AOCM a organização d Alguém consegue vê-lo? Agora só resta Naphtal, todos os outros familiares estão mortos. Se vocês o encontrarem, matem-o também!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AOCM a organização d Alguém consegue vê-lo? Agora só resta Naphtal, todos os outros familiares estão mortos. Se vocês o encontrarem, matem-o também!"

Transcrição

1 NOME A DA páginas AOCM a organização d Alguém consegue vê-lo? Agora só resta Naphtal, todos os outros familiares estão mortos. Se vocês o encontrarem, matem-o também! Naphtal prende a respiração. Ele está mergulhado em um rio há apenas alguns metros dos homens... Este fato aconteceu em Ruanda no ano de 1994, quando cerca de pessoas foram mortas em 100 dias deles eram crianças e outras crianças ficaram órfãs depois do genocídio. Naphtal Ahishakiye perdeu toda a sua família: o pai, a mãe e quatro irmãos. Enquanto Naphtal estava mergulhado no rio, ele jamais poderia imaginar que um dia fundaria a AOCM L Association des Orphelins Chefs de Ménages (Associação dos Órfãos Chefes de Família). Uma organização que seria nomeada ao WCPRC, pela sua luta para dar uma vida melhor a dos órfãos de Ruanda... uganda congo POR QUE A AOCM ESTÁ SENDO NOMEADA? A AOCM está sendo nomeada para o WCPRC 2006 por sua luta em prol das crianças e jovens que tiveram seus pais mortos no genocídio de Ruanda em A AOCM é formada apenas por jovens que perderam seus pais no genocídio e juntos eles tentam ajudar uns aos outros a obter uma vida melhor. Eles almejam ser uma família na qual todos se importam com os outros. Apesar de a maioria dos membros da AOCM viver em grande pobreza, eles se ajudam mutuamente com comida, roupas, um lugar pra morar, novas famílias, acesso aos cuidados de saúde e a tanzãnia (kinshasa) Ruanda Lago Kivu Kigali Gitarama Cyangugu burundi escola. E o mais importante: oferecer um ao outro amizade e amor. Mais de 6000 órfãos receberam uma chance de vida melhor através da AOCM. Jovens e crianças que, de outra maneira viveriam uma vida de drogas, crime, prostituição e violência nas ruas. A AOCM fala pelos órfãos em Ruanda, relembrando constantemente ao governo e organizações que os órfãos existem. 42 Rwanda indd

2 dos órfãos N aphtal mantém apenas o nariz fora da água. Apavorado, ele se agarra às raízes que crescem no fundo do rio. Seu coração bate tão forte que parece que vai explodir. Ele só tem coragem de sair da água horas mais tarde, quando já está escuro. Os homens foram embora, mas ele sabe que eles voltarão a procurá-lo, assim que estiver mais claro. Naphtal descansa um pouco, mas desliza para a água novamente. Seus pensamentos estão girando.toda sua família está morta e tudo aconteceu muito rápido. Baratas Alguns dias antes, toda a família estava sentada ouvindo rádio. Como em muitas outras vezes, a voz no rádio dizia que todos aqueles que pertenciam ao povo tutsi eram inimigos de Ruanda. Ouvia-se também que o povo hutu deveria estar pronto a defender-se com armas e que os tutsis eram falsos como cobras e sujos como baratas. Todos os hutus devem livrarse desses animais perniciosos. O pai de Naphtal disse que o governo patrocinava a estação de rádio. A família de Naphtali era tutsi e ficava preocupada ao ouvir estas coisas. Mas, naquela manhã, a preocupação havia crescido. O rádio dizia que o presidente morrera em um acidente aéreo. Seu avião teria caído quando ele voltava de uma reunião na Tanzânia com a FPR (Frente Patriótica de Ruanda), que estava em guerra com o governo de Ruanda desde A FPR queria retirar o governo do poder e dizia querer criar um país para hutus e tutsis. Com o presidente morto, os hutus que não concordavam em manter a paz com a FPR ou dividir o poder com os tutsis, podiam agir como quisessem. Agora é o fi m. Os hutus vão começar a nos matar. Temos de nos esconder na floresta, cada um deve achar seu próprio esconderijo disse o pai de Naphtal. Mataram a família Alguns dias depois que a família havia se escondido, um grupo de homens armados chegou à casa onde moravam. Eles a derrubaram, cortaram as bananeiras, arrancaram batatas e mandiocas da terra e destruíram as plantações. As cabras e vacas da família foram roubadas. Do seu esconderijo, Naphtal viu tudo, e percebeu que muitos daqueles que destruíram sua casa eram seus vizinhos. No dia seguinte os Sozinho e com medo Quando eu me escondi na floresta, tinha medo o tempo todo. Bastava algum ruído das árvores ou o barulho do vento nas folhas, para que eu pensasse que eram os assassinos que haviam voltado para me pegar. Era horrível dormir ali no escuro, sozinho- lembra Naphtal. 43 Rwanda indd

3 homens voltaram. Eles encontraram o pai de Naphtal e o mataram. Se Naphtal tivesse tentado impedi-los, teria sido morto imediatamente. Dois dias mais tarde, o irmão mais velho de Naphtal foi encontrado. Eles amarraram suas mãos e pés e depois o mataram. Depois, eles pegaram seus três Umutoni e Uwamwezi, completaram 6 e 7 anos Brinquedo favorito: Boneca que tinham juntas. Comida favorita: Frutas. Elas eram: As garotas do papai. Fidèle, completou 9 anos Esporte favorito: Futebol. Comida favorita: Batatas fritas. Adorava: TV e estar com os amigos. outros irmãos e sua mãe... Naphtal era o único que havia restado...sozinho, mergulhado no rio. Ele estava com tanto medo que não teve coragem de sair do rio por três dias e três noites. De alguma maneira eu consegui sobreviver na floresta por vários meses. Eu bebia água da chuva e entra crianças foram mortas No genocídio de 1994 foram assassinadas quase um milhão de pessoas em Ruanda eram crianças. Se você deseja fazer contribuições em tributo à memória delas, escreva para: Kigali Memorial Centre, B.P. 7521, Kigali, Rwanda. Aqui estão algumas das crianças que foram mortas: David, completou 10 anos Esporte favorito: Futebol. Adorava: Fazer que as pessoas rissem. Sonho: Ser médico. 44 Rwanda indd

4 Com direito de ser criança A AOCM deseja que suas crianças mais novas possam participar de passeios. Nos passeios, eles podem comer comidas gostosas, tomar refrigerante, brincar e relaxar. Nós tentamos passear sempre que possível, mesmo que não tenhamos dinheiro. Algumas pessoas acham que nós deveríamos usar nosso dinheiro apenas para as mensalidades escolares, comida e aluguéis. Mas eu não concordo. Eu creio que os passeios são tão importantes quanto estas coisas. Neles, as crianças podem sair, encontrar outras crianças e divertirem-se. Elas se tornaram adultas cedo demais, pois seus pais foram mortos. Nos passeios, elas têm permissão para serem crianças diz Naphtal. Os passeios são a coisa mais divertida do ano! diz Jean Claude Habineza, 14, que toma conta de seus dois primos mais novos, sozinhos. va escondido nas plantações das pessoas para comer bananas. Durante as noites, eu dormia no chão. Eu estava muito triste e confuso. Eu tinha visto toda a minha família ser assassinada e não me sentia bem. Na verdade, eu havia perdido a vontade de viver. Mas algo me fazia lutar e ir adiante diz Naphtal. Uma nova família Enquanto Naphtal estava escondido na floresta por três meses, a FPR conseguiu derrotar o exército de Ruanda e dispersar o governo. Finalmente o genocídio havia acabado. Naphtal e milhares de sobreviventes puderam sair de seus esconderijos na floresta e tentar começar uma nova vida. Não foi fácil. Mas quando as escolas reabriram, eu decidi voltar a estudar. Eu queria honrar os meus pais e eu sabia que eles gostariam que eu tentasse viver uma vida melhor, apesar de tudo que aconteceu diz Naphtal. Na escola, Naphtal encontrou muitas outras crianças e jovens que haviam perdido seus pais no genocídio. Todos eles tinham histórias terríveis para contar, mas apoiavam uns aos outros. Quando nós começamos a conversar, entendemos rapidamente que nenhum de nós poderia sobreviver sozinho. Aqueles que tinham algum dinheiro ajudavam os que não tinham nenhum. Eu tinha um dinheirinho, pois as pessoas que tinham roubado as cabras e as vacas de minha família, tiveram que me pagar uma indenização. Eu comprei cadernos e canetas e dei àqueles que não tinham. À noite, nós estudávamos juntos. Nós, que éramos mais velhos, ajudávamos aos mais novos com Fotografi as e textos publicados com autorização do Centro Memorial do Kigali, Ruanda. Francine, completou 12 anos Esporte favorito: Natação. Comida favoritas: Ovos e batatas fritas. Bebida favoritas: Leite e Fanta. Melhor amiga: Claudette, sua irmã mais velha. Bernadin, completou 17 anos Esporte favorito: Futebol. Bebida favorita: Chá. Comida favorita: Arroz. Ele era: Ótimo na escola. Yvonne & Yves, completaram 5 e 3 anos Bebida favorita de Yvonne: Chá ao leite. Comida favorita de Yves: Batatas fritas. Eles eram: A garota do papai e o fi lhão da mamãe. Nadia, completou 8 anos Esporte favorito: Correr com seu pai. Bombom favorito: Chocolate. Bebida favorita: Leite. Adorava: TV e música Rwanda.indd

5 A AOCM ajuda 600 crianças a frequentarem a escola. Os maiores ajudam os menores com as lições. suas lições. Nos tornamos como uma família e era maravilhoso sentir que não estávamos mais sozinhos. O mais importante é o amor Alguns anos mais tarde, Naphtal e dois de seus colegas de escola, decidiram tentar ajudar os órfãos de toda Ruanda, da mesma forma com que tinham ajudados uns aos outros na escola. No ano 2000 nós fundamos a organização AOCM, para que nós que somos órfãos pudéssemos nos ajudar a ter uma vida melhor. A AOCM focalizou alguns problemas importantes: Que todos deveriam ter onde morar, já que a maioria teve suas casas destruídas. Que todos deveriam poder ir à escola e receber os cuidados de saúde necessários. Que todos deveriam ter alimentação e vestuário. Mas aquilo que nós considerávamos mais importante em toda a organização era tentar criar uma atmosfera de amor entre nós que perdemos nossos pais no genocídio. Pois, se pudéssemos sentir amor, nos importaríamos uns com os outros e cuidaríamos uns dos outros. A novidade se espalhou rapidamente. Na primeira semana a AOCM ganhou 20 novos membros e na outra semana mais Hoje a AOCM tem famílias em sua associação e, todos juntos, somos 6100 órfãos, crianças e jovens. A AOCM construiu 112 casas e apóia 600 órfãos financeiramente para que eles possam ir à escola. Ela também ajuda outros a começar criações de porcos, salões de beleza, cafés e outras atividades através das quais seus membros possam se manter quando terminarem a escola. Todos precisam de alguém No começo, nosso plano era que cada membro ajudaria com 100 Francos Ruandeses (0,18 dólares) por mês, mas não dá certo. A maioria de nossos mem- Como foi possível o genocídio? É difícil de explicar como aconteceu o genocídio de Ruanda, mas eu vou tentar diz Naphtal: Os povos hutus e tutsis viveram juntos em Ruanda por centenas de anos. Os hutus sempre foram a maioria, mas, por um longo período, Ruanda foi governada por reis tutsi. Desde o fi nal de 1800 até 1962, Ruanda foi governada, primeiramente, pelos alemães e depois pelos belgas. Os europeus governavam através do rei e deram muitos privilégios aos tutsis. Os tutsis receberam boa educação e bons empregos, enquanto os hutus não podiam ir à escola e seus empregos eram de trabalhos braçais. Fazendo assim, os europeus dividiram o povo de Ruanda, mas garantiram que os tutsis estariam do lado deles. O racismo e o ódio entre os hutus e os tutsis havia sido criado. Antes da independência, os belgas mudaram de opinião e passaram dar apoio aos hutus. Mas quando a independência chegou, em 1962, Ruanda passou a Rwanda.indd

6 Todos têm o mesmo valor No começo, todos os membros ajudariam com 100 Francos Ruandeses (0,18 dólares) por mês, mas a maioria de nossos membros não consegue 100 Francos nem em um mês todo! Então, nós paramos com a contribuição mensal, para que ninguém se sinta diminuído em relação aos outros. Em vez disso, todos ajudam quando podem- diz Naphtal. O mais importante é o amor A coisa mais importante tem sido criar uma atmosfera de amor entre nós que perdemos nossos pais no genocídio diz Naphtal. bros não possui esta quantia após um mês inteiro! Em vez disso, todos ajudam quando podem. Se alguém tem o que comer, então divide com quem não tem. Aqueles que têm dinheiro compram cadernos e lápis para os que estão em falta. Se alguém adoecer, nós o levamos ao hospital. Nós queremos ser como uma família de verdade. Nenhum dos que trabalham para a AOCM recebe salário, nem mesmo Naphtal, seu líder. Primeiro, eu vou para o meu trabalho normal, depois trabalho na AOCM nas tardes, noites e finais de semana. Eu me agarro ao telefone e corro de reunião em reunião com o governo, secretarias, organizações e pessoas ricas, tentando conseguir algum dinheiro para as crianças e jovens órfãos de Ruanda. Mas nunca é suficiente. Nos últimos anos, além do genocídio, nos deparamos com um outro problema: a AIDS. Pessoas estão morrendo de AIDS todos os dias e seus filhos estão ficando sozinhos. Nós fazemos o possível para ajudar, mas as necessidades são enormes. ser governada por pessoas que pensavam que todo poder deveria pertencer aos hutus. Elas passaram a se vingar dos tutsis por eles terem tido tantos benefícios por tanto tempo. Muitas das mesmas pessoas achavam que não deveria haver tutsis em Ruanda...de maneira alguma. Estas idéias permaneceram até 1994, quando os governantes hutus conseguiram enganar uma grande parte de seu povo, que passaram a matar seus vizinhos e amigos tutsis. O próprio governo entregou armas às pessoas simples, para que matassem tutsis. O mundo abandonou Ruanda Em 1994, os funcionários da ONU a sede em Nova Iorque, que um genocídio Existem milhares de órfãos em Ruanda. Se eles não receberem nenhuma ajuda, vão terminar nas ruas e jamais terão uma chance de ir à escola. Todos precisam de alguém. É por isso que nós começamos a AOCM e nós vamos continuar a lutar pelos direitos dos órfãos enquanto for necessário. poderia estar prestes a acontecer. Eles pediram que mais soldados da ONU fossem enviados, mas a ONU decidiu não o fazer. A França, que anteriormente havia treinado os soldados do governo, criou uma zona de paz no sudeste de Ruanda. Muitos dos responsáveis pelo genocídio foram para lá em busca de proteção e depois partiram em segurança para outros países. Eu acho que a ONU e o resto do mundo têm uma grande responsabilidade pela morte de tantas pessoas em Ruanda. A ONU poderia ter impedido tantas mortes, mas escolheu não fazer nada. TEXTO: ANDREAS LÖNN FOTO: MARK VUORI Rwanda.indd

7 O que é um genocídio? Genócidio signifi ca uma tentativa de exterminar um certo grupo de pessoas de uma área ou país. O extermínio dos judeus durante a Segunda Guerra Mundial ( ) e o extermínio dos tutsis em Ruanda em 1994, são exemplos de genocídios. A palavra genocídio foi criada para descrever o holocausto o extermínio de seis milhões de judeus e entre e ciganos durante a Segunda Guerra, pelos nazistas. Até mesmo homossexuais e outros grupos considerados de menor valor, foram assassinados. Anne Frank é uma das crianças que morreram no holocausto, ela recebeu póstumamente (depois de sua morte) o prêmio de honra (World s Children Honorary Award) na primeira entrega do WPCRC no ano 2000 (leia mais sobre Anne no site Genocídios também aconteceram no Cambodia, ali foram assassinados 2 milhões de pessoas entre e na Iugoslávia onde mais de pessoas foram mortas entre 1992 e O que faz o mundo? Um dos propósitos mais importantes da ONU é evitar o genocídio, considerado o maior crime contra a humanidade. Em 1948, foi estabelecida a Convenção para Prevenção e Repressão contra o crime de genocídio. Ali está escrito que o genocídio é um crime internacional e que os países que assinaram a convenção irão prevenir e punir quem o cometer. A ONU e o mundo falharam na prevenção do genocídio na Iugoslávia e em Ruanda. Mas depois do acontecido, a ONU estabeleceu Tribunais Internacionais para julgar e punir os responsáveis por genocídios. Em 1993, foi estabelecido o Tribunal Criminal Internacional para a Iugoslávia, em Haia, na Holanda e, em 1994 foi fi rmado o Tribunal Criminal Internacional para Ruanda em Arusha, na Tanzânia. Em 2002, foi fundado também o Tribunal Internacional da ONU (Internacional Criminal Court ICC) em Haia, na Holanda. Com um Tribunal Permanente lá, a ONU espera descobrir e impedir rapidamente os genocídios, e até mesmo punir os culpados com mais rapidez. Em maio de 2005, 99 países se uniram para fazer parte do ICC, mas países como os EUA, a Rússia, a China e o Japão ainda não o fi zeram. Isto signifi ca que, pessoas destes países não podem ser julgadas no ICC. Todos nós precisamos de alguém. Foi por isso que abrimos a AOCM e vamos continuar trabalhando pelas crianças órfãs diz Naphtal. Anne Frank 48 Rwanda indd

8 Marie Grâce ao lado de sua casa destruída. Marie Grâce adora sua casa AOCM Numa manhã de abril de 1994, todas as famílias tutsi foram atacadas no vilarejo onde Marie Grâce morava. A mãe e o pai dela foram assassinados e a casa deles completamente destruída. Se nós não tivéssemos recebido uma nova casa da AOCM, teria sido praticamente impossível que eu e meus irmãos sobrevivêssemos conta Marie Grâce. Marie Grâce toca suavemente na parede quebrada de barro vermelho. Quando era pequena, ela morava ali, junto com seu pai e sua mãe. Eles tinham um lar de verdade. Agora, restam apenas ruínas. No chão, onde já fora o quarto da família e a sala, agora cresce mato e há lixo por toda a parte. Marie Grâce tinha apenas um ano quando seu vilarejo foi atacado. Ela não se lembra de nada daquela época, mas, ainda assim, fica triste todas as vezes que vem aqui. É muito triste. Eles destruíram nossa casa para mostrar que não nos queriam por perto. Milhares de pessoas perderam seus lares. Eu não consigo entender como uma pessoa pode fazer isso. E não entendo porquê. É muita estupidez. Depois de alguns instantes, ela caminha em direção a seu irmão mais velho, Marie Grâce Nyiraminani, 12 Mora: Na vila da AOCM fora de Gitirama. Adora: Ser feliz. Odeia: A guerra. Pior que lhe aconteceu: Ter perdido meus pais. Melhor que lhe aconteceu: Quando ganhamos uma casa da AOCM. Quer ser: Enfermeira. Sonha: Ser rica e ajudar os órfãos pobres. Diogène, que observa as bananeiras da plantação da família, há alguns metros da casa. Foi Diogène quem a salvou naquela manhã quando tiveram de fugir. Irmão preocupado Ele me carregou e correu com todas as suas forças. Meus outros irmãos também Nenhuma diferença entre nós Eu acho que os hutus e os tutsis deviam viver como vizinhos e amigos. Não há nenhuma diferença entre nós. Temos que parar de nos odiar. Eu não odeio as pessoas que mataram meus pais por serem hutus, mas porque mataram minha família diz Marie Grâce. 49 Rwanda indd

9 Marie Grâce faz uma bola de folhas de banana. Jogando bananabol! Tayari, ou bananabol, é um jogo no qual duas pessoas fi cam de pé, há 15 metros de distância uma da outra, e jogam uma bola feita de folhas de bananeira, uma para a outra. Entre estas duas jogadoras, fi cam todos os outros que querem participar. Aquele que fi ca no meio tem de se desviar da bola, quando as outras duas pararem de jogar a bola uma para a outra e, de repente, tentarem acertá-lo. Se ele for atingido, sai do meio e troca de lugar com quem jogou a bola. Além de jogarmos Tayari, nós também jogamos cartas aos sábados. Às vezes fi camos contando estórias e fazendo charadas. Aqui vai uma de minhas charadas diz Grâce Marie : Qual é a casa sem portas que é feita por uma galinha branca? A resposta da charada está no fi nal da página. estavam TEXTO: ANDREAS LÖNN FOTO: MARK VUORI conosco. Papai e mamãe tinham sido mortos, nossa velha casa destruída, e nós não sabíamos para onde ir. Finalmente chegamos a um campo de exilados para crianças sobreviventes. Ficamos ali três meses. Depois de um tempo, muitos dos assassinos, e até mesmo outros hutus, fugiram para o Congo, pois estavam com medo de represálias. Foi quando muitas das crianças, que sobreviveram ao genocídio, foram morar nas casas abandonadas. Assim também fizeram Marie Grâce e seus irmãos. Ali, eles podiam morar de graça e comer bananas e verduras das plantações deixadas para trás. Mas, depois de mais ou menos um ano, os exilados começaram a voltar e nós fomos forçados a sair de lá. Tivemos que alugar uma casa na cidade e meu irmão fez tudo o que podia para que pudéssemos sobreviver. Foi muito difícil para ele conseguir dinheiro para o aluguel, comida e as outras coisas que precisávamos, pois não havia empregos na cidade. Nós vivíamos com fome e Diogène começou a ficar preocupado conosco. Salvos pela AOCM Há alguns anos, Diogène, irmão mais velho de Marie Grâce, e muitos outros que tinham perdido seus pais, entenderam que teriam de ajudar uns aos outros para poder sobreviver. Então começaram a cooperar com a AOCM em Kigali. Em junho de 2003, aconteceu algo que mudou completamente a vida de Marie Grâce e seus irmãos. Foi então que nós nos mudamos para nossa nova casa, na vila da AOCM. Ganhamos a casa de graça, não precisávamos pagar aluguel! Antes, todo nosso dinheiro ia para o aluguel, mas agora podemos comprar comida, roupa e outras coisas que precisamos. Nós jamais teríamos condições de comprar uma casa por nós mesmos e se a AOCM não tivesse nos ajudado, teria sido muito difícil para mim e meus irmãos sobrevivermos. Nem por isso, a vida é fácil para nós agora, mas pelo menos ficou muito melhor. Quando Marie Grâce volta da casa antiga de sua família, ela corre até as bananeiras que ficam em uma ladeira, perto das casas da vila da AOCM. É sábado, e ela ainda tem um pouquinho de tempo para brincar, 50 Resposta: O ovo Rwanda indd

10 Visite a nova casa de Marie Grâce. Ikigurudumu antes de ir ajudar com a comida e fazer suas lições. Ela quer jogar bananabol ou Tayari, como é realmente chamado. Mas, primeiro ela deve fabricar a bola. Ela corta as folhas secas da bananeira e as junta num montinho no chão. Depois de pegar um número suficiente de folhas, ela senta na frente de casa. Ali, ela rasga as folhas em fitas fi nas, para depois as enrolar em camadas até que se forme uma bola. Ela molha as últimas fitas com água para dar uma boa forma à bola. Depois de 15 minutos, a bola está pronta. Brinca com todos Marie Grâce brinca primeiro com sua irmã mais velha, Emma, que está de pé e joga a bola de volta. Depois, aparecem crianças de todos os lados, que querem brincar também. Muitos deles não moram na vila. Nós que moramos aqui na vila da AOCM, somos tutsis, pois fomos nós que tivemos as casas destruídas em Mas as crianças que moram aqui perto são geralmente hutus. Nós brin camos juntos sem problemas. É a mesma coisa na escola. Eu tenho amigos tutsis e hutus. Quando não estou pensando, nem sei quem é quem. Eu não vejo diferença nenhuma, nem me importo! Eu acho que todos têm o mesmo valor. Muitos adultos não pensam assim, mas deveriam. Se os adultos não começarem a pensar como nós, crianças tenho medo que haja guerra em Ruanda de novo. Landouard, 12 anos, vem correndo pelo caminho entre as casas da vila da AOCM. Em uma das mãos, ele segura um brinquedo chamado Ikigurudumu. A brincadeira consiste em tentar rodar uma roda diante de si, com a ajuda de uma vara e um cordão, ao mesmo tempo em que se corre. Eu mesmo fiz este aqui. Primeiro, peguei uma faca e cortei a roda de um pneu usado, que achei no ferro-velho. Depois fiz um cordão com alguns pedaços de roupa que eu amarrei. Por último, eu entrei na mata e trouxe uma vara, aí meu Ikigurudumu ficou pronto. Levei dois dias pra terminar. 51 Rwanda indd

11 Bem-vindos a minha nova casa! Eu acordo todos os dias às 6h da manhã e faço a limpeza, dentro de casa e lá fora. Este buquê de flores de sêda é a coisa mais bonita que temos em casa, penso eu. Fazemos manteiga nessa cabaça que está pendurada na parede Rwanda.indd

12 Porcos em casa própria... Lá no pátio nós lavamos as roupas, preparamos a comida e conversamos. Nas proximidades da casa de Marie Grâce, 20 porcos estão cavando e fuçando em sua própria casa. Os porcos foram um presente da AOCM para a vila. Todas as famílias na vila vão poder criar porcos para comer e para vender. Eu gosto dos porcos e eu acho que eles podem nos ajudar a melhorar de vida diz Marie Grâce. Dentro de pouco tempo vão chegar 1000 galinhas e 20 bodes para a vila da AOCM. Quando eu venho da escola, eu preparo a comida. Feijão e banana d àgua, na maioria das vezes. Mas minha comida favorita é o arroz. Eu cozinho no fogo mesmo. Nós jantamos na sala. Meninas Primeiro Na vila onde Marie Grâce mora, a AOCM construiu 34 casas para 130 crianças que perderam seus pais no genocídio. No total, a AOCM construiu 112 casas em lugares diferentes em Ruanda. Nós tentamos, o tempo inteiro, conseguir mais dinheiro para construir mais casas, pois ainda existem muitos sem lugar para morar. Nós pensamos sempre nas meninas primeiro, porque elas são as mais expostas, por isso precisam de casas. Na maioria das vezes, elas são forçadas a vender seus corpos aos homens adultos, para terem dinheiro para alugar um quarto ou uma casa para elas e seus irmãos mais novos. Muitas das meninas pegam AIDS e morrem. Acontece quase todos os dias e, para trás, ficam crianças pequenas que têm que tomar conta de si mesmas sozinhas. Quando nós distribuímos comida e roupa, são também as meninas que ganham primeiro conta Naphtal, líder da AOCM Rwanda.indd

13 Janvier está so O pai de Janvier e sua irmã foram assassinados no genocídio de Alguns anos depois, a mãe dele morreu em um acidente de carro. Desde então, ele mora nas ruas da capital Kigali. Milhares de crianças órfãs em Ruanda vivem como Janvier. Janvier está cansado e com fome. Ele passou o dia no estacionamento ao lado da estação de ônibus, como costuma fazer. Janvier vai de carro em carro, estende a mão e diz: - Será que vocês podiam me ajudar? Eu preciso de dinheiro para comer... Mas hoje ninguém tinha dinheiro para lhe dar. Assim é quase todo dia. Peço ajuda a todos, afinal todos parecem ter mais dinheiro do que eu. Alguns deles são bonzinhos, mas a maioria deles é má. Eles não me dão nada e dizem que eu deveria voltar pro meu vilarejo e plantar verduras em vez de pedir esmolas. É muito injusto, pois não tenho nem vilarejo nem terra para plantar. Eu fico com raiva e me entristeço quando os adultos dizem isso.eu mesmo não quero viver assim, pedindo esmolas aos outros, mas como iria sobreviver de outra forma? diz Janvier. Papai foi assassinado Quando Janvier tinha apenas dois anos, seu pai e sua irmãzinha foram assassinados no genocídio. Desde aquele dia, nada mais foi fácil para ele. Minha mãe e eu tivemos muitas dificuldades sem o papai. Mamãe trabalhava duro na terra dos outros e conseguiu um dinheirinho para a gente se manter. Depois que cresci, tentei ajudá-la ao máximo possível. Eu ia buscar água, lavava os pratos e fazia muitas outras coisas. Eu amava minha mãe de verdade! Mesmo sem muito dinheiro, ela pagou minha escola para que eu pudesse fazer a primeira e segunda séries. Mas, um dia, aconteceu aquilo que não podia acontecer. A mãe de Janvier morreu em um acidente de carro, e de repente ele ficou sozinho. Eu chorei muito. Eu estava com medo e morria de saudades dela. Não tinha ninguém pra tomar conta de mim e eu não tinha a menor idéia do que fazer pra sobreviver. Onde é que eu ia arrumar comida? Onde é que eu ia morar? Forçado a deixar a escola Janvier não tinha dinheiro, por isso ele teve que deixar a escola que ele tanto amava. Depois disso, não demorou muito para que ele fosse forçado a sair da casa onde morava e acabar nas ruas. Desde aquele dia, ele sobrevive pedindo esmolas no centro da cidade. Começa de manhã cedo e vai até à noite. Todos os dias. Eu não sei por quanto tempo fico aqui, mas eu odeio viver assim. A única coisa que eu quero é voltar para a escola, mas isso é impossível. Quem vai pagar minha escola? Quem vai comprar meu uniforme e meus livros? Eu não tenho ninguém para me ajudar. São quase sete horas, o sol começa a desaparecer por trás das montanhas de Kigali. Ninguém deu dinheiro a Janvier hoje. Ele tenta uma última rodada perto dos carros, mas desiste logo. Ele já não tem mais forças. Mora nas calçadas Janvier deixa o estaciona- Janvier Tuyishimire, 13 Mora: Nas ruas de Kigali. Adora: Jogar futebol. Odeia: Quando os adultos batem nas crianças. O pior que lhe aconteceu: Quando mamãe e papai morreram. Deseja ser: Um homem de negócios bem sucedido. Sonho: Ter uma casa e um carro bonito. 54 Rwanda indd

14 ozinho Crianças pobres apanham Muitas noites na eu vou dormir sem ter comido nada o dia todo. Mas não importa quanta fome eu tenha, eu nunca iria roubar comida ou dinheiro. Se o povo te pega, te bate até morrer. Eu já vi várias crianças que vivem nas ruas apanharem muito dos adultos, até mesmo da polícia, por estarem roubando. Eu acho isso errado. Crianças pobres que vivem nas ruas, não têm culpa de roubarem. Elas estão com fome. mento e vai em direção do semáforo no cruzamento onde ele costuma dormir. Muitos estão voltando do trabalho para suas casas. Em todos os lugares, entre carros e camelôs, movem-se pequenas gangues de crianças que vivem nas ruas. Mas Janvier está sozinho. Ele fica assim quase sempre. É melhor ficar sozinho, pois têm sempre umas brigas rolando. Muitas das crianças que vivem nas ruas cheiram cola para esquecer que seus pais foram mortos, e se tornam violentas. Todos querem mostrar que são os mais fortes e que são os chefes da gangue. Quando Janvier chega ao semáforo, ele pega um pedaço de papelão que escondeu lá. Ele se senta no papelão e se encosta no poste. Esta é sua casa. E,logo mais, ele vai se deitar e tentar dormir. Eu deito junto do semáforo porque a luz fica acesa a noite toda. Os rapazes maiores da rua vêm em cima de nós menores e tomam nosso dinheiro. Já aconteceu, muitas vezes, de eles me chutarem e me baterem e depois levarem aquilo que eu consegui durante o dia. Mas aqui perto do sinal, outras pessoas podem ver, se eles tentarem me machucar. Sozinho Janvier não tem cobertor, todas as noites ele sente muito frio deitado na calçada. Aí vem os duros pensamentos. Ele sabe que não tem futuro, afinal de contas não está na escola. Ele também sabe que jamais vai querer ter uma família nem ter filhos, pois morre de medo que eles terminem na rua, na mesma situação difícil que ele está. Muitas vezes quando me sinto deprimido e sozinho me lembro de meu pai, minha mãe e minha irmã que estão mortos. Eu tenho muita saudade deles. Mas eu tento sair dessa e parar de pensar. Não adianta. Minha mãe e meu pai jamais vão voltar para mim, não importa o quanto eu pense neles. Ajudem as crianças nas ruas Nós queremos que as crianças órfãs que vivem nas ruas sejam ajudadas e possam ir à escola-diz Naphtal, líder da AOCM. A UNICEF, órgão da ONU, crê que 7000 crianças vivem nas ruas em Ruanda. TEXTO: ANDREAS LÖNN FOTO: MARK VUORI Rwanda.indd

15 Jean-Claude é órf Jean Claude sabe que recebeu uma oportunidade que muitos órfãos em Ruanda apenas sonham. Se a AOCM não tivesse me ajudado, eu teria terminado nas ruas e nunca teria a chance de ir à escola diz ele. Hoje, Jean Claude toma conta de seus dois primos mais novos: Eric e Gloriose. Eles são uma família e a AOCM os ajuda. Jean-Claude Habineza, 14 Mora: Em Kigali com seus dois primos mais novos. Adora: Fred, Manchester United e a Mercedes-Benz. Odeia: A guerra e ficar sozinho. O pior que lhe aconteceu: Mamãe e papai terem sido mortos. O melhor que aconteceu: Quando o genocídio acabou. Quer ser: Mecânico de automóveis ou ministro da ação social. Sonha: Que todos as crianças órfãs do mundo tenham seus direitos respeitados. A melhor rolha. Assim que é liberado, Jean Claude vai da escola para casa. Kigali tem muitas ladeiras e, geralmente, ele demora uma hora no trajeto.quando finalmente chega em casa, lá embaixo da ladeira, já são 14h30! Ele tem no máximo duas horas antes que seus primos Eric, 11 anos, e Gloriose, 12 anos, voltem da escola. Antes que isso aconteça, ele deve buscar água e começar a preparar a comida, ele está com pressa. Todos os dias da semana são assim. Jean Claude troca de roupa e põe uma camiseta e uma bermuda, depois vai buscar o balde amarelo de dez litros. Eles não têm água encanada, por isso ele tem de subir até a torneira do bairro. Demora meia hora para ir e voltar. No caminho de volta, ele traz o balde na cabeça. É muito pesado. Assim que chega em casa, Jean Claude acende o fogo e começa a ferver a água. Ao mesmo tempo, ele prepara o feijão e as bananas d água que comprou no mercado, ontem. Perdeu sua família Finalmente a comida começa a borbulhar na panela e Jean Claude se dá por satisfeito: Ele conseguiu hoje também! Oi pessoal! Tudo bem? Gloriose e Eric acabaram de aparecer. Jean Claude sorri. Nada o faz mais feliz do que ver seu irmãozinho e irmãzinha. Ele os chama assim, mesmo eles sendo primos, porque é assim que ele se sente com Eric e Gloriose. Jean Claude jamais vai esquecer do dia em que ele Jean Claude prepara as bananas d água. 56 Rwanda indd

16 fão e pai Manchester United é o melhor! Antes eu jogava futebol, mas depois do acidente de carro, eu manco um pouco e sinto dores na minha perna quando me esforço muito. Mas eu escuto muito rádio e tento acompanhar os times. Eu adoro futebol e o Mancehester United é meu time favorito. descobriu que os dois existiam. Foi o dia mais feliz de sua vida. Antes disso, a vida era dura, injusta e solitária: Minha mãe, meu pai e meu irmão mais velho foram assassinados no genocídio de Todos desapareceram e fiquei sozinho. Eu só tinha três anos na época. Alguém pode dizer que eu tive sorte, pois o tio de meu pai conseguiu me salvar. Nós escapamos pelo rio Akanyaru para o país vizinho, o Burundi, onde eu fui levado para um campo de exilados para crianças que tinham fugido de Ruanda. Depois de seis meses nos colocaram em vários ônibus de volta para casa. Eu me lembro que todos os ônibus estavam cheios de crianças. Quando chegamos em Ruanda, fomos levados para Ouça Munyanshoza Dieudonné no site uma enorme casa para crianças que tinham perdido os pais no genocídio. Novos desastres Nos primeiros momentos, eu vivia esperando que a minha mãe viesse me buscar. Mas ela nunca veio. Depois de dois anos, eu compreendi que ela jamais viria. Eu entendi que ela também fora assassinada. Mas quando Jean Claude tinha 11 anos, tendo morado quase sete anos no orfanato, aconteceu algo que lhe deu nova esperança. Minha tia Léocadie, que também tinha sobrevivido, conseguiu me encontrar e queria que eu fosse morar com ela. Claro que eu queria! Ela me amava muito e me tratava como seu próprio filho. Parecia Meu bem favorito Eu adoro meu rádio! Todas as noites, eu escuto as notícias e as estórias, porém, mais que tudo eu gosto de ouvir música. Meu artista favorito é Munyanshoza Dieudonné, ele também sobreviveu o genocídio. Ele canta muito sobre as coisas terríveis que aconteceram, mas também sobre o amor e uma Ruanda melhor, cheia de paz. A família AOCM Hoje Ange e Pamela vieram almoçar com Jean Claude e seus primos. Vamos dividir o pouco que temos. Depois é nossa vez de comer com outras pessoas. É assim que funciona na AOCM. Todos os membros são pobres, mas nós tentamos ajudar uns aos outros o máximo possível. Quando nós não temos dinheiro nem comida, os outros órfãos dividem o pouco que têm conosco. Se alguma coisa grave acontece, ou se Eric e Gloriose fi c a r e m d o e nte s, e u p e ç o ajuda a Naphtal ou aos outros líderes. Desse modo, eu sempre consigo algum dinheiro para remédios ou para irmos ao hospital. Eu também vou às reuniões da AOCM três vezes por mês. Ali, nós tentamos encorajar uns aos outros a continuar com a vida, apesar de tudo que aconteceu. Nas reuniões, nós também contamos se estamos precisando de ajuda com dinheiro ou qualquer outra coisa. Não nos sentimos sozinhos, pois todos temos os mesmos problemas. Somos como uma família, não sobreviveríamos sem os outros conta Jean Claude. 57 Rwanda indd

17 que TEXTO: ANDREAS LÖNN FOTO: MARK VUORI Fazendo as lições à luz de vela. Jean Claude ajuda seus primos Gloriose e Eric o máximo possível. eu havia encontrado uma nova mãe! Agora parecia que a vida, finalmente, ia ser boa de novo. Mas, mal tinha Jean Claude morado um ano com Léocadie, um acidente aconteceu. Minha tia tinha problemas na visão e um dia, quando voltávamos do oftalmologista, o taxista perdeu o controle da caminhonete. Ele bateu de frente de uma árvore e minha tia morreu na hora. Eu feri gravemente a perna e passei seis meses no hospital. Uma nova família A AOCM tinha construído 58 a casa onde Jean Claude morava com sua tia antes do acidente. Quando ele saiu do hospital pode morar lá inteiramente de graça. Mas Jean Claude tinha perdido a vontade de viver. A vida parecia sem sentido e injusta. Eu só queria morrer. Mas um dia, uma das vizinhas me contou que dois de meus primos mais novos ainda estavam vivos e moravam num orfanato. Primeiro, eu não acreditei que fosse verdade. Mas depois fiquei super feliz, pois pensava que estava completamente sozinho! Eu tinha morado no orfanato e sabia como era. Mesmo que você tenha comida, um lugar pra morar ou até mesmo possa ir à escola, ainda existe aquele sentimento de que alguma coisa está faltando. Eu estava cansado de viver sozinho e eu queria dar ao Eric e a Gloriose uma chance de ter uma família de verdade. A AOCM prometeu ajudar Jean Claude a tomar conta de seus primos e ele tomou o ônibus para o orfanato. Ele contou para o diretor que Eric e Gloriose eram seus primos e que ele queria que eles fossem morar com ele em Kigali. O diretor concordou e meus primos ficaram muito felizes! Desde então, nós somos uma família. Estamos morando juntos 3 três anos e eu os amo. Um futuro Quando Jean Claude, Eric e Gloriose terminam de comer, já começa a anoitecer. Jean Claude acende uma vela e a coloca na mesa. Eles batem papo, riem baixinho, mas também dão gargalhadas. Depois de um tempinho, Gloriose e Eric trazem Rwanda indd

18 Jean Claude lava roupas nos finais de semana. Tenta ser um pai Na maioria das vezes, estamos muito bem. Mas alguns dias são muito difíceis. Começamos a pensar sobre por quê nossos pais foram mortos e coisas desse tipo. Eric e Gloriose fi cam muito tristes e choram em dias como estes. Eu tento consolá-los sem mostrar que também estou triste. Mas, às vezes, eu me tranco em um outro quarto e choro quando eles não estão vendo. Eu também tenho saudade de minha mãe e de meu pai...muita saudade. Eu gostaria de ter pais como qualquer outra criança. Os pais podem dar tudo de bom para uma criança. Carinho, amor e um senso de que ela é parte de um lar em algum lugar. Eu tento fazer com que Eric e Gloriose tenham tudo isso. Isto é a coisa mais importante para mim diz Jean Claude. Nós somos uma família Eu amo Jean Claude. Ele veio nos buscar e agora nós somos uma família. À noite, quando terminamos nossas lições, costumamos sentar, dizer charadas, contar estórias e brincadeiras uns para os outros. Nós rimos muito e eu me sinto bem- diz Gloriose. Aqui está uma de minhas adivinhações: Quem anda sempre falando consigo mesmo? Resposta no fi nal da página. seus livros e começam a fazer a lição de casa. Jean Claude os ajuda o quanto pode. Ele decidiu que, enquanto viver, vai fazer todo o possível para que eles continuem indo à escola. Eu tenho uma responsabilidade muito grande, pois sou a única pessoa que eles têm. Eu tenho que me esforçar muito para fazer todas as coisas. Fico cansado na maioria das vezes, pois estou estudando e tomo conta de uma família. Nos finais de semana, lavo roupa e faço outras coisas em casa, quase nunca tenho uma folga nesses dias. Mesmo a minha vida sendo dura, sei que eu tenho uma oportunidade que os outros órfãos de Ruanda apenas sonham em ter. Se a AOCM não tivesse me ajudado eu teria terminado nas ruas e jamais teria a chance de ir à escola. As crianças que vivem nas ruas e não estão na escola irão sempre sofrer pra sobreviver. Agora sinto que eu e meus irmãos temos um futuro. Aqui vai um provérbio que eu aprendi: O passarinho que não tem coragem de voar, nunca vai saber onde o sorghum* mais gostoso cresce. * Sorghum é um tipo de cereal, comum em Ruanda. Resposta da adivinhação: A língua! Rwanda.indd

19 TEXTO: ANDREAS LÖNN FOTO: MARK VUORI Jean-Claude sonha ser Ministro da Aç O maior sonho de Jean Claude é ter um Mercedes azul e se tornar ministro da ação social para ajudar crianças órfãs. Jean Claude está deitado, mexendo em um dos carros velhos da oficina da escola. Há uma semana, ele contraiu malária e por dois dias, não teve forças para ir à escola. Ele está feliz por estar de volta. Eu adoro a escola. Quando eu estou aqui, aprendo várias coisas importantes para o futuro. Mas eu acho divertido também! Por algumas horas eu esqueço de tudo de ruim que aconteceu e não me preocupo com o futuro. Eu trabalho somente com os carros que mais gosto. Meu carro favorito é o Mercedes- Benz. Não importa qual o modelo, apenas que seja azul diz Jean Claude e ri. A classe de Jean Claude tem 45 alunos, e todos estão na oficina trabalhando com motores e carros nessa aula. Para Jean Claude, as horas passam rápido demais. Ele mal começou a trabalhar em seu carro e um dos professores já está chamando: Descansem um pouco antes da aula de teoria mecânica, rapazes! Jean Claude se levanta e limpa a sujeira de seu macacão. Ele vai ao pátio da escola, junto com os outros, mas queria mesmo era ter ficado na oficina trabalhando. Ele é muito grato à AOCM por ter lhe dado uma chance de ir à escola, e ele quer aprender o máximo possível lá. Para mim seria impossível ir à escola se a AOCM não me ajudasse com as mensalidades escolares. Toma conta de si mesmo O curso de mecânica dura dois anos, e quando Jean Claude terminar a escola, ele poderá trabalhar como mecânico de automóveis, se quiser. Fui eu mesmo quem decidiu por este curso técnico. Para mim, ele é perfeito por várias razões. Os dias de aula são mais curtos aqui do que em escolas normais, assim eu tenho tempo de correr para casa e tomar conta de Eric e Gloriose. O curso em si mesmo é bem curto e eu ainda aprendo uma profissão. Se eu tiver sorte, vou conseguir emprego rápido e ter meu próprio dinheiro. Eu quero poder tomar conta de minha família sem ter que sempre 60 Rwanda indd

20 Tentando uma amizade Nós temos tutsis e hutus na minha sala de aula. Nós tentamos ser amigos apesar de tudo que aconteceu, mas não é tão fácil. Às vezes, tenho a impressão de estarmos apenas fingindo. Eu tenho medo de que aquilo que aconteceu em 1994 possa acontecer de novo, pois ainda não somos amigos de verdade diz Jean Claude. ção Social pedir ajuda a alguém. Eu me envergonho de ficar pedindo ajuda todo dia e me sinto pequeno, de alguma maneira. Se eu conseguir um emprego, vai ser muito mais fácil para Eric e Gloriose terem uma vida melhor. Talvez, no futuro, eles possam até entrar na universidade! A única coisa que Jean Claude acha ruim em seu curso é que eles não estudam nenhum outro assunto além daqueles relacionados com carros e técnicas. Eu acho que é importante aprender outras coisas também, por exemplo, como o mundo é, história e coisas desse tipo. Eu costumo pedir emprestado livros de história e geografia de outros colegas que são de uma escola comum, e os leio à noite, antes de dormir. Sempre que posso eu tento ler jornais, pois eu quero estar por dentro do que acontece em Ruanda e nos outros países. Eu sou bastante interessado nessas coisas e, mesmo estudando para ser mecânico, o que eu gostaria mesmo de ser é Ministro da Ação Social de Ruanda. Assim eu poderia ajudar os órfãos a ter comida suficiente, um lugar para morar e uma escola. 600 menores recebem apoio Nós acreditamos que a escola é a coisa mais importante que existe, para que alguém venha a ter uma boa vida. Agora mesmo, estamos apoiando economicamente 600 crianças e adolescentes, para que eles possam ir à escola. Isto desde o ensino fundamental até à escola técnica profi ssinonalizante e à universidade. Nós tentamos ajudar com as mensalidades escolares, transporte de ida e volta à escola, uniforme escolar e, algumas vezes, até com material escolar, como livros, cadernos e canetas. Entre aqueles que ajudamos, estão 146 adultos que foram forçados a deixar a escola por causa do genocídio de Nós lhes damos uma chance de completar o ensino fundamental. No momento, não temos dinheiro para ajudar mais de 600 alunos, mas ajudamos muitos outros de outras maneiras. Nós queremos ser os pais que essas crianças perderam, tentamos fazer aquilo que seus pais fariam se estivessem vivos. Se uma criança apresenta difi culdades na escola e começa a faltar, por exemplo, nós a visitamos e tentamos descobrir o que há de errado. Encorajamos a criança a continuar na escola, mesmo estando difíceis com todas as difi culdades. Chegamos a visitar até mesmo outras escolas e conversamos com os professores, se for necessário, para que as crianças possam voltar a estudar. Naphtal Ahishakiye, líder da AOCM 61 Rwanda indd

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Ilustrações: Santiago Arte: www.espartadesign.com.br Contatos

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias Ideionildo E a Chave Azul Robson Dias Pelo Espírito Vovó Amália Livrinho da Série - As Histórias Que a Vovó Gosta de Contar (http:\www.vovoamalia.ubbi.com.br - Distribuição Gratuita) - A venda deste produto

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16 Super é o meu primeiro livro escrito inteiramente em São Paulo, minha nova cidade. A ela e às fantásticas pessoas que nela vivem, o meu enorme obrigado. E esse livro, como toda ficção, tem muito de realidade.

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

ESCOLA SEMIPROFISSIONALIZANTE GRALHA AZUL DE SÃO JOÃO- PARANÁ O MEU JEITO DE MUDAR O MUNDO

ESCOLA SEMIPROFISSIONALIZANTE GRALHA AZUL DE SÃO JOÃO- PARANÁ O MEU JEITO DE MUDAR O MUNDO ESCOLA SEMIPROFISSIONALIZANTE GRALHA AZUL DE SÃO JOÃO- Vemos que o mundo está sofrendo e as pessoas e nós poluímos o Planeta Terra e nós temos que ajudar e não poluir os rios os lagos as ruas e as encostas

Leia mais

Lição. Versículo Bíblico "Seja forte e corajoso". Josué 1:7 (NVI)

Lição. Versículo Bíblico Seja forte e corajoso. Josué 1:7 (NVI) FRUTOS-1 Descoberta Lição 12 4-6 Anos C rescimento e Mutualidade são os "Frutos" enfatizados para as crianças de 4 a 6 anos nesse currículo. Nós começamos aprendendo que a Bíblia é o melhor livro da Terra

Leia mais

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope A Vida Passada a Limpo Ayleen P. Kalliope 2011 Este livro é dedicado ao meu querido filho, Pedro Paulo, que ao nascer me trouxe a possibilidade de parar de lecionar Inglês e Português, em escolas públicas

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012.

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. MALDITO de Kelly Furlanetto Soares Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. 1 Em uma praça ao lado de uma universidade está sentado um pai a

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

Canadá. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a nossa história e descubra...

Canadá. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a nossa história e descubra... Canadá Você sabia que... Os indivíduos e as comunidades têm o direito a exprimir as próprias opiniões e a participar, com os governos locais, na tomada de decisões e ações que afetem o seu direito à alimentação.

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente De todas as cores Eu sempre ouço dizer Que as cores da pele são diferentes Que uns são brancos Outros negros e amarelos Mas na verdade Há outras cores na pele dessa gente Tem gente que fica branca de susto

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

Memórias do papai MEMÓRIAS DO PAPAI

Memórias do papai MEMÓRIAS DO PAPAI MEMÓRIAS DO PAPAI 1 2 PREFÁCIO 1 - O PESADELO 2 - A MAMADEIRA 3 - O SHORTS 4 - O IMPROVISO 5 - SOLITÁRIO 6 - A TURMA A 7 - PRIMEIRAS IMPRESSÕES 8 - A TABUADA 9 - O MAU JOGADOR 10 - ARREMESSO DE DANONE

Leia mais

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Projeto Gráfico Ilustra Online Revisão Trisco Comunicação Uma história de amor pelo nosso planeta. Coordenação Editorial Ler é Fundamental Produções e Projetos

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Mamãe, princesa, papai, jogador

Mamãe, princesa, papai, jogador Capítulo 1 Mamãe, princesa, papai, jogador Com relação aos pais acontece a mesma coisa que com o clima. Não os escolhemos. Gostando ou não, eles estão aí e não faz sentido algum reclamar. Para ser sincero,

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

Escrito por WEBMASTER Douglas Ter, 25 de Setembro de 2012 10:07 - Última atualização Ter, 25 de Setembro de 2012 10:09

Escrito por WEBMASTER Douglas Ter, 25 de Setembro de 2012 10:07 - Última atualização Ter, 25 de Setembro de 2012 10:09 BÃO OCÊ QUERIA O QUE, SALÁRIO PRESIDIARIO R$ 960,00 REAIS PROS BANDIDO, TRAFICANTE, ESTRUPADOR E ASSASINOS E UM PAI DE FAMILIA TRABALHADOR UM SALARIO MINIMO DE R$ 622,00 REAIS, AI JA É MAIS DA CONTA, ACHO

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

O Livro de informática do Menino Maluquinho

O Livro de informática do Menino Maluquinho Coleção ABCD - Lição 1 Lição 1 O Livro de informática do Menino Maluquinho 1 2 3 4 5 6 7 8 Algumas dicas para escrever e-mails: 1. Aprender português. Não adianta fi car orgulhoso por mandar um e-mail

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Perdão. Fase 7 - Pintura

Perdão. Fase 7 - Pintura SERM7.QXD 3/15/2006 11:18 PM Page 1 Fase 7 - Pintura Sexta 19/05 Perdão Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

Cartilha das Brincadeiras

Cartilha das Brincadeiras Cartilha das Brincadeiras Amarelinha (academia, escada, macaca, sapata) Primeiro desenhe no chão um diagrama como este aí ao lado. Quem for jogar fica no inferno e lança uma pedra, mirando no número 1.

Leia mais

Segunda-feira, dia 04 de maio de 2015

Segunda-feira, dia 04 de maio de 2015 Segunda-feira, dia 04 de maio de 2015 Pousamos no pequeno aeroporto de Katmandu um pouco depois das 6 da manhã. Apenas três aviões cargueiros estavam no aeroporto e poucas caixas com produtos para a população.

Leia mais

Subsídios para datas comemorativas

Subsídios para datas comemorativas Subsídios para datas comemorativas CLBRANDO A FAMÍLIA NO DIA DAS MÃS Hoje o conceito de família mudou bastante. O papel da mãe pode ser exercido pelo pai, avó, um parente ou outra pessoa. Há uma mudança

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre 1 Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre paraplégico, cortando-o ao meio, assim como a sua cadeira

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Alguma vez você já se viu em alguma situação assim embaraçosa?

Alguma vez você já se viu em alguma situação assim embaraçosa? Primeiro eu gostaria de saber.. eh se você tem namorado? Namorado, tenho não. Já tive muito mais agora faz treis meses que eu moro com um rapaz é um argentino qui qui primeiro quando eu conheci estava

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

Olá. Esta é minha casa em São Miguelito. São Miguelito é uma pequena cidade com cerca de 50 ou 60 famílias. A cidade tem uma escola, um campo de futebol e algumas igrejas, mas não tem um centro, como a

Leia mais

Fundo de palco Em um dos lados do palco Do outro lado Ao centro, ao fundo A performance

Fundo de palco Em um dos lados do palco Do outro lado Ao centro, ao fundo A performance Roteiro Fundo de palco, 4 pallets dispostos. Atrás deles, personagens das obras literárias a serem mencionadas. Também ao fundo, num telão, está projetado um painel com imagens da guerra. Esse painel tem

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

Colocar uma música calma infantil para preparar o ambiente para a prece. O aparelho de som está no armário baixo, onde fica a TV.

Colocar uma música calma infantil para preparar o ambiente para a prece. O aparelho de som está no armário baixo, onde fica a TV. Plano de Aula Faixa etária: Maternal/Jardim Plano de Aula : Amor ao Próximo Faixa etária : Jardim de Infância Preparativos iniciais : Recursos didáticos utilizados Início : 10 :30h Colocar uma música calma

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates 1º ano do Ensino Fundamental I O que você gosta de fazer junto com a sua mã e? - Dançar e jogar um jogo de tabuleiro. - Eu gosto de jogar futebol

Leia mais

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #6 Eu Posso com a s fazer próprias justiça mãos? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES 1ºC - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

Só consegui chegar agora e já são três e meia da tarde. Acho que essa

Só consegui chegar agora e já são três e meia da tarde. Acho que essa CAPÍTULO UM LORRAINE Só consegui chegar agora e já são três e meia da tarde. Acho que essa manhã a igreja demorou mais que o normal, e eu não vim direto para casa, como costumo fazer. Althea estava decidida

Leia mais

USO DE DEDOCHES NO REPASSE DAS RECOMENDAÇÕES DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA CRIANÇAS

USO DE DEDOCHES NO REPASSE DAS RECOMENDAÇÕES DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA CRIANÇAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE USO DE DEDOCHES NO REPASSE DAS RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV DINO - Divulgador de Notícias Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV Marcos Tolentino conta sua trajetória e revela como o filho de um vendedor de carros

Leia mais

Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos

Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos por Por Dentro da África - quarta-feira, julho 29, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/brasileira-percorre-7-mil-quilometros-para-contar-historias-derefugiados-africanos

Leia mais