A LUDICIDADE NA ONCOLÓGIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A LUDICIDADE NA ONCOLÓGIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1"

Transcrição

1 A LUDICIDADE NA ONCOLÓGIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 RODRIGUES, Paula Andiara²; BARATTO, Fernanda³; CASARIN, Juliana Trevisan 4 ; GEHLEN, Maria Helena 5. RESUMO No sentido de minimizar os fatores estressantes na oncologia devido ao afastamento familiar, laboral e social que uma internação hospitalar causa, surge um modelo humanizado de cuidado, por meio de atividades inovadoras. Assim o presente estudo objetiva socializar o desenvolvimento de uma atividade lúdica no âmbito hospitalar no intuito de melhorar a qualidade vida dos pacientes internados em uma unidade oncológica. Trata-se de um relato de experiência em uma unidade oncológica em um hospital no município de Santa Maria/RS. Este estudo relatou a importância de atividades lúdicas dentro do âmbito hospitalar em uma unidade de internação oncológica, evidenciando a importância dessas atividades no tratamento e recuperação dos pacientes. Descritores: Enfermagem; Humanização; Oncologia. ABSTRACT In order to minimize stressful factors in Oncology family because of the remoteness that labour and social causes a hospital stay, a model of Humanized care through innovative activities. The present study aims to socialize the development of a playful activity in the hospital in order to improve the life quality of inpatients in an Oncology Unit. This is an account of an experience in Oncology Unit at a hospital in the municipality of Santa 1 Trabalho de Pesquisa. Centro Universitário Franciscano (UNIFRA). ² Acadêmica do 6º semestre do curso de Enfermagem do Centro Universitário Franciscano UNIFRA, Santa Maria/RS. ³ Acadêmica do 6º semestre do curso de Enfermagem do Centro Universitário Franciscano UNIFRA, Santa Maria/RS. 4 Acadêmica do 6º semestre do curso de Enfermagem do Centro Universitário Franciscano UNIFRA, Santa Maria/RS. 5 Enfermeira Professa Mestre Docente do Curso de Enfermagem do Centro Universitário Franciscano UNIFRA, Santa Maria/RS. 1

2 Maria/RS. This study reported the importance of fun activities within the premises of the hospital inpatient Oncology Unit in highlighting the importance of these activities in the treatment and recovery of patients. Descriptors : Nursing ; Humanization; Oncology. 1. INTRODUÇÃO A descoberta do câncer é um choque, pois é visto primeiramente como uma doença sem cura, muito próxima da morte, que traz consigo muito medo, angustia e insegurança. Seu tratamento é proposto basicamente por longos períodos de internação, muitos procedimentos invasivos, além de cirurgia, radioterapia e tratamento medicamentoso incluindo as quimioterapias. Está é conhecida como assustadora por seus efeitos colaterais como náuseas, vômitos, alopecia, por desfigurar a imagem do individuo 1,2. No sentido de minimizar os fatores estressantes devido ao afastamento familiar, laboral e social que uma internação hospitalar surge um novo modelo de cuidado, o cuidado humanizado, por meio de atividades lúdicas. Muitos autores defendem a idéia de que devem ser propiciadas atividades lúdicas aos pacientes hospitalizados apresentando que a recreação pode ter um efeito terapêutico porque auxilia na elaboração de sentimentos e promovem o bem-estar dos pacientes 3,4. A realização dessas atividades no hospital também pode ser um meio de socialização e interação entre os enfermos; e isso pode proporcionar uma saída do isolamento que a hospitalização provoca 5,6. O presente estudo objetiva socializar o desenvolvimento de uma atividade lúdica no âmbito hospitalar no intuito de melhorar a qualidade vida dos pacientes internados em uma unidade oncológica. Percebe-se que o cuidado de enfermagem por meio da ludicidade acolhe o ser humano em prol do ser do seu bem estar e aceitação da sua condição de estar hospitalizado par realizar o tratamento de um câncer. 2. METODOLOGIA Trata-se de um relato de experiência, trazendo uma descrição de uma atividade lúdica em unidade oncológica em um hospital no município de Santa Maria/RS. Os sujeitos envolvidos foram todos pacientes internados nesta unidade de oncologia no dia do evento. 2

3 Para designação das falas foram utilizados codinomes de flores. Foi respeitado a Resolução Nº 196/1996 do Conselho Nacional de Saúde. Sendo que este se alia ao projeto de extensão cuidado lúdico aprovado no comitê de ética sob o número Nesse ínterim, foi desenvolvido um baile de carnaval no corredor de uma unidade de internação em uma ala oncológica, caracterizando o ambiente com motivos carnavalescos, fantasias, participação de alguns integrantes de uma escola de samba e acepipes. 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES Havia 26 pacientes internados nesta unidade. Destes, participam da atividade lúdica uma média de 22 pacientes que estavam na unidade de internação, e outros 10 que fazem tratamento, mas no dia do evento não estavam internados, mas que foram prestigiar o evento, além de seus familiares e, equipe de enfermagem. A Unidade ofereceu espaço físico e condições para a realização da atividade lúdica. Observou-se que atividades de recreação ajudam a promover uma melhora clinica significativa da evolução clinica do paciente, que eles conseguiram socializar, diminuindo o medo e facilitando assim sua hospitalização. Esta atividade lúdica melhorou a auto-estima dos pacientes, bem como melhorou o astral dos mesmos, devido a musica, a diversão e a confraternização, que deu espaço a alegria, o bom humor, injetando nos pacientes e seus familiares uma sensação de bem estar, tornando o momento muito especial. Foi muito gratificante, ficamos felizes, esquecemos da doença ( rosa). O riso e o bom humor possuem efeitos benéficos sobre a saúde, assim, os recursos lúdicos são recomendados como uma terapia alternativa para melhorar o bem-estar e como coadjuvante do tratamento médico formal 7. Sentimos melhora da auto-estima, é muito bom ser lembrado ( cravo). Os recursos lúdicos permitem que os sentimentos gerados durante a internação possam ser libertados, promovendo assim o processo de recuperação 8. Eu nem estava internada, vim prestigiar a festa e assim pude rever os amigos ( lírio). As ações recreativas dentro do ambiente hospitalar contribuem para amenizar os maus momentos, atuando como agente motivador, além de permitir a liberdade de expressão e fortalecer as interações entre o enfermo com o familiar, com profissionais envolvidos e com 3

4 outros pacientes 9. Até mesmo uma mãe se pronunciou dizendo: fico satisfeita de ver meu filho se divertindo, parece que por algum momento não estamos vivendo esta fase difícil, de dor e sofrimento (jasmim) 4. CONCLUSÃO Este estudo relatou a importância de atividades lúdicas dentro do âmbito hospitalar em uma unidade de internação oncológica, evidenciando a importância dessas atividades no tratamento e recuperação dos pacientes. Pois, estas atividades lúdicas melhoram a auto estima dos pacientes, bem como seu humor, minimizando a tristeza, a ansiedade e a depressão, tornando a internação hospitalar menos árdua, despertando nos paciente vontade de viver mais, trazendo efeitos positivos no que se refere aos aspectos bio-psicosocial. Assim esta atividade nos faz pensar a importância de não só usar medicações, técnicas, mas sim de que devemos lançar mão do trabalho mais humanizado envolvendo toda equipe multiprofissional. Por meio desta ação, foi proporcionado um aprendizado teórico-prático de etapas como o reconhecimento da necessidade, possibilidade da realização da atividade, integração ensino-serviço e avaliação das atividades desenvolvidas. REFERÊNCIAS 1 Nucci NAG. Qualidade de vida e câncer: Um Estudo Compreensivo. Ribeirão Preto (SP). Dissertação - Faculdade de Filosofia de Ciências e Letras de Ribeirão Preto Volpini SF. O Adolescente Frente ao Câncer: Hospitalização e Processos Psicológicos. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Psicologia, Porto Alegre, Favero L, Dyniewicz AM, Spiller APM, Fernandes LA. A promoção do brincar no contexto da hospitalização infantil como ação de enfermagem: relato de experiência. Cogitare Enferm 2007: 12(4): Motta AB, Enumo SRF. Brincar no hospital: estratégia de enfrentamento da hospitalização infantil. Psicologia em estudo 2004: 9(1): Leite TMC, Shimo AKK. Uso do brinquedo no hospital: o que os enfermeiros brasileiros estão estudando? Rev. Esc. Enferm. 2008: 42(2): Mitre RMA, Gomes R. A promoção do brincar no contexto da hospitalização infantil como ação de saúde. Ciência & Saúde Coletiva 2004: 9(1): Mussa C, Malerbi FEK. O impacto da atividade lúdica sobre o bem-estar de crianças hospitalizadas. Psicol. teor. Prat 2008: 10(2):

5 8 Simões AA, Maruxo HB, Yamamotu LR, Silva LC, Silva PA. Satisfação de clientes hospitalizados em relação às atividades lúdicas desenvolvidas por estudantes universitários. Rev. Eletr. Enferm [Acesso em 15 abril 2012]. p Disponível em: < 9 Moura CC, Resck ZMR, Dázio EMR. A influência das atividades lúdicas durante a internação de pacientes oncológicos. II Congresso de Humanização I Jornada Interdisciplinar de Humanização, Curitiba, 2011.I Congresso de 5

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR INTRODUÇÃO O presente estudo busca refletir a respeito da importância do brincar no ambiente hospitalar. A construção desse material foi feita a partir do contato de três

Leia mais

A importância do palhaço cuidador na assistência à criança em. hospitalização: Relato de Experiência do Projeto PalhaSUS

A importância do palhaço cuidador na assistência à criança em. hospitalização: Relato de Experiência do Projeto PalhaSUS A importância do palhaço cuidador na assistência à criança em hospitalização: Relato de Experiência do Projeto PalhaSUS BRITO JUNIOR¹, José Félix CORREIA², Bruna Valério COSTEIRA³, Aldenildo A.M.F NASCIMENTO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NO TRATAMENTO DE CRIANÇA COM CÂNCER HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO DE LITERATURA

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NO TRATAMENTO DE CRIANÇA COM CÂNCER HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO DE LITERATURA A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NO TRATAMENTO DE CRIANÇA COM CÂNCER HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO DE LITERATURA ALINE ALVES RIBEIRO * RESUMO Este artigo objetivou descrever a importância do brincar no tratamento

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO BRINCAR NA HOSPITALIZAÇÃO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM CÂNCER 1

A CONTRIBUIÇÃO DO BRINCAR NA HOSPITALIZAÇÃO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM CÂNCER 1 A CONTRIBUIÇÃO DO BRINCAR NA HOSPITALIZAÇÃO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM CÂNCER 1 REIS, Thamiza L. Da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 ; ANTUNES, Bibiana Sales 4 ; FERREIRA, Emanuelli Manico 5 1 Trabalho de

Leia mais

A Influência das Brincadeiras na Recuperação de Crianças Hospitalizadas: uma revisão de literatura

A Influência das Brincadeiras na Recuperação de Crianças Hospitalizadas: uma revisão de literatura A Influência das Brincadeiras na Recuperação de Crianças Hospitalizadas: uma revisão de literatura Silva P. F, Santos C.C.G, Filipini S. M Universidade do Vale do Paraíba/ Faculdade de Ciências da Saúde,

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA TERAPIA DO RISO NO TRATAMENTO DO PACIENTE PEDIÁTRICO

A INFLUÊNCIA DA TERAPIA DO RISO NO TRATAMENTO DO PACIENTE PEDIÁTRICO A INFLUÊNCIA DA TERAPIA DO RISO NO TRATAMENTO DO PACIENTE PEDIÁTRICO GARCIA, D. T. R.¹; SILVA, J. G. ² ; VAZ, A. C.³ ; FILOCOMO, F. R. F. 4 ; FILIPINI, S. M. 5 1,2,3,4,5 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade

Leia mais

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL INTRODUÇÃO Amara Holanda Fabiane Romana Fernanda Oliveira Karen Trage Máuren Mássia

Leia mais

O BRINCAR NO COTIDIANO HOSPITALAR 1

O BRINCAR NO COTIDIANO HOSPITALAR 1 O BRINCAR NO COTIDIANO HOSPITALAR 1 RIZZATTI, L. Fernanda 2 ; SILVA, Mariluce Silveira da. COLUSSI, Daiane³; MARQUEZAN, Fernanda; BERTOLDO, Janice Vidal. ¹ Trabalho de Pesquisa _UNIFRA. ² Acadêmica do

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

A família frente ao tratamento da criança com câncer: revisão de literatura

A família frente ao tratamento da criança com câncer: revisão de literatura A família frente ao tratamento da criança com câncer: revisão de literatura (The family coping the treatment of the child with cancer: literature revision) Edmara Cândida Tavares 1 ; Andréia da Costa Segóvia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTAGIÁRIO-BRINQUEDISTA NA BRINQUEDOTECA HOSPITALAR

A IMPORTÂNCIA DO ESTAGIÁRIO-BRINQUEDISTA NA BRINQUEDOTECA HOSPITALAR 7. CONEX Apresentação Oral-Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO ESTAGIÁRIO-BRINQUEDISTA NA BRINQUEDOTECA HOSPITALAR Juliane Morais 1 Mariane Mendes 2 Ercília Maria Angeli de Paula

