a atmosfera e chegou na superfície da Terra. Na viagem, desafiou e desdenhou a mecânica de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA PARTÍCULAS ELEMENTARES: A PROCURA DAS PARTÍCULAS W E Z. Aluno: Reinaldo Augusto da Costa Bianchi. Professor: Gil da Costa Marques. São Paulo, 1992. Esta ilustração

Leia mais

Hoje estou elétrico!

Hoje estou elétrico! A U A UL LA Hoje estou elétrico! Ernesto, observado por Roberto, tinha acabado de construir um vetor com um pedaço de papel, um fio de meia, um canudo e um pedacinho de folha de alumínio. Enquanto testava

Leia mais

Estão corretos: a) apenas I, II e V. b) apenas I, III e IV. c) apenas II, III e V. d) I, II, III, IV e V. e) apenas I, II, III, IV.

Estão corretos: a) apenas I, II e V. b) apenas I, III e IV. c) apenas II, III e V. d) I, II, III, IV e V. e) apenas I, II, III, IV. 1. (Ufpr 2014) As teorias atômicas vêm se desenvolvendo ao longo da história. Até o início do século XIX, não se tinha um modelo claro da constituição da matéria. De lá até a atualidade, a ideia de como

Leia mais

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas.

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas. EVOLUÇÃO DOS MODELOS ATÔMICOS Durante algum tempo a curiosidade do que era constituída a matéria parecia ser impossível de ser desvendada. Até que em 450 a.c. o filósofo grego Leucipo de Mileto afirmava

Leia mais

A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza p. 1/29

A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza p. 1/29 A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza Victor O. Rivelles Instituto de Física Universidade de São Paulo rivelles@fma.if.usp.br http://www.fma.if.usp.br/ rivelles/ Simpósio Nacional de

Leia mais

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Evolução da ideia do átomo 1) Partícula maciça, indivisível e indestrutível; 2)

Leia mais

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Radioatividade Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Dados históricos: Descoberta por Henri Becquerel. Em 1903, Rutherford e Frederick Soddy propuseram

Leia mais

Átomo e Modelos Atô t m ô ic i o c s o

Átomo e Modelos Atô t m ô ic i o c s o Átomo e Modelos Atômicos Demócrito (Sec. V a.c.) defendeu a idéia de que a matéria era composta por pequeníssimas partículas. Átomo Demócrito (460 370 A.C.) Modelo baseado apenas na intuição e na lógica.

Leia mais

Teoria Atômica. Constituição da matéria. Raízes históricas da composição da matéria. Modelos atômicos. Composição de um átomo.

Teoria Atômica. Constituição da matéria. Raízes históricas da composição da matéria. Modelos atômicos. Composição de um átomo. Teoria Atômica Constituição da matéria Raízes históricas da composição da matéria Modelos atômicos Composição de um átomo Tabela periódica Raízes Históricas 6000 a.c.: descoberta do fogo 4000 a.c.: vidros,

Leia mais

PREMISSAS PARA A PROPOSIÇÃO DE UM NOVO MODELO NUCLEAR:

PREMISSAS PARA A PROPOSIÇÃO DE UM NOVO MODELO NUCLEAR: INTRODUÇÃO A grande conquista, até o século 20, foi a eletricidade. Todos os cientistas faziam experimentos, tentando encontrar respostas, para os fenômenos, que se apresentavam e não tinham uma explicação

Leia mais

Introdução Altas Energias

Introdução Altas Energias Introdução à Física de Altas Energias São Paulo Regional Analysis Center Programa Introdução Uma visão geral das partículas e suas interações Aceleradores e Detectores Como explorar o interior da matéria

Leia mais

Evolução do Modelo Atómico

Evolução do Modelo Atómico Evolução do Modelo Atómico Desde a antiguidade que os homens se preocupavam em saber de que é que as «coisas» são feitas. No entanto, existiam perspectivas diversas sobre o assunto, a mais conhecida das

Leia mais

Estudo do grande colisor de hádrons

Estudo do grande colisor de hádrons Estudo do grande colisor de hádrons Felipe BERNARDO MARTINS 1 ; Mayler MARTINS 2 1 Estudante do Curso Técnico em Manutenção Automotiva. Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) campus Bambuí. Rod. Bambuí/Medeiros

Leia mais

RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO FÍSICA

RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO FÍSICA RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO Professor: XERXES DATA: 22 / 11 / 2015 RECUPERAÇÃO FINAL FORÇA ELÉTRICA (LEI DE COULOMB) FÍSICA Para todas as questões, considere a constante eletrostática no vácuo igual a 9.10

Leia mais

Eletricidade Aula 1. Profª Heloise Assis Fazzolari

Eletricidade Aula 1. Profª Heloise Assis Fazzolari Eletricidade Aula 1 Profª Heloise Assis Fazzolari História da Eletricidade Vídeo 2 A eletricidade estática foi descoberta em 600 A.C. com Tales de Mileto através de alguns materiais que eram atraídos entre

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

AS QUATRO FORÇAS FUNDAMENTAIS DA NATUREZA

AS QUATRO FORÇAS FUNDAMENTAIS DA NATUREZA AS QUATRO FORÇAS FUNDAMENTAIS DA NATUREZA Adaptado dum artigo na revista inglesa "Astronomy Now" por Iain Nicolson As interacções entre partículas subatómicas e o comportamento em larga escala de matéria

Leia mais

Sumário. Prefácio... xi. Prólogo A Física tira você do sério?... 1. Lei da Ação e Reação... 13

Sumário. Prefácio... xi. Prólogo A Física tira você do sério?... 1. Lei da Ação e Reação... 13 Sumário Prefácio................................................................. xi Prólogo A Física tira você do sério?........................................... 1 1 Lei da Ação e Reação..................................................

Leia mais

Adaptado de Professora: Miwa Yoshida. www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt

Adaptado de Professora: Miwa Yoshida. www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt Adaptado de Professora: Miwa Yoshida www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt Leucipo de Mileto ( 440 a.c.) & Demócrito (460 a.c. - 370 a.c. ) A ideia de dividirmos uma porção qualquer de matéria

Leia mais

Átomo e Modelos Atómicos

Átomo e Modelos Atómicos Átomo e Modelos Atómicos Demócrito (Sec. V a.c.) defendeu a ideia de que a matéria era composta por pequeníssimas partículas. Átomo Demócrito (460 370 A.C.) Modelo baseado apenas na intuição e na lógica.

Leia mais

GRAVITAÇÃO QUÂNTICA ATRATIVA, REPULSIVA E NEUTRA

GRAVITAÇÃO QUÂNTICA ATRATIVA, REPULSIVA E NEUTRA GRAVITAÇÃO QUÂNTICA ATRATIVA, REPULSIVA E NEUTRA Hindemburg Melão Jr. Introdução Quando Newton formulou a Teoria da Gravitação Universal, ele estabeleceu uma relação entre gravidade e massa e também postulou

Leia mais

Juliana Cerqueira de Paiva. Modelos Atômicos Aula 2

Juliana Cerqueira de Paiva. Modelos Atômicos Aula 2 Juliana Cerqueira de Paiva Modelos Atômicos Aula 2 2 Modelo Atômico de Thomson Joseph John Thomson (1856 1940) Por volta de 1897, realizou experimentos estudando descargas elétricas em tubos semelhantes

Leia mais

Exercícios de Eletrização

Exercícios de Eletrização Exercícios de Eletrização 1-Um corpo inicialmente neutro recebe 10 milhões de elétrons. Este corpo adquire uma carga de: (e = 1,6. 10 19 C). a) 1,6. 10 12 C b) 1,6. 10 12 C c) 16. 10 10 C d) 16. 10 7 C

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2014

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2014 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Física Série: 3ª Professor (a): Marcos Vinicius Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 2ºTeste Sumativo 1ºPeríodo Duração do Teste:60 minutos Data: 05 / 12 / 08 Prof. Dulce Godinho

Leia mais

1º trimestre Ciências Sala de estudos Data: Abril/2015 Ensino Fundamental 9º ano classe: Profª Elisete Nome: nº

1º trimestre Ciências Sala de estudos Data: Abril/2015 Ensino Fundamental 9º ano classe: Profª Elisete Nome: nº 1º trimestre Ciências Sala de estudos Data: Abril/2015 Ensino Fundamental 9º ano classe: Profª Elisete Nome: nº Valor: 10 Nota:.. Conteúdo: Atomística e MRU 1) Observe o trecho da história em quadrinhos

Leia mais

Partículas Elementares no Ensino Médio: uma abordagem a partir do LHC.

Partículas Elementares no Ensino Médio: uma abordagem a partir do LHC. Partículas Elementares no Ensino Médio: uma abordagem a partir do LHC. WAGNER FRANKLIN BALTHAZAR & ALEXANDRE LOPES DE OLIVEIRA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, Campus

Leia mais

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1 Física Quântica Caex 005 Questão 1 Se as partículas listadas abaixo têm todas a mesma energia cinética, qual delas tem o menor comprimento de onda? a) elétron b) partícula α c) nêutron d) próton Questão

Leia mais

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA CAPÍTULO 1 AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA Talvez o conceito físico mais intuitivo que carregamos conosco, seja a noção do que é uma força. Muito embora, formalmente, seja algo bastante complicado

Leia mais

ignacio Bediaga Coordenação de Física experimental de Altas Energias (Lafex) Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (RJ)

ignacio Bediaga Coordenação de Física experimental de Altas Energias (Lafex) Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (RJ) Uma diminuta quantidade de antimatéria é roubada do Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (CERN). Objetivo: usá-la para destruir o Vaticano. Esse é o mote de Anjos e Demônios, do escritor norte-americano

Leia mais

Detectores de Partículas: Tiago dos Anjos

Detectores de Partículas: Tiago dos Anjos Detectores de Partículas: Uma Introdução ao CMS Tiago dos Anjos Sumário Aceleradores Circulares LHC O Detector CMS - Sistema de Trajetórias - Sistema de Múons - Calorímetro Eletromagnético - Calorímetro

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron ARNOLD SOMMERFELD MODELO ATÔMICO DE ARNOLD SOMMERFELD - 1916 Ao pesquisar o átomo, Sommerfeld concluiu que os elétrons de um mesmo nível, ocupam órbitas de trajetórias diferentes

Leia mais

Sidney dos Santos Avancini José Ricardo Marinelli. Tópicos de Física Nuclear e Partículas Elementares

Sidney dos Santos Avancini José Ricardo Marinelli. Tópicos de Física Nuclear e Partículas Elementares Sidney dos Santos Avancini José Ricardo Marinelli Tópicos de Física Nuclear e Partículas Elementares Florianópolis, 2009 Universidade Federal de Santa Catarina Consórcio RediSul Campus Universitário Trindade

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 Teoria atômica básica e leis ponderais Evolução dos modelos atômicos Modelo atômico atual 1 Módulo 2 Números quânticos; Distribuição eletrônica Paramagnetismo,

Leia mais

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo.

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo. DINÂMICA Quando se fala em dinâmica de corpos, a imagem que vem à cabeça é a clássica e mitológica de Isaac Newton, lendo seu livro sob uma macieira. Repentinamente, uma maçã cai sobre a sua cabeça. Segundo

Leia mais

1. Resumo. 2. Introdução

1. Resumo. 2. Introdução 1. Resumo O exercício proposto consiste na busca de partículas estranhas, que são produzidas à partir de colisões entre partículas no acelerador LHC e medidas pelo experimento ALICE. Este exercício se

Leia mais

ELETROSTÁTICA. Ramo da Física que estuda as cargas elétricas em repouso. www.ideiasnacaixa.com

ELETROSTÁTICA. Ramo da Física que estuda as cargas elétricas em repouso. www.ideiasnacaixa.com ELETROSTÁTICA Ramo da Física que estuda as cargas elétricas em repouso. www.ideiasnacaixa.com Quantidade de carga elétrica Q = n. e Q = quantidade de carga elétrica n = nº de elétrons ou de prótons e =

Leia mais

8 Sistemas Relativísticos

8 Sistemas Relativísticos 8 Sistemas Relativísticos Os efeitos da Relatividade Restrita tornam-se importantes à medida que as velocidades envolvidas se aproximem da velocidade da luz., fato que ocorre plenamente no mundo das partículas

Leia mais

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO COLÉGIO ESTADUAL RAINHA DA PAZ, ENSINO MÉDIO REPOSIÇÃO DAS AULAS DO DIA 02 e 03/07/2012 DAS 1 ª SÉRIES: A,B,C,D,E e F. Professor MSc. Elaine Sugauara Disciplina de Química ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO As ondas

Leia mais

Capítulo 4 Trabalho e Energia

Capítulo 4 Trabalho e Energia Capítulo 4 Trabalho e Energia Este tema é, sem dúvidas, um dos mais importantes na Física. Na realidade, nos estudos mais avançados da Física, todo ou quase todos os problemas podem ser resolvidos através

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades Resoluções das atividades Sumário Aula 1 Evolução dos modelos atômicos: da alquimia ao modelo atômico de Thomson... 1 Aula 2 Evolução dos modelos atômicos: de Rutherford ao modelo atômico de Sommerfeld...

Leia mais

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA RAIOS-X + MATÉRIA CONSEQUÊNCIAS BIOLÓGICAS EFEITOS DAZS RADIAÇÕES NA H2O A molécula da água é a mais abundante em um organismo biológico, a água participa praticamente

Leia mais

Aula de Véspera - Inv-2009 Professor Leonardo

Aula de Véspera - Inv-2009 Professor Leonardo 01. Dois astronautas, A e B, encontram-se livres na parte externa de uma estação espacial, sendo desprezíveis as forças de atração gravitacional sobre eles. Os astronautas com seus trajes espaciais têm

Leia mais

A Antimateria e outros Misterios Estudados no Experimento ATLAS

A Antimateria e outros Misterios Estudados no Experimento ATLAS A Antimateria e outros Misterios Estudados no Experimento ATLAS Antimatéria e outros mistérios : da fantasia à realidade... O Experimento ATLAS no Grande Colisor de Hádrons (Large Hadron Collider LHC)

Leia mais

Física IV para Engenharia Elétrica. 2º Semestre de Instituto de Física - Universidade de São Paulo

Física IV para Engenharia Elétrica. 2º Semestre de Instituto de Física - Universidade de São Paulo 1 Física IV para Engenharia Elétrica 2º Semestre de 2014 Instituto de Física - Universidade de São Paulo Professor: Valdir Guimarães E-mail: valdirg@if.usp.br Aula 10 Física das Partículas elementares

Leia mais

3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS. Aline Lamenha

3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS. Aline Lamenha 3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS Aline Lamenha OBJETIVOS Referir os contributos de vários cientistas e das suas propostas de modelo atómico, para a criação do modelo atómico

Leia mais

1. O Modelo Padrão da Física de Partículas

1. O Modelo Padrão da Física de Partículas Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 31, n. 1, 1306 (2009) www.sbfisica.org.br O Modelo Padrão da Física de Partículas (The Standard Model of Particle Physics) Marco Antonio Moreira 1 Instituto de

Leia mais

Energia e Trabalho Energia

Energia e Trabalho Energia . Energia Energia Energia Conceito: é uma grandeza física escalar, pode ser acumulada em um corpo, pode ser usada para mover um corpo, pode ser transferida de um corpo para outro, pode existir e ser transferida

Leia mais

ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006

ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006 INTRODUÇÃ ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula Estrelas: do nascimento à Seqüê üência Principal Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006 De que são formadas as estrelas? Átomo: elemento básico b da matéria

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 5 PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DA MATÉRIA Primeira Edição junho de 2005 CAPÍTULO 5 PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DA MATÉRIA ÍNDICE 5.1- Postulados

Leia mais

Com base no enunciado, nas figuras e nos conhecimentos sobre mecânica e eletromagnetismo, considere as afirmativas a seguir.

Com base no enunciado, nas figuras e nos conhecimentos sobre mecânica e eletromagnetismo, considere as afirmativas a seguir. 1.A obra Molhe Espiral (acima) faz lembrar o modelo atômico planetário, proposto por Ernest Rutherford (Fig. 1). Esse modelo satisfaz as observações experimentais de desvio de partículas alfa ao bombardearem

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 1

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 1 Carga elétrica e lei de Coulomb Um pouco de história 1 Desde a Grécia antiga já se sabia que o âmbar 2, depois de atritado com peles de animais, adquire a propriedade de atrair objetos leves colocados

Leia mais

TC DE FÍSICA 2 a SÉRIE ENSINO MÉDIO

TC DE FÍSICA 2 a SÉRIE ENSINO MÉDIO TC DE FÍSICA 2 a SÉRIE ENSINO MÉDIO Professor(es): Odair Mateus 14/6/2010 1.Na(s) questão(ões) a seguir, escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. Sobre os conceitos e aplicações da Eletricidade

Leia mais

Partículas Elementares

Partículas Elementares Partículas Elementares Átomos consistem de elétrons que formam as camadas eletrônicas, e núcleos, compostos por prótons e nêutrons que, por sua vez,consistem de quarks ( dos tipos u e d, ou seja,up e down).

Leia mais

Leucipo de Mileto e Demócrito de Abdera. Pércio Augusto Mardini Farias

Leucipo de Mileto e Demócrito de Abdera. Pércio Augusto Mardini Farias Pércio Augusto Mardini Farias Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/

Leia mais

A FÍSICA ONTEM E HOJE

A FÍSICA ONTEM E HOJE A FÍSICA ONTEM E HOJE 3a. Edição PIBID Física CHUVEIROS RADIOATIVOS! Edição Bimestral: Agosto de 2013 DESSE BANHO NINGUÉM ESCAPA! [PÁG. 3] O MISTÉRIO DO COSMOS Como se deu a descoberta da radiação ultra

Leia mais

São Mateus ES, Novembro de 1998 SUMÁRIO. I Introdução. II Desenvolvimento. 2.1 Leis da reações químicas. III Conclusão.

São Mateus ES, Novembro de 1998 SUMÁRIO. I Introdução. II Desenvolvimento. 2.1 Leis da reações químicas. III Conclusão. São Mateus ES, Novembro de 1998 SUMÁRIO I Introdução II Desenvolvimento 2.1 Leis da reações químicas III Conclusão IV Bibliografia I Introdução Tentar-se-à mostrar nesta obra uma pesquisa sobre a Lei das

Leia mais

História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.)

História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.) Prof.: Manzi História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.) Teoria sobre os 4 elementos: Terra, Fogo, água e ar Aristóteles ( 350 a.c.) Quando a matéria recebe a forma ela se organiza nos quatro elementos

Leia mais

Química Atomística Profª: Bruna Villas Bôas. Exercícios

Química Atomística Profª: Bruna Villas Bôas. Exercícios NÚMERO ATÔMICO (Z) Os diferentes tipos de átomos (elementos químicos) são identificados pela quantidade de prótons (P) que possui. Esta quantidade de prótons recebe o nome de número atômico e é representado

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Eletricidade Lista 1 Processos de Eletrização I e II Prof.: Célio Normando

Aprimorando os Conhecimentos de Eletricidade Lista 1 Processos de Eletrização I e II Prof.: Célio Normando Aprimorando os Conhecimentos de Eletricidade Lista 1 Processos de Eletrização I e II Prof.: Célio Normando 1 ) (U.F. Lavras-MG) No modelo atômico atual, o nêutron tem a composição (u, d, d), no qual (u)

Leia mais

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule -2012 UFBA UFBA - 2ª - 2ª FASE 2012 Questão 01 Ilustração esquemática (fora de escala) da formação da grande onda Em 11 de março de 2011, após um abalo de magnitude 8,9 na escala Richter, ondas com amplitudes

Leia mais

Aula: 20.2 Conteúdos: Máquinas

Aula: 20.2 Conteúdos: Máquinas Aula: 20.2 Conteúdos: Máquinas 2 Habilidades: Identificar as máquinas simples 3 Energia Potencial Elástica A energia potencial elástica é a da energia que uma mola, elástico ou qualquer material que consiga

Leia mais

Instituto de Física da Universidade de São Paulo

Instituto de Física da Universidade de São Paulo Instituto de Física da Universidade de São Paulo Física para Engenharia II - 430196 Lista de exercícios 3-01 (Quando necessário utilize c = 3 10 8 m/s) Cinemática Relativística 1 Uma régua tem o comprimento

Leia mais

UNICENTRO-CEDETEG Departamento de Física. Projeto de Ensino. Ensino de Física: O futuro da energia - A antimatéria

UNICENTRO-CEDETEG Departamento de Física. Projeto de Ensino. Ensino de Física: O futuro da energia - A antimatéria UNICENTRO-CEDETEG Departamento de Física Projeto de Ensino Ensino de Física: O futuro da energia - A antimatéria Petiano: Mahmud Hussein El Farou Tutor: Eduardo Vicentini Guarapuava 2011 1. Introdução

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 11

Problemas de Mecânica e Ondas 11 Problemas de Mecânica e Ondas 11 P. 11.1 ( Exercícios de Física, A. Noronha, P. Brogueira) Dois carros com igual massa movem-se sem atrito sobre uma mesa horizontal (ver figura). Estão ligados por uma

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Física

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Física Vestibular URGS 2015 Resolução da Prova de ísica 1. Alternativa (C) O módulo da velocidade relativa de móveis em movimentos retilíneos de sentidos opostos pode ser obtido pela expressão matemática: v r

Leia mais

O Modelo Padrão. Muito aprendizado não nos ensina a compreender. Heráclito, "`O Obscuro"', 540AC-480AC

O Modelo Padrão. Muito aprendizado não nos ensina a compreender. Heráclito, `O Obscuro', 540AC-480AC O Modelo Padrão Marina von Steinkirch Instituto de Física da USP O Modelo Padrão é o modelo das interações fundamentais, que descreve três das quatro forças conhecidas, ou seja, a interação eletromagnética,

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO MODELOS ATÔMICOS EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (FMTM-MG) De acordo com o modelo atômico proposto por Rutherford, os átomos são constituídos por um núcleo de carga elétrica positiva, que concentra quase toda

Leia mais

Não é permitido nenhum tipo de consulta!

Não é permitido nenhum tipo de consulta! INSTRUÇÕES de PRÊMIO IFT-ICTP PARA JOVENS FÍSICOS Não escreva seu nome em nenhum lugar da prova. Em cada das seis folhas de questões, escreva o número do seu RG. Verifique que você tem as seis folhas de

Leia mais

aceleradores e detectores na física de partículas elementares

aceleradores e detectores na física de partículas elementares aceleradores e detectores na física de partículas elementares joão carvalho LIP e departamento de física da universidade de coimbra S. Tomé 05 de setembro de 2009 1 estudar as partículas produzir feixes

Leia mais

Lista 1_Gravitação - F 228 2S2012

Lista 1_Gravitação - F 228 2S2012 Lista 1_Gravitação - F 228 2S2012 1) a) Na figura a abaixo quatro esferas formam os vértices de um quadrado cujo lado tem 2,0 cm de comprimento. Qual é a intensidade, a direção e o sentido da força gravitacional

Leia mais

ESTUDO DO ÁTOMO. Palavras-chave: átomo. Nuclear. Radiação.

ESTUDO DO ÁTOMO. Palavras-chave: átomo. Nuclear. Radiação. ESTUDO DO ÁTOMO Isaias Jose dos Santos ISE - santosisaiasjose@yahoo.com.br Rodrigo dos Santos ISE.- antos.rodrigo10@hotmail.com Orientador: Francisco de Assis Andrade Resumo Desde o princípio da humanidade

Leia mais

Carta do CERN: 50 Anos de Aceleradores e de Prémios Nobel

Carta do CERN: 50 Anos de Aceleradores e de Prémios Nobel CartadoCERN:50AnosdeAceleradoresedePrémiosNobel Na semana passada, ao mesmo tempo que o LHC quebrava o recorde do aceleradordepartículasmaisenergéticodomundo,ocernfestejavaos50anos doseuprimeirograndeaceleradorcomumsimpósiocheiodeprémiosnobel.

Leia mais

LEIS DE CONSERVAÇÃO NA MECÂNICA CLÁSSICA

LEIS DE CONSERVAÇÃO NA MECÂNICA CLÁSSICA LIS D CONSRVAÇÃO NA MCÂNICA CLÁSSICA 1 Na Física um método muito usado para se estudar propriedades que variam com o tempo, consiste em considerar as propriedades que NÃO variam com o tempo. Ao longo da

Leia mais

O Bóson de Brout- Englert-Higgs

O Bóson de Brout- Englert-Higgs O Bóson de Brout- Englert-Higgs Leandro de Paula leandro@if.ufrj.br Mestrado Profissional de Ensino de Física 15 de abril de 2014 Plano das Apresentação Introdução Simetrias e leis de conservação O Modelo

Leia mais

COSMOLOGIA 2015. Ensino a Distância. Da origem ao fim do universo. Módulo 7. A história térmica do Universo

COSMOLOGIA 2015. Ensino a Distância. Da origem ao fim do universo. Módulo 7. A história térmica do Universo Ensino a Distância COSMOLOGIA 2015 Da origem ao fim do universo Módulo 7 A história térmica do Universo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Presidente da República Dilma Vana Rousseff Ministro

Leia mais

ASTRONOMIA. A coisa mais incompreensível a respeito do Universo é que ele é compreensível Albert Einstein

ASTRONOMIA. A coisa mais incompreensível a respeito do Universo é que ele é compreensível Albert Einstein ASTRONOMIA A coisa mais incompreensível a respeito do Universo é que ele é compreensível Albert Einstein ASTRONOMIA A LUZ PROVENIENTE DE ESTRELAS DISTANTES PROVA QUE O UNIVERSO É ANTIGO? Vivemos num universo

Leia mais

Evolução do modelo atómico

Evolução do modelo atómico Os neutrões só foram descobertos em 1932 por Chadwick. Evolução do modelo atómico Demócrito (400 a.c.) Enunciou a primeira ideia de átomo como sendo a partícula elementar que constitui toda a matéria.

Leia mais

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI.

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI. Sumário Introdução 5 Magnetismo 6 Magnetismo natural - ímãs 6 Ímãs artificiais 6 Pólos magnéticos de um ímã 7 Origem do magnetismo 8 Inseparabilidade dos pólos 10 Interação entre ímãs 10 Campo magnético

Leia mais

O Átomo. a + thomos = sem divisão

O Átomo. a + thomos = sem divisão O Átomo 1. O nome átomo tem origem na Grécia Antiga no sec. V a.c. Os pensadores antigos falavam da existência de partículas invisíveis e indivisíveis que formariam toda matéria. a + thomos = sem divisão

Leia mais

Força atrito. Forças. dissipativas

Força atrito. Forças. dissipativas Veículo motorizado 1 Trabalho Ocorrem variações predominantes de Por ex: Forças constantes Sistema Termodinâmico Onde atuam Força atrito É simultaneamente Onde atuam Sistema Mecânico Resistente Ocorrem

Leia mais

Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá. 4 de junho de 2013

Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá. 4 de junho de 2013 GRAVITAÇÃO Mecânica II (FIS-26) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá IEFF-ITA 4 de junho de 2013 Roteiro 1 Lei da Universal Roteiro Lei da Universal 1 Lei da Universal Motivação Lei da Universal Movimento

Leia mais

As cargas elétricas escoam do metal para o corpo humano e depois para o solo, pois todos são bons condutores --- R- C

As cargas elétricas escoam do metal para o corpo humano e depois para o solo, pois todos são bons condutores --- R- C 01-(UFPE-PE) Condutores são os materiais que permitem que as cargas (elétrons livres) se movimentem com facilidade no seu interior --- os metais, de uma maneira em geral, são bons condutores -- - assim,

Leia mais

Estudaremos aqui como essa transformação pode ser entendida a partir do teorema do trabalho-energia.

Estudaremos aqui como essa transformação pode ser entendida a partir do teorema do trabalho-energia. ENERGIA POTENCIAL Uma outra forma comum de energia é a energia potencial U. Para falarmos de energia potencial, vamos pensar em dois exemplos: Um praticante de bungee-jump saltando de uma plataforma. O

Leia mais

c) A corrente induzida na bobina imediatamente após a chave S ser fechada terá o mesmo sentido da corrente no circuito? Justifique sua resposta.

c) A corrente induzida na bobina imediatamente após a chave S ser fechada terá o mesmo sentido da corrente no circuito? Justifique sua resposta. Questão 1 Um estudante de física, com o intuito de testar algumas teorias sobre circuitos e indução eletromagnética, montou o circuito elétrico indicado na figura ao lado. O circuito é composto de quatro

Leia mais

Lista de Eletrostática da UFPE e UPE

Lista de Eletrostática da UFPE e UPE Lista de Eletrostática da UFPE e UPE 1. (Ufpe 1996) Duas pequenas esferas carregadas repelem-se mutuamente com uma força de 1 N quando separadas por 40 cm. Qual o valor em Newtons da força elétrica repulsiva

Leia mais

A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA

A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA A Via Láctea é uma faixa de luz tênue e esbranquiçada que percorre todo o céu, formando um anel à nossa volta. É conhecida desde a antiguidade. Somente com o uso do telescópio

Leia mais