5 PASSOS PARA A MARCAÇÃO CE EM CAIXILHARIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "5 PASSOS PARA A MARCAÇÃO CE EM CAIXILHARIAS"

Transcrição

1 5 PASSOS PARA A MARCAÇÃO CE EM CAIXILHARIAS

2 Este documento é uma pequena ferramenta que o guiará nos passos necessários para a obtenção da marca CE em caixilharias, de acordo com a norma portuguesa NP EN :2008, e que lhe será exigido por lei a partir do próximo dia 1 de Fevereiro de A FREZITE através do seu corpo técnico terá todo o gosto em assisti-lo numa solução personalizada para o êxito na obtenção da marca CE.

3 A partir da entrada em vigor do Mercado Comum Europeu, a Comissão Europeia dedicou especial atenção no derrube das barreiras técnicas existentes entre os estados membros. Por isso, no âmbito do espaço comunitário, toda a atenção foi concentrada nos processos de harmonização dos documentos técnicos, com o objectivo de alcançar uma série de normas, que sirvam como elementos de referência para definir as características técnicas dos produtos. Tudo isto com a finalidade de ressaltar a capacidade dos produtos e satisfazer os requisitos essenciais exigidos pelos consumidores finais (privados ou empresas de construção pública e privada). 2 É a Directiva Comunitária 89/106 que regula a nível europeu todos os materiais para a construção. Esta Directiva identifica os requisitos essenciais que os produtos para a construção têm que garantir, de acordo com o uso a que se destinam. A norma do produto que regula a marca CE nas janelas e portas pedonais exteriores é a NP EN :2008 e que, a partir de 1 de Fevereiro de 2010, considera violação da lei a comercialização de quaisquer caixilharias sem a marca CE dentro do território da União Europeia. A marca CE é uma declaração do fabricante relativamente à conformidade com a norma dos produtos fornecidos, tendo como consequência a satisfação dos requisitos essenciais da Directiva Europeia 89/106/CE relativa a produtos de construção: Resistência mecânica e estabilidade Segurança contra incêndios Higiene, saúde e ambiente Segurança na utilização Protecção contra o ruído Poupança energética e retenção de calor A aptidão do produto é comprovada pela aposição da marca CE, que garante assim perante o consumidor final, que o fabricante cumpriu todas as fases necessárias e descritas na Directiva.

4 3 passo 1 passo 2 passo 3 passo 4 passo 5 selecção de protótipos Ensaios do Tipo Inicial (ITT) Controlo de Produçãoem Fábrica Registos Suportes informativos e marcação do produto

5 Passo 1 Selecção de protótipos O primeiro passo que o fabricante deve efectuar a fim de satisfazer os requisitos previstos para a marcação CE das caixilharias de exteriores, é a escolha dos modelos ou protótipos a submeter a ensaios. 4 Esta é a fase mais importante de todo este processo, já que, define qualitativamente o caminho a seguir pelo fabricante na escolha dos modelos a serem comercializados no mercado, e que podem assim, ter ou não sucesso. Os técnicos FREZITE, podem nesta fase aconselhar nessas opções, com a definição do projecto de janela que mais se adeqúe aos objectivos do fabricante.

6 Passo 2 Ensaios em laboratório Uma vez seleccionados os protótipos representativos das várias tipologias de produtos a serem comercializados, o fabricante deverá submetê-los a ensaios (Ensaios de Tipo Inicial) num laboratório certificado. Este laboratório, desde que certificado, pode situar-se em Portugal ou no espaço europeu onde a norma vigora. 5 Na norma NP EN :2008, estão descritos os ensaios de carácter obrigatório, cujos requisitos seguidamente se descrevem: Permeabilidade ao ar Estanqueidade à água Resistência às cargas do vento; Transmissão térmica; Isolamento acústico; Segurança de uso.

7 Passo 3 Controlo interno de produção A norma também estabelece que o fabricante deve documentar e manter um sistema de Controlo da Produção em Fábrica FPC (Factory Production Control) para assegurar que os produtos colocados no mercado têm as características de desempenho declaradas. 6 O sistema FPC consiste em procedimentos, inspecções regulares e ensaios e / ou avaliações, no uso de resultados para controlar os materiais e outros componentes, equipamento e processo de produção do produto. Para tal deve: Nomear um responsável de controlo de produção; Efectuar controlo de materiais em fase de entrada em armazém; Efectuar controlos durante o processo de fabrico; Efectuar controlos sobre o produto acabado; Registar as Não-Conformidades e respectivas Acções Correctivas; Efectuar registo e arquivo com vista à rastreabilidade do produto.

8 Passo 4 Registos A documentação do plano de controlo da produção deve estar organizada da seguinte forma: 7 Descrição das funções e responsabilidades; Descrição da estrutura do sistema documental; Identificação e verificação das características dos materiais e componentes; Identificação e rastreio dos produtos; Procedimentos e instruções documentadas relativas ao plano do controlo de produção; Registo dos controlos; Tratamentos das não-conformidades do produto; Execução de acções correctivas;

9 Passo 5 Suportes informativos e marcação do produto Juntamente com o produto, o fabricante é obrigado a fornecer uma série de documentos que fazem referência à conformidade com as normas de produto e sua utilização. 8 Devem ser fornecidas todas as informações referentes às composições, utilizações, assentamentos, riscos eventuais, manutenção preventiva, tabelas técnicas de montagem e tudo o que concerne à segurança na utilização do produto e utilização correcta do mesmo. Em resumo: Instruções de instalação do produto (se não for ele o responsável pelo assentamento em obra); Instruções de uso e manutenção dos produtos Declaração de conformidade dos produtos fornecidos Cópia do certificado de conformidade emitido por um laboratório certificado Marca CE Exemplares de certificados de conformidade emitidos por laboratórios diversos

10 Exemplos de Marca CE: Completo simplificado 9 Fabricante X Morada Descrição de Produto 09 EN

11 Algumas Informações úteis Estudos da União Europeia revelaram a possibilidade de se pode economizar cerca de 20% do actual consumo de energia, ou seja, aproximadamente 60 mil milhões de euros por ano. 10 Os edifícios representam 40% do consumo de energia na EUROPA. É possível reduzir em mais de 30% este consumo. A União Europeia emitiu a directiva 2002/91/CE sobre o Desempenho Energético dos Edifícios, que obriga os Estados membros a adoptar legislação para estabelecer os requisitos mínimos de comportamento térmico dos edifícios e a sua certificação. O governo português emitiu os Decretos-Lei 78, 79 e em particular o 80 de 2006 (O Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios (RCCTE), que regulamentam e introduzem novas regras quanto à qualidade do ar interior e Desempenho Energético dos Edifícios. É obrigatória a certificação de todos os edifícios quanto ao comportamento energético e da qualidade do ar interior: A partir de 1 de Julho de 2007, para todos os edifícios a licenciar ou autorizar, com mais de m2. A partir de 1 de Julho de 2008, para todos os edifícios a licenciar ou autorizar, com menos de m2. A partir de 1 de Janeiro de 2009, para todos os edifícios objecto de transacção comercial. É a ADENE (www.adene.pt) a entidade gestora da certificação energética e ar interior dos edifícios.

12 A certificação classificará os edifícios da seguinte forma: 11 Existe um Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética que tem como objectivo alcançar 10% de eficiência energética até Este plano pretende incentivar a substituição de vidros e caixilharia ineficientes do ponto de vista energético, por vidros duplos e caixilharia com isolamento térmico. Até 2015 se prevê a reabilitação de superfícies envidraçadas em cerca de fogos com a instalação de 1,6 milhões de m2 de vidros mais eficientes. Será assegurado, em sede de IRS, uma bonificação de 10% dos benefícios associados ao crédito à habitação, para os edifícios da classe A e A+, bem como o acesso a crédito bonificado para implementação das medidas de eficiência energética e reabilitação previstas no certificado energético.

13 Dimensões de janelas para ensaio Conforme já referimos anteriormente, estes são os ensaios de carácter obrigatório para a obtenção de um certificado emitido por um Laboratório certificado e que possibilita assim a obtenção da marcação CE: 12 Permeabilidade ao ar, de acordo com a norma EN 1026:2000; Estanqueidade à água, de acordo com a norma EN 1027:2000; Resistência ao vento, de acordo com a norma EN 12221:2000; Isolamento acústico (ensaio), de acordo com a norma EN ISO 140-3:1995, ou por cálculo segundo o Anexo B da NP EN :2008; Transmissão térmica (por simulação / ensaio ou cálculo), de acordo com a norma EN ISO :2006. Neste caso é necessário dispor das características e secções dos vãos a ensaiar em suporte informático (ex: desenho em Autocad). Resistência mecânica dos dispositivos de segurança, de acordo com EN 14609:2004; As dimensões de janelas e portas a serem submetidas a ensaio (Medidas exteriores do aro) de acordo com a medida mais desfavorável entre as dimensões que normalmente se aplicam (considerando, que de uma forma genérica, todas as que lhe são inferiores estão cobertas pelo ensaio) e de acordo com os valores indicados nos Quadros E1 e E2 da norma NP EN :2008. Aconselhe-se junto do técnico FREZITE da sua área e ou do laboratório por si escolhido para a execução dos ensaios.

14 Documentação a anexar ao protótipo Para além de toda a informação técnica referida, deve juntar ao processo que será enviado para o laboratório juntamente com o protótipo que vai ser submetido a ensaio, desenhos de corte dos perfis, vedantes utilizados, ferragens, selantes (colas, silicones, espumas, vernizes, etc.), acessórios e eventuais certificações prévias. 13 As medidas e tipologias de janelas estão descritas na norma, e devem ser adequadas às dimensões das bancadas de ensaios. Para tal, deve solicitar ao laboratório certificado que escolheu para a realização dos ensaios, as medidas aconselhadas para os seus protótipos. Podendo variar de laboratório em laboratório, para a execução dos ensaios de ar, água e vento, e uma vez que é esta a peça que será fixa na bancada de ensaios do laboratório, é necessário assentar o vão de janela num pré-aro em todo o perímetro do protótipo, com as seguintes características: Este pré-aro pode ser executado em madeira.

15 O pré-aro deve assim reproduzir o assentamento do vão em obra, devendo para tal ter na parte superior entre 6 a 10 cm de espessura; Todas as restantes partes devem ter a mesma espessura (6 7 cm). Todas as restantes larguras devem ter 10 cm. A junta entre aro e pré aro pode ser fixa com parafusos e deve estar bem selada com silicone ou produto semelhante; 14

16 Cascading (cascata) Algumas considerações sobre esta opção. Como é possível constatar através de consulta da norma NP EN :2008, esta não descreve a obtenção da marca CE por cedência de detentores de sistemas ou produtos tecnológicos, num sistema vulgarmente denominado por cascata. 15 Refere a norma que, quando o fabricante se baseia nos resultados de ensaio de um fornecedor ou terceiros, não deverá este ficar isento de responsabilidade no que respeita ao desempenho do produto. Portanto, todas as características descritas na Secção 4 da norma, pela qual o fabricante declara um valor, devem ser sujeitas a um ensaio inicial de tipo (ITT). Este sistema de cascata que se encontra em discussão ao nível europeu, merece-nos as seguintes considerações: Poderá ser um facto aparente de que, o fabricante de caixilharia pode poupar o custo inerente a um ensaio do tipo inicial. A cascata é frequentemente oferecida como um produto do tipo chave na mão, com o intuito da venda de um produto ou tecnologia. A cascata refere-se tão-somente á cedência dos dados de Ensaio e não ao inteiro processo de marcação CE, que estará a cargo e sob responsabilidade do fabricante. A cascata é oferecida prescindindo assim da sua valência legal, uma vez que esta disposição da norma é um projecto e, portanto, não é oficial. A cascata pressupõe, erradamente, que se possa produzir caixilharia com o mesmo padrão de qualidade utilizando equipamentos e métodos de produção diferentes, e que isso se traduza em resultados conformes e de níveis qualitativos idênticos. A adesão a um sistema de cascata não possibilitará nunca verificar, compreender, quais as acções de melhoria no processo produtivo e do produto em si. As pequenas e médias empresas procuraram sempre oferecer um produto de qualidade. Não é sustentável num sistema de cascata poder oferecer ao mercado dados exactos sobre as prestações de produto.

17 FAQ S - Perguntas frequentes 16 Que fazer se depois de ter feito os testes à minha janela, altero os componentes (vidro, vedantes, ferragens)? No caso em que o vidro seja substituído, as únicas prestações a serem avaliadas são as da condutibilidade térmica e as da prestação acústica. Todas as outras prestações não são afectadas por este tipo de modificação. Quanto aos vedantes, considera-se uma variação substancial o numero, o material de composição e a posição em que está colocada, levando a que possa ter de ser repetido o ciclo de ensaios (com a excepção para os testes de Resistência ao Impacto e Resistência dos dispositivos de Manobra). Uma vez que a norma nada refere relativamente ao desenho / secção do vedante, torna-se evidente que um acessório com esta importância deva submeter a uma reavaliação todo o protótipo. Relativamente à ferragem, foi já prevista pela norma a chamada intermutabilidade que regula esta alteração, considerando assim que a ferragem mantenha as mesmas características da que foi montada no protótipo submetido a ensaio.

18 Tenho uma produção de janelas que varia entre as espessuras de 56mm e 63mm. Devo ensaiar ambos os modelos? De um modo geral, o fabricante de janelas que produz janelas com espessuras variáveis, deve verificar bem estas opções, uma vez que este tipo de alterações fazem variar as prestações do produto. Se esta alteração prevê o aumento de uma área interior do perfil em 1 cm e as outras áreas permanecerem inalteradas, bem como o número de vedantes, a pingadeira, é possível determinar que a única variação seja a da condutividade térmica e da resistência ao vento. Esta prestação pode ser avaliada com mais precisão através da análise dos desenhos e das secções produzidas pelo fabricante. A introdução de um segundo vedante, por exemplo o de isolamento acústico, é uma variação substancial na permeabilidade do ar, embora seja considerado melhoramento do protótipo mais desfavorável. 17 Fabrico caixilharias com diversos tipos de madeira qual o tipo de madeira que devo ensaiar para que toda a minha produção fique abrangida pela marcação CE? A tipologia de madeira não é considerada uma variação substancial na maior parte dos ensaios necessários para a marcação CE em caixilharias. É alterada a transmissão térmica do caixilho que no entanto é possível prever através de uma tabela de cálculo específica para o efeito. Portanto, considerando que a escolha do tipo de madeira é da responsabilidade do fabricante de caixilharia, subdividem-se estas tipologias em madeiras macias e madeiras duras. O ensaio de resistência ao vento é em parte influenciada pela tipologia de madeira empregue na fabricação do caixilho, uma vez que, uma madeira macia tem maiores deformações quando sujeita a esforços. Se submeto a ensaio uma caixilharia com respigas coladas, e altero-a posteriormente para uma junção mecânica ou corte à meia-esquadria para racionalizar a minha produção, devo fazer de novo todos os ensaios? Sim, uma vez que estas alterações são variantes construtivas consideradas como alterações substanciais. O que significa morfologia dos perfis (respigas, raios e curvaturas, outras alterações estéticas)? Refere-se somente à forma dos perfis de pingadeira, perfil de batente do vidro, perfil de bite ou tafife, localização dos vedantes de estanqueidade (no aro ou no caixilho), bem como outras, que não são consideradas variações substanciais às prestações da janela ou porta.

19 Que documentação deverei apresentar ao laboratório durante a fase de ensaios? A documentação ser-lhe-á exigida pelo laboratório no momento próprio. Deverá conter todas as fichas técnicas dos materiais empregues na fabricação da janela a submeter a ensaio (ferragens, vedantes, vidros, perfis de alumínio para sacadas ou pingadeiras, vernizes e tratamentos de superfície, etc.). 18 O que quer dizer porta pedonal para exterior sujeita à marcação CE? Entende-se por porta exterior uma porta pedonal que separa o ambiente interior do exterior de uma construção, sendo que, a utilização principal é a passagem de pessoas em segurança entre os ambientes. Se considerarmos uma janela de sacada com uma soleira inferior em alumínio, portanto com características diferentes de uma janela (travessa inferior de aro em madeira), deve então esta estar sujeita à elaboração de um ensaio. Assim, se uma porta de sacada tiver uma soleira idêntica à de uma janela, considera-se uma janela de maior dimensão.

20 Este documento não dispensa a consulta da norma NP EN :2008, Janelas e portas Norma de produto, características de desempenho parte 1: Janelas e portas pedonais exteriores sem características de resistência ao fogo e/ou de estanqueidade ao fumo. Esta norma pode ser adquirida no Instituto Português da Qualidade, ou através do seu site 19 Contacte um técnico qualificado FREZITE e coloque as suas questões. FREZITE Ferramentas de Corte, S.A. Rua do Vau, 173 Apartado Trofa PORTUGAL Telef.: Fax:

02 02 2010 [MARCAÇÃO CE]

02 02 2010 [MARCAÇÃO CE] 02 02 2010 2 [MARCAÇÃO CE] Neste documento está um resumo do processo de marcação CE para o mercado da caixilharia. Esperamos que possa servir de ajuda a todos os interessados, para que a transição seja

Leia mais

Sistema A.045 - Caracterização

Sistema A.045 - Caracterização Sistema A.045 - Caracterização Sistema de batente com rotura de ponte térmica, vedação central e câmara europeia as ferragens. Permite a construção de caixilhos de abrir com uma ou mais folhas móveis,

Leia mais

Foto: Arquitecto Luis Santos Edifício Desfo: Grijó

Foto: Arquitecto Luis Santos Edifício Desfo: Grijó Foto: Arquitecto Luis Santos Edifício Desfo: Grijó Sistema A.062 - Caracterização Sistema de batente com rotura de ponte térmica, vedação central e câmara europeia para as ferragens. Permite a construção

Leia mais

Instaladores de Janelas Eficientes

Instaladores de Janelas Eficientes Instaladores de Janelas Eficientes LNEG, 8 julho BUILD UP Skills FORESEE IEE/13/BWI 702/SI2.680177 BUILD UP Skills FORESEE September 2014 to February 2017 Carga horária 25 horas A. Teoria: Objetivos 1.

Leia mais

ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows.

ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows. ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 www.boavistawindows.com Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows.com CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ALGUNS

Leia mais

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas CENFIM, Trofa 6 de Maio de 2014 Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas Rui Ferreira Alves O Sector da Construção no contexto da União Europeia Sector estratégico: relevante para promover

Leia mais

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009)

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009) CIRCULAR N.º 15/2009 A Portaria nº 773/2009, de 21 de Julho, que define o procedimento de registo, na Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), das entidades que exercem a actividade de comercialização,

Leia mais

MAIS JANELAS EFICIENTES

MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA nos edifícios portugueses TEKTÓNICA 2014 Lisboa 06 de Maio de 2014 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir as características e condições técnicas a que devem obedecer as portas resistentes ao fogo (portas corta-fogo), não só para

Leia mais

SISTEMAS DE PROTEÇÃO PASSIVA PORTAS RESISTENTES AO FOGO

SISTEMAS DE PROTEÇÃO PASSIVA PORTAS RESISTENTES AO FOGO PORTAS RESISTENTES AO FOGO OBJECTIVO Definir as características e condições técnicas a que devem obedecer as portas resistentes ao fogo (portas corta-fogo), não só para cumprimento do RJ-SCIE mas, também,

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS SISTEMAS DE CAIXILHARIA

EFICIÊNCIA DOS SISTEMAS DE CAIXILHARIA EFICIÊNCIA DOS SISTEMAS DE CAIXILHARIA Engº Ricardo Pereira Extrusal, S.A. Em 1972 foi fundada a EXTRUSAL Companhia Portuguesa de Extrusão, S.A. especializada na Extrusão de perfis em ligas de Alumínio

Leia mais

As soluções de janelas de guilhotina ZENDOW são a escolha adequada para obras de renovação arquitectónica.

As soluções de janelas de guilhotina ZENDOW são a escolha adequada para obras de renovação arquitectónica. GUILHOTINAS As soluções de janelas de guilhotina ZENDOW são a escolha adequada para obras de renovação arquitectónica. Com um sistema de ferragens de elevado desempenho, a solução de janelas de guilhotina

Leia mais

Zendow oscilo-paralelas. + liberdade para o seu espaço + isolamento térmico e acústico + segurança

Zendow oscilo-paralelas. + liberdade para o seu espaço + isolamento térmico e acústico + segurança OSCILO-PARALELAS + liberdade para o seu espaço + isolamento térmico e acústico + segurança Zendow oscilo-paralelas A tecnologia e a estética Zendow O sistema de janelas e portas oscilo-paralelas Zendow

Leia mais

Sistema A.080. Conceito. Esqueleto. Soluções construtivas. Aberturas. Perfis de alumínio. Tratamentos de superfície

Sistema A.080. Conceito. Esqueleto. Soluções construtivas. Aberturas. Perfis de alumínio. Tratamentos de superfície A.080 Sistema A.080 Conceito Fachada cortina ligeira, versátil, com atenuação térmica e acústica. Estrutura composta por montantes e travessas, ambos com envergadura de 50mm, sendo os montantes os elementos

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

PROJECTO REQUEST. Lisboa 10.10.2012. www.building-request.eu

PROJECTO REQUEST. Lisboa 10.10.2012. www.building-request.eu PROJECTO REQUEST Lisboa 10.10.2012 www.building-request.eu 1 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ANFAJE 2 A 1 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Missão A ANFAJE pretende representar e defender os seus associados bem

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO, DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS, DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA SAÚDE Declaração de Instalação,

Leia mais

F i c h a T é c n i c a. S i s t e m a d e p e r f i s d e s l i z a n t e. PremiDoor

F i c h a T é c n i c a. S i s t e m a d e p e r f i s d e s l i z a n t e. PremiDoor F i c h a T é c n i c a S i s t e m a d e p e r f i s d e s l i z a n t e PremiDoor C a r a c t e r í s t i c a s d o s i s t e m a 1. Moldura de 168 mm com três câmaras-de-ar e folha corrediça elevadora

Leia mais

Sistema de correr dos produtos Alunik, vocacionado para o segmento da construção de blocos habitacionais com e sem custos controlados.

Sistema de correr dos produtos Alunik, vocacionado para o segmento da construção de blocos habitacionais com e sem custos controlados. Sistema de correr dos produtos Alunik, vocacionado para o segmento da construção de blocos habitacionais com e sem custos controlados. Possui uma gama de perfis onde despontam soleiras de caixa tubular

Leia mais

Série de correr THERMOLINE

Série de correr THERMOLINE A dedica-se à extrusão de perfis de alumínio de secções variadas, com maior ou menor complexidade, consoante as necessidades dos clientes. A extrusão de alumínio permite toda a liberdade de concepção em

Leia mais

Sistema A.080. A modelação dos vidros é enfatizada pela aba exterior do perfil. A aba em alumínio que serve de moldura tem 15 mm de vista.

Sistema A.080. A modelação dos vidros é enfatizada pela aba exterior do perfil. A aba em alumínio que serve de moldura tem 15 mm de vista. A.080 SISTEMA A.080 A.080 CLÁSSICA - SOLUÇÃO BASE Fixação dos vidros por capa de aperto em alumínio. As capas de aperto são parafusadas à estrutura montante travessa recorrendo a vedantes em EPDM. O corte

Leia mais

A.100 A.175 SISTEMA DE BATENTE. Módulo. Otimização dos recursos energéticos e contribuição para uma construção sustentável.

A.100 A.175 SISTEMA DE BATENTE. Módulo. Otimização dos recursos energéticos e contribuição para uma construção sustentável. A.175 Módulo A.100 SISTEMA DE BATENTE Solução composta por três versões, A.175, A.165 e A.155, todas concebidas dentro da mesma filosofia: Otimização dos recursos energéticos e contribuição para uma construção

Leia mais

Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES

Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES Catarina Aguiar Bentes A monografia apresentada foi realizada no âmbito da cadeira de Tecnologias da Construção de Edifícios do 11º Mestrado em Construção

Leia mais

Guia de Abertura de um Café em Portugal Zeta Advisors

Guia de Abertura de um Café em Portugal Zeta Advisors Guia de Abertura de um Café em Portugal Zeta Advisors 1 The way to get started is to quit talking and begin doing. Walt Disney Company ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Licenciamento e Legislação... 3 3. Nível

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Isolamento HVAC. Soluções de Isolamento para Aplicações em Climatização. Nova marcação CE e nova gama de produtos ISOVER CLIM

Isolamento HVAC. Soluções de Isolamento para Aplicações em Climatização. Nova marcação CE e nova gama de produtos ISOVER CLIM Isolamento HVAC Soluções de Isolamento para Aplicações em Climatização Nova marcação CE e nova gama de produtos ISOVER CLIM Introdução Veerle Verhaert Grupo Saint-Gobain Durante mais de três séculos, a

Leia mais

Assim, as classes R, E e I substituem o Estável o fogo (EF), Pará-Chamas (PF) e Corta-fogo (CF).

Assim, as classes R, E e I substituem o Estável o fogo (EF), Pará-Chamas (PF) e Corta-fogo (CF). Edifício S Alto da Granja - Estrada 237 Parque Industrial Manuel da Mota 3100-899 Pombal - PORTUGAL T: +351 236 216 025 F: +351 236 216 186 E: sercevolucao@serc-europe.com W: www.sercevolucao.com EUROCLASSES

Leia mais

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS Dossier informativo - Cimentos LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS INTRODUÇÃO Qualquer entidade legalmente estabelecida, nacional ou estrangeira, pode solicitar ao LNEC a certificação

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes

Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes Descrição Técnica do Sistema Secção lateral janela Secção central janela Secção lateral porta Secção central porta O sistema de perfis EKOSOL

Leia mais

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO ANEXO Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas abrangidos pelo

Leia mais

As revisões e/ou alterações ao acordado, são devidamente registadas e analisadas conforme descrito para o caso da definição das condições iniciais.

As revisões e/ou alterações ao acordado, são devidamente registadas e analisadas conforme descrito para o caso da definição das condições iniciais. Preparação da Qualidade Página 1 de 6 5.1. COMERCIALIZAÇÃO 5.1.1. Transporte A empresa através da sua área de operações ou da administração, tem como objectivo em cada serviço adjudicado, entre vários,

Leia mais

A MARCAÇÃO CE PARA PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO CONCRETA 2009. Exponor, 23 de Outubro de 2009

A MARCAÇÃO CE PARA PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO CONCRETA 2009. Exponor, 23 de Outubro de 2009 A MARCAÇÃO CE PARA PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO CONCRETA 2009 Exponor, 23 de Outubro de 2009 ÍNDICE 1. Objectivos da Directiva dos Produtos de Construção (DPC) 2. Elementos fundamentais da DPC 3. Sistemas de

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLOGIA QUALIDADE POUPANÇA GARANTIA SUSTENTABILIDADE ESTÉTICA FUNCIONALIDADE DESIGN CONFORTO I+D+I

INOVAÇÃO TECNOLOGIA QUALIDADE POUPANÇA GARANTIA SUSTENTABILIDADE ESTÉTICA FUNCIONALIDADE DESIGN CONFORTO I+D+I SISTEMA COR 60 FOLHA OCULTA A CORTIZO desenvolveu mais de 50 sistemas exclusivos de janelas, fachadas, painel compósito e sistemas de proteção solar de última geração. Esta aposta na inovação permite-nos

Leia mais

Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70. Perfil de Calidad

Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70. Perfil de Calidad Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70 Perfil de Calidad Sl/DJ-R 70 Secção lateral Sistema de perfis de desenho suave e arestas arredondadas para janelas e portas de sacada de batente

Leia mais

vidro de proteção contra incêndios

vidro de proteção contra incêndios vidro de proteção contra incêndios CONHEÇA-NOS Cada vez mais os edifícios requerem melhores prestações, tanto em serviços como em proteção, e tudo isto da mão da estética e do design. Na arquitetura contemporânea

Leia mais

Argamassas e ETICS. Reflexões actuais Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas e ETICS Argamassas e ETICS. Reflexões actuais, Concreta, Porto, 2015.11.19 1 Sistema ETICS Manual de Aplicação

Leia mais

PORTA SECCIONADA REFRAL NASSAU 9000F

PORTA SECCIONADA REFRAL NASSAU 9000F PORTA SECCIONADA REFRAL NASSAU 9000F Refral NASSAU 9000F Altamente isolada e robusta Durabilidade e economicamente vantajosa Bem isolada A porta Refral NASSAU 9000F (espuma) foi especialmente desenhada

Leia mais

MARCAÇÃO CE DE JANELAS E PORTAS

MARCAÇÃO CE DE JANELAS E PORTAS MARCAÇÃO CE DE JANELAS E PORTAS EXPERIÊNCIA EDIMETAL TIAGO PINTO 27.01.2010 IPQ 27.01.2010 MARCAÇÃO CE DE JANELAS E PORTAS: EXPERIÊNCIA EDIMETAL 1 ORGANIZAÇÃO DE NEGÓCIOS O Grupo Edifer tem o seu capital

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS CÓDIGO - ERG-OO4 ÁREA DE ACTIVIDADE ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Programar, organizar, coordenar

Leia mais

CATÁLOGO 2011 SÉRIE DE CORRER CONFORT. Vidros e Alumínios, Lda - Fabricante de Vidro Duplo

CATÁLOGO 2011 SÉRIE DE CORRER CONFORT. Vidros e Alumínios, Lda - Fabricante de Vidro Duplo CATÁLOGO 2011 Índice Introdução 03 Perfis. Soleiras, verga, ombreira 04. Vidro duplo 05. Vidro simples 06. Tri-rail 07 Pormenores 08 Acessórios 10 Série de correr CONFORT comercializada pela, surge numa

Leia mais

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 1 de 9 Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 NOTÍCIAS A substituição de janelas antigas por janelas eficientes pode gerar na indústria, um potencial de negócio

Leia mais

Licenciamento de Instalações Desportivas

Licenciamento de Instalações Desportivas Licenciamento de Instalações Desportivas 1 Finalidade O licenciamento dos projetos de Instalações Desportivas Especializadas e Especiais para Espetáculos (Artigos 8º e 9º do D.L. n.º 141/2009, de 16 de

Leia mais

Deliberação n.º 939/2014, de 20 de março (DR, 2.ª série, n.º 75, de 16 de abril de 2014)

Deliberação n.º 939/2014, de 20 de março (DR, 2.ª série, n.º 75, de 16 de abril de 2014) (DR, 2.ª série, n.º 75, de 16 de abril de 2014) Aprova o formulário de notificação, a efetuar ao INFARMED, I. P., e orientações sobre a prática de reprocessamento de dispositivos médicos de uso único pelo

Leia mais

Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70. Sistemas de ventanas de PVC

Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70. Sistemas de ventanas de PVC Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70 Sistemas de ventanas de PVC SL/DJ-70 Secção Lateral Sistema de perfis de desenho suave e arestas arredondadas para janelas e portas de sacada de batente ou oscilobatentes

Leia mais

DIMENSÕES Profundidade das secções fixas, de 80 até 121 mm, segundo necessidades estásticas. Profundidades das secções móveis de 30 mm

DIMENSÕES Profundidade das secções fixas, de 80 até 121 mm, segundo necessidades estásticas. Profundidades das secções móveis de 30 mm DESCRIÇÃO TÉCNICA RT 80 RT 80 Descrição Técnica ALUMINIO Normativa comunitária para perfis extrudidos nas ligas AW-6060 e AW6030, fabricados com e sem corte térmico. UNE-EN 12020 1:2001. Condições técnicas

Leia mais

Empresas que se mexem, são empresas que crescem!

Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Apresentação do Projecto/ Abertura de inscrições Introdução A Adere-Minho - Associação para o Desenvolvimento Regional do Minho, entidade de natureza associativa

Leia mais

W o o d t e c h n o l o g y s o l u t i o n s

W o o d t e c h n o l o g y s o l u t i o n s W o o d t e c h n o l o g y s o l u t i o n s 1 I N T R O D U Ç Ã O 3 D E S E N H O S T É C N I C O S 10 O B R A S R E A L I Z A D A S 25 C O N T A C T O S 37 J A N E L A S 2 O nosso objectivo é prestar

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos Janelas. Versão 1.0 Janeiro de 2014

Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos Janelas. Versão 1.0 Janeiro de 2014 Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos Janelas Versão 1.0 Janeiro de 2014 Índice 1. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) 2. SEEP Janelas 3. Janelas Eficientes 4. Apoio ao consumidor

Leia mais

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA e DIRECTIVA ErP, PORQUÊ? Travar a mudança climática, garantir o abastecimento de energia e aumentar a competitividade industrial

Leia mais

Etiquetagem energética de janelas

Etiquetagem energética de janelas Etiquetagem energética de janelas Apresentação sumária Outubro 2012 Razões para um sistema de etiquetagem Ferramenta de comunicação de simples compreensão e suporte à decisão a tomar; Potencia a escolha

Leia mais

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra Área de Prática - Imobiliário Julho 2009 Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra A Lei n.º 31/2009, de 03.07.,

Leia mais

GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apadrinhamento Civil Crianças

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 436 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 436 30 de Novembro de 2009 Página 2 de 7 ÍNDICE Registo das revisões... 3 1. Objectivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 4. Classificação...

Leia mais

F 40 F 40. O sistema F 40 permite a colocação de vidros entre 4 e 34 mm com a colocação de vedantes em E.P.D.M. 3mm int. + 3mm ext.

F 40 F 40. O sistema F 40 permite a colocação de vidros entre 4 e 34 mm com a colocação de vedantes em E.P.D.M. 3mm int. + 3mm ext. DESCRIÇÃO TÉCNICA SISTEMA ALUMÍNIO extrudidos em liga AA6063 (AlMgSi 0,5) de acordo com a norma UNE 38337; Estado de fornecimento T5; Tolerâncias em dimensões e espessuras de acordo com a norma UNE 38066.

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Fachadas energeticamente eficientes: contribuição dos ETICS/Argamassas Térmicas Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Oradora: Vera Silva Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas

Leia mais

Guia de Abertura de um Restaurante em Portugal Zeta Advisors

Guia de Abertura de um Restaurante em Portugal Zeta Advisors Guia de Abertura de um Restaurante em Portugal Zeta Advisors 1 The way to get started is to quit talking and begin doing. Walt Disney Company ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Licenciamento e Legislação...

Leia mais

Garantir os mais altos níveis de protecção para as crianças. Comissão Europeia Empresas e Indústria

Garantir os mais altos níveis de protecção para as crianças. Comissão Europeia Empresas e Indústria SEGURANÇA DOS BRINQUEDOS Garantir os mais altos níveis de protecção para as crianças Comissão Europeia Empresas e Indústria Fotolia Orange Tuesday Existem cerca de 80 milhões de crianças menores de 14

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

KÖMMERLINGR. Número 1 em Europa em Perfis de PVC. Técnica e Estética

KÖMMERLINGR. Número 1 em Europa em Perfis de PVC. Técnica e Estética KÖMMERLINGR Número 1 em Europa em Perfis de PVC Técnica e Estética 3 1 2 O que há no interior de uma janela fabricada com perfis Eurofutur? O VIDRO [1] As propriedades isolantes da janela dependem muito

Leia mais

Princalculo Contabilidade e Gestão

Princalculo Contabilidade e Gestão COMUNICAÇÃO EXTERNA Junho/2013 REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO A obrigação é a partir de quando? 1 de Julho de 2013 Quem está obrigado? Os que no ano anterior tiveram um volume de negócios superior a 100.000

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Sistema EC VEKASLIDE CONFORTO SEM LIMITES. Benefícios técnicos do sistema. Com VEKASLIDE aproxime a natureza á sua casa.

Sistema EC VEKASLIDE CONFORTO SEM LIMITES. Benefícios técnicos do sistema. Com VEKASLIDE aproxime a natureza á sua casa. De vekaslide convence cada pormenor. n Envidraçamento até 4 mm, permitindo duplos e triplos envidraçamentos. n O especial desenho da junta teflonada permite um deslizamento suave e silencioso da folha

Leia mais

AVANTIS 95 Janelas e portas passivas

AVANTIS 95 Janelas e portas passivas AVANTIS 95 Janelas e portas passivas www.sapabuildingsystem.pt 1 2 www.sapabuildingsystem.pt JANELAS PASSIVAS Com a nova janela Avantis 95, baseada no conceito casa passiva, os benefícios do alumínio são

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL SOLUÇÕES EFICIENTES HOJE, A NOSSA RIQUEZA DE AMANHÃ www.construcaosustentavel.pt ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA Apoio: AS CIDADES SÃO O NOSSO DESAFIO 50% da população

Leia mais

ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS. Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575

ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS. Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575 ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575 Em julho de 2013 entrou definitivamente em vigor a NBR 15.575, a norma de desempenho de

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 09 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. IPT CENTRO TECNOLÓGICO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO - CETAC

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

PORTAS CORREDORAS ELEVÁVEIS REHAU BRILLANT-DESIGN PARA CRIAR LUGARES CHEIOS DE LUZ. Automóvel Indústria

PORTAS CORREDORAS ELEVÁVEIS REHAU BRILLANT-DESIGN PARA CRIAR LUGARES CHEIOS DE LUZ. Automóvel Indústria PORTAS CORREDORAS ELEVÁVEIS REHAU BRILLANT-DESIGN PARA CRIAR LUGARES CHEIOS DE LUZ www.rehau.com Construção Automóvel Indústria AMBIENTES LUMINOSOS PORTAS CORREDORAS ELEVÁVEIS DO SISTEMA REHAU BRILLANT

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

Procedimento de Aprovação & Recepção

Procedimento de Aprovação & Recepção Page No.: 1 of 6 1 Norma de Referência Permeabilidade ao Ar GB / T 7106-2008: Gradientes e métodos de ensaio de permeabilidade ao ar, estanquidade, desempenho da resistência à força do vento em janelas

Leia mais

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar a instalação, a conversão e a reparação de aparelhos de queima de gás e executar soldaduras

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

A comunicação da declaração do fabricante no âmbito do Regulamento dos Produtos da Construção

A comunicação da declaração do fabricante no âmbito do Regulamento dos Produtos da Construção A comunicação da declaração do fabricante no âmbito do Regulamento dos Produtos da Construção Marta Ferreira USGM Sistemas de Gestão e Melhoria 18-04-2013 1 Regulamento Directiva (UE) nº 89/106/CEE 305/2011

Leia mais

Thermowin, Lda. Thermowin portas e janelas) FeBa FeBa Thermowin

Thermowin, Lda. Thermowin portas e janelas) FeBa FeBa Thermowin Quem somos? Thermowin, Lda., fundada em Maio de 2010 por Vitor Soares e Paulo Salvador, com sede em Trancoso e escritório de representação em Lisboa, conta com uma equipa qualificada, com formação e experiência

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

Sistema softline Dupla Junta 70 mm

Sistema softline Dupla Junta 70 mm Sistema softline Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70 Sl/DJ-70 Secção lateral Sistema de perfis de desenho suave e arestas arredondadas para janelas e portas de sacada de batente ou oscilobatentes de 70 mm de profundidade

Leia mais

Sistema de Correr Série Corte Térmico. Série 8000

Sistema de Correr Série Corte Térmico. Série 8000 Série 8000 Sistema de Correr Série Corte Térmico 2014 Série Fria. Sistema de correr de corte perimetral. Os vidros são aplicados em perfis de caixa directa. Vedantes em EPDM. Kit s até 150 Kg por folha.

Leia mais

FERRAGENS DE MANOBRA Seleccionadas em função da tipologia construtiva, dimensão e peso da folha móvel.

FERRAGENS DE MANOBRA Seleccionadas em função da tipologia construtiva, dimensão e peso da folha móvel. SISTEMA A.00 SISTEMA A.00CARACTERIZAÇÃO Sistema de batente com vedação central e câmara europeia para as ferragens. Permite a construção de caixilhos de abrir, com uma ou várias folhas móveis, assim como

Leia mais

SÉRIE DE CORRER B055 (RPT) EXTRUSAL

SÉRIE DE CORRER B055 (RPT) EXTRUSAL B055 SÉRIE DE CORRER B055 (RPT) EXTRUSAL SISTEMA DE PERFIS DE ALUMÍNIO TERMICAMENTE MELHORADOS Instruções de manutenção e limpeza SÉRIE DE CORRER B055 (RPT) EXTRUSAL Instruções de manutenção e limpeza

Leia mais

EN 13795. Contributo. A elaboração da Norma A situação actual Estrutura e Objectivos EN 13795 e as suas partes constituintes EN13795 FAPOMED SA 2

EN 13795. Contributo. A elaboração da Norma A situação actual Estrutura e Objectivos EN 13795 e as suas partes constituintes EN13795 FAPOMED SA 2 EN 13795 Campos cirúrgicos, batas cirúrgicas e fatos de ambiente controlado, classificados como dispositivos médicos para doentes profissionais de saúde e equipamentos EN 13795 Contributo A elaboração

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Fonte: ADENE O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do

Leia mais

>>>>> Líder em Renovação

>>>>> Líder em Renovação >>>>> CONFORTO. SEGURANÇA. ISOLAMENTO ACÚSTICO. ISOLAMENTO TÉRMICO Líder em Renovação Serviço Global A DELEME COMERCIAL presta um Serviço Global aos seus clientes. Desde o primeiro contacto, até à conclusão

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Questões mais frequentes FAQs Maio/2012 Versão 2.0 DDO É obrigatório adoptar o novo formato para envio da informação de Folhas de Férias estabelecido na legislação em vigor

Leia mais

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares.

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares. Guia para Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares ET 08/2010 V. 2013 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil, Materiais de Construção I 3º Ano 1º Relatório INDÍCE

Departamento de Engenharia Civil, Materiais de Construção I 3º Ano 1º Relatório INDÍCE INDÍCE 1- Introdução/ Objectivos... 2- Análise Granulométrica... 2.1- Introdução e descrição dos ensaios... 2.2- Cálculos efectuados, resultados encontrados e observações... 2.3- Conclusão... 3- Ensaio

Leia mais