A SPTrans apresenta: CRONOLOGIA DO TRANSPORTE COLETIVO EM SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SPTrans apresenta: CRONOLOGIA DO TRANSPORTE COLETIVO EM SÃO PAULO"

Transcrição

1 A SPTrans apresenta: CRONOLOGIA DO TRANSPORTE COLETIVO EM SÃO PAULO

2 A história dos transportes coetivos em São Pauo tem registro a partir de Naquea época eram poucos os bairros e a concentração popuaciona estava nas ruas Direita, do Rosário e São Bento, oca onde residiam as famíias de posse. Os bairros como Brás, Santo Amaro e Penha estavam começando e para chegar até ees era preciso augar um carro de boi. Não existia tabea ou cácuo para estabeecer os preços das viagens. Mas em agosto daquee ano, um itaiano, Donato Severino, pubicou em jorna uma tabea de preços para carros de augue, estabeecendo vaor por hora ou para ocais conhecidos. Começava então o transporte púbico tabeado Reguamentação dos Serviços de Tíburis Fundação da Companhia de São Pauo Início da operação dos bondes com tração anima Foi construída a inha de bondes com início na rua da Liberdade, igando a Capita à Via de Santo Amaro. Com o passar do tempo o serviço de transporte ganhou notoriedade e passou a ser considerado cada vez mais necessário. Em 1889, foi fundada a Companhia Viação Pauista. A igação com os bairros novos, a disponibiidade de carros nas estações de trem e o serviço especia para teatro, festas e eventos, preenchiam as necessidades da popuação. A ampiação dos serviços exigiu outras providencias e em 1893, foi reguamentada a emissão de passes peo poder púbico, unificando os passes utiizados pea Companhia Carris e Viação Pauista.

3 Antônio Guacho, vindo do Canadá e o Comendador Antônio Augusto de Souza iniciaram entendimentos para formar uma empresa para a exporação de serviço de transporte por eetricidade A Câmara Municipa iberou a concessão de operação dos serviços por 40 anos. Peo acordo, Antônio Guacho e o Comendador deveriam construir em dois anos a igação Centro da cidade/bairro da Penha. Guacho retornou ao Canadá e conseguiu investidores para o projeto Os investidores fundaram, no Canadá, a The São Pauo Raiway, Light & Power Company Ltda. No mesmo ano a empresa conseguiu autorização para atuar no Brasi. A cidade ganhou a primeira inha de bonde eétrico em Ea partia do Largo São Bento, seguia peas ruas Líbero Badaró e São João em direção à Barra Funda, operada pea Companhia Carris de Ferro de São Pauo, inaugurada pea Light. Depois, em eião, as empresas Carris e Viação Pauista passaram para a Light. A capita ganhou destaque de centro urbano e, em 1926, 50 ônibus Yeow Coach importados da Europa operavam as inhas circuares até A Light apresentou um pano de integração dos transportes incuindo um sistema metroviário, mas a Prefeitura não aceitou e a concessão terminou em 1941.

4 O Prefeito Prestes Maia criou a CETS Comissão de Estudos de Transportes Coetivos do Município de São Pauo, com o objetivo de eaborar um programa para a administração municipa assumir o controe dos transporte púbicos O governo federa prorroga compusoriamente a concessão da Light para gerir os transportes púbicos O Prefeito Abrahão Ribeiro, por meio do Decreto Lei no. 365 de 10 de Outubro, determinou a constituição de uma empresa para prestar serviço de transportes coetivos por 30 anos - Companhia Municipa de Transportes Coetivos. São Pauo cresceu em importância e interesse comercia e, em 1947, os bondes ainda eram responsáveis peo transporte de 65% da popuação; os outros 35% ficam para os ônibus. A CMTC recebeu o patrimônio da Light reativo ao transporte coetivo e assumiu a frota de todas as 37 empresas particuares existentes e suas 90 inhas municipais de ônibus. Mas muitos carros não tinham condições de circuar e a situação se compicou ainda mais quando, um mês depois, a Companhia aumentou o vaor das tarifas. A popuação se revotou, aguns bondes e ônibus foram quebrados e a siga CMTC era conhecida como "Custa Mais Trinta Centavos". Durante anos, várias tentativas foram impantadas para sanar as fahas, mas muitas não deram o resutado esperado.

5 A CMTC impantou o sistema Tróebus, com 30 veícuos importados dos EUA e Ingaterra. Teve início a reforma dos carros da antiga Light Chegaram 200 ônibus Twin Coach, hidramáticos. Foram necessários dois anos de estudos técnicos para a adaptação destes veícuos às condições de tráfego da cidade Noventa por cento da frota é operada pea CMTC. Nos anos 50, o compexo industria da empresa reaizava reforma e encarroçamento de ônibus e bondes. A CMTC ganhou destaque e foi conhecida como uma das maiores empresas de ônibus municipais do mundo. Para suprir a fata de tecnoogia no setor, a empresa utiizava suas oficinas, com o objetivo de, em 75 dias, construir um bonde fechado. As peças eram todas nacionais e o custo três vezes inferior ao importado. Em 1958 a CMTC autoriza o serviço do Companhia particuares de ônibus e, em conjunto com a Viares e Massari, fabricou os primeiros Tróebus brasieiros. O sistema de bondes não atendia mais as necessidades dos pauistanos, então foi desativado em No início da década seguinte foi criada a Secretaria Municipa de Transportes e

6 O metrô começou a operar na cidade Por meio de Decreto Municipa a Capita foi dividida em 23 áreas atendidas por empresas contratadas pea CMTC que operava as inhas circuares e intersetoriais Foram construídos os terminais da Penha e Via Prudente, dando início ao sistema de transferência com Tróebus pea CMTC Começou a integração ônibus - ferrovia, entre os ônibus da CMTC e os trens metropoitanos da Fepasa Entrou em funcionamento a primeira inha operada a Gás Metano (inha CEASA-Lapa). Para preservar a história do transporte Coetivo e construir o passado com documentos, peças, bondes e ônibus, em Março de 1985, a CMTC inaugurou o primeiro Museu dos Transportes Púbicos de São Pauo. O projeto foi ideaizado peo funcionário Gaetano Feroa, que durante anos guardou em sua saa, nas oficinas da empresa, parte do acervo exposto. Muitas peças e veícuos foram restaurados sob orientação do Sr. Feroa, que desde a fundação gerenciou o Museu. Tanta dedicação foi reconhecida em Setembro de 1991, quando, um ano depois de sua morte, o oca mudou de nome e passou a ser: Museu dos Transportes Púbicos Gaetano Feroa.

7 A Prefeitura iniciou os estudos do Projeto de Municipaização dos transportes coetivos A CMTC começou os testes com as primeiras empresas municipaizadas Em 25 de juho foi assinada a Lei nº que oficiaiza a Municipaização dos transportes coetivos por ônibus. Foi aberta uma icitação para 42 otes operacionais. Aém de provocar fortes aterações no transporte coetivo oferecido à popuação, a CMTC deu um sato na quaificação de seus profissionais. A empresa construiu o Centro de Treinamento e Desenvovimento em Transportes do Município de São Pauo. No dia do aniversário da cidade 25 de janeiro de 1992, a popuação ganhou mi novos ônibus e a frota chegou a veícuos. E mais. Meses depois, o sistema tinha veícuos e desses eram da CMTC. Começou a circuar onze inhas de ônibus para pessoas portadoras de necessidades especiais com frota de 21 veícuos e em agosto entrou em operação o primeiro posto de abastecimento a gás natura excusivo para ônibus. Eram 70 veícuos a gás natura em cinco inhas. MUSEU DOS TRANSPORTES PÚBLICOS GAETANO FEROLLA SÃO PAULO TRANSPORTE S.A.

8 No fim de 1992, a CMTC era responsáve pea operação de 27% do serviço de transporte de passageiros; o restante era atendido por empresas contratadas. Pesquisas apresentavam resutados positivos na imagem da empresa púbica. Usuários habituais e popuação em gera atribuíram índices jamais acançados, na pesquisa de Imagem dos Transportes na Região Metropoitana, reaizada desde 1985, pea ANTP - Associação Naciona dos Transportes Púbicos. Em 1993, foi reveado que a máquina administrativa estava onerosa. Eram computados 10,31 funcionários para cada ônibus em operação, o dobro das empresas contratadas. Dificudades financeiras evavam à baixa produtividade, fata de recursos tecnoógicos, principamente na área de informática e até a probemas operacionais. Aém da necessidade de aporte financeiro para garantir a manutenção da CMTC operadora, o Sistema, também, exigia vaores cada vez mais atos dos cofres púbicos em forma de subsídio Início da Privatização da CMTC. Transferência de garagens e da frota O sistema passou para 47 empresas privadas. A SPTrans foi criada em 8 de março de 1995, em substituição à antiga CMTC. A empresa assumiu o panejamento e a programação de inhas e frota, fiscaização, arrecadação, contratação e remuneração das empresas operadoras. Respondeu, também, pea vistoria e fiscaização da frota de táxi, transporte escoar, carga e frete e moto-frete do município, aém de atuar no desenvovimento tecnoógico com estudos e pesquisas sobre novas modaidades de transporte, adaptação de combustíveis não pouentes e outros mecanismos para mehorar a quaidade de vida dos usuários.

9 A empresa iniciou o Programa de Impantação de Corredores e Terminais de Integração, com o objetivo de reverter o processo de decadência do sistema pauistano, que apresentava queda na veocidade comercia dos ônibus urbanos nas vias púbicas. Foram inaugurados os terminais João Dias, V.N. Cachoeirinha, Penha, Tiradentes, Capeinha, Princesa Isabe e reformados os terminais Pq. D. Pedro II e Bandeira. Para faciitar os desocamentos da popuação para todas as regiões com o pagamento de uma única tarifa foi criado o Serviço Circuar Centra, igação entre os três terminais no centro da cidade O Serviço ATENDE, transporte especia e gratuito para pessoas portadoras de deficiência física com ato grau de dependência foi instituído peo Decreto Municipa Início da construção da primeira inha do VLP- Veícuo Leve sobre Pneus, com trajeto de 8,5 km para igar o Sacomã ao Centro. Começou a impantação da Cobrança Automática de Tarifa e foram instaadas catracas eetrônicas em parte da frota da zona Su. Os passageiros utiizavam bihetes para pagamento da tarifa Aprovada a ei para reguamentação de otações. O processo de reguamentação não foi concuído e com a migração dos usuários para o serviço candestino, as empresas de ônibus perderam parte significativa do mercado. A fata de investimentos e de quaidade comprometeram ainda mais o transporte egaizado. As obras do VLP foram paraisadas e a veocidade comercia dos ônibus era cada vez menor.

10 A Secretaria Municipa de Transportes tem como proposta a prioridade para o transporte coetivo. Para tanto, aproximou os trabahos desenvovidos pea SPTrans e CET - Companhia de Engenharia de Tráfego e, o primeiro resutado foi a impantação da Operação Via Livre. O serviço ATENDE teve novo reguamento e aumentou de forma significativa o número de usuários. O projeto de Bihetagem Eetrônica ganhou força com o Bihete único/ Cartão do Idoso Especia. Também em 2001 teve início o processo de renovação da frota municipa.! O Projeto do VLP - Veícuo Leve sobre Pneus passou por revisão e o novo estudo foi encaminhado ao BNDES. A Câmara Municipa aprovou, por unanimidade, o Projeto de Lei para impantação do Novo Sistema de Transporte Coetivo em São Pauo Aprovado o financiamento para impantação dos corredores Pirituba, São João e Guarapiranga, e das primeira e segunda etapas da Linha 1 do VLP. Foram beneficiados também os programas de Bihetagem Eetrônica, modernização da rede de tróebus e desenvovimento tecnoógico A proposta do novo sistema de transporte estabeeceu a operação em redes: oca, estrutura e centra, contempando em um mesmo sistema operadores do serviço de otação, modaidade bairro a bairro e empresas de ônibus. Para participar do processo de icitação os condutores de otações formaram cooperativas de 1 ZONA NOROESTE 2 ZONA NORTE 3 ZONA NORDESTE transporte e sairam da candestinidade. A cidade foi dividida em oito áreas e cada uma deas ganhou uma cor, para identificar a frota, 8 ZONA OESTE 7 ZONA SUDOESTE 5 ZONA SUDESTE 4 ZONA LESTE terminais e estações de transferência, abrigos e pontos de parada. Em 17 de maio teve início a impantação da 1ª Interigado etapa do Novo Sistema de transporte do município. O 6 ZONA SUL Sistema Interigado chegou com uma proposta diferenciada de atendimento e para tornar o transporte cada vez mais cidadão, a SMT e SPTrans desenvoveram o Programa Permanente de Requaificação Profissiona para Operadores. A primeira fase do programa foi dirigida aos condutores das cooperativas.

11 ! A cidade ganha cinco Terminais de Ônibus: Pareheiros, Jardim Ângea, Lapa, Pirituba e Amara Gurge. Entrou em operação, também, o Corredor Pirituba/Lapa/Centro A Prefeitura de São Pauo promoveu o ançamento oficia do Bihete Único. Um cartão de pástico no tamanho de um cartão de crédito, denominado "cartão inteigente". Ee é dotado de chip processador e memória que recebe, armazena e transmite informações, com precisão e agiidade. O Bihete Único permite ao passageiro utiizar quantas conduções sejam necessárias para cumprir seu trajeto, dentro de um período de até duas horas, com o pagamento de apenas uma tarifa. Nesse mesmo ano foram inaugurados outros quatro Terminais de Ônibus: Varginha, Jardim Britânia, Guarapiranga e Grajaú, e mais sete corredores. São ees: Inajar de Souza, Rio Bonito, Rebouças/Consoação, Guarapiranga, Santo Amaro, Ibirapuera, 9 de juho.

12 INTEGRAÇÃO!! Em 8 de março a São Pauo Transporte competa dez anos. Para marcar a data é ançado um seo comemorativo. Exempos de integrações possíveis com o Bihete Único As administrações municipa e estadua intensificam estudos para viabiizar a integração tarifária entre as modaidades de transporte sobre pneus e trihos. A B * METRÔ E/OU CPTM B B A Em dezembro o Bihete Único é aceito nas estações da Linha - 2 do Metrô (Pauista) e Linha C da CPTM (Osasco/Jurubatuba). A * METRÔ E/OU CPTM B * METRÔ E/OU CPTM A * METRÔ E/OU CPTM *Metrô e CPTM ou CPTM e Metrô apenas nas Estações onde há integração física Por R$ 3,00 o usuário tem direito a até 4 acessos no período de 2 horas, sendo uma viagem no trem ou no Metrô e três nos ônibus.!! de setembro, inauguração do Termina São Migue 16 de setembro, concuída a integração tota do Bihete Único no sistema metroferroviário. 11 de outubro, a cidade de São Pauo recebe seu 24º Termina de Ônibus - Sapopemba/Teotônio Viea. Termina Sapopemba/Teotônio Viea. Conforto e segurança para o transporte púbico da cidade de São Pauo.! O maior eixo com prioridade para o transporte coetivo do Brasi. A nova inha atingirá as áreas mais distantes do extremo este da cidade e reduzirá em mais de uma hora o tempo de viagem entre o Parque Dom Pedro e a Cidade Tiradentes. Serão 4 Terminais e 3 Estações de Transferência interigando inhas do Metrô e de trens da CPTM. Trecho eevado

13 EXPRESSO TIRADENTES Menos tempo no trânsito, mais tempo para você. Do Centro ao Sacomã em 20 minutos.!! Em 8 de março é inaugurado o eixo Sudeste do Expresso Tiradentes. 10 de março - Início da operação. Terminais: - Mercado - Sacomã/Ver. Osvado Giannotti Estações: - Metrô Pedro II - Ana Néri - C. A. Ypiranga - Rua do Grito. Eevado Termina Sacomã Termina Mercado Av. Luís Ignácio de Anhaia Meo eixo Sudeste Av. do Estado Luis Gama Estação Metrô Pedro II Estação Ana Néri eixo Centroeste Termina Mercado Termina Sacomã Av. Juntas Provisórias AbertoCipriano Lion Barata Ipiranga CPTM Estação C. A. Ypiranga Genera Lecor Estação Rua do Grito

14 Av. Cruzeiro do Su, 780 Canindé - São Pauo - SP Próximo à Estação Armênia do Metrô. Funcionamento: de terça a domingo, das 9h às 17h. Entrada franca. Agendamento de visitas monitoradas para escoas peo teefone Para obter informações sobre as inhas de ônibus que chegam ao oca, basta igar para 156 ou acessar o site Marketing - SPTrans

Nesta aula, vamos estudar a urbanização

Nesta aula, vamos estudar a urbanização Condomínios e faveas: a urbanização desigua A UU L AL A Nesta aua, vamos estudar a urbanização brasieira, que se caracteriza pea rapidez e intensidade de seu ritmo. Vamos comprender como o crescimento

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

ÍNDICE. O Sistema de Transporte Coletivo. A Bilhetagem Eletrônica Instrumento da Política de Mobilidade

ÍNDICE. O Sistema de Transporte Coletivo. A Bilhetagem Eletrônica Instrumento da Política de Mobilidade Abril / 2007 ÍNDICE O Sistema de Transporte Coletivo A Bilhetagem Eletrônica Instrumento da Política de Mobilidade Perspectivas Município de São Paulo Base Legal Lei nº13.241, de 13/12/2001 organiza o

Leia mais

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado Cadernos MARE da Reforma do Estado A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns MARE Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado MARE

Leia mais

Normalização no Brasil

Normalização no Brasil Normaização no Brasi A ABNT foi fundada em 1940, por iniciativa particuar de um grupo de técnicos e engenheiros, sendo a primeira entidade a disseminar normas técnicas no Brasi. Em 1962, a ABNT foi reconhecida

Leia mais

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento Desenvovimento e Design de Sistemas Web Probemas comuns Web Sites ma definidos e projetados Necessidade de atuaização constante das informações: eternamente em construção Evoução extremamente rápida da

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP JUNHO 2013 DIMENSÃO DO DESAFIO EM TRANSPORTE COLETIVO PMSP Coletivo 10,1 milhões viagens 56% Individual 7,9 milhões viagens 44% DIMENSÃO DO DESAFIO EM

Leia mais

INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO

INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO Fonte: Relatório 2001 do Governo do Estado de SP O sistema metroviário de São Paulo paga suas operações e ainda devolve aos cofres do Estado os investimentos realizados.

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA. Cartilha de orientação ao cidadão MÃOS À OBRA. INFORMAÇÕES: www.vilavelha.es.gov.br Tel: 3149-7293

CONSTRUÇÃO E REFORMA. Cartilha de orientação ao cidadão MÃOS À OBRA. INFORMAÇÕES: www.vilavelha.es.gov.br Tel: 3149-7293 CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA INFORMAÇÕES: www.viaveha.es.gov.br Te: 3149-7293 Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação Habite-se A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria

Leia mais

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Waldir Peres Superintendente Agência Metropolitana de Transportes Urbanos São Paulo Setembro de 2011 Plano Geral Rio

Leia mais

PODER EXECUTIVO icial alor Of Sem V

PODER EXECUTIVO icial alor Of Sem V Itumbiara-Go Quarta-Feira, 19 de Novembro de 2014 Se m Va or O fic ia PODER EXECUTIVO Ano 05 Número 907 Página 01 DIÁRIO OFICIAL Ano 05 Número 907 Se m Va or O fic ia Itumbiara-Go Quarta-Feira, 19 de Novembro

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Pauline Niesseron (*) Após as manifestações de junho 2013, surgiu um questionamento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 TM GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 SOLUÇÕES ENCAMINHADAS Constituição do COMITÊ PAULISTA (Grupo Executivo

Leia mais

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação.

Leia mais

Ciclo de Debates sobre Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo

Ciclo de Debates sobre Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Ciclo de Debates sobre Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Integração Metropolitana do Transporte Público pelo Bilhete Único e Sistemas Estadual e Metropolitano de Transporte

Leia mais

TRANSPORTE PÚBLICO. Novos conceitos para o transporte de passageiros

TRANSPORTE PÚBLICO. Novos conceitos para o transporte de passageiros TRANSPORTE PÚBLICO Novos conceitos para o transporte de passageiros A história do transporte O Começo... o... Caminhos a pé e por animais Os caminhos eram percorridos a pé ou em lombos de cavalos, carroças

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa APRESENTAÇÃO SMT 09 02 2012 RT DT/SPT 09/12

Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa APRESENTAÇÃO SMT 09 02 2012 RT DT/SPT 09/12 MOBILIDADE (e ACESSIBILIDADE) URBANA NO CONTEXTO DO PLANO ESTRATÉGICO SP2040 Superintendência de Planejamento de Transporte Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa planejamento@sptrans.com.br

Leia mais

Resíduos Sólidos. Planos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa. Comitê de Articulação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014

Resíduos Sólidos. Planos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa. Comitê de Articulação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014 Resíduos Sóidos Panos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa Comitê de Articuação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014 I- Considerações GERAIS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305 (02AGO2010)

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES JULHO 2015 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS URBANO Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS

Leia mais

11 Sistemas resolvem problemas

11 Sistemas resolvem problemas A UA UL LA Sistemas resovem probemas Introdução Na aua anterior, mostramos como resover sistemas de duas equações de 1º grau com duas incógnitas. Agora vamos usar essa importante ferramenta da matemática

Leia mais

Atuais objetivos da normalização

Atuais objetivos da normalização A U L A Atuais objetivos da normaização Você agora vai estudar a útima parte deste assunto: os atuais objetivos da normaização. Pode-se dizer que a primeira fase da normaização, por vota de 1900 até os

Leia mais

Coaching, treinamentos e palestras

Coaching, treinamentos e palestras Coaching, treinamentos e paestras Somos Couto Nós acreditamos que o potencia humano é o fator determinante do sucesso nas organizações e na sociedade. Dessa forma, nossa missão e visão nos inspiram em

Leia mais

PARA MUDAR DE VERDADE

PARA MUDAR DE VERDADE PARA MUDAR DE VERDADE os transportes Nos 20 anos de sucessivos governos, o PSDB foi incapaz de enfrentar o colapso da mobilidade urbana com políticas compatíveis com a gravidade do problema, sobretudo

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução Este material surge como resultado do acompanhamento das apresentações do Plano de Mobilidade

Leia mais

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2 AUDIÊNCIA PÚBLICA Dados de Porto Alegre População: 1.409.351 habitantes Área: 496,682 km2 Figura 1. Localização do Município de Porto Alegre e dos demais municípios integrantes da RMPA. Legislação Aplicável:

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS Em 2010, a cidade de São Paulo registrou 7.007 atropelamentos resultando na morte de 630 pedestres. Apesar de representar uma

Leia mais

Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso

Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso 153 ISSN 1679-0472 Abri, 2009 Dourados, MS Foto: Niton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso Aceu Richetti Gessi Ceccon 1 2 Ao panejar

Leia mais

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/12 Proc. nº T2-EOF-2012/344

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/12 Proc. nº T2-EOF-2012/344 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO UASG 09008 i o n a F e d e r a ibuna Re gi on a Federa E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/1 Proc. nº T-EOF-01/344 O ibuna Regiona Federa da Região, por seu Pregoeiro,

Leia mais

Caminhos seguros. estão estruturadas em torno da cultura de respeito. Pouco tempo, mas com excelentes resultados Págs. 2 e 3

Caminhos seguros. estão estruturadas em torno da cultura de respeito. Pouco tempo, mas com excelentes resultados Págs. 2 e 3 Programa de Proteção ao Pedestre Caminhos seguros Pouco tempo, mas com excelentes resultados Págs. 2 e 3 Transporte público é o foco para a mobilidade Págs. 4 e 5 Com a contratação de mais 146 orientadores

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Púbico de Ingresso no Magistério Púbico Estadua EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Educação Física 11) Segundo

Leia mais

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana O Desafio da CET 7,2 milhões de veículos registrados 12 milhões de habitantes 7,3 milhões de viagens a pé 156 mil viagens de bicicleta 15 milhões de viagens

Leia mais

A cidade vai parar na (i)mobilidade urbana?

A cidade vai parar na (i)mobilidade urbana? A cidade vai parar na (i)mobilidade urbana? IDELT Dr. Joaquim Lopes da Silva Junior Maio/2012 prioridade para o transporte coletivo Corredores de ônibus metropolitanos REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

Leia mais

Estudo técnico sobre a situação atual do transporte estudantil no Campus Guarulhos

Estudo técnico sobre a situação atual do transporte estudantil no Campus Guarulhos Universidade Federal de São Paulo Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Campus Guarulhos Estudo técnico sobre a situação atual do transporte estudantil no Campus Guarulhos Direção Administrativa

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VII Legislação Aplicável Anexo VII O presente anexo apresenta a relação da legislação principal aplicável a este procedimento licitatório e à operação

Leia mais

Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo.

Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo. Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo. Autores: Celso Bersi; Economista - Diretor de Transporte Urbano 1) Empresa de Desenvolvimento Urbano e Social de Sorocaba - URBES Rua Pedro de

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida A U A UL LA O mundo da Física A curiosidade do homem pode ser compreendida de várias maneiras: aguns dizem que vem de uma necessidade de sobrevivência, outros dizem que é uma forma de prazer ou, ainda,

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DOS SERVIÇOS DE PRÉ-EMBARQUE

RELATÓRIO TÉCNICO DOS SERVIÇOS DE PRÉ-EMBARQUE RELATÓRIO TÉCNICO DOS SERVIÇOS DE PRÉ-EMBARQUE agosto/2005 Cenário São Paulo tem uma das maiores frotas de ônibus do mundo. São quase 15 mil ônibus, para o transporte diário de mais de 6 milhões de passageiros.

Leia mais

Exame Nacional de 2005 1. a chamada

Exame Nacional de 2005 1. a chamada Exame Naciona de 200 1. a chamada 1. Na escoa da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos aunos pea eitura. Um inquérito reaizado incuía a questão seguinte. «Quantos ivros este desde o início do ano ectivo?»

Leia mais

www.supervia.com.br 1

www.supervia.com.br 1 www.supervia.com.br 1 Trens Urbanos no Rio de Janeiro Histórico Antes da privatização, sob condições de transporte inadequadas, o número de passageiros caiu consistentemente Média de passageiros dias úteis

Leia mais

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65)

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2010. Pano de Benefícios I NORDESTE em iquidação extrajudicia. (Cadastro Naciona de Pano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) - CNPJ: 27.901.719/0001-50 NOTAS EXPLICATIVAS

Leia mais

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA Seminário GVcev: Polos Varejistas de Rua: Oportunidades para o varejo e a revitalização das cidades Fernando de Mello Franco 11 novembro 2014 DOMINGO, 09

Leia mais

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA 1 CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA Secretaria de Fazenda Prefeitura de Sorocaba A Cidade 2 No próximo ano de 2014 Sorocaba completará 360 anos de sua fundação; A história

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 2/213 A Presidente do Conseho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições, consoante o deiberado na 99ª Reunião Ordinária, reaizada no dia 1 de dezembro

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria Municipa de Desenvovimento Urbano, apresenta esta cartiha

Leia mais

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares

Leia mais

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro Richele Cabral 1 ; Eunice Horácio S. B. Teixeira 1 ; Milena S. Borges 1 ; Miguel Ângelo A. F. de Paula 1 ; Pedro Paulo S.

Leia mais

CORREDOR GUARULHOS-SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO

CORREDOR GUARULHOS-SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO ACE Associação Comercial Empresarial de Guarulhos 25/Outubro/2013 MISSÃO: Promover e gerir o transporte intermunicipal de baixa e média capacidades para passageiros

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP MAIO 2014 Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 DIMENSÃO DO DESAFIO EM TRANSPORTE COLETIVO PMSP Coletivo 16 milhões viagens 54% Individual 13 milhões viagens

Leia mais

A experiência da EMTU no emprego do pavimento de concreto

A experiência da EMTU no emprego do pavimento de concreto Seminário Pavimentos Urbanos Pavimentos de Concreto nas Cidades: A solução para as vias de tráfego intenso, em especial os corredores de ônibus A experiência da EMTU no emprego do pavimento de concreto

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação Comissão Própria de Avaiação Apresentação dos Resutados da Avaiação Gera da UCPe peos Aunos A tabuação abaixo foi feita a partir dos questionários sócio-econômicos do ENADE, dos anos de 01. Estado Civi?

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.6 Especificações do Sistema de Bilhetagem Eletrônica PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 2 CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA... 2 2.1 Processos

Leia mais

Ocupação do interior da Colônia

Ocupação do interior da Colônia MÓDULO 1 Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Ocupação do interior da Coônia Nesta aua Atuamente, o Brasi é um dos maiores países do mundo. Você tem idéia de como se formou esse território? A resposta para

Leia mais

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA.

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. EDITAL CONCORRÊNCIA 01/2015 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. Este Anexo apresenta as especificações requeridas para o Sistema de Bilhetagem Eletrônica SBE a ser implantado

Leia mais

Calculando a rpm e o gpm a partir da

Calculando a rpm e o gpm a partir da Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Cacuando a rpm e o gpm a partir da veocidade de corte A UU L AL A Para que uma ferramenta corte um materia, é necessário que um se movimente em reação ao outro a uma

Leia mais

E D I T A L. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 008/2014 Proc. nº TRF2-EOF-2014/002

E D I T A L. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 008/2014 Proc. nº TRF2-EOF-2014/002 JUSTIÇA FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO SIASG 09008 Fe d e r a E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 008/014 Proc. nº TRF-EOF-014/00 O ibuna Regiona Federa da a Região, por seu Pregoeiro, designado

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO ADMISSÃO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL Nº 15/ 2012/ SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Tecnoogia Educaciona

Leia mais

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA SOCIAL SUPERINTENDÊNCIA DE PREVENÇÃO À CRIMINALIDADE DIRETORIA DE REINTEGRAÇÃO SOCIAL METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Centra de Apoio e Acompanhamento

Leia mais

Os espectadores da Mídia Digital of Home em ônibus e metrô

Os espectadores da Mídia Digital of Home em ônibus e metrô Os espectadores da Mídia Digital of Home em ônibus e metrô Amostra Total: 360 entrevistas realizadas entre 10/07 e 10/08 / A Via TV Mídia prima pela excelência do Transporte Público Brasileiro, atuando

Leia mais

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Universidade Federa do Rio de Janeiro Escoa Poitécnica Departamento de Engenharia Eétrica NOTAS DE AULA Anáise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Prof. Carmen Lucia Tancredo Borges, D.Sc Juiana

Leia mais

Cartilha da Política Nacional de Resíduos Sólidos. ara crianças

Cartilha da Política Nacional de Resíduos Sólidos. ara crianças Cartiha da Poítica Naciona de Resíduos Sóidos ara crianças 1 Presidente da ABES-SP Aceu Guérios Bittencourt Presidente do SELUR Ariovado Caodagio Coordenação Roseane Maria Garcia Lopes de Souza Equipe

Leia mais

O CONCEITO. Oferece aos hóspedes apartamentos equipados para ocupação imediata.

O CONCEITO. Oferece aos hóspedes apartamentos equipados para ocupação imediata. 01. A MARCA O CONCEITO Oferece aos hóspedes apartamentos equipados para ocupação imediata. Aguns serviços são opcionais, com o objetivo de que os cientes tenham fexibiidade como em sua casa. Oferece ao

Leia mais

QUEM FAZ O QUÊ? DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

QUEM FAZ O QUÊ? DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS QUEM FAZ O QUÊ? SETTRAN - SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO E TRANSPORTES CTA ESTATÍSTICAS CTA - CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA AUTOR: AÍLTON BORGES SETTRAN- - Transporte coletivo na cidade... Quem faz o quê?

Leia mais

Art. 4º. Esta lei complementar entrará em vigor na data de sua publicação, devendo ser regulamentada no prazo de 60 (sessenta) dias.

Art. 4º. Esta lei complementar entrará em vigor na data de sua publicação, devendo ser regulamentada no prazo de 60 (sessenta) dias. B. Passe Livre Lei Complementar do Estado de São Paulo nº 666, de 26/11/1991, regulamentada pelo Decreto Estadual n 34.753, de 01/04/92, e Resolução STM nº 101, de 28 de maio de 1992, que disciplina as

Leia mais

MAIOR EMPREGADORA E ARRECADADORA PRIVADA

MAIOR EMPREGADORA E ARRECADADORA PRIVADA INTRODUÇÃO A Viação Nossa Senhora do Amparo é uma empresa de ônibus com sede em Maricá, na Costa do Sol (Região dos Lagos), fundada em 10 de maio de 1950. Atua oferecendo serviço de transporte rodoviário

Leia mais

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence)

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence) Rua Eucides da Cunha, 377 Centro de Osasco 0800 771 77 44 www.fipen.edu.br Centra de Informações Gestão Estratégica de Pessoas Gestão da Produção e Logística Gestão do Comércio e Negócios Gestão de Serviços

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP JUNHO 2013 DIMENSÃO DO DESAFIO EM TRANSPORTE COLETIVO PMSP Coletivo 10,1 milhões viagens 56% Individual 7,9 milhões viagens 44% DIMENSÃO DO DESAFIO EM

Leia mais

17 Como escolher um extintor de incêndio?

17 Como escolher um extintor de incêndio? A UA UL LA Como escoher um extintor de incêndio? O que você vai aprender Como apagar fogo Tipos de incêndios Tipos de extintores O que fazer em caso de incêndio? Seria bom já saber O que é fogo Composição

Leia mais

PROPOSTA DE EXPANSÃO DA PONTE ORCA: ENTRE O MUSEU DO IPIRANGA E A ESTAÇÃO ALTO DO IPIRANGA DO METRÔ RESUMO

PROPOSTA DE EXPANSÃO DA PONTE ORCA: ENTRE O MUSEU DO IPIRANGA E A ESTAÇÃO ALTO DO IPIRANGA DO METRÔ RESUMO PROPOSTA DE EXPANSÃO DA PONTE ORCA: ENTRE O MUSEU DO IPIRANGA E A ESTAÇÃO ALTO DO IPIRANGA DO METRÔ RESUMO Utilizando um modelo de transporte público existente, denominado Ponte Orca, gerenciado pela EMTU,

Leia mais

Portfólio. Elaboração do projeto básico para implantação de esteiras rolantes para o túnel deligação entre as Estações Consolação e Paulista.

Portfólio. Elaboração do projeto básico para implantação de esteiras rolantes para o túnel deligação entre as Estações Consolação e Paulista. 44 Elaboração de projeto básico de sistemas auxiliares da Linha 5 Lilás. Descrição dos Serviços: Elaboração de projeto básico de sistemas auxiliares do trecho Campo Belo-Chácara Klabin da Linha 5 Lilás,

Leia mais

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2 Municípios Habitantes PIB (Regional) Comércio e Serviços 39 18,6 milhões 10,5% população Brasileira R$ 244 Bilhões 15,7% PIB Brasileiro

Leia mais

O fim dos lotações e dos bondes

O fim dos lotações e dos bondes Distrito Federal Transportes O fim dos lotações e dos bondes O período entre 1950 e 1964 foi um dos mais prolíficos em regulamentos para o transporte coletivo, a maior parte deles fixando as condições

Leia mais

Caminhões A Experiência de São Paulo

Caminhões A Experiência de São Paulo TURBLOG Workshop Belo Horizonte, Setembro de 2011 Caminhões A Experiência de São Paulo Arq. Daphne Savoy A CET no Governo Municipal Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Transportes

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini)

PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini) PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini) Institui as diretrizes da Política Metropolitana de Mobilidade Urbana (PMMU), cria o Pacto Metropolitano da Mobilidade Urbana

Leia mais

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA MOBILIDADE URBANA EM REGIÕES METROPOLITANAS Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA Marco Aurélio Spall Maia Diretor Presidente TRENSURB-Porto Alegre Região Metropolitana

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Secretaria de Administração Escolar

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Secretaria de Administração Escolar São Paulo, 14 de janeiro de 2013 Prezado (a) Aluno (a), Ref.: Bilhete Único Cursos da Graduação Informamos que, no início de cada semestre, enviamos à Central de Atendimento do Bilhete Único um arquivo

Leia mais

PAPER 1/6. Algoritmo para Localização de Faltas em Redes de Distribuição de Energia Elétrica com a Presença de Unidades de Geração Distribuída

PAPER 1/6. Algoritmo para Localização de Faltas em Redes de Distribuição de Energia Elétrica com a Presença de Unidades de Geração Distribuída PAPER 1/6 Tite Agoritmo para Locaização de Fatas em Redes de Distribuição de Energia Eétrica com a Presença de Unidades de Geração Distribuída Registration Nº: (Abstract) Empresa o Entidad Universidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO SMT Copa 2014 - São Paulo

APRESENTAÇÃO SMT Copa 2014 - São Paulo APRESENTAÇÃO SMT Copa 2014 - São Paulo A cidade de São Paulo em números 11 milhões de habitantes 6ª maior cidade do mundo 145 milhões de m² de área verde 1 Feira/Exposição a cada 3 dias (US$ 1,2 bilhão

Leia mais

Desfibrilhação Automática Externa

Desfibrilhação Automática Externa Programa Naciona de Desfibrihação Automática Externa Versão 2/2012 Programa Naciona de Desfibrihação Automática Externa Programa Naciona de Desfibrihação Automática Externa Este programa poderá ser revisto

Leia mais

Guia de operação para 4334

Guia de operação para 4334 MO1211-PA Prefácio Congratuações por sua escoha deste reógio CASIO. Para obter o máximo de sua compra, certifique-se de er atentamente este manua. Advertência! As funções de medição incorporadas neste

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo - Campus Guarulhos Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo - Campus Guarulhos Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas 1 - OBJETIVO Este estudo técnico visa apresentar os custos do atual modelo de transporte estudantil presente no Campus Guarulhos da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), assim como realizar uma

Leia mais

Tema: Avaliação e perspectivas sobre a mobilidade na cidade de São Paulo

Tema: Avaliação e perspectivas sobre a mobilidade na cidade de São Paulo SEMINÁRIO Os desafios da mobilidade na cidade de São Paulo: avaliação e indicadores Tema: Avaliação e perspectivas sobre a mobilidade na cidade de São Paulo Movimento Nossa São Paulo Local: Câmara Municipal

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

Programa de Investimentos da EMTU e Atendimento à Copa do Mundo 2014

Programa de Investimentos da EMTU e Atendimento à Copa do Mundo 2014 Programa de Investimentos da EMTU e Atendimento à Copa do Mundo 214 Mapa do Transporte Metropolitano Rede 214 Fonte: STM EMTU PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PROGRAMA DE INVESTIMENTOS 211-214 - EMTU Corredor

Leia mais

Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba

Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba Comissão de Análise da Tarifa - Decreto nº. 358/2013 Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba Resumo Mar/13 URBS Urbanização de Curitiba S/A A URBS foi criada através de Lei Municipal, em Agosto de 1963

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

SISTEMAS INFORMATIZADOS PARA A GESTÃO DO TRANSPORTE COLETIVO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

SISTEMAS INFORMATIZADOS PARA A GESTÃO DO TRANSPORTE COLETIVO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SISTEMAS INFORMATIZADOS PARA A GESTÃO DO TRANSPORTE COLETIVO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO maio/2009 1 SISTEMA INFOTRANS 1.1 Introdução 1.2 Atualização GEO de Mapas de Linha/Itinerários 1.3 Informação de Origem/Destino

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc.

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc. DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS Epídio O. B. Nara 1 *, Leirson Eckert 2, Jaqueine de Moraes 3 1 SPI - Sistemas de Processos

Leia mais

Organização do trabalho

Organização do trabalho Departamento Regiona de São Pauo Organização do trabaho Escoa SENAI MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA Móduos especiais - Mecânica Materia didático extraído do móduo Organização do trabaho teecurso profissionaizante

Leia mais

Faculdade de Imperatriz FACIMP. Faculdade de Imperatriz FACIMP MANUAL DO VESTIBULANDO CONFORME ADENDO AO EDITAL 001/15. Imperatriz - Maranhão 2015.

Faculdade de Imperatriz FACIMP. Faculdade de Imperatriz FACIMP MANUAL DO VESTIBULANDO CONFORME ADENDO AO EDITAL 001/15. Imperatriz - Maranhão 2015. Direção ARTEC A. Região Tocantina de Educação e Cutura LTDA - ARTEC Antônio Leite Andrade Presidente Dorice Souza Andrade Diretora Gera Andreia Vice-Diretor Iria Duarte Coordenadora Acadêmica MANUAL DO

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO Nº 139/2010 PROCESSO Nº 1114/10/2010-EOF 2 - MODELO DE PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS DISCRIMINADOS

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO Nº 139/2010 PROCESSO Nº 1114/10/2010-EOF 2 - MODELO DE PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS DISCRIMINADOS TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO i o n a F e d e r a ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO Nº 139/010 PROCESSO Nº 1114/10/010-EOF 1 - OBJETO: Contratação de empresa prestadora de serviço de ocação de máquina

Leia mais

CAPACITAÇÃO DIAGNÓSTICO 2015

CAPACITAÇÃO DIAGNÓSTICO 2015 CAPACITAÇÃO DIAGNÓSTICO 2015 Projeto Conhecendo a Reaidade by @oriongestao based on side docs tempate ÍNDICE DE CONTEÚDO INTRO Pag. 3 7 01 02 03 04 Participantes Informações e Perguntas e expectativas

Leia mais