Abstract Resumo. Vasectomia sem bisturi experiência ambulatorial. No-scalpel vasectomy out-patient experience

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Abstract Resumo. Vasectomia sem bisturi experiência ambulatorial. No-scalpel vasectomy out-patient experience"

Transcrição

1 No-scalpel vasectomy out-patient experience novas tecnologias Abstract Resumo Projeto piloto, não-comparativo para avaliar a experiência regional da vasectomia sem bisturi como um método contraceptivo permanente em um serviço de planejamento familiar, em nível ambulatorial, que poderia ser realizada por ginecologistas e médicos generalistas. Métodos: O estudo foi realizado no Serviço de Planejamento Familiar do Hospital Municipal de Ituiutaba, Minas Gerais, em convênio com o Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Universidade Federal de Minas Gerais, aprovado pelo Conselho de Ética daquele Hospital Após ações educativas sobre todos os métodos contraceptivos, escolha espontânea do método pelo casal com assinatura de consentimento pós-informado, foram submetidos à vasectomia 181 pacientes com a idade variando de 25 a 52 anos, em um período de dois anos. Os procedimentos foram realizados em regime ambulatorial. Dos 181 casos operados, houve um caso de reanastomose espontânea que foi submetido à nova cirurgia, dois pacientes apresentaram epididimites que foram resolvidas com antibióticos e um caso de pequeno hematoma, que solucionou espontaneamente. Conclusão: A vasectomia sem bisturi demonstrou ser um método seguro, simples, com boa aceitabilidade, apresentando pequenos índices de falhas e de complicações que pode ser realizada por ginecologistas ou médicos generalistas num ambiente de ambulatório. A pilot, non-comparative study to evaluate the no-scalpel vasectomy as a permanent contraceptive method in a family planning service which could be performed as an outpatient procedure, by gynecologists, obstetricians and general practitioners. This study was developed in the Family Planning Service of the Hospital Municipal of Ituiutaba, Minas Gerais, by the Departament of Gynecology and Obstetrics of the Universidade Federal de Minas Gerais, approved by the Ethical Council of that hospital. Being informed of all contraceptive methods available, a spontaneous choice of the method was made by the couple and after a post-informed consent was signed, 181 subjects aged between 25 and 52 years were submitted to surgery in a period of two years. The procedures were performed in an out-patient clinic. Among the 181 patients operated on, there was one case of spontaneous reanastomosis, which was submitted to a new surgery, two subjects developed epididymitis treated and cured by antibiotics and one case of small post-op hematoma that had a spontaneous resolution. The no-scalpel vasectomy technique is a simple, safe and well accepted procedure with very low incidence of failure and complications that can be performed by a gynecologist or a general practitioner in an out-patient clinic. Márcio Gomes Vilela João Lúcio dos Santos Júnior João Gilberto de Castro e Silva Palavras-chave Vasectomia sem bisturi Contracepção Planejamento familiar Keywords No-scalpel vasectomy Contraception Family planning Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Universidade Federal de Minas Gerais FEMINA Setembro 2007 vol 35 nº 9 599

2 Introdução Vasectomia é um método seguro, simples e eficaz para contracepção masculina permanente e comparada à laqueadura tubária, se mostra mais segura, mais eficaz e de menor custo. A vasectomia tradicional é realizada desde o final do século XIX, mas em 1974, a vasectomia sem a utilização do bisturi foi praticada, e desenvolvida na China, por Li Shunquiang e em 1985 essa técnica foi difundida ao ocidente. Nos Estados Unidos, 30% das vasectomias são realizadas usando a técnica sem bisturi ( no-scalpel vasectomy ) (Pollack et al., 1998; Sokal et al.,1999; Barone et al., 2006). Esta técnica foi realizada por ginecologistas, obstetras e outros especialistas em muitos países, devido Tabela 1- Distribuição dos pacientes em relação á idade Idade pacientes % % % % Total % Figura 1 - Pinça em anel apreendendo tecido cutâneo e ducto deferente Figura 2 - Punção do ducto deferente com a pinça afilada. à simplicidade para sua execução, estimulando a médicos de família e a generalistas a realizarem este procedimento. Considerando a sua simplicidade, pode ser efetuada em regime ambulatorial. Pacientes e métodos Um total de 181 pacientes foram submetidos à cirurgia com idades entre 25 e 52 anos, no período de dois anos (Tabela 1). Num primeiro momento, os pacientes foram submetidos a ações educativas realizadas por profissionais devidamente treinados (psicóloga, enfermeira, assistente social), para o conhecimento de todos os métodos contraceptivos disponíveis, possibilitando sua livre decisão do método a ser utilizado. Todas as cirurgias foram realizadas 60 dias após a ação educativa do casal. Os pacientes foram orientados a realizarem espermogramas 90 dias após cirurgia. Todos os patientes realizaram um ou mais espermogramas para a comprovação da azoespermia. Para vasectomia sem bisturi, são necessárias duas pinças especiais, em anel e afiladas, para a apreensão, punção e liberação do ducto deferente na região escrotal. Inicia-se o procedimento realizando a antissepsia e um pequeno botão anestésico é feito na rafe mediana com xilocaína a 2% sem vasoconstrictor. Para a localização dos ductos deferentes e seu posicionamento ao nível da rafe mediana, utiliza-se manobra atualmente conhecida como técnica dos três dedos (Li et al.,1991; Castro,1994). Com a pinça em anel, realiza-se a apreensão da pele na rafe mediana e do ducto deferente na região escrotal, sem provocar injúria no tecido cutâneo (Figura 1). Em seguida utiliza-se a pinça de pontas afiladas para punção e o isolamento do ducto deferente (Figura 2). Após isolar o ducto deferente procede-se à retirada de um fragmento de aproximadamente dois centímetros e a ligadura com emprego do fio de sutura vicryl 4-0, para evitar a formação de granuloma, similar à técnica da vasectomia tradicional (Figura 3). O procedimento cirúrgico em cada deferente é realizado em tempos distintos (Figura 4). A vasectomia sem utilização do bisturi é um procedimento que dura de 5 a 15 minutos não necessitando de sutura da pele e nem de antibioticoterapia profilática (Seenu & Hafiz, 2005). Os pacientes foram orientados a colocar gelo no local durante 15 minutos, de hora em hora durante as primeiras 6 horas de pós-operatório, e a usar um suporte escrotal. O controle pós-operatório é realizado no 7 dia, quando o paciente é liberado para a atividade sexual. É informado 600 FEMINA Setembro 2007 vol 35 nº 9

3 Figura 3 - Isolamento e ligadura do ducto deferente. Figura 4 - Localização do ducto deferente pela técnica dos três dedos. ao casal a necessidade de continuar a usar outro método anticoncepcional só interrompendo após a realização do espermograma e a comprovação da azoospermia. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética do Hospital Municipal de Ituiutaba MG. Resultados Dos 181 pacientes submetidos à vasectomia sem bisturi, 177 pacientes não apresentaram nenhuma complicação pós-operatória, ficando constatada a azoospermia após 90 dias da cirurgia. Dois pacientes apresentaram epididimites transitórias, após 10 dias do ato cirúrgico e foram tratados com antiinflamatório e antibioticoterapia. Houve um caso de hematoma pequeno que resolveu espontaneamente após 7 dias e um caso de recanalização espontânea que foi reoperado após a confirmação da presença de espermatozóides móveis no espermograma. Nestes quatro casos que desenvolveram complicações, foi confirmada a azoospermia 90 dias após a cirurgia. Discussão As complicações pós-operatórias nesta cirurgia são geralmente de pequena incidência: na vasectomia tradicional, o índice de infecção é de 1,1%, resultado semelhante ao encontrado no presente trabalho utilizando a técnica da vasectomia sem bisturi, maior portanto do que o índice de 0,4% encontrado por outros autores para esta mesma técnica cirúrgica (Pollack et al.,1998; Sokal et al.,1999). A incidência de hematomas no presente estudo foi de 0,5%, menor que a encontrada na literatura que é de 2% para a vasectomia sem bisturi e de 12% na técnica tradicional (Sokal et al.,1999). O índice de falha do método informado pela literatura varia de 0,2 a 0,4%, sendo que o percentual do presente trabalho foi de 0,5%, o que mostra a efetividade do método. As principais complicações são portanto a formação de hematoma, granuloma e epididimite transitória, que podem ser evitadas com uma boa assepsia, hemostasia e pequeno trauma tecidual (Seenu & Hafiz, 2005). Na vasectomia sem bisturi existe uma maior aceitabilidade por parte dos pacientes, devido ao menor desconforto, ausência de incisão e de sutura na pele. Apesar de ser orientado aos pacientes como técnica de contracepção permanente, também na técnica sem bisturi é possível ser realizada a reversão cirúrgica futura, embora as taxas de nascimentos vivos sejam influenciadas por diversos fatores como idade, tempo da realização da vasectomia, o comprimento do ducto deferente remanescente e o método de oclusão usado. A vasectomia sem bisturi é apenas um método de acesso ao ducto deferente na bolsa escrotal: uma vez localizado e isolado, pode-se usar qualquer método de oclusão: ligadura, cauterização, clips ou laser. Considerações finais A vasectomia sem bisturi é um método seguro, simples, eficaz e factível de ser realizado necessitando apenas de uma estrutura ambulatorial para sua realização. FEMINA Setembro 2007 vol 35 nº 9 601

4 Leituras suplementares 1. Association for Voluntary Surgical Contraception. No-Scalpel Vasectomy 3th ed. New York: EngenderHealth, Li SQ, Goldstein M, Zhu J, Huber D. The no-scalpel vasectomy. J Urol 1991; 145: Barone MA, Hutchison PC, Johnson CH, et al. Vasectomy in United States, J Urol 2006;176: Castro MPP. Vasectomia Moderna. São Paulo {s.e.}, 1 ed. 1994, 20p. Chawla A, Bowles B, Zini A. Vasectomy follow-up: Clinical significance of rare non motile sperm in postoperative sêmen analysis. Urology 2004; 64: Labrecque M, Dufresne C, Barone M, Saint-Hilaire K. vasectomy surgical techniques: a systematic review. BMC Med 2004; 2: Pollack AE, Carignan C, Pati S. What s new with sterilization: an update. Contemporary Ob/Gyn 1998; 43(7): Seenu V, Hafiz A. Routine antibiotics is not necessary for no sacalpel vasectomy. Int Urol Nephrol 2005; 37(4): Sokal D, McMullen S, Gates D, Dominik R. A comparative study of the no-scalpel and standard incision approaches to vasectomy in 5 countries. The Male Sterilization Investigator Team. J Urol 1999; 162: Comunicado Eleições Início do Processo Eleitoral da Febrasgo 2008 O Presidente da FEBRASGO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 24, inciso V, combinado com o artigo 59, do Estatuto Social, torna público aos associados da Entidade, o início do processo eleitoral, sendo a data de 23/11/2007, o prazo máximo para a inscrição das chapas dos candidatos concorrentes. Todos os procedimentos relativos ao processo eleitoral estão determinados pelo Regimento Eleitoral da FEBRASGO. 602 FEMINA Setembro 2007 vol 35 nº 9 Nilson Roberto de Melo Presidente

5

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

-VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO - OBRIGATORIAMENTE NECESSÁRIO PARA CIRURGIA DE VASECTOMIA.

-VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO - OBRIGATORIAMENTE NECESSÁRIO PARA CIRURGIA DE VASECTOMIA. Após Preenchimento entregar: ORIGINAL NA ULP; 01 CÓPIA P/ HOSPITAL; 01 CÓPIA P/ MÉDICO. -VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO - OBRIGATORIAMENTE NECESSÁRIO PARA CIRURGIA DE VASECTOMIA. DECLARAÇÃO DO

Leia mais

Características dos homens submetidos à vasectomia no serviço de

Características dos homens submetidos à vasectomia no serviço de Características dos homens submetidos à vasectomia no serviço de urologia do Departamento de Medicina da Universidade Estadual de Maringá,, Maringá, Estado do Paraná Willian Setsumi Taguchi 1, Manoel Gustavo

Leia mais

PROCEDIMENTO INFORMADO INTERVENÇÃO DE LAQUEADURA TUBÁRIA OU VASECTOMIA

PROCEDIMENTO INFORMADO INTERVENÇÃO DE LAQUEADURA TUBÁRIA OU VASECTOMIA ANEXO I (NORM.TEC.Nº018/2008/DIR - Ref.: Critérios para liberação de Vasectomia e Laqueadura) TERMO DE CONSENTIMENTO PÓS-INFORMADO PARA REALIZAÇÃO DE PROCEDIMENTO MÉDICO DECLARANTE PROCEDIMENTO INFORMADO

Leia mais

Diretrizes Para Indicação de Esterilização Masculina Pelo Médico de Família e Comunidade

Diretrizes Para Indicação de Esterilização Masculina Pelo Médico de Família e Comunidade Diretrizes Para Indicação de Esterilização Masculina Pelo Médico de Família e Comunidade Autores: Adolfo Oscar Gigglberger Bareiro Hamilton Lima Wagner Supervisão: Airton Tetelbom Stein Eno Dias de Castro

Leia mais

Esterilização Masculina: Indicação

Esterilização Masculina: Indicação Esterilização Masculina: Indicação Autoria: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade Sociedade Brasileira de Genética Médica Sociedade Brasileira de Urologia Elaboração Final: 30 de maio

Leia mais

Prevalência e Caracterização dos Indivíduos que realizaram. Vasectomia no Hospital de Santo António Centro Hospitalar do Porto

Prevalência e Caracterização dos Indivíduos que realizaram. Vasectomia no Hospital de Santo António Centro Hospitalar do Porto Prevalência e Caracterização dos Indivíduos que realizaram Vasectomia no Hospital de Santo António Centro Hospitalar do Porto Mónica Melissa Miranda Loureiro Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 HIPERPLASIA MAMÁRIA FELINA: CASOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DE UBERABA DE 2005 A 1015 DEBORAH VIEIRA DE SOUSA ROSIM 1, ENDRIGO GABELLINI LEONEL ALVES 1, IAN MARTIN 1 ; LARYSSA COSTA REZENDE 1

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia

Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia Oftalmologia - Vol. 38: pp.7- Artigo Original Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia Mónica Franco, Cristina Pereira, Luisa Colaço, Raquel Seldon 2, Ana Vide Escada 2, Gabriela Varandas 3, Maria

Leia mais

Métodos contraceptivos

Métodos contraceptivos Métodos contraceptivos http://www.youtube.com/watch?v=igloovv-kc8 Professor: Gil Amaro Aluna: Thalyta M. Baptista Disciplina: Estratégias de Ensino em Biologia Os métodos contraceptivos podem ser divididos

Leia mais

Espaço Saúde. Onde está o meu médico. Laqueação de trompas. Vasectomia. Porque chora o meu bebé? P Á G. 7 recomendações para evitar o cancro de pele

Espaço Saúde. Onde está o meu médico. Laqueação de trompas. Vasectomia. Porque chora o meu bebé? P Á G. 7 recomendações para evitar o cancro de pele PÁG. 4 Espaço Saúde N º 6 J U L H O A S E T E M B R O DE 2 0 1 3 Nesta altura do ano, saiba as principais P Á G. 7 recomendações para evitar o cancro de pele Laqueação de trompas VS Vasectomia Onde está

Leia mais

Victor Silvano Resende. Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica

Victor Silvano Resende. Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica Victor Silvano Resende Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica Brasília 2014 Victor Silvano Resende Estabilidade da margem gengival após cirurgia

Leia mais

FRENULOPLASTIA BÁLANO-PREPUCIAL E FRENULOTOMIA: estudo comparativo FERNANDO DA ROCHA CAMARA/UNESP ADRIANO DIAS/UNESP

FRENULOPLASTIA BÁLANO-PREPUCIAL E FRENULOTOMIA: estudo comparativo FERNANDO DA ROCHA CAMARA/UNESP ADRIANO DIAS/UNESP FRENULOPLASTIA BÁLANO-PREPUCIAL E FRENULOTOMIA: estudo comparativo FERNANDO DA ROCHA CAMARA/UNESP ADRIANO DIAS/UNESP RESUMO: O frenulo bálano prepucial, quando curto é causa de dispareunia masculina, sede

Leia mais

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA IVX CONGRESSO PAULISTA DE GINECOLOGIA E OBSTETRICIA CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA Lesão intra-epitelial de alto grau:hsil: Qual o significado? NIC

Leia mais

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido Eu, RG n solicito e autorizo o Dr. Fausto A. de Paula Jr, CRM-SP 103073, medico otorrinolaringologista,

Leia mais

PESQUISA. Vasectomia: perfil dos candidatos à cirurgia em um Hospital Escola do Recife-PE

PESQUISA. Vasectomia: perfil dos candidatos à cirurgia em um Hospital Escola do Recife-PE PESQUISA Vasectomia: perfil dos candidatos à cirurgia em um Hospital Escola do Recife-PE Vasectomy: profile of candidates for surgery in a teaching hospital in Recife-PE Vasectomía: perfil de los candidatos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MÉDICO VETERINÁRIO NO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

A IMPORTÂNCIA DO MÉDICO VETERINÁRIO NO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA 1 A IMPORTÂNCIA DO MÉDICO VETERINÁRIO NO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA ADAM CHRISTIAN SOBREIRA DE ALENCAR WIDMER 1, RODRIGO VIANA SEPÚLVEDA 1, ISABELE LIMA PEREIRA 1 PAULA DIAS BEVILACQUA 1, ANDRÉA PACHECO

Leia mais

CUIDADO PREVENTIVO EM PRECAUÇÕES DE CONTATO: ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1

CUIDADO PREVENTIVO EM PRECAUÇÕES DE CONTATO: ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1 CUIDADO PREVENTIVO EM PRECAUÇÕES DE CONTATO: ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene 3 ; MISTURA, Claudelí 4 ; ROSO, Camila Castro 5

Leia mais

ANEXO 1. Aprovação no Comitê de Ética em Pesquisa (CEP-UNIFESP)

ANEXO 1. Aprovação no Comitê de Ética em Pesquisa (CEP-UNIFESP) 94 95 96 97 ANEXO 1 Aprovação no Comitê de Ética em Pesquisa (CEP-UNIFESP) 98 99 Anexo 2 Termo de consentimento livre e esclarecido Consentimento informado para realização de Estudo Eletrofisiológico e

Leia mais

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO GUIZELINI, L.H.; PEREIRA, N.T.C. RESUMO A mastectomia pode

Leia mais

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br LEITE, Gisele Bueno da Silva; MOURA, Karla Senger Pinto de; DORNELAS, Lilian Maria Candido de Souza; BORGES, Juliana Bassalobre Carvalho. Atuação

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA COMPARAÇÃO DA FREQÜÊNCIA DE BLOQUEIO DA DRENAGEM VENOSA EM FÍGADOS TRANSPLANTADOS PELOS MÉTODOS CONVENCIONAL OU PIGGYBACK

PROJETO DE PESQUISA COMPARAÇÃO DA FREQÜÊNCIA DE BLOQUEIO DA DRENAGEM VENOSA EM FÍGADOS TRANSPLANTADOS PELOS MÉTODOS CONVENCIONAL OU PIGGYBACK PROJETO DE PESQUISA COMPARAÇÃO DA FREQÜÊNCIA DE BLOQUEIO DA DRENAGEM VENOSA EM FÍGADOS TRANSPLANTADOS PELOS MÉTODOS CONVENCIONAL OU PIGGYBACK Pesquisador Responsável: Dr. Paulo Celso Bosco Massarollo PROJETO

Leia mais

OTOPLASTIA ESTÉTICA (CIRURGIA DE ORELHA):

OTOPLASTIA ESTÉTICA (CIRURGIA DE ORELHA): OTOPLASTIA ESTÉTICA (CIRURGIA DE ORELHA): A orelha em abano é uma deformidade que pode ser encontrada em vários membros de uma mesma família, constituindo-se em uma característica estigmatizante e que

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

DO TERMO DE CONSENTIMENTO

DO TERMO DE CONSENTIMENTO : DO TERMO DE CONSENTIMENTO AO CHECK LIST E fªl i Li Enfª Luciana Lima Hospital Procardíaco Aliança Mundial para Segurança do paciente Cirurgias seguras salvam vidas Check list baseado nas recomendações

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS 1. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Os métodos contraceptivos são utilizados por pessoas que têm vida sexual ativa e querem evitar uma gravidez. Além disso, alguns

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

16/03/12 INTRODUÇÃO OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS MATERIAL E MÉTODOS

16/03/12 INTRODUÇÃO OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS MATERIAL E MÉTODOS PROFILAXIA ANTIBIÓTICA EM CIRURGIA DE TERCEIROS MOLARES (Antibioticoterapia profilática) Mestrandos: Érika Maria Carvalho Bitencourt Iury Oliveira Castro Rafaella Mosquera Chaves Thiago Oliveira Sousa

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Parto vaginal após cirurgia cesariana

Parto vaginal após cirurgia cesariana Parto vaginal após cirurgia cesariana Um guia para a ajudar a decidir-se C A R E N E W E N G L A N D Se tiver dado à luz a um ou dois bebês pela cirurgia cesariana no passado, você pode ter duas opções

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS

SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS FASCÍCULO DO BENEFICIÁRIO VERSÃO 2013 Instituto Curitiba de Saúde ICS - Plano Padrão ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. CONSULTA/ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA EM PRONTO ATENDIMENTO

Leia mais

PLANEJAMENTO FAMILIAR: atenção à saúde do Bombeiro Militar no Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ)

PLANEJAMENTO FAMILIAR: atenção à saúde do Bombeiro Militar no Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) PLANEJAMENTO FAMILIAR: atenção à saúde do Bombeiro Militar no Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) Janaína dos Santos Rodrigues B. de Souza 1 Carolina Smith de Vasconcelos 2

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE CARACTERÍSTICAS DO ESTABELECIMENTO

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE CARACTERÍSTICAS DO ESTABELECIMENTO I SOLICITAÇÃO DE: INSCRIÇÃO REGISTRO CADASTRO ATUALIZAÇÃO DE DADOS: (a cargo do CRM) II 1 Razão Social IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE 2 Designação de Fantasia / Nome Usual 3 Endereço 4 Município

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH Duolao Wang; Ameet Bakhai; Angelo Del Buono; Nicola Maffulli Muscle, Tendons and Ligaments Journal, 2013 Santiago A. Tobar L., Dsc. Why to determine the

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. GABINETE DO MINISTRO Portaria nº 572/GM Em 1 de junho de 2000

MINISTÉRIO DA SAÚDE. GABINETE DO MINISTRO Portaria nº 572/GM Em 1 de junho de 2000 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO Portaria nº 572/GM Em 1 de junho de 20 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 569/GM, de 1º de junho

Leia mais

AULA DE RUFIÕES. Prof. Emerson Antonio Contesini Disciplina de Técnica Cirúrgica Faculdade de Veterinária - UFRGS

AULA DE RUFIÕES. Prof. Emerson Antonio Contesini Disciplina de Técnica Cirúrgica Faculdade de Veterinária - UFRGS AULA DE RUFIÕES Prof. Emerson Antonio Contesini Disciplina de Técnica Cirúrgica Faculdade de Veterinária - UFRGS DEFINIÇÃO É o animal utilizado para controle de matrizes no estro, com machos preparados

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA DEBORAH COSTA TEIXEIRA PELUCIO SILVA AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao(à)

Leia mais

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL VETERINÁRIO [adaptação à Resolução 11/98 do Conselho Universitário, de 3 de dezembro de 1998] (Aprovado em reunião da Congregação em 15-04-99 e reformulado em 27-10-2000 atendendo

Leia mais

REVERSÃO DE VASECTOMIA OU ICSI

REVERSÃO DE VASECTOMIA OU ICSI REVERSÃO DE VASECTOMIA OU ICSI Na nossa realidade social, é comum a ocorrência de casais com dois ou três filhos, em que o homem opta pela vasectomia como método contraceptivo. Isto tem ocorrido sob a

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

ABDOMINOPLASTIA CIRCUNFERENCIAL E CONVENCIONAL PÓS GRANDE PERDA PONDERAL: EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UFPR NOS ÚLTIMOS DOIS ANOS

ABDOMINOPLASTIA CIRCUNFERENCIAL E CONVENCIONAL PÓS GRANDE PERDA PONDERAL: EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UFPR NOS ÚLTIMOS DOIS ANOS ABDOMINOPLASTIA CIRCUNFERENCIAL E CONVENCIONAL PÓS GRANDE PERDA PONDERAL: EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UFPR NOS ÚLTIMOS DOIS ANOS CIRCUMFERENTIAL AND CONVENTIONAL ABDOMINOPLASTY AFTER MASSIVE

Leia mais

O USO DA ONICOABRASÃO COMO MÉTODO DE AUXÍLIO NA OBTENÇÃO DE AMOSTRAS PARA O DIAGNÓSTICO DA ONICOMICOSE

O USO DA ONICOABRASÃO COMO MÉTODO DE AUXÍLIO NA OBTENÇÃO DE AMOSTRAS PARA O DIAGNÓSTICO DA ONICOMICOSE HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL DE SÃO PAULO O USO DA ONICOABRASÃO COMO MÉTODO DE AUXÍLIO NA OBTENÇÃO DE AMOSTRAS PARA O DIAGNÓSTICO DA ONICOMICOSE ANA FLÁVIA NOGUEIRA SALIBA São Paulo 2012 ANA

Leia mais

Finanças Comportamentais: Diferenças a tolerância de risco entre cônjuges Replicando uma pesquisa e propondo alternativas complementares

Finanças Comportamentais: Diferenças a tolerância de risco entre cônjuges Replicando uma pesquisa e propondo alternativas complementares Roberto Carneiro Gurgel Nogueira Finanças Comportamentais: Diferenças a tolerância de risco entre cônjuges Replicando uma pesquisa e propondo alternativas complementares Dissertação de Mestrado Dissertação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ PARECER Nº 2488/2015 ASSUNTO: CONVÊNIO DETERMINA FIM DE INTERNAÇÃO DE PACIENTE PSIQUIÁTRICO SEM CONDIÇÕES DE ALTA PARECERISTA: CONS. DR. MARCO ANTONIO S. M. RIBEIRO BESSA EMENTA: Prazo de Internação de

Leia mais

Componentes Cerâmicos em Substituições Articulares Protéticas: Onde estamos hoje?

Componentes Cerâmicos em Substituições Articulares Protéticas: Onde estamos hoje? Venha buscar o seu Voucher para 1 Pendrive. Para todos os participantes. Componentes Cerâmicos em Substituições Articulares Protéticas: Onde estamos hoje? Simpósio 4 de Setembro de 2015, das 12:30 as 14:00

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA Efeito da Ausência de Testosterona sobre as Glândulas Sexuais Acessórias (Vesículas seminais e Próstata) em Ratos da Raça Wistar.

Leia mais

Guia Plano de Saúde Agregados

Guia Plano de Saúde Agregados Guia Plano de Saúde Agregados Coberturas O plano de Saúde de Agregados, contratado pela Celos a Unimed Florianópolis, é regulamentado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar e possui segmentação Ambulatorial

Leia mais

Í N D I C E G E R A L. v i i A B R E V I A T U R A S E S I G L A S. v i i i L I S T A D E T A B E L A S E F I G U R A S ix

Í N D I C E G E R A L. v i i A B R E V I A T U R A S E S I G L A S. v i i i L I S T A D E T A B E L A S E F I G U R A S ix Í N D I C E : Í N D I C E G E R A L. v i i A B R E V I A T U R A S E S I G L A S. v i i i L I S T A D E T A B E L A S E F I G U R A S ix R E S U M O. x A B S T R A C T... xi I - I N T R O D U Ç Ã O - 1

Leia mais

PENECTOMIA PARCIAL EM CÃO SRD DEVIDO A ESTENOSE URETRAL: RELATO DE CASO

PENECTOMIA PARCIAL EM CÃO SRD DEVIDO A ESTENOSE URETRAL: RELATO DE CASO 1 PENECTOMIA PARCIAL EM CÃO SRD DEVIDO A ESTENOSE URETRAL: RELATO DE CASO LETÍCIA MELO OLIVEIRA 1, THAMIZA CARLA COSTA DOS SANTOS 1, IAGO MARTINS OLIVEIRA 1, LÉO LINDSAY SOUSA GALVÃO 1, THAYANNE CAROLINA

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Tipos de Anticoncepcionais

Tipos de Anticoncepcionais Tipos de Anticoncepcionais Dr. Orlando de Castro Neto Métodos anticoncepcionais ou métodos contraceptivos são maneiras, medicamentos e dispositivos usados para evitar a gravidez. Muitas vezes o método

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 A FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo Seletivo Simplificado n 002/2012 destinado

Leia mais

METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO

METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO METODOS DE BARREIRA Imobilizam os espermatozóides, impedindo-os de entrar em contato com o óvulo e de haver fecundação. Espermicidas (sob a forma de óvulos,

Leia mais

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

PARECER COREN-SP 039 /2013 CT. PRCI n 102.628. Tickets nºs 283.162, 286.884, 290.846, 292.382, 301.748 e 305.530

PARECER COREN-SP 039 /2013 CT. PRCI n 102.628. Tickets nºs 283.162, 286.884, 290.846, 292.382, 301.748 e 305.530 PARECER COREN-SP 039 /2013 CT PRCI n 102.628 Tickets nºs 283.162, 286.884, 290.846, 292.382, 301.748 e 305.530 Ementa: Realização de sutura e retirada de pontos por profissionais de Enfermagem. 1. Do fato

Leia mais

Como posso melhorar a dor de cabeça? How can I get rid of the headache? O que vai acontecer? What will happen?

Como posso melhorar a dor de cabeça? How can I get rid of the headache? O que vai acontecer? What will happen? Dores de cabeça após uma anestesia epidural ou espinhal O que precisa de saber Este folheto foi criado para lhe dar informações gerais sobre as dores de cabeça (também denominadas cefaleias) que podem

Leia mais

Pontos Básicos para Profissionais de Saúde e Clientes

Pontos Básicos para Profissionais de Saúde e Clientes CAPÍTULO 12 Pontos Básicos para Profissionais de Saúde e Clientes Permanente. A intenção é que proporcione proteção muito efi caz, permanente e pela vida toda contra a gravidez. De modo geral, não é possível

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Universidade Bandeirante de São Paulo Comitê de Pós-Graduação e Pesquisa COMISSÃO DE ÉTICA (Resolução CONSEPE-UNIBAN nº 17/06 de 11/02/2006) FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO

Leia mais

INCLUI E ALTERA PROCEDIMENTOS NA TABELA DE HABILITAÇÕES DO SCNES E NA TABELA DE MEDICAMENTOS DE OPM DO SUS

INCLUI E ALTERA PROCEDIMENTOS NA TABELA DE HABILITAÇÕES DO SCNES E NA TABELA DE MEDICAMENTOS DE OPM DO SUS Circular 446/2009 São Paulo, 02 de dezembro de 2009. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) INCLUI E ALTERA PROCEDIMENTOS NA TABELA DE HABILITAÇÕES DO SCNES E NA TABELA DE MEDICAMENTOS DE OPM DO SUS Diário oficial

Leia mais

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais?

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Trocando Idéias XIV - 2009 VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Walquíria Quida Salles Pereira Primo Doutorado e Mestrado UnB Professora da Pós-graduação UnB Unidade de Ginecologia

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR O Coordenador do Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Marília UNIMAR, no uso de suas atribuições legais, expede o presente regimento, regulamentando

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais