FUNDO VERDE Cenários e Estratégias Abril 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDO VERDE Cenários e Estratégias Abril 2009"

Transcrição

1 FUNDO VERDE Cenários e Estratégias Abril 2009 com Luis Stuhlberger Fernanda Batolla - Economista The Chefe Company e Artur Wichmann - Gestor Global de Ações Este material foi preparado para a apresentação anual do FUNDO VERDE (CSHG VERDE FIC FIM), Cenários e Estratégias, Abril de Não pode ser copiado, reproduzido ou distribuído sem a expressa concordância da Credit-Suisse Hedging-Griffo. A Credit Suisse Hedging-Griffo não se responsabiliza por erros, omissões ou pelo uso destas informações por terceiros

2 AGENDA I) Fundo Verde II) Cenário Doméstico III) Cenário Internacional Pág. 2

3 FUNDO VERDE Pág. 3

4 Cenário em 30/06/08: Verde: 24,6% em Bolsa net comprado (The Oscar goes to cash...) Ibovespa a pontos (falta de disciplina em um mercado perigoso) Fases da crise: - fev07: Índices ABX e CMBX já demonstravam piora ABX.HE vs. CMBX.1 30/jun/08 ABX.HE 06-1 BBB CMBX.1 BBB Jan-07 Mar-07 Mai-07 Jul-07 Set-07 Nov-07 Jan-08 Mar-08 Mai-08 Jul-08 Set-08 Nov-08 Jan-09 Mar-09 ABX.HE : Subprime Residential Mortgages 2nd Half 2005 CMBX.1: Commercial Mortgages 2nd Half 2005 Pág. 4

5 Cenário em 30/06/08: - 23/julho/07: Quando o mundo percebeu que havia uma crise nos EUA e as Bolsas mundiais despencaram S&P /JUL/07-12/SET/ /jun/08 12/set/ /07 08/07 09/07 10/07 11/07 12/07 01/08 02/08 03/08 04/08 05/08 06/08 07/08 08/08-2º sem 2007: descolamento de China, Mercados Emergentes e commodities dos EUA - 2º tri 2008: melhora substancial do crescimento do PIB americano Impressão de um fim de mid cycle slowdown e prejuízos no sistema financeiro mundial contido em US$ 1Tri (stress parecido com 82 e 97) Pág. 5

6 Cenário em 30/06/08: Projeções do FMI % 5 Perdas - US$ bilhões Crescimento mundial Achávamos que pararia por aqui Perdas 4,5 4 3,5 3 2,5 2 1,5 Crescimento mundial ,5 - Abr-08 Set-08 Out-08 Jan-09 Abr-09 0 Fonte: FMI Pág. 6

7 Razão de termos comprado ações: CHIihg x BRihg ihg (Índice Hedging-Griffo) de ações: considera a liquidez (# negócios e volume negociado em R$), o Market Cap (Valor de mercado individual de cada empresa) e o free float. O Peso de cada ação no ihg é a média geométrica destes quatro componentes. 2,00 1,80 1,60 CHIiHG/BRiHG Descolamento de commodities dos EUA 30/jun/08 12/set/08 1,40 1,20 1,00 CHI ihg 50,5% BR ihg 49,5% TOTAL 100% 0,80 Fonte: CSHG jan/06 mar/06 mai/06 jul/06 set/06 nov/06 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 CHIihg: açúcar e álcool, fertilizantes, mineração, papel e celulose, petróleo e gás, petroquímica, siderurgia e metalurgia Pág. 7

8 Razão de termos comprado ações: Small x Large Caps 125 MSCI EM Small Caps / MSCI EM Free /jun/08 12/set/ % dez-05 fev-06 abr-06 jun-06 ago-06 out-06 dez-06 fev-07 abr-07 jun-07 ago-07 out-07 dez-07 fev-08 abr-08 jun-08 ago-08 out-08 dez-08 fev-09 abr-09 Fonte: Bloomberg 1,15 1,05 0,95 0,85 0,75 Small/LargeCapsiHG -40% ihg Large Caps (> 10bi) 68% ihg Mid Caps (entre 5 e 10bi) 22% ihg Small Caps (< 5bi) 10% TOTAL 100% 0,65 0,55 0,45-30% 0,35 jan/06 mar/06 mai/06 jul/06 set/06 nov/06 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 Fonte: CSHG Pág. 8

9 O histórico do Verde Breakdown da performance Compramos 18% do PL da família em ações de 1º/julho a 12/set (Lehman) - Variação Média desta compra até 30/dez/08: -41% (Perda financeira equivalente a ~ 8% do PL de 10 Bi da família) Acum. 97/Hoje CDI + %a.a. Ações -26,44% 11,00% 79,13% 5,22% Câmbio 5,50% 0,63% 175,44% 10,39% Pré+Inflação 6,50% 4,19% 38,45% 2,66% Caixa -0,54% 0,25% 1,40% 0,10% Outros -0,45% 0,52% -3,23% -0,27% Custos -3,39% -0,52% -66,77% -4,93% +CDI 12,38% 3,75% 739,79% 18,94% Total -6,44% 19,82% 3729,5% 34,61% *até 30/abr de Eficiência do Hedge: 45% da perda em ações Compra de calls baratas e venda de puts caras de Câmbio Média histórica em ações: 33,7% do PL Pág. 9

10 If you swim with sharks, don t look like food Com perspectivas de queda de dólar, os empréstimos em dólar aumentaram muito 500 Acumulação de reservas maior do que a Balança e IED sugerem China US$ bilhões Fonte: Gavekal Aumento Balança Comercial + aumento de IED Aumento das reservas internacionais Pág. 10

11 If you swim with sharks, don t look like food A porta de contágio do US consumer para o mundo: ajuste em Conta Corrente EUA: importações ex-petróleo US$ bilhões ao mês Agosto-08 Bilhões (US$) jan/93 jan/94 jan/95 jan/96 jan/97 jan/98 jan/99 jan/00 jan/01 jan/02 jan/03 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 Fonte: Census; elaboração própria Pág. 11

12 If you swim with sharks, don t look like food Onde estavam os erros do mercado quando acharam que câmbio a US$ 1,60 era verdade: 1) Behavioral Finance: Ancoragem; Ordenamento e Estrutura; Excesso de Confiança e Otimismo e Efeito Black Swan 2) Dólar e Yen eram os passivos do mundo 2.9 Basket /1/2007 4/3/2007 4/5/2007 4/7/2007 4/9/2007 4/11/2007 4/1/2008 4/3/2008 4/5/2008 4/7/2008 4/9/2008 4/11/2008 4/1/2009 4/3/2009 4/5/2009 Fonte: Bloomberg (Basket: BRL 20%; AUD 15%; CAD 15%; KRW 10%; MXN 10%; PLN 10%; RUB 10% CNY 5%; ZAR 5%) Pág. 12

13 Modelo Ideal de Alocação: Long Bias + Book de Hedge Ibovespa x CDI CDI = inflação + 16,5% aa (E) Ibovespa (D) dez-91 dez-92 dez-93 dez-94 dez-95 dez-96 dez-97 dez-98 dez-99 dez-00 dez-01 dez-02 dez-03 dez-04 dez-05 dez-06 dez-07 dez-08 - Fonte: Bloomberg Pág. 13

14 Modelo Ideal de Alocação: Long Bias + Book de Hedge Ibovespa x CDI - jul/ CDI = inflação + 14,05% aa Ibovespa Pág. 14 jan-09 jul-94 jan-95 jul-95 jan-96 jul-96 jan-97 jul-97 jan-98 jul-98 jan-99 jul-99 jan-00 jul-00 jan-01 jul-01 jan-02 jul-02 jan-03 jul-03 jan-04 jul-04 jan-05 jul-05 jan-06 jul-06 jan-07 jul-07 jan-08 jul-08 Fonte: Bloomberg

15 Também não tem mágica lá fora... Países Peso Estados Unidos 43,24% Japão 9,63% Reino Unido 7,61% França 4,21% Canadá 3,87% Suíça 3,55% Alemanha 3,39% Austrália 2,77% Holanda 1,79% Espanha 1,78% Brasil 1,65% Hong Kong 1,64% Coréia do Sul 1,56% Outros 13,30% Total geral 100,00% Setores Peso Financeiro 18,93% Energia 12,12% Tecnologia da Informação 12,02% Industriais 10,31% Consumo Não-Cíclico 9,82% Saúde 9,69% Consumo Cíclico 9,33% Materiais 7,34% Telecomunicação 5,53% Utilidade Pública 4,89% Total geral 100,00% Fonte: Bloomberg MSCI World All Countries 480 Crescimento de Earnings ( E): 5,5%a.a. Dividend Yield 2,25%aa não incluso 430 Índice 5,5% aa dez/87 dez/89 dez/91 dez/93 dez/95 dez/97 dez/99 dez/01 dez/03 Fonte: Bloomberg dez/05 dez/ Pág. 15

16 Modelo Ideal de Alocação: Long Bias + Book de Hedge Rentabilidade (média móvel 12M %CDI) x P.L. Indústria L&S (R$ Bilhões) 180% 160% 140% 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% Pág. 16 jan/09 jan/02 abr/02 jul/02 out/02 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 abr/09 Bilhões PL (Direita) Rentabilidade 12 Meses (%CDI) (Esquerda) 3x Fonte: Quantum

17 CENÁRIO DOMÉSTICO We are not a banana republic (anymore) Março/2009 Pág. 17

18 O Brasil Não Foi Uma Alucinação de Commodities Março/2009 Pág. 18

19 Brasil: Retomada do Crescimento coincide com Boom de Commodities 15.0 Crescimento Real PIB Brasil Fonte: IBGE e BCB PIB Brasil MM5 Fonte: Cepal, FMI e IBGE Taxa Média de Crescimento Paises Selecionados Argentina Brasil Chile México Coréia América Latina Mundo Será que com o fim do ciclo, Brasil voltará para ? Pág. 19

20 Brasil é mais do que um play de commodities Nossa dependência de Exportações de Commodities é muito menor do que outros países da A. Latina; Participação de Commodities no Ibovespa muito diferente da participação do PIB, o que gera avaliações equivocadas. Exportações Commodities (% PIB) Setores Ibovespa e PIB Setor Partic.% Ibovespa Partic.% PIB Petróleo/Mineração 37.1% 4.5% México Brasil Colômbia Argentina Peru Venezuela Equador Chile 7.3% 8.3% 10.1% 14.1% 18.6% 26.5% 28.6% 34.8% Intermediação Financeira 15.0% 7.2% Aço e Derivados 10.7% 3.3% Eletricidade/Esgoto/Limpeza 8.4% 3.5% Serviços de Informação 6.8% 3.8% Administração Pública % Comércio 4.0% 13.1% Alimentos e Bebidas 3.8% 9.9% Serviços Empresas/Manut. 0.9% 9.5% Construção Civil 2.9% 6.2% Demais 10.4% 22.5% Total 100.0% 100.0% Fonte: OMC, Bradesco BBI, MDIC e CSHG Fonte: IBGE e Bovespa Pág. 20

21 Exportações: Brasil não possui concentração de pauta ou destino, diferentemente demais países da América Latina Venezuela (90% petróleo), Equador (60% petróleo), Peru (57% metais), Chile (56% cobre), Argentina (20% soja); Exportações totais apenas 12,5% PIB. Nosso consumo doméstico representa 65% PIB. Exportações Brasileiras em % do PIB da Pauta Total 12.5% 100.0% Commodities Agrícolas 3.7% 29.8% Commodities Metálicas 2.6% 20.6% Commodities Químicas 0.4% 3.1% Commodities Combustíveis 1.6% 12.9% Industrializados e Demais 4.2% 33.7% Fonte: MDIC e CSHG Exportações por Destino Brasil A. Latina Região 22.8% 15.7% Estados Unidos 14.0% 45.2% União Européia 23.4% 14.0% Ásia (ex-china e Japão) 6.6% 3.8% China 9.2% 4.7% Japão 3.1% 2.5% Resto do Mundo 20.9% 14.1% Total 100.0% 100.0% Fonte: MDIC e Cepal C.Agrícolas: soja, carnes, café, açúcar, celulose, cacau, madeira, suco de laranja, frutas e pescados; C.Metálicas: minério e metalúrgicos; C. Químicas: álcool, petróleo e derivados. Pág. 21

22 Brasil: aproveitou boom de commodities para aprofundar ajuste econômico Macro Consistente Câmbio Flutuante Metas Inflação Superávit Primário Reformas Micro Crédito Consignado Construção Civil Lei de Falências Reforma do Judiciário Maior Demanda Commodities Apreciação Câmbio Queda na Inflação Queda na Taxa Juros Queda na Dívida/PIB Crescimento Consumo e Investimento Mas o Banco Central/Tesouro foram além... Pág. 22

23 Mérito do Banco Central (I): Acumulação de Reservas Mesmo sob críticas, Banco Central continuou acumulando Reservas: política provou-se acertada! Foi o país emergente com maior taxa de crescimento de Reservas; Utilização inteligente das Reservas. Reservas Internacionais (US$ Bi) Países dez/06 ago/08 mar/09 var mar/09-var mar/09- dez/06 ago/08 China 1,068 1,884 1,912 79% 1% Rússia % -35% Índia % -16% Coréia % -17% Brasil % -8% Cingapura % -4% Malásia % -26% Mexico % -7% Túrquia % -11% Polônia % -25% Indónesia % -14% Argentina % 0% Romênia % -14% África do Sul % -3% Peru % -17% Venezuela % -22% Bulgária % -30% Republica Tcheca % -4% Croácia % -25% Fonte: FMI e Bloomberg Pág. 23

24 Mérito Banco Central e Tesouro (II): estabilização automática dívida líquida Composição DSLP (% do total) Indexador Câmbio Selic Dívida Líquida Setor Público (% PIB - Ex-Petrobrás) 56.8 Prefixada 2 38 Inflação Outros 3 3 Total jan/02 jan/03 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 Fonte: BCB e CSHG Fonte: BCB e CSHG Fim da Dinâmica Perversa da Dívida Choque Externo Depreciação do Câmbio Setor Público Credor em Dólar Redução Dívida/PIB Pág. 24

25 Mérito Banco Central (III):evitou bolha de crédito Regime de Metas para Inflação se provou adequado para o país: convergência da inflação com maior crescimento do PIB; Atuação do Banco Central evitou o surgimento de Bolhas/Subprime Brasileiro. Estabilidade de Preços virou um bem público: inflação sobe e popularidade cai! E o presidente Lula entendeu isso... Sucessão do Meirelles será último teste. IPCA YoY jan/03 jul/03 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 20% 15% 10% 5% 0% -5% -10% -15% Concessões Crédito YoY MM3 jan/03 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 Concessões PF Concessões PJ Fonte: IBGE e CSHG Fonte: BCB e CSHG Pág. 25

26 Mercados reconheceram o melhor ajuste macroeconômico!!! % acima Risco País - Brasil X Emergentes 30% abaixo 0 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 Embi Brasil Embi Emergentes Fonte: JP Morgan Pág. 26

27 Dez motivos para diferenciar Brasil dos demais emergentes 1. Brasil é mais do que um play de commodities: consumo doméstico 65% PIB; 2. Nossas exportações não são concentradas ; 3. Avançamos nas reformas micro: Reforma Judiciário, Lei de Falências, Crédito Consignado, Patrimônio de Afetação ; 4. Bacen acumulou reservas e não as torrou na crise; 5. Solvência Fiscal: criamos estabilizador automático; 6. Bacen não permitiu bolha de crédito/subprime brasileiro; 7. Estabilidade de preços virou um bem público: fortaleceu a política monetária; 8. Brasil já fez transição para democracia e teve a esquerda no poder (risco menor que China, Índia e alguns emergentes); 9. Brasil possui imprensa independente do governo, de qualidade e investigativa; 10. Herança Lusitana: maior mobilidade social, maior tolerância racial e religiosa e perfil negociador. No Brasil, o trabalhador não tem raiva do empresário; Pág. 27

28 No pânico, todos caíram igual. Mas a volta foi diferente... 27/Oct/08 Hoje VAR País / Região Índice (US$) Índice (US$) Índice (US$) Ibovespa % LatAm (Ex-Brazil) % S&P % MSCI EM Europa Oriental % DJ Eurostoxx % ISHARES FTSE China % MSCI EM Asia % MSCI Asia (Ex-Japan) % Nikkei % Fonte: Bloomberg Pág. 28

29 Brasil: por que o sudden stop foi tão forte? Março/2009 Pág. 29

30 Brasil estava acelerando o crescimento no 3TR08 Crise passou do crédito para a atividade, o que deixou as empresas sem capital de giro num momento em que acumulavam estoques; 15.0 Crescimento do PIB dessaz. e anualizado US Euro Brasil Chile Coréia Hong Kong Malásia Russia Africa Sul China Fonte: JP Morgan e IBGE 1T08 2T08 3T08 4T08 Pág. 30

31 Congestionamento do crédito quando empresas estavam aumentando a alavancagem País passava por expansão do mercado de capitais e aproveitava liquidez internacional: empresas estavam realizando investimentos Total de Financiamentos - Empresas (R$ Bi IPCA Mar/09) Fluxo Fluxo Mensal Mensal de Novos Financiamentos R$ 116 bi % Não-Bancário: Ações, Debêntures, Notas, FDIC, CRI, FII Crédito Bancário PJ Captações Externas 60 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 Fonte: CVM, BCB e CSHG Pág. 31

32 Bancos cortaram o crédito e elevaram o spread rapidamente Todas as Condições de Crédito Pioraram: concessões, taxas juros, prazo médio e inadimplência. Problema dos derivativos foi mais uma pedra no meio do caminho Spread Bancário Spread Bancário jun/00 dez/00 jun/01 dez/01 jun/02 dez/02 jun/03 dez/03 jun/04 dez/04 jun/05 dez/05 jun/06 dez/06 jun/07 dez/07 jun/08 dez/08 Fonte: BCB e CSHG Spread Geral E Spread PJ D O que levou Bacen e governo a meditarem sobre este problema... Pág. 32

33 Pela 1ª vez, Brasil tem instrumentos para combater a crise Uso inteligente das reservas com medidas inovadoras (leilões linha ACC e dívida externa privada); Redução dos Compulsórios e Cessão de Carteiras; Redução agressiva da Taxa de Juros; Criação do Seguro de Depósito Especial para aplicações até R$20 mi; Desonerações Tributárias para Veículos, Construção Civil e Linha Branca; Linhas de Crédito Especiais (Construção Civil, Agricultura, Varejos, etc...); Maior participação dos bancos públicos no mercado de crédito (o que também pode gerar um esqueleto lá na frente); Potencialmente BOM: Cadastro Positivo e esforço do Bacen para reduzir o spread bancário. Pág. 33

34 Sistema Financeiro: uma das provisões mais elevadas do mundo! Global Banks E Provision Charges/Loans (%) Panama Saudi Arabia Switzerland Malaysia Australia Japan Hong Kong Portugal Singapore Nordic Germany India Spain Peru Benelux Thailand Taiwan Italy United Arab Philippines France Global Banks Israel Greece South Africa China Poland Turkey Indonesia Korea Austria Argentina Chile UK Ireland Colombia Mexico Brazil Russia/Kazakhstan Fonte: DB Global Banks Pág. 34

35 Brasil: desaceleração é cíclica, não estrutural (I) Brasil: Bancos voltarão a emprestar, com estabilização inadimplência e desemprego. Total de Depósitos dos 8 Maiores Bancos Brasileiros (R$ bi) % em 1 ano 66% em 2 anos dez/06 jun/07 dez/07 jun/08 dez/08 Fonte: BCB Pág. 35

36 Brasil: desaceleração é cíclica, não estrutural (II) Não teremos queda do rendimento real, como aconteceu nos episódios anteriores. Pior momento do ciclo de desemprego já passou (limpou os excessos). Renda Real e INPC (% YoY) Renda Real e INPC (% YoY) 12% 25% 8% 4% 0% 20% 15% -4% 10% -8% -12% 5% -16% jan/97 jan/98 jan/99 jan/00 jan/01 jan/02 jan/03 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 0% Fonte: IBGE e CSHG Renda Real E INPC D Pág. 36

37 Rápido ajuste da conta corrente Balanço de riscos para a conta corrente continua sendo de números melhores que esses, seja pelo upside que os números correntes de balança estão mostrando, seja pelo downside de remessas de lucros e dividendos. Conta Corrente (US$ Bi) P Balança Comercial Exportação Importação (47) (173) (121) Serviços (23) (57) (35) Juros (13) (7) (7) Lucros (5) (34) (16) Viagens (0) (5) (3) Transportes (2) (5) (3) Demais (2) (6) (7) Transferências Fonte: MDIC e CSHG Conta Corrente (8) (28) (12) Conta Corrente %PIB -1.5% -1.8% -0.8% Pág. 37

38 A Verdadeira Herança Maldita Março/2009 Pág. 38

39 A verdadeira herança maldita Forte aumento dos gastos públicos (32% PIB), puxado pelas despesas correntes; Administração pública aparelhada (cargos de confiança 77 mil em 2008); Perda de competitividade com a Carga tributária de 36% PIB; Política Externa: manteve a filiação genética, focada no 3º Mundo; IPEA tomado por economistas guiados pela ideologia da velha esquerda; Educação: preocupação equivocada, priorizou o ensino superior; Educação Pode Piorar: fim do provão e aumento das cotas raciais; Dicotomia: lei funciona para o empresário que sonega mas não funciona para o Congresso e Executivo (impunidade e coleguismo); Abril/2009 Pág. 39

40 Explosão dos gastos públicos Gov. Central: Folha de Pessoal atingirá 5,2% PIB ou R$153 bi em 2009; Governo concedeu reajustes escalonados até 2011, o que fará a Folha atingir R$200 bi; 5.5% Gastos com Pessoal - Gov. Federal 180 Evolução da despesa média com servidores públicos e do salário médio da economia (em R$ de 2008 deflator IPCA) 5.1% 4.7% 4.3% 3.9% 3.5% Taxa de Crescimento Judiciário 10,013 14, % Banco Central 10,155 14, % Empresas Públicas 6,020 7, % Ministério Público 14,375 17, % Civis 4,152 5, % Legislativo 10,262 12, % Soc. Economia Mista 6,027 6, % Salário Médio Economia 1,257 1, % Militares 3,595 3, % R$ Bilhões % PIB Fonte: TN e CSHG Fonte: TN, IBGE e CSHG Pág. 40

41 Estados também elevaram gastos com Folha Salarial Farra dos Reajustes do Funcionalismo também foi seguida pelos Estados, que agora terão que se ajustar 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% -5% -10% Aumento Real do Gasto com Funcionalismo nos Estados /2006 Fonte: TN e CSHG Pág. 41 Roraima Amapá Distrito Federal Alagoas Goias Piauí Paraíba Pernambuco Minas Gerais Pará Acre Espírito Santo Maranhão Ceará Bahia Total São Paulo Sergipe Rio Grande do Norte Rondônia Paraná Santa Catarina Amazonas Rio Grande do Sul Tocantins Mato Grosso do Sul Rio de Janeiro

42 O que é de Rico? O que é de Pobre? Como pensa o consumidor brasileiro? Pág. 42

43 O que é de Rico? O que é de Pobre? 0% 20% 40% 60% 80% 100% Precisar do governo para ter serviço de saúde Comprar no supermercado só o que está em promoção Ter condições de comprar as coisas em prestação Ter telefone celular Manter o corpo limpo e bem cuidado Comprar produto de beleza/maquiagem Ter computador Ter conta no banco Ter TV à cabo Fazer compras pela internet Ter plano de saúde particular Ter carro novo Estudar em escola particular Ter seguro do carro Usar jóias Viajar de avião Viajar para o exterior Fonte: O que é de Rico e o que é de Pobre? - Instituto Análise Só de pobre Classe Média Só de rico Não sabe Pág. 43

44 Cenário Aumento de Renda O que as pessoas consumiriam em primeiro lugar Caso a renda aumente, os itens que terão aumento de Consumo Supermercado, Lazer (Viagens), Convênio Odontológico, Plano de Saúde, Faculdade/Universidade. Fonte: O que é de Rico e o que é de Pobre? - Instituto Análise Supermercado Lazer como viagens, shopping, cinema, restaurante Convênio odontológico / dentistas / clínicas dentárias Plano de saúde Faculdade / universidade Prestação da casa própria Seguro de vida Roupas e acessórios Remédios Prestação do automóvel Ensino médio Prestação / fatura do cartão de loja Prestação / fatura do cartão de crédito Telefone celular Seguro automóvel TV por assinatura Empréstimo junto à financeiras Internet Telefonia fixa Cerveja Cosméticos Empréstimo junto ao banco Combustível Cigarro Transporte coletivo Pág. 44

45 Cenário Aumento de Renda O que as pessoas consumiriam mais em último lugar Telefone celular 6 TV por assinatura 6 Roupas e acessórios 5 Lazer como viagens, shopping, cinema, restaurante 5 Cigarro 5 Cerveja 5 Empréstimo junto ao banco 5 Apesar de bem distribuído as pessoas passariam a consumir em último lugar Telefone Cosméticos Prestação / fatura do cartão de loja Prestação / fatura do cartão de crédito Internet Empréstimo junto à financeiras Celular e com a TV por assinatura. Telefonia fixa Seguro de vida Prestação do automóvel Seguro automóvel 3 Remédios 3 Convênio odontológico / dentistas / clínicas dentárias 3 Plano de saúde 3 Combustível 3 Prestação da casa própria 3 Supermercado 3 Transporte coletivo 3 Faculdade / universidade 3 Ensino médio 3 Fonte: O que é de Rico e o que é de Pobre? - Instituto Análise Pág. 45

46 It is taxation, stupid! Redução de impostos é uma demanda latente e é uma demanda popular; Redução de imposto é mais efetiva que redução de juros para gerar empregos; Mas poderá criar um overhang para o futuro. Qual o maior obstáculo para criação de empregos? Impostos cobrados pelo governo 44 Juros cobrados pelos bancos As empresas não investem O governo gasta muito Inflação Juros X Imposto: 7 em cada 10 brasileiros acreditam que para gerar mais emprego é preciso reduzir imposto Produtos Piratas 4 Demanda está menor Não sabe 2 2 Fonte: Instituto Análise, Diagnóstico Brasil, março/ Pág. 46

47 CENÁRIO INTERNACIONAL What does not kill me, makes me stronger (Nietzsche) Pág. 47

48 O problema da alavancagem 1. Governo Trajetória é ruim mas nível ainda relativamente baixo Dívida Federal Americana % PIB Cenário base do CBO + Plano de Estímulo do Obama Cenário base do CBO + OSP e extensão de cortes de impostos % PIB Fonte: US treasury dept Pág. 48

49 O problema da alavancagem 2. Corporate America Dívida sob controle e menor interferência do Governo Alavancagem Corporativa nos EUA ao custo de reposição Taxa Corporativa Efetiva nos EUA Imposto pago / Lucro antes de Imposto Fonte: Lehman and JPMorgan Fonte: Lehman and JPMorgan Pág. 49

50 O problema da alavancagem 3. Setor Financeiro Alavancagem alta e um ciclo de crédito pela frente; Índice Fitch de Perdas com Cartões de Crédito Perdas % ,6 7,4 jan/91 jan/93 jan/95 jan/97 jan/99 jan/01 jan/03 jan/05 jan/07 jan/09 Fonte: Deutsche Prime Prime Avg Subprime Avg Subprime Pág. 50

51 O problema da alavancagem 4. Consumidor nem tudo é ruim Balanço do Consumidor Ativos Depósitos Instrumentos de Crédito Ações Listadas Fundos Mútuos Fundos de Pensão Negócio Próprio Outros Bens de Consumo Duráveis Imóveis Passivos Crédito ao Consumidor Hipotecas Outros Fonte: fed flow of funds Pág. 51

52 O que vemos pela frente 4. Consumidor alguns choques positivos Energia, Juros e Alimentos = economia de USD bi/ano Gasto Simplificado nos EUA com Petróleo Poupança Projetada para uma Taxa Hipotecária Efetiva de 5% 2004 Juros Hip. Estoque de Dívida Hip., 20,7 MM bbls/dia X 365 Dias/Ano X Preço Médio ($41) = $310Bn Pagos Taxa Hip. Efetiva $B n ,8 MM bbls/dia X 365 Dias/Ano X Preço Médio ($57) = $433Bn 2002 $420,4 7,02% $5.991, $436,8 6,45% $6.769,8 20,7 MM bbls/dia X 365 Dias/Ano X Preço Médio ($66) = $499Bn 2004 $469,0 6,13% $7.649, $536,2 6,20% $8.654,6 21,3 MM bbls/dia X 365 Dias/Ano X Preço Médio ($72) = $560Bn 2006 $621,7 6,38% $9.748, $676,8 6,39% $10.599,6 20,8 MM bbls/dia X 365 Dias/Ano X Preço Médio ($99) = $752Bn 2008 $689,2 6,22% $11.075, Premissas* 2009 $553,8 5,00% $11.075,6 20,8 MM bbls/dia X 365 Dias/Ano X Preço Médio ($43) = $326Bn Premissas* * Premiss as de 2009 ass umem consumo nos mes mos níveis que 2008 e utiliza preço médio do petróleo em 2009 YTD. * Premissas de 2009 = Taxa de 5% & Estoque de Dív. Hip. nos mesmos níveis que Utilizando as premissas acima, economia esperada de $426Bn em Utilizando as premissas acima, economia esperada de $135Bn em Fonte: strategas research Pág. 52

53 Substituição de dívida privada por pública Piora do Orçamento é Imagem Invertida do Recuo do Setor Privado % PIB Balanço do Setor Privado Balanço do Orçamento Federal Nota: Linha pontilhada é previsão do GS % PIB Fonte: Dept. of Commerce. Office of Management and Budget Pág. 53

54 Consumidor poupança - O outro lado da poupança capacidade de redução de alavancagem do consumidor é entre USD bi - Somente no 4º tri de 2008 a dívida dos consumidores se reduziu em USD308bi. - Demanda adicional por Treasuries alivia a necessidade de financiamento do Governo (USD300bi ytd) 14 Taxa de Poupança nos EUA (média móvel de 6 meses) Dívida Líquida Agregada Domiciliar (USD Mudança Q/Q) Fonte: Bureau of Economic Analysis, Banc of America Securities - Merrill Lynch T03 3T03 4T03 1T04 2T04 3T04 4T04 1T05 2T05 3T05 4T05 1T06 2T06 3T06 4T06 1T07 2T07 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 4T08 Fonte: fed flow of funds Pág. 54

55 Consumidor Mito vs Fato Visão de que a bolha se concentra em bens de consumo discricionário é equivocada. % do PIB % do PIB 72 Gastos de Consumo pessoal Gastos de Consumo pessoal (excl. saúde) Fonte: Bureau of Economic Analysis Fonte: Bureau of Economic Analysis Nominal 1959 Real CAGR Nominal Hospitais (excl. Governo) % Médicos % Remédios % Seguro de Saúde % Hospitalização e Cuidados Médicos % Asilos % Dentistas % Produtos Oftalmo. e Ortoped % Outros % Total % Pág. 55

56 1929 Novamente? Diferenças Significativas incluem: Seguro de depósitos Bancários 9,000 bancos faliram na crise de 29 com a grande maioria dos depósitos sendo perdidas; Seguro desemprego Impacto imediato sobre renda e consumo em 1929 eram muito mais pronunciados (Social Security Act somente implementado em 1935); Erros em resposta de política econômica Aumento dos juros em 1931 para defender o dólar; Aumento de impostos em 1932 para equilibrar o orçamento; Aumento do protecionismo (Smoot Hawley Tariff 1930); Pior Evento (ex-29) Data Queda do PIB (real) -33,0% -3% 1958 Desemprego 25,6% 11% 1982 Duração 3,7 anos 1,3 anos 1973 Queda da Produção Industrial -54,0% -14% 1958 Queda de Lucro -75,0% -54% 2001 Pág. 56

57 1929 Novamente? Resposta de política monetária e fiscal muito diferente Maiores Gastos nos Estados Unidos Evento Custo Nominal ($Bn) Custo Real ($Bn) Período Anos Custo como % do PIB Segunda Guerra Mundial $288 $ ,7% The New Deal $32 $ ,8% Guerra da Coréia $54 $ ,3% Invasão do Iraque $551 $ ,9% Compra de Louisiana $0 $ ,1% Plano Marshall $13 $ ,3% Crise de Savings & Loans $153 $ ,5% Guerra do Vietnam $111 $ ,3% NASA $417 $ ,2% Sistema de Auto-Estrada Interestadual de Eisenhower $114 $ ,2% Corrida Armamentista - Bomba Atômica $1 $ ,1% Fonte:The Wall Street Journal (http://online.wsj.com/article/sb html), Jim Bianco Research (http://www.ritholtz.com/blog/2008/11/big-bailouts-bigger-bucks/) Pág. 57

Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar Luis Stuhlberger

Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar Luis Stuhlberger Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar Luis Stuhlberger Maio 2011 Este material foi preparado para a apresentação Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar, maio de 2011. Não pode ser copiado, reproduzido

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

FUNDO VERDE Cenários e Estratégias Abril 2009

FUNDO VERDE Cenários e Estratégias Abril 2009 FUNDO VERDE Cenários e Estratégias Abril 2009 com Luis Stuhlberger Fernanda Batolla - Economista The Chefe Company e Artur Wichmann - Gestor Global de Ações Este material foi preparado para a apresentação

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

O Brasil Diante da Crise: Estabilidade e Resistência

O Brasil Diante da Crise: Estabilidade e Resistência O Brasil Diante da Crise: Estabilidade e Resistência Henrique de Campos Meirelles Março de 2009 1 Panorama Internacional 2 2000 = 100 EUA: Índice de Preço das Residências 220 Entre 2000 a Jun/06, valor

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013 Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo Setembro 2013 2 Melhoras institucionais do Brasil desde 1994: aceleração do crescimento e queda da inflação 9% Brasil: Crescimento do PIB 24% IPCA Inflação Anual 7%

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

Tendências e perspectivas

Tendências e perspectivas Economia brasileira Tendências e perspectivas Apresentação para o VIII Seminário Econômico da Fundação CEEE Gustavo H. B. Franco Porto Alegre, 23 de novembro de 2006 4 Temas Fundamentais Para entender

Leia mais

Navegando na Crise: Vantagens e Desvantagens

Navegando na Crise: Vantagens e Desvantagens Navegando na Crise: Vantagens e Desvantagens - Brasil: Vulnerável à Crise? - Por que Ainda Estamos Positivos? - Onde Estamos Pior? - Inflação Será Mais Alta? Outubro 2008 Pág. 2 Brasil: Vulnerável à Crise?

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 1º de junho de 2015 Cenário Macroeconômico e Reequilíbrio Fiscal O governo está elevando

Leia mais

Bancos Públicos e Desenvolvimento

Bancos Públicos e Desenvolvimento Bancos Públicos e Desenvolvimento Ministro Guido Mantega junho 2009 Seminário Valor Econômico e CEF 1 IMPORTÂNCIA DOS BANCOS PÚBLICOS Crise financeira demostrou a bancos públicos. importância dos Economias

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Simpósio UNIMED 2015 Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Mansueto Almeida 28 de agosto de 2015 Indústria: o que aconteceu? Produção Física da Indústria de Transformação 2002-

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

CSHG Strategy II FIC FIA Comentário do Gestor

CSHG Strategy II FIC FIA Comentário do Gestor A presente Instituição aderiu ao Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de Investimento. CSHG Strategy II FIC FIA Comentário do Gestor Agosto 2010 Em Agosto, o fundo CSHG Strategy

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Comitê Estratégico de Economia - AMCHAM São Paulo, 2 de setembro de 2010

Comitê Estratégico de Economia - AMCHAM São Paulo, 2 de setembro de 2010 Desafiosdo BNDES no ciclode investimentos em curso na economia brasileira Comitê Estratégico de Economia - AMCHAM São Paulo, 2 de setembro de 2010 Luciano Coutinho A trajetória recente da economia brasileira

Leia mais

As diretrizes de consumo no Brasil

As diretrizes de consumo no Brasil As diretrizes de consumo no Brasil A visão do consumidor Luiz Goes A GS&MD Gouvêa de Souza Consultoria Empresarial Canais de distribuição / Centrais e redes de negócios/ Controladoria e finanças / Crédito

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

CSHG ALL VERDE AM PRISMA FIC FIM IE Relatório de Gestão Junho de 2015

CSHG ALL VERDE AM PRISMA FIC FIM IE Relatório de Gestão Junho de 2015 Relatório de Gestão Junho de 215 Desempenho Junho 215 Acumulado 215 Prisma -2,39% 18,13% Para mais informações relevantes à análise da rentabilidade deste Fundo - tais como taxa de administração, taxa

Leia mais

Cenário Global e Implicações para o Brasil. Luiz Ribeiro - Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão

Cenário Global e Implicações para o Brasil. Luiz Ribeiro - Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão Cenário Global e Implicações para o Brasil Luiz Ribeiro - Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão Percepção e realidade Ciclo da Tartatuga A economia mundial segue se recuperando* * Estimativas do Deutsche AWM

Leia mais

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r?

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r? A CRISE MUNDIAL DOS ALIMENTOS: O que o Brasil pode fazer? Geraldo Barros USA: Inflation, Interest Rates, GDP Int rates Infl 12 14 16 18 6% 8% 1% GDP -4-2 2 4 6 8 1 198 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Atravessando a Crise Mundial

Atravessando a Crise Mundial 1 Atravessando a Crise Mundial LIDE Ministro Guido Mantega Fevereiro de 2009 1 2 Agravamento da Crise Mundial Crise Financeira externa não foi suficientemente equacionada Recessão global vai tomando corpo

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015 Petrobras, Poupança e Inflação 16 de Abril de 2015 Tópicos Poupança e Cenário Econômico Petrobras Fundos Poupança e Cenário Econômico Caderneta de Poupança 1990: Data do confisco:16 de março de 1990. Cenário

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Desempenho Junho 2015 Acumulado 2015. Global Alpha -3,46% 19,66% Libor 6M em BRL -2,55% 17,03%

Desempenho Junho 2015 Acumulado 2015. Global Alpha -3,46% 19,66% Libor 6M em BRL -2,55% 17,03% Relatório de Gestão Junho de 215 Desempenho Junho 215 Acumulado 215 Global Alpha -3,46% 19,66% Libor 6M em BRL -2,55% 17,3% Para mais informações relevantes à análise da rentabilidade deste Fundo - tais

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 04 de Maio de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 01/04/2015 a 30/04/2015 Panorama Mensal Abril 2015 No cenário internacional, o mês de abril foi marcado por surpresas negativas em

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 1 Doingbusiness no Brasil Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira Claudio Roberto Amitrano Dr. em Economia UNICAMP DIMAC-IPEA claudio.amitrano@ipea.gov.br Principais determinantes da crise Crise: inadimplência

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Atividade econômica mostra reação nos EUA. No Brasil, o PIB contraiu abaixo do esperado. Nos EUA, os dados econômicos mais recentes sinalizam que a retomada da atividade

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009

Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009 Pesquisa Global Nielsen sobre a Confiança do Consumidor Maio de 2009 Observações metodológicas Página 2 Enfoque da pesquisa Mensurar o sentimento e a confiança do consumidor no futuro da economia Padrões

Leia mais

Relatório Mensal - Setembro de 2013

Relatório Mensal - Setembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa emplacou o terceiro mês de alta consecutiva e fechou setembro com valorização de 4,65%. Apesar dos indicadores econômicos domésticos ainda

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Boletim de Risco Ano III. Nº 22. Agosto/2015

Boletim de Risco Ano III. Nº 22. Agosto/2015 Boletim de Risco Ano III. Nº. Agosto/ Cenário O mês de julho foi marcado por uma nova rodada de turbulências políticas e macroeconômicas que resultaram numa expressiva alta do CDS soberano brasileiro (gráfico.),

Leia mais

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC?

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC? Brasil 27 21: BRIC ou não BRIC? Conselho Regional de Economia, 3 de outubro de 26 Roberto Luis Troster robertotroster@uol.com.br BRIC Brasil, Rússia, Índia e China BRIC Trabalho de 23 da GS Potencial de

Leia mais

Análise de Risco de Bancos. Palestra Ocepar

Análise de Risco de Bancos. Palestra Ocepar Análise de Risco de Bancos Palestra Ocepar Abril/2009 Programação Análise recente do setor bancário Concentração Bancária Spread Bancário Crise Internacional Modelo de Análise de Bancos Perspectivas 2

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013)

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) André Medici Congresso Internacional de Serviços de Saúde (CISS) Feira Hospitalar São Paulo (SP) 23 de Maio de 2013

Leia mais

BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008. Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP

BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008. Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008 Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP O CRESCIMENTO DE LONGO PRAZO BRASIL: 1850-2008 10 9 FIM DA SUBST DE IMPORT 8 7 CRISE JANGO- RETOMADA? 6 5 4 ANOS 30 3 2 APOGEU

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009)

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Teorias clássica ou neoclássica (liberalismo); Teoria keynesiana; Teoria marxista. Visão do capitalismo como capaz de se auto-expandir e se autoregular Concepção

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

Efeitos da Selic ainda estão por vir, mas há pressão iminente sobre o IPCA

Efeitos da Selic ainda estão por vir, mas há pressão iminente sobre o IPCA EXODUS Institucional - Junho/14 Efeitos da Selic ainda estão por vir, mas há pressão iminente sobre o IPCA A inflação oficial desacelerou no mês de julho e ficou em,1% contra,4% de junho. O índice anualizado

Leia mais

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL Global leader in hospitality consulting Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL % DE RESPOSTAS POR REGIÃO INTRODUÇÃO Américas 19% Ásia 31% A pesquisa global de opinião sobre o mercado

Leia mais

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Clique para editar o estilo do subtítulo mestre PMI Emergentes vs. PMI Desenvolvidos Global JP Morgan: PMI composto, manufatura e serviços sa ESTADOS UNIDOS EUA: PMI composto, manufatura e serviços sa

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais