Parede Abdominal. Isabel Pimentel Rosa Santos Rui Campos Rui Fonseca. Turma E

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parede Abdominal. Isabel Pimentel Rosa Santos Rui Campos Rui Fonseca. Turma E"

Transcrição

1 Parede Abdominal Isabel Pimentel Rosa Santos Rui Campos Rui Fonseca Turma E Ano lectivo 2006/2007

2 Anatomia Camadas constituintes da parede abdominal: Pele Tecido celular subcutâneo Fáscia de Scarpa Músculos recto, transverso, oblíquo interno e externo e suas aponevroses Fáscia Transversalis Tecido adiposo extraperitoneal Peritoneu

3 Patologia da parede abdominal Congénita Adquirida Defeitos da parede abdominal Inflamatória Anomalias do canal onfalomesentérico Neoplásica Anomalias do úraco Traumática Degenerativa Iatrogénica

4 Congénita Adquirida Defeitos da parede abdominal Inflamatória Anomalias do canal onfalomesentérico Neoplásica Anomalias do úraco Traumática Degenerativa Iatrogénica

5 Onfalocelo Definição Defeito da linha média formando um anel umbilical alargado por onde há herniação de vísceras abdominais cobertas por peritoneu e âmnio. Quando o defeito é: <4cm hérnia do cordão umbilical >10cm onfalocelo gigante

6 Onfalocelo Etiologia Falha de retorno das vísceras à cavidade abdominal após a sua herniação fisiológica, da 6ª à 10ª semana. Incidência 1:5000

7 Onfalocelo Anomalias associadas em 30 a 70% dos lactentes: Anomalias cardíacas Defeitos no tubo neural Alta taxa de mortalidade 25%

8 Gastrosquise Definição Defeito na parede abdominal normalmente à direita do cordão umbilical por onde há herniação de vísceras abdominais, não cobertas por peritoneu ou âmnio. Incidência: 1:2500

9 Congénita Adquirida Defeitos da parede abdominal Inflamatória Anomalias do canal onfalomesentérico Neoplásica Defeitos da parede abdominal Traumática Degenerativa Iatrogénica

10 Patologia do canal onfalomesentérico Ducto vitelino persiste como: Divertículo de Meckel Cisto vitelino Fístula vitelina

11 Congénita Adquirida Defeitos da parede abdominal Inflamatória Anomalias do canal onfalomesentérico Neoplásica Anomalias do úraco Traumática Degenerativa Iatrogénica

12 Patologia do úraco Alantóide persiste como: Fístula do úraco Cisto do úraco Seio do úraco

13 Congénita Adquirida Defeitos da parede abdominal Inflamatória Anomalias do canal onfalomesentérico Neoplásica Anomalias do úraco Traumática Degenerativa Iatrogénica

14 Congénita Adquirida Defeitos da parede abdominal Inflamatória Anomalias do canal onfalomesentérico Neoplásica Anomalias do úraco Traumática Degenerativa Iatrogénica

15 Tumor desmóide Tumores desmóides são neoplasias do tecido conjuntivo, caracterizadas por apresentarem crescimento exclusivamente loco-regional, recorrência frequente e mínimo potencial metastático.

16 Tumor desmóide Também conhecidos como fibromatoses musculoaponevróticas. Associados a estimulação hormonal e trauma tecidual.

17 Tumor desmóide Incidência: 2,4 a 4,3 por Associados à PAF e Síndrome de Gardner. Mais frequentes em mulheres grávidas ou no período puerperal.

18 Congénita Adquirida Defeitos da parede abdominal Inflamatória Anomalias do canal onfalomesentérico Neoplásica Anomalias do úraco Traumática Degenerativa Iatrogénica

19 Hematoma da bainha dos rectos Patologia rara causada por traumatismo ou secundariamente a distúrbios de coagulação, discrasias sanguíneas ou doenças degenerativas vasculares.

20 Hematoma da bainha dos rectos Dor abdominal habitualmente na região inferior direita. Massa que persiste com a contracção dos rectos (sinal de Fothergill). Possível coloração ou equimose. Tratamento sintomático ou cirúrgico (drenagem do hematoma).

21 Congénita Adquirida Defeitos da parede abdominal Inflamatória Anomalias do canal onfalomesentérico Neoplásica Anomalias do úraco Traumática Degenerativa Iatrogénica

22 Hérnias Definição Protrusão de conteúdo intra-abdominal por uma abertura na parede da cavidade que a contém. Ocorrem apenas em locais onde aponevroses ou fáscias têm falta de suporte por parte de músculo estriado.

23 Hérnias - Anatomia Linha alba Linha semilunar Linha arqueada ou de Douglas Região umbilical Canal inguinal

24 Hérnias - Anatomia Canal inguinal Anel inguinal profundo (interno): defeito na fáscia transversalis a meia distância entre a espinha ilíaca antero superior e o tubérculo púbico Anel inguinal superficial (externo): defeito na aponevrose do oblíquo externo, imediatamente acima e lateral ao tubérculo púbico.

25 Hérnias - Anatomia Canal inguinal Parede anterior: aponevrose do músculo oblíquo externo e fibras musculares do oblíquo interno no 1/3 lateral Parede posterior: fáscia transversalis e aponevrose do músculo transverso Parede superior: oblíquo interno e transverso do abdómen Parede inferior: ligamento inguinal e ligamento lacunar na porção mais medial Conteúdo: cordão espermático no homem, ligamento redondo na mulher e n. ilioinguinal nos dois sexos

26 Hérnias - Anatomia Triângulo de hesselbach Limite medial: recto abdominal Limite infero-lateral: ligamento inguinal Limite supero-lateral: vasos epigástricos inferiores Pavimento: fáscia transversalis

27 Hérnias - Anatomia Triângulo de Grynfeltt s ou de Lesshafts (triângulo lombar superior) Triângulo de Petit (triângulo lombar inferior)

28 Hérnias Etiologia Idade avançada Anomalias desenvolvimento embrionário Doenças do colagénio Tabagismo/deficiência de anti-tripsina α1 Atrofia muscular Aumento crónico da pressão intra-abdominal

29 Hérnias Aumento crónico da pressão intra-abdominal: Obesidade, Esforço abdominal por exercícios ou levantamento de pesos vigorosos, Tosse, Obstipação, Prostatismo, Ascite, Gravidez, Diálise peritoneal ambulatória crónica, Órgãos pélvicos dilatados, Tumores pélvicos.

30 Hérnias

31 Hérnias - Classificação Podem ser: Externa protrusão através de todas as camadas da parede. Interparietal hérnia entre as camadas da parede abdominal. Interna protrusão através de um defeito dentro da cavidade peritoneal. Redutível Irredutível

32 Hérnia Estrangulada Quando a vascularização da víscera em protrusão é comprometida, normalmente no colo da hérnia. É mais provável ocorrer em hérnias com pequenos orifícios e sacos relativamente volumosos. Pode ser fatal. É o potencial de estrangulação da hérnia a principal causa que leva à reparação da mesma.

33 Hérnias Hérnia da Virilha 75% Hérnia inguinal directa e indirecta Hérnia inguinal por deslizamento Hérnia Femoral Outros tipos Hérnias umbilicais em adultos 3% Hérnia epigástrica 7% Hérnia incisional (ventral) 10% Herniações raras

34 Hérnias Mais comuns no sexo masculino. Hérnias inguinais indirectas são as mais comuns nos dois sexos. Hérnias femorais e umbilicais mais comuns nas mulheres (mas menos que as inguinais). Hérnias inguinais e femorais mais comuns à direita.

35 Hérnias da virilha Hérnias da virilha Acima do sulco abdominocrural inguinais Abaixo do sulco abdominocrural femorais

36 Hérnias inguinais Podem ser: Indirectas ocorre na virilha quando não há obliteração do processo vaginal. Directas herniação através do assoalho do triângulo de Hesselbach. Mistas ou Hérnia a Cavaleiro o peritoneu pode fazer protrusão por qualquer dos lados dos vasos epigástricos inferiores dando uma hérnia directa e indirecta combinada

37 Hérnias inguinais Hérnia inguinal indirecta É um processo vaginal persistente e dilatado. Passa pelo anel inguinal profundo. Pode permanecer ao longo do canal inguinal junto ao cordão espermático ou sair pelo anel inguinal superficial e passar para o escroto. Pode ser: Completa Incompleta

38 Hérnias inguinais Hérnia inguinal directa Origina-se a partir do assoalho do canal inguinal, que é o triângulo de Hesselbach. Normalmente, são difusas e envolvem todo o assoalho do canal inguinal. Também se podem originar lateralmente aos vasos epigástricos inferiores.

39 Hérnias inguinais Hérnia inguinal indirecta Mais sintomas Mais complicações (encarceramento e estrangulação) Mais frequente em crianças e jovens adultos Mais frequente em homens Mais comum Hérnia inguinal directa Menos sintomas Menos complicações Mais frequente no adulto Rara na mulher Relacionada com a idade

40 Hérnias inguinais Clinicamente A distinção entre uma hérnia inguinal directa e uma indirecta é muitas vezes impossível.

41 Hérnias inguinais Diagnóstico diferencial Hérnia femoral Hidrocelo do cordão espermático Linfodenopatia ou abcessos na virilha Varicocelo Hematomas residuais após traumatismo Hemorragias espontâneas em pacientes com anticoagulantes Criptorquidia

42 Hérnia inguinal deslizante Definição Tipo de hérnia indirecta com a parede de uma víscera a formar parte da parede do saco herniário (à direita mais frequente o ceco e à esquerda o cólon sigmóide). Taxa de recorrência maior do que hérnias indirectas sem complicações

43 Hérnia inguinal deslizante Clínica Suspeita quando uma hérnia grande não é completamente redutível ou hérnia grande presente no escroto em homens idosos. Falha no reconhecimento na cirurgia pode resultar na entrada no lúmen da víscera.

44 Hérnia Femoral Definição Protrusão no canal femoral, por uma anomalia da superfície medial da bainha femoral. Epidemiologia Mais frequentes em mulheres do que em homens, mas em ambos mais raro que a hérnia inguinal. 1/3 das hérnias da virilha nas mulheres e 2% nos homens.

45 Hérnia Femoral Sinais e sintomas Assintomáticas até ocorrer estrangulamento. Dor possivelmente referida na zona abdominal e não femoral. Pequena saliência na parte superior medial da coxa. Possível deflexão através da fossa ovalis para nível do ligamento inguinal ou superior

46 Hérnia Femoral Diagnóstico diferencial Hérnia inguinal, Variz da veia safena, Adenopatia femoral. As hérnias femorais têm a maior taxa de estrangulamento de todas as hérnias.

47 Hérnia umbilical adquirida Surge devido à ruptura gradual da cicatriz que fecha o anel umbilical. É comum o estrangulamento. Factores predisponentes: múltiplas gestações, ascite, obesidade, grandes tumores intra-abdominais.

48 Hérnia epigástrica Definição Protrusão através da linha alba acima do umbigo (nas áreas dos vasos e nervos perfurantes) Epidemiologia 3-5% da população Mais comum em homens dos anos 20% são hérnias múltiplas

49 Hérnia epigástrica Clínica Maioria assintomáticas. Possível dor ligeira ou intensa com irradiação para o dorso e quadrantes abdominais inferiores acompanhada de distensão abdominal, náuseas e vómitos.

50 Hérnia epigástrica Diagnóstico diferencial Úlcera péptica; Patologia da vesícula biliar; Hérnia do hiato; Pancreatite; Obstrução intestinal; Lipoma ou fibroma subcutâneos; Diástase dos rectos.

51 Hérnia epigástrica Diástase dos rectos Alargamento e atenuação da linha alba sem defeito fascial. Protrusão fusiforme e linear entre os dois rectos sem verdadeira herniação. Correcção cirúrgica a evitar.

52 Congénita Adquirida Defeitos da parede abdominal Inflamatória Anomalias do canal onfalomesentérico Neoplásica Anomalias do úraco Traumática Degenerativa Iatrogénica

53 Hérnia Incisional Protrusão anormal de um órgão ou víscera por uma cicatriz, devido a acto cirúrgico.

54 Hérnia Incisional Surge normalmente em situações de: Técnica cirúrgica deficiente Infecção pós-operatória Idade avançada Desnutrição Ascite Obesidade Gravidez Tosse intensa e crónica Uso de drenos na ferida primária

55 Hérnia Incisional Epidemiologia: Surge em 10% das cirurgias abdominais. Sinais/Sintomas: Tumefacção de tamanho variável na linha da incisão, normalmente não apresenta sensibilidade dolorosa, apenas desconforto local. Em casos graves causará obstrução intestinal.

56 Hérnias Exame Físico

57 Hérnias - Exame Físico Com o doente em decúbito dorsal: Pedir para inspirar profundamente e suster a respiração. Pedir para tossir. Pedir que levante a cabeça. Estas manobras permitem identificar massas/protuberâncias na superfície abdominal: Hérnia incisional Hérnia umbilical Hérnia na linha alba

58 Hérnias Exame Físico Inspecção Localização e forma da hérnia Presença de sinais inflamatórios e/ou necrose Presença de cicatrizes Movimentos peristálticos Auscultação/percussão Avaliação do conteúdo do saco herniático Avaliação de sinais de oclusão intestinal

59 Hérnias - Tratamento Palpação Tamanho, consistência, limites, mobilidade, sensibilidade dolorosa Palpação do orifício herniático Redutibilidade

60 Hérnias Exame Físico Hérnias da virilha Com o doente em posição ortostática: Pedir para se contrair como estivesse a ter movimentos de contracção intestinal. Com o doente relaxado: Inserir dedo examinador na parte baixa do escroto e empurrar entrando pelo canal inguinal. Pedir ao paciente para tossir. Examinar os dois lados.

61 Hérnias Exame Clínico Hérnia inguinal e femoral Manobra dos 3 dedos

62 Hérnias Tratamento

63 Hérnias - Tratamento A reparação de hérnias pode ser recomendada para: Hérnias com grandes sacos herniáticos e orifícios pequenos; Hérnias dolorosas; Hérnias com sintomas que interfiram com o estilo de vida. Maioria das hérnias deve ser tratada para prevenir as possíveis complicações da restrição do fluxo sanguíneo ou obstipação.

64 Hérnias - Tratamento Cirúrgico Enquanto o paciente se encontra anestesiado (anestesia local, epidural ou geral), uma incisão é feita sobre a hérnia. Os conteúdos abdominais são recolocados no interior do abdómen, o tecido muscular é reparado e a pele cosida.

65 Hérnias - Tratamento Riscos adicionais do tratamento cirúrgico: Danificação de estruturas adjacentes. Recorrência da hérnia. A taxa de recorrência é menor para a cirurgia laparoscópica (menos de 10%) do que para a cirurgia convencional (20-40%).

66 Hérnias - Tratamento Tratamento conservador Quando: a cirurgia é contra-indicada, o paciente recusa-se a fazer cirurgia, a hérnia é pequena, assintomática e redutível. Uso de cinta

67 Caso Clínico 1

68 Identificação R.S.P, 76 anos, natural do Porto e moradora de Rio Tinto Reformada (auxiliar educativa) Casada História médica prévia V Gesta V Para

69 Queixa principal Tumefacção ventral agravada com o esforço História da doença actual Tumefacção na região da incisão mediana agravada com o esforço de início há cerca de 2 anos. Não apresenta alterações intestinais.

70 Antecedentes Laporotomia mediana de urgência devido a colecistite aguda há cerca de 10 anos. Diabetes Hipertensão Flebites

71 Exame físico Peso:74Kg Altura:1.64m Inspecção: incisão mediana supra e infra umbilical com tumefacção; assimetria abdominal Palpação: protrusão visceral na união dos rectos abdominais, não redutível, sem dor e agravada com o esforço

72 Diagnóstico??

73 Diagnóstico Hérnia Incisional

74 Caso Clínico 2

75 Identificação Mulher de raça caucasiana, 26 anos, natural de S.Paulo-Brasil Casada História Médica prévia II Gesta I Para (encontrando-se na 17ª semana de gravidez) 1º parto por cesariana há 4 anos

76 Queixa principal Tumefacção abdominal dolorosa à compressão História da doença actual Tumefacção localizada no hipocôndrio esquerdo, inicialmente de pequenas dimensões e que apresentou importante crescimento no último trimestre de gestação, passando a provocar desconforto e dor à compressão. Nega antecedentes de trauma abdominal no local da tumefacção.

77 Exame físico Tumefacção no hipocôndrio esquerdo de consistência firme e mobilidade limitada, sendo doloroso à compressão. A pele que recobre a lesão encontra-se preservada, sem sinais inflamatórios.

78 Exames??

79 1º Rx Opacidade na região correspondente à lesão, sem áreas de calcificação

80 2º TC Imagem hipodensa, sólida, arredondada, de contornos regulares, medindo 9 x 7,5cm na topografia do músculo recto abdominal, com preservação da pele e do peritoneu parietal, não havendo sinais de extensão para a cavidade abdominal

81 Diagnóstico??

82 Exame macroscópico: Massa nodular, de coloração vermelhoesbranquiçada, consistência firme, desprovida de cápsula, com exuberante proliferação vascular, medindo 10,5 x 10cm e pesando 550gr. À secção longitudinal o tumor era sólido, com áreas centrais de aspecto edematoso e e localizado entre os folhetos anterior e posterior da aponevrose do músculo recto abdominal

83 Exame microscópico Lesão mesenquimatosa predominantemente de células fusiformes com núcleos pleomórficos e raras figuras de mitose. Nas regiões mais periféricas a neoplasia mostra intíma relação com fibras musculares estriadas. Mediante os achados pode-se afirmar o diagnóstico de..

84 Diagnóstico Fibromatose extra-abdominal desmoíde Tumor desmoíde

Hospital Cardoso Fontes. Rebeka Cavalcanti Maio 2008

Hospital Cardoso Fontes. Rebeka Cavalcanti Maio 2008 Hospital Cardoso Fontes Rebeka Cavalcanti Maio 2008 Caso clínico n⁰1 M.F.S, masculino, 37 anos, casado, natural da Bahia, vendedor HDA: Paciente relatando herniorrafia inguinal bilateral de emergência

Leia mais

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 22/11/07

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 22/11/07 Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 22/11/07 Disciplina: Cirurgia Prof.: Dr.ª Fernanda Quirino Tema da Aula: Hérnias da Parede Abdominal Autores: João Marques Equipa Revisora: Mariana Freire e Samuel Almeida

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

Temas da aula. Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 15/01/2009

Temas da aula. Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 15/01/2009 Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 15/01/2009 Disciplina: Cirurgia Prof.: Dr. Albuquerque Tema da Aula TeóricaTeorico-Prática: Hérnias da parede abdominal Autores: Diva Trigo Equipa Revisora: Miguel Menezes

Leia mais

Curso de Medicina da ULBRA 2.004/01 Departamento de Pediatria Área Cirurgia Pediátrica - Prof. Lionel Leitzke. CIRURGIA PEDIÁTRICA na PAREDE ABDOMINAL

Curso de Medicina da ULBRA 2.004/01 Departamento de Pediatria Área Cirurgia Pediátrica - Prof. Lionel Leitzke. CIRURGIA PEDIÁTRICA na PAREDE ABDOMINAL Curso de Medicina da ULBRA 2.004/01 Departamento de Pediatria Área Cirurgia Pediátrica - Prof. Lionel Leitzke CIRURGIA PEDIÁTRICA na PAREDE ABDOMINAL Afecções cirúrgicas da região umbilical Hérnia Umbilical

Leia mais

Hérnia Inguinal. HGJ Serviço de Cirurgia Geral Dr. Antonio Marcilio F. Neves Sessão Clínica de 22/04/10 Douglas Machado Caetano (R2)

Hérnia Inguinal. HGJ Serviço de Cirurgia Geral Dr. Antonio Marcilio F. Neves Sessão Clínica de 22/04/10 Douglas Machado Caetano (R2) Hérnia Inguinal HGJ Serviço de Cirurgia Geral Dr. Antonio Marcilio F. Neves Sessão Clínica de 22/04/10 Douglas Machado Caetano (R2) Introdução Hérnia é derivada do latim ruptura; Definida como uma protusão

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Dr. Adriano Czapkowski. Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010

Dr. Adriano Czapkowski. Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010 NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010 Importância da Artéria Epigástrica Inferior Dr. Adriano Czapkowski Graduado pela Faculdade de Medicina de Jundiaí Médico coordenador do curso de 2

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

PATOLOGIAS INGUINO-ESCROTAL NA CRIANÇA

PATOLOGIAS INGUINO-ESCROTAL NA CRIANÇA Hérnia umbilical Hérnia inguinal Hérnia escrotal Hérnia genital Fimose Distopias testiculares o Criptoquirdia o Testículo retido o Testículo retrátil o Testículo ectópico Trauma testicular PATOLOGIAS INGUINO-ESCROTAL

Leia mais

HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS

HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS DEFINIÇÕES EVENTRAÇÃO EVISCERAÇÃO HÉRNIA eventração eventração eventração evisceração HÉRNIAS Hérnias abdominais Hérnia abdominal interna Hérnias verdadeiras Hérnias falsas

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

Avaliação Semanal Correcção

Avaliação Semanal Correcção Avaliação Semanal Correcção 1. Mulher de 32 anos, caucasiana. Antecedentes pessoais e familiares irrelevante. 11 Gesta, 11 Para, usa DIU. Recorreu ao S.U. por dor abdominal de início súbito, localizada

Leia mais

Pontos Gatilho da parede abdominal

Pontos Gatilho da parede abdominal Pontos Gatilho da parede abdominal Paula Barbeiro, Odete Tomé Sociedade Portuguesa Médica de Acupunctura Coimbra, 30 Novembro 2015 Unidade Multidisciplinar de Dor Crónica do Centro Hospitalar Lisboa Norte

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO...

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO gesep ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... 2009 Converse com o paciente... A Anamnese e o Ex. Físico 70% dos diagnósncos são baseados apenas na história 90% dos diagnósncos

Leia mais

SEMIOLOGIA DO ABDOME. Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II

SEMIOLOGIA DO ABDOME. Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II SEMIOLOGIA DO ABDOME Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II ABDOME ABDOME INSPEÇÃO PELE: CICATRIZES, ESTRIAS, VEIAS E LESÕES UMBIGO CONTORNO ABDOMINAL: FORMA, SIMETRIA, VOLUME, MASSAS E VÍSCERAS PERISTALSE

Leia mais

Hipófise, Testículos e Ovários. Marcela Ludwig e Nathália Crusoé

Hipófise, Testículos e Ovários. Marcela Ludwig e Nathália Crusoé Hipófise, Testículos e Ovários Marcela Ludwig e Nathália Crusoé hipófise considerações glândula endócrina: possui 6 mm no sentido ântero-posterior e 10 mm de largura, com um peso de 500 mg localização:

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico Será solicitado que você coloque uma bata cirúrgica. Poderá receber um sedativo pela boca. Será então transferido para a mesa de operações. Você será submetido a uma anestesia peridural ou

Leia mais

Oclusão do tubo digestivo

Oclusão do tubo digestivo ABDOME AGUDO O diagnóstico sindrômico de abdome agudo (AA) é caracterizado pela presença de dor abdominal intensa e aguda (horas até 4 dias). O número de causas é enorme e ainda assim, a maioria dos casos

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

www.ettinger.med.br Hérnia Inguinal Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral

www.ettinger.med.br Hérnia Inguinal Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral www.ettinger.med.br Hérnia Inguinal Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Copyright BGC- 2009 1 O que é uma hérnia abdominal? Hérnia é uma protrusão (abertura) na parede abdominal causada

Leia mais

5ªs Jornadas de Medicina Desportiva do Leixões Sport Clube

5ªs Jornadas de Medicina Desportiva do Leixões Sport Clube 5ªs Jornadas de Medicina Desportiva do Leixões Sport Clube Centro de Congressos de Matosinhos Matosinhos, 23 de Abril de 2010 Hospital de S. João - Faculdade de Medicina - 1 PERSPECTIVA DO ORTOPEDISTA

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Diagnóstico: História Clinica Exame Físico Avaliação

Leia mais

Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra

Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra Doppler venoso dos membros inferiores Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia g Hospitais da Universidade de Coimbra Filipa Reis Costa Interna complementar de Radiologia Hospital de S.

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

Hérnias Inguinal: Crural ou Femoral: Umbilical: Epigástrica: Incisional:

Hérnias Inguinal: Crural ou Femoral: Umbilical: Epigástrica: Incisional: Hérnias A definição clássica de hérnia é a saída de uma estrutura (órgão ou tecido) de sua cavidade normal através de uma abertura congênita ou adquirida. Elas podem ser classificadas de acordo com a sua

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA Diafragma Hérnia diafragmática o Hérnia de Bochdalek o Hérnia de Morgagni o Hérnia do hiato esofágico o Hérnia traumática Eventração ou elevação Ausência congênita

Leia mais

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular.

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA EXOFTALMIA Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. Fisiopatologia Secundário a um aumento do volume de gordura

Leia mais

Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo

Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo Curso de Diagnóstico por Imagem do Abdome Agudo EPM/UNIFESP - Março de 2011 Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo Rogério Caldana Obstrução intestinal 20 % dos casos cirúrgicos de abdome agudo

Leia mais

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Dr.Roberto Amin Khouri Ortopedia e Traumatologia Ler/Dort Distúrbio osteoarticular relacionado com o trabalho. Conjunto heterogênio de quadros clínicos que acometem:

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO

GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO Introdução Glaucoma de Ângulo Fechado é um tipo de glaucoma que actualmente é designado Glaucoma por Encerramento do Ângulo. Não é o tipo de glaucoma mais frequente na Europa,

Leia mais

14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica

14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica 14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica Enunciado Paciente de 13 anos, sexo masculino, foi levado ao PA-HCUFMG queixando melena. Peso e estatura adequados para a idade

Leia mais

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para :

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : JOELHO JOELHO RM do Joelho Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : ligamentos, meniscos e tendões músculos, vasos e tecido adiposo osso cortical ( hipointenso

Leia mais

OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno

OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno O longo caminho da Triagem de Manchester 1996: 1.ª edição inglesa 2003: 1.ª edição portuguesa 2006: 2.ª edição inglesa 2010: 2.ª edição portuguesa

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária FAD

Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária FAD Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária FAD Incisão cirúrgica para acesso à cavidade abdominal SINÔNIMO Celiotomia TERMOS Abdômen Agudo = Alteração repentina dos

Leia mais

HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO

HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO THAÍS GUIMARÃES MORATO ABREU 1, GABRIELA RODRIGUES SAMPAIO 2, PAULA BAÊTA DA SILVA RIOS 3, LÍVIA DE PAULA COELHO

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

17/02/2012. Diafragma

17/02/2012. Diafragma Diafragma Topografia Repouso - linha retilínea da 7º costela à 13º costela. Inspiração - linha ligeiramente convexa da 7º costela à 3º vértebra lombar. Expiração - linha convexidade cranial da 7º costela

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

Escroto Agudo: Diagnóstico e Tratamento

Escroto Agudo: Diagnóstico e Tratamento Escroto Agudo: Diagnóstico e Tratamento Autoria: Sociedade Brasileira de Urologia Colégio Brasileiro de Radiologia Elaboração Final: 27 de junho de 2006 Participantes: Dénes FT, Souza NCLB, Souza AS O

Leia mais

P r o p e d ê u t i c a I I. Abdome. Dr. Ivan Paredes Dr. Carlos Caron Dr. Joachim Graff Dr. Carlos Borges Dr. Carlos Cardoso

P r o p e d ê u t i c a I I. Abdome. Dr. Ivan Paredes Dr. Carlos Caron Dr. Joachim Graff Dr. Carlos Borges Dr. Carlos Cardoso P r o p e d ê u t i c a I I Abdome Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes Dr. Ivan Paredes Dr. Carlos Caron Dr. Joachim Graff Dr. Carlos Borges Dr. Carlos Cardoso Faculdade Evnagélica do Parana (FEPAR) Grupo

Leia mais

7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo. Caso Clínico. Hospital de Braga

7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo. Caso Clínico. Hospital de Braga 7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo Hospital de Braga Serviço de Cirurgia Director: Dr. Mesquita Rodrigues Sónia Ribas 12 de Dezembro F.C.R, sexo masculino, 69 anos Antecedentes

Leia mais

Protocolo abdome. Profº Cláudio Souza

Protocolo abdome. Profº Cláudio Souza Protocolo abdome Profº Cláudio Souza Abdome Quando falamos em abdome dentro da tomografia computadorizada por uma questão de radioproteção e também financeira o exame é dividido em, abdome superior e inferior

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Prolapso dos Órgãos Pélvicos

Prolapso dos Órgãos Pélvicos Prolapso dos Órgãos Pélvicos Autor: Bercina Candoso, Dra., Ginecologista, Maternidade Júlio Dinis Porto Actualizado em: Julho de 2010 No prolapso dos órgãos pélvicos, a vagina e os órgãos adjacentes, uretra,

Leia mais

Abcessos Hepáticos. Hospital de Braga. Cirurgia Geral. Director: Dr. Mesquita Rodrigues. Pedro Leão Interno de Formação Específica em.

Abcessos Hepáticos. Hospital de Braga. Cirurgia Geral. Director: Dr. Mesquita Rodrigues. Pedro Leão Interno de Formação Específica em. Hospital de Braga Cirurgia Geral Director: Dr. Mesquita Rodrigues Pedro Leão Interno de Formação Específica em Cirurgia Geral 18-05-2010 Lesões Hepáticas Focais Benignas Abcessos Hepáticos Piogénico Amebiano

Leia mais

REVISÃO DIDÁTICA ARY LEX *

REVISÃO DIDÁTICA ARY LEX * HÉRNIAS EM GERAL REVISÃO DIDÁTICA ARY LEX * Hérnia é a saída de um órgão, através de uma abertura, congênita ou adquirida, da parede em torno da cavidade que o contém. Dentro desse conceito amplo, temos

Leia mais

Saúde da Mulher. Ana Cristina Pinheiro. Saúde da Mulher

Saúde da Mulher. Ana Cristina Pinheiro. Saúde da Mulher Saúde da Mulher Realizado por: Ana Cristina Pinheiro (Maio de 2007) Saúde da Mulher Uma família equilibrada não pode ser produto do acaso ou da ignorância. O nascimento de uma criança deve ser o resultado

Leia mais

LESOES MENISCAIS Ricardo Yabumoto Curitiba, 09 de Abril de 2007 Introdução Forma aproximada de C Integram o complexo biomecânico do joelho Servem de extensões da tíbia para aprofundar as superfícies articulares,

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

CASOS CLÍNICOS DIGIMAX. Radiologia e Diagnóstico por Imagem. Raphael Salgado Pedroso

CASOS CLÍNICOS DIGIMAX. Radiologia e Diagnóstico por Imagem. Raphael Salgado Pedroso CASOS CLÍNICOS DIGIMAX Radiologia e Diagnóstico por Imagem Raphael Salgado Pedroso Nome: L. B.; Idade: 65 anos; Sexo: Masculino; CASO 1 Queixa: Dor aguda, que se inicia no tórax e se irradia na direção

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Abdome

ROTEIRO DE ESTUDO Abdome ROTEIRO DE ESTUDO Abdome ARTÉRIAS O suprimento arterial do abdome é todo proveniente da aorta, que torna-se aorta abdominal após passar pelo hiato aórtico do diafragma ao nível de T12, e termina dividindose

Leia mais

Obstrução Intestinal no Adulto

Obstrução Intestinal no Adulto Obstrução Intestinal no Adulto Dra. Ana Cecília Neiva Gondim Cirurgia Geral / Coloproctologia Serviço de Coloproctologia do HUWC/UFC Introdução Obstrução intestinal é causa frequente de abdome agudo 20%

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA HEMORRÓIDAS: PROCTOLOGIA DilataÅÉes varicosas dos plexos artñrio-venosos hemorroidörios situados na regiço anorretal, causadas por aumento na pressço hidrostötica no plexo venoso hemorroidörio. Podem ser

Leia mais

CHUC Clínica Universitária de Radiologia

CHUC Clínica Universitária de Radiologia CHUC Clínica Universitária de Radiologia Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Mafalda Magalhães 04/03/2013 Introdução Ecografia: 1º exame a ser realizado em mulheres com suspeita de doença pélvica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Francisco J. Candido dos Reis Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMRP-USP Um Breve Histórico Diagnóstico Principais Indicações Dor

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL] fundação portuguesa de cardiologia TUDO O QUE DEVE SABER SOBRE ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL Nº. 12 REVISÃO CIENTÍFICA: Dr. João Albuquerque e Castro [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

Leia mais

Estima-se que 5% da população desenvolverá uma hérnia de parede abdominal; 75% de todas as hérnias ocorrem na região inguinal, 2/3 das hérnias

Estima-se que 5% da população desenvolverá uma hérnia de parede abdominal; 75% de todas as hérnias ocorrem na região inguinal, 2/3 das hérnias HÉRNIA INGUINAL INTRODUÇÃO: O termo hérnia deriva do latim e significa ruptura. É definida como uma protusão anormal de um órgão ou tecido através de um defeito nas suas paredes adjacentes. Redutível ou

Leia mais

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br REUNIÃO DE CASOS www.digimaxdiagnostico.com.br RAPHAEL SALGADO PEDROSO Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) Nome: I. G. A. B.; Idade: 28 anos; Sexo: Feminino; CASO Queixa: Atraso menstrual há 45 dias.

Leia mais

Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz

Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz Serviço de Imagiologia dos H.U.C. História Clínica J.L.O.C. Sexo: Masculino Idade: 42 anos Raça: Caucasiana Natural e residente: Coimbra Profissão: motorista

Leia mais

João Moreira da Costa Neto

João Moreira da Costa Neto HÉRNIAS João Moreira da Costa Neto HÉRNIAS PROTUSÃO/PROJEÇÃO DE UM ÓRGÃO OU PARTE ATRAVÉS DE DEFEITO NA PAREDE DA CAVIDADE ANATÔMICA ONDE O ÓRGÃO ESTÁ SITUADO. PROLASO DE DISCO INTERVERTEBRAL HÉRNIAS ABDOMINAIS

Leia mais

CAPSULITE ADESIVA OU OMBRO CONGELADO. A capsulite adesiva ou ombro congelado é uma doença de causa

CAPSULITE ADESIVA OU OMBRO CONGELADO. A capsulite adesiva ou ombro congelado é uma doença de causa CAPSULITE ADESIVA OU OMBRO CONGELADO A capsulite adesiva ou ombro congelado é uma doença de causa desconhecida. Por vezes os doentes associam o seu inicio a um episódio traumático. Outros doentes referiam

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Hérnia Inguinal. O que é uma hérnia abdominal? Hérnia é a protrusão (saliência ou abaulamento) de uma víscera ou órgão através de

Leia mais

LESÕES QUÍSTICAS DO PÂNCREAS - ABORDAGEM DIAGNÓSTICA POR IMAGEM -

LESÕES QUÍSTICAS DO PÂNCREAS - ABORDAGEM DIAGNÓSTICA POR IMAGEM - LESÕES QUÍSTICAS DO PÂNCREAS - ABORDAGEM DIAGNÓSTICA POR IMAGEM - 6/04/2011 Célia Antunes Moderador: Dr. Luís Curvo Semedo Abordagem multidisciplinar das lesões quísticas pancreáticas Clínica Radiologia

Leia mais

Sessão Cardiovascular

Sessão Cardiovascular Sessão Cardiovascular Dr Carlos Jader Feldman Priscila Schenkel R3 26/10/2012 Sexo feminino, 46 anos Hemiplegia à esquerda Dissecção arterial 3 camadas: -intima, média, adventícia Dissecção = ruptura na

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL Universidade Federal do Acre Centro de Ciências da Saúde e do Desporto PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS PROF. DR. CRESO MACHADO LOPES Tutor NOVEMBRO AZUL CAMPANHA DE

Leia mais