INPA. ciência. Aqui se faz. Ciência para todos Nº 01 - ano 1 (distribuição gratuita) ISSN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INPA. ciência. Aqui se faz. Ciência para todos Nº 01 - ano 1 (distribuição gratuita) ISSN 19847653"

Transcrição

1 INPA Revista de divulgação científica do Ciência para todos Nº 01 - ano 1 (distribuição gratuita) ISSN Aqui se faz ciência Projetos aprovados pelo CNPq garantem avanço da pesquisa científica Árvores ajudam no estudo da seca Cientistas alertam: floresta emite CO 2 Projeto estuda DNA das espécies

2

3 EDITORIAL Popularizando a Ciência O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) dá mais um passo em sua missão de divulgação e popularização da ciência. A revista que chega agora em suas mãos marca o início de uma nova forma de comunicação para mostrar ao país o empenho do instituto em garantir o melhor aproveitamento da biodiversidade amazônica. A revista de divulgação científica do Inpa tem como proposta mostrar que a ciência está presente em todo o nosso dia-adia e os avanços dos pesquisadores para manter a floresta em pé, apesar de todos os ataques a que a mesma é submetida, por meio de ações impensadas ou que levam em conta apenas o retorno do capital. Nesse primeiro número trouxemos uma reportagem sobre os institutos criados para incentivar as pesquisas realizadas na região, estudos esses que vão garantir a harmonia entre o meio ambiente e o homem. O leitor também ficará por dentro do que os laboratórios do Instituto vem fazendo para minimizar alguns problemas da sociedade, como é o caso da matéria que trata da identificação de fungos no tratamento de micoses, ou da guerra contra o mosquito da malária. Aproveitamos para fazer um alerta a todos, ao abordar o problema da seca na região, enfatizando as pesquisas que vêm sendo realizadas para evitar que a situação fique irreversível. Uma reportagem sobre o uso da palmeira do açaí e da produção de chapas e tijolos a partir de folhas secas mostra que é possível a harmonia entre a floresta e o homem, em que todos saem ganhando. E abram alas para elas, as mulheres, que pegaram a dianteira na pesquisa e mostram que o chamado sexo frágil é composto de charme, sim, mas muita competência também. Para quem ainda não conhece o trabalho do Inpa de conscientização das crianças para que haja respeito ao meio ambiente, apresentamos o projeto Pequenos Guias. Esperamos que as próximas páginas sejam uma verdadeira descoberta desse mundo fascinante da Ciência, que não mede esforços para trabalhar em prol da sociedade, oferecendo soluções viáveis para a boa convivência entre as comunidades e a floresta. EXPEDIENTE Luís Inácio Lula da Silva Presidência da República Sérgio Machado Rezende Ministro da Ciência e Tecnologia Adalberto Luis Val Diretor do INPA Wanderli Pedro Tadei Vice-diretor do INPA Sérgio Fonseca Guimarães Chefe de Gabinete Estevão Monteiro de Paula Coordenador de Ações Estratégicas - COAE Beatriz Ronchi Teles Coordenadora de Capacitação - COCP Lucia Yuyama Coordenadora de Pesquisas e Projetos - COPE Carlos Roberto Bueno Coordenador de Extensão - COXT Tatiana Lima da Silva (MTB 4214/MG) Coordenação de Comunicação Leila Ronize (MTB 179/AM) Jornalista Responsável Redação Ana Célia Ossame Hemanuel Jhosé Janaína Karla Lisângela Costa Leila Ronize Mário Bentes Rosilene Corrêa Tabajara Moreno Projeto Gráfico Leila Ronize Rildo Carneiro Diagramação Rildo Carneiro (DRT-004/AM) Design Eric Rebello 3

4 Matéria da capa Conselho Nacional de Desenvolvimento e Pesquisa (CNPq) aprova quatro projetos oriundos do órgão no âmbito do programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT): Centro de Estudos de Adaptações da Biota Aquática da Amazônia (ADAPTA), Centro de Estudos Integrados da Biodiversidade Amazônica (Cenbam), Instituto Nacional de Serviços Ambientais da Amazônia (Semvab) e Centro Nacional de Pesquisas e Inovação de Madeiras da Amazônia (INCT- Madeira). Os novos institutos devem ocupar posição estratégica no sistema nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (C&T&I), atuando em áreas bem definidas, o que permitirá o desenvolvimento de pesquisas de vanguarda relacionadas a ambientes aquáticos amazônicos, biodiversidade da região, serviços ambientais para a preservação da floresta e manejo florestal, com destaque para socialização, e transferência de tecnologia para o uso de madeira e seus resíduos. 30 Alerta da Floresta Pesquisa divulgada na revista Science traz dados preocupantes quanto à mudança da temperatura nos próximos anos. A floresta que até então era responsável pelo sequestro do carbono, evitando que o meio ambiente ficasse sobrecarregado desse gás apresentou um comportamento inverso. Após a seca de 2005 as árvores passaram a emitir carbono, deixando o clima muito mais quente. Pesquisadores alertam para a necessidade de ações que mudem o cenário, antes que a situação fique irreversível. 22 Sumário 4 26 Açaí gera bioenergia Estudos realizados pelo Laboratório de Estudos em Palmeiras, do Inpa, comprovam a capacidade da palmeira de açaí na produção de bioenergia. Foi constatado que os caroços descartados pelos ribeirinhos podem ser reaproveitados em energia elétrica. Bom para o meio ambiente e ótimo para as famílias que, além de poder utilizar o fruto em forma de vários alimentos, ainda aumenta o valor agregado desse produto.

5 Metamorfose das 44 espécies aquáticas A força das guerreiras 14 pesquisadoras 10 INPA promove tratamento de referência 38 A sabedoria centenária das árvores amazônicas 34 As folhas que produzem chapa e tijolo 5

6 Pequenos Guias Educação Ambiental 6 Promove difus > Por Ana Célia Ossame Situado numa área de 13 hectares no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), o Bosque da Ciência é uma fonte inesgotável de experiências e conhecimento sobre fauna e flora da região amazônica. Esse entendimento, somado à solicitação da comunidade vizinha combinam para o desenvolvimento de uma atividade destinada a crianças e adolescentes da área, foi a centelha do programa Pequenos Guias (PG) do Bosque da Ciência, instituído em 1994 que, prestes a completar 15 anos, comprova sua eficiência e importância dessa experiência inovadora para a difusão da ciência e educação ambiental, destinada a crianças e adolescentes que acessaram pela porta da frente os laboratórios de um dos mais importantes institutos de pesquisas da região. A experiência, que já resultou na edição de um livro, é motivo de orgulho não só para as coordenadoras e idealizadoras do projeto, Maria Inês Gasparetto Higuchi, psicóloga e Ph.D em Antropologia e Maria Solange Moreira de Farias, pedagoga, mas

7 Jorge Saldanha ão da ciência também para adolescentes como Letícia Duarte Pantona, 16, e Jéferson Cruz, 15, estudantes do ensino médio, entusiastas do projeto que não vêem mais como algo impossível tornar-se pesquisador. Destinado às crianças na faixa etária a partir de 11 anos, já cursando a 5ª série, o programa, segundo Maria Inês Gasparetto Higuchi, desenvolve atividades de educação ambiental, considerando a necessidade dessa formação aos moradores do entorno do bosque. Diretora do Laboratório de Psicologia e Educação Ambiental (LAPSEA) do Inpa, que coordena as atividades, Inês não mede palavras para falar dos PG, cujo mérito principal é a abertura do instituto aos estudantes e à sociedade, via Bosque da Ciência. Para ela, a acolhida dada por meninos e meninas aos visitantes faz brilhar os olhos mais atentos aos frutos desse projeto responsável por criar um vínculo deles com o Inpa e, o mais importante, a popularização da ciência. É que a partir do PG, segundo ela, quebra-se a imagem de uma instituição fechada em quatro paredes e inacessível. E o melhor, desperta nos meninos e meninas interesse pelo estudo da ciência. 7

8 Jorge Saldanha No detalhe, Maria Inês Gasparetto Higuchi (diretora do laboratório de sociologia e educação ambiental do Inpa) 8 A nomenclatura Pequenos Guias não significa que eles executam somente essa tarefa. No total, mais de 860 adolescentes já participaram do projeto nesses 14 anos, com duração total de aproximadamente seis meses. Cada turma passa por três fases nas quais tem a oportunidade de aprendizado bastante amplo sobre temas sócio-ambientais, desenvolvimento social, turismo, cidade, comunicação, trabalho etc. Inicialmente, recebem palestras e desenvolvem atividades relacionadas ao meio-ambiente com o objetivo de estimular a apropriação do espaço do bosque, que não é um território do Inpa, mas de uso de toda a sociedade manauense, explica a diretora do Lapsea. Na primeira fase, são aproximadamente 60 horas de aulas distribuídas ao longo de seis meses, cujos professores são pesquisadores e educadores convidados. Após situarem-se na questão ambiental, conhecem o Inpa em cada departamento para que, quando for necessário, guiarem os visitantes para mostrar o que o Inpa faz. Por serem crianças e adolescentes, apresentam o que o Inpa faz não de forma profissionalizada, mas com eles, não só abrimos as portas das pesquisas, mas proporcionamos momentos de entretenimento e de lazer, com destaque ao aspecto mais informativo, argumenta a pesquisadora, destacando a impressão de acolhimento dada pelos jovens numa instituição que trabalha com a ciência. O sucesso do programa Pequenos Guias é uma realidade. Ele já foi copiado por institutos de pesquisas de outras regiões e inspirou dezenas de projetos semelhantes Mário bentes O programa recebe a ajuda de empresas parceiras para se manter. Embora os guias não recebam mais uma espécie de bolsa-auxílio paga no início do projeto, têm custos que precisam ser financiados como fardamento, lanche etc. Este ano, segundo Inês, eles estão com projeto de pesquisa aprovado pela Fapeam para fazer a avaliação do programa. O fim do pagamento foi decidido para desvincular a participação ao voluntariado. O projeto recebe apoio da Petrobras e Moto Honda, assim como parcerias da Prefeitura de Manaus, da Kodak, Projeto Corredores Ecológicos, a Cultura Inglesa e a Vara Especializada em Meio Ambiente e Questões Agrárias (Vemaqa). Inês explica que alguns dos ex-pequenos guias têm retornado ao Inpa como estagiários ou participando de projetos de pesquisa. O reconhecimento da sociedade não vem só por meio dos pais e deles próprios. O instituto já recebeu muitas menções honrosas de casas legislativas como a Câmara Municipal de Manaus (CMM), parabenizações da Vemaqa. Na terceira fase eles integram-se aos projetos da Semma, IBAMA e chamamos os que estão com mais de 16 anos e atuam como voluntários.

9 Prontos para a aula de cidadania Ser a sala de entrada do Inpa aos visitantes é apenas uma das tarefas dos integrantes do PG, que hoje reúne 22 estudantes atuando e 35 na formação. Desde outubro do ano passado no Pequenos Guias, Altair Marques Colares Júnior, 13, morador do bairro Coroado 3, afirma ter aprendido muitas coisas importantes sobre o meio ambiente. Aluno da 7ª série, sempre teve curiosidade de conhecer o Inpa, onde surpreendeu-se com a quantidade de assuntos pesquisados como a vida do peixe-boi, por exemplo. Hoje, dá uma tristeza quando vejo uma pessoa jogando lixo do carro nas ruas ou mesmo no igarapé, porque sei o que isso representa para a natureza e para nós seres humanos, conta ele, cujo pai é funcionário terceirizado do Inpa e já o havia levado para visitar. Gostei desde o início quando senti que, ao entrar aqui, temos ar-condicionado natural, afirmou ele, relatando os efeitos da climatização natural oferecida pela área de preservação onde fica toda a tarde. Altair quer prolongar essa relação com o Inpa pensando em seguir carreira como pesquisador dessa área. Letícia Duarte Pantoja, 16, 2º ano do ensino médio, conhecia o PG porque o irmão dela já havia participado e, por meio dele, já havia visitado o Inpa. Ela participou no período de 2004 e 2005, após a irmã dela, Lícia Duarte Pantoja, 18, integrante do programa nos anos de 2000 a 2001, ter participado. Letícia tinha curiosidade de entrar no Inpa e quando pôde fazer isso, não se decepcionou. Fiquei encantada com o que se faz aqui, pesquisas da maior importância para as nossas vidas, disse ela, citando que a cada vez que chega vê coisas diferentes e recebe informações que podem mudar o seu olhar e o seu jeito de ver. Isabelle de Souza Alencar, 12, estudante do Centro Educacional Imperial, mora na Cidade Nova, Zona Norte, está há quase um ano no PG. Gosto muito dos animais, especialmente do peixe elétrico, disse ela, que aprendeu como evitar o choque. Esse foi só um dos diversos assuntos que pudemos aprender, afirmou ela, que convida amigos e parentes a visitar o bosque. Jéferson Cruz de Souza, 15, aluno do 1º ano do ensino médio, é outro que, ao escolher uma profissão, vai procurar uma área relacionada ao Inpa. Descobri o quanto é importante ser pesquisador e o que isso representa para a nossa cidade e estado, disse ele, convicto de que não perderá o vínculo com o instituto responsável por despertar nele a consciência ecológica e a responsabilidade nessa área como cidadão. 9 Jorge saldanha

10 Identificação de fungos auxilia tratamento de Micoses jorge saldanha Prestação de serviço 10 > Por Tabajara Moreno Em casa, no ônibus, na escola ou no trabalho, em toda a parte o homem se depara com fungos. Alguns podem ser utilizados na alimentação; uns podem ser usados na produção de medicamentos; e outros são responsáveis por doenças que atingem homens, animais e plantas. O clima tropical da Amazônia fornece condições privilegiadas para o desenvolvimento dos fungos. A micose é a principal forma de manifestação do fungo nos seres vivos e, no homem, pode ocorrer em diversas partes do corpo. A ação maléfica do fungo é de difícil tratamento médico devido ao seu caráter oportunista. Com o objetivo de auxiliar o diagnóstico médico das micoses e possibilitar a população um tratamento mais eficaz contra o problema, o Laboratório de Micologia Médica da Coordenação de Pesquisa em Ciências da Saúde (CPCS) do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) tem recebido regularmente, há vários anos, pacientes encaminhados por médicos do Sistema Único de Saúde (SUS), de hospitais particulares e de empresas, a fim de esclarecer o tipo do agente causador da micose para que o tratamento seja mais eficaz.

11 O pesquisador responsável pelo Laboratório de Micologia Médica do Inpa, José Augusto Almendros, ressalta a importância social que o trabalho desenvolvido pelo laboratório assume. As pessoas quando vêm ao nosso laboratório, geralmente apresentam um histórico de insucessos, em relação aos tratamentos utilizados. Já passaram por diversos médicos, usaram vários remédios que não produziram melhora. Com o diagnóstico correto, podemos então auxiliar o clínico a receitar a medicação mais eficaz, conta. Esse é o caso da Corretora de Imóveis, Maria Iraci Borges, 41, que apresenta há cinco anos uma unheira incurável no dedão do pé esquerdo. Segundo a corretora, apesar de já ter ido a três dermatologistas diferentes, ainda não conseguiu melhorar sua situação. Como as diversas medicações que ela usou não surtiram o efeito esperado, Iraci adotou uma medida para não atrapalhar seu trabalho. Só uso sapato fechado porque a unheira, além de incomodar, é muito feia, trabalho com atendimento ao público e não é bem apresentável, expõe. Almendros ressalta que o diagnóstico correto ajuda no uso da medicação mais eficaz tabajara moreno 11

12 jorge saldanha 12 O número de pacientes atendidos pelo laboratório vem crescendo nos últimos três anos. De acordo com o banco de dados, em 2006 foram feitos 354 exames; em 2007, 401, e em 2008 foram 621 exames de diagnóstico. Nesse primeiro trimestre de 2009, tem sido atendidos, em média, cinco pacientes por dia. Em muitos casos, o laboratório de micologia do Inpa representa uma boa instância na busca por um tratamento adequado. Nesse primeiro trimestre de 2009, têm sido atendidos, em média, cinco pacientes por dia Número de atendimentos No laboratório do Inpa são feitos vários tipos de procedimento para a identificação micológica. Os principais são o exame direto e a técnica de cultivo em meio específico. O exame direto é o método mais usado atualmente para a identificação da presença do fungo. Além do Inpa, ele também pode ser feito no Hospital de Medicina Tropical de Manaus e na Fundação Alfredo da Matta. O método detecta a presença do fungo a partir de suas estruturas celulares típicas. Em 2006 foram feitos 354 exames no Inpa; em 2007, 401, e em 2008 foram 621 exames de diagnóstico. Em 2009, em média, cinco pacientes por dia são atendidos Já a técnica de cultivo em meio específico é feita exclusivamente no Inpa. Para cada grupo de fungos, há métodos e meios de cultivo diferentes. Durante quinze dias, o material coletado dos pacientes fica sob cultivo em um tubo de ensaio esperando evolução. Quando o material coletado pode ser visto macroscopicamente, ou seja, a olho nu, para a identificação específica do tipo de fungo, porções do cultivo são aplicadas a duas técnicas diferentes, o microcultivo e o cultivo em lâmina. Depois de emitido o laudo, os agentes identificados são conservados por diferentes técnicas de manutenção, na Coleção de Fungos de Interesse Médico do Inpa. O atual acervo conta com mais de seis mil amostras de fungos isolados de pacientes, de animais e de alimentos. Mais tarde esses agentes serão usados em pesquisas tanto para a aplicação de novas técnicas de identificação, quanto para busca de atividade antifúngica, ressalta o pesquisador José Augusto Almendros.

13 No laboratório exames diretos e técnica de cultivo em meio específico são procedimento para a identificação micológica jorge saldanha 13

14 Mulheres superam obstáculos na Ciência > Por Mário Bentes, Tabajara Moreno e Janaína Karla Guerreiras da pesquisa Para Vera Val a mulher é uma guerreira, pois consegue conciliar as obrigações da atividade científica profissional com as imposições sociais A História da humanidade é a maior testemunha da luta das mulheres na conquista de uma situação de equilíbrio e justiça social, em que o sexo não seja parâmetro para definir níveis de direitos ou deveres. No entanto, mesmo com a instituição da Declaração Universal dos Direitos Humanos, no século XVIII, as diversas sociedades baseadas em princípios culturais notadamente patriarcais colocam a mulher como coadjuvante. Na área científica, comumente frequentada por homens, a academia sempre se mostrou fechada para as mulheres, seja pela própria comunidade científica ou pela sociedade, que não via com bons olhos a entrada destas em determinadas áreas de atuação. Tabajara moreno 14

15 O caso do Brasil é similar a outros países, embora tenha particularidades sociais que agravam ainda mais o quadro de segregação entre homens e mulheres, sobretudo no mercado de trabalho. É o que pensa a pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Vera Val, que enfatiza a capacidade da mulher brasileira de conciliar as obrigações da atividade científica profissional com as imposições sociais tradicionais, como cuidar do lar e da família. Sempre achei a mulher brasileira uma guerreira, que consegue cuidar da família e trabalhar mesmo com todas as dificuldades que essas duas tarefas, quando juntas, impõem, Mulheres lutam dia-a-dia em busca do seu espaço que lhes foi invadido. Mulheres guerreiras abençoadas por Deus usam sua força soberana para continuar sempre de olhos abertos diante das dificuldades. Mulheres que acordam cedo para mais um dia de rotina e ainda tem tempo pra falar com Deus (Fábio Ferreira) afirma, citando como argumento a situação sócio-econômica do país: Se você reparar, em qualquer área, a mulher brasileira, de classe média ou com rendimentos inferiores ao da classe média, tem que trabalhar para ajudar na renda da família porque um salário apenas não resolve, particularmente quando se tem muitos filhos. Mãe de dois filhos e casada com outro pesquisador, o doutor Adalberto Luis Val, atual diretor do Inpa, Vera, que vem se dedicando à academia há mais de 30 anos, acredita que a trabalhadora da área científica tem ainda mais obstáculos que o normal, já que, segundo ela, não há hora nem local para a criação, para o pensamento e para o desenvolvimento de idéias e, portanto, é preciso compatibilizar disciplina e horário com a casa e os filhos. Questionada a respeito da importância da presença da mulher na área científica, Vera Val diz que a alegria de trabalhar na Ciência só pode ser completa quando a mulher é realizada profissionalmente, feliz com sua própria escolha e realizada com sua carreira e família. Os trabalhos são compatíveis, mas somente quando a pessoa é compromissada com ela mesma de forma que a recompensa dos seus objetivos seja dividida entre as pessoas à sua volta e vice-versa. 15

16 Conhecimento VS. Preconceito Outra pesquisadora do Inpa, Maria de Jesus Coutinho Varejão, 65, acredita que a produção de conhecimento deve superar os obstáculos impostos pela sociedade contra as mulheres. No âmbito da pesquisa, o mérito da produção de conhecimento é maior do que questões de preconceito, afirma. A declaração da pesquisadora está fundamentada na sua experiência de vida. Mãe de Juliana Coutinho, 35, Engenheira Florestal, e Lívia Coutinho, 24, estudante de Odontologia, Maria de Jesus sempre teve de dividir o tempo dedicado à pesquisa com as responsabilidades da educação das filhas. P a r a tamanha empreitada, ela se orgulha de ter cont a d o com a parceria do esposo Clóvis Ribeiro. Meu marido foi um grande companheiro e me ajudou a conciliar o trabalho no Inpa com as minhas responsabilidades em casa, com minhas filhas, conta a pesquisadora. Desde o primeiro contato com um laboratório de pesquisa científica, ainda no segundo grau, Maria de Jesus decidiu ser química e trabalhar na área industrial. Ela só mudou de opinião depois de uma experiência marcante vivida no fim da década de 60, quando participou do curso de formação de engenheiros da Fundação Ford. Lá, Maria de Jesus sentiu as dificuldades de atuar numa área marcadamente masculina. Filha de professores, desde cedo Maria de Jesus foi incentivada a ler. Trocou as bonecas pela leitura. Ela relembra que, aos cinco anos de idade, logo quando começou a ler, pegava o jornal que o pai comprava diariamente, sentava-se e começava a se inteirar dos fatos. A atitude levava os mais velhos às gargalhadas. Sempre fui determinada, estudiosa, ressalta. E foi com essa determinação e a dedicação aos estudos que Maria de Jesus cursou Engenharia Química na Universidade Federal de Pernambuco. Já no primeiro período ela participou de um curso ministrado por aquele que ela considera um dos maiores químicos do país, Otto Richard Gottlieb. No fim do curso, ela recebeu um convite para ingressar na equipe de pesquisa dele quando se formasse. Depois da experiência no curso da fabricante Ford, Maria de Jesus resolveu procurar Gottlieb no Rio de Janeiro. Ela ainda passou algum tempo na cidade aprendendo as técnicas da química de produtos naturais, antes de vir para Manaus. Quando chegou à capital amazonense, no início dos anos 70, para trabalhar no Inpa, a pesquisadora não encontrou muitas outras mulheres. O mercado era muito masculinizado e restrito para as mulheres em todas as áreas de atuação quando comecei, relembrou. 16 Ires Miranda lembra que a mulher sempre manteve uma trajetória científica arraigada à sua natureza feminina tabajara moreno

17 Contudo, Maria de Jesus sentiu que o novo terreno onde pisava era mais sólido. Para ser pesquisador é preciso estudar, ter responsabilidade e dedicação à pesquisa. Isso independe de sexo, contou a pesquisadora, enfatizando a importância da formação acadêmica para as mulheres. As mulheres precisam se formar, fazer mestrado, doutorado, e só depois procurar casamento, finalizou. Maria de Jesus, acredita que produção de conhecimento deve superar os obstáculos impostos pela sociedade Uma questão de identidade A opinião dessas pesquisadoras é reforçada nas palavras de Ires Paula de Andrade Miranda, coordenadora do Laboratório de Pesquisas em Palmeiras (LABPALM/Inpa). Segundo ela, a mulher vem desenvolvendo com muita força sua evolução no que diz respeito à ciência e à tecnologia. A mulher foi revelando sua identidade nas relações sociais por meio do discurso e da ação. A partir de uma teia já existente na sociedade, e mesmo sofrendo as conseqüências imediatas de sua ação, ela foi avançando em diversos processos a fim de usufruir de sua cidadania como ser humano independente de sexo, cor ou origem, argumenta. tabajara moreno Para a pesquisadora, a mulher sempre manteve uma trajetória científica arraigada à sua natureza feminina, apesar dos ainda notáveis preconceitos. Hoje, apesar do preconceito patriarcal que não considera a mulher como auxiliadora e colaboradora na organização social, mulheres empenhadas no rompimento de vários obstáculos tem se revelado líderes na pesquisa científica e tecnológica, comemora. Sobre o futuro da comunidade científica com a entrada de mais mulheres, Ires Miranda aconselha: O exercício contínuo da ética, o aprendizado amplo e o entendimento real das relações sociais com compartilhamento de idéias e ideais, a fim de tornar a sociedade mais justa e em prol da melhoria da qualidade do coletivo, finaliza. 17

18 Fechando o cerco contra a Malária > Por Hemanuel Jhosé Febre alta, dor na cabeça e por todo corpo. Waldimar Monteiro define a dor que sentia como algo que não deseja a mais ninguém. Eu comecei a sentir uma febre alta com tremedeira pelo corpo durante vários dias. Quando o sujeito sente isso, ele não consegue fazer mais nada além de ficar deitado. Aí o pessoal das antigas começou a falar que podia ser malária, recorda Monteiro. O mecânico conta que teve malária pela primeira vez em 1976, no município de Manaquiri (AM). Naquela época o diagnóstico demorava quatro dias para sair e só era feito no prédio da Fundação Nacional de Saúde (FNS), em Manaus. Enquanto o resultado não saía você ainda passava esses dias sofrendo, só depois recebia o medicamento, relembra. No mesmo ano ele pegou malária pela segunda vez, porém nesta o diagnóstico foi mais rápido, pois já morava no bairro da Glória, em Manaus. Combate ao mosquito 18 Atualmente os pacientes são diagnosticados com mais rapidez, mas a malária ainda faz parte do cotidiano de muitas pessoas que habitam a região. É difícil imaginar que até a década de 20 o Sudeste era a região com maior número de casos de malária no Brasil, em especial no estado de São Paulo. Wanderli Pedro Tadei, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), explica que a malária desapareceu junto com o habitat de reprodução do mosquito. A malária desapareceu na região Sudeste e em áreas do Mato Grosso, em função das ações de controle implementadas em associação com as modificações ambientais que a atividade agrícola introduz nas áreas, transformando totalmente a paisagem, com as plantações de café e soja, afirma o pesquisador. Para ele, as mudanças ecológicas contribuem sobremaneira com a redução da densidade populacional ou o desaparecimento do Anopheles darlingi, o vetor da doença, alte- rando o número de casos em regiões específicas da Amazônia. Atualmente, no Brasil, cerca de 99% dos casos de malária acontecem na região Amazônica e a incidência da doença está ligada às enchentes e vazantes da região. Paulo Afonso Nogueira, pesquisador do Centro de Pesquisas Leônidas e Maria Deane da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), explica que a malária está presente em toda região. Se você for à zona rural de Manaus ou mesmo em sua periferia você corre risco de pegar malária, por estarmos numa região endêmica. Na periferia, dependendo da distância das casas com a floresta você pode ter o vetor ou não, explica. A presença da doença na região ocorre devido às condições naturais serem favoráveis para o ciclo de vida do mosquito. Esse foi o grande achado do laboratório de Malária e Dengue do Inpa: estabelecer a conexão en-

19 Tadei destaca que aplicações do fumacê melhoram a qualidade das habitações do interior acervo laboratório de malária e dengue tre o ciclo de vida do Anopheles e o ciclo das águas na região amazônica, afirma Tadei. O Anopheles e o Ciclo Amazônico O Rio Amazonas tem um período de cheia de oito meses, durante os quais em certas áreas a água sobe até 20 metros e, em algumas localidades registra-se até 30 metros. Neste período de alagação, formam-se o igapó no Rio Negro e a várzea no Rio Solimões e em outros rios de águas brancas, barrentas e ricas de material em suspensão. Tadei explica que apesar das águas que invadem a região de água preta não serem propícias à agricultura, é nelas, chamadas de igapó, em que os raios solares incidem criando algas e microorganismos, forma-se um ambiente propício para a reprodução do mosquito. Basta uma semana em que a água pare de subir, que é o bastante para as fêmeas dos mosquitos detectarem o local para colocarem seus ovos e que, em uma única desova, podem colocar de 150 até 250 ao todo, explica o pesquisador. Dessa forma, a transmissão da malária na Amazônia é uma equação direta das mudanças ambientais e dos ciclos das enchentes, que originam os locais para a reprodução dos mosquitos sendo, portanto, um evento anual. Naturalmente, o pico de malária acontece em julho, agosto e setembro, pois é nessa época que a água já subiu e as fêmeas colocaram os ovos, originando os mosquitos que transmitem a doença. Tadei conta que essas informações são imediatamente passadas para os técnicos da Fundação de Vigilância em Saúde do Estado do Amazonas (FVS) para que eles possam utilizá-las. A FVS é órgão no estado do Amazonas que controla as endemias e a parceria entre as duas instituições tem sido muito proveitosa no combate à malária. 19

20 20 Em 2007 os níveis da água em janeiro já estavam próximos das estimativas para o mês de maio. Como os rios ficaram cheios mais tempo, registrou-se uma grande quantidade de mosquitos. Em nossos pontos sentinelas de controle do mosquito da malária, nos quais se capturava dez ou quinze mosquitos, de repente pegamos cerca 1.500, já em fevereiro. Esta quantidade de mosquito manteve-se alta de fevereiro a junho, conta Tadei. Naquele ano praticamente todos os municípios, no trecho Manaus/Coari, tiveram o número de casos de malária aumentados neste período. Isso já é uma evidência de que o aquecimento global pode aumentar a malária na Amazônia, em decorrência do mosquito se reproduzir de maneira mais rápida e permanecer, em densidade alta, em um tempo maior. A população ficará exposta aos mosquitos em um tempo maior, afirma Tadei. A compreensão dessa dinâmica é importante para se entender a transmissão da malária na região. Com esses dados, os pesquisadores, técnicos e profissionais de saúde podem se preparar contra futuros surtos da doença na região. Infelizmente estamos numa região muito suscetível a surtos de malárias por mais que se trabalhe ou se controle. Estamos no habitat do mosquito, enfatiza o pesquisador. 99% dos casos de malária acontecem na região Amazônica e a incidência da doença está ligada às enchentes e vazantes da região Com novos dados, pesquisadores e profissionais de saúde podem se preparar contra surtos da malária Ações Contínuas Para Tadei é de vital importância o investimento ininterrupto em ações de controle e pesquisa. Se essas ações forem interrompidas a malária cresce muito. Isto ocorre porque, todo ano, a partir de dezembro ou janeiro surgem as condições de reprodução do mosquito. Nós precisamos estar atentos a isso senão em maio e junho teremos muita malária, alerta. Nesse sentido, ações como a formação da Rede Malária, que está sendo implementada, são de fundamental importância para o combate à doença. Ela surgiu de uma iniciativa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) que, junto à Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia do Amazonas (Sect) elaborou o programa especificamente para alavancar a pesquisa básica e aplicada sobre Malária. Afonso Nogueira acredita que a Rede tem que focar em quatro principais fatores na luta contra a malária: controle do vetor, aprimoramento das estratégias de diagnóstico, compreensão dos casos graves da doença e o desenvolvimento de uma vacina. Todos esses fatores são importantes no combate à malária. Combater a malária não é apenas chegar e cuidar do homem doente. Hoje, já está estruturado que para combater a malária, precisamos ter ações integradas, envolvendo aspectos clínicos, entomológicos e ambientais. É importante fazer o monitoramento e dar assistência à população, mas sempre focando para diminuir a circulação do plasmódio, reitera Tadei. No que tange às ações de controle do vetor, o pesquisador destaca as aplicações aeroespaciais (fumacê) de produtos que matam mosquitos instalados na vegetação, a melhora na qualidade das habitações do interior com telas e a utilização de novos tipos de mosquiteiros impregnados. Ressalta-se também o monitoramento dos tanques de piscicultura que, com os devidos cuidados, são perfeitamente viáveis. Com o controle de nível de água dos tanques é possível impedir que a água fique no mesmo nível por mais de uma semana e retirando a vegetação das margens se desfaz os locais de reprodução mosquito. Tabajara moreno

21 Kit rápido ajuda no diagnóstico Atualmente os pesquisadores da Fiocruz procuram formas de melhorar o diagnóstico da doença. Nós estamos tentando fazer um kit de diagnóstico rápido que seja aplicado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Esse kit será feito com matérias-primas locais, porque existem kits rápidos de diagnóstico de malária, mas como todos são importados eles se tornam caros, afirma o pesquisador Paulo Afonso Nogueira, pesquisador do Centro de Pesquisas Leônidas. O pesquisador prossegue explicando que o kit vai ser igual ao utilizado em exames de gravidez: um resultado de dois traços indicará positivo para malária. Como existem dois tipos de plasmódio que causam a doença, o vivax e o falcíparum, o teste fará uma pequena diferenciação. É importante ao diagnosticar distinguir os dois, pois o falcíparum é maligno, ele pode levar o paciente à óbito. Então no resultado do exame nós teremos dois traços para o vivax e três pra o falcíparum, por exemplo, esclarece Nogueira. A Fiocruz também está desenvolvendo um diagnóstico molecular, chamado de PCR. O processo envolve a amplificação de um pedaço de gene através de uma máquina chamada termocicladora. Com o fim do processo é possível realizar um diagnóstico mais cuidadoso do que no tradicional exame da gota espessa, feito por microscopia. Esse exame deverá ser usado apenas em pesquisas devido seu alto custo, mas pode vir a ter grande importância para detecção dos pacientes assintomáticos, fontes de preocupação no controle da malária. O assintomático é aquela pessoa que está contaminada pela oitava, décima ou mais vezes e não apresenta mais o quadro clínico, não sofre com os sintomas por ter criado imunidade contra eles, indica Tadei. O risco é que essas pessoas não se tratem e possam transmitir o plasmódio a novos mosquitos, que por sua vez transmitem para pessoas ao seu redor. acervo laboratório de malária e dengue Como a quantidade de plasmódio nesses pacientes é baixa, é difícil diagnosticá-los pelo exame de gota espessa. Assim, o PCR pode vir a ser muito útil. Já se sabe, por meio da bibliografia, que as formas graves de malária ocorrem quando o plasmódio falcíparum gruda nos vasos sanguíneos e os obstrui, impedindo a circulação do sangue, podendo levar ao coma ou prejudicar uma gravidez. Entretanto, nos últimos anos estão aumentando os relatos desses casos por plasmódio vivax. A maior quantidade desses relatos diz respeito à malária acompanhada de comprometimento pulmonar. Queremos pesquisar mais sobre isso, indica Nogueira. Uma unanimidade entre os pesquisadores é a necessidade de uma vacina para a doença, mas existem dificuldades para sua criação. Os especialistas explicam que a vacina contra um plasmódio é mais complicada de se produzir que uma contra um vírus, por exemplo, porque o plasmódio é um organismo celular que tem mecanismos de adaptação. A esperança para a descoberta de uma vacina aumenta com as possibilidades advindas da engenharia genética. Com essas novas técnicas os p e s q u i s a d o r e s estão mais próximos de uma vacina e também de aprenderem mais sobre o seu vetor. Com esse intuito o Inpa vem trabalhando com outras instituições em uma pesquisa inédita. Ainda esse ano o Inpa, junto com o Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), a Universidade Federal do Amazonas (Ufam), a Universidade de Brasília (UnB) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vão terminar de sequenciar o genoma do Anopheles darlingi, revela Tadei. O sequenciamento está em fase final e os pesquisadores ainda se reunirão para discutir os resultados do estudo, que são relevantes para a implementação das ações de controle da malária na Amazônia. Mais uma das várias ações que objetivam fechar o cerco contra a malária na região. 21

22 Alerta ambiental Seca Amazônica aponta confusão no Clima mundial 22 > Por Leila Ronize

23 Pesquisadora enfatiza que ações países ricos tem que fazer sua parte para reverter a situação anselmo d affonseca jorge saldanha Se a cada ano você convive, mais frequentemente, com uma temperatura de torrar os miolos, saiba que essa não é privilégio do calor amazônico. O clima está muito mais confuso do que se pode imaginar, tirando do homem a certeza de planejar colheitas ou viagens pelos meses do ano, ação tão praticada por nossos avôs. Uma pesquisa divulgada na Revista Science traz dados que apontam o que todos sabem, mas ninguém quer enxergar: o aquecimento global é uma realidade. Um dos sinais veio da floresta mais famosa e cobiçada no mundo a Amazônica, que foi atingida em 2005 por uma das mais intensas secas dos últimos 100 anos, deixando rastros de peixes mortos sobre terras que antes tinham água em abundância. A constatação de que o verão está muito mais quente do que anteriormente é uma consequencia direta, segundo a pesquisadora Ieda Leão Amaral, do aumento da temperatura, sentidas principalmente por pessoas que moram perto de áreas em 23

24 anselmo d affonseca Higuchi (no detalhe), ressalta que é preciso sair do discurso e partir para a ação tabajara moreno que houve mais mortes de árvores do que incremento de espécies, que atingem 10 centímetros de diamentro (o que os pesquisadores chamam de taxa de recrutamento). Em novembro do ano passado apresentei um artigo, na Conferência Internacional do LBA, mostrando que nas áreas estudadas em 2005 ano da seca houve uma redução de biomassa, conta Ieda Amaral. 24 Para chegar a este resultado os pesquisadores fazem, anualmente, a medição de espécies, pintando uma faixa à altura de 1,30 metros do tronco da árvore. Percebeu-se, um ano depois, que as medições foram menores que as dos anos anteriores. O recrutamento de 2005 foi pequeno em comparação com a mortalidade, o dobro precisamente, enfatiza a pesquisadora que contribuiu com dados que subsidiaram o artigo publicado na revista Norte Americana. O pesquisador Niro Higuchi, que também deu contribuição valiosa para o artigo, explica que a morte dessas árvores reduziu de forma drástica a capacidade da floresta absorver o CO ² (gás carbônico), provocando uma reação inversa, em que cinco bilhões de toneladas de CO ² foram liberadas no ambiente, abalando o equilíbrio do planeta. O gás carbônico é um componente químico indispensável para o O manejo florestal na Amazônia é uma das saídas para garantir que a floresta continue em pé planeta, já que sem ele a Terra seria muito fria para abrigar vida, mas muitos cientistas alertam que a grande quantidade desse gás causará o aumento da temperatura da Terra, levando ao derretimento de geleiras, ao crescimento dos níveis dos oceanos e a mudanças no meio ambiente. O aquecimento global é um fato comprovado. Cada vez mais a temperatura tem aumentando e vai aumentar ainda mais. Realmente é grave. Já está comprovado que há mudança climática e se o homem não tomar cuidado vai ser irreversível, profetiza Ieda Amaral. Higuchi diz que o pior é a incerteza sobre o período de ocorrência de outra seca como a de Não podemos confirmar se vai acontecer, mas o que nos preocupa é a frequência. Se continuar com um espaço de 40 anos, estamos dentro da normalidade, mas o pro-

25 blema é se ocorrer daqui a três anos, esclarece. A velha mensagem de que cada um tem que fazer sua parte, precisa ser encarada de forma mais responsável. Se não houve mudanças sensíveis na preservação da Floresta é por que o homem não está fazendo o que deve fazer, lamenta o pesquisador. Ainda acredito que se cada um fizer algo podemos sim mudar, o problema é que só existe discurso. É preciso partir para a ação, completa. A puxada de orelha serve também para os líderes de países ricos, que na prática não se mobilizam para reverter a situação. A oposição dos Estados Unidos à assinatura do Protocolo de Kyoto (documento em que os países são obrigados a reduzir, em 5,2%, a emissão de gases poluentes, entre os anos de 2008 e 2012) foi um balde de água fria para os ecologistas mais otimistas. Estamos em uma época que não basta apenas que cada um faça sua parte. As ações devem partir de países, principalmente aqueles conhecidos como maiores poluidores, como é o caso dos Estados Unidos. E no caso individual de pessoas que trabalham com queima de pasto achando que a situação está longe do irreversível, desabafa Ieda Amaral. O EUA se desligaram em 2001 do protocolo, alegando que a redução iria comprometer o desenvolvimento econômico do país. Uma das saídas para manter a floresta em pé está no Manejo Florestal. Especialista no assunto, Higuchi reconhece que sozinho o manejo não vai mudar o cenário, mas ele é essencial para que se possa continuar desenvolvendo estudos para evitar que as profecias mais tenebrosas aconteçam. Mapa mostra áreas de estudos que serviram para embasar dados do artigo da revista Science Amazônia é sensível à seca O alerta é preocupante: secas prolongadas em florestas tropicais podem causar mortalidade de árvores e alguns modelos climáticos predizem que a Amazônia entrará em um processo de mortalidade contínua nesse século. O texto em tom de profecia compõe um dos parágrafos do artigo Sensibilidade da Floresta Amazônica à Seca, publicado na revista Science, no início deste ano. O estudo que durou cerca de 30 anos foi realizado graças à Rede Amazônica de Inventários Florestais (RAINFOR) uma rede de cooperação que monitorou 136 parcelas (espécies) localizadas em diferentes áreas de floresta na bacia Amazônica. O objetivo da Rede é avaliar o processo de troca de carbono e melhor compreender o impacto da Amazônia no clima mundial. E foi justamente a seca de 2005 que ofereceu aos cientistas uma idéia de futuras ocorrências de mudanças climáticas, nas quais a estação seca na Amazônia se tornará, provavelmente, mais intensa e mais quente. Naquele ano o fenômeno causou perda de biomassa florestal, invertendo o processo de sequestro de carbono que ocorre em grande escala temporal e espacial. Outro resultado da pesquisa aponta que as árvores que morreram durante o período de 2005 apresentam menor densidade de madeira que aquelas que morreram no período anterior, ou seja, em 2006 as que foram registradas como mortas eram 5% mais leves que em censos anteriores. Isso mostra que a seca pode alterar a composição da espécie, traçando um caminho nada animador para aqueles que contam com a biodiversidade da região Amazônica, uma vez que esta também pode ser afetada. 25

26 Planta acervo labpalm ALTERNATIVA ENERGÉTICA 26 gera energia elétrica Pesquisa avalia potencial produtivo da palmeira açaí para fins bioenergéticos em comunidades ribeirinhas do Lago do Cururu, próximo ao município de Manacapuru

27 > Por Janaína Karla terra tem palmeiras onde canta o sabiá, as aves que aqui gorjeiam não gorjeiam como lá, no céu Minha tem mais estrelas, nossas várzeas têm mais flores, nossos bosques têm mais vida, nossas vidas mais amores. Com certeza alguém já ouviu esses versos do famoso poeta Gonçalves Dias. Mas, será que realmente conhecemos a verdadeira produtividade da palmeira? Planta de uma beleza excêntrica e rica fonte em sustentabilidade econômica, a palmeira é alvo de vários estudos, que já comprovaram que a planta tem capacidade oleaginosa, de produção de biocombustíveis, além de ser alimento complementar e barato na ração de animais e consumo humano. Desta vez, em recentes estudos realizados pelo Laboratório de Estudos em Palmeiras (LA- BPALM), do Instituto Nacional em Pesquisas da Amazônia (Inpa), em parceria com o projeto Neram (Modelo de Negócio de Energia Elétrica em Comunidades Isoladas na Amazônia), da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), foi comprovada a capacidade da palmeira açaí (Euterpe precatória Mart) em produção de Bioenergia. O estudo possibilitou conhecer o potencial produtivo do açaí amazonense com 1,8 toneladas de frutos por hectare em comunidades ribeirinhas do Lago do Cururu, próximo ao município de Manacapuru, no Estado do Amazonas. Na pesquisa se constatou que a partir daqueles caroços descartados pelos ribeirinhos, os subprodutos do fruto do açaí, é possível reaproveitá-los em energia elétrica ajudando no aumento da renda dessas famílias. O Laboratório de Estudos em Palmeiras avaliou o potencial produtivo da matériaprima e o número de plantas por hectare, subsidiando o Neram na busca do aproveitamento de maneira sustentável junto às comunidades. De acordo com a pesquisadora Ires Paula de A. Miranda, coordenadora do LABPALM, as pesquisas desenvolvidas pelo grupo na identificação e produtividade dessas espécies são de suma importância para as comunidades isoladas, pois elas são reféns da falta de energia - detectado pelo Coordenador do Neram, Prof.Dr. em Engenharia elétrica, Rubem César Rodrigues, da Ufam - e consequentemente da incapacidade produtiva de subsistência. Um dos problemas mais graves dessa população ribeirinha é a falta de energia, dificultando a implementação da agroindústria isolada na região amazônica, afirmou Miranda. A pesquisa teve duração de dois anos e foi realizada no período de pico da produção da planta, de março a julho de No total foram beneficiadas com a pesquisa seis comunidades ribeirinhas: Comunidade do Cordeiro, Terra Preta, Divino Espírito Santo 1 e 2, Bom Jesus do Cururu, Cidade Nova do Cururu. O projeto Coordenado por Rodrigues teve financiamento do Neram/CNPq e foi apresentado por Miranda no Simpósio Internacional de Especialistas em Palmeiras, realizado em Lima (Peru), no ano de 2008, e publicado em edição especial da revista Peruana de Biologia. 27 acervo labpalm

28 28 O Laboratório de Estudos em Palmeiras LABPALM tem como missão estudar o potencial das palmeiras da Amazônia, para contribuir como alternativa de sustentabilidade econômica, proteção e adaptabilidade no desafio das mudanças climáticas e da produção de combustíveis. Foi neste âmbito que em 1980 teve-se a iniciativa da criação de um grupo de pesquisadores, técnicos e especialistas botânicos com interesse em estudos sistemátipesquisa constata que a partir dos caroços descartados pelos ribeirinhos, é possível gerar energia elétrica, ajudando no aumento da renda dessas famílias Laboratório de Estudos em Palmeiras é referência

29 jorge saldanha cos e ecológicos das palmeiras da Amazônia. Em sua atuação estão as funções de subsidiar a estruturação de cadeias produtivas a partir de palmeiras nativas; incentivar a fixação do homem no campo; mapear as unidades de paisagem e densidade de espécies nativas nas áreas alteradas; e, estudar a produtividade das espécies promissoras. O LABPALM já publicou cinco livros, além de artigos em revistas nacionais e internacionais, contribuindo para o esclarecimento não só da população leiga, mas principalmente daquelas que vivem e precisam do conhecimento científico para facilitar sua subsistência. São elas: Palmeiras no Herbário (1994), Frutos de Palmeiras da Amazônia (2001), Ecossistemas Florestais em Áreas Manejadas na Amazônia (2003), Guia de Identificação das Palmeiras de um Fragmento Florestal Urbano (2006) e o Guia de Identificação das Palmeiras de Porto Trombetas (Pará 2008). 29

30 Novos NA VANGUARDA DA CIÊNCIA 30 Os institutos criados serão fundamentais para as pesquisas sobre diversidade animal e vegetal, de adaptação das espécies na biodiversidade amazônica, a necessidade do manejo florestal, a água e o carbono

31 institutos impulsionam pesquisa na região > Por Lisângela Costa O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) mostra novamente a sua vanguarda em termos de produção científica na região. Prova disso, foi a aprovação recentemente pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento e Pesquisa (CNPq) de quatro projetos oriundos do órgão no âmbito do programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT): Centro de Estudos de Adaptações da Biota Aquática da Amazônia (Adapta), Centro de Estudos Integrados da Biodiversidade Amazônica (Cenbam), Instituto Nacional de Serviços Ambientais da Amazônia (Semvab) e Centro Nacional de Pesquisas e Inovação de Madeiras da Amazônia (INCT-Madeira). Esses foram os primeiros projetos do Amazonas aprovados na esfera do INCT, que tem como meta mobilizar e agregar, de forma articulada, os melhores grupos de pesquisa em áreas de fronteira da ciência e em áreas estratégicas para o desenvolvimento sustentável do País; impulsionar a pesquisa científica básica e fundamental competitiva internacionalmente; estimular o desenvolvimento de pesquisa científica e tecnológica de ponta associada a aplicações para promover a inovação e o espírito empreendedor, em estreita articulação com empresas inovadoras, nas áreas do Sistema Brasileiro de Tecnologia (Sibratec). A idéia de lançar os institutos amazonenses O Conselho Nacional de Desenvolvimento e Pesquisa (CNPq) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) disponibilizarão em torno de R$ 22 milhões para os projetos, que serão usados em diversas ações surgiu a partir de demandas de núcleos de estudo regionais, nacionais e, inclusive, internacionais. Os novos institutos devem ocupar posição estratégica no sistema nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (C&T&I) e atendem ao previsto no Plano de Ação em C&T&I (PACT&I ), atuando em áreas bem definidas, o que permitirá o desenvolvimento de pesquisas de vanguarda relacionadas a ambientes aquáticos amazônicos, biodiversidade da região, serviços ambientais para a preservação da floresta e manejo florestal, com destaque para socialização, e transferência de tecnologia para o uso de madeira e seus resíduos. As informações geradas por esses projetos servirão para subsidiar o processo decisório de questões relacionadas aos temas, bem como propiciarão a geração de novas patentes que devem beneficiar a sociedade de modo geral, a exemplo do que vem ocorrendo no âmbito dos demais projetos desenvolvidos pelo corpo de pesquisadores do Inpa, destaca o diretor do Inpa, Adalberto Luis Val. No total, serão destinados pelo CNPq e pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) em torno de R$ 22 milhões para os projetos. Esses recursos serão usados em diversas ações, entre as quais, capacitação de pessoal, intercâmbio de pesquisadores, desenvolvimento de novas tecnologias, além de melhoria de infra-estrutura laboratorial. A execução dos trabalhos será feita mediante uma rede de pesquisa, formada por diferentes grupos, 31

32 32 que atuarão em diversas frentes, sendo que todos os institutos serão sediados no próprio Inpa. Os projetos aprovados vão receber financiamento por até cinco anos. Na soma dos recursos que serão disponibilizados, também estão incluídos R$ 30 milhões em bolsas, que serão concedidas pela Capes. A criação dos institutos conta com a parceria da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes/ MEC), e das Fundações de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Fapeam), do Pará (Fapespa), de São Paulo (Fapesp), Minas Gerais (Fapemig), Rio de Janeiro (Faperj) e Santa Catarina (Fapesc). Projetos O pontapé inicial para a execução das atividades previstas nos projetos já foi dado. A primeira parte dos recursos foi repassada recentemente e o otimismo quanto ao sucesso dos projetos prevalece entre os pesquisadores envolvidos. Coordenador do INCT Madeiras da Amazônia, o pesquisador Niro Higuchi mostra-se bastante motivado. Criado com a finalidade de aumentar a produtividade da floresta primária e melhorar o rendimento das indústrias de madeira da região, o instituto surgiu da necessidade de viabilizar o manejo florestal sustentável na Amazônia. A expectativa é que dentro de pouco tempo, o Amazonas possa contar com um INCT capaz de centralizar as discussões e ações voltadas ao manejo sustentável da floresta amazônica, afirma Higuchi. O orçamento aprovado para o projeto foi de R$ 4,8 milhões. Esses recursos serão investidos na construção de um centro de treinamento na estação experimental do Inpa, recuperação da infra-estrutura de laboratórios de tecnologia da madeira, além de permitir o desenvolvimento de experimentos de exploração florestal e tecnologia da madeira, intercâmbio técnico-científico, treinamento de pessoal e, ainda, favorecer a transferência de tecnologia. Sediado no Inpa, o INCT Madeiras da Amazônia contará com laboratórios associados da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e Universidade de Brasília (UnB). Com a finalidade de criar cadeias de produção de conhecimento efetivas na área da biodiversidade Amazônica, o Centro de Estudos Integrados da Biodiversidade Amazônica (Cenbam) tem um grande desafio: unir esforços de diversos centros de pesquisa de todos os Estados da região com foco especificamente nessa temática, a fim de ampliar o conhecimento científico acerca da diversidade animal e vegetal da Amazônia. Aproximadamente R$ 7,2 milhões serão investidos no Cenbam. Os recursos serão usados no intercâmbio de pesquisadores, melhoramento de infraestrutura de laboratórios, capacitação de pessoal em nível de graduação e pós-graduação e desenvolvimento de atividades junto à população assistida pelos núcleos regionais vinculados ao projeto e localizados em diferentes Estados. As ações do Centro serão definidas por um conselho diretivo, formado por sete pesquisadores do Inpa e centros regionais do Amapá, Roraima, Rondônia, Acre e Mato Grosso. Este conselho será o responsável por determinar os objetivos e metas de todas as fases de implantação do projeto, informa o pesquisador-chefe do Cenbam, William Magnusson. À frente do Instituto Nacional de Serviços Ambientais da Amazônia (Semvab), o pesquisador Philip Fearnside explica que o Semvab terá a tarefa de atuar no desenvolvimento de serviços ambientais relacionados ao carbono e água, visando única e exclusivamente o manejo sustentável da floresta amazônica. Na verdade, ninguém maneja a floresta (amazônica). Ao contrário, estão cortando o máximo possível de árvores porque o manejo florestal não é uma prática atrativa para a economia formal, uma vez que não dá lucro imediato, alerta o pesquisador. Segundo Fearnside, o Instituto Nacional de Serviços Ambientais buscará atuar justamente na contramão do sistema econômico vigente de forma a comprovar que o manejo florestal é o caminho mais adequado. É preciso reverter esses valores e adotar o manejo florestal como uma nova página da economia regional pela única e simples razão de que, caso contrário, a floresta vai acabar sumindo, critica. O coordenador do Semvab diz que, desde 1997, vários estudos foram publicados sobre o assunto em diferentes áreas e que, com o advento do instituto, será possível reunir o conhecimento acumulado, o que permitirá vislumbrar novos resultados. Vinculado ao Instituto Nacional de Serviços Ambientais da Amazônia, estão grupos de pesquisa regionais, nacionais e de países como Peru, Bolívia e Inglaterra. Philip Fearnside diz que, no momento, estão em busca de recursos complementares que possam permitir, principalmente, a contratação de pessoal capacitado para atuar nas diferentes frentes de pesquisa e mostra-se bastante otimista quanto aos rumos do projeto. Investigar o processo de adaptação de animais e vegetais da biodiversidade aquática amazônica aos diferentes ambientes naturais, assim como, àqueles ambientes que sofrem a ação humana a partir do seqüenciamento genômico é a finalidade do Adapta (Centro e Estudo de Adaptações da Biota Aquática da Amazônia). O projeto contará com três diferentes linhas de pesquisa: Interações organismo-am-

33 biente; Biomarcadores e Programas aplicados. Para alcançar o objetivo proposto, os cientistas envolvidos no projeto realizarão coletas de material em diferentes lugares, desde igarapés, rios, matas de igapó até zonas de exploração mineral e igarapés (córregos) contaminados por esgoto a fim de investigar a estratégia de sobrevivência da flora e fauna amazônicas. Conforme o coordenador do Centro, Adalberto Luis Val, a adaptação a esses diferentes ambientes depende da expressão de ativação de algumas informações que tem na genética desses animais e vegetais, o que faz com que eles produzam substâncias capazes de torná-los imunes a certas condições. Pretendemos identificar o que esses animais e vegetais estão expressando em comum, fazer uma seleção das informações dos hormônios e posteriormente, uma análise por bioinformática, a fim de verificar se os genes ativados desses seres vivos são capazes de fabricar produtos que possam ser usados em benefício dos seres humanos, principalmente, no que se refere ao desenvolvimento de medicamentos, afirma o coordenador. A expectativa é que ao longo do período de vigência do projeto sejam identificados ao menos dez produtos - como enzimas, hormônios e antibióticos- e ao menos, cinco deles sejam patenteados. A intenção é gerar patentes e licenciar esses produtos para que empresas e cidadãos interessados possam utilizá-los e com isso, venham a gerar emprego/renda e inclusão social na região, completa o pesquisador. anselmo d affonseca O Adapta, por exemplo, irá investigar o processo de adaptação de animais e vegetais da biodiversidade aquática amazônica aos diferentes ambientes naturais Marco institucional A aprovação pelo CNPq dos quatro projetos é um marco importante na história do Inpa e vem corroborar a vanguarda do Instituto no que se refere ao fazer ciência na Amazônia. Foi extremamente importante aprovar esses projetos não somente para o Inpa, mas também para a Amazônia e para o próprio País. Pela primeira vez, conseguimos organizar de forma consistente redes de pesquisa sobre quatro assuntos extremamente relevantes para a região, destaca o diretor do Inpa, Adalberto Luis Val. Nós estamos extremamente orgulhosos por termos aprovado esses projetos, inclusive, porque não há no país outra instituição que possua, proporcionalmente, o mesmo número de pesquisadores que o Inpa e que tenha aprovado projetos com um volume de recursos tão grande, complementa. O mesmo pensamento é compartilhado pelo coordenador de Ações Estratégicas do Inpa, Estevão Monteiro de Paula. Para ele, a aprovação das propostas é uma demonstração do alto nível de qualidade das atividades de pesquisa desenvolvidas pela instituição no que tange às questões amazônidas. Além disso, conforme ele, é importante destacar o componente de integração com as demais instituições, o que deve gerar transferência de conhecimentos. Contudo, o comprometimento com a formação de recursos humanos e a troca de tecnologia são apontados pelo diretor como o grande legado dos projetos. Sem contar, na própria responsabilidade do instituto devido ao fato de que os recursos são públicos e que, por isso, é preciso dar respostas que venham contribuir decisivamente para a melhoria da qualidade de vida da população e do meio ambiente, finaliza o diretor. 33

34 Ecologicamente correto 34 Chapa e Tijolo vegetais são desenvolvidos para uso na construção civil

35 rosilene corrêa Chapa de folhas e tijolos vejetais são obtidos na trituração de matérias-primas naturais > Por Rosilene Corrêa A necessidade de preservação das florestas e o uso correto dos recursos por ela oferecidos estão sempre no centro das discussões quando o assunto é a Amazônia. No estado do Amazonas, a exploração dos recursos florestais oferece uma gama de produtos que vão além dos cosméticos e dos medicamentos. Agora, a novidade fica por conta de uma chapa de folhas e tijolos vegetais, obtidos a partir do processo de trituração de matérias-primas naturais, oriundas do ouriço da casca da castanha do Brasil, dos caroços do coco e do tucumã uma palmeira da região. Os dois foram desenvolvidos por pesquisadores do Laboratório de Engenharia da Madeira do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), da Coordenação de Pesquisas em Pro- 35

36 rosilene corrêa Os tijolos possuem um sistema de montagem bem simples, permitindo montar uma casa com cinco mil tijolos em oito minutos 36 dutos Florestais (CPPF). Um dos inventores dos produtos é o pesquisador Jadir de Souza Rocha. Segundo ele, os produtos podem ser utilizados na construção civil, em diferentes aplicações. A chapa, em substituição à madeira, na confecção de forros, divisórias, móveis e artefatos, enquanto o tijolo vegetal, em substituição ao tijolo convencional de argila, nas construções de casas e prédios de até quatro andares. O tijolo pode ser utilizado em qualquer tipo de obra ou construções de até quatro andares e, para a nossa região, por ser um material que é naturalmente um isolante térmico, ele proporciona um ambiente agradável para as construções feitas em lugares de alta temperatura, como é aqui na Amazônia, afirmou. Rocha destacou também que para o processo de produção não há necessidade de queima de lenha e nem derrubada de árvores. O tijolo é produzido com tecnologia limpa, a matéria-prima é natural, são aproveitadas as sobras florestais que não têm serventia depois do consumo dos frutos. Além disso, na produção não é utilizada lenha, como na produção dos tijolos de argila convencionais. Com isso, preservamos mais a floresta e não geramos gases para o efeito estufa, acrescentou. Outra vantagem salientada por Rocha é a rapidez no processo de montagem dos tijolos vegetais, que não precisam de cimento. Segundo ele, é possível construir uma casa popular de cerca de 40 metros quadrados, por exemplo, com aproximadamente 5 mil tijolos. Os tijolos possuem um sistema de montagem bem simples, o de encaixe, por isso é possível montar uma casa popular com cinco mil tijolos em apenas oito horas. É necessário apenas que os pilares e as vigas estejam levantados, só faltando elevar as paredes e divisórias. A produção da chapa vegetal também não é diferente, afirma o pesquisador. Ele conta que já havia pensado em fabricar a chapa, mas queria que a tecnologia não fosse aproveitada somente por indústrias de grande porte e com capacidade de investimentos em larga escala. Busquei encontrar alternativas que contemplassem também as micros e pequenas empresas, explica Rocha. Foi por isso que Jadir Rocha fez experiências e encontrou uma excelente resina. Além de proporcionar o aumento da vida útil das cha-

37 pas, o produto possibilitou a cura do material num período curto de tempo. O material foi preparado sem o uso de prensas de sistema a quente, o que barateia os custos de produção. A resina foi encontrada e o processo de transformar as folhas em chapas foi iniciado. Rocha explica que no processo de confecção da chapa podem ser aproveitadas folhas de espécies arbóreas, de frutíferas, de palmeiras, de ervas daninhas e plantas ornamentais. Primeiramente as folhas passam pela operação de trituração para obtenção de pequenas partículas, podendo ser secas ao ar livre ou em estufas. Posteriormente, é feita a formação de um colchão de partículas com aglutinação de resina sintética e fibra de vidro. Opções de prensagem O processo de confecção da chapa vegetal oferece duas opções de prensagem, a frio e a seco. No primeiro caso, não necessita de prensa com sistema a quente, sendo utilizadas resina de laminação, fibra de vidro, com adição de catalisador e pressão. Este processo de cura da chapa é relativamente lento e a produção se dá em pequena escala. No segundo, dispensa o uso de resina de laminação e catalisador, passando-se a usar resinas sintéticas, fibra de vidro e ação conjunta de temperatura e pressão. A prensagem do tijolo é feita em alta temperatura. Os componentes vegetais são triturados e aglutinados com resinas fenólicas, obtidas pela reação de condensação e polimerização entre um fenol e um aldeído (compostos químicos orgânicos), para em seguida passar por um processo de prensagem em alta temperatura. O projeto de desenvolvimento do tijolo ficou com a segunda colocação na categoria Econômica Tecnológica do prêmio Professor Samuel Benchimol 2008, concedido pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior a iniciativas que visam ao desenvolvimento sustentável da Amazônia. Participaram dos trabalhos as pesquisadoras Cynthia Pontes, Tereza Bessa e Vânia Lima, do Laboratório de Engenharia da Madeira do Inpa. rosilene corrêa Rocha garante que as matériasprimas usadas na confecção são de alta durabilidade Qualidade e versatilidade A qualidade da chapa depende dos tipos de folhas utilizadas para a produção. Rocha cita como exemplos, as folhas das palmeiras que são muito resistentes ao rasgo na direção transversal às fibras. Nas outras espécies podem ser encontradas folhas bem espessas e de superfícies super lisas, cujas características são indicadoras de grande resistência ao rasgo, folhas sem tais características, não são recomendadas. Os resultados dos testes em laboratório feitos com o tijolo vegetal foram bastante satisfatórios. As matérias-primas utilizadas na sua confecção são de alta durabilidade, conferindo resistência mecânica semelhante à dos tijolos convencionais, finaliza. rosilene corrêa 37

38 Jochen Schöngart confirma que anéis das árvores possibilitam reconstruir um longo período histórico de variações hidrológicas na região amazônica ARQUIVO CENTENÁRIO 38 Árvores da Amazônia apontam condições Climáticas

39 mário bentes > Por Mário Bentes UUm homem de idade avançada para os padrões atuais está concentrado no que parece ser uma grande obra de engenharia, embora esse termo nem existisse ainda. Já são meses de dedicação a um único projeto uma espécie de arca, de grandes proporções o que fez com que o velho deixasse de lado sua própria aparência; sua barba e cabelos estão longos e desgrenhados e suas mãos estão sempre sujas de pó de madeira. Em alguns momentos, seus dedos sangram pela grande quantidade de farpas que lhe ferem a cada instante. Os que habitam aquele vilarejo passam pelo velho e não entendem o que ele faz. A família dele o ajuda. Alguns zombam e riem; acham que o velho Noé e sua família estão loucos. Por várias vezes perguntam, inconformados, o porquê de tamanho trabalho. Noé nono descendente de Adão, segundo o Antigo Testamento explica: Deus me avisou do grande dilúvio; as águas de sua ira cobrirão toda a Terra por quarenta dias e quarenta noites. E todos riam. Segundo o livro de Gênesis, o anunciado dilúvio que cobriria toda a superfície do planeta aconteceu de fato, e Noé e sua família assim como uma grande quantidade de espécies animais, agrupada aos pares foram salvos da fúria das águas. Mas a questão é: se Deus não tivesse dado o alerta concreto sobre as precipitações das chuvas, Noé teria construído a arca e se mantido a salvo da enchente? Provavelmente não. As outras pessoas, segundo os mesmos relatos, não tiveram a mesma sorte. De olho no (mau) tempo Conhecida pelo público em geral como uma das mário bentes Dendrocronologia permite saber em quais anos a região da árvore passou por períodos de cheia ou de seca Árvores centenárias da região Amazônica indicam se a seca devastadora de 2005 e a cheia histórica prevista para este ano são conseqüências diretas do aquecimento global 39

40 40 regiões mais úmidas do planeta, a região Amazônica pode até não ser o cenário de uma enchente épica e de proporções semelhantes como a descrita no primeiro dos cinco livros do Pentateuco, mas, segundo especialistas, as mudanças climáticas atuais podem ser as responsáveis pela grande cheia que se aproxima na região e que já está causando enormes prejuízos para comunidades ribeirinhas no interior do Amazonas. Informes oficiais apontam que pelo menos 184 mil pessoas vem enfrentando problemas em suas plantações de subsistência. Municípios como Atalaia do Norte, Benjamin Constant, Tonantins e Tabatinga na região do Solimões são apenas algumas das cidades prejudicadas pelas chuvas, que ficaram acima da média para o período, segundo o Serviço Geológico do Brasil (CPRM). A previsão da Defesa Civil do Estado é que 40 dos 62 municípios do Amazonas sejam atingidos, sendo que 19 já tiveram decretada situação de emergência. Para a capital, as notícias também não são animadoras. O primeiro balanço do ano do Programa de Alerta de Cheias de Manaus, do CPRM, divulgado no último dia 31 de março, revelou que a enchente que se aproxima e que terá o seu auge em junho deve ser apenas um centímetro menor que a grande inundação de 1953, quando a cota do Rio Negro alcançou nada menos que 29,69 metros. Naquela ocasião, boa parte do centro de Manaus ficou tomada de água. A previsão que calcula os eventos hidrometereológicos para a região com precisão de 70%, de acordo com estudos elaborados conjuntamente pelo CPRM e pelo Serviço de Proteção da Amazônia (Sipam) é que a média de cheia para esse ano fique entre 29,33 e 30,03 metros, com margem de erro de 35 centímetros para mais ou para menos, o que pode marcar a cheia de 2009 como a segunda maior dos últimos 100 anos, segundo informou o superintendente regional do CPRM, Marco Antônio Oliveira, durante a divulgação do alerta. A culpa das mudanças climáticas Apesar da grande repercussão mundial provocada em parte por conta de sensacionalismo da imprensa e aparente consenso da comunidade científica no que diz respeito à culpabilidade das mudanças climáticas como causadoras de eventos como as grandes cheias e secas severas na Amazônia, muitos cientistas permanecem na desconfiança. É certo que os desmatamentos, principalmente em regiões tropicais, e a queima de combustíveis fósseis que liberam gás carbônico e outros gases de efeito estufa na atmosfera estão entre os principais fatores para as mudanças globais de temperatura que vem sendo registradas nos últimos anos. Entretanto, o que parece ser uma verdade inquestionável para muitos, ainda é dúvida para alguns cientistas: grandes cheias como a prevista para este ano no Estado do Amazonas e secas devastadoras como a de 2005 são fenômenos causados exclusivamente pelo aquecimento global ou são partes de um calendário histórico de eventos naturais que se repete ao longo dos anos? Grupos ativistas e Organizações Não-governamentais (ONGs) de meio ambiente acreditam que o homem é o único culpado de tudo, mas os cientistas preferem cautela para evitar manchetes. Para tentar esclarecer dúvidas como esta, o Instituto Max Planck que atua no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) por meio de parceria de pesquisas científicas firmada em julho de 1969 entre Brasil e Alemanha tem estudado alternativas para compreender os fenômenos e definir se os eventos de cheia e vazante tão significativos e de grandes conseqüências para as populações que habitam essas regiões são ou não resultado direto e exclusivo das mudanças climáticas. Da água para a terra O pesquisador alemão Jochen Schöngart afirma que as mudanças climáticas globais são uma realidade, mas faz questão de ressaltar, no entanto, que ainda existe muita confusão com relação ao assunto. Um dos primeiros pontos que o pesquisador esclarece é com relação à temperatura. Segundo ele, ao contrário de que muitos acreditam, as mudanças climáticas na região Amazônica acontecem em maior parte pela variação de temperatura da superfície dos oceanos (Temperaturas das Águas Superficiais dos Mares TSM) que pela variação atmosférica. As mudanças de temperatura que realmente podem influenciar nos regimes hidrológicos (chuva e seca) da Amazônia não são as da atmosfera, as do ar, mas sim as das águas superficiais dos oceanos, o que modifica as circulações atmosféricas e resulta em situações com mais chuva ou menos chuva. Há ainda regiões que não sofrem alterações, explica Schöngart. Portanto, o calor infernal que você sente na sua cidade não pode ser considerado necessariamente resultado do aquecimento global. Quanto a isso, o cientista afirma que se trata apenas da sensação térmica causado pela alta temperatura do ar e elevada umidade (no caso de Manaus). Já as variações de temperatura dos oceanos principalmente no Pacífico Tropical e Atlântico Tropical Norte têm mais impacto na região podendo causar secas severas e grandes cheias. Como exemplos, Schöngart cita um casal velho conhecido da ciência climática: El Niño e La Niña. Enquanto o primeiro é responsável pelo aquecimento do Pacífico Tropical, o segundo faz

41 exatamente o contrário. Esse processo de aquecimento e resfriamento dos oceanos tem como resultado uma modificação brusca no equilíbrio das correntes marítimas, dos padrões de vento e das circulações atmosféricas, o que interfere decisivamente no clima e no regime de chuvas de muitas áreas do planeta, principalmente nos trópicos. Esta delicada relação climática entre diferentes e distantes regiões do globo é chamada, segundo ele, de teleconexões. A região amazônica, em razão de suas enormes 41

42 extensões territoriais, sofre impactos simultâneos de variações das duas regiões oceânicas Pacífico Tropical e Atlântico Tropical Norte o que resulta em anomalias em pontos diferentes de suas terras. Schöngart explica: O ciclo hidrológico de afluentes do Amazonas resulta das variações sazonais de chuvas nas suas enormes cabeceiras. O regime pluviométrico integra anomalias de TSMs de ambas as regiões oceanográficas através das circulações atmosféricas, explica. O pesquisador diz ainda que a influência das mudanças das temperaturas oceânicas pode ser diferente, de acordo com as características naturais de cada sub-bacia da região amazônica em que esses impactos acontecem. O impacto de TSMs de ambas as regiões oceanográficas, na relação com o regime hidrológico de um afluente, depende da sua localização geográfica, diz, dando como exemplos os casos dos rios Madeira e Purus, afluentes dos rios Amazonas e Solimões, respectivamente. Enquanto o regime hidrológico do Rio Madeira tem associações mais fortes com TSMs do Atlântico Norte Tropical, o do Rio Purus tem fortes sinais do fenômeno El Niño. Questionado sobre as influências específicas para Manaus, onde as previsões das autoridades apontam que até junho deve acontecer uma inundação já classificada como a segunda maior dos últimos 100 anos, o pesquisador diz que as duas regiões oceânicas exercem influência no regime hidrológico da cidade. As duas regiões oceanográficas influenciam o regime hidrológico. O período de enchente e cheia são mais controlados pela El Niño-Southern Oscillation (ENSO), enquanto a vazante e seca, durante o segundo semestre do ano, são dominados por sinais de TSMs do Atlântico Norte Tropical, afirma. Cientistas recorrem à sabedoria de árvores centenárias para estudar a emissão de gases que causam o efeito estufa Para responder a estas questões, cientistas do Max Planck do Inpa estão recorrendo à sabedoria das árvores centenárias da região amazônica. Liderados pelo cientista Jochen Schöngart, a equipe está realizando intensa pesquisa no interior dos troncos de espécies de árvores de até 500 anos de idade, como a arapari (Macrolobium acaciifolium, Fabaceae) e a assacu (Hura creptans). O objetivo é catalogar, por meio das características e variações internas dos anéis anuais da madeira o comportamento da árvore ao longo do tempo e, saber, com isso, a que condições climáticas essas espécie foram submetidas. Com a metodologia, conhecida como Dendrocronologia, é possível saber com certo grau de precisão, além da própria idade da espécie, em quais anos a região da árvore usada no experimento passou por períodos de cheia ou de mário bentes seca. Segundo Schöngart, isso se torna possível por meio da análise dos anéis que se formam no interior do tronco de cada espécie. Os anéis são como círculos concêntricos (com centro do raio em comum), mas desenhados de modo irregular e de acordo as adaptações morfológicas, anatômicas e fisiológicas das espécies. Os anéis são camadas de crescimento do tronco e as distâncias entre eles revelam o que aconteceu em um ano específico da vida da árvore. Se a distância entre um anel e outro for curta, significa que naquele ano a árvore não teve muito tempo para crescer por causa de uma grande cheia, explica. A afirmação de Schöngart é fruto de uma constatação científica conhecida, já que, quando estão debaixo d água, as árvores vivem num ambiente anaeróbico (com pouco oxigênio). Situação inversa acontece nos períodos não inundados, quando as espécies recebem mais luz e se desenvolvem com mais vigor. 42 Memória de árvore Mas afinal de contas, quem é o grande responsável pela grande cheia que se aproxima da cidade e que, se confirmada, pode inundar boa parte de sua área urbana? E a severa seca de 2005, que isolou comunidades inteiras e causou grandes prejuízos para os ribeirinhos? O homem, que segue aquecendo o planeta com a emissão de gases causadores do efeito estufa, ou a própria natureza? Arquivo centenário A relevância da técnica usada no estudo do Instituto Max Planck, de acordo com o cientista alemão, está na possibilidade de reconstruir um longo período histórico de variações hidrológicas na região amazônica (processo chamado de Dendroclimatologia) e assim identificar um padrão do comportamento do clima. Mesmo que em Manaus existam dados de flutuações de níveis d água de

43 mais de 100 anos, esta série temporal não é suficiente para detectar tendências como, por exemplo, aumento de secas severas ou grandes cheias, diz o cientista. Ele explica ainda que com a recomposição de informações históricas dos fenômenos como cheias e secas, pode-se traçar um perfil comparativo com fenômenos semelhantes registrados mais recentemente com o intuito de saber se de fato as mudanças climáticas estão atuando em eventos climáticos de grande impacto. A reconstrução do regime hidrológico permite uma avaliação mais acurada se secas severas como a de 2005 ou grandes cheias ainda se explicam através das variações naturais do regime hidrológico ou já são resultados de mudanças climáticas globais causadas pelo ser humano, adianta. Outro ponto importante, adianta o cientista, é que o modelo resultante desse processo comparativo pode ser capaz de prever, com pelo menos dois ou quatro meses de antecedência, a ocorrências de grandes cheias ou de secas como a de O acompanhamento desses eventos vem sendo feito há quatro anos e utiliza como base os dados oceanográficos do Pacífico, as temperaturas superficiais da água do mar ou o Índice da Oscilação Sul (SOI), o qual é inserido em um modelo de regressão múltipla, diz. Acompanhamento de informações Jochen Schöngar conta que uma célula piloto de acompanhamento dos níveis dos rios na Amazônia Ocidental está sendo montada na Rede de Meteorologia e Hidrologia do Amazonas (REMETHI), do Centro de Estudos Superiores do Trópico Úmido (CESTU) da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Segundo ele, a técnica de previsão baseado em TSMs do Pacífico Tropical e Atlântico Norte Tropical pode vir a ser usada pela entidade com o objetivo de investigar outros pontos na Bacia Amazônica. Os passos no trabalho com a UEA vão no sentido de estender as pesquisas para prever cheias e secas também em outras sub-bacias na Amazônia, como nos rios Madeira e Negro. O objetivo maior da pesquisa é divulgar as informações para o Governo do Estado, Organizações Não Governamentais (ONGs), institutos de pesquisa e entidades da sociedade civil que possam usar as informações para a tomada de decisões, finaliza o pesquisador, enquanto, do lado de fora de sua sala, no Inpa, inicia uma forte chuva. acervo instituto max planck 43

44 anselmo d affonseca O Elemento X ADAPTAÇÃO 44 > Por Mário Bentes Peixes como o tamoatá ou tamboatá (Hoplosternum littorale), espécie típica do Norte do Brasil, têm a capacidade de resistir simultaneamente a rios poluídos por coliformes fecais e a baixíssimos níveis de oxigênio e presença elevada de fungos, gás metano e até ácido sulfídrico. Ele não é o único. Outras espécies do meio ambiente aquático, como peixes, invertebrados, mamíferos e microorganismos, são capazes de lidar com ambientes diferentes e hostis, sejam eles naturais ou modificados pelo homem. Mas como essa resistência natural se dá? Qual o elemento X que propicia esse mecanismo

45 da evolução O projeto vai detectar o que as diferentes espécies têm em comum em nível genético biológico de defesa e de adaptação ao ambiente modificado? E mais importante: Esse mesmo elemento pode ser usado em benefício do homem? O mapa da mina Segundo o biólogo Adalberto Luis Val, pesquisador-chefe do recém aprovado Centro de Estudos da Adaptação da Biota Aquática da Amazônia (ADAPTA), do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), a resposta para tudo isso pode estar no DNA dessas espécies. Todos os indivíduos têm um vasto conjunto de informações genéticas em seu DNA, mas não são todas as informações genéticas 45

46 contidas no DNA que se expressam de forma evidente ao longo de suas vidas, afirma. Dessa forma, ao contrário das informações responsáveis pelos traços quantitativos dos indivíduos (cor dos olhos, pele e tipo de cabelo, no caso do homem), esse segundo grupo ainda não identificado de informações pode ser aquele usado apenas em casos de emergências ambientais. A produção de características, novas ou não, nos indivíduos é resultado das expressões do genoma em dado momento de suas vidas, explica Val, referindo-se ao fato de que a resistência de alguns exemplares do meio ambiente aquático a condições extremas do ambiente pode estar justamente associada a uma manifestação ainda oculta do DNA. Essa manifestação, segundo ele, pode acontecer com a produção de uma proteína, uma enzima, um muco ou qualquer outra nova substância resultante de uma reação química no organismo dessas espécies. E foi com o objetivo de identificar o ponto de partida dessas alterações e suas possíveis potencialidades que surgiu o projeto ADAPTA. O projeto Espécies aquáticas da região amazônica são capazes de fazer mutações em seus próprios códigos genéticos para se adaptarem às mudanças de ambiente Com recursos na ordem de R$ 9 milhões, obtidos do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e da Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado do Amazonas (Fapeam), com a participação de mais de 100 doutores da comunidade científica nacional e internacional, e com a recomendação de avaliadores do exterior, o ADAPTA vai permitir que os cientistas possam iniciar uma longa busca por informações no DNA de espécies aquáticas da região amazônica. De acordo com Val, que também ocupa o cargo de diretor geral do Inpa, a pesquisa tem duração de cinco anos e vai atuar em três frentes. A primeira delas consiste na identificação de todas as diferentes espécies capazes de enfrentar uma mesma situação adversa e, em seguida, detectar o que essas diferentes espécies têm em comum em nível genético. Na represa da hidrelétrica de Balbina, por exemplo, existe uma infinidade de espécies de peixes, plantas e microorganismos capazes de resistir à presença do metano (gás altamente inflamável) e do ácido sulfídrico (composto corrosivo, venenoso e de odor desagradável) na água, anselmo d affonseca 46 A pesquisa vai identificar todas as diferentes espécies capazes de enfrentar situação adversa e detectar o que essas têm em comum

47 anselmo d affonseca tabajara moreno Segundo Adalberto Val (detalhe), o ADAPTA vai permitir que os cientistas possam iniciar uma longa busca por informações no DNA de espécies aquáticas da região amazônica assim como o baixo nível de oxigênio, informa. Outros exemplos dados pelo cientista são as áreas de mineração, que contam com a presença de metais pesados, como mercúrio (usado na purificação do ouro), de exploração de petróleo, e o entorno das cidades, que também impõe sérias dificuldades de sobrevivência à fauna aquática em virtude da ausência, em muitos casos, de tratamento adequado de esgoto. Da mesma forma, a pesquisa vai mapear os locais tidos como hostis à sobrevivência aquática e identificar as espécies capazes de resistir a todas elas ao mesmo tempo. Cerco ao problema Como segunda frente de atuação, o ADAP- TA também vai levar em consideração as dificuldades impostas naturalmente aos indivíduos. Como exemplo, o biólogo cita o caso do jaraqui (Semaprochilodus taeniurus e S. insignis), outro peixe comum da região, que costuma transitar periodicamente nas águas dos rios Solimões e Negro. O Solimões tem ph próximo à neutralidade, alta quantidade de material orgânico em suspensão e boas quantidades de sais, enquanto o Negro tem ph ácido e baixas quantidades de sais, a ponto de sua composição ser similar a da água destilada (água pura ), explica o cientista. Microcosmos A terceira e última frente de atuação são os ambientes experimentais (criados em laboratório), ou, como prefere dizer Val, os chamados microcosmos. Nós vamos submeter diferentes espécies a determinadas condições de ambiente e analisar sua constituição genética. Após um ano, vamos alterar essas condições, principalmente a temperatura e os níveis de CO2, e avaliar quais espécies resistirão, explica. Para ele, esse cenário poderá detectar precisamente as informações do DNA que se manifestaram e quais as novas substâncias produzidas para que as espécies pudessem ser capazes de se adaptar e, consequentemente, sobreviver à nova situação. Banco de dados genético Todas as informações coletadas serão registradas em um banco de dados, que será dividido segundo o nível de refinamento das informações. A primeira parte vai guardar os dados referentes às adaptações biológicas e às interações dos organismos com seus ambientes, assim como as etapas de sequenciamento dos genes. O primeiro banco de dados vai me dizer quem são os organismos comuns que conseguiram sobreviver ao microcosmos (aumento de temperatura e CO 2 ) e os que conseguem sobreviver simulta- 47

48 neamente às áreas de mineração, poluição urbana e usinas hidrelétricas, detalha Val. Já a segunda parte do banco vai guardar os resultados do trabalho de cruzamento entre os dados armazenados no primeiro banco e os dados existentes na literatura universal sobre sequenciamento genético de espécies e as atribuições catalogadas de cada trecho do DNA. Bioinformática Mário bentes As espécies do meio ambiente aquático são capazes de lidar com ambientes diferentes e hostis, sejam eles naturais ou modificados Nessa etapa, o banco vai nos dizer quais as funções de uma enzima, de uma proteína ou de qualquer outra substância. Isso vai otimizar a pesquisa, já que não necessitaremos pesquisar sobre o que já foi pesquisado, esclarece. A etapa final do projeto é a chamada linha de produção, onde as novas substâncias detectadas serão trabalhadas em laboratório de modo a serem produzidas em larga escala. 48 O cruzamento de informações será realizado com o uso de um laboratório de bioinformática que deve ser instalado no Inpa já para este projeto. Ele vai usar informações de sequenciamento genético obtidas com uma inovação na região Norte do país: o sistema Solid, que segundo Val, é capaz de mapear e sequenciar uma cadeia de DNA dez vezes mais rápido que os sistemas atuais existentes no Inpa. A última parte do banco, também capitaneada pelo laboratório de bioinformática, será responsável pelo armazenamento de informações sobre as funcionalidades de cada novo gene mapeado que se manifestou de acordo com as mudanças de ambiente. Fique por dentro do Adapta Bioinformática o sistema Solid Com capacidade de processamento simultâneo de informações em aproximadamente 10 Terabytes (10,2 mil Gigabytes), o sistema Solid será um dos grandes aliados do projeto Adapta. Com o supercomputador, o Inpa vai poder analisar com rapidez e segurança um grande volume de informações referentes ao cruzamento dos três bancos de dados do laboratório de Bioinformática. Segundo Adalberto Luis Val, o sistema Solid pode efetuar o sequenciamento do Genoma humano dez vezes em apenas uma única semana. Fé na possibilidade do progresso O ADAPTA, um dos quatro projetos do Inpa aprovados pelo Governo Federal, tem duração inicial prevista em cinco anos, mas seus resultados serão avaliados após três anos. Caso o MCT veja relevância nos resultados, o projeto prossegue por mais dois anos. Com o projeto, Val espera que o Inpa descubra novos produtos úteis ao homem, como medicamentos. Sobre a possibilidade de êxito, o pesquisador sorri e cita o trecho de um dos muitos livros da biblioteca de sua sala no Inpa: Pesquisa é uma expressão de fé na possibilidade do progresso. Capacitação de pessoal Outro ponto previsto no Adapta, além das inovações científicas a que se propõe, é a capacitação de pessoal para atuar em outras frentes e outros projetos do Inpa ou de instituições privadas. Segundo Val, estão previstas a formação de pelo menos 200 novos especialistas. Socialização das informações De forma complementar, o projeto prevê ainda o envolvimento de outras áreas de atuação, como os profissionais de imprensa. Segundo o diretor do Inpa, a participação de jornalistas será fundamental para o que ele chama de socialização de conhecimentos.

49

50 Do laboratório web para a divulgando a ciência > Por Tabajara Moreno O conhecimento científico é parte do cotidiano e desperta fascínio nas pessoas. Mas sua linguagem repleta de termos técnicos associada a uma visão, ainda predominante, de que a ciência é algo restrito a laboratórios de pesquisa acaba estabelecendo uma barreira invisível entre esse conhecimento e a sociedade. É com a proposta de romper esse paradigma que pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa ) tem conversado, sempre às quartas-feiras, às 14hs, com internautas no Chat do site Portal Amazônia (www.portalamazonia.com). O bate-papo permite uma proximidade maior entre os pesquisadores do Instituto e a comunidade. Através desse diálogo virtual tem sido possível apresentar, de maneira simples, os resultados das pesquisas desenvolvidas nos laboratórios do Inpa. tabajara moreno Toda semana pesquisas desenvolvidas no Inpa são tema de Chat na internet A primeira edição do Chat aconteceu em março deste ano. Ao todo, dez pesquisadores do Inpa já apresentaram seus estudos e responderam às indagações dos internautas. Para a pesquisadora do Laboratório de Celulose e Papel/carvão Vegetal, Marcela Amazonas, o Chat assume uma função muito importante, pois à medida que o contato permite uma aproximação de públicos, de diferentes idades, com a pesquisa, novas pessoas são atraídas para o campo da ciência. Essa interação com internautas de diversas idades é extremamente importante. É uma via de mão dupla. O pesquisador se inteira mais da realidade das pessoas, despertando assim sua sensibilidade para outros campos de estudo, e crianças, jovens e adultos são atraídos para a atuação científica, expõe. O interesse pelo Chat tem crescido a cada edição. É o que afirma a gerente de conteúdo do Portal Amazônia, Gláucia Chair. Sempre recebemos muitos s de internautas interessados em saber qual será o assunto abordado no próximo bate-papo. Além disso, eles também enviam temas que gostariam de conhecer mais, conta Chair. Já participaram do Chat os pesquisadores Iêda Amaral, da Coordenação de Pesquisas em Botânica (CPBO); Pierre Alexandre dos Santos, da Coordenação de Pesquisas em Produtos Naturais (CPPN); Helyde Albuquerque Marinho, Coordenação de Pesquisas em Ciências da Saúde (CPCS); Hillândia Brandão da Cunha e e Sérgio Bringel, da Coordenação de Pesquisas em Clima e Recursos Hídricos (CPCRH); Ires Miranda, do Laboratório de Estudos e Palmeiras (LABPALM); Hiroshi Noda, da Coordenação de Pesquisas em Ciências Agronômicas (CPCA); Jochen Schongart, que atua no Inpa através da parceria com o Instituto Max Planck, além do veterinário do Laboratório de Mamíferos Aquáticos (LMA), Anselmo D Affonseca. Marcela Amazonas acredita que a participação no Chat permite ao pesquisador se inteirar da realidade das pessoas, despertando sua sensibilidade para outros campos de estudo 50

51

52

Contexto. O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele.

Contexto. O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele. Contexto O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele. Dinâmica das Cheias Quando as águas sobem, o gado é levado para terra firme.

Leia mais

Na escola. Para saber mais, visite: www.objetivosdomilenio.org.br www.nospodemos.org.br www.educardpaschoal.org.br

Na escola. Para saber mais, visite: www.objetivosdomilenio.org.br www.nospodemos.org.br www.educardpaschoal.org.br Na escola "Precisamos, mais do que nunca, do engajamento dos voluntários para que o nosso desejo de um mundo melhor para todos se transforme em realidade. Kofi Annan, Secretário-Geral da ONU Para saber

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

DEMOCRACIA VIVA 41 JANEIRO 2009

DEMOCRACIA VIVA 41 JANEIRO 2009 DEMOCRACIA VIVA 41 JANEIRO 2009 ESPECIAL AMAZÔNIA Museu vivo em plena floresta Ennio Candotti 1 Coordenador do projeto Museu da Amazônia (Musa) e professor da Universidade do Estado do Amazonas Museu é

Leia mais

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores!

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores! 1 Prezados alunos e professores! O livro Somos os Senhores do Planeta é fruto de um trabalho didático que tem por objetivo reunir em uma única publicação temas sobre o meio ambiente, são textos de fácil

Leia mais

Amazônia e aquecimento global - 14/02/2007

Amazônia e aquecimento global - 14/02/2007 Amazônia e aquecimento global - 14/02/2007 Local: Brasília - DF Fonte: Agência Amazônia Link: http://www.agenciaamazonia.com.br/ Reconhecido especialista em aquecimento global, o cientista Philip Fearnside

Leia mais

MALÁRIA, MEIO AMBIENTE E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: A DINÂMICA AMBIENTAL E A TRANSMISSÃO NA AMAZÔNIA

MALÁRIA, MEIO AMBIENTE E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: A DINÂMICA AMBIENTAL E A TRANSMISSÃO NA AMAZÔNIA Anais da 61ª Reunião Anual da SBPC - Manaus, AM - Julho/2009 MALÁRIA, MEIO AMBIENTE E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: A DINÂMICA AMBIENTAL E A TRANSMISSÃO NA AMAZÔNIA Wanderli P. Tadei 1, Ilea B. Rodrigues 1, Joselita

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

Senhoras e Senhores Deputados, Acho de suma importância, Senhor Presidente, fazer um

Senhoras e Senhores Deputados, Acho de suma importância, Senhor Presidente, fazer um DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO GERALDO RESENDE (PPS/MS), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM 17/03/2005 Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados, Acho de suma importância, Senhor Presidente,

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza.

Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza. Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza. Fernanda Ribeiro Silva, fernandaenge@yahoo.com.br, Graduanda em Engenharia Florestal na Universidade Federal de Lavras UFLA, Autora; Danusa

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO CIDADANIA AMBIENTAL A resposta da sociedade de Araxá aos problemas ambientais se dá através das ações de educação ambiental. Destacam-se as atividades de educação ambiental promovidas por escolas, organizações

Leia mais

Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus

Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus Comunicação e Marketing Ltda Veículo: Editoria: Notícias www.acritica.uol.com.br Coluna: -- Assunto: Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus Origem:

Leia mais

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia Nome da empresa: BIT Company Data de fundação: Julho de 1993 Número de funcionários: 49 funcionários Localização (cidade e estado em que estão sede e franquias): Sede em São Paulo, com franquias em todo

Leia mais

Povoado em Goiás tem a maior taxa mundial de doença rara de pele

Povoado em Goiás tem a maior taxa mundial de doença rara de pele Jovens Adoradores Estudos Bíblicos para Evangélicos http://www.jovensadoradores.com Povoado em Goiás tem a maior taxa mundial de doença rara de pele Portadores de uma doença rara de pele sofrem com isolamento

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

PROJETO DESENVOLVIMENTO DO COOPERATIVISMO E ASSOCIATIVISMO EM COMUNIDADES DE BAIXA RENDA

PROJETO DESENVOLVIMENTO DO COOPERATIVISMO E ASSOCIATIVISMO EM COMUNIDADES DE BAIXA RENDA INSTITUTO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO, EDUCACIONAL E ASSOCIATIVO INSTITUTO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO, EDUCACIONAL E ASSOCIATIVO PROJETO DESENVOLVIMENTO DO COOPERATIVISMO E

Leia mais

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 Editora F-5MA2 Rua Floriano Peixoto Santos, 55 Morumbi CEP 05658-080 São Paulo - SP Tel.: (11) 3749 3250 Apresentação A população crescendo, florestas sumindo, calor aumentando,

Leia mais

FIOCRUZ: SAÚDE PARA MATO GROSSO DO SUL. Senhoras e senhores deputados,

FIOCRUZ: SAÚDE PARA MATO GROSSO DO SUL. Senhoras e senhores deputados, 1 Discurso proferido pelo Deputado Geraldo Resende (PMDB/MS) em Sessão no dia 18/11/2008. FIOCRUZ: SAÚDE PARA MATO GROSSO DO SUL Senhor Presidente, Senhoras e senhores deputados, Criada em 25 de maio de

Leia mais

C T & I PARA A AMAZÔNIA LEGAL

C T & I PARA A AMAZÔNIA LEGAL C T & I PARA A AMAZÔNIA LEGAL David C. Oren Coordenador de Biodiversidade Coordenação Geral de Gestão de Ecossistemas e Biodiversidade - CGEB Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisas e Desenvolvimento

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

EVITE QUEIMADAS: LEVE ESTA MENSAGEM

EVITE QUEIMADAS: LEVE ESTA MENSAGEM PROJETO EVITE QUEIMADAS: LEVE ESTA MENSAGEM ESCOLA ESTADUAL MÁRIO SPINELLI Weverton Ortiz Fernandes (profº Org.) Nair Gomes do Nascimento (Profª Org.) Celina Aparecida (Profª part.) Dulcinéia Nascimento

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

Cadeia alimentar 3º ano

Cadeia alimentar 3º ano Cadeia alimentar 3º ano O equilíbrio ecológico depende diretamente da interação, das trocas e das relações que os seres vivos estabelecem entre si e com o ambiente. Os seres respiram, vivem sobre o solo

Leia mais

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE NEVES, Daniela 1 TEIXEIRA, Flávia 2 RESUMO: O Meio Ambiente está sendo destruído, o que acabou ocasionando o aquecimento global que tem sido provocado pela destruição de

Leia mais

Primeiro escritório de inclusão social da América Latina

Primeiro escritório de inclusão social da América Latina Primeiro escritório de inclusão social da América Latina 18 de setembro Nós do Centro: mais uma ação para a comunidade do Grupo Orsa O Grupo Orsa, por meio da Fundação Orsa, inaugura um espaço inovador

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

MOGNO BRASILEIRO. "Mogno resssurge no cerrado mineiro

MOGNO BRASILEIRO. Mogno resssurge no cerrado mineiro MOGNO BRASILEIRO A valiosa madeira mogno está sendo cultivada no norte de MG. Cresce rápido, e agricultores já a veem como futura fonte de lucro. Vejam: "Mogno resssurge no cerrado mineiro A valiosa madeira

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAMIRAUÁ IDSM/OS/MCTI PROGRAMA DE MANEJO DE PESCA

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAMIRAUÁ IDSM/OS/MCTI PROGRAMA DE MANEJO DE PESCA INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAMIRAUÁ IDSM/OS/MCTI PROGRAMA DE MANEJO DE PESCA EDITAL DO CURSO DE GESTÃO COMPARTILHADA DOS RECURSOS PESQUEIROS COM FOCO NO MANEJO PARTICIPATIVO DE PIRARUCU (Arapaima

Leia mais

Informação de Imprensa

Informação de Imprensa Informação de Imprensa L Fundação Espaço ECO produz e dissemina conhecimento por meio da Educação para a Sustentabilidade Organização promove a transformação socioambiental de pessoas, organizações e sistemas

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

EXPEDIENTE Trabalho para disciplina de Oficina de Jornalismo - 2015.2 Orientação: Professor Eduardo Freire Equipe: Ana Vitória Matos, Larissa

EXPEDIENTE Trabalho para disciplina de Oficina de Jornalismo - 2015.2 Orientação: Professor Eduardo Freire Equipe: Ana Vitória Matos, Larissa A dupla dinâmica do meio ambiente EXPEDIENTE Trabalho para disciplina de Oficina de Jornalismo - 2015.2 Orientação: Professor Eduardo Freire Equipe: Ana Vitória Matos, Larissa Barreto, Manuela Serpa, Tatiana

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas?

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas? O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudançasclimáticas? Entrevista com o Dr. Stuart Davies, Diretor do CentrodeCiênciasFlorestaisdoTrópico Em2007,oBancoHSBCdoou100milhõesde

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Companheiras e companheiros de caminhada, nossas sinceras saudações. Há aqueles que lutam um dia; e por isso são

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA

PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA 2012 PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA CASE: Projeto Campanha de Combate à Dengue CATEGORIA: Comunicação FUNCIONÁRIO: Adriana Boscov e Aline Gislene de Oliveira Sumário INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

Poluição do rio Tietê

Poluição do rio Tietê Poluição do rio Tietê Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / Terra e Universo Tema Água e vida; uso dos recursos naturais / a ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental / desenvolvimento

Leia mais

Jornal Em Tempo. Veículo: Assunto: Estudo pode bloquear a transmissão da malária. Release da assessoria. Matéria articulada pela assessoria.

Jornal Em Tempo. Veículo: Assunto: Estudo pode bloquear a transmissão da malária. Release da assessoria. Matéria articulada pela assessoria. Editoria: Dia a Dia Jornal Em Tempo Assunto: Estudo pode bloquear a transmissão da malária Pag: C5 Data: 12/02/2016 Jornal A Critica Assunto: Mosquitos para combater a malária Editoria: Cidades Pag: C4

Leia mais

Relatório Gestão do Projeto 2013

Relatório Gestão do Projeto 2013 Relatório Gestão do Projeto 2013 Fundação Aperam Acesita e Junior Achievement Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO SUMÁRIO Resultados 2013... 6 Resultados dos Programas... 7 Programa Vamos Falar de Ética...

Leia mais

Questões ambientais do Brasil

Questões ambientais do Brasil Questões ambientais do Brasil Ao longo da história do Brasil, o desmatamento esteve presente em todos os ciclos econômicos responsáveis pela construção do país, o que reduziu bastante a biodiversidade

Leia mais

DESPERDÍCIO - Gaivotas disputam peixes jogados ao mar por barco britânico em 2013: a pesca superou a cota fixada pela União Europeia

DESPERDÍCIO - Gaivotas disputam peixes jogados ao mar por barco britânico em 2013: a pesca superou a cota fixada pela União Europeia 1 de 5 31/01/2014 23:42 Aumentar a fonte Diminuir a fonte BIODIVERSIDADE Martha San Juan França DESPERDÍCIO - Gaivotas disputam peixes jogados ao mar por barco britânico em 2013: a pesca superou a cota

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

Malária. Perceber a importância da presença do homem na mudança dos ecossistemas principalmente na Amazônia.

Malária. Perceber a importância da presença do homem na mudança dos ecossistemas principalmente na Amazônia. Malária 1) Objetivo Geral Estudar a relação entre o desmatamento, o aumento dos casos de malária, assim como os animais em extinção principalmente na Região Norte do país. 2) Objetivo Específico Perceber

Leia mais

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti

Leia mais

CLIPPING. Jornal: Manaus Hoje Editoria: Geral Página: 12 Data: 27/05/2012 Elaborada: ( ) Espontânea ( x ) Ass. Comunicação

CLIPPING. Jornal: Manaus Hoje Editoria: Geral Página: 12 Data: 27/05/2012 Elaborada: ( ) Espontânea ( x ) Ass. Comunicação Jornal: Manaus Hoje Editoria: Geral Página: 12 Data: 27/05/2012 Jornal: Manaus Hoje Editoria: Geral Página: 13 Data: 27/05/2012 Jornal: Manaus Hoje Editoria: Geral Página: 12 Data: 27/05/2012 Jornal: Diário

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue Material Complementar Tema: Discutindo a Dengue Setor de Educação de Jovens e Adultos Objetivos: o Compreender o ciclo evolutivo da Dengue. o Reconhecer diferentes formas de desenvolvimento dos organismos.

Leia mais

Coordenação de Pesquisas em Dinâmica Ambiental- CDAM

Coordenação de Pesquisas em Dinâmica Ambiental- CDAM Coordenação de Pesquisas em Dinâmica Ambiental- CDAM Nome do GP Capacidade de suporte humano e impactos do desmatamento Nome do Líder Philip Martin Fearnside Membros do GP Pesquisadores do INPA Reinaldo

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIOLOGIA: UMA APROXIMAÇÃO DE ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO A MICROSCOPIA ÓPTICA RESUMO

LABORATÓRIO DE BIOLOGIA: UMA APROXIMAÇÃO DE ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO A MICROSCOPIA ÓPTICA RESUMO LABORATÓRIO DE BIOLOGIA: UMA APROXIMAÇÃO DE ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO A MICROSCOPIA ÓPTICA Amanda Coradini¹; Andréia Sangalli² UFGD/FAIND. Caixa Postal 533, 79804-970, Dourados-MS. E-mail: andreiasangalli@ufgd.edu.br.

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

PROJETO GOIÁS ASSOCIAÇÃO DOS JOVENS EMPREENDEDORES E EMPRESÁRIOS DE GOIÁS

PROJETO GOIÁS ASSOCIAÇÃO DOS JOVENS EMPREENDEDORES E EMPRESÁRIOS DE GOIÁS PROJETO GOIÁS PROJETO AGROJOVEM AJE-GOIÁS CONTEXTO Uma das principais preocupações da agricultura na atualidade é a sucessão nas propriedades rurais, não somente aqui no Brasil, mas como em grandes países

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO 486 Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO Samuel Brito Ferreira Santos 1 ; Rebecca Ruhama Gomes Barbosa 2 ; Adeilton Padre de Paz

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

EDUCAÇÃO GRUPO POSITIVO

EDUCAÇÃO GRUPO POSITIVO EDUCAÇÃO 38 GRUPO POSITIVO Contribuição para o desenvolvimento Positivo trabalha para que sua contribuição ao ensino de O qualidade extrapole suas unidades e alcance de forma construtiva toda a sociedade.

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

Por uma cidade mais justa e sustentável

Por uma cidade mais justa e sustentável Por uma cidade mais justa e sustentável 2011 Como imaginamos e como queremos Nossa Belo Horizonte daqui a 1, 4, 10, 20 anos? Eixos de Atuação 1. Programa de Indicadores e Metas Selecionar, sistematizar,

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

O TEMIDO MOSQUITO Aedes aegypti.

O TEMIDO MOSQUITO Aedes aegypti. O TEMIDO MOSQUITO Aedes aegypti. Fabiana Inês Bertani - Multiplicadora Aline Verardo Corrêa - Orientadora Resumo Este artigo refere-se a uma pesquisa de opinião realizada através do Projeto NEPSO (Nossa

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Pareceres dos Consultores sobre o Estudo de Impacto Ambiental do Projeto para Aproveitamento Hidrelétrico de Santo Antônio e Jirau, Rio Madeira RO

Pareceres dos Consultores sobre o Estudo de Impacto Ambiental do Projeto para Aproveitamento Hidrelétrico de Santo Antônio e Jirau, Rio Madeira RO Pareceres dos Consultores sobre o Estudo de Impacto Ambiental do Projeto para Aproveitamento Hidrelétrico de Santo Antônio e Jirau, Rio Madeira RO Parecer Técnico sobre Entomologia Consultor: Prof. Dr.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

CATAVENTO CULTURAL I. UNIVERSO II. VIDA III. ENGENHO IV. SOCIEDADE

CATAVENTO CULTURAL I. UNIVERSO II. VIDA III. ENGENHO IV. SOCIEDADE CATAVENTO CULTURAL VIVÊNCIAS ABORDAGENS FOCO DISCPLINAR ENFOQUE PEDAGÓGICO Exposições com experimentos, artefatos, cenários, maquetes, painéis, aquários, réplicas, material multimídia e atividades interativas,

Leia mais

Realização: Aquecimento Global. Parceiros: Apoiadores:

Realização: Aquecimento Global. Parceiros: Apoiadores: Realização: Parceiros: Aquecimento Global Apoiadores: O que é o efeito estufa? É um fenômeno natural, provocado por alguns gases da atmosfera, que mantêm o nosso planeta aquecido. Esse processo acontece

Leia mais

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e ,, 3, Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e muito atuais. Em primeiro lugar, gostaríamos de

Leia mais

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual Somando forças até o fim da pobreza CARE Brasil Relatório Anual 2012 CARE Internacional Em 2012, a CARE apoiou 997 projetos de combate à pobreza em 84 países, beneficiando estimadamente 84 milhões de pessoas.

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1B

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1B CADERNO DE EXERCÍCIOS 1B Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 1 Biomas brasileiros H18 2 Problemas ambientais H19 3 Cadeia alimentar H24 4 Evolução

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA. A visita virtual ao ExpoLab, está disponível em: http://expolab.centrosciencia.azores.gov.pt/visita-virtual

NOTA INTRODUTÓRIA. A visita virtual ao ExpoLab, está disponível em: http://expolab.centrosciencia.azores.gov.pt/visita-virtual OFERTA EDUCATIVA Ano letivo 2015/2016 NOTA INTRODUTÓRIA O ExpoLab é um centro de ciência viva, na Lagoa, cuja missão é a promoção da cultura científica e tecnológica, através da divulgação de conceitos

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água.

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. 01 Água no corpo humano: cérebro 75% sangue 81% músculos 75% coração

Leia mais

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula A UU L AL A Poluição do ar Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador do laboratório de poluição atmosférica experimental da Faculdade de Medicina da USP, a relação entre o nível de poluição e a

Leia mais

na sala de aula e na vida

na sala de aula e na vida na sala de aula e na vida Dez dos pais que favorecem o sucesso dos filhos na sala de aula e na vida 2 2012, Fundação Otacílio Coser COSTA, Antonio Carlos Gomes da BASILE, Odelis PAIS, ESCOLA E FILHOS,

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais