QUALIDADE DO ATENDIMENTO PRESTADO AO CLIENTE-CIDADÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUALIDADE DO ATENDIMENTO PRESTADO AO CLIENTE-CIDADÃO"

Transcrição

1 QUALIDADE DO ATENDIMENTO PRESTADO AO CLIENTE-CIDADÃO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE REGULAÇÃO URBANA DE APARECIDA DE GOIÂNIA: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO E PROPOSITIVO Carmen Vânia Carrijo Lúcio Ismael de Alvarenga Resumo: Este artigo tem como objetivo identificar as necessidades dos clientes-cidadãos no atendimento da Secretaria Municipal de Regulação Urbana (SMRU), em Aparecida de Goiânia, mensurando os níveis de satisfação dos mesmos em relação aos serviços prestados pelo órgão. Ao aceitar a pesquisa teórica como base para respostas e a pesquisa exploratória para abordar as vantagens e deficiências do órgão, obteve-se sugestões de mudanças e adaptações para atender as necessidades diagnosticadas. As organizações públicas precisam rever seus papéis, focar suas tarefas e elevar para a totalidade o nível de satisfação dos clientes-cidadãos nos processos de atendimento. Além disso, precisam evoluir, promovendo mudanças e adaptações rápidas, implantando, com ações corretivas, melhorias contínuas e progressivas nos processos de atendimento para que estes alcancem, como dito, níveis de excelência no cumprimento dos desejos, necessidades e demandas do cliente-cidadão. Abstract: This article has as objective the identification of the needs of customers-citizens attending the Municipal Secretary of Urban Adjustment (SMRU), Aparecida de Goiânia, measuring the levels of satisfaction regarding the services rendered by the Court. Acceptening the theoretical research as a basis to responses and the exploratory search to address the advantages and shortcomings of the body, changes and adaptations were suggested to attend the needs identified. Public organizations must review their roles, their tasks and focus on raising the whole level of customer satisfaction-citizens in the processes of attending. In addition, need to evolve, promoting changes and adaptations fast, deploying with corrective actions, continuous and progressive improvements in the processes of attending so that they reach, as said, levels of excellence in fulfillment of desires, needs and demands of the customer-citizen. Palavras-chave: Organização. Administração Pública. Atendimento. Qualidade. Keywords: Organization. Public Administration. Attendance. Quality. Acadêmica do curso de Administração, 8º período, da Faculdade Alfredo Nasser UNIFAN. Economista. Administrador Público. Especialista em Economia de Empresas. Mestre em Administração. Professor da Faculdade Alfredo Nasser UNIFAN.

2 2 1 INTRODUÇÃO A qualidade no atendimento ao cliente-cidadão 1 constitui o tema desse artigo, que discorre sobre o assunto mediante duas abordagens: a primeira, com enfoque conceitual. A segunda, com foco numa pesquisa exploratória, tomando como estudo o atendimento na Secretaria Municipal de Regulação Urbana de Aparecida de Goiânia (SMRU). O desenvolvimento desse trabalho é justificado a partir da premisse de que, em se tratando de serviço de atendimento em órgão público, cujos serviços são tarifados, é inadmissível a hipótese de ter o usuário que sair do ambiente público com a sensação de insatisfação pela má receptividade dos serviços. Ainda considerando a concepção de se dar importância e foco no atendimento de forma a envolver os servidores em busca de satisfazer às expectativas do cliente, sendo possível retratar a possibilidade de evolução social do prestador de serviço público correspondendo com suficiência, motivação e satisfação às necessidades do cliente-cidadão que procura pelos serviços públicos. É possível levantar dificuldades e soluções para as mesmas quanto ao trabalho prestado no serviço público para que o mesmo se torne agradável e eficiente, tanto para servidores como para usuários, embasado em informações e conhecimentos teóricos na área de gestão pública. Pontuando a existência de problemas envolvendo o setor em foco, surge a pergunta: que ações podem ser tomadas para medir o grau de satisfação dos usuários dos serviços da Secretaria Municipal de Regulação Urbana, listando as deficiências e os impedimentos enfrentados pelo atendimento na prestação dos serviços com qualidade, de modo que o mesmo possa ocorrer de maneira eficiente e satisfatória, suprindo as necessidades dos usuários dos serviços? Assim, como objetivo geral busca-se identificar as necessidades do cliente-cidadão usuário dos serviços de atendimento na Secretaria Municipal de Regulação Urbana para diagnosticar os pontos que precisam ser trabalhados no mesmo a fim de melhorar a qualidade do atendimento, enfatizando soluções para tais problemas. Mais especificamente: - Conhecer fatores influenciadores e determinantes na prestação de serviços se ocorre de forma precária, deixando a desejar ou não; - Identificar o grau de satisfação ou insatisfação diante da procura de suprir as necessidades dos serviços, encontradas pelos usuários do atendimento da Secretaria Municipal de Regulação Urbana; - Sugerir ferramentas gerenciais que, se necessária a aplicação, ao serem adotadas ou implementadas poderá alcançar totalidade na satisfação das ações do atendimento; - Conscientizar, caso precise, a equipe de servidores quanto à necessidade de melhorar a qualidade da oferta dos serviços ao cidadão apontando meios para tal. A percepção dos agentes envolvidos nas atividades da SMRU, especialmente dos clientes-cidadãos, foi o indicador escolhido para mensurar a qualidade dos serviços prestados. O diagnóstico atual do órgão público em estudo, cotejando-o com o que preceitua a Emenda Constitucional nº 19/98 2 constituiu o objetivo geral desta pesquisa. Já a preocupação em 1 Doravante, para fins exclusivos de redação desse artigo, adotar-se-á o termo cliente-cidadão para classificar aquele cliente que demanda por serviços de natureza pública, independentemente de quem o prestará. 2 Introduz o princípio da eficiência no serviço prestado ao cliente-cidadão pelo Estado. Com ele, o governo tem o dever de atuar como servidor público, ou seja, aquele que presta - presume-se com qualidade os serviços públicos devidos ao cidadão. E mais, a eficiência sairia do âmbito da promessa de campanha eleitoral para a condição de dever do Estado, assegurado aos cidadãos, como dito, via Carta Magna (Silva; Silva; Chaveiro, 2010, p.11).

3 3 apresentar os conceitos principais utilizados no trabalho, distinguindo-os nas suas dimensões público e privado, formatou os objetivos específicos do estudo. Com isso, a pesquisa pretende frisar, por um lado, que as organizações públicas necessitam de mudanças, decisões e adaptações cada vez mais rápidas, trabalhando com afinco na identificação de suas potencialidades e fraquezas. Por outro, sublinhar que o clientecidadão de hoje está mais exigente e conhecedor de seus direitos. Quer ser tratado como único e, via de regra, não desconhece as ferramentas que o setor público dispõe para estimar, avaliar, qualificar e quantificar seus desejos/necessidades de cidadão. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Organização A organização em si, partindo do princípio de que, ao se formar, tem por interesse alcançar objetivos comuns, deve ter como ato gerador de sua existência a realização dos objetivos a que se destina e atender os interesses daqueles que necessitam dos serviços da mesma. Para Maximiano (1992) Uma organização é uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos coletivos. Por meio de uma organização torna-se possível perseguir e alcançar objetivos que seriam inatingíveis para uma pessoa na sua individualidade. A partir da junção de ações individuais objetivando a realização do todo, há a formação da organização que, inicialmente, adota o alcance da satisfação do todo que, somado ao fator qualidade, tem prosseguimento como quesito para o sucesso da organização 1. O sucesso da organização não é determinado pelos numerários que podem interpretar o seu tamanho, mas sim pelos resultados apresentados ao atingir a satisfação pretendida numa ação focada ao alcance de objetivos dos receptadores dos serviços. Como elementos de composição para o sucesso da organização os itens ética, honestidade, dedicação e servidão ao cliente ou cidadão são de elevada importância quanto aos atos individuais que influenciarão na determinação e aferição para o alcance dos objetivos a que a organização está voltada. Mesmo que uma organização seja formada pelo conjunto de elementos comuns voltados para atender interesses comuns, dentro do âmbito de sua atuação elas se subdividem em três focos, sendo Organização pública, Organização não-governamental (ONGs) 2 e Organização privada Organização Pública 1 Maximiano (2010) enxerga uma organização como um conjunto de recursos (humanos, financeiros e materiais), que busca realizar um mesmo objetivo. 2 Grupo social organizado, sem fins lucrativos, de constituição formal e autônoma caracterizado por ações de solidariedade no campo das políticas públicas e pelo legítimo exercício de pressões políticas em proveito de populações excluídas das condições da cidadania. Está situada entre a esfera das organizações públicas e privadas, podendo receber financiamento e doações dos mesmos, no cumprimento de papéis relevantes para a sociedade. a enciclopédia livre. 3 Empresa privada com fins lucrativos. a enciclopédia livre.

4 4 Para atender as necessidades dos cidadãos quanto ao cumprimento da normatização imposta pelo Estado, bem como também quanto ao que lhe é de direito, faz-se necessário a existência e atuação da organização pública que, através do exercício dos seus agentes, trabalhará para a consecução dos propósitos de um governo. Este governo, por sua vez, atenderá de forma adequada às demandas da sociedade. Pode-se definir o órgão público como uma unidade que congrega atribuições exercidas pelos agentes públicos que o integram com o objetivo de expressar a vontade do Estado (DI PIETRO, 2003). Matias-Pereira (2007) define bem a organização pública como centros de competências instituídos para o desempenho de funções estatais, através de seus agentes, cuja atuação é imputável à pessoa jurídica a que pertencem. Não tem personalidade jurídica e nem vontade própria. Portanto, como centro de competência a organização pública deve promover os interesses públicos com primazia e qualificação da equipe que, por sua vez, terá às mãos equipamentos adequados para utilizar e desenvolver as tarefas públicas com agilidade e competência Administração Pública Movimentos do mundo todo serviram como instrumento de forte influência para traçar os caminhos da administração pública no Brasil. Desde tempos remotos, raízes históricas da administração pública vêm sendo traçadas e influenciadas por grandes nomes que muito difundiram suas idéias e teorias pelo mundo. A administração pública brasileira teve seu começo no século XIX, com um marco divisório em 1930, momento em que se iniciou a chamada Burocratização do Estado Nacional. Foi instituída a modernização da administração pública através do estabelecimento de um padrão de eficiência no serviço público federal, que sufocou o Estado patrimonial, defensor da falta de qualificação dos servidores, devido ao nepotismo. Durante a ditadura militar ( ), a administração pública passou por transformações como a ampliação da função econômica do Estado com a criação de várias empresas estatais, facilitando a implantação de políticas e o aprofundamento da divisão da administração pública: para administração direta e indireta. A reforma do período militar também teve relevância na padronização e normatização nas áreas de pessoal, compras e execução orçamentária, instituindo ainda os cinco princípios estruturais da administração pública: planejamento, coordenação, descentralização, delegação de competências e controle. Os exercícios relacionados aos princípios estruturais da administração, responsáveis por constituir o processo administrativo, devem ser reproduzidos pela administração com o âmbito e propósito mais importante de proporcionar eficiência 1 e eficácia 2. Com um controle eficiente e eficaz a direção poderá avaliar se a organização teve um planejamento adequado. O planejamento torna-se imperioso para que a organização se perpetue no mercado. Os atores presentes na organização deverão estar alocados e arranjados de maneira lógica e racional, para que as atividades sejam executadas da melhor maneira possível. O marco referencial da nova administração pública é estimular nos servidores públicos um compromisso com a estruturação de uma 1 Eficiência é fazer as coisas corretamente, cujo foco é a preocupação com os meios. 2 Eficácia é alcance de resultados, com foco nos fins ou objetivos.

5 5 sociedade mais preparada para atender a crescentes demandas da sociedade num contexto de fortes mudanças. Nesse esforço, deve procurar rever a forma de prestação dos serviços ao público buscando maior eficiência, eficácia e efetividade (MATIAS-PEREIRA, 2007, p.19). Na busca pela eficiência, a administração contemporânea tenta desburocratizar o andamento dos processos, dando agilidade sempre que possível e suprimindo medidas ineficazes, que só servem para dar morosidade e complexidade aos resultados. A nova administração deve estimular o compromisso de interagir com grupos sociais diversos. O novo serviço público requer pessoas preparadas para detectar problemas complexos e oferecer assessoramento para a sua solução. A Constituição Federal Brasileira (1988) no seu artigo 37 estabelece os princípios a serem obedecidos na administração pública, tanto na direta como na indireta, na esfera de qualquer dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, sendo eles: Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência 1. Grandes mudanças, por ocasião da transição para a democracia, ocorreram na administração pública com o surgimento de muitas expectativas de modernização, sem, contudo, conseguir remover muitas características tradicionais. Entre elas, estão a padronização dos procedimentos e as formas de abordar o usuário, como características que deveriam fazer parte das instituições públicas de modo geral. A modernização do Estado acontece a passos lentos, devido principalmente à cultura arraigada de concentração de poder. As idéias de reforma administrativa são sempre vistas como atraentes pelos cidadãos, tão acostumados a sofrer dificuldades em tratar de seus interesses em qualquer organização pública, que muitas vezes ficam somente com as promessas de eficiência imediata. Os questionamentos são sempre sobre a ineficiência e não a respeito da administração pública em si, culpando a inadequação das estruturas, dos procedimentos e a falta de habilidade dos servidores. Atualmente, com o nível de conhecimento que é exigido para se inserir nos quadros do funcionalismo público, a impressão de má prestação do serviço público será transformada em uma visão mais flexível, com possibilidades de mudanças, pois ao analisar os antecedentes históricos, percebe-se que gradualmente têm ocorrido melhorias no sistema. 2.2 Atendimento O atendimento ao público é a função que exige maior envolvimento com o conhecimento, pois é a partir dele que surgirá a boa ou má impressão da empresa, ou seja, se há um bom atendimento na captação de informações, logo o atendimento será também bom. Para Milet (1997), os critérios utilizados pelos clientes para avaliar a prestação do serviço de atendimento com qualidade são: Aspectos tangíveis: aparência da instalação física, equipamentos, pessoal, etc. Confiabilidade: habilidade para cumprir o prometido. Presteza: desejo e disposição de ajudar, ou seja, rapidez no atendimento. 1 Adotado pela Carta Magna, através da Emenda Constitucional nº 19 de 1988, já citado e conceituado em nota constante da introdução deste trabalho.

6 6 Competência: colaboradores com os perfis e os conhecimentos necessários. Cortesia: educação, respeito, consideração, atenção e cordialidade. Credibilidade: transmissão de confiança e credibilidade junto ao cliente. Segurança: minimização ou eliminação de risco, perigo ou ações duvidosas contra as pessoas e informações. Acessibilidade: facilidade de contato com as pessoas na organização. Comunicação: manter o cliente informado através de linguagem compreensível, clara e precisa. Entendimento do cliente: esforço feito para conhecer o cliente e seus reais problemas e necessidades. Preço: valor pago pelo cliente para obter o produto ou serviço. Geralmente não é tão valorizado como um bom atendimento. Presume-se que atendimento ao público é muito mais do que fornecer documentos ou encaminhar pessoas, é entender o usuário, agir com presteza e segurança nas informações em um ambiente agradável e organizado a fim de suprir os anseios dos usuários dos serviços. Conforme Kotler & Armstrong (1998) apud Evangelista; Lima (2004) p. 13 as empresas de sucesso atualmente focam o cliente como fator principal de sua sobrevivência, estabelecendo que todos os membros da empresa devessem estar envolvidos no entendimento e compreensão dos desejos do cliente, para que se atinja a sua satisfação. Os serviços de atendimento ao público devem primar pelos interesses dos usuários no ato da prestação dos serviços, sendo que, são eles os usuários ou clientes, a razão de existência da empresa bem como também da empregabilidade do servidor para o suprimento das necessidades dos usuários dos serviços. Alerta Matias-Pereira: É preciso procurar rever a forma como os serviços de atendimento ao público vêm sendo prestados, buscando sua realização com maior eficiência, mudando o comportamento da cultura das organizações públicas, tendo o cidadão como foco (2007, p. 42). De uma maneira geral o atendimento, quer seja o virtual, telemarketing ou mesmo o presencial não é bem visto pela sociedade, que teme procurá-lo devido à má fama do mesmo que é visto como extremamente burocrático, diante do imediatismo que se requer em relação à solução dos seus anseios, em proporção ao tempo gasto na utilização do serviço. Segundo Godri (1994, p.59) Atendimento é sinônimo de empatia e atenção. O cliente deve ser tratado com prioridade, deve ser ouvido, acompanhado, tratado preferencialmente pelo nome e, acima de tudo, com respeito às suas decisões e opiniões Atendimento no Setor Público Os usuários dos serviços públicos conhecem a cada dia mais e mais dos seus direitos, o que os tornam também cada vez mais exigentes. Daí surge uma necessidade particular de respeitar as diferenças entre eles e usar a percepção para entender o que cada um deseja, buscando ao máximo atendê-los dentro das normas do estabelecimento e mutuamente suprir suas necessidades na sua particularidade.

7 7 Castelli (1994) e Normann (1993) apud Silva; Silva; Chaveiro (2010) definem o serviço como resultado de um conjunto de ações que fazem com que o produto passe às mãos do consumidor. Se ele for padrão o resultado será mais satisfatório para as empresas públicas como já o é em muitas empresas particulares. A idéia geral de atendimento dos serviços públicos no Brasil, por parte da sociedade é de ineficiência e ineficácia obtida pelo padrão de resultados insatisfatórios que ecoam dos mesmos. Segundo Bandeira de Melo (2003) apud Matias-Pereira (2007), Administração Pública é o oferecimento pelo Estado, ou por quem este designar, de utilidade ou comodidade destinada à satisfação da coletividade em geral (ainda que possa ser usufruído somente pelos administrados) sob o regime de Direito Público e de acordo com os interesses públicos. A insatisfação da coletividade é cada vez mais evidente no Brasil e a percepção de que é preciso melhorar o desempenho da Gestão Pública, visando oferecer serviços com maior qualidade e agilidade, faz-se necessária para reverter esse quadro de insatisfação e descontentamento muito conclusivo dos usuários do atendimento no serviço público. 2.3 Qualidade no Atendimento Muitas interpretações podem ser retiradas da palavra qualidade, pelo seu amplo significado, sendo desde a busca da satisfação do cliente à busca da excelência para todas as atividades de um processo. Dentre os indicadores da qualidade pode-se citar, a exemplo, a eficiência e a eficácia quanto ao interlocutor, a ética no tratamento de informações e do público, a veracidade das informações transmitidas bem como também a rapidez no atendimento. O Japão foi o precursor da preocupação com a qualidade, após a Segunda Guerra Mundial. No Brasil, foi na década de 1990 que a preocupação com a qualidade iniciou-se com a criação de dois programas: O Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade (PBQP) e a instalação do Movimento Brasil Competitivo (MBC). Em novembro de 2001, o Programa da Qualidade no Serviço Público passou a ser parte integrante do Conselho das Partes Interessadas (CONPI), assumindo parcialmente a condução do MBC relacionado à administração pública. Assim, desde 1991 o Programa de Qualidade no Serviço Público vem procurando transformar as organizações públicas brasileiras dando orientação diretiva da prestação de serviços públicos com qualidade, retirando assim o foco dos processos burocráticos. Medir a qualidade em serviços é ouvir o usuário dos serviços quanto à avaliação e satisfação de suas exigências. Segundo Gil (1997), significa o melhor que se pode fazer, o padrão mais elevado de desempenho. A qualidade é uma maneira de gerir, de modo continuado, melhora no desempenho da organização. Está relacionada com a cultura dos servidores e a satisfação do cliente. Segundo Bittar (2004), pode-se trabalhar conceitos de qualidade através do/de: 1 - Programa 5S (utilidade, ordenação, limpeza, saúde e autodisciplina); 2 - PDCA (ciclo constituído de quatro fases - planejar, executar, verificar e atuar - que trata do gerenciamento pelas diretrizes); 3 - Desenvolvimento de ciclos de melhoria;

8 8 4 - Determinação de metas e 5 - Utilização de indicadores. Quando se fala em qualidade é difícil não se lembrar de participação e comprometimento, de comunicação, de treinamento e de melhoria contínua dos servidores com o atendimento voltado às necessidades do cliente. A projeção da qualidade em serviços ruma a duas frentes sendo: entender o usuário e entender o próprio serviço. Salientando que, mesmo que o serviço seja tecnicamente perfeito e muito bem prestado, não havendo um tratamento adequado e satisfatório por parte do servidor logo a qualidade percebida pelo usuário não será avaliada de maneira satisfatória Satisfação do Servidor Atualmente, as organizações precisam se preparar para os desafios e inovações. E, para serem bem sucedidas precisam de pessoas espertas, ágeis, de atitudes empreendedoras que estão dispostas a assumir riscos, que fazem as coisas acontecerem e que prestam serviços de maneira excepcional. Mas para que as empresas consigam isso é indispensável o treinamento e o desenvolvimento de pessoas; as organizações que investem nisso com certeza terão um retorno de sucesso. Conhecer o potencial dos servidores e aplicar um plano de treinamento 1 adequado significa buscar o crescimento da empresa estrategicamente, valorizar o servidor e prepará-lo para também valorizar o cliente. Chiavenato (2004) considera que o treinamento é uma fonte de lucratividade ao permitir que as pessoas contribuam efetivamente para o resultado dos negócios, ou seja, o treinamento é uma maneira eficaz de agregar valor as pessoas, à organização e ao cliente. Embora para algumas empresas ou órgãos o treinamento parece gastos, a princípio, ao longo do tempo o mesmo passa a ser investimentos com retornos rentáveis para o aumento da lucratividade da empresa, uma vez que servidores bem treinados agregam valores rentáveis nos resultados do negócio. O treinamento é uma chave de sucesso para um órgão ou empresa por ser através dele que os servidores passam a se identificar melhor com o local de trabalho, conhecendo as necessidades dos usuários e podem desenvolver um perfil de qualidade na prestação dos serviços, de forma a prestar os serviços com excelência. A cada treinamento, em um processo contínuo, o servidor passa a obter mais conhecimento que resultará em mudanças constantes e plena preparação para o atendimento completo e satisfatório Satisfação do Usuário Medir o grau de satisfação do usuário quanto ao serviço público recebido é ouvi-lo quanto ao que se esperava dos serviços em comparação ao que recebeu, ou seja, comparar as expectativas com os resultados. Segundo Kotler (1998) apud Cardoso Neto (2010), p.8 Satisfação é o sentimento de prazer ou de desapontamento resultante da comparação do desempenho esperado, ou resultado em relação às expectativas do cliente. 1 O treinamento é a ferramenta inicial para o desenvolvimento do processo de qualidade e sucesso de um órgão, pois, é através dele que ocorre o nivelamento de informações que resultará no bom desempenho do servidor para com o usuário.

9 9 A satisfação aliada ao bom atendimento deve ser uma preocupação constante de toda a organização, pois quando os clientes ficam realmente satisfeitos passam a ser mais que simples consumidores, transformando-se em parceiros comerciais, defendendo a empresa e fazendo propaganda para amigos e familiares. O bom atendimento, quando prestado com qualidade, deve ter como aliado principal a satisfação do usuário, pois é ele quem vai disseminar a boa fama ou má fama quanto ao serviço utilizado e isso, é um fator determinante para o sucesso da organização Qualidade do Atendimento no Setor Público É dever da administração, no âmbito da oferta dos serviços públicos, tratar com dignidade o cliente-cidadão no exercício do Estado democrático. Mas também é do interesse do governo atender bem àquele, pois é nas filas e nos guichês das repartições públicas que o governo é julgado diariamente. No setor privado o nível de qualidade dos serviços prestados, muitas vezes, influencia a população a cobrar, de forma rigorosa, qualidade nos serviços dos setores públicos. No entanto, o primeiro, desenvolve seus serviços com o intuito de auferir lucro, o que não ocorre na maior parte dos serviços no setor público. Deming (1990, p.5), ao referir-se ao setor público, afirma: Na maioria das repartições públicas, não há um mercado a ser buscado. Ao invés de conquistar um mercado, uma agência governamental deveria prestar de forma econômica, o serviço prescrito na legislação vigente. O objetivo deveria ser destacar-se por um serviço bem executado. Além do não lucro, o serviço público difere do serviço privado no que diz respeito à administração, tendo como principal característica a descontinuidade administrativa, onde estão sujeitos à interferência do poder político. Às vezes, para o servidor, pode parecer que o problema trazido pelo usuário é um fato corriqueiro, sem importância, até mesmo banal, mas, nem por isso, deve deixar de atendê-lo com qualidade, pois nessa situação o usuário que ao perceber que não está tendo o atendimento que esperava, porquanto para quem tem o problema ele sempre é muito importante, pode transformar o local em um palco de reclamações. Assim, a atividade que normalmente está definida pelo cumprimento de regras de bom atendimento, normas internas e que aparentemente não haveria dificuldades para sua realização, aparece permeada por várias exigências vinda de diversos segmentos que restringem a autonomia do atendimento e podem consignar um aumento de sofrimento no trabalho de ordem emocional. A princípio, os gestores públicos deveriam identificar as fragilidades do atendimento público, avaliar as aspirações do contribuinte e demonstrar o comprometimento e a preocupação da instituição em prestar serviços de qualidade. Dessa forma, é notório que o setor público ainda caminha a passos lentos para a qualidade em serviços, pois, além de oferecer resistência às mudanças necessárias, pouco se tem feito para agilizar e modernizar o serviço público, existindo apenas críticas. As funções são ocupadas por profissionais despreparados e despreocupados com os serviços e usuários, constituindo uma barreira ao desenvolvimento do setor público, de acordo com Monteiro (1991). Ainda assim, não se pode atribuir ao servidor público toda a carga da falta de qualidade da prestação de serviço, eis que é mais uma vítima do sistema administrativo. O

10 10 servidor acaba por personificar a ineficiência, o descaso e a incompetência junto ao usuário, por estar na linha de frente. Nota-se que existe uma equação simples: se há um atendimento com qualidade e agilidade, há satisfação do usuário, e isso reflete no reconhecimento público do servidor que incide por motivá-lo. É preciso implantar um modelo que venha beneficiar não só o cidadão, mas que também traga desenvolvimento para o órgão. Assim, é fundamental que o mesmo atinja a eficiência e eficácia, o envolvimento e comprometimento de quem atende e principalmente de quem o gerencia. Na administração pública, a qualidade surge como meio para se atingir o princípio da eficiência, inserido na Constituição Federal. A qualidade tornou-se então foco das atenções e cobranças pelo cliente/usuário, por ser considerada uma medida de controle da sociedade, com a finalidade de avaliar a gestão pública e o fiel cumprimento de suas funções, enquanto prestador de serviço público, mediante seus próprios atos. 3 METODOLOGIA Com a finalidade de alcançar resultados nos objetivos propostos neste artigo foi necessário a utilização de meios que, conjuntamente, formaram o desenvolvimento da pesquisa. Nisto, utilizou-se, basicamente, a pesquisa bibliográfica 1 e a pesquisa exploratória 2. As análises e as pesquisas foram indispensáveis para o desenvolvimento dos tópicos, considerando-as de suma importância para a escrita do artigo. O universo da pesquisa foi composto pela clientela da SMRU que buscam pelos serviços do atendimento mediante senha eletrônica. De acordo com Lakatos (2007), a pesquisa bibliográfica se resume em obras relacionadas com um tema a ser estudado, que já foi disponibilizado no meio público, podendo ser livros, jornais, pesquisas, monografias, dentre outros. Ao realizar a pesquisa, cabe ao pesquisador a responsabilidade de levantar os dados a respeito do assunto a ser estudado e analisá-los considerando as contribuições e suas compreensões para o tema em questão. De acordo com Malhotra (1993, p.156), a pesquisa exploratória proporciona a formação de idéias para o entendimento do conjunto do problema. Os estudos exploratórios são frequentemente usados para gerar hipóteses e identificar variáveis que devem ser incluídas na pesquisa. Para o estudo de caso o método de observação e análise de questionários do tipo fechado, respondidos pelos usuários, facilita o tratamento e análise das informações e exige menos tempo por parte dos sujeitos aos quais foram aplicados. 3.1 População e Amostra O universo da pesquisa são os fatores que envolvem todo o processo de estudo que, de alguma forma, contribuem ou causam transtornos ao funcionamento do órgão, cujo objetivo é responder se o que acontece nesse universo corresponde às expectativas da pesquisa teórica. 1 A pesquisa descritiva procura conhecer a realidade estudada, suas características, seus problemas. Segundo Triviños (1987, p. 100, grifo de Zanella) pretende descrever com exatidão os fatos e fenômenos de determinada realidade. Considerando-se a definição acima, pode-se destacar que 90% dos estudos em administração são descritivos (Zanella, 2006, p. 19). 2 Os estudos exploratórios têm a finalidade de ampliar o conhecimento a respeito de um determinado problema. Segundo Triviños (1987) apud Zanella (2006) esse tipo de pesquisa, aparentemente simples, explora a realidade buscando maior conhecimento sobre a mesma, permitindo, sem seguida, uma pesquisa descritiva.

11 11 Silva et al. (1999, p. 12) conceitua população como sendo o conjunto de todos os itens (pessoas, coisas, objetos) que interessam ao estudo de um fenômeno coletivo segundo alguma característica. Já amostra é qualquer subconjunto não vazio de uma população. Em aplicações efetivas, o número de elementos componentes de uma amostra é bastante reduzido em relação ao número de elementos componentes da população. Para definir a população estudada, foi utilizada a clientela 1 que demanda os serviços de alvarás e de habite-se e que opta por atendimento mediante emissão de senha eletrônica, num total médio mensal estimado em (Um mil, novecentos e trinta e cinco) clientes-cidadãos da SMRU. A composição da amostra de uma pesquisa de campo se refere aos elementos escolhidos para formá-la e a dimensão que pretende alcançar, ou seja, é a quantidade ou tamanho de elementos a serem utilizados (ACEVEDO, 2007). A amostra foi de 117 (cento e dezessete) clientes-cidadãos, que foram entrevistados conforme cálculo de população finita. 3.2 Coleta de Dados O método exploratório, aplicado no intuito de coletar dados, foi utilizado para conhecer a percepção dos usuários dos serviços e assim obter melhor compreensão e desenvolvimento da pesquisa. Por meio de questionário (Anexo I), elaborado com doze questões fechadas com cinco alternativas sugestivas para escolha de uma resposta, é possível diagnosticar a qualidade dos serviços do atendimento na Secretaria Municipal de Regulação Urbana, aplicado aos clientes-cidadãos do referido órgão, durante o horário de funcionamento do órgão, ou seja, das 8h às 11h30 e das 13h30 às 17h30. Segundo Gil (2002), o questionário é a forma mais rápida e barata de obtenção de informações, além de garantir o anonimato e não exigir treinamento de pessoal. Após a aplicação dos questionários, prosseguiu-se a tabulação dos mesmos, no software Excel, expondo-se os resultados sob forma de tabelas e gráficos. Foram calculados os percentuais de cada item pesquisado, relacionando a resposta do índice de satisfação dos clientes-cidadãos com a qualidade dos serviços prestados pelo atendimento da Secretaria Municipal de Regulação Urbana (SMRU) e o embasamento teórico. 3.3 Identificação da SMRU A Secretaria Municipal de Regulação Urbana (SMRU) é o órgão da Prefeitura Municipal de Aparecida de Goiânia responsável por coordenar a elaboração e a implementação da política de regulação e controle urbano, baseada no cumprimento das leis municipais vigentes, entre elas o Código de Posturas, o Plano Diretor e o Código de Edificações. Este é um Órgão do Poder Executivo Municipal cujo quadro funcional é composto por 1 (um) secretário (cargo de confiança do Prefeito) e 88 (oitenta e oito) outros servidores, entre efetivos e contratados, distribuídos internamente em diversas funções dentro de 6 (seis) coordenadorias em que a secretaria se subdivide, sendo elas: Coordenadoria de Fiscalização de Obras, Coordenadoria de Atendimento, Coordenadoria de Feiras, Coordenadoria de Licenças Especiais, Coordenadoria de Análise de Projetos e Coordenadoria de Ação Urbana. 1 A clientela da SMRU que demanda por outros serviços da Secretaria não foi focada neste trabalho por não representar número relevante para tal, ou seja, o atendimento não obedece a sequência abrangida para o foco do trabalho.

12 12 Como órgão público, os interesses e domínio políticos permeiam nas ações em paralelo a regulamentação existente. Embora não seja considerado pela administração como órgão arrecadador do município, a grande demanda pelos serviços tem contribuído em muito para um numerário significativo nas receitas atribuídas a Secretaria. Antes conhecida como Secretaria de Planejamento Urbano, a Secretaria respondia apenas pela aprovação de projetos. Em meados de 2007, durante a gestão anterior, houve o agrupamento das coordenadorias de ações urbanas e projetos, decretado pelo gestor municipal da época, como Secretaria Municipal de Regulação Urbana. Pouco se mudou nesse agrupamento, as operações continuam no mesmo prédio, que é próprio da Prefeitura, onde todas as coordenadorias funcionam com pouca disposição de espaço físico. As instalações físicas são razoáveis, com adaptações de mobiliários, às vezes antigos, a equipamentos medianos de tecnologia, num espaço apertado. O presente trabalho foca a Coordenadoria de Atendimento, onde estão lotados 18 (dezoito) servidores com designações diversas de funções que abrangem desde o préatendimento geral da Secretaria, onde se faz uma triagem e direcionamento do contribuinte encaminhando-o ao serviço que procura à emissão de taxas, protocolos, abertura, consulta e movimentação de processos, entrega de documentos e arquivamento dos processos. Diante do crescimento no mercado da construção civil e o aumento na procura pelos serviços de aprovação na Secretaria de Regulação Urbana, a proporção de aumento do contingente de servidores foi pouca, o que resulta, às vezes, na insatisfação daqueles que precisam e procuram pelos serviços e são encaminhados para um lado e outro sem a orientação devida dos procedimentos para seu caso. Excetuando-se o pré-atendimento, o serviço de atendimento é organizado por senhas com chamados por painel eletrônico que contabilizam em média (um mil, novecentos e trinta e cinco) atendimentos mensais. Os serviços referidos aos processos demandados pela Coordenaria de Atendimento, foco desse trabalho, são alvarás de construção, uso do solo 1 para construção e habite-se. A estrutura do atendimento tem a seguinte sequência: contribuinte chega na secretaria e, logo na entrada, informa no pré-atendimento/protocolo o serviço que precisa; a recepcionista emite uma senha de acordo com o serviço e encaminha o contribuinte para o guichê a que refere o serviço; no caso de abertura de processo, o guichê emite a taxa, o contribuinte paga no banco e retorna no protocolo com a documentação para dar entrada no processo. A partir da visão geral da razoabilidade no padrão de atendimento encontrada no serviço público, busca-se empregar estudos para medir o índice de satisfação do usuário dos serviços prestados no Atendimento da Secretaria Municipal de Regulação Urbana através da aplicação de questionários aos mesmos, in locco, em um período amostral de 5 (cinco) dias, ou seja, durante uma semana útil, prazo representativo da rotina mensal dos trabalhos. 3.4 Apresentação e Análise dos Resultados No período de 14 a 20 de abril de 2011, no hall do atendimento da Secretaria Municipal de Regulação Urbana (SMRU), localizada à Rua Antônio Batista Sandoval Área Pública Municipal (APM) 05, Centro, Aparecida de Goiânia, em horários diversos dentro do expediente já especificado, foi realizada a aplicação de 117 (cento e dezessete) questionários. 1 O serviço de uso do solo nem sempre tem sequência de processo na secretaria, sendo que às vezes só é utilizado com intenção de consultas, portanto, o mesmo não será pesquisado neste trabalho.

13 13 Desse número de respondentes, foram apurados 81 (oitenta e um) do sexo masculino; 35(trinta e cinco) do sexo feminino e 01 (uma) abstenção na alternativa; faixa etária predominante entre 25 (vinte e cinco) e 40 (quarenta) anos, com formações idênticas, a nível médio e superior (47,9% para cada um desses níveis. Da amostra, apenas aproximadamente 4% disseram ter nível fundamental de escolaridade), que permite identificar a clientela da SMRU como razoavelmente qualificada no tocante aos requisitos mínimos de relacionamento qualificado com o poder público. Seguem os gráficos e as análises dos dados coletados através dos questionários: Questão 1 14,53% 32,48% 10,26% 14,53% 28,21% Gráfico 1 Como você se sente em relação ao atendimento? PARCIALMENTE SATISFEITO MUITO SATISFEITO Quando questionado em relação ao atendimento, o cliente-cidadãocidadão dos serviços da SMRU mostrou-se se prioritariamente satisfeito (75% dos respondentes), ou seja, tinha suas expectativas de atendimento realizadas, o que releva uma potencialidade da SMRU. Realocar os que se mostraram nos quadrantes da insatisfação (25%) exigirá práticas de gestão que redefinam e refinem o relacionamento com o cliente-cidadão da Secretaria. Dentre as práticas sugestivas para suprir essa insatisfação cabe ao gestor identificar os critérios que, durante a prática de atendimento, estão deixando de suprir as necessidades do cliente-cidadão para a sua plena satisfação e empenhar esforços para eliminar esses fatores fluentes da insatisfação. Questão 2 12,07% 12,93% 12,93% PARCIALMENTE 38,79% 23,28% SATISFEITO MUITO SATISFEITO Gráfico 2 Quanto à clareza nas informações recebidas, você se sente? O cliente-cidadão mostra-se satisfeito com a prestação de informações no atendimento (74% satisfeitos), demonstrando também que as ações da Secretaria no empenho de alcançar o envolvimento do cliente-cidadãocidadão para se tornar um usuário efetivo dos serviços têm obtido êxito. Mas, a SMRU pode ainda implantar um serviço de esclarecimento de dúvidas e prestação de informações gerais para obter sucesso na totalidade da realização do atendimento e assim, eliminar a percepção de insatisfação de alguns clientes-cidadãoscidadãos (26%). Questão 3 12,39% 38,05% 11,50% 10,62% 27,43% PARCIALMENTE SATISFEITO MUITO SATISFEITO

14 14 Gráfico 3 Sobre o conhecimento técnico da equipe, você se sente? Para obter sucesso na organização é preciso que a mesma tenha uma equipe de profissionais preparada também tecnicamente para o desempenho de suas tarefas. Nas respostas dos usuários dos serviços da SMRU os servidores estão aptos para a realização do serviço que presta, elevando os clientes-cidadãos a satisfação com esse item (78%). Já os insatisfeitos (22%) esperavam por serviços que não atingiram suas expectativas, pois, mesmo que para o servidor o problema trazido por parte do cidadão parece ser um fato comum e corriqueiro para o cliente-cidadãocidadão não o é, o que pode tornar o órgão palco de reclamações. Questão 4 12,82% 11,97% 15,38% PARCIALMENTE 36,75% 23,08% SATISFEITO MUITO SATISFEITO Gráfico 4 Quanto ao esclarecimento de dúvidas e informações, você se sente? Na percepção do cliente-cidadão ao procurar o órgão público para esclarecimento de dúvidas e obtenção de informações ele gera expectativa de sair do local com seus questionamentos respondidos, o que reflete em uma razoabilidade na avaliação satisfatória (73%) no serviço de atendimento da SMRU. Mas para alcançar qualidade nos serviços é preciso propor uma continuidade de nivelamento de conhecimentos e disseminá-lo para os servidores de modo que os mesmos estejam preparados, a proporcionar o atendimento completo e eliminar a insatisfação (27%) por parte do usuário dos serviços. O cliente-cidadão insatisfeito comenta com um número maior de pessoas do que comentaria se estivesse satisfeito. A informação quer seja escrita ou verbal necessita ser praticada com clareza e precisão. Questão 5 9,57% 11,30% 11,30% PARCIALMENTE 44,35% 23,48% SATISFEITO MUITO SATISFEITO Gráfico 5 Quanto ao tempo de espera para atendimento, como você se sente? O tempo de espera no atendimento é um fator subjetivo uma vez que ele será medido pela disposição em que o usuário do serviço tem para permanência no órgão na tomada dos serviços. Na SMRU a clientela demonstra satisfação (79%) neste item e, os insatisfeitos (21%) poderão ser reconsiderados pela influência de fatores externos como conectividade dos sistemas, horários de picos dos usuários e volume de processos do usuário que está a sua

15 15 frente, o que não isenta o órgão de rever e amenizar os fatores, estar preparado para contornar os contratempos. Questão 6 8,85% 7,08% 12,39% PARCIALMENTE 39,82% 31,86% SATISFEITO MUITO SATISFEITO Gráfico 6 Quanto à agilidade no atendimento, você se sente? Exercer tarefa pública com agilidade é um desafio para a eficiência. A agilidade é um critério que, adicionado à qualidade no serviço de atendimento proporciona a satisfação do usuário. Na avaliação dos usuários os atendentes da SMRU têm obtido nota satisfatória (81%) no critério da agilidade do atendimento. Contudo a promoção dos interesses públicos deve permanecer como ação prioritária do órgão, que deve estar atento para diminuir os impactos de fatores externos podendo anular o índice (29%) de insatisfação da ótica do público. Questão 7 16,67% 10,53% 5,26% 18,42% 49,12% PARCIALMENTE SATISFEITO MUITO SATISFEITO Gráfico 7 Quanto à cordialidade dos atendentes, você se sente? Ser cordial não é o mesmo que ser competente. O serviço de atendimento deve oferecer ao usuário tratamento adequado voltado para atender às necessidades do mesmo, o que foi bem notado pelos usuários da SMRU ao eleger a cordialidade dos servidores como satisfatório, atingindo o nível mais alto de satisfação da pesquisa (84%). Mas mesmo assim é preciso estar atento para alcançar a totalidade da satisfação, implantando melhorias a fim de suprir as necessidades dos clientes-cidadãos insatisfeitos (16%). 7,02% 21,05% 32,46% 32,46% 7,02% PARCIALMENTE SATISFEITO Questão 8 MUITO SATISFEITO Gráfico 8 Quanto às instalações do ambiente físico, você está? É fato destacável que o ambiente físico é um fator determinante de alta relevância para a prestação de serviço com qualidade. O cliente-cidadão da SMRU está relativamente insatisfeito com este item (61%), o que exige a atenção do gestor público no intuito de estudar

16 16 alternativas para proporcionar melhorias. As instalações físicas são aspectos tangíveis para os clientes avaliarem a prestação do serviço de atendimento. Mediante estudos de layout, investimentos e mudanças que podem proporcionar conforto e bem-estar aos usuários e servidores, em um ambiente agradável e organizado, a administração pode reverter a constatação de insatisfação absoluta (39%) por parte dos demandantes dos serviços da SMRU. Questão 9 7,08% 38,05% 10,62% 12,39% 31,86% PARCIALMENTE SATISFEITO MUITO SATISFEITO Gráfico 9 Quanto às indicações de localização dos serviços, você está? Indicação de localização dos serviços é manter o cliente-cidadãocidadão informado e bem orientado, ou seja, o autodirecionamento traz agilidade, diminuindo o tempo de espera em filas e gerando qualidade nos serviços. A satisfação do usuário dos serviços (77%) pode ainda ser melhorada ao adotar medidas simples de sinalização e informação, mas significativas, as quais poderão reverter a insatisfação absoluta (23%) apurada na pesquisa. Questão 10 6,96% 24,35% 25,22% 31,30% 12,17% PARCIALMENTE SATISFEITO MUITO SATISFEITO Gráfico 10 Quanto aos prazos de andamento dos processos, você está? A administração contemporânea, em busca da eficiência, tenta desburocratizar o andamento dos processos, dando agilidade sempre que possível e suprimindo medidas ineficazes, que só servem para dar morosidade e complexidade aos resultados. O grau de satisfação (57%) com os prazos de andamentos dos processos está muito próximo da insatisfação (43%). Cabe ao gestor público focar urgentemente os fatores que estão influenciando a morosidade dos processos e propor medidas eficientes na desburocratização do andamento dos mesmos, desenvolvendo ciclos de melhoria. 7,89% 14,04% 8,77% 45,61% 23,68% PARCIALMENTE Questão 11 Gráfico 11 Quanto ao atendimento telefônico (informações e consulta de processos), você está?.

17 17 O atendimento telefônico é um item de facilidade de contato das pessoas com a organização, acessibilidade, o que não o isenta de ser prestado com qualidade. Na visão dos clientes-cidadãos cidadãos dos serviços da SMRU o serviço prestado está satisfatório (77%), mas pode ser projetado com mais qualidade através de ações coercitivas como entender o usuário e entender o próprio serviço, ser tecnicamente perfeito e muito bem prestado, para reverter a avaliação dos insatisfatórios (23%) para a percepção satisfatória. Questão 12 9,94% 29,81% 10,56% 16,77% 17,39% 15,53% Nº atendentes Divergências / Clareza Falta de conhecimento Demora no atendimento Respeito e educação Ambiente físico Gráfico 12 O que você considera mais deficitário no atendimento da SMRU? Em proporções próximas, os fatores de influência para a qualidade no atendimento, foram eleitos pelos clientes-cidadãos da Regulação Urbana como itens mais deficitários. Ao propor que o usuário elegesse um item como o mais deficitário coube ao ambiente físico (considerando espaço, mobiliário, temperatura, higiene e instalações sanitárias) o maior peso da marcação (aproximadamente 30%). A administração ação precisa rever medidas para reverter essa situação problemática. É preciso ainda implantar um sistema contínuo de treinamento para amenizar os impactos do atendimento com a falta de conhecimento e limitações dos servidores (17%). O setor público precisa mudar a visão dos usuários dos serviços, não tendo mais funções ocupadas por profissionais despreparados e despreocupados com os serviços e com os usuários, o que ainda constitui uma barreira ao desenvolvimento do mesmo. O treinamento também solucionará as deficiências de divergências / clareza nas informações (16%). O órgão público precisa estar preparado com alternativas para atender o alto fluxo de pessoas, bem como também para não deixar servidores ociosos na pouca demanda pelos serviços. O número de servidores foi apontado pelos clientes-cidadão (17%) como um item de fraqueza do órgão. É preciso ter servidores em quantidade e qualidade, competentes e habilidosas para atender, a tempo e a contento, aos demandantes dos serviços da SMRU. Os usuários dos serviços públicos conhecem a cada dia mais e mais dos seus direitos, com situações particulares de exigências para ser tratado com respeito e educação, procuram os órgãos públicos para soluções de seus problemas esperando serem atendidos com cortesia, rapidez e efetividade. Na avaliação do cliente-cidadão,, na Regulação Urbana, há ainda algo a ser melhorado concernente ao tratamento de respeito e educação do servidor para com o contribuinte, ou seja, existe uma deficiência (10%) neste item que pode ser enfatizada e melhorada. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS A análise da pesquisa junto ao enfoque conceitual mostra que o setor público precisa (mesmo que a passos mais curtos, dadas as suas especificidades s em comparação com as organizações privadas) avançar para um modelo de administração pública mais moderna, calcado (i) num controle mais eficiente de metas e resultados; (ii) na racionalização das

18 18 tarefas; (iii) na motivação e capacitação dos servidores públicos; (iv) no aumento da produtividade e (v) na melhoria da qualidade no atendimento ao cliente-cidadão. A pesquisa exploratória apontou potencialidades e fraquezas do atendimento aos clientes-cidadãos da SMRU de Aparecida de Goiânia, explicitando a necessidade de se dar cumprimento pleno aos parâmetros gerenciais estruturantes da nova administração pública. Como princípio, sublinhar que o cliente-cidadão de hoje está mais exigente e conhecedor de seus direitos. Quer ser tratado como único e, na sua grande maioria, não desconhece as ferramentas que o setor público dispõe para atender em plenitude seus desejos, necessidades e demandas. Em diagnóstico, a constatação é de que a SMRU de Aparecida de Goiânia tem nas instalações físicas, na pouca capacitação dos servidores e no número de atendentes suas principais fraquezas. Para enfrentamento, ações corretivas rápidas e pontuais, tais como melhoria das edificações, instalações e mobiliários, além de alocação (interna e/ou externa) de servidores, com treinamento prévio e perene dos novos lotados na unidade. Ainda no diagnóstico, há confirmação de que as potencialidades não são poucas (tempo de espera; agilidade; cordialidade; localização; conhecimento técnico, clareza nas informações e equacionamento de dúvidas daqueles agentes melhor preparados; atendimento telefônico), o que reclama, da SMRU de Aparecida de Goiânia, é a falta de investimentos ininterruptos e crescentes em padronização e racionalização de tarefas; na motivação e capacitação dos servidores; no aumento da produtividade per capita e organizacional; em indicadores de melhoria na qualidade do atendimento ao cliente-cidadão, entre outros não menos importantes, com destaque, como sugestão final da pesquisadora, para um outro momento, atentar para a elaboração do planejamento estratégico da unidade. Assim relatado, como conclusão, é possível afirmar que o artigo atingiu plenamente seus intentos teóricos e práticos, permitindo a pesquisadora (i) conhecer melhor a literatura afeta ao tema qualidade dos serviços prestados pelo setor público; (ii) estudar, in loco, um órgão deste setor, a nível municipal; (iii) diagnosticar cenário atual, e, mais importante (iv) propor ações de melhoria para este órgão, reportando-se aos novos paradigmas da administração pública. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ACEVEDO, Claudia Rosa e NOHARA, Jouliana Jordan. Monografia no curso de Administração. 3ed. São Paulo: Altas, BITTAR OJNV. Cultura & Qualidade em Hospitais. In: QUINTO NETO A., BITTAR OJNV. Hospitais: administração da qualidade e acreditação de organizações complexas. Porto Alegre: Da Casa, BRASIL. Constituição Federal de Princípio da Eficiência - Emenda Constitucional nº 19/1998. CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas e o Novo Papel dos Recursos Humanos nas Organizações. Rio de Janeiro: Elserve, DEMING, W.E. Qualidade: a revolução da administração. Rio de Janeiro: Saraiva, EVANGELISTA, Janir de Carvalho Moraes; LIMA, Rita de Cássia Quadros de. O Atendimento Como Uma Estratégia Para Conquista e Fidelização de Clientes na Sala de

19 19 Musculação em uma Academia da Zona Norte do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Faculdades Integradas Maria Thereza, GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, Gestão de Pessoas: Enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas GODRI, Daniel. Conquistar e Manter Clientes. 32. ed. Blumenau: Eko, <http://www.senado.gov.br/ead/conteudo/excate/aula1modulo1txt2.asp?cod_ator=& COD_CURSO=21&COD_MATRICULA> Acesso em: 29 mai <http://pt.wikipedia.org/wiki/organiza%c3%a7%c3%a3o_n%c3%a3o_governamental> Acesso em 02 jun <http://www.aparecida.go.gov.br/site/?page=mostra_conteudo_secretaria&id=1932> Acesso em 21 fev KOCHE, José Carlos. Fundamentos de Metodologia Científica: Teoria da ciência e iniciação a pesquisa. 24 ed. Petrópolis: Vozes, LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Maria de Andrade. Fundamentos da Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, MATIAS-PEREIRA, José. Curso de Administração Pública: foco nas instituições e ações governamentais. São Paulo: Atlas, Manual de Gestão Pública Contemporânea. São Paulo: Atlas, MAXIMIANO, Antônio Cesar Amaru. Introdução à Administração. 3. ed. São Paulo: Atlas, Teoria Geral da Administração: da Revolução Urbana à Revolução Digital. São Paulo: Atlas, MILET, Evandro Barreira. Qualidade em Serviços: princípio para gestão contemporânea das organizações. Rio de Janeiro: Ediouro, MONTEIRO, J. A. Qualidade Total no Serviço Público. Brasília: QA&T, NETO, João Alves Cardoso. Qualidade do Atendimento da Agência Central dos Correios em Goiânia. Aparecida de Goiânia: UNIFAN, SILVA, Ermes Medeiros da et al. Estatística: para os cursos de Economia, Administração e Ciências Contábeis. 3. ed. São Paulo: Atlas, SILVA, Kelven Coelho e; DA SILVA, Maria Joice Alves; CHAVEIRO, Maria Sidronita. Qualidade no Atendimento ao Cliente em Instituição Pública de Saúde de Goiânia. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2010.

20 20 TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, ZANELLA, Lione Carly Hermes. Metodologia da Pesquisa. Florianópolis: Editora da UFSC, 2006.

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO OBJETIVO DO CURSO MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA Oferecer condições ferramentais para o profissional

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

AYLA SÂMYA SOUSA SOBRINHO O PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA NA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS - SEMA

AYLA SÂMYA SOUSA SOBRINHO O PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA NA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS - SEMA AYLA SÂMYA SOUSA SOBRINHO O PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA NA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS - SEMA TERESINA 2013 AYLA SÂMYA SOUSA SOBRINHO O PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA NA SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA ADMINISTRAÇÃO / RELAÇÕES PÚBLICAS

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA ADMINISTRAÇÃO / RELAÇÕES PÚBLICAS 1. O marketing de relacionamento: (A) Não se relaciona com o endomarketing. (B) Não utiliza ferramentas de CRM (customer relationship management). (C) Pressupõe diálogo entre empresa e cliente, mas a comunicação

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Kamyla Espíndola Gibram REIS 1 ; Estefânia Paula da SILVA 2 ;

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

PROJETO BÁSICO CALL CENTER

PROJETO BÁSICO CALL CENTER PROJETO BÁSICO CALL CENTER 1 Projeto Básico da Contratação de Serviços: 1.1 O presente Projeto Básico consiste na descrição dos serviços que serão prestados por empresa especializada em serviços de Call

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 SILVA, Cleusa Pereira da 2 ; FELICE, Luciana Maria Vizzotto 4 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; VIERO, Claudinei 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

O acesso a informações públicas será assegurado mediante:

O acesso a informações públicas será assegurado mediante: SIMRECI Sistema de Relacionamento com o Cidadão O SIMRECI é um programa de computador que oferece ferramentas para a gestão do relacionamento com o cidadão e, especialmente garante ao poder público atender

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi Audiência Pública ANEEL 027/2003 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento (CTA) das concessionárias ou permissionárias, critérios de classificação de serviços e metas

Leia mais

SOBRE A NOSSA EMPRESA

SOBRE A NOSSA EMPRESA SOBRE A NOSSA EMPRESA A Resolve Serviços Empresariais Ltda., fundou-se em 1991, com o propósito de oferecer o serviço de mão de obra temporária fundamentada na Lei 6019/74, destacando-se pela ética, agilidade,

Leia mais

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Promover eficiência na gestão de recursos para assegurar a realização da Estratégia, a partir de uma política organizacional de planejamento e execução

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE 1 Jackson Auditoria É um conjunto de técnicas que devem ser aplicadas, para permitir ao auditor emitir uma opinião sobre a razoabilidade das demonstrações contábeis

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE Tópicos a serem apresentados: O que é? Para que serve? Objetivos do Curso. Conteúdo Programático. Empresa As Pessoas O Produto O serviço Atendimento Competitividade Tipos de Clientes

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Oficina de Planejamento Estratégico

Oficina de Planejamento Estratégico Oficina de Planejamento Estratégico Conselho Estadual de Saúde Secretaria Estadual da Saúde Paraná, agosto de 2012 Planejamento Estratégico Planejamento: atividade inerente ao ser humano Cada um de nós

Leia mais

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional;

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional; (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DECRETO Nº 10.609,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Compreender

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS 1

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PROGRAMA NACIONAL ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 15 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO E DA INSATISFAÇÃO DOS CLIENTES Objetivo: Ao final desta aula, você deverá saber (1) sobre os fatores que causam a satisfação

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Sistema de Ouvidoria em Saúde Pública do Estado

Sistema de Ouvidoria em Saúde Pública do Estado No Ceará, as queixas de quem procura o sistema de saúde são atendidas, encaminhadas e respondidas, ajudando a melhorar os serviços SAÚDE Sistema de Ouvidoria em Saúde Pública do Estado (ESTADO DO CEARÁ)

Leia mais