Ludoterapia como um Vygotskiano faz

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ludoterapia como um Vygotskiano faz"

Transcrição

1 Ludoterapia como um Vygotskiano faz O presente trabalho tem como objetivo analisar e fundamentar o processo de ludoterapia com as crianças, de acordo com os pressupostos teóricos de Vygotsky, Luria, Leontiev e Rita Leal. O interesse pelo tema está vinculado ao fato de há mais de 6 anos no Brasil, os profissionais do IPAF Instituto de Psicologia Aplicada e Formação vem estruturando o trabalho em psicoterapia vygotskiana dirigido pelo Dr. Quintino Aires e como pesquisadora tenho o interesse em fundamentar, cada vez mais a ludoterapia vygotskiana no Brasil. A escolha pelo público infantil está enredada com a vivência de consultório, pois tenho me deparado, nesses anos, com muitas crianças que buscam o processo de ludoterapia devido às dificuldades encontradas no curso do seu desenvolvimento. As queixas de dificuldade de aprendizagem, déficit de atenção e concentração, dificuldade no relacionamento interpessoal, são freqüentes e, diversificadas e levam os responsáveis e a criança a procurarem ajuda profissional. Diante da diversidade das queixas, a ludoterapia vygotskiana é uma prática psicológica que propicia o desenvolvimento das funções nervosas superiores, pois no processo de ludoterapia a criança pode se apropriar dos significados e ou criar novos significados dos objetos do meio externo, dos eventos e das relações sociais humanas. Vygotsky enfatiza, ao longo do desenvolvimento teórico, que a criança em contato com o mundo das relações vai internalizando os instrumentos, as ações, as relações que vão sendo apresentadas pelos outros da relação a ela e, que através do processo de internalização a criança vai desenvolvendo as funções nervosas superiores e se desenvolvendo como ser social e ativo. Nesse sentido que os fundamentos teóricos de Vygotsky ( ) da mediação da palavra e do brincar, bem como o processo de internalização auxiliam na compreensão do desenvolvimento das funções nervosas superiores nos seres humanos, e torna possível analisar como a criança se apropria dos objetos, eventos e relações humanas, no processo de ludoterapia. Por esse legado teórico, acima descrito, o conceito de mediação da palavra e do brincar e o processo de internalização são considerados aspectos chaves do trabalho em ludoterapia, para propiciar o desenvolvimento psicológico da criança nas relações que estabelece com os brinquedos, com o psicoterapeuta e, a mediação da palavra de ambos na relação psicoterapêutica.

2 O processo de ludoterapia vygotskiana, nesse sentido, tem como objetivo proporcionar um espaço para a construção de novos significados das experiências e propiciar o desenvolvimento psicológico da criança, sendo, portanto, um processo de intervenção psicológica direcionada para a transformação do sujeito. A relação dialética que ocorre entre os protagonistas do processo de ludoterapia marca um processo de construção mútua e essa relação pode ser estabelecida pela ação e pela palavra dos integrantes e pela relação entre os mesmos. A ludoterapia vygotskiana tem como alicerce a compreensão dos processos nervosos superiores em sua rede de significados e sentidos e, essa rede é estabelecida pela criança e psicoterapeuta através da percepção, seleção, significação e sentidos das informações provenientes dos meios externo e interno. O sujeito pode construir significados e sentidos de suas experiências baseado na objetividade da relação e do mundo. Desse modo a ludoterapia, tem uma conotação de construção mútua, de significação e ressignificação, de construção de sentidos, e as pessoas envolvidas no processo estão em relação interpsicológica, construindo e constituindo o intrapsicológico. Pode ser considerado um espaço de construção da vida mental e corporal. Quintino Aires (2006) destaca que a relação psicoterapêutica facilita e/ou promove os processos de formação partilhada e o registro individual de significados apontados e nomeados por ambos da relação. (p.17) Como refere Luria (1981), é através da relação interpessoal e da palavra que a função interpsicológica partilhada por duas pessoas se transforma num processo intrapsicológico de organização da atividade humana e o comportamento externo passa a ser determinado por uma rede semântica interna, que se reflete na situação externa, reformula os motivos e interesses e dá um caráter consciente à atividade humana. (p. 221) Nesse sentido, a criança, em relação com outros humanos e com os instrumentos externos, passa a construir os seus sistemas simbólicos, os signos psicológicos que vão mediar a sua ação no meio externo. A aplicação de meios auxiliares e o passo da atividade mediadora reconstrói a raiz de toda operação psíquica, é semelhante a como a ferramenta modifica a atividade natural dos órgãos e amplia infinitamente o sistema de atividade das funções psíquicas superiores. Na estrutura superior, o signo e o modo de seu emprego é o

3 determinante funcional e o foco de todo o processo de desenvolvimento. (Vygotsky, 1995, p. 123) As representações mentais são produtos da internalização e estão intrinsecamente relacionadas à subjetividade do homem, por representarem mentalmente aquilo que faz sentido para eles, ou seja, o que está intrinsecamente ligado às suas emoções. A criança necessita construir as representações internas do mundo externo, social e, construindo as representações do mundo, desenvolve as funções nervosas superiores; sendo assim, a relação da criança com o meio externo é sempre mediada pela cultura. O mundo externo da criança está em constante relação dialética com o seu mundo interno, devido ao processo de internalização que ocorre à medida que a criança representa mentalmente os objetos, eventos e relações do meio em que está inserida. A criança é um ser ativo no processo de desenvolvimento à medida que se interessa se relaciona e constrói com as coisas, eventos e relações do meio externo. O papel do psicoterapeuta na ludoterapia é de ser um outro dinâmico, que guia, regula, seleciona, compara, analisa, registra as ações da criança a auxiliando a construir maneiras de pensar e de agir, como também disponibilizar os instrumentos mediadores para que no brincar possa construir novos significados e novas redes mentais. O brincar da criança na ludoterapia traduz e possibilita a construção de significados em relação a objetos, eventos e relações sociais, uma vez que a análise do brincar está focada no modo como a criança se relaciona com os objetos e com o psicoterapeuta, enfatizando o processo do brincar e não a brincadeira propriamente dita. Leal (2001) enfatiza que para uma atividade ser considerada brincar deve-se levar em conta que o controle, a motivação e a realidade sejam, de algum modo, estabelecidos pelo próprio sujeito que brinca (p. 14), para possibilitar que a criança seja um ser ativo no meio externo. Ressalta que o verdadeiro brincar ocorre quando a criança, na interação com um outro, tem a condição de escolher o que e como vai fazer no seguimento da própria imaginação. O brincar propicia também a construção da autonomia e da consciência de que se pode construir algo ou alguma ação de acordo com a sua necessidade e motivo 1. A criança, em contato com os objetos, internaliza os significados dos 1 Leontiev destaca as categorias necessidade e motivo como a mola propulsora o desenvolvimento psicológico do sujeito. A categoria necessidade pode ser descrita como uma mobilização interna que pode não direcionar inicialmente o sujeito para uma ação específica,

4 mesmos e, em contato com o outro da relação, tem a possibilidade de internalizar os significados da própria relação, pois é nela que um exerce sobre o outro uma influência que gera uma construção mútua e propicia um contínuo movimento de desafio, transformação e desenvolvimento. O brincar da criança possibilita a construção dos signos psicológicos, a apropriação do mundo externo e a construção da representação interna do meio externo. Num processo dialético, são as representações internas que fazem a criança brincar e, brincando, constitui mais e mais a construção de sentido do mundo. O brincar da criança propicia a construção subjetiva dos signos e dos significados das coisas, eventos e relações humanas à medida que internaliza e se apropria do significado dos objetos, coisas, eventos e relações e constrói sentido das mesmas. A ação do brincar constrói a atividade mediada da criança e é uma atividade no meio social que representa os objetos, eventos e relações construídos e transformados num mundo externo internalizado. Vygotsky (1995) refere que durante o brincar a criança substitui os signos dos objetos por outros signos e esses se convertem em outros objetos. Para o autor, o importante no brincar é utilizar funcionalmente os objetos com a possibilidade de realizar a atividade com a ajuda do gesto representativo. No brincar, a criança pode realizar tarefas para as quais na realidade não tem habilidade física e psíquica, como, por exemplo, dirigir um carro. Um objeto circular pode se converter na direção do carro e a criança pode dirigi-lo e representar mentalmente a ação de dirigir, a atitude do motorista e o próprio objeto, o carro. Um pedaço de pano ou de madeira pode se converter em um bebê e a criança faz, no brincar, os mesmos gestos que representam o cuidado e a nutrição dos outros com os bebês. É o próprio movimento da criança, seu próprio gesto, os que atribuem a função de signo ao objeto correspondente, o que lhe confere sentido. Toda a atividade simbólica representacional está cheia desses gestos indicadores.(vygotsky, 1995, p. 188) Vygotsky (1995) descreve que é só nele (brincar) que radica a chave da explicação de toda a função simbólica das brincadeiras infantis e pode ser entendido como um sistema de linguagem muito complexo que mediante gestos informa e assinala o significado dos diversos brinquedos. (p ) mas que auxilia na construção de significado dessa ação como algo que pode satisfazer a sua necessidade, se configurando num motivo. O autor destaca que para compreender o processo do desenvolvimento psíquico humano é necessário perceber qual a sua necessidade interna, o que o está mobilizando para uma atividade no meio social e como o sujeito está construindo significado capaz de satisfazê-lo. Portanto a ação do brincar da criança pode se configurar em atividade ligada à sua necessidade e ao seu motivo.

5 O autor enfatiza que com a atividade do brincar o objeto se emancipa de sua qualidade do signo e do gesto (p. 188) e passa a ser significado pela ação, pela linguagem que lhe é atribuída e representa determinadas relações convencionais, deixando para segundo plano a necessidade do gesto. O importante é a semelhança que o objeto tem com a representação simbólica. Vygotsky (2002) afirma que o brincar da criança é uma atividade que envolve a imaginação e a criança brinca de ser alguém ou de fazer algo no momento em que está construindo o significado e o sentido do objeto, da ação e da relação e, ao brincar, constrói cada vez mais esses significados e sentidos. (p. 126) Na ludoterapia a ação do brincar é direcionada e intencional para produzir transformações psicológicas. Leal (2001) enfatiza que, no brincar da criança, os elementos dispersos da experiência encontrarão lugar e contexto para se poderem diferenciar, organizar e receber rótulos simbólicos que serão fonte de linguagem. (p.1) A criança em relação com um outro é capaz de significar, organizar e construir o mundo simbólico e, no brincar com o outro, a criança se apropria dessas relações. O brincar possibilita a construção das mais variadas formas e possibilidades do humano, na medida em que o reconhecimento do seu semelhante possibilita o próprio reconhecimento de si, pois o outro indica, delimita, atribui significado à realidade. Os movimentos da criança com o psicoterapueta emergem cadências regulares que geram um intercâmbio e torna explícito que há um interlocutor que pode completar os atos da criança, ou seja, a criança pode compreender os seus próprios atos no intercâmbio relacional com o outro. (p. 8) A relação é mediada pela palavra, pelas técnicas do psicoterapeuta, pelos brinquedos e pela atividade do brincar. Nesse sentido as palavras utilizadas pelo psicoterapeuta, na ludoterapia têm o objetivo de possibilitar no interpsicológico o desenvolvimento psicológico da criança para se perceber como um sujeito ativo nas relações sociais e transformador do próprio meio social, uma vez que as técnicas enfatizam a iniciativa e espelham as ações, pensamentos, planejamentos, da própria criança; de acordo com as suas necessidades e motivos. O processo de construção e transformação, na ludoterapia, ocorre na relação da criança com o psicoterapeuta, com os objetos disponibilizados na caixa de ludo e na palavra de todos os envolvidos nesse processo.

6 Desse modo que o processo de ludoterapia é um espaço de construção de significados e sentidos e de ressignificação, bem como de criação de condições para que ocorram as transformações psicológicas possíveis de acordo com as instrumentalidades históricas. É indicado a todas as crianças que estão em processo de desenvolvimento das funções nervosas superiores, como forma de prevenção e direcionamento do desenvolvimento, como também às crianças que sentem dificuldades no desenvolvimento das funções nervosas superiores ao longo de sua história. Essas crianças encontram na relação com o psicoterapeuta o espaço para esse desenvolvimento. Para ilustrar os conceitos referidos nesse trabalho convido a todos a analisar trechos de uma sessão de ludoterapia com uma criança de 8 anos de idade denominado nesse trabalho como Pedro.

7 Cenário da pesquisa A pesquisa foi realizada no consultório e a escolha do sujeito da pesquisa foi realizada aleatoriamente através do processo de marcação de consultas em psicoterapia do Instituto, sendo esta a primeira criança que aceitou o horário disponibilizado para o atendimento e a marcação da consulta foi realizada. Personagens da pesquisa Os personagens são um menino de oito anos de idade denominado Pedro, e sua avó por parte de pai, D. Francisca, de sessenta e três anos de idade. Como de praxe o Psicodiagnóstico foi realizado, por meio dos seguintes instrumentos: - Consulta inicial com a avó (responsável legal pela criança) e a criança; - Relatório de observação do psicólogo que a encaminhou para o IPAF; - Atividade de ludo com a criança; - Aplicação da Prova de Rorschach; - Entrevista por telefone com o diretor da escola; - Entrevista devolutiva com a avó e a criança. A primeira consulta teve como foco a história de Pedro inserido no contexto familiar, tendo como objetivo central compreender como a avó se relaciona com a criança, compreender a queixa que está sendo trazida. Cabe ressaltar que o garoto estava presente em todas as fases do processo, pois, sendo o protagonista da história, deve participar e estar a par de todas as situações em que está sendo citado. Pedro nasceu no Paraná, onde morava com o pai, a mãe e um irmão mais novo. A mãe o abandonou há aproximadamente dois anos e Pedro e o irmão de quatro anos foram levados pelo pai para morar em São Paulo, com D. Francisca, uma tia paterna e um primo de três anos. A avó afirmou que não podia cuidar dos garotos porque é doente, mas se viu na obrigação de fazê-lo por ter sido designada pelo Juiz. A avó era faxineira e trabalhava o dia todo em casa de família, mas após quase ser denunciada para o SOS Criança pela vizinha, parou de trabalhar para ficar com as crianças. Pedro e o irmão mais novo ficavam trancados em casa, numa espécie de porão, enquanto ela ia trabalhar. Ela relata que o garoto era muito cuidadoso com as coisas e com o irmão e não mexia em nada, nem colocava ao irmão e a si próprio em risco. No ano de 2006, Pedro foi matriculado na 1º série do Ensino Fundamental de uma escola municipal, que o encaminhou para atendimento em psicoterapia com queixa de hiperatividade, dificuldades de aprendizagem e de

8 relacionamento interpessoal. Esse início tardio da escolaridade ocorreu porque a avó não tinha ainda a guarda definitiva das crianças e sem um responsável legal as escolas não podiam aceitar Pedro como aluno. A avó confirmou a queixa de agitação, salientando que seu outro neto havia se tornado muito irritado e briguento por influência de Pedro. Salientou que a sua casa não tem espaço para as crianças brincarem e acredita que isso pode influenciar na agitação do garoto. A sessão de ludo com o garoto, com trinta minutos de duração, teve como objetivo levantar hipóteses a respeito do modo como ele brinca, como constrói a brincadeira, como se relaciona com os objetos da caixa de ludo e como estabelece a relação comigo, uma pessoa estranha ao seu mundo. Após o término dessa consulta, entrei em contato por telefone com o diretor da escola para compreender melhor sua queixa em relação às dificuldades de aprendizagem, hiperatividade e dificuldades no relacionamento interpessoal de Pedro. Nesse contato foi explicado que ele era uma criança muito agitada e, por esse motivo, permanecia na escola por apenas duas horas. O diretor relatou que sua saída antecipada era realizada em seu próprio benefício, devido ao fato de perturbar o andamento das demais crianças e não conseguir ter atenção focada por mais tempo. Apesar de conversarmos sobre a importância de Pedro freqüentar regularmente a escola e da denúncia que seria realizada por mim à Secretaria de Educação do Município, o diretor foi firme em sua conduta de retirar Pedro mais cedo da sala de aula por mais um mês. No segundo encontro com Pedro foi realizado a aplicação da Prova de Rorschach, com o objetivo de compreender como e quais funções nervosas superiores - atenção, memória, emoção, linguagem, pensamento, imaginação, planejamento da ação - se configuram em sua construção psicológica até o momento da avaliação. A análise da Prova de Rorschach foi realizada de acordo com o Sistema Compreensivo de John Exner. A análise da Prova de Rorschach pôde evidenciar a dificuldade do garoto em manter a atenção, por conta dos aspectos afetivos que estão interferindo no seu comportamento explícito, pois demonstrou estar sendo bombardeado por sentimentos de insegurança e intensa irritação interna, não conseguindo utilizar os recursos intelectuais que possui para direcionar e levar a cabo as suas tarefas. Após esse processo de psicodiagnóstico, foi realizada a devolutiva na presença da avó e de Pedro com o objetivo de explicitar a análise realizada nesses

9 primeiros contatos com o garoto e com a avó além de delinear, em conjunto, um contrato de trabalho e dar início ao processo de psicoterapia. Diante de todos os dados compilados, pude analisar que D. Francisca apresentou as dificuldades que sentia em relação aos garotos, somadas aos problemas de saúde que ela apresentava, ao fato de não conseguir trabalhar, e de ter que dividir um espaço pequeno com mais dois meninos. Na entrevista, demonstrou necessidade de falar de si própria e das dificuldades que estava enfrentando para cuidar do garoto. A avó tinha a guarda judicial de Pedro, mas, seja por falta de espaço em sua casa, seja por falta de condições físicas e emocionais, não se assumia como responsável plena por ele e relatava que esperava devolvê-lo para o pai. Os cuidados que a avó demonstrou ter com o garoto foram de levá-lo à escola, de acompanhar as suas tarefas, de alimentá-lo, de vesti-lo e de proporcionar, com dificuldade, o espaço físico para a moradia. Esses cuidados ocorrem por volta de dois anos e, após a morte do pai de Pedro a avó imediatamente o colocou em um abrigo para filhos de pais encarcerados. Pedro foi referenciado, nas palavras da avó, como uma criança agitada, briguenta, inconseqüente, que atiçava os outros, que não conseguia parar quieto para aprender, mesmo tendo entrado há pouco tempo na escola. D. Francisca referiu que, como os pais são desequilibrados, já era de se esperar que Pedro fosse revoltado. Seu intuito ao trazê-lo para a psicoterapia era tentar descobrir e sanar a revolta, a agitação e a dificuldade de aprendizagem para que pudesse viver melhor com a família. A análise da Prova de Rorschach pôde evidenciar a dificuldade do garoto em manter a atenção, por conta dos aspectos afetivos que estão interferindo no seu comportamento explícito, pois demonstrou estar sendo bombardeado por sentimentos de insegurança e intensa irritação interna, não conseguindo utilizar os recursos intelectuais que possui para direcionar e levar a cabo as suas tarefas. Nesse contexto, a proposta de ludoterapia para Pedro foi delineada para estabelecer uma relação de confiança e de responsabilidade com o seu desenvolvimento psicológico mediado pela palavra e pelo brincar. A proposta de orientação com a avó foi focada na conscientização da sua responsabilidade para com o desenvolvimento psicológico de Pedro, uma vez que assumiu a guarda judicial dos garotos. Os objetivos da ludoterapia com Pedro, entre outros, foram: - ressaltar a atividade de Pedro de acordo com a sua necessidade, para que ele possa se perceber e se constituir como um sujeito ativo no meio externo;

10 - demonstrar a minha presença estável na relação com ele, apoiando, repetindo, direcionando e organizando a sua atividade; - proporcionar condições, ao nível interpessoal, através da palavra e do brincar para que ele possa reorganizar as suas ações e pensamentos ao nível intrapsicológico; - utilizar o brincar e a palavra como mediadores do desenvolvimento. Tendo em vista as exigências do tempo, foi selecionado para análise, alguns trechos da sessão de ludoterapia com Pedro para melhor ilustrar a proposta desse trabalho. Em todas as sessões, os instrumentos da caixa de ludo foram disponibilizados para que ele pudesse brincar, desenhar, pintar ou construir brincadeiras, para que Pedro pudesse exercer a iniciativa ao escolher quais materiais seria utilizados e de que maneira. A minha ação, nos momentos de ludo, foi realizada através do brincar e da palavra não espontânea, nem aleatória, uma vez que tinha a intenção de favorecer o desenvolvimento psicológico. Sendo assim, minhas palavras como psicoterapeuta foram norteadas pelas técnicas psicológicas propostas por Leal (2004) e ocorreram durante todos os momentos de ludo. As técnicas utilizadas foram: - marcação: utilizada para marcar o diálogo num movimento de vai e vem, com o intuito de não deixar no vazio a palavra da criança. Os diálogos sociais são marcados pelas pessoas implicadas na conversa, num movimento de agora-tu, agora-eu, com o objetivo de não deixar a fala da criança sem resposta. Essa ação sustenta o diálogo e marca a presença do psicoterapeuta na relação com a criança; - repetição: utilizada para a criança perceber a sua fala através da palavra do outro; - pôr verbo: quando o psicoterapeuta descreve a ação da criança no momento em que a linguagem verbal não está presente. A ação de descrever a atitude do outro possibilita à criança perceber, através da fala do outro, como está agindo no meio externo. O objetivo dessa técnica é possibilitar à criança se perceber agindo no meio externo, como um ser ativo; - eco emocional: o psicoterapeuta descreve a emoção que está permeando a relação naquele momento. O intuito é verbalizar e deixar claros os conteúdos emocionais que permeiam as relações interpessoais. A possibilidade de experimentar, na atividade principal, as emoções que são sentidas, possibilita à criança reconhecer e nomear as suas próprias emoções; - re-expressão: o psicoterapeuta reconstrói e organiza a fala da criança. Essa técnica possibilita ao outro da relação organizar a fala e a ação da criança para que a mesma possa construir sentido de suas ações e organizá-las.

11 TRECHOS DAS SESSÕES A análise foi realizada da seguinte maneira: 1. Explanação das ações e falas (de modo literal) 2. Explicação das observações, sensações e inferências que realizei em função da atividade de Pedro e que suscitaram as minhas palavras e o meu brincar como psicoterapeuta; (indicados em verde) 3. Utilização da técnicas psicológicas; (indicados em vermelho) 4. Analise dos trechos e articulação teórica EPISÓDIO 1 P. Pensei que era borracha. (Refere-se ao bloco de madeira para montar) (Estava mexendo no bloco de madeira que estava perto da caixa) Percebi que a atenção de Pedro estava em outro objeto. Psi. Não. É bloco de madeira. Acompanhei a sua iniciativa P. Que pode brincar? Senti que Pedro solicitava o aval para brincar com os blocos, uma vez que eu estava há poucos minutos insistindo no diálogo do animal. Psi. Pode brincar de montar. Dá para montar várias coisas. Acrescentei um modo de iniciar a ação de montar e dei a possibilidade da diversidade de ações para Pedro escolher o que fazer com os blocos. P. (Pega os outros blocos de madeira na caixa de ludo) Percebi que ele estava iniciando uma ação com os blocos. Psi. (Pego dois blocos e coloco um em cima do outro) Imitei a sua ação. P. (Pega outros blocos e coloca ao lado dos meus e em cima também) Percebi que ele estava aceitando a ação conjunta. Psi. O que nós estamos montando? A minha pergunta foi colocada com a intenção de Pedro organizar e planejar antecipadamente, através da linguagem, a ação e o brincar e também mostrar nossa participação no brincar em conjunto. P. Um castelo. Percebi que ele tinha um plano e que, pela minha solicitação, estava se explicitando em palavras. Psi. Então essa pode ser a torre do castelo. (Referi-me aos blocos que nós já tínhamos empilhado) Ajudei o planejamento e direcionei através da re-expressão a ação já executada como parte integrante do castelo. P. (Continua montando outros blocos e juntando-os ao castelo. Vai à caixa de ludo e pega os soldadinhos) Senti que o brincar de construir com blocos estava prestes a se transformar, pois Pedro já estava buscando outros objetos da caixa de ludo. Psi. Vai brincar com os soldadinhos. Pus verbo na sua ação, mostrando que ele já estava com os soldadinhos.

12 P. Tira o castelo agora, senão nós vamos atirar. (Faz barulho de tiro com a boca) A idéia de Pedro estava sendo transmitida para mim, mas como uma ordem de que a brincadeira estava se configurando de outra forma. Não estávamos apenas na construção do castelo, mas agora ele ia ser destruído pelos soldados. Psi. Nossa Os soldados estão destruindo o castelo. O eco-emocional foi realizado com uma expressão de espanto e coloquei verbo na sua ação com os soldados. P. (Pega a caixa de madeira, coloca os soldadinhos em cima da caixa em direção ao castelo e empurra a caixa no castelo, desmontando-o) Os movimentos de construir e destruir estavam presentes nessa atividade de Pedro. A construção foi efetuada em conjunto, mas logo em seguida ele executou a destruição do castelo com os soldados. Inferi que essa atitude dele de destruir o castelo pode repercutir em agressividade ou briga quando ele brinca com os colegas. Nós dois estávamos construindo algo e ele, na continuidade da brincadeira, sem verbalizar a sua intenção na brincadeira, destruiu o castelo. A palavra não foi utilizada antecipadamente para organizar e compartilhar comigo a atividade do brincar. Psi. Agora destruíram todo o castelo. Re-expressei a ação da destruição do castelo. P. Nunca. Ah, é? (Pega uns soldados e coloca junto aos blocos castelo - e atira em direção aos outros soldados. Faz barulho com a boca) Senti que Pedro demonstrou indignação com a destruição do castelo e isso foi expresso na sua palavra e nas suas ações de combate aos soldados. Psi. (Pego alguns soldados e também brinco de proteger o castelo. Faço barulho de tiro com a boca) Aceitei a sua iniciativa e demonstrei essa aceitação acompanhando e repetindo o seu movimento na defesa do castelo. P. (Continua atirando e lutando, com os dois lados dos soldados.) Sobrou um. (Referindo-se ao soldado dele) Compreendi que Pedro gostava de se destacar na brincadeira, devido ao fato de o seu boneco ser o único a sobreviver. Percebi que, com essa ação, ele me retirou da brincadeira novamente. Psi. Sobrou só o seu soldado. (Tombo os soldados que estavam em minhas mãos como se tivessem morrido) Re-expressei as suas palavras, enfatizei o destaque de o seu boneco ser o único sobrevivente e a minha retirada da brincadeira. P. Até esse morreu. (Refere-se ao seu soldado) Pedro pareceu perceber as ações implícitas no brincar e re-expressadas por mim e retirou também o seu soldado. Psi. Todos os soldados que estavam protegendo o castelo morreram. A re-expressão serviu para organizar a ação que estava acontecendo. As ações foram transformadas em palavras e colocadas para ambos da relação.

13 Neste episódio da sessão, alguns pontos no movimento do brincar de Pedro comigo foram interessantes. Primeiro chama a atenção que iniciamos uma brincadeira em conjunto em que ora eu colocava uma parte do material, ora ele acrescentava outra parte na montagem de um único castelo. No entanto, as regras da brincadeira ainda não estavam explícitas nessa relação, uma vez que Pedro decidiu continuar o brincar com a destruição do castelo, sem o aviso ao outro da relação. Inferi que esse movimento de Pedro pode gerar conflito e briga quando brinca em conjunto com outras crianças devido às regras serem estabelecidas por ele e não explicitadas antecipadamente para que o outro possa entrar em um acordo da brincadeira. A dificuldade de Pedro em organizar e explicitar a regra pode gerar, no outro, incômodo e/ou raiva ao brincar com ele. Os movimentos de construção e desconstrução apareceram no brincar com o castelo que foi construído por ele em conjunto com o outro, destruído pelos soldados que ele mesmo acrescentou à brincadeira e, posteriormente, ficou indignado com a destruição do castelo e automaticamente o protegeu, matando os soldados. Inferi que Pedro pareceu estar criando sentido de que tudo pode ser construído e destruído da mesma maneira e na mesma proporção, tanto em relação aos objetos, como nas relações. Apesar de utilizar a linguagem, a sua função não antecipa e substitui a sua ação; no entanto, apresenta certa organização neste episódio, com um brincar com início, meio e fim, até o guardar dos brinquedos. EPISÓDIO 2 P. Nós vamos fazer um passeio na piscina! (Fala com grande entusiasmo) Pedro demonstrou mais uma vez através da linguagem a brincadeira do passeio à piscina e, nesse momento, me incluiu na brincadeira. A emoção de entusiasmo permeou essa fala de Pedro. Psi. Nós vamos fazer um passeio na piscina, eba! Confirmei o seu entusiasmo através da repetição seguida de um eco-emocional e acompanhei a sua iniciativa. P. Lá na chácara. (Enquanto conversa mexe na massinha) Pedro designou antecipadamente, através da linguagem, como seria a brincadeira. Psi. Que delícia! (Eu mexo na massinha também enquanto conversamos) Fiz um eco-emocional para incentivar a brincadeira e demonstrar a minha emoção em participar com ele dessa brincadeira. P. Na chácara tem piscina, né? Pedro pareceu designar o objeto e buscou se certificar de que estava certo em seu pensamento a respeito da chácara e pediu o meu aval para ter certeza. Pareceu estar querendo ampliar o conhecimento a respeito das coisas. Psi. Algumas chácaras têm piscina, outras não têm...

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 I A ADAPTAÇÃO Estamos chegando ao final do período de adaptação do grupo IA e a cada dia conhecemos mais sobre cada bebê. Começamos a perceber o temperamento, as particularidades

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Londrina 2010 1 Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Relatório final

Leia mais

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social instituto fonte... Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social e a arte de neles intervir. Buscamos potencializar a atuação de iniciativas sociais,

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO INFANTIL E TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL.

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO INFANTIL E TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL. GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO INFANTIL E TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL. Coordenadora: Profª Drª Eliza Maria Barbosa. Universidade Estadual Paulista UNESP/Araraquara. O grupo de Estudos e Pesquisas

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

pensamentos para o seu dia a dia

pensamentos para o seu dia a dia pensamentos para o seu dia a dia Israel Belo de Azevedo 1Vida e espiritualidade 1 Adrenalina no tédio O interesse por filmes sobre o fim do mundo pode ser uma forma de dar conteúdo ao tédio. Se a vida

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO A Prima do Coelho. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Os brinquedos ouvem batidos na porta: é

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO MAR/ABRIL 2013 [Edição 6]

BOLETIM INFORMATIVO MAR/ABRIL 2013 [Edição 6] BOLETIM INFORMATIVO MAR/ABRIL 2013 [Edição 6] O tema central desta edição do Boletim Informativo será a Psicologia Infantil. A Psicologia Infantil é a área da Psicologia que estuda o desenvolvimento da

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental Avaliação & Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA MSc. Psicologia Esp. Neusopsicologia Esp.Psicopedagogia Terapeuta Cognitivo-Comportamental Coordenadora do Curso de TCC Aplicada a crianças e adolescentes

Leia mais

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA GREICY GIL ALFEN A LUDICIDADE EM SALA DE AULA

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA GREICY GIL ALFEN A LUDICIDADE EM SALA DE AULA SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA GREICY GIL ALFEN A LUDICIDADE EM SALA DE AULA Projeto apresentado e desenvolvido na Escola Estadual Domingos Briante

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL Elisa Nélia da Cunha Brasiliense 1 Resumo: O objetivo deste texto é expor, segundo Vygotsky, a importância das brincadeiras de fazde-conta

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Janaina: muitas flores, uma estória Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Fernanda de Sousa Vieira 2 Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Resumo O presente trabalho traz contribuições acerca do atendimento

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

Histórias em Sequência

Histórias em Sequência Histórias em Sequência Objetivo Geral Através das histórias em sequência fazer com que os alunos trabalhem com a oralidade, escrita, causalidade e vivências pessoais. Objetivos Específicos Trabalho envolvendo

Leia mais

Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega.

Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega. Prezado Editor, Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega. Gostaria de compartilhar com os demais leitores desta revista, minha experiência como mãe, vivenciando

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES Autores: Tânia Regina Goia; José Paulo Diniz; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó Sumário Sobre a série... 3 Material de apoio... 3 Roteiro para uso dos vídeos em grupos... 4 Orientações para o facilitador... 4 Conduzindo

Leia mais

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976)

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) Lá pelos anos 1971, vivi uma experiência que sempre me incomodou.

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Encontros de vida que se faz vivendo.

Encontros de vida que se faz vivendo. Encontros de vida que se faz vivendo. Thatiane Veiga Siqueira 1 A menina do coração de chocolate. Juliana tem nove anos, é uma menina de olhos esbugalhados, com sorriso fácil, ao primeiro olhar já se vê

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky

A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky A vida em grupo é uma exigência da natureza humana É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky No processo de socialização a criança aprende as regras básicas, os valores e

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

O PRECOCE PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO COM CRIANÇAS DE 4 e 5 ANOS DE UMA ESCOLA PARTICULAR.

O PRECOCE PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO COM CRIANÇAS DE 4 e 5 ANOS DE UMA ESCOLA PARTICULAR. O PRECOCE PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO COM CRIANÇAS DE 4 e 5 ANOS DE UMA ESCOLA PARTICULAR. Pamella Evangelista Santana 1 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul-UFMS Eixo Temático: 9- Infância e Alfabetização

Leia mais

Dra. Nadia A. Bossa. O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem

Dra. Nadia A. Bossa. O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem Aprendizagem humana Ao nascer, o bebê humano é recebido num mundo de cultura e linguagem que o antecede e ao qual necessita ter acesso. Porém falta

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

PRIMEIRA LINGUAGEM DE AMOR: PALAVRAS DE ENCORAJAMENTO

PRIMEIRA LINGUAGEM DE AMOR: PALAVRAS DE ENCORAJAMENTO 50 Nona Lição AS CINCO LINGUAGENS DE AMOR Alguma coisa em nossa natureza clama por sermos amados. No âmago da nossa existência há o íntimo desejo se sermos amados. O casamento foi idealizado para suprir

Leia mais

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE Anexo 2 O documento que se apresenta em seguida é um dos que consideramos mais apelativos neste estudo visto ser possível ver Cecília Menano e João dos Santos e a cumplicidade que caracterizou a sua parceria

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR

ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR Por: André Forlin Dosciati - UNIJUÍ Vanessa Faoro - UNIJUÍ Isabel Koltermann Battisti UNIJUÍ

Leia mais

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS DOMINGUEZ RODRIGUES CHAVES, C. (1) Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza. USP - Universidade de

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 III A JOGOS DIVERTIDOS Fizemos dois campeonatos com a Turma da Fazenda, o primeiro com o seguinte trajeto: as crianças precisavam pegar água em um ponto e levar até o outro,

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO Áreas: Matemática, Artes Plásticas Transversal: Meio Ambiente Faixa etária: 4 a 5 anos Turma com 30 crianças Duração: agosto a outubro/2004 Produto final:

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES.

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. TÍTULO: INSERÇÃO DO LÚDICO (BRINCAR) AO PROCESSO DA INCLUSÃO PRODUTIVA. INTRODUÇÃO Verifiquei a importância

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

A ARTE DA COMUNICAÇÃO. Maria Thereza Bond

A ARTE DA COMUNICAÇÃO. Maria Thereza Bond A ARTE DA COMUNICAÇÃO Maria Thereza Bond 1 Psicologia Gestão de Pessoas Aulas, palestras, livros, coordenação, capacitações, consultorias... 2 Sobre o que vamos falar hoje? Em que vamos pensar? 3 O que

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

este ano está igualzinho ao ano passado! viu? eu não falei pra você? o quê? foi você que jogou esta bola de neve em mim?

este ano está igualzinho ao ano passado! viu? eu não falei pra você? o quê? foi você que jogou esta bola de neve em mim? viu? eu não falei pra você? o quê? este ano está igualzinho ao ano passado! foi você que jogou esta bola de neve em mim? puxa, acho que não... essa não está parecendo uma das minhas... eu costumo comprimir

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

MODELOS MENTAIS E SEUS IMPACTOS NAS EQUIPES Por: Veronica Ahrens

MODELOS MENTAIS E SEUS IMPACTOS NAS EQUIPES Por: Veronica Ahrens MODELOS MENTAIS E SEUS IMPACTOS NAS EQUIPES Por: Veronica Ahrens O que são Modelos Mentais? Segundo Peter Senge, modelos mentais são pressupostos profundamente arraigados, generalizações, ilustrações,

Leia mais