Qualidade e Confiabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade e Confiabilidade"

Transcrição

1 Qualidade e Confiabilidade DEFININDO A QUALIDADE E CONFIABILIDADE ATINGINDO A QUALIDADE E CONFIABILIDADE PROJETANDO A QUALIDADE E CONFIABILIDADE NOS PRODUTOS CRIANDO A QUALIDADE E CONFIABILIDADE NOS PRODUTOS REDUZINDO O CUSTO ATRAVÉS DA CONFIABILIDADE

2 CARTA DO VICE-PRESIDENTE DE QUALIDADE A SEL introduziu o primeiro relé digital do mundo em 1984, revolucionando a indústria de proteção elétrica ao oferecer a localização de faltas e outros recursos inexistentes nos antigos sistemas eletromecânicos. Nos anos que se seguiram, desenvolvemos uma linha completa de produtos para proteção, automação, medição e comunicação, criando sistemas de energia elétrica seguros e confiáveis. Temos trabalhado há mais de 27 anos estreita e atentamente junto aos nossos clientes para cumprir nossa missão de tornar a energia elétrica mais segura, mais confiável e mais econômica. A SEL é 100% detida por funcionários, proporcionando à empresa a estrutura e a propriedade individual necessária para crescer e oferecer um compromisso duradouro com a nossa indústria, clientes, funcionários e comunidade. Levamos o nosso compromisso com a qualidade muito a sério, como exigido pela aplicação dos nossos produtos em missões críticas. A garantia de nossos produtos é de 10 anos em todo o mundo e reflete não apenas nosso compromisso, mas também demonstra a qualidade e o valor que entregamos. O Sistema de Gestão da Qualidade da SEL é certificado pela Organização Internacional para Padronização (ISO) 9001:2008, Requisitos do Sistema de Gestão da Qualidade. Esta certificação comprova que os nossos processos críticos de projeto, produção e negócios atendem aos exigentes requisitos desta norma reconhecida internacionalmente. Liderança em qualidade máxima é a principal prioridade da SEL. Nossas exigentes práticas de projeto incluem selecionar os melhores componentes da qualidade, projetar com simplicidade e ampla margem operacional, além de realizar testes de qualificação a fim de atender e exceder os padrões de desempenho nacionais e internacionais. Nossos processos de produção cumprem a norma IPC-A-610, Classe 3, para produtos que exigem alta confiabilidade, tais como os utilizados em sistemas aeroespaciais. Nosso compromisso com projetos de produtos de qualidade, aliado às nossas áreas de produção e processos de controle de qualidade, resulta em produtos tecnologicamente superiores com o melhor desempenho e confiabilidade no campo da nossa indústria. O compromisso da SEL com a qualidade inclui não apenas o projeto e fabricação do produto, mas também prevê o melhor atendimento ao cliente e suporte técnico gratuito do setor. Através do foco incessante nas expectativas do cliente e na melhoria contínua, os funcionários da SEL atingem níveis cada vez mais altos de qualidade, entrega e desempenho do serviço. Convido vocês a observarem essas práticas de qualidade e confiabilidade em ação em nossas instalações. Na SEL, cumprir nossa missão e buscar a melhoria contínua é um esforço de toda a empresa. Atenciosamente, Ronald A. Schwartz Vice-Presidente de Qualidade

3 DEFININDO A QUALIDADE E CONFIABILIDADE O Sistema de Gestão da Qualidade da SEL é resultado do propósito que definimos e dos nossos valores. O objetivo da SEL é tornar a energia elétrica mais segura, mais confiável e mais econômica. Tudo o que fazemos é medido e comparado com esta declaração para assegurar que as nossas ações permaneçam em curso. Nossos valores também orientam nossas ações e nos levam a melhorar continuamente a qualidade em cada área da nossa empresa, desde o desenvolvimento de produtos e sua produção até as operações comerciais, suporte técnico, atendimento ao cliente, recursos humanos, segurança e gestão ambiental. A tabela abaixo descreve alguns destes valores e as ações relacionadas à qualidade que eles nos levam a tomar. VALOR Qualidade Foco no Cliente Disciplina Integridade Propriedade GUIA DE AÇÕES PARA A QUALIDADE Identificar, medir e melhorar processos. Trabalhar com o espírito de melhoria constante. Liderar em preço, qualidade, recursos, inovação, entrega e serviços. Assumir e cumprir. Fazer propostas claras aos nossos clientes e exceder as suas expectativas. Assumir responsabilidade. Compartilhar a nossa experiência para termos sucesso. Aceitar a responsabilidade pela qualidade do trabalho. Nunca comprometemos nossos valores em função de ganho financeiro ou conveniência à prazo. A gerência executiva da SEL reforça esses valores regularmente através de reuniões semanais com toda a empresa. Esses mesmos valores têm nos orientado desde a fundação da empresa em Buscamos o feedback de auditores da qualidade externos para melhorar continuamente nossos processos.

4 O que é qualidade? Na SEL, qualidade significa que um produto ou serviço esteja em conformidade com a sua especificação publicada (qualidade de conformidade) e atenda ou exceda as expectativas do cliente (qualidade percebida). Nossos produtos devem atender esses dois critérios, portanto, medimos e avaliamos continuamente nossos processos de projeto e fabricação para garantir que sempre produzam não apenas os resultados especificados, mas também os resultados esperados pelos nossos clientes. A qualidade na SEL não é estática. Trata-se de um nível de desempenho mensurável expresso como percentual de unidades não-conformes em um processo de produção ou em defeitos por milhão (DPM). Esta medição da qualidade está em constante aperfeiçoamento, em consonância com a nossa política de qualidade: Identificamos, medimos e melhoramos nossos processos. Esta política descreve nosso compromisso com a melhoria contínua e incessante do desempenho através dos nossos processos. Para implementar esta política usamos um modelo de gerenciamento de processos. NÃO A SEL implementa sua política de qualidade com o Modelo de Gerenciamento de Processos da SEL. Definir Requisitos Identificar o Processo Implementar o Processo Medir o Processo SIM Resultados Aceitáveis Melhorar o Processo Identificar, medir e melhorar processos requer a aceitação da responsabilidade individual pela qualidade do nosso trabalho e a identificação da causa raiz de todos os problemas. Cada área da SEL têm medições operacionais que os funcionários monitoram e usam para tomar decisões todos os dias. Os processos da SEL garantem a aplicação da qualidade durante todo o tempo de desenvolvimento dos produtos SEL, desde o conceito inicial até a produção. Um produto de qualidade atende as atuais necessidades dos clientes, funciona conforme projetado para sua aplicação e cumpre a especificação de forma confiável durante sua longa vida útil. O que é confiabilidade? Confiabilidade é a probabilidade de um produto cumprir sua função específica durante um determinado período de tempo em um ambiente definido. A confiabilidade é geralmente expressa em termos de taxa de falhas, que é o coeficiente entre o número de falhas observadas em um período de tempo dividido pelo tempo total de operação da unidade. A confiabilidade também pode ser expressa como o tempo médio entre falhas (MTBF - Mean Time Between Failures), que é o coeficiente entre o tempo total de operação da unidade dividido pelo número de falhas observadas em um período de tempo. Para proteção do sistema elétrico e dos produtos de comunicação, maior confiabilidade significa maior disponibilidade do sistema e menos retiradas de operação por ano devido a falhas. O desempenho confiável também minimiza os gastos com manutenção e garante que os clientes nunca percebam uma falha.

5 ATINGINDO A QUALIDADE E CONFIABILIDADE Identificando o Desempenho do Produto com o Feedback do Cliente Usamos o feedback dos clientes para auxiliar nossos esforços de exceder as expectativas dos nossos clientes. Nossa garantia de produto de dez anos em todo o mundo incentiva os clientes a informar sobre o desempenho do produto. Usamos este feedback para tornar nossos produtos mais robustos, mais econômicos e mais fáceis de usar. Garantia SEL de dez anos em todo o mundo Investigamos cada unidade devolvida para reparo, identificamos a causa raiz, monitoramos as tendências e implementamos ações corretivas para impedir a recorrência. Todos os produtos SEL são apoiados pela nossa excepcional e inquestionável garantia de produto de dez anos em todo o mundo, com exceção somente para os indicadores de falhas, que são garantidos por cinco anos. Esta garantia é a melhor da indústria. Embora nossa garantia de produto seja válida por dez anos, nós nunca cobramos um cliente por reparo de produtos, independentemente da causa da falha, mesmo se o produto tiver sido danificado por sobretensão elétrica ou física. A garantia de produto SEL de dez anos em todo o mundo é prova da nossa confiança na qualidade dos produtos que fabricamos seguindo os mais rigorosos padrões da indústria. Esta garantia e a nossa prática de reparos incentivam os clientes a reportar os problemas e devolver os produtos para nós, de modo que possamos aprender com esses problemas e melhorar. Os produtos devolvidos para reparo vão para o nosso Hospital de Produtos, onde técnicos trabalham rapidamente para diagnosticar os problemas e sua causa raiz em até 72 horas e documentar todos os problemas encontrados e serviços prestados. Feedback de Clientes Reportam o Desempenho do Produto A SEL valoriza o feedback do cliente e usa este processo para levantar informações valiosas sobre as expectativas dos clientes e a capacidade dos nossos produtos de atender essas expectativas. O processo também garante uma abordagem imediata e completa das considerações do cliente e a determinação da causa raiz. Registramos, acompanhamos e analisamos os feedbacks dos clientes e as informamos a todos os funcionários da SEL semanalmente. De acordo com o nosso foco no cliente e valores de propriedade, qualquer funcionário da SEL pode reportar falhas com um produto ou serviço SEL ou não receber o que a SEL se comprometeu a entregar. Um representante do atendimento ao cliente gerencia esta informação, garantindo que o problema do cliente seja resolvido imediatamente, e faz um acompanhamento para assegurar que o cliente fique satisfeito com a solução oferecida. Nosso objetivo é resolver imediatamente as falhas e atingir a satisfação do cliente no que diz respeito a todas as considerações feitas por nossos clientes. A SEL usa o processo de feedback do cliente não apenas para resolver os problemas, mas também para identificar oportunidades para melhoria.

6 Medindo o Desempenho do Produto com os Dados Observados Alguns fabricantes descrevem a qualidade do produto indicando uma projeção de confiabilidade com base na contagem de componentes. Embora este método seja útil como comparação de modelos de produtos, muitas vezes ele não se correlaciona com o desempenho em campo. A SEL mede a qualidade e confiabilidade observada dos produtos SEL usando dados reais provenientes das devoluções e reparos dos produtos. A SEL acompanha o produto pelo número de série, por isso conhecemos nossa base instalada. Usamos estas informações juntamente com o nosso histórico de reparos para calcular e acompanhar as seguintes medidas de desempenho de produto: Qualidade Inicial (IQ) A SEL calcula mensalmente a IQ do produto usando as falhas reportadas durante o primeiro dia de uso e o número de produtos entregues. IQ = Número de Falhas Observadas Durante o Primeiro dia de Operação Número de Produtos Entregues no Período de 1 mês O indicador IQ pode indicar falhas na entrada do pedido, acessórios ou documentos incorretos, danos durante o transporte ou desempenho do produto. Analisamos o IQ diariamente. Ao identificarmos um problema, nós o analisamos para identificar sua causa raiz e iniciar as ações corretivas coma finalidade de eliminar ou reduzir problemas futuros. Tempo Médio Entre Falhas (MTBF) A SEL calcula a confiabilidade do produto usando os dados observados. Usamos o número de produtos devolvidos pelos clientes para reparos e os nossos registros do número de produtos para calcular a confiabilidade do produto observada em termos do MTBF. MTBF = Número de Produtos em Operação Número de Falhas Observadas no Período de 12 Meses O MTBF é uma medida de falhas em hardware que podem ser um resultado do processo de fabricação ou defeito dos componentes. Esta medida não inclui atualizações no campo ou falhas induzidas pela aplicação (ou seja, falhas de hardware decorrentes da má aplicação do produto). Um MTBF de 400 anos significa que para cada 400 produtos em operação há um ano, um cliente pode esperar, em média, uma falha de hardware. A taxa de falhas anual é o inverso do MTBF, de modo que um MTBF de 400 anos pode ser interpretado como uma taxa de falha de 0,25% ao ano. Tempo Médio Entre Reparos (MTBR) O MTBR reflete o número de reparos de operação não programadas. A adição de firmware e falhas do tipo nenhum problema encontrado na medição do MTBF fornece uma quadro mais completo da experiência do cliente com os nossos produtos. Um MTBR d e a n o s significa que para cada 400 produtos em operação há um ano, um cliente pode esperar, em média, uma ou menos remoção de operação por ano.

7 Indicador de Manutenção (MI) A medição do MI inclui as ações de reparo contadas no MTBR, mais as ações de manutenção tomadas devido às atualizações de firmware ou hardware recomendadas pela SEL conforme indicadas na tabela abaixo. A SEL introduziu esta medição após examinar o que leva nossos clientes a agir para remover, reparar ou manter um produto SEL. CATEGORIA MTBF MTBR MI Erros de Hardware e Processos de Fabricação Erros de Firmware e do tipo Nenhum Problema Encontrado Manutenção Registrada Auditoria de Fabricação (OOBA) Usamos OOBAs para monitorar a qualidade contínua do produto antes de seu embarque. Auditores recolhem uma amostra dos produtos fabricados todos os dias. Eles realizam uma inspeção visual e verificam se os produtos funcionam e são fabricados de acordo com as especificações. Quaisquer erros encontrados são imediatamente informados aos supervisores de área para ação corretiva na fase de produção. A SEL também realiza uma OOBA durante a fase piloto de criação de cada novo produto. Criamos um novo produto, completo com todos os acessórios e manuais incluídos, exatamente como seria embarcado para um cliente. Em seguida, realizamos uma nova auditoria para validar os novos processos. A auditoria de fabricação verifica a qualidade do produto antes do embarque. Melhorando o Desempenho do Produto Ao registrar reparos, fazer análises de causa raiz, implementar ações corretivas, realizar auditoria de produtos e conduzir o monitoramento da confiabilidade no longo prazo, a SEL tem melhorado continuamente a confiabilidade do nosso produto de hardware desde Testes Contínuos de Confiabilidade (ORT) O objetivo dos ORT é monitorar a confiabilidade no longo prazo dos produtos SEL. Durante os ORT, submetemos os produtos a condições elétricas e ambientais extremas por longos períodos. Isto ajuda a SEL a projetar e fabricar produtos altamente robustos que atendam ou excedam os padrões reconhecidos pela indústria e as condições operacionais requeridas pelos clientes. Análise Externa do Sistema de Qualidade SEL O Sistema de Qualidade da SEL cumpre todos os requisitos da norma ISO 9001:2008 e está em conformidade com a Regulamentação Federal 10 CFR 50, Apêndice B, para aplicações de segurança em energia nuclear e CAN3-Z , um padrão nacional do Canadá. O sistema de qualidade SEL tem recebido a certificação ISO 9001 desde julho de O último certificado está disponível em Auditores externos examinam anualmente a conformidade do sistema de qualidade da SEL com a norma ISO Buscamos esta certificação como prova de que nossos processos críticos de projeto, produção e negócios cumprem as rigorosas exigências do internacionalmente reconhecido programa ISO.

8 Atuando Sobre os Dados dos Reparos A equipe da Qualidade se reúne mensalmente com os engenheiros de projeto para analisar os dados mais recentes. Quando tendências de taxas de falhas elevadas são observadas, a SEL toma medidas para melhorar o projeto, materiais ou processos relacionados ao produto. Interrupção da Entrega (Red Light) Se um produto não estiver funcionando de acordo com a sua especificação, ou se o produto não estiver funcionando de acordo a expectativa de desempenho razoável de um cliente, então nós interromperemos o embarque do produto. Enquanto determinamos a causa raiz do problema, mantemos os clientes informados sobre quaisquer embarques afetados e trabalhamos juntos para propor soluções para suas necessidades imediatas. Retomaremos os embarques somente após termos determinado a causa raiz ou demonstrado a contenção efetiva, e tomaremos a medida adequada para impedir a recorrência do problema. Testes contínuos durante todo o processo de fabricação mantêm a integridade da criação e qualidade do produto. Boletins de Serviço (Service Bulletins) Se descobrirmos um problema que possa afetar os produtos já embarcados, informaremos os clientes por meio de Boletins de Serviço. Os Boletins de Serviço incluem uma explicação sobre o problema identificado e seu impacto, a taxa de falhas observada pela SEL, uma lista de produtos afetados por cliente, as ações preventivas e corretivas da SEL bem como as soluções de manutenção recomendadas pela SEL. Esta notificação permite que o cliente tome uma decisão informada sobre como abordar o problema. Somos responsáveis perante nossos clientes pela qualidade e confiabilidade dos nossos produtos. Embarques interrompidos e Boletins de Serviço são uma expressão do nosso valor de integridade e do nosso compromisso de entregar produtos que tornem a energia elétrica mais segura, mais confiável e mais econômica. Pesquisas com Clientes Pesquisas com Clientes realizadas pela Newton-Evans Research Company A empresa Newton-Evans Research Company realiza periodicamente um pesquisa com clientes independente intitulada Estudo Mundial do Mercado de Relés de Proteção em Concessionárias de Energia Elétrica. Eles publicam relatórios separados para concessionárias da América do Norte e internacionais. No relatório Newton-Evans, os clientes classificam os principais fabricantes de relés de acordo com atributos específicos, inclusive tecnologia, recursos, preço, serviço de suporte técnico, segurança contra hackers, disponibilidade de informações na web/internet e configuração do relé por software de computador. A SEL é classificada consistentemente em primeiro lugar em todas as categorias. Pesquisa de Satisfação do Cliente SEL Para monitor continuamente as expectativas do cliente e o desempenho da SEL, administramos nossa própria pesquisa de satisfação do cliente. Solicitamos informações sobre a percepção do cliente sobre a eficácia dos produtos, sistemas e serviços SEL, bem como dos cursos da Universidade SEL. Também pedimos para os clientes classificarem o nosso desempenho em comparação com as suas expectativas e o desempenho dos nossos clientes. A análise estatística dos resultados da pesquisa permitirá à SEL obter e usar feedback prático. Nossa de Divisão de Qualidade comunica os resultados da pesquisa a toda a empresa, o que ajuda a conduzir o processo de melhoria contínua da SEL.

9 PROJETANDO A QUALIDADE E CONFIABILIDADE NOS PRODUTOS SEL Processo de Projeto O processo de projeto da SEL é documentado, controlado e certificado pela Norma de Sistemas de Qualidade ISO A Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da SEL aplica este processo ao desenvolvimento de novos produtos e aos projetos de melhoria de produtos. Analisamos cuidadosamente os conceitos de produtos para garantir que atendam as necessidades do cliente. Durante a fase de planejamento, um gerente de projeto monta uma equipe multifuncional com membros das áreas de P&D, Vendas, Atendimento ao Cliente, Produção e Qualidade. Os principais resultados desta fase são um plano de projeto minucioso e uma especificação detalhada do sistema do produto, inclusive os requisitos críticos dos clientes e as normas regulatórias e de conformidade. A área de P&D trabalha com a de Produção para criar projetos robustos que seguem as Diretrizes do Projeto de Produção (DPP) da SEL, que projeta a qualidade e confiabilidade usando as seguintes estratégias: Manter os projetos simples. Selecionar os componentes mais confiáveis especificados para operação em alta temperatura. Não aplicar componentes com valores próximos aos das características nominais especificadas. Projetar produtos para uma ampla faixa de temperatura operacional (-40 C a +85 C) e para uma vida útil de 25 anos. Testar os produtos além dos limites de desempenho para assegurar que a margem de operação esteja além da faixa especificada. Testes de Projeto Testes de Tipo Durante o desenvolvimento do produto, as atividades de verificação do projeto incluem testes detalhados de funcionamento do produto além de testes regulatórios e ambientais. Estes testes são realizados no laboratório de testes de conformidade da SEL, onde testamos a compatibilidade eletromagnética e a conformidade mecânica e ambiental do projeto. Este laboratório é reconhecido pela TÜV Rheinland e atende todos os requisitos desta internacionalmente reconhecida autoridade de testes. Além de cumprir e exceder as normas de projeto aceitas pela indústria, muitos produtos SEL estão em conformidade com os requisitos de outros órgãos certificadores e padronizadores, tais como UL, CSA, CE, EA, EPRI, KESCO, ABS e LAPEM. Testes de estresse mecânico em novos produtos SEL garantem desempenho robusto no campo.

10 Testes de Margem Durante os testes de tipo, a equipe da SEL realiza testes com uma margem bem acima do requisito IEC ou IEEE aplicável. A tabela abaixo apresenta exemplos dos testes realizados na maioria dos produtos com margens acima daquelas praticadas pela indústria e acima das especificações. Os produtos testados devem ser aprovados não apenas pelo nível de certificação da SEL, mas também pelo nível de margem da SEL. Estes testes de margem beneficiam os clientes ao assegurar robustez extra do produto em quaisquer condições transitórias ou de alto estresse. PRÁTICA DA INDÚSTRIA CERTIFICAÇÃO SEL DE (Descarga Eletrostática) 6 kv contato/8 kv ar 8 kv contato/15 kv ar Rigidez Elétrica (HiPot) 1,5 kv 2,5 kv Faixa de Temperatura 20 a +70 C 40 a +85 C Transiente Elétrico Rápido 2 kv a 5 khz 4 kv a 5 khz Campo Magnético 30 A/m cont., 300 A/m 3 s 100 A/m cont., 1000 A/m 3 s Validação de Produtos Antes da qualificação da produção, testes de validação simulam diversas aplicações reais de produtos de clientes usando Simuladores Digitais em Tempo Real (Real Time Digital Simulators - RTDS ). A qualificação da produção inclui fases piloto para garantir processos de produção repetíveis e o desempenho do produto. Engenheiros de testes usam estações de testes automatizadas para confirmar o desempenho do produto com a sua respecitiva especificação. Melhoria dos Processos Durante a produção documentamos as melhorias nos processos e as lições aprendidas. Usando estas informações criamos um conjunto de DPP para garantir que essas melhorias no processo melhorem o desempenho futuro dos produtos. Conforme as melhorias no processo são implementadas, atualizamos as DPP que são revisadas por P&D ao projetar novos produtos. Melhorar continuamente nossos processos nos ajuda a melhorar o desenvolvimento de novos produtos.

11 CRIANDO A QUALIDADE E CONFIABILIDADE NOS PRODUTOS SEL Fábrica com Padrão de Classe Mundial A SEL usa um procedimento formal para planejar, monitorar e concluir as instruções do novo produto. Usamos nossas DPP para implementar melhores práticas e documentamos, controlamos, monitoramos, avaliamos e melhoramos as operações diárias de produção. Apresentamos abaixo os principais métodos deste processo: Documentar instruções de trabalho. Medir requisitos críticos de desempenho. Reportar, analisar desvios e melhorar nossa capacidade de melhorar os requisitos críticos de desempenho. Realizar testes completos. A SEL usa equipamentos de ponta e processos controlados para criar os altíssimos padrões de mão de obra (IPC 610, Classe 3). A Classe 3 é o nível mais rigoroso possível, apropriado quando os produtos devem funcionar em ambientes extraordinariamente severos sem tempo de inatividade, tais como aplicações de sistemas aeroespaciais e de apoio à vida. Treinamos montadores, inspetores e técnicos de testes em tecnologia de fabricação e eletrônica. Através de testes formais, os funcionários recertificam regularmente com base nos requisitos de processos da SEL e nos padrões da indústria. Testamos todos os produtos antes da montagem da unidade, registramos os defeitos e analisamos as medidas de qualidade diariamente. Testamos a funcionalidade de cada produto e realizamos a triagem de estresse ambiental entre -40ºC e +85ºC. Fornecedores Parceiros A SEL qualifica os fornecedores de materiais ou componentes da produção. Monitoramos diariamente o desempenho de qualidade do fornecedor em comparação com os requisitos através da análise de falhas internas e da análise de reparos de produtos dos clientes (devoluções por garantia). Também incentivamos relacionamentos positivos com os nossos fornecedores sediando uma conferência anual de fornecedores durante a qual compartilhamos os valores da SEL, informações sobre o nosso sistema de qualidade bem como as expectativas de qualidade dos fornecedores. Inspecionamos nossos produtos em cada fase do processo de produção para garantir a alta qualidade de forma consistente. Integração Vertical A SEL está projetando, fabricando e instalando um número cada vez maior de tipos de componentes usados em nossos produtos, inclusive plásticos e dispositivos magnéticos, e, no México, armários de metal e comutadores rotativos. Desenvolver esta capacidade contribuiu com as raízes e conhecimento técnico da nossa empresa e também ajudou a minimizar interrupções na cadeia de fornecimento. A integração vertical permite maior controle de qualidade além de reduzir custos e facilitar novas oportunidades de crescimento.

12 REDUZINDO O CUSTO DOS PRODUTOS ATRAVÉS DA CONFIABILIDADE Qualidade e confiabilidade têm um efeito direto sobre a satisfação do cliente no longo prazo e o custo da propriedade do produto. Por este motivo, a SEL acompanha e mede rigorosamente a qualidade e confiabilidade do produto. Sistemas de proteção elétrica e redes de comunicações confiáveis permitem que os nossos clientes forneçam produtos ou serviços de qualidade aos seus clientes. Queremos que os nossos clientes atinjam um alto retorno sobre seu investimento e resultados superiores com os nossos produtos. A SEL mede continuamente a qualidade e confiabilidade dos nossos produtos e compartilhamos estas informações com os nossos clientes. Acreditamos que os clientes devam ser capazes de analisar os dados de confiabilidade do produto para poderem estimar seu custo de propriedade durante a vida útil de um produto e tomar uma decisão de compra plenamente informada. A planilha abaixo apresenta um exemplo de cálculo do custo da propriedade no longo prazo usando dados reais de qualidade e confiabilidade de um relé da SEL e um relé da concorrência. Este exemplo assume 400 relés instalados ao longo de um período de dez anos. ELEMENTO DO CUSTO RELÉ SEL FABRICANTE A 1. Garantia (anos) Fonte: websites 10 anos 2 anos 2. Taxa de Reparos de Operação Anual Fonte: falhas observadas no campo 0,0025* 0,02** 3. Número de falhas em 10 anos = (Linha 2 x 400 x 10) = 10 = Custo das chamadas de serviço ao usuário a $10.000** cada = (Linha 3 x $10.000) = $ = $ Custo dos reparos (um aparelho) Fonte: estimativa $0 $1.000** 6. Custo dos reparos em 10 anos = (Linha 3 16***) x (Linha 5) = $0 = $ Custo total de propriedade (soma das colunas à direita) = $ = $ * Taxa de remoção de operação anual = 1/MTBR, MTBR da SEL é de 400 anos ** Informações fornecidas pelo cliente *** Assume 16 falhas durante o período de garantia A confiabilidade dos produtos SEL continua a melhorar. Para obter mais números sobre a qualidade e confiabilidade observada dos produtos SEL disponíveis para todos os nossos clientes, entre em contato com os nossos representantes de atendimento ao cliente.

13 OBSERVAÇÕES

14 Sede da SEL Pullman, Washington, EUA Tornando a Energia Elétrica Mais Segura, Mais Confiável e Mais Econômica Rodovia Campinas-Mogi Mirim (SP-340), km 118,5 Condomínio Polis de Tecnologia (CPqD) Prédio 11 Fazenda Pau D alho Campinas/SP CEP: Tel: (19) Schweitzer Engineering Laboratories, Inc. LM

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Gerenciamento de Problemas

Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Problemas O processo de Gerenciamento de Problemas se concentra em encontrar os erros conhecidos da infra-estrutura de TI. Tudo que é realizado neste processo está voltado a: Encontrar

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Melhorias da Infraestrutura

Melhorias da Infraestrutura Melhorias da Infraestrutura Refino Papel e Celulose Energia Fóssil Processos Químicos Processos Industriais Conversão De Resíduos Em Energia www.azz.com/wsi Fornecedora de soluções e serviços completos

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Reportar o Desempenho Realizar o Controle Integrado de Mudanças Reportar o

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS Alexandre Dias de Carvalho INMETRO/CGCRE/DICLA 1/ 28 NBR ISO/IEC 17025 Estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight CUSTOMER SUCCESS STORY Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Empresa: Scitum Funcionários: 450+ EMPRESA Empresa

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Segurança + Conformidade. Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda

Segurança + Conformidade. Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda Segurança + Conformidade Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda Segurança e Conformidade via Software-as-a-Service (SaaS) Hoje em dia, é essencial para as empresas administrarem riscos de segurança

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

NÃO DEIXE A FRAUDE ON-LINE ATRAPALHAR SEUS NEGÓCIOS SIMPLIFIQUE

NÃO DEIXE A FRAUDE ON-LINE ATRAPALHAR SEUS NEGÓCIOS SIMPLIFIQUE NÃO DEIXE A FRAUDE ON-LINE ATRAPALHAR SEUS NEGÓCIOS SIMPLIFIQUE A GESTÃO DE PAGAMENTO WWW.CYBERSOURCE.COM BRASIL@CYBERSOURCE.COM COMO SER MAIS EFICIENTE, RÁPIDO E SEGURO PARA QUE OS CLIENTES PREFIRAM COMPRAR

Leia mais

Paraná - Rio Grande do Sul

Paraná - Rio Grande do Sul COMPROMETIMENTO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE Paraná - Rio Grande do Sul Missão Oferecer as melhores soluções em serviços e produtos, visando se adequar aos altos padrões de satisfação de nossos clientes e parceiros

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A Esperança_TI S.A S/A Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A 25/11/2014 Gerador do documento: Gerente de Negociação: Marcos Alves de Oliveira Marcos Antônio de Morais Aprovação

Leia mais

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança Informativo Boeing Commercial Airplanes P.O. Box 3707 MC 03-XW Seattle, Washington 98124-2207 www.boeing.com Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança A Boeing projeta e fabrica aeronaves

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais