Citomegalovírus: Revisão dos Aspectos Epidemiológicos, Clínicos, Diagnósticos e de Tratamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Citomegalovírus: Revisão dos Aspectos Epidemiológicos, Clínicos, Diagnósticos e de Tratamento"

Transcrição

1 Artigo Citomegalovírus: Revisão dos Aspectos Epidemiológicos, Clínicos, Diagnósticos e de Tratamento Jader Joel Machado Junqueira 1, Talita Marçal Sancho 1 e Vera Aparecida dos Santos 2 1. Acadêmico(a) do Curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) 2. MD, PhD, Patologista Clínica, Diretora do Serviço de Imunologia da Divisão de Laboratório Central do Hospital das Clínicas da FMUSP (DLC-HCFMUSP) Serviço de Imunologia da Divisão de Laboratório Central do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Resumo Summary O citomegalovírus (CMV) é um herpesvírus humano que ocorre em todas as regiões do mundo, variando com as condições socioeconômicas locais. Possui como característica peculiar sua capacidade de latência, podendo ser reativado em diferentes circunstâncias. É considerado um dos mais importantes patógenos oportunistas do paciente imunocomprometido A contaminação ocorre por meio de contato com secreções corpóreas contaminadas, por transmissão horizontal ou vertical, tanto por vias naturais como por via iatrogênica. A doença clínica é rara em indivíduos imunocompetentes. No entanto, em imunocomprometidos, a infecção se torna sintomática e pode resultar em sérias complicações, com o possível envolvimento de órgãos. No caso de indivíduos com AIDS, a imunossupressão aumenta a atividade do CMV, levando a um efeito deletério. Esta revisão visa a apresentar os principais aspectos epidemiológicos, clínicos, diagnósticos e tratamentos de infecções por CMV em suas várias formas de transmissão. São discutidos também a etiologia e o ciclo viral. Palavras-chave: Citomegalovírus, epidemiologia, diagnóstico, sintomas e sinais Cytomegalovirus: Review of epidemiologics, clinics, diagnostics and treatments aspects Cytomegalovirus (CMV) is a human herpesvirus that occurs in all regions of the world, variating with local socioeconomics conditions. It has as peculiar characteristic its capacity of latency and can be reactivated in different circumstances. It is considerated one of de most importants opportunists pathogens of the immunodepressed patient. The contamination happens through contact with contaminated body secretions, by horizontal or vertical transmission, both in natural and iatrogenic ways. The clinic disease is rare in immunocompetents individuals. But in immunodepresseds, the infection becomes symptomatic and can result in important disorders, with possible organs involvement. In individuals with AIDS, the immunossupression increases the activity of the CMV, leading to a deletery effect. This review has as objective to present the main epidemiological, clinics aspects, diagnoses and treatment in infection by CMV in its many forms of transmission. The etiology and cycle of the virus are also discussed. Keywords: Cytomegalovirus, epidemiology, diagnoses, clinics aspects Etiologia O citomegalovírus (CMV), também conhecido como HHV-5, é um herpesvírus humano (HHV) e pertencente à família Herpesviridae, assim como o vírus varicela-zoster, o vírus Epstein-Barr o HHV-8 (vírus associado ao Sarcoma de Kaposi), e subfamília β-herpesvirida. Seu genoma é constituído de DNA que se encontra na interior de um capsídeo protéico icosaédrico, o qual é rodeado por uma camada amorfa de proteínas, chamada tegumento e envolvido por uma bicamada lipídica, onde se encontram as glicoproteínas virais (1-7) (Figura 1). O capsídeo é montado inicialmente com a formação de um cadafalso interno de proteínas, seguido pela clivagem proteolítica, remoção do cadafalso e empacotamento do genoma viral no núcleo (8). Uma característica peculiar desse vírus é a sua capacidade de latência. Assim, após uma infecção primária, geralmente assintomática, o vírus 88

2 madamente 24h e consiste de três fases: 1ª Fase (4h) Há a produção de proteínas regulatórias 2ª Fase (8h) Há a produção da DNA polimerase viral 3ª Fase (12h) Há produção de proteínas estruturais e montagem de novos vírus Em um paciente imunocompetente, Figura 1 não é eliminado do organismo e, como os outros herpesvírus, permanece ali de forma latente, e sua viremia se mantém em níveis reduzidos. Em diferentes circunstâncias, ele pode ser reativado como, por exemplo, em casos de gestação, uso de drogas imunossupressoras, AIDS ou qualquer outro fator que altere o sistema imunitário, causando diversas doenças como pneumonia, esofagite, encefalite, hepatite, pancreatite, gastrite, enterite, colite e retinite (1, 4-7, 9-11). Apesar de possuir replicação inteiramente intracelular, o que impede a ação de anticorpos neutralizantes, o CMV pode ser facilmente inativado por fatores físico-químicos. Sua vida média a 37ºC é de 45min. O único reservatório para a transmissão dos CMV em humanos é o próprio homem. Para haver contaminação é necessário o contato íntimo já que secreções biológicas como sêmen, secreções vaginais, saliva e urina atuam como vetores. Além disso, pode haver contaminação horizontal por transfusão de órgãos e sangue. Uma última forma de contaminação ocorre por transmissão vertical durante a gestação (via transplacentária), no momento do parto ou no período pós-natal (via leite materno) (3-5, 12, 13). A infecção primária em recémnascidos e a reativação do vírus em pacientes imunocomprometidos podem levar a severas patologias (14). CICLO VIRAL A aquisição ou infecção primária por CMV é resultado da introdução de vírus em um hospedeiro humano. O DNA do CMV, após atacar a superfície celular da célula hospedeira, entra no seu núcleo e começa um processo de replicação, tendo como conseqüência a liberação de novos vírus no sangue e em outros fluidos corporais (Figura 2). A infecção por CMV provoca um impacto dramático na célula, que começa imediatamente após a infecção e continua mais tardiamente. A replicação do CMV depende dos produtos genéticos da célula hospedeira trabalhando em conjunto com as funções virais e leva a uma dramática desregulação da expressão do ciclo genético da célula. O ciclo replicatório segue uma cascata de eventos que depende das funções tanto da célula viral quanto da célula do hospedeiro. A replicação do DNA viral começa entre 14 e 24 h após a infecção. Esse processo causa mudanças na forma da célula hospedeira, metabolismo e transcrição genética, componentes essenciais para uma replicação eficiente (14). O ciclo replicatório dura aproxi- a maior parte do vírus é destruída (por células T citotóxicas específicas para CMV) e a infecção procede de forma assintomática. A presença desta infecção assintomática é baseada na detecção de CMV nos fluidos corporais. O período de incubação, após a infecção, é de quatro a 12 semanas, quando o antígeno já pode ser detectado. Nesse período, há o aparecimento de IgM-CMV ou, mais tarde, aumento de cerca de 400% no nível de IgG-CMV. No entanto, em pacientes imunocomprometidos que não receberam os tratamentos adequados contra CMV, a infecção se torna sintomática (CMVD CMV Disease) e com possível envolvimento de órgãos (5), como é mostrado na Figura 2. Figura 2 90

3 Os CMV podem permanecer latentes no interior de vários órgãos e ser reativados em decorrência de depressão da imunidade celular, em situações como a gravidez e doenças como a AIDS, ou quando do uso de drogas imunossupressoras (1, 4-6, 9-11, 15). O CMV pode infectar a retina, trato gastrointestinal, fígado, pulmões e sistema nervoso. A manifestação mais comum é a retinite, responsável por 85% de todos os casos de sintomas clínicos do CMV. Doenças gastrintestinais são a segunda mais comum e incluem esofagite, colite, gastrite e hepatite. Acometimento do sistema nervoso central ocorre em menos de 1% dos casos. Infecções recorrentes por CMV podem ser causadas por reativação do vírus causador da infecção primária ou por reinfecção. A reinfecção tem sido observada em casos de exposição a cepas diferentes de CMV (1, 3-6, 9-11, 16). EPIDEMIOLOGIA As infecções por CMV são muito freqüentes, porém observa-se que a doença clínica é rara em crianças e adultos imunocompetentes. Entre 30% e 90% dos adultos imunocompetentes apresentam anticorpos IgG-CMV presentes no organismo, sendo descritos como soropositivos para CMV (5, 15-17). Estudos de soroprevalência de anticorpos anti-cmv na população mundial demonstraram que o CMV ocorre em todas as regiões do mundo (18), sendo inversamente proporcional ao status socioeconômico do local. Isso permite que dentro de uma mesma região haja grandes variações de prevalência. Nos EUA, por exemplo, foi mostrado que, enquanto em áreas socioeconomicamente superiores 60% das gestantes tinham anticorpos anti-cmv, em áreas socioeconomicamente inferiores 85% das gestantes os tinham (19). A explicação para essa variação de acordo com as áreas pode ser dada pelo fato de a transmissão viral depender, em grande parte, da higiene, moradia e hábitos da população, já que, como já foi dito, o CMV é encontrado em praticamente todos os líquidos corporais. É importante ressaltar ainda que os fatores paridade e idade também influenciam de forma crescente na prevalência da doença. Além disso, pelo fato de a mulher estar, cada vez mais, trabalhando fora de casa, um número maior de crianças passou a habitar, por mais tempo, creches e escolas, facilitando a transmissão. Quando um indivíduo introduz o vírus em casa, aproximadamente 50% dos moradores apresentarão soroconversão num prazo de seis meses em média (1, 5, 20, 21). Acima de 20% das crianças nos Estados Unidos contrairão o CMV antes da puberdade. Essas crianças podem, por sua vez, ser reinfectadas por diferentes linhagens do vírus. A infecção é também comum na adolescência e corresponde diretamente ao início da atividade sexual (17). A infecção primária pelo CMV pode ocorrer no período pré-natal, perinatal ou pós-natal, tanto por vias naturais quanto por via iatrogênica (3). Infecção Congênita A prevalência de infecção congênita por CMV é variável em diversas partes do mundo, atingindo taxas de 0,2% a 2,6% de todos os nascimentos. Para mulheres gestantes, a fonte mais provável de infecção é o contato com urina ou saliva de crianças jovens, principalmente seus próprios filhos (20, 22, 23). O CMV pode infectar o feto tanto durante a infecção primária materna, quanto durante a reativação da infecção materna presente antes da concepção. As infecções primárias ocorrem em 1%-4% das mulheres gestantes soronegativas e levam à infecção do feto em 40%-50% dessas gestações. A reativação do CMV materno ou reinfecção com uma linhagem diferente leva à infecção fetal em cerca de 1% das mulheres gestantes soropositivas. Portanto, a infecção primária é muito mais danosa ao feto que sua reativação e a presença, no feto, de anticorpos maternos não lhe confere proteção contra a infecção congênita. As manifestações clínicas são quase exclusivas de recém-nascidos de mães com infecção primária durante principalmente a primeira metade da gestação (15, 20, 24). Aproximadamente 10% das crianças infectadas por via congênita são sintomáticas ao nascimento, apresentando a doença congênita por CMV que inclui as seguintes manifestações: retardo do crescimento intra-uterino, prematuridade, icterícia colestática, hepato-esplenomegalia, púrpura, plaquetopenia, pneumonite intersticial e as manifestações neurológicas: microcefalia, calcificações intracranianas, crises convulsivas no período neonatal, coriorretinite e deficiência de acuidade visual e auditiva. Das 90% assintomáticas, 10%-15% desenvolverão sintomas dentro de alguns meses ou mesmo anos (15, 25, 26). 92

4 A infecção congênita pode ocorrer em qualquer época da gestação, não estando ainda estabelecido, no homem, uma relação entre época da infecção materna e risco de infecção ou sintomas no recémnascido, mesmo porque a maioria das infecções por CMV durante a gestação são subclínicas. Porém, sabe-se que se a infecção ocorrer no primeiro trimestre o risco de conseqüências clínicas para o feto é maior (35 a 45%) do que se a infecção ocorrer nos dois últimos trimestres (0 a 25%). Como poucos recém-nascidos são rastreados para CMV, o verdadeiro impacto da infecção congênita por CMV é subestimado (1,20). Acredita-se que o vírus seja transmitido quando leucócitos infectados atravessam a placenta (transmissão vertical), via cordão umbilical, instalando-se no epitélio tubular renal, onde ocorre a replicação (27). O CMV congênito é um objetivo primário de prevenção não só devido ao substancial fardo de sua doença, mas também porque a biologia e a epidemiologia do CMV sugerem que há caminhos para reduzir a transmissão viral. Devido ao fato de a exposição à saliva ou urina de crianças jovens ser a principal causa de infecção por CMV entre mulheres grávidas, é provável que a higiene pessoal, especialmente o hábito de lavar as mãos, possa reduzir o risco de aquisição de CMV (20). Infecção Perinatal As infecções adquiridas no período peri-parto e até três semanas pós-natais são denominadas infecções perinatais (15). A transmissão pode se dar durante o trabalho de parto, por transfusão maternofetal; pela ascensão de microorganismos na cavidade amniótica e acometimento das membranas amnióticas, do cordão umbilical e da placenta; ou devido à aspiração de líquido amniótico contaminado; ou, ainda, pelo contato da pele e mucosas gástrica e ocular do recém-nascido com sangue e secreções genitais ou fezes maternas que contenham microorganismos que estejam se replicando. A principal fonte de infecções pós-natais do recém-nascido é a mãe. Embora os tratos respiratório e gastrintestinal maternos sejam os sítios mais comuns a partir dos quais ocorre a transmissão de microorganismos da mãe para o recém-nascido no período pósnatal, o aleitamento materno também pode ser a fonte da infecção. A infecção perinatal por CMV resulta da exposição da criança à secreção cervical ou ao leite materno nas primeiras semanas de vida ou da transmissão iatrogênica pós-transfusional (3,4). Na transmissão que ocorre por exposição às secreções maternas, após a ingestão do material contaminado, o vírus iniciaria replicação na superfície das mucosas bucal, faríngea, esofágica ou glândulas salivares, tecidos pelos quais o CMV tem tropismo. A infecção perinatal pode ser resultado de infecção primária materna, mas freqüentemente é causada por infecção recorrente. O período de incubação varia de quatro a 12 semanas. Assim, na ausência de virúria ao nascimento, a detecção viral após a quarta semana de vida define a infecção perinatal por CMV. A gravidade da infecção perinatal que ocorre nos recém-nascidos prematuros submetidos a transfusões sangüíneas de doadores infectados por CMV é proporcional à quantidade de sangue transfundido (15). Está associada à contaminação do recém-nascido com secreções do cérvix uterino no momento do parto e com leite materno contendo CMV, nas primeiras semanas de vida. Assim, o CMV no cérvix uterino não é somente uma fonte potencial de transmissão por via sexual. A alta excreção cervical durante o terceiro semestre de gestação sugere uma maior probabilidade de infecção no momento do parto (26 a 57%), mas esta forma de contaminação ainda fica aquém daquela que ocorre através do leite materno (63%) (3). Programas de rastreamento sorológico ou virológico para detectar CMV em mulheres com potencial para engravidar não são práticas ou custo-efetivas. Restrições ao aleitamento materno também não são feitas, pois os benefícios do leite materno se sobrepõem ao risco da criança adquirir CMV da mãe (20). Infecção Adquirida Esta transmissão se dá de forma horizontal, no período pós-natal através do contato de secreções corpóreas contaminadas. Pode ser dividida em dois períodos: Na infância a transmissão ocorre basicamente por contato de urina e saliva de outras crianças, sendo assim, ambientes com muitas pessoas e creches acabam predispondo a uma maior infecção. Na idade adulta além das duas formas já citadas, há ainda a trans- 94

5 missão por contato sexual via sêmen e secreções do cérvix. A freqüência de infecção de CMV no cervix varia com a idade, classe socioeconômica, promiscuidade sexual e paridade (3). Aproximadamente 1 a 2% das mulheres que passam por exame médico de rotina carrega o vírus. Em Seatle/EUA, um estudo feito em 347 mulheres atendidas em uma clinica de DST s constatou-se presença de CMV no cérvix de 34% destas mulheres (4). O CMV pode ser encontrado em altos títulos no sêmen de homens hetero e homosexuais, HIV-positivo ou não. Além disso, algumas característica como baixa idade ( 24 anos), promiscuidade sexual e passividade no sexo anal têm sido correlacionadas com a presença do vírus. Transmissão Iatrogênica Este tipo de transmissão ocorre através de transfusões sanguíneas e transplantes de órgãos e só é possível devido à capacidade do vírus de permanecer latente, podendo ser reativado posteriormente (28). Sugere-se que a transmissão por transfusão sanguínea seja proporcional ao número de unidades transfundidas e é estimado como 5 a 12% por unidade. Pelo fato do CMV estar associado a leucócitos, e ainda, pelo fato de sendo o doador soropositivo a chance de haver infecção no receptor aumentar muito, na década de 1970 recomendou-se a usar sangue destituído de leucócitos como forma de prevenção (29). Existem casos de pacientes soropositivos que, após uma transfusão múltipla, tiveram aumento do título de anticorpos anti-cmv, o que indica reinfecção com cepas distintas do CMV ou ainda reativação do vírus latente no receptor. Assim, o melhor meio de se evitar infecções deste tipo seria através da utilização de doadores soronegativos (30). A infecção por CMV é, certamente, a mais comum infecção em órgãos transplantados. No Serviço de Imunologia da Divisão de Laboratório Central do HC FMUSP, a análise sorológica dos 110 doadores de órgão, no período de outubro de 2005 a junho de 2006, revelou a incidência de 78,2% de positividade na pesquisa de IgG-CMV (D+). Dados do Banco de Tecidos do HC FMUSP mostram que, entre o período de maio de 2001 a maio de 95

6 2006, dos 112 doadores recebidos que possuíam sorologia para CMV, 91,1% eram positivos na pesquisa de IgG-CMV (D+). O risco de desenvolvimento de CMVD em pacientes transplantados varia de acordo com inúmeros fatores: O tipo de órgão transplantado: Pulmão e coração-pulmão têm alta freqüência de infecção, seguido de fígado, pâncreas e rim. A sorologia do doador (D) e receptor (R). Assim há quatro combinações, como é mostrado na Figura 3. Na combinação D+/R-, que corresponde a 20% de todos os órgãos transplantados, há um grande risco (50 a 70%) de desenvolvimento de CMVD. Já as combinações D+/R+ e D-/R+, juntas somam aproximadamente 70% de todos os rins e fígados transplantados, tendo 10 a 20% de chance de desenvolvimento de CMVD (5). Inúmeros estudos epidemiológicos têm sugerido uma relação entre o risco de infecção pelo citomegalovírus (CMV) em pacientes queimados e a utilização de aloenxertos com sorologia positiva para CMV, além de que esta infecção contribui para o aumento da morbidade e mortalidade destes pacientes. Estes estudos mostram uma taxa de soroconversão de pacientes anteriormente soronegativos que receberam aloenxertos de pele de cadáver soropositivos variando entre 17 e 22,7% (30-32). Esta incidência é similar à de soroconversão em pacientes submetidos a transplante de órgãos sólidos, em que a importância da análise sorológica dos doadores já é bem aceita atualmente (33-35). Alguns estudos Figura 3 sugerem que a imunossupressão pós-queimadura (36), a transfusão de sangue (28) e o transplante de pele de doadores sorologicamente positivos para CMV (37) podem ser considerados fatores de risco para o desenvolvimento de infecção por CMV (38). Embora em indivíduos imunocompetentes a infecção pelo CMV não seja capaz de expressar nenhum efeito patogênico, procedendo-se de forma assintomática, em indivíduos imunocomprometidos pode resultar em sérias complicações, devido à sua disseminação pelo organismo, com possível envolvimento de órgãos, gerando distúrbios do trato gastrointestinal, do sistema nervoso central, corioretinites, pneumonites, adrenalite, além de tornar o paciente mais suscetível a outras infecções, como aspergilose, criptococose, candidíase e pneumocistose (5). Além disso, pacientes com sorologia positiva para infecção por CMV apresentam um maior tempo de estadia hospitalar, quando comparados aqueles sem evidência sorológica (31), o que acaba por aumentar os gastos com o tratamento e, principalmente, gerar uma maior exposição destes pacientes a outras infecções. QUADROS CLÍNICOSaros Clínicos Infecção Congênita De 10 a 25% dos recém-nascidos infectados congenitamente apresentam inúmeros sintomas, tais como, prematuridade, icterícia (70% dos casos), hepatoesplenomegalia (60% dos casos), petéquias, púrpuras e alterações neurológicas (desabilidade motora, calcificação cerebral, microcefalia, convulsões e diminuição do reflexo de sucção) (3, 39). Cerca de 30% das crianças sintomáticas ao nascimento poderão evoluir para óbito no período neonatal e 95% das que sobrevivem terão seqüelas neurológicas como microcefalia, retardo do desenvolvimento neuromotor, coriorretinite e calcificações cerebrais. Das crianças assintomáticas, 10% a 15% terão alterações tardias, como a surdez, graus variáveis de lesões neurológicas; porém, crianças assintomáticas com evolução neurológica normal até um ano de vida não apresentam maior risco de desenvolver anormalidades tardias quando comparadas às crianças não infectadas (1, 9, 15). A avaliação do recém-nascido visa determinar a extensão da doença, principalmente no sistema nervoso central. É importante a investigação por meio de ultra-sonografia e tomografia computadorizada de crânio, mesmo em crianças aparentemente assintomáticas, pois o exame radiológico simples de crânio tem baixa sensibilidade para visualização de calcificações intracranianas e outras alterações. Deve-se realizar exame oftalmológico e audiológico, incluindo-se fundoscopia ocular, quando do diagnóstico e periodicamente para detecção de anormalidades tardias. Outros exames complementares 96

7 incluem hemograma completo com contagem de plaquetas e avaliação da função hepática (9). Infecção Perinatal Pelo fato do período de incubação do CMV ser de quatro a 12 semanas, a grande maioria dos recém-nascidos é assintomática. Porém, podem estar associadas a quadros de pneumonia intersticial de gravidade variável e hepatoesplenomegalia (2). Infecção Adquirida A infecção freqüentemente assintomática, porém, quando sintomática proporciona grande risco a adultos e crianças que se submetem a grandes transfusões após acidentes ou cirurgias invasivas. Isso ocorre após transfusão de granulócitos, assim o risco seria menor se fosse usado sangue com poucos leucócitos, criopreservação do sangue ou doador soronegativo (30). A febre, que aparece no decorrer da doença, normalmente é a manifestação mais proeminente. É prolongada e geralmente com mais de 10 dias de duração. Além disso, aumento de linfonodos, fígado, pâncreas e amídalas não são comuns, mas podem ocorrer, principalmente em crianças. Podem ocorrer ainda raras complicações tais como: pneumonia intersticial, hepatite, síndrome de Guillain-Barre, meningoencefalite, miocardite, trombocitopenia e anemia hemolítica (3, 4). Infecção Iatrogênica Os processos da doença relacionada ao CMV manifestam-se de maneira diferente, dependendo de qual é o órgão transplantado. Em receptores de medula óssea, a infecção por CMV ocorre como uma pneumonia intersticial, com alta taxa de mortalidade. Em receptores de fígado, a hepatite pode ser problemática e difícil de ser diferenciada de uma rejeição do órgão. Ao contrário do que se observa nos pacientes com AIDS, nos receptores de transplantes a renitine tem baixa incidência. A apresentação da síndrome do CMV, que consiste em febre, leucopenia, linfócitos atípicos, hepatomegalia, mialgia e artralgia, é a manifestação mais comum da infecção primária por CMV em pacientes que receberam transplante de rim. CMV pode ser responsabilizado por 30% dos episódios de febre, 35% de toda leucopenia e 20% de toda chance de falha do transplante do órgão (3, 40, 17). CMV EM PACIENTES COM AIDS O CMV é considerado um dos mais importantes patógenos oportunistas do paciente imunocomprometido. O impacto causado pelo CMV em cada um dos tipos de imunosupressão varia de acordo com as características de cada uma delas. No caso da AIDS, o CMV tem um efeito deletério em sua progressão, pois há uma grande relação entre o CMV e o HIV (41). A progressiva imunosupressão resultante da infecção do HIV aumenta a atividade do CMV. A retinite responde por aproximadamente 85% das manifestações da doença no paciente, tanto que entre o período de 1981 e 1989 a retinite era usada como diagnostico definidor de AIDS, e é provável que essa tendência continue conforme os pacientes infectados pelo HIV vivam mais tempo com imunodeficiência profunda (2). A retinite por CMV (CMV R) desenvolve-se em cerca de 28-35% de todos os pacientes com AIDS em estádios avançados da doença e, freqüentemente, leva à cegueira (42). Pacientes com HIV podem apresentar diversas variedades de complicações visuais secundárias à retinite, incluindo visão embaçada, flashes de luz, escotoma, ou perda da visão central, dependendo da localização e extensão da lesão na retina. A retinitie causada por CMV é um tipo focal necrotizante, com ou sem hemorragias. A destruição da retina, que causa cegueira irreversível, pode ser detida e suprimida por agentes anti-cmv. Esses medicamentos interrompem a replicação de CMV, mas não eliminam o vírus. O curso natural da retinite não tratada resulta na progressão da doença dentro de aproximadamente duas semanas. Pacientes que possuem infecção por HIV deveriam ser questionados por seus médicos sobre seus sintomas visuais a cada visita (17). Há ainda a possibilidade de surgimento de esofagites e colite (cerca de 20%), pneumonite, hepatite, adrenalite, entre outras (15). As manifestações neurológicas são menos freqüentes, mas podem se apresentar como uma encefalite micronodular difusa, ou como ventrículo-encefalite, clinicamente indistinguíveis (3). DIAGNÓSTICO LABORATORIAL O diagnóstico, que antigamente era apenas baseado em dados clínicos, atualmente, devido à sofisticação das técnicas laboratoriais, baseia-se em resultados clínicos e imunológicos. Há vários métodos para a detecção do CMV. O isolamento viral em cultura de fibroblastos humanos é o método convencional. O vírus geralmente está presente na urina com elevados títulos, principalmente na infecção congênita sintomática por CMV, e as culturas são comumente positivas 98

8 após três a cinco dias. Essa técnica requer assepsia rigorosa na coleta de urina e processamento até 12 horas da amostra a 4 o C (15). Para saber se a infecção é congênita ou perinatal, faz-se um isolamento do vírus de um tecido de biópsia ou fluido corporal, principalmente urina. Se este isolamento somente puder ser feito em quatro a oito semanas após o nascimento tem-se uma infecção perinatal. Caso o isolamento for feito antes, tem-se uma infecção congênita. Após o isolamento, o CMV pode ser replicado in vitro, incubado com fibroblastos a 36ºC por um a três semanas, e posteriormente, analisado com o objetivo de se identificar possíveis inclusões do CMV no tecido analisado. Este é considerado o padrão-ouro para o diagnóstico de CMVD. Essa técnica, não e tão viável, pois a necessidade de um longo período de incubação dificulta o rápido diagnóstico (3, 5). Já na técnica do shell-vial, muito parecida com a de cima, o tempo de revelação (feito por imunofluorescência indireta - IFI) cai para 24, 48 ou 72h, pois utilizam-se anticorpos monoclonais contra diferentes antígenos do CMV e uma centrífuga que facilita o processo de penetração do vírus no fibroblasto (3, 43). A PCR (Polymerase Chain Reaction) é uma técnica rápida (~6h) e de alta sensibilidade baseada na amplificação seletiva de seqüências específicas de acido nucléico. Permite a detecção do DNA viral e é um método alternativo para urina ou outra amostra clínica, apresentando sensibilidade e especificidade semelhante ao isolamento viral e possuindo vantagens sobre o isolamento, tais como a rapidez do resultado e a possibilidade de as amostras serem Figura 4 congeladas e armazenadas. É muito utilizada apesar do seu alto custo e de sua difícil execução. Pode ser utilizada tanto qualitativamente (diagnóstico por PCR), quanto quantitativamente na medição da carga viral, que é proporcional ao nível de DNA do CMV (44). As detecções de IgM e IgG através dos diversos métodos sorológicos (imunofluorescência indireta, ELISA, raioimunoensaio), são rotineiramente solicitadas para o diagnóstico da infecção congênita por CMV, porém têm papel limitado, não permitindo afastar ou confirmar esta infecção na ausência de detecção viral (4). O método de ELISA (Enzime- Linked Immunosorbent Assay), que apresenta sensibilidade de 100% e especificidade de 86%, detecta anticorpos no sangue. Existe a possibilidade de resultados falsos-positivos devido a reações cruzadas com alguns vírus da família Herpesviridae, fatores reumatóides e anticorpos antinucleares (45). O esquema de interações que ocorre numa placa de ELISA é demonstrado na Figura 4. Pelo fato dos anticorpos IgG, diferentemente dos IgM, conseguirem passar passivamente através da placenta, sua pesquisa se torna sem aplicação para o diagnóstico de infecção congênita. Assim, no método de ELISA, deve-se haver uma prévia separação das frações de IgM e IgG do soro do paciente para diminuir a possibilidade de resultados falsosnegativos, já que há competição entre IgG maternos e IgM dos recémnascido (46). Apenas 30% a 89% das crianças sabidamente infectadas intra-útero apresentarão anticorpos IgM anti-cmv ao nascimento. Os anticorpos IgG anti-cmv são geralmente adquiridos da mãe e a sorologia seriada para avaliar elevação dos títulos não permite diferenciar a infecção congênita da perinatal (15). Para o diagnóstico da infecção materna ainda pode ser utilizado o Western Blotting que permite a mensuração da afinidade ou avidez do anticorpo IgG-CMV pelo antígeno viral e a detecção da reatividade de anticorpos IgM-CMV para diferentes proteínas do antígeno viral (47). Este método, apesar de detectar a primoinfecção materna mais precocemente que o método ELISA, ainda apresenta uma viabilidade comercialmente questionável. Histologicamente, a detecção de corpos de inclusão owl s eye na amostra de tecido pode ser um método altamente específico para determinar o envolvimento do CMV no órgão (17). TRATAMENTO O tratamento é baseado na administração de drogas antivirais. 100

9 Atualmente, apenas o ganciclovir e o foscarnet são aprovados pelo FDA. Ambas as drogas possuem pouca biodisponibilidade oral e elevada toxicidade. Agem de forma virustática, ou seja, inibindo a replicação viral enquanto são administradas. Além de sua ação anti-cmv, o foscarnet tem atividade in vitro anti-hiv. Como efeito da toxicidade pode-se citar a mielossupressão (neutropenia, trombocitopenia), insuficiência renal, hepática, coma, convulsão, além de distúrbios eletrolíticos (hipocalcemia, hipomagnesemia, hipofosfatemia e hipocalemia) (3, 48). A importância dada no sentido de não interromper o tratamento é freqüente. Sabe-se que intensificações dos sintomas iniciais podem ocorrer neste caso, o que sugere um rigoroso controle da medicação. Sabendo das lesões irreversíveis às quais os fetos estão sujeitos antes do nascimento, um grupo de vacinas começou a ser desenvolvida - dois a quatro meses após a inoculação do vírus atenuado tem-se quantidades máximas de anticorpos anti-cmv (12). A introdução da terapia com antiretrovirais altamente ativos (HAART - highly active antiretroviral therapy), uma combinação de três ou mais drogas antiretrovirais de pelo menos duas classes diferentes, tem conseguido resultados na reconstituição do sistema imune de pacientes com HIV, de tal modo a permitir que a infecção por CMV seja controlada. Assim, a HAART tem feito muito no sentido de reduzir a taxa de mortalidade associada com CMV em tais pacientes. Apesar disso, a resposta ao tratamento nesses pacientes ainda permanece abaixo do nível ideal e muitos não têm acesso a tal terapia. Então, os esforços para melhorar o tratamento do CMV tem sido uma prioridade (16). Correspondências para: Jader Joel Machado Junqueira Referências Bibliográficas 1. Couto CFC, Rodrigues MV, Melo GEBA, Menezes GA, Leite JM. Citomegalovírus e Gestação: Um Antigo Problema sem Novas Soluções. Femina Jul Nº. 06 Vol. 31; Libman H, Witzburg RA. Infecção pelo HIV Um Manual Clínico. Medsi Editora Médica e Científica Ltda, 2ª Edição 1995; Capítulo 22 Infecção por Citomegalovírus. 3. Veronesi R, Focaccia R. Tratado de Infectologia Livro 1. Editora Ateneu, 2ª Edição ; Mandell GL, Douglas RG, Bennett JE. Principles and Practice of Infectious Diseases. Editora Churchill Livingstone, 3ª Edição Anaizy N, PhD. Citomegalovírus in solid organ transplantation. Disponível em: <http://www.thedrugmonitor.com/cmv-1.html> 6. Coordenação Nacional de DST/AIDS. Manual de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis DST. Infecção pelo Citomegalovírus (CMV). 3ª Edição Disponível em: <http://www.aids.gov.br/assistencia/manualdst/item14.htm> 7. Trabulsi LR, Alterthum F. Microbiologia. Editora Atheneu, 4ª Edição Yu X, Trang P, Shah S, Atanasov I, Kim YH, Bai Y, Zhou ZH, Liu F. Dissecting human cytomegalovirus gene function and capsid maturation by ribozyme targeting and electron cryomicroscopy. Proc Natl Acad Sci U S A. 2005;102(20): Epub 2005 May Vinha C. Citomegalovírus relacionado a área de fonoaudiologia. Disponível em: <http://www.geocities.com/hotsprings/falls/3233/ citomega.html 10. Alford CA, Stagno S, Pass RF, Britt WJ. Congenital and perinatal cytomegalovirus infections. Rev Infect Dis, 1990;12 Suppl 7:S745-S Brown HL, Albernathy MP. Cytomegalovirus infection. Semin Perinatal 1998;22: Brandão RS, Guerzet EA, Souza E, Camano L. Citomegalovirus: Diagnóstico e conduta na infecção fetal. Femina Jul Nº 06 Vol. 31; Stagno S. Cytomegalovirus. Infectious disease of the fetus and newborn infant. Philadelphia, WB Saunders Company 2001: Hertel L, Mocarski ES. Global analysis of host cell gene expression late during cytomegalovirus infection reveals extensive dysregulation of cell cycle gene expression and induction of Pseudomitosis independent of US28 function. J Virol. 2004; 78(21): Mussi-Pinhata MM, Yamamoto AY. [Congenital and perinatal infections] J Pediatr (Rio J). 1999; 75(Suppl 1):S Portuguese. 16. Griffiths P. Cytomegalovirus infection of the central nervous system. Herpes. 2004;11 Suppl 2:95A-104A. Review. 17. Taylor GH. Cytomegalovirus. Am Fam Physician. 2003; 67(3): Review. 18. Gold E, Nankervis GA. Cytomegalovirus. Viral infections of human: epidemiology and control. Plenum Press, New York, 3ª Ed. Capítulo Hunter K, Stagno S, Capps E, Smith RJ. Prenatal screening of pregnant women for infections caused by cytomegalovirus, Epstein-Barr virus, 102

10 herpesvirus, rubella, and Toxoplasma gondii. Am J Obstet Gynecol 1983; 145(3): Cannon MJ, Davis KF: Washing our hands of the congenital cytomegalovirus disease epidemic. BMC Public Health. 2005; 5: Larson E. A causal link between handwashing and risk of infection? Examination of the evidence. Infect Control 1988; 9: Pass RF, Hutto C, Ricks R, Cloud GA. Increase rate of cytomegalovirus infection among parents of children attending daycare centers. N Engl J Med 1986; 314: Adler SP. Cytomegalovirus and child day care: risk factors for maternal infection. Pediatr Infect Dis J 1991;10: Hemmings DG, Kilani R, Nykifourk C, Preiksaitis J, Guilbert LJ. Permissive cytomegalovirus infection of primary villous term and first trimester trophoblasts. J Virol 1998; 72: Stagno S, WhitleyRJ. Herpesvirus infection of pregnancy. N. Engl. J Med 1985; 313: Flower KB, Stagno S, Pass RF, Britt WJ, Bpll TJ, Alford CA. The outcome of congenital cytomegalovirus infection in relation in to maternal antibody status. N Engl J Med 1992; 326: Negishi H, Yamada H, Hirayama E, Okuyama K, Sagawa T, Matsumoto Y, Fujimoto S. Intraperitoneal administration of cytomegalovirus hyperimmunoglobulin to the cytomegalovirus-infected fetus. J Perinatol. 1998; 18(6 Pt 1): Preiksaitis JK, Brown L e McKenzie M. The risk of cytomegalovirus infection in seronegative transfusion recipients not receiving exogenous immunosuppression. J Infect Dis 1988; 156: Adler SP. Transfusion-associated cytomegalovirus infection. Rev Infect Dis. 1983; 5: Kealey GP, Aguiar J, Lewis RW 2nd, e cols. Cadaver skin allografts and transmission of human cytomegalovirus to burn patients. J Am Coll Surg 1996; 182(3): Bale JF, Kealey P, Massanari RM, e cols. The Epidemiology of Citomegalovirus Infection Among Patients with Burns. Infect Control Hosp Epidemiol 1990; 11(1): Kagan RJ, Naraqui S, Matsuda T, e cols. Herpes simplex vírus ans cytomegalovirus infections in burned patients. J Trauma 1985; 24: Breinig MK, Zitelli B, Starzl TE, e cols. Epstein-Barr virus, cytomegalovirus and other viral infections in children after liver transplantation. J Infect Dis 1987; 156: Merigan TC, Renlund DG, Keay S, e cols. A controlled trial of ganciclovir to prevent cytomegalovirus disease after heart transplantation. N Engl J Med 1992; 326: Goodrich JM, Mori M, Gleaves CA, e cols. Early treatment with ganciclovir to prevent cytomegalovirus disease after allogeneic bone marrow transplantation. N Engl J Med 1991; 325: Polk HC, Wellhausen SR, Regan MP, e cols. A systematic study of host defense processes in badly injured patients. Ann Surg 1986; 204: Shelby J, Shanley J. Transfer of murine cytomegalovirus by syngeneic skin grafts. Transplantation 1987; 44: Bale JF Jr, Kealey GP, Ebelhack CL, e cols. Cytomegalovirus infection in a cyclosporine-treated burn patient: case report. J Trauma 1992; 32(2): Boppana SB, Pass RF, Britt WJ, Stagno S, Alford CA. Symptomatic congenital cytomegalovirus infection: neonatal morbidity and mortality. Pediatr Infect Dis J Feb; 11(2): Betts RF, Freeman RB, Douglas RG Jr, Talley TE. Clinical manifestations of renal allograft derived primary cytomegalovirus infection. Am J Dis Child. 1977l; 131(7): Northfield JW, Harcourt G, Lucas M, Klenerman P. Immunology of viral co-infections with HIV. Arch Immunol Ther Exp (Warsz). 2005; 53(1): Review. 42. Fernandes AP, Goncalves MA, Zavanella RB, Figueiredo JF, Donadi EA, Rodrigues ML. HLA markers associated with progression to AIDS are also associated with susceptibility to cytomegalovirus retinitis. AIDS. 2003;17(14): Gleaves CA, Smith TF, Shuster EA, Pearson GR. Comparison of standard tube and shell vial cell culture techniques for the detection of cytomegalovirus in clinical specimens. J Clin Microbiol 1985; 21(2): Demmler GJ, Buffone GJ, Schimbor CM, May RA. Detection of cytomegalovirus in urine from newborns by using polymerase chain reaction DNA amplification. J Infect Dis 1988; 158(6): Daiminger A, Bader U, Eggers M. Evaluation of two novel enzyme immunoassays using recombinant antigens to detect cytomegalovirus specific immunoglobulins M in sera from pregnant women. J Clin Virol 1999; 13: Hodinka RL, Friedman HD. Human cytomegalovirus. Manual of Clinical Microbiology. 5ª Ed. Washington. American Society for Microbiology Landini MP, Lazzarotto T. Prenatal diagnosis of congenital cytomegalovirus infection: light and shade Herpes. J Virol 1999; 6: Whitley RJ, Cloud G, Gruber W, Storch GA, Demmler GJ, Jacobs RF, Dankner W, Spector SA, Starr S, Pass RF, Stagno S, Britt WJ, Alford C Jr, Soong S, Zhou XJ, Sherrill L, FitzGerald JM, Sommadossi JP. Ganciclovir treatment of symptomatic congenital cytomegalovirus infection: results of a phase II study. National Institute of Allergy and Infectious Diseases Collaborative Antiviral Study Group. J Infect Dis May; 175(5):

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

2. ETIOLOGIA CITOMEGALOVIRUS

2. ETIOLOGIA CITOMEGALOVIRUS 3 1. INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo abordar as manifestações clínicas do citomegalovírus, assim como seu tratamento, transmissão e seu contato direto com as gestantes. O citomegalovírus (CMV)

Leia mais

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Citomegalovirus Icosaédrico, 150-200 nm de diâmetro, 162 capsômeros hexagonais, envelopado, com

Leia mais

INFECÇÃO PELO CITOMEGALOVÍRUS DURANTE A GRAVIDEZ E NO RECÉM-NASCIDO

INFECÇÃO PELO CITOMEGALOVÍRUS DURANTE A GRAVIDEZ E NO RECÉM-NASCIDO INFECÇÃO PELO CITOMEGALOVÍRUS DURANTE A GRAVIDEZ E NO RECÉM-NASCIDO Recomendações para o Diagnóstico Pré-Natal Virológico Importância da determinação da Avidez, para o diagnóstico e prevenção das infecções

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Viroses congênitas e vírus Epstein-Barr

Viroses congênitas e vírus Epstein-Barr Viroses congênitas e vírus Epstein-Barr FAMILIA HERPESVIRIDAE Subfamília Nome Característica Latência Alphaherpesvirinae HSV-1 Muitos hospedeiros HSV-2 citolíticos VZV Betaherpesvirinae CMV Poucos hospedeiros

Leia mais

Jaqueline Urban Moura 2, Gabriela Barbosa Moraes 3, Maria Paula Capiotti 3, Ruth Mauer Silva 4 e Daniela Bitencourt Rosa Leal 5 RESUMO ABSTRACT

Jaqueline Urban Moura 2, Gabriela Barbosa Moraes 3, Maria Paula Capiotti 3, Ruth Mauer Silva 4 e Daniela Bitencourt Rosa Leal 5 RESUMO ABSTRACT Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 8, n. 1, p. 33-39, 2007. 33 ISSN 2177-3355 PREVALÊNCIA SOROLÓGICA DE ANTICORPOS ANTI- CMV EM GESTANTES DA REGIÃO OESTE DE SANTA MARIA, RS 1 SEROLOGIC

Leia mais

Infecções virais: Rubéola e Mononucleose Infecciosa

Infecções virais: Rubéola e Mononucleose Infecciosa Infecções virais: Rubéola e Mononucleose Infecciosa RUBÉOLA 1ª descrição: Bergen em 1752 e Orlow em 1758 efeito teratogênico: catarata (1941) só tem um sorotipo, homem é único hospedeiro ASPECTOS CLÍNICOS

Leia mais

Infecção pelo HIV e AIDS

Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR

TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR Profª Filomena Aste Silveira HERPES GENITAL (origem grega significa alastrar-se) DNA virus - Alfaherpes viridae Dupla hélice PERÍODO de incubação 7

Leia mais

Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo. Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas

Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo. Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas Leite de mãe CMV positivo Como atuar 1. Aspectos gerais 2. Excreção no leite 3. Infecciosidade 4. Infecção sintomática 5. Processos

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

18/12/2012. Mecanismos Básicos em Saúde e Doença. Prof. Júlia Peixoto de Albuquerque. Viroses Congênitas. Viroses Congênitas

18/12/2012. Mecanismos Básicos em Saúde e Doença. Prof. Júlia Peixoto de Albuquerque. Viroses Congênitas. Viroses Congênitas Considerações Gerais - Transmissãointra-uterinaa partirde infecções virais durantea gestação Risco ao feto danos fatais - Danos variamdeacordocom o tipo de vírus Prof. Júlia Peixoto de Albuquerque E-mail:

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS I - INTRODUÇÃO *NOVAS TECNOLOGIAS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO *DECISÃO DIAGNÓSTICA CONFIRMAÇÃO TRATAMENTO MONITORAMENTO PREVENÇÃO

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO HEPATITES Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO Hepatites virais: agentes etiológicos A B C D E Vírus hepatotrópicos G TT Herpes vírus EBV CMV Enterovírus Adenovírus Febre

Leia mais

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características Vírus Virulogia Características Vírus- latim veneno - agentes filtráveis Parasita intracelular obrigatório Extracelular: virion Intracelular: vírus Possuem alta especificidade Vírus Características Alta

Leia mais

Trocando Ideias 2009 Cidade Maravilhosa, 28 de agosto de 2009

Trocando Ideias 2009 Cidade Maravilhosa, 28 de agosto de 2009 Trocando Ideias 2009 Cidade Maravilhosa, 28 de agosto de 2009 HERPES GENITAL SUPRESSÃO Mauro Romero Leal Passos Universidade Federal Fluminense SBDST SGORJ - FEBRASGO HSV DNA-vírus de grandes dimensoes

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

RUBÉOLA E FAMÍLIA HERPESVIRIDAE. Prof. Sérvio Túlio Stinghen

RUBÉOLA E FAMÍLIA HERPESVIRIDAE. Prof. Sérvio Túlio Stinghen RUBÉOLA E FAMÍLIA HERPESVIRIDAE Prof. Sérvio Túlio Stinghen 1 Infecções congênitas e perinatais feto: efeitos devastadores gestantes: maioria pode ser assintomática testes sorológicos TORSCH: Toxoplasmose

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

Data: 27/11/2013. NT 232/2013 Solicitante: IlmaDra Daniele Viana Juíza da comarca de Ervália. Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Data: 27/11/2013. NT 232/2013 Solicitante: IlmaDra Daniele Viana Juíza da comarca de Ervália. Medicamento X Material Procedimento Cobertura NT 232/2013 Solicitante: IlmaDra Daniele Viana Juíza da comarca de Ervália Numeração: 0026570-91.2013.8.13.0240 Data: 27/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: VALGANCICLOVIR NO TRATAMENTO

Leia mais

TORC: importância do estudo da Avidez das IgG

TORC: importância do estudo da Avidez das IgG TORC: importância do estudo da Avidez das IgG Carla Almeida 1, Teresa Tente 2 RESUMO TORC é um grupo de doenças infecciosas que é necessário despistar durante a gravidez, o qual corresponde às iniciais

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

VÍRUS CITOMEGÁLICO HUM ANO CMV

VÍRUS CITOMEGÁLICO HUM ANO CMV VÍRUS CITOMEGÁLICO HUM ANO Todos os autores são unânimes em considerar que a infecção citomegálica é, no recém-nascido, a infecção congénita mais comum. Das cerca de 110 000 crianças que nascem anualmente

Leia mais

AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA. Conceição Pedrozo

AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA. Conceição Pedrozo AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA Conceição Pedrozo 2010 Fisiopatogenia, História Natural da Infecção pelo HIV e Infecção Primária ETIOLOGIA O HIV 1 E 2 são membros da família Retroviridae e pertencem ao

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

Toxoplasmose congênita: Um breve estudo revisivo. Congenital toxoplasmosis, a brief review study

Toxoplasmose congênita: Um breve estudo revisivo. Congenital toxoplasmosis, a brief review study Toxoplasmose congênita: Um breve estudo revisivo Congenital toxoplasmosis, a brief review study Gabrielle Fernandes Kurihara ; Aline Gritti Rodrigues; Joyce Beira Miranda da Silva Resumo: Com base nos

Leia mais

Infecções virais congênitas

Infecções virais congênitas Infecções virais congênitas Infecções virais congênitas, perinatais e neonatais Intrauterinas Perinatais e Neonatais Rubéola Citomegalovirus (CMV) Parvovírus B19 Varicela-Zoster (VZV) Enterovírus HIV HTLV-1

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Em 08 de agosto de 2014 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto pela Doença do Vírus Ebola no Oeste da África, uma Emergência

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

AIDS PERINATAL. Licia Moreira UFBA

AIDS PERINATAL. Licia Moreira UFBA Licia Moreira UFBA Definição de AIDS na CRIANÇA Toda criança com menos de 13 anos com evidência laboratorial de infecção Uma amostra de soro repetidamente positiva em teste como ELISA, IFI (pesquisa de

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde Abordagem inicial a Os serviços que hoje são considerados porta de entrada para o diagnóstico

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos Retrovírus: AIDS Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) Surgimento: -Provável origem durante

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

Ác. Nucleico. Simetria Envelope Tamanho Tipo Ac. nucleico. Família Virus Doença. Icosaédrica Ausente 50nm f.d.circular Papovaviridae HPV verrugas

Ác. Nucleico. Simetria Envelope Tamanho Tipo Ac. nucleico. Família Virus Doença. Icosaédrica Ausente 50nm f.d.circular Papovaviridae HPV verrugas Vírus: Pequenos parasitas intracelulares obrigatórios com genoma constituído por um só tipo de ácido nucléico que utilizam o aparato enzimático da célula hospedeira para síntese de seus componentes e sua

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS

PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS Profª Maria Luzia da Rosa e Silva Viroses em humanos Patogenicidade: capacidade de infectar o hospedeiro e causar doença infecção viral (1) injúria nos órgãos (2) manifestações

Leia mais

Incidência e aspectos clínicos da infecção congênita por citomegalovírus (CMV) na região de Ilhéus, Bahia.

Incidência e aspectos clínicos da infecção congênita por citomegalovírus (CMV) na região de Ilhéus, Bahia. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Incidência e aspectos clínicos da infecção congênita por citomegalovírus (CMV) na região de Ilhéus, Bahia. Coordenador/E-mail:

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

AIDS e HIV AIDS NÚMERO ESTIMADO DE MORTES PROVOCADAS PELA AIDS NO MUNDO TODO (1980-2000) A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência

AIDS e HIV AIDS NÚMERO ESTIMADO DE MORTES PROVOCADAS PELA AIDS NO MUNDO TODO (1980-2000) A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência AIDS AIDS e A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (do inglês Acquired Immunodeficiency Syndrome) caracteriza-se por uma profunda imunossupressão associada a infecções oportunistas, neoplasias

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

INTERFERÊNCIA DE REAÇÕES CRUZADAS NO DIAGNÓSTICO DA TOXOPLASMOSE

INTERFERÊNCIA DE REAÇÕES CRUZADAS NO DIAGNÓSTICO DA TOXOPLASMOSE INTERFERÊNCIA DE REAÇÕES CRUZADAS NO DIAGNÓSTICO DA TOXOPLASMOSE Clarissa Zanoni Kera Arantes RESUMO: O grande número de casos positivos para pesquisa de anticorpos da classe IGM para e mononucleose num

Leia mais

Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com Toxoplasmose. I Encontro da rede Mãe Paranaense

Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com Toxoplasmose. I Encontro da rede Mãe Paranaense Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com Toxoplasmose Andrea Maciel de Oliverira Rossoni Serviço de Agenda Visão do pediatra e do médico generalista Sintomas Como investigar Como tratar Acompanhamento

Leia mais

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão.

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão. DIAGNÓSTICO SANITÁRIO DO REBANHO: MAIS VANTAGENS COM A MESMA AMOSTRA. A Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH) apresenta a todos os associados, produtores e indústrias

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

39º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial. Flávia J. Almeida

39º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial. Flávia J. Almeida 39º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial orial 39º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial orial HIV HIV no no Recém-Nascido Recém-Nascido Flávia

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (texto de Marcelo Okuma) 1. Histórico e origem do vírus HIV Há fortes indícios para se acreditar que o vírus da imunodeficiência humana (HIV) tenha evoluído

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

VIROLOGIA. 1. Ebola 2. Febre Chikungunya

VIROLOGIA. 1. Ebola 2. Febre Chikungunya Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA 1. Ebola 2. Febre Chikungunya Prof. Leandro Parussolo Família: Filoviridae Gênero: Filovirus

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Lucia Mardini DVAS Hepatites Virais Hepatite: inflamação do fígado. As hepatites podem

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV em Populações Especiais: O idoso Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV/AIDS x Idosos! 40 milhões de pessoas com HIV/AIDS! 10% dos casos de AIDS > 50 anos! ¼ em indivíduos > 60 anos! Mulheres " incidência

Leia mais

A i d s n a I n f â n c i a. Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS

A i d s n a I n f â n c i a. Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS A i d s n a I n f â n c i a Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS HISTÓRICO 1978- Em Nova York e San Francisco uma doença misteriosa e mortífera ataca homossexuais. 1981- A doença misteriosa ganha o

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

CAPÍTULO 1: COMPREENDENDO OS DETERMINANTES DA SAÚDE PERINATAL E NEONATAL

CAPÍTULO 1: COMPREENDENDO OS DETERMINANTES DA SAÚDE PERINATAL E NEONATAL CAPÍTULO 1: COMPREENDENDO OS DETERMINANTES DA SAÚDE PERINATAL E NEONATAL DEFINIÇÕES E INDICADORES: Serão usadas as seguintes definições neste curso: PERÍODO PERINATAL Compreende o período após 28 semanas

Leia mais

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE COORDENAÇÃO NACIONAL DE DST E AIDS MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é descrever

Leia mais

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Rafael Machado Mantovani E-mail: rafaelmm@uai.com.br Introdução

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Acompanhamento das gestantes vacinadas inadvertidamente (GVI) com a vacina dupla viral (sarampo e rubéola)

Leia mais

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO

Leia mais

A INFECÇÃO POR CITOMEGALOVÍRUS EM PACIENTES RENAIS TRANSPLANTADOS

A INFECÇÃO POR CITOMEGALOVÍRUS EM PACIENTES RENAIS TRANSPLANTADOS CURSO DE ENFERMAGEM ADRIANA TRISTÃO DE SOUZA JUSCIVALDA RAMOS DA COSTA A INFECÇÃO POR CITOMEGALOVÍRUS EM PACIENTES RENAIS TRANSPLANTADOS Brasília DF 2013 ADRIANA TRISTÃO DE SOUZA JUSCIVALDA RAMOS DA COSTA

Leia mais

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral PARTE 2 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 FAMÍLIA HHV Alfaherpesvirinae HHV1(herpes bucal)

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) estão entre os problemas de saúde pública mais comuns no Brasil e em todo o mundo, sendo atualmente consideradas o

Leia mais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais Introdução Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade Profundas repercussões sociais Possibilitou um enorme avanço no campo da virologia Prof. Marco Antonio Passou de doença letal a

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 442/2005 Despacho DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE EXAME SOROLÓGICO PRÉ-NATAL EM MULHERES GRÁVIDAS PARA DIAGNÓSTICO PRECOCE DE VÍRUS DA AIDS, DAS HEPATITES B E C E DOS

Leia mais

Infecções congênitas por herpes-vírus

Infecções congênitas por herpes-vírus ARTIGO DE REVISÃO Infecções congênitas por herpes-vírus Congenital herpes virus infections Andrea Lucchesi de Carvalho 1, Lêni Márcia Anchieta 2, Roberta Maia de Castro Romanelli 3 DOI: 10.5935/2238-3182.20140055

Leia mais

CHIKUNGUNYA. No final de 2013 foi registrada a transmissão autóctone da doença em vários países do Caribe.

CHIKUNGUNYA. No final de 2013 foi registrada a transmissão autóctone da doença em vários países do Caribe. CHIKUNGUNYA Andyane Freitas Tetila Médica Infectologista Mestre em Doenças Infecciosas e Parasitárias pela UFMS Coordenadora de Vigilância Epidemiológica SESAU/PMCG CHIKUNGUNYA A Febre do Chikungunya é

Leia mais

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras Dispositivo Médico para Diagnóstico In vitro Nome Mandatário Fabricante Distribuidor Tipo de Teste Teste rápido. OraQuick ADVANCE /2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos /2 Aplicação Diagnóstica

Leia mais

EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA. O que é a febre hemorrágica - Ebola?

EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA. O que é a febre hemorrágica - Ebola? 1 EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA O que é a febre hemorrágica - Ebola? Febre hemorrágica Ebola (Ebola HF) é uma doença grave, muitas vezes fatal em seres humanos e primatas não-humanos (macacos,

Leia mais

A Herpes. O destruidor celular

A Herpes. O destruidor celular A Herpes O destruidor celular A herpes e os seus dois tipos: O herpes simples é uma doença infecciosa muito contagiosa,causada por dois vírus da família do herpesviridae, o hsv-1 e o hsv-2.infectam algumas

Leia mais

INFECÇÕES PULMONARES NO IMUNOCOMPROMETIDO NÃO SIDA PROTOCOLOS DE DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO. Importância do Tipo de Infiltrado.

INFECÇÕES PULMONARES NO IMUNOCOMPROMETIDO NÃO SIDA PROTOCOLOS DE DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO. Importância do Tipo de Infiltrado. INFECÇÕES PULMONARES NO IMUNOCOMPROMETIDO NÃO SIDA PROTOCOLOS DE DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO Rodney Frare e Silva Professor Adjunto Pneumologia UFPR COMPLICAÇÕES PULMONARES INFECCIOSAS APÓS O TCTH Importância

Leia mais

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN Lucia Mardini DVAS Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS CEVS Rua Domingos Crescêncio Nº 132 sala 310 hepatites@saude.rs.gov.br

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: E-Mail INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO OBJETIVOS: Objetivo geral Objetivos específicos

TÍTULO: AUTORES: E-Mail INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO OBJETIVOS: Objetivo geral Objetivos específicos TÍTULO:AVALIAÇÃO DA PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV NO HULW EM JOÃO PESSSOA - PB AUTORES: Karina Carla de Paula Medeiros, Ana Cecília Bezerra Carvalho, Márcia Regina Piuvezam, Margareth de Fátima

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

MICROBIOLOGIA. Profª. Márcia Americano

MICROBIOLOGIA. Profª. Márcia Americano MICROBIOLOGIA Profª. Márcia Americano PAROTIDITE EPIDÊMICA Márcia Souza Americano FAMÍLIA PARAMYXOVIRIDAE Subfamília Paramyxovirinae Gênero: Paramyxovirus Gênero:Rubulavirus- CAXUMBA Gênero: Morbillivirus-

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

VIROLOGIA. 1. Rubéola 2. Gripe 3. Resfriado 4. Hepatite

VIROLOGIA. 1. Rubéola 2. Gripe 3. Resfriado 4. Hepatite Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA 1. Rubéola 2. Gripe 3. Resfriado 4. Hepatite Prof. Leandro Parussolo RUBÉOLA Rubéola Família:

Leia mais

Seres muito simples: cápsula protéica envolvendo o material genético (DNA ou RNA) Vírus que infectam Bactérias

Seres muito simples: cápsula protéica envolvendo o material genético (DNA ou RNA) Vírus que infectam Bactérias Seres muito simples: cápsula protéica envolvendo o material genético (DNA ou RNA) Estrutura de Vírus Menores que as menores células conhecidas Vírus que infectam Bactérias Exemplo: vírus que infectam a

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015 PT-LB-IM-1 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O vírus da imunodeficiência humana é o agente causador da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS). A AIDS foi pela primeira vez descrita nos Estados

Leia mais

Imunodeficiências: classificação e diagnóstico

Imunodeficiências: classificação e diagnóstico Imunodeficiências: classificação e diagnóstico Distúrbios de funcionamento do sistema imunológico conseqüências risco aumentado de infecções, doenças auto-imunes e câncer Características das infecções:

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Trabalho de Biologia sobre HIV- AIDS Prof: César Fragoso Grupo: Arthur Mello nº2 Fernando Rodrigues nº12 Lucas Fratini nº24 Raffi Aniz nº32 Raúl Cué

Trabalho de Biologia sobre HIV- AIDS Prof: César Fragoso Grupo: Arthur Mello nº2 Fernando Rodrigues nº12 Lucas Fratini nº24 Raffi Aniz nº32 Raúl Cué Trabalho de Biologia sobre HIV- AIDS Prof: César Fragoso Grupo: Arthur Mello nº2 Fernando Rodrigues nº12 Lucas Fratini nº24 Raffi Aniz nº32 Raúl Cué nº34 Victor Sant Anna nº 35 Vinicius Dutra nº36 Tópicos

Leia mais

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea O que é AIDS? Sinônimos: hiv, síndrome da imunodeficiência adquirida, sida É uma doença que ataca o sistema imunológico devido à destruição dos glóbulos brancos (linfócitos T CD4+). A AIDS é considerada

Leia mais

Herpesvírus Humanos (HHV)

Herpesvírus Humanos (HHV) Herpesvírus Humanos (HHV) Subfamília Propriedades que Distinguem os Herpesvírus Vírus Alphaherpesvirinae Herpesvírus humano 1 Herpesvírus humano 2 Herpesvírus humano 3 Gammaherpesvirinae Herpesvírus humano

Leia mais

INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ

INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ 15 Fone: (41) 3330 4467. Página 1 Diagnóstico Laboratorial Lacen/PR Amostras de Recém-Natos (RN) com Microcefalia

Leia mais

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov. Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.br Casos notificados de AIDS, Brasil e São Paulo - 1980 a

Leia mais