FERNANDO CÉSAR ROMÃO A IMPORTÂNCIA DA INDÚSTRIA DE TERCEIRIZAÇÃO DE FROTA PARA GERAÇÃO DE VALOR EM NEGÓCIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FERNANDO CÉSAR ROMÃO A IMPORTÂNCIA DA INDÚSTRIA DE TERCEIRIZAÇÃO DE FROTA PARA GERAÇÃO DE VALOR EM NEGÓCIOS"

Transcrição

1 FERNANDO CÉSAR ROMÃO A IMPORTÂNCIA DA INDÚSTRIA DE TERCEIRIZAÇÃO DE FROTA PARA GERAÇÃO DE VALOR EM NEGÓCIOS Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Sistemas de Gestão da Universidade Federal Fluminense como requisito parcial para obtenção do grau de mestre em Sistemas de Gestão. Área de concentração: Estratégia das Organizações. Orientador: Marco Aurélio Cabral Pinto, D.Sc Niterói 2008

2 FERNANDO CÉSAR ROMÃO A IMPORTÂNCIA DA INDÚSTRIA DE TERCEIRIZAÇÃO DE FROTA PARA GERAÇÃO DE VALOR EM NEGÓCIOS Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Sistemas de Gestão da Universidade Federal Fluminense como requisito parcial para obtenção do grau de mestre em Sistemas de Gestão. Área de concentração: Estratégia das Organizações. Aprovada em BANCA EXAMINADORA : Prof. Marco Aurélio Cabral Pinto, D.Sc Prof. Ricardo Miyashita, D.Sc Prof. Marco Antonio Farah Caldas, D.Sc

3 Dedico este trabalho Ao Senhor Deus Altíssimo, In Memoriam a meus queridos pais Paulo Romão e Marina dos Santos Romão, e irmão, Gil Sergio Romão, cujas existências foram fundamentais para que eu chegasse até aqui.

4 AGRADECIMENTOS Ao Dr. Marco Aurélio Cabral Pinto, pela orientação paciente que possibilitou a contribuição proposta nesse trabalho. Aos meus colegas do Curso de Mestrado, Sr. Julio Vieira Neto e Sr. Emerson Pacheco, pela atenção e discussão dos temas relacionados à importância da Indústria de Terceirização de Frotas; ao Sr. Humberto Correa Cotelo, o Sr. Eduardo Saad Kossatz e o Sr. João Ricardo Fernandes, que possibilitaram discutir as proposições e sugestões aqui apresentadas.

5 Uma organização que aprende é um lugar onde pessoas descobrem continuamente como criam sua realidade, Senge (2004)

6 RESUMO Este trabalho apresenta o desenvolvimento de um modelo financeiro de avaliação do valor agregado da Indústria de Terceirização de Frotas Leves para organizações com operações distribuídas pelo território nacional. Caracteriza-se o setor, o histórico e a relevância no cenário econômico brasileiro, bem como apresentam-se os serviços ofertados. Os resultados indicam vantagens significativas em favor da opção de pela terceirização, dadas as premissas consideradas. Palavras-chave: Terceirização. Frotas de Veículos. Modelo Financeiro.

7 ABSTRACT It presents a financial model to evaluate Fleet Outsourcing Industry for Organizations with operations in all regions in Brazil. It includes a sector description, with historical vision and economic importance in Brazilian scenario, and services offered through presentation. The Results show us significant advantages to Fleet Outsoursing taking into account the work assumptions to be considered. Key words: Outsourcing. Vehicles Fleet. Financial Model.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Serviços envolvidos na Terceirização de Veículos Leves 29 Figura 2 Faturamento do Setor de Locação de Veículos 42 Figura 3 Número de Locadoras Existentes 42 Figura 4 Quantidade de Veículos na Frota do Setor 43 Figura 5 Participação na do Setor na Venda da Indústria Automobilística 43 Figura 6 Geração de Empregos. 44 Figura 7 Perfil de Negócio das Locadoras 44 Figura 8 Composição da Frota por Tipo de Modelo 45 Figura 9 Perfil de Negócio das Locadoras 45 Figura 10 Atendimento na Terceirização de Veículos Leves 47

9 ` 9 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Serviços Envolvidos na Terceirização de Veículos Leves 30 Quadro 2 Estudo Financeiro 53 Quadro 3 Custos de Administração 54 Quadro 4 Demonstrativo dos Valores Referentes ao Veículo 55 Quadro 5 Custo de Manutenção da Empresa 56 Quadro 6 Fluxo de Caixa de Compra versus Terceirização 57 Quadro 7 Fluxo de Caixa de Leasing versus Terceirização 58

10 ` 10 LISTA DE ABREVIATURAS ABC Activity Based Cost ABLA Associação Brasileira de Locadoras BIN Base de Índice Nacional/Detran C Custo de Capital Ponderado da Firma C* Custo de Capital da Empresa Capital Capital Empregado CDI Certificado de Depósito Interbancário CPMF Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira DETRAN Departamento Estadual de Trânsito DPVAT Seguro de Danos Pessoais por Veículos Automotores Terrestres EUA Estados Unidos da América EVA Economic Value Added GM General Motors ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços IGPM Índice Geral de Preços Mercado IPVA Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores IR Imposto de Renda IRR Internal Rate of Return JIT Just in Time Km Quilômetros Km/h Quilômetros por Hora NOPAT Net Operating Profit After Tax N/NE Norte e Nordeste NPV Net Present Value ROI Return on Investments S.A. Sociedade Anônima TCT Teoria dos Custos de Transação TIR Taxa Interna de Retorno VPL Valor Presente Líquido

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTEXTO E SITUAÇÃO-PROBLEMA VINCULADA À PESQUISA QUESTÕES E HIPÓTESE DA PESQUISA RELEVÂNCIA DA PESQUISA A DELIMITAÇÃO DA PESQUISA A ESTRUTURA DO TRABALHO FUNDAMENTOS TEÓRICOS TERCEIRIZAÇÃO LOGISTICA FINANÇAS PARA AVALIAÇÃO DE DECISÃO DE TERCEIRIZAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO SETOR TIPOS DE EMPRESA DE TERCEIRIZAÇÃO DE FROTA HISTÓRICO DO SETOR RELEVÂNCIA DO SETOR RESULTADOS DA PESQUISA INTRODUÇÃO METODOLOGIA CIENTÍFICA DA PESQUISA FATORES CRÍTICOS PARA DECISÃO DE TERCEIRIZAÇÃO DE FROTA RESULTADO CASO BASE SIMULAÇÕES DE CENÁRIOS RESULTADO DAS SIMULAÇÕES CONCLUSÃO E INDICAÇÕES PARA PESQUISAS FUTURAS...63 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...65 ANEXOS...72

12 ` 12 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTO E SITUAÇÃO-PROBLEMA VINCULADA À PESQUISA O Setor de Locação de Veículos vem apresentando ofertas de serviços para as organizações no equacionamento da questão de aquisição e manutenção de frotas, empregadas em Vendas, Serviços Técnicos, Distribuição e outros serviços inerentes a negócios. A presente dissertação se volta para o serviço de Gestão e Terceirização de Frotas. Atualmente, o emprego do serviço de Terceirização de Frotas pode ser considerado incipiente no país, em função de uma pequena participação na frota total de empresas, ou seja, cerca de 12,5%, em (UNIDAS RENT A CAR, 2006). Passamos, então, a analisar o contexto atual das organizações no âmbito econômico-financeiro, de forma a criar o contexto adequado para a avaliação. A atual corrida das organizações internacionalizadas e concorrentes locais por produtividade, redução de custos e modalidades mais inteligentes e vantajosas para desenvolver atividades inerentes aos negócios, implica intensa busca por alternativas para um aumento de desempenho. No ambiente organizacional, verificamos uma ampliação de esforços para atender às crescentes metas de lucratividade e retorno exigidas, visto que os acionistas têm à sua disposição cada vez mais opções de investimentos nos diversos mercados disponíveis. Pela globalização e democratização das opções de investimento junto ao público, como fundos de investimento e mesmo investimento direto em bolsa, é relativamente simples acompanhar o comportamento de mercados complexos para investir neles. O aumento do leque de opções tem gerado necessidade constante de busca por melhores resultados. Maximizar o uso do capital tem sido a palavra de ordem. O balizamento utilizado pelos investidores tem sido controlar os retornos das organizações pela lucratividade das organizações concorrentes e de natureza semelhante, no país e no exterior.

13 ` 13 A aquisição de bens e serviços a serem utilizados como apoio (limpeza, transporte, viagens, entre outros) às áreas de produção e vendas pode ser considerada como a atividade freqüentemente responsável pelos maiores componentes de custos das organizações. A aquisição desses serviços de apoio foi considerada, durante muito tempo, atividade de caráter tático e de cunho administrativo, reativamente às decisões tomadas pelas outras funções (departamentos), principalmente a Produção. Entretanto, os movimentos do mercado e da economia, através das diversas crises de fornecimento na história, bem como as novas formas de gestão da produção, como Just In Time (JIT) e Gerenciamento pela Qualidade Total, dentre outras, que buscavam a redução de custos e a melhoria de qualidade para maior competitividade, levaram a função conhecida como Aquisição a também ter de adotar novas medidas de gestão, para ganhar um cunho estratégico na participação da busca de vantagens competitivas para o negócio. Como prática na busca de melhores resultados, as empresas, alternativamente, podem utilizar o aumento do capital de terceiros para atingir maior impulsão financeira, muitas vezes através da redução de ativos próprios, visando a aumentar a relação percentual de retorno sobre o capital. Uma questão importante tem sido a busca por alternativas que considerem a maximização de emprego de recursos, principalmente frente ao recolhimento desnecessário de tributos e ao compartilhamento de condições privilegiadas dos recursos disponíveis, que alguns parceiros ou fornecedores possam ter a sua disposição. Também, faz-se necessário dispor de recursos suficientes para investimento no ciclo produtivo e no marketing nas organizações, os quais são aspectos primordiais para consolidação, perenidade e boa performance no elevado nível de competição na atualidade. Diversas empresas possuem limitações de crédito bancário, que podem impactar em operações de empréstimo para atender a necessidades de déficit das operações ou mesmo para investimentos ou leasing. No caso das empresas aplicadoras de excedente de caixa, verifica-se uma busca cada vez maior por investimento em projetos ou aplicações que tragam um maior retorno liquido dentro da organização. Mas não são somente os altos retornos financeiros que produzem o

14 ` 14 sucesso das empresas. Principalmente por causa da necessidade de perenidade, torna-se importante planejar para não ficar para trás nesse ambiente cada vez mais veloz, virtual e globalizado. Assim, é necessário não sobrecarregar os canais de decisão e gestão com assuntos não estratégicos para a organização, ou seja, é importante não descuidar do negócio principal da empresa. Devido ao crescente movimento de especialização do Setor de Terceirização de Frotas, bem como devido à elevada pressão dos investidores sobre os executivos para racionalização de processos e custos internos, entendidos como situação-problema, é que torna-se necessário avaliar, sob prisma adequado, a importância da terceirização das frotas de veículos leves na gestão das organizações. 1.2 QUESTÕES E HIPÓTESE DA PESQUISA No presente trabalho procurar-se-á comparar a alternativa de administração de frota própria com a terceirização de frota de veículos leves para empresas brasileiras. Espera-se encontrar significativas vantagens econômico-financeiras para empresas com dispersão nacional e que contam com mais de 100 veículos e sua frota. 1.3 RELEVÂNCIA DA PESQUISA Nos casos em que se utiliza frota dispersa nacionalmente, com quantidade relevante acima de 100 veículos, a frota própria acaba por levar a organização a criar departamentos de frota que se tornam pequenas empresas dentro das empresas, consumindo tempo e recursos que poderiam ser mais bem aproveitados na atividade-fim da organização. Tendo em vista o grande potencial de terceirização de frotas leves apresentado pelas empresas, acredita-se que tem se tornado cada vez mais interessante estudar a real viabilidade de Terceirização de Frota de Veículos Leves na organização, ou seja, pensar numa perspectiva a longo prazo, sob o ponto de

15 ` 15 vista econômico-financeiro, de forma a atestar se essa técnica de gestão pode ser eficaz para atingir as metas organizacionais. O trabalho poderá ser utilizado como referência para os interessados em avaliar as vantagens do uso de frota terceirizada,em que os serviços de manutenção, proteção contra sinistro ou furto, administração de pneus, pagamento de taxas, documentação e outras atividades inerentes à administração de frotas ficam ou podem ficar por conta da empresa terceirizada. A pesquisa também poderá servir de referência para avaliações da viabilidade de terceirização de outras atividades empresariais. Os interessados poderão ser as próprias organizações, órgãos públicos, estudantes, empresas ofertantes de Terceirização de Frota ou de outros serviços, dentre outros. 1.4 A DELIMITAÇÃO DA PESQUISA A pesquisa se limitará a estudar a alternativa de terceirização de frotas leves no Brasil, isto é, ficam excluídas análises envolvendo os caminhões e outros tipos de veículos pesados como tratores,empilhadeiras e colheitadeiras. Será analisada a alternativa de aluguel de frota cotejada com alternativas de compra direta das montadoras e leasing mercantil. O veículo utilizado para os estudos será o modelo popular 1.0, duas portas, sem ar condicionado, com rádio, escolhido por ser o veículo mais barato, com maiores vendas no mercado nacional, bem como por ser o veículo leve mais utilizado pelas empresas em suas frotas. Devido às características de Aluguel do serviço de Terceirização de Frotas, não foi considerada, neste trabalho,a análise de riscos para a organização contratante do serviço. Será considerado como Terceirização de Frota o serviço de alugar uma frota de veículos leves para a empresa, com a abrangência de serviços em: manutenção

16 ` 16 preventiva e corretiva, seguro, documentação e taxas, pneus, serviço de atendimento 24 horas e reboque, em caso de pane ou sinistro. O trabalho não levou em conta a decisão de aluguel para pessoas físicas ou pessoas jurídicas sem fins lucrativos. Não serão considerados incentivos fiscais regionais, como os de investimento produtivo em localidades específicas, seja por isenção de impostos ou taxas, postergação do recolhimento de ICMS, seja através de qualquer outro imposto. Para adequar os cálculos referentes a descontos e ganhos de volume, considerar-se-á como frota uma quantidade acima de 100 veículos, dispersos no território nacional. O trabalho não considerará o estudo de viabilidade econômicofinanceira para empresas que possuam prejuízo em seu balanço, de forma a não aproveitarem o benefício fiscal proporcionado pelo aluguel no cálculo do imposto de renda. As taxas de Detran, despachante e os valores de manutenção e peças serão baseados na média verificada para a cidade do Rio de Janeiro, de acordo com os últimos três meses anteriores ao fechamento da pesquisa. O estudo de viabilidade econômico-financeira observará um horizonte de tempo médio pelo qual as empresas costumam manter seus veículos, calculado com base nos dados de empresas que trabalham com aluguel de frotas de veículos no mercado brasileiro. Serão considerados, no estudo, os custos de administração de frota, seguro, taxa de oportunidade, depreciação comercial do veículo, frete, preço do veículo e preço do aluguel. 1.5 A ESTRUTURA DO TRABALHO Para se atingir o objetivo proposto, o presente trabalho será estruturado em cinco capítulos, mais a bibliografia. No Capitulo 1 faremos a introdução ao trabalho, de forma a apresentar e caracterizar a pesquisa.

17 ` 17 No Capitulo 2, apresentaremos uma revisão dos fundamentos teóricos que suportam o trabalho, abrangendo os aspectos teóricos relevantes para tratamento do tema, com questões envolvendo Terceirização Logística e Finanças para Decisão de Terceirização. Os aspectos referentes à Terceirização Logística abrangerão as características próprias ao tema da pesquisa. Os aspectos que dizem respeito às Finanças para Avaliação de Decisão de Terceirização serão importantes para direcionar a modelagem financeira do estudo de caso, bem como para balizar as simulações de hipótese a serem consideradas. No Capítulo 3, será apresentada a descrição do setor de locação de veículos. No capítulo 4, a Metodologia, as premissas e os resultados da pesquisa serão apresentados. Para melhor análise dos resultados do modelo financeiro, serão feitas simulações, no sentido de verificar a sensibilidade do modelo às alterações em variáveis críticas ao estudo. O Capitulo 5 apresentará as conclusões e indicações para pesquisas futuras e o Capitulo 6 apresentará as referências bibliográficas.

18 ` 18 2 FUNDAMENTOS TEÓRICOS A presente seção está dividida em dois grandes temas teóricos que, em face dos requisitos de pesquisa, devem ser analisados e tratados. 2.1 TERCEIRIZAÇÃO LOGISTICA De acordo com Giosa (1997), terceirização é um processo de gestão pelo qual se transferem algumas atividades para terceiros, com os quais o contratante estabelece uma relação de parceria, passando a se concentrar apenas em tarefas essencialmente ligadas ao seu negócio. O processo em questão está visível e nítido na Terceirização de Frotas. Ressalta Queiroz (1992), que por volta de 1940, nos Estados Unidos, durante a Segunda Guerra Mundial, as indústrias da época precisavam concentrar-se na produção de armamentos. Portanto, passaram algumas atividades de suporte à produção a outros empresários prestadores de serviços. O conceito original de logística, utilizado no decorrer da Segunda Guerra Mundial pelas forças armadas americanas, consistia basicamente na gestão dos materiais envolvidos na operação de guerra, da aquisição até o seu emprego no front de batalha, objetivando menores desperdícios e ganho de produtividade. As empresas de terceirização de frotas, freqüentemente, utilizam fornecedores credenciados para os diversos serviços envolvidos na manutenção de frota de veículos leves, bem como prestam suporte nas questões ligadas à frota de seus clientes. A gestão de frotas, passível de terceirização, suporta as atividades externas desenvolvidas pela empresa (vendas, entregas, transporte de pessoas e outros), ou seja, conforme dissemos no Capitulo 1, essa atividade apresenta, intrinsecamente, características de atividade logística como: abastecimento, manutenção, transporte/frete, legalização/documentação, dentre outras. Para Veras Rodrigues (2003), atualmente, as empresas estão se alinhando com competitividade global e implementando diversas mudanças de gestão. Uma reestruturação constante já está incorporada ao cotidiano da maioria das empresas,

19 ` 19 promovendo a busca de posturas gerenciais mais eficientes e eficazes. A permanente procura de novas metodologias de gerenciamento é de suma importância para a contínua oxigenação das empresas dentro do quadro mundial que se apresenta. Os investidores apresentam níveis de avaliação de empresas cada vez mais elevados e rigorosos. A principal preocupação está na identificação dos métodos de operação dos negócios e da análise do processo de criação de valor, a longo prazo, resultante do conjunto das decisões atuais tomadas pelos gerentes. A terceirização de frotas tem sido uma opção para aumento de competitividade, principalmente em função de ganhos de produtividade nas atividades de infra-estrutura da empresa. Segundo Santos Junior e Villaschi Filho (2004), as mudanças ocorridas no âmbito econômico/político/institucional/social, em função da globalização, modificaram as estruturas produtivas, as relações técnicas e sociais de produção e os padrões organizacionais. O impacto social e econômico dessas mudanças tornase tão profundo na organização da sociedade e da economia, que se considera o surgimento de um novo paradigma técnico-econômico. Nesse novo paradigma, a base do sucesso ou mesmo da sobrevivência das organizações reside fundamentalmente na capacidade de aprendizagem e inovação. Com base nesse quadro, há diversas empresas multinacionais dispostas a estudar a viabilidade da terceirização de frota em função desta prática ser utilizada por suas matrizes no exterior. A quarteirização, de acordo com Queiroz (1992), se dá quando um fornecedor de serviços terceirizados, por sua vez, repassa algumas das suas atividades para outros em benefício do cliente contratante. Sendo assim, entram em cena outros, fornecedores ligados ao terceirizado, que passam a fornecer ou a executar serviços para o cliente, o qual já tem, sob contratação o terceirizado, que assume a responsabilidade pela quarteirização. Como foi mencionado anteriormente, observase que a quarteirização está presente nas empresas de Terceirização de Frotas, através da sua rede de fornecedores, que é utilizada para prestação dos serviços necessários à boa utilização dos veículos.

20 ` 20 Com relação ao aspecto de concentração de diversos fornecedores sob a gestão de somente um fornecedor, Pires (2003) escreveu: (reportando-se à indústria automobilística). Relacionamentos de parceria na indústria automobilística tem tido como ponto de partida à seleção criteriosa de uma pequena e talentosa base de fornecedores. O processo de seleção para este tipo de envolvimento entre cliente-fornecedor tem envolvido características como: pré-seleção, baseada em múltiplos critérios, contratos de longo prazo, foco no custo total do fornecimento, fornecedor único com envolvimento no projeto, avaliação de desempenho complexa e investimentos substanciais em mecanismos de coordenação e ativos específicos. A base de fornecedores selecionada, nesta filosofia, é substancialmente menor do que a tradicionalmente utilizada. Diversos autores da literatura especializada acreditam que os custos administrativos ou transacionais associados com o gerenciamento de um grande número de fornecedores tipicamente são maiores que os benefícios. Considera-se, adicionalmente, que dividir compras, em múltiplos fornecedores, reduz significativamente a oportunidade destes em alcançar economias de escala. (PIRES, 2006) Villaschi (2002) apresenta o sistema de arranjo produtivo,que é caracterizado por atores que, mesmo obedecendo a lógicas diferentes e não necessariamente convergentes (pública/privada;empresarial/governamental/terceiro setor), estabelecem (ou estão em condições de estabelecer) relações de parceria para produção e desenvolvimento de conhecimento ligado às inovações que resultem em maior competitividade empresarial e capacitação social. Dessa forma, faz-se uma correlação entre as características do conceito de arranjo produtivo com as características da relação entre o terceirizador e o terceirizado na frota de veículos leves. De forma relevante, há uma relação marcada por características de desenvolvimento do conhecimento para inovação, porque o terceirizado tem que inovar para manter seu cliente frente à concorrência. Também ratificamos a existência de aprendizado por parte de ambos os atores, espelhando a necessidade de maior conhecimento dos processos envolvidos na operação de frota do cliente, visando à redução de gastos, bem como a necessidade do terceirizado em conhecer melhor os valores da organização, para fazer propostas mais adequadas, pensando retenção do cliente. Segundo Figueiredo (2006), trazer novos atores para o processo produtivo, através da terceirização, tem sido uma prática consagrada pelas organizações, seja pela busca de redução de custos e vantagens competitivas, como a maior

21 ` 21 flexibilidade, seja pela redução de riscos, como não investir em novos serviços e tecnologias. O fato é que as empresas, cada vez mais, estão se baseando na experiência e no conhecimento técnico de terceiros, em vez de tentar atingir seus objetivos exclusivamente através das próprias competências. Cada vez mais as empresas têm buscado práticas para alcançar melhores resultados. Neste campo, o benchmaking tem sido presença constante na empresa. Para Ribeiro (2006): Benchmarking constitui um processo sistemático de comparações entre processos semelhantes e, a partir delas, a promoção de melhorias que permitam que uma determinada atividade tenha excelência quando comparada com outras equivalentes em empresas do mesmo setor ou de outros setores da economia. O benchmarking auxilia empresas a definir metas, estimula novas idéias e oferece um método formalizado de gerenciamento de mudança. Para ser completo, o benchmarking de um processo de Cadeia de Suprimentos deve envolver a análise de componentes individuais da cadeia, bem como a análise do desempenho da cadeia como um todo. Embora o foco possa variar, um processo padrão de benchmarking passa, necessariamente, pela identificação e priorização dos processos-alvo de benchmarking, pela seleção dos indicadores de desempenho a serem comparados em cada processo, pela seleção de empresas leading-edge nos processos selecionados, pela comparação entre os processos e, finalmente, pela análise dos fatores que motivaram as diferenças encontradas. A etapa de implementação deve estar suportada pelo planejamento dos passos necessários à modificação dos processos. (RIBEIRO, 2006) É válido ressaltar que muitas empresas utilizam o processo gerencial consagrado como benchmaking para prospecção e embasamento (decisão) na aprovação de novas práticas. O benchmaking é comumente utilizado por empresas que estão estudando a adoção da terceirização de frotas de veículos leves. Segundo Costa (2005), a importância da gestão eficiente da cadeia de suprimentos é a forma de alcançar sustentavelmente a vantagem competitiva no mercado em que a empresa atua, ressaltando a importância de estruturar a operação, de acordo com o cumprimento do nível de qualidade e os menores custos totais. Segundo Cruz (2006), obter um fluxo de insumos contínuo e ter um nível de informações que permita à organização corresponder às demandas na quantidade

22 ` 22 certa, no espaço de tempo adequado, e com preços competitivos, é uma das metas da logística. Compreender o processo logístico permite adequar a operação com a estratégia, identificando os principais custos logísticos e compreendendo de que forma eles podem gerar maior ou menor valor à operação da empresa. Isso é fundamental para uma análise mais precisa sobre os impactos gerados pela decisão de terceirizar ou não uma frota. Segundo Slack (1993), existem quatro formas para se competir com logística como ferramenta de vantagem competitiva: Qualidade: o objetivo da logística é atender às metas de qualidade dos produtos e serviços, com o compromisso de oferecer produtos sem defeitos e características gerais superiores ao da concorrência. Velocidade: para um mesmo produto ou serviço existe um tempo de espera,o qual o cliente está disposto a aceitar). Considerando os diversos prazos possíveis, existe a necessidade de a empresa se estruturar em termos de logística, a ponto de fazer as entregas "simples" e as de alto grau de velocidade. Tempo certo: a empresa deve não apenas ser ágil na entrega de seus produtos ou serviços, mas, especialmente, cumprir com suas promessas de tempo de entrega. Produtividade: uma produção com menores custos e maiores margens, que possibilitem o ganho de competitividade da empresa. Os elos internos (entre setores) e externos (com fornecedores) devem estar adequados, propiciando ganho em escala e em eficiência produtiva. Segundo Cruz (2006), as empresas, ao investirem na criação de uma cadeia de logística integrada, produzirão uma vantagem competitiva, que possibilite ao cliente final a maximização do valor de suas operações, seja através de parcerias com um menor número de fornecedores de qualidade que possibilite à empresa obter economias consideráveis nos custos logísticos, seja com o estreitamento das relações com os clientes, seja por meio de sistemas de informações mais eficientes

23 ` 23.As ações de integração devem ter como meta o ganho de produtividade e a conseqüente redução de custos,pois custos consideravelmente menores que o da concorrência, bem como prazo de recebimento, segundo os níveis de exigência dos compradores, são o alvo. 2.2 FINANÇAS PARA AVALIAÇÃO DE DECISÃO DE TERCEIRIZAÇÃO Segundo Fleury (2006), o processo decisório da terceirização de frotas das organizações deve considerar, além do custo e da qualidade do serviço, a rentabilidade financeira das alternativas para a realização da atividade. A grande ênfase dada, atualmente, pelas empresas, principalmente as de grande porte, na rentabilidade sobre os investimentos dos acionistas, tem sido um dos principais fatores a influenciar as empresas na direção de utilizar terceiros nas suas operações de transporte/frotas. Como a rentabilidade sobre investimentos é o resultado do lucro sobre os investimentos do acionista, a maneira mais rápida de aumentar a rentabilidade é reduzir os investimentos dos acionistas. Desta forma, um dos possíveis argumentos, a ser devidamente comprovado pelos interessados, para a organização decidir sobre a terceirização de frota de veículos leves, é que a utilização de ativos de empresas especializadas em terceirização de frota implicaria num maior percentual de retorno de capital que o obtido na operação com frota própria de veículos leves. Marques (2006) escreveu sobre decisão da propriedade das frotas. Enfatizou que fatores de custo, qualidade do serviço e rentabilidade devem ser considerados determinantes para suportar a decisão de terceirizar a frota, ressaltando que é aconselhável realizar uma avaliação dos impactos financeiros. Ele também afirma que existem outras variáveis importantes para tomar a decisão sobre a propriedade/terceirização da frota, tais como: tamanho da operação, competência gerencial interna, competência e competitividade do setor, volumes de investimentos e outros. Para que o processo decisório de terceirização de frotas possa apresentar características de transparência e precisão, torna-se importante a obtenção de uma fonte de dados válida e fidedigna sobre os valores referentes à frota de veículos.

24 ` 24 Segundo Garrison e Noreen (2001), o orçamento flexível fornece estimativas de custos sobre qualquer nível de atividade, dentro de uma faixa especificada. Segundo Anthony e Govindarajan (2002), o orçamento representa um parâmetro do desempenho real. Esse compromisso pode ser alterado se as premissas presumidas no orçamento forem alteradas, porém, o orçamento é um excelente ponto de partida para a avaliação de desempenho, tornando-se uma importante fonte de dados para os estudos de terceirização de frotas, por apresentar informações sobre o escopo de gastos da frota utilizada pelo cliente. De acordo com Pedriali (2004), a discussão sobre terceirização no Brasil vem ganhando importância à medida que as empresas, preocupadas com redução de custos, vêm reestudando seus processos na tentativa de transformar custos fixos em custos variáveis. Segundo Nazário e Abrahão (2006), cada vez mais o processo de terceirização é considerado como uma alternativa estratégica para as empresas que desejam maior flexibilidade operacional, ao mesmo tempo em que buscam reduzir custos e oferecer serviços e produtos customizados. Neste ponto, há a necessidade de desenvolvimento de estudos de terceirização de frota de veículos leves, por parte das empresas, como um processo que busca uma solução de economia e produtividade para as organizações. Pedriali (apud FRANCESCHINI, 2004) destaca que dois dos principais motivos que levam as empresas à opção pela terceirização são: (1) a racionalização dos custos e (2) a reestruturação da produção. Entretanto, existem também os custos transacionais, que são modificados quando se terceiriza uma atividade. São eles: Custos de negociação: associados à negociação e ajuste entre as partes durante o processo de compra, que fica de forma geral sob responsabilidade do terceirizado, fora os custos relacionados ao processo de terceirização em si.

Título : Empresas : Como garantir ganho de valor na analise da terceirização de serviços

Título : Empresas : Como garantir ganho de valor na analise da terceirização de serviços Título : Empresas : Como garantir ganho de valor na analise da terceirização de serviços Resumo Este trabalho é um estudo qualitativo que apresenta os aspectos necessários para garantir que a analise de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INDÚSTRIA DE TERCEIRIZAÇÃO DE FROTA PARA GERAÇÃO DE VALOR EM NEGÓCIOS

A IMPORTÂNCIA DA INDÚSTRIA DE TERCEIRIZAÇÃO DE FROTA PARA GERAÇÃO