NÚCLEO DE PROCESSOS SELETIVOS - 2º SIMULADO TECPUC Pág. 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NÚCLEO DE PROCESSOS SELETIVOS - 2º SIMULADO TECPUC - 2013 Pág. 1"

Transcrição

1 Pág. 1 2º SIMULADO TECPUC ª SÉRIES INFORMÁTICA E ADMINISTRAÇÃO CADERNO 1 A prova do Enem, que ocorre todos os anos, é constituída por 63 questões com cinco alternativas cada. O objetivo deste caderno de questões é fazer com que você se familiarize com o estilo das provas do Enem, pois são um pouco diferentes das provas que você está acostumado a fazer. Na prova do Enem, as questões não são divididas em disciplinas, mas parecem misturadas, com muitos testes interdisciplinares. As questões se relacionam a assuntos da atualidade, sempre com enunciados com várias informações, por isso, leia-o com muito cuidado, buscando interpretar o que está sendo solicitado. Lembre-se sempre de interpretar o texto, gráfico, tabela ou o que a questão fornece como enunciado. Você deve raciocinar em função das informações recebidas. O objetivo da prova do Enem é medir as habilidades e competências apresentadas pelos candidatos que terminaram o Ensino Médio. O enfoque da prova do Enem está em cinco competências: Dominar linguagens Capacidade de ler um texto, compreender a linguagem de uma certa ciência, interpretar uma tabela ou gráfico. Conhecer fenômenos Verificar se o aluno adquiriu alguns conhecimentos básicos. Solucionar problemas Aplicar o conhecimento adquirido na resolução de problemas. Construir argumentações Analisar as informações previamente formuladas e decidir qual é a mais coerente com o problema proposto. Elaborar propostas Tomar decisões que sejam benéficas para a sociedade. Essas cinco competências são cobradas na prova de maneira indireta e foram esmiuçadas em 21 habilidades. Como funciona este caderno de questões? Este caderno contém questões no formato do Enem, algumas delas foram retiradas das provas do Enem e outras retiradas de simulados ou questões semelhantes ao Enem. Lembre-se da importância de você familiarizar-se com o tipo de questões propostas pelo Enem, resolvendo o máximo de questões deste caderno. Leia cada questão com muita atenção cada um dos testes, têm cinco alternativas. Reúna o máximo de informações para resolver cada problema proposto. Obs: A prova do ENEM 2013 está agendada para os dias 26 e 27 de outubro. 001 NÚCLEO COMUM INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES 1. Verifique se a prova está completa de acordo com as orientações dos fiscais. 2. A compreensão e a interpretação das questões constituem parte integrante da prova, razão pela qual o professor aplicador não poderá interferir. 3. Preenchimento do Cartão-Resposta prova objetiva: - Preencher para cada questão apenas uma resposta. - Preencher totalmente o espaço correspondente, conforme o modelo: - Usar apenas caneta esferográfica, escrita normal, tinta azul ou preta. Não usar caneta tipo hidrográfica ou tinteiro. - Para qualquer outra forma de preenchimento, a leitora anulará a questão. 4. Assinar o cartão-resposta. 5. Preenchimento do cartão de redação. O texto deve ter de 15 a 20 linhas. A letra deverá ser legível, com a maiúscula diferenciada da minúscula. As limitações de margens da página deverão ser respeitadas. A dissertação NÃO deverá ser assinada. Qualquer sinal de identificação invalida sua redação. Duração total da prova: 4 horas O CARTÃO-RESPOSTA É PERSONALIZADO. NÃO PODE SER SUBSTITUÍDO, NEM CONTER RASURAS. 1. (UFPA 2008) Um fornecedor A oferece a um supermercado, um certo produto com os seguintes custos: RS 210,00 de frete mais R$ 2,90 por cada quilograma. Um fornecedor B oferece o mesmo produto, cobrando R$ 200,00 de frete mais R$ 3,00 por cada quilograma. O gráfico que representa os custos do supermercado com os fornecedores, em função da quantidade de quilogramas é: 1- Você irá prestar vestibular no 2º semestre de 2013? Sim ( ) Não ( ) 2- Se respondeu sim, escreva quais vestibulares e cursos você se inscreveu. A)

2 B) NÚCLEO DE PROCESSOS SELETIVOS - 2º SIMULADO TECPUC Pág (PUCMG 2005) O lucro de uma microempresa, em função do número de funcionários que nela trabalham, é dado, em milhares de reais, pela fórmula 2 L( n) = 36n 3n. Com base nessas informações, pode-se afirmar que o lucro dessa microempresa é máximo quando nela trabalham: A) 6 funcionários. B) 8 funcionários. C) 10 funcionários. D) 12 funcionários. E) 14 funcionários. C) D) 4. (UFPA 2010) Em uma viagem terrestre, um motorista verifica que, ao passar pelo quilômetro 300 da rodovia, o tanque de seu carro contém 45 litros de combustível e que, ao passar pelo quilômetro 396, o marcador de combustível assinala 37 litros. Como o motorista realiza o trajeto em velocidade aproximadamente constante, o nível de combustível varia linearmente em função da sua localização na rodovia, podendo, portanto ser modelado por uma função do tipo C(x) = ax + b, sendo C(x) o nível de combustível quando o automóvel se encontra no quilômetro x da rodovia. Baseado nessas informações é CORRETO afirmar que, com o combustível que possui, o automóvel chegará, no máximo, até o quilômetro: A) 800 B) 890 C) 840 D) 950 E) 990 E) 5. (UNIR RO/2009) Duas empresas (A e B), locadoras de veículos de passeio, apresentaram o valor da locação de um mesmo carro pelos gráficos abaixo. Considere y o valor pago, em reais, pela locação desse veículo e x a quantidade de quilômetros rodados. 2. (UEPB 2006) Um jogador chuta uma bola que descreve no espaço uma parábola dada pela equação: y = 3t t 288 Dizemos que a bola atinge o ponto mais alto de sua trajetória quando t for igual a: A) 20 B) 30 C) 35 D) 25 E) 40 A partir dessas informações, é CORRETO afirmar:

3 NÚCLEO DE PROCESSOS SELETIVOS - 2º SIMULADO TECPUC Pág. 3 A) A empresa A cobra 0,50 centavos por quilômetro rodado acrescido de uma taxa fixa de 50 reais. B) Para rodar 400 km, o valor cobrado pela empresa A é igual ao cobrado pela B. C) A empresa B cobra somente a quilometragem rodada. D) Para rodar uma distância de 300 km é mais vantajoso alugar o carro da empresa B. E) Para rodar uma distância de 500 km é mais vantajoso alugar o carro da empresa A. E) Sua emergência tornou obsoletos os blocos econômicos regionais, pois facilitou o comércio direto de país para país. 8. (Enem 2011) Observe os gráficos abaixo: 6. (Enem 2011). Disponível em: <http://primeira-serie.blogspot.com.br>. Acesso em: 07 dez (adaptado). Na imagem do início do século XX, identifica-se um modelo produtivo cuja forma de organização fabril baseava-se na (o): A) B) C) D) E) exploração do trabalho repetitivo. adoção da divisão sexual do trabalho. autonomia do produtor direto. utilização de empregados qualificados. incentivo à criatividade dos funcionários. 7. (UFPR 2011) A globalização é um fenômeno que tem como uma de suas características fundamentais a crescente abertura econômica e política entre os países. Sobre esse fenômeno, é CORRETO afirmar: A) Uma das consequências políticas do fortalecimento desse fenômeno foi a transferência da soberania nacional para organismos supranacionais, a exemplo da ONU. B) As fronteiras nacionais perderam suas funções legais de controle de fluxos. C) A causa da globalização foi a queda do muro de Berlim, dando fim à divisão do mundo conhecida como bipolaridade e iniciando uma nova fase, a multipolaridade. D) O desenvolvimento tecnológico associado às condições políticas mundiais das últimas décadas do século XX intensificou o processo de globalização Os gráficos acima dizem respeito às pirâmides etárias brasileiras organizadas de acordo com os dados divulgados nos censos de 1980 e 2000 realizados pelo IBGE. Na comparação, observa-se que a base da pirâmide etária da população brasileira está se tornando cada vez mais estreita e o ápice mais largo. Verifica-se também que o corpo está cada vez maior, o que reflete a diminuição das taxas de crescimento vegetativo, o que provocou uma mudança no perfil da pirâmide etária brasileira nessa comparação entre 1980 e A respeito da análise das pirâmides etárias apresentadas acima, é CORRETO afirmar que: A) as análises das pirâmides etárias servem como subsídios para a elaboração de políticas previdenciárias e influencia diretamente em questões que dizem respeito à concessão de benefícios, na medida em que diminui o numero de pessoas aposentadas. B) a análise das pirâmides etárias subsidia o Estado na elaboração de políticas públicas nas áreas de educação, saúde, saneamento e cultura, de modo que possam ser elaboradas ações que atendam às expectativas de uma população cada vez mais jovem.

4 C) a análise das pirâmides etárias permite verificar a composição etária de uma população e seu reflexo na estrutura da População Economicamente Ativa (PEA), a qual é formada por pessoas que exercem atividades remuneradas. D) a análise das pirâmides etárias permite verificar a composição da população feminina brasileira e serve como subsídio para a elaboração de políticas públicas de gênero para uma população feminina cada vez mais jovem. E) a análise das pirâmides etárias auxilia o Estado na elaboração de programas sociais que objetivam a inclusão social e a distribuição de renda na intenção de corrigir as distorções do crescimento desigual entre a população brasileira. 9. (UNESP 2011) Analise o gráfico: Pág. 4 E) apesar de as regiões Nordeste e Sudeste, na década de 1940, possuírem números populacionais semelhantes, a curva da região Nordeste supera a da região Sudeste a partir da década de (UFPR 2010) O contínuo avanço tecnológico global não parece estar garantindo que as sociedades futuras possam gerar, unicamente por mecanismos de mercado, postos de trabalho ainda que flexíveis compatíveis em qualidade e renda com as necessidades básicas da população mundial. A lógica da globalização e do fracionamento das cadeias produtivas incorporou parte dos bolsões de mão de obra barata mundiais sem necessariamente elevar-lhes a renda. Os postos de trabalho formal crescem menos que os investimentos diretos.se, por um lado, surgem oportunidades bem remuneradas no trabalho flexível, por outro, o setor informal também abriga o emprego muito precário e a miséria. E, especialmente nos países da periferia, os governos comprometidos com a estabilidade não têm orçamento suficiente e estruturas eficazes para garantir a sobrevivência dos novos excluídos. O paradigma do emprego está em definitiva mudança, e há inúmeras razões para preocupação quanto ao futuro da exclusão social no novo século. (IBGE. Adaptado.) A partir da análise dos dados apresentados no gráfico e de seus conhecimentos, é CORRETO afirmar que: A) a curva populacional da região Nordeste apresenta crescimento acentuado a partir da década de 1970, superando a da região Sudeste. B) as regiões Norte e Centro-Oeste, em todo o período analisado, apresentaram comportamentos próximos em seus números absolutos de população. C) a região Sul manteve constante seus índices de crescimento populacional em todo o período analisado, espelhando um forte fluxo migratório para a região. D) a curva populacional da região Sudeste, a partir da década de 1980, apresenta um crescimento mais acelerado do que a curva populacional do Brasil. (Gilberto DUPAS. A lógica da economia global e a exclusão social. Revista de Estudos Avançados, set/dez 1998.) A análise do texto e da tirinha permite afirmar: A) o texto aborda o desemprego típico do taylorismofordismo. A partir dele, valorizou-se mais a estatística relativa ao número de trabalhadores sem emprego, à qual a tirinha faz referência. B) o texto aponta o aumento da informalidade, o que amplia a taxa de desemprego referida na tirinha, visto que o trabalhador informal pertence exclusivamente à população inativa. C) o aumento da taxa de desemprego referida na tirinha aumenta a pobreza e a exclusão social, sobretudo em países desenvolvidos, onde o avanço tecnológico mais intenso é responsável pelo desemprego conjuntural.

5 D) a lógica da globalização é fracionar e dispersar as atividades produtivas no espaço e não reduzir os postos de trabalho. Assim, as regiões que recebem muitos investimentos diretos não apresentam aumento da taxa de desemprego à qual a tirinha faz referência. E) na tirinha, a personagem Mafalda faz alusão ao desemprego enquanto indicador econômicoestatístico. O texto demonstra que a lógica da globalização reduz a oferta de empregos e amplia a exclusão social 11. (2 Simulado TECPUC/2013) Jogos cujo objetivo é ensinar, de forma diferenciada, regras e os objetivos de cada modalidade, que constituem uma variação de jogos menores, onde os praticantes irão conhece, aprender e executar diferentes habilidades, é uma definição de jogos: (BERTOLDO, Janice Vidal. Jogar e brincar Ed. Infantil. Revista do Professor, Porto Alegre, Jan-Mar 2000.). Pág A capacidade que as pessoas têm de usar de forma mais eficiente os músculos esqueléticos, resultando numa ação global mais eficiente, plástica e econômica e que permite que o praticante domine o corpo no espaço, podendo assim controlar os movimentos mais rudes, trata da valência física: A) Pré-desportivos. B) Cooperativos. C) Educativos. D) De construção. E) Cognitivos. 12. (2 Simulado TECPUC/2013) Um indivíduo, após fazer uma avaliação física, foi indicado para fazer Exercícios Físicos Frequentes de baixa e média intensidade, para melhorar sua saúde. Ao fazer o cálculo de seu IMC, chegou ao valor de 25.5, que, conforme a tabela de IMC, corresponde a classificação de: A) peso normal. B) obesidade grau I (Moderada). C) obesidade Mórbida. D) obesidade grau II. E) Sobrepeso. (TUBINO Manoel José Gomes; MOREIRA Sérgio Bastos Metodologia Científica do Treinamento Desportivo 13. ed revista e ampliada; 2003, Shape: Rio de Janeiro.) A) Velocidade. B) Força. C) Coordenação. D) Flexibilidade. E) Resistência. 15. Jogos que ajudam as pessoas a aprenderem a trabalhar em grupo, muito por não existir uma faixa etária específica em cada jogo. O que mais importa é a colaboração de cada indivíduo do grupo, e o que cada um tem para oferecer no momento da atividade. O texto e a imagem abaixo referem-se aos jogos: 13. (2 Simulado TECPUC/2013) A Frequência Cardíaca é um parâmetro que serve para regular a intensidade, eficiência e segurança das atividades para cada indivíduo. A Frequência Cardíaca é um elemento fundamental durante as práticas de Atividade Física. O fato de acompanhar a sua Frequência Cardíaca garante que determinada atividade que você está realizando não está muito intensa ou fraca demais. Com relação a F.C.Max, é CORRETO afirmar que: A) Quanto menor for sua idade, menos condições físicas você terá. B) Quanto menor for sua idade, menor será sua F.C. Max. C) Quanto maior for sua idade, menor será sua F.C. Max. D) Quanto maior for sua idade, menos condições físicas você terá. E) Quanto menor for sua frequência cardíaca, menor deve ser a intensidade do exercício praticado. (BERTOLDO, Janice Vidal. Jogar e brincar Ed. Infantil. Revista do Professor, Porto Alegre. jan-mar 2000.) A) cooperativos. B) de construção. C) pré-desportivos. D) educativos. E) competitivos.

6 16. (Cesgranrio 1999)... o príncipe, que trabalha para o seu Estado, trabalha para os seus filhos, e o amor que tem pelo seu reino, confundindo com o que tem pela sua família, torna-se-lhe natural... O rei vê de mais longe e de mais alto; deve acreditar-se que ele vê melhor..." (Jacques de Bossuet. política tirada da sagrada escritura. Livro II, 10 proposição e Livro VI, artigo 1º) O trecho anterior se refere ao Absolutismo monárquico, que se constituiu no próprio modelo dos regimes políticos dos Estados europeus do Antigo Regime. Apresentou variáveis locais conforme se expandia na Europa, entre os séculos XVI e XVIII. Entretanto, podemos identificar no Absolutismo monárquico características comuns que o distinguiam, dentre as quais destacamos CORRETAMENTE a: A) substituição de um tipo de administração baseada na distribuição de privilégios e concessões régias por uma organização burocrática profissional que atuava em atividades desvinculadas do Estado. B) unificação de diversas atribuições de Estado e de governo na figura dos monarcas, tais como a rerrogativa de legislar e a administração da justiça real. C) implementação de práticas econômicas liberais como forma de consolidar a aliança política e econômica dos reis absolutos com as burguesias nacionais. D) submissão política dos governos reais absolutistas à hierarquia eclesiástica, conforme definido pela doutrina do Direito Divino dos Reis. E) definição da autoridade dos monarcas absolutos e seus limites de poder, através da atuação dos parlamentos nacionais constitucionalistas, controlados por segmentos burgueses. 17. (Cesgranrio 1990) A frase de Luiz XIV, "L Etat c est moi" (O Estado sou eu), como definição da natureza do absolutismo monárquico, significava: A) a superioridade do príncipe em relação a todas as classes sociais, reduzindo a um lugar humilde a burguesia enriquecida. B) a submissão da nobreza feudal pela eliminação de todos os seus privilégios fiscais. C) a representação do poder residia na divisão de funções entre o monarca, clero e a burguesia. D) a centralização do poder real e absoluto do monarca na sua pessoa, sem quaisquer limites institucionais reconhecidos. E) o desejo régio de garantir ao Estado um papel de juiz imparcial no conflito entre a aristocracia e o campesinato. Pág. 6 B) o modelo português caracterizava-se pelo metalismo e por uma política econômica liberal exercida pela Coroa. C) na Espanha, o dirigismo estatal desenvolveu as atividades industriais e agrícolas, permitindo sua autossuficiência comercial. D) na Inglaterra, o comercialismo desprezou as atividades manufatureiras, o que enfraqueceu a participação inglesa no transporte naval internacional. E) na França, os monopólios estatais e o incentivo das manufaturas, o metalismo e a balança comercial favorável aceleraram o desenvolvimento comercial e industrial. 19. (UFG 2006) A Reforma Protestante, iniciada por Lutero, foi um movimento de mudanças sociais de caráter fundamentalmente religioso, com importantes desdobramentos políticos e econômicos. No que se refere aos princípios políticos e religiosos, o luteranismo defendia a: A) implementação de políticas econômicas na Europa e a quebra da autoridade religiosa. B) submissão da Igreja ao Estado e a valorização da fé individual. C) jurisdição real sobre terras da Igreja e a cobrança de impostos sobre esse patrimônio. D) extinção das rendas feudais e a oposição às pregações morais do clero. E) cessação do poder político-administrativo da Igreja sobre os reinos e o fim da condenação da usura. 20. (PUCSP 1995) "Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram sem casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem, quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu. Mas nele é que espelhou o céu." (Fernando Pessoa, mar português. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1960.) O poema de Fernando Pessoa se refere à conquista dos mares pelos portugueses, o início da era moderna. Se os resultados finais mais conhecidos dessas "Grandes Navegações" foram à abertura de novas rotas comerciais em direção à Índia, a conquista de novas terras e o espalhamento da cultura europeia, alguns dos elementos desse contexto histórico cuja articulação auxilia na compreensão das origens dessa expansão marítima são: 18. (Cesgranrio 1997 Adaptada) A política mercantilista assumiu diversas modalidades, variando nos países europeus do século XV ao XVIII. Sobre as práticas mercantilistas podemos afirmar que: A) em geral, o mercantilismo fundamentava-se no intervencionismo estatal e no equilíbrio da balança comercial. A) o avanço das técnicas de navegação; a busca do mítico paraíso terrestre; a percepção do universo segundo uma ordem racional. B) o mito do abismo do mar; a desmonetarização da economia; a vontade de enriquecimento rápido. C) a busca de ouro para as Cruzadas; a descentralização monárquica; o desenvolvimento da matemática.

7 D) a demanda de especiarias; a aliança com as cidades italianas; a ânsia de expandir o cristianismo. E) o anseio de crescimento mercantil; os relatos de viajantes medievais; a conquista de Portugal pelos mouros. Pág. 7 E) Os bens materiais têm que apresentar uma prática cultural regular tal como ocorre, por exemplo, com o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, com o complexo cultural do Bumba meu Boi do Maranhão e com a Roda de Capoeira. 21. (Unesp 2012) Cada cultura tem suas virtudes, seus vícios, seus conhecimentos, seus modos de vida, seus erros, suas ilusões. Na nossa atual era planetário, o mais importante é cada nação aspirar a integrar aquilo que as outras têm de melhor, e a buscar a simbiose do melhor de todas as culturas. A França deve ser considerada em sua história não somente segundo os ideais de Liberdade-Igualdade-Fraternidade promulgados por sua Revolução, mas também segundo o comportamento de uma potência que, como seus vizinhos europeus, praticou durante séculos a escravidão em massa, e em sua colonização oprimiu povos e negou suas aspirações à emancipação. Há uma barbárie europeia cuja cultura produziu o colonialismo e os totalitarismos fascistas, nazistas, comunistas. Devemos considerar uma cultura não somente segundo seus nobres ideais, mas também segundo sua maneira de camuflar sua barbárie sob esses ideais. (Edgard Morin. Le Monde, Adaptado) No texto citado, o pensador contemporâneo Edgard Morin desenvolve: A) Reflexões elogiosas acerca das consequências do etnocentrismo ocidental sobre outras culturas. B) Um ponto de vista idealista sobre a expansão dos ideais da Revolução Francesa na história. C) Argumentos que defendem o isolamento como forma de proteção dos valores culturais. D) Uma reflexão crítica acerca do contato entre a cultura ocidental e outras culturas na história. E) Uma defesa do caráter absoluto dos valores culturais da Revolução Francesa. 22. (UFPA 2013) Sobre patrimônio material e imaterial no Brasil, é CORRETO afirmar: A) O Palacete Pinho, o Parque Zoobotânico do Museu Emilio Goeldi e o Complexo Ver-o-Peso são considerados como patrimônio imateriais do Brasil por resguardarem a memória dos povos indígenas. B) Os recursos naturais são bens culturais de patrimônio imaterial, por isso é grande o risco de desaparecerem, caso não sejam preservados por políticas sociais. C) As práticas e expressões culturais, para serem consideradas como bens imateriais, devem apresentar associação entre os objetos, artefatos e os lugares onde são desenvolvidos. D) O Ofício das Baianas de Acarajé agrega diferentes classes socioeconômicas, promovendo a equidade e a justiça social, e é caracterizado apenas como patrimônio imaterial. 23. (Unioeste 2012) O relativismo cultural é um princípio segundo o qual não é possível compreender, interpretar ou avaliar de maneira significativa os fenômenos sociais a não ser que sejam considerados em relação ao papel que desempenham no sistema cultural. Tendo por base o anúncio transcrito acima, é CORRETO afirmar que: A) Relativizar é construir descrições exteriores sobre diferentes modos de vida. B) Relativizar é uma defesa da homogeneidade cultural. C) É o reconhecimento da unidade biológica da espécie humana. Através dessa unidade biológica podemos explicar as realidades culturais e o comportamento das pessoas. D) O relativismo defende que todas as culturas tendem a se assemelhar com o passar do tempo, e que ao difundir nossos hábitos estamos colaborando com esse processo. E) Relativizar é uma tentativa de construir descrições e interpretações dos fatos culturais a partir do que nos dizem e do que fazem os atores destes fatos culturais. 24. (UFU 2012 Adaptada) A estética nas diferentes sociedade vem geralmente acompanhada de marcas corporais que individualizam seus sujeitos e sua coletividade. Discos labiais, piercings, tatuagens, mutilações, pinturas, vestimentas, penteados e cortes de cabelo são algumas marcas reconhecíveis de um inventário possível das técnicas corporais em toda sua riqueza e diversidade. Embora universal, as formas das quais se valem os grupos e indivíduos para se marcarem corporalmente são vistas, às vezes, como estranhas a indivíduos que pertencem a outros grupos. Essa atitude de estranhamento em relação ao diferente é considerada conceitualmente como A) Etnocentrismo: só reconhece valor nos seus próprios elementos culturais. B) Preconceito: reconhece no valor das raças o que é correto ou na estética corporal. C) Relativização: o outro é entendido nos seus próprios termos. D) Etnocídio: afasta o diferente e procura transformálo num igual. E) Cultura híbrida: assimilação de elementos culturais de outras culturas sem perder características da cultura nativa.

8 25. (Unicentro 2011) No ano de 1933, a artista modernista Tarsila do Amaral ( ) pinta o quadro Operários, dando início à pintura social no Brasil. Pág. 8 A) Privilegiando os sentidos e subordinando o conhecimento a eles. B) Atendo-se à posição de Parmênides de que razão e sensação são inseparáveis. C) Afirmando que a razão é capaz de gerar conhecimento, mas a sensação não. D) Estabelecendo um abismo intransponível entre as duas. E) Rejeitando a posição de Parmênides de que a sensação é superior à razão. 27. (ENEM 2012) TEXTO I Experimentei algumas vezes que os sentidos eram enganosos, e é de prudência nunca se fiar inteiramente em quem já nos enganou uma vez. DESCARTES, R. Meditações Metafísicas. São Paulo: Abril Cultural, Operários de Tarsila do Amaral, Sobre o tema da diversidade étnica, as teorias sociológicas afirmam que, sob a perspectiva cultural, A) os termos raça, etnia e cultura têm o mesmo significado analítico, no contexto brasileiro, quando utilizados por sociólogos e antropólogos. B) as populações indígenas brasileiras foram classificadas, corretamente, como primitivas pelos colonizadores, porque são naturalmente mais vagarosas e atrasadas. C) alguns elementos culturais, como o futebol, as comidas típicas e o carnaval, não podem ser objetos de análise sociológica por mascarar a desigualdade existente nas relações sociais. D) a chegada dos japoneses, em 1908, e a construção de uma nova identidade nacional com a implantação de suas associações civis, educativas e religiosas, forma o marco das relações interraciais no Brasil. E) os grupos biológicos de indivíduos que compartilham de uma história comum, feita de laços linguísticos e culturais, são tidos como pertencentes da mesma etnia. 26. (ENEM 2012) Para Platão, o que havia de verdadeiro em Parmênides era que o objeto de conhecimento é um objeto de razão e não de sensação, e era preciso estabelecer uma relação entre objeto racional e objeto sensível ou material que privilegiasse o primeiro em detrimento do segundo. Lenta, mas irresistivelmente, a Doutrina das Ideias formava-se em sua mente. (ZINGANO, M. Platão e Aristóteles: o fascínio da filosofia. São Paulo: Odysseus, 2012 (adaptado). O texto faz referência à relação entre razão e sensação, um aspecto essencial da Doutrina das Ideias de Platão (427 a.c.-346 a.c.). De acordo com o texto, como Platão se situa diante dessa relação? TEXTO II Sempre que alimentarmos alguma suspeita de que uma ideia esteja sendo empregada sem nenhum significado, precisaremos apenas indagar: de que impressão deriva esta suposta ideia? E se for impossível atribuir-lhe qualquer impressão sensorial, isso servirá para confirmar nossa suspeita. HUME, D. Uma investigação sobre o entendimento. São Paulo: Unesp, 2004 (adaptado). Nos textos, ambos os autores se posicionam sobre a natureza do conhecimento humano. A comparação dos excertos permite assumir que Descartes e Hume A) entendem que é desnecessário suspeitar do significado de uma ideia na reflexão filosófica e crítica. B) são legítimos representantes do criticismo quanto à gênese do conhecimento. C) concordam que conhecimento humano é impossível em relação às ideias e aos sentidos. D) atribuem diferentes lugares ao papel dos sentidos no processo de obtenção do conhecimento. E) Defendem os sentidos como critério originário para considerar um conhecimento legítimo. 28. (UNICANTO 2010 adaptada) Há duas formas de exercitarmos nossa capacidade de domínio sobre os outros (poder humano). Das alternativas abaixo, apenas uma revela essas duas formas filosóficas do poder humano, assinale-a: A) A posse e o conhecimento. B) A desinformação e a pobreza. C) A posse e a desinformação. D) O conhecimento e a pobreza. E) A posse e o governo. 29. (Uncisal 2011) Na Grécia Antiga, o filósofo Sócrates ficou famoso por interpelar as pesoas e fazer perguntas aos que se achavam conhecedores de determinado assunto. Mas durante o diálogo, Sócrates colocava o interlocutor em situação delicada, levando-o a reconhecer sua própria ignorância. Em virtude de sua

9 atuação, Sócrates acabou sendo condenado à morte sob a acusação de corromper a juventude, desobedecer às leis da cidade e desrespeitar certos valores religiosos. Considerando essas informações sobre a vida de Sócrates, assim como a forma pela qual seu pensamento foi transmitido, pode-se afirmar que sua filosofia: A) transmitia conhecimentos de natureza científica. B) baseava-se em uma contemplação passiva da realidade. C) transmitia conhecimentos exclusivamente sob a forma escrita entre a população ateniense. D) possibilitava que os gregos antigos, não questionassem sua realidade. E) ficou consagrada sob a forma de diálogos, posteriormente redigidos pelo filósofo Platão. 30. (UEL 2010) A filosofia surge na Grécia Antiga como uma atividade especial do homem sábio, o amigo do saber (filo + sophia = amor à sabedoria). Desde então, inúmeras foram as tentativas de definir exatamente o que procura e o que faz um filósofo. Qual alternativa demostra a verdadeira função do filósofo? A) Investigar a linguagem humana e suas controvérsias para facilitar o conhecimento. B) Investigar tanto os mistérios do cosmo e da natureza, como as que dizem respeito ao homem e à sociedade. C) Buscar formar um diálogo harmonioso entre religião e fé. D) Fundamentar empiricamente a ciência por meio da razão humana, pois apenas racionalmente os homens chegam a verdade E) Indicar o homem para o caminho do espírito da inteligência, colocando o homem como centro do universo. 31. (ENEM 2008) Narizinho correu os olhos pela assistência. Não podia haver nada mais curioso. Besourinhos de fraque e flores na lapela conversavam com baratinhas de mantilha e miosótis nos cabelos. Abelhas douradas, verdes e azuis, falavam mal das vespas de cintura fina achando que era exagero usarem coletes tão apertados. Sardinhas aos centos criticavam os cuidados excessivos que as borboletas de toucados de gaze tinham com o pó das suas asas. Mamangavas de ferrões amarrados para não morderem. E canários cantando, e beija-flores beijando flores, e camarões camaronando, e caranguejos caranguejando, tudo que é pequenino e não morde, pequeninando e não mordendo. Monteiro LOBATO, Reinações de Narizinho. São Paulo: Brasiliense, No último período do trecho, há uma série de verbos no gerúndio que contribuem para caracterizar o ambiente fantástico descrito. Expressões como camaronando, caranguejando e pequeninando e não mordendo criam, principalmente, efeitos de: A) dinamicidade do cenário. B) esvaziamento de sentido. C) estaticidade dos animais. D) interrupção dos movimentos. E) monotonia do ambiente. Pág (UEL PR 2002) Transpondo a frase Haviam sido examinados pelo procurador todos os documentos da venda para a voz ativa, obtém-se a forma verbal... A) haviam examinado. B) tinham sido examinados. C) teriam sido examinados. D) havia examinado. E) foram examinados. 33. (UFPA 2001) No trecho: Presa e incomunicável continuará a paciente. Prosseguirá o inquérito (...). O poder Judiciário, tomando conhecimento das provas que a polícia afirma irrefragáveis contra a paciente, condena-la-á. Ficará assim Maria Prestes reduzida à condição de nada fazer de nocivo à ordem pública, pelo emprego das formas verbais no futuro do presente, do modo indicativo, pode-se entender, em relação ao futuro de Maria Prestes, que há uma atitude de: A) suposição sobre os fatos. B) incompreensão dos fatos. C) indignação com os fatos. D) indiferença aos fatos. E) certeza do fatos. 34. (FCC BA) Não te *** com essas mentiras que *** da ignorância. A) aborreces, provêem. B) aborreça, provêem. C) aborreças, provém. D) aborreça, provém. E) aborreças, provêm. 35. (ENEM 2001 Adaptado) Texto I No meio do caminho tinha uma pedra tinha uma pedra no meio do caminho tinha uma pedra no meio do caminho tinha uma pedra (...) ANDRADE, C. D. Reunião. Rio de Janeiro: José Olympo, 1971(fragmento). Texto II As lavadeiras de Mossoró, cada uma tem sua pedra no rio: cada pedra é herança de família, passando de mãe a filha, de filha a neta, como vão passando as águas no tempo (...) A lavadeira e a pedra formam um ente

10 especial, que se divide e se reúne ao sabor do trabalho. Se a mulher entoa uma canção, percebe-se que nova pedra a acompanha em surdina... (...) ANDRADE, C. D. Contos sem propósito. Rio de Janeiro: Jornal do Brasil, Caderno B. 17/7/1979 (fragmento) Com base na leitura dos textos, é possível estabelecer uma relação entre forma e conteúdo da palavra pedra, por meio da qual se observa: A) o emprego, em ambos os textos, do sentido conotativo da palavra pedra. B) a identidade de significação, já que nos dois textos, pedra significa empecilho. C) a personificação de pedra que, em ambos os textos, adquire características animadas. D) o predomínio, no primeiro texto, do sentido denotativo de pedra como matéria mineral sólida e dura. E) a utilização, no segundo texto, do significado de pedra como dificuldade materializada por um objeto. 36. (FUVEST SP) Na Lírica de Camões: A) encontram-se sonetos, odes, sátiras e autos. B) cantar a pátria é o centro das preocupações. C) o verso usado para a composição dos sonetos é o redondilha maior. D) encontra-se uma fonte de inspiração de muitos poetas brasileiros do século XX. E) a mulher é vista em seus aspectos físicos, despojada de espiritualidade. 37. (UNISA 2009) A literatura jesuíta, nos primórdios de nossa história: A) marca nossa maturação clássica. B) visa à catequese do índio, à instrução do colono e sua assistência religiosa e moral. C) tem grande valor informativo. D) está a serviço do poder real. E) tem fortes doses nacionalistas. 38. (UNIV. FED. DE SANTA MARIA 2002) Sobre a literatura produzida no primeiro século da vida colonial brasileira, é CORRETO afirmar que: Pág (POLI 2005) "Duas relíquias históricas produzidas no Brasil, foram trazidas para exibição na Mostra do Redescobrimento, em São Paulo: o manto tupinambá e a carta de Pero Vaz de Caminha." (Folha de São Paulo, 11 de maio de 2000.) A carta de Pero Vaz de Caminha, sobre o achamento do Brasil, enviada a El-Rei Dom Manuel é a principal manifestação literária do Quinhentismo, movimento literário brasileiro do século XVI. Tendo em vista o seu teor, podemos afirmar que os visitantes da Mostra do Redescobrimento, ao se depararem com tal texto, conseguiriam através dele: A) resgatar valores e conceitos sociais brasileiros. B) perceber o interesse português em explorar a nova terra. C) descobrir a história brasileira pela arte. D) ter mais informações sobre a arte brasileira. E) ver a cultura indígena brasileira. 40. (UFPR ) Considere o soneto a seguir, de Gregório de Matos: que descreve com galharda propriedade o labirinto confuso de suas desconfianças. Ó caos confuso, labirinto horrendo, Onde não topo luz, nem fio achando; Lugar de glória, aonde estou penando; Casa da morte, aonde estou vivendo! Oh voz sem distinção, Babel* tremendo; Pesada fantasia, sono brando; Onde o mesmo que toco, estou sonhando; Onde o próprio que escuto, não o entendo; Sempre és certeza, nunca desengano; E a ambas pretensões com igualdade, No bem te não penetro, nem no dano. És ciúme martírio da vontade; Verdadeiro tormento para engano; E cega presunção para verdade. *Babel: bíblico, torre inacabada por castigo divino; quando de sua construção os homens viram seus idiomas se confun direm, gerando o desentendimento que os obrigou a se dispersarem. Por extensão, desentendimento, confusão. (MATOS, Gregório de. Poemas escolhidos. Seleção e organização: José Miguel Wisnik. São Paulo: Companhia das Letras, p. 219.) A) Inicia com Prosopopeia, de Bento Teixeira. B) É constituída por documentos que informam acerca da terra brasileira e pela literatura jesuítica. C) É formada principalmente de poemas narrativos e textos dramáticos que visavam à catequese. D) Os textos que a constituem apresentam evidente preocupação artística e pedagógica. E) Descreve com fidelidade e sem idealizações a terra e o homem, ao relatar as condições encontradas no Novo Mundo. O soneto transcrito apresenta características recorrentes da poesia de Gregório de Matos e do período literário em que ele o escreveu, o Barroco. Acerca desse soneto, é CORRETO afirmar: A) O poema se apropria de duas imagens, Babel e labirinto, com a intenção de tematizar um sentimento conturbado: a presunção. B) O poema se estrutura como um soneto típico, em que a ideia central está apresentada no primeiro quarteto.

11 C) As figuras de linguagem utilizadas associam ideias contrárias, o que se contrapõe às imagens do labirinto e de Babel. D) O poema apresenta nos quartetos duas imagens concretas, dissociadas das abstrações apresentadas nos tercetos. E) O poema descreve um labirinto e, de modo semelhante à imagem descrita, utiliza uma linguagem em que a ideia central só se apresenta no fim do texto. Pág (ENEM 2010): O folclore é o retrato da cultura de um povo. A dança popular e folclórica é uma forma de representar a cultura regional, pois retrata seus valores, crenças, trabalho e significados. Dançar a cultura de outras regiões é conhecê-la, é de alguma forma se apropriar dela, é enriquecer a própria cultura. (BREGOLATO, R. A. Cultura corporal da dança. São Paulo: Ícone, 2007). As manifestações folclóricas perpetuam uma tradição cultural é obra de um povo que a cria, recria e a perpetua. Sob essa abordagem deixa-se de identificar como dança folclórica brasileira: A) o Bumba-meu-boi, que é uma dança teatral onde personagens contam uma história envolvendo crítica social, morte e ressurreição. B) o Congado, que é uma representação de um reinado africano onde se homenageia santos através de música, cantos e dança. C) a Quadrilha das festas juninas, que associam festejos religiosos e celebrações de origens pagãs envolvendo as colheitas e a fogueira. D) o Balé, em que se utilizam músicos, bailarinos e vários outros profissionais para contar uma história em forma de espetáculo. E) o Carnaval, em que o samba derivado do batuque africano é utilizado com o objetivo de contar ou recriar uma história nos desfiles. A) do onírico, que misturava sonho com realidade e interagia refletindo a unidade entre o consciente e o inconsciente como um universo único ou pessoal. B) da linha inflexível da razão, dando vazão a uma forma de produção despojada no traço, na temática e nas formas vinculadas ao real. C) do reflexo que, apesar do termo paranoico, possui sobriedade e elegância advindas de uma técnica de cores discretas e desenhos precisos. D) do fantástico, impregnado de civismo pelo governo espanhol, em que a busca pela emoção e pela dramaticidade desenvolveram um estilo incomparável. E) da expressão e intensidade entre o consciente e a liberdade, declarando o amor pela forma de conduzir o enredo histórico dos personagens retratados. 43. (DECISÃO pré-vestibular 2012) Figura (ENEM 2010) Todas as manhãs quando acordo, experimento um prazer supremo: o de ser Salvador Dalí. (NÉRET, G. Salvador Dalí. Taschen, 1996). Assim escreveu o pintor dos relógios moles e das girafas em chamas em Esse artista excêntrico deu apoio ao general Franco durante a Guerra Civil Espanhola e, por esse motivo, foi afastado do movimento surrealista por seu líder, André Breton. Dessa forma, Dalí criou seu próprio estilo, baseado na interpretação dos sonhos e estudos de Sigmund Freud, denominado método de interpretação paranoico. Esse método era constituído por textos visuais que demonstram a imagem Figura 2

12 O homem, desde a pré-história, procurou manifestar, através da arte (Pintura, escultura, música, dança, literatura, etc...), sua visão de mundo. Assim, podemos perceber em suas obras aspectos que revelam a época e a cultura da civilização que as produziu. Observando os vasos das figuras 1 e 2, os reconhecemos como produtos da civilização: A) Egípcia. B) Grega. C) Indiana. D) Chinesa. E) Maia. 44. (2 TECPUC 2013) Na Idade Média, a dança sofreu uma ruptura brutal na evolução da dança. Esse período caracteriza-se pela influência da Igreja sobre toda a sociedade. Os estudos recentes sobre a Idade Média avaliam esse período da história como um retrocesso na dança, que é caracterizado por: A) Período de dez séculos durante o qual houve intensa atividade industrial e comercial, sendo a cultura intelectual exclusividade dos mosteiros e da Igreja. Tendo a dança vista com bons olhos pela igreja. B) Período de obscurantismo e atraso cultural a longa noite de mil anos em virtude do desprezo dado à herança intelectual grega e da romana que ainda acontecia na Itália. C) Época que pode ser chamada de "Idade das Trevas", em razão do predomínio da Igreja, que, com sua ideologia, contribuiu para a estagnação cultural, a opressão política e o fanatismo religioso. Onde a dança passa a ser julgada como macabra e profana. D) Neste período a dança era dançada por todos, incluindo os camponeses. O clero via a dança como uma passagem mística para o outro mundo, sendo aceita e apresentada em funerais. E) Época que não se constitui uma unidade: em sua primeira fase, houve retrocesso cultural e econômico, porém, posteriormente, ressurgiu a vida econômica e houve grande florescimento cultural. 45. A Pop Art, abreviatura de Popular Art, foi um movimento artístico que se desenvolveu na década de 1950, na Inglaterra e nos Estados Unidos. Foi na verdade uma reação artística ao movimento do expressionismo abstrato das décadas de 1940 e Sobre o movimento Pop Art, podemos afirmar: A) Com o grande desenvolvimento tecnológico a partir da Revolução Industrial, o movimento Pop Art tentou, através das imagens sacras, mobilizar a sociedade, centrando seu foco nas doutrinas religiosas. B) A Pintura Mural foi a técnica mais utilizada no período, tendo como seu principal representante Wassily Kandinsky. C) Litchtenstein e Andy Warhol são grandes representantes do movimento Pop-Art. Pág. 12 D) A tendência alegórica expressa pelo movimento, compondo elementos da fauna e da flora em suas obras, confirma a forte influência maneirista no período. E) Os artistas foram fortemente influenciados pelos Neoclássicos que defendiam o liberalismo no século XIX.

13 Pág. 13 REDAÇÃO UFPR 2010 Adaptada Leia as notícias abaixo: Notícia 1: Escola secundária nos EUA vai ter biblioteca digital A Cushing Academy, uma escola secundária privada do Massachussetts, EUA, decidiu que os livros são uma tecnologia ultrapassada e vai trocá-los por versões digitais. O novo centro de aprendizagem de 500 mil dólares (cerca de 350 mil euros) irá oferecer dezoito leitores de e-book Amazon Kindle e Sony, televisores planos, uma cafetaria e cubículos de estudo onde os alunos poderão usar os portáteis. James Tracy, reitor da escola, disse ao Boston Globe que "quando olho para os livros, vejo uma tecnologia ultrapassada, tal como os pergaminhos foram ultrapassados pelos livros". Tracy acrescentou que "Não se trata de recriar o Fahrenheit 451*. Não estamos a desencorajar os alunos de ler. Vemos isto como uma forma natural de lidar com tendências emergentes e otimizar a tecnologia". O reitor espera que os 20 mil livros da biblioteca transitem para uma versão virtual, juntando-se a um catálogo muito maior a que os alunos terão acesso. Devido às limitações de espaço, a escola tem vindo a doar os antigos livros a escolas locais e bibliotecas. *Fahrenheit 451: romance de ficção científica (Ray Bradbury, 1953), que cria um futuro no qual todos os livros são proibidos. (Revistata Exame Informática (Portugal), 07 set Adaptado.Disponivel em:http://exameinformatica.sapo.pt/noticias/mercados/ escola-secundaria-nos-eua-vai-ter-biblioteca-digital.Acesso em: 21 set. 2010) Notícia 2: Lei exige que escola tenha biblioteca O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou uma lei que determina a instalação de bibliotecas em todas as instituições de ensino do País em um prazo de dez anos. Atualmente, quase 100 mil colégios de ensino fundamental público e particular não contam com esses espaços. Segundo o texto, publicado nesta terça-feira no Diário Oficial da União, cada biblioteca deve ter, no mínimo, um título para cada aluno matriculado. Segundo o Censo Escolar de 2009, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, só 34,8% das escolas de ensino fundamental do País tinham bibliotecas até o ano passado. Eram colégios sem coleções disponíveis para consulta dos alunos. Estadão.com 26 mai em: //www.estadao.com.br/noticias/vidae, lei-exige-que-escola-tenhabiblioteca, ,0. htm. Acesso em 22 set. 2010) A polêmica decisão da escola americana foi comentada pelos jornais e revistas do mundo todo. Qual é seu ponto de vista sobre a decisão da Cushing Academy? Escreva um texto argumentativo, posicionando-se frente ao fato noticiado. Seu texto deve: Apresentar sua opinião e os argumentos que a sustentam; Relacionar o fato com a situação das escolas brasileiras, a partir da notícia publicada no Estadão.com; Ter de 15 a 20 linhas (mínimo de oito palavras para a 15ª e 20ª linha). Não é necessário dar um título ao Texto.

14 NÚCLEO DE PROCESSOS SELETIVOS - 1º SIMULADO TECPUC Pág. 14 FOLHA DE REDAÇÃO (rascunho) ALUNO(A): DATA: / / NOTA: TURMA:

15 NÚCLEO DE PROCESSOS SELETIVOS - 1º SIMULADO TECPUC Pág. 15

16 NÚCLEO DE PROCESSOS SELETIVOS - 1º SIMULADO TECPUC Pág. 16

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Aula Expositiva pelo IP.TV Dinâmica Local Interativa Interatividade via IP.TV e Chat público e privado Email e rede

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo:

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: - Alguns aspectos que interferem na saúde das pessoas - Saúde como Direito Constitucional dos brasileiros

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES 1. (Unicamp 2013) A sabedoria de Sócrates, filósofo ateniense que viveu no século V a.c., encontra o seu ponto de partida

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder 1- Unificação dos Estados Nacionais Centralização do poder 1.1- Nobreza classe dominante Isenção de impostos; Ocupação de cargos públicos; Altos cargos no exército. 1- Conceito: Sistema de governo que

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 3

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 3 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 3 5 Nome: Data: Unidade 3 1. Relacione as colunas a seguir, que apresentam algumas inovações tecnológicas utilizadas a partir do século X. (a) Moinho de

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

Questões com textos não verbais. Prof. Bruno Augusto

Questões com textos não verbais. Prof. Bruno Augusto Questões com textos não verbais Prof. Bruno Augusto (ENEM) Em uma conversa ou leitura de um texto, corre-se o risco de atribuir um significado inadequado a um termo ou expressão, e isso pode levar a certos

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

(A) Regionalismo (caráter da literatura que se baseia em costumes e tradições regionais).

(A) Regionalismo (caráter da literatura que se baseia em costumes e tradições regionais). ENEM 2002 Comer com as mãos era um hábito comum na Europa, no século XVI. A técnica empregada pelo índio no Brasil e por um português de Portugal era, aliás, a mesma: apanhavam o alimento com três dedos

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Sociologia: ciência da sociedade

Sociologia: ciência da sociedade Sociologia: ciência da sociedade O QUE É SOCIOLOGIA? Sociologia: Autoconsciência crítica da realidade social. Ciência que estuda os fenômenos sociais. A Sociologia procura emancipar o entendimento humano

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

GABARITO PRÉ-VESTIBULAR

GABARITO PRÉ-VESTIBULAR LINGUAGENS 01. C 02. D 03. C 04. B 05. C 06. C 07. * 08. B 09. A 10. D 11. B 12. A 13. D 14. B 15. D LÍNGUA ESTRANGEIRA 16. D 17. A 18. D 19. B 20. B 21. D MATEMÁTICA 22. D 23. C De acordo com as informações,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos) 1. Unidades temáticas, conteúdos e objetivos/competências I O que é a Sociologia Unidades temáticas/conteúdos* 1. Sociologia e conhecimento sobre a realidade social 1.1. Ciências Sociais e Sociologia 1.2.

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos)

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) 3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) Questão (1) - A filosofia se constitui, a partir das concepções de Sócrates, Platão e Aristóteles, como o pensamento que investiga: a) A questão da dívida externa.

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 04/06/2011 Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano Pedagogia Professor Edson Fasano História da Educação O Brasil cresceu isolado do mundo, apenas convivendo com aquele pobre e retrógrado Portugal que não permitiu a criação de um sistema escolar de ensino

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ ED Comunicação e Expressão 2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 1 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE COLINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E.M.E.F. CEL. JOSÉ VENÂNCIO DIAS EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ninguém educa ninguém. Ninguém se educa sozinho. Os homens se educam em

Leia mais

Um Guia para Usar Ferramentas de Assessment em Treinamento e Coaching MAIO DE 2014. Você está preparado PARA DISPUTAR COM OS MELHORES?

Um Guia para Usar Ferramentas de Assessment em Treinamento e Coaching MAIO DE 2014. Você está preparado PARA DISPUTAR COM OS MELHORES? Você está preparado PARA DISPUTAR COM OS MELHORES? Um Guia para Usar Ferramentas de Assessment em Treinamento e Coaching PREPARADO PELA TTI SUCCESS INSIGHTS PARA PROFISSIONAIS DE TREINAMENTO E COACHING

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

CURSO História. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo.

CURSO História. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. PROCESSO SELETIVO 2004/1 HISTÓRIA CURSO História Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. 2. 3. 4. Este caderno de prova contém dez questões, que deverão

Leia mais

Princípios de Ética no Grupo DB

Princípios de Ética no Grupo DB Princípios de Ética no Grupo DB Código de conduta Objetivo do código de conduta Estipulamos com valor vinculativo os nossos padrões e as expectativas relativas aos nossos negócios diários. Para todos os

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais