Caso de uma Central de distribuição

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caso de uma Central de distribuição"

Transcrição

1 Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA FORMAÇÃO DE CUSTOS E PREÇOS DE VENDA Caso de uma Central de distribuição Cadastros II Injeção de plásticos Netz Soluções Industriais Apostila_02 (11) / Emitida em 25/07/12 Revisada em 03/02/15

2 ÍNDICE 1) Relação dos cadastros 3 1.1) Cadastro de produtos 4 1.2) Cadastro de ferramentas 9 1.3) Cadastro de tempos padrões e custos unitários ) Cadastro de processo produtivo ) Cadastro de estrutura comum do produto ) Cadastro de estrutura diferenciada do produto ) Cadastro de estruturas comum e diferenciada do produto ) Cadastro de destinos ) Cadastro de valores de custo e venda 55 2

3 1) Relação dos cadastros Os seguintes cadastros são aqui abordados: Cadastros 02. Engenharia do produto 01. Produtos 02. Ferramentas 03. Tempos padrões e custos unitários 04. Processo produtivo 05. Estrutura comum do produto 06. Estrutura diferenciada do produto 07. Estruturas comum e diferenciada do produto 08. Destinos 09. Valores de custo e venda 3

4 1.1) Cadastro de produtos a) Funcionalidades Definir os produtos participantes de todos os processos produtivos, quer sejam produtos acabados ou em processo, bem como seus parâmetros. A cada um dos produtos são associados: Código, Código interno, Descrição. Percentual de refugo, Dimensão bruta, Unidade dimensional da dimensão bruta, Dimensão líquida, Unidade dimensional da dimensão líquida, Embalagem, Unidade dimensional, Lote econômico, Estoque mínimo, Estoque, Reservado, Código EAN 8, Código EAN 13 e Observação. b) Acesso Menu Cadastros, 02. Engenharia do produto e 01. Produtos. 4

5 c) Tela para geração de dados d) Campos Produto identifica o código do produto campo chave alfanumérico de 12 posições preenchimento obrigatório, Código interno identifica o código interno do produto campo alfanumérico de 22 posições preenchimento não obrigatório, Descrição identifica o descritivo do produto campo alfanumérico de 40 posições preenchimento obrigatório, Refugo (%) identifica o percentual estimado de refugo do produto campo numérico de 5 posições com 1 decimal preenchimento não obrigatório varia de 0 a 99.9, Dim. bruta identifica a dimensão bruta do produto campo numérico de 13 posições com 6 decimais preenchimento não obrigatório não pode ser negativo, Unid. bruta identifica a unidade dimensional associada a dimensão bruta do produto campo 5

6 alfanumérico de 4 posições preenchimento obrigatório, Dim. líquida identifica a dimensão líquida do produto campo numérico de 13 posições com 6 decimais preenchimento não obrigatório não pode ser negativo, Unid. líquida identifica a unidade dimensional associada a dimensão líquida do produto campo alfanumérico de 4 posições preenchimento obrigatório, Embalagem identifica a forma de acondicionamento do produto campo alfanumérico de 25 posições preenchimento não obrigatório, Unidade identifica a unidade dimensional associada ao produto campo alfanumérico de 4 posições preenchimento obrigatório, Lote econômico identifica o menor volume que pode ser produzido do produto e que é economicamente viável campo numérico de 7 posições preenchimento obrigatório obrigatoriamente maior que 1, Estoque mínimo identifica o menor volume que deve ser mantido do produto em estoque campo numérico de 10 posições preenchimento não obrigatório não pode ser negativo, Estoque identifica o volume do produto em estoque campo numérico de 10 posições preenchimento não obrigatório não pode ser negativo, Reservado identifica o volume do produto compromissado a ser entregue ao cliente, quando este for um produto acabado ou a abastecer seu produto-pai, quando for o caso deste ser um produto em processo campo numérico de 10 posições preenchimento não obrigatório não pode ser negativo, Código EAN 8 identifica o código EAN 8 que pode ser associado ao produto campo numérico de 4 6

7 posições preenchimento não obrigatório não pode ser negativo, Código EAN 13 identifica o código EAN 13 que pode ser associado ao produto campo numérico de 6 posições preenchimento não obrigatório não pode ser negativo e Observação identifica uma eventual nota que se deseje associar ao produto campo alfanumérico de 31 posições preenchimento não obrigatório. 7

8 e) Relatório 8

9 1.2) Cadastro de ferramentas a) Funcionalidades Definir as eventuais ferramentas que participam da manufatura do produto, quer seja ele um produto acabado ou em processo, bem como seus parâmetros; um produto pode conter uma, várias ou nenhuma ferramenta. A cada uma das ferramentas são associadas: Código do produto, Código da ferramenta, Número total de cavidades, Número de cavidades fechadas, Eixos X, Y e Z do local de armazenamento da ferramenta, Identificar o código da ferramenta junto ao coletor de dados e Identificar se a ferramenta possui ou não postiço para o produto. b) Acesso Menu Cadastros, 02. Engenharia do produto e 02. Ferramentas. 9

10 c) Tela para geração de dados d) Campos Produto identifica o código do produto campo chave alfanumérico de 12 posições preenchimento obrigatório, Ferramenta identifica o código da ferramenta campo alfanumérico de 15 posições preenchimento obrigatório, Descrição identifica o descritivo da ferramenta campo alfanumérico de 30 posições preenchimento obrigatório, Cavidades identifica o número total de cavidades da ferramenta campo numérico de 9 posições com 4 decimais preenchimento obrigatório varia de 1 a 9999, Cavidades fechadas identifica o número de cavidades fechadas da ferramenta campo numérico de 9 posições com 4 decimais preenchimento obrigatório varia de 0 ao número total de cavidades, a menos de 1, Armazenamento identifica os eixos X, Y e Z do local de armazenamento da ferramenta campo 10

11 alfanumérico de 6 posições preenchimento não obrigatório, Coletor identifica o código da ferramenta junto ao sistema de coleta automática de dados campo numérico de 4 posições preenchimento obrigatório não pode ser negativo e Postiço identifica se a ferramenta possui ou não postiço para o produto. 11

12 e) Relatório 12

13 1.3) Cadastro de tempos padrões e custos unitários a) Funcionalidades Definir para cada um dos produtos, quer acabados ou em processo, quais são as máquinas e ferramentas que se encontram habilitadas a produzir cada um deles, bem como os parâmetros a eles associados. A cada conjunto formado pelo produto/ferramenta/máquina são associados: Código do produto, Código da ferramenta, Código da máquina, Tempo de habilitação da máquina, Tempo de habilitação parcial da máquina, Tempo padrão de produção, Tempo de desabilitação da máquina, Custo de habilitação da máquina, Custo do padrão de produção, Custo de desabilitação da máquina, Recurso utilizado para operar a máquina, no caso mão de obra, Quantidade de homens para operar a máquina, Produtividade corrente, Margem de tolerância que possibilita condições de calcular o máximo ciclo permitido, a partir do qual a máquina é considerada parada (a ser utilizado pelo sistema de coleta automática de dados) e Corte de alimentação (número de unidades que dá para produzir com a quantidade residente de material na máquina e que complementa o lote a ser fabricado, caso a alimentação de material venha a ser interrompida), a ser utilizado pelo sistema de coleta automática de dados. 13

14 b) Pré-requisitos Para geração deste cadastro, fazem-se necessários os cadastros abaixo, os quais serão tratados adiante: Unidades de recursos e Recursos. c) Acesso Menu Cadastros, 02. Engenharia do produto e 03. Tempos padrões e custos unitários. d) Tela para geração de dados e) Campos Produto identifica o código do produto campo chave alfanumérico de 12 posições preenchimento obrigatório, Ferramenta identifica o código da ferramenta campo chave alfanumérico de 15 posições preenchimento não obrigatório, 14

15 Máquina identifica o código da máquina ou equipamento campo chave alfanumérico de 15 posições preenchimento obrigatório, Tempo habilitação identifica o tempo de habilitação da máquina campo numérico de 4 posições preenchimento não obrigatório não pode ser negativo unidade dimensional dada em minutos, Tempo habilitação parcial identifica o tempo de habilitação parcial da máquina campo numérico de 4 posições preenchimento não obrigatório não pode ser negativo unidade dimensional dada em minutos, Tempo padrão identifica o tempo de produção de uma unidade do produto, ou seja, é o quociente entre o tempo de ciclo da máquina e o número de cavidades abertas do molde campo numérico de 8 posições com 2 decimais preenchimento obrigatório tem que ser maior ou igual a 0,01 unidade dimensional dada em segundos, Tempo desabilitação identifica o tempo de desabilitação da máquina campo numérico de 4 posições preenchimento não obrigatório não pode ser negativo unidade dimensional dada em minutos, Custo habilitação identifica o custo unitário de habilitação da máquina campo numérico de 10 posições com 4 decimais preenchimento não obrigatório não pode ser negativo unidade dimensional dada em $/minuto digitação não necessária, visto que o usuário pode importar do Cadastro de custos de máquinas e equipamentos, Custo padrão identifica o custo unitário de produção da máquina campo numérico de 10 posições com 4 decimais preenchimento não obrigatório não pode ser negativo unidade dimensional dada em $/segundo digitação não necessária, visto que o usuário pode importar do Cadastro de custos de máquinas e equipamentos, Custo desabilitação identifica o custo unitário de desabilitação da máquina campo numérico de 10 15

16 posições com 4 decimais preenchimento não obrigatório não pode ser negativo unidade dimensional dada em $/minuto digitação não necessária, visto que o usuário pode importar do Cadastro de custos de máquinas e equipamentos, Recurso identifica o recurso utilizado para operar a máquina, no caso de mão de obra campo alfanumérico de 15 posições preenchimento obrigatório, Quantidade identifica a quantidade de homens para operar a máquina campo numérico de 9 posições com 4 decimais preenchimento não obrigatório não pode ser negativo, Produtividade corrente identifica o percentual da produtividade corrente campo numérico de 6 posições com 2 decimais preenchimento obrigatório varia de 0,01 a 100,00, Margem de tolerância identifica a margem de tolerância que possibilita calcular o máximo ciclo permitido, a partir do qual a máquina é considerada parada (a ser utilizado pelo sistema de coleta automática de dados) campo numérico de 3 posições preenchimento não obrigatório varia de 0 a 999 e Corte de alimentação identifica o número de unidades que dá para produzir com a quantidade residente de material na máquina, caso sua alimentação venha a ser interrompida (a ser utilizado pelo sistema de coleta automática de dados) campo numérico de 4 posições preenchimento não obrigatório não pode ser negativo. 16

17 f) Relatório 17

18 1.4) Cadastro do processo produtivo a) Funcionalidades A exemplo do que já foi previamente explanado no item 1.2 da apostila Cadastros I Injeção de plásticos, foi lembrado que a função básica do presente cadastro é a de estabelecer a seqüência das operações envolvidas no processo produtivo do produto. Os seguintes procedimentos e cuidados devem ser tomados, tomando-se como referência a próxima ilustração: Cada retângulo identifica uma operação fabril, Evitar os extremos, ou seja, o processo produtivo não deve ser detalhado em excesso e nem de forma muita sucinta, visto que as duas situações não criam condições para um bom planejamento, bem como para suas fases subseqüentes, O fluxo inicia da última operação fabril (montagem) e retroage em direção à primeira (injeção), Recomenda-se que as operações fabris venham a ser numeradas em ordem ascendente da última (montagem) em direção à primeira (injeção), As operações fabris devem ser numéricas e variarem de 01 a 99, Não é o caso do presente estudo, mas o código do produto em processo de uma dada operação pode ser formado pelo código do produto acabado, associado ao código da operação, intercalado por um sublinhado; neste caso, ao código do produto acabado não deve ser associado qualquer código de operação (de forma explícita), No canto interno inferior direito do retângulo da operação fabril identifica-se a relação de proporcionalidade, ou seja, o quanto que é necessário da operação em estudo, para formar uma unidade da operação subseqüente, por exemplo, das primeiras 18

19 das operações (injeção) são necessárias 1 peça de cada para montar um conjunto e Entre as operações é identificado o tempo de espera entre elas; por exemplo, a segunda das operações (montagem) pode iniciar simultaneamente com a primeira das operações (injeção), ou seja, o inicio da montagem ocorre com o último início de suas antecessoras. A cada um dos relacionamentos são associados: Seqüência, Conjunto, Sub-conjunto, Nível pai, Produto pai/filho, Operação, Relação de proporcionalidade, Tipo de dependência e Iniciar após. b) Acesso Menu Cadastros, 02. Engenharia do produto e 04. Processo produtivo. 19

20 c) Tela para geração de dados d) Campos Seqüência identifica o número seqüencial associado ao relacionamento; recomenda-se gravar o resultado da soma de 10 ao que é editado no campo Último número seqüencial utilizado. Devem ser obrigatoriamente gravados os relacionamentos, partindo-se do nível 0 e quando houver ramificações da estrutura, cadastrar completamente cada uma delas, para depois iniciar com as demais. Exemplificando, tem-se um conjunto A, dependente de 2 sub-conjuntos B e C, sendo que o primeiro tem 4 operações e o segundo 3 operações, ligados em série; a seqüência de cadastramento e a ordenação dos níveis seria então assim representada: Seqüência Nível 10 0 (Conjunto A) 20 1 (Sub-conjunto B)

21 (Sub-conjunto C) Em sendo necessário, inserir um relacionamento entre dois já existentes, numerar a seqüência deste com um valor intermediário entre os dois; por exemplo, tem-se os relacionamentos de seqüência 130 e 140 e para inserir aquele entre estes, numerar como 135 (o sistema renumera todos os relacionamentos, logo a seguir). Campo chave numérico de 10 posições preenchimento obrigatório, Conjunto identifica o código do conjunto cabeça da estrutura campo chave alfanumérico de 12 posições preenchimento obrigatório, Sub-conjunto identifica o código do sub-conjunto campo chave alfanumérico de 12 posições preenchimento obrigatório no caso em estudo, este campo está sendo preenchido com o código do conjunto, Nível identifica o nível do relacionamento campo alfanumérico de 3 posições, porém consistido para aceitar tão somente campos numéricos preenchimento obrigatório, Produto pai/filho identifica o código do produto associado diretamente ao relacionamento campo chave alfanumérico de 12 posições preenchimento obrigatório, Operação identifica o código da operação associado ao produto pai/filho campo chave alfanumérico de 2 posições preenchimento obrigatório, Relação de proporcionalidade identifica o quanto que é necessário da operação em estudo, para formar uma unidade da operação subseqüente campo numérico de 10 posições com 4 posições preenchimento não obrigatório para os 21

22 relacionamentos de nível 0, porém obrigatório para os demais não pode ser negativo, Tipo de dependência identifica o tipo de dependência que possibilite calcular o tempo de espera, que uma dada operação necessita aguardar para iniciar, após o início de sua(s) antecessora(s); este pode ser dado segundo a relação abaixo: 1 Percentual, 2 Unidades, 3 Minutos e 4 Horas. Campo alfanumérico de 1 posição preenchimento não obrigatório para os relacionamentos de nível 0, porém obrigatório para os demais e Iniciar após identifica o tempo de espera, que uma dada operação necessita aguardar para iniciar, após o início de sua(s) antecessora(s) - Campo numérico de 6 posições preenchimento não obrigatório para os relacionamentos de nível 0, porém obrigatório para os demais. 22

23 e) Relatório e.1) Cadastro do processo produtivo 23

24 e.2) Estrutura do processo produtivo 24

25 1.5) Cadastro de estrutura comum do produto a) Funcionalidades Qualificar e quantificar para cada um dos produtos, quer acabados ou em processo, os insumos de materiais que participam de cada um deles. Um produto pode ter uma única ou várias alternativas de estruturação de materiais; cada alternativa pode ter um ou mais componentes e por sua vez, um componente pode ter um ou vários fornecedores. Um componente pode ser caracterizado como tendo ou não restrições; a um componente sem restrições é permitido utilizar de quaisquer de seus fornecedores, ao passo que aquele com restrições, só pode contar com os fornecedores autorizados pelo usuário. Rotinas ainda a serem abordadas permitem a otimização da escolha do fornecedor, que apresentar a melhor avaliação, segundo parâmetros pré-estabelecidos pelo usuário, no caso de componentes sem restrições. A cada componente são associados: Identificação se ao componente foram associadas restrições ou não (trata-se de um componente com ou sem restrições). Produto, Alternativa, Grupo de material, Material, Fornecedor (necessário tão somente se o componente for com restrições), Componente, Quantidade, Tem ou não participação no refugo e É para ser contabilizado ou não. 25

26 b) Acesso Menu Cadastros, 02. Engenharia do produto e 05. Estrutura comum do produto. c) Tela para geração de dados c.1) Componente sem restrições 26

27 c.2) Componente com restrições d) Campos Componente com restrições? um componente pode ser caracterizado como tendo ou não restrições; um componente sem restrições pode utilizar de quaisquer de seus fornecedores, ao passo que aquele com restrições, só pode utilizar dos fornecedores autorizados pelo usuário preenchimento obrigatório só pode ser Sim ou Não, Produto identifica o código do produto campo chave alfanumérico de 12 posições preenchimento obrigatório, Alternativa identifica cada uma das estruturações associadas ao produto campo chave numérico de 2 posições preenchimento obrigatório não pode ser negativo e nem nulo, Grupo identifica o grupo ao qual o material a ser associado ao produto encontra-se cadastrado preenchimento obrigatório, Material identifica o material a ser associado ao produto campo chave numérico de 20 posições preenchimento obrigatório, 27

28 Código do fornecedor utilizado tão somente se for componente com restrições identifica o fornecedor do material campo chave numérico de 20 posições preenchimento não obrigatório, Componente identifica o número do componente a ser associado ao material no caso de um componente com restrições, podem existir mais de um fornecedor e em isso ocorrendo, deve ser associado um mesmo número de componente campo chave numérico de 3 posições preenchimento obrigatório não pode ser negativo e nem nulo, Quantidade identifica quantitativamente a participação do componente na alternativa de estruturação do produto campo numérico de 13 posições com 6 decimais preenchimento obrigatório não pode ser negativo e nem nulo, Participação no refugo identifica se o percentual de refugo estimado associado ao produto, deve ou não ser considerado nos cálculos envolvidos em uma série de rotinas, que mais adiante serão abordadas preenchimento obrigatório só pode ser Sim ou Não e Contabilizar identifica se o componente deve ou não participar da composição dos custos preenchimento obrigatório só pode ser Sim ou Não. 28

29 e) Relatório e.1) Estrutura de um componente sem restrições 29

30 e.2) Estrutura de um componente com restrições 30

31 1.6) Cadastro de estrutura diferenciada do produto a) Funcionalidades Os insumos comuns de materiais que participam da estruturação de um produto, quer acabado ou em processo, são definidos no cadastro anterior, ou seja, o da estrutura comum do produto. Porém, pode ocorrer que um mesmo produto venha a ser fornecido a vários clientes ou a um único cliente com diferentes pontos de entrega e independente da situação, receba, por exemplo, formas diferentes de acondicionamento do produto final, dependendo do destino a que deve ser encaminhado. Neste caso, utiliza-se do presente cadastro para informar, quais são os componentes diferenciados que devem ser associados ao produto, com um destino específico. No presente cadastro, um produto só deve ter uma única alternativa de estruturação de materiais, porém a esta é permitido ter um ou mais componentes e por sua vez, um componente pode ter um ou vários fornecedores. Um componente pode ser caracterizado como tendo ou não restrições; a um componente sem restrições é permitido utilizar de quaisquer de seus fornecedores, ao passo que aquele com restrições, só pode utilizar dos fornecedores autorizados pelo usuário. Rotinas ainda a serem abordadas permitem a otimização da escolha do fornecedor, que apresentar a melhor avaliação, segundo parâmetros pré-estabelecidos pelo usuário, no caso de componentes sem restrições. A cada componente são associados: 31

32 Identificação se ao componente foram associadas restrições ou não (trata-se de um componente com ou sem restrições). Produto acabado, Alternativa, Destino, Produto em que é aplicada a estrutura diferenciada de materiais pode ser o próprio produto acabado, Grupo de material, Material, Fornecedor (necessário tão somente se o componente for com restrições), Componente, Quantidade, Tem ou não participação no refugo e É para ser contabilizado ou não. b) Acesso Menu Cadastros, 02. Engenharia do produto e 06. Estrutura diferenciada do produto. 32

33 c) Tela para geração de dados c.1) Componente sem restrições c.2) Componente com restrições 33

34 d) Campos Componente com restrições? um componente pode ser caracterizado como tendo ou não restrições; um componente sem restrições pode utilizar de quaisquer de seus fornecedores, ao passo que aquele com restrições, só pode utilizar dos fornecedores autorizados pelo usuário preenchimento obrigatório só pode ser Sim ou Não, Produto-pai identifica o código do produto acabado campo chave alfanumérico de 12 posições preenchimento obrigatório, Alternativa identifica a única estruturação permitida ao produto é preenchido automaticamente 1 ao campo chave, Destino identifica o local de entrega do produto acabado, podendo ser uma cidade, portão, doca, etc. campo chave alfanumérico de 7 posições preenchimento obrigatório. Material aplicável em identifica o código do produto onde é aplicada a estrutura diferenciada de materiais campo chave alfanumérico de 12 posições preenchimento obrigatório - pode ser o próprio produto acabado, Grupo identifica o grupo ao qual o material a ser associado ao produto encontra-se cadastrado preenchimento obrigatório, Material identifica o material a ser associado ao produto campo chave numérico de 20 posições preenchimento obrigatório, Código do fornecedor utilizado tão somente se for componente com restrições identifica o fornecedor do material campo chave numérico de 20 posições preenchimento não obrigatório, Componente identifica o número do componente a ser associado ao material no caso de um componente com restrições, podem existir mais de um fornecedor e em isso ocorrendo, deve ser associado 34

35 um mesmo número de componente campo chave numérico de 3 posições preenchimento obrigatório não pode ser negativo e nem nulo, Quantidade identifica quantitativamente a participação do componente na alternativa de estruturação do produto campo numérico de 13 posições com 6 decimais preenchimento obrigatório não pode ser negativo e nem nulo, Participação no refugo identifica se o percentual de refugo estimado associado ao produto, deve ou não ser considerado nos cálculos envolvidos em uma série de rotinas, que mais adiante serão abordadas preenchimento obrigatório só pode ser Sim ou Não e Contabilizar identifica se o componente deve ou não participar da composição dos custos preenchimento obrigatório só pode ser Sim ou Não. 35

36 e) Relatório e.1) Estrutura de um componente sem restrições 36

37 e.2) Estrutura de um componente com restrições 37

38 1.7) Cadastro de estruturas comum e diferenciada do produto a) Funcionalidades Qualificar e quantificar as estruturas de materiais de um ou de vários produtos; no caso de um único produto, este pode ser identificado pelo usuário, porém no caso de vários, estes devem estar contidos no Cadastro da relação de produtos acabados, a ser tratado na apostila IV Injeção de plásticos. A utilização do destino é opcional e caso este não tenha sido identificado, será editada tão somente a estrutura comum e caso contrário, será editada a estrutura comum, a mais da diferenciada, desde que esta última exista. À rotina encontra-se incorporado o otimizador na escolha de materiais, sendo que este pode ser acionado de forma manual ou automática. Em sendo manual caberá ao usuário, escolher primeiramente a alternativa de cada produto participante do processo produtivo e posteriormente optar por um item de cada componente de cada uma das alternativas. No caso de se decidir pela escolha automática, o usuário deverá definir as prioridades a serem utilizadas na escolha dos materiais. Para qualificar e quantificar uma ou mais estruturas de materiais de um produto, fazem-se necessárias as seguintes informações: Produto No caso de um único produto, este pode ser identificado pelo usuário, porém no caso de vários, estes devem estar contidos no Cadastro da relação de produtos acabados, a ser tratado na apostila IV Injeção de plásticos campo alfanumérico de 12 posições preenchimento obrigatório, 38

39 Quantidade a estruturar identifica o número de unidades do produto, a partir do qual, devem ser qualificados e quantificados cada um dos componentes de suas estruturas campo numérico de 7 posições preenchimento obrigatório não pode ser negativo e nem nulo, Destino identifica o local de entrega do produto acabado, podendo ser uma cidade, portão, doca, etc. campo alfanumérico de 7 posições preenchimento não obrigatório e Escolha dos materiais identifica a forma em que esta deve ocorrer, podendo ser de forma manual ou automática. b) Acesso Menu Cadastros, 02. Engenharia do produto e 07. Estruturas comum e diferenciada do produto. 39

40 c) Estruturação dos materiais para um lote de 1000 unidades do produto CONJ_INJ_A com destino CDF_INJ, utilizando-se da escolha manual c.1) Seleção de um dos itens de cada componente de CONJ_INJ_A (estrutura comum) c.2) Seleção de um dos itens da alternativa escolhida de INJ_217 (estrutura comum) 40

41 c.3) Seleção de um dos itens de cada componente de INJ_217 (estrutura comum) c.4) Seleção de um dos itens da alternativa escolhida de INJ_218 (estrutura comum) 41

42 c.5) Seleção de um dos itens de cada componente de INJ_218 (estrutura comum) c.6) Seleção de um dos itens da alternativa escolhida de INJ_219 (estrutura comum) 42

43 c.7) Seleção de um dos itens de cada componente de CONJ_INJ_A (estrutura diferenciada) 43

44 c.8) Relatório 44

45 d) Estruturação dos materiais para um lote de 1000 unidades do produto CONJ_INJ_A com destino CDF_INJ, utilizando-se da escolha automática e das restrições menos adversas Conforme será mostrado quando da abordagem do simulador para formação dos custos e preços de venda, esta é a composição de materiais que apresenta menores custos, menores prazos de entrega e maiores índices de qualidade. d.1) Seleção das restrições menos adversas para a estruturação comum dos produtos 45

46 d.2) Seleção das restrições menos adversas para a estruturação diferenciada dos produtos 46

47 d.3) Relatório 47

48 e) Estruturação dos materiais para um lote de 1000 unidades do produto CONJ_INJ_A com destino CDF_INJ, utilizando-se da escolha automática e das restrições mais adversas Conforme será mostrado quando da abordagem do simulador para formação dos custos e preços de venda, esta é a composição de materiais que apresenta maiores custos, maiores prazos de entrega e menores índices de qualidade. e.1) Seleção das restrições mais adversas para a estruturação comum dos produtos 48

49 e.2) Seleção das restrições mais adversas para a estruturação diferenciada dos produtos 49

50 e.3) Relatório 50

51 1.8) Cadastro de destinos a) Funcionalidades Definir os destinos (normalmente são os locais de entrega, como cidade, portão, doca, etc.) para cada um dos clientes. Para cada um dos destinos são associados: Destino, Cliente, Fábrica e CNPJ. b) Acesso Menu Cadastros, 02. Engenharia do produto e 08. Destinos. 51

52 c) Tela para geração de dados d) Campos Um mesmo cliente pode ter tantos destinos quantos se fizerem necessários e para cada destino podem ser definidos diferentes locais de entrega (campo Fábrica). Um destino não é exclusivo do cliente e pode ser utilizado pelos demais. Destino identifica o local de entrega do produto acabado, podendo ser uma cidade, portão, doca, etc. campo chave alfanumérico de 7 posições preenchimento obrigatório, Cliente identifica o código do cliente campo alfanumérico de 20 posições preenchimento obrigatório, Fábrica pode vir a ser utilizado como um descritivo do destino ou uma complementação adicional de informações campo alfanumérico de 15 posições preenchimento obrigatório e CNPJ identifica o código do CNPJ do cliente campo alfanumérico de 14 posições preenchimento 52

53 obrigatório (atentar que é solicitado do usuário, a digitação das últimas 6 posições do campo, visto que as 8 primeiras são fixas e transcritas do CNPJ oriundo do Cadastro de clientes). 53

54 e) Relatório 54

55 1.9) Cadastro de valores de custo e venda a) Funcionalidades Definir os valores de custo e venda dos produtos acabados, bem como os percentuais dos impostos, encargos e afins, incidentes sobre estes. Para cada um dos produtos são associados: Produto, Cliente, Destino, Custo sem encargos, Percentual dos encargos, Custo com encargos, Valor de venda, Número do contrato, Revisão do contrato, Data de início do contrato, Data de término do contrato, Percentual do PIS, Percentual do COFINS, Percentual do CSSL, Percentual do imposto de renda, Percentual das despesas administrativas, Percentual das despesas comerciais, Percentual do transporte, Percentual da comissão de venda, Percentual do diversos e Percentual do lucro. b) Acesso Menu Cadastros, 02. Engenharia do produto e 09. Valores de custo e venda. 55

56 c) Tela para geração de dados d) Campos Produto - identifica o código do produto acabado campo chave alfanumérico de 12 posições preenchimento obrigatório, Cliente identifica o código do cliente campo chave alfanumérico de 20 posições preenchimento obrigatório, Destino identifica o local de entrega do produto acabado campo chave alfanumérico de 7 posições preenchimento obrigatório, Custo sem encargos quantifica o custo do produto sem quaisquer encargos campo numérico de 14 posições com 6 decimais preenchimento não obrigatório não pode ser negativo (*), Encargos (%) quantifica o percentual total dos encargos (impostos, despesas e afins) incidentes sobre o produto preenchimento não permitido ao usuário (*), Custo com encargos quantifica o custo do produto com todos os encargos (impostos, despesas e afins) 56

57 incidentes sobre o produto preenchimento não permitido ao usuário (*), Valor de venda quantifica o valor de venda do produto preenchimento não permitido ao usuário (*), (*) - Campos passíveis de serem informados de forma totalmente automática, quando da simulação da formação dos custos e preços de venda, a ser visto mais adiante. Número identifica o número do contrato mantido com o cliente campo alfanumérico de 15 posições preenchimento não obrigatório, Revisão identifica o número da revisão do contrato campo numérico de 3 posições não pode ser negativo preenchimento não obrigatório, Início identifica a data de início da vigência do contrato preenchimento não obrigatório, Término identifica a data de término da vigência do contrato preenchimento não obrigatório, PIS identifica o percentual da Contribuição para o programa de integração social incidente sobre o produto acabado campo numérico de 6 posições com 2 decimais não pode ser negativo preenchimento não obrigatório, COFINS identifica o percentual da Contribuição para o financiamento da seguridade social incidente sobre o produto acabado campo numérico de 6 posições com 2 decimais não pode ser negativo preenchimento não obrigatório, CSSL identifica o percentual da Contribuição social sobre o lucro líquido incidente sobre o produto acabado campo numérico de 6 posições com 2 decimais não pode ser negativo preenchimento não obrigatório, Imposto de renda identifica o percentual do Imposto de renda incidente sobre o produto acabado campo 57

58 numérico de 6 posições com 2 decimais não pode ser negativo preenchimento não obrigatório, Despesas administrativas identifica o percentual das Despesas administrativas incidente sobre o produto acabado campo numérico de 6 posições com 2 decimais não pode ser negativo preenchimento não obrigatório, Despesas comerciais identifica o percentual das Despesas comerciais incidente sobre o produto acabado campo numérico de 6 posições com 2 decimais não pode ser negativo preenchimento não obrigatório, Transporte identifica o percentual das despesas com Transporte incidente sobre o produto acabado campo numérico de 6 posições com 2 decimais não pode ser negativo preenchimento não obrigatório, Comissão de venda identifica o percentual da Comissão de venda incidente sobre o produto acabado campo numérico de 6 posições com 2 decimais não pode ser negativo preenchimento não obrigatório, Diversos identifica o percentual das despesas Diversas incidente sobre o produto acabado campo numérico de 6 posições com 2 decimais não pode ser negativo preenchimento não obrigatório e Lucro identifica o percentual do Lucro incidente sobre o produto acabado campo numérico de 6 posições com 2 decimais não pode ser negativo preenchimento não obrigatório. 58

59 e) Relatório e.1) Cadastro de valores de custo e venda 59

60 e.2) Percentuais dos impostos, despesas e afins 60

Caso de uma Central de distribuição. Seqüência de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Seqüência de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição

Caso de uma Central de distribuição Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Injeção de plásticos

Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Procedimentos para instalação

Procedimentos para instalação Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Simulação e Gerenciamento de Manufatura. Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado)

Simulação e Gerenciamento de Manufatura. Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado) Simulação e Gerenciamento de Manufatura Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado) Max-Prod Software importado Simulação e Otimização da Carga de Máquinas e Sequenciamento

Leia mais

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3 Max-Prod Resumo: O software possui três simuladores distintos, sendo que o presente descritivo enfoca o primeiro deles, no qual foram gerados

Leia mais

Otimização na carga de máquinas e sequenciamento de OP s

Otimização na carga de máquinas e sequenciamento de OP s Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NA CARGA DE MÁQUINAS E SEQUENCIAMENTO DE OP S OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital Página 1 de 15 Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital O cadastro de produtos permite organizar as informações relativas a produtos e serviços, como grupo, marca, peso, unidades e outros, que

Leia mais

Manual de Acesso e Utilização ao Safeweb enota NFSe

Manual de Acesso e Utilização ao Safeweb enota NFSe Manual de Acesso e Utilização ao Safeweb enota NFSe Safeweb enota NFSe Sistema de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Manual do Usuário - Versão 1.0.0 1. Sobre O enota NFSe é um sistema de emissão de Nota

Leia mais

SICLOM Estoque. 1 Estoque. Manual de utilização do menu de Estoque. Versão: 2013. SICLOM Operacional

SICLOM Estoque. 1 Estoque. Manual de utilização do menu de Estoque. Versão: 2013. SICLOM Operacional 1 Estoque SICLOM Estoque Manual de utilização do menu de Estoque SICLOM Operacional Versão: 2013 2 Estoque 3 Estoque Índice Estoque................... 5 Entrada...................... 5 Nova entrada..........................

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Movimentações de Estoque. 11.8x. março de 2015. Versão: 5.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Movimentações de Estoque. 11.8x. março de 2015. Versão: 5.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Movimentações de Estoque 11.8x março de 2015 Versão: 5.0 1 Sumário 1 Introdução... 3 2 Objetivos... 3 3 Movimentações de Estoque... 3 4 Parâmetros... 5 5 Cadastros...

Leia mais

Síntese de fluxo de máquinas e implementos

Síntese de fluxo de máquinas e implementos Síntese de fluxo de máquinas e implementos Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Objetivo... 3 Parâmetros para utilização do processo... 3 Cadastro

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Í n d i c e Julho, 2010 Introdução... 2 1. Acerto dos cadastros de Clientes e de Produtos... 4 1.1. Cadastros Básicos - Cadastro de Clientes... 4 1.2. Cadastros Básicos Cadastro

Leia mais

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 Sumário 1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 2. CENÁRIO... 3 2.1 Localização da Fábrica... 4 2.2 Produtos... 4 2.3 Demanda... 5 2.4 Eventos...

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN Guia de Capacitação Concessão de Cotas Financeiras Versão 1.0 outubro 2012 MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN MÓDULO: PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA INSTRUTOR: CARLOS ALBERTO PEREIRA LIMA COLABORADORES

Leia mais

ALMOXARIFADO 1. CONTROLE DE ACESSO AO SISTEMA 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA 3. MENUS DO SISTEMA 4. PADRÕES DE OPERAÇÃO 5.

ALMOXARIFADO 1. CONTROLE DE ACESSO AO SISTEMA 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA 3. MENUS DO SISTEMA 4. PADRÕES DE OPERAÇÃO 5. ALMOXARIFADO 1. CONTROLE DE ACESSO AO SISTEMA 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA 3. MENUS DO SISTEMA 4. PADRÕES DE OPERAÇÃO 5. MENU DE CADASTROS 1. FORNECEDORES 2. ELEMENTOS DE DESPESA 3. GRUPOS 4. PRODUTOS 5. ESTOQUE

Leia mais

MANUAL IMSLV - PETSHOP SGI L&V O SISTEMA

MANUAL IMSLV - PETSHOP SGI L&V O SISTEMA MANUAL IMSLV - PETSHOP SGI L&V O SISTEMA Este manual visa fornecer instruções detalhadas das telas e processos do sistema de gestão integrado L&V, incluindo os módulos Comercial, Estoque, Vendas e PetShop.

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Cadastro Empresa / Estabelecimento ----------------------------------- Pág. 05

SUMÁRIO. 1 Cadastro Empresa / Estabelecimento ----------------------------------- Pág. 05 1 Apresentação O presente manual tem o objetivo de apresentar o sistema Fortes Compras e Estoque, instruindo o usuário sobre as funcionalidades do sistema, seus benefícios e especificidades. Nele pode

Leia mais

NFe e NFCe Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE?

NFe e NFCe Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE? Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE? O que é a Nota Fiscal Eletrônica? Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) tem como intuito emitir e armazenar eletronicamente, para fins fiscais,

Leia mais

Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital

Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital Página 1 de 9 Este é um dos principais módulos do SIGLA Digital. Utilizado para dar entrada de produtos no estoque, essa ferramenta segue a seguinte

Leia mais

Manual Portal Empresário Lotérico

Manual Portal Empresário Lotérico Manual Portal Empresário Lotérico Versão 1.1 Brasília DF Sumário Introdução 3 Acesso 4 Tela de Boas Vindas 6 Menu Meus Dados Cadastrais 7 Tela Mudar a Senha 7 Menu Pedidos 8 Tela Portal de Rastreamento

Leia mais

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES? COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?! Qual a importância do orçamento de caixa?! Como os grandes orçamentos da empresa se inter-relacionam?! Quais as maneiras de

Leia mais

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS MANUAL DO PRESTADOR DE SERVIÇOS AMBULATORIAIS DE EMERGÊNCIA (FASCÍCULO DO PRONTO-SOCORRO E DO PRONTO ATENDIMENTO) VERSÃO I - 2013 ÍNDICE APRESENTAÇÃO

Leia mais

Sistema de Produção KJewel

Sistema de Produção KJewel Sistema de Produção KJewel O sistema de Produção do Kjewel foi inicialmente desenhado para atender as necessidades de uma indústria joalheira. Todavia, como as características da indústria de jóias são

Leia mais

Neste tópico, você aprenderá a criar facilmente um banco de dados para uma nova empresa e a definir configurações comuns de uma empresa no SAP

Neste tópico, você aprenderá a criar facilmente um banco de dados para uma nova empresa e a definir configurações comuns de uma empresa no SAP Neste tópico, você aprenderá a criar facilmente um banco de dados para uma nova empresa e a definir configurações comuns de uma empresa no SAP Business One, em apenas uma etapa usando um assistente guiado.

Leia mais

Sumário INSTALAÇÃO DO SIATRON CONDOMÍNIO ATIVAÇÃO DA LICENÇA PRESTADORES DE SERVIÇOS PARÂMETROS DO SISTEMA

Sumário INSTALAÇÃO DO SIATRON CONDOMÍNIO ATIVAÇÃO DA LICENÇA PRESTADORES DE SERVIÇOS PARÂMETROS DO SISTEMA Sumário INSTALAÇÃO DO SIATRON CONDOMÍNIO ATIVAÇÃO DA LICENÇA SIATRON SÍNDICO LOGIN NO SISTEMA FAMÍLIA MORADORES VEÍCULOS FUNÇÃO PÂNICO PRESTADORES DE SERVIÇOS PARÂMETROS DO SISTEMA CONFIGURAÇÕES ACORDA

Leia mais

Emissão: 16/09/2010 Revisão: 23/04/2015 Revisado por: Juliana PEDIDO DE VENDAS SHP. PPV0102 v. 3.2.7.39 Help Desk

Emissão: 16/09/2010 Revisão: 23/04/2015 Revisado por: Juliana PEDIDO DE VENDAS SHP. PPV0102 v. 3.2.7.39 Help Desk Emissão: 16/09/2010 Revisão: 23/04/2015 Revisado por: Juliana PEDIDO DE VENDAS SHP PPV0102 v. 3.2.7.39 Help Desk 1 Conteúdo Introdução:... 3 CAMINHO:... 4 Inclusão e inicio do PEDIDO DE VENDAS... 5 DETALHES

Leia mais

Roteiro de Cadastros - GESTOR

Roteiro de Cadastros - GESTOR Página1 INDICE 1. MODULO EMPRESA 1.1. CADASTRO DE USUARIO --------------------------------------------------------------------- 4 1.2. CADASTRO DA EMPRESA --------------------------------------------------------------------

Leia mais

II Torneio de Programação em LabVIEW

II Torneio de Programação em LabVIEW Desenvolvimento da Aplicação II Torneio de Programação em LabVIEW Seção I: Requisitos Gerais A aplicação submetida deverá atender, pelo menos, às exigências de funcionamento descritas na Seção II deste

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 1

2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 1 2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 1 2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Realizando Vendas no site do Cartão BNDES

Realizando Vendas no site do Cartão BNDES Realizando Vendas no site do Cartão BNDES Fornecedor Atualizado em 16/07/2013 Pág.: 1/23 Introdução Este manual destina-se a orientar os fornecedores que irão registrar as vendas no site do Cartão BNDES,

Leia mais

NOVO PROCESSO DE CENTRO DE CUSTO DO WINTHOR

NOVO PROCESSO DE CENTRO DE CUSTO DO WINTHOR NOVO PROCESSO DE CENTRO DE CUSTO DO WINTHOR Todos os direitos reservados. PC Sistemas 1.0 - Data: 28/08/2012 Página 1 de 47 Sumário Apresentação... 4 1. PROCEDIMENTOS INICIAIS... 5 1.1. Realizar Atualizações...

Leia mais

Movimentações de Estoque Versão de Sistema: 11.8.0.0 Setembro 2014 Versão do documento: 4.0

Movimentações de Estoque Versão de Sistema: 11.8.0.0 Setembro 2014 Versão do documento: 4.0 Movimentações de Estoque Versão de Sistema: 11.8.0.0 Setembro 2014 Versão do documento: 4.0 Índice Título do documento 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Movimentações de Estoque... 3 4. Parâmetros...

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE

ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE O principal objetivo do SICOM é exercer um controle concomitante dos atos e fatos realizados nas administrações públicas, criando condições para identificar de

Leia mais

Nota Fiscal de Serviço eletrônica NFSe. Manual de acesso e utilização do sistema

Nota Fiscal de Serviço eletrônica NFSe. Manual de acesso e utilização do sistema PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Nota Fiscal de Serviço eletrônica NFSe Manual de acesso e utilização do sistema Versão: 1.0.30 Maio/2011 SUMÁRIO 1. TELA INICIAL... 3 2. CADASTRO DO PRESTADOR... 4

Leia mais

MAPEAMENTO MANUAL DO USUÁRIO

MAPEAMENTO MANUAL DO USUÁRIO 2013 MAPEAMENTO MANUAL DO USUÁRIO Consultoria SI 20/8/2013 Sumário Apresentação...3 Requisitos para Utilização do Sistema...3 Campos Obrigatórios para Cadastro de Equipamentos/ Espaço Físico...3 Processo

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO 01.00

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO 01.00 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO 01.00 TÍTULO: Programação dos Medicamentos do Consórcio pelo município SEÇÃO: Farmácia do Município Nº do POP 01.00 Nº da Revisão 01 OBJETIVO: Este POP tem como objetivo

Leia mais

Prodata Informática LTDA Sistema Integrado de Gestão Pública Manual Requisição de Compras

Prodata Informática LTDA Sistema Integrado de Gestão Pública Manual Requisição de Compras MANUAL DE REQUISIÇÃO DE COMPRAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTAO PUBLICA PRODATA Teclas de Atalho Sistema WEB: F2 Salvar F8 Percorre próximo registro F7 Percorre registro anterior F9 Pesquisar SHIFT + DEL Excluir

Leia mais

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO 2012 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 PÓS MÉDIO 1 AULA 1 Verificação de Erros cometidos no Domínio Escrita Fiscal Para verificar o que já foi realizado no domínio escrita fiscal (e também

Leia mais

Ordens de Produção Vinculadas

Ordens de Produção Vinculadas Ordens de Produção Vinculadas DESENVOLVENDO SOLUÇÕES Autora: Laila M G Gechele Doc. Vrs. 02 Revisão: Marcelo Barby Aprovado em: Novembro de 2014. Nota de copyright Copyright 2014 Teorema Informática, Guarapuava.

Leia mais

Manual de Integração - E-Fiscal X Telecont

Manual de Integração - E-Fiscal X Telecont Atualizado em Maio/2008 Pág 1/36 Para integrar os dados do sistema Efiscal com o sistema Telecont, efetue os procedimentos abaixo: CADASTRO DE EMPRESAS ABA BÁSICO Acesse menu Arquivos Empresas Usuárias

Leia mais

Demonstrativo de Informações Previdenciárias e Repasses

Demonstrativo de Informações Previdenciárias e Repasses CADPREV CADPREV Ente Local Aplicativo Desktop Manual do Usuário Demonstrativo de Informações Previdenciárias e Repasses Data Publicação: 28/08/2013 1 de 21 Índice 1 Finalidade... 3 2 Visão Geral... 3 3

Leia mais

DECLARAÇÕES DE PRODUTO

DECLARAÇÕES DE PRODUTO CERTIFICADO DE ORIGEM ON LINE FIERGS MANUAL DE OPERAÇÕES DECLARAÇÕES DE PRODUTO Inovação tecnológica através do uso de Ferramenta de WEB para maximização da qualidade e eficiência no atendimento, com redução

Leia mais

Av. Padre Claret, 146 Conj. 503 Centro Esteio/ RS Fone/ Fax: (51) 3033-6663 www.maxce.com.br

Av. Padre Claret, 146 Conj. 503 Centro Esteio/ RS Fone/ Fax: (51) 3033-6663 www.maxce.com.br PARÂMETROS DE LANÇAMENTOS PARAMETRIZAÅÇO PARA O MÉDULO LANÅAMENTOS NO SISTEMA ARQUIVO > LANÅAMENTOS > PARÑMETROS E CONFIGURAÅÖES PREENCHIMENTO DAS GUIAS: 1. GUIA IMPOSTOS: a) Contas relacionadas à apuração

Leia mais

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS MANUAL DO PRESTADOR DE SERVIÇOS DE SADT ELETIVO (FASCÍCULO DO SADT ELETIVO) VERSÃO I - 2013 Instituto Curitiba de Saúde ICS - Plano Padrão ÍNDICE APRESENTAÇÃO

Leia mais

Manual do e-dimed 4.0

Manual do e-dimed 4.0 Manual do e-dimed 4.0 Instalação e Configuração - Módulo Cliente Após a instalação do e-dimed ser efetuada, clique no atalho criado no desktop do computador. Será exibida a janela abaixo: A instalação

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

COMO FAZER ENTRADA DE MATERIAL POR XML. Após abrir o sistema, localize o menu no canto superior esquerdo e clique em Movimentação > Entrada Material

COMO FAZER ENTRADA DE MATERIAL POR XML. Após abrir o sistema, localize o menu no canto superior esquerdo e clique em Movimentação > Entrada Material COMO FAZER ENTRADA DE MATERIAL POR XML Observação: O arquivo XML da nota fiscal deve estar salvo em seu computador. Se o seu fornecedor não enviou o arquivo por e-mail, você pode obter o arquivo pela internet,

Leia mais

Importa Danfe e Entrada de Mercadorias Como lançar nota de entrada manualmente SAT? COMO LANÇAR NOTA DE ENTRADA MANUALMENTE PELO SAT?

Importa Danfe e Entrada de Mercadorias Como lançar nota de entrada manualmente SAT? COMO LANÇAR NOTA DE ENTRADA MANUALMENTE PELO SAT? Como lançar nota de entrada manualmente SAT? COMO LANÇAR NOTA DE ENTRADA MANUALMENTE PELO SAT? Entrada de Mercadorias É a reprodução integral de todas as notas de entrada de mercadoria na empresa. A entrada

Leia mais

PASSO A PASSO SISTEMA DE REQUISIÇÃO ON-LINE

PASSO A PASSO SISTEMA DE REQUISIÇÃO ON-LINE PASSO A PASSO SISTEMA DE REQUISIÇÃO ON-LINE ABRIL, 2008 Atualizado em: 06/04/2008 17:24 1 Índice Acessando o sistema... 3 Efetuando login no sistema... 5 Página principal... 6 Criando a requisição... 7

Leia mais

E&L Nota Fiscal de Serviços Eletrônica. Manual do Ambiente do Prestador de Serviços do Município

E&L Nota Fiscal de Serviços Eletrônica. Manual do Ambiente do Prestador de Serviços do Município E&L Nota Fiscal de Serviços Eletrônica Manual do Ambiente do Prestador de Serviços do Município Após receber a confirmação de aceite do Credenciamento via e-mail já é possível efetuar o login no sistema

Leia mais

CARTA CIRCULAR N.º 252. Ref.: Trata da implantação do Sistema Integrado de Mercados SIM Módulo STN.

CARTA CIRCULAR N.º 252. Ref.: Trata da implantação do Sistema Integrado de Mercados SIM Módulo STN. CARTA CIRCULAR N.º 252 Aos Participantes de Todos os Sistemas Ref.: Trata da implantação do SIM Módulo STN. A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos - CETIP comunica que, no dia 28/02/2000,

Leia mais

ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO

ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Materiais e estoques ORÇAMENTO DE MATERIAIS E ESTOQUES É a segunda etapa do processo Orçamentário, é orçamentação dos gastos determinados pelos volume de produção pretendidos e os

Leia mais

P á g i n a 1. SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Manual Operacional

P á g i n a 1. SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Manual Operacional P á g i n a 1 SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras Manual Operacional P á g i n a 2 1 SUMÁRIO 2 Orientações gerais... 3 2.1 Perfis de acesso... 4 2.2 Para acessar todas as funcionalidades

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP Pouso Alegre MG 2013 SUMÁRIO 1. Introdução.... 6 2. Efetuar Entrada de Material.... 8 2.1. Entrada de Material por Compra.... 8 2.1.1. Cadastro de Empenho...

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e

MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e 130729 SUMÁRIO EMISSÃO DE NFS-E... 2 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA... 2 ACESSANDO O SISTEMA... 2 ACESSO AO SISTEMA... 3 SELEÇÃO DA EMPRESA... 4 CONFERÊNCIA DOS DADOS E EMISSÃO

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

Módulo Faturamento. Da prestação de serviço à remuneração dos médicos. www.centralxclinic.com.br. 1 Configuração do faturamento

Módulo Faturamento. Da prestação de serviço à remuneração dos médicos. www.centralxclinic.com.br. 1 Configuração do faturamento Centralx Clinic O ciclo de trabalho completo em um só sistema. Para ambientes de alta produtividade, do agendamento à consulta, do faturamento ao rateio entre prestadores de serviço, o Centralx Clinic

Leia mais

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS Sumário 1. Introdução... 2 2. Início Portal Coordenador... 2 2.1. Novos Pedidos... 2 2.2. Pendências... 3 2.3. Menu... 4 2.4. Sair... 4 3. Saldo de Projetos... 5 4. Extrato

Leia mais

Integração ADMRH com AGROSYS

Integração ADMRH com AGROSYS Treinamentos no produto AdmRH CGI - Consultoria Gaúcha de Informática Ltda - Divisão de treinamentos Guia do Aluno Versão 1.0 Integração ADMRH com AGROSYS Empresa: Participante: Data: Os produtos da CGI

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE INSERÇÃO PROJETO DE TUTORIA ACADÊMICA

MANUAL PRÁTICO DE INSERÇÃO PROJETO DE TUTORIA ACADÊMICA MANUAL PRÁTICO DE INSERÇÃO PROJETO DE TUTORIA ACADÊMICA 2014 ACESSO AO SISTEMA Após acessar o site da UNIPAR www.unipar.br, deve-se acessar o link Diretorias Ensino Superior, e no campo Programa de Tutoria

Leia mais

Manual de Integração Web Service. Prefeitura de Ituiutaba/MG

Manual de Integração Web Service. Prefeitura de Ituiutaba/MG Manual de Integração Web Service Prefeitura de Ituiutaba/MG 1. INTRODUÇÃO Este manual tem como objetivo apresentar as especificações e critérios técnicos necessários para utilização do Web Service disponibilizado

Leia mais

Tutorial Rotinas de Custos

Tutorial Rotinas de Custos Tutorial Rotinas de Custos Tela de Parâmetros (Cadastro de Parâmetros) Linha 20 autoriza o sistema a atualizar os Valores de Custos e Médios através do lançamento de Notas Fiscais de Entrada. Linha 21

Leia mais

Sistema de Recolhimentos

Sistema de Recolhimentos Divisão de Arrecadação DIAR/CFI/PRAD Sistema de Recolhimentos Manual do Usuário Contribuinte NTI Núcleo de Tecnologia da Informação 1. Sistema de Recolhimentos A Guia de Recolhimentos da União, ou GRU,

Leia mais

E&L Compras, Licitações e Contratos. Perguntas Frequentes

E&L Compras, Licitações e Contratos. Perguntas Frequentes E&L Compras, Licitações e Contratos Perguntas Frequentes 1. Como consolidar itens na pesquisa de preço ou licitação? Os itens deveram ter o mesmo código, unidade e descrição. 2. É possível reutilizar os

Leia mais

SIGA Manual -1ª - Edição

SIGA Manual -1ª - Edição SIGA Manual -1ª - Edição ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. MÓDULO DE PROCESSOS 4 3. ACESSO AO SISTEMA 4 3.1 Acessando o Sistema 4 3.2 Primeiro Acesso 5 3.3 Login do Fornecedor 5 o Teclado Virtual 5 o Máquina Virtual

Leia mais

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1 Manual do Usuário Pré-Cadastro de Participantes 08.11.2004 Versão 1.1 Índice 1. Introdução ao Pré-Cadastro...3 1.1. Pré-Cadastro de pessoa Física...3 1.1.1. Termo...3 1.1.2. Dados de identificação...4

Leia mais

Esse produto é um produto composto e tem subprodutos

Esse produto é um produto composto e tem subprodutos Indústria - Cadastro de produtos O módulo indústria permite controlar a produção dos produtos fabricados pela empresa. É possível criar um produto final e definir as matérias-primas que fazem parte de

Leia mais

Índice. 1 / 56 Versão 2.1.98

Índice. 1 / 56 Versão 2.1.98 Índice CADASTROS...2 Cadastro de Fabricante... 2 Inclusão...3 Alteração...3 Exclusão...3 Cadastro de Unidades... 3 Inclusão...3 Alteração...4 Exclusão...4 Cadastro de Material... 4 Inclusão...4 Alteração...7

Leia mais

Freedom Software. Sistema de Representação. Freedom Software Sistema de Representação Página 1

Freedom Software. Sistema de Representação. Freedom Software Sistema de Representação Página 1 Freedom Software Sistema de Representação Freedom Software Sistema de Representação Página 1 FREEVENDMOBILE (Sistema de Vendas Mó vel) Sumário INSTALAÇÃO:... 3 O SISTEMA... 7 MENU E BARRAS DO SISTEMA...

Leia mais

Roteiro de geração do SPED

Roteiro de geração do SPED Roteiro de geração do SPED 1 Índice Introdução...3 Cadastro da Empresa...3 Histórico Padrão...4 Plano de Contas...4 Código de Aglutinação...5 Inserindo plano de contas de aglutinação de forma automática...5

Leia mais

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido)

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Parametrizar a empresa como Lucro Presumido. 1 - Regime de Competência Qual o Regime de apuração adotado? 2 - Regime de Caixa Qual será a forma

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Mês de Vigência Taxa de Juros 1º 0,65% a.m. 2º ao 12º 0,45% a.m.

CONDIÇÕES GERAIS. Mês de Vigência Taxa de Juros 1º 0,65% a.m. 2º ao 12º 0,45% a.m. PLIN FIDELIDADE MODALIDADE TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003764/2008-28 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS MANUAL DO PRESTADOR DE SERVIÇOS CONSULTÓRIOS/CLÍNICAS CREDENCIADAS PARA ATENDIMENTO ELETIVO (FASCÍCULO DO ATENDIMENTO ELETIVO) VERSÃO I - 2013 Instituto

Leia mais

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice I. Acesso ao Cadastro... 2 II. Seleção de Filtros... 3 III. Cadastro...

Leia mais

Título: Controle de Estoque (componente de especificação)

Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Palavras-chave: estoque, inventário, controle Autoria e data: Marcelo Pessôa 02 de junho de 2014 Versão: 1.0 Tecnologia: Independe de tecnologia

Leia mais

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Item MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Página 1.Apresentação... 4 2.Funcionamento Básico... 4 3.Instalando o MCS... 4, 5, 6 4.Utilizando o MCS Identificando

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Han12 FICHA TÉCNICA APRESENTAÇÃO

Han12 FICHA TÉCNICA APRESENTAÇÃO Han12 FICHA TÉCNICA APRESENTAÇÃO O Sistema Ficha Técnica (FT) é um software que tem por objetivo proporcionar a composição de custos de produto de forma simplificada, sem custos e manutenção. As tabelas

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB 0 Sumário Introdução... 2 Funcionalidades... 2 Requisitos Necessários... 2 Faturamento Web... 3 Faturamento Simplificado... 4 Faturamento Detalhado... 9 Faturamento

Leia mais

Cadastros Gerais Treinamento 1

Cadastros Gerais Treinamento 1 Cadastros Gerais Treinamento 1 O sistema JBI Loja possibilita controle completo da sua empresa. Abaixo segue a primeira fase dos cadastros iniciais do sistema. CADASTROS FORNECEDORES A tela de cadastro

Leia mais

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Produto : Logix, WMS, 12 Chamado : PCREQ-1926 Data da criação : 03/07/2015 Data da revisão : 24/07/15 País(es) : Todos Banco(s) de

Leia mais

Para acessar o edital de chamamento público e realizar o credenciamento no Plano SC Saúde, acesse o endereço scsaude.sea.sc.gov.br

Para acessar o edital de chamamento público e realizar o credenciamento no Plano SC Saúde, acesse o endereço scsaude.sea.sc.gov.br Para acessar o edital de chamamento público e realizar o credenciamento no Plano SC Saúde, acesse o endereço scsaude.sea.sc.gov.br Clique no centro da página onde consta o ícone "Prestador de serviço faça

Leia mais

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo em sua oficina. O sistema foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA E.R.P. BUSINESS MILLENNIUM SOFTWARE DE CONTROLE GERENCIAL E FINANCEIRO

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA E.R.P. BUSINESS MILLENNIUM SOFTWARE DE CONTROLE GERENCIAL E FINANCEIRO 1 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA E.R.P. BUSINESS MILLENNIUM SOFTWARE DE CONTROLE GERENCIAL E FINANCEIRO Versão Janeiro /2009 Nossa Missão: Inovar e Criar para superar as expectativas do nosso cliente, com

Leia mais

Cadastros. Cadastro do Emitente

Cadastros. Cadastro do Emitente Página1 Cadastros O sistema dispõe de algumas vantagens interessantes e importantes no processo de emissão da NF-e, como é o caso dos cadastros. A principal funcionalidade é auxiliar o usuário no preenchimento

Leia mais

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br GARANTIA ESTENDIDA RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de comércio e varejo.

Leia mais

ROTEIRO WEB AULA CONTROLLER NF-E

ROTEIRO WEB AULA CONTROLLER NF-E ROTEIRO WEB AULA CONTROLLER NF-E Nas páginas seguintes, você terá uma visão geral dos recursos disponíveis e das funções que o Controller Gold possui, facilitando o seu processo de venda e compra. Criando

Leia mais

AVISO: Os exemplos contidos no HELP ONLINE são meramente ilustrativos e têm como objetivo principal ensinar o usuário a utilizar o sistema.

AVISO: Os exemplos contidos no HELP ONLINE são meramente ilustrativos e têm como objetivo principal ensinar o usuário a utilizar o sistema. AVISO: Os exemplos contidos no HELP ONLINE são meramente ilustrativos e têm como objetivo principal ensinar o usuário a utilizar o sistema. Os casos não refletem casos reais e não devem ser utilizados

Leia mais

INSTRUÇÕES DO PORTAL PÓS-VENDAS MUELLER

INSTRUÇÕES DO PORTAL PÓS-VENDAS MUELLER INSTRUÇÕES DO PORTAL PÓS-VENDAS MUELLER O acesso ao Portal deve ser feito através do site da Mueller sendo www.mueller.ind.br. Logo abaixo, o posto deverá clicar no rodapé da página em Intranet/Extranet.

Leia mais

Treinamento Módulo Contas a Pagar

Treinamento Módulo Contas a Pagar Contas a Pagar Todas as telas de cadastro também são telas de consultas futuras, portanto sempre que alterar alguma informação clique em Gravar ou pressione F2. Teclas de atalho: Tecla F2 Gravar Tecla

Leia mais

Passos básicos para utilização de Nota Fiscal Eletrônica (NF-E)

Passos básicos para utilização de Nota Fiscal Eletrônica (NF-E) Conteúdo Solicitação de Autorização...2 Numeração da NF-E...3 Emissão de NF-E...3 Pesquisa de NF-E emitida...5 Cancelamento de NF-E emitida...5 Carta de Correção...6 Envio de Arquivo de RPS...6 Número

Leia mais

NOVA ROTINA DE INVENTÁRIO FÍSICO

NOVA ROTINA DE INVENTÁRIO FÍSICO NOVA ROTINA DE INVENTÁRIO FÍSICO O Siagri Agribusiness já tinha uma rotina para realizar Contagem e Inventário Físico (Balanço de Estoque Físico). Porém, a rotina não atendia com eficiência as empresas

Leia mais