Pneumonia associada à ventilação mecânica: procedimentos fisioterapêuticos utilizados como forma de prevenção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pneumonia associada à ventilação mecânica: procedimentos fisioterapêuticos utilizados como forma de prevenção"

Transcrição

1 1 Pneumonia associada à ventilação mecânica: procedimentos fisioterapêuticos utilizados como forma de prevenção Patrícia Bezerra Sales de Amorim Coelho ¹ Dayana Priscila Maya Mejia Pós-graduação em Terapia Intensiva- Faculdade Ávila RESUMO Pneumonia relacionada à ventilação mecânica varia em sua manifestação clínica e é um dos principais agravantes do quadro hospitalar, podendo levar o paciente ao óbito. A fisioterapia respiratória possui grande importância na prevenção de pneumonias nosocomiais, tendo em vista que o profissional utiliza medidas específicas para redução e contenção de infecções. Nesse sentido, o presente estudo tem por objetivo mostrar que a utilização de procedimentos fisioterápicos respiratórios auxilia na prevenção da pneumonia associada à ventilação mecânica. Trata-se de um estudo bibliográfico, realizado um levantamento através da Scielo (Scientific Electronic Library Online e através de livros publicados sobre o tema. Foram utilizados 30 artigos e 06 livros. Concluímos que o presente estudo comprova que a implementação de técnicas fisioterápicas tem benefício na prevenção de pneumonia nosocomial em pacientes sob ventilação mecânica. Palavras-Chave: Fisioterapia; Pneumonia; Ventilação mecânica. 1.Introdução De acordo com o Ministério da Saúde (MS infecção Hospitalar (IH, institucional ou nosocomial, é uma infecção adquirida após a internação do paciente e se manifeste durante sua permanência no hospital ou mesmo algum tempo após a alta, desde que possa ser relacionada com a hospitalização (BRASIL, Lacerda (2000 afirma que o acontecimento dessas infecções é reconhecido como importante problema de saúde pública no Brasil e no mundo, sendo a principal causa de iatrogenia da pessoa hospitalizada. A incidência internacional na década de 80 tinha taxas variáveis de 3,5-15,5%, com mortalidade entre 13% - 17%, nos Estados Unidos, e de 9,2% nessa mesma década no Reino Unido. Enquanto nos países latino-americanos, essas taxas variavam de 5% - 70%. Mesmo com a existência de empenho para que o ambiente hospitalar seja mantido em condições adequadas, fatores característicos a este meio tornam a epidemiologia das infecções hospitalares complexas (COPPO, ¹ Pós-graduando em Terapia Intensiva ² Orientador: Graduada em Fisioterapia; Especialista em Metodologia do Ensino Superior; Mestranda em Bioética e Direito em Saúde Dentre estes fatores destacam-se: pacientes vulneráveis próximos, sua exposição à equipe hospitalar, elevação da suscetibilidade dos pacientes devido patologias subjacentes,

2 2 reservatório de microrganismos no ambiente hospitalar, presença de patógenos com propriedades únicas e procedimentos invasivos que vencem os mecanismos de defesa normais e invadem os tecidos profundos (KNOBEL et al, A realidade retratada acima é motivo de preocupação, devido aos altos índices de morbidade e mortalidade nos hospitais (PILONETTO et al, Apesar dos avanços nas técnicas de tratamento dos pacientes que dependem de suporte ventilatório sejam evidentes, a pneumonia continua dificultando o desenvolvimento do tratamento dos mesmos (BEZERRA; AZEREDO, Os pacientes em uso de ventilação mecânica têm risco de contaminação de 1% - 3% para cada dia de permanência em ventilação mecânica, e o risco de mortalidade varia entre 24%, 50% e 70%, quando causado por microrganismos multirresistentes (TEIXEIRA et al, De acordo com Matsui (2008 a Pneumonia Nosocomial é tida como infecção do trato respiratório inferior que ocorre 48 horas ou mais após a internação no hospital, desde que não esteja presente ou em incubação na admissão hospitalar. Tornou-se a segunda principal causa de infecções hospitalares em muitas instituições de grande porte e a causa mais comum de infecção hospitalar em Unidades de Terapia Intensiva (TARANTINO, O autor acima ainda afirma que a mortalidade por pneumonia nosocomial está em torno de 27% - 50%, podendo ser responsável por oito a nove dias a mais de permanência no hospital, contribuição importante para o aumento dos custos hospitalares. Tonon (2010 relata que a pneumonia nosocomial deve ser fortemente considerada em certas situações clínicas, principalmente: em pacientes predispostos à aspiração; pacientes com suporte ventilatório ou terapia respiratória; pacientes com cirurgias recentes, em especial procedimentos toraco-abdominais; pacientes com traqueostomia; pacientes com pneumonia precedente e em pacientes imunodeficientes. Souza, Guizilini e Tavares (2006 ressaltam que um plano de prevenção pode ser implantado em uma unidade hospitalar de forma específica, no entanto é necessário o envolvimento de toda a equipe em contato com os pacientes para que o sucesso seja obtido. Para Sixel (2007, a organização de um programa de controle de infecções permitiria identificar a frequência do problema, os tipos de infecções que ocorrem, classificar os pacientes, serviços e procedimentos associados às diferentes patologias. As medidas para maior eficácia na luta contra as infecções são a limpeza, desinfecção e esterilização dos materiais em contato com o paciente de forma metódica e científica. Souza; Guizilini; Tavares (2006 concordam que a fisioterapia respiratória possui grande importância na prevenção de pneumonias nosocomiais, tendo em vista que o profissional utiliza medidas específicas para redução e contenção de infecções. Dessa forma, o estudo justifica-se pelo fato de se acreditar que o fisioterapeuta contribui com a diminuição e controle das infecções respiratórias através da utilização de técnicas fisioterápicas respiratórias. 2. Revisão da literatura 2.1 Pneumonia: Definição e Classificações A pneumonia é uma infecção que ocorre no parênquima pulmonar atingindo bronquíolos respiratórios e alvéolos, prejudicando as trocas gasosas, é considerada a principal causa de morte em pacientes hospitalizados (PILONETTO et al, De acordo com Teixeira et al (2004, a pneumonia é classificada de acordo com os critérios clinico, radiológico, anatômico e etiológico. Sendo assim classificada em: Pneumonia típica: início súbito, com dor ventilatório dependente, febre alta, calafrios, tosse com expectoração purulenta, radiografia de tórax com consolidação e broncograma aéreo, unifocal. É a apresentação mais comum das pneumonias bacterianas.

3 3 Pneumonia atípica: início insidioso, sem dor ventilatório dependente, febre variável, tosse intensa com pouca expectoração mucóide a purulenta, alterações radiológicas multifocais, consolidativas e/ou com infiltração intersticial e hemograma pode não ter alteração. Pneumonias Comunitárias: é aquela que ocorre fora do ambiente hospitalar ou nas primeiras 48 horas de internação hospitalar. Dentre os tipos mais comuns, temos: Pneumonia Pneumocócica, Pneumonia por Estafilococo, Pneumonia por Hemophilus Influenzae, Pneumonia por Pneumocystis Carinii e a Pneumonia viral. Pneumonias Nosocomiais: atingem os pacientes previamente internados, portadores de outras doenças, podendo ser consideradas como secundárias. 2.2 Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica Os pacientes com incapacidade de desempenhar suas funções ventilatórias podem ser submetidos à ventilação mecânica invasiva (VMI, que lhes fornece um sistema de ventilação e oxigenação para manter uma adequada ventilação alveolar, restaurar o equilíbrio ácidobásico e reduzir o trabalho respiratório (KNOBEL et al, Esses pacientes apresentam diversos componentes que dificultam a depuração das secreções pulmonares, como: umidificação inadequada, altas frações de oxigênio, utilização de sedativos e ou anestésicos, doenças pulmonares basais e a presença de uma via aérea artificial que dificulta, mecanicamente, a eliminação das secreções na altura da traquéia (SCANLAN; WILKINS; STOLLER, Tarantino (2002 afirma que a pneumonia é considerada a segunda infecção nosocomial mais freqüente no doente hospitalizado, depois da infecção urinária. Nas Unidades de Terapia Intensivas (UTIs, a incidência da pneumonia nosocomial aumenta devido à ventilação mecânica, constituindo uma complicação difícil de diagnosticar e tratar. A maioria das pneumonias nosocomiais parece resultar da aspiração de microrganismos colonizadores da orofaringe. As bactérias podem atingir o aparelho respiratório inferior por inalação de aerossóis contaminados, durante a intubação ou no procedimento de aspiração traqueobrônquica do paciente, e mais raramente por disseminação hematogénea. Para que a pneumonia seja considerada nosocomial, é necessário que o seu aparecimento ocorra após as primeiras 48 horas de internação, com exceção da pneumonia nosocomial associada à ventilação, que pode manifestar-se nas primeiras 48 horas em conseqüência da intubação (COPPO, Para Sixel (2007, os pacientes intubados perdem a barreira natural entre a orofaringe e a traquéia, eliminando o reflexo da tosse e promovendo o acúmulo de secreções contaminadas acima do cuff, podendo levar a colonização da árvore traqueobrônquica e a aspiração de secreções contaminadas para vias aéreas inferiores. A PVM é considerada branda quando a infecção é causada pelos seguintes microganismos: Mycoplasma, Chlamydia, Legionella, H. influenzae, S. pneumoniae, alguns vírus e bactérias sensíveis. Porém, estão relacionadas aos piores prognósticos as Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter baumannii, Proteus spp., Escherichia coli, klebsiella spp. No entanto, o prognóstico se torna melhor quando o diagnóstico é realizado de forma precoce, em contrapartida pode ocorrer aumento dos índices de mortalidade (SAVIAN; PARATZ; DAVIES, Para Froes (2007, a PVM é responsável direta ou indiretamente por mais de 300 mil mortes ao ano nos Estados Unidos da América, dado que correspondem a um percentual entre 28%- 55%. O número de letalidade de pacientes com pneumonias, associados à ventilação mecânica é de 37%, semelhante aos dos pacientes sem pneumonia, desta forma, considerando a doença de base como a principal causa do aumento do índice. A pneumonia associada à ventilação

4 4 mecânica aumenta de 3 a 21 vezes em relação a pacientes não ventilados, e a chance de desenvolver essa enfermidade é cerca de 0,9 por pacientes/dia (FERNADES; ZAMORANO; FILHO, De acordo com Hinrichsen (2004, pode-se ainda associar outros fatores à pneumonia para justificar a elevação da letalidade, como a idade do paciente, gravidade da doença de base, presença de neoplasias, choque, uso prévio de antibióticos, terapia de antibiótico inapropriada, duração da hospitalização previamente ao diagnóstico do agente etiológico. O autor acima ainda cita como fatores predisponentes as condições imunológicas: desnutrição, coma, sinusites, bacteremias, aspiração de secreções, condensados contaminados do circuito, contaminação exógena, colonização microbiana e gástrica, translocação de bactéria. O diagnóstico da PVM é feito através de três componentes principais: sinais sistêmicos de infecção, febre, taquicardia, leucocitose ou leucopenia; secreção traqueal purulenta; novo infiltrado a radiografia de tórax ou piora do anterior e parênquima pulmonar apresentando evidência microbiológica de infecção. Os sinais sistêmicos e os aspectos radiológicos podem ser inespecíficos e inconclusivos, necessitando-se de uma coleta de cultura quantitativa de secreções do trato respiratório inferior (COUTINHO; MEDEIROS; FEIJÓ, Os métodos complementares mínimos para o diagnóstico da PVM são: radiografia de tórax, hemocultura, oximetria de pulso ou gasometria arterial, punção e microbiologia do líquido pleural (GIRAU, Os resultados do tratamento da pneumonia devem-se à prevenção e à administração apropriada de antibióticos, que pode ser dificultada quando sua etiologia não é conhecida (GARCIA; FERREIRA; GRIAN, Medidas de Prevenção da Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica A elevada incidência de pneumonia nosocomial, principalmente nas UTIs, levou ao desenvolvimento de recomendações para a prevenção, pois a manipulação dos pacientes e equipamentos nesse setor aumenta a probabilidade de aparecimento, agravamento e letalidade dessa patologia (SADDER et al, De acordo com Silva; Tadine (2006, os programas de educação básica têm mostrado que a ocorrência de pneumonia associada à ventilação mecânica pode ser reduzida em 50% ou mais, quando é utilizada várias intervenções para prevenir a colonização e a aspiração de secreções e de conteúdo gástrico. A mortalidade desta patologia pode ser reduzida pela identificação dos fatores de risco e da prevenção. A intubação por via orotraqueal, a mudança de circuito de ventilação apenas para cada paciente novo ou quando estiver sujo, o uso do sistema de aspiração fechado, o posicionamento no leito em semi-inclinado, além do uso da drenagem de secreção subglótica e camas cinéticas, são medidas eficientes para reduzir a morbi-mortalidade e os custos da PVM em pacientes em VMI (FROES, Para selecionar as intervenções de um programa voltado à prevenção da PVM é necessário a avaliação dos pacientes, recursos disponíveis e habilidade da equipe de agir em concordância com o programa, prevenindo a ocorrência de colonização do trato de vias aéreas e digestivo, e a aspiração de secreções contaminadas para as vias aéreas inferiores. A forma de transmissão cruzada de microrganismos pode ocorrer através de mãos contaminadas da equipe de saúde que manipula os dispositivos invasivos. Sendo assim, evitar a intubação orotraqueal (IOT e aumentar a consciência da equipe quanto à higiene das mãos são as maiores medidas para a prevenção da PVM (SILVA; TADINE, Como a aquisição da PVM pode ser através da aspiração de secreções condensadas nos circuito do ventilador devido ao aquecimento e umidificação do ar, pode-se usar o trocador de

5 5 calor e umidade para evitar a formação de condensado reduzindo assim a incidência dessa enfermidade (RODRIGUES, A aspiração traqueal é necessária para impedir o acúmulo de secreções no paciente intubado, traqueostomizado ou no paciente adulto não-intubado que retém secreções. Outra medida que pode ser adotada para a redução da PVM é a correta limpeza e esterilização dos aparelhos usados na terapia respiratória como máscaras, fixadores cefálicos, ventilômetros, manovacuômetros, incentivadores respiratórios. Para a redução das PVM pode-se acrescentar ainda a realização da fisioterapia respiratória, utilização de uma sonda de aspiração para cada vez que o paciente precise ser aspirado, realização da desinfecção dos âmbus após sua utilização, cuidado para não contaminar as cânulas orotraqueais durante a IOT, interromper a nutrição enteral e remover os dispositivos o mais rápido possível, elevar a cabeceira da cama (30-45º, se não houver contra-indicação e vacinar pacientes com alto risco para infecção pneumocócica (GARCIA; FERREIRA; GRIAN, Atuação do Fisioterapeuta na Prevenção da Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica A Fisioterapia é a ciência que utiliza os meios físicos e naturais para prevenção e restauração, ao máximo a capacidade funcional do indivíduo e a independência para o trabalho, no lar e na sociedade, incluindo avaliação das condições do paciente e prognóstico como parte essencial de um programa terapêutico (SAVIAN; PARATZ; DAVIES, Segundo Matsui (2008, dentre as diversas áreas de atuação da fisioterapia, temos a Fisioterapia Pneumofuncional, que teve inicio com Hipócrates (460 a 377 a.c, proporcionando pela primeira vez exercícios respiratórios em pacientes com asma. Somente em 1902, Willian Ewart descreveu o efeito benéfico da drenagem postural no tratamento da bronquiectasia (TONON, O autor acima ainda destaca que a Fisioterapia Pneumofuncional vem destacando-se ao longo dos anos como uma conduta terapêutica eficaz no tratamento de enfermidades do sistema respiratório. Afecções da caixa torácica, condutos respiratórios, parênquima pulmonar e sistema muscular vêm respondendo de forma positiva ao tratamento empregado com técnicas de fisioterapia cinesiológica manuais. A fisioterapia respiratória é utilizada no tratamento de pacientes que recebem VMI, objetivando a melhora da função pulmonar, por meio da desobstrução brônquica, expansão das áreas pulmonares colapsadas, e manutenção do equilíbrio da relação ventilação/perfusão. Estudos demonstraram que a fisioterapia é eficiente na promoção de higiene brônquica. As técnicas fisioterapêuticas mais utilizadas para promoção da higiene brônquica são: drenagem postural (DP, compressão torácica manual (CTM, hiperinsuflação manual (HM, aspiração traqueal (SIXEL, Mendes (2006 recomenda a fisioterapia respiratória para a prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica, ainda compara em pequeno estudo controlado, a fisioterapia respiratória (vibrocompressão e aspiração endotraqueal com um grupo controle (sem fisioterapia respiratória. Concluíra que apenas 8% dos pacientes do grupo intervenção desenvolveram PAV, comparado com 39% no grupo controle. A fisioterapia respiratória é bastante utilizada em pacientes críticos, com o objetivo de prevenir e/ou tratar complicações respiratórias. Para isso, geralmente é usada uma combinação dos procedimentos que objetivam a re-expansão pulmonar e a remoção de secreções nas vias aéreas. A seguir seguem os procedimentos de fisioterapia respiratória descritos na literatura para a terapêutica de pacientes em ventilação mecânica com objetivo de prevenir a pneumonia nosocomial (JERRE et al, 2007.

6 6 Aspiração Traqueal: Trata-se da retirada passiva das secreções, com técnica asséptica, por um cateter conectado a um sistema de vácuo, introduzido na via aérea artificial (NTOUMENOPOULOS, De acordo com Mendes (2006, a aspiração somente deverá ser realizada quando necessária, quando houver sinais sugestivos da presença de secreção em vias aéreas (secreção visível no tubo, som sugestivo na ausculta pulmonar, padrão denteado na curva fluxo-volume observado na tela do ventilador. A avaliação da necessidade de aspiração pelo fisioterapeuta deve ser sistemática, em intervalos fixos e na presença de desconforto respiratório. A aspiração traqueal é um procedimento invasivo, bastante irritante e desconfortável. Pode ainda promover complicações, como tosse, broncoespasmo, hipoxemia, disritmias e lesões na mucosa. Lesões na mucosa e no sistema mucociliar geralmente estão associados à técnica do operador e à quantidade de pressão usada. Aspiração intermitente, em vez de contínua, pode ser menos traumática para a mucosa (DRAKULOVIC, A hiper-oxigenação deve ser utilizada previamente ao procedimento de aspiração traqueal para diminuir a hipoxemia induzida pela aspiração traqueal (BRUNETO; PAULIN, Os sistemas de aspiração aberto e fechado são igualmente eficazes na remoção de secreções. No entanto, o sistema fechado determina menor risco de hipoxemia, disritmias e de contaminação e deve ser preferido, principalmente quando utilizado valores elevados de pressão positiva ao final da aspiração (PEEP (RODRIGUES, A principal vantagem do sistema fechado é realizar a aspiração sem a desconexão do circuito do ventilador. Isso, além de determinar menor alteração hemodinâmica e nas trocas gasosas, poderia implicar em menor risco de infecção. No entanto, em pacientes com lesão pulmonar aguda, síndrome do desconforto respiratório agudo, o uso do sistema fechado pode reduzir o desrecrutamento e a diminuição na oxigenação do paciente. Esse efeito pode ser influenciado pelo modo ventilatório em uso e pelos ajustes do ventilador. Uma manobra de recrutamento após a aspiração pode diminuir os efeitos da aspiração traqueal. O custo relacionado ao uso do sistema fechado pode ser reduzido com a troca a cada sete dias, ao invés de diariamente, sem aumentar o risco de infecção respiratória; Hiperinsuflação Manual (HM: Trata-se da técnica onde é desconectado o paciente do ventilador, seguido de insuflação pulmonar com um ressuscitador manual (ambú, aplicandose volume de ar maior do que o volume corrente utilizado. Realizam-se inspirações lentas, profundas, seguidas de pausa inspiratória e uma rápida liberação, para obtenção do aumento do fluxo expiratório. É indicada para pacientes com acúmulo de secreção traqueobrônquica (MAA et al, A técnica consiste na insuflação manual dos pulmões com pressões de 20 a 40cmH2O e frações inspiradas de oxigênio de 100%. O dispositivo de ventilação manual é comprimido lentamente com as duas mãos e é mantida uma pausa inspiratória por cerca de 3 segundos. Em seguida, realiza-se uma descompressão abrupta do dispositivo de ventilação manual, otimizando o fluxo expiratório, o que auxilia na mobilização e remoção de secreções das vias aéreas. Isto é realizado em séries de 4 a 6 insuflações e entre cada série ocorre a aspiração (CHOI; JONES, A HM potencializa as forças de recolhimento elástico pulmonar, promovendo um aumento do pico de fluxo expiratório, favorecendo o deslocamento de secreção acumulada nas vias aéreas (BRUNETO; PAULIN, Choi; Jones (2005 compararam a HM com aspiração e isoladamente a aspiração em 15 pacientes com pneumonia associada à ventilação mecânica. Foi obtida melhora da complacência e redução da resistência, persistindo ainda por cerca de 30 minutos após o procedimento.

7 7 Se a técnica for bem aplicada, melhora a complacência estática, resolve atelectasias e gera aumento da mobilização de secreções. Mas, pode levar a efeitos adversos como instabilidade hemodinâmica, aumento da pressão intracraniana, barotrauma e aumento da demanda cardiovascular e metabólica. Muitas vezes as técnicas compressão torácica e hiperinsuflação manual são usadas em conjunto, procedimento conhecido como Bag Squeezing. É uma manobra eficaz na limpeza de secreção brônquica e re-insuflação das áreas colapsadas (BRUNETO; PAULIN, 2002; Compressão Brusca do Tórax: Técnica onde é realizada uma compressão brusca do tórax, no início da expiração espontânea ou da fase expiratória da ventilação mecânica, para aumento do fluxo expiratório. A compressão brusca do tórax deve ser realizada em pacientes com ausência ou diminuição do reflexo de tosse e em pacientes com dificuldade de mobilizar secreção (FREIRE, A técnica é realizada colocando-se uma das mãos de forma plana sobre o tórax, enquanto que a outra apóia o abdome no sentido cefálico para a elevação do diafragma ou no sentido descendente para reter a massa abdominal. Após o posicionamento das mãos realiza-se a manobra de compressão torácica durante a expiração, gerando uma modificação da pressão intratorácica, facilitando assim a mobilização e remoção de secreções das vias aéreas (MENDES, Até o momento, os dados da literatura não permitem conclusões sobre o uso rotineiro da compressão torácica para aperfeiçoar a remoção de secreções em pacientes sob ventilação mecânica. A compressão brusca é descrita com freqüência no tratamento de pacientes com lesão medular ou que apresentem algum tipo de fraqueza muscular. Em estudo controlado, no qual se comparou a aspiração traqueal com e sem a associação da compressão brusca do tórax (por 5 min, evidenciou-se que, no grupo da compressão brusca do tórax, a quantidade de secreção aspirada foi maior do que no grupo que recebeu apenas aspiração traqueal, porém sem atingir valor estatisticamente significativo (COUTINHO; MEDEIROS; FEIJÓ, 2006; Drenagem Postural, Vibração e Percussão Torácica: A drenagem postural consiste no posicionamento do corpo do paciente de modo que o segmento pulmonar a ser drenado seja favorecido pela ação da gravidade. A vibração e percussão torácica são procedimentos manuais aplicados sobre o tórax, visam transmitir uma onda de energia através da parede torácica e facilitar o deslocamento de secreções. A drenagem postural, a vibração e a percussão torácica devem anteceder a aspiração traqueal (HERNANDEZ, A drenagem postural é utilizada para melhorar o transporte do muco através da traquéia. Em decorrência das repercussões cardiovasculares em pacientes graves internados em UTIs, temse utilizado posições modificadas de drenagem postural, incluindo decúbito lateral e Trendelemburg de aproximadamente 15 graus (SOUZA GUIZILINI; TAVARES, A vibração e a percussão torácica ocupam uma posição pouco significativa. A vibração devido à dificuldade em sua utilização que necessita de uma frequência eficaz mínima de 13Hz e por um período de tempo adequado, e a percussão torácica manual que atinge apenas de 1 a 8Hz, o que está muito longe das freqüências ideais para o transporte do muco que é de 25 a 35Hz (HERNANDEZ, Os estudos clínicos avaliaram os efeitos fisiológicos dessas manobras, quando aplicadas isoladamente, apresentaram dados inconclusivos, com métodos distintos aplicados a populações variáveis; Terapia com PEEP (pressão positiva ao final da expiração: É utilizado a técnica de pressão positiva ao final da expiração ou pressão positiva contínua nas vias aéreas para promover expansão de unidades alveolares colabadas (JERRE et al, 2007.

8 8 Na manobra de pressão expiratória final positiva, ao elevarmos a PEEP, o gás é redistribuído através da ventilação colateral, alcançando alvéolos adjacentes previamente colabados por muco. Essa redistribuição propicia a reabertura de pequenas vias aéreas descolando o muco aderido à sua parede. Em seguida, ao reduzirmos a PEEP para 0cmH2O, modifica-se o padrão de fluxo expiratório auxiliando o transporte das secreções das vias aéreas de menor calibre para as centrais (PILONETTO et al, Materiais e Métodos Para obtenção do objetivo abordado neste estudo, foi realizada uma pesquisa bibliográfica construída a partir de materiais já escritos. A presente pesquisa é do tipo exploratório, tem como meta proporcionar maior familiaridade com o problema, com vista a torná-lo mais explícito ou a construir hipóteses (GIL, A técnica de pesquisa utilizada foi a documentação indireta, baseada em dados obtidos por outras pessoas, através da pesquisa bibliográfica de livros, revistas e outras publicações. O levantamento bibliográfico foi realizado em dois momentos, primeiro através do banco de dados da Scielo (Scientific Electronic Library Online, utilizando como palavras-chaves: fisioterapia, ventilação mecânica, pneumonia. Foram encontrados 40 artigos referentes ao tema. Em um segundo momento, realizou-se pesquisa em livros que abordam sobre o assunto em questão. Em seguida, realizou-se a leitura do material encontrado. Com essa leitura, pôde-se obter uma visão geral do material, conseguinte efetuou-se a leitura seletiva, para determinação do material de interesse ou não da pesquisa. 4. Resultados e Discussão A Pneumonia (PNM é um processo agudo infeccioso que pode atingir bronquíolos, alvéolos, interstício pulmonar e o revestimento pleural com distribuição segmentar. A etiologia da PNM pode ser viral (mais freqüente, bacteriana, micótica, por protozoários, por migração parasitária e por agentes físicos e químicos (TONON, A retenção de secreção contribui para episódios de hipoxemia, atelectasia e pneumonia associada ao ventilador (JUDSON, Acredita-se que a higiene brônquica pode levar a melhora na complacência do sistema respiratório através do aumento da complacência dinâmica e complacência estática (CIESLA, A pneumonia associada à ventilação mecânica (PVM é uma forma de pneumonia nosocomial, que acomete pacientes em uso de ventilação mecânica invasiva (SADER et al, Para a redução das PVM pode-se acrescentar ainda a realização da fisioterapia respiratória, utilização de uma sonda de aspiração para cada vez que o paciente precise ser aspirado. As técnicas fisioterapêuticas mais utilizadas para promoção da higiene brônquica são: drenagem postural (DP, compressão torácica manual (CTM, hiperinsuflação manual (HM, aspiração traqueal (SIXEL, Não podemos esquecer que essa patologia além de reter secreções, também é responsável por infecções, por isso devemos lembrar sempre que após termos realizado as técnicas higiene brônquica devemos ter cuidados com a VM, logo assim melhorar a qualidade de vida do paciente, lavando o mesmo ao desmame. Os dados acima apresentados demonstram a importância do estudo desta patologia, como forma de reduzir os riscos à vida do paciente e também de reduzir o tempo de internação e os custos com cada paciente. Levando em consideração tais aspectos, o presente estudo tem como objetivo mostrar que a utilização de procedimentos fisioterápicos respiratórios auxilia na prevenção da pneumonia associada à ventilação mecânica. Foram delimitados um total de 30 artigos científicos e 06 livros que abordam sobre o tratamento fisioterápico na ocorrência de pneumonia associada à ventilação mecânica.

9 9 5. Conclusão A partir do exposto, pode-se observar que a pneumonia associada à ventilação mecânica é uma patologia bastante incidente e apresenta uma alta taxa de mortalidade em pacientes intubados, além de elevar os custos hospitalares. Com isto, seu diagnóstico e tratamento devem ser precoces, bem como medidas de prevenção. Todos os profissionais da área de saúde que lhe dão com esses pacientes, inclusive os fisioterapeutas, devem adotar medidas de prevenção da PVM com objetivo de reduzir os riscos para a sua ocorrência, prevenindo a colonização do trato aerodigestivo e a aspiração de secreções contaminadas para as vias aéreas inferiores, contribuindo assim, para um melhor prognóstico do paciente. Pacientes intubados sob ventilação mecânica apresentam aumento na produção de secreção brônquica e também significante piora na velocidade do transporte do muco. Com isso, há um aumento na incidência de complicações pulmonares, como a pneumonia. A fisioterapia respiratória é usada no tratamento de pacientes que recebem VMI, para que ocorra a melhora da função pulmonar, através da desobstrução brônquica, expansão das áreas pulmonares colapsadas, e manutenção do equilíbrio da relação ventilação e perfusão. Alguns trabalhos têm documentado o benefício do tratamento fisioterápico nos pacientes intubados sob ventilação mecânica. As técnicas de fisioterapia respiratória mais comumente aplicadas em pacientes sob VMI consistem em percussão, vibração, drenagem postural, hiperinsuflação manual e aspiração. Tais técnicas são aplicadas isoladamente ou em conjunto. Desta forma, o estudo teve validade por ser um tema sempre presente no ambiente hospitalar. Após a análise dos artigos percebemos que a melhor maneira de agir em relação às pneumonias nosocomiais é através da prevenção. Além disso, o fisioterapeuta é o componente com importância relevante na equipe multiprofissional, por ser, principalmente, através das suas técnicas de trabalho que o paciente sob ventilação mecânica tem sua saúde resguardada das pneumonias, dentre outras patologias, que podem ser prevenidas com a implementação da fisioterapia respiratória. Referências Bibliográficas BEZERRA, R.; AZEREDO, C. Uso do ventilador mecânico como recurso na UTI. Fisioterapia Brasil, v. 5, n. 6, p , BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria ministerial Nº 2616, 12 de maio de Expede em forma de anexos, normas para o controle de Infecção Hospitalar. Diário Oficial da União. Brasília, [online] Disponível em: [Acesso em 01 dez. 2010]. BRUNETO, A.; PAULIN, E. Importância da fisioterapia pulmonar no tratamento de pneumonias em crianças. Fisioterapia em Movimento, v. 15, p , CARUSO P. et al. Saline instillation before tracheal suctioning decreases the incidence of ventilator-associated pneumonia. Crit Care Med. 37:32-8, CIESLA N. D. Chest physical therapy for patients in the intensive care unit. Phys Ther. 76(6:609-25, CHOI J. S., JONES A. Y. Effects of manual hyperinflation and suctioning in respiratory mechanics in mechanically ventilated patients with ventilator-associated pneumonia. Aust J Physiother, 51:25-30, COPPO, M. R. et al. Efeitos da técnica de aumento de fluxo expiratório (AFE sobre parâmetros de função pulmonar (FP, em lactentes com insuficiência respiratória aguda (IRA, em assistência ventilatória e respiração espontânea. Revista brasileira de pediatria, São Paulo, COUTINHO, A. P.; MEDEIROS, E.; FEIJÓ, R. D. Diretrizes sobre pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV. Sociedade paulista de infectologia. São Paulo, p. 19, 2006.

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA CONCEITO A Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV) é infecção diagnosticada após 48h de ventilação mecânica até a sua suspensão. ETIOLOGIA Tabela 1. Microorganismos

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Gabriela

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS UNISA Universidade de Santo Amaro Faculdade de Fisioterapia Estágio Supervisionado: Fisioterapia em Pediatria Profa. Ms. Dalva M. A. Marchese Acadêmica: Andreza Viviani Suzuki

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia.

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia. POT Nº: 06 VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA Edição: 05/05/2009 Versão: 02 Data Versão: 28/05/2009 Página: 05 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI)

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

TÉCNICAS E RECURSOS EM FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA

TÉCNICAS E RECURSOS EM FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA TÉCNICAS E RECURSOS EM FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA Higiene brônquica Reexpansão pulmonar Treinamento muscular Fisioterapia motora 1 HIGIENE BRÔNQUICA

Leia mais

INFECÇÃO RESPIRATÓRIA NOSOCOMIAL. Definição: Patogenia: Fatores de Risco: Diagnóstico: Germes mais freqüentes:

INFECÇÃO RESPIRATÓRIA NOSOCOMIAL. Definição: Patogenia: Fatores de Risco: Diagnóstico: Germes mais freqüentes: INFECÇÃO RESPIRATÓRIA NOSOCOMIAL Definição: Pneumonia adquirida após 48 horas de internação. Patogenia: Microaspirações de orofaringe principal mecanismo. Broncoaspiração do conteúdo gástrico ou esofageano.

Leia mais

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS A maior parte dos casos são as chamadas comunitárias ou não nosocomiais Típica Não relacionada à faixa etária. Causada por S. pneumoniae, H. influenzae e S. aureus. Sintomatologia

Leia mais

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE ANEURISMAS CEREBRAIS Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA Nível de consciência Pupilas

Leia mais

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP CPAP - Definição Pressão de Distensão Contínua Manutenção de uma

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

Discussão para Prova ENADE/2007

Discussão para Prova ENADE/2007 Discussão para Prova ENADE/2007 Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva Erikson Custódio Alcântara Resposta correta: letra c 1 Comentários letra a Não é apenas após uma inspiração

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA

MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA CONTEÚDO FUNDAMENTOS DE FISIOTERAPIA MÉTODOS & TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO, TRATAMENTO & PROCEDIMENTOS EM FISIOTERAPIA PROVAS DE FUNÇÃO MUSCULAR, CINESIOLOGIA & BIOMECÂNICA

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

RECURSOS FISIOTERAPÊUTICOS MANUAIS UTILIZADOS PARA DESOBSTRUÇÃO BRÔNQUICA EM PACIENTES COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL

RECURSOS FISIOTERAPÊUTICOS MANUAIS UTILIZADOS PARA DESOBSTRUÇÃO BRÔNQUICA EM PACIENTES COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL 1 RECURSOS FISIOTERAPÊUTICOS MANUAIS UTILIZADOS PARA DESOBSTRUÇÃO BRÔNQUICA EM PACIENTES COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL MANUAL PHYSIOTERAPY RESOURCES UTILIZED FOR BRONCHIAL CLEARING IN PATIENTS WITH NOSOCOMIAL

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO. Protocolo de Prevenção de Pneumonia Hospitalar

PROTOCOLO CLÍNICO. Protocolo de Prevenção de Pneumonia Hospitalar Código: PC.CIH.005 Data: 26/05/2010 Versão: 1 Página: 1 de 5 RESULTADO ESPERADO/OBJETIVO: Diminuir a transmissão de patógenos primários para o paciente, reduzir a colonização de reservatórios com patógenos

Leia mais

PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO

PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO 68 PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO Josiane Manzo Lamoso 1,2, Flávia Letícia dos Santos 1,2, João Paulo Manfré

Leia mais

Considerações Gerais

Considerações Gerais Oxigenoterapia e sua relação com os atendimentos de fisioterapeutas cardiorrespiratórios Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Considerações Gerais O oxigênio é um velho conhecido

Leia mais

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO Autoria: Inácia Regina Barbosa Leal (FCM-CG) Rosa Suênia da Camara Melo (Orientadora)

Leia mais

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Ventilação Mecânica Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com A ventilação mecânica é uma atividade multi e interdisciplinar em que o denominador comum é o paciente e não o ventilador

Leia mais

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA 1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SEGUNDO A LEI 8.080, DE 1990, QUE INSTITUIU O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), PODE SER DEFINIDA COMO: O CONJUNTO DE AÇÕES

Leia mais

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA Enfª Marcia Daniela Trentin Serviço Municipal de Controle de Infecção Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

O ESTADO DA ARTE NA PREVENÇÃO DE PAV

O ESTADO DA ARTE NA PREVENÇÃO DE PAV O ESTADO DA ARTE NA PREVENÇÃO DE PAV Larissa G Thimoteo Cavassin Enfermeira CCIH Junho 2013 Apresentação Introdução Medidas para prevenção de PAV Aplicação prática Conclusão Estado da arte Origem: Wikipédia,

Leia mais

Atuação da Fisioterapia na Reversão das Atelectasias: Um relato de caso na Unidade de Terapia Intensiva

Atuação da Fisioterapia na Reversão das Atelectasias: Um relato de caso na Unidade de Terapia Intensiva 81 Atuação da Fisioterapia na Reversão das Atelectasias: Um relato de caso na Unidade de Terapia Intensiva The Performance of the Physiotherapy in the Reversion of the Atelectasis: A report of a case in

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Em relação a epidemiologia e bioestatística aplicadas ao controle de infecções hospitalares, julgue os itens a seguir. 41 No registro de variáveis contínuas, a exatidão do registro tem fundamental valor

Leia mais

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação 1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação hospitalar (desde que não incubada previamente à internação)

Leia mais

PARECER COREN-SP 018 /2013 CT. PRCI n 99.921. Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317

PARECER COREN-SP 018 /2013 CT. PRCI n 99.921. Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317 PARECER COREN-SP 018 /2013 CT PRCI n 99.921 Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317 Ementa: Mensuração e regularização da pressão do cuff (balonete) de cânulas de entubação e traqueostomia por Enfermeiro.

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

Actualizado em 21-09-2009*

Actualizado em 21-09-2009* Recomendações para o tratamento de adultos com gripe pandémica (H1N1) 2009 que necessitem de admissão numa Unidade de Cuidados Intensivos 1. Introdução O vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 tem maior

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI Regional - Goiás Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI 1. Tabela da Escala de Glasgow Aplicação: avaliação do grau de consciência. Atividade Pontuação Resposta

Leia mais

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA CASCAVEL - 2009 Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior Profa. Vera Lucia Dias Siqueira Bacteriologia Clínica DAC - UEM Sistema Respiratório Pneumonias

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA A VENTILAÇÃO MECÂNICA: Revisão de literatura RESUMO. Palavras-chave: Prevalência. Pneumonia. Ventilação Mecânica. UTI.

PNEUMONIA ASSOCIADA A VENTILAÇÃO MECÂNICA: Revisão de literatura RESUMO. Palavras-chave: Prevalência. Pneumonia. Ventilação Mecânica. UTI. PNEUMONIA ASSOCIADA A VENTILAÇÃO MECÂNICA: Revisão de literatura RESUMO Jayra Adrianna da Silva Sousa 1 kércia Vitória de Moura Rêrgo 2 Nayra Fernanda da Silva Sousa 3 Guilherme Luis de Brito Oliveira

Leia mais

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas.

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas. 1- DESCRIÇÃO O xlung é um simulador virtual da interação paciente-ventilador pulmonar que incorpora os principais recursos do suporte ventilatório a diferentes configurações de aspectos demográficos, de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR SCIH BUNDLE PREVENÇÃO DE PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA Introdução A pneumonia

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA. Prof. Rogério Ultra Contato: sobratirj@oi.com.br Curso de fisioterapia Intensiva Módulo de assistência ventilatória

VENTILAÇÃO MECÂNICA. Prof. Rogério Ultra Contato: sobratirj@oi.com.br Curso de fisioterapia Intensiva Módulo de assistência ventilatória VENTILAÇÃO MECÂNICA Prof. Rogério Ultra Contato: sobratirj@oi.com.br Curso de fisioterapia Intensiva Módulo de assistência ventilatória O ciclo respiratório Didaticamente, o ciclo respiratório, durante

Leia mais

Conceitos Básicos em VM invasiva

Conceitos Básicos em VM invasiva Conceitos Básicos em VM invasiva Marcelo Alcantara Holanda Prof Adjunto de Medicina Clínica, UFC Hospital Universitário Walter Cantídio - HUWC UTI respiratória do Hospital de Messejana, Fortaleza, CE Ventilação

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAIS, DE QUEM É A COMPETÊNCIA

PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAIS, DE QUEM É A COMPETÊNCIA coren-ro.org.br http://www.coren-ro.org.br/parecer-tecnico-no-0122012-aspiracao-de-pacientes-internados-em-hospitais-de-quem-e-acompetencia_1165.html PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

Aprovado em reunião de Disciplina de Moléstias Infecciosas em 04.05.2009.

Aprovado em reunião de Disciplina de Moléstias Infecciosas em 04.05.2009. Plano interino de preparação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp) para atendimento a pacientes com Influenza A suína (H1N1). Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza Professor

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão

Procedimento Operacional Padrão Procedimento Operacional Padrão POP/UNIDADE DE REABILITAÇÃO/001/2016 Fisioterapia na Pneumonia em Pacientes Versão 1.0 UNIDADE DE REABILITAÇÃO Procedimento Operacional Padrão POP/UNIDADE DE REABILITAÇÃO/001/2016

Leia mais

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR Cecília Santana Bala Pereira Discente do Curso de Farmácia da Universidade Severino Sombra, Vassouras/RJ,

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

GRUPO 24 FISIOTERAPIA

GRUPO 24 FISIOTERAPIA Não deixe de preencher as informações a seguir. SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

Técnicas de Fisioterapia Hospitalar. Inspiração= relaxamento da musculatura torácica superior e da contração diafragmática;

Técnicas de Fisioterapia Hospitalar. Inspiração= relaxamento da musculatura torácica superior e da contração diafragmática; Biomecânica da Respiração Técnicas de Fisioterapia Hospitalar Inspiração= relaxamento da musculatura torácica superior e da contração diafragmática; Expiração= relaxamento diafragma e leve contração abdominal,

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES P N E U M O N I A CONCEITO Processo inflamatório do parênquima pulmonar que, comumente, é causada por agentes infecciosos. 1 Uma

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

04/06/2012. Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia. Assistência Ventilatória no Domicílio. Epidemia de Poliomielite 1953 Rancho Los Amigos

04/06/2012. Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia. Assistência Ventilatória no Domicílio. Epidemia de Poliomielite 1953 Rancho Los Amigos Assistência Ventilatória no Domicílio Marco Antônio Soares Reis Hospital Madre Teresa - Belo Horizonte Hospital Universitário São José Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia Epidemia de Poliomielite 1953

Leia mais

PARECER COREN-SP 023 /2013 CT. PRCI n 99.151. Tickets n s 278.327, 282.738, 282.880, 283.947, 286.319, 299.803, 299.844

PARECER COREN-SP 023 /2013 CT. PRCI n 99.151. Tickets n s 278.327, 282.738, 282.880, 283.947, 286.319, 299.803, 299.844 PARECER COREN-SP 023 /2013 CT PRCI n 99.151 Tickets n s 278.327, 282.738, 282.880, 283.947, 286.319, 299.803, 299.844 Ementa: Procedimento de aspiração de secreção por cânula de traqueostomia. 1. Do fato

Leia mais

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003)

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003) MESA REDONDA IV Cuidados da fonoaudiologia: Diagnóstico e tratamento do paciente disfágico pós-estubação ou traqueostomizado Fga Luciana Passuello do Vale Prodomo Disfagia Qualquer problema no processo

Leia mais

02/05/2016. Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica. Metodologia. Revisão MEDLINE e na Cochrane 2003 a 2013

02/05/2016. Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica. Metodologia. Revisão MEDLINE e na Cochrane 2003 a 2013 Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica Marco Antônio Soares Reis Hospital Madre Teresa - Belo Horizonte Professor FCMMG Jornal Brasileiro de Pneumologia Revista Brasileira de Terapia Intensiva Agosto

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

Resumo. 1. Introdução

Resumo. 1. Introdução 1 Fisioterapia respiratória: técnicas manuais de higiene brônquica em pacientes adultos internados na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) submetidos à ventilação mecânica invasiva (VMI) Luna Gabriela

Leia mais

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica Programa de Pós-Graduação 2014 Caracterização do curso: Instituições: Instituto D Or de Pesquisa e

Leia mais

CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014

CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014 CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014 Coordenação Dr. Luciano Cesar Pontes Azevedo Doutor em medicina pela Universidade de São Paulo - USP

Leia mais

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro 01 de 05 Anexo 1 Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro Figura 2: Exemplo de caixa com tampa de material não poroso, rígido, resistente à descontaminação, identificada

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: PORTARIA Nº 3.432/MS/GM, DE 12 DE AGOSTO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: a importância na assistência das unidades que realizam tratamento intensivo

Leia mais

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Propriedades Estáticas do Sistema A ventilação pulmonar consiste no fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões a cada ciclo

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Revisão e Atualização em Ventilação Mecânica

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Revisão e Atualização em Ventilação Mecânica Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Revisão e Atualização em Ventilação Mecânica Enfermeira Vanderléia Bertoglio Enfermeiro Adilson Adair Böes Rotina de Revisão e Atualização

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

Os benefícios obtidos com a fisioterapia respiratória em pacientes adultos na unidade de Terapia Intensiva.

Os benefícios obtidos com a fisioterapia respiratória em pacientes adultos na unidade de Terapia Intensiva. Os benefícios obtidos com a fisioterapia respiratória em pacientes adultos na unidade de Terapia Intensiva. Célio Sabino Souza dos Santos 1 cssdoss@hotmail.com Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós-graduação

Leia mais

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na remoção de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração. FINALIDADE Prevenir complicações respiratórias;

Leia mais

Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A. Prof. EDSON GARRIDO

Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A. Prof. EDSON GARRIDO Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A Prof. EDSON GARRIDO Pneumonia Adquirida na Comunidade O QUE É PNEUMONIA? Pneumonia Adquirida na Comunidade Infecção aguda do parênquima pulmonar distal ao bronquíolo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PEDIÁTRICOS HOSPITALIZADOS COM

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

SAÚDE DA CRIANÇA FISIOTERAPIA Código: 202

SAÚDE DA CRIANÇA FISIOTERAPIA Código: 202 Processo Seletivo Residência Multiprofissional Edital n. 01/2010 SAÚDE DA CRIANÇA FISIOTERAPIA Código: 202 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém

Leia mais