ERICK RIBEIRO DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ERICK RIBEIRO DA SILVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO ERICK RIBEIRO DA SILVA GESTÃO DO CONHECIMENTO COMO BASE PARA A FORMULAÇÃO DE ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS: ESTUDO REALIZADO NUMA FRANQUIA DE LOCAÇÃO DE AUTOMÓVEIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING João Pessoa PB Agosto de

2 ERICK RIBEIRO DA SILVA GESTÃO DO CONHECIMENTO COMO BASE PARA A FORMULAÇÃO DE ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS: ESTUDO REALIZADO NUMA FRANQUIA DE LOCAÇÃO DE AUTOMÓVEIS Trabalho de Conclusão de Estágio Apresentado à Coordenação do Serviço de Estágio Supervisionado em Administração, do Centro de Graduação em Administração, do Centro de Ciências Sócias Aplicadas da Universidade Federal da Paraíba, em Cumprimento às Exigências para a Obtenção do Grau de Bacharel em Administração. Orientador: Professora Sônia Trigueiro de Almeida Drª. João Pessoa PB Agosto de

3 A professora Orientadora Sônia Trigueiro de Almeida Drª. Solicitamos examinar e emitir parecer no Trabalho de Conclusão de Estágio do aluno Erick Ribeiro da Silva. João Pessoa, 22 de agosto de Prof. Carlos Eduardo Cavalcante Coordenador do SESA Parecer do Professor Orientador: 3

4 ERICK RIBEIRO DA SILVA GESTÃO DO CONHECIMENTO COMO BASE PARA A FORMULAÇÃO DE ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS: ESTUDO REALIZADO NUMA FRANQUIA DE LOCAÇÃO DE AUTOMÓVEIS Trabalho de conclusão de Estágio Aprovado em: 22 de agosto de Banca Examinadora Professora Sônia Trigueiro de Almeida Drª. Professora Nadja Valéria - Msc Professor André Gustavo Silva Msc 4

5 DEDICATÓRIA Com muito orgulho dedico a meu Pai Josenaldo Ribeiro da Silva (in memória), que em vida me amou muito. Com Amor, dedico a minha mãe Maria Eridan das Neves Silva, que sempre me ensinou a respeitar o meu próximo, e o caminho da verdade. Com Amor, dedico a minha esposa Marilia Moura dos Santos e minha filha Maria Gabriela dos Santos Ribeiro que amo muito, e juntas formam minha família, a minha irmã Kivya, meu sobrinho João Paulo, e especialmente dedico este Trabalho a Deus e seu Filho Jesus Cristo. 5

6 AGRADECIMENTOS A minha Orientadora, Professora Sônia Trigueiro de Almeida, que soube compreender minhas dificuldades, ensinando-me os caminhos mais sensatos e inteligentes na condução deste trabalho. A Nazilda de Oliveira Cunha, gerente operacional e Lyon Fábio, Agente de vendas da Unidas rent a car, loja de João Pessoa, por ter me orientado nos primeiros ensinamentos para exercício de estágio na Unidas rent a car. A minha família que sempre me ajudou na minha vida acadêmica. Aos meus amigos que contribuíram direta e indiretamente para elaboração deste trabalho. 6

7 SILVA, Erick Ribeiro da. Gestão do conhecimento como base para a formulação de estratégias competitivas: estudo realizado numa franquia de locação de automóveis. f. Monografia (Curso de Graduação em Administração), Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, RESUMO O objetivo do presente estudo foi analisar a gestão do conhecimento como base para a formulação de estratégias competitivas: estudo realizado numa franquia de locação de automóveis. Para, tanto, utilizou como método de pesquisa o questionário aplicado aos clientes da empresa, uma vez que além do levantamento e interpretação dos dados, possibilitou o levantamento de sugestões para melhorar o atendimento ao cliente, e o saber sobre o mesmo. Como resultados alcançados, destacam-se elaboração de uma política de relacionamento com o cliente, e a busca para melhor atendimento. Palavras-chave: Gestão do conhecimento, Informação, Varejo, Franquia, Organização. 7

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Delimitação do tema e formulação do trabalho de pesquisa Justificativa... 3 Objetivos Objetivos gerais Objetivos Específicos FUNDAMENTAÇÕES TEÓRICAS Gestão do conhecimento Que é gestão do conhecimento Objetivos da gestão do conhecimento Marketing Marketing de relacionamento Pós-marketing Varejo O que é varejo Canais de distribuição O varejo no Brasil Características dinâmicas do varejo Franquia Vantagens de uma franquia Vantagens para o franqueador Vantagens para o franqueado O mercado de automóveis no Brasil O locatário de automóveis Concorrência no setor Aposta no turismo METODOLOGIA DE PESQUISA Natureza da pesquisa Métodos de Procedimentos Técnicas de pesquisas Instrumento de Pesquisa

9 5.5 - Tratamento de Dados Sujeito da Pesquisa Amostra ANALISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS Perfil do entrevistado Conhecimento do cliente Identificação das necessidades CONCLUSÃO Considerações Finais Limites Sugestões para pesquisa REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE

10 Gestão do conhecimento como base para a formulação de estratégia competitiva: estudo realizado numa franquia de locação de automóveis 1 DELIMITAÇÃO DO TEMA E FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA A economia atual é substancialmente diferente da economia de épocas passadas, conhecimento e informação são a matéria-prima e os produtos mais importantes que os gestores têm de manusear. Estes ativos sempre foram importantes, mas nunca como agora. Os sinais de mudanças são evidentes, no mercado cada vez mais competitivo, as empresas estão buscando um diferencial que a coloque a frente de seus concorrentes, e o cliente mostra-nos de forma clara se a empresa esta trabalhando de forma correta e esta atendendo de forma satisfatória seus clientes. Na década de 50, o cliente passou a dominar o cenário, sendo o caminho para a obtenção de melhores resultados, enquanto que na década de 70, com o surgimento do atendimento por telefone, a briga por clientes ficou mais acirrada, através do tele marketing. Nos anos 80, aparece à mudança de relacionamento entre o cliente e a empresa, já nos anos 90 houve a necessidade de incorporar o serviço aos produtos e oferecer um atendimento mais eficaz aos clientes. Atualmente, a internet vem para agregar mais valor no relacionamento, com interatividade e criatividade para fixar ainda mais o grau de afinidade com o mesmo. No inicio do século passado, surge às franquias, como um diferencial no mercado, com o objetivo de criar um ambiente que venha a favorecer o desenvolvimento de marcas conhecidas do grande mercado consumidor, capacitando e gerenciando seus proprietários (franqueados e franqueadores), ensinando funcionamento, mostrando o modo de trabalho daquela organização, com a aparência e o jeito de trabalhar igual à matriz. A franquia garante aos seus franqueados uma equipe de profissionais altamente capacitados a prestar um suporte de apoio técnico, onde o franqueado possa ter uma tranqüilidade para gerir seu negócio. Investir em uma franquia não elimina o risco do negócio não dá certo, mas o reduz consideravelmente, pois o franqueado está apostando numa marca que na maioria das vezes é conhecida pelo consumidor, e que já traz certa tranqüilidade para quem esta consumindo, diferente de quem esta abrindo um negócio novo. Um aspecto fundamental para o franqueado seguir a risca é gestão de serviço (atendimento ao cliente), hoje em dia é de fundamental importância atender bem, 10

11 conquistar o cliente é muito difícil, e mantê-lo fiel é muito mais complicado do que se imagina criar mecanismos de atendimento rápido e com clareza nas informações para manutenção do negócio, com as franquias não são diferentes, a criação de métodos de atendimento, cartão fidelidade, banco de dados, tratamento diferenciado, são meios de manter o cliente fiel à marca. Sendo assim, o problema deste projeto é: como a gestão do conhecimento pode melhorar o atendimento em uma franquia de locação de automóveis, de modo a facilitar a recepção deste cliente à loja e mantê-lo fiel à marca, tendo uma relação de fidelização. 2 JUSTIFICATIVA Integrar mais informações e mais conhecimentos nos produtos, nos serviços, nas decisões é a emergência que representa a função vital da gestão do conhecimento, FREITAS (1993, p.93). Dessa forma, enxergamos que a junção do conhecimento com a informação, forma um diferencial competitivo na manutenção e no adicionamento novos clientes na organização, melhorando o atendimento, direcionando o foco para que este cliente torne-se fiel a esta organização. Mas, só recepcionar o cliente bem não faz com que ele volte, manter um contato, aflorar sempre a lembrança deste a àquela empresa, é fundamental. Em um mercado onde a concorrência é forte e presente, onde você não pode bobear, a decisão de compra do consumidor esta no pequeno detalhe, investir em conhecimento, em políticas de relacionamento com o cliente de que ele volte, e mais do que isso, que traga novos clientes, faz com que a questão da gestão do conhecimento seja fundamental no dia-dia da empresa. Grande parte das organizações está preocupada em conquistar novos consumidores, mas poucas se preocupam em saber se esse cliente esta satisfeito com os produtos vendidos por esta organização, ou se os serviços prestados por esta empresa, são satisfatórios ao cliente. Visando melhorar o atendimento e manter o cliente fiel a organização, é propósito deste trabalho, que vem demonstrar a função da gestão do conhecimento dentro de uma organização, é de fundamental importância, pois o conhecimento e a informação agregam maior valor hoje em dia que muitas máquinas. O trabalho reúne conceitos de autores conhecidos no cenário da administração, além de sugerir alguns pontos de conhecimento do cliente que agregam valor a organização. 11

12 3 OBJETIVOS 3.1 OBJETIVO GERAL Analisar a gestão do conhecimento sobre os clientes, para melhorar o atendimento e estabelecer meios para que esse cliente torne-se fiel a marca UNIDAS rent a car, como um diferencial no que se refere a locação de automóveis. 3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. levantar o perfil dos clientes da Unidas rent a car; 2. apontar os segmentos mais promissores para a Unidas rent a car; 3. identificar às necessidades dos segmentos-alvo (automóveis mais Adequados); 4. adotar políticas de marketing de relacionamento como estratégia de fidelização. 12

13 4 - FUNDAMENTAÇÕES TEÓRICAS GESTÃO DO CONHECIMENTO Hoje em dia o mundo nos oferece milhões de informações divulgadas e acessíveis em diversos meios e manter um gerenciamento integrado sobre essas informações passou a ser um diferencial para que possamos atingir os objetivos desejados, Gerenciar as informações a não é ser mais suficiente, de maneira integrada e relacionada, mas, sobretudo ter Gestão do conhecimento. Para BATISTA (2002, p.25) Entende-se por conhecimento a informação interpretada, ou seja, o que cada informação significa e que impactos no meio, cada informação pode causar, de modo que a informação possa ser utilizada para importantes ações e tomadas de decisões. Sabendo como o meio reage às informações, pode-se antever as mudanças e se posicionar de forma a obter vantagens e ser bem sucedido nos objetivos a que se propõe. Para BUKOWITZ e WILLIANS (2002, p. 17), Gestão do conhecimento é o processo pelo qual a organização gera riqueza, a partir do seu conhecimento ou capital intelectual. A riqueza acontece quando uma organização utiliza o conhecimento para criar processos mais eficientes e efetivos. Como a reengenharia tradicional, isso tem impacto nos resultados financeiros por que diminui o custo ou por que reduz o tempo ciclo (você obtém mais rápido o que necessita, entrega mais rápido para o cliente e o cliente lhe paga mais rápido), o que melhora o fluxo de caixa. A riqueza também acontece quando uma organização utiliza o conhecimento para criar valor para o cliente. BUKOWITZ e WILLIANS (2002, p. 18) Para DAVENPORT & PRUSAK (1998, p.61), A gestão do conhecimento é o esforço para aumentar a eficiência dos mercados do conhecimento. A tecnologia da informação trouxe grandes benefícios, chegou o momento que precisamos aprender e pensar além das maquinas, a gestão do conhecimento tem como ponto central o ser humano. Atualmente, um número cada vez maior de empresas percebe o quanto é importante saber sobre seus clientes, poder tirar o máximo de proveito de todas as fontes e promover um amplo compartilhamento desses conhecimentos, o conhecimento das pessoas adquire características de um bem muito valioso, são muitos os sinais que o conhecimento se tornou um recurso econômico para a competitividade das empresas. 13

14 Daí conquistar o cliente, e manter-lo fiel a marca, é o grande desafio hoje para as organizações QUE É GESTÃO DO CONHECIMENTO? Para TERRA (2005, p.08), Gestão do conhecimento significa organizar as principais políticas, processos e ferramentais gerenciais e tecnológicos à luz de uma melhor compreensão dos processos de GERAÇÃO, IDENTIFICAÇÃO, VALIDAÇÃO, DISSEMINAÇÃO, COMPARTILHAMENTO e USO dos conhecimentos estratégicos para gerar resultados (econômicos) para a empresa e benefícios para os colaboradores internos e externos (stakeholders). Para BUKOWITZ e WILLIANS (2002, p.18), A riqueza acontece quando uma organização utiliza o conhecimento para criar um valor a o cliente OBJETIVOS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO Para ALVARENGA (2005), a gestão do conhecimento tem como objetivos; tornar acessíveis grandes quantidades de informações corporativas, compartilhando as melhores práticas e tecnologias; permitir a identificação e o mapeamento dos ativos de conhecimentos e informações ligados a qualquer organização; apoiar a geração de novos conhecimentos, propiciando o estabelecimento de vantagens competitivas; dar vida aos dados tornando-os utilizáveis e útil transformando-os em informação essencial ao nosso desenvolvimento pessoal e comunitário; organiza e acrescenta lógica aos dados de forma a torná-los compreensíveis MARKETING Para KOTLER (1996, p.32), O marketing, tem como principal responsabilidade o alcance do crescimento em receitas lucrativas para a empresa. Ele deve identificar, avaliar e selecionar as oportunidades de mercado e estabelecer as estratégias para alcançar proeminência, senão domínio, nos mercados alvo. 14

15 O marketing pode ser definido como o conjunto de atividades que objetivam a analise, o planejamento, a implantação e o controle de programas destinados a obter e servir a demanda por produtos e serviços, de forma adequada, atendendo desejos e necessidades dos consumidores e/ou usuários com satisfação, qualidade e lucratividade (KOTLER, 1996, p. 34). Para KOTLER (1996, p. 31) O Marketing é a atividade humana dirigida para a satisfação das necessidades e desejos, através dos processos de troca. Para HOOLEY (1996, p.8), nos mercados cada vez mais dinâmicos e competitivos, as empresas ou organizações que tem maior probabilidade de ter sucesso são aquelas que se preocupam com as expectativas, desejos e necessidades dos clientes, e se equipam melhor que seus concorrentes para satisfazê-las. Vejamos alguns princípios básicos do marketing que servem para guiar tanto o conceito quanto suas ações, Para HOOLEY e SAUNDERS (1996, p.25, 26, 28 e 29), há vários princípios entre eles: princípio 1 - O cliente é o centro de tudo, o primeiro princípio do marketing é o próprio conceito. Ele reconhece que os objetivos de longo prazo da organização, sejam eles financeiros ou sociais, poderão ser mais facilmente alcançados se o cliente estiver extremamente satisfeito. Deste reconhecimento, nasce a necessidade de uma investigação cuidadosa dos desejos e necessidade do cliente, seguida de uma definição clara sobre a empresa poder atendê-los da melhor maneira possível. princípio 2 - Os clientes não compram produtos, este segundo principio mostra de forma clara que os clientes compram o que os produtos fazem para eles, os clientes estão menos interessados nas características técnicas do produto ou serviço do que nos benefícios que eles obtêm por meio da compra, uso ou consumo do produto ou serviço. princípio 3 O marketing é uma coisa muito importante para ser deixado a cargo do departamento de marketing, o marketing é uma tarefa de todos na organização. As ações de todos podem ter um impacto sobre os clientes finais e sobre sua satisfação. À medida que as organizações vão ficando cada vez mais horizontais devido à redução de números de níveis hierárquicos, e continuam a 15

16 demolir as barreiras funcionais espúrias existentes entre os departamentos, tornase cada vez mais evidente que o marketing é uma tarefa de todos. É igualmente evidente que o marketing tem uma importância central tanto para a sobrevivência como para a prosperidade da empresa, que ele é por demais importante para ser deixado a cargo apenas do departamento de marketing. princípio 4 os mercados são heterogêneos, os produtos e serviços que tentam satisfazer um mercado segmentado por meio de um padronizado geralmente fracassam ao tentar satisfazer diferentes tipos de clientes a um só tempo e se tornam vulneráveis a concorrentes dispondo de metas mais objetivas. Lembrando o principio 2, é evidente que uma maneira de segmentar os mercados esta na base dos benefícios que os clientes obtêm ao comprar ou consumir o produto ou serviço. princípio 5 - Os mercados e clientes mudam constantemente, os mercados são dinâmicos e praticamente todos os produtos têm uma vida limitada até ser descoberta uma nova maneira de satisfazer o desejo ou a necessidades que o geraram, até que apareça uma outra solução ou fornecedor do benefício. Também é evidente a necessidade de aperfeiçoamento constante do produto e serviço. À medida que as expectativas do cliente mudam, tornando-se geralmente mais exigentes em relação aos benefícios que esperam receber de um dado produto ou serviço, também a organização precisa aprimorar continuamente aquilo que o oferece, ao menos manter a posição que desfruta MARKETING DE RELACIONAMENTO Para VAVRA (1993, p.170), o marketing de relacionamento como o processo de garantir satisfação continua e reforço aos indivíduos ou organizações que são clientes atuais ou que já foram clientes. Os clientes devem ser identificados, reconhecidos, comunicados, aditados em relação a satisfação e respondidos, alguns estudiosos acreditam que a mensuração da satisfação dos clientes pode ser o diferencial de empresas bem sucedidas em relação a outras. A empresa precisa ter essa mensuração externa por uma ou todas as razões seguintes: satisfação de clientes é freqüentemente equiparada a qualidade; o compromisso por um programa de satisfação de clientes demonstra liderança em uma categoria de negócios ; 16

17 mensurações internas de satisfações de clientes podem ser inadequadas ou impróprias; ouvindo os clientes, as empresas podem se beneficiar e passar a ser voz ativas no mercado; muitos clientes não reclamam abertamente porque podem achar que nada vai ser feito; um programa de satisfação de clientes é uma poderosa ferramenta para estimular a melhoria dos produtos ou serviços; os concorrentes podem já ter adotado programas de satisfação de clientes bem sucedidas. (VAVRA, 1993, p. 170) A maioria dos programas de mensuração de satisfação, além de apontar níveis de satisfação, fornece conhecimento a respeito das expectativas dos clientes. Tais programas auxiliam a empresa na priorização de tais expectativas e mudanças que possam sofrer, além de permitirem que se conheça o valor das necessidades existentes. (VAVRA, 1993, p.165). Segundo BATISTA (2000), O conceito de customer relationship management ou gerenciamento do relacionamento, refere-se ao desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento e a implementação de processos operacionais baseados em infraestrutura computacional e de telecomunicação, visando adquirir servir e reter clientes. O gerenciamento de relacionamento combina o marketing de relacionamento que procura fidelizar clientes e estabelecer relacionamento abrangente com a tecnologia da informação que detêm das ferramentas e recursos da informação rápida para os clientes. A necessidade de se obter essas informações em tempo real ou mesmo em curtíssimo prazo, seja uma ferramenta importantíssima para as empresas que desejam consolidar e aprimorar seus conceitos de atendimento. Para BRETZER (2003, p.36), A administração empresarial, se baseia na aceitação da orientação para o cliente e para o lucro por parte da empresa, e no reconhecimento de que deve buscar novas formas de comunicação para estabelecer um relacionamento profundo e duradouro com os clientes, como forma de obter uma vantagem competitiva sustentável. 17

18 Para as empresas que desejam aplicar o Customer Relationship Management (CRM) ou gerenciamento do relacionamento, KOTLER (1996), indica as seis características deste modelo para aplicação de marketing de relacionamento; 1. buscar a integração do cliente ao processo de planejamento dos produtos e serviços, para garantir a satisfação dos desejos e necessidades que eles anseiam; 2. desenvolvimento da empresa referente aos nichos de mercado, canais de distribuição e identificação de segmentos, tendo assim a adquirir ganhos de mercado; 3. o desenvolvimento de infra-estrutura com os influenciadores, objetivando criar a imagem da empresa e o desenvolvimento tecnológico; 4. desprendimento de esforços mercadológicos e tempo com os clientes, buscando monitorar as mudanças do ambiente competitivo; 5. monitoramento constante da concorrência, a fim de prever as mudanças, onde os prováveis movimentos dos concorrentes demonstrarão suas intenções e a capacidade de responder a tais; 6. desenvolvimento de um sistema de análise mercadológica, buscando sempre obter um retorno de informações para que se possam tomar as decisões em tem pó hábil. Não podemos esquecer que o CRM, nada mais que reproduzir em larga escala o conhecimento e personalização oferecidos pelos varejistas de antigamente. O que muda é a tecnologia e infra-estrutura. Para VAVRA (1993, p. 40), são sete as oportunidades específicas que podem ser implementadas na estruturação do marketing de relacionamento: 1. preparar e organizar um banco de dados de clientes; 2. programar ponto de contato com os clientes; 3. analisar o feedback do cliente; 4. elaborar levantamentos sobre a satisfação do cliente; 5. dirigir programas de comunicação; 6. patrocinar eventos ou programas para clientes; 7. recuperar os clientes perdidos. 18

19 As empresas precisam se modernizar e ampliar sua visão de atendimento, mobilizar esforços conjuntos, em equipe, e utilizar meios eficazes. É importante esclarecer que a empresa deve ser preparada para atender, da forma que o cliente merece ser atendido. (VAVRA, 1993, p.174) PÓS-MARKETING O pós-marketing consiste ao invés de se preocupar constantemente com a conquista de novo clientes, no mercado onde os mesmo tornam-se escasso, estabelece uma relação de pós-venda com o cliente atual. Fazendo com que o mesmo se torne fiel a empresa. Se uma organização tem o desejo continuo de fidelizar o cliente a sua marca, é de fundamental importância que esta o trate bem, não só durante a venda, mas após a venda feita na empresa, seja essa venda de produto ou serviço. (VAVRA, 1993, p.32) Para VAVRA (1993, p.32), há uma grande importância em revelar e considerar o valor das ações pós-venda, evidencia-se assim, a importância do marketing de relacionamento: cultivar relacionamentos progressivos, para desta forma, manter clientes. A interação continua pós-venda é parte muito importante do pós-marketing e é tão necessária quanto à venda, se uma organização deseja contar com oportunidades continuadas de negócios com o mesmo cliente no futuro. Para VAVRA (1993, p.33), manter clientes exige que a empresa e organizações demonstrem cuidado e interesse por eles após terem feito uma compra. Isso se faz, através de comunicação com o cliente, monitoramento das expectativas do mesmo e verificação do seu nível de satisfação relacionado ao produto. O pós-marketing ajuda a assegurar um comprador ansioso e a fortificar o comprador contra questões do tipo de saber se fez bom investimento. Através do oferecimento de informações e segurança pós-compra, o cliente percebe a qualidade do produto ou serviço comprado. Muitas empresas julgam que os clientes atuais estão satisfeitos com seus produtos e serviços e falham a não mostrar interesse pelo mesmo. (VAVRA, 1993, p.38). 4.3 VAREJO 19

20 Desde os primórdios os varejistas desempenham um papel primordial na sociedade e na distribuição de mercadorias. E a necessidades de troca de objetos surgiu a partir do momento em que o homem saiu da caverna em busca de alimento. O fenômeno da organização empresarial do comercio varejista é relativamente recente, a adoção de técnicas administrativas modernas sugiram em meados do século XIX, nos Estados Unidos e Europa. No Brasil, surgi no final do século XIX, com acentuada influência européia nos usos, nos costumes e métodos de comercialização. (COBRA, 1992, p.503) O QUE É VAREJO? CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO A história da troca de mercadorias começa com a auto suficiência. As famílias antigas produziam e fabricavam o que necessitavam para seu consumo. Consequentemente houve a constatação por parte dos produtores da capacidade de produção de produtos com maior facilidade que outros, permitindo o desenvolvimento de especializações. A especialização permitia a produção de excedentes daquilo que se fazia melhor, e daí a tendência de trocar os excessos produzidos de um bem por uma unidade familiar com outros bens produzidos por outras famílias, começou assim a comercialização e a formação de mercados. (LAS CASAS, 1992, p.13). Os canais e distribuição e o marketing envolve basicamente duas áreas de decisão: distribuição física e canais de distribuição. Na distribuição física são consideradas as decisão sobre os transportes, armazenagem e distribuição, enfim a parte de logística que envolve o produto. Na determinação do canal de distribuição consideram-se as decisões referentes aos caminhos que os produtos devem seguir até chegar ao consumidor. (LAS CASAS, 1992, p.15). Pode definir Varejo é a venda de produtos ou a comercialização de serviços em pequenas quantidades. (WIKIPÉDIA, 2008). Segundo KOTLER (2000, p.540) todas as atividades de venda de bens ou serviços diretamente aos consumidores finais, são definidas como varejo. O local onde os produtos ou serviços são vendidos (lojas, ruas e residências), não é importante. Da mesma forma, todas as maneiras pela qual estes bens ou serviços são vendidos estão incluídas no conceito de varejo, seja através de venda pessoal, correio ou telefone. 20

21 Para Richer s apud LAS CASAS, (1992, p.17), Varejo é processo de compra de produtos em quantidade relativamente grande dos produtores atacadistas e outros fornecedores e posterior venda em quantidades menores ao consumidor final O VAREJO NO BRASIL O comércio no Brasil, na época da colônia, era dependente de Portugal. A cultura do Pau-brasil e do açúcar corresponde a um período de crescimento no país. Na fase do império, houve certa euforia no desenvolvimento de atividades agrícolas. No entanto constata-se que o mesmo não ocorre no setor industrial. Como o comércio está em grande parte atrelado à indústria, que permite a freqüência de oferta, percebe-se a dificuldade inicial do varejo brasileiro. A inexistência de infra-estrutura, como estradas e meios de transporte. O crescimento no mercado brasileiro ocorreu na época da república, a parti desse período, uma serie de novos varejistas aparece no Brasil comprovando esta tendência de crescimento. Em 1871 é fundada a casa Masson, em 1906, as lojas Pernambucanas. Hoje em dia a tendência do comercio brasileiro, como em outros paises, é uma grande descentralização nas grandes cidades com o desenvolvimento do varejo, (LAS CASAS, 1992, p. 23 e 24) CARACTERÍSTICAS DINÂMICAS DO VAREJO Para COBRA (1992, p.505), há no varejo quatro características importantes: 1. no varejo, quem inicia a compra geralmente é o consumidor, ao contrário da venda de fabricantes ou atacadistas para varejistas, a iniciativa é do vendedor dos primeiros; 2. o varejo tem um sentido de urgência. As pessoas desejam comprar e usar as mercadorias imediatamente; 3. a venda é efetuada geralmente em pequenas quantidades; 4. o varejo tem normalmente uma localização fixa, por isso, precisa atrair compradores, uma vez que não pode ir até os compradores, como o fazem os vendedores dos fabricantes. O campo do comercio varejista é altamente influenciado pelo fator econômico e financeiro, uma crise pode afetar um volume de negócios, as tendem a economizar. 21

22 4.4 - FRANQUIA Franquia do inglês franchising é a loja especializada que opera sobre licença. A franquia nada mais é do que uma forma de comércio que funciona mediante um contrato de uso da marca, para uso com exclusividade de uma linha de produtos ou de serviços que deve operar de formas rígidas de funcionamento. (COBRA, 1992, p.516). Com o objetivo de expansão dos negócios, a franchising tem sido adotada em larga escala, como um acordo contratual no qual uma grande organização (franqueador ou franchisor), estabelece condições para que uma pequena organização (franqueado ou franchisee) opere como um sócio dentro de certas e especificas situações, (COBRA, 1992, p.516)). Segundo a CARTILHA DO GOVERNO FEDERAL, O QUE É FRANQUIA (2008), existe algumas termologias que são adotadas, para quem esta inserida no mundo das franquias, dentre as mais usadas: franqueador: pessoa jurídica que autoriza terceiros (os franqueados) a fazerem uso restrito de uma marca cujos os direitos são próprios; franqueado: pessoa física ou jurídica que adquire uma franquia; royalties: remuneração paga ao franqueador pelo franqueado em contra partida à cessão dos direitos da franquia ao franqueado VANTAGENS DE UMA FRANQUIA Entre as principais vantagens de adoção do sistema de franchising sobre o sistema de varejo independente, podem-se destacar: Reputação. O franqueador normalmente já goza de reputação no mercado, que o novo franqueado não gozaria. Assim o início da comercialização do produto ou serviço a ser oferecido fica facilitado pelo sistema de franquia; Capital de trabalho. A operação pelo sistema de franchising requer menor recurso monetário, uma vez que o franqueador provê o franqueado pelo controle de mercadorias e outros métodos operacionais que significam redução de custos. Quando necessário o franqueador pode proporcionar assistência financeira para as despesas operacionais. Experiência. O conhecimento de mercado e demais experiências operacionais é um grande facilitador para um franqueado inexperiente; 22

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua

Leia mais

COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA

COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Pessoa física que deseja constituir um negócio

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

FACIL LOCADORA E COMERCIO DE VEICULOS LTDA

FACIL LOCADORA E COMERCIO DE VEICULOS LTDA FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES - FACELI FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACIL LOCADORA E COMERCIO DE VEICULOS LTDA LINHARES

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE

FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE SUMÁRIO QUEM SOMOS 02 PREMIAÇÕES 03 ONDE ESTAMOS 04 O MODELO QUIOSQUE 06 NOSSO NEGÓCIO 07 MULTIMARCAS 07 MULTISERVIÇOS 08 PERFIL DO FRANQUEADO 09 VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE

Leia mais

O Que Vem Mudando Nos Hábitos De Consumo Da Classe C

O Que Vem Mudando Nos Hábitos De Consumo Da Classe C VAREJO Agosto - 2012 O Que Vem Mudando Nos Hábitos De Consumo Da Classe C Desde a criação do Real e a estabilização da economia, o poder aquisitivo da população brasileira aumentou de forma significativa.

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

Obtendo resultados reais através do CRM

Obtendo resultados reais através do CRM Porque investir em CRM? Aresposta é simples: Seus clientes consideram o foco da empresa no consumidor como prérequisito, não como diferencial. Eles esperam poder negociar com você quando, onde e como quiserem.

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS Uma empresa sem vendas simplesmente não existe, e se você quer ter sucesso com uma loja você deve obrigatoriamente focar nas vendas. Pensando nisso começo este material com

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

MECÂNICA PRASS: REPARADORA VEICULAR 24HORAS.

MECÂNICA PRASS: REPARADORA VEICULAR 24HORAS. MECÂNICA PRASS: REPARADORA VEICULAR 24HORAS. Estela Rögelin Prass 1 Evandro Boneberg Prass 2 Amilto Müller 3 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo, apresentar um plano de negócio, os estudos e análise

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO

FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 A IMPORTÂNCIA DAS PESSOAS E DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO NA CÂMARA MUNICIPAL DE IPAMERI - GOIÁS. MÁRCIO FERNANDES 1, MARTA MARIA DE SOUZA 2, DÉBORA

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

YES Aluguel de Carros

YES Aluguel de Carros YES Aluguel de Carros O mercado brasileiro de aluguel de carros Frota do Setor Em unidades Fonte: Anuário ABLA 2012 Idade média da frota Em meses Fonte: Anuário ABLA 2012 Composição da frota por modelo

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Pós-Graduação Gestão Estratégica de Empresas e Negócios Gestão do Conhecimento Trabalho desenvolvido pelos alunos da turma GEEN 0535, do curso de Gestão Estratégica de Empresas e Negócios, para a disciplina

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Empresários de pequeno, médio e grande

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE LOJA

FRANQUIA MODALIDADE LOJA FRANQUIA MODALIDADE LOJA SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO

Leia mais

IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL PESQUISA QUANTITATIVA APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PÚBLICOS-ALVO: POPULAÇÃO e FORMADORES DE OPINIÃO FÓRUM VOLVO DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO 24 DE SETEMBRO

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Criamos o que as pessoas amam antes que elas saibam o que querem Hoje nossos franqueados

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS Daniela Valdez Rodrigues A RELAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO COM RELAÇÕES PÚBLICAS São Leopoldo

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

FRANQUIA HOME OFFICE

FRANQUIA HOME OFFICE FRANQUIA HOME OFFICE SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades UNIDADE 3 Identificação de oportunidades Provavelmente seja um dos maiores mitos sobre as novas idéias para negócios: a idéia deve ser única. Na realidade pouco importa se a idéia é única ou não, o que

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

FICHA DE CADASTRO EMPRETEC. Município Data: / /

FICHA DE CADASTRO EMPRETEC. Município Data: / / FICHA DE CADASTRO EMPRETEC Município Data: / / Caro Empreendedor, Obrigado por seu interesse pelo Empretec, um dos principais programas de desenvolvimento de empreendedores no Brasil e no Mundo! As questões

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Data Warehouse - DW ADM. MARTÍN GLASS CRA/MT 4742

Data Warehouse - DW ADM. MARTÍN GLASS CRA/MT 4742 Data Warehouse - DW Data Warehouse (Armazém de Dados) é um depósito integrado de informações, disponíveis para análise e para a construção de filtros de busca; Centraliza informações localizadas em diferentes

Leia mais

PLANO DE AÇÃO APLICADO NAS ORGANIZAÇÕES

PLANO DE AÇÃO APLICADO NAS ORGANIZAÇÕES Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins APLICADO NAS ORGANIZAÇÕES Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins APLICADO NAS ORGANIZAÇÕES Trabalho apresentado à disciplina

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL

A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL RESUMO O setor bancário sofre crescente modificação no que tange aos seus canais de vendas e comunicação com os clientes. O atendimento, que era feito através

Leia mais