PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MDS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SERVIÇOS GREQ GUIA DE ESPECIFICAÇÃO E GERENCIAMENTO DE REQUISITOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MDS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SERVIÇOS GREQ GUIA DE ESPECIFICAÇÃO E GERENCIAMENTO DE REQUISITOS"

Transcrição

1 PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MDS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SERVIÇOS GREQ GUIA DE ESPECIFICAÇÃO E GERENCIAMENTO DE REQUISITOS Fevereiro/2007

2 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Definição Título do Documento: GREQ Guia de Especificação e Gerenciamento de Requisitos Estado do Documento: EB (Elaboração) Responsáveis: Equipe GIC Palavras Chaves: Modelo, Processo de Desenvolvimento, Especificação de Requisitos, MDS, Estrutura Resumo: Documento que descreve a Especificação de Requisitos de Software Número de páginas: 29 Software utilizados: Open Office Versão Data Mudanças /09/97 Elaborado por Cristina: Primeira versão da nova estrutura do Guia de Especificação de Requisitos /10/97 Elaborado por Cristina: Complementação com a norma do IEEE /10/97 Organização da norma IEEE em etapas do roteiro e inclusão de check list de requisitos /01/98 Inclusão das questões levantadas na revisão do dia 05/1/98 com Alcion, Dante, Jumara, Lucília e Luiz Carlos. Figura da Aplicação alterar para que se tenha um entendimento de todos os processos da MDS. Problemas na diferenciação de requisitos e restrições foi estipulado que requisitos seria utilizado para o software e restrições para o projeto. Existem palavras que foram escritas em itálico, negrito e sublinhado que deverão ser rediscutidas. Alteração da numeração dos títulos /01/98 Separação do roteiro e inclusão do mesmo do RDES /01/98 Inclusão de correções de português e melhorias no texto apontadas pela Jumara /03/98 Transformação do roteiro em guia de Especificação de Requisitos /03/98 Alteração dos itens levantados na revisão com os coordenadores de equipe. Principais questões: o item 2 (aplicação) deverá ser relacionado com os roteiros existentes de desenvolvimento (RAES, C/S e RNOT). Alterações das questões do check list /03/98 Revisão feita pela Lília em 24/03/98 onde foi proposta a alteração da estrutura do guia através da transformação das tarefas em fases e foi revisada a lista de atividades /04/98 Separação do check list por fases do processo de desenvolvimento. Inclusão da definição de 3 baselines para a geração da especificação de requisitos. Decisões tomadas em 06/03/98 pela Cristina, Dante e Lília m consequência do projeto piloto SIA /04/98 Inclusão do check list para o Projeto Preliminar e alteração dos check list s /05/98 Inclusão do Gerenciamento de Requisitos no anexo 6.4 e no nome do documento e dos comentários da Jumara. ' Revisão por Danielle Mayer ( Revisão destinada a retirar referências à documentos inexistentes e referências a roteiro notes) Organização da Lista para Levantamento de Requisitos Internos e Externos e referências à anexos.

3 3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO APLICAÇÃO REFERÊNCIAS ESTRUTURA DO GUIA DESCRIÇÃO DO GUIA FASE GREQ/LR - LEVANTAR REQUISITOS FASE GREQ/AR - ANALISAR REQUISITOS ANEXOS LISTA PARA LEVANTAMENTO DE REQUISITOS INTERNOS E EXTERNOS EXEMPLOS DE REQUISITOS GERENCIAMENTO DE REQUISITOS Identificar Mudanças de Requisitos Avaliar Impactos Documentar Mudanças de Requisitos Aprovar Mudanças de Requisitos e Planos do Projeto PRODUTOS EXEMPLO DE GERÊNCIA DE REQUISITOS DO PROJETO Sumário Requisitos do Projeto GERENCIAMENTO DE REQUISITOS E CMM ESCLARECIMENTOS FINAIS...26

4 4 1 INTRODUÇÃO O GREQ Guia de Especificação de Requisitos de Software tem por finalidade orientar na elaboração de um conjunto de requisitos que representem as necessidades implícitas e explícitas que o software terá que atender, as restrições do projeto e os compromissos assumidos durante a execução do projeto. Este conjunto de requisitos é representado através da geração do documento Requisitos do Projeto. 2 APLICAÇÃO Este guia tem como característica a sua utilização tanto no RPRE Roteiro de Projeto Preliminar quanto em qualquer fase do Processo de Desenvolvimento. Este fato se deve à necessidade de se especificar requisitos durante o RPRE Roteiro de Projeto Preliminar, onde se define a solução a ser adotada e o Planejamento do Projeto. Os requisitos na fase de Projeto Preliminar são mais genéricos e são a base para a definição da solução. Também existe a necessidade de se detalhar estes requisitos à medida que os conhecimentos sobre o software a ser desenvolvido vão se consolidando. Este fato ocorre durante todo o Processo de Desenvolvimento. Outra característica dos Requisitos do Projeto é a sua geração independentemente de tecnologia, portanto este deverá ser gerado de forma paralela à execução dos roteiros que descrevem uma técnica de desenvolvimento. Durante a execução do projeto os requisitos podem sofrer modificações (inclusão, alteração e exclusão). Bem como, podem ser alteradas as prioridades, os riscos e restrições associados ao requisito ou ao projeto. Estas situações ocorrem devido a constantes mudanças de necessidades e de tecnologias utilizadas, das alterações provocadas pelo aprendizado do problema, seu contexto e sua solução. Esta contínua evolução é considerada difícil de ser eliminada e quando isto ocorrer utilizar o anexo 6.3 Gerenciamento de Requisitos que contêm orientações para serem executadas a serem seguidas.

5 5 3 REFERÊNCIAS IEEE Std , IEEE Guide for Developing System Requirements Specifications; New York: IEEE, 1996, ANSI/IEEE; IEEE Std , IEEE Guide to Software Requirements Specifications, New York: IEEE, 1984, ANSI/IEEE; ISO/IEC 12207, Information technology: Software life cycle processes, first edition, ; Paulk, M.; et all, Capability Maturity Model for Software, Version 1.1. Technical Report CMU/SEI 93 TR 24, Carnegie Mellon University Software Engineering Institute Pittsburgh, ; NBR 13596, Tecnologia da Unformação: Avaliação de Produto de Software Características de Qualidade e guia para o seu uso; primeira edição, ESTRUTURA DO GUIA A seguir, apresenta se uma representação gráfica do guia: Requisitos, restrições e compromissos Fase: Levantar Requisitos Fase: Analisar Requisitos Decisões sobre alocação de Produto: Requisitos do Projeto Gerenciamento de Requisitos

6 6 5 DESCRIÇÃO DO GUIA A especificação de requisitos inicia se com uma idéia ou concepção originada de uma necessidade de mercado, de uma imposição legal ou regulamentação, de um desejo de se criar ou melhorar um software ou processo, de uma necessidade de alterar um sistema já existente, ou de algum outro ato ou necessidade percebida. A primeira concepção dos requisitos é retratada quando da criação do Projeto Preliminar (produto do RPRE). Este guia tem como objetivo detalhar estes requisitos já levantados, bem como incluir requisitos que não haviam sido percebidos ou alterar requisitos que foram se modificando durante a execução do projeto. A Especificação de Requisitos tem por objetivo gerar o documento Requisitos do Projeto. Este é utilizado como instrumento para comunicar as necessidades do cliente para os técnicos de informática que irão projetar e construir o software. Dentro deste contexto o documento necessita ser escrito de forma clara e precisa para que tanto o cliente como os técnicos de informática entendam o seu conteúdo e possam projetar o software de modo a satisfazer o especificado. 5.1 fase GREQ/LR Levantar requisitos Nesta fase o técnico deverá identificar os requisitos do produto, restrições do projeto e compromissos do projeto. Os requisitos do produto devem ser extraídos do Projeto Preliminar e complementados por outros documentos do cliente, através de um exercício conduzido de análise. O objetivo deste processo interativo é levantar os requisitos do produto assegurando que cada requisito seja descrito formalmente. Os requisitos do produto são classificados em duas categorias: requisitos externos e internos. O requisito externo representa os resultados da definição de necessidades explícitas e implícitas do cliente, bem como a descrição do que o cliente deseja fazer com o software, quais são as funções do software, o desempenho esperado, a interface com outros elementos do sistema, além das outras expectativas de qualidade.

7 7 Os requisitos internos, na maioria das vezes, são identificados através do técnico de informática, pois eles não são facilmente percebidos pelo cliente. Estes requisitos são necessários para proporcionar ao produto de software o atingimento dos requisitos externos de qualidade especificados e estão normalmente ligados às questões de qualidade de software: manutenibilidade, portabilidade e eficiência. Para facilitar o levantamento dos requisitos foi elaborado um conjunto de possíveis atividades a serem desenvolvidas, retratadas em uma Lista para Levantamento de Requisitos Internos e Externos (veja Anexo 6.1 Lista para Levantamento de Requisitos Internos e Externos). Como forma de complementar os requisitos do produto é necessária a identificação das restrições do projeto ou dos próprios requisitos. Estas também deverão ser baseadas no Projeto Preliminar. Uma lista foi elaborada para auxiliar no levantamento das restrições: Lista para Levantamento de Restrições do Projeto Definição de expectativas de prazos. Definição de custos e disponibilidade de recursos financeiros pelo cliente. Disponibilidade de recursos financeiros pela CELEPAR para investimento em ferramentas e tecnologia. Identificação de riscos técnicos. Identificação de volumes envolvidos na execução. Disponibilidade de recursos humanos e tecnológicos. Imposições legais. Necessidade de compatibilização do novo software com o legado existente. Necessidade de migração dos dados de sistemas anteriores Falta de domínio do negócio e das leis a serem utilizadas para definição do software. Um outro fator importante é a identificação dos compromissos assumidos durante a execução do Projeto Preliminar ou que por ventura tenham surgido nesta fase. Estes também deverão compor o documento Requisitos do Projeto e necessitam ser analisados conjuntamente com os requisitos do produto e restrições do projeto. Para cada compromisso identificado deverá ser designado um responsável por atender a este compromisso, pois normalmente a não execução de um compromisso implica em riscos

8 8 para o projeto, que deverão ser gerenciados. Uma lista foi elaborada para auxiliar no levantamento dos compromissos do projeto: Lista para Levantamento dos Compromissos Assumidos Necessidade de recursos humanos adicionais a serem disponibilizados tanto no cliente quanto na CELEPAR. Necessidade da ajuda de um especialista para que o produto seja entendido pelos técnicos da CELEPAR. Necessidade de aquisição de algum outro software (Banco de Dados, Gerenciador de rede, Linguagem de Programação,..) para que o projeto possa ser desenvolvido e/ou implantado. Necessidade da aquisição de equipamentos para que o projeto seja desenvolvido e/ou implantado. Necessidade de reorganização física do cliente (O&M) para que o projeto possa ser implantado. Necessidade de definições negociais pelo cliente. Necessidade de aprovação de lei para que o projeto seja desenvolvido e/ou implantado no cliente. Outras informações da fase: Responsável: Envolvidos: Produtos de Entrada: Produtos de Saída: Técnicas: Líder do Projeto Cliente Equipe Técnica Projeto Preliminar Legislação do cliente Documentação do cliente Lista de Requisitos do produto, restrições do projeto e compromissos assumidos Workshops estruturados Brainstorming ou sessões de resolução de problemas Entrevistas Processo de benchmarking JAD Observações e questionários Observações de um padrão de trabalho Observações do sistema organizacional e do ambiente político

9 9 Revisão de documentação, legislação técnica Análise de mercado Avaliação de sistemas concorrentes Engenharia reversa Simulação Prototipação... Check list da fase Cada requisito é uma declaração de necessidades, curta e definitiva? Existem condições apropriadas para que o requisito possa existir? Houve a identificação de restrições dos requisitos e do projeto? Os requisitos do produto, restrições do projeto e compromissos assumidos no Projeto Preliminar foram considerados? O requisito é testável? 5.2 FASE greq/ar Analisar Requisitos A Análise de Requisitos tem como objetivo identificar os requisitos que deverão ser contemplados no produto e a consistência entre eles. Para isto, é necessário que os requisitos sejam confrontados uns com os outros e em relação às restrições e aos compromissos assumidos. Muitas vezes, como resultado deste confronto, poderão ser identificadas contradições e impossibilidade de atendimento de algum requisito. Por exemplo, uma restrição de prazo muitas vezes pode ser oposição ao atendimento de algumas funcionalidades no software. É importante ressaltar que, quando algum requisito não puder ser atendido, o mesmo também deve estar descrito no documento Requisitos do Projeto com observações dos motivos que levaram ao não atendimento e os riscos associados a este fato (Veja um exemplo de requisitos no Anexo 6.2 Exemplos de Requisitos). Durante a análise deverá ser estabelecida uma relação entre os requisitos e as características de qualidade (NBR 13596), pois facilitará o planejamento das próximas fases do desenvolvimento do software. É importante ressaltar que toda esta análise é executada junto com o cliente.

10 10 Para cada requisito é necessário que o técnico de informática (analista) detalhe alguns aspectos: 1.Identificação Cada requisito deverá ser unicamente identificado com a primeira letra da característica de qualidade (NBR 13596) acrescido de um número sequencial. Este fator é importante para que seja possível o gerenciamento dos requisitos durante todo o processo de desenvolvimento do software. Segue abaixo a lista das características de qualidade. Funcionalidade Definição: Conjunto de atributos que evidenciam a existência de um conjunto de funções e suas propriedades especificadas. As funções são as que satisfazem as necessidades explícitas ou implícitas. Interpretação: Usabilidade Conjunto de funções definidas para o software e que atendem às necessidades do cliente (requisitos), diretrizes estabelecidas para o desenvolvimento de software na Celepar (normas e padrões) e requisitos legais. Definição: Conjunto de atributos que evidenciam o esforço necessário para se poder utilizar o software, bem como, o julgamento individual desse uso, por um conjunto explícito ou implícito de usuários. Interpretação: facilidade de uso do software; Confiabilidade Definição: Conjunto de atributos que evidenciam a capacidade do software de manter seu nível de desempenho sob condições estabelecidas durante um período de tempo estabelecido. Interpretação: Capacidade do software em manter sua integridade após a ocorrência de falhas não controladas. (Ex: Queda de luz)

11 11 Eficiência Definição: Conjunto de atributos que evidenciam o relacionamento entre o nível de desempenho do software e a quantidade de recursos usados, sob condições estabelecidas. Interpretação: uso de recursos pelo software; Quanto que o uso de recursos do software está contribuindo para a melhoria do desempenho deste Portabilidade Definição: Conjunto de atributos que evidenciam a capacidade do software de ser transferido de um ambiente para outro. Interpretação: Capacidade do software de ser transferido para ambientes e/ou plataformas conhecidas ou dentro de padrões internacionais estabelecidos Manutenibilidade Definição: Conjunto de atributos que evidenciam o esforço necessário para fazer modificações especificadas no software. Interpretação: O esforço necessário para se fazer modificações especificadas no software 2.Descrição do Requisito descrição do requisito através de uma sentença. 3.Prioridade O cliente deverá identificar as prioridades de atendimento dos requisitos. A escala de importância a se utilizar é: P Pouca importância ME Média para baixa importância MU Muita importância E Essencial importância Para se estabelecer esta escala é necessário analisar os seguintes pontos: necessidade de que o software contenha este requisito (visão do cliente e do analista);

12 12 se o requisito é viável do ponto de vista de disponibilização de tecnologia, de capacitação de recursos humanos, custos associados, etc.; riscos aos quais o projeto está exposto tanto em relação a perdas financeiras, impacto no ambiente, segurança, conformidade com leis e normas, etc. quanto em relação à não contemplação de um requisito pelo projeto. 4.Fonte Indica quem identificou o requisito (cliente ou técnico ou analista). Esta informação é necessária quando da alteração ou exclusão de algum requisito durante o processo ou no caso de se ter dúvidas em relação ao atendimento dos requisitos. 5.Característica de qualidade Característica de qualidade da NBR ao qual o requisito está associado. 6.Requisito alocado ao projeto Se o requisito será implementado no projeto ou não (S/N). 7.Observação Explicação dos riscos e restrições associados ao requisito, dos motivos de não alocação do requisito, ou outra informação que se faz necessária. Consolidar a documentação da Especificação de Requisitos de acordo com o modelo presente no material de apoio da fase de análise. Responsável: Líder do Projeto Envolvidos: Cliente Produtos de Entrada: Lista de Requisitos, restrições e compromissos Produtos de Saída: Requisitos do Projeto aprovado Técnicas: Análise de Riscos

13 13 6 ANEXOS 6.1 Lista para Levantamento de Requisitos Internos e Externos A lista a seguir contém algumas atividades a serem executadas quanto o item for importante para o projeto em questão. Ela foi elaborada com o intuito de facilitar o levantamento dos requisitos junto ao cliente. Ela está ordenada pelas características e subcaracterísticas, de qualidade proposta pela norma NBR 13596, e possui algumas atividades aplicadas ao levantamento de requisitos. A lista não pretende ser exaustiva, portanto poderão aparecer questões que não estão listadas abaixo.

14 14 Característica: FUNCIONALIDADE Como o software será útil? Sub característica Atividade Check list Adequação Conjunto de funções que compõem o software (solução) e devem atender às demandas estabelecidas (cliente e CELEPAR) Identificar os principais produtos que o cliente considera necessários e que devem ser gerados pelo sistema Propõe se a fazer o que é apropriado? Verificar e prioritizar a identificação das funções que tenham informações que são divulgadas externamente, pois estas têm um grande impacto para o cliente. dentificar os patrocinadores, clientes e usuários do sistema Identificar e esclarecer os papéis dos usuários e clientes. Verificar quais funções os clientes desempenham. Acurácia Atributos do software que evidenciam a geração de resultados ou efeitos corretos ou conforme acordados. Identificar a necessidade de tratamento diferenciado de funções que necessitam ter resultados mais apurados(quais funções críticas em termos de resultados gerados) Verificar as seguintes informações : Impactos externos; Funções críticas com prejuízo político, legal, econômico, etc.. Complexidade? Interoperabilidade Facilidade do software em interagir com outros através do estabelecimento de padrões facilitadores Identificar as aplicações com as quais o software necessita se comunicar (possuir interface) Identificar quais são as informações necessárias para que a comunicação entre as aplicações ocorra Interage com os sistemas especificados? Verificar a confiabilidade das informações a serem disponibilizadas em relação ao prazo, completeza e se está correta.

15 15 Segurança de Acesso Atributos de software que evidenciam sua capacidade de evitar o acesso não autorizado, acidental ou deliberado a programas e dados. Identificar como será a sistemática de segurança de acesso requerido às funções do software. Identificar rotinas que necessitem de segurança de dados quando da impressão do mesmo. Exemplo: controle de notas fiscais, impressão de contra cheques, impressão de resultados de concursos,... Identificar que dados são passíveis de fraudes e qual o risco que isto ocorra. Identificar a necessidade de criptografia dos dados. Identificar a necessidade de auditoria de segurança Conformidade Aderência do software com as normas da CELEPAR em relação ao desenvolvimento e com as normas e leis do governo/cliente em relação ao negócio. Identificar as leis, normas, padrões, e regimentos internos que o sistema deverá seguir. Identificar questões de prazos a serem cumpridos pelo sistema para o atendimento a leis e normas impostas Está de acordo com as normas, leis, etc.? Verificar se os processos existentes atualmente dentro do cliente estão em conformidade com as leis e normas vigentes. Quando isto não ocorrer, registrar como risco do projeto. Verificar se o cliente domina o entendimento das leis e das normas a serem utilizadas no projeto. Quando isto ocorrer registrar como risco do projeto. Verificar a perspectiva de alteração das leis e normas do cliente durante o desenvolvimento do software. Quando isto ocorrer, registrar como risco do projeto.

16 16 Característica: CONFIABILIDADE Funciona bem em caso de falhas? Sub característica Atividade Check list Maturidade Atributos do software que evidenciam a freqüência de falhas por defeitos no sofware. Tolerância a Falhas Evidência a capacidade de recuperar o estado de operação normal anterior à falha. Ex. No caso de queda de energia proporcionar um restart automático e/ou recuperar os dados através de log. Identificar qual o período crítico que o sistema deverá estar disponível. Identificar a necessidade do sistema possuir distribuição de dados Identificar a necessidade de tratamento especial de rotinas de segurança Ocorrendo falhas, como ele reage? Recuperabilidade Capacidade de recuperação dos dados que sofreram danos na hora da falha e o tempo e esforço para tal. Identificar a necessidade de instrumentos especiais de recuperação de dados. Este fato está relacionado ao nível de criticidade das informações. Qual é o esforço necessário para se recuperar de falhas? Característica: USUABILIDADE Como facilitar o uso? Sub característica Atividade Check list Inteligibilidade Facilidade no entendimento do software. Apreensibilidade Facilidade no aprendizado do software. Operacionalidade Atributos do software que evidenciam o esforço do usuário para sua operação e controle da sua operação. Identificar a necessidade da aplicação possuir interface gráfica (ambiente gráfico, internet, mapas, geoprocessamento, etc.) Identificar a necessidade de disponibilizar assistente, manuais, tutorial,... Identificar se existe necessidade de treinar o usuário É fácil entender o conceito e a aplicação? Como facilitar o aprendizado?

17 17 Característica: EFICIÊNCIA É eficiente? Sub característica Atividade Check list Comportamento em relação ao tempo Tempo de resposta das funções do software. Identificar as necessidade do sistema requerer tempo de resposta crítica O desempenho é adequado às necessidades? Comportamento em relação aos recursos Recursos usados na execução das funções do software. Identificar os recursos disponíveis em relação aos recursos humanos, por exemplo: necessidade de operadores para o sistema, necessidade de recursos humanos treinados em novas tecnologias para o desenvolvimento do software, etc. Não desperdiça recursos computacionais?

18 18 Característica: MANUTENIBILIDADE É fácil de modificar? Sub característica Atividade Check list Analisabilidade Facilidade de entender no software o que deve ser modificado. Modificabilidade Atributos do software que evidenciam o esforço necessário para modificá lo, remover seus defeitos ou adaptá lo a mudanças ambientais. Estabilidade Atributos do sofware que evidenciam o risco de efeitos inesperados ocasionados por modificações. Testabilidade Atributos do sofware que evidenciam o esforço necessário para validar o software modificado. A extensão em que um teste objetivo e factível pode ser projetado para determinar se um requisito é atendido. Identificar se a legislação que é utilizada para desenvolver o sistema é instável e possui muitas mudanças. Identificar se existem muitos clientes e se eles possuem divergências de opiniões quanto ao que o software necessita atender (Levantamento para análise de risco). Identificar se os procedimentos do cliente que o sistema deverá atender são estáveis ou instáveis (Levantamento para análise de risco). Identificar se sistemas similares tiveram grandes manutenções. Identificar se o ciclo de vida do software será curto ou longo. Identificar se a demanda é complexa (Levantamento para análise de risco). Identificar a necessidade de evolução tecnológica constante e rápida no sistema É fácil de entender?

19 19 Adaptabilidade Capacidade de adaptação do software a ambientes diferentes especificados, sem a necessidade de aplicação de outras ações ou meios além daqueles fornecidos para essa finalidade pelo software. Identificar para qual ambiente o software deverá ser projetado Identificar se o software necessita ser projetado para múltiplas plataformas. Adapta se facilmente a outros ambientes? Capacidade para ser instalado Atributos do software que evidenciam o esforço necessário para sua instalação num ambiente especificado. Capacidade para substituir Facilidade do software substituir um outro software Identificar se o sistema deverá substituir um outro vigente É fácil este software substituir outro? Conformidade Atendimento aos padrões da CELEPAR e a plataforma de hardware que foi convencionada para o software Está de acordo com padrões de sistemas abertos? Característica: PORTABILIDADE Adapta se facilmente a ambientes diferentes? Sub característica Atividade Check list Adaptabilidade Capacidade de adaptação do software a ambientes diferentes especificados, sem a necessidade de aplicação de outras ações ou meios além daqueles fornecidos para essa finalidade pelo software. Capacidade para ser instalado Atributos do software que evidenciam o esforço necessário para sua instalação num ambiente especificado. Capacidade para substituir Facilidade do software substituir um outro software. Conformidade Atendimento aos padrões da CELEPAR e a plataforma de hardware que foi convencionada para o software Identificar para qual ambiente o software deverá ser projetado Identificar se o software necessita ser projetado para múltiplas plataformas. Identificar se o sistema deverá substituir um outro vigente Adapta se facilmente a outros ambientes? É fácil este software substituir outro? Está de acordo com padrões de sistemas abertos?

20 Exemplos de Requisitos Este é um exemplo de como identificar uma restrição a partir de um requisito inicial do cliente. O requisito é necessidade do software ser customizável pelo usuário. Informações adicionais do cliente incluem: a customização deverá ser feita pelo próprio usuário e deverão ser obedecidos os direitos de acesso às funções para ele autorizadas. Estas condições e restrições devem ser identificadas durante a fase de análise de requisitos e comporão a especificação de requisitos: Característica de Qualidade: Usabilidade Id. Descrição do Requisito Prioridade Fonte Alocado(S/N) U01 O software deverá possibilitar a customização das funções Essencial pelo próprio cliente Cliente Sim Y Observação: foi identificado como restrição do requisito que somente poderão ser customizadas as funções às quais o usuário tem acesso autorizado. A prioridade de atendimento assinalada como Essencial é devido à constatação pelo cliente de um número elevado de usuários que executam somente algumas funções do sistema. Estes usuários utilizam sistemas que já trabalham com esta filosofia, portanto já é padrão a existência desta facilidade. A identificação e análise deste requisito, por outro lado, terá como conseqüência a identificação de um outro requisito que é: Característica de Qualidade: Funcionalidade Id. Descrição do Requisito Prioridade Fonte Alocado(S/N) F02 Necessidade de disponibilização de uma função genérica para customização do software pelo próprio usuário. Essencial Analist a X Observação: requisito identificado a partir de um outro requisito ligado à usabilidade: O software deverá possibilitar a customização das funções pelo próprio cliente. Sim

21 GERENCIAMENTO DE REQUISITOS A gerência de requisitos tem como objetivo identificar e registrar alterações das necessidades que o produto de software terá que atender (requisitos do produto), além de orientar a avaliação de impactos destas mudanças nos planos do projeto. O processo de gerenciamento de requisitos nasceu da constatação que as mudanças normalmente ocorrem durante o processo de desenvolvimento de produtos. Estas mudanças são geradas por alterações de legislação, de objetivos de negócio, ou mesmo de um melhor entendimento das potencialidades oferecidas pelos sistemas de informações. Na maioria das vezes, tais mudanças implicam em renegociação de prazo, custo e de esforço para o projeto. Quando isto ocorrer é essencial que fique explicitado e que existam mecanismos de renegociação com o cliente e com a equipe técnica do projeto em relação aos compromissos de cada envolvido e aos objetivos e requisitos a serem atendidos pelo produto. O processo de gerenciamento de requisitos é composto pelas seguintes tarefas: Identificar Mudanças de Requisitos A identificação da mudança de requisitos inicia se com uma percepção de uma alteração de mercado, de legislação (imposição), de alterações de fundos para o projeto (recursos financeiros ou de pessoal tanto interno da Celepar como do cliente), de disponibilização ou mudança de tecnologia, de algum outro ato ou necessidade percebida ou como consequência de mudanças na equipe técnica do cliente e da CELEPAR Avaliar Impactos Para cada mudança identificada é necessário que se estabeleça e identifique quais são os requisitos que foram afetados dentro do projeto e que deverão ser renegociados, pois muitas vezes a simples mudança em um requisito tem como consequência alterações em outros requisitos.

Qualidade de Software. Prof.: Ivon Rodrigues Canedo. PUC Goiás

Qualidade de Software. Prof.: Ivon Rodrigues Canedo. PUC Goiás Prof.: Ivon Rodrigues Canedo PUC Goiás Qualidade Subjetiva Não sei o que é mas reconheço quando a vejo Qualidade Baseada no Produto O produto possui algo que produtos similares não têm Qualidade Baseada

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Introdução Qualidade é um dos principais objetivos da Engenharia de Software. Muitos métodos, técnicas e ferramentas são desenvolvidas para apoiar a produção com qualidade. Tem-se

Leia mais

IC-UNICAMP IC-UNICAMP

IC-UNICAMP IC-UNICAMP Capítulo 3: Qualidade de Produto e a ISO 9126 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Engenharia Nesta seção você encontra artigos voltados para testes, processo, modelos, documentação, entre outros Qualidade de Software Desvendando um requisito essencial no processo de desenvolvimento

Leia mais

Normas e Padrões de Qualidade em Software - I

Normas e Padrões de Qualidade em Software - I Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em - I Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Certificação da Qualidade Certificações emitidas por entidades públicas conceituadas: 9 ABIC Selo

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Qualidade de Software. Aécio Costa

Qualidade de Software. Aécio Costa de Software Aécio Costa A Engenharia pode ser vista como uma confluência de práticas artesanais, comerciais e científicas [SHA90]. Software sem qualidade Projetos de software difíceis de planejar e controlar;

Leia mais

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1 Qualidade Plácido A. S. Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de Projetos Agenda Introdução

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Atividade da gerência da qualidade

Atividade da gerência da qualidade O que é qualidade de software? Qualidade, de forma simplista, significa que o produto deve esta de acordo com a especificação. Problemas: Tensão entre requisitos do cliente: Eficiência, confiança, etc.

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos Prof. Ricardo J. Rabelo Conteúdo Introdução & Problemática

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade Garantia de Qualidade Qualidade do processo Qualidade do produto Testes Estáticos Testes Dinâmicos Qualidade do produto

Leia mais

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software Modelo para Documento de Especificação de Requisitos de Software (Baseado na norma IEEE Std 830-1993 - Recommended Practice for Software Requirements Specifications) A boa organização lógica do documento

Leia mais

Visão Geral da Qualidade de Software

Visão Geral da Qualidade de Software Visão Geral da Qualidade de Software Glauber da Rocha Balthazar Faculdade Metodista Granbery (FMG) Bacharel em Sistemas de Informação Rua Batista de Oliveira, 1145-36010-532 - Juiz de Fora - MG glauber_rochab@yahoo.com.br

Leia mais

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software Modelo para Documento de Especificação de Requisitos de Software Prof. Dr. Juliano Lopes de Oliveira (Baseado na norma IEEE Std 830-1993 - Recommended Practice for Software Requirements Specifications)

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Departamento de Informática Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Laboratório de Desenvolvimento Distribuído de Software Estágio de Docência http://www.din.uem.br/~pg45640/ Qualidade de Software

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Processo de Eng. Requisitos p Composto por quatro (ou cinco) atividades de alto nível (Soares, 2005): p Viabilidade p Identificação. p Análise e negociação. p Especificação e documentação.

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações

Tecnologia e Sistemas de Informações Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 3 Componentes de SIs Pessoas SI Organiz. Unidades que exercem diferentes funções, tais

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

Engenharia de Software Software Requirements

Engenharia de Software Software Requirements Requisitos Engenharia de Software Software Requirements SWEBOK, Capítulo 2 Primeira Classificação de Requisito 1. Requisito do usuário: declarações sobre as funções que o sistema deve oferecer 2. Requisito

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE

NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE Marina Benedetti Preto¹ RESUMO Muito se fala sobre a qualidade de software, mas sem sempre se tem uma verdadeira noção deste conceito. A qualidade possui

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Requisitos

APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Requisitos + APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos Requisitos Requisitos 2 n Segundo Larman: n São capacidades e condições às quais o sistema e em termos mais amplos, o projeto deve atender n Não são apenas

Leia mais

Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE. Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) 1 as seguintes definições: Normalização

Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE. Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) 1 as seguintes definições: Normalização Unidade III 3 INTRODUÇÃO Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) 1 as seguintes definições: Normalização Atividade que estabelece, em relação a problemas existentes ou potenciais,

Leia mais

MAAS. Metodologia de Análise de Aderência de Sistemas Versão 2.0. Secretaria da Administração do Estado da Bahia

MAAS. Metodologia de Análise de Aderência de Sistemas Versão 2.0. Secretaria da Administração do Estado da Bahia SAEB CTG Secretaria da Administração do Estado da Bahia Coordenação de Tecnologias Aplicadas à Gestão Pública MAAS Metodologia de Análise de Aderência de Sistemas Versão 2. Março de 29 SAEB Secretaria

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE SOFTWARE HOUSES COM PRODUTOS E APLICAÇÕES DE EDI NO PADRÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA BRASILEIRA

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE SOFTWARE HOUSES COM PRODUTOS E APLICAÇÕES DE EDI NO PADRÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA BRASILEIRA PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE SOFTWARE HOUSES COM PRODUTOS E APLICAÇÕES DE EDI NO PADRÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA BRASILEIRA Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho da Comissão de Normas

Leia mais

QUALIDADE DO SOFTWARE (PRODUTO)

QUALIDADE DO SOFTWARE (PRODUTO) QUALIDADE DO SOFTWARE (PRODUTO) Baseado no material do prof. Mario Lúcio Cortes http://www.ic.unicamp.br/~cortes/mc726/ 1 1. Introdução No início qualidade = funcionalidade capacidade de substituir o hardware

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Modelo de Referência para Avaliação da CERTICS

Modelo de Referência para Avaliação da CERTICS CTI RENATO ARCHER Relatório Técnico CTI TRT0084113 Modelo de Referência para Avaliação da CERTICS Documento de Detalhamento Versão 1.1 Este documento apresenta o detalhamento do Modelo de Referência para

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Qualidade de Processo de Software. Implementação de Melhoria de Processos de Software

Qualidade de Processo de Software. Implementação de Melhoria de Processos de Software Qualidade de Processo de Software Implementação de Melhoria de Processos de Software Sumário Conceitos de Melhoria de Processos de Software (MPS) Implementação de Processos com Modelos e Normas de Qualidade

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação

Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação Carlos Eduardo Sanches da Silva, Dr. (UNIFEI) sanches@iem.efei.br Dalton Péricles de Almeida (UNIFEI) dalton.almeida@ig.com.br

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Essencial ao Desenvolvimento de Software

Essencial ao Desenvolvimento de Software Documento de Requisitos Essencial ao Desenvolvimento de Software De que se trata o artigo? Apresenta o documento de requisitos de software, destacando-o como um dos principais documentos pertinentes ao

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Profº.: Daniel Gondim

Segurança e Auditoria de Sistemas. Profº.: Daniel Gondim Segurança e Auditoria de Sistemas Profº.: Daniel Gondim Roteiro Auditoria de Sistemas Conceitos; Tipos de Auditorias; Objetivos e Importância; Etapas; Segurança da Informação Conceitos; Ameaças; Algumas

Leia mais

Modelos de processos de desenvolvimento de software

Modelos de processos de desenvolvimento de software Definição Um modelo de processo de software é uma representação abstrata de um processo. Os modelos de processo podem ser desenvolvidos a partir de várias perspectivas e podem mostrar as atividades envolvidas

Leia mais

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas Fátima Cesarino CAIXA Apresentação Diferentes Cenários Desenvolvimento Software Importância do SISP Agradecimento Oportunidade Responsabilidade

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

Teste de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Teste de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Teste de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade Garantia de Qualidade Qualidade do processo Qualidade do produto Testes Estáticos Testes Dinâmicos Teste de software

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Início Qualidade de Software Álvaro Rocha amrocha@ufp.pt http://www.ufp.pt/~amrocha Início>Tópicos Tópicos 1. Fundamentos 2. Qualidade e Maturidade do Processo de SW ISO 9000, ISO 12207, SW-CMM, TRILLIUM;

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 04 ISOs / IEC 12207 15504 9001 9126 25000 Agenda Descrição sumária da ISOs afetas ao nosso curso de qualidade ISO/IEC 12207 ISO/IEC

Leia mais

pacotes de software na forma em que são É importante salientar que não é objetivo do software, suas atividades e produtos

pacotes de software na forma em que são É importante salientar que não é objetivo do software, suas atividades e produtos ISO/IEC 12119 ISO/IEC 12119 Et Esta norma é aplicável liá là avaliação de pacotes de software na forma em que são oferecidos e liberados para uso no mercado É importante salientar que não é objetivo desta

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

Qualidade de Produto de Software

Qualidade de Produto de Software Qualidade de Produto de Software Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer-CTI Rodovia Dom Pedro I km 143,6 Campinas SP Brasil Divisão de Qualificação em Software - DQS Ana Cervigni Guerra ana.guerra@cti.gov.br

Leia mais

JUN 2003. A NBR ISO/IEC 9126, sob o título geral "Engenharia de software - Qualidade do produto", consiste nas seguintes partes:

JUN 2003. A NBR ISO/IEC 9126, sob o título geral Engenharia de software - Qualidade do produto, consiste nas seguintes partes: Cópia não autorizada JUN 2003 NBR ISO/IEC 9126-1 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Engenharia de software - Qualidade de produto Parte 1: Modelo de qualidade Sede: Rio de Janeiro Av. Treze

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Estudos Disciplinares Análise e Desenvolvimento de Sistemas referente ao 3 semestre

Estudos Disciplinares Análise e Desenvolvimento de Sistemas referente ao 3 semestre Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas Campus Sorocaba Curso: Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: Estudos Disciplinares Coord. Prof(a): Michele da R. M. Mathias Prova DP Ano Letivo:

Leia mais

ENGENHARIA DE REQUISITOS

ENGENHARIA DE REQUISITOS Universidade Federal de Santa Maria Mestrado em Computação ELC 923 Processos de Negócio e Engenharia de Requisitos Especialização em Modelagem e Desenvolvimento de Aplicações Web com JAVA ENGENHARIA DE

Leia mais

Workshop de Teste de Software. Visão Geral. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br

Workshop de Teste de Software. Visão Geral. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br Workshop de Teste de Software Visão Geral Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br 1 AGENDA DO CURSO Conceitos Básicos Documentação Processo Plano de Teste Caso de Teste BIBLIOGRAFIA

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos

Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Escola de Informática Aplicada Curso: Bacharelado em Sistemas

Leia mais

3 a Lista de Exercícios

3 a Lista de Exercícios Engenharia de Requisitos 3 a Lista de Exercícios (1) Em relação ao levantamento e análise de requisitos, faz-se a seguinte afirmação: Os requisitos de sistema devem ser capturados, documentados e acordados

Leia mais

POLÍTICA ORGANIZACIONAL

POLÍTICA ORGANIZACIONAL POLÍTICA ORGANIZACIONAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NA DR TECH Data 01/03/2010 Responsável Doc ID Danielle Noronha PoliticaOrg_DR_V003 \\Naja\D\Gerenciamento\Política Localização Organizacional Versão

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504 PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504 MARCELO NORTE DE OLIVEIRA 1 marcelonorte.ti@gmail.com IREMAR NUNES DE LIMA 2 iremar.prof@uol.com.br RESUMO: Este artigo trata

Leia mais

Engenharia de Software. Gerenciamento de Requisitos. Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br

Engenharia de Software. Gerenciamento de Requisitos. Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Engenharia de Software Gerenciamento de Requisitos Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Engenharia de Requisitos (ER) Engenharia de O termo Engenharia implica em dizer que um processo sistemático

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3

Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 9000-3 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

Sommerville, Ian. Software Engineering. Editora: Addison Wesley. (capítulos sobre Requisitos)

Sommerville, Ian. Software Engineering. Editora: Addison Wesley. (capítulos sobre Requisitos) Sommerville, Ian. Software Engineering. Editora: Addison Wesley. (capítulos sobre Requisitos) Engenharia, Levantamento, Elicitação, Gerenciamento Fernando Pedrosa fpedrosa@gmail.com 1 2 Área da Engenharia

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Gestão da qualidade do software

Gestão da qualidade do software Gestão da qualidade do software Empenhada em assegurar que o nível de qualidade requerido de um produto de software é atingido Envolve a definição de normas e procedimentos de qualidade apropriados, e

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G)

GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G) GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G) LONDRINA - PR 2014 GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G)

Leia mais

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Workshop www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Rildo F Santos twitter: @rildosan skype: rildo.f.santos http://rildosan.blogspot.com/ Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

Processo Unificado (RUP)

Processo Unificado (RUP) Fases do Desenvolvimento Processo Unificado (RUP) Ulf Bergmann ulf@ime.eb.br Domínio do Problema Objetos Objetos do do Mundo Mundo real real Modelo Semântico Domínio da Solução Aplicação Interface Serviços

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Produto de Software Qualidade de Software Um produto de software compreende os programas e procedimentos de computador e a documentação e dados associados, que foram projetados para serem liberados para

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Recursos e Cronograma Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Recursos; Pessoal; Software; Hardware; Outros recursos;

Leia mais