A CULTURA AFRO-BRASILEIRA E O RACISMO NO CONTEXTO ESCOLAR EM JUÍNA-MT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CULTURA AFRO-BRASILEIRA E O RACISMO NO CONTEXTO ESCOLAR EM JUÍNA-MT"

Transcrição

1 A CULTURA AFRO-BRASILEIRA E O RACISMO NO CONTEXTO ESCOLAR EM JUÍNA-MT Everton Rodrigues da Silva acadêmico de Pedagogia/AJES; Fabiana Macedo de Alcantara acadêmica e bolsista do Subprojeto de Pedagogia Pibid/AJES; Ana Leticia de Oliveira professora e coordenadora de área do Pibid/AJES; RESUMO Este trabalho tem como objetivo ressaltar a importância da cultura afro-brasileira, no âmbito escolar e investigar nas escolas como a temática está sendo abordada no cotidiano escolar. Percebe-se nitidamente que a cultura afro vem se destacando, a partir da Lei /03 sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A cultura afro-brasileira e mesmo os casos de racismo envolvendo essa na educação demonstra-se nas relações sociais entre alunos, professores e entre si. Essa investigação foi desenvolvida através da leitura de bibliografias relacionadas aos direitos humanos, cidadania e cultura afro-brasileira, além de levantamentos de dados junto à escolas públicas no município de Juína, localizada no noroeste de Mato Grosso, através de questionários que foram aplicados nessas instituições de ensino. Esse município foi emancipado em 1982, e hoje dispõe de dez escolas Estaduais e duas Municipais, onde dez mil discentes são atendidos todos os dias para o ensino e aprendizagem na educação infantil, ensino fundamental e ensino médio. As entrevistas foram realizadas nas escolas com o objetivo de esclarecer como a cultura afro-brasileira está sendo abordada em sala de aula, pelos professores e alunos e como os casos de racismo se apresentam nesse contexto. Sendo que as escolas foram escolhidas aleatoriamente, e estão localizadas em bairros periféricos do município. Percebe-se o despreparo dos profissionais da educação em trabalhar a temática ou mesmo sua insegurança, desse modo, nota-se ainda a urgência de uma melhor capacitação dos profissionais da educação para definir e discutir, além dos aspectos culturais da, o racismo e preconceito. A necessidade de trabalhar temas ligados à cultura afro-brasileira vem para conscientizar os alunos e a sociedade a produzir uma visão geral e compreensiva sobre a cultura, e para que estes tipos de preconceitos sejam extintos nas escolas e os alunos conheçam mais sobre suas verdadeiras origens. Palavras chaves: Racismo; Cultura afro-brasileira; Direitos Humanos. INTRODUÇÃO Na sociedade que em que vivemos, pode-se perceber que as questões relacionadas ao racismo e à cultura afro-brasileira ainda têm muito a ser discutidas.

2 2 Enquanto atitudes racistas ainda se mostram comum em nosso cotidiano, o ensino da cultura trazida ao Brasil pelos africanos continua sendo mal trabalhada nas escolas. Nesse sentido esse trabalho tem como objetivo ressaltar a importância da cultura afro-brasileira no âmbito escolar e investigar nas escolas como a temática está sendo abordada no cotidiano escolar. Igualmente busca compreender a presença do racismo no ambiente escolar. Para isso além dos estudos bibliográficos foi realizada uma pesquisa junto à duas escolas estaduais do município de Juína, Mato Grosso. Essa visava, através de questionários, compreender a visão dos professores e alunos sobre a temática aqui discutida. O processo de colonização de Juína fez com que muitas pessoas de diferentes regiões do Brasil migrassem para o município em busca de uma melhor qualidade de vida. Isso fez com que diferentes etnias foram se incorporando na população e nos hábitos de vida. Consequentemente isso se reflete nos espaços escolares, pois é neste espaço que criança de diferentes culturas se encontrão. Por meio da pesquisa realizada com professores e alunos, compreende-se a importância de trabalhar, por meio da interdisciplinaridade e as questões da cultura africana no cotidiano escolar. Principalmente sob o enfoque da discriminação, preconceitos e racismo utilizando a realidade vivida no contexto escolar e na sociedade local. CULTURA AFRO-BRASILEIRA NO CONTEXTO ESCOLAR: A LEI /03 A História do povo brasileiro é marcada por uma miscigenação de vários grupos como étnicos, indígenas, europeus e principalmente pelos povos africanos. Atualmente muito se fala sobre a cultura africana, mas o que pouco se sabe é que foi ela a que teve mais influência sobre a cultura brasileira (SANTOS, 20--). Brasil possui a segunda maior população africana, cerca de 50,7% de afrodescendentes fora do continente de origem, de acordo com o Censo Demográfico do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Esse crescimento se deu desde a chegada dos negros no período colonial, quando eram trazidos ao Brasil durante a primeira metade do século XVI, para trabalhar como escravos na produção de cana de açúcar e nas lavouras de café. Isso até 1888 com a abolição da escravatura, o que

