Guia de uso de antimicrobianos nas Unidades de Atenção Integrada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de uso de antimicrobianos nas Unidades de Atenção Integrada"

Transcrição

1 SMS-GUAUAI-005 GUIA DE USO DE ANTIMICROBIANOS NAS UNIDADES DE ATENÄÑO INTEGRADA Guia de uso de antimicrobianos nas Unidades de Atenção Integrada Histórico das Revisões Revisão Data Descrição Dezembro/09 PublicaÜáo Inicial Elaborado por: Comissão Municipal de Controle de Infecção em Serviços de Saúde de Contagem (CMCISS)- Verificado por: Guilherme Augusto Armond; Josà Carlos Matos; Marcelo Silva de Oliveira; Ana Carolina Alves Fabrini. Aprovado por: Eduardo Caldeira de Souza Penna Secretário Municipal de Saúde 1

2 GUIA DE UTILIZAÇÃO DE ANTIMICROBIANOS NAS UNIDADES DE ATENDIMENTO INTEGRADO Apendicite edematosa ou ulcero-flegmonosa ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO Tipo Antibiótico Posologia Tempo de tratamento cloranfenicol Ataque 2 g EV e 24 horas + depois 1 g EV 6/6 h gentamicina 3-5 mg EV 24/24 h ou metronidazol 500 mg EV 8/8 h + gentamicina 3-5 mg EV 24/24 h Apencicite perfurada, abscesso local, peritonite ou diverticulite cloranfenicol + gentamicina ou metronidazol + gentamicina Ataque 2 g e depois 1 g EV 6/6 h 3-5 mg EV 24/24 h 500 mg EV 8/8 h 3-5 mg EV 24/24 h Acima de 5 dias e 72 h sem febre e sem leucocitose. Substituir a gentamicina pela ceftriaxona (2 g EV seguido de 1 g EV 12/12h) se insuficiância renal ou alto risco de insuficiância renal. Fazer cobertura para Enterococcus se houver: Gram da coleüáo ou bacteremia por cocos Gram positivos Mä resposta ao tratamento clãnico de diverticulite Desenvolvimento de coleüáo intra-abdominal Peritonite terciäria. Ampicilina 2 g EV de 6/6h. AMIGDALITE ETIOLOGIA: Streptococcus alfa hemolåtico. Penicilina Benzatina U IM dose ånica Amoxicilina 500 mg VO 8/8h por 10 dias Penicilina V 500 mg VO 12/12h por 10 dias Eritromicina 500 mg VO 6/6h por 10 dias 1

3 ARTRITE AGUDA INFECCIOSA ETIOLOGIA: Estafilococos, Estreptococos, H. influenzae outros gram negativos. N. gonorrhoeae em adultos sexualmente ativos. Oxacilina 8 a 12 gramas/dia de 4/4 a 6/6 h + gentamicina 3-5 mg/kg/dia dose ånica ambos EV por 2 semanas. Depois usar cefalexina 500 a 1grama VO de 6/6 h por 2 semanas. Amoxicilina-clavulanato 1g EV 8/8h (amoxicilina) + Cefotaxima 1 a 2 g EV de 8/8 h ou Ceftriaxona 1 g EV de 12/12 h. COLECISTITE AGUDA OU COLANGITE ETIOLOGIA: Enterobactérias + enterococcus + anaeróbios. Ceftriaxona 1 g EV de 12/12h + metronidazol 500mg EV de 8/8h Ampicilina 6-8 g/dia EV de 4/4h ou de 6/6 h + gentamicina 3-5 mg/kg EV de 24/24h + metronidazol 500 mg EV de 8/8h Duração de tratamento: atà 72h apçs o controle do quadro infeccioso (afebril e leucograma normal). ETIOLOGIA: Clostridium difficile. COLITE PSEUDOMENBRANOSA Metronidazol 250 mg VO de 6/6h ou 500 mg VO de 8/8h (pode ser EV). Em casos graves, confirmados por colonoscopia ou náo responsivos a metronidazol, usar: Vancomicina* 125 a 500 mg VO de 6/6h (náo pode ser EV). *Medicamento de uso restrito, liberaüáo apçs contato com o auditor. Duração de tratamento: De 10 a 14 dias ou atà 7 dias apçs a suspensáo dos antimicrobianos. 2

4 DIARRÉIA AGUDA Avaliar a indicaüáo de antibioticoterapia: Febre (temperatura > 38 0 C) por mais de 3 dias Extremos de idade Imunossuprimidos Avaliar a indicaüáo de internaüáo. ETIOLOGIA: Escherichia coli, Shigella spp, Salmonella spp. Ambulatorial: SMX-TMP mg VO 12/12 h Norfloxacino 400 mg VO de 12/12 h Internados: Ciprofloxacino 400 mg EV de 12/12 h Ceftriaxona 1 g EV de 12/12 h DOEA INFLAMATÓRIA PÉLVICA ETIOLOGIA: Neisseria gonorrhoeae, Chlamydia trachomatis, Ureaplasma urealyticum, Mycoplasma hominis, Streptococcus agalactiae, Haemophilus influenzae, Peptococcus spp, Peptostreptococcus spp, Bacteróides spp. Internados: Penicilina cristalina 4 milhées UI EV de 4/4h + Gentamicina 3-5 mg/kg de 24/24 h EV. Manter atà 48h apçs melhora clãnica, seguida de: Doxiciclina 100 mg VO de 12/12h por 14 dias. Associar cobertura para anaerçbios durante 14 dias se houver abscesso tubo-ovariano: Metronidazol 500 mg EV ou VO de 8/8 h por 14 dias. 3

5 Ciprofloxacino 200 mg EV de 12/12h + Doxiciclina 100 mg VO de 12/12h + Metronidazol 500 mg EV de 8/8h durante 14 dias. Ambulatorial: Ceftriaxona 250 mg EV ou IM, dose ånica + Doxiciclina 100 mg VO de 12/12h por 14 dias + Metronidazol 500 mg EV ou VO de 8/8h por 14 dias. Considerar a abordagem cirårgica se necessärio; Avaliar a necessidade de internaüáo. Critérios de internação: Diagnçstico incerto e diferencial com apendicite ou gravidez ectçpica Abscesso pàlvico Adolescente HIV/AIDS Falha no tratamento ambulatorial DOENÅA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÇNICA DPOC INFECTADO O uso de antibiçticos na DPOC estä indicado nas exacerbaüées infecciosas da doenüa que apresentem pelo menos duas das seguintes manifestaüées: Aumento do volume da expectoraüáo MudanÜa do aspecto da expectoraüáo para purulento Aumento da intensidade da dispnàia Duração do tratamento: 7 a 10 dias Composto por pacientes: < de 60 anos sem co-morbidades 4 exacerbaüées ao ano Com quadro leve a moderado GRUPO 1: Amoxicilina + clavulanato 500 mg VO de 8/8 h Doxiciclina 100mg VO de 12/12h Azitromicina 500 mg VO de 24/24 h Levofloxacino 500 mg VO de 24/24 h SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÄDE - SMS 4

6 GRUPO 2: Composto por pacientes: 60 anos com co-morbidades (a idade, isoladamente, náo muda de forma obrigatçria o paciente de grupo) 4 exacerbaüées ao ano Com quadro grave a muito grave Amoxicilina + clavulanato 500 mg EV de 8/8 h Alternativos: Ceftriaxona 1 g EV de 12/12 h Levofloxacino 500 mg EV de 24/24 h Ciprofloxacino 400 mg EV de 12/12 h (em caso de suspeita de Pseudomonas spp) Azitromicina 500 mg EV de 24/24 h INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO (ITU) CISTITE EM CRIAAS Cefalexina mg/kg/dia VO de 6/6 h SMX-TMP 40/8 mg/kg/dia VO 12/12 h Duração do tratamento: 7 a 10 dias PIELONEFRITE EM CRIAAS Gentamicina 3-5 mg/kg/dia EV DE 24/24 h Ceftriaxona mg/kg/dia EV de 12/12 h Amoxicilina-clavulanato 50 mg/kg/dia (de amoxicilina) EV de 8/8 h Duração do tratamento: 14 dias 5

7 CISTITE EM MULHER GRÁVIDA, PUÉRPERA OU NUTRIZ Ambulatorial: Cefalexina 500 mg VO de 6/6 h Nitrofurantoãna 100 mg VO de 6/6 h Amoxicilina 500 mg VO de 8/8 h Duração do tratamento 7 a 10 dias PIELONEFRITE EM MULHER GRÁVIDA, PUERPERA OU NUTRIZ Cefalotina 1 g EV de 4/4 h Ceftriaxona 1 g EV de 12/12 h Amoxicilina-clavulanato 500 mg EV de 8/8 h Duração do tratamento: 14 dias CISTITE EM ADULTOS SMX TMP (800 mg/160 mg) VO de 12/12h por 3-7 dias Nitrofurantoãna 100 mg VO de 6/6h por 7 dias Norfloxacino 400 mg VO 12/12 h por 3-7 dias Cefalexina 500 mg VO de 6/6 h por 7 dias Náo usar tempo curto de tratamento em idosos, diabàticos e imunossuprimidos 6

8 PIELONEFRITE EM ADULTOS Gentamicina 3-5 mg/kg EV ou IM de 24/24 h Ciprofloxacino 400 mg EV ou 500 mg VO de 12/12h Ceftriaxona 1 g EV de 12/12h Amoxicilina-clavulanato 500 mg EV de 8/8 h Duração do tratamento: 14 dias. Iniciar antibioticoterapia VO, EV ou IM, de acordo com o estado geral do paciente, reavaliar em 72 horas para passar ë terapâutica oral Para gestantes, pacientes com insuficiância renal ou maior risco de adquiri-la, ou ainda com idade > 65 anos, usar somente cefalosporina INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A SONDA VESICAL DE DEMORA Ceftriaxona 1 g EV de 12/12 h por dias Ciprofloxacino 400 mg EV de 12/12 h por dias Amicacina 15 mg/kg/dia EV por 10 dias INFECÇÕES DE PELE E PARTES MOLES ABCESSO (PELE/SUBCUTÂNEO) ETIOLOGIA: Streptococcus pyogenes, S. aureus TRATAMENTO Penicilina Benzatina 1,2 milhées de unidades IM dose ånica 7

9 Eritromicina 500mg VO de 8/8h por 10 a 14 dias Realizar drenagem CELULITE ETIOLOGIA: Streptococcus pyogenes e S. aureus Ambulatorial: Cefalexina 1 g VO de 6/6h por 7 dias Internado: Oxacilina 2 g IV de 4/4h por 7 dias Clindamicina mg VO de 6/6h por 7 dias ou 600 mg EV de 6/6h ou 900 mg EV de 8/8h por 7 dias ERISIPELA ETIOLOGIA: Streptococcus do grupo A, G, C e B e mais raramente S. aureus Ambulatorial: Amoxicilina 500 mg VO de 8/8 horas ou 30 mg/kg/dia por 7 a 10 dias 8

10 Internado: Penicilina cristalina EV de 4/4h Clindamicina mg de 6/6h VO por 7 dias, ou 600 mg EV de 6/6h, ou 900 mg EV de 8/8h EV por 7 dias ETIOLOGIA: S. pyogenes, S. aureus TRAMENTO: ERISIPELA BOLHOSA Oxacilina mg/kg/dia EV de 4/4 h. Casos mais graves 200 mg/kg/dia EV de 4/4 h; Dose adultos: 1 a 2 g EV de 4/4 h Cefalotina mg/kg/dia EV de 4/4 ou de 6/6 h. Casos mais graves 200 mg/kg/dia; Dose adultos: 1 a 2 g de 4/4 ou de 6/6 h Duração do tratamento: 7 10 dias ETIOLOGIA: Origem comunitäria: INFECÇÕES NECROTIZANTES Gangrena gasosa extremidades (Clostridium difficile) InfecÜáo necrotizante idiopätica, pçs trauma, relacionada ë injeüáo de drogas ou a animais peüonhentos (Streptococcus beta-hemolãtico, S.aureus) Gangrena Ludwig (flora mista oral) TRATAMENTO Clindamicina 900 mg de 8/8h EV + Gentamicina 240 mg/dia EV (dose ånica) Ceftriaxona 1 g EV de 12/12h em caso de insuficiância renal 9

11 Origem hospitalar: Pçs-drenagem de abcessos Cirurgias potencialmente contaminadas /sujas / infectadas (flora mista) Pçs cirurgias limpas ou potencialmente contaminadas (S.aureus, Streptococcus beta-hemolãtico) Vancomicina* 1 g EV de 12/12h + amicacina 1 g EV de 24/24h + metronidazol 0,5 g EV de 8/8h Vancomicina* + Imipenem/meropenem* em caso de insuficiância renal *Medicamento de uso restrito, liberaüáo apçs contato com o auditor Reavaliar antibioticoterapia de acordo com cultura/antibiograma Tempo de tratamento: mãnimo de 14 dias PÉ DIABÉTICO Classificação de pé diabético infectado Leve: Mais de duas manifestaüées inflamatçrias (secreüáo purulenta ou eritema, dor, calor, aumento de sensibilidade, empastamento); qualquer celulite ou eritema se estendendo atà 2 cm ao redor da ålcera, e infecüáo limitada a pele ou tecido subcutíneo superficial sem complicaüées locais ou acometimento sistâmico. Moderado: InfecÜáo em paciente sistemicamente bem e metabolicamente estävel, com mais de 1 dos seguintes: celulite se estendendo por mais de 2 cm; linfangite, extensáo ë fäscia, abscesso planos profundos, gangrena, envolvimento de måsculos, tendées, articulaüées e/ou ossos. Grave: InfecÜáo em paciente toxemiado, com instabilidade metabçlica (febre, calafrios, taquicardia, hipotensáo, confusáo, vìmitos, leucocitose, acidose, hiperglicemia, insuficiância renal). 1) Comunitäria: Cefalexina 1g VO de 6/6h Leve 10

12 Amoxicilina/Clavulanato mg VO de 8/8h Clindamicina 900 mg VO de 8/8h SMX-TMP 800/160 mg VO de 8/8 h Duração do tratamento: 7 a 14 dias ou atà 4 semanas se a resoluüáo for lenta 2) Relacionada a ServiÜos de Saåde ou uso de antibiçtico nos åltimos 30 dias: Clindamicina 900 mg VO de 8/8h + Ciprofloxacino 500 mg VO de 12/12h 1) Comunitäria: Moderado Amoxicilina-Clavulanato mg EV ou VO de 8/8h Clindamicina 900 mg VO ou EV de 8/8h + Ciprofloxacino 500 mg VO de 12/12h ou 400 mg de 12/12 EV Ceftriaxone 1 g EV de 12/12h + Metronidazol 500 mg EV de 8/8h Duração do tratamento: 2 a 4 semanas, inicialmente EV podendo ser VO apçs melhora clãnica 2) Relacionada a ServiÜos de Saåde ou uso de antibiçtico nos åltimos 30 dias: Piperacilina/Tazobactam* 4,75 g EV de 8/8h associado ë Vancomicina* 1g EV de 12/12h ou Teicoplanina* 400 mg EV de 12/12h Grave 1) Comunitäria: Clindamicina 900 mg EV de 8/8h + Ciprofloxacino 400 mg EV de 12/12h ou Cefepime* 2g EV 12/12h + Metronidazol 500 mg EV de 8/8h Duração do tratamento: 2 a 4 semanas, EV 11

13 2) Relacionada a ServiÜos de Saåde ou uso de antibiçtico nos åltimos 30 dias: Imipenem* 500 mg EV de 6/6h ou Meropenem* 1g EV de 8/8h ou Piperacilina/tazobactam* 4,75 g EV de 8/8h Associado a: Vancomicina* 1g EV de 12/12h Teicoplanina* 400 mg EV de 12/12h *Medicamento de uso restrito, liberaüáo apçs contato com o auditor. MENINGITES MENINGITES EM CRIAAS ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA DE ACORDO COM A FAIXA ETÁRIA IDADE ETIOLOGIA ESCOLHA ALTERNATIVO < 1 mâs Estreptococo do Ampicilina Ampicicilina grupo B, bacilos + + entàricos gramnegativos, cefotaxima aminoglicosãdeo Listeria monocytogenes (gentamicina ou amicacina) Somente se náo for possãvel usar 2 meses 5 anos Meningococo Pneumococo Haemophilus influenzae > 5 anos Meningococo Pneumococo Ceftriaxona mg/kg/dia EV (atà 4g/dia) de 12/12h Ceftriaxona mg/kg/dia EV (atà 4g/dia) de 12/12h ceftriaxona Cloranfenicol mg/kg/dia EV (atà 6g/dia) de 6/6h Penicilina UI/kg/dia EV (atà ) de 4/4h ou cloranfenicol mg/kg/dia EV (atà 6g/dia) de 6/6h 12

14 MENINGITES EM ADULTOS FATORES DE RISCO ETIOLOGIA TRATAMENTO Sem fatores de risco Pneumococo e Ceftriaxona 2 g EV 12/ 12h por dias Meningococo Fãstula liquçrica Pneumococo Ceftriaxona por Gestantes Adultos > 50 anos Portadores de HIV Pneumococo, meningococo e Listeria monocytogenes dias Ceftriaxona por 10 a 14 dias + ampiciilina 2 g EV de 4/4 h por 14-21dias NEUTROPENIA FEBRIL EM ADULTOS Febre: temperatura axilar > 38,0îC em uma mediüáo ou > 37,8îC mantida por uma hora, náo relacionada ë infusáo de hemoderivados Neutropenia: nåmero de granulçcitos < 500/mm3 ou entre 500 e 1000/mm3 com tendância ë queda Cefepima* 2 g EV de 8/8h *Medicamento de uso restrito, liberaüáo apçs contato com o auditor NEUTROPENIA FEBRIL EM PEDIATRIA Neutropenia: Contagem total de neutrçfilos perifàricos <1000 / mm3 com perspectiva de queda em 72 horas Febre: Dois ou mais episçdios de Tax >37, 0 C em 24 horas ou um episçdio de Tax >38,5 0 C Cefepima* 50 mg/kg/dose EV de 8/8h *Medicamento de uso restrito, liberaüáo apçs contato com o auditor 13

15 OSTEOMIELITE AGUDA HEMATOGÊNICA ETIOLOGIA: S. aureus, Estreptococos do grupo A Oxacilina 8 a 12 gramas/dia EV 4/4 h ou 6/6 h + gentamicina 3 5 mg/kg/dia EV 24/24 h, ambos EV por 2 semanas mais cefalexina 500 a 1g VO de 6/6 h por 2 semanas OSTEOMIELITE CRÔNICA ETIOLOGIA: S. aureus, Pseudomonas e outros gram negativos Clindamicina 600 mg EV 6/6 h mais Ciprofloxacino 400 mg EV 12/12 h durante a internaüáo e VO apçs a alta OTITE MÉDIA AGUDA Amoxicilina 500 mg VO de 8/8h por 5-7 dias Amoxicilina/clavulanato 500/125 mg VO de 8/8h por 5-7dias Claritromicina 500 mg de 12/12h por 10 dias Azitromicina 500 mg VO no 1Ç dia e 250 mg VO por mais 4 dias PANCREATITE AGUDA PANCREATITE AGUDA LEVE Náo hä indicaüáo de antimicrobianos 14

16 Indicação de tratamento: PANCREATITE AGUDA GRAVE 30% de necrose visualizada em TC de abdome Diagnçstico de infecüáo por cultura de aspirado por punüáo guiada ou intraoperatçria ou hemocultura Se náo houver sinais de necrose, mas o paciente apresentar algum critàrio de gravidade (IMC 30, diabetes, derrame pleural esquerdo ou bilateral, PCR 12 mg/dl, escore de Ranson 3, escore de APACHE II 8). Se náo houver evoluüáo para necrose, suspender em 3 dias Ciprofloxacina 400 mg EV de 12/12 h + metronidazol 500 mg EV de 8/8h Amoxicilina 500 mg VO de 8/8h SINUSITE AGUDA Claritromicina 500 mg VO de 12/12h Levofloxacino 500 mg VO 1x/dia Tempo de tratamento: 10 a 14 dias. PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA (PBE) PBE COMPLICADA Presença de qualquer dos seguintes achados: Encefalopatia Choque Hemorragia disgestiva alta ïleo paralãtico ou alteraüáo da funüáo renal 15

17 Cefotaxima 2g 8/8h IV Tempo de tratamento: dias PBE NÑO COMPLICADA Se o paciente estiver em uso de profilaxia com norfloxacino: Amoxicilina-Clavulanato 500 mg (de amoxicilina) VO ou Ceftriaxone 1 g IM/IV Se o paciente estiver em uso de profilaxia com norfloxacino: Amoxicilina-Clavulanato 500 mg (de amoxicilina) VO ou Ciprofloxacino 500 mg VO Duração do tratamento: dias PNEUMONIAS PNEUMONIA COMUNITÖRIA EM ADULTO Ver dosagens no final dos tçpicos de pneumonias. GRUPO 1 Baixo risco tratamento ambulatorial: Amoxicilina ou azitromicina ou Claritromicina SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÄDE - SMS 16

18 Doxicilina Duração do tratamento: 7-10 dias GRUPO 2 Tratamento ambulatorial: Azitromicina ou Claritromicina Amoxicilina + clavulanato Levofloxacino Duração do tratamento: 7-10 dias GRUPO 3 Internação breve: 24h-48h Levofloxacino EV ou Ceftriaxona EV + Azitromicina ou Claritromicina EV Azitromicina EV Claritromicina EV Amoxicilina + clavulanato Tempo de duração: 10 dias GRUPO 4 Internação em Enfermaria Levofloxacino EV Ceftriaxona EV + Azitromicina ou Claritromicina EV Duração do tratamento: dias 17

19 GRUPO V Terapia Intensiva Sem risco para Pseudomonas spp Ceftriaxona ou cefotaxima* EV+ Axitromicina ou Claritromicina EV Com risco para Pseudomonas spp: Ceftadizima ou Cefepime* EV + Ciprofloxacino EV. *Medicamento de uso restrito, liberaüáo apçs contato com o auditor. Duração do tratamento: dias PNEUMONIA COMUNITÁRIA EM PEDIATRIA IDADE ETIOLOGIA RN 21 dias Estreptococos do grupo B Bactàrias Gram-negativas entàricas Citomegalovãrus Listeria monocytogene 21 dias 3 meses Chlamydia trachomatis Vãrus sincicial respiratçrio Parainfluenza-vãrus tipo 3 Streptococcus pneumonia S. aureus 4 meses 4 anos Vãrus sincicial respiratçrio, parainfluenza-vãrus, influenzavirus, adenovirus, rinovirus S. pneumoniae H. influenzae Mycoplasma pneumoniae Mycobacterium tuberculosis 5 anos 15 anos Mycoplasma pneumoniae Chlamydia pneumoniae S. pneumoniae M. tuberculosis 18

20 Faixa etária RN-21 dias 3 semanas a 3 meses Tratamento ambulatorial Internar Afebril Eritromicina mg/kg/d VO de 6/6h ou Azitromicina 10 mg/kg/d no 1o dia e 5 mg/kg/d por mais 4 dias 1 tomada diäria Internação (criança sem imagem lobar e/ou derrame pleural Ampicilina (ou Penicilina Cristalina) e Centamicina com ou sem Cefalosporina de 3ó geraüáo EV (Cefotaxima ou Ceftriaxona) Afebril Eritromicina mg/kg/d IV de 6/6h. Paciente febril: associar Cefalosporina de 3ó geraüáo EV (Cefotaxima ou Ceftriaxona) Internação (criança com sepse, e/ou com infiltrado alveolar, e/ou com derrame pleural Ampicilina (ou Penicilina Cristalina) e gentamicina com ou sem Cefalosporina de 3ó geraüáo EV (Cefotaxima ou Ceftriaxona) Cefalosporina de 3ó geraüáo EV (Cefotaxima ou Ceftriaxona) 4 meses 5 anos 5 anos - Adultos jovens Amoxicilina mg/kg/dia 8/8h VO Eritromicina mg/ Kg/d VO 6/6h ou Azitromicina 10 mg/kg/d no 1o dia e 5 mg/kg/d por mais 4 dias em 1 tomada VO diäria ou Suspeita de pneumonia viral: náo dar antibiçtico Suspeita de etiologia bacteriana: Penicilina Cristalina UI/kg/d EV de 4/4h ou Ampicilina 200 mg/kg/d EV de 6/6h Claritromicina 15 mg/kg/d EV 12/12h ou, em crianüas Se forte suspeita de infecüáo por bactària Grampositiva, associar Penicilina Cristalina ou Ampicilina Cefalosporina de 3ó geraüáo EV (Cefotaxima ou Ceftriaxona) ou Penicilina Cristalina ou Cmpicilina Cefalosporina 3ó geraüáo EV (Cefotaxima ou Ceftriaxona), ou Penicilina Cristalina ou ampicilina Se náo evoluir bem, associar macrolãdeo 19

21 claritromicina15 mg/kg/d VO 12/12h ou, em crianüas > 8 anos, doxiciclina 4 mg/kg/dia VO 12/12h PNEUMOPATIA POR ASPIRAÅÑO (ADULTO) PNEUMONITE ASPIRATIVA ASSOCIADA Ü ASPIRAÅÑO DO CONTEÄDO GÖSTRICO Condição: Hãgido sem fatores de risco para colonizaüáo gästrica (p. ex: crise convulsiva). Clindamicina ou Ampicilina ou Penicilina Duração do tratamento: 7-14 dias Condição: Fatores de risco para colonizaüáo gästrica por Gram-negativos: Institucionalizados e hospitalizados, disfagia neurolçgica, obstruüáo intestinal, sonda gästrica ou enteral e uso bloqueadores H2. Levofloxacino ou Ceftriaxona + Claritromicina ou Azitromicina Considerar adiüáo de: Clindamicina ou Metronidazol por 7 a 14 dias Duração de tratamento: conforme gravidade e evoluüáo PNEUMONIA ADQUIRIDA NA COMUNIDADE COM RISCO PARA ASPIRAÅÑO (REBAIXAMENTO DO NáVEL DE CONSCIàNCIA, DISFAGIA OU OBSTRUÅÑO DIGESTIVA) Ambulatorial: Levofloxacino VO ou Amoxicilina-clavulanato VO por 7-14 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÄDE - SMS 20

22 Duração do tratamento: 7 14 dias Internado: Levofloxacino EV ou Ceftriaxona EV + Cclaritromicina EV ou Azitromicina EV. Considerar adiüáo de Clindamicina EV ou Metronidazol EV Duração do tratamento: conforme gravidade e evoluüáo. ABSCESSO OU PNEUMONIA NECROTIZANTE Ambulatorial: Amoxicilina-clavulanato VO ou Clindamicina VO Internado: Levofloxacino EV ou Ceftriaxona EV Adicionar: Clindaminica EV ou Metronidazol EV Duração do tratamento: Prolongada (>3 semanas) conforme gravidade e evoluüáo ANTIBIÓTICOS MAIS USADOS EM PNEUMONIAS E DOSAGENS HABITUAIS Antibiótico Dose adultos Dose pediátrica Amicacina mg/kg/dia de 12/12 ou 24/24 h mg/kg/dia de 12/12 ou de 24/24 h Amoxicilina ò ôcido clavulínico 500 mg VO ou 1g EV a cada 8 h mg/kg/dia VO ou EV de 8/8 h Ampicilina 500 mg VO a cada 6h ou mg/kg EV a cada 6 h mg/kg/dia VO de 6/6 h ou mg/kg/dia EV de 6/6 h Ampicilina-sulbactam 1,5 a mg EV a cada 6 h mg/kg/dia EV de 6/6 h Azitromicina 500 mg/dia VO ou EV 10 mg/kg/dia/ 1x/dia no 1Ç dia e 5mg/kg/dia/4dias 1x/dia VO ou EV 21

23 Cefepime 1-2 g a cada 8 ou 12 h Cefotaxima 1-2 g IV ou IM a cada 8 h Ceftazidima 1-2 g a cada 8 ou 12 h Ceftriaxona 1-2 g EV ou IM a cada 12 ou 24 h Ciprofloxacino 400 mg EV a cada 8 h ou 12 h 50 mg/kg a cada 8 ou 12 h 50 mg/kg EV ou IM a cada 8 h mg/kg/dia a cada 8 ou 12h mg/kg/dia EV ou IM de 12/12h mg/kg a cada 8 ou 12 h Claritromicina Clindamicina Cloranfenicol Doxiciclina 500 mg VO ou EV a cada 12 h 300 a 600 mg VO ou EV a cada 6 ou 8 h 50 a 100 mg/kg/dia EV ou VO de 6/6 h 100 mg a cada 12 h VO 15 mg/kg/dia VO ou EV de 12/12 h 15 a 40 mg/kg/dia VO ou EV de 6/6 ou 8/8 h mg/kg/dia (max. 1g) de 6/6h VO ou EV 4 mg/kg/dia VO de 12/12 h (acima de 12 anos) Eritromicina 500 mg VO a cada 6h 30 a 40 mg/kg/dia de 6/6 h VO Gentamicina Imipenem Levofloxacina Meropenem Metronidazol Oxacilina Penicilina cristalina Vancomicina 5-7 mg/kg/dia IM ou EV de 24/24 h 500 a 1000 mg EV a cada 6 h 500 mg/dia VO ou 750 mg/dia EV a cada 24 h 500 a 1000 mg EV a cada 6 ou 8 h 7,5 mg/kg VO ou EV a cada 6 ou 8 h mg/kg/dia EV de 6/6 h 18 a 24 milhées de unidades/dia EV de 4/4 a 6/6 h 500mg EV de 6/6h ou 1g EV 12/12h 5-7 mg/kg/dia IM ou EV de 24/24 h mg/kg/dia EV de 6/6 h 10 mg/kg a cada 12 h mg/kg EV a cada 8 h 7,5 mg/kg VO ou EV a cada 6 a 8 h mg/kg/dia EV de 6/6 h U/kg/dia EV de 4/4 a 6/6 h 15mg/kg de 6/6h 22

24 VARICELA INFECÇÕES SECUNDÁRIAS: Impetigo, celulite, pneumonia ETIOLOGIA: S. aureus e S. pyogenes Oxacilina mg/kg/dia EV de 4/4 h. Casos mais graves 200 mg/kg/dia EV de 4/4 h. Adultos 1 2 g EV de 4/4 h Cefalotina mg/kg/dia EV de 4/4 ou 6/6 h. Casos mais graves 200 mg/kg/dia. Adultos: 1 a 2 g de 4/4ou 6/6 h Duração do tratamento: 7-10 dias; casos mais graves 10 dias. 23

25 BIBLIOGRAFIA AssociaÜáo Màdica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. Projeto Diretrizes. acessado em novembro de Gilbert D. N. et al. The Sanford Guide to Antimicrobial Therapy Hospital das Clãnicas da Faculdade de Medicina da Universidade de Sáo Paulo. Guia de Utilização de anti-infecciosos e recomendações para prevenção de infecções hospitalares Mandell G. L.; Bennett J. E.; Dolin R. Principles and Practice of Infectious Diseases. Elsevier, 7ó Ed p. Secretaria de Saåde da Prefeitura Municipal de Contagem. Abordagem e Tratamento de Pneumonias nas Unidades de Urgência. Nov, Secretaria de Saåde da Prefeitura Municipal de Contagem. Manejo e Tratamento da Infecção Urinária. Jul, Tavares W. Marinho L. A. C. Rotinas de Diagnóstico e Tratamento das Doenças Infecciosas e Parasitárias. Ed. Atheneu, Sáo Paulo,

GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011

GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011 INFECÇÕES S SITUAÇÃO CLÍNICA

Leia mais

INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus

INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus Atualmente no HUCFF quase 100% das amostras de MRSA isoladas em infecções hospitalares apresentam o fenótipo de CA-MRSA (S. aureus resistente a oxacilina adquirido na

Leia mais

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 Antibioticoterapia NA UTI Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 O uso racional de Antimicrobianos 1) Qual antibiótico devo escolher? 2) Antibióticos dão reações alérgicas? 3) Vírus fica bom com antibiótico?????????

Leia mais

Normatização para Tratamento Empírico de Infecções Comunitárias

Normatização para Tratamento Empírico de Infecções Comunitárias Normatização para Tratamento Empírico de Infecções Comunitárias Página 1 E L A B O R A Ç Ã O Bráulio Matias Carvalho Consultor Técnico CCIH ISGH Thaís Lobo Herzer Infectologista do SCIH HGWA COLABORAÇÃO

Leia mais

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa Uso de antibióticos no tratamento das feridas Dra Tâmea Pôssa Ferida infectada Ruptura da integridade da pele, quebra da barreira de proteção Início do processo inflamatório: Dor Hiperemia Edema Aumento

Leia mais

Sumário. 1. Introdução 3. 2. Diretrizes Gerais para a Utilização de Antibacterianos 4

Sumário. 1. Introdução 3. 2. Diretrizes Gerais para a Utilização de Antibacterianos 4 Sumário 1. Introdução 3 2. Diretrizes Gerais para a Utilização de Antibacterianos 4 3. Protocolo de Tratamento Empírico para Infecções Comunitárias em Adultos 8 4. Tabela de Doses, Fator de Risco Gestante-FDA,

Leia mais

ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN

ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN MAGNÓLIA CARVALHO ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS ARTRITE CELULITE DIARRÉIA IMPETIGO ITU MENINGITE OTITE ONFALITE OSTEOMIELITE OFTALMIA PNEUMONIA

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Guia de Antibioticoterapia 2014

Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Guia de Antibioticoterapia 2014 Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Guia de Antibioticoterapia 2014 Situação Clínica Situações Especiais Erisipela ou Celulite Clavulim Oxacilina sepse ou sepse

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

3. Administre antibióticos de amplo espectro, de preferência bactericidas, em dose máxima e sem correção de dose para insuficiência renal ou

3. Administre antibióticos de amplo espectro, de preferência bactericidas, em dose máxima e sem correção de dose para insuficiência renal ou ATENÇÃO O ILAS disponibiliza esse guia apenas como sugestão de formato a ser utilizado. As medicações aqui sugeridas podem não ser adequadas ao perfil de resistência de sua instituição. GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO 1 Público Alvo: Médicos do Corpo Clínico e Enfermagem. Objetivo: Esta rotina aplica-se a padronizar e orientar a equipe de enfermagem no atendimento a ITU Referência: 1. Anual para Prevenção das Infecções

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

MANUAL ANTIBIOTICOTERAPIA DO SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

MANUAL ANTIBIOTICOTERAPIA DO SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR MANUAL ANTIBIOTICOTERAPIA DO SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 2015 ÍNDICE INFECÇÕES COMUNITÁRIAS ENDOCARDITE ENDOCARDITE BACTERIANA - VALVA NATIVA 04 ENDOCARDITE BACTERIANA - VALVA PROTÉTICA

Leia mais

Padronização de Antimicrobianos

Padronização de Antimicrobianos Padronização de Antimicrobianos GE-CIH Infectologia Hospital do Servidor Público Estadual Fevereiro de 2011 Padronização de Antimicrobianos Objetivos Uniformizar condutas quanto à prescrição de antimicrobianos

Leia mais

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA PROTOCOLO - OBS 032 DATA: 24/09/2005 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITOS - Infecção do trato urinário inferior: colonização bacteriana na bexiga e/ou uretra acompanhada de resposta inflamatória CISTITES, URETRITES.

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizesassistenciais INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Gilberto Gomes Ribeiro Francisco Edson de Lucena Feitosa IMPORTÂNCIA A infecção do trato

Leia mais

Manual de Antibioticoterapia. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH

Manual de Antibioticoterapia. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH Manual de Antibioticoterapia Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH introdução Há muitos antibióticos no mercado e continuamente novas marcas são lançadas. Essa grande quantidade de nomes podem

Leia mais

ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL. Revisão em 2012 Prof Solange Maria Dieterich

ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL. Revisão em 2012 Prof Solange Maria Dieterich ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL Revisão em 2012 Prof Solange Maria Dieterich Referências: DEF 2010/11; WANNMACHER; FERREIRA, 2010 (a); FUCHS, WANNMACHER,

Leia mais

MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL. Professora Marília da Glória Martins

MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL. Professora Marília da Glória Martins MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL Professora Marília da Glória Martins Definição Denomina-se infecção puerperal qualquer processo infecioso bacteriano do trato genital, que ocorra nos primeiros dez dias de puerpério,

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

Cristiano Cardoso de Andrade. Farmacêitico Clínica. Elaborado por: Dra. Giovana Pazin. Infectologista CCIH. Aprovado por: Dr. Luciano Correa Ribeiro

Cristiano Cardoso de Andrade. Farmacêitico Clínica. Elaborado por: Dra. Giovana Pazin. Infectologista CCIH. Aprovado por: Dr. Luciano Correa Ribeiro 1 Cristiano Cardoso de Andrade Elaborado por: Farmacêitico Clínica Dra. Giovana Pazin Infectologista CCIH Aprovado por: Dr. Luciano Correa Ribeiro Diretor Técnico 2 APARELHO GASTROINTENSTINAL ABSCESSO

Leia mais

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAI VI Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias Bactérias anaeróbias não-esporuladas Participam

Leia mais

ANTIBIOTICOTERAPIA NA NCIA. Dulce Emilia Moreira

ANTIBIOTICOTERAPIA NA NCIA. Dulce Emilia Moreira INFÂ Dulce Emilia Moreira INFÂ O ANTIBIÓTICO TICO É REALMENTE INDICADO DIANTE DOS ACHADOS CLÍNICOS? INFÂ INFECÇÕES BACTERIANAS ÓBVIAS X INFECÇÕES BACTERIANAS PROVÁVEIS VEIS INFÂ Fatores que devem ser considerados

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do Trato Urinário Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea Data de Realização: 23/03/2009 Data de Revisão: Data da Última

Leia mais

Doente do sexo feminino, obesa, com 60 anos apresenta insuficiência venosa crónica, febre, sinais inflamatórios numa perna e não é diabética.

Doente do sexo feminino, obesa, com 60 anos apresenta insuficiência venosa crónica, febre, sinais inflamatórios numa perna e não é diabética. REVISÃO INTEGRADA DOS ANTIBACTERIANOS Casos clínicos Caso 1 infecções da pele Doente do sexo feminino, obesa, com 60 anos apresenta insuficiência venosa crónica, febre, sinais inflamatórios numa perna

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA DEFINIÇÕES Febre neutropénica: T. auricular > 38ºC mantida durante 1 h, em doente com contagem absoluta de neutrófilos (CAN) < 500/mm 3, ou < 1000/mm

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina Preâmbulo: Vancomicina é um glicopeptídeo que tem uma ação bactericida por inibir

Leia mais

DROGA DIALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS AMICACINA AMOXICILINA AMPICILINA AMPICILINA+ SULBACTAM AZTREONAM

DROGA DIALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS AMICACINA AMOXICILINA AMPICILINA AMPICILINA+ SULBACTAM AZTREONAM ROGA IALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS Administrar a dose pós-diálise ou administrar 2 / 3 da dose normal como dose suplementar pós-diálise; acompanhar os níveis. AMICACINA P: dosar assim como o Cl

Leia mais

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Profilaxia intraparto para EGB Importância para o RN Abordagem do RN com Risco de Infecção ovular e colonizado por Streptococcus do grupo B Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Infecção

Leia mais

ABORDAGEM DO RN COM FATOR DE RISCO PARA SEPSE PRECOCE

ABORDAGEM DO RN COM FATOR DE RISCO PARA SEPSE PRECOCE ABORDAGEM DO RN COM FATOR DE RISCO PARA SEPSE PRECOCE Dra Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck Área Técnica da Saúde da Criança e Adolescente CODEPPS SMS DE São Paulo SEPSE NEONATAL PRECOCE DE ORIGEM BACTERIANA

Leia mais

Estimativa do número de casos no Brasil. A diminuição do Haemophylus influenzae com a vacinação. Os casos de doença meningocócica

Estimativa do número de casos no Brasil. A diminuição do Haemophylus influenzae com a vacinação. Os casos de doença meningocócica Antibioticoterapia das meningites bacterianas ❶ Importância do tema Estimativa do número de casos no Brasil A diminuição do Haemophylus influenzae com a vacinação Os casos de doença meningocócica Alterações

Leia mais

XXXIII Congresso Médico da Paraíba. Dr. Marcus Sodré

XXXIII Congresso Médico da Paraíba. Dr. Marcus Sodré XXXIII Congresso Médico da Paraíba Dr. Marcus Sodré Chamamos sinusite aos processos inflamatórios e/ou infecciosos que acometem as cavidades paranasais. Referências anatômicas Nariz : septo, cornetos médios

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO PROTOCOLO DE ATENDIMENTO ROTINA: NÚMERO 06 2013 TÍTULO: PNEUMONIA COMUNITÁRIA FLUXOGRAMA IMPLANTAÇÃO: SETOR: EMERGÊNCIA EXTERNA HIJG VERSÃO:

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

Temas da Aula: Antibióticos. Bibliografia ANTIBIÓTICOS VS. ANTIMICROBIANOS ESCOLHA DO ANTIBIÓTICO ASSOCIAÇÃO DE ANTIBIÓTICOS

Temas da Aula: Antibióticos. Bibliografia ANTIBIÓTICOS VS. ANTIMICROBIANOS ESCOLHA DO ANTIBIÓTICO ASSOCIAÇÃO DE ANTIBIÓTICOS Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 09.01.2008 Disciplina: Terapêutica Prof.: António Vaz Carneiro (substituiu a Dra. Margarida Borges) Tema da Aula: ANTIBIÓTICOS Autores: Rita Freitas; Joana Belo Equipa

Leia mais

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS A maior parte dos casos são as chamadas comunitárias ou não nosocomiais Típica Não relacionada à faixa etária. Causada por S. pneumoniae, H. influenzae e S. aureus. Sintomatologia

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-HNSC NORMAS E ROTINAS TÉCNICO-OPERACIONAIS CIH/HNSC/GHC

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-HNSC NORMAS E ROTINAS TÉCNICO-OPERACIONAIS CIH/HNSC/GHC Resumo da Antibioticoprofilaxia clínica no HNSC em Adultos - CIH-HNSC - Maio/2011 PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-HNSC NORMAS E ROTINAS TÉCNICO-OPERACIONAIS CIH/HNSC/GHC NRTO 11/2002 Atualizada

Leia mais

Pneumonia na Pediatria

Pneumonia na Pediatria Pneumonia na Pediatria Universidade Católica de Brasília Nome: Gabriela de Melo Souza da Silva Costa Matrícula: UC11045029 Orientadora: Drª Carmem Lívia Faria da Silva Martins Pneumonias São doenças inflamatórias

Leia mais

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos?

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Dra. Vanessa Schultz Médica Infectologista Especialização em Gestão de Risco Hospitalar Coordenadora do SCIH do Hospital Mãe de Deus Canoas Não possuo;

Leia mais

Programa de Educação Médica Continuada. Antibioticoterapia. Quinolonas. Prof. Dr. Valdes Roberto Bollela

Programa de Educação Médica Continuada. Antibioticoterapia. Quinolonas. Prof. Dr. Valdes Roberto Bollela Programa de Educação Médica Continuada Antibioticoterapia Quinolonas Prof. Dr. Valdes Roberto Bollela Quinolonas Ácido Nalidíxico - identificado em 1962 Subproduto da síntese da cloroquina. Década de 1980

Leia mais

TEMAS. Sepse grave e Choque Séptico Microrganismos produtores de KPC A problemática da Resistência Microbiana nas UTIs

TEMAS. Sepse grave e Choque Séptico Microrganismos produtores de KPC A problemática da Resistência Microbiana nas UTIs 5ª OFICINA DE INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS Francisco Kennedy S. F. de Azevedo Médico Infectologista Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

Pneumonia Adquirida na comunidade em Adultos (PAC)

Pneumonia Adquirida na comunidade em Adultos (PAC) Pneumonia Adquirida na comunidade em Adultos (PAC) Definição Infecção aguda do parênquima pulmonar, associada a um novo infiltrado ao Raio X de tórax. Quadro clínico habitual Febre, tosse com secreção,

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Caso Clínico Masc, 30 anos, apresentando febre após QT para LMA (3 o ciclo). Nos 2 ciclos anteriores apresentou

Leia mais

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA Frequência cardíaca em função da idade Idade (anos) Andrade, 2002 Batimentos/minuto 1 110-130 2 90-115 3 80-105 7-14 80-105 14-21 78-85 Acima

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

Parâmetros para profilaxia cirúrgica

Parâmetros para profilaxia cirúrgica Parâmetros para profilaxia cirúrgica O objetivo da profilaxia antimicrobiana em cirurgia é prevenir a infecção de sítio cirúrgico, atingindo níveis do antibiótico no sangue e nos tecidos que exceda, em

Leia mais

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio Abordagem da Criança com Taquipnéia Paula Florence Sampaio Taquipnéia até 2 meses de idade: 60 rpm de 2 meses a 1 ano: 50 rpm de 1 a 4 anos: 40 rpm 5 anos ou mais: 30 rpm Algumas Causas de Taquipnéia Pneumonia

Leia mais

Programa de Educação Médica Continuada. Antibioticoterapia. Penicilinas e Cefalosporinas. Prof. Dr. Valdes Roberto Bollela

Programa de Educação Médica Continuada. Antibioticoterapia. Penicilinas e Cefalosporinas. Prof. Dr. Valdes Roberto Bollela Programa de Educação Médica Continuada Antibioticoterapia Penicilinas e Cefalosporinas Prof. Dr. Valdes Roberto Bollela Proposta para esta manhã Breve revisão de princípios básicos de uso dos ATBs. Foco

Leia mais

Meningite Bacteriana

Meningite Bacteriana Meningite Bacteriana Conceito Infecção aguda que acomete as leptomeninges (aracnóide e pia-máter), envolvendo o cérebro e a medula espinhal. Page 2 Epidemiologia Doença comum, de alta mortalidade e morbidade

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Keroxime cefuroxima sódica

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Keroxime cefuroxima sódica 2 LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Keroxime cefuroxima sódica APRESENTAÇÃO Keroxime (cefuroxima) 750 mg: frasco-ampola contendo 750 mg de cefuroxima

Leia mais

Antimicrobianos contra cocos Gram positivos BIANCA GRASSI DE MIRANDA INFECTOLOGISTA HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL HOSPITAL SAMARITANO

Antimicrobianos contra cocos Gram positivos BIANCA GRASSI DE MIRANDA INFECTOLOGISTA HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL HOSPITAL SAMARITANO Antimicrobianos contra cocos Gram positivos BIANCA GRASSI DE MIRANDA INFECTOLOGISTA HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL HOSPITAL SAMARITANO Cocos Gram positivos Gênero Estafilococos S. aureus Estafilo

Leia mais

Condutas. Sarah Pontes de Barros Leal

Condutas. Sarah Pontes de Barros Leal Condutas Sarah Pontes de Barros Leal Caso 1 I: J.A.M., 32 anos, feminino, natural e procedente de Fortaleza, solteira, arquiteta. QP: febre, dor no tórax direito e tosse produtiva. HDA: sentia-se bem até

Leia mais

MODELO DE BULA DO PACIENTE RDC 47/09

MODELO DE BULA DO PACIENTE RDC 47/09 Doclaxin amoxicilina sódica + clavulanato de potássio MODELO DE BULA DO PACIENTE RDC 47/09 APRESENTAÇÕES Pó Injetável. Embalagem contendo 10, 20 ou 50 frascos-ampola de 500 mg + 100 mg ou 1.000 mg + 200

Leia mais

CONDUTA NAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRURGICO. Quadro 1. Fatores de Risco para Infecções do Sitio Cirúrgico.CIRÚR Cirurgias Ginecológicas

CONDUTA NAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRURGICO. Quadro 1. Fatores de Risco para Infecções do Sitio Cirúrgico.CIRÚR Cirurgias Ginecológicas CAPÍTULO 3 CONDUTA NAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRURGICO Laryssa Portela Joyce Façanha FC Medeiros A incidência de infecção pós-operatória é de aproximadamente 38% das infecções nosocomiais. Entre as infecções

Leia mais

DALACIN C. Laboratórios Pfizer Ltda. Cápsulas. 300 mg. cloridrato de clindamicina

DALACIN C. Laboratórios Pfizer Ltda. Cápsulas. 300 mg. cloridrato de clindamicina DALACIN C cloridrato de clindamicina Laboratórios Pfizer Ltda. Cápsulas 300 mg Dalacin C cloridrato de clindamicina I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Dalacin C Nome genérico: cloridrato

Leia mais

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL 1 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II - NOTIFICAÇÃO... 3 1. Vigilância / Requerimentos...

Leia mais

PROF.DR.JOÃO ROBERTO ANTONIO

PROF.DR.JOÃO ROBERTO ANTONIO DA PREVENÇÃO AO TRATAMENTO DAS FERIDAS NEM SEMPRE SE ACERTA, MAS SEMPRE SE APRENDE... PROF.DR.JOÃO ROBERTO ANTONIO RELATO DE CASO AF: n.d.n. ID: masculino, 39 anos, branco, casado, natural e procedente

Leia mais

Dor pêlvica Aguda na Mulher

Dor pêlvica Aguda na Mulher PROFAM Dor pêlvica Aguda na Mulher Dr. Eduardo Durante Fundación MF Para el desarrollo de la Medicina Familiar y la Atención Primaria de la Salud OBJETIVOS Enumerar os diagnósticos diferenciais nas mulheres

Leia mais

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES P N E U M O N I A CONCEITO Processo inflamatório do parênquima pulmonar que, comumente, é causada por agentes infecciosos. 1 Uma

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

Infecções do Trato Urinário

Infecções do Trato Urinário Infecções do Trato Urinário Anatomia e Fisiologia do Trato Urinário Órgãos secretores: Rins (2) Órgãos excretores: Ureteres (2) Bexiga Uretra Fonte: http://www.auladeanatomia.com Microbiota Normal da Uretra

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE Todos os indivíduos com suspeita de Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC) devem realizar telerradiografia do tórax (2 incidências)(nível A). AVALIAÇÃO

Leia mais

Sinovite transitória do quadril. Osteomielite. Dr Marcio Cunha

Sinovite transitória do quadril. Osteomielite. Dr Marcio Cunha Sinovite transitória do quadril Artrite séptica Osteomielite Dr Marcio Cunha Sinovite transitória do Quadril É a principal causa de claudicação na criança! Principal diagnóstico diferencial para artrite

Leia mais

DEFINIÇÃO: É a inflamação aguda das estruturas do parênquima pulmonar.

DEFINIÇÃO: É a inflamação aguda das estruturas do parênquima pulmonar. PNEUMONIAS DEFINIÇÃO: É a inflamação aguda das estruturas do parênquima pulmonar. Doenças respiratórias são responsáveis por aproximadamente 12% das mortes notificadas no país, sendo as pneumonias responsáveis

Leia mais

São medidas imediatas (primeiras 24 horas) indispensáveis no tratamento de um paciente com tétano, EXCETO:

São medidas imediatas (primeiras 24 horas) indispensáveis no tratamento de um paciente com tétano, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 66 QUESTÃO 26 A ligação inicial de uma cepa de HIV macrophage-tropic a uma célula é mediada por: a) gp41, CD4 e CCR5 b) gp41, CD4 e CXCR4 c) gp120, CD4 e CCR5 d) gp120, CD4 e

Leia mais

CAPÍTULO 10 INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO. Augusto César Oliveira de Araújo Eduardo de Paula Miranda Francisco das Chagas Medeiros

CAPÍTULO 10 INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO. Augusto César Oliveira de Araújo Eduardo de Paula Miranda Francisco das Chagas Medeiros CAPÍTULO 10 INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Augusto César Oliveira de Araújo Eduardo de Paula Miranda Francisco das Chagas Medeiros O termo infecção urinária refere-se ao comprometimento de qualquer porção

Leia mais

RELATO DE CASO. Data da internação: 05/06/06

RELATO DE CASO. Data da internação: 05/06/06 CASO CLÍNICO RELATO DE CASO Data da internação: 05/06/06 Identificação: G.V.S., masculino, 45 anos, solteiro (vive matrimonialmente), natural do Rio de Janeiro RJ, religião espírita QP: Pus em bolsa escrotal

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO MSC INES STRANIERI LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER - HUJM UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO - UFMT

Leia mais

sexualmente transmissíveis, traqueobronquites,

sexualmente transmissíveis, traqueobronquites, Uso de antimicrobianos em clínica médica The use of anti-microbials in general practice BEATRIZ GRAEFF SANTOS SELIG- MAN Médica Internista, Especialista em Nefrologia e Mestre em Clínica Médica pela UFRGS.

Leia mais

amoxicilina + clavulanato de potássio

amoxicilina + clavulanato de potássio amoxicilina + clavulanato de potássio Bula para paciente Pó para solução injetável 1 g + 200 mg Página 1 Página 1 amoxicilina + clavulanato de potássio Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 Pó para

Leia mais

Silvia Castro Caruso Christ. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo

Silvia Castro Caruso Christ. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo Silvia Castro Caruso Christ Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo Definições: Processo inflamatório da membrana mucosa que reveste a cavidade

Leia mais

RELAÇÕES AMBIENTE-MICRORGANISMO

RELAÇÕES AMBIENTE-MICRORGANISMO RELAÇÕES AMBIENTE-MICRORGANISMO Bactérias Gram(+) e Gram(-) Profa. Ms Solange A O Neves Curso: Enfermagem 1 Profa. Ms Solange A O Neves 2 1) Estafilococos Staphylococcus aureus BACTÉRIAS GRAM POSITIVAS

Leia mais

MAXCEF 1 g ou 2 g pó para solução injetável é apresentado em embalagens com 1 frasco-ampola.

MAXCEF 1 g ou 2 g pó para solução injetável é apresentado em embalagens com 1 frasco-ampola. USO INTRAMUSCULAR OU INTRAVENOSO APRESENTAÇÃO MAXCEF 1 g ou 2 g pó para solução injetável é apresentado em embalagens com 1 frasco-ampola. USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada frasco-ampola contém cloridrato

Leia mais

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves PROFILAXIA CIRÚRGICA Valquíria Alves INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO (ILC) Placeholder for your own subheadline A infecção do local cirúrgico (ILC) é uma complicação comum da cirurgia, com taxas de incidência

Leia mais

HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO - HUWC MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND - MEAC

HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO - HUWC MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND - MEAC PROTOCOLOS ASSISTENCIAIS DO HUWC INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA RELACIONADA A CATETERES INTRAVASCULARES 1. INTRODUÇÃO Evelyne Santana Girão Infecções relacionadas a cateteres intravasculares são importante

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. Cefixima Jaba 400 mg Comprimidos Revestidos Cefixima Jaba 100 mg/5 ml Pó para Suspensão Oral

FOLHETO INFORMATIVO. Cefixima Jaba 400 mg Comprimidos Revestidos Cefixima Jaba 100 mg/5 ml Pó para Suspensão Oral FOLHETO INFORMATIVO Cefixima Jaba 400 mg Comprimidos Revestidos Cefixima Jaba 100 mg/5 ml Pó para Suspensão Oral Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. Conserve este folheto. Pode

Leia mais

Pneumonia em Pediatria. Abordagem etiológica e terapêutica

Pneumonia em Pediatria. Abordagem etiológica e terapêutica Pneumonia em Pediatria Abordagem etiológica e terapêutica 1 Definindo o diagnóstico: - O que tratar, Quem tratar, Como tratar, Onde tratar 2 Fatores de risco para pneumonia Maternos Educação materna Desmame

Leia mais

Bactomax. teicoplanina. Pó liófilo injetável 200mg e 400mg. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Bactomax. teicoplanina. Pó liófilo injetável 200mg e 400mg. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Bactomax teicoplanina Pó liófilo injetável 200mg e 400mg Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Bactomax 200mg e 400mg teicoplanina APRESENTAÇÃO

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

Antibacterianos nas infecções do trato urinário

Antibacterianos nas infecções do trato urinário UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO IV Antibacterianos nas infecções do trato urinário Infecções do trato urinário Bacteriúria

Leia mais

Zinnat. cefuroxima LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO

Zinnat. cefuroxima LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO Zinnat cefuroxima LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I) Identificação do medicamento Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Zinnat é apresentado

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL

Leia mais

PÓS- GRADUAÇÃO lato sensu EM MICROBIOLOGIA CLÍNICA NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

PÓS- GRADUAÇÃO lato sensu EM MICROBIOLOGIA CLÍNICA NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PÓS- GRADUAÇÃO lato sensu EM MICROBIOLOGIA CLÍNICA NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CONCEITOS GERAIS SOBRE AGENTES ANTIMICROBIANOS NATÁLIA ARRUDA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 2008 PÓS-

Leia mais

CAPÍTULO 4 DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA (DIP)

CAPÍTULO 4 DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA (DIP) CAPÍTULO 4 DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA (DIP) Juliana Furtado Francisco das Chagas Medeiros Descrição Síndrome clínica atribuída à ascensão de microorganismos do trato genital inferior, comprometendo endométrio,

Leia mais

Pneumonia adquirida na comunidade no adulto. Autor(es) Bruno do Valle Pinheiro 1 Júlio César Abreu de Oliveira 2 Jan-2010

Pneumonia adquirida na comunidade no adulto. Autor(es) Bruno do Valle Pinheiro 1 Júlio César Abreu de Oliveira 2 Jan-2010 Pneumonia adquirida na comunidade no adulto Autor(es) Bruno do Valle Pinheiro 1 Júlio César Abreu de Oliveira 2 Jan-2010 1 - Qual a definição de pneumonia adquirida na comunidade (PAC)? PAC é a infecção

Leia mais

Pneumonia adquirida na comunidade em crianças e adolescentes

Pneumonia adquirida na comunidade em crianças e adolescentes TE-5 REMESSA DE documentos de CAIXA, EXTRA-CAIXA E CONTABILIDADE PARA MICROFILMAGEM DIBAN/DPSAG - Depto. de Processos e Suporte às Agências Tipo Documental Pneumonia adquirida na comunidade em crianças

Leia mais

Protocolos Não Gerenciados

Protocolos Não Gerenciados Protocolos Não Gerenciados Unidade de Pediatria FEBRE SEM SINAIS LOCALIZATÓRIOS EM CRIANÇAS ATÉ 3 ANOS Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2005 SBIB Hospital Albert Einstein Page 1 of 7 Protocolo

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP - SCIH 09 Página 1/8 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO MEAC Tarefa: Selecionar o tipo de precaução a ser adotada, segundo tipo de condição clínica, infecção e microorganismo Executante: Profissionais

Leia mais

Dra. Thaís Guimarães

Dra. Thaís Guimarães Dra. Thaís Guimarães ANTIMICROBIANOS Produtos capazes de destruir microorganismos ou de suprimir sua multiplicação ou crescimento. Antibióticos = produzidos por microorganismos Quimioterápicos = sintetizados

Leia mais

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 TEICOSTON teicoplanina APRESENTAÇÕES Pó liófilo injetável. Embalagem contendo 1 frasco-ampola de 200 mg ou 400 mg + 1 ampola de diluente de 3 ml. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

Pneumonia Comunitária

Pneumonia Comunitária Pneumonia Definição - Inflamação do parênquima pulmonar -Causas: - infecciosas (vírus, bactérias, fungos), - não infecciosas (aspirações, drogas, radiação) Considerações Gerais - Importância Doenças Respiratórias

Leia mais

Definição. Pneumonia. - Inflamação do parênquima pulmonar. -Causas: - infecciosas (vírus, bactérias, fungos),

Definição. Pneumonia. - Inflamação do parênquima pulmonar. -Causas: - infecciosas (vírus, bactérias, fungos), Pneumonia Definição - Inflamação do parênquima pulmonar -Causas: - infecciosas (vírus, bactérias, fungos), - não infecciosas (aspirações, drogas, radiação) Considerações Gerais - Importância Doenças Respiratórias

Leia mais

Senhor Presidente PROJETO DE LEI

Senhor Presidente PROJETO DE LEI Senhor Presidente PROJETO DE LEI " INSTITUI O ESTÍMULO À REALIZAÇÃO DO 'EXAME DO COTONETE' (EXAME DE CULTURA DE STREPTOCOCCUS B"), EM TODAS AS GESTANTES QUE REALIZAM O PRÉ-NATAL NOS HOSPITAIS E MATERNIDADES

Leia mais

PNEUMONIAS. Maria João Rocha Brito. Unidade de Infecciologia Hospital Dona Estefânia CHLC EPE joao.rochabrito@netcabo.pt

PNEUMONIAS. Maria João Rocha Brito. Unidade de Infecciologia Hospital Dona Estefânia CHLC EPE joao.rochabrito@netcabo.pt PNEUMONIAS Maria João Rocha Brito Unidade de Infecciologia Hospital Dona Estefânia CHLC EPE joao.rochabrito@netcabo.pt PNEUMONIAS Pneumonia Incidência 36 40:1000 < 5 anos Europa 2,5 milhões casos/ano PNEUMONIAS

Leia mais