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

A RELEVÂNCIA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO AO PORTADOR DE FERIDAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

A RELEVÂNCIA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO AO PORTADOR DE FERIDAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 A RELEVÂNCIA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO AO PORTADOR DE FERIDAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 BORDIGNON, Juliana Silveira 2 ; DONADUZZI, Daiany Saldanha da Silveira 3 ; SANTOS; Juniara Dias dos 4, FERREIRA, Emanuelli

Leia mais

OPERAÇÃO SORRISO O LÚDICO FAVORECENDO O PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO RESUMO

OPERAÇÃO SORRISO O LÚDICO FAVORECENDO O PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO RESUMO OPERAÇÃO SORRISO O LÚDICO FAVORECENDO O PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO Ana Elisa Silva Barbosa de Carvalho anaelisa.carvalho@uol.com.br Pe Eder Zechi Dias ederzechi@hotmail.com Karine Bittencourt Marinho kb.marinho@hotmail.com

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 A IMAGINOTECA HOSPITALAR COMO UM ESPAÇO DE (DES)ENVOLVIMENTO ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 1 Trabalho de Projeto de Extensão _UNIFRA 2 Acadêmicas do Curso de

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

CUIDADO DE ENFERMAGEM, ÉTICA E INOVAÇÃO

CUIDADO DE ENFERMAGEM, ÉTICA E INOVAÇÃO CUIDADO DE ENFERMAGEM, ÉTICA E INOVAÇÃO Dra. Leila Brito Bergold Hospital Central do Exército Semana de Enfermagem do INCA 2011 Inovação x Ética - Abordagem acerca do Cuidado de Enfermagem através do CARITAS

Leia mais

COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1

COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1 COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1 BISOGNIN, Patrícia 2 ; SIQUEIRA, Alessandro 2 ; BÖELTER, Débora Cardoso 2 ; FONSECA, Mariana 2 ; PRUNZEL

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA

DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA Janaina Pereira dos Santos Enfermeira do Centro de Radioterapia do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo Especialista em Pediatria e Neonatologia Especialização

Leia mais

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano CUIDADOS PALIATIVOS A diversidade das necessidades da pessoa humana em sofrimento intenso e em fim de vida encerram, em si mesmo, uma complexidade de abordagens de cuidados de Saúde a que só uma equipa

Leia mais

O JOGO TERAPÊUTICO COMO EM PEDIATRIA

O JOGO TERAPÊUTICO COMO EM PEDIATRIA O JOGO TERAPÊUTICO COMO INSTRUMENTO DE COMUNICAÇÃO EM PEDIATRIA Faculdade de Psicologia/UNISA Joana d`arc Marinho Corrêa Sakai CRP 06-18972/2 BRINQUEDO: INSTRUMENTO DE COMUNICAÇÃO O ato de brincar: atividade

Leia mais

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Tec. de Enfermagem Claudia Sterque claudiasterque@yahoo.com.br 11 de novembro de 2010 VISÃO DO TÉCNICO ESPECIALISTA Quando comecei

Leia mais

Keywords: Nursering care family children with cancer 1. INTRODUÇÃO

Keywords: Nursering care family children with cancer 1. INTRODUÇÃO PERSPECTIVAS E DIFICULDADES NO CUIDADO À FAMÍLIA DA CRIANÇA COM CÂNCER 1 SARTURI, Marília Müller 2 ; PEREIRA, Adriana Dall Asta 3 RESUMO Atualmente, ainda, acredita-se ser o câncer, sinônimo de morte.

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

CONTADORES DE HISTÓRIA: EDUCAÇÃO E CULTURA NA SAÚDE

CONTADORES DE HISTÓRIA: EDUCAÇÃO E CULTURA NA SAÚDE Prêmio AEA 2014 - Projetos de Responsabilidade Social CONTADORES DE HISTÓRIA: EDUCAÇÃO E CULTURA NA SAÚDE Luana Costa*, Graziela Tamayosi*, Valdir Cimino** *Centro Tecnológico MAHLE Metal Leve S/A, **Associação

Leia mais

MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS

MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS 1 Resumo MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS SILVA, Gusmão Fernanda¹ SOUZA, Lindyara Thâmara² O câncer de mama tem sido o responsável pelos maiores índices

Leia mais

Pedagogia Hospitalar

Pedagogia Hospitalar Pedagogia Hospitalar Souza, Jaqueline Renata de Oliveira Discente do Curso de Pedagogia da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva WAGNER, Rosemeire Rodrigues Docente da Faculdade de Ciências

Leia mais

ANJOS DA ENFERMAGEM UMA FORÇA DE TRABALHO DA ENFERMAGEM: Relato de Experiência.

ANJOS DA ENFERMAGEM UMA FORÇA DE TRABALHO DA ENFERMAGEM: Relato de Experiência. ANJOS DA ENFERMAGEM UMA FORÇA DE TRABALHO DA ENFERMAGEM: Relato de Experiência. Autoras: Daniele Domiciano Silva¹ / Maria José Guerra de Santana Cavalcanti². 1-Enfermeira Pós Graduanda em Saúde da Mulher

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

O DIREITO DA CRIANÇA HOSPITALIZADA A BRINQUEDOTECA E ACOMPANHANTES NO HOSPITAL: REFLEXÕES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

O DIREITO DA CRIANÇA HOSPITALIZADA A BRINQUEDOTECA E ACOMPANHANTES NO HOSPITAL: REFLEXÕES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO O DIREITO DA CRIANÇA HOSPITALIZADA A BRINQUEDOTECA E ACOMPANHANTES NO HOSPITAL: REFLEXÕES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO ALMEIDA, Silmara Aparecida de PAULA, Ercília M. A. Teixeira de

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas CLEBER FEIJÓ SILVA DANIELA PATRICIA VAZ TAIS MAZZOTTI cleber.feijo@famesp.com.br danielavaz@famesp.combr tamazzotti@terra.com.br Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Leia mais

O Brincar para a Criança Hospitalizada

O Brincar para a Criança Hospitalizada Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Brincar para a Criança Hospitalizada Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos Aos nossos familiares, que revestiram nossas vidas com muito amor,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: práticas educativas; criança; saúde.

PALAVRAS-CHAVES: práticas educativas; criança; saúde. PRÁTICAS EDUCATIVAS JUNTO A MÃES-ACOMPANHANTES E SEUS FILHOS HOSPITALIZADOS EM UMA UNIDADE DE INTERNAÇÃO PEDIÁTRICA: RELATANDO UMA EXPERIÊNCIA 1 RESUMO Cláudia Silveira Viera Luana Aparecida Alves da Silva

Leia mais

COMO DEFINIR E APLICAR A POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM

COMO DEFINIR E APLICAR A POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM COMO DEFINIR E APLICAR A POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Julho/ 2011 Definição de Política: Como Definir e Aplicar a Política da Assistência de Enfermagem - Conjunto dos fenômenos e das práticas

Leia mais

MEDO INFANTIL: A SAÚDE MENTAL DA CRIANÇA HOSPITALIZADA- UM DEVER DE TODOS

MEDO INFANTIL: A SAÚDE MENTAL DA CRIANÇA HOSPITALIZADA- UM DEVER DE TODOS MEDO INFANTIL: A SAÚDE MENTAL DA CRIANÇA HOSPITALIZADA- UM DEVER DE TODOS Carolina Soares Debom Cristiane Dias Waischunng Fernanda Jaeger Priscila Moura Serratte Orientadora: Profª Ms. Cláudia Galvão Mazoni

Leia mais

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Brinquedoteca - Espaço Criativo e de Vivências Lúdicas Resumo Em pediatria, a hospitalização em decorrência

Leia mais

VAMOS PARA O PÁTIO? O LUGAR DA BRINCADEIRA NA ESCOLA RESUMO

VAMOS PARA O PÁTIO? O LUGAR DA BRINCADEIRA NA ESCOLA RESUMO VAMOS PARA O PÁTIO? O LUGAR DA BRINCADEIRA NA ESCOLA PRATI, Angela Comassetto Felippeto; KRUEL, Cristina Saling Mat. 2450291 ; Mat.14054 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Acadêmica do Curso de Psicologia

Leia mais

VELHICE E INSTITUCIONALIZAÇÃO: INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA CINOTERAPIA 1

VELHICE E INSTITUCIONALIZAÇÃO: INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA CINOTERAPIA 1 VELHICE E INSTITUCIONALIZAÇÃO: INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA CINOTERAPIA 1 RODRIGUES,Vanusa 2 ;MENDES,Daniele 2 ;SANTIAGO,Ricardo 2 ;SMEHA,Luciane 3 1 Trabalhode Pesquisa e Extensão_UNIFRA 2 Curso

Leia mais

ATIVIDADE EDUCATIVA NA SALA DE ESPERA: UNINDO CONHECIMENTOS PARA PROMOVER A AMAMENTAÇÃO

ATIVIDADE EDUCATIVA NA SALA DE ESPERA: UNINDO CONHECIMENTOS PARA PROMOVER A AMAMENTAÇÃO ATIVIDADE EDUCATIVA NA SALA DE ESPERA: UNINDO CONHECIMENTOS PARA PROMOVER A AMAMENTAÇÃO SANTOS, Norrama Araújo I ; SANTOS, Simone Silva dos II ; BARCELOS, Ivanildes Solange da Costa III ; SOUZA, Marise

Leia mais

DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PRÉ-TREINAMENTO PARA MEDICAÇÕES ENDOVENOSAS

DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PRÉ-TREINAMENTO PARA MEDICAÇÕES ENDOVENOSAS DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PRÉ-TREINAMENTO PARA MEDICAÇÕES ENDOVENOSAS Ana Leticia Dias Semtchuk 1 ; Gabryella Caparós Pimentel 2 ; Lilian Gatto 3 ; Willian Augusto de Melo 4 RESUMO: A Educação Permanente

Leia mais

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO Roberta Oliveira Barbosa Ribeiro- Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - São Paulo. Ana Catarina

Leia mais

CONCEITO. Despertar a potencialidade de indivíduos

CONCEITO. Despertar a potencialidade de indivíduos CONCEITO Despertar a potencialidade de indivíduos Utilizar a Arte como meio de comunicação e expressão e a Cultura no resgate de histórias de vida e valores 17 anos de atuação 231 mil atendimentos ARTE

Leia mais

A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROCESSO ASSISTENCIAL À FAMÍLIA DE RECÉM-NASCIDO DE RISCO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA.

A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROCESSO ASSISTENCIAL À FAMÍLIA DE RECÉM-NASCIDO DE RISCO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROCESSO ASSISTENCIAL À FAMÍLIA DE RECÉM-NASCIDO DE RISCO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. Diniz, Alice Teixeira 1 ; Medeiros, Rita de Cássia Noronha 1 ; Rolim, Karla Maria Carneiro

Leia mais

criança no processo saúde-doença e que vêm orientando a prática pediátrica. Essas perspectivas influenciam a visão dos profissionais sobre o ser

criança no processo saúde-doença e que vêm orientando a prática pediátrica. Essas perspectivas influenciam a visão dos profissionais sobre o ser Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 O Lúdico e o Convívio com a Infância Doente: Etapa EIC Hospitais Área Temática de Saúde Resumo Este

Leia mais

Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas

Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas Hospital do Coração Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas Rosa Bosquetti Coordenadora de Enfermagem Unidade Coronariana O Hospital O Hospital O Hospital HCor: missão, visão e valores

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1

CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1 CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1 BENDER, Leticia Silmara 2 ; MARZARI, Carla 3 ; MENEGAZZI, Bruna Boff 4 ; NEVES, Bruna Sartori 5 ; QUADROS,

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

INTERVENÇÕES LÚDICAS COM PACIENTES HEMATO-ONCOLÓGICOS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

INTERVENÇÕES LÚDICAS COM PACIENTES HEMATO-ONCOLÓGICOS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 INTERVENÇÕES LÚDICAS COM PACIENTES HEMATO-ONCOLÓGICOS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 VIERO, Natieli Cavalheiro²; PERES, Roger Rodrigues³; GRECO, Patricia Bitencourt Toscani 4 ; SOCCOL, Keity Laís Siepmann

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina LEITURA NO HOSPITAL: EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Marcia Marques da Silva Carvalho 1, Vilma Aparecida Feliciano de Jesuz

Leia mais

HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA Francisco Junio do Nascimento 1, Sheron Maria Silva Santos 1, Jose Thiago Gois de Alencar 1, Ivanildo do Carmo

Leia mais

A ATUAÇÃO DO VISITADOR DO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA RS (2012)¹

A ATUAÇÃO DO VISITADOR DO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA RS (2012)¹ A ATUAÇÃO DO VISITADOR DO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA RS (2012)¹ VIERA², Géssica Bordin; MACHADO², Rafaela Oliveira; PASIN³, Juliana Saibt Martins. 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

GRUPO OPERATIVO DE INFORMAÇÃO

GRUPO OPERATIVO DE INFORMAÇÃO GRUPO OPERATIVO DE INFORMAÇÃO 2009 Trabalho apresentado como requisito parcial da disciplina PROCESSOS GRUPAIS, sob a orientação da Educanda Cristina Elizabete Bianca Tinoco Silva Estudante do curso de

Leia mais

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS MÃES ACOMPANHANTES DAS CRIANÇAS COM CÂNCER ATENDIDAS NA CASA DA CRIANÇA SOBRE A ATIVIDADE LÚDICA

A PERCEPÇÃO DAS MÃES ACOMPANHANTES DAS CRIANÇAS COM CÂNCER ATENDIDAS NA CASA DA CRIANÇA SOBRE A ATIVIDADE LÚDICA 6CCSDESPPOUT01 A PERCEPÇÃO DAS MÃES ACOMPANHANTES DAS CRIANÇAS COM CÂNCER ATENDIDAS NA CASA DA CRIANÇA SOBRE A ATIVIDADE LÚDICA Wítalla Meirelles Gomes Cardoso (1); Wilson Eduardo Cavalcante Chagas (2);

Leia mais

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Aline Paula

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

Noemi Marisa Brunet Rogenski Diretora da Divisão de Enfermagem Cirúrgica do HU-USP

Noemi Marisa Brunet Rogenski Diretora da Divisão de Enfermagem Cirúrgica do HU-USP Noemi Marisa Brunet Rogenski Diretora da Divisão de Enfermagem Cirúrgica do HU-USP Missão do HU Cuidar de quem cuida: cases de sucesso Desenvolver atividades de ensino e pesquisa na área de saúde e assistência

Leia mais

A brincadeira na vida da criança

A brincadeira na vida da criança A brincadeira na vida da criança A brincadeira, é parte do crescimento e desenvolvimento da criança, além de ser uma de suas necessidades básicas. 1 A criança precisa brincar porque através da brincadeira,

Leia mais

A BRINQUEDOTECA HOSPITALAR E A RECUPERAÇÃO DE CRIANÇAS INTERNADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A BRINQUEDOTECA HOSPITALAR E A RECUPERAÇÃO DE CRIANÇAS INTERNADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A BRINQUEDOTECA HOSPITALAR E A RECUPERAÇÃO DE CRIANÇAS INTERNADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Greice Kely Oliveira de Souza Enfermeira; Especialista em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal e Pediátrico

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO BEM ESTAR E SAÚDE ANIMAL NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO BÁSICO DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB

EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO BEM ESTAR E SAÚDE ANIMAL NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO BÁSICO DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO BEM ESTAR E SAÚDE ANIMAL NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO BÁSICO DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB Luana da Silva Barbosa 1 ; Benedito Marinho da Costa Neto 2 ; Alfredo Rosas de Lima

Leia mais

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Ana Rita Marinho Machado. UFG/ Campus Goiânia. anaritamachado.doutorado@yahoo.com.br Denize Bouttelet MUNARI.

Leia mais

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Família Secretaria Municipal de Saúde CASC - Centro de Atenção a Saúde Coletiva Administração Municipal Horizontina RS Noroeste do Estado Distante 520 Km da

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

A COMPANHIA DA ALGAZARRA E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO SAÚDE DOENÇA DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS EM UM HOSPITAL PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA CE.

A COMPANHIA DA ALGAZARRA E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO SAÚDE DOENÇA DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS EM UM HOSPITAL PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA CE. A COMPANHIA DA ALGAZARRA E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO SAÚDE DOENÇA DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS EM UM HOSPITAL PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA CE. Joyce Benevides Lima Acadêmica PET/ENFERMAGEM/UECE¹ Lorena

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO PACIENTE ONCOLÓGICO E O TRABALHO VOLUNTÁRIO

FUNDAÇÃO DE APOIO AO PACIENTE ONCOLÓGICO E O TRABALHO VOLUNTÁRIO FUNDAÇÃO DE APOIO AO PACIENTE ONCOLÓGICO E O TRABALHO VOLUNTÁRIO Natiele Prochnau 1 RESUMO: O tratamento oncológico é permeado por dificuldades que transcendem os muros hospitalares, englobando informações

Leia mais

A recreação hospitalar sob o olhar interdisciplinar como forma terapêutica

A recreação hospitalar sob o olhar interdisciplinar como forma terapêutica A recreação hospitalar sob o olhar interdisciplinar como forma terapêutica Sheila Regina Zwaretck UNICENTRO sheila_zwaretck@hotmail.com Eixo temático: Conhecimento Interdisciplinar Introdução O lazer como

Leia mais

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Trabalho de curso 2014 Herminia Dias de Freitas Lahana Giacomini de Vasconcellos Luciana Stefano Acadêmica

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4.

ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4. ESPAÇO DE COMPARTILHAMENTOS SOBRE O ADOLESCER COM HIV/AIDS ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4. ¹ Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa

Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa Valcenir Silva Bernanrdo vanessadelvale@doctum.edu.br Vanessa Del Vale Pinto vanessadelvale@doctum.edu.br Flávia Rodrigues

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS BRINQUEDISTAS HOSPITALARES NAS CONCEPÇÕES DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

AS CONTRIBUIÇÕES DOS BRINQUEDISTAS HOSPITALARES NAS CONCEPÇÕES DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE AS CONTRIBUIÇÕES DOS BRINQUEDISTAS HOSPITALARES NAS CONCEPÇÕES DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Resumo: KAILER, Priscila Gabriele da Luz - UEPG priscila.kailer@gmail.com MIZUNUMA, Samanta UEPG samanta.mizunuma@hotmail.com

Leia mais

Agenda. Escola de Enfermagem da USP promove ciclo de seminários no Programa de Aperfeiçoamento de Ensino

Agenda. Escola de Enfermagem da USP promove ciclo de seminários no Programa de Aperfeiçoamento de Ensino Serviços Agenda Programe-se para participar dos principais eventos da Enfermagem Escola de Enfermagem da USP promove ciclo de seminários no Programa de Aperfeiçoamento de Ensino A Escola de Enfermagem

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 COMO TUDO COMEÇOU: Demanda da Coordenadora do Voluntariado

Leia mais

A HUMANIZAÇÃO ATRAVÉS DO RISO E DA ALEGRIA: CONCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE

A HUMANIZAÇÃO ATRAVÉS DO RISO E DA ALEGRIA: CONCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE A HUMANIZAÇÃO ATRAVÉS DO RISO E DA ALEGRIA: CONCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE LIMA, Irlana Andresa Macedo de ¹; NÓBREGA, Thaís da Costa ²; OLIVEIRA, Iaponira Cortez Costa de ³. RESUMO Este estudo teve

Leia mais

QUEIMADOS E IMAGEM CORPORAL: ABORDAGEM DO TERAPEUTA OCUPACIONAL

QUEIMADOS E IMAGEM CORPORAL: ABORDAGEM DO TERAPEUTA OCUPACIONAL QUEIMADOS E IMAGEM CORPORAL: ABORDAGEM DO TERAPEUTA OCUPACIONAL INTRODUÇÃO Marcela Maria Medeiros De Melo Silvia Karla Bezerra De Lima Estima-se que em torno de 1 milhão de pessoas sejam acometidas por

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL Larissa Camila Dianin 3 Paolla Furlan Roveri 2 Darci

Leia mais

PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO

PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO Janaíne Chiara Oliveira Moraes Universidade Federal da Paraíba;

Leia mais

PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE

PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE Marcela Cristina Vergilio Lipori 1 Renan Augusto de Ramos 2 Clóris Regina Blanski Grden 3 Emanoel Severo 4 Lílian Maria Pinheiro

Leia mais

TÉCNICAS E RECURSOS DA PSICOLOGIA APLICADAS NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DO PARANÁ

TÉCNICAS E RECURSOS DA PSICOLOGIA APLICADAS NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DO PARANÁ TÉCNICAS E RECURSOS DA PSICOLOGIA APLICADAS NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DO PARANÁ Vieira AA¹,* Maiorki S,¹ Xavier LR¹, Dallalana, TM². 1 Psicóloga Residente Programa Urgência e Emergência

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

PLANO DE CURSO. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Pré-requisito:

PLANO DE CURSO. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Pré-requisito: CURSO DE ENFERMAGEM R e c o n h e c i d o p e l a P o r t a r i a n º 2 7 0 d e 1 3 / 1 2 / 1 2 D O U N º 2 4 2 d e 1 7 / 1 2 / 1 2 S e ç ã o 1. P á g. 2 0 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA

Leia mais

Eutanásia e Luto. dos responsáveis em Oncologia Veterinária. Profa. Dra. Renata A Sobral

Eutanásia e Luto. dos responsáveis em Oncologia Veterinária. Profa. Dra. Renata A Sobral Eutanásia e Luto dos responsáveis em Oncologia Veterinária Profa. Dra. Renata A Sobral Oncologia Relação direta! Cancêr : Morte O medo. A apreensão. Veterinário oncologista - ponto de vista particular!

Leia mais

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*)

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*) Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*) Cristiane Vaucher(**) Enfermeira. Membro do Comitê de Implantação da SAE no INCA IV Jornada de Enfermagem em Oncologia

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral 2º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus Enfª Érika Moreti Campitelli Antineoplásico oral: Atualmente

Leia mais