Latusa Digital Nº 47 / Ano 8 - Dezembro de ISSN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Latusa Digital Nº 47 / Ano 8 - Dezembro de 2011 - ISSN 2175-1579"

Transcrição

1 Comentário em torno d A pele que habito Ana Beatriz Freire As pulsões são no corpo, o eco do fato que há um dizer 1 A partir do filme de Almodóvar, A pele que habito (2012), propomos pensar o lugar do corpo na constituição do sujeito para a psicanálise Se acompanharmos a construção de Almodóvar, podemos interrogar onde se fixa o gozo na ficção do cientista. Ele tenta fixar o outro como gozo de sua fantasia, transformando-o em objeto que ele opera em outro corpo, real, simbólica e imaginariamente. Ou melhor, por meio dessa ficção, uma questão se impõe: como da fixão de um gozo, podemos decantar o que faz um corpo? O início do filme angustia o telespectador, não apenas pelo suspense, pelo não saber, mas, sobretudo, pela assepsia, própria da ciência, de não localizar o sujeito em sua história e no seu modo de gozo. Diferente de outros filmes de Almodóvar, nesse a ficção se apresenta, inicialmente, sem sentido, sem o recurso do romance dramatizado, em pathos da vida cotidiana, em sentimentos de amor, ódio, paixão, paradoxos que o diretor frequentemente nos conduz com o exagero, humor e ironia a explodir o dramalhão própria das mulheres a beira de uma crise de nervos. Nesse último filme, o paradoxo é o próprio protagonista, Dr. Robert Legard (Antônio Bandeiras), que veste o discurso da ciência. Discurso este que, colocando um saber pré-estabelecido, pode criar um novo corpo ao bel prazer. Este, delirando com o saber científico, tem certeza de conseguir encarnar sua ficção. E, assim, tem certeza de poder operar com o real e, supostamente, por vingança pela violação e morte de sua filha, assim como por um luto não resolvido de sua mulher, mudar o sexo, as referências reais, simbólicas e imaginárias, revestindo o corpo de um sujeito, habitando-o, com outra pele. A partir de suas fantasias e referências, o cientista, Robert, opera no real do corpo de sua vítima, Vicente, por meio de uma série de operações, faz do outro objeto de seu gozo. De repente, nas mãos do cirurgião, Vicente, jovem que se constituiu, na 1 Lacan, J. O Seminário, livro 23: o sinthoma ( ). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2007, p.18.

2 partilha do sexo, a partir da identificação do lado masculino, se vê como objeto de manipulação, não apenas pelo outro sexo, mas, a partir das intervenções cirúrgicas e hormonais, transformado em mulher, com todas as insígnias, adereços com os quais o feminino se reveste. Espelhado na imagem da mulher morta, Gal, que se suicidou por ter se queimado, carbonizando seu corpo na traição e no gozo interdito com meioirmão de seu marido, o cientista Robert faz da vítima, Vicente, uma imagem do que para ele seria A mulher ideal, Vera, que não existe, ou só existe na sua ficção, fixão delirante de seu gozo. Para constituir essa mulher que não existe, Robert inventa uma pele super resistente, compondo-a por processo transgênico. A partir de sangue animal, transfere os gens animais para um ser humano, que, em homenagem a mulher perdida, nomeia de Gal. A partir dessa pele super resistente a todas as dores, doenças e picadas, ele consegue transformar Vicente na figura de Vera, A mulher Verdadeira, que faz existir, na sua ficção, a relação sexual, tamponando, nessa ação, o impossível. O paradoxo do filme retorna no real, pois se a ciência rejeita o sujeito, esse retorna no real: se a vítima da operação da ciência, que pretende com a sua fixão fazer do sujeito um objeto-abjeto de seu saber, transformando-o como lhe convém, esquadrilhando na sua extensão (partes extras partes) a uma outra imagem que não é a dele, o sujeito rejeitado, foracluído fora de qualquer referência simbólica, sem poder recorrer, enclausurado no cativeiro retorna. Retorna, primeiramente, sem se reconhecer e tendo como única saída ceder a vida, tenta passar ao ato: tenta fugir, suicidar-se, ou mesmo matar o outro que o reduziu a objeto (de tortura e manipulação científicas). Fracassado nessa primeira escolha, ele retorna e sobrevive a tal experiência limite, na perda completa de todas as suas referências, reconstruindo-se imaginariamente, simbolicamente e no real: no imaginário, ele retorna adquirindo um corpo em uma ascese, encontrada como que por acaso, em um programa didático na TV, pela ioga, pelos exercícios de postura, elasticidade e alongamento. Por meio dessa disciplina corporal a qual, enclausurado, dedica-se com afinco, o sujeito consegue construir um vazio idealizado pela busca de si, o que lhe propicia produzir uma nova amarração, costura de um novo corpo com peças avulsas 2 forjadas pelo Outro. 2 Miller, J-A. Pièces Détachées. Curso de Orientação lacaniana de

3 Concomitantemente, através da escrita e de desenhos, reconstrói seu mundo literal, fazendo da data marcada na parede, um traço, um S 1, um novo significante a partir do qual pode surgir a articulação com outros significantes, construir um novo saber. Assim, desenhos e frases são cravadas dia após dia, preenchendo a parede do quarto asséptico do cativeiro, numa tentativa de localizar, produzir-se como um novo sujeito, uma nova amarração com a pele que deve habitar: eu respiro, o ópio me ajuda a esquecer etc. Ainda como referência de um dizer que enlaça a pulsão e faz eco no corpo, o personagem se serve do métier de confecção de manequins que exercia na loja da mãe, e, a partir da referência dos corpos morcelés da arte de Louise Bourgeoise, ocupa-se com o saber-fazer de pedaços e restos destroçados de Gal e de vestidos femininos oferecidos pelo doutor para construir esculturas, pedaços de corpo. Aqui, a reconstrução localiza a libido, pedaço que se destaca do corpo, como letra, escritos que localizam na linguagem um gozo, condensando-o. O retorno da subjetividade exige de si um trabalho constante, pois o sujeito tem, para reconstituir-se, de revestir esse real do corpo, o corpo vivo, agora não reconhecível, essa porção irredutível ao imaginário e ao simbólico, afetado pela substância gozante 3 que só se organiza posteriormente, ao encarnar novas imagens e produzir novos ideais. O sujeito, reconstruído no caso dessa ficção, retorna ainda em construção ao ser surpreendido por um novo pathos, o amor. Amor ou cálculo para se livrar do Mestre torturador? De qualquer maneira, se optarmos pelo campo do amor, trata-se de um amor singular, não um amor qualquer, mas amor, a princípio não consentido, que se deixa, porém, afetar (mesmo se confundindo, hainamoration) pelo torturador. Do ponto de vista desse novo corpo, enclausurado, sem nenhuma história, sem significantes que possam fazer eco no corpo. Resta a esse corpo, objeto do Outro, apegar-se ao único Outro que lhe sobrou como referência, a saber, paradoxalmente, seu carrasco, aquele mesmo que o apagou como sujeito, fazendo de seu corpo, experiência, carne revestida, habitada por outra pele. Assujeitado, esse novo sujeito se faz alienar, primeiramente, ao Outro que se oferece ( você é a única coisa que me resta ), ama-o como a si mesmo, confundindo a criatura, que se transformou, com o próprio criador. 3 Lacan, J. O Seminário, livro 20: mais ainda ( ). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1982, p. 35.

4 Quando o Outro, convencido pela prova de seu amor, liberta-o, a primeira vestimenta que procura é o vestido objeto perdido de sua história precedente, quando, ainda homem, morava com sua mãe. No conto O Espelho, de Machado de Assis, o alferes, ao perder suas referências simbólicas na fazenda de sua tia, veste a farda para reconstruir as insígnias simbólicas e reconstruir a unidade corporal que estava se desfazendo. O personagem de A pele que habito, Vicente, agora Vera, precisa habitar o vestido perdido, para se recompor com a nova imagem imposta. Quando homem, amava Cristina, que trabalhava como vendedora na butique de corte e costura da mãe. Nessa época, Vicente recusara a experimentar o vestido; este não cabia nele e mesmo tentado, estava identificado com a escolha heterossexual. Como homem, amava as mulheres, em especial Cristina, cuja escolha objetal, no entanto, situava-se como homossexual. Mesmo para agradar esta, ele se recusa a experimentá-lo. Seduzido, o vestido só servia como objeto de desejo, para a mulher de sua escolha e não para o seu corpo. Submetido ao sexo imposto, agora, Vera tenta recuperar o vestido, traço, resíduo da identificação da primeira escolha amorosa. Resta à Vera tentar construir um novo eu, do que resta, ou parafraseando Freud 4, eu como precipitado de relações objetais, impostamente abandonadas. Quando libertado, vai procurar, não por acaso, esse vestido outrora desejado. A anatomia é o destino? Ou o corte de suas identificações imaginárias, simbólicas e real fizeram um novo destino para um novo corpo? O que é que nos faz acreditar ter um corpo? Essas são algumas questões que Almodóvar, com sua genialidade, nos convida a pensar. O final do filme não é menos irônico, ironia do destino, diria Freud. Não se trata bem de um happy end, mas agora, com um novo corpo, a pulsão faz eco de um novo gozo, a partir de um novo dizer, o consentimento de Vera em gozar como objeto do amor do carrasco. E desse novo lugar, a partir de uma nova enunciação, de um novo dizer construído a duras penas, fez-se um novo corpo, corpo que consente gozar com o torturador. Na cena final, procurando os gadgets para gozar no lugar de mulher de Robert, a procura de um lubrificante, Vera depara-se com um pedaço de jornal com a notícia 4 Freud, S. O Eu e o Isso. Em: Edição da Standard Brasileira das Obras Completas de Freud, vol. XIX (1923a). Rio de Janeiro: Imago, 1969, p. 42.

5 que sua mãe, seu Outro primordial, não desiste de procurá-lo e não se convence de seu desaparecimento, há seis anos. A partir do vazio resíduo de uma Outra história, o simbólico se reconstrói para Vera a partir do vazio que Vicente deixou para a mãe e, como possibilidade de recuperar o lugar que foi para o Outro, no e com o desejo materno. A partir da falta que deixou no Outro, ele consegue constatar, como no luto, o eu a partir do enunciado eu era sua falta 5, e recuperar o lugar do desejo, pele, que habitava antes desse encontro como objeto. Recuperando-se, apesar da nova imagem e sexo, não lhe resta senão passar ao ato e sair da referência desse amor para além do prazer: matando, separa-se como invenção do inventor, e o eu que se tornou (Ich werden), já construído com pele e peças avulsas, procura, a partir desse ato, recolher aonde isso era (Wo ES war 6 ). Como na outra ficção, Fale comigo, Almodóvar consegue embaralhar os valores morais e, eticamente, interrogar o lugar do desejo. Assim, infringindo a lei universal, para todos, da civilização e dos códigos prescritos pelo discurso do mestre, que interdita se servir, usar do corpo do outro e não abusar de um corpo inerte, que não pode consentir, o enfermeiro, em Fale Comigo, investe, em outra fixão delirante, no corpo da convalescente com palavras. E, como um meteoro, em seu fantasma ficcional, entra no seu corpo como um planeta, um liliputiano, um pigmeu, penetrando no corpo gigante 7, a conquistar e gozar desse corpo acamado, inerte, vivificando-o, libidinalizando-o. Objeto da medicina em uma unidade intensiva de tratamento, com seu amor singular, seu ato e seu dizer, o enfermeiro restitui-lhe a vida, deslocando-a do seu anonimato, vivo-morto, e fazendo ecoar algo do que lhe faltava, a saber, o pulsional na sua articulação com a palavra. Assim, como em Fale comigo, a vida volta a pulsar em um corpo inerte e restitui um novo circuito, curta-circuitando e acordando o que estava inerte. Em A pele que habito, o desejo refaz o circuito pulsional, ecoando no novo corpo um novo dizer. No fim, resta uma dúvida própria da ironia do destino da pulsão a paródia própria à la Almodóvar: será que Vera recupera o amor impossível de Vicente com Cristina, agora 5 Lacan, J. O Seminário, livro 10: a angústia ( ). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005, p Cf. Freud, S. A dissecção da personalidade psíquica. Em: Edição da Standard Brasileira das Obras Completas de Freud, Conferência XXXI, vol. XXII (1923b). Rio de Janeiro: Imago, Vieira, M. A. & Barros, R. do R. Curso livre do Instituto de Clínica Psicanalítica do Rio de Janeiro, Mães lacanianas, 2011, anotações.

6 com outro sexo e semblantes de mulher, apontando a possibilidade do desejo no campo da impossibilidade da relação sexual? Referências bibliográficas Assis, M. O Espelho. Em: Obras Completas, Vol. II. Rio De Janeiro: Nova Aguiar, p Freud, S. O Eu e o Isso. Em: Edição da Standard Brasileira das Obras Completas de Freud, vol. XIX (1923a). Rio de Janeiro: Imago, A dissecção da personalidade psíquica. Em: Edição da Standard Brasileira das Obras Completas de Freud, Conferência XXXI, vol. XXII (1923b). Rio de Janeiro: Imago, Lacan, J. O Seminário, livro 10: a angústia ( ). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, O Seminário, livro 20: mais ainda ( ). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, O Seminário, livro 23: o sinthoma ( ). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, Miller, J-A. Pièces Détachées. Curso de Orientação lacaniana de Vieira, M. A. & Barros, R. do R. Curso livre do Instituto de Clínica Psicanalítica do Rio de Janeiro, Mães lacanianas, 2011, anotações.

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos,

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1 Alejandro Luis Viviani A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, supondo veladamente uma resposta sobre a origem da sexualidade. Jogo em espelho onde,

Leia mais

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael 1 INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael Sabemos que, antes dos 6 meses, o bebê ainda tem de seu corpo a idéia de uma imagem despedaçada. Suas relações com um outro diferenciado dela mesma, ou seja, suas

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 Chistophé Honoré, diretor do filme A bela Junie, inspira-se no romance A Princesa de Clèves, publicado anonimamente por Madame de Lafayette,

Leia mais

A palavra que humaniza o desejo

A palavra que humaniza o desejo 1 A palavra que humaniza o desejo Cristina Drummond Palavras-chave: pai, desejo, criança, Gide. Proponho tomarmos o caso Amâncio como um paradigma da função do romance familiar para a amarração de um sujeito.

Leia mais

O sinthome no autismo é o corpo

O sinthome no autismo é o corpo O sinthome no autismo é o corpo M. Aparecida Farage Osorio Na origem do autismo, está a dissociação entre a voz e a linguagem, como proteção da presença sonora real do Outro angustiante. A voz, assim,

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais

Reinaldo Pamponet 1 rpamponet@terra.com.br

Reinaldo Pamponet 1 rpamponet@terra.com.br * um encontro que não faz laço Reinaldo Pamponet 1 rpamponet@terra.com.br Resumo: Este artigo pretende demonstrar que, na experiência analítica, a felicidade reside no encontro transitório, marcado pelo

Leia mais

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica Psicanalítica na atualidade:

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE Germano Quintanilha Costa Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund Freud, a infância se difundiu e se impôs à cultura

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino

Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino Lia Novaes Serra Introdução Sabemos que o ensejo por realizar uma operação plástica, que acomete, sobretudo, às mulheres, aparece como uma urgência do feminino

Leia mais

PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO. perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que

PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO. perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO Sérgio Scotti Lacan dizia que a única coisa da qual se pode ser culpado, pelo menos da perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que

Leia mais

Analista em função ama?

Analista em função ama? Analista em função ama?... o amor demanda o amor. Ele não deixa de demandá-lo. Ele o demanda... mais... ainda (Lacan) (1) Este texto é causado pelo interrogante insistente sobre o que é do amor ao final?

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor

Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor Cristina Marcos No filme Sonata de Outono, Bergman nos dá a ver a conturbada relação entre mãe e filha, marcada pela impossibilidade do amor.

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

Sonhos de Angústia. Introdução. Maria Lucía Silveyra

Sonhos de Angústia. Introdução. Maria Lucía Silveyra Sonhos de Angústia Maria Lucía Silveyra Tradução: Paloma Vidal Introdução Hoje, a cem anos do Projeto Freudiano, é um fato que as coordenadas simbólicas nas quais se inscreve a psicanálise têm variado.

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha

Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha Aríete Garcia Lopes Vera Vinheiro Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha o horizonte do discurso psicanalítico. Situada aquém do inconsciente e do recalque, ela escapa

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 Considerações psicanalíticas sobre a imagem corporal, algumas conseqüências após intervenções sobre

Leia mais

Metáfora e real no amor: os destinos do amor na clínica psicanalítica

Metáfora e real no amor: os destinos do amor na clínica psicanalítica Metáfora e real no amor: os destinos do amor na clínica psicanalítica 147 Maria Angélica Augusto de Mello Pisetta Resumo Neste artigo pretendemos discutir questões cruciais da clínica psicanalítica lacaniana:

Leia mais

Há um acontecimento de corpo

Há um acontecimento de corpo Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 1 Ram Avraham Mandil Para uma discussão sobre a lógica do tratamento a partir do Seminário...ou pior, de Jacques Lacan, gostaria

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673. Violar corpos. Ondina Machado

Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673. Violar corpos. Ondina Machado Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 1 Ondina Machado Situando o tema Violência é um substantivo que designa a 'qualidade de violento'. É derivado da raiz latina

Leia mais

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a.

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a. A FILHA ENTRE A MÃE E A MULHER Cláudia Regina de Oliveira Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ Leila Guimarães Lobo de Mendonça Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ

Leia mais

A Estrutura na Psicanálise de criança

A Estrutura na Psicanálise de criança A Estrutura na Psicanálise de criança Maria de Lourdes T. R. Sampaio O que está na cabeça do filho depende de seu desejo 1 Esta frase de Alfredo Jerusalinsky, que se refere à ilusão de alguns pais de que

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Gilberto Gobbato A mulher sem pecado: fantasia rodrigueana

Gilberto Gobbato A mulher sem pecado: fantasia rodrigueana Gilberto Gobbato A mulher sem pecado: fantasia rodrigueana Trata-se da mostração da fantasia fundamental, tal qual Freud propõe a partir dos três tempos da gramática da fantasia, na peça teatral A mulher

Leia mais

E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br.

E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br. Título: A incidência do narcisismo na esquizofrenia e na histeria Autora: Graciela Bessa Psicanalista, Doutora em Teoria Psicanalítica (UFRJ). E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br. RESUMO: No texto Sobre

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais

Negar é no fundo querer recalcar

Negar é no fundo querer recalcar Negar é no fundo querer recalcar Jorge A. Pimenta Filho Introdução A Negativa 1 artigo de Freud escrito em 1925 se refere à metapsicologia e também à técnica psicanalítica. (FREUD, 1976). A primeira indicação

Leia mais

O sonho e o despertar

O sonho e o despertar 189 Nery Filho, MacRae, Tavares e Rêgo O sonho e o despertar Jane Alves Cohim Silva 1 A partir do atendimento clínico a adolescentes é possível observar que, mesmo que alguns comportamentos sejam considerados

Leia mais

CASO ERICK: NASCER, DEPOIS VIVER

CASO ERICK: NASCER, DEPOIS VIVER CASO ERICK: NASCER, DEPOIS VIVER Vera Pollo Márcia Pourchet A psicanálise permite afirmar que, do ponto de vista subjetivo, não se nasce homem ou mulher, já que os seres falantes, antes de se afirmarem

Leia mais

MESA-REDONDA. Corpo: cenário de amor, gozo e sofrimento. Amor e compulsão: figuras contemporâneas do trabalho de jovens executivos.

MESA-REDONDA. Corpo: cenário de amor, gozo e sofrimento. Amor e compulsão: figuras contemporâneas do trabalho de jovens executivos. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental Tema: O amor e seus transtornos Curitiba, de 04 a 07 de setembro de 2010 MESA-REDONDA Corpo:

Leia mais

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito interessantes a respeito do acting out, entre elas, que ele é uma mensagem... sempre dirigido

Leia mais

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos Um Quarto de Volta Maria Cristina Vecino de Vidal Este escrito versará em torno da estrutura dos quatro discursos e seu funcionamento na clínica psicanalítica. As questões se centrarão na problemática

Leia mais

Sala 1 09:00 às 11:00 O trabalho de luto em nosso tempo, seus impasses e suas consequências

Sala 1 09:00 às 11:00 O trabalho de luto em nosso tempo, seus impasses e suas consequências Sala 1 09:00 às 11:00 O trabalho de luto em nosso tempo, seus impasses e suas consequências Trabalho: Um tempo para a perda articulação da função do objeto a Autor(a): Cristiana Pittella de Mattos Em nossos

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 5

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 5 O aparelho psíquico: memória, satisfação e desejo Lilany Vieira Pacheco Como anunciado na Agenda, esta é a vigésima quarta edição das Lições Introdutórias, agora com nova dupla de coordenadores. O nome

Leia mais

Transformações na intimidade no século XXI

Transformações na intimidade no século XXI Transformações na intimidade no século XXI Sissi Vigil Castiel* A clínica de anos atrás era freqüentada principalmente por mulheres que vinham por desventuras amorosas, por não entenderem o que os homens

Leia mais

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO Sandra Chiabi Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três namoradas. Contou que estava envolvido com as três, e uma delas pedira que

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem 1 Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem Palavras-chave: Transferência, Desejo do analista, Formação Que haja amor à fraqueza, está

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

Jovens em análise: as marcas no corpo e a teoria do parceiro-sintoma

Jovens em análise: as marcas no corpo e a teoria do parceiro-sintoma 1 Jovens em análise: as marcas no corpo e a teoria do parceiro-sintoma Lucíola Freitas de Macêdo Palavras-chave: Clínica, Corpo, Parceiro-sintoma, Gozo I) Introdução Não comecei a escrever sobre as marcas

Leia mais

Revisão de literatura

Revisão de literatura Novas formas do sintoma... E o corpo continua a sofrer Laura Monteiro Junqueira Revisão de literatura A Psicossomática é um termo alheio à Psicanálise e Freud (1923), fala uma vez à respeito da mesma,

Leia mais

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Ludmila Stalleikem Sebba 1 e Ademir Pacelli Ferreira 2 Resumo A partir do referencial da psicanálise procura-se apontar elementos

Leia mais

O amor e a feminilidade nos contos de Marina Colasanti

O amor e a feminilidade nos contos de Marina Colasanti O amor e a feminilidade nos contos de Marina Colasanti Raquel Lima Besnosik UNEB Trata-se de uma pesquisa que está sendo desenvolvida no curso de Mestrado em Letras do Programa de Pós-Graduação em Estudos

Leia mais

As vicissitudes da repetição

As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição Breno Ferreira Pena Resumo O objetivo deste trabalho é explorar o conceito de repetição em psicanálise. Para tanto, o autor faz uma investigação

Leia mais

NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL

NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL Ana Lúcia Bastos Falcão 1 Desde o início, em seus seminários, Lacan foi bordejando alguns conceitos que deram contorno à afirmação - Não há rapport, razão, relação

Leia mais

Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor

Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor 581 Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor Título Original: La Môme Gênero: Drama Tempo de Duração: 140 minutos Ano de Lançamento (França/República Tcheca/Inglaterra): 2007 Autor da resenha Henrique

Leia mais

FANTASIA, MITO E ATO NA LÓGICA DA CRIAÇÃO DO SUJEITO. singular acerca das bases psíquicas que regem, no para além da historicidade, a

FANTASIA, MITO E ATO NA LÓGICA DA CRIAÇÃO DO SUJEITO. singular acerca das bases psíquicas que regem, no para além da historicidade, a FANTASIA, MITO E ATO NA LÓGICA DA CRIAÇÃO DO SUJEITO Paulo Alves Parente Júnior Maria Celina Peixoto Lima Freud, no seu ímpeto em construir conceitos operativos, introduziu uma questão singular acerca

Leia mais

A verdade e o nariz ou A ficção do sujeito entre corpo e linguagem

A verdade e o nariz ou A ficção do sujeito entre corpo e linguagem Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 12 novembro 2013 ISSN 2177-2673 ou A ficção do sujeito entre corpo e linguagem Nelly Brito Lacan, em um célebre escrito 1, afirma que a fala do paciente é

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Entrevistada: Elisa Alvarenga Diretora Geral do IPSM-MG e Presidente da FAPOL (Federação Americana de Psicanálise de Orientação Lacaniana). E-mail:

Leia mais

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO Autoras: Tânia Regina Goia; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade

Leia mais

A QUESTÃO DA PROCRIAÇÃO NA PSICOSE

A QUESTÃO DA PROCRIAÇÃO NA PSICOSE A QUESTÃO DA PROCRIAÇÃO NA PSICOSE Lauro Barbosa Sonia Alberti A teoria psicanalítica das psicoses, de Freud a Lacan, atribui um mecanismo específico para a psicose conceituado como Foraclusão, que designa

Leia mais

ADEUS ESTRADA DE TIJOLOS AMARELOS: adolescência, toxicomania, psicose. adolescência, desencadeamento, psicose, toxicomania.

ADEUS ESTRADA DE TIJOLOS AMARELOS: adolescência, toxicomania, psicose. adolescência, desencadeamento, psicose, toxicomania. ADEUS ESTRADA DE TIJOLOS AMARELOS: adolescência, toxicomania, psicose José Tiago dos Reis Filho [1] Palavras-chave: adolescência, desencadeamento, psicose, toxicomania. Resumo: Buscar articular os conceitos

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

LITERATURA E PSICANÁLISE: QUAL A RELAÇÃO? Gilcia Gil Beckel

LITERATURA E PSICANÁLISE: QUAL A RELAÇÃO? Gilcia Gil Beckel LITERATURA E PSICANÁLISE: QUAL A RELAÇÃO? Gilcia Gil Beckel O que o canavial ensina ao mar e o que o mar ensina ao canavial? O processo de aprendizagem mútua é o foco central do poema O Mar e o Canavial,

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador O sujeito e o sexual: no contado já está o contador Nilda Martins Sirelli Psicanalista, doutoranda em Memória Social pela UNIRIO, professora do curso de graduação em Psicologia da Universidade Estácio

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Maria Cristina da Cunha Antunes Flávia Lana Garcia de Oliveira Introdução: O campo freudiano de orientação lacaniana trabalha segundo o axioma de que não há

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais