Nº 60. Desigualdade da renda no território brasileiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nº 60. Desigualdade da renda no território brasileiro"

Transcrição

1 Nº 60 Desigualdade da renda no território brasileiro 12 de agosto de 2010

2 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Samuel Pinheiro Guimarães Neto Fundação pública vinculada à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, o Ipea fornece suporte técnico e institucional às ações governamentais possibilitando a formulação de inúmeras políticas públicas e programas de desenvolvimento brasileiro e disponibiliza, para a sociedade, pesquisas e estudos realizados por seus técnicos. Presidente Marcio Pochmann Diretor de Desenvolvimento Institucional Fernando Ferreira Diretor de Estudos e Relações Econômicas e Políticas Internacionais Mário Lisboa Theodoro Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia José Celso Pereira Cardoso Júnior Diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas João Sicsú Diretora de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais Liana Maria da Frota Carleial Diretor de Estudos e Políticas Setoriais, de Inovação, Regulação e Infraestrutura Márcio Wohlers de Almeida Diretor de Estudos e Políticas Sociais Jorge Abrahão de Castro Comunicados do Ipea Os Comunicados do Ipea têm por objetivo antecipar estudos e pesquisas mais amplas conduzidas pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, com uma comunicação sintética e objetiva e sem a pretensão de encerrar o debate sobre os temas que aborda, mas motivá-lo. Em geral, são sucedidos por notas técnicas, textos para discussão, livros e demais publicações. Os Comunicados são elaborados pela assessoria técnica da Presidência do Instituto e por técnicos de planejamento e pesquisa de todas as diretorias do Ipea. Desde 2007, mais de cem técnicos participaram da produção e divulgação de tais documentos, sob os mais variados temas. A partir do número 40, eles deixam de ser Comunicados da Presidência e passam a se chamar Comunicados do Ipea. A nova denominação sintetiza todo o processo produtivo desses estudos e sua institucionalização em todas as diretorias e áreas técnicas do Ipea. Chefe de Gabinete Pérsio Marco Antonio Davison Assessor-chefe de Imprensa e Comunicação Daniel Castro URL: Ouvidoria: 2

3 Apresentação O Produto Interno Bruto (PIB) no Brasil pode ser analisado por intermédio da parcela com que cada município contribui. A despeito das mudanças nas metodologias por que passou ao longo do tempo, o PIB dos municípios e suas distintas possibilidades de medidas da concentração/desigualdade no espaço geográfico nacional (Gini, Theil, coeficiente de variação, entre outros) permitem considerar a sua distribuição territorial ao longo do tempo no País. Muito mais que saber se esta é adequada ou não, vale considerar, a partir das informações oficiais disponíveis, se a concentração/desigualdade de renda no território está diminuindo ou aumentando e se cabem medidas de políticas públicas em relação ao desenvolvimento regional e local no Brasil. Com base nisso, o presente Comunicado do Ipea considera o grau de desigualdade do Produto Interno Bruto dos municípios brasileiros por intermédio do coeficiente de Gini, que varia de zero a um (quanto mais próximo de 1, maior a desigualdade). As partes constitutivas do documento são três, a saber: a seção 1 apresenta uma breve síntese do movimento de integração da renda no espaço nacional entre 1920 e 2007, por intermédio da evolução do Produto Interno Bruto dos municípios brasileiros; a seção 2 trata da dinâmica de participação dos municípios na composição do Produto Interno Bruto brasileiro em quase 90 anos; e a seção 3 refere-se ao movimento recente de evolução dos indicadores de concentração/desigualdade dos PIBs municipais por estados da federação e grandes regiões geográficas do Brasil. Ademais, destaca-se que o conjunto de dados primários utilizados pertence ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e ao Ipea (IpeaData). Cumpre informar ainda que este Comunicado antecipa sinteticamente alguns dos resultados de estudos mais amplos atualmente em realização no Ipea 1. 1 Economia brasileira: integração divergente da renda no espaço nacional A trajetória de longo prazo da economia brasileira pode ser dividida em duas, quando se considera a evolução da integração dos municípios no processo de geração da renda nacional (Produto Interno Bruto). No auge do ciclo de industrialização, por exemplo, o País registrou forte tendência à concentração da produção em poucos e contidos espaços do território nacional. Resultado disso terminou sendo a elevação do índice de Gini, como medida da desigualdade na participação dos municípios no PIB nacional, que passou de 0,64, em 1920, para 0,86, em O aumento acumulado em 50 anos foi de 34,4%. Se a medida de desigualdade da renda no território nacional (PIB municipal per capita) for ponderada pela população, percebe-se o mesmo sentido da indicação da concentração da renda, de 0,37 do índice de Gini, em 1 Este documento contou com a assistência e colaboração de Herton Araujo, Milko Matijascic, Guilherme Dias, Richard Santos, Thaís Nunes, Vinícius Maciel, Bruno Cruz, Liana Carleial e Miguel Matteo. 3

4 1920, para 0,49, em Ou seja, crescimento acumulado de 32,4% no índice de Gini em meio século de expansão da economia brasileira. Para o mesmo período de tempo, observa-se também que a medida de dispersão dos PIBs dos municípios apresenta a mesma tendência de concentração em contidas áreas geográficas do País. Se considerado o conjunto crescente de municípios brasileiros, que passou de 1.293, em 1920, para 3.951, em 1970, o índice de dispersão (coeficiente de variação dos PIBs) foi multiplicado por três vezes, enquanto se acompanhadas somente áreas mínimas de comparação representadas por uma amostra fixa de 952 municípios ao longo do tempo, o aumento foi de 1,8 vez. Com isso, nota-se o mesmo sentido da concentração/desigualdade, embora não tão expressivo frente à constante repartição de municípios em prol do surgimento de outros. Gráfico 1 Brasil: evolução da desigualdade do PIB e do PIB per capita nos municípios (índice de Gini) em anos selecionados 0,9 0,85 0,8 0,75 0,7 0,65 0,64 0,73 0,75 0,81 0,86 0,45 0,45 0,49 0,86 0,86 0,86 0,45 0,42 0,42 0,55 0,50 0,45 0,40 Gráfico 2 Brasil: índice de dispersão do PIB de todos os municípios e de amostra fixa de municípios (coeficiente de variação) em anos selecionados (1920=100) ,7 197,1 161,8 155,9 252,5 170,1 303,5 175,5 249,6 224,1 148,9 223,0 120,4 125,3 0,6 0,37 0, PIB PIB per capit a 0, T o d o s o s municí p io s M unicí p io s f ixo s Desde a década de 1970, contudo, o País interrompeu a evolução acelerada da concentração da renda no espaço geográfico nacional. Esta segunda fase da integração dos municípios na participação do Produto Interno Bruto brasileiro manteve congelado o grau de desigualdade territorial dos PIBs municipais no elevado coeficiente de Gini de 0,86 entre 1970 e 2007, última informação oficial disponível. Para o índice de Gini dos PIBs municipais per capita, observa-se movimento inverso, com a queda acumulada de 14,3% entre 1970 (0,49) e 2007 (0,42). Nas grandes regiões geográficas do País, as duas trajetórias divergentes de integração da renda no território nacional ocorreram com alguma distinção. Inicialmente, em relação à evolução dos PIBs municipais entre 1920 e 1970, constata-se o crescimento acumulado no índice de Gini, de 46,1% na região Sudeste (de 0,61 para 0,90), 82,5% no Centro-Oeste (de 0,43, para 0,79), 40,8% no Sul (de 0,50 para 0,71), 35,8% no Nordeste (de 0,57 para 0,77) e 21,7% no Norte (de 0,63 para 0,76). Entre 1970 e 2007, a medida de dispersão dos PIBs municipais seguiu a mesma tendência de desconcentração da renda no território nacional. Ao se considerar o 4

5 conjunto crescente de municípios brasileiros, que passou de 3.951, em 1970, para 5.564, em 2007, o índice de dispersão (coeficiente de variação dos PIBs) caiu 26,5%, enquanto na amostra fixa dos mesmos municípios (952), a diminuição foi de 28,6%. Gráfico 3 Brasil: evolução da desigualdade do PIB nos municípios nas grandes regiões (índice de Gini) em anos selecionados 0,95 0,90 0,85 0,75 0,70 0,65 0,60 0,55 0,50 0,45 0, Norte 0,627 0,646 0, ,763 0,797 0,812 0,799 Nordeste 0,57 0,613 0,64 0,728 0, Sudeste 0,614 0,767 0,782 0,848 0,897 0,891 0,876 0,885 Sul 0,502 0,534 0,548 0,61 0,707 0,733 0,79 0,788 Centro-Oeste 0,435 0,496 0,575 0,679 0,794 0,798 0,86 0,851 Gráfico 4 Brasil: evolução da desigualdade do PIB per capita nos municípios por grandes regiões (índice de Gini) em anos selecionados 0,60 0,55 0,50 0,45 0,40 0,35 0,30 0,25 0, Norte 0,356 0,324 0,482 0,439 0,297 0,346 0,346 0,323 Nordeste 0,343 0,327 0,352 0,381 0,594 0,38 0,3 0,307 Sudeste 0,257 0,314 0,373 0,398 0,412 0,388 0,381 0,395 Sul 0,248 0,253 0,267 0,297 0,325 0,272 0,265 0,25 Centro-Oeste 0,268 0,287 0,429 0,329 0,284 0,318 0,378 0,349 O Sudeste, que apresenta atualmente o maior coeficiente de Gini dos PIBs municipais (0,89), foi a única região geográfica do Brasil a estabilizar o grau de concentração a partir de Na realidade, entre 1970 e 2007, o índice de Gini decresceu 1,3% na região Sudeste (de 0,90 para 0,89), enquanto subiu 7,2% no Centro- Oeste (de 0,79, para 0,85), 11,5% no Sul (de 0,71 para 0,79), 3,5% no Nordeste (de 0,77 para ) e 4,7% no Norte (de 0,76 para ). Em 2007, a região Sul foi a que registrou o menor grau de desigualdade no índice de Gini (11,0% menor que o da região Sudeste), enquanto no ano de 1920, o Centro-Oeste era a região com menor grau de desigualdade dos PIBs municipais (0,43) e a região Norte era aquela com o maior índice de Gini (0,63). Na sequência, destaca-se a desigualdade dos PIBs municipais per capita, cuja evolução apresenta-se bem diferenciada nas grandes regiões geográficas do País. Entre 1920 e 1970, somente a região Norte reduziu o grau de desigualdade, em 16,6% (de 0,36 para 0,30). As demais regiões viram aumentos consideráveis, como 73,2% no Nordeste (de 0,34 para 0,59), 60,3% no Sudeste (de 0,26 para 0,41), 31,0% no Sul (de 0,25 para 0,32) e 6% no Centro-Oeste (de 0,27 para 0,28). No período de 1970 e 2007, entretanto, duas regiões acusaram elevação acumulada no índice de Gini, caso do Centro-Oeste (22,9%), que passou de 0,28 para 0,35, e do Norte (8,7%), que foi de 0,30 para 0,32. Três regiões apontaram diminuição no índice de Gini: Nordeste (48,3%), que passou de 0,59 para 0,31; Sul (23,1%), que foi de 0,32 para 0,25; e Sudeste (4,1%), de 0,41 para 0,39. No ano de 2007, o Sudeste (0,39) apresentou o maior Gini dos PIBs municipais per capita entre as grandes regiões do Brasil, e o Sul (0,25), a menor (36,7% inferior ao do Sudeste). Em 1920, o Norte registrava o maior grau de desigualdade (0,36) entre as grandes regiões, e o Sul, o menor (0,25) índice de Gini dos PIBs municipais. 5

6 Gráfico 5 Brasil: evolução da desigualdade do Produto Interno Bruto nos municípios grandes e pequenos (índice de Gini) em anos selecionados 0,95 0,90 0,85 0,75 0,70 0,65 0,60 0,55 0,50 0,45 0,40 0,82 0,82 0,83 0,82 0,78 0,74 0,75 0,74 0,63 0,63 0,59 0,59 0,55 0,50 0,51 0, Grande município Pequeno município Por fim, ao se considerar a evolução no grau de desigualdade dos PIBs municipais, observa-se a importância relativa das pequenas cidades, cujo índice de Gini cresceu acumuladamente 18% entre 1920 e 1950 e 6,8% entre 1970 e Os grandes municípios brasileiros registraram aumento acumulado de 10,8% entre 1920 e 1970 e queda de 9,8% entre 1970 e Em 1920, o conjunto dos grandes municípios tinha o índice de Gini 48% maior que o dos pequenos municípios, ao passo que em 2007 foi somente 17,5% superior. 2 Dinâmica dos municípios na participação da renda nacional A evolução na integração desigual do Produto Interno Bruto no território nacional encontra-se diretamente relacionada ao grau de divergência existente entre os distintos níveis de renda dos municípios. No ano de 2007, por exemplo, somente o 1% mais rico dos municípios do País possuía o PIB médio equivalente a 3,3 vezes o PIB médio dos municípios entre os 10% mais ricos do Brasil, enquanto em 1920 era 1,1 vez superior. Um aumento acumulado de 202,4% no período. Gráfico 6 Brasil: razão entre média do PIB dos municípios 60%, 30% e 10% mais pobres e do 1% mais rico e a média do PIB municipal dos 10% mais ricos em anos selecionados (em %) % mais rico 10 8,6 14 0,5 13 6,7 172,2 2 53, , ,4 3 0 % mais p o b res 14, ,6 10,8 10,6 9,4 9,3 6 0 % mais p o b res 3 7,1 3 7,8 3 1,4 2 8,3 2 6,9 2 2,4 2 2,3 10 % mais p o b res 3,2 4,7 2,9 2,1 2,1 2,4 2, No caso dos municípios que representavam os 60% mais pobres do total, o PIB médio equivalia a apenas 2,5% do PIB médio dos municípios 10% mais ricos do 6

7 Brasil, enquanto em 1920 era 3,2 vezes superior. Ou seja, uma queda acumulada de 21,9% no mesmo período de tempo. Os demais segmentos da distribuição dos PIBs municipais seguiram essa mesma trajetória, salvo os 10% mais pobres, que a partir de 1970 conseguiram recuperar parte da perda ocorrida entre 1920 e Gráfico 7 Brasil: razão entre o PIB per capita municipal médio dos 60%, 30% e 10% mais pobres e do 1% mais rico e o PIB municipal médio dos 10% mais ricos em anos selecionados % mais ricos 116,72 119,39 122,81 128,55 137,65 130,47 131,09 131,63 30% mais pobres 26,26 26,96 20,8 22,72 22,54 23,19 22,76 24,5 60% mais pobres 53,12 48,8 44,02 45,96 45,54 49,7 49,21 50,63 10% mais pobres 14,73 17,29 10,83 11,79 12,88 12,75 15,66 17, Para o caso dos PIBs municipais per capita, os municípios entre os 5% mais ricos do País tinham a renda per capita média equivalente a 1,3 vez a dos municípios 10% mais ricos do Brasil, enquanto em 1920 era 1,2 vez superior. O aumento acumulado foi de 12,8% no mesmo período de tempo, embora entre 1970 e 2007 houvesse queda de 4,7%. Nos municípios entre os 60% mais pobres, o PIB per capita médio equivalia a 50,6% do PIB médio dos municípios 10% mais ricos do Brasil, enquanto em 1920 era 53,1%. A queda acumulada foi de 4,7% no mesmo período de tempo, embora entre 1970 e 2007 houvesse aumento de 11,2%. Já os municípios entre os 10% mais pobres registraram aumento acumulado de 16,2% entre 1920 e 2007 em relação ao PIB per capita médio dos 10% mais ricos, embora entre 1920 e 1970 registrassem queda de 12,6%. Na mesma medida de concentração da renda territorial, constata-se também que no ano de 2007, por exemplo, os municípios entre os 10% mais ricos participavam com 78,1% do Produto Interno Bruto Nacional, enquanto em 1970, a participação era de 72,1% e, em 1920, de 55,4%, Ou seja, um aumento de 41,0% no peso relativo dos municípios entre os 10% com maiores PIBs entre 1920 e 2007, sendo elevação de 20,1%, entre 1920 e 1970, e de 8,3%, entre 1970 e

8 Gráfico 8 Brasil: evolução da participação dos municípios 10% e 1% mais ricos e dos 40% mais pobres no Produto Interno Bruto em anos selecionados (em %) % mais pobres 9,4 10,8 8,7 6,6 5,7 5 4,8 4,7 70% mais pobres 31,2 31,4 27,5 22, ,9 15,1 14,7 10% mais ricos 55,4 56,9 60,9 66,4 72,1 74,8 77,7 78,1 1% mais rico 21 24,8 26,3 31, ,9 45, No caso somente dos municípios entre o 1% mais rico do Brasil, a concentração no peso relativo dos PIBs municipais foi multiplicada por 2,24 vezes entre 1920 e 2007, sendo a elevação acumulada de 90,5% neste período e de 17,5% entre 1970 e Em contrapartida, os municípios entre os 40% mais pobres do País registram perda relativa na participação do Produto Interno Bruto Nacional de 50% entre 1920 e 2007 e de 17,5% entre 1970 e Os municípios entre os 70% mais pobres decaíram a participação relativa no PIB nacional em 52,9% no mesmo período de tempo, passando de 31,2%, em 1920, para 14,7%, em Desigualdade da renda nos municípios no período recente Dois aspectos caracterizam a evolução recente no grau de concentração dos municípios na participação do PIB nacional. Inicialmente, as medidas desconcentradoras da renda no espaço geográfico nacional, derivadas de investimentos e da produção adotadas a partir da década de 1970, com a implementação do segundo Plano Nacional de Desenvolvimento (1974), bem como do movimento de descentralização do gasto público possibilitado pela Constituição Federal de Na sequência, destaca-se também que a fase de semiestagnação da renda por habitante de mais de duas décadas desde a crise da dívida externa ( ) gerou o esvaziamento do dinamismo econômico nos principais municípios brasileiros. Ademais, a persistência da guerra fiscal e da abertura comercial e produtiva dos anos 1990 terminaram por estimular tanto o deslocamento de empresas dos antigos centros econômicos para outras regiões com menores custos de produção como o fluxo migratório diferenciado entre municípios e regiões, o que refletiu no grau de desigualdade de participação municipal no PIB nacional. Na década de 2000, a emergência dos investimentos públicos em energia e infraestrutura (Plano de Aceleração do Crescimento), bem como o avanço das políticas de transferência de renda impuseram apoio adicional às localidades menos dinâmicas do País. Tudo isso, contudo, parece ainda não ser suficiente para o estabelecimento de maior queda no grau concentração/desigualdade na presença dos municípios no PIB nacional. 8

9 Gráfico 9 Brasil: evolução recente da desigualdade do PIB e do PIB per capita nos municípios (índice de Gini) em anos selecionados Gráfico 10 Brasil: índice de dispersão do PIB de todos os municípios e de amostra fixa de municípios (coeficiente de variação) em anos selecionados (1920=100) 0, , , 8 8 0, , , , 4 4 0, , 8 7 0, , , 8 6 0, , 8 5 0,8 59 0, , ,4 17 0, ,4 2 0, ,4 17 0, , 4 2 0, ,5 8 4,9 84,7 8 4,5 88,1 8 4, , PIB PIB per capita 0, Todos os municípios Municípios fixos Desde a segunda metade da década de 1990, em plena fase de estabilidade monetária, o grau de concentração dos PIBs municipais decaiu levemente (2%), passando de 0,88, em 1996, para 0,86, em Destaca-se, contudo, que entre 1999 e 2007, o índice de Gini encontra-se estabilizado em 0,86. No índice de Gini do PIB per capita dos municípios brasileiros, a desigualdade decaiu 5,4% no mesmo período de tempo (de 0,44, em 1996, para 0,41, em 2007). Entre 1996 e 2007, a medida de dispersão dos PIBs municipais seguiu a trajetória da desconcentração da renda no território nacional. No caso do conjunto dos municípios brasileiros, o índice de dispersão (coeficiente de variação dos PIBs) caiu 15,8%, enquanto a amostra fixa de municípios apresentou queda de 11,9%. Entretanto, o coeficiente de variação dos PIBs de todos os municípios permaneceu estabilizado entre 1996 e 2007, enquanto o grau de dispersão da amostra dos mesmos municípios aumentou levemente (3%) no mesmo período de tempo. Gráfico 11 Brasil: evolução da desigualdade do PIB e do PIB per capita dos municípios nas grandes regiões (índice de Gini) em 1996 e ,00 0,90 0,70 0,60 0,50 0,40 0,30 0,20 0,83 0,84 0,90 0,89 0,86 0,81 0,85 0,79 0,37 0,35 0,40 0,35 0,32 0,30 0,31 0,36 0,34 0,25 Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste PIB 1996 PIB 2007 PIB pc 2007 PIB pc

10 Na situação das grandes regiões prevaleceram diferenças importantes. Entre 1996 e 2007, o coeficiente de Gini decaiu 3,6% na região Norte (de 0,83 para ) e 4,8% no Nordeste (de 0,84 para ). Na região Sudeste, a queda no grau de desigualdade de riqueza territorial no mesmo período foi de 1,1% (de 0,90 para 0,89), na região Sul, de 2,5% (de 0,81 para 0,79); e de 1,2% na região Centro-Oeste (de 0,86 para 0,85). Gráfico 12 Brasil: razão entre média do PIB dos municípios 60%, 30% e 10% mais pobres e do 1% mais rico e a média do PIB municipal dos 10% mais ricos em anos selecionados (em %) % mais rico ,8 310,2 322,7 328,4 30% mais pobres 9,4 9,3 9,3 9 9,3 60% mais pobres 22,8 22,4 22,7 22,1 22,3 10% mais pobres 2,3 2,4 2,4 2,4 2, No caso dos municípios entre os 60% mais pobres, o valor do PIB médio manteve-se estável em relação ao PIB médio dos municípios entre os 10% mais ricos do Brasil, entre 1996 e 2007 (22,3%), assim como o PIB dos municípios entre os 30% mais pobres. Os municípios do 1% mais rico do País perdeu 1,7% em relação ao PIB dos municípios entre os 10% mais ricos, ao contrário dos municípios entre os 10% mais pobres, que cresceram 8,7% entre 1999 e 2007 (2,3% para 2,5%). Gráfico 13 Brasil: razão entre o PIB per capita municipal médio dos 60%, 30% e 10% mais pobres e do 1% mais rico e o PIB municipal médio dos 10% mais ricos em anos selecionados % mais rico s 13 2, , ,3 13 1, % mais p o b res 2 0, ,76 2 4, ,5 6 0 % mais p o b res 4 8, ,2 1 51,15 50, % mais p o b res 12,3 6 15,6 6 16,4 7 17, Se for considerado o valor dos PIBs municipais per capita, constata-se que os municípios dos 5% mais ricos do País decaíram 0,7% em relação aos municípios entre os 10% mais ricos do Brasil. Nos municípios dos 60% mais pobres, 30% mais pobres e 10% mais pobres, o valor do PIB per capita cresceu em relação ao dos municípios entre os 10% mais ricos do Brasil, respectivamente, 4%, 22% e 38,5%. 10

11 Gráfico 14 Brasil: evolução recente da participação dos municípios entre os 10% mais ricos e dos 40% mais pobres no Produto Interno Bruto em anos selecionados ,1 77,5 77,6 78,3 78,1 47,0 45,4 45,6 46,6 47,0 4,6 4,8 4,8 4,6 4, % mais rico 10% mais rico 40% mais pobres Apesar disso, a composição municipal do Produto Interno Bruto Nacional manteve-se relativamente intacta desde Embora ocorresse queda na participação do conjunto dos municípios entre os 10% e 1% mais ricos do País entre 1996 e 1999 (-0,8% e -3,4%, respectivamente), houve aumento no grau de concentração a partir daí. O segmento dos municípios entre os 40% mais pobres aumentou relativamente a sua participação em 4,3%, entre 1996 e 1999, e em 2,2%, entre 1996 e Gráfico 15 Brasil: grau de desigualdade do PIB nos municípios pequenos e nos médios e grandes (índice de Gini) e variação acumulada entre 1996 e ,55 PIB pequeno município 0,63 0,64-5,21 PIB grande município 0,74 0,78-6,00-4,00-2,00 0,00 2, Variação 2007/1996 Para o conjunto dos grandes municípios brasileiros, a queda na desigualdade dos PIBs foi de 5,2%, quase dez vezes superior à verificada nos pequenos municípios do País. Mesmo assim, o coeficiente de Gini do segmento dos grandes municípios brasileiros registrou, em 2007, o índice de Gini de 0,74, enquanto o do conjunto dos pequenos municípios foi de 0,63 (14,9% inferior ao dos grandes municípios). 11

12 Gráfico 16 Brasil: variação média anual do PIB per capita e do índice de Gini dos PIBs municipais nas grandes regiões entre 1996 e 2007 (em %) -0,05 Centro-Oeste 5,26-0,19 Sul -0,12 Sudeste 2,27 2,52-0,46 Nordeste 3,17-0,37 Norte 3, PIB per capita Gini Fonte: IBGE IPEADATA (Elaboração Ipea) Entre as grandes regiões geográficas do País, observa-se que o Centro-Oeste foi a que mais cresceu economicamente entre 1996 e 2007 (5,3% a.a.), embora tenha apresentado a menor queda no grau de desigualdade dos PIBs municipais (0,05%), seguida da região Sudeste (0,19%). O Nordeste foi a região que apresentou a maior queda no índice de Gini entre os PIBs municipais (0,45%), seguida da região Norte (0,37%). Gráfico 17 Brasil: índice de Gini do PIB per capita e sua variação acumulada entre 1996 e 2007 nos municípios das grandes regiões entre (em %) Centro-Oeste 0,35 0,34 2,81-16,1 Sul 0,25 0,30 Sudeste 0,40 0,36 9,31-11,22-11,31 Nordeste Norte 0,31 0,35 0,32 0, Fonte: IBGE IPEADATA (Elaboração Ipea) Variação 12

13 Quando se utiliza o PIB per capita dos municípios brasileiros, registra-se movimento diferente entre os anos de 1996 e As regiões Sudeste (9,3%) e Centro- Oeste (2,8%) apresentam aumento na medida de desigualdade, enquanto Sul, Nordeste e Norte reduziram o índice de Gini no mesmo período de tempo. A região Sudeste apresentou, em 2007, o maior grau de desigualdade nos PIBs per capita municipais do Brasil, enquanto em 1996 a posição era ocupada pela região Norte. Por fim, em relação aos estados da federação, nota-se que no período de 1996 e 2007, o índice de Gini dos PIBs dos municípios somente aumentou no Espírito Santo (3,7%) e no Mato Grosso do Sul (1,9%). Nos demais estados houve queda no grau de desigualdade entre os PIBs municipais. O Acre (13,5%), Sergipe (11,3%) e Rondônia (9,0%) foram os estados com maior queda no índice de Gini entre 1996 e 2007, ao contrário dos estados de Goiás (0,3%) e São Paulo (1,3%) que apresentaram as menores reduções na desigualdade territorial da renda. Em 2007, o Amazonas foi o estado com maior índice de Gini dos PIBs municipais (0,89), seguido por São Paulo (0,88) e Rio de Janeiro (0,85). Em compensação, os estados de Rondônia (0,62), Acre (0,65) e Tocantins (0,67) possuem os menores indicadores de desigualdade da renda dos municípios brasileiros. Além disso, destaca-se que os estados com maior expansão dos PIBs municipais (Tocantins, Maranhão e Mato Grosso do Sul) não foram simultaneamente aqueles com as mais expressivas quedas no grau de desigualdade da riqueza territorial. Pelo contrário, registraram reduzida diminuição no índice de Gini entre 1996 e Também os estados com menos dinamismo na expansão dos PIBs (Amazonas, Rio Grande do Sul e Pernambuco) não apresentaram as maiores reduções no grau de desigualdade da riqueza territorial. Na realidade, há importantes diversidades de situações apresentadas pelos estados no comportamento dos PIBs municipais, tendo indicado melhor desempenho a região Nordeste. Para o grau de desigualdade medido pelo PIB per capita dos municípios brasileiros, constata-se que seis estados da federação sofreram elevação entre 1996 e 2007: Rio de Janeiro, de 42,4% no índice de Gini; Espírito Santo, com 26,5%; Mato Grosso, com 14,4%; Minas Gerais, com 8,8%; Maranhão, com 2,6%; e São Paulo, com elevação de 2,4%. Em contrapartida, a maior parte dos municípios nos estados da federação registrou queda no índice de Gini no mesmo período de tempo. Os estados da região Norte foram os que tiveram maior queda no grau de desigualdade dos PIBs per capita: Roraima (67,1%), Rondônia (48,7%) e Amapá (40,4%). 13

14 Gráfico 18 Brasil: índice de Gini do Produto Interno Bruto dos municípios nos estados da federação e sua variação acumulada entre 1996 e 2007 (em %) -11,3-9,0-8,5-5,8-2,4-1,7-4,7-5,4-6,5-3,7-5,3-1,6-1,6-1,3-2,2 Tocantins São Paulo Sergipe Santa Catarina Rio Grande do Sul -1,6 Roraima Rondônia Rio Grande do Norte Rio de Janeiro Paraná Piauí Pernambuco Paraíba Pará Mato Grosso Mato Grosso do Sul Minas Gerais 0,67 0,69 0,88 0,89 0,73 0,83 0,76 0,78 0,79 0,81 0,73 0,74 0,62 0,68 0,79 0,86 0,85 0,90 0,82 0,76 0,84 0,78 0,83 0,76 0,79 0,69 0,73 0,68 0,66 0,82 0,84 1,9-2,8 Maranhão 0,73 0,75-0,3 Goiás 0,79-7,2 Espírito Santo Ceará 0,78 0,76 0,86 3,7-5,8 Bahia 0,85-1,6 Amapá 0,75 0,77-1,7 Amazonas 0,89 0,90-4,5 Alagoas 0,77-13,5 Acre 0,65 0, Variação 2007/

15 Gráfico 19 Brasil: variação média anual do Produto Interno Bruto per capita e do índice de Gini dos PIBs municipais nos estados da federação entre 1996 e ,14 Tocantins 9,21-0,12 São Paulo 2,14-0,98 Sergipe -0,15 Santa Catarina -0,22 Rio Grande do Sul -0,20 Roraima -0,79 Rondônia -0,74 Rio Grande do Norte -0,51 Rio de Janeiro 1,10 2,23 2,99 2,43 4,35 3,92 7,31-0,14 Paraná 2,85-0,42 Piauí 3,49-0,48Pernambuco 1,53-0,57 Paraíba 3,09-0,33 Pará -0,47 Mato Grosso 1,75 5,87 Mato Grosso do Sul 0,17 2,21-0,14Minas Gerais 2,01-0,25Maranhão 6,16-0,03 Goiás 4,37 Espírito Santo 0,33 3,53-0,63 Ceará -0,51 Bahia -0,14 Amapá -0,15 Amazonas 0,91 1,68 2,14 2,70-0,40 Alagoas 3,26-1,16 Acre 4, PIB per capita Desigualdade 15

16 Gráfico 20 Brasil: índice de Gini do PIB per capita dos municípios nos estados da federação e sua variação acumulada entre 1996 e 2007 (em %) -67,1-48,7-12,9-24,4-26,4-33,1-6,3-13,7-12,3-10,5-15,4-16,8-5,5 Brasil Tocantins São Paulo Sergipe Santa Catarina Rio Grande do Sul Roraima Rondônia Rio Grande do Norte Rio de Janeiro Paraná Piauí Pernambuco Paraíba -1,7 Pará Mato Grosso Mato Grosso do Sul Minas Gerais Maranhão -1,5 Goiás 0,42 0,44 0,27 0,29 2,4 0,33 0,32 0,36 0,42 0,24 0,31 0,24 0,27 0,09 0,29 0,12 0,22 0,29 0,33 0,46 0,32 0,24 0,27 0,17 0,23 0,27 0,32 0,17 0,26 0,37 0,37 0,39 0,34 0,20 0,24 0,38 0,35 2,6 0,24 0,23 0,33 0,34 8,8 14,4 42,4-40,4-38,5-22,0 Espírito Santo Ceará -5,3 Bahia Amapá Amazonas 0,33 0,26 0,22 0,29 0,40 0,42 0,22 0,38 0,23 0,37 26,5-22,1 Alagoas 0,23 0,30-31,7 Acre 0,18 0, Variação 2007/

17 Considerações finais O padrão de crescimento econômico brasileiro destaca-se por registrar movimentos distintos em termos de integração dos municípios à formação do Produto Interno Bruto desde Atualmente, poucos municípios do País respondem pela maior parte do PIB, enquanto no passado havia menor concentração/desigualdade geográfica. Desde a década de 1970, todavia, o País registra certo congelamento no grau de concentração/desigualdade dos PIBs municipais. Isso é mais expressivo do ponto de vista do PIB per capita, que termina por avaliar a renda pela população. As políticas públicas de desconcentração produtiva e descentralização dos gastos e investimentos públicos mostram-se fundamentais, embora insuficientes sem o desenvolvimento de uma política nacional de desenvolvimento regional e local. Para além do aumento dos investimentos em infraestrutura, passando pelo fortalecimento e enriquecimento do valor agregado das cadeias produtivas, deve prevalecer o planejamento articulado e integrado do desenvolvimento nacional nos planos regional e local. Sem isso, o Brasil corre o sério risco de repetir o passado, com forte concentração da produção da riqueza nacional em pouquíssimos municípios, estados e regiões. A expressiva assimetria territorial na participação dos municípios na formação do Produto Interno Bruto precisa ser enfrentada. A descentralização do gasto público iniciada originalmente pela Constituição Federal de 1988 deveria avançar ainda mais, bem como o fortalecimento da desconcentração dos investimentos em infraestrutura produtiva promovido por políticas como o PAC 1 e 2. Nesse sentido, empresas estatais e bancos públicos poderiam assumir função estratégica no plano do governo federal, que detém os principais instrumentos de políticas públicas para uma ação mais efetiva e prolongada na desconcentração da renda nacional. A redução no grau de concentração/desigualdade na composição territorial dos PIBs municipais passa pela recuperação do poder de intervenção das unidades estaduais que terminaram perdendo função desde a privatização dos bancos e acirramento da guerra fiscal. A União, os estados e municípios detêm a atual missão estratégica de convergir para um grande planejamento de um desenvolvimento menos concentrado da riqueza nacional. Do contrário, o País pode continuar a registrar queda na desigualdade de renda pessoal, sem que, necessariamente, prevaleça a desconcentração e menor desigualdade territorial na participação dos municípios no PIB nacional. 17

18 18

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL 15 setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria Executiva

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Vitória, 29 de Maio de 2012 Indicador de PIB trimestral 17 atividades econômicas pesquisadas, em consonância com os setores das Contas Regionais

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

Educação e trabalho em saúde

Educação e trabalho em saúde Educação e trabalho em saúde Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS/UERJ. Coordenadora Geral do ObservaRH. Diretora do Centro Colaborador

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Dimensão, evolução e projeção da pobreza por região e por estado no Brasil

Dimensão, evolução e projeção da pobreza por região e por estado no Brasil Nº 58 Dimensão, evolução e projeção da pobreza por região e por estado no Brasil 13 de julho de 2010 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Samuel Pinheiro

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

Nº 161. Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012

Nº 161. Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012 Nº 161 Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012 24 de outubro de 2013 1 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Marcelo Côrtes Neri (interino) Fundação

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA MIGRAÇÃO Os resultados da migração interna e internacional apresentados foram analisados tomando por base a informação do lugar de residência (Unidade da Federação ou país estrangeiro) há exatamente cinco

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hanseníase no

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO

março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO 12 março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria

Leia mais

ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA

ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA JOÃO ELOI OLENIKE GILBERTO LUIZ DO AMARAL LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL FERNANDO STEINBRUCH

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

Educação Financeira na Infância. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1

Educação Financeira na Infância. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Educação Financeira na Infância 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: A sondagem teve por objetivo identificar informações relacionadas à educação financeira durante

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

Classificação dos Países

Classificação dos Países Indicadores Sociais: Os indicadores sociais são meios utilizados para designar os países como sendo: Ricos (desenvolvidos), Em Desenvolvimento (economia emergente) ou Pobres (subdesenvolvidos). Com isso,

Leia mais

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 PER DA IND PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA

BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA ISSN 2319-0205 Edição: 01/14 COMÉRCIO VAREJISTA PARAENSE EM JANEIRO DE 2014 O Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (IDESP), com base nas informações

Leia mais

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II ORIENTE MÉDIO -Região marcada por vários conflitos étnicos, políticos e religiosos. -Costuma-se considerar 18 países como pertencentes ao Oriente

Leia mais

PNAD 2009 - Primeiras análises: Situação da educação brasileira - avanços e problemas

PNAD 2009 - Primeiras análises: Situação da educação brasileira - avanços e problemas Nº 66 PNAD 2009 - Primeiras análises: Situação da educação brasileira - avanços e problemas 18 de novembro de 2010 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social Oferta de vagas por instituição UNIVERSIDADES FEDERAIS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE 408 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA 636 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO

Leia mais

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006.

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006. DEMOGRAFIA E EDUCAÇÃO NO BRASIL: AS DESIGUALDADES REGIONAIS* FERNANDA R. BECKER UERJ Resumo: A População brasileira está se transformando, passando por mudanças significativas nas últimas décadas. Estas

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

do estado do Rio Grande do Sul lidera o ranking estadual com 221%, seguido por Minas Gerais na vice-liderança, com 179%.

do estado do Rio Grande do Sul lidera o ranking estadual com 221%, seguido por Minas Gerais na vice-liderança, com 179%. IBEF apoia reequilíbrio das dívidas dos estados e municípios com a União Pernambuco está em situação confortável se comparado a outros estados. Confira os números O Instituto Brasileiro de Executivos de

Leia mais

ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO

ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO 1 ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO - O IPVA é o tributo estadual, cuja arrecadação é a segunda mais importante, depois do ICMS; - A estimativa de arrecadação de IPVA (Imposto

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400 ORGAO : 33000 - MINISTERIO DA PREVIDENCIA SOCIAL UNIDADE : 33201 - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ANEXO CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2013 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2013 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2014 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2014 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6

7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6 7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6 O setor de tecnologia da informação está incluído, de forma mais agregada, nas atividades de serviços prestados às empresas, segundo a &ODVVLILFDomR1DFLRQDOGH$WLYLGDGHV

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DAPARAÍBA

Leia mais

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009 O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil Julho de 2009 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo das micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras quanto

Leia mais

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas 2012Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 Sumário Prova ABC

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES Sylvio Bandeira de Mello e Silva Programa de Pós-graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social/UCSAL

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 Isaac A. Coimbra Lou SEI/BA Lis Helena Borges Bolsista/IPEA Roberta Pimenta Bolsista/IPEA Brasília, Março de 2013 SUMÁRIO

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

Sala de Imprensa Notícias do Enem

Sala de Imprensa Notícias do Enem Imprimir Fechar janela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Sala de Imprensa Notícias do En 07 de fevereiro de 2007 Inep divulga os resultados do En 2006 por UF e Maioria

Leia mais

Erradicação do Trabalho Infantil. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho

Erradicação do Trabalho Infantil. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho Erradicação do Trabalho Infantil Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho Estrutura do MTE para o Combate ao Trabalho Infantil a Serviço da Rede de Proteção à Infância.

Leia mais

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES Nº 72 Fevereiro 2014 Análise da Distribuição Espacial das Instituições de Ensino Superior Brasileiras a partir dos Dados do Censo da Educação Superior de 2011 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Outubro de 2012. Proposta para:

Outubro de 2012. Proposta para: Outubro de 2012 - Proposta para: Desafios da Primeira Infância: Proposta na Agenda Municipal_2 _Argumento Existe consenso entre especialistas de que os primeiros anos de vida são um período crucial nas

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Caracterização da entidade e supervisão A Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos - PEAS, realizada em 2006, levantou informações sobre 16 089 entidades,

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 O saneamento básico no Brasil não condiz com o país que é a 7ª. economia do mundo da população não possui coleta

Leia mais