3 3 contribui para a gradativa desvalorização do povo africano e seus descendentes ao longo da história. Hoje no Brasil cria-se a imagem de um país sem preconceito racial, mas definha sua população afrodescendente na subjeção de trabalho com a rentabilidade mais baixa, pois difere sua cor não o seu trabalho. A escravidão como prática em nosso país é profundamente disfarçada. Talvez não se venda mais o corpo do negro ou do trabalhador como outrora, porém, infelizmente, se negocia com a sua identidade, imputando-lhe uma carga de inferioridade e discriminação que fere tanto quanto a venda de seu corpo. (BOTH, 2006, p.17) Devem-se ainda salientar a necessidade de conhecermos a história africana que teve uma vasta importância e contribuição do nosso país para um desenvolvimento de identidade, que vem buscando a valorização cultural do brasileiro. Com essas enormes diversidades culturais que os Africanos trouxeram para o Brasil deu-se a origem a cultura afro-brasileira. É de extrema importância que as escolas, principalmente de nível fundamental, implantem em seu currículo escolar a cultura afro-brasileira. Essa temática no cotidiano escolar é relevante, uma vez que este espaço exerce grande influencia na formação do sujeito para incluí-lo na sociedade. Para Ponciano (2011) a cultura afro-brasileira expressa na legislação, atenta às questões relacionadas às diferenças sociais e culturais, e à valorização das mesmas em todas as instâncias e segmentos da sociedade. Com promulgação da Constituição Federal de 1988, o Brasil efetivou o Estado democrático de direito com ênfase na cidadania e na dignidade da pessoa humana, expresso nos artigos 3º e 5º. No artigo 12, a Constituição reconhece o caráter multirracial da população no artigo215 expressa o respeito à pluralidade étnica que caracteriza o povo brasileiro. Este quadro só veio a ser valorizado com criação da Lei /03, que tornaria obrigatória a incorporação da cultura africanas e afro-brasileira nos currículos escolares, priorizando o ensino fundamental e médio. Esses teriam como objetivo, entre outros, elaborar uma educação que reconhece e valoriza a diversidade e as origens do povo brasileiro. Uma das formas de fazer com que alei seja comprida foi a elaboração dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), que regulamenta o ensino nacional,

4 4 favorece e aponta metas que ajudarão o aluno em seu desenvolvimento para lutar pelo seus direitos como cidadão participativo, crítico e conhecedor dos seus direitos e deveres. Percebe-se a compreensão da necessidade de que discentes e docentes devam conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio da interculturalidade de outros povos, posicionando-se contra qualquer descriminação racial. Segundo os PCNs (BRASIL, 1997) ainda, pluralidade cultural existente no Brasil é fruto de longo processo histórico de interação entre aspectos políticos e econômicos. Esse processo apresenta-se com uma construção cultural brasileira altamente complexa, historicamente definida e redefinida continuamente nos termos nacionais. Assim a diversidade cultural existente no país é extremamente grande, pois muitas culturas que existem são frutos de um processo de mão-de-obra dos escravos. As ações a serem desenvolvidas nas séries iniciais reforçam a importância da escola no reconhecimento do desenvolvimento dos alunos, respeitando as diversas heranças culturais. Ainda, o documento da pluralidade cultural trata da diversidade étnica e cultural, plural na sua identidade: e índios, afrodescendentes, imigrantes, e urbano, sertanejos, caiçara, caipira, enfatizando as diversas heranças culturais que convivem na população brasileira, oferecendo informações que contribuam para a formação de novas mentalidades, voltada para a superação de todas as formas de discriminação e exclusão.(pereira, 2004, p.18). Os Parâmetros Curriculares Nacionais propõem uma mudança de enfoque em relação aos conteúdos curriculares: ao invés de um ensino em que o conteúdo seja visto como fim em si mesmo ao contrário, o que se propõe é um ensino em que o conteúdo seja visto como meio para que os alunos desenvolvam as capacidades que lhes permitam produzir e usufruir dos bens culturais, sociais e econômicos (BRASIL, 1997, p.51). Têm ainda a importância e a colaboração dos profissionais da educação para um processo pedagógico, com a eminência na igualdade, dos diferentes, baseando se na preponderância do respeito, cidadania assegurada pelos direitos humanos para uma proposta nacional da educação. Nesta perspectiva temática vem incorporando vários temas transversais, pluralidade cultural, arte, meio ambiente e saúde etc., que devem inserir no cotidiano

5 5 escolar, onde estes devem ser incluídos com a mesma importância. Que os alunos, os pais e comunidade possam ser mais críticos e propor novas socialização e participação de uma determinada visão para os parâmetros curriculares. Alguns aspectos sobre a Lei /03 devem ser esclarecidos nos contexto dos PCNs, garantindo a capacitação dos educadores, onde eles possam desenvolver o ensino e aprendizagens e compreensão sobre a cultura afro-brasileira. Esta lei já vem se arrastando por 11 anos, e não vem sendo valorizada e nem incluída nas grades curriculares das escolas, sendo um dos motivos ar falta de materiais didáticos específicos para trabalhar sobre a cultura afrodescendente. No meio social e atual que vivemos, e possível observar que o racismo é um enorme problema social praticado por um grande grupo de pessoas presente em toda a sociedade, percebe-se que está presente em casa, nas escolas, nas redes sociais, meios de comunicação. De acordo com Santos (2005, p. 14), a discriminação racial se reproduz em vários contextos sociais das relações entre negros e brancos. Nesse contexto a escola não se encontra isenta dessas reproduções. Um aspecto que o racismo é percebido no cotidiano escolar é através do bullying, brincadeiras palavras, gesto, apelidos e principalmente pelo seu tipo de cabelo e etc. Onde se percebe que os profissionais da educação e gestores não estão preparados para a compreender e auxiliar o aluno em caso de preconceito racial. As relações dos professores e alunos, na conscientização é de suma importância para que seja combatido o preconceito racial. Cardoso (1962, p.281) apontava que Com a desagregação da ordem servil, que naturalmente antecedeu, como processo, à abolição, foi-se constituindo, pouco a pouco, o "problema negro", e com ele intensificando-se o preconceito com novo conteúdo. Nesse processo o "preconceito de cor ou de raça" transparece nitidamente na qualidade de representação social que toma arbitrariamente a cor ou outros atributos raciais distinguíveis, reais ou imaginários, como fonte para a seleção de qualidades estereotipáveis. O racismo se apresenta no cotidiano escolar desde as séries iniciais, onde os negros, são referidos na semelhança como um ser irracional, não existe ilustração de família negra, menciona-se aos negros no passado como se já não existissem além dos livros didáticos. O racista define negros principalmente pela cor de pele, como forma de

6 6 preconceito e muitas vezes a sociedade se refere de forma agressiva, tanto fisicamente e quanto moralmente. Para solucionar esses pré-conceitos estabelecidos na sociedade e passados de geração para geração, os profissionais da educação das séries iniciais devem ter como objetivo trabalhar com os alunos a cultura afro-brasileira em diferentes aspectos da arte como a dança, a música, e teatro etc. Pois se inseridos os aspectos culturais desde o início da vida escolar estas crianças conhecerão as suas origens. No entanto precisa-se que a sociedade trabalhe juntamente com os profissionais da educação, contra o racismo, preconceito e a desigualdade das classes sociais. METODOLOGIA Para compreender sobre a cultura afro brasileira e o racismo nas escolas o trabalho buscou se desenvolver, em um primeiro momento através de estudos bibliográficos. Essa investigação foi desenvolvida através da leitura de bibliografias relacionadas aos direitos humanos, cidadania e cultura afro-brasileira. Posteriormente realizou-se pesquisa a campo em duas escolas estaduais de ensino fundamental do localizadas em bairros periférico do município de Juína, que se localiza no noroeste do Mato Grosso e possui aproximadamente quarenta e cinco mil habitantes. Nessas foram realizadas pesquisas com questionários aplicados a professores e alunos, de modo a identificar como eles abordam a temática proposta em sala de aula. Dessa forma foram entrevistados XX professores e XX alunos, estudantes do nono ano do ensino fundamental. Após os resultados foram analisados de forma convergente, possibilitando uma análise da realidade podendo ser observados a seguir. RESULTADOS Para o desenvolvimento da pesquisa foram aplicados 66 questionários a alunos do nono ano do ensino fundamental de duas escolas do município de Juína. Desses 35 eram meninos e 31 meninas, com faixa etária de 13 a 17 anos, no entanto destaca-se

7 7 que nem todos responderam o questionário por completo, deixando em branco algumas perguntas. Primeiramente foram questionados se sabem o que é racismo, sendo que 65 alunos responderam que sabem e 1 respondeu que não sabe. Com isso percebe-se que a maioria dos alunos considera que sabem o que é racismo, porém posteriormente percebe-se que a realidade é um pouco diferente. Essa pergunta abriu precedente para aprofundar mais sobre o que é o racismo sendo questionado de maneira aberta sobre eles entendem de racismo, que em geral deram mais de uma resposta. Nessa se evidenciou que a maioria dos questionados relacionam o racismo com preconceito e discriminação, porém nem sempre têm a clareza da sua evidência sobre a questão racial. Assim, pode-se reconhecer que o fato de apontarem que sabem o que é racismo, não necessariamente é compatível com seu real entendimento. Dos entrevistados 16 apontaram respostas semelhantes com quando uma pessoa coloca apelido na outra, 13 que é quando uma pessoa fala mal da outra, 5 respondeu que é quando fazem brincadeira de mal gosto com o colega, o que levou a entender que não relacionaram o racismo com preconceito racial. Já 40 apontaram que por descriminação e 24 responderam que quando pratica o preconceito, podemos entender que o racismo destaca não só com uma resposta mais sim com muitas resposta. Quando perguntado se ele já foi vítima do racismo sendo que 15 pessoas responderam que sim e 50 responderam que não, 1 não respondeu. Também foi perguntado se algum amigo já foi vitima do racismo ou preconceito 39 responderam que sim e 26 responderam não, e 1 não respondeu. Isso demonstra que esse ainda é uma realidade na escola e no cotidiano desses jovens. Ao se depararem com a pergunta de quem tinha praticado o racismo 27 assinalaram que tinha sido os próprios colegas, 2 que era o professor, 14 responderam que era desconhecido e 3 falaram que outros, e 19 estudantes não responderam a questão. Com isso é possível perceber que os agressores fazem parte do cotidiano desses jovens, inclusive com a violência por parte daqueles que deveriam estar administrando a situação. Perguntamos para eles se alguém fez alguma coisa para quando foi praticado o racismo 13 pessoas não responderam a questão, 14 apontaram que sim, e 39

8 8 responderam que não, deixando clara a omissão perante a violência. Caberia a qualquer pessoal agir perante essa injustiça, porém em ambiente escolar, a gestão, professores e funcionários devem sim tomar providências, podendo inclusive utilizar de tal situação para projetos didáticos. Também foi perguntado se já praticaram racismo de alguma forma como brincadeiras, xingamentos ou apelidos, 34 entrevistados responderam que sim, 28 que não e 4 não responderam. Chamou a atenção que relatos de jovens que tiveram atitudes de racismo, mas depois ficaram chateados por ver a pessoa que foi a vítima triste ou até mesmo parar de estudar, o que mostra a seriedade da agressão. Quando perguntado se os professores trabalham a questão do racismo em sala de aula 50 disseram que sim, 15 que não e 1 não respondeu. Então pode-se entender que os professores precisam de trabalhar mais este tema em sala de aula uma vez que não está atingindo a todos os alunos. Ao questionar se eles tiveram palestras sobre o racismo 45 responderam que sim com palestra, teatro e formulando projetos para o Dia da Consciência Negra e 21 responderam não. Isso leva a entender que mais uma vez, a temática aparece restrita à uma data específica e pontual. Em contraponto também foi levantada a opinião de professores sendo que 7 responderam os questionamentos, de modo a promover a comparação em com o entendimento dos alunos. Ao serem questionados sobre o que entendem por racismo, sendo que em geral responderam que é o ato de discriminar ou ter preconceitos sobre alguém ou grupo por causa da cor ou tom de pele. Também ao serem perguntados como o racismo se manifesta no âmbito escolar eles responderam que através de chacotas, brincadeiras e apelidos. Como esperado, as respostas apresentaram sobriedade. Quando questionados se ele ou alguém da sua convivência já foi vítima do racismo 5 responderam que e 2 responderam que não, o que leva a conclui-se eles também tem a percepção da presença do racismo em seu cotidiano. Já ao ser perguntado se quando ocorreu o a discriminação a escola tomou alguma postura para resolver o problema eles responderam que sim com dialogo entre ambas partes. Nisso percebe-se uma controvérsia com a opinião dos alunos, o que pode significar que as ações que estão sendo feitas ela escola são insuficientes frete as necessidades dos alunos.

9 9 No questionamento sobre a realização de palestras ou atividades para combater o racismo ou o preconceito 6 responderam que sim, que essas são realizadas na escola, enquanto 1 falou que não. Essa negação pode significar um pedido de aprofundamento e significância maior dessas atividades. Por fim foi levantado se existe algum tipo de orientação pedagógica para trabalhar com a cultura afro-brasileira e com o racismo, onde 1 professor não respondeu ao questionamento e outro respondeu que não. Enquanto isso 5 responderam que sim destacando que a sala do educador tem sido um momento propício para estudar e compartilhar ideias. Isso mostra que apesar de discussões que realizam, não estão tendo uma formação específica sobre o tema. Com essa pesquisa pode-se perceber que há certa divergência de visões entre os professores e os alunos. Apesar de reconhecer que vem ocorrendo casos de racismo no cotidiano escolar e as instituições tentarem resolver o problema, o que vem sendo representa ser insuficiente às necessidades surgidas. Igualmente cultura afro-brasileira e a valorização do negro no Brasil precisam ser mais bem trabalhadas. Não apenas em uma única semana, mas ao longo do ano todo. Porém essa deficiência não deve ser de responsabilidade apenas do professor, mas sim de um falho sistema de formação e qualificação. CONCLUSÃO A partir dos estudos bibliográficos ficou evidente a importância do estudo da cultura afrodescendente no contexto escolar, bem como a questão do racismo que apresenta-se como uma violência constante na sociedade atual. Essa temática permite que se trabalhe o ano todo, das mais distintas formas e enfoques. Porém, em geral as escolas apenas a trabalham na semana da Consciência Negra, geralmente relacionada apenas aos aspectos mais superficiais. Com o desenvolvimento do estudo, percebeu-se ainda que os professores, em linhas gerais, consideram-se entendedores das discussões sobre racismo e cultura afro-brasileira. No entanto, compreendeu-se também que possuem dificuldades em debater o tema no contexto escolar e com os alunos em sala de aula. Para isso, é relevante uma preparação e qualificação mais aprofundada sobre o assunto, e que pode

10 10 ser estimulada tanto pelas direções e coordenações das escolas, como por todo o sistema de ensino. Quanto ao alunos, com a análise dos questionamentos notou-se que alguns souberam responder o que era racismo, outros deixaram a desejar com as resposta. Isso agrava a questão quando pensamos que muitos desses, que não compreendem o racismo na íntegra podem estar sendo vítimas ou até agressores, sem ao mesmo saber. Reconhece-se que o racismo ainda está muito presente dentro das escolas. Por isso, se tem a necessidade de intensificar o trabalho de valorização da cultura afro-brasileira e conscientização contra o preconceito racial, na busca por formação para a cidadania e respeito aos direitos humanos. Percebe-se o despreparo dos profissionais da educação em trabalhar a temática ou mesmo sua insegurança, desse modo, nota-se ainda a urgência de uma melhor capacitação dos profissionais da educação para definir e discutir, além dos aspectos culturais da, o racismo e preconceito. A necessidade de trabalhar temas ligados à cultura afro-brasileira vem para conscientizar os alunos e a sociedade a produzir uma visão geral e compreensiva sobre a cultura, e para que estes tipos de preconceitos sejam extintos nas escolas e os alunos conheçam mais sobre suas verdadeiras origens. REFERÊNCIAS BOTH, Sérgio José. Racismo e discriminação no meio de todos nós. Mundo Jovem um Jornal de Ideias. Porto Alegre: BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, CARDOSO, F. H. Capitalismo e escravidão no Brasil Meridional. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, CERQUEIRA, Luciene Souza Santos. As muitas faces do sucesso escolar: do real ao ideal. Salvador,( dissertação de mestrado), OLIVA, Anderson Ribeiro. A história africana nas escolas brasileiras. Entre o prescrito e o vivido, da legislação educacional aos olhares dos especialistas ( ). História. 28 (2). São Paulo: PEREIRA, A. Educação Multicultural- Teoria e Prática. Porto: Asa Editores, PEREIRA, José Maria Nunes. Colonialismo, Racismo, Descolonização. Revista Estudo Afro-Asiáticos, n. 2, maio/agosto, 1978.

11 11 PONCIANO, Deize Denise. História e cultura Afro-Brasileiras no Currículo de História do 6º ao 9º anos da Rede Oficial do Estado de São Paulo. Universidade do Oeste Paulista (mestrado). Presidente Prudente: SANTOS, Joceli Domanki Gomes dos. A Lei /03 e a importância de sua implementação na educação básica Disponível em: < a/a_lei_10639_03_e_a_importancia_de_sua_implementacao.pdf>. Acesso em: out. de 2014.

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA RESUMO LEI 10.639/03 Anne Caroline Silva Aires Universidade Estadual da Paraíba annec153@yahoo.com.br Teresa Cristina Silva Universidade Estadual da

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas.

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas. REVELANDO SENTIDOS E DESPERTANDO PERTENÇAS: O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 EM UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CAMPINA GRANDE-PB Acacia Silva Alcantara Graduanda Pedagogia UEPB/PROPESQ/PIBIC-Af

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS LEILA MARIA DE OLIVEIRA Mestre em Educação: Currículo pelo Programa de Pós Graduação da PUC-SP; professora de educação física; e integrante do Grupo

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003

RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003 RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003 Prof. Anderson Oramísio Santos Prof. Esp.Olga Helena Costa RESUMO: O presente artigo objetiva oportunizar espaços de estudo

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú Fernando Deodato Crispim Junior 1 ; Matheus dos Santos Modesti 2 ; Nadia Rocha Veriguine 3 RESUMO O trabalho aborda a temática da

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE Patrícia da Silva Souza Graduanda de Pedagogia pela UEPB pipatricia278@gtmail.com Kátia Anne Bezerra da Silva Graduanda em Pedagogia

Leia mais

TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03.

TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03. TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: LETRAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 416/2006

RESOLUÇÃO Nº 416/2006 RESOLUÇÃO Nº 416/2006 Regulamenta o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africanas e dá outras providências. O Conselho de Educação do Ceará CEC, no uso de suas atribuições legais no uso de suas

Leia mais

Perfil das profissionais pesquisadas

Perfil das profissionais pesquisadas A PRÁTICA DO PROFESSOR FRENTE AO ENSINO DE HISTORIA E CULTURA AFRICANA E AFRO-BRASILEIRA NAS SALAS DE AULA DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE NAZARÉ DA MATA PE. Lucicleide

Leia mais

Relatório Final do Projeto Institucional de Apoio à Diversidade

Relatório Final do Projeto Institucional de Apoio à Diversidade Relatório Final do Projeto Institucional de Apoio à Diversidade Veja o exemplo de relatório do processo de ensino-aprendizagem apresentado pela professora de uma das turmas da CMEB Mário Leal Silva CMEB

Leia mais

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1 EDUCAÇÃO E PRECONCEITO RACIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS NAS PERCEPÇÕES DAS FAMÍLIAS NEGRAS E BRANCAS NO MUNICIPIO DE CUIABÁ MONTEIRO, Edenar Souza UFMT edenar.m@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID Liberato Epitacio de Sousa da Silva - PIBID/UEPB (Bolsista do PIBID de Geografia) Liberatotacio20@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Autor (Cláudio Robélio da Trindade); Co-autor (Karla Dayana Cardoso Veríssimo)

Autor (Cláudio Robélio da Trindade); Co-autor (Karla Dayana Cardoso Veríssimo) A LEI 10.639/03: OS DESAFIOS DOCENTES E A PÁTRICA PEDAGÓGICA EM TORNO DA RECEPÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DOS ALUNOS A RESPEITO DO ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA EM SALA DE AULA Autor

Leia mais

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES JUSTIFICATIVA Este projeto tem como objetivo maior: Criar mecanismos para efetivar a implementação

Leia mais

A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE

A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE Kallenya Kelly Borborema do Nascimento 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) E-mail: kallenyakelly2@hotmail.com Patrícia Cristina

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população negra brasileira são fundamentadas historicamente na luta

Leia mais

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação 4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA 4.1. Apresentação O Curso de Educação na Diversidade e Cidadania é um curso de formação continuada de professores de educação básica, com carga horária de

Leia mais

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro.

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Prof.ª Sonia Helena Carneiro Pinto Justificativa: Este projeto

Leia mais

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE 19 EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE Alexandre do Nascimento - FAETEC - RJ Resumo No Brasil, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação,

Leia mais

A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES

A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES Delydia Cristina Cosme e Silva 1 Resumo Este trabalho apresenta um panorama da inclusão da história e cultura afro-brasileira nos currículos

Leia mais

EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V. Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora)

EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V. Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS I MÓDULO IV Discutir sobre a educação das relações étnico-raciais na escola,

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI.

OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI. OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI. Sabrina Silveira Silva Universidade Federal de Uberlândia\FACIP sabrinasilveiramgsasa@hotmail.com Luciane Ribeiro Dias

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A IGUALDADE RACIAL, LITERATURA E PIBID NA ESCOLA MUNICIPAL DE DOURADOS/MS.

UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A IGUALDADE RACIAL, LITERATURA E PIBID NA ESCOLA MUNICIPAL DE DOURADOS/MS. UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A IGUALDADE RACIAL, LITERATURA E PIBID NA ESCOLA MUNICIPAL DE DOURADOS/MS. Rosineide da silva Bartolina Ramalho Catanante Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Universidade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS

EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS QUAL É A NOSSA COR? Sala 3 Interdisciplinar EF I EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS Professoras Apresentadoras: DÉBORA CARLA M S GENIOLE ELIZABETH REGINA RIBEIRO FABIANA MARTINS MALAGUTI FERNANDA MARIA DE OLIVEIRA

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA

OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA SILVA, Sueley Luana da Especialista em Geografia do Brasil pela UFG/CAC, aluna do Programa de Mestrado em Geografia/UFG/CAC/Bolsista Capes.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DAS LEIS 10.639/03 E 11.645/08 NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NO RECÔNCAVO

IMPLEMENTAÇÃO DAS LEIS 10.639/03 E 11.645/08 NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NO RECÔNCAVO IMPLEMENTAÇÃO DAS LEIS 10.639/03 E 11.645/08 NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NO RECÔNCAVO ELIANE FÁTIMA BOA MORTE DO CARMO 1 Introdução Após a promulgação da lei 10.639/03 e 11.645/08, passando a ser oficialmente

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Gisllayne Rufino Souza* UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Habilidades: Verificar as características dos principais grupos étnicos formadores da população brasileira: indígenas, negros e brancos.

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

DIVERSIDADE CULTURAL, UM DESAFIO CONSTANTE DE CIDADANIA E CONSCIÊNCIA NO AMBIENTE ESCOLAR: APOIO TEÓRICO-PRÁTICO

DIVERSIDADE CULTURAL, UM DESAFIO CONSTANTE DE CIDADANIA E CONSCIÊNCIA NO AMBIENTE ESCOLAR: APOIO TEÓRICO-PRÁTICO DIVERSIDADE CULTURAL, UM DESAFIO CONSTANTE DE CIDADANIA E CONSCIÊNCIA NO AMBIENTE ESCOLAR: APOIO TEÓRICO-PRÁTICO Jessé Gonçalves Cutrim 1 RESUMO: Trata-se de um ensaio propositivo sobre Diversidade Cultural

Leia mais

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 Naiara de Souza Araújo 2 Raquel Leandro Portal 3 Resumo O Brasil é um país com uma ampla diversidade cultural que necessita ser valorizada e por

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS CULTURA, MEMÓRIA E TEORIAS EM EDUCAÇÃO: O Ensino da História e Cultura dos Povos Indígenas nas Escolas Municipais de Barra do Bugres/MT Ederval Pereira de Souza 1 Resumo: Nesse projeto de pesquisa pretendo

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

1 Para saber mais acesse: www.geppes.ucdb.br

1 Para saber mais acesse: www.geppes.ucdb.br A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O SISTEMA DE COTAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL (2004-2008) Daisy Ribas Emerich UCDB O objetivo da pesquisa consistiu em analisar

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL DISCIPLINA: SOCIOLOGIA O propósito desta sequência didática é discutir com e/em interação com os jovens-alunos, a questão do preconceito racial e o

Leia mais

RELAÇÕES RACIAIS E EDUCAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE ÉTNICO-RACIAL DE ESTUDANTES AFRO-DESCENDENTES.

RELAÇÕES RACIAIS E EDUCAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE ÉTNICO-RACIAL DE ESTUDANTES AFRO-DESCENDENTES. RELAÇÕES RACIAIS E EDUCAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE ÉTNICO-RACIAL DE ESTUDANTES AFRO-DESCENDENTES. Rita de Cassia Fernandes da Costa² (UFAL) rita.costaf@hotmail.com RESUMO:

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Acadêmica do Curso de Educação Física da UNIPAMPA, campus de Uruguaiana, bolsista PROEXT-MEC; 3

Acadêmica do Curso de Educação Física da UNIPAMPA, campus de Uruguaiana, bolsista PROEXT-MEC; 3 EducArte: vivenciando a cultura-afro brasileira nas escolas municipais de Uruguaiana e no Centro de Atendimento Sócio educativo - Rio Grande do Sul Brasil Marta Iris Camargo Messias da Silveira 1 Rosângela

Leia mais

TRANSVERSALIDADE CULTURAL: NOTAS SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO E A TEMÁTICA AFRO-BRASILEIRA E INDÍGENA NAS SALAS DE AULA.

TRANSVERSALIDADE CULTURAL: NOTAS SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO E A TEMÁTICA AFRO-BRASILEIRA E INDÍGENA NAS SALAS DE AULA. TRANSVERSALIDADE CULTURAL: NOTAS SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO E A TEMÁTICA AFRO-BRASILEIRA E INDÍGENA NAS SALAS DE AULA. Liélia Barbosa OLIVEIRA(UEPB) lielia20@yahoo.com.br Thomas Bruno OLIVEIRA(UEPB) thomasbruno84@hotmail.com

Leia mais

O PROFESSOR ALFABETIZADOR COMO MULTIPLICADOR DE SAÚDE

O PROFESSOR ALFABETIZADOR COMO MULTIPLICADOR DE SAÚDE O PROFESSOR ALFABETIZADOR COMO MULTIPLICADOR DE SAÚDE RESUMO Décio Gomes de Oliveira Universidade do Oeste Paulista O presente projeto visa o aperfeiçoamento de docentes do Programa de Alfabetização Solidária,

Leia mais

Bolsista do Curso Procedimentos Didático-Pedagógicos Aplicáveis em História e Cultura Afro-Brasileira, Acadêmico do Curso de História, UFRGS.

Bolsista do Curso Procedimentos Didático-Pedagógicos Aplicáveis em História e Cultura Afro-Brasileira, Acadêmico do Curso de História, UFRGS. TITULO: PROCEDIMENTOS DIDÁTICO PEDAGÓGICOS EM HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA: EXPERIÊNCIA EM EAD PARA PROFESSORES EJE: Integración extensión, docencia e investigación AUTORES: Patricia Helena Xavier

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Vagner Ferreira Reis 1 ; Jacqueline da Silva Nunes Pereira 2 RESUMO:

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O ESTUDO ETNOGRÁFICO NA ESCOLA COMO INSTRUMENTO PARA A SUPERAÇÃO DA DESIGUALDADE RACIAL

A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O ESTUDO ETNOGRÁFICO NA ESCOLA COMO INSTRUMENTO PARA A SUPERAÇÃO DA DESIGUALDADE RACIAL Universidade Federal de Santa Maria I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 e 21 de outubro de 2015 A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Prepare-se para o XXIII Seminário Estadual dos Orientadores Educacionais de SC, de 19 a 21 de agosto

Prepare-se para o XXIII Seminário Estadual dos Orientadores Educacionais de SC, de 19 a 21 de agosto EDITORIAL Prepare-se para o XXIII Seminário Estadual dos Orientadores Educacionais de SC, de 19 a 21 de agosto Nosso maior objetivo sempre foi lutar pela defesa dos interesses e direitos, como também promover,

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Andréa Pereira de Souza Gestora da Formação Permanente na Secretaria Municipal de Educação do município de Mogi das Cruzes. Cintia

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria Conselho de Graduação e Educação Profissional

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria Conselho de Graduação e Educação Profissional Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria Conselho de Graduação e Educação Profissional Conselho de Graduação e Educação Profissional COGEP PROCESSO Nº. 038/13-COGEP Câmara

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

DIÁLOGO, PRÁTICA E EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA: A IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 ATRAVÉS DO PROJETO MÚSICA AFRO NA ESCOLA.

DIÁLOGO, PRÁTICA E EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA: A IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 ATRAVÉS DO PROJETO MÚSICA AFRO NA ESCOLA. DIÁLOGO, PRÁTICA E EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA: A IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 ATRAVÉS DO PROJETO MÚSICA AFRO NA ESCOLA. André Gilberto Teixeira Gomes 1 Gabriela Teixeira Gomes 2 Júlio César Madeira

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 RELATÓRIO: JUVENTUDE NEGRA: PRECONCEITO, VIOLÊNCIA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL MARIA DO SOCORRO SILVA

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

Coleção Cadernos Afro-Paraibanos APRESENTAÇÃO

Coleção Cadernos Afro-Paraibanos APRESENTAÇÃO Coleção Cadernos Afro-Paraibanos APRESENTAÇÃO O racismo é um fenômeno das relações sociais do Brasil. No estado da Paraíba, onde mais de 60% da população é negra, não encontramos essa mesma proporcionalidade

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UMA EXPERIÊNCIA ATRAVÉS DO PIBID Cristiane Rosa Lopes*

DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UMA EXPERIÊNCIA ATRAVÉS DO PIBID Cristiane Rosa Lopes* DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UMA EXPERIÊNCIA ATRAVÉS DO PIBID Cristiane Rosa Lopes* Resumo Este trabalho insere-se no campo da Linguística Aplicada, e tem como eixo central a

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais