PRACTICAL ASSESSMENT OF KNOWLEDGE MANAGEMENT AS PROPOSED IMPROVEMENT TEAM TO CUSTOMER: THE CASE OF A COMPANY MANAGEMENT SOFTWARE FOR SIMULATION

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRACTICAL ASSESSMENT OF KNOWLEDGE MANAGEMENT AS PROPOSED IMPROVEMENT TEAM TO CUSTOMER: THE CASE OF A COMPANY MANAGEMENT SOFTWARE FOR SIMULATION"

Transcrição

1 PRACTICAL ASSESSMENT OF KNOWLEDGE MANAGEMENT AS PROPOSED IMPROVEMENT TEAM TO CUSTOMER: THE CASE OF A COMPANY MANAGEMENT SOFTWARE FOR SIMULATION Kamila de Lima Aguiar (Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina, SC, Brasil) - Aline Pereira Soares (Universidade Federal de Santa Catarina, SC, Brasil) Marina Keiko Nakayama (Universidade Federal de Santa Catarina, SC, Brasil) Andressa Sasaki Vasques Pacheco (Universidade Federal de Santa Catarina, SC, Brasil) - Colaboradores: Mauricio Rissi (Universidade Federal de Santa Catarina, SC, Brasil) - Carolina Schmitt Nunes (Universidade Federal de Santa Catarina, SC, Brasil) Luana Falcão Beskow (Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina, SC, Brasil) The article presents a survey of the staff of customer service from a company that is a national and a pioneer in the commercialization of software, located in Florianópolis (SC) using the methodology of simulation management (business games), with the goal of identifying as happens in the knowledge management team of customer service in a business management simulation software, based on the dimensions proposed by Terra (2005) and thereby improve customer service. The methodology used was the case study exploratory, descriptive, documentary analysis and questionnaire. It was found that all seven analyzed dimensions need to be improved since it became low index with a very low degree of adhesion. Therefore, plans were drawn up with seven recommendations for the points considered critical. Key-words: Trading software; Customer Service; Knowledge Management. AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO COMO PROPOSTA DE MELHORIA PARA EQUIPE DE ATENDIMENTO AO CLIENTE: O CASO DE UMA EMPRESA DE SOFTWARE PARA SIMULAÇÃO GERENCIAL O artigo apresenta uma pesquisa realizada com a equipe de atendimento ao cliente de uma empresa que é referência nacional e pioneira na comercialização de softwares, localizada em Florianópolis (SC) utilizando a metodologia da simulação gerencial (jogos de empresas), com o objetivo de identificar como acontece a gestão do conhecimento na equipe de atendimento ao cliente em uma empresa de software para simulação gerencial, com base nas dimensões propostas por Terra (2005) e assim melhorar o atendimento ao cliente. A metodologia utilizada foi o estudo de caso exploratório, descritivo, análise documental e questionário. Verificou-se que todas as sete dimensões analisadas precisam ser melhoradas, uma vez que ficaram com índice de baixo a baixíssimo grau de aderência. Para tanto, foram elaborados sete planos com recomendações para os pontos considerados críticos. 3250

2 - 2 - Palavras-chave: Comercialização de software; Atendimento ao Cliente; Gestão do conhecimento. 1 INTRODUÇÃO Segundo dados da Pesquisa Anual de Serviços (IBGE, 2009) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2009), em 2005, mais de 948 mil empresas de serviços vêm se destacando nos seguintes segmentos: serviços prestados às famílias, serviços de informação, serviços prestados às empresas, transportes e correios, atividades imobiliárias e de aluguel de bens móveis e imóveis, serviços de manutenção e reparação e o grupo de outras atividades de serviços. Ainda segundo dados do IBGE (2009), o setor de serviços corresponde à 68,5% do PIB (produto interno bruto). Contudo, podemos considerar que o consumo de serviços aumentou, logo, as experiências e expectativas em relação ao setor também aumentaram. Os consumidores passam a exigir mais. Com o avanço tecnológico, qualquer descuido que uma empresa tenha, pode resultar em uma situação de muita dificuldade perante os demais clientes, uma vez que as informações circulam rapidamente. Deste modo, os consumidores prezam não só um serviço de qualidade, mas um atendimento de qualidade incluindo, nesse sistema, o pósvenda. No caso de serviços que envolvam tecnologias, um descuido pode ser muito agravante, pois as mudanças acontecem em um curto espaço de tempo, e as empresas têm de se adaptar com mais rapidez para prestar um serviço de qualidade ao cliente. Outro vetor importante em empresas de tecnologia é a gestão do conhecimento, que vai além do que o dinheiro pode comprar em uma empresa, é um modo de ser, uma prática. É amplamente dedicada a zelar os ativos intangíveis corporativos de valor. A gestão do conhecimento é algo que se constrói com coerência, dedicação e trabalho. Fazendo-se assim, um relevante instrumento dentro das empresas. O que a gestão do conhecimento tem a ver com o atendimento ao cliente? Muita coisa, pois a gestão do conhecimento é um modelo dedicado a alavancar, multiplicar e gerar riquezas a partir do capital intelectual e do conhecimento da organização. Com a organização das informações, os processos da empresa ficam mais esclarecidos e de conhecimento de todos, tendo em vista que o capital intelectual da empresa passa a estar descrito em um sistema/software. Entretanto, algumas empresas de tecnologia, em muitos casos, não consideram a opinião do cliente; como afirma Ricardo Veríssimo, em entrevista (Webinsider, 2010). Segundo o especialista, entender as necessidades do cliente é fundamental para realização do atendimento. Para ele, as opiniões sobre o cliente muitas vezes são formadas sem sequer ouvir o que o cliente tem a dizer. Ouvir os envolvidos é o início da resolução dos problemas, afirma Ricardo (Webinsider, 2010). Outras empresas deixam o atendimento ao cliente de lado por considerarem um gasto desnecessário. Rackel Valadares, Diretora de Desktop Services and Solutions da empresa T-Systems, em entrevista à revista Suport World, afirma que o custo do setor de atendimento ao cliente representa 6% do custo total em empresas de tecnologia, enquanto a percepção da qualidade do serviço de TI depende de 50% da qualidade percebida no atendimento (Suport World Brasil, 20011). A empresa utilizada como caso, nesse estudo, encontra-se no ramo de tecnologia e é uma empresa de referência nacional no método de ensino chamado de simulação gerencial. No meio corporativo desenvolve cursos de capacitação técnica, congraçamento, integração departamental, seleção e formação de trainees e desenvolvimento de lideranças; e no acadêmico, em disciplinas específicas na graduação e pós-graduação. Referência esta, que pode ser comprovada com reconhecimentos adquiridos ao longo do tempo, como por exemplo: Prêmio MPE Brasil 2010, Prêmio Reconhecimento MBC2009, Prêmio Talentos Empreendedores 2006, entre outros. 3251

3 - 3 - Conta com uma carteira de aproximadamente 100 (cem) clientes em todo território brasileiro. Conta, ainda, com o apoio de 7 (sete) colaboradores e está localizada em Florianópolis/Santa Catarina. Com base no questionário utilizado pela Fundação Nacional da Qualidade (FNQ, 2011), aplicado na empresa deste estudo, aqui denominada com o nome fictício de Evolutions Sistemas, no ano de 2012, foi possível perceber que deficiência em alguns quesitos especificamente no setor de atendimento ao cliente da empresa. Houve uma queda na satisfação do cliente e uma redução nas respostas referente ao questionário de avaliação do atendimento. O setor de atendimento ao cliente ou suporte técnico é a interconexão entre o desenvolvimento e o cliente. É o suporte técnico que auxilia os clientes em todas as dificuldades encontradas no sistema. O serviço prestado por esta área é um fator determinante para a satisfação do cliente. Hoje, a empresa deste estudo apresenta um nível de satisfação que pode ser considerado moderado, sem levar em consideração os clientes que não avaliam os atendimentos. Baseados nesse pressuposto da significativa relação entre gestão do conhecimento, relacionamento da equipe, capacitação e bom desempenho da área de atendimento ao cliente- elaborou-se a questão da pesquisa: Como acontece a gestão do conhecimento na equipe de atendimento ao cliente em uma empresa de software para simulação gerencial, com base nas dimensões propostas por Terra (2005), de modo a melhorar atendimento ao cliente? Para tanto o objetivo geral da pesquisa é analisar como acontece a gestão do conhecimento na equipe de atendimento ao cliente em uma empresa de software para simulação gerencial, com base nas dimensões propostas por Terra (2005), de modo a melhorar atendimento ao cliente? E os objetivos específicos são: a) verificar como equipe percebe a gestão do conhecimento; b) examinar como os membros da equipe avaliam cada uma das sete dimensões de Terra (2005); c) propor ações de melhoria para o alcance da gestão do conhecimento e melhoria no atendimento ao cliente. Desta forma, foi eleito como caso de estudo a equipe de suporte/atendimento ao cliente. 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Empresas de software e as cinco dimensões da qualidade Pela natureza intangível aplicada aos serviços, é difícil definir e medir a qualidade. A qualidade percebida de um serviço é resultante da avaliação feita pelo cliente, se o serviço prometido é igual ao serviço entregue, ele é considerado de qualidade. (Lovelock, Wirtz, 2006). Uma forma de avaliar a qualidade é utilizando a teoria das cinco dimensões da qualidade sugeridas por Churchill e Peter (2000) e Lovelock e Wirtz (2006): a) Tangíveis; b) Confiabilidade; c) Responsividade; d) Segurança e e) Empatia. Para Berry e Parasuraman (1992), a confiabilidade do serviço é o coração da excelência do marketing de serviços, pois está relacionada à confiança transmitida no fornecimento do serviço ao cliente. Lovelock e Wirtz (2006, p. 348) também acreditam que a confiabilidade é a capacidade de realizar o serviço prometido com segurança e precisão. Quando um problema ocorre na prestação do serviço, a confiança do cliente pode ficar abalada em duas situações: o problema reforça um padrão recorrente de falhas anteriores ou o esforço de recuperação não satisfaz o cliente, piorando, em vez de corrigir a falha (Berry e Parasuraman, 1992). Já a Tangibilidade está relacionada às instalações físicas da empresa, no equipamento, no forte apelo visual, na aparência dos funcionários e nos materiais associados ao serviço, asseveram Churchill e Peter (2000). 3252

4 - 4 - E a Responsividade evidenciada pelos colaboradores, se os funcionários são prestativos e capazes de fornecer um pronto atendimento. Já a Segurança é a transmissão de conforto ao cliente, na redução da percepção de risco, funcionários educados, competentes, bem informados e dignos de confiança (Churchill e Peter, 2000). E, por último, a Empatia ligada à capacidade de entender o sentimento de outra pessoa como se fossem seu. Buscam entender as necessidades básicas dos clientes e fornecer uma atenção personalizada e individualizada (Churchill e Peter, 2000). A dimensão considerada importante, segundo Churchill e Peter (2000), é a confiabilidade, pois é o coração da qualidade do serviço, uma vez que o serviço que não é confiável é considerado deficiente. Em contrapartida, a confiabilidade suscita desafios importantes, pois o cliente sofre diretamente com os erros. Embora ocorram erros em todas as organizações, muitas empresas tentam minimizá-los para fornecer um serviço confiável Falhas do serviço As falhas no serviço acontecem no encontro do serviço, ou seja, na hora da verdade, que representam as interações entre clientes e a empresa prestadora do serviço. Para Hoffman et al (2009), os incidentes variam desde as interações humanas relacionadas a atendimento de uma recepcionista, por exemplo, até as interações humanas relacionadas ao conforto de uma cama de hotel, podendo ter um impacto positivo ou negativo na experiência do serviço. Os incidentes críticos e negativos na percepção de Hoffman et al (2009) resultam em falhas de serviço, exigindo atenção da empresa para corrigi-los. Como uma empresa pode receber muitas reclamações de clientes, essas reclamações podem ser categorizadas conforme a quadro 1. Quadro1 - Tipos de Falhas de Serviços TIPOS DE FALHAS DE SERVIÇO Tipo primário de falhas Falhas no sistema de prestação de serviços Necessidades e pedidos do cliente Ação não induzida/não solicitadas do funcionário Clientes problemáticos Fonte: Hoffman et al (2009, p.407). Subgrupo de falhas Serviço indisponível Serviço excessivamente lento Outras falhas no núcleo do serviço Clientes com necessidades especiais Preferência do cliente Erro admitido por parte do cliente Outros Problemas Nível de atenção Ação inusitada Normas Culturais Gestalt Embriaguez Abuso Verbal e físico Quebra de regras da empresa Clientes que não cooperam Embora a empresa planeje a execução do serviço correta na primeira vez, é preciso também programar a recuperação do serviço. pois as falhas referentes a serviço podem 3253

5 - 5 - afetar a percepção do cliente quanto à qualidade, prejudicando negativamente a produtividade do serviço (Hoffman et al, 2009). Quando o cliente experimenta uma falha no serviço, ele possui algumas opções disponíveis. Lovelock e Wright (2001, 161) sugerem quatro cursos principais de ações que os clientes podem ter: a) não fazer nada; reclamar por meio de algum formulário para a empresa de serviço; agir por meio de uma terceira parte (organização de defesa do consumidor, órgãos regulamentadores ou de assuntos do consumidor, ou varas cíveis); trocar de fornecedores ou desencorajar outras pessoas a utilizar o serviço (boca a boca negativo). Com base nas possíveis reações dos clientes, é factível a diversidade de resultados finais, deixando o cliente entre furioso e encantado. Lovelock e Wright (2001) consideram ainda que o risco de desistência do cliente em uma falha é alto, principalmente se tratando de serviços comuns. Ressaltam ainda que os gerentes precisam conscientizar-se de que a perda não gera apenas uma baixa no faturamento, mas clientes irritados contam seus problemas para outras pessoas na maioria das vezes. Um fator que facilitou a disseminação das falhas de uma empresa foi a internet, pois os clientes insatisfeitos podem alcançar milhares de pessoas (Lovelock e Wright, 2001). Ainda que muitas melhorias tenham ocorrido na administração das reclamações, em alguns segmentos os clientes continuam insatisfeitos com a forma de resolução de seus problemas. Lovelock e Wright (2001) entendem ainda que quando o cliente encontra um serviço insatisfatório, ele tende a avaliar pelo o que está em jogo. E, os autores citam dois motivos principais para reclamações: a) os consumidores reclamam para recuperação econômica, obterem reembolso; ora para que o serviço seja executado novamente e b) Auto-estima, quando os funcionários destratam os clientes, tratam de forma grosseira. Lovelock e Wirtz (2006) afirmam que somente quando as falhas são examinadas é que a empresa começa a melhorar o seu serviço. 2.2 Gestão do Conhecimento e melhoria na qualidade de atendimento ao cliente Rosini e Palmisano (2003, p.105) afirmam que as empresas se voltaram para a gestão do conhecimento no intuito de entender, organizar, controlar e lucrar com esse valor intangível desse conhecimento. Gestão do conhecimento, segundo Rossatto (2002, p.7): [...] é um processo contínuo e dinâmico que visa gerir o capital intangível da empresa e todos os pontos estratégicos a ele relacionados e estimular a conversão do conhecimento. Terra (2005, p.8) define a gestão do conhecimento como: organizar as principais políticas, processos e ferramentais gerenciais e tecnológicos à luz de uma melhor compreensão nos processos de geração, identificação, validação, disseminando, compartilhando, proteção e uso dos conhecimentos estratégicos para gerar resultados (econômicos) para a empresa e benefícios para os colaboradores internos e externos. O conhecimento organizacional, para Nonaka e Takeuchi (1997), é a capacidade que a empresa tem de criar um conhecimento e disseminá-lo na organização. A gestão do conhecimento inclui o processo desenvolvido pela empresa para gerenciar algum ou todo conhecimento. A meta da gestão do conhecimento é permitir o reuso operacional e estratégico da experiência coletiva em uma empresa. Parte desse conhecimento (o que afeta o desempenho de trabalho do cliente) deve estar disponível o mais rápido possível para que o suporte tenha acesso rapidamente ao conhecimento. A gestão de acesso ao conhecimento torna-se crucial para empresa de tecnologia, segundo a revista HDI Brasil (2012). Ainda ressalta que a gestão de conhecimento é importante para o setor de suporte porque: a) fornece estrutura para colaboração; b) acelera a resolução de incidentes ao tornar soluções aprovadas mais prontamente disponíveis; c) melhora a qualidade e consistência do suporte por meio do reuso de soluções; d) reduz o tempo de treinamento 3254

6 10th International Conference on Information Systems and Technology Management CONTECSI -6para novos profissionais ao manter uma coleção organizada de conhecimento e soluções aprovadas; e) cria compatibilidade e estabelece credibilidade entre várias equipes que dão suporte ao cliente; f) diminui custos gerais de suporte ao aumentar a produtividade; g) melhora a produtividade ao minimizar a necessidade de recriar soluções e h) oferece poder ao cliente ao permitir que ele resolva assuntos simples e repetitivos. Assim, a grande mudança para as empresas continuarem competitivas, diz respeito à maior rapidez com que as atividades são realizadas. Isso ocorre porque a maioria das empresas preocupava-se apenas com os clientes e fornecedores, afirma Junior (2004). A redução no tempo de resposta do mercado fez com que as empresas, de modo geral, passassem a se preocupar com questão, tais como: Por que não estudar ações e decisões tomadas no passado e verificar se elas podem ser novamente utilizadas? Não seria positivo analisar os erros cometidos no passado, no intuito de evitar que ocorram novamente? Por que não repetir as atividades bem sucedidas. Para Terra (2005), a análise da gestão do conhecimento pode ser feita a partir de 7 (sete) dimensões caracterizadas na figura 1: Figura 1 - Dimensões da gestão do conhecimento Fonte: Adaptado de Terra (2005) As dimensões indicadas por Terra (2005) serão explicadas a seguir: Fatores estratégicos e papel da alta administração Um dos papéis fundamentais, na era do conhecimento, para a alta administração é a definição de áreas de conhecimento, isto é, agrupar o conhecimento e atuar como incubadora de inovações a fim de alcançar vantagem competitiva. Terra (2005) afirma que neste ambiente a capacidade de liderança, organização e o gerenciamento da força de trabalho são fundamentais para qualquer estratégia competitiva [...]. Sendo assim essas vantagens são difíceis de ser copiadas. Na opinião de Nonaka e Takeuchi (1997, p.8), para qualificar como uma empresa criadora do conhecimento a empresa precisa ter capacidade organizacional de adquirir, acumular e explorar e criar de forma contínua e dinâmica, novos conhecimentos. Dessa forma, é função da alta administração alinhar as áreas de conhecimento assim como alinhálas às estratégias da empresa. Consideram que é papel da alta administração criar necessidades permanentes de inovação. As práticas administrativas devem ser flexíveis e o foco deve ser quanto ao tipo de pessoa que são contratadas e promovidas Cultura e valores organizacionais 3255

7 - 7 - A cultura organizacional pode ser compreendida como as normas e valores, que ajudam a interpretar eventos e avaliar se é apropriado ou inapropriado. A cultura pode ser vista como um sistema de controle capaz de atingir grande eficácia. [...] levam a um alto grau de conformação, ao mesmo tempo em que conferem elevada sensação de autonomia. Os sistemas formais de controle criam nas empresas uma permanente sensação de restrição (Terra, 2005, p.120). Por essa razão, a premissa que prevalece é a de que o impacto da cultura organizacional exerce um crítico papel na definição dos padrões de desempenho do individuo, das equipes e da própria organização (Siqueira, 2010). Terra (2005) ressalta que a missão e valores da empresa devem ser ancorados e construídos por meio de atos e ações da alta administração que valorizem e destaquem os fatos e por pessoas que simbolizem os valores requeridos. Em empresas de destaque é gasto um tempo considerável transmitindo os valores organizacionais para novos funcionários. No ponto de vista da HDI Brasil (2012), a gestão do conhecimento, na prática, é baseada em cultura, processos e conteúdo. Criar uma cultura de colaboração e divisão é necessário para encorajar a participação geral. Um fluxo de trabalho que captura os pontos do atendimento ao cliente e produz um conteúdo estruturado é absolutamente necessário para o sucesso do projeto de gestão do conhecimento Estrutura Organizacional Uma estrutura organizacional define o modo pelo qual a divisão das tarefas são formalmente divididas, agrupadas e coordenadas. Robbins (1998, p.301) acredita que há seis elementos-chave a que os agentes precisam estar atentos ao dimensionar a estrutura de sua organização, são eles: especialização do trabalho departamentalização, cadeia de comando, esfera de controle, centralização e descentralização, e formalização. A estrutura organizacional deve ser delineada, seguindo os objetivos e estratégias estabelecidas pela empresa. Rebouças (2002, p.84) acredita que a estrutura organizacional é uma ferramenta básica para alcançar para alcançar situações almejadas. Terra (2009) considera fundamental discutir as alternativas que inúmeras organizações estão colocando em prática para superar o modelo tradicional: hierárquicoburocrático - considera Terra (2005). O pilar principal para quebra do paradigma do modelo de gestão hierárquicoburocrático é agilizar e descentralizar dos processos de decisão. Além disso, é preciso repensar os princípios fundamentais de organização de trabalho e a maneira de estruturar as relações de empresa. Terra (2009) considera que as pessoas aprendem muito mais no decorrer dos projetos e processos, mas esse aprendizado, na maioria das vezes, fica limitado a poucas pessoas na organização. Segundo Terra (2009), por mais que se saiba que o modelo tradicional (hierárquicoburocrático) está presente na maioria das empresas, principalmente na metade do século XX, o processo de transformação organizacional da maioria das empresas está acontecendo, e passa, principalmente, pela necessidade de ruptura com o passado. Mas sabe-se que não é algo simples Administração de Recursos Humanos A administração de recursos humanos é fundamental para o desenvolvimento da competitividade organizacional, pois envolve a forma com que as pessoas são geridas. Lovelock e Wirtz (2006, p.380) consideram que nenhuma empresa de serviço está tão bem equipada com tecnologia que não precise do pessoal da linha de frente. Como as empresas hoje têm uma visão mais ampliada, o setor de recursos humanos está sendo visto como um elemento fundamental, pois preocupa-se em garantir que o número certo de pessoas e o mix correto de competências estejam disponíveis para cumprir 3256

8 - 8 - os requisitos estratégico de longo prazo da empresa. Entre as questões estão recrutamento, treinamento desenvolvimento de carreira e promoções. O recrutamento de novos empregados é a mais importante decisão de investimento para uma empresa, principalmente para empresas do conhecimento. Terra (2005) afirma que, uma nova contratação, pode ser o equivalente a um investimento em novas máquinas de uma empresa industrial. Por esse motivo, o recrutamento vem se destacando como uma função estratégica. Isso se dá, pois a capacidade cognitiva, motivação individual, criatividade, trabalho em equipe podem ser melhorados pela organização ao longo do tempo. No entanto, são características pessoais que foram desenvolvidas durante a vida e dificilmente são modificadas. Sendo assim, a contratação de um funcionário pode ser considerada uma das decisões de investimento mais importantes para empresas do conhecimento, finaliza Terra (2005) Sistemas de informação É notável o avanço da informática, bem como internet, especificamente para busca de informações, assim, é possível elevar o poder da busca de conhecimento, como explica Terra (2005). Do mesmo modo, o conceito de tecnologia da gestão do conhecimento é amplo e, segundo Davenport e Prusak (1998) é relativamente difícil de definir. Algumas tecnologias que não são consideradas base de conhecimento podem ser extremamente úteis na facilitação do conhecimento, o telefone, por exemplo, é eficaz na viabilização da transferência do conhecimento tácito entre as pessoas. (Davenport e Prusak, 1998). Geralmente o uso de um sistema de informação e gestão do conhecimento está relacionado ao uso de sistemas para compartilhamento de informações ou conhecimento. Mas, Terra (2005) ressalta que é elevado o número de informações excessivas, ou seja, a inclusão de informações desnecessárias, podendo causar uma perda na produtividade. Isso pode ser ocasionado por uma visão distorcida dos padrões básicos da gestão do conhecimento. As empresas estão considerando-a como uma commodity e não como um processo de melhoria de inteligência organizacional. Os sistemas de informação só passam a ser úteis quando possuem conteúdo (conhecimento), o conteúdo é confiável, é relevante e atualizado, conclui Terra (2005) Mensuração dos Resultados Terra (2005) explica que o objetivo central das organizações é gerar lucro, somente algumas empresas colocam como objetivo a satisfação dos clientes e funcionários. Para tanto, é importante que, durante a gestão do conhecimento, os resultados sejam medidos, uma vez que o que não é medido não pode ser gerenciado. Para Eyng e Machado (2005, p.8), à medida que empresas passem a se engajar cada vez mais nos processos de contabilização do capital intelectual, estas passem a questionar sua forma de trabalhar, sua cultura, o sistema de informações, bem como estratégias de comunicação e políticas de gestão de pessoas. Eyng e Machado (2005) consideram ainda que, com a melhoria no monitoramento das variáveis (sua cultura, o sistema de informações, as estratégias de comunicação e as políticas de recursos humanos), as empresas passem a desenvolver práticas de estímulo ao aprendizado, a inovação e a geração do conhecimento empresarial. Poucas empresas usam ferramentas de medição de resultados, Santiago e Junior (2007) explicam que é decorrente dos poucos métodos para esta finalidade. Essa escassez se originou pela própria dificuldade de encontrar metodologias para implantação da gestão do conhecimento. Santiago e Junior (2007) completam que, diferente do que ocorre em assuntos corporativos [...] as métricas associadas à gestão do conhecimento não se limita a uma questão numérica, estritamente quantitativa, mas a fatores qualitativos [...]. 3257

9 - 9 - Geralmente, os benefícios da gestão do conhecimento são mensurados de forma indireta, podendo indicar ou não ganhos financeiros ou contábeis. Um exemplo é quando se considera que o grau de satisfação dos colaboradores pode gerar uma redução do turnover (mudanças constantes) e dos custos no desenvolvimento de atividades destinadas ao recrutamento de novos funcionários (Santiago e Junior, 2007). Além disso, o uso de metodologia para a gestão do conhecimento pode resultar em ganhos, em atividades voltadas ao relacionamento com o cliente Parcerias e Aprendizado com o ambiente As necessidades de aprendizado precisam cada vez mais ser expandidas para além das fronteiras da empresa, ou seja, clientes, fornecedores, outras empresas, institutos de pesquisa, universidade entre outros. Senge (2008) considera que empresas com capacidade de aprendizado proporcionam um ambiente em que a ampliação da capacidade de inovar para atingir resultados é mais provável; sendo assim, os colaboradores obtêm estímulos para desenvolver novas formas de pensamento e o local onde as pessoas se conscientizam que a aprendizagem engloba a colaboração mútua. 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Quanto ao tipo de estudo, caracteriza-se como exploratória, descritiva, documental, bibliográfica, teórico-empírica, estudo de caso. Em relação à abordagem classifica-se como predominante quantitativa (Lakatos e Marconi, 1992). Quanto ao tipo de corte, esta pesquisa é transversal ou cross-sectional, neste caso, com a equipe de atendimento/suporte ao cliente, em 2012, utilizando-se assim um censo. Foram aplicados 7 (sete) questionários Cada questão correspondia a uma das variáveis em estudo, conforme o quadro 2. Perguntas Assunto Fatores Estratégicos e o Papel da Alta Administração Cultura e Valores Organizacionais Estrutura Organizacional Administração de Recursos Humanos Sistemas de Informação Objetivo Propor ações de modo que melhorem a gestão do conhecimento da área de suporte ao cliente. Propor ações de modo que melhorem a gestão do conhecimento da área de suporte ao cliente. Propor ações de modo que melhorem a gestão do conhecimento da área de suporte ao cliente. Propor ações de modo que melhorem a gestão do conhecimento da área de suporte ao cliente. Autores Relacionados Terra (2005) Nonaka e Takeuchi (1997) Terra (2005) Chiavenato (2006) Siqueira (2010) Rosini (2007) HDI (2012) ] Robbins (1998) Rebouças (2002) Terra (2009) Chiavenato (2006) Lovelock e Wirtz (2006) Terra (2005) Freeman e Stoner (1994) Propor ações de modo que melhorem Terra (2005) 3258

10 23 a a 35 10th International Conference on Information Systems and Technology Management CONTECSI Mensuração de Resultados Parcerias e aprendizado com o ambiente a gestão do conhecimento da área de suporte ao cliente. Propor ações de modo que melhorem a gestão do conhecimento da área de suporte ao cliente. Propor ações de modo que melhorem a gestão do conhecimento da área de suporte ao cliente. Quadro 2: variáveis em estudo e questões Fonte: dados primários Davenport e Prusak (1998) Terra (2005) Eyng e Machado (2005) Santiago e Junior (2007) Figueiredo e Souza (2008) Filho (1995) Após a coleta de dados, há a seção de tratamento. Os dados das questões fechadas obtidos foram tratados estatisticamente por meio da análise descritiva, com a exposição de medidas como freqüência e média. Optou-se pela utilização da unidade descritiva média para a comparação entre os termos. Destaca-se que esta média tem como valor mínimo zero e valor máximo quatro, sendo quanto maior o valor, maior a será a aprendizagem em equipe. Outras estratégias de análise adotada foram: descritiva e interpretativa, por serem estratégias importantes de análises, já que auxiliam o pesquisador a entender seu objeto de pesquisa. O questionário aplicado aos colaboradores, tinha um total de 35 (trinta e cinco) questões de escala likert, direcionada aos colaboradores da empresa em estudo, com a participação de 7 (sete) respondentes (população total). As questões serão apresentadas de forma textual e em forma de gráficos de cada uma das questões da referida amostra, apenas um gráfico geral contemplando as médias gerais de cada uma das sete dimensões avaliadas. Para cada questão do questionário foi determinado uma pontuação partindo de 1 (um) (discordo totalmente) a 5 (cinco) (concordo totalmente). As questões estão arbitrariamente divididas em diferentes grupos, de acordo com a média. Vale ressaltar, que a definição da escala foi estabelecida com base na análise de Terra (1999) de acordo com a tese de doutorado do referido autor. Média entre 3,5 e 4,0 (alto grau de concordância) Média entre 3,2 e 3,4 (médio grau de concordância) Média entre 2,5 e 3,1 (baixo grau de concordância) Média entre 0,0 e 2,4 (baixíssimo grau de concordância) Sendo assim, cada questão foi analisada de acordo com a escala, sendo: Alto, médio, baixo e baixíssimo grau de concordância. 4 DESCRIÇÃO DOS RESULTADOS No geral, pode-se perceber que boa parte das médias mostrou que, das 7 dimensões propostas por Terra (1999) todas apresentaram baixo grau de concordância, não ultrapassando o valor máximo de 2,8 (na dimensão Administração de Recursos Humanos). A seguir serão apresentados os dados gerais, conforme tabela

11 Tabela 1 - Grau de concordância Dimensão Média Grau de Concordância Cultura e Valores organizacionais 2,5 Baixo grau de concordância Estrutura Organizacional 1,7 Baixíssimo grau de concordância Administração de Recursos Humanos 2,8 Baixo grau de concordância Sistemas de informação 2,5 Baixo grau de concordância Mensuração de Resultados 2,6 Baixo grau de concordância Parcerias e Aprendizado com o Ambiente 2,6 Baixo grau de concordância Fatores Estratégicos e o papel da Alta Administração 2,6 Baixo grau de concordância Fonte: Dados primários, A seguir, serão apresentados os dados do mesmo modo que foram apresentados aos entrevistados. Assim, dentre as questões que obtiveram alto grau de concordância, está, conforme na tabela 2: Tabela 2 Alto grau de concordância Existe uma grande preocupação em medir resultados sob várias perspectivas (financeiras, operacionais, estratégicas, aquisição de conhecimento). Fonte: Dados primários, Mensuração de Resultados 3,6 As questões que obtiveram médio grau de concordância são, conforme tabela 3: Tabela 3 Médio grau de concordância Existem esquemas de premiação e reconhecimento por resultados e contribuições extraordinárias. O treinamento está associado ás necessidades da área imediata de trabalho do funcionário e/ou às necessidades estratégicas da empresa. Fonte: Dados primários, Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos 3,3 3,4 As questões que obtiveram baixo grau de concordância são, conforme tabela 4: 3260

12 Tabela 4 Baixo grau de concordância Existe elevado nível de consenso sobre quais são as core compentences da empresa, ou seja, sobre quais são os pontos fortes da empresa em termos de habilidades e competências. A macro estratégia da empresa é comunicada amplamente para todos os níveis organizacionais. A evolução dos salários está associada, principalmente, à aquisição de competências e não ao cargo ocupado. A empresa tem habilidade na gestão de parcerias com universidades e institutos de pesquisa (contratação de pesquisa externa). Novas ideias são valorizadas. Há permissão para discutir ideias bobas. As informações da empresa estão bem organizadas segundo um sistema de classificação que faz sentido para os usuários. Existe uma grande honestidade intelectual na empresa, ou seja, as pessoas são autênticas e deixam evidente aquilo que conhecem e também o que não conhecem. Há um uso constante de equipes multidisciplinares e formais que se sobrepõem à estrutura formal tradicional e hierárquica. Compartilhamento de conhecimento é um dos critérios para avaliação de desempenho. Aqui se estimula a experimentação. Há liberdade para tentar e falhar. As realizações importantes são comemoradas. A empresa aprende muito com seus clientes. Existem vários mecanismos formais e informais bem estabelecidos para essa finalidade. O planejamento de carreira busca dotar os funcionários de diferentes perspectivas e experiências. Há um uso constante de equipes ad hoc (específicas para um projeto) ou temporárias, como grande autonomia, totalmente dedicadas a projetos inovadores. Fonte: Dados primários, Fatores estratégicos e o papel da alta administração Fatores estratégicos e o papel da alta administração Administração de Recursos Humanos Parcerias e Aprendizado com o Ambiente 3,1 3,1 Cultura e Valores organizacionais 2,9 Sistemas de informação 2,9 Cultura e Valores organizacionais 2,8 Cultura e Valores organizacionais 2,8 Administração de Recursos Humanos 3 3 2,6 Cultura e Valores organizacionais 2,6 Cultura e Valores organizacionais 2,6 Parcerias e Aprendizado com o Ambiente Administração de Recursos Humanos 2,6 2,5 Estrutura Organizacional 2,5 3261

13 - 13-5: As questões que obtiveram baixíssimo grau de concordância são, conforme tabela Tabela 5 Baixíssimo grau de concordância A missão e os valores da empresa são promovidos, de forma consistente, por atos simbólicos e ações no dia-a-dia da empresa. Há um elevado sentimento de confiança entre empresa e funcionários; existe, de maneira geral, um grande orgulho em trabalhar para a empresa. Há um espaço sistemático de benchmarking (identificar as melhores práticas dos concorrentes) e inteligência competitiva. As informações são compartilhadas. Existe amplo acesso por parte de todos os funcionários, à base de dados e conhecimento da empresa. Estimulam-se os treinamentos que levam ao autoconhecimento. As pessoas estão preocupadas com toda a organização e não apenas com sua área de trabalho, ou seja, buscam uma otimização conjunta. A comunicação é eficiente em todos os sentidos (de cima para baixo, de baixo para cima e entre áreas distintas). A alta administração estabelece frequentemente metas desafiadoras e um sentido de urgência para a mudança da realidade em direção a uma visão estabelecida. Estimula-se o aprendizado pela ampliação dos contatos e interações com outras pessoas de dentro e fora da empresa. Os resultados dos esforços de Gestão do Conhecimento são medidos e divulgados regularmente. As decisões são tomadas no nível hierárquico mais baixo possível. O processo decisório é ágil; a burocracia é mínima. A empresa realiza com frequência, reuniões mais informais, fora do local de trabalho, para a realização de brainstormings. Cultura e Valores organizacionais 2,4 Cultura e Valores organizacionais 2,4 Parcerias e Aprendizado com o Ambiente 2,4 Sistemas de informação 2,4 Administração de Recursos Humanos 2,3 Cultura e Valores organizacionais 2,3 Sistemas de informação 2,1 Fatores estratégicos e o papel da alta administração 1,8 Cultura e Valores organizacionais 1,7 Mensuração de Resultados 1,6 Estrutura Organizacional 1,4 Estrutura Organizacional 1,3 Fonte: Dados primários,

14 As questões estão arbitrariamente divididas em diferentes grupos, de acordo com a média. Vale ressaltar, que a definição da escala foi estabelecida com base na análise de Terra (1999) de acordo com a tese de doutorado do referido autor. 5 CONCLUSÕES Após todas as análises, é possível perceber a pouca aderência da empresa em relação às práticas da gestão do conhecimento abordadas por Terra (2005). Em nenhum dos critérios definidos pelo autor, a empresa conseguiu boas médias, o que mostra uma urgência na aplicação de melhorias no que tange a gestão do conhecimento. Foi interessante avaliar que, em uma empresa de software quesitos como A empresa realiza com frequência, reuniões mais informais, fora do local de trabalho, para a realização de brainstormings. Recebessem médias tão baixas 1,3 e outros como Estimula-se o aprendizado pela ampliação dos contatos e interações com outras pessoas de dentro e fora da empresa, média 1,7. A empresa produz software de simulação de jogos empresariais, que estimulam o trabalho em equipe, mas demonstra baixa aplicação desses valores ara sua equipe, em especial a de suporte de atendimento ao cliente. Assim, como base na avaliação da equipe, foram propostas 7 planos, que envolvem ações que estimulem a gestão do conhecimento. Ações que poderão ser aplicadas em empresas de diferentes portes, que trabalham com software (ou de outro ramo). Alguns exemplos de ações sugeridas são: reuniões com objetivo de apresentar resultados, demonstrando como cada ação interfere na missão e visão da empresa; modificar o software utilizado (produzido pela empresa), incluindo um banco de dados de problemas recorrentes e dúvidas dos clientes, seja de metodologia ou de utilização do sistema, assim como as etapas de cada processo, em que todos os colaboradores possam ter acesso à estas informações e sugerir resoluções, melhorias nos processos, diretamente no software, dentre outras, que não só incrementam os processos, estimulam a gestão do conhecimento e consequentemente aumentam as chances de melhoria do atendimento ao cliente. Com essa pesquisa, as empresas poderão conhecer os problemas e possibilidade de melhorias para os problemas encontrados no setor de suporte ao cliente. Consequentemente, o cliente também se beneficiará, pois terá oportunidade de ter um atendimento de qualidade e que possa satisfazer suas necessidades. Os empresários de áreas correlacionadas poderão beneficiar-se, pois, conforme abordado anteriormente é uma área de estudo crescente no Brasil e no mundo. Uma melhoria na gestão do conhecimento pode trazer benefícios para a operação da empresa, no comportamento e comprometimento dos colaboradores, melhoria nos processos e projetos, dentre outras. Todas estas etapas afetam diretamente o atendimento ao cliente, conforme apresentado a seguir nos itens destinado às recomendações. 6 RECOMENDAÇÕES O plano apresentado é uma adaptação do método 5W 2H (what,when,why,where,who) 2H (How, how much). Depois de identificado que os problemas recaiam sobre as 7 dimensões, foram propostos 7 planos de ações (explicitados nos quadros de 3 a 9), sugerindo: ações, responsável pela implementação dessas ações, estabelecido um prazo para o início dessas atividades, fundamentado por um referencial teórico. As ações têm como objetivo potencializar práticas de gestão do conhecimento para equipe da referida empresa. Que, de um modo geral apresentou um baixo grau de concordância, conforme apresentado anteriormente. A seguir serão apresentados os planos de ações propostos à empresa em estudo. Quadro 3- Plano de Ação

15 DIMENSÃO: FATORES ESTRATÉGICOS E O PAPEL DA ALTA ADMINISTRAÇÃO MÉDIA: 2,6 PROBLEMA Como a pesquisa apontou pontos que envolvem um maior comprometimento dos gestores (e a atual pesquisa não partiu deles) sugere-se que estes contratem uma consultoria com a finalidade de iniciar todo processo; Buscar parcerias; Metas desafiadoras; Sentido de urgência; Comunicar a macro estratégia em todos os níveis organizacionais; Falta de consenso dos colaboradores em relação aos pontos fortes no que diz as habilidades e competências. ESTRATÉGIAS/AÇÕES Criar um novo modelo de programa de participação de resultados, com metas desafiadoras e que não se encaixem com as rotinas diárias dos colaboradores; Reuniões frequentes com objetivo de delimitar os caminhos que a empresa pretende seguir e explicitando os pontos fortes da empresa. RESPONSÁVEL Gestores e consultor externo PERÍODO Início em menos de um ano/constante RESULTADO ESPERADO Colaboradores sintam-se desafiados por metas; Melhor definição do sentido de urgência; Melhor definição das estratégias da empresa; e Definir entre os colaboradores os pontos fortes/habilidades e competências. FUNDAMENTAÇÃO Terra (2005) afirma que neste ambiente a capacidade de liderança, organização e o gerenciamento da força de trabalho são fundamentais para qualquer estratégia competitiva [...]. Sendo assim essas vantagens são difíceis de ser copiadas. Outros papéis importantes para a alta administração é a definição de metas ambiciosas, criação de senso de urgência e a necessidade de inovação. Além disso, as práticas administrativas devem ser flexíveis e um foco relacionado a contratação e à promoção de pessoas deve ser estabelecido. (TERRA, 2005). Faz se necessário fundamentar a cultura ITIL, que é um modelo de referência para o gerenciamento dos processos de TI. Tem como foco descrever os processos necessários para gerenciar a infraestrutura de TI eficientemente e eficazmente de modo a garantir níveis de serviços acordados com os clientes internos e externos. (HDI, 2009). Fonte: Dados primários, Quadro 4 - Plano de Ação

16 DIMENSÃO: CULTURA E VALORES ORGANIZACIONAIS MÉDIA: 2,5 PROBLEMA F alta de estímulo para ampliação de contatos com pessoas de dentro para fora da empresa; As pessoas não estão preocupadas com toda a organização, preocupando-se apenas com a sua área; A missão e visão da empresa, não são promovidas de forma consistente no dia a dia; Falta confiança entre a empresa e o funcionário e a falta de orgulho em trabalhar na empresa; Falta de liberdade para tentar e falhar, e, falta de estimulo para experimentação; Falta de espaço para humor; e, Falta de espaço para discussão de ideias bobas. ESTRATÉGIAS/AÇÕES Realizar eventos em datas comemorativas, como Páscoa, Natal. Fora da empresa, com objetivo de promover inicialmente a quebra do gelo entre os colaboradores; Reuniões com objetivo de apresentar resultados, demonstrando como cada ação interfere na missão e visão da empresa; Colocar como plano de fundo de todos os computadores da empresa a logo da empresa, com a missão e visão, assim como a distribuição de quadros nos setores; Criar um símbolo da empresa para homenagear o colaborador que fizer algo extraordinário. RESPONSÁVEL Início em menos de um ano/constante PERÍODO A definir pelos gestores/ URGENTE RESULTADO ESPERADO Com o aumento de encontros informais os colaboradores tenham oportunidade de se conhecer melhor e ter liberdade para discutir assuntos bobos dentro da empresa, tenham mais liberdade para tentar e falhar, desenvolvam o orgulho em trabalhar na empresa e maior desenvolvimento da missão e visão. Criando um vínculo entre os colaboradores, a empresa sentirá um reflexo na falta de preocupação dos colaboradores com os demais setores. FUNDAMENTAÇÃO Sob a ótica de Rosini (2007, p. 43): A cultura organizacional representa o ambiente de crenças e valores, costumes e tradições, mitos e rituais, conhecimentos e práticas de convívio social e relacionamento entre as pessoas. A grande máquina chamada organização, quanto à sua estrutura e arquitetura, é também considerada um signo maior, composta por vários outros signos. A cultura pode ser vista como um sistema de controle capaz de atingir grande eficácia. [...] levam a um alto grau de conformação, ao mesmo tempo em que conferem elevada sensação de autonomia. Os sistemas formais de controle criam nas empresas uma permanente sensação de restrição. (TERRA, 2005, p.120). 3265

17 Fonte: Dados primários, Quadro 5 - Plano de Ação 3 DIMENSÃO: ESTRUTURA ORGANIZACIONAL MÉDIA: 1,7 PROBLEMA Falta de reuniões informais, fora do local de trabalho, com objetivo de realizar brainstormings; O processo decisório não é ágil, e é burocrático; O não uso de equipes específicas para projetos, com autonomia e dedicadas a projetos inovadores. ESTRATÉGIAS/AÇÕES Criar uma reunião mensal, com coffee break, e temas variados, com objetivo de captar boas ideias; Montar equipes para liderar projetos, e dar autonomia a estas. Desburocratização do processo, dando autonomia aos gerentes dos setores. RESPONSÁVEL Gestores /Consultor externo PERÍODO Início em menos de um ano/constante RESULTADO ESPERADO Aumento significativo nas reuniões informais, fora do local de trabalho, que incentivem os brainstorming, desburocratização do processo decisório e criação de equipes autônomas. FUNDAMENTAÇÃO A gestão do conhecimento é modificada e modifica a forma de organização de trabalho dos principais processos. Mas é incompatível com os modelos tradicionais de empresas que geralmente não são propícias para a gestão do conhecimento. (REBOUÇAS, 2002). A estrutura organizacional deve ser delineada, seguindo os objetivos e estratégias estabelecidas pela empresa. Rebouças (2002, p.84) acredita que a estrutura organizacional é uma ferramenta básica para alcançar para alcançar situações almejadas. Terra (2009) considera fundamental discutir as alternativas que inúmeras organizações estão colocando em prática para superar o modelo tradicional: hierárquico-burocrático (TERRA, 2005). Fonte: Dados primários, Quadro 6 - Plano de Ação 4 DIMENSÃO: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS MÉDIA: 2,8 PROBLEMA A não avaliação do compartilhamento do conhecimento na avaliação de desempenho; Evolução de salários está atrelada ao cargo ocupado; Não existência de treinamentos de autoconhecimento; e, O planejamento de carreira não analisa o colaborador sob perspectivas e 3266

18 experiências. ESTRATÉGIAS/AÇÕES Incluir metas que favoreçam o compartilhamento do conhecimento como: indicação de melhoria para outros setores (Esta ação já existe, mas, como a cultura e a estrutura da empresa são restritas, esta ação não ocorre com efetividade). Contratação de palestras de Coaching, mínimo de uma vez no ano; Alteração da política salarial, levando em consideração às experiências anteriores do colaborador; Estruturação de um planejamento de carreira, que não é realizado pela empresa, levando em consideração, as experiências de cada colaborador. RESPONSÁVEL Gestores/Consultor externo PERÍODO Início em menos de um ano/constante RESULTADO ESPERADO Inclusão de metas relacionadas à gestão do conhecimento, inclusão na rotina da empresa de treinamentos externos, inclusão de um planejamento de carreira com foco nas perspectivas e experiências dos colaboradores e mudança na políticas salarial da empresa. FUNDAMENTAÇÃO Preocupa-se em garantir que o número certo de pessoas e o mix correto de competências estejam disponíveis para cumprir os requisitos estratégico de longo prazo da empresa. Entre as questões estão recrutamento, treinamento desenvolvimento de carreira e promoções. O recrutamento de novos empregados é a mais importante decisão de investimento para uma empresa, principalmente para empresas do conhecimento, Terra (2005) afirma que uma nova contratação pode ser o equivalente a um investimento em novas máquinas de uma empresa industrial. Fonte: Dados primários, Quadro 7 - Plano de Ação 5 DIMENSÃO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÉDIA: 2,5 PROBLEMA Comunicação ineficiente; Organização das informações; e Falta de compartilhamento de informações. ESTRATÉGIAS/AÇÕES Modificar o software utilizado (produzido pela empresa), incluindo um banco de dados de problemas recorrentes e dúvidas dos clientes, seja de metodologia ou de utilização do sistema, assim como as etapas de cada processo, em que todos os colaboradores possam ter acesso à estas informações e sugerir resoluções, melhorias nos processos, diretamente no software; 3267

19 RESPONSÁVEL Gestores/Consultor externo PERÍODO Início em menos de um ano/constante RESULTADO ESPERADO Informações organizadas, facilidade no compartilhamento de informações, integrando a um sistema já utilizado na empresa. A melhoria na comunicação será consequência da implantação dos planos de ações 2, 3 e 4. FUNDAMENTAÇÃO Geralmente o uso de um sistema de informação e gestão do conhecimento está relacionado ao uso de sistemas para compartilhamento de informações ou conhecimento. Mas Terra (2005) ressalta que é elevado o número de informações excessivas, ou seja, a inclusão de informações desnecessárias, podendo causar uma perda na produtividade. Isso pode ser ocasionado por uma visão distorcida dos padrões básicos da gestão do conhecimento. As empresas estão olhando-a como uma commodity e não como um processo de melhoria de inteligência organizacional. Fonte: Dados primários, Quadro 8 - Plano de Ação 6 DIMENSÃO: MENSURAÇÃO DE RESULTADOS MÉDIA: 2,6 PROBLEMA Os resultados da gestão do conhecimento não são medidos e divulgados. ESTRATÉGIAS/AÇÕES Uma reunião mensal, de até trinta minutos, mostrando estatísticas sobre o compartilhamento de informações dentro da empresa, com dinâmicas de grupo e premiações, fora do PPR, incentivando o compartilhamento de informações. Apresentar dados da satisfação, modificações do sistema, produtos, melhorias.. RESPONSÁVEL Gestores/Consultor externo PERÍODO Início em menos de um ano/constante RESULTADO ESPERADO Que os resultados da gestão do conhecimento cheguem até os colaboradores, e que eles possam ser premiados com objetivo de incentivar a disseminação da gestão do conhecimento. FUNDAMENTAÇÃO Poucas empresas usam ferramentas de medição de resultados, Santiago e Junior (2007) afirmam que é decorrente dos poucos métodos para esta finalidade. Essa escassez se originou pela própria dificuldade de encontrar metodologias para implantação da gestão do conhecimento. 3268

20 Santiago e Junior (2007) completam que diferente do que ocorre em assuntos corporativos [...] as métricas associadas à gestão do conhecimento não se limita a uma questão numérica, estritamente quantitativa, mas a fatores qualitativos [...]. Fonte: Dados primários, Quadro 9 - Plano de Ação 7 DIMENSÃO: PARCERIAS E APRENDIZADOS COM O AMBIENTE MÉDIA: 2,7 PROBLEMA A empresa não aprende com seus clientes; Não cria parcerias com institutos de ensino; e Não disponibiliza um espaço para identificar as melhores praticas de Me mercado ESTRATÉGIAS/AÇÕES Criar um formulário no site, visível, para que o cliente possa expor suas ideias, e sugerir melhorias (modelo de formulário no ANEXO A); Espaço no sistema para indicação de melhorias e alteração no questionário pós-atendimento, motivando o cliente dar sua opinião; Espaço para compartilhamento de informações sobre melhores práticas e informações sobre a concorrência. (As informações inseridas pelos colaboradores podem ficar visíveis apenas para os responsáveis pela definição de estratégias de mercado da empresa). Buscar parceria com ACIF Associação comercial e industrial de Florianópolis com cursos, em busca de talentos e aperfeiçoamento dos colaboradores. RESPONSÁVEL Gestores/programadores/Consultor PERÍODO Mínimo de um ano/constante RESULTADO ESPERADO Abrir espaço para que o cliente tenha voz dentro da empresa, melhor aproveitamento de parceiros com possibilidade de busca de talentos fora da empresa e melhor conhecimento da concorrência. FUNDAMENTAÇÃO Senge (2008) considera que empresas com capacidade de aprendizado proporcionam um ambiente em que a ampliação da capacidade de inovar para atingir resultados é mais provável; sendo assim, os colaboradores obtêm estímulos para desenvolver novas formas de pensamento e o local onde as pessoas se conscientizam que a aprendizagem engloba a colaboração mútua. Fonte: Dados primários, Espera-se que este plano e os dados analisados auxiliem diferentes tipos de instituições a promoverem a melhoria na área de suporte ao cliente e a gestão do conhecimento dentre os membros da equipe. 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 3269

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

As sete dimensões da gestão do conhecimento na empresa Pão de Queijo e Cia

As sete dimensões da gestão do conhecimento na empresa Pão de Queijo e Cia As sete dimensões da gestão do conhecimento na empresa Pão de Queijo e Cia Julian Rafael Stobulski Beal (CESCAGE) julian_beal@hotmail.com Balduir Carletto (CESCAGE) bcarletto@uol.com.br Camila Lopes Ferreira

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Viviane Maravieski Pereira (UTFPR) vivimaravieski@hotmail.com Isaura Alberton de Lima (UTFPR) alberton@cefetpr.br Resumo: Este artigo

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

O Trabalhador do Conhecimento na Sociedade do Conhecimento

O Trabalhador do Conhecimento na Sociedade do Conhecimento O Trabalhador do Conhecimento na Sociedade do Conhecimento Letícia Baggio (UTFPR) leticia@uniao.edu.br Isaura Alberton de Lima, Dra (UTFPR) alberton@utfpr.edu.br Maria Salete Waltrick, Ms (UNIAO) salete@uniao.edu.br

Leia mais

AGENDA. 5ª Edição. Hotel Staybridge. Realização:

AGENDA. 5ª Edição. Hotel Staybridge. Realização: AGENDA 5ª Edição D? 06 de Maio de 2015 Hotel Staybridge Realização: w w w.c o r p b us i n e s s.c o m.b r Patrocínio Gold Patrocínio Bronze Apoio Realização: APRESENTAÇÃO C GESTÃO DE PESSOAS: DESAFIOS

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

Palavras-chave: Conhecimento; Gestão do Conhecimento; Gestão de Pessoas.

Palavras-chave: Conhecimento; Gestão do Conhecimento; Gestão de Pessoas. O PAPEL DO SETOR DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UMA EMPRESA DO RAMO AUTOMOTIVO GAIA, Lilian Fátima BENTO, Karina Gomes dos Reis RESUMO Com a globalização e a abertura dos mercados, a

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações

Tecnologia e Sistemas de Informações Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 3 Componentes de SIs Pessoas SI Organiz. Unidades que exercem diferentes funções, tais

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento e do Capital Intelectual Anhanguera Educacional Unidade FACNET Curso: MBA em Gestão de Pessoas Disciplina: Aula 01 08/02/2014 Professor: Rodrigo Porto Agenda 1º encontro 08/02/2014 Parte 1 Curso e Apresentações

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS RESUMO Priscila Alves Moreira Robésio Teixeira Gomes Partindo do pressuposto de que o coaching

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz Marcelo Rabelo Henrique marcelo@mrhenriqueconsult.com.br Unicastelo José Abel

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS SÉRIE ESPECIAL PCSS A GOVERNANÇA EM TI, SEU DIFERENCIAL E APOIO AO CRESCIMENTO Prof. Acrisio Tavares G GOVERNANÇA EM

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas.

Desenvolvimento de pessoas. Desenvolvimento de pessoas. 2.2 FORMULAÇÃO DE UM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Gestão de Pessoas (Antonio Carlos Gil) e Gestão de Pessoas (Idalberto Chiavenato) "Se ensinardes alguma coisa a um

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis Vamos nos conhecer e definir as diretrizes de nosso curso??? www.eadistancia.com.br

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca : Compreensão básica para a Gestão de Pessoas Glaucia Falcone Fonseca É importante verificar que há diversos grupos que compõem uma cultura. As subculturas, constituídas por grupos de pessoas com um padrão

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Retenção do Conhecimento Vantagem Competitiva nos SI Introdução As organizações têm demonstrado uma crescente demanda por informações

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA APRESENTAÇÃO Este é o Código de Conduta da Net Serviços de Comunicação S.A. e de suas controladas ( NET ). A NET instituiu este Código de Conduta norteado

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Comportamento Organizacional GRUPOS

Comportamento Organizacional GRUPOS Comportamento Organizacional GRUPOS Objetivos da Seção Ampliar a compreensão sobre a dinâmica dos grupos e equipes nas organizações. Apresentar algumas dicas para a criação e manutenção de equipes eficazes

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN

Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN Objetivos Apresentar os fundamentos da avaliação de treinamento Apresentar os tipos de indicadores para mensurar a eficácia do treinamento

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais