Plano PAI. material explicativo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano PAI. material explicativo"

Transcrição

1 Plano PAI material explicativo

2 Conheça melhor o Plano PAI e veja como o tempo pode ser seu maior aliado

3 Grande parte dos trabalhadores sonha em ter uma aposentadoria estável e aproveitar essa fase para a realização de novos projetos. Colocar esses planos em prática, mantendo a mesma qualidade de vida, exige, contudo, organização e planejamento que devem começar a ser pensados desde cedo. Ao se tornar um participante do Plano PAI você já deu um importante passo para a construção desse futuro. Agora é fundamental que você conheça bem as características do seu plano para que você possa planejar adequadamente as suas necessidades na aposentadoria. Elaborado em uma linguagem clara e de fácil entendimento, este Material Explicativo resume as principais regras do PAI Plano de Aposentadoria Individual administrado pela Fundação Itaúsa Industrial. Acompanhe com atenção as informações contidas nas próximas páginas e guarde esse material para eventuais consultas. Se, ao término da leitura, ainda ficarem dúvidas sobre o Plano, contate a área de Recursos Humanos de sua unidade ou, se preferir, envie um para: Aproveite esta oportunidade para planejar melhor o seu futuro e boa leitura! Diretoria da Fundação Itaúsa Industrial

4 Os Regimes de Previdência no Brasil O Sistema Previdenciário Brasileiro tem o intuito de propiciar uma renda mensal vitalícia para o trabalhador durante a aposentadoria normal ou em casos de aposentadoria por invalidez e pensão por morte. No Brasil, esse sistema previdenciário está dividido em três grandes regimes: Regime Geral de Previdência Social Regimes Próprios Regime de Previdência Complementar Gerido pelo INSS para trabalhadores contribuintes do regime Servidores públicos concursados Aberta Fechada Bancos e seguradoras independentes Instituições privadas ou associativas Fundação Itaúsa Industrial

5 Investindo em um fundo fechado de previdência complementar Com o aumento da expectativa de vida das pessoas, cresceram também as dificuldades da Previdência Social em absorver o impacto das mudanças no cenário social e, consequentemente, em manter o valor dos benefícios pagos em patamares que garantam a manutenção do padrão de vida do trabalhador. Por isso, o melhor é não contar apenas com os proventos pagos pelo INSS e buscar se preparar ao longo da vida para assegurar maior proteção na aposentadoria. Uma boa alternativa para alcançar esse objetivo são os planos de previdência geridos pelas entidades fechadas de previdência complementar (EFPC), benefício opcional que empresas como a que você trabalha disponibilizam para o colaborador e que funcionam como uma espécie de poupança previdenciária. Neste sistema, os valores das contribuições feitas pelos participantes e pela empresa patrocinadora do plano formam um fundo que é investido no mercado financeiro e que, somado aos rendimentos obtidos, irá propiciar os recursos necessários para o pagamento dos benefícios futuros. Além da contrapartida da patrocinadora sobre sua contribuição básica, outra vantagem da previdência complementar fechada são as taxas administrativas se comparadas às praticadas pelas entidades abertas. Por não visarem o lucro, os fundos fechados conseguem ter custos mais competitivos. A Fundação Itaúsa Industrial, responsável pela administração do seu plano de previdência complementar o Plano PAI, é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC), sem fins lucrativos, também conhecida como Fundo de Pensão. Confira a seguir como ela trabalha e quais são os princípios que norteiam sua atuação. 5

6 A Fundação Itaúsa Industrial 6

7 Compromisso com o Participante A Fundação Itaúsa Industrial responde pela gestão dos planos de aposentadoria para funcionários, ex-funcionários e assistidos das empresas patrocinadoras. Orientada por valores como prudência, transparência e ética - que também caracterizam a atuação das empresas patrocinadoras, a entidade tem reafirmado, ao longo de sua história, seu compromisso com seus participantes e assistidos, ao adotar um modelo de gestão baseado nas melhores práticas de governança corporativa, além de contar com uma equipe multidisciplinar que, em sintonia com a estrutura das patrocinadoras, trabalha permanentemente pelo aprimoramento dos serviços prestados aos seus diferentes públicos de interesse. Todas as atividades da entidade são conduzidas com base em cinco premissas básicas: Política de Gestão Oferecer o melhor serviço possível aos participantes, observando a 1política da entidade, as suas normas internas e a legislação em vigor; 2 Agregar valor e qualidade em todas as ações adotadas; Prestar contas de suas ações e assumir responsabilidade por 3suas decisões; 4 Adotar posturas éticas e transparentes; 5 Garantir a equidade e a justiça nas ações dos profissionais que atuam na Fundação. 7

8 Segurança e confiabilidade Para garantir confiabilidade à gestão do Plano PAI e também atender as exigências da legislação, todas as ações da Fundação Itaúsa são conduzidas e fiscalizadas a partir de três instâncias: o Conselho Deliberativo, o Conselho Fiscal e a Diretoria Executiva. Além disso, a Fundação segue as normas definidas pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), órgão vinculado ao Ministério da Previdência Social, entre outros órgãos reguladores e fiscalizadores. Entenda as competências de cada instância: CONSELHO FISCAL CONSELHO DELIBERATIVO Responsável por deliberar sobre a elaboração e alteração de normas e regulamentos dos planos e benefícios administrados pela Fundação; examinar contas e propostas apresentadas pela Diretoria Executiva; decidir por alterações de novos benefícios; analisar a admissão e exclusão de patrocinadoras, entre outras atribuições previstas no Estatuto Social da Fundação. Responde pela fiscalização da Fundação, cabendo a ele zelar pela gestão econômico-financeira e atuarial da entidade, bem como pelo cumprimento de normas legais, regulamentares e princípios éticos a eles aplicáveis. DIRETORIA EXECUTIVA Compete a esta Diretoria administrar a Fundação e colocar em prática as decisões aprovadas pelo Conselho Deliberativo, buscando sempre a melhoria da qualidade dos serviços prestados aos participantes. 8

9 O plano 9

10 Agora que você já conheceu os regimes de previdência no Brasil e o modelo de atuação da Fundação Itaúsa Industrial, é hora de saber mais sobre o seu novo plano de aposentadoria. Para facilitar o entendimento, as informações estão organizadas sob a forma de perguntas e respostas. E, ao final do material, um glossário apresenta alguns dos principais termos que você verá com mais frequência agora que se tornou um participante do PAI. O que é o PAI? O PAI é um plano de previdência complementar do tipo Contribuição Definida. Isso significa que o valor de seu benefício será estabelecido apenas no momento da concessão, para pagamento por prazo determinado, com base no saldo acumulado. Como ele funciona? O Plano PAI funciona como uma espécie de poupança. Ou seja, todo mês o valor de sua contribuição básica, e de outras eventuais contribuições que você vier a fazer, é depositado em uma conta individual aberta em seu nome na Fundação, chamada de Conta do Participante. Esses valores são aplicados no mercado financeiro, de acordo com as regras estabelecidas para o perfil de investimento escolhido pelo participante, ao longo de todo o período de permanência no Plano, sempre com o objetivo de obter os melhores rendimentos para o seu patrimônio. Ao se tornar elegível para a aposentadoria, o seu saldo acumulado será convertido em benefício, levando-se em conta a forma e o período de recebimento que você escolher. Vale mencionar que mesmo durante o período de recebimento do benefício o seu patrimônio continuará rendendo. No PAI a empresa também participa Um dos grandes diferenciais do Plano PAI é o fato da empresa em que você trabalha também contribuir para a formação da sua reserva financeira. Desse modo, para cada R$ 1,00 de sua contribuição básica depositado mensalmente há uma contrapartida da empresa de 100%(*) do valor, registrado em uma conta denominada Conta de Patrocinadora. Vale lembrar que essa contrapartida do mesmo valor da contribuição básica vale inclusive sobre o 13º pagamento. (*) Atualmente é de 100%, podendo variar de 50% a 100%, conforme regulamento do Plano 10

11 As contribuições 11

12 Como é calculado o valor da contribuição básica? O regulamento do Plano PAI determina que o participante realize mensalmente uma contribuição básica mínima de 1% do valor de 7 UR s (Unidade de Referência). Utilizada pela Fundação Itaúsa como base para o cálculo dos valores de contribuição do plano, a UR é corrigida anualmente de acordo com a variação do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). Para o período de julho de 2014 a junho de 2015 ela equivale a R$ 556,59. Multiplicando este valor por 7 UR s chegamos a R$ 3.896,13. Desde modo, para salários de até R$ 3.896,13, a contribuição básica é de R$ 38,96. Acima de 7 UR s, o percentual de cálculo do valor da contribuição básica levará em conta a faixa salarial do participante, conforme tabela abaixo. É importante ressaltar, no entanto, que o participante, independentemente da faixa salarial em que se encontre, pode optar pela contribuição básica mínima de R$ 38,96 (1% de 7 UR s). A contribuição é efetuada treze vezes ao ano, pois incide também sobre o valor do 13º salário. Confira na tabela abaixo em qual faixa salarial você se enquadra e veja o valor da contribuição básica correspondente. Salário de participação Valores em R$ Percentual até 7UR s até 3.896,13 1% acima de 7UR s até 13 UR s de 3.896,14 até 7.235,67 1% a 2% acima de 13 UR s até 25 UR s de e 7.235,68 até ,75 1% a 4% acima de 25 UR s até 50 UR s de ,76 até ,50 1% a 6% acima de 50 UR s até 70 UR s de ,51 até ,30 1% a 8% acima de 70 UR s acima de ,31 1% a 10% Obs.: O salário de participação indicado na tabela é o salário nominal ou base, sem acréscimos. Para o horista, corresponde ao salário-hora multiplicado pela carga horária mensal do contrato de trabalho. Lembrete: Para cada real (R$) de contribuição básica que você fizer, haverá a contrapartida da patrocinadora que mensalmente fará o aporte de mesmo valor. 12

13 É possível alterar o valor desta contribuição? No Plano PAI o participante tem flexibilidade para ajustar sua contribuição mensal de acordo com suas condições financeiras. Assim, o participante pode, em qualquer época, reduzir ou aumentar o percentual de contribuição básica, ou mesmo optar pela contribuição mínima, desde que respeitado o limite de duas movimentações por período anual de contribuição, o que corresponde ao período de julho do mesmo ano a junho do ano subsequente. A alteração deve ser solicitada por escrito à Fundação Itaúsa e passará a valer a partir do mês seguinte ao da solicitação. Posso contribuir com outros valores além da contribuição básica? Sim, além da contribuição básica, o Plano PAI oferece três outras formas de melhorar sua reserva financeira para o futuro: Contribuição Adicional Contribuição Especial Contribuição Eventual Contribuição de no mínimo 1% sobre o valor da Gratificação e/ou da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). Este aporte independe do valor do salário. Contrapartida da patrocinadora é de 50%* da sua contribuição, limitado a dois salários de participação. Opção de definir um percentual mensal complementar à contribuição básica, aplicável sobre o salário nominal. Este percentual deve ser inteiro e nunca inferior a 1% do salário. Não há contrapartida da patrocinadora Contribuição de qualquer valor, que pode ser feito em qualquer época do ano. Não há contrapartida da patrocinadora * A contrapartida da patrocinadora pode variar entre 50% e 100% da sua contribuição básica. Atualmente ela é de 50%. 13

14 Se eu tiver um plano de previdência em outro fundo de pensão ou seguradora posso transferi-lo para o PAI, a fim de melhorar minha reserva? Sim, você pode portar para o PAI valores de planos de outras entidades fechadas. No caso de planos de entidades abertas (bancos ou seguradoras), estes poderão ser portados somente se forem na modalidade PGBL, pois a portabilidade de plano do tipo VGBL não é permitida pela legislação brasileira. Todo o valor transferido ficará depositado na Conta do Participante. Para tanto, basta entrar em contato com a entidade responsável para solicitar a portabilidade, que é a transferência da reserva financeira constituída pelo participante em um plano de previdência para outro plano. A portabilidade é feita diretamente entre as instituições sem transitar valores pelo participante. Uma das vantagens de portar os recursos de outro plano é que o participante não paga Imposto de Renda no momento da transferência de valores. 14

15 A gestão 15

16 Onde e como são aplicados os recursos depositados no Plano? Tanto as contribuições feitas pelo participante como as aportadas pela patrocinadora são aplicadas no mercado financeiro de acordo com as regras de alocação de recursos estabelecidas para cada Perfil de Investimento. Para saber mais detalhes sobre a gestão desses recursos, consulte o material explicativo dos Perfis de Investimento. De que forma posso acompanhar a evolução do meu saldo? Periodicamente você receberá um extrato com a demonstração de suas contribuições e as da patrocinadora feitas em seu nome, bem como a rentabilidade do Plano no período. Você também pode acessar a Área do Participante, disponível no site da Fundação Itaúsa Industrial ( na qual é possível acompanhar tanto a evolução do seu saldo, como outras informações. Posso suspender minhas contribuições? O que acontecerá com o meu saldo? Sim. O participante ativo ou autopatrocinado pode solicitar, a seu critério, a suspensão das contribuições pelo período de 6 (seis) meses ou de 1 (um ) ano mediante o preenchimento de formulário próprio fornecido pelo RH da empresa ou pela Fundação Itaúsa. Esses prazos podem ser prorrogados por igual período, não excedendo, no entanto, o limite de 12 (doze) meses consecutivos para o participante ativo; e de 2 (dois) anos consecutivos no caso de participantes autopatrocinados. Durante o período de suspensão das contribuições do participante, os aportes da patrocinadora também ficam interrompidos, mantendo-se porém a cobrança da taxa de administração do plano. O saldo total acumulado até o momento da suspensão continuará rendendo normalmente. 16

17 Os benefícios 17

18 Quais são os benefícios a que tenho direito como participante do Plano PAI? O Plano PAI prevê os seguintes benefícios: Aposentadoria Antecipada - Para requerer este benefício, o participante precisa ter idade mínima de 55 anos e pelo menos 10 anos de contribuição ao Plano, além de se desligar da empresa. Aposentadoria Normal - Para requerer este benefício, o participante precisa ter idade mínima de 60 anos e pelos menos 3 anos de contribuição ao Plano, além de se desligar da empresa. Aposentadoria por Invalidez - Benefício de pagamento único do total dos saldos (participante e patrocinadora) efetuado ao participante que comprovar a concessão de aposentadoria por invalidez pela Previdência Social (INSS). Benefício por Morte - Concedido ao(s) Beneficiário(s) indicado(s) pelo participante ou assistido nos casos de seu falecimento em pagamento único do total dos saldos (participante e patrocinadora). O que é necessário para o recebimento dos benefícios? Confira na tabela abaixo as condições para recebimento dos benefícios: Condições/ Benefícios Aposentadoria Antecipada Normal Invalidez Benefício por Morte Idade Mínima do Participante 55 anos 60 anos Tempo Mínimo de Contribuição ao Plano 10 anos 3 anos Não é exigida Não há um tempo mínimo Desligamento da Empresa Sim Sim Não Sim Vínculo com o INSS Não Não Sim, aposentadoria por invalidez Não é exigida Não há um tempo mínimo Não 18

19 Que fatores determinarão o valor do benefício a ser pago ao participante? O valor do benefício futuro dependerá da capacidade de acumulação de recursos do participante, que implica em volume e tempo de contribuição, além da rentabilidade obtida na aplicação dos recursos, até a data do benefício. A definição do valor do benefício dependerá, ainda, do tempo de recebimento escolhido pelo participante no momento da requisição da aposentadoria. volume das contribuições Tempo de contribuição Rentabilidade do plano Período de recebimento do benefício Valor do benefício futuro Como é feito o cálculo para o pagamento dos benefícios? Para chegar ao valor do benefício mensal a ser pago ao participante o Plano sempre tomará como base o Saldo de Conta Total que constar na data de início do benefício. O cálculo desse saldo dependerá do tipo de benefício requerido: Aposentadoria Antecipada ou Normal. Veja a explicação a seguir: 19

20 Tabela A Somatório do Tempo* Conta de Patrocinadora 65 40% 66 42% 67 44% 68 46% 69 48% 70 50% 71 52% 72 54% 73 56% 74 58% 75 60% 76 62% 77 64% 78 66% 79 68% 80 70% 81 72% 82 74% 83 76% 84 78% 85 80% 86 82% 87 84% 88 86% 89 88% 90 90% 91 92% 92 94% 93 96% 94 98% 95 ou mais 100% * Somatório do Tempo de Vinculação ao Plano e Idade na data do Término do Vínculo Empregatício (em pontos) ** Percentual de utilização de conta das contribuições da empresa. Aposentadoria Antecipada O Saldo de Conta Total da Aposentadoria Antecipada corresponde à soma das seguintes parcelas: I 100% do saldo de participante II Percentual do saldo de patrocinadora, calculado de acordo com a Tabela A, que considera a somatória da idade e tempo de plano, limitado ao percentual apurado de acordo com a tabela B, sendo: Tabela B Idade (em anos completos) Conta de Patrocinadora 55 80% 56 84% 57 88% 58 92% 59 96% 60 ou mais 100% Aposentadoria Normal O Saldo de Conta Total da Aposentadoria Normal corresponde à soma das seguintes parcelas: I 100% do saldo de participante II 100% do saldo de patrocinadora Obs.: Para o cálculo da aposentadoria normal não são utilizadas as Tabelas A e B. 20

21 De que forma poderei receber os benefícios? No Plano PAI, o participante tem flexibilidade para ajustar o recebimento de seu benefício de acordo com as opções adiante, a fim de melhor adequá-lo à sua realidade financeira. Sendo assim, você poderá optar por receber até 25% do saldo de sua conta total no início da aposentadoria, em um pagamento único à vista. Já o saldo remanescente será transformado em renda mensal, de acordo com uma das formas de recebimento indicadas ao lado: Benefício mensal pago por um período mínimo de 5 e máximo de 20 anos com opção de alteração anualmente; Benefício mensal correspondente a 0,2% até 1,5% do saldo de conta total. Ao final do período de 20 anos o saldo remanescente é pago de uma só vez ou pode-se optar por receber o saldo residual após 5 anos de recebimento. Benefício mensal correspondente a um valor fixo definido pelo participante, atualizado anualmente pelo INPC/IBGE, pago por no mínimo 5 e no máximo 20 anos. Lembrete: A solicitação de eventuais alterações na forma de recebimento do benefício deve ser feita sempre em outubro de cada ano, passando a vigorar a partir de janeiro do ano seguinte. E nos casos de aposentadoria por invalidez e benefício por morte? Como funciona o pagamento? Tanto na aposentadoria por invalidez, como no caso de morte, o pagamento do benefício será feito em uma única parcela e corresponderá a 100% do saldo de conta total (saldo de participante + saldo de patrocinadora). Aposentadoria por Invalidez Benefício por morte Pagamento único Pagamento único 100% do saldo de conta total na data do pagamento (saldo de participante + saldo de patrocinadora) Necessidade de comprovar a concessão da aposentadoria por invalidez pelo INSS 100% do saldo de conta total na data do falecimento (saldo de participante + saldo de patrocinadora) Benefício pago aos beneficiários* indicados pelo participante * Beneficiários são pessoas físicas indicadas pelo participante para receber o saldo de sua conta total em caso de falecimento. 21

22 O vínculo 22

23 O que acontecerá com o meu plano se eu me desligar da empresa? Se, ao encerrar o seu vínculo de trabalho com a empresa, você ainda não preencher as condições necessárias para receber algum dos benefícios previstos, o Plano PAI oferece algumas opções para você continuar participando do plano. Conheça a seguir quais são essas opções: Fique atento: Após o desligamento, você terá um prazo de até 30 dias para informar à Fundação Itaúsa, por meio de formulário próprio, a sua opção de escolha. Opção após desligamento O que oferece Condições Autopatrocínio Possibilidade de continuar contribuindo para o Plano até atingir as condições necessárias para receber um dos benefícios previstos no regulamento. Participante arca com suas contribuições e as da patrocinadora. Permite a mudança para a opção BPD ou ainda o resgate do saldo de participante, a qualquer tempo. Benefício Proporcional Diferido (BPD) Permite ao participante continuar vinculado ao Plano para, no futuro, receber o benefício de aposentadoria normal com base em 100% do saldo acumulado pelo participante e pela patrocinadora. Não há mais contribuições mensais do participante e da patrocinadora. Saldo acumulado pelo participante até seu desligamento da empresa continua investido e rentabilizando. Despesas administrativas continuam sendo cobradas e podem ser debitadas diretamente do saldo total. Esta opção só é possível após um mínimo de 3 anos de vinculação ao Plano. 23

24 Opção após desligamento O que oferece Condições Portabilidade Possibilidade de transferir o saldo de suas contribuições, acrescidas da rentabilidade obtida no período de permanência no Plano, para outro plano de previdência que você tenha em seu nome. Não permite a portabilidade do saldo da patrocinadora. Necessário ter no mínimo 3 anos de vinculação ao Plano. Pode ser requerida mesmo que o participante já esteja elegível a um dos benefícios oferecidos pelo Plano. Resgate Opção por receber (à vista ou em até 12 parcelas) o saldo total apenas da Conta do Participante, acrescido da rentabilidade obtida no período de permanência no Plano. Não disponibiliza o resgate do saldo da Conta da Patrocinadora. Permite o resgate de eventuais valores portados de outros planos de previdência, desde que sejam provenientes de uma entidade de previdência aberta (bancos ou seguradoras). Posso me desligar do plano mesmo mantendo o vínculo empregatício com a patrocinadora? Sim, o participante tem a liberdade de solicitar o cancelamento do plano a qualquer tempo. Se isso ocorrer, o participante perderá o direito ao saldo de conta da patrocinadora e o seu saldo de conta de participante ficará retido, apenas rentabilizando, até o momento de seu desligamento da empresa, quando, então, poderá solicitar o resgate de seu saldo ou, ainda, requerer a portabilidade dos recursos para outro plano, porém, neste caso, será necessário que o participante tenha se mantido no Plano por pelo menos três anos. Durante meu período de vínculo com a patrocinadora, posso cancelar o plano e algum tempo depois solicitar uma nova adesão? Sim, é possível ao participante se reinscrever ao Plano PAI, independente das razões que o levaram a cancelar o referido do Plano. Porém, neste caso, será necessário observar o prazo de carência de 24 meses decorridos do cancelamento anterior antes de solicitar a nova adesão. 24

25 A tributação 25

26 Existe algum tipo de incentivo fiscal sobre as contribuições efetuadas pelo participante no Plano? Sim, a legislação permite que todas as contribuições realizadas pelo participante ao longo de sua permanência no Plano, limitadas em até 12% de seu rendimento bruto anual, poderão ser deduzidas da base de cálculo do Imposto de Renda. Isso significa que, com a vantagem fiscal, você poderá se beneficiar com uma redução da base de cálculo do imposto a pagar mensalmente ou na declaração de ajuste anual. Como funciona a tributação que incide sobre os valores dos benefícios? Assim como acontece com todo plano de previdência, o pagamento do imposto de renda só ocorre por ocasião do recebimento do benefício ou nos casos de resgate das contribuições. Atualmente, segundo a Lei /04, o participante de planos na modalidade Contribuição Definida (CD) tem a opção de escolher entre dois regimes tributários: o Progressivo e o Regressivo. Esta escolha deve ser feita no momento da adesão ao plano e é irretratável. Por isso, é fundamental que você avalie cuidadosamente as opções, tendo em vista suas expectativas de permanência no plano e a forma de utilização do benefício no futuro, de modo a decidir pelo regime que melhor se enquadre ao seu perfil do participante. Conheça a seguir as características de cada regime e as tabelas para base de cálculo do Imposto de Renda: 26

27 Tabela Progressiva No Regime Progressivo, a tabela para a base de cálculo da tributação é a mesma utilizada para a retenção do Imposto de Renda do salário. Deste modo, as alíquotas (que variam de 7,5% a 27,5%) crescem à medida que aumentam os valores de resgate ou benefício que você irá receber. É importante destacar que pela tabela progressiva, rendimentos de até R$ 1.787,77 (considerando tabela vigente em 2014) estão isentos do pagamento de imposto. Além disso, neste regime, o imposto pago pode ser compensado na declaração de ajuste anual. Resgate Caso o participante opte por resgatar suas contribuições, incidirá sobre os valores a serem recebidos uma alíquota de 15% a título de antecipação de imposto, que poderá ser compensado posteriormente em sua Declaração de Ajuste Anual. Verifique na tabela progressiva as alíquotas e os respectivos rendimentos sujeitos a tributação: Rendimentos sujeitos a tributação (R$) Alíquota Deduzir Até R$ 1.787, Acima de 1.787,78 até 2.679,29 7,5% 134,08 Acima de 2.679,30 até 3.572,43 15% 335,03 Acima de 3.572,44 até 4.463,81 22,5% 602,96 Acima de 4.463,81 27,5% 826,15 Fonte: para o ano calendário

28 Tabela Regressiva O segundo regime tributário é o Regressivo ou Definitivo. Nele o tempo de permanência dos recursos no plano previdenciário é que determinará a alíquota a ser aplicada para o cálculo do Imposto de Renda. Isso significa que quanto mais tempo o dinheiro ficar aplicado no plano, menor será a alíquota a cobrar. Neste Regime, o IR é considerado como Tributação Exclusiva e não permite restituição ou complementação na Declaração de Ajuste Anual. Resgate No caso de solicitação de resgate das contribuições, esse regime não permite ajustes na Declaração Anual, pois trata-se de tributação exclusiva. Para o cálculo do imposto serão consideradas as faixas da Tabela Regressiva de acordo com o tempo de permanência no plano para cada mês de contribuição. Prazo de acumulação dos recursos Alíquota Até 2 anos 35% Acima de 2 até 4 anos 30% Acima de 4 até 6 anos 25% Acima de 6 até 8 anos 20% Acima de 8 até 10 anos 15% Acima de 10 anos 10% Em resumo, a tributação sobre os recursos do PAI pode ocorrer das seguintes formas: Tabela Progressiva Alíquota aumenta até o limite de 27,5% a medida que cresce o valor a ser tributado, mas existe a possibilidade da renda ser isenta do IR (faixa de isenção) Permite compensação do IR Tabela Regressiva Alíquota é determinada pelo tempo de permanência dos recursos no plano Não permite compensação do IR É importante ressaltar que todos os benefícios oferecidos pelo Plano PAI, inclusive a Aposentadoria por Invalidez e o Benefício por Morte, estão sujeitos a tributação do Imposto de Renda, de acordo com o regime escolhido pelo participante. 28

29 Simulações de tributações em benefícios Para entender melhor os dois regimes, acompanhe no quadro abaixo diferentes simulações de tributação utilizando as duas tabelas, no caso de Aposentadoria Normal ou Antecipada: Valor de Tributação (Imposto de Renda) Valor do Benefício Tabela Progressiva Tributação (IR) Prazo de Acumulação Tabela Regressiva Tributação (IR) R$ 1mil isento 10 anos 10% = R$ 100,00 isento 5 anos 25% = R$ 250,00 isento 3 anos 30% = R$ 300,00 R$ 3 mil alíquota de 15% - R$ 335,03 (*) IR = R$ 114,97 10 anos 10% = R$ 300,00 5 anos 25% = R$ 750,00 3 anos 30% = R$ 900,00 R$ 10 mil (*) Parcela a deduzir alíquota de 27,5% - R$ 826,15 (*) IR = R$ 1.923,85 10 anos 10% = R$ 1.000,00 5 anos 25% = R$ 2.500,00 3 anos 30% = R$ 3.000,00 29

30 Trajetória a ser percorrida 01 Não aderiu ao Plano PAI sem benefícios do Plano pai Colaborador 02 Contribuição Básica conta do participante aderiu ao Plano PAI Trajetória Escolha do Regime de Tributação Escolha do Perfil de Investimento (*) 03 patrocinadora Contribuição Adicional Contribuição Especial Contribuição Eventual Contribuição Básica Patronal (100%) Contribuição Adicional Patronal (50%) (*) Possibilidade de alteração do Perfil de Investimento conforme regra vigente conta patrocinadora 30

31 até a aposentadoria Rentabilidade 04 desligamento da empresa Autopatrocínio Benefício Proporcional Diferido Mantém vínculo com Plano PAI Portabilidade (Saldo do Participante) Perde o vínculo com Plano PAI Resgate (Saldo do Participante) Tributação 05 Renda benefícios Aposentadoria Antecipada mensal por prazo determinado Aposentadoria Normal Tributação - IR rentabilidade Invalidez Falecimento Pagamento único ao Participante ou Beneficiário Possibilidade de alteração na forma de recebimento do benefício 31

32 Glossário Beneficiários: Pessoa física indicada pelo participante para o recebimento do benefício no caso de morte. Benefício: Valor previsto para pagamento ao participante no momento da aposentadoria pelos planos de benefícios administrados pelas Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC), desde que cumpridos os requisitos previstos no regulamento do plano. Conta da Patrocinadora: Conta na qual são depositadas as contribuições efetuadas pela patrocinadora para o participante acrescida do resultado da rentabilidade obtida. Conta do Participante: Conta na qual são depositadas as contribuições efetuadas pelo participante ao longo de sua permanência no plano acrescida do resultado da rentabilidade obtida. Conta Total: Soma do saldo da conta do participante e da conta da patrocinadora, acrescidas das respectivas rentabilidades que o participante terá direito de acordo com a elegibilidade do benefício. Contribuição Definida: Modalidade em que o valor do benefício complementar é estabelecido apenas no momento da sua concessão, com base no montante total das contribuições efetuadas ao longo do plano. Participante: Colaborador de uma das empresas patrocinadoras que tenha aderido ao Plano PAI. Patrocinadora: Empresas que formalizaram convênio de adesão ao Plano PAI. 32

33 Perfil de Investimentos: São alternativas criadas para a tomada de decisões de investimento, com menor ou maior risco, nas quais o participante escolhe a opção que lhe convier para a alocação de seu saldo de conta total. Período Anual de Contribuição: Período contributivo verificado entre o mês de julho de um ano até junho do ano subsequente. Salário de Participação: É o mesmo que salário nominal ou base, sem acréscimos. No caso de horistas, corresponde ao salário-hora multiplicado pela carga horária mensal do contrato de trabalho. Taxa de Administração: Percentual que incide sobre os saldos das contas existentes em nome do participante para fazer frente às despesas administrativas do Plano. Tempo de Vinculação ao Plano TVP: Período compreendido entre a data de ingresso no Plano e a data do término do vínculo empregatício, no caso de participantes ativos e vinculados (BPD), ou entre a data de ingresso no Plano e a data de cumprimento de todos os requisitos para elegibilidade ao benefício de aposentadoria normal ou início do gozo de qualquer outro benefício, no caso de participante autopatrocinado. UR: Unidade de Referência utilizada para o cálculo da contribuição básica do plano. Corrigida anualmente com base na variação do INPC/IBGE entre junho do ano anterior até maio do ano de atualização, a UR para o período de julho de 2014 a junho de 2015 equivale a R$ 556,59. 33

34 Contato Como o participante pode esclarecer suas dúvidas? Em caso de dúvida entre em contato com a Fundação Itaúsa Industrial pelos telefones (11) ou (11) Se preferir envie um para Uma equipe especializada está pronta para prestar os esclarecimentos que você precisar. Consulte também o site Lembrete É fundamental que você mantenha seu cadastro de participante sempre atualizado. Por isso, informe ao RH de sua empresa eventuais alterações de endereço, telefone, ou mesmo de beneficiários. Mudanças na condição de pessoa politicamente exposta também devem ser comunicadas. 34

35

36 Av. Paulista, º andar São Paulo - SP CEP Telefones: (11) ou (11) Fax: (11)

Plano CV Prevdata. Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar

Plano CV Prevdata. Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar Plano CV Prevdata Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar A entidade Nossos números Patrimônio de R$ 1,1 bilhão (dez/2016) 2 planos de benefícios e plano de gestão administrativa 36

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 1/5 Plano de Benefícios CD-02 Cuidar do seu futuro é o nosso negócio! 2/5 1 Por que foi criado o Plano CD-02? O Plano CD-02 foi desenhado no modelo de Contribuição Definida, um plano totalmente individual,

Leia mais

Novo Plano de Contribuição Definida -CD

Novo Plano de Contribuição Definida -CD Previ-Siemens Novo Plano de Contribuição Definida -CD Protection notice / Copyright notice Agenda A Importância de um plano de previdência Plano de Aposentadoria CD -Previ-Siemens Contribuições Procedimentos

Leia mais

DUAS DEFINIÇÕES IMPORTANTES

DUAS DEFINIÇÕES IMPORTANTES Você está trabalhando, construindo sua vida e de sua família. Tudo vai bem. Mas... Você já começou a pensar na sua aposentadoria? Quando se aposentar, você receberá o benefício do INSS, mas ele será suficiente?

Leia mais

Planos de previdência complementar arrecadam R$ 7 bilhões em novembro

Planos de previdência complementar arrecadam R$ 7 bilhões em novembro Planos de previdência complementar arrecadam R$ 7 bilhões em novembro Captação líquida do sistema registrou saldo positivo de R$ 3,9 bilhões no período, 6,69% acima dos R$ 3,6 bilhões em outubro A arrecadação

Leia mais

Previdência Privada. A tabela a seguir apresenta algumas diferenças entre o FAPI e PGBL.

Previdência Privada. A tabela a seguir apresenta algumas diferenças entre o FAPI e PGBL. Previdência Privada Modalidades de Previdência Privada Aberta 1) FAPI Fundo de Aposentadoria Programada Individual Inspirado no IRA Individual Retirement Account, dos Estados Unidos, onde o contribuinte

Leia mais

Cartilha de Tributação 2016

Cartilha de Tributação 2016 Cartilha de Tributação 2016 Como funciona o Imposto de Renda incidente sobre Planos de Previdência Complementar *? * Na modalidade de Contribuição Definida ou Variável Conforme a legislação tributária

Leia mais

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA 2017 ESSE MANUAL FOI DESENVOLVIDO PELO PORTO SEGURO PREVIDÊNCIA PARA AJUDAR NO PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2017,

Leia mais

FAQ Incorporação Plano Visão T-Gestiona ao Visão Telefônica

FAQ Incorporação Plano Visão T-Gestiona ao Visão Telefônica FAQ Incorporação Plano Visão T-Gestiona ao Visão Telefônica Confira abaixo as principais perguntas e respostas sobre a incorporação do plano Visão T-Gestiona ao plano Visão Telefônica: 1) Por que incorporar

Leia mais

Plano de Benefícios CD-05

Plano de Benefícios CD-05 1/5 Plano de Benefícios CD-05 Nosso Plano é cuidar do seu futuro! 2/5 1 Apresentação A REGIUS Sociedade Civil de Previdência Privada é uma entidade fechada de previdência privada, que tem como objetivo

Leia mais

Adesão ao Plano de Benefícios HP

Adesão ao Plano de Benefícios HP Adesão ao Plano de Benefícios HP 1 Objetivo da HP Prev Proporcionar aos seus participantes a oportunidade de contribuir para a HP Prev e, juntamente com as contribuições da patrocinadora, formar uma renda

Leia mais

Planos individuais recebem maior volume de recursos: R$16,7 bilhões

Planos individuais recebem maior volume de recursos: R$16,7 bilhões Contribuições para planos abertos de caráter previdenciário chegam a R$ 19 bi no 3º trimestre, 49,98% maior que o registrado no mesmo período ano anterior Planos individuais recebem maior volume de recursos:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO. O que é o Plano de Contribuição Definida CD

APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO. O que é o Plano de Contribuição Definida CD APRESENTAÇÃO Esta cartilha tem o objetivo de informá-lo, de forma simples e precisa, sobre os principais pontos do Plano SERGUS de Benefícios na modalidade de Contribuição Definida (CD), baseado no seu

Leia mais

02 O que eu preciso fazer

02 O que eu preciso fazer 01 Quais são os documentos que necessito apresentar para requerer minha aposentadoria no FusanPrev e atualizar minha situação no SaneSaúde? Cópia simples dos seguintes documentos: - Identidade e CPF do

Leia mais

Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF

Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF A Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, órgão que regulamenta e fiscaliza os fundos de pensão no Brasil, aprovou em 13 de

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano II de Aposentadoria da Fundação Banestes de Seguridade Social BANESES

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano II de Aposentadoria da Fundação Banestes de Seguridade Social BANESES Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano II de Aposentadoria da Fundação Banestes de Seguridade Social BANESES B.2.40 "Término do Vínculo Empregatício": significará a perda da condição

Leia mais

Manual do. Saldamento

Manual do. Saldamento Manual do Saldamento O SALDAMENTO. O QUE É E QUANDO OCORREU? Em 31 de março de 2010, a PREVEME efetuou o saldamento do plano de benefícios de todos os seus participantes ativos. Isto significa que esta

Leia mais

Na aba "Dados do Participante", o saldo acumulado está posicionado no último dia do mês anterior ao da simulação.

Na aba Dados do Participante, o saldo acumulado está posicionado no último dia do mês anterior ao da simulação. O simulador de renda do Plano Petros-2 foi criado com o objetivo de ajudar o Participante a projetar o valor de sua renda de aposentadoria, respeitando as regras previstas no Regulamento do Plano. Esse

Leia mais

Material Explicativo

Material Explicativo Material Explicativo Material Explicativo Índice Introdução...4 Sobre o Plano Previplan...5 Adesão...5 Benefícios do Plano...6 Entenda o Plano...7 Rentabilidade...8 Veja como funciona a Tributação...9

Leia mais

CARTILHA DO PLANO CELPREV

CARTILHA DO PLANO CELPREV CARTILHA DO PLANO CELPREV O QUE É O CELPREV? O CELPREV é um plano de contribuição definida, também conhecido como plano CD, que nada mais é do que uma poupança individual na qual serão investidos dois

Leia mais

REDAÇÃO ATUAL REDAÇÃO PROPOSTA IMPACTOS

REDAÇÃO ATUAL REDAÇÃO PROPOSTA IMPACTOS XIII XIV "Índice de Reajuste": significa o índice geral de aumentos salariais concedidos pela Patrocinadora 3M do Brasil Ltda., desconsiderados os aumentos reais. O Conselho Deliberativo poderá determinar

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Exercício: 2016 Bimestre: / ENTE Nome: Carazinho UF: RS Endereço: AV FLORES DA CUNHA Bairro: CENTRO Telefone: (054) 3331-2699 Fax: (054) 3331-2699 CNPJ: 87.613.535/0001-16 Complemento: 1264 CEP: 99500-000

Leia mais

Novo cenário, maiores benefícios

Novo cenário, maiores benefícios Manual de Aderentes Novo cenário, maiores benefícios A Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC) aprovou a implantação do Plano de Benefícios Previdenciários PrevAmazônia (CNPB nº.

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Exercício: 2016 Bimestre: / ENTE Nome: Carazinho UF: RS Endereço: AV FLORES DA CUNHA Bairro: CENTRO Telefone: (054) 3331-2699 Fax: (054) 3331-2699 CNPJ: 87.613.535/0001-16 Complemento: 1264 CEP: 99500-000

Leia mais

Previdência no Serviço Público. ARI LOVERA Diretor de Previdência do IPERGS

Previdência no Serviço Público. ARI LOVERA Diretor de Previdência do IPERGS Previdência no Serviço Público ARI LOVERA Diretor de Previdência do IPERGS Outubro/2016 1. Regimes Previdenciários do Brasil; 2. RPPS RS; 3. Cenários; 4. Regime de Previdência Complementar; 5. Riscos 1.

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Mariana MG 18.295.303/0001-44 / - 2014 27/10/2014 11:01:02 1 - BASES DE CÁLCULO DAS CONTRIBUIÇÕES DEVIDAS, RELATIVAS ÀS FOLHAS DO ENTE 1.1 - Do ENTE ("patronal"), relativa: a) Aos servidores 4.696.251,36

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Artur Nogueira SP 45.735.552/0001-86 / - 2014 22/08/2014 11:17:41 1 - BASES DE CÁLCULO DAS CONTRIBUIÇÕES DEVIDAS, RELATIVAS ÀS FOLHAS DO ENTE 1.1 - Do ENTE ("patronal"), relativa: a) Aos servidores 3.174.240,11

Leia mais

PLANO DE APOSENTADORIA DA DUPREV Fazendo manutenção no seu Plano de Aposentadoria

PLANO DE APOSENTADORIA DA DUPREV Fazendo manutenção no seu Plano de Aposentadoria PLANO DE APOSENTADORIA DA DUPREV Fazendo manutenção no seu Plano de Aposentadoria 2016 DUPREV Entidade Fechada da Previdência Complementar Sociedade Civil sem fins lucrativos independente da DuPont Regulada

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Eusébio CE 23.563.067/0001-30 / - 2015 24/10/2015 17:45:56 1 - BASES DE CÁLCULO DAS CONTRIBUIÇÕES DEVIDAS, RELATIVAS ÀS FOLHAS DO ENTE 1.1 - Do ENTE ("patronal"), relativa: a) Aos servidores 2.527.574,18

Leia mais

Regras Básicas do seu Plano de Benefícios

Regras Básicas do seu Plano de Benefícios Índice Apresentação Inscrição Cancelamento Contribuição Joia Salário-de-Participação Salário-Real-de-Benefício SRB Dos Benefícios Aposentadoria Por Tempo de Contribuição Aposentadoria Por Tempo de Contribuição

Leia mais

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC Relatório PREVI 2013 Parecer Atuarial 2013 162 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC 1 OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre

Leia mais

FISCAIS 2.CARACTERÍSTICAS DO PLANO PS II

FISCAIS 2.CARACTERÍSTICAS DO PLANO PS II 2 SUMÁRIO pág. 5 APRESENTAÇÃO pág. 61.VANTAGENS FISCAIS 2.CARACTERÍSTICAS DO PLANO PS II pág. 8 3.ESCOLHA DO REGIME TRIBUTÁRIO pág. 9 4.PRINCIPAIS BENEFÍCIOS pág. 13 5.INSTITUTOS 4 Apresentação O SERPROS

Leia mais

Cartilha do Participante. Previdência Complementar CASFAM

Cartilha do Participante. Previdência Complementar CASFAM Cartilha do Participante Previdência Complementar CASFAM APRESENTAÇÃO Caro (a) Participante, Preparar-se para o futuro, podendo aproveitar o período de aposentadoria com saúde e conforto, implica controlar

Leia mais

2) Como localizar o Comprovante de Rendimentos? Para localizar o Comprovante de Rendimentos o servidor deve proceder da seguinte forma:

2) Como localizar o Comprovante de Rendimentos? Para localizar o Comprovante de Rendimentos o servidor deve proceder da seguinte forma: Comprovante de Rendimentos Perguntas Frequentes 1) O que é Comprovante de Rendimentos? Comprovante de Rendimentos é um documento disponibilizado ao servidor pela Secretaria de Estado da Administração contendo

Leia mais

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado Entenda mais sobre O Plano Copasa Saldado Apresentação Senhor (a) Participante: Ao publicar este material, a Fundação Libertas tem por objeto facilitar o entendimento e a disseminação dos principais dispositivos

Leia mais

Regulamento do Plano e direitos dos participantes e assistidos

Regulamento do Plano e direitos dos participantes e assistidos T R A N S PA R Ê N C I A A Prestação de Contas tem como objetivo trazer pessoalmente, aos participantes e assistidos, informações relevantes a respeito de temas como: Regulamento do Plano e direitos dos

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Exercício: 2016 Bimestre: / ENTE Nome: Teixeira Soares UF: PR Endereço: RUA 15 DE NOVEMBRO, 135 Bairro: CENTRO Telefone: (042) 3460-1155 Fax: (042) 3460-1155 CNPJ: 75.963.850/0001-94 Complemento: PRÉDIO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS MAPFRE RENDA FIXA ATIVO FIC DE FI PREVIDENCIÁRIO. CNPJ/MF: / Informações referentes a 2016

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS MAPFRE RENDA FIXA ATIVO FIC DE FI PREVIDENCIÁRIO. CNPJ/MF: / Informações referentes a 2016 DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO CNPJ/MF: Informações referentes a 2016 1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro na CVM: BNP PARIBAS MAPFRE RENDA FIXA ATIVO FIC DE FI PREVIDENCIÁRIO 2. Rentabilidade

Leia mais

Cartilha do Participante. Plano de Contribuição Definida

Cartilha do Participante. Plano de Contribuição Definida Construindo o futuro O futuro é uma grande obra a ser construída. Cada atitude é um passo que damos rumo à construção de algo sólido e seguro. Está em nossas mãos transformar o presente em uma oportunidade

Leia mais

PLANO DE APOSENTADORIA BASF

PLANO DE APOSENTADORIA BASF Formulário de inscrição para o Plano de Aposentadoria BASF 1. Dados do participante Nome do Participante: Matrícula: Data de admissão: Patrocinadora: Estado Civil: CPF: 2. Declaração do participante Na

Leia mais

maio/16 Documentos e Formulários para o Processo de Sinistro

maio/16 Documentos e Formulários para o Processo de Sinistro maio/16 Documentos e Formulários para o Processo de Sinistro Conte conosco! O Itaú está à sua disposição e sabe a importância de oferecer a você o apoio necessário neste momento. Por isso, preparamos este

Leia mais

QUADRO 3 Rendimentos Tributáveis, Deduções e Imposto Retido na Fonte

QUADRO 3 Rendimentos Tributáveis, Deduções e Imposto Retido na Fonte Entenda o Comprovante de Rendimentos dos Assistidos Para a Declaração do IRPF exercício 2017, ano-calendário 2016, a FAPES preparou um roteiro explicando os principais campos do Comprovante de Rendimentos

Leia mais

Para acessar o Guia de Preenchimento de Declaração de Imposto de Renda, observe a modalidade do seu Plano de Previdência.

Para acessar o Guia de Preenchimento de Declaração de Imposto de Renda, observe a modalidade do seu Plano de Previdência. Caso não tenha recebido o Informe, via correios, acesse os Serviços ao Cliente, clicando no menu ao lado. Para acessar o Guia de Preenchimento de Declaração de Imposto de Renda, observe a modalidade do

Leia mais

Plano CV Prevdata II Benefícios - Rendas. novembro/2012

Plano CV Prevdata II Benefícios - Rendas. novembro/2012 Plano CV Prevdata II Benefícios - Rendas novembro/2012 Informações gerais sobre a administração Concedendo o Auxílio Doença da PREVDATA Auxílio Doença Carência exigida de 12 meses, exceto se for acidente

Leia mais

Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita!

Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita! Previdência Saúde Vou aderir ao PDVA. E agora? Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita! O seu futuro e o da sua família dependem da sua decisão. Previdência Proteção a pessoa, geralmente, no desemprego,

Leia mais

Guia do Participante. Planos Básico e Suplementar de Aposentadoria Modalidade Contribuição Definida

Guia do Participante. Planos Básico e Suplementar de Aposentadoria Modalidade Contribuição Definida Planos Básico e Suplementar de Aposentadoria Modalidade Contribuição Definida Prezado Colaborador, O Guia do Participante tem por objetivo resumir as informações dos seguintes regulamentos oficiais: Regulamento

Leia mais

Tire todas as suas dúvidas quanto à movimentação (e custos) da conta-salário

Tire todas as suas dúvidas quanto à movimentação (e custos) da conta-salário Tire todas as suas dúvidas quanto à movimentação (e custos) da conta-salário Os servidores públicos que recebem pagamento em conta-salário já podem pedir a transferência automática do dinheiro para o banco

Leia mais

A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO ÂMBITO DOS RPPS

A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO ÂMBITO DOS RPPS A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO ÂMBITO DOS RPPS Carlos Flory Abril de 2017 POR QUE O ASSUNTO É PAUTA? DE 1980 A 2050 2050 2010 Source: IBGE 1980 LONGEVIDADE DÉCADA DE 2010: Expectativa de sobrevida aos 65

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Departamento de Administração de Pessoal Unidade de Benefícios

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Departamento de Administração de Pessoal Unidade de Benefícios COMUNICAÇÃO DE FALECIMENTO DADOS DO (A) COMUNICANTE Nome: Endereço residencial: Rua Nº: Complemento (apto, casa, bloco): Bairro: CEP: Cidade: Estado: Telefone: Celular: E-mail: Vem comunicar, conforme

Leia mais

Saiba mais sobre seu plano

Saiba mais sobre seu plano Saiba mais sobre seu plano Plano Itaú BD 1 Índice A proteção da previdência complementar... 03 As contribuições para o plano... 04 Em caso de desligamento... 05 Na hora da aposentadoria... 07 Cuide bem

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME MIL

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME MIL CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME MIL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME MIL PLANO PU 24/001 D -

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA DA FPI

PERGUNTAS E RESPOSTAS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA DA FPI PERGUNTAS E RESPOSTAS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA DA FPI Válido para participantes que ingressaram no plano até 05/08/2008 1. O que é o Plano de Contribuição Definida? É o seu plano de benefícios na

Leia mais

Exemplos práticos de aplicação da sobretaxa

Exemplos práticos de aplicação da sobretaxa Descrição do Cenário: Exemplos práticos de aplicação da sobretaxa Sobretaxa Exemplo 1 (Categoria A) Rendimentos tributáveis: Rendimentos de trabalho dependente (Categoria A), auferindo cada sujeito passivo

Leia mais

Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial 2004

Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial 2004 Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial 2004 SP PREFEITURA MUNICIPAL DE CONCHAL CNPJ : 45331188000199 SIAFI : 986345 Cadastro de Nome do Plano : Novo Plano QUADRO 1 Dados do Regime Próprio de

Leia mais

IRPF Imposto sobre a Renda da Pessoa Física. Leonardo Ribeiro

IRPF Imposto sobre a Renda da Pessoa Física. Leonardo Ribeiro IRPF 2016 Imposto sobre a Renda da Pessoa Física Leonardo Ribeiro Sumário Capítulo 1. Obrigatoriedade...3 Capítulo 2. Tabela IRPF 2016... 7 Capítulo 3. Documentação necessária...9 Capítulo 4. Documentação

Leia mais

ANEXO I DECLARAÇÃO DE COMPOSIÇÃO FAMILIAR E RENDA PER CAPITA

ANEXO I DECLARAÇÃO DE COMPOSIÇÃO FAMILIAR E RENDA PER CAPITA ANEXO I DECLARAÇÃO DE COMPOSIÇÃO FAMILIAR E RENDA PER CAPITA Eu,, portador(a) do RG nº, Órgão Expedidor, e CPF nº, candidato(a) ao Processo Seletivo para Ingresso nos Programas da Assistência Estudantil

Leia mais

S u m á r i o. 1. A Seguridade Social na Constituição de Capítulo 1 Notas Introdutórias Seguridade Social (arts. 194 a 204)...

S u m á r i o. 1. A Seguridade Social na Constituição de Capítulo 1 Notas Introdutórias Seguridade Social (arts. 194 a 204)... S u m á r i o Capítulo 1 Notas Introdutórias... 1 1. A Seguridade Social na Constituição de 1988...1 1.1. Seguridade Social (arts. 194 a 204)...1 1.1.1. Natureza do Direito à Seguridade Social...1 1.1.2.

Leia mais

Fechamento Anual / Geração da DIRF

Fechamento Anual / Geração da DIRF Fechamento Anual / Geração da DIRF Fechamento Anual / Dirf Nesta versão está disponível a geração do arquivo para a entrega da Dirf 2017 (referente ao ano calendário 2016), com data de entrega até dia

Leia mais

Material Explicativo. Plano de Contribuição Definida

Material Explicativo. Plano de Contribuição Definida Material Explicativo Plano de Contribuição Definida Material Explicativo - Plano de Contribuição Definida 2 Índice Mensagem ao colaborador...5 Por que planejar sua aposentadoria?...5 Conte com a Previ-Ericsson...6

Leia mais

Guia do Participante. Planos Básico e Suplementar de Aposentadoria Modalidade Contribuição Definida

Guia do Participante. Planos Básico e Suplementar de Aposentadoria Modalidade Contribuição Definida Guia do Participante Planos Básico e Suplementar de Aposentadoria Modalidade Contribuição Definida Prezado Colaborador, O Guia do Participante tem por objetivo resumir as informações dos seguintes Regulamentos

Leia mais

PLANO MILÊNIO NOVAS REGRAS DE APOSENTADORIA E OUTRAS ALTERAÇÕES

PLANO MILÊNIO NOVAS REGRAS DE APOSENTADORIA E OUTRAS ALTERAÇÕES PLANO MILÊNIO NOVAS REGRAS DE APOSENTADORIA E OUTRAS ALTERAÇÕES INFORMATIVO N.º 165-13/07/2010 http://www.cbsprev.com.br Central de Atendimento 08000-268181 Caro(a) Participante, Para a melhor compreensão

Leia mais

REGRAS BÁSICAS - PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº

REGRAS BÁSICAS - PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº 1 - BENEFÍCIOS OFERECIDOS O Plano de Benefícios FAF oferece os seguintes benefícios aos seus participantes, ou aos dependentes de participantes falecidos: I - quanto aos participantes: - suplementação

Leia mais

Uma Reforma Previdenciária Abrangente

Uma Reforma Previdenciária Abrangente Uma Reforma Previdenciária Abrangente Eqüidade x Redistribuição Se a Previdência Social for entendida como Seguro Compulsório visando garantir renda ao indivíduo ou grupo familiar quando da perda da capacidade

Leia mais

Boletim Técnico. Para viabilizar essa melhoria, aplique previamente o pacote de atualizações (Patch) deste chamado.

Boletim Técnico. Para viabilizar essa melhoria, aplique previamente o pacote de atualizações (Patch) deste chamado. Participação nos Lucros e Resultados Produto : Microsiga Protheus Gestão de Pessoal Versão 11 Chamado : TGZZON Data da publicação : 31/07/13 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos A Medida Provisória

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II PLANO PU 24/001 B1 - MODALIDADE:

Leia mais

Estamos vivendo a AGEING SOCIETY

Estamos vivendo a AGEING SOCIETY Estamos vivendo a AGEING SOCIETY HC monitora crianças em busca de longevidade - O Estado de São Paulo, 16/09/07. Expectativa de vida de 150 anos (Instituto Barshop - Universidade do Texas EUA) Isto É,

Leia mais

C A R T I L H A I N P E L P R E V PREV

C A R T I L H A I N P E L P R E V PREV C A R T I L H A I N P E L P R E V PREV 2 CARTILHA INPELPREV Bem-vindo, novo participante! É com satisfação que recebemos sua adesão ao INPELPrev, Plano desenhado para oferecer uma complementação de aposentadoria

Leia mais

Previdência (EAPC) - Tópicos. TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade. O que é Previdência Privada Complementar?

Previdência (EAPC) - Tópicos. TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade. O que é Previdência Privada Complementar? FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0551 -Contabilidade e Análise de Balanços de Instituições Previdenciárias TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade

Leia mais

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS a EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS I) Dados cadastrais a) Razão Social: b) CNPJ: c) Inscrição Estadual: d) Inscrição Municipal: e) Endereço: f) Cidade:

Leia mais

Itaú Fundo Multipatrocinado

Itaú Fundo Multipatrocinado Quadro Comparativo das Alterações efetuadas no Regulamento do Plano de Benefícios Schneider (CNPB n 2006.0040-11) Itaú Fundo Multipatrocinado Página 1 do quadro comparativo das alterações efetuadas no

Leia mais

1) do termo final do período de apuração;

1) do termo final do período de apuração; RESOLUÇÃO NO 2.554, DE 17 DE AGOSTO DE 1994 (MG de 18 e ret. em 25) REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 2.880/97 Trata da atualização monetária dos créditos tributários do Estado, da cobrança de juros de mora,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS SMALL CAPS FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES. CNPJ/MF: / Informações referentes a 2016

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS SMALL CAPS FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES. CNPJ/MF: / Informações referentes a 2016 DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO CNPJ/MF: Informações referentes a 2016 1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro na CVM: BNP PARIBAS SMALL CAPS FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES 2. Rentabilidade 2.1

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev MSD Prev Sociedade de Previdência Privada CNPB:19.980.047-83 CNPJ:02.726.871/0001-12 Anexo I Ata de Reunião Extraordinária

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS MASTER DI FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA REFERENCIADO

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS MASTER DI FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA REFERENCIADO DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO CNPJ/MF: Informações referentes a 2016 1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro na CVM: BNP PARIBAS MASTER DI FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA REFERENCIADO 2.

Leia mais

PDI. Vou aderir ao PDI.

PDI. Vou aderir ao PDI. Vou aderir ao PDI. E agora? Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita! O seu futuro e o da sua família dependem da sua decisão. Previdência Proteção a pessoa, geralmente, no desemprego, na doença,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS SMALL CAPS GOLD FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES. CNPJ/MF: / Informações referentes a 2016

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS SMALL CAPS GOLD FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES. CNPJ/MF: / Informações referentes a 2016 DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO CNPJ/MF: Informações referentes a 2016 1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro na CVM: BNP PARIBAS SMALL CAPS GOLD FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES 2. Rentabilidade

Leia mais

Destinação do Superávit do Plano II Perguntas e Respostas

Destinação do Superávit do Plano II Perguntas e Respostas Destinação do Superávit do Plano II Perguntas e Respostas 1) Qual a origem da destinação do superávit? Resposta: A destinação do superávit se tornou possível, pois o Plano II registrou Reserva Especial

Leia mais

Tribunal Superior do Trabalho. Proposta para Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos sobre o Plano de Saúde oferecido pela Postal Saúde

Tribunal Superior do Trabalho. Proposta para Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos sobre o Plano de Saúde oferecido pela Postal Saúde Tribunal Superior do Trabalho Proposta para Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos sobre o Plano de Saúde oferecido pela Postal Saúde Brasília DF, 29 de Maio de 2017 PREMISSAS PARA CONSTRUÇÃO DA PROPOSTA:

Leia mais

13/06/14. Introdução. Profº Me. Hugo David Santana.

13/06/14. Introdução. Profº Me. Hugo David Santana. CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Curso de Ciências Contábeis Profº Me. Hugo David Santana. Introdução Nesta aula será apresentado o tratamento contábil dos principais itens relacionados à folha de pagamento, por

Leia mais

1.2 Quem pode votar? É obrigatório? Podem votar os Participantes da FUNCEF, inclusive aposentados e pensionistas. O voto não é obrigatório.

1.2 Quem pode votar? É obrigatório? Podem votar os Participantes da FUNCEF, inclusive aposentados e pensionistas. O voto não é obrigatório. 1 O PLEBISCITO 1.1 Para que serve este Plebiscito? Consultar a opinião dos Participantes sobre as alternativas de solução para os planos de benefícios da FUNCEF, com saldamento do REG/REPLAN e implementação

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Estabelece a incidência do imposto sobre a renda a valores de bens e direitos adquiridos por herança ou doação de que trata o inciso XVI da Lei 7.713, de 22 de dezembro

Leia mais

Material Explicativo Plano de Benefícios Avon 2016

Material Explicativo Plano de Benefícios Avon 2016 Material Explicativo Plano de Benefícios Avon 2016 Material Explicativo ÍNDICE 1. Mensagem importante pra você... 4 2. Que tal planejar sua aposentadoria?... 5 3. Estamos juntos!... 6 4. Saiba quem pode

Leia mais

ANEXO ÚNICO AO EDITAL Nº 2.338/2016-CRS

ANEXO ÚNICO AO EDITAL Nº 2.338/2016-CRS ANEXO ÚNICO AO EDITAL Nº 2.338/2016-CRS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA INGRESSO a) 01 (uma) foto 3x4 colorida, recente de frente; b) Cédula de identidade do Paraná ou protocolo de seu requerimento junto ao

Leia mais

Regime de trabalho FAPI

Regime de trabalho FAPI Regime de trabalho Pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) Pelos Estatutos dos Servidores Públicos Civis INSS Previdência Complementar de natureza privada Institutos de Previdência (RPPS) Entidade

Leia mais

6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento

6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento 6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento Alternativas para a Aposentadoria do Brasil Osvaldo do Nascimento Maio 2011 1 Maio 2011 Mobilidade Social Avanço do País Pirâmide Social Brasileira 200,0 180,0

Leia mais

Aproveite esta cartilha e tire suas dúvidas. Boa Leitura!

Aproveite esta cartilha e tire suas dúvidas. Boa Leitura! 1 2 APRESENTAÇÃO Esta cartilha foi criada pela Fasern para oferecer informações de forma clara e resumida sobre o seu Plano Previdenciário e reforçar a importância dele para o seu futuro. Servindo como

Leia mais

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto PIS e COFINS Aspectos conceituais Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária Prof. Amaury

Leia mais

Gestão de Pessoas I AULAS 19_20. 27_ Prof.Procópio

Gestão de Pessoas I AULAS 19_20. 27_ Prof.Procópio Gestão de Pessoas I AULAS 19_20 27_28-07-2016 Prof.Procópio RECAPITULANDO... DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS ADIANTAMENTO SALARIAL ADICIONAL DE INSALUBRIDADE ADICIONAL DE PERICULOSIDADE ADICIONAL NOTURNO FALTAS

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL DE IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÍSICA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL DE IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÍSICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL DE IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÍSICA Portaria Interministerial MP/CGU nº. 298, de 6 de setembro de

Leia mais

Escrituração fiscal das escolas no Simples Nacional

Escrituração fiscal das escolas no Simples Nacional Diogo José Mendes Tenório Auditor Fiscal de Tributos Municipais Escrituração fiscal das escolas no Simples Nacional Conforme: Lei Complementar 123/2006; Resolução do CGSN nº 94/2011 O que será abordado?

Leia mais

Educação Financeira e Previdenciária EDUCAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Educação Financeira e Previdenciária EDUCAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Educação Financeira e Previdenciária 02 Outubro de 2015 EDUCAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Educação Financeira e Previdenciária Seu futuro Por que planejar a aposentadoria? O tempo passa depressa e é preciso pensar

Leia mais

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: BARBARA NOLLI BITTENCOURT Data de Nascimento: 16/02/1985 Título Eleitoral: 167745080256 Possui cônjuge ou companheiro(a)? Não Houve mudança de endereço? Não Um dos declarantes

Leia mais

CIRCULAR Nº 11/2017 São Paulo, 22 de fevereiro de IRPF 2017 Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda

CIRCULAR Nº 11/2017 São Paulo, 22 de fevereiro de IRPF 2017 Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda CIRCULAR Nº 11/2017 São Paulo, 22 de fevereiro de 2017. IRPF 2017 Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda Pessoa Física Ano-Base 2016 Prezado Cliente, No dia 20 de fevereiro de 2017 a Receita

Leia mais

PARCELAMENTO REFIS V

PARCELAMENTO REFIS V PARCELAMENTO REFIS V Lei n. 12.996, de 18 de junho de 2014 Medida Provisória n. 651, de 9 de julho de 2014 Portaria Conjunta PGFN/RFB n. 13, de 30 de julho de 2014 1 PRAZO: ATÉ 25 DE AGOSTO DE 2014 ADESÃO

Leia mais

CHECKLIST Conferência de Documentos Bolsa Social de Estudo (O checklist não substitui a leitura do Edital Normativo)

CHECKLIST Conferência de Documentos Bolsa Social de Estudo (O checklist não substitui a leitura do Edital Normativo) CHECKLIST Conferência de Documentos Bolsa Social de Estudo (O checklist não substitui a leitura do Edital Normativo) Nº DO PROCESSO: DATA: ALUNO: MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: QUANTIDADE DE MEM- BROS: DOCUMENTOS

Leia mais

EDIÇÃO 220, SEÇÃO 1, PÁGINA 65 E 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 DIRETORIA COLEGIADA

EDIÇÃO 220, SEÇÃO 1, PÁGINA 65 E 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 DIRETORIA COLEGIADA EDIÇÃO 220, SEÇÃO 1, PÁGINA 65 E 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 17, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2014 Estabelece as condições para o licenciamento automático na autorização para

Leia mais

ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO

ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO RESIDÊNCIA JURÍDICA UERJ 2012 ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO CENTRO DE PRODUÇÃO 1 1. DAS INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. A isenção de taxa de inscrição do Processo Seletivo Treinamento em Direito 2012 é um benefício

Leia mais

rios (a partir de 2008) Setembro 2009

rios (a partir de 2008) Setembro 2009 Inovação das Práticas Contábeis e Efeitos Tributários rios (a partir de 2008) Setembro 2009 LEI 11.941/2009 MP - Medida Provisória nº. 449 de 03.12.2008 Convertida na Lei nº 11.941, de 27.05.2009 Altera

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 As concessões de empréstimo, financiamento e renegociações devem obedecer as regras estipuladas nesta política. 8.1 - Crédito Pessoal a) Finalidade Empréstimo sem justificativa específica. b) de pagamento

Leia mais

Fiscal Legislação Tributária Questões Imposto de Renda - 1 Rafael Saldanha

Fiscal Legislação Tributária Questões Imposto de Renda - 1 Rafael Saldanha Fiscal Legislação Tributária Questões Imposto de Renda - 1 Rafael Saldanha 2014 2015 Copyright. Curso Agora Eu Eu Passo - - Todos os direitos reservados ao ao autor. Legislação Receita Federal IRPF e IRPJ

Leia mais