REVISÃO BIOCEL E MOL DO OR DO NOT, THERE IS NO TRY.

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISÃO BIOCEL E MOL DO OR DO NOT, THERE IS NO TRY."

Transcrição

1 REVISÃO BIOCEL E MOL DO OR DO NOT, THERE IS NO TRY.

2 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

3 Estrutura geral dos monômeros 8 nm CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

4 Dinâmica da polimerização da Actina Profilina Timosina β4 Proteína ligante mantendo Actina ligada ao ADP/ATP DESPOLIMERIZAÇÃO POLIMERIZAÇÃO MONÔMERO ATIVO Sítio de ligação ao filamento de actina Proteína ligante no Sítio de ligação POLIMERIZA NÃO POLIMERIZA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

5 Proteínas Microfilamentos Motoras - Miosina Cauda de Miosina II Cabeça de Miosina II Miosina I Miosina V Região Livre Miosina Actina CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

6 INTERAÇÃO DA ACTINA MIOSINA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

7 INTERAÇÃO DA ACTINA MIOSINA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

8 CÓRTEX CELULAR CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

9 CÓRTEX CELULAR FUNÇÕES VARIADAS NAS CÉLULAS O córtex celular é uma camada situada logo abaixo da membrana plasmática, formada por filamentos de actina e proteínas ligantes à actina. Esta camada controla a forma e os movimentos de superfície da maioria das células animais Reconhecimento, Percepção do Ambiente, Adesão e Migração Fatores de Crescimento Arp2/3 Cofilina Miosina II Formação de Filopódios Formação de Lamelipódios Adesão Focal CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

10 Córtex Celular MICROVILOSIDADES Aumento de Superfície de Absorção CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

11 Sinalização Celular e a Dinâmica dos Microfilamentos CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

12 Sinalização Celular e a Dinâmica dos Microfilamentos CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

13 DIVISÃO CELULAR CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

14 ESTRUTURA GERAL DOS DÍMEROS α-tubulina β-tubulina α-tubulina GTP Cambiável Protofilamento Reto Hidrólise do GTP Enfraquece ligações dos monômeros Protofilamento Curvado Despolimerização Troca GDP-GTP Protofilamento CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

15 Proteínas de Controle da Polimerização de MTs CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

16 DINÂMICA DE POLIMERIZAÇÃO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

17 CENTROSSOMO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

18 CENTROSSOMO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

19 Proteínas Motoras CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

20 Proteínas Motoras CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

21 Cílios e Flagelos Movimento do Cílio Batida de Força Batida de Recuperação Movimento do Flagelo CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

22 Cílios e Flagelos CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

23 Estrutura Geral dos Monômeros Monômero Dímero Paralelo Cabeça Bastão Cauda Tetrâmero Antí-Paralelo Protofilamento Protofibrila Filamento Intermediário CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

24 Variabilidade das Proteínas dos Filamentos Intermediários Proteína MM (10-3 ) Forma do Filamento Distribuição Tecidual LAMINAS NUCLEARES Lamina A 70 Homopolímero Núcleo Lamina B 68 Homopolímero Núcleo CITOQUERATINAS (Mais de 15 isoformas) Citoqueratinas ácidas Heteropolímero Epitélio Citoqueratinas básicas Heteropolímero Epitélio FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS DO TIPO III Vimentina 57 Homo/Heteropolímero Mesênquima (Fibroblastos) Desmina 53 Homo/Heteropolímero Músculo Proteína Glial Ácida fibrilar 50 Homo/Heteropolímero Células Gliais e Astrócitos Periferina 57 Homo/Heteropolímero Neurônios Centrais e Periféricos NEUROFILAMENTOS NF-L 62 Homopolímero Neurônios Maduros NF-M 102 Heteropolímero Neurônios Maduros NF-H 110 Heteropolímero Neurônios Maduros Internexina Desenvolvimento do CNS CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

25 Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas

26 Matriz Extracelular Lâmina basal Separa células epiteliais ou outras células de elementos da MEC e células de tecido conectivo

27 Matriz Extracelular Lâmina basal O principal componente da lâmina basal é o colágeno do tipo IV

28 Matriz Extracelular Constituintes -Exemplos de proteoglicanos pequenos (decorina) e grandes (agrecanas) encontrados na MEC.

29 Matriz Extracelular Constituintes -Agregados de Agrecanos Ligação dos proteoglicanos à moléculas de ácido hialurônico. Encontradas principalmente na cartilagem.

30 Matriz Extracelular Proteoglicanos De modo geral os GAGs e os Proteoglicanos resistem à forcas compressivas

31 Matriz Extracelular O Colágeno O colágeno confere à matriz extracelular resistência à forças de tensão

32 Matriz Extracelular O Colágeno

33 Matriz Extracelular Síntese do Colágeno

34 Matriz Extracelular Elastina A elastina confere propriedades elásticas ao colágeno

35 Matriz Extracelular Fibronectina Componente presente nas células que permitem adesão à elementos da matriz extracelular

36 Matriz Extracelular Relação das células com a matriz Extracelular Há dois meios pelos quais as células são unidas. No tecido conectivo o principal meio de suporte é a Matriz Extracelular. No tecido epitelial é o citoesqueleto das próprias células ancorando células com células ou células com a matriz extracelular

37 Matriz Extracelular Relação das células com a matriz Extracelular

38 Matriz Extracelular Relação das células com a matriz Extracelular

39 Adesões Celulares Adesão célula-célula - Cadeirinas -Cadeirinas.

40 Adesões Celulares Adesão célula-célula -Cadeirinas e junções de aderência A adesão celular é mediada por cadeirinas e a integridade da ligação é dependente de Ca 2+

41 Adesões Celulares Adesão célula-célula -Papel das junções compactas na permeabilidade celular

42 Adesões celulares Adesão célula-célula -Desmossomos.

43 Adesões Celulares Superfamília das Imunoglobulinas

44

45 Adesões Celulares Selectinas

46 Adesões Celulares Selectinas Responsáveis pela adesão transiente célula-célula na corrente sanguínea

47 Adesões Celulares Integrinas Responsáveis pela integração entre células e elementos da matriz extracelular

48 Adesões celulares Integrinas Estrutura e ligação de moléculas de integrinas à matriz extracelular e à microfilamentos

49 Adesões celulares Adesões Célula-MEC -Hemidesmossomos Ligação das células à lâmina basal. Diferentes tipos de colágeno são utilizados para formar a adesão.

50 Adesões celulares Adesão célula-célula -Junções comunicantes ou junções GAP.

51 Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas

52 Princípios Gerais Sinalização Celular

53 Mensageiros que atravessam a barrreira lipídica Sinalização Celular

54 Moléculas sinalizadoras diretas em receptores nucleares Sinalização Celular

55 Moléculas sinalizadoras diretas em receptores nucleares Sinalização Celular

56 Moléculas sinalizadoras diretas em receptores nucleares Sinalização Celular

57 Papel do Óxido Nítrico na sinalização celular Sinalização Celular

58 Sinalização Celular Visão geral das vias de sinalização celular Proteínas de sinalização intracelular atuam como interruptores, ativando ou inativando a resposta Celular

59 O papel do AMPc é principalmente relacionado à ativação da PKA Sinalização Celular

60 Metabolismo do glicogênio é controlado pela atividade de uma PKA Sinalização Celular

61 Respostas mediadas pelo Ca ++ Sinalização Celular

62 Calmodulinas ajudam na transmissão do sinal citosólico Sinalização Celular

63 Receptores que se autofosforilam quando ativados Sinalização Celular

64 Inibição da Apoptose via proteína PI30kinase-AkT Sinalização Celular

65 Inibição da Apoptose via proteína PI30kinase-AkT Sinalização Celular

66 Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas

67 Pontos de checagem Ciclo Celular

68 Ciclo Celular Proteínas regulatórias MPF (Fator promotor da fase M) inclui as proteínas CdK e cyclins que são gatilhos na progressão do ciclo celular; p53 é uma proteína de bloqueio do ciclo celular caso haja dano no DNA. Caso o dano seja severo leva à APOPTOSE; - Níveis da p53 são elevados em célula com danos, permitindo o reparo do DNA por bloqueio do ciclo celular. - Uma mutação no gene da p53 frequentemente leva ao câncer, como por exemplo a síndrome de Li Fraumeni. p27 é uma proteína que se liga à ciclina e cdk bloqueando a entrada na fase S.

69 Kinases dependentes de ciclinas regular os pontos de checagem Ciclo Celular

70 Controle da atividade das kinases Ciclo Celular

71 Controle da atividade das kinases Ciclo Celular

72 Controle através de proteólise Ciclo Celular

73 Segregação dos cromossomos Ciclo Celular

74 Citocinese Ciclo Celular

75 Apoptose Morte celular

76 Morte celular Apoptose Depende de enzimas proteolíticas: Caspases Presentes em células animais nucleadas como precursoras inativa - procaspases Procaspases iniciadoras: quando ativas, clivam e ativam as Procaspases executoras Procaspases executoras: ativam outras e procaspases executoras e proteínas-alvo da célula produzindo uma amplificação irreversível da cascata proteolítica

77 Morte celular Apoptose Para ativar procaspases iniciadoras e disparar a cascata de caspases levando a apoptose Via extrínseca: ligação de ligantes extracelulares a receptores de morte da superfície celular em complexos de ativação -DISC Via intrínseca: ativada nos apoptossomos por sinais intracelulares quando as células são estressadas

78 Apoptose: Via extrínseca ativada por meio de receptores de morte FAS Morte celular Receptores de morte recrutam caspases-8 e 10 por meio de proteínas adaptadoras para formar o complexo DISC ALBERTS et al., 2010

79 Morte celular Apoptose: Via intrínseca O citocromo c liberado no espaço intermembranas das mitocôndrias ativa Apaf1, que se junta ao apoptossomo e recruta e ativa a procaspase-9. ALBERTS et al., 2010

80 Morte celular Apoptose Proteínas que regulam a apoptose Proteínas de sinalização extracelular, proteínas Bcl2 intracelulares e proteínas IAP (inibidores de apoptose) Proteínas Bcl-2 antiapoptótica e proapoptótica regulam a via intrínseca controlando a liberação de proteínas intermembranas mitocondriais, Proteínas IAP: inibem caspases ativadas e promovem degradação

81 Morte celular Apoptose: Via intrínseca Proteínas proapoptóticas BH123 quando ativadas por um estímulo apoptótico se agregam à memb. Mitocondrial e liberam citocromo c e outras proteínas no espaço intermembranas no citosol ALBERTS et al., 2010

82 Morte celular Apoptose Na ausência de estímulo apoptótico, proteínas Bcl2 antiapoptótica se ligam e inibem proteínas BH123 na memb. Externa da mitocondria ALBERTS et al., 2010

83 Morte celular Apoptose Na presença de estímulo apoptótico, proteínas BH3-apenas são ativadas e se ligam à proteínas Bcl2 antiapoptóticas, proteínas BH123 se tornam ativas, agregam-se liberando as proteínas mitocondriais intermembranas no citosol. ALBERTS et al., 2010

84 Morte celular Apoptose: IAPs e anti-ipas no controle da apoptose Na ausência de estímulo apoptótico, as IAPs (que estão no citosol) evitam apoptose acidental causada pela ativação espontânea de procaspases. ALBERTS et al., 2010

85 Morte celular Apoptose: IAPs e anti-ipas no controle da apoptose Na presente de estímulo apoptótico, as anti-iaps e outras proteínas liberadas do espaço intermembrana, as anti-iaps se ligam às IAPs e bloqueiam a atividade inibidora de apoptose. Ao mesmo tempo a liberação de citocromo c dispara o agrupamento de apoptossomo, que ativam a cascata de caspases, levando a apoptose ALBERTS et al., 2010

CITOESQUELETO. Prof: Dr. Cleverson Agner Ramos FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO

CITOESQUELETO. Prof: Dr. Cleverson Agner Ramos FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO Prof: Dr. Cleverson Agner Ramos Adesões Celulares Transporte Vesicular Manutenção da Forma Movimentos Celulares Coordenados Contração Muscular Transporte de substâncias em massa Divisão Celular Actina

Leia mais

Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas

Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas Noções básicas da Mitose e Meiose Ciclo Celular Noções básicas da Mitose e Meiose Ciclo Celular Fase S e

Leia mais

14/03/2016. Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas

14/03/2016. Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas 1 2 Matriz Extracelular Epitélios e sua relação com a Matriz Extracelular 3 Matriz Extracelular Lâmina basal

Leia mais

Citoesqueleto e Matriz extracelular

Citoesqueleto e Matriz extracelular Citoesqueleto e Matriz extracelular OBJETIVOS da aula os estudantes deverão ser capazes de Descrever os componentes do citoesqueleto (microtúbulos, microfilamentos e filamentos intermediários), suas funções

Leia mais

Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas. Sinalização Celular

Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas. Sinalização Celular Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas Princípios Gerais Estrógenos Produzidos nos folículos ovarianos maduros, controla o aparecimento das características

Leia mais

Citoesqueleto. Organização dos componentes celulares Interação mecânica com o ambiente Movimentos coordenados. Ações dependentes do citoesqueleto

Citoesqueleto. Organização dos componentes celulares Interação mecânica com o ambiente Movimentos coordenados. Ações dependentes do citoesqueleto Citoesqueleto Citoesqueleto Organização dos componentes celulares Interação mecânica com o ambiente Movimentos coordenados Ações dependentes do citoesqueleto ossos e músculos celulares Micrografia de fluorescência

Leia mais

Características gerais Composição Filamentos de Actina Filamentos Intermediários Microtúbulos Proteínas Motoras

Características gerais Composição Filamentos de Actina Filamentos Intermediários Microtúbulos Proteínas Motoras Características gerais Composição Filamentos de Actina Filamentos Intermediários Microtúbulos Proteínas Motoras Rede tridimensional localizada no citoplasma que forma o arcabouço celular. Formado de proteínas.

Leia mais

Junções Celulares Adesão Celular Matriz Extracelular Iêda Guedes

Junções Celulares Adesão Celular Matriz Extracelular Iêda Guedes Junções Celulares Adesão Celular Matriz Extracelular Iêda Guedes Molecular Biology of the Cell Alberts et al., 2002 quarta edição JUNÇÕES CELULARES junções oclusivas junções de ancoramento junções comunicantes

Leia mais

Tecido: comunidade organizada de células. estabelecimento de interações

Tecido: comunidade organizada de células. estabelecimento de interações Tecido: comunidade organizada de células estabelecimento de interações moléculas de adesão permitem que as células mantenham o contato umas com as outras e com componentes da matriz extracelular Interações

Leia mais

Morte Celular Programada

Morte Celular Programada RNM 0003 Morte Celular Programada Prof a : LETICIA FRÖHLICH ARCHANGELO Ribeirão Preto - 16.05.18 Número de células: Proliferação Diferenciação Morte TECIDO EM EQUILÍBRIO Apoptose Suicídio celular - Morte

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA DCV MED049 - BIOLOGIA E BIOQUIMICA. Citoesqueleto

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA DCV MED049 - BIOLOGIA E BIOQUIMICA. Citoesqueleto UNIVERSIDADE ESTADUAL DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA DCV MED049 - BIOLOGIA E BIOQUIMICA Citoesqueleto Profª MsC. Polyanna Carôzo de Oliveira Salvador - BA 2017 FUNÇÕES Definição de diversas

Leia mais

Conceitos fundamentais de Biologia Celular

Conceitos fundamentais de Biologia Celular Conceitos fundamentais de Biologia Celular Principais estruturas da célula eucariótica O NÚCLEO Contém nos cromossomos todo o genoma (DNA) das células; Responsável pela síntese e processamento dos RNAs

Leia mais

UNIDADE 9 CITOESQUELETO

UNIDADE 9 CITOESQUELETO UNIDADE 9 CITOESQUELETO 1. VISÃO GERAL O citoesqueleto é um sistema de proteínas filamentosas presente tanto em organismos eucariotos quanto em organismos procariotos. O termo citoesqueleto (originalmente,

Leia mais

Disciplina de Biologia Celular

Disciplina de Biologia Celular Universidade Salgado de Oliveira Disciplina de Biologia Celular Biomembranas, Matriz Extracelular e Junções Intercelulares Profª Larissa dos Santos Estrutura e composição química das membranas biológicas

Leia mais

23/02/2014. Vera Andrade

23/02/2014. Vera Andrade Vera Andrade http://histologiavvargas.wordpress.com/ O que são células? Quais os tamanhos, as formas e as funções das células? Como se classificam? Algumas características celulares Organelas celulares

Leia mais

Citoesqueleto e movimento celular

Citoesqueleto e movimento celular Citoesqueleto e movimento celular Prof. Dr. Vinicius Farias Campos GBIOTEC - PPGB fariascampos@gmail.com Abordagens... O que é e qual é a constituição do citoesqueleto Quais funções o citoesqueleto desempenha

Leia mais

Biologia Celular e Molecular. Prof a Dr a. Iêda Guedes

Biologia Celular e Molecular. Prof a Dr a. Iêda Guedes Biologia Celular e Molecular Prof a Dr a. Iêda Guedes Função do Citoesqueleto -rede de filamentos / dinâmica -manutenção da forma da célula -organização da estrutura interna da célula -crescimento e adaptação

Leia mais

gástrula de um embrião humano Há 4 tipos de tecidos Epitelial Conjuntivo Nervoso Muscular

gástrula de um embrião humano Há 4 tipos de tecidos Epitelial Conjuntivo Nervoso Muscular gástrula de um embrião humano Há 4 tipos de tecidos Epitelial Conjuntivo Nervoso Muscular tecido epitelial tecido conjuntivo* * Sinônimos: tecido conectivo, estroma matriz extracelular células tipos de

Leia mais

4/10/2012 CITOESQUELETO. Citoesqueleto. Rede intrincada de filamentos protéicos que se estendem por todo o citoplasma

4/10/2012 CITOESQUELETO. Citoesqueleto. Rede intrincada de filamentos protéicos que se estendem por todo o citoplasma CITOESQUELETO Citoesqueleto Rede intrincada de filamentos protéicos que se estendem por todo o citoplasma 1 Citoesqueleto Garante a estrutura da célula e de suas organelas; Ajuda a organizar a atividade

Leia mais

Citoesqueleto e movimento celular

Citoesqueleto e movimento celular Citoesqueleto e movimento celular Prof. Vinicius Farias Campos, BSc., MSc. fariascampos@gmail.com Abordagens... O que é e qual é a constituição do citoesqueleto Quais funções o citoesqueleto desempenha

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA DCV CCS006 - BIOLOGIA CELULAR. Sinalização Celular SALVADOR - BA 2016

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA DCV CCS006 - BIOLOGIA CELULAR. Sinalização Celular SALVADOR - BA 2016 UNIVERSIDADE ESTADUAL DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA DCV CCS006 - BIOLOGIA CELULAR Sinalização Celular PROFª POLYANNA CARÔZO DE OLIVEIRA SALVADOR - BA 2016 Introdução Evolução da multicelularidade

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE CÉLULAS EM TECIDOS

INTEGRAÇÃO DE CÉLULAS EM TECIDOS INTEGRAÇÃO DE CÉLULAS EM TECIDOS Junções Celulares Matriz Extracelular Integração de células em tecidos Introdução A maioria das células animais organizam se em tecidos que se associam em unidades funcionais

Leia mais

Importância dos processos de sinalização. Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases)

Importância dos processos de sinalização. Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases) Sinalização celular Importância dos processos de sinalização Seres unicelulares Seres multicelulares Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases) Receptores Proteínas -

Leia mais

3. MATRIZ CITOPLASMÁTICA E CITOESQUELETO

3. MATRIZ CITOPLASMÁTICA E CITOESQUELETO 3. MATRIZ CITOPLASMÁTICA E CITOESQUELETO Citoesqueleto, com microscópio de fluorescência (Raven, P.H., R. F. Evert & S. E. Eichhorn. 1992. Biology of Plants, 5th ed. Worth Publishers). Organelos celulares

Leia mais

APOPTOSE, OU MORTE CELULAR PROGRAMADA

APOPTOSE, OU MORTE CELULAR PROGRAMADA APOPTOSE, OU MORTE CELULAR PROGRAMADA é um processo essencial para a manutenção do desenvolvimento dos seres vivos, sendo importante para eliminar células supérfluas ou defeituosas. As células têm um conjunto

Leia mais

Embriologia (BMH120) - Biologia Noturno. Aula 1

Embriologia (BMH120) - Biologia Noturno. Aula 1 Embriologia (BMH120) - Biologia Noturno Aula 1 Introdução das Bases Moleculares e Celulares: Sinalização Intracelular Prof. Rodrigo A. P. Martins ICB - LaNCE - HUCFF - UFRJ Objetivos Ao final desta aula

Leia mais

Descrever a estrutura da membrana celular incluindo seus componentes e sua organização espacial

Descrever a estrutura da membrana celular incluindo seus componentes e sua organização espacial Biologia celular e do desenvolvimento Aula 1 Membrana celular Objetivos da aula os estudantes deverão ser capazes de... Descrever a estrutura da membrana celular incluindo seus componentes e sua organização

Leia mais

Membrana Celular (Membrana Plasmática)

Membrana Celular (Membrana Plasmática) Partes da Célula: Membrana Celular (Membrana Plasmática) Citoplasma - citosol - organelas (compartimentalização funcional) Núcleo A Membrana Plasmática: estrutura geral O Modelo do Mosaico Fluido A Membrana

Leia mais

Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Histologia Ramo da Biologia que estuda os tecidos; Tecido - é um conjunto de células, separadas ou não por substâncias intercelulares e que realizam determinada

Leia mais

5.COMUNICAÇÃO CELULAR

5.COMUNICAÇÃO CELULAR DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS-DFS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA HUMANA 5.COMUNICAÇÃO CELULAR PROF. DRA. MARIA IDA B.R. SPEZIALI UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ-UEM Comunicação célula-célula

Leia mais

Apoptose, ou morte celular programada

Apoptose, ou morte celular programada Apoptose, ou morte celular programada é um processo essencial para a manutenção do desenvolvimento dos seres vivos, sendo importante para eliminar células supérfluas ou defeituosas. As células têm um conjunto

Leia mais

Filamentos Intermediários, Microfilamentos e Microtúbulos

Filamentos Intermediários, Microfilamentos e Microtúbulos Filamentos Intermediários, Microfilamentos e Microtúbulos Prof. Dr. Luis Lamber0 Junho 2017 Citoesqueleto: Organização e Mo5lidade celular - Diversidade de formas e movimentos - Diversidade das adesões

Leia mais

Membrana Celular. Membrana Celular 08/03/13. Todas as membranas celulares apresentam a mesma constituição básica

Membrana Celular. Membrana Celular 08/03/13. Todas as membranas celulares apresentam a mesma constituição básica Membrana Celular Todas as membranas celulares apresentam a mesma constituição básica Membrana celular -Membrana plasmática -Endomembranas Membrana Celular Membrana plasmática: limite celular Sistema de

Leia mais

Aspectos gerais da estrutura celular

Aspectos gerais da estrutura celular Ciclo celular Aspectos gerais da estrutura celular A célula é a unidade básica da vida Altamente organizada, dividida em compartimentos As células surgem de outras células préexistentes As células são

Leia mais

Cada célula é programada para responder a combinações específicas de moléculas sinalizadoras

Cada célula é programada para responder a combinações específicas de moléculas sinalizadoras Sinalização celular Cada célula é programada para responder a combinações específicas de moléculas sinalizadoras Etapas da Sinalização 1) Síntese e liberação da molécula sinalizadora pela célula sinalizadora

Leia mais

Fisiologia celular I. Fisiologia Prof. Msc Brunno Macedo

Fisiologia celular I. Fisiologia Prof. Msc Brunno Macedo celular I celular I Objetivo Conhecer os aspectos relacionados a manutenção da homeostasia e sinalização celular Conteúdo Ambiente interno da célula Os meios de comunicação e sinalização As bases moleculares

Leia mais

BIOLOGIA CELULAR. Msc. Jessica Borges de Oliveira

BIOLOGIA CELULAR. Msc. Jessica Borges de Oliveira BIOLOGIA CELULAR Msc. Jessica Borges de Oliveira Citoplasma Citoplasma Citoesqueleto Organelas Celulares Citoplasma Também chamado de hialoplasma. Em células eucariontes o citoplasma compreende o espaço

Leia mais

Mecanismos bio-moleculares responsáveis pela captação e interpretação dos sinais do meio externo e interno comunicação celular

Mecanismos bio-moleculares responsáveis pela captação e interpretação dos sinais do meio externo e interno comunicação celular Mecanismos bio-moleculares responsáveis pela captação e interpretação dos sinais do meio externo e interno comunicação celular Transferência citoplasmática direta de sinais elétricos e químicos Como as

Leia mais

Mecanismos bio-moleculares responsáveis pela captação e interpretação dos sinais do meio externo e interno comunicação celular

Mecanismos bio-moleculares responsáveis pela captação e interpretação dos sinais do meio externo e interno comunicação celular Mecanismos bio-moleculares responsáveis pela captação e interpretação dos sinais do meio externo e interno comunicação celular Transferência citoplasmática direta de sinais elétricos e químicos Como as

Leia mais

1 Introdução O citoesqueleto é formado por redes proteicas presentes no citossol que estão relacionadas a diversas funções celulares.

1 Introdução O citoesqueleto é formado por redes proteicas presentes no citossol que estão relacionadas a diversas funções celulares. 1 Introdução O citoesqueleto é formado por redes proteicas presentes no citossol que estão relacionadas a diversas funções celulares. Dentre elas podemos citar: manter a forma da célula e dar suporte a

Leia mais

Matriz extracelular e Tecido epitelial

Matriz extracelular e Tecido epitelial Matriz extracelular e Tecido epitelial Capítulo 20 - Fundamentos da Biologia Celular Alberts - 3ª edição Capítulo 4 Histologia Básica Junqueira e Carneiro Células são organizadas em tecidos Plantas tem

Leia mais

Disciplina de Biologia Celular

Disciplina de Biologia Celular Universidade Salgado de Oliveira Disciplina de Biologia Celular Organização Geral e Evolução das Células, Biomembranas, Matriz Extracelular e Junções Intercelulares Profª Larissa dos Santos Evolução do

Leia mais

Citoplasma. Compreende a região entre a membrana plasmática e o núcleo. Do grego kytos (célula) e plasma (molde).

Citoplasma. Compreende a região entre a membrana plasmática e o núcleo. Do grego kytos (célula) e plasma (molde). Citoplasma Compreende a região entre a membrana plasmática e o núcleo. Do grego kytos (célula) e plasma (molde). Neste local ocorrem diversas reações químicas do metabolismo celular. Citoplasma Organelas

Leia mais

CITOESQUELETO 4/10/2012 TRÊS TIPOS DE FILAMENTOS PRESENTES NO CITOESQUELETO. Diâmetros: 10nm, 25nm, 7nm MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

CITOESQUELETO 4/10/2012 TRÊS TIPOS DE FILAMENTOS PRESENTES NO CITOESQUELETO. Diâmetros: 10nm, 25nm, 7nm MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS CITOESQUELETO TRÊS TIPOS DE FILAMENTOS PRESENTES NO CITOESQUELETO FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS DE ACTINA Diâmetros: 10nm, 25nm, 7nm 1 MICROTÚBULOS Introdução Geral Diâmetro de 25nm

Leia mais

SEPARAR INTEGRAR A ilustração acima sugere que a membrana plasmática separa o ambiente intracelular do meio no qual a célula está inserida. Isso, no e

SEPARAR INTEGRAR A ilustração acima sugere que a membrana plasmática separa o ambiente intracelular do meio no qual a célula está inserida. Isso, no e Membrana Plasmática SEPARAR INTEGRAR A ilustração acima sugere que a membrana plasmática separa o ambiente intracelular do meio no qual a célula está inserida. Isso, no entanto, não quer dizer que a MP

Leia mais

Biologia Celular e Molecular:

Biologia Celular e Molecular: Disciplina: Biologia Celular e Molecular: Prof.Dr. Antonio Augusto L. Barboza Diferenciação Celular EUCARIONTES Célula Animal Célula Vegetal Células procariontes Pobreza de membranas (somente a membrana

Leia mais

HISTOLOGIA. Tecido Epitelial

HISTOLOGIA. Tecido Epitelial HISTOLOGIA Tecido Epitelial Geralmente avascularizado Características Escassez de matriz extracelular Membrana basal: separa e prende o epitélio ao tecido conjuntivo Células justapostas com junções intercelulares

Leia mais

CITOLOGIA. Professora:Me.Gilcele Berber

CITOLOGIA. Professora:Me.Gilcele Berber CITOLOGIA Professora:Me.Gilcele Berber CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula) + Logos (estudo) As células são as unidades

Leia mais

Fases do ciclo celular O ciclo celular dos eucariotos está dividido em quatro fases separadas: M, G 1

Fases do ciclo celular O ciclo celular dos eucariotos está dividido em quatro fases separadas: M, G 1 CICLO CELULAR A vida das células é formada por dois períodos: INTÉRFASE: inicia no fim da mitose e estende até iniciar a próxima mitose. MITOSE: Reprodução celular, com as seguintes finalidades: Nos unicelulares:

Leia mais

CONTROLE GENÉTICO DA MORTE CELULAR

CONTROLE GENÉTICO DA MORTE CELULAR Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas LGN 5799 - SEMINÁRIOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS CONTROLE GENÉTICO DA MORTE CELULAR Aluno: João Fernando Bortoleto Orientador:

Leia mais

MORTE CELULAR NECROSE APOPTOSE AUTOFAGIA ACIDENTAL PROGRAMADA TRAUMATISMO DOENÇA PROCESSO FISIOLÓGICO NORMAL PROGRAMA GENETICAMENTE REGULADO

MORTE CELULAR NECROSE APOPTOSE AUTOFAGIA ACIDENTAL PROGRAMADA TRAUMATISMO DOENÇA PROCESSO FISIOLÓGICO NORMAL PROGRAMA GENETICAMENTE REGULADO Morte Celular MORTE CELULAR ACIDENTAL PROGRAMADA TRAUMATISMO DOENÇA PROCESSO FISIOLÓGICO NORMAL PROCESSO PATOLÓGICO PROGRAMA GENETICAMENTE REGULADO NECROSE APOPTOSE AUTOFAGIA MORTE CELULAR ACIDENTAL PROGRAMADA

Leia mais

Componentes do citoesqueleto: filamentos protéicos. MT = microtúbulos IF = filamentos intermediários AF = filamentos de actina

Componentes do citoesqueleto: filamentos protéicos. MT = microtúbulos IF = filamentos intermediários AF = filamentos de actina Componentes do citoesqueleto: filamentos protéicos MT = microtúbulos IF = filamentos intermediários AF = filamentos de actina Filamentos de actina Encontrados em todas as células eucarióticas Essenciais

Leia mais

Junções Celulares e Matriz extracelular

Junções Celulares e Matriz extracelular Junções Celulares e Matriz extracelular O intestino é constituído por epitélio, tecido conjuntivo e muscular, sendo a coesão de cada tecido mantida por locais de adesão célula-célula e matriz extracelular

Leia mais

FISIOLOGIA E TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA CELULAR

FISIOLOGIA E TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA CELULAR FISIOLOGIA E TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA CELULAR AULA 2 DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Membrana Celular ou Membrana Plasmática Função 2 Membrana Celular ou Membrana Plasmática

Leia mais

Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas. Ciclo Celular

Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas. Ciclo Celular Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas Ciclo Celular Comparação entre meiose e ciclo celular mitótico Mitose vs Meiose Após replicação de DNA,

Leia mais

BIOMEMBRANAS Disciplina: Citologia e embriologia

BIOMEMBRANAS Disciplina: Citologia e embriologia BIOMEMBRANAS Disciplina: Citologia e embriologia Profª Dra. Adriana Junqueira a.soeiro.j@gmail.com 1.Sinonímia Plasmalema Membrana Citoplasmática 2.Conceito Separa o meio intracelular do extracelular,

Leia mais

HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 3

HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 3 Junções intercelulares HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 3 Vera Regina Andrade, 2015 São estruturas da membrana plasmática que contribuem para a adesão e comunicação entre as células Também podem ser vedantes,

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO. Ler na bibliografia recomendada os tópicos abordados, listados abaixo, e responder as questões complementares.

ROTEIRO DE ESTUDO. Ler na bibliografia recomendada os tópicos abordados, listados abaixo, e responder as questões complementares. ROTEIRO DE ESTUDO Ler na bibliografia recomendada os tópicos abordados, listados abaixo, e responder as questões complementares. Tópicos abordados 1)Visão Geral da Célula: Origem celular. Células como

Leia mais

Células procarióticas. Disponível em: <http://www.uic.edu/classes/bios/bios100/lectures/prok02.jpg>. Acesso em: 12 mar

Células procarióticas. Disponível em: <http://www.uic.edu/classes/bios/bios100/lectures/prok02.jpg>. Acesso em: 12 mar Citoplasma Células procarióticas Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2012. Células eucarióticas Preenchido pelo hialoplasma ou citosol Possui

Leia mais

Sinalização Celular. Rafael Silva Rocha FMRP-USP, SP, Brazil

Sinalização Celular. Rafael Silva Rocha FMRP-USP, SP, Brazil Sinalização Celular Rafael Silva Rocha FMRP-USP, SP, Brazil silvarochar@gmail.com http://silvarochar.wixsite.com/ssbl 1 A célula e seu ambiente Temperatura Nutrientes Estresses Integridade própria Injurias

Leia mais

CITOESQUELETO E MOTILIDADE CELULAR

CITOESQUELETO E MOTILIDADE CELULAR CITOESQUELETO E MOTILIDADE CELULAR Citoesqueleto consiste de uma rede de proteínas filamentosas que se extendem através do citoplasma de todas as células eucarióticas. Função do citoesqueleto - Determina

Leia mais

ENSINO DE BIOLOGIA CELULAR DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR ICB USP

ENSINO DE BIOLOGIA CELULAR DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR ICB USP ENSINO DE BIOLOGIA CELULAR DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR ICB USP O Departamento ministra disciplinas de Biologia Celular, Biologia Tecidual e Biologia do Desenvolvimento para 14 cursos: Do ICB : Curso

Leia mais

Evoluíram sua organização multicelular de. Independente Construção de tecidos em diferentes princípios

Evoluíram sua organização multicelular de. Independente Construção de tecidos em diferentes princípios Matriz Extracelular Células do Intestino Matriz Extracelular Plantas e Animais Evoluíram sua organização multicelular de forma: Independente Construção de tecidos em diferentes princípios Matriz Extracelular

Leia mais

Olfato e visão. Dependem de GPCRs!!

Olfato e visão. Dependem de GPCRs!! Sinalização celular Olfato e visão Dependem de GPCRs!! Olfato e Visão Dependem de GPCRs que regulam canais iônicos controlados por AMPc/GMPc Humanos: distinguem ~350 grupos odorantes (sinais) Detecção

Leia mais

Citoplasma. Citoesqueleto e organelas. Natália Paludetto

Citoplasma. Citoesqueleto e organelas. Natália Paludetto Citoplasma Citoesqueleto e organelas Natália Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Citoplasma celular Sinônimos hialoplasma, matriz citoplasmática, citossol; Acreditava-se que era um fluido homogêneo e

Leia mais

Tecido muscular Capítulo 5

Tecido muscular Capítulo 5 Tecido muscular Capítulo 5 1 MÚSCULO ESTRIADO ESQUELÉTICO As células do músculo estriado esquelético são originadas da fusão dos mioblastos. Figura 5.1 - Fusão dos mioblastos para formar o músculo estriado

Leia mais

CITOSQUELETO. Microfilamentos de actina. Microtúbulos. Filamentos intermédios

CITOSQUELETO. Microfilamentos de actina. Microtúbulos. Filamentos intermédios CITOSQUELETO Microfilamentos de actina Microtúbulos Filamentos intermédios O citosqueleto é composto por 3 elementos principais de filamentos proteicos: Microfilamentos (Filamentos de actina) Microtúbulos

Leia mais

09/08/2017. Do que a membrana plasmática é composta? Qual sua estrutura morfológica? Biologia Celular e Molecular. Joana Da Mata. Membrana Plasmática

09/08/2017. Do que a membrana plasmática é composta? Qual sua estrutura morfológica? Biologia Celular e Molecular. Joana Da Mata. Membrana Plasmática Biologia Celular e Molecular Joana Da Mata Membrana Plasmática Do que a membrana plasmática é composta? Qual sua estrutura morfológica? Como o espermatozoide reconhece o oócito? Qual seu tipo sanguíneo?

Leia mais

I DEFINIÇÃO

I DEFINIÇÃO CITOPLASMA I DEFINIÇÃO MOVIMENTOS CITOPLASMÁTICOS: A) Ciclose: corrente citoplasmática orientada num certo sentido, sendo bem visível especialmente no endoplasma de muitas células vegetais. Proporciona

Leia mais

Ciclo Celular e Controle do Ciclo Celular

Ciclo Celular e Controle do Ciclo Celular Ciclo Celular e Controle do Ciclo Celular Profa. Dra. Maria Tercília Vilela de Azeredo Oliveira Profa. Dra. Ester Tartarotti MSc. Rita Luiza Peruquetti Divisão Celular Deve ser regulada e Coordenada Ciclo

Leia mais

Junções celulares, adesão celular e matriz extracelular

Junções celulares, adesão celular e matriz extracelular Maio 2016 Junções celulares, adesão celular e matriz extracelular Prof. Dr. Luis Lamberti P. da Silva Tecido Epitelial Células fortemente unidas Células suportam o estresse mecânico Matriz escassa: lâmina

Leia mais

Ciclo Celular: Mitose e Controle do Ciclo Celular

Ciclo Celular: Mitose e Controle do Ciclo Celular Ciclo Celular: Mitose e Controle do Ciclo Celular Disciplina: Biologia Celular Professoras responsáveis: Profa. Dra. Maria Tercília Vilela de Azeredo Oliveira Profa. MCs. Rosana Silistino de Souza Pós

Leia mais

Anatomia Humana Martini, Timmons & Tallitsch. Morfologia Humana. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira.

Anatomia Humana Martini, Timmons & Tallitsch. Morfologia Humana. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. Morfologia Humana Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br -A visualização das células só é possível por meio de diferentes metodologias de coloração e de microscopia; -Há

Leia mais

Citologia. Prof. Toscano

Citologia. Prof. Toscano Citologia Prof. Toscano Célula=Protoplasma Divisão metodológica: Procariontes e Eucariontes Citoplasma e Nucleoplasma golgi glicocálix centríolos cílios Gran. de secreção Corpo multivesicular RER mitocôndria

Leia mais

Biologia Celular. Organitos (continuação)

Biologia Celular. Organitos (continuação) Biologia Celular Organitos (continuação) Organitos Ribossomas Retículo endoplasmático Aparelho / Complexo de Golgi / Dictiossomas Lisossomas, Endossomas, e outras vesículas Vacúolos Mitocôndrios Cloroplastos

Leia mais

Tecnologia de Carnes e Derivados

Tecnologia de Carnes e Derivados Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão Tecnologia de Carnes e Derivados Curso: Engenharia de Alimentos e Tecnologia de Alimentos Profª. Msc. Maria Rita Alaniz

Leia mais

CITOLOGIA. Professora:Me.Gilcele Berber

CITOLOGIA. Professora:Me.Gilcele Berber CITOLOGIA Professora:Me.Gilcele Berber CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula) + Logos (estudo) As células são as unidades

Leia mais

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Letícia Lotufo. Estrutura. Função. Fonte: Malvin et al., Concepts in humam Physiology

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Letícia Lotufo. Estrutura. Função. Fonte: Malvin et al., Concepts in humam Physiology CONTRAÇÃO MUSCULAR Fibra muscular lisa Núcleo Estrias Fibra muscular cardíaca Núcleo Letícia Lotufo Discos Intercalares Músculo Tipos de músculo Estrutura Função Esquelético Cardíaco Liso Célula cilíndrica

Leia mais

TECIDO EPITELIAL. Funções:

TECIDO EPITELIAL. Funções: TECIDO EPITELIAL Constituídoas por células poliédricas justapostas, entre as quais elas existe tem pouca substância extracelular. As células se aderem umas às outras por junções intercelulares. Funções:

Leia mais

Principais eventos do ciclo celular eucarioto. G1+S+G2 = interfase M = mitose. Célulasfilha. Síntese de DNA. Cromátidesirmã.

Principais eventos do ciclo celular eucarioto. G1+S+G2 = interfase M = mitose. Célulasfilha. Síntese de DNA. Cromátidesirmã. Divisão celular Principais eventos do ciclo celular eucarioto Cromátidesirmã Célulasfilha Condensação dos cromossomos, envelope nuclear se desfaz, segregação. Descondensação dos cromossomos, formação do

Leia mais

Biologia Molecular e Celular II. Controle do crescimento celular

Biologia Molecular e Celular II. Controle do crescimento celular Biologia Molecular e Celular II Controle do crescimento celular 2016 Controle extracelular do crescimento e divisão Tamanho de um órgão ou organismo é definido por 3 processos celulares: Crescimento; Divisão;

Leia mais

HORMÔNIOS VEGETAIS. Katia Christina Zuffellato-Ribas

HORMÔNIOS VEGETAIS. Katia Christina Zuffellato-Ribas HORMÔNIOS VEGETAIS Katia Christina Zuffellato-Ribas HORMÔNIO VEGETAL COMPOSTO ORGÂNICO, NÃO NUTRIENTE, DE OCORRÊNCIA NATURAL, PRODUZIDO NA PLANTA, O QUAL, EM BAIXAS CONCENTRAÇÕES (10-4 A 10-6 M), PROMOVE,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE UNIDESC CURSOS DE MEDICINA VETERINÁRIA & CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina de Biologia Celular

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE UNIDESC CURSOS DE MEDICINA VETERINÁRIA & CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina de Biologia Celular CENTRO UNIVERSITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE UNIDESC CURSOS DE MEDICINA VETERINÁRIA & CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina de Biologia Celular ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Médico Veterinário Há pessoas

Leia mais

Aspectos Moleculares da Inflamação:

Aspectos Moleculares da Inflamação: Patologia Molecular Lucas Brandão Aspectos Moleculares da Inflamação: os mediadores químicos inflamatórios Inflamação São uma série de eventos programados que permitem com que Leucócitos e outras proteínas

Leia mais

Membrana Plasmática Estrutura e Função

Membrana Plasmática Estrutura e Função Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas Membrana Plasmática Estrutura e Função Prof: Dr. Cleverson Agner Ramos Visão Geral das Membranas Biológicas

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Moléculas, células e tecidos - Membranas biológicas Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Moléculas, células e tecidos - Membranas biológicas Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Moléculas, células e tecidos - Membranas biológicas Prof. Enrico Blota Biologia Moléculas, células e tecidos - Membranas Biológicas Todas as células, sejam elas procariontes

Leia mais

Biologia. Membranas Biológicas. Professor Enrico Blota.

Biologia. Membranas Biológicas. Professor Enrico Blota. Biologia Membranas Biológicas Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARTE 1 Todas as células, sejam elas procariontes ou eucariontes apresentam um revestimento

Leia mais

Membranas biológicas

Membranas biológicas Citologia e Histologia Membranas biológicas Composição e Estrutura Prof a Dr a. Iêda Guedes Membranas biológicas 1. Considerações gerais 2. Estrutura de membrana 3. Lipídeos de membrana 4. Proteínas de

Leia mais

Ciclo celular. Patricia Coltri

Ciclo celular. Patricia Coltri Ciclo celular Patricia Coltri coltri@usp.br Nesta aula: Controle do ciclo celular Fatores que interferem no ciclo Métodos de estudo Ciclo celular e proliferação Eventos sequenciais coordenados: geração

Leia mais

Integração. Sistema Nervoso. Glândula Endócrina. Hormônio. Órgão ou Tecido alvo

Integração. Sistema Nervoso. Glândula Endócrina. Hormônio. Órgão ou Tecido alvo Integração Sistema Nervoso Sinal Nervosa Sinal Química Glândula Endócrina Hormônio Órgão ou Tecido alvo Nível Corporal Regulação e integração de: -Balanço de íons e líquidos -Balanço de energia (metabolismo)

Leia mais

Bioensaios celulares: Princípios e Aplicações

Bioensaios celulares: Princípios e Aplicações Bioensaios celulares: Princípios e Aplicações Letícia Veras Costa Lotufo Laboratório de Oncologia Experimental Departamento de Fisiologia e Farmacologia, UFC lvcosta@secrel.com.br PROGRAMA: 11/02 aula

Leia mais

Componentes do citoesqueleto: filamentos protéicos. MT = microtúbulos IF = filamentos intermediários AF = filamentos de actina

Componentes do citoesqueleto: filamentos protéicos. MT = microtúbulos IF = filamentos intermediários AF = filamentos de actina Componentes do citoesqueleto: filamentos protéicos MT = microtúbulos IF = filamentos intermediários AF = filamentos de actina Filamentos de actina Encontrados em todas as células eucarióticas Essenciais

Leia mais

INTRODUÇÃO Conjunto de elementos que, em sintonia, são responsáveis pela integridade estrutural das células e por uma ampla variedade de processos din

INTRODUÇÃO Conjunto de elementos que, em sintonia, são responsáveis pela integridade estrutural das células e por uma ampla variedade de processos din CITOESQUELETO INTRODUÇÃO Conjunto de elementos que, em sintonia, são responsáveis pela integridade estrutural das células e por uma ampla variedade de processos dinâmicos CITOESQUELETO Contrariamente ao

Leia mais

Núcleo mitó,co. Patricia Coltri

Núcleo mitó,co. Patricia Coltri Núcleo mitó,co Patricia Coltri coltri@usp.br Nesta aula: Introdução Controle do ciclo celular Fases do ciclo celular Fase M Reprodução dos seres vivos depende de sucessivos ciclos de divisão celular Os

Leia mais

Prof. Tiago Collares, Dr.

Prof. Tiago Collares, Dr. Biologia Celular organelas Prof. Tiago Collares, Dr. tiago_collares@hotmail.com (MSN) collares.t@gmail.com (E-mail) Introdução à Biologia Celular Estrutura Celular: de acordo com o tipo estrutural de célula

Leia mais

TECIDO MUSCULAR (parte 1)

TECIDO MUSCULAR (parte 1) TECIDO MUSCULAR (parte 1) Profª Patrícia Mendes Disciplina: Histologia Geral e Embriologia Curso: Medicina Veterinária www.faculdadevertice.com.br COMO OCORREM OS MOVIMENTOS? As atividades musculares são

Leia mais

CITOPLASMA E ORGANELAS CELULARES. BIOLOGIA AULA 5 Professor Esp. André Luís Souza Stella Professora Esp. Lúcia Iori

CITOPLASMA E ORGANELAS CELULARES. BIOLOGIA AULA 5 Professor Esp. André Luís Souza Stella Professora Esp. Lúcia Iori CITOPLASMA E ORGANELAS CELULARES BIOLOGIA AULA 5 Professor Esp. André Luís Souza Stella Professora Esp. Lúcia Iori CITOPLASMA CITOPLASMA Também chamado de hialoplasma; É o fluido intracelular, onde estão

Leia mais

Fertilização. Professor: Arturo Arnáez Vaella

Fertilização. Professor: Arturo Arnáez Vaella Fertilização Professor: Arturo Arnáez Vaella Introdução Fonte: http://biologia-no-vestibular.blogspot.com.br/2012/06/ufpb-reproducao-humana.html Introdução Para poder fertilizar o ovócito o espermatozoide

Leia mais

Introdução à Fisiologia Celular

Introdução à Fisiologia Celular Introdução à Fisiologia Celular Uma boa compreensão da Fisiologia Humana, acontece paulatinamente com a ampliação da visão de que estuda e pesquisa da maquinaria celular. Decorar tudo é dispensável, entretanto,

Leia mais