Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati"

Transcrição

1 ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO TRADIÇÕES RELIGIOSAS TEXTOS SAGRADOS Se as religiões estão para humanizar e sensibilizar as pessoas frente aos problemas sociais presentes na humanidade, até de despertarem o ser humano para uma atitude de respeito e reverência frente a Outrem, podem contribuir com o desenvolvimento dos projetos de vida. Outrem Refere-se ao Outro, enquanto único e inacessível, divindade(s), ser humano, cosmo. Além de agregar ideais e ações de determinada Tradição Religiosa, os jovens e demais pessoas encontram-se nas Tradições Religiosas critérios, valores e ensinamentos que dão sustentação aos projetos de vida, concedendo espaço para desenvolvê-los e tornarem seus sonhos realidade. Para tanto, as Tradições Religiosas, ao realizarem experiências comunitárias com atividades destinadas às diferentes fases da vida e que envolvem o bem coletivo, contribuem para que as pessoas aprendam a refletir a sua participação no desenvolvimento humano e social, como também a se organizar em busca do bem-viver. Desta forma, são subsidiadas por estas experiências para elaborarem os seus projetos de vida. Vamos descobrir como as Tradições Religiosas fazem isso? No Cristianismo, diferentes denominações religiosas acreditam que Deus tem um plano para cada um e realizam atividades com crianças, jovens, casais e idosos, a fim de que em cada fase da vida, possam comunitariamente vivenciar a mensagem cristã, priorizando a fé, a esperança e o amor ao próximo. Os jovens recebem orientações de acordo com os ensinamentos cristãos e realizam experiências de oração e de solidariedade com pessoas e comunidades carentes. Essas atividades, entre outras, contribuem para que as incluam em seu projeto de vida primando por um novo futuro fundamentado no amor e na justiça. Os cristãos católicos têm no ritual do crisma a crença de que o jovem passa a assumir sua vida espiritual, desenvolvendo seu projeto de vida em consonância com os princípios e valores católicos, atuando nos grupos de jovens, nas liturgias, nos grupos

2 de cantos, em pastorais e/ou catequese. Nas comunidades cristãs evangélicas, algumas igrejas possuem uma estrutura em nível local e nacional onde os jovens se organizam e desenvolvem seus dons em prol da comunidade, exercendo o seu protagonismo na medida em que desenvolvem uma consciência crítica frente às problemáticas sociais. Além do mais, atuam na música, nos grupos de jovens, acampamentos, retiros e outras atividades de evangelização que contribuem em seu projeto de vida. Na cosmovisão africana cada pessoa é um ser com que vive com. A comunidade é o espaço em que todos mantêm a ligação, os laços com a família e com o grupo social. Os vivos e seus ancestrais convivem numa relação de complementaridade. Todo africano e afro-brasileiro é orientado desde criança a encontrar sua força vital, seu sentido enquanto ser na união com Outros, visíveis e invisíveis, isto é, com os vivos e seus antepassados. Este processo perpassa nos rituais, os quais fortalecem e legitimam a experiência religiosa na comunidade. No senso de pertencimento à comunidade encontram-se os valores e princípios éticos que orientam a vida dos integrantes das religiões africanas e afro-brasileiras. O mérito e a responsabilidade vai além do sujeito, pois adentra ao mundo dos humanos, dos ancestrais e da natureza. Os mitos, cantos, celebrações e rituais ligam estes mundos entre si, e o jovem participa normalmente em todos os momentos da vida comunitária e religiosa. Desta forma, o modo de viver nesta cultura contribui para que a dimensão comunitária se faça presente no projeto de vida das pessoas. Na cultura indiana, em que predomina o Hinduísmo como um conjunto de Tradições Religiosas, encontram-se quatro grandes fases da vida que visam favorecer a organização pessoal e coletiva. A primeira refere-se ao tempo em que cada criança e jovem adquire conhecimento relacionados às virtudes e a prática da meditação. Os grupos ou sacerdotes, juntamente com os pais, responsabilizam-se por essa orientação. A segunda fase destina-se à contribuição da família e o desenvolvimento material, necessário à subsistência. A terceira diz respeito ao processo de desprendimento dos bens materiais e maior preocupação com os bens espirituais. A última fase caracteriza-se pela dedicação à meditação, libertando-se do mundo material em vista da plenitude espiritual.

3 No Hinduísmo, portanto, a formação dos jovens também contribui para a vivência de um projeto de vida, ao oportunizar a participação nos rituais de devoção, cantos e recitações de orações meditativas em formas de mantras. Estes, por sua vez, são recomendados pelos mestres espirituais aos iniciantes, pois acreditam que possuem uma força espiritual que leva à libertação. Essa iniciação tem por objetivo auxiliar a pessoa a conectar-se com alguma divindade. A união favorecerá a integração entre corpo e mente, considerada necessária à realização espiritual. Na Tradição islâmica, encontram-se os cinco pilares, sobre os quais muitos muçulmanos elaboram seus projetos de vida. O segundo pilar do islã é o Salah (orar cinco vezes ao dia), cotidianamente praticado como forma de viver em constante diálogo com Allhá. Além do Salah, pesquise quais são e registre o significado dos outros quatro pilares. Na Tradição Budista, as crianças são iniciadas nas práticas e ensinamentos budistas a fim de que, na juventude e vida adulta, desenvolvam seus projetos de vida. Para eles, a sanga (comunidade) é como uma família, em que cada integrante é apoiado no desenvolvimento dos seus projetos, pois não beneficiam apenas o indivíduo, mas a comunidade toda. Os mandamentos que, segundo a tradição judaica, forma revelados a Moisés, são em resumo da lei divina, em que o amor a Deus ganha centralidade. Ao participar da vida comunitária, todo jovem judeu tem a possibilidade de desenvolver seu projeto de vida. Para isso, há de passar pelo ritual do Bar-Mitzvá e Bat-Mitzvá. Você sabe o que é? Pesquise e registre as contribuições destes rituais para a elaboração do projeto de vida nesta Tradição Religiosa.

4 Para os adeptos da Tradição Fé Bahá i, a vida é compreendida como um grande projeto que se inicia no ventre materno e visa ao crescimento espiritual, tendo em vista a eternidade. Portanto, cada adepto deve organizar sua vida segundo alguns princípios, dentre os quais pode-se citar: ser contra todo tipo de preconceito, discriminação, má distribuição de renda, conflitos entre os povos, além de buscar sempre as perfeições divinas como a humildade, honestidade, veracidades, bondade e disponibilidade para atender os que necessitam. Para melhor desenvolver um projeto de vida na realidade em que você vive, quais destes princípios Bhá i você considera que podem contribuir? Justifique. O Espiritismo visa constantemente a promoção do ser humano, por isso propõe a todos adeptos que avaliem seu contexto social e, neste, suas condições, prioridades e ideais de liberdade. Além do mais, um dos pontos centrais na doutrina espírita é a prática da caridade no local em que cada um vive. Por isso, todo jovem é orientado a realizar formações para melhor compreender sua presença neste mundo e realizar seu projeto voltado à libertação do espírito. Para o Xintoísmo, o tempo presente é fundamental. Ele ocupa a centralidade da vida e, por isso, cada pessoa é a principal responsável pelo seu cuidado para que possa aproveitar as oportunidades de conhecimento e crescimento. Os projetos de vida são gerados, em grande parte, no ambiente familiar e comunitário e têm grande relação com a natureza, pois uma vida dissociada dela, é incompatível com os ideais xinstístas. A participação em encontros celebrativos, em cultos aos ancestrais e o respeito aos idosos, pois deles herda-se sabedoria e o respeito à terra, ao meio ambiente e aquilo que transcende este mundo, são alguns dos princípios que devem nortear o desenvolvimento do projeto de vida dos xintoístas.

5 Nas Tradições indígenas, tratar o tema projeto de vida é desafiados, pois elas apresentam uma cosmovisão que difere significativamente das demais. Um projeto de vida é para todos da tribo, pois vem desde as origens de cada grupo ético, que foi construindo um modo próprio de ser e viver, pensar, agir, criar, recriar, crer e expressar suas crenças. O projeto de cada grupo se completa na relação com outros grupos. Percebeu-se, portanto, que a Tradição Religiosa contribui com a elaboração e desenvolvimento de projeto de vida, tanto em nível individual quanto coletivo. A dimensão espiritual tem de ser considerada na vida cotidiana, pois os que aderem alguma crença, o fazem porque desejam mais vida, mais dignidade e sentido para viver. As Tradições Religiosas, quando fiéis aos princípios fundamentais, podem contribuir com a humanização das pessoas, independentemente de crença religiosa e, inclusive, para ale delas mesmas. A TRADIÇÃO RELIGOSA - CATÓLICA No Cristianismo, diferentes denominações religiosas acreditam que Deus tem um plano para cada um e realizam atividades com crianças, jovens, casais e idosos, a fim de que em cada fase da vida, possam comunitariamente vivenciar a mensagem cristã, priorizando a fé, a esperança e o amor ao próximo. Os jovens recebem orientações de acordo com os ensinamentos cristãos e realizam experiências de oração e de solidariedade com pessoas e comunidades carentes. Essas atividades, entre outras, contribuem para que as incluam em seu projeto de vida primando por um novo futuro fundamentado no amor e na justiça. Os cristãos católicos têm no ritual do crisma a crença de que o jovem passa a assumir sua vida espiritual, desenvolvendo seu projeto de vida em consonância com os princípios e valores católicos, atuando nos grupos de jovens, nas liturgias, nos grupos de cantos, em pastorais e/ou catequese.

6 A TRADIÇÃO RELIGOSA NO PROJETO DE VIDA - EVANGÉLICA Nas comunidades cristãs evangélicas, algumas igrejas possuem uma estrutura em nível local e nacional onde os jovens se organizam e desenvolvem seus dons em prol da comunidade, exercendo o seu protagonismo na medida em que desenvolvem uma consciência crítica frente às problemáticas sociais. Além do mais, atuam na música, nos grupos de jovens, acampamentos, retiros e outras atividades de evangelização que contribuem em seu projeto de vida. A TRADIÇÃO RELIGOSA NO PROJETO DE VIDA - AFRICANA Na cosmovisão africana cada pessoa é um ser com que vive com. A comunidade é o espaço em que todos mantêm a ligação, os laços com a família e com o grupo social. Os vivos e seus ancestrais convivem numa relação de complementaridade. Todo africano e afro-brasileiro é orientado desde criança a encontrar sua força vital, seu sentido enquanto ser na união com Outros, visíveis e invisíveis, isto é, com os vivos e seus antepassados. Este processo perpassa nos rituais, os quais fortalecem e legitimam a experiência religiosa na comunidade. No senso de pertencimento à comunidade encontram-se os valores e princípios éticos que orientam a vida dos integrantes das religiões africanas e afro-brasileiras. O mérito e a responsabilidade vai além do sujeito, pois adentra ao mundo dos humanos, dos ancestrais e da natureza. Os mitos, cantos, celebrações e rituais ligam estes mundos entre si, e o jovem participa normalmente em todos os momentos da vida comunitária e religiosa. Desta forma, o modo de viver nesta cultura contribui para que a dimensão comunitária se faça presente no projeto de vida das pessoas.

7 A TRADIÇÃO RELIGOSA NO PROJETO DE VIDA - ESPÍRITA O Espiritismo visa constantemente a promoção do ser humano, por isso propõe a todos adeptos que avaliem seu contexto social e, neste, suas condições, prioridades e ideais de liberdade. Além do mais, um dos pontos centrais na doutrina espírita é a prática da caridade no local em que cada um vive. Por isso, todo jovem é orientado a realizar formações para melhor compreender sua presença neste mundo e realizar seu projeto voltado à libertação do espírito. A TRADIÇÃO RELIGOSA NO PROJETO DE VIDA - INDIANA Na cultura indiana, em que predomina o Hinduísmo como um conjunto de Tradições Religiosas, encontram-se quatro grandes fases da vida que visam favorecer a organização pessoal e coletiva. A primeira refere-se ao tempo em que cada criança e jovem adquire conhecimento relacionados às virtudes e a prática da meditação. Os grupos ou sacerdotes, juntamente com os pais, responsabilizam-se por essa orientação. A segunda fase destina-se à contribuição da família e o desenvolvimento material, necessário à subsistência. A terceira diz respeito ao processo de desprendimento dos bens materiais e maior preocupação com os bens espirituais. A última fase caracteriza-se pela dedicação à meditação, libertando-se do mundo material em vista da plenitude espiritual.

8 A TRADIÇÃO RELIGOSA NO PROJETO DE VIDA - HINDUÍSTA Há jovens, em praticamente todas as Tradições Religiosas, envolvidos ativamente em atividades de solidariedade e voluntariado, agregando ideais e ações destes espaços aos projetos No Hinduísmo, portanto, a formação dos jovens também contribui para a vivência de um projeto de vida, ao oportunizar a participação nos rituais de devoção, cantos e recitações de orações meditativas em formas de mantras. Estes, por sua vez, são recomendados pelos mestres espirituais aos iniciantes, pois acreditam que possuem uma força espiritual que leva à libertação. Essa iniciação tem por objetivo auxiliar a pessoa a conectar-se com alguma divindade. A união favorecerá a integração entre corpo e mente, considerada necessária à realização espiritual. A TRADIÇÃO RELIGOSA NO PROJETO DE VIDA - ISLÂMICA Há jovens, em praticamente todas as Tradições Religiosas, envolvidos ativamente em atividades de solidariedade e voluntariado, agregando ideais e ações destes espaços aos projetos Na Tradição islâmica, encontram-se os cinco pilares, sobre os quais muitos muçulmanos elaboram seus projetos de vida. O segundo pilar do islã é o Salah (orar cinco vezes ao dia), cotidianamente praticado como forma de viver em constante diálogo com Allhá. Além do Salah, pesquise quais são e registre o significado dos outros quatro pilares.

9 A TRADIÇÃO RELIGOSA NO PROJETO DE VIDA - BUDISTA Há jovens, em praticamente todas as Tradições Religiosas, envolvidos ativamente em atividades de solidariedade e voluntariado, agregando ideais e ações destes espaços aos projetos Na Tradição Budista, as crianças são iniciadas nas práticas e ensinamentos budistas a fim de que, na juventude e vida adulta, desenvolvam seus projetos de vida. Para eles, a sanga (comunidade) é como uma família, em que cada integrante é apoiado no desenvolvimento dos seus projetos, pois não beneficiam apenas o indivíduo, mas a comunidade toda. A TRADIÇÃO RELIGOSA NO PROJETO DE VIDA - JUDAICA Há jovens, em praticamente todas as Tradições Religiosas, envolvidos ativamente em atividades de solidariedade e voluntariado, agregando ideais e ações destes espaços aos projetos Os mandamentos que, segundo a tradição judaica, forma revelados a Moisés, são em resumo da lei divina, em que o amor a Deus ganha centralidade. Ao participar da vida comunitária, todo jovem judeu tem a possibilidade de desenvolver seu projeto de vida. Para isso, há de passar pelo ritual do Bar-Mitzvá e Bat-Mitzvá. Você sabe o que é? A TRADIÇÃO RELIGOSA NO PROJETO DE VIDA FÉ BAHÁ I Há jovens, em praticamente todas as Tradições Religiosas, envolvidos ativamente em atividades de solidariedade e voluntariado, agregando ideais e ações destes espaços aos projetos Para os adeptos da Tradição Fé Bahá i, a vida é compreendida como um grande projeto que se inicia no ventre materno e visa ao crescimento espiritual, tendo em vista a eternidade. Portanto, cada adepto deve organizar sua vida segundo alguns princípios, dentre os quais pode-se citar: ser contra todo tipo de preconceito, discriminação, má distribuição de renda, conflitos entre os povos, além de buscar sempre as perfeições divinas como a humildade, honestidade, veracidades, bondade e disponibilidade para atender os que necessitam.

10 Para melhor desenvolver um projeto de vida na realidade em que você vive, quais destes princípios Bhá i você considera que podem contribuir? Justifique. A TRADIÇÃO RELIGOSA NO PROJETO DE VIDA XINTOÍSTA Há jovens, em praticamente todas as Tradições Religiosas, envolvidos ativamente em atividades de solidariedade e voluntariado, agregando ideais e ações destes espaços aos projetos Para o Xintoísmo, o tempo presente é fundamental. Ele ocupa a centralidade da vida e, por isso, cada pessoa é a principal responsável pelo seu cuidado para que possa aproveitar as oportunidades de conhecimento e crescimento. Os projetos de vida são gerados, em grande parte, no ambiente familiar e comunitário e têm grande relação com a natureza, pois uma vida dissociada dela, é incompatível com os ideais xintoístas. A participação em encontros celebrativos, em cultos aos ancestrais e o respeito aos idosos, pois deles herda-se sabedoria e o respeito à terra, ao meio ambiente e aquilo que transcende este mundo, são alguns dos princípios que devem nortear o desenvolvimento do projeto de vida dos xintoístas. A TRADIÇÃO RELIGOSA NO PROJETO DE VIDA - INDÍGENA Nas Tradições indígenas, tratar o tema projeto de vida é desafiados, pois elas apresentam uma cosmovisão que difere significativamente das demais. Um projeto de vida é para todos da tribo, pois vem desde as origens de cada grupo ético, que foi construindo um modo próprio de ser e viver, pensar, agir, criar, recriar, crer e expressar suas crenças. O projeto de cada grupo se completa na relação com outros grupos.

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí, / / 14 6º ANO A e B "Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho."

Leia mais

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / /

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / RELIGIÃO: como surgiu, o que é e para quê? A procura do ser humano pela felicidade

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

Aula 5.2 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz Orientais Hinduísmo - Índia Budismo - Índia Taoísmo - China Xintoísmo - Japão ENSINO RELIGIOSO

Aula 5.2 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz Orientais Hinduísmo - Índia Budismo - Índia Taoísmo - China Xintoísmo - Japão ENSINO RELIGIOSO A Aula 5.2 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz Orientais Hinduísmo - Índia Budismo - Índia Taoísmo - China Xintoísmo - Japão 2 A Habilidades: Identificas as diferenças e semelhanças entre as religiões

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano Unidade Letiva: 1 - As Origens Período: 1º 1. Questionar a origem, o destino e o sentido do universo e do ser humano. As origens na perspetiva científica L. Estabelecer um diálogo entre a cultura e a fé.

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas ENSINO RELIGIOSO

Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas 2 CONTEÚDO E HABILIDADES

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO

PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 6ºs Anos PROFESSOR: André

Leia mais

PESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO

PESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO PESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO Sois meu refúgio e minha cidadela, meu Deus, em que eu confio (Sl 90,2) OS

Leia mais

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA SAGRADA Nº 8 - Mar/15 PRESTA atenção RELIGIÃO! BÍBLIA Apresentação Esta nova edição da Coleção Presta Atenção! vai tratar de um assunto muito importante: Religião. A fé é uma questão muito pessoal e cada

Leia mais

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova Prof. Humberto S. Herrera Contreras O que este documento nos diz? Algumas percepções iniciais... - O título já é uma mensagem espiritual! tem movimento, aponta

Leia mais

Religiosidade Africana

Religiosidade Africana UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRPPG MECM CONHECIMENTO E DIVERSIDADE CULTURAL Religiosidade Africana Douglas Aires GOIÂNIA, 2012 Religião Africana O africano tem a religião como um modo de vida que é caracterizada,

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva

Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva Pastoral Juvenil Salesiana Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva Fundamentos Dom Bosco Madre Mazzarello Movidos pelo ES tiveram clara consciência de ser chamados por Deus a uma missão singular

Leia mais

Disciplina ENSINO RELIGIOSO Ano Letivo 2015 Carga Horária 2 Turma 6º B Regime Anual Curso Ensino Fundamental Anos Finais Bimestre 1º

Disciplina ENSINO RELIGIOSO Ano Letivo 2015 Carga Horária 2 Turma 6º B Regime Anual Curso Ensino Fundamental Anos Finais Bimestre 1º PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD) Curso Ensino Fundamental Anos Finais Bimestre 1º * Respeito à diversidade religiosa * Declaração universal dos direitos Humanos e Constituição brasileira: respeito à liberdade

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS CURSOS E ENCONTROS DA PJM

DESCRIÇÃO DOS CURSOS E ENCONTROS DA PJM DESCRIÇÃO DOS CURSOS E ENCONTROS DA PJM 1 Páscoa Jovem 1.1. Descrição A Páscoa Jovem é um encontro vivencial realizado para proporcionar uma experiência reflexiva e celebrativa da Paixão, Morte e Ressurreição

Leia mais

INTRODUÇÃO Introdução ao Hinduísmo

INTRODUÇÃO Introdução ao Hinduísmo INTRODUÇÃO Introdução ao Hinduísmo Denominação do conjunto de princípios, doutrinas e práticas religiosas que surgiram na Índia, a partir de 2000 a.c. O termo é ocidental e é conhecido pelos seguidores

Leia mais

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros DEUS SE REVELA ATRAVÉS DOS OUTROS Ser Marista com os outros: Experimentar caminhos de vida marista comunitariamente INTRODUÇÃO

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA Nestes últimos anos tem-se falado em Catequese Renovada e muitos pontos positivos contribuíram para que ela assim fosse chamada. Percebemos que algumas propostas

Leia mais

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / MEU SENHOR E MEU DEUS, EU CONFIO EM TI! OS TEXTOS SAGRADOS NAS TRADIÇÕES RELIGIOSAS

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Planificação do 7º Ano - Educação Moral e Religiosa Católica Unidades Temáticas Conteúdos Competências Específicas Instrumentos de Avaliação UL1- AS ORIGENS

Leia mais

ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura. Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa

ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura. Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa CANÇÃO Borres Guilouski Somos diversos E somos plurais Somos diferentes E somos iguais Respeito

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família A transmissão da fé na Família Reunião de Pais Família Plano Pastoral Arquidiocesano Um triénio dedicado à Família Passar de uma pastoral sobre a Família para uma pastoral para a Família e com a Família

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

Encontro de Revitalização da Pastoral Juvenil LUZES DOS DOCUMENTOS

Encontro de Revitalização da Pastoral Juvenil LUZES DOS DOCUMENTOS Encontro de Revitalização da Pastoral Juvenil LUZES DOS DOCUMENTOS Ficha 1 1 Formação Integral (I) A com juventude para todo trabalho de evangelização A, como fundante (falando- se em, com atenção também

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão A vida litúrgica começa muito cedo. Os Sacramentos são conhecidos como encontros pessoais com Cristo. Também são vistos como sinais da salvação.

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

Dons Espirituais. A maior causa de nossa fraqueza espiritual como um povo é a falta de fé real nos dons espirituais. (Review and Herald 14/08/1868).

Dons Espirituais. A maior causa de nossa fraqueza espiritual como um povo é a falta de fé real nos dons espirituais. (Review and Herald 14/08/1868). Dons Espirituais Por que é importante conhecer o tema? Somos admoestados a conhecê-los. (I Corintios 12:1). Somos motivados a usá-los. (I Timóteo 4:10). Somos responsáveis pelo uso. (I Pedro 4:10). A maior

Leia mais

ENSINO RELIGIOSO: A TOLERÂNCIA E A INTOLERÂNCIA NA SALA DE AULA

ENSINO RELIGIOSO: A TOLERÂNCIA E A INTOLERÂNCIA NA SALA DE AULA ENSINO RELIGIOSO: A TOLERÂNCIA E A INTOLERÂNCIA NA SALA DE AULA 1. Introdução Paula Martins Xavier Faculdade de História, Direito e Serviço Social UNESP/Campus Franca paulaxavier86@yahoo.com.br Gustavo

Leia mais

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A evangelização nos dá a alegria do encontro com a Boa Nova da Ressurreição de Cristo. A maioria das pessoas procura angustiada a razão de sua vida

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Uma breve meditação sobre Mudança de Estruturas O objetivo desta meditação é redescobrir a dimensão espiritual contida na metodologia de mudança

Leia mais

RELATOS DO AMOR QUE CURA

RELATOS DO AMOR QUE CURA RELATOS DO AMOR QUE CURA S582r Silberfarb, Benomy Relatos do amor que cura / Benomy Silberfarb. Novo Hamburgo : Sinopsys, 2015. 128p. ISBN 978-85-64468-37-5 1. Espiritualidade. I. Título. Catalogação na

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

N.º de aulas (tempos letivos) 12 10 10. Apresentação/Avaliação diagnóstica 1 - - Instrumentos de avaliação 1 1 1. - A Liberdade

N.º de aulas (tempos letivos) 12 10 10. Apresentação/Avaliação diagnóstica 1 - - Instrumentos de avaliação 1 1 1. - A Liberdade Escola Secundária com 3.º CEB Poeta Al Berto Código 03192 7520-902 - Sines Ano letivo: 201/2015 Departamento: Ciências Humanas e Sociais Grupo disciplinar: 290 Disciplina: Educação Moral Religiosa Católica

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética 2 0 1 2-2 0 1 5 DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN - RS Queridos irmãos e irmãs, Com imensa alegria, apresento-lhes o PLANO DIOCESANO DE ANIMAÇÃO BÍBLICO -

Leia mais

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO A TEXTOS SAGRADOS: MENSAGENS E ORIENTAÇÕES Os textos escritos, orais e artísticos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011. Aprova a continuidade do Projeto de Extensão Escola de Teologia para leigos Nossa Senhora das Graças, na modalidade de Curso de Extensão, na categoria

Leia mais

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai Cláudio Ribeiro Objetivos Avaliar a doutrina de Trindade suas raízes, premissas fundamentais, ênfases e mudanças no contexto global da história da Igreja e as

Leia mais

Acolhida Memorial/Prazer de Casa Equipes Problematização Vídeo Leitura de Imagem. Livro Texto Atividades complementares Interatividades

Acolhida Memorial/Prazer de Casa Equipes Problematização Vídeo Leitura de Imagem. Livro Texto Atividades complementares Interatividades PAUTA DO DIA Acolhida Memorial/Prazer de Casa Equipes Problematização Vídeo Leitura de Imagem PAUTA DO DIA Livro Texto Atividades complementares Interatividades MEMORIAL 1 Elabore uma lista com as mudanças

Leia mais

Servimo-nos da presente para apresentar os projetos e programas oferecidos pela Israel Operadora.

Servimo-nos da presente para apresentar os projetos e programas oferecidos pela Israel Operadora. Apresentação e projetos para Israel Prezados Senhores, Shalom. Servimo-nos da presente para apresentar os projetos e programas oferecidos pela. A atua no mercado judaico há mais de 10 anos e a partir de

Leia mais

Oração na Vida Diária

Oração na Vida Diária Oração na Vida Diária ocê é convidado a iniciar uma experiência de oração. Às vezes pensamos que o dia-a-dia com seus ruídos, suas preocupações e sua correria não é lugar apropriado para levantar nosso

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA SOCIOLOGIA. Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA SOCIOLOGIA. Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo Habilidades: Reconhecer que a religião muitas vezes esconde razões políticas, econômicas e sociais de inúmeros conflitos no mundo contemporâneo; Reconhecer que a

Leia mais

3º EIXO Dízimo TOTAL DIOCESE 943 579 61,3%

3º EIXO Dízimo TOTAL DIOCESE 943 579 61,3% 3º EIXO Dízimo Paróquia/Questionários Distribuídos Devolvidos % Devolv. Miguel Calmon 67 27 40 Piritiba 45 06 13 Tapiramutá 30 19 63 Mundo Novo 20 12 60 Jequitibá 14 10 71 Totais zonal 2 176 74 42% Andaraí

Leia mais

Pe. Nilton César Boni, cmf

Pe. Nilton César Boni, cmf EDITORA AVE-MARIA Apresentação Após a homilia na Sagrada Liturgia, rezamos solenemente o Credo como profissão de nossa fé. Em primeira pessoa, o fiel diz publicamente Creio referindo-se às verdades do

Leia mais

ROSÁRIO ANGLICANO. contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã.

ROSÁRIO ANGLICANO. contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã. ROSÁRIO ANGLICANO contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã. O Círculo do Rosário Anglicano simboliza a roda do tempo; na tradição cristã o número 4 representa os quatro braços da cruz: quando

Leia mais

Projeto Universitários Lassalistas em Missão

Projeto Universitários Lassalistas em Missão Projeto Universitários Lassalistas em Missão Apresentação O projeto Universitários Lassalistas em Missão surge como proposta aos Centro Universitários e Faculdades Lassalistas para oferecer aos acadêmicos

Leia mais

Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia

Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia C.G.Jung: Espiritualidade Conforme Jung o ser humano desenvolve primeiro uma identidade pessoal, descobre quem é, o que gosta, qual é seu

Leia mais

O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE

O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE O Movimento dos Focolares Movimento Internacional: Está presente em 182 países. Sede Central: Rocca di Papa (Roma), Itália No mundo: Membros: 120

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

Igreja Amiga da criança. Para pastores

Igreja Amiga da criança. Para pastores Igreja Amiga da criança Para pastores Teste "Igreja Amiga da Criança" O povo também estava trazendo criancinhas para que Jesus tocasse nelas. Ao verem isso, os discípulos repreendiam aqueles que as tinham

Leia mais

Boa sorte e que Deus abençoe muito seu esforço.

Boa sorte e que Deus abençoe muito seu esforço. Aqui está um tipo de apresentação que pode ser usada para fins específicos. Poderá servir para um encontro de oração, um retiro, uma reflexão sobre o perdão ou sobre a Misericórdia e grandeza do coração

Leia mais

A vida cristã na comunidade Como, quando e onde posso ajudar? Jörg Garbers, Mestre de Teologia

A vida cristã na comunidade Como, quando e onde posso ajudar? Jörg Garbers, Mestre de Teologia A vida cristã na comunidade Como, quando e onde posso ajudar? Jörg Garbers, Mestre de Teologia Comunidade cristã não é clube cristã Uma comunhão (com união) Um só Senhor Uma só fé Um só batismo Um só Deus

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

O Budismo começou com a história do príncipe Siddartha Gautama que um dia abandonou: Buda e passou a pregar pelos quatro cantos da

O Budismo começou com a história do príncipe Siddartha Gautama que um dia abandonou: Buda e passou a pregar pelos quatro cantos da BUDISMO O Budismo começou com a história do príncipe p Siddartha Gautama que um dia abandonou: 1. Seu palácio; 2. Sua família 3. Suas riquezas; 4. Seu poder. Para ir em busca da iluminação. Atingiu o estado

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO 1. IDENTIDADE DO COMPONENTE CURRICULAR O Ensino Religioso deve buscar

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado O Programa de Voluntariado do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche pretende ir ao encontro do ideário desta instituição, numa linha da

Leia mais

Construindo a nova relação entre judeus e cristãos

Construindo a nova relação entre judeus e cristãos Os Doze Pontos de Berlim e A História da Transformação de um Relacionamento I Construindo a nova relação entre judeus e cristãos No verão de 1947, 65 judeus e cristãos de 19 países reuniram-se em Seelisberg,

Leia mais

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos No Antigo Testamento são citadas algumas cartas, como no 2ºMacabeus, capi.1º. Mas é no Novo Testamento que muitas cartas foram conservadas como parte integrante da revelação de Deus. No Novo Testamento

Leia mais

CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA

CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA PE. GREGÓRIO LUTZ Certamente o título deste artigo não causa estranheza à grande maioria dos leitores da Revista de Liturgia. Mas mesmo assim me parece conveniente

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO O Baptismo, porta da vida e do reino, é o primeiro sacramento da nova lei, que Cristo propôs a todos para terem a vida eterna, e, em seguida, confiou à

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

CURRÍCULO 2014/2015. Disciplina: EMRC Ano de Escolaridade: 7º. 1.º Período Aulas Previstas: 13

CURRÍCULO 2014/2015. Disciplina: EMRC Ano de Escolaridade: 7º. 1.º Período Aulas Previstas: 13 CURRÍCULO 2014/2015 Disciplina: EMRC Ano de Escolaridade: 7º 1.º Período Aulas Previstas: 13 Conteúdos As origens 7. ano Unidade Lectiva 1 A maravilha do Universo e a grandeza do ser humano Os dados da

Leia mais

[ Art. 188 º ] Se um religioso é expulso da Congregação ou sai por sua própria

[ Art. 188 º ] Se um religioso é expulso da Congregação ou sai por sua própria [ Art. 185 º ] O documento de profissão dos votos, escrito e assinado pelo religioso que os professou e confirmado pelo superior maior ou seu delegado e mais duas testemunhas, será guardado no arquivo

Leia mais

Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. Conselho Mundial das Igrejas. Aliança Evangélica Mundial

Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. Conselho Mundial das Igrejas. Aliança Evangélica Mundial Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso Conselho Mundial das Igrejas Aliança Evangélica Mundial A missão pertence à essência da igreja. Proclamar a palavra de Deus e testemunhá-la ao mundo é

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO PASTORAL ESCOLA SALESIANA EM PASTORAL

PROJETO EDUCATIVO PASTORAL ESCOLA SALESIANA EM PASTORAL PROJETO EDUCATIVO PASTORAL ESCOLA SALESIANA EM PASTORAL Brasília, 15/05/2014 Situando a RSE... Cristã Católica Identidade Carisma Dom Bosco Madre Mazzarello FMA - SDB Missão Identidade + Carisma = Função

Leia mais

SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014

SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014 SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014 Maria e José levaram Jesus a Jerusalém a fim de apresentá-lo ao Senhor Leituras: Genesis 15, 1-6; 21,1-3; Salmo 104 (105), 1b-2, 3.4-5.6.8-9 (R/ 7a.8a); Carta aos

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 Secundário 10ºAno

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 Secundário 10ºAno Unidade Letiva: 1 Política, Ética e Religião Período: 1º Metas Objetivos Conteúdos Avaliação O. Amadurecer a sua responsabilidade perante a pessoa, a comunidade e o mundo. I. Conhecer o percurso da Igreja

Leia mais

O SR. ISAÍAS SILVESTRE (PSB-MG) pronuncia o. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

O SR. ISAÍAS SILVESTRE (PSB-MG) pronuncia o. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, O SR. ISAÍAS SILVESTRE (PSB-MG) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, gostaria de Parabenizar o Dep. Adelor Vieira pela iniciativa louvável de requerer esta Sessão

Leia mais

Plano Pedagógico do Catecismo 6

Plano Pedagógico do Catecismo 6 Plano Pedagógico do Catecismo 6 Cat Objetivos Experiência Humana Palavra Expressão de Fé Compromisso PLANIFICAÇÃO de ATIVIDADES BLOCO I JESUS, O FILHO DE DEUS QUE VEIO AO NOSSO ENCONTRO 1 Ligar a temática

Leia mais

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II)

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II) Apresentação A Renovação Carismática Católica do Estado do Piauí, movimento eclesial da Igreja Católica, tem por objetivo proporcionar às pessoas uma experiência concreta com Jesus Cristo, através do Batismo

Leia mais

Ministério de Mulheres que oram, Heroínas da Fé

Ministério de Mulheres que oram, Heroínas da Fé Ministério de Mulheres que oram, Heroínas da Fé Pr. Presidente : Raul C. Batista e Miss. Ruthe Ribeiro Ministra do MMO: Lourdes Ramalho Assembléia de Deus de Imperatriz- MA Liderança Pr. Raul C. Batista

Leia mais

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO -

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - INTRODUÇÃO O Colégio Episcopal da Igreja Metodista, no uso de suas atribuições (Cânones, Art. 63, item XVII)

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 8º ANO 18 A, B

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 8º ANO 18 A, B EDUCAÇÃO RELIGIOSA 8º ANO 18 A, B CONTEÚDOS DO EXAME Autoconhecimento. Relacionamento, amor, formação da identidade e afetividade. Sexualidade na perspectiva religiosa. Campanha da Fraternidade 2015 Práticas

Leia mais

As Três Grandes Religiões Cristianismo, Islamismo e Judaísmo

As Três Grandes Religiões Cristianismo, Islamismo e Judaísmo TRABALHO SOBRE As Três Grandes Religiões Cristianismo, Islamismo e Judaísmo Matéria: Cultura Religiosa Professor: Drº Aluno: Sérgio Moreira dos Santos, RA: 304395781. º do Curso de Direito, período noturno.

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais

MISSÃO PAÍS. Manual da Missão País

MISSÃO PAÍS. Manual da Missão País MISSÃO PAÍS Manual da Missão País Introdução Nos dias de hoje, quando ouvimos falar de missão, pensamos logo em acções de voluntariado em países subdesenvolvidos onde é preciso todo o tipo de ajuda para

Leia mais

Diocese de Amparo - SP

Diocese de Amparo - SP Formação sobre o documento da V Conferência do Episcopado da América Latina e do Caribe Diocese de Amparo - SP INTRODUÇÃO De 13 a 31 de maio de 2007, celebrou-se em Aparecida, Brasil, a V Conferência Geral

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL PAPA JOÃO XXIII ENSINO FUNDAMENTAL. ENSINO RELIGIOSO Professora Sileane Ribeiro FOGO

ESCOLA MUNICIPAL PAPA JOÃO XXIII ENSINO FUNDAMENTAL. ENSINO RELIGIOSO Professora Sileane Ribeiro FOGO ENSINO RELIGIOSO FOGO O fogo é um elemento que parece ter vida, consome e ilumina, aquece e também causa dor e morte. Muitas vezes, é tido como sagrado, simbolizando, por exemplo, no cristianismo, o Espírito

Leia mais

OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO

OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO A contribuição das mídias. Como parte constitutiva da atual ambiência comunicacional, elas tornam-se recursos e ambientes para o crescimento pessoal e social. Constituem-se no

Leia mais

O mais importante na prática da devolução do dízimo não é com o quanto se participa. Mas como se participa.

O mais importante na prática da devolução do dízimo não é com o quanto se participa. Mas como se participa. Dízimo e a catequese Abril 2011 Silma Pontes silmapontes8@hotmail.com Paróquia da Glória - Acolhida O contingente de catequistas voluntários de nossa paróquia é expressivo. Vinte e quatro (24) fieis formadores,

Leia mais

Oficina de Liturgia e. Por. Pe. Cleiton Alencar Salvador 2011

Oficina de Liturgia e. Por. Pe. Cleiton Alencar Salvador 2011 Oficina de Liturgia e Música Por. Pe. Cleiton Alencar Salvador 2011 I parte Ohomem éum ser sacramental, queno planoreligioso expressam suas relações com Deus através de um conjunto de sinais e símbolos.(puebla

Leia mais

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS 1 TEXTO BÍBLICO - Lucas 6,12-19 (Fazer uma Oração ao Espírito Santo, ler o texto bíblico, fazer um momento de meditação, refletindo sobre os três verbos do texto

Leia mais

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver.

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. Richard Baxter Contexto: Os puritanos surgiram para apoiar e desejar a reforma

Leia mais

assim ela poderá estar a serviço de uma ação solidária e libertadora do povo latino-americano.

assim ela poderá estar a serviço de uma ação solidária e libertadora do povo latino-americano. Conclusão Geral Para que a Igreja possa cumprir sua missão solidária e libertadora na AL, terá que estar em contínuo processo de conversão e sintonizada com os sinais dos tempos. Somente assim poderá se

Leia mais