Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer"

Transcrição

1 Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura Prof. Dr.-Ing. K. Schützer FEAU - UNIMEP Gestão do Produto Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura - SCPM Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP Fachgebiet Datenverarbeitung in der Konstruktion - DiK Technische Universität Darmstadt - TUD Figura 1

2 Cadeia de Processo CAx MBS RPT CMM TPD 3D CAD FEM DMU CAM RC Figura 2

3 Representações do Produto e Transformações Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura Prof. Dr.-Ing. K. Schützer FEAU - UNIMEP Modelo do produto CAD 3D Meio-ambiente; Condições de carga; Dados dos materiais; Transformação Intenção do projetista; Dados do processo; Sistema de manufatura; CAE Modelos para avaliação do projeto Modelo de dados para manufatura CAM [Adaptado de: McMahon] Figura 3

4 Siglas importantes Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura Prof. Dr.-Ing. K. Schützer FEAU - UNIMEP MBS Multi-Body Simulation Simulação de Múltiplos Corpos RPT Rapid Prototyping Prototipagem Rápida CMM Coordinate Measuring Machine Máquina de Medir por Coordenadas TPD Technical Product Documentation Documentação Técnica do Produto FEM Finite Element Method Método de Elementos Finitos DMU Digital Mock-up Protótipo Digital (Modelo Digital do Produto) CAM Computer Aided Manufacturing Manufatura Auxiliada por Computador RC Robot Controller Programação de Robôs Figura 4

5 Estrutura Cadeia de Processo CAx CAD DMU CAD VR / AR CAD RPT CAD FEM CAD MBS CAD TPD CAD CAM CAD PPS Figura 5

6 Cadeia de Processo - DMU Cadeia de Processos CAD-DMU 1. Descrição da Cadeia de Processos 2. Modelo Inicial (Modelo CAD) Conteúdo Geração de um Modelo Digital, isto é, modelo substituto para conjuntos montados com o qual é possível realizar graficamente várias análises (por ex: análise de montagem e desmontagem) Estrutura do Produto e Modelo Geométrico (Modelo Volumétrico e Modelo de Superfícies) Métodos / Formatos Derivando um modelo de montagem com geometria aproximada (a triangulação de superfície). CAD nativo, STEP, IGES, VDAFS, STL 3. Modelo Alvo Estrutura do produto e geometria aproximada (modelo de superfície normalmente triangular) 4. Transformação dos dados Derivando um modelo de montagem da estrutura do produto. Triangulação da geometria CAD. 5. Informações adicionais Caminhos de montagem/desmontagem, configurações 6. Interpretação dos resultados e retroinformação Análises da configuração do produto, estudos de colisão, otimização Geometria aproximada (triângulos) STEP AP 214, STL Simulação gráfica interativa Análise e simulação, retroinformação manual no CAD Figura 6

7 Processo CAD - DMU Figura 7

8 DMU-Definição DMU = Digital Mock-Up (Protótipo Digital) Modelo digital equivalente baseado no modelo mestre para visualização, análises e simulações. A base é o sistema CAD 3D CAD 3D DMU [Fonte: Claassen] Figura 8

9 Sistemas CAD: Formato STL Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura Prof. Dr.-Ing. K. Schützer FEAU - UNIMEP Modelo Original [Apresentacao_STL] Modelo STL Tolerância: 0,1 mm Tamanho: 76 Kb Triângulos: Modelo STL Tolerância: 0,01 mm Tamanho: 156 Kb Triângulos: Modelo STL Tolerância: 0,001 mm Tamanho: Kb Triângulos: Figura 9

10 DMU no desenvolvimento do produto Grande quantidade de dados na fase do desenvolvimento Facilitar manuseio do modelo (arquivo mais compacto) Desenvolvimento mais eficaz e mais rápido Identificar problemas logo no início e modificar Protótipo Digital = DMU [Fonte: Claassen] Figura 10

11 Análise DMU Desmontagem passo-a-passo do conjunto Desmontagem automatica do conjunto Controle de colisão Resultados de montagem Caminhos de montagem Re-utilização do modelo [Fonte: Claassen] Figura 11

12 Processo no DMU Construção CAD-3D Pedido Transferência de dados Problemas na geração de padrões Geração de padrões Otimização do Conjunto Montado Estudo do resultado Construção CAD-3D Transferência de dados Otimização do Conjunto Montado Estudo do resultado Figura 12

13 Utilização do DMU Custos de desenvolvimento e projeto Antecipação e sobreposição de atividades de desenvolvimento Engenharia Simultânea Engenharia Sequencial Redução do tempo de desenvolvimento Tempo Concepção Desenvolvimento e Projeto Ensaios Testes Processo Produção Figura 13

14 Troca de dados entre sistemas CAD e DMU Sistema CAD STEP Estrutura DMU Sistema DMU Estrutura CAD Figura 14

15 Tesselação Tesselação é um método utilizado para definir e gerar uma malha de formas geométricas primitivas (polígonos) de forma aproximada de superfícies complexas. Tesselação Exemplos de polígonos: Triangular Quadrático Hexagonal... Representação geometria complexa, por exemplo, NURBS Representação geometria discreta (modelo Tesselado) Figura 15

16 Triangularização Descreve um método para a transformação de uma superfície geométrica complexa para uma malha de triângulos. Esta malha é uma aproximação da superfície geométrica original e reduz a sua complexidade. A descrição matemática da superfície é definida pelos triângulos que representam faces planas. Figura 16

17 Precisão da Triangularização A superfície triangular é apenas uma aproximação da superfície original. A precisão da nova geometria depende do número de triângulos. Essa precisão pode portanto, ser aumentada com o aumento do número de triângulos. Objeto triangularizado Peça original Figura 17

18 Diagrama Voronoi e Triangularização por Delaunay Figura 18

19 Validação geométrica e engenharia de sistemas Validação da geometria é realizada nas fases iniciais do desenvolvimento do produto Mock-ups digitais estão cada vez mais se transformando em DMUs Funcionais Tendência para a integração das estruturas do sistema e engenharia de sistemas Importância crescente da integração de fornecedores com o objetivo de Engenharia Colaborativa Modelos de processos baseiam-se na metodologia de construção Figura 19

20 Dados de visualização e estrutura de dados do produto Cenários de trocas (1) (2) (3) OEM OEM OEM Informação da estrutura Por ex. STEP or PLMXML Visualização da informação JT pode ser com estrutura STEP/PLMXML Design envelope / environment Nativo ou JT pode ser com estrutura STEP/PLMXML Fornecedor Fornecedor Fornecedor Desenvolvimento do Produto (4) OEM Dados do Produto Nativo pode ser com estrutura STEP/PLMXML Fornecedor Figura 20

21 Estrutura Cadeia de Processo CAx CAD DMU CAD VR / AR CAD RPT CAD FEM CAD MKS CAD TPD CAD CAM CAD PPS Figura 21

22 Tecnologia VR e AR VR significa Realidade Virtual (Inglês: Virtual Reality) e descreve um ambiente virtual gerado por computador que serve como uma interface de usuário e: Interação, o usuário tem a capacidade de interagir com o ambiente em tempo real Imersão, o usuário está inserido no ambiente virtual Imaginação, o usuário tem a ilusão da presença de objetos manipuláveis. Objetos são caracterizados AR significa a realidade aumentada (Inglês: Augmented Reality) Nesta técnica, uma cena real permanece visível e ainda, é enriquecido com informação gerada por computador através de uma tela semi-transparente de um capacete. Aplicações de AR: mercado área de formação e manutenção, marketing e educação Figura 22

23 Sistemas de VR Sistema VR: Display HMD (Head Mounted Display) (Capacete com tela de projeção) Sistema VR: Mesa de visualização [Fonte: University of Birmingham, England] [Fonte: Barco] Figura 23

24 Sistemas de VR Exemplo: VR em uma Powerwall Parede de projeção [Fonte: FhG-IGD, Darmstadt] Exemplo: VR em uma Cave Caverna de Projeção [Fonte: FhG-IGD, Darmstadt] Figura 24

25 Exemplo de VR Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura Prof. Dr.-Ing. K. Schützer FEAU - UNIMEP [Fonte: FhG-IPK] Figura 25

26 Exemplo de AR AR em um exemplo de montagem AR no exemplo de reconstrução de prédios históricos e sua integração em um ambiente real [Fonte: FhG-IGD] [Fonte: archeoguide.intranet.gr ] Figura 26

27 Linguagem de Modelagem de Realidade Virtual VRML Virtual Reality Modeling Language Linguagem de design para a Realidade Virtual ou ainda linguagem de descrição de realidade virtual VRML é uma linguagem padrão desenvolvida em 1994 (linguagem macro) para exibir gráficos interativos 3D da web em um navegador. Com um plugin especial VRML, os usuários podem mover-se em um mundo 3D e interagir com objetos virtuais. VRML, parte do formato do arquivo foi desenvolvido pela Silicon Graphics em 1994 para que arquivos no formato VRML pudessem serem criados por diversos sistemas CAD. ISO Figura 27

28 VRML - Princípios Com VRML, é possível: Modelagem de qualquer tipo de objeto com seus conjuntos montados e a estrutura hierárquica As propriedades do material (transparência, cor, etc.) que descrevem esse objeto Definir a situação de iluminação e as perspectivas do mundo virtual Fazer referência a documentos na web. Documentos VRML consistem em uma lista de objetos, também chamado de descrição de cena (grafo de cena). Os objetos são chamados nós e podem ser influenciados por uma estrutura hierárquica. Figura 28

29 VRML - Princípios A sintaxe para o objeto é: [DEF objectname] objecttype {[fields] [children]} Objectname: Nome para a identificação de um objeto ObjectType: por exemplo objeto geométrico, transformação, textura da superfície... Parâmetros (fields): por exemplo: Posição do objeto no espaço, tamanho do objeto. Parâmetros (children): nós filho, uma hierarquia orientada a objetos. Figura 29

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura Prof. Dr.-Ing. K. Schützer FEAU - UNIMEP Gestão do Produto Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura

Leia mais

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Gestão do Produto Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer - SCPM Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP email: schuetzer@unimep.br http://www.unimep.br/scpm Fachgebiet Datenverarbeitung in der Konstruktion

Leia mais

Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Gestão do Produto Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer - SCPM Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP email: schuetzer@unimep.br http://www.unimep.br/scpm Fachgebiet Datenverarbeitung in der Konstruktion

Leia mais

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Gestão do Produto Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer - SCPM Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP email: schuetzer@unimep.br http://www.unimep.br/scpm Fachgebiet Datenverarbeitung in der Konstruktion

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA Rafael R. Silva¹, João P. T. Lottermann¹, Mateus Rodrigues Miranda², Maria Alzira A. Nunes² e Rita de Cássia Silva² ¹UnB, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

Integração CAD/CAM. Adaptado de: Sung Hoon Ahn

Integração CAD/CAM. Adaptado de: Sung Hoon Ahn Integração CAD/CAM Frederico Damasceno Bortoloti Adaptado de: Sung Hoon Ahn Do Projeto a Manufatura Agora nós estamos no domínio da Manufatura Domínio do projeto: Como criar a geometria Domínio da manufatura:

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx na Manufatura Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx Conteúdo: Conceito de tecnologia CAx Evolução das tecnologias CAx Sistemas CAD/CAE/CAPP/CAM/CAI

Leia mais

DESENHO TÉCNICO AULA 01

DESENHO TÉCNICO AULA 01 DESENHO TÉCNICO AULA 01 INTRODUÇÃO Computação Gráfica A computação gráfica é a área da ciência da computação que estuda a transformação dos dados em imagem. Esta aplicação estende-se à recriação visual

Leia mais

Avaliação do sistema CAD Unigraphics com relação a tolerância de modelamento para a melhora da eficiência na troca de dados através da STEP AP214

Avaliação do sistema CAD Unigraphics com relação a tolerância de modelamento para a melhora da eficiência na troca de dados através da STEP AP214 Avaliação do sistema CAD Unigraphics com relação a tolerância de modelamento para a melhora da eficiência na troca de dados através da STEP AP214 Joselito Rodrigues Henriques (UNIMEP) jrhenrique@unimep.br

Leia mais

TENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

TENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA TENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Laboratório de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura, UNIMEP Rod. Santa Bárbara d Oeste -

Leia mais

A sigla CAD pode representar duas definições principais, das quais muitas vezes são empregadas inadequadamente:

A sigla CAD pode representar duas definições principais, das quais muitas vezes são empregadas inadequadamente: A sigla CAD pode representar duas definições principais, das quais muitas vezes são empregadas inadequadamente: Computer Aided Drafting (CAD) a palavra drafting pode ser traduzida como desenho técnico,

Leia mais

MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA

MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA Alexandre B. Travassos 1 ; Jorge V. L. da Silva 1 ; Mônica N. Pigozzo 2 1 - Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer -

Leia mais

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório REALIDADE VIRTUAL Tatiane Cruz de Souza Honório A ilusão vai ser tão grande que não seremos mais capazes de distinguir entre o que é real e o que não é. Steve Williams Sumário Introdução Tipos de Sistemas

Leia mais

Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil 1 - Introdução

Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil 1 - Introdução Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil Francisco Assis da Silva Faculdade de Informática - UNOESTE Rua: José Bongiovani, 700, Cidade Universitária,

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL II CIMMEC 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 27 A 30 DE SETEMBRO DE 2011 Natal, Brasil DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

Leia mais

Prof. Responsável Wagner Santos C. de Jesus

Prof. Responsável Wagner Santos C. de Jesus Universidade do Vale do Paraíba Colégio Técnico Antônio Teixeira Fernandes Disciplina Desenho Técnico Aplicado a Segurança do Trabalho Material III-Bimestre Introdução e Conceito de CAD e Ferramentas,Primitivas

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM MODELAMENTO E MANUFATURA DE SÓLIDOS UTILIZANDO SISTEMA CAD/CAM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM MODELAMENTO E MANUFATURA DE SÓLIDOS UTILIZANDO SISTEMA CAD/CAM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM MODELAMENTO E MANUFATURA DE SÓLIDOS UTILIZANDO SISTEMA CAD/CAM Autor(es) FELIPE ALVES DE OLIVEIRA PERRONI Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Teamcenter Rapid Start

Teamcenter Rapid Start Siemens PLM Software Teamcenter Rapid Start Instale PDM com rapidez e ótimo custo-benefício. Benefícios Simples e rápido de instalar, configurar e implantar Recursos essenciais de PDM imediatamente disponíveis

Leia mais

Realidade Virtual Aplicada à Educação

Realidade Virtual Aplicada à Educação Realidade Virtual Aplicada à Educação Sandra Dutra Piovesan 1, Camila Balestrin 2, Adriana Soares Pereira 2, Antonio Rodrigo Delepiane de Vit 2, Joel da Silva 2, Roberto Franciscatto 2 1 Mestrado em Informática

Leia mais

APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA

APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.4, n. 7, p. 61 69, 2009. 61 APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA Aluna. Aryanne Consolaro (FAP) Aluno. Márcio de

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide

UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide - SEPesq UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide 1. Introdução Diego Augusto de Jesus Pacheco Giovani Geremia Segundo Vargas (2012) é perceptível que uma

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É?

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA SUMÁRIO O que é COMPUTAÇÃO GRÁFICA Áreas relacionadas

Leia mais

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone 2004 142 ARQTEXTO 5 A REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone O uso do projeto auxiliado por computador (CAD) em arquitetura é cada vez mais corrente, através do projeto 2D e 3D de

Leia mais

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos)

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Computação gráfica tridimensional Modelagem tridimensional Elaboração de imagens tridimensionais Realidade virtual Formatos tridimensionais: DXF, padrão

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

Realidade Virtual: Conceitos e Aplicações REALIDADE VIRTUAL

Realidade Virtual: Conceitos e Aplicações REALIDADE VIRTUAL Realidade Virtual: Conceitos e Aplicações Curso de Informática Disciplina: Prof. Marcelo Walter Palestrante: Prof. Fernando Osório 2000/1 UNISINOS - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas (C6/6) Curso

Leia mais

A OTIMIZAÇÃO DE MODELOS EM REALIDADE VIRTUAL PARA ENGENHARIA

A OTIMIZAÇÃO DE MODELOS EM REALIDADE VIRTUAL PARA ENGENHARIA A OTIMIZAÇÃO DE MODELOS EM REALIDADE VIRTUAL PARA ENGENHARIA José Luís Farinatti Aymone aymone@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Arquitetura, Departamento de Expressão Gráfica

Leia mais

São Paulo (11) 3652-8414 São José dos Campos (12) 3949-2431 Sorocaba (15) 4062-9288 Belo Horizonte (31) 4062-7356 Porto Alegre (51) 4063-7223

São Paulo (11) 3652-8414 São José dos Campos (12) 3949-2431 Sorocaba (15) 4062-9288 Belo Horizonte (31) 4062-7356 Porto Alegre (51) 4063-7223 São Paulo (11) 3652-8414 São José dos Campos (12) 3949-2431 Sorocaba (15) 4062-9288 Belo Horizonte (31) 4062-7356 Porto Alegre (51) 4063-7223 Capacidades avançadas e variadas permitem que os engenheiros

Leia mais

TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE SISTEMAS CAE/CAD/CAM

TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE SISTEMAS CAE/CAD/CAM TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE SISTEMAS CAE/CAD/CAM EMC 6633 by: José Ricardo de Menezes CAE/CAD/CAM Troca de Definição Informações Motivação A necessidade de troca de dados de modelagem é motivada diretamente

Leia mais

Representação de Imagens

Representação de Imagens Representação de Imagens Primitivas Gráficas As primitivas gráficas são os elementos básicos que formam um desenho. Exemplos: Ponto, segmento, polilinha, polígono, arco de elipse, etc. Primitivas já definidas

Leia mais

4. Aplicações de Software

4. Aplicações de Software 1. Introdução 2. Sistemas de Fabrico 3. Actividades na Gestão do Processo Produtivo 4. Aplicações de Software 5. e-manufacturing 6. Conclusões Eduardo Tovar, Novembro 2002 20 Aplicações de Software (1)

Leia mais

Creo Parametric. Onde produtos inovadores começam

Creo Parametric. Onde produtos inovadores começam Data Sheet Creo Parametric CREO PARAMETRIC É A SOLUÇÃO CAD 3D PARAMETRICA ESSENCIAL PORQUE OFERECE EXATAMENTE O QUE VOCÊ PRECISA: O MAIS ROBUSTO E ESCALÁVEL CONJUNTO DE FERRAMENTAS PARA DESIGN DE PRODUTOS,

Leia mais

3 - BIM. 3.1 Histórico

3 - BIM. 3.1 Histórico 3 - BIM 3.1 Histórico O modelamento de geometrias 3D foi objeto de extensiva pesquisa devido a sua ampla aplicação não só na Arquitetura, no Design e na Engenharia, mas também no desenvolvimento de jogos

Leia mais

SCANNERS 3D portáteis PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS

SCANNERS 3D portáteis PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS SCANNERS 3D portáteis PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS Handyscan 3D TM é sinônimo dos scanners 3D portáteis mais precisos do mercado. Sabemos como você leva o seu trabalho a sério, então desenvolvemos uma linha

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Contribuições para o Desenvolvimento de um Modelador Baseado em

Leia mais

Realidade Aumentada Aplicada a Projetos de Engenharia Civil

Realidade Aumentada Aplicada a Projetos de Engenharia Civil Realidade Aumentada Aplicada a Projetos de Engenharia Civil Orientação: Alvaro Luiz Gayoso de Azeredo Coutinho Candidato: Gabriel Aprigliano Fernandes 1 Organização da Apresentação Introdução Metodologia

Leia mais

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB Augusto Francisco Ferbonink¹, Willian Barbosa Magalhães 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil aferbonink@gmail.com wmagalhães@unipar.com Resumo.

Leia mais

A Utilização das Normas Step nos Sistemas CAD/CAM para Integração entre Fornecedores do Setor Automotivo 1 *

A Utilização das Normas Step nos Sistemas CAD/CAM para Integração entre Fornecedores do Setor Automotivo 1 * A Utilização das Normas Step nos Sistemas CAD/CAM para Integração entre Fornecedores do Setor Automotivo 1 * The Step Standartization Utilization on CAD/CAM Systems for the Integration of the Suppliers

Leia mais

HyperCAL 3D MODELADOR DE SÓLIDOS PARA GEOMETRIA DESCRITIVA

HyperCAL 3D MODELADOR DE SÓLIDOS PARA GEOMETRIA DESCRITIVA HyperCAL 3D MODELADOR DE SÓLIDOS PARA GEOMETRIA DESCRITIVA Fábio Gonçalves Teixeira Régio Pierre da Silva Tânia Luísa Koltermann da Silva Anelise Todeschini Hoffmann José Luís Farinatti Aymone UFRGS -

Leia mais

Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D

Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D Andouglas Gonçalves da S. Júnior¹, Filipe Gurgel Nóbrega¹, Julio Cesar Paulino de Melo 2, Aquiles

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO O USO DO CONCEITO FÁBRICA DIGITAL E MANUFATURA ENXUTA PARA ANALISAR

Leia mais

SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS TRUsimplicity TM MEDIÇÃO MAIS FÁCIL E RÁPIDA PORTÁTIL E SEM SUPORTE. MOVIMENTAÇÃO LIVRE AO REDOR DA PEÇA USO FACILITADO. INSTALAÇÃO EM

Leia mais

REVIT ARQUITECTURE 2013

REVIT ARQUITECTURE 2013 REVIT ARQUITECTURE 2013 O Revit 2013 é um software de Tecnologia BIM, que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Com ele, os dados inseridos em projeto alimentam também um banco

Leia mais

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Análise do Produto Dr. Charles Clarke ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Tendências e requisitos do setor...3 Uma nova abordagem de programação de inspeção de CMM...4 O aplicativo na prática...5

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada

Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada Ewerton Daniel de Lima 1, Fabiano Utiyama 1, Daniela Eloise Flôr 1 1 UNIPAR Universidade Paranaense ewertondanieldelima@hotmail.com,{fabianoutiyama, danielaflor}@unipar.br

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro Laboratório VISGRAF Instituto de Matemática Pura e Aplicada Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico January - 10 - Janeiro The contents

Leia mais

PTC Creo Essentials Packages

PTC Creo Essentials Packages As empresas de design e fabricantes de produtos estão constantemente pressionadas para desenvolver mais produtos em menos tempo, sem sacrificar a inovação ou a qualidade. A solução 3D da PTC para design

Leia mais

MODELAGEM E VISUALIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS NA WEB

MODELAGEM E VISUALIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS NA WEB MODELAGEM E VISUALIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS NA WEB Verônica Stocchi Marinho 1, Jackson Gomes de Souza 1 1 ULBRA Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP) Caixa Postal 15.064 91.501-970 Palmas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

COMISSIONAMENTO VIRTUAL

COMISSIONAMENTO VIRTUAL COMISSIONAMENTO VIRTUAL Tales Gustavo Vieira tales@ita.br Diego Vedolin diego.vedolin@siemens.com Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA Centro de Competência em Manufatura CCM Siemens Instituto Tecnológico

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Missão da Fean Formar profissionais competentes e eficientemente preparados para atuar no mercado, aptos a prever, antecipar e intervir positivamente nas mudanças e oportunidades.

Leia mais

Metall in Bestform. Metal na sua melhor forma

Metall in Bestform. Metal na sua melhor forma SCHEUERMANN + HEILIG SCHEUERMANN + HEILIG Metall in Bestform. Montagens Peças estampadas Peças estampadas e dobradas Molas Helicoidais Carcaças Metal na sua melhor forma E s t r a t é g i a s d e s u c

Leia mais

Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO

Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO Soluções em Automação INDUSTRIAL TRAINING. STEP 5 Standard ( Básico). Duração: 40 horas. Público Alvo. Este curso se destina a profissionais das áreas de planejamento,

Leia mais

SOLIDWORKS PEÇAS E MONTAGENS - 40 horas

SOLIDWORKS PEÇAS E MONTAGENS - 40 horas SOLIDWORKS PEÇAS E MONTAGENS - 40 horas Segunda, Quarta e Sexta: 11/05 a 01/06/2009. Noite: 18:30 às 22:30 horas. Sábado: 23/05 a 20/06/2009. Integral: 08:00 ás 12:00-13:00 ás 17:00 horas. Introdução a

Leia mais

VirtualLine. Virtual Machine

VirtualLine. Virtual Machine VirtualLine Virtual Machine VirtualLine - INDEX Virtual Machine A cópia da sua máquina INDEX em um PC O Virtual Machine é um software de simulação para os tornos INDEX com comando Siemens C200-4D.Com ele

Leia mais

A Digitalização Tridimensional a Laser como Ferramenta para o Desenvolvimento de Novos Produtos

A Digitalização Tridimensional a Laser como Ferramenta para o Desenvolvimento de Novos Produtos A Digitalização Tridimensional a Laser como Ferramenta para o Desenvolvimento de Novos Produtos The Three-dimensional Laser Digitizing as Tool for the Development of New Products Silva, Fábio Pinto da;

Leia mais

Softwares Aplicativos Banco de Dados

Softwares Aplicativos Banco de Dados Softwares Aplicativos Banco de Dados INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Serviços 3. Usuários 4. Evolução 5. Exemplos 03 Banco

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Nome:Daniel Oliveira de Lima Paper: Real-Time Shaded NC milling Display Tim Vam Hook - SIGGRAPH 86

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Nome:Daniel Oliveira de Lima Paper: Real-Time Shaded NC milling Display Tim Vam Hook - SIGGRAPH 86 Universidade Federal do Rio de Janeiro Nome:Daniel Oliveira de Lima Paper: Real-Time Shaded NC milling Display Tim Vam Hook - SIGGRAPH 86 SIMULAÇÃO DE USINAGEM EM TEMPO REAL Motivação Problema Considerações

Leia mais

Introdução à Engenharia

Introdução à Engenharia Introdução à Engenharia Modelagem e Simulação (Técnicas e Ferramentas Utilizadas) Edgar Brito Introdução Técnicas e ferramentas de modelagem e simulação, são utilizadas para facilitar e visualizar projetos

Leia mais

SIMULAÇÃO WEB DE TAREFAS ESPECÍFICAS DE MEDIÇÃO EM MMC S

SIMULAÇÃO WEB DE TAREFAS ESPECÍFICAS DE MEDIÇÃO EM MMC S SIMULAÇÃO WEB DE TAREFAS ESPECÍFICAS DE MEDIÇÃO EM MMC S Octávio Luis Cazzonatto Carvalho Santa Bárbara d Oeste, SP, Brasil; e-mail: olcarvalc@unimep.br Alvaro José Abackerli Santa Bárbara d Oeste, SP,

Leia mais

Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW

Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW "Esse ambiente pode ser usado para simular e explorar as possibilidades e alcances de uma solução empregando visão de máquina, testar

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES TECNOLOGIAS NA ESCOLA

REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES TECNOLOGIAS NA ESCOLA 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA

O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA Fábio Gonçalves Teixeira fabio@orion.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Expressão Gráfica da Faculdade de Arquitetura

Leia mais

Visualização de dados da Rede de Computadores utilizando técnicas de Realidade Virtual

Visualização de dados da Rede de Computadores utilizando técnicas de Realidade Virtual Visualização de dados da Rede de Computadores utilizando técnicas de Realidade Virtual Eduardo Noboru Sasaki 1 e 2 Alex Alves Assis 2, Julio César Mafra 2 1 Faculdade de Ciências Matemáticas, da Natureza

Leia mais

Integração do Teamcenter com o Catia V5

Integração do Teamcenter com o Catia V5 Integração com o Catia V5 Benefícios Menos tempo gasto por sua equipe técnica tentando encontrar as revisões corretas de dados do Catia Processos consistentes de trabalho seguidos em todos os formatos

Leia mais

3D software de engenharia reversa

3D software de engenharia reversa 3D software de engenharia reversa fluxo de trabalho produto GEOMAGIC STUDIO fluxo de trabalho digitalizar e sonda Coleta dados de pontos dos principais scanners, digitalizadores e probes 3D do mercado.

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A INTEGRAÇÃO ENTRE SISTEMAS CAE E CAD COM

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA 1. INTRODUÇÃO

REALIDADE AUMENTADA 1. INTRODUÇÃO REALIDADE AUMENTADA 1. INTRODUÇÃO A Realidade Aumentada (RA) (augmented reality) é uma tecnologia, que combina elementos do mundo real com elementos virtuais em 3D, permitindo a interactividade entre objectos

Leia mais

FERRAMENTA DE ESTUDO DO APARELHO AUTIDIVO UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL

FERRAMENTA DE ESTUDO DO APARELHO AUTIDIVO UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL FERRAMENTA DE ESTUDO DO APARELHO AUTIDIVO UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL 1 MARTINES, Rozimeire dos Santos; 1-Discentes do Curso Sistemas de Informação FAEG / Garça. 2 HERMOSILLA, Ligia Garcia

Leia mais

Modelador Baseado em 0DQXIDFWXULQJ )HDWXUHV para Validação de Dados de Manufatura 1

Modelador Baseado em 0DQXIDFWXULQJ )HDWXUHV para Validação de Dados de Manufatura 1 Modelador Baseado em 0DQXIDFWXULQJ )HDWXUHV para Validação de Dados de Manufatura 1 Introdução Durante as últimas décadas, os sistemas CAD de grande porte (KLJKHQG, como modeladores de sólidos, experimentaram

Leia mais

Decisões mais inteligentes, produtos melhores

Decisões mais inteligentes, produtos melhores Decisões mais inteligentes, produtos melhores Tecnomatix 10 Impulsiona a produtividade da manufatura Funcionalidades Gerenciamento do processo de manufatura Interface de usuário configurável e flexível

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 66303 ESTRUTURA DE DADOS I 68/0 ENG. DE

Leia mais

GUIA UNITY 3D E SKETCHUP

GUIA UNITY 3D E SKETCHUP GUIA UNITY 3D E SKETCHUP Existe uma demanda pela utilização de modelos tridimensionais estereoscópicos para simular relações presenciais. Os projetos relacionados à esses modelos são conhecidos como CAVES.

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Cartões Marcadores Dinâmicos em Ambientes de Realidade Aumentada

Cartões Marcadores Dinâmicos em Ambientes de Realidade Aumentada Cartões Marcadores Dinâmicos em Ambientes de Realidade Aumentada Bianchi Serique Meiguins 1, Igor de Souza Almeida 1, Marina Atsumi Oikawa 1 1 Universidade Federal do Pará UFPA Campus do Guamá, Rua Augusto

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Integrando Java e VRML - Configuração Básica

Integrando Java e VRML - Configuração Básica Integrando Java e VRML - Configuração Básica 1 Jeferson Luiz Rodrigues Souza(1) Rubens Redel (2) Janine Kniess(3) 1-Bolsista PROBIC-UDESC, CCT-UDESC, dcc6jlrs@joinville.udesc.br 2-Bolsista PROBIC-UDESC,

Leia mais

Pré-Requisitos: Os alunos deverão ter conhecimentos aprofundados de desenho técnico e médios de aplicações de desenho vectorial e edição de imagem.

Pré-Requisitos: Os alunos deverão ter conhecimentos aprofundados de desenho técnico e médios de aplicações de desenho vectorial e edição de imagem. Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Técnicas de Representação Digital II Área Científica: Desenho (DES) Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 4º ECTS: 6

Leia mais

O Webconference é uma ferramenta para realizar reuniões online.

O Webconference é uma ferramenta para realizar reuniões online. Webconference Wittel O Webconference é uma ferramenta para realizar reuniões online. Com ele você poderá fazer vídeoconferência, compartilhar arquivos, aplicativos e conteúdo do desktop, além de realizar

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA EQUIPAMENTOS

COMPUTAÇÃO GRÁFICA EQUIPAMENTOS COMPUTAÇÃO GRÁFICA EQUIPAMENTOS Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA EQUIPAMENTOS Antigamente, designers gráficos

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Prototipação Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Prototipar...... desenvolver e testar interfaces antes

Leia mais

Gráficos 3D na Internet

Gráficos 3D na Internet capítulo 1. Gráficos 3D na Internet Um dos mais recentes desenvolvimentos na Internet foi a implantação do VRML (Virtual Reality Modelling Language) como uma linguagem de descrição de cenas virtuais interactivas

Leia mais

AUDITORIAS TECNOLÓGICAS

AUDITORIAS TECNOLÓGICAS AUDITORIAS TECNOLÓGICAS ÀS EMPRESAS ETF PROCESSO MUITO DISCUTIDO E MUITO ALTERADO EPERIÊNCIAS DE REALIZAÇÃO DE AUDITORIAS TECNOLÓGICAS NO PASSADO SOB O TEMA DA TECNOLOGIA ERA SOLICITADA E TRATADA MUITA

Leia mais

SOFTWARE PARA DESIGN DE PROTÓTIPOS

SOFTWARE PARA DESIGN DE PROTÓTIPOS SOFTWARE PARA DESIGN DE PROTÓTIPOS Vanessa Romankiv Curitiba 2012 SUMÁRIO 1.Introdução 2. Objetivos: 2.1 Geral 2.2 Específicos 3. Metodologia 4. Resultados 2/19 1. INTRODUÇÃO Indústria de software tem

Leia mais

Modelagem de um Consultório Médico em 3D para auxílio às áreas de Cardiologia e Mastologia

Modelagem de um Consultório Médico em 3D para auxílio às áreas de Cardiologia e Mastologia Modelagem de um Consultório Médico em 3D para auxílio às áreas de Cardiologia e Mastologia Júlia de Castro C. Magalhães 1, Wallacy Morais de Freitas 1, Lourdes M. Brasil 1, Valci V. Coelho 1, Antônio E.

Leia mais

Inovação em CAD para CAM. integração ao cad

Inovação em CAD para CAM. integração ao cad Inovação em CAD para CAM integração ao cad Um novo padrão entre os sistemas CAD Somente um desenvolvedor de CAM pode criar CAD para CAM: Com isso em mente, a OPEN MIND Technologies AG desenvolveu seu próprio

Leia mais

Realidade Virtual em Medicina

Realidade Virtual em Medicina Realidade Virtual em Medicina Apresentado por: Renato M.E. Sabbatini, PhD Diretor Centro Internacional de Tecnologias de Informação e Comunicação em Saúde Instituto Edumed, Campinas, SP Brasil Tipos de

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações

Tecnologia e Sistemas de Informações Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 3 Componentes de SIs Pessoas SI Organiz. Unidades que exercem diferentes funções, tais

Leia mais

Modelagem de objetos 3D no contexto do cangaço

Modelagem de objetos 3D no contexto do cangaço Modelagem de objetos 3D no contexto do cangaço Rafael G. Oliveira 1, Felipe S. Costa 1, Everton F. C. Almeida 1, Clézio L. Azevedo 1, Cláudia M. F. A. Ribeiro 1 1 Laboratório Lumen Universidade do Estado

Leia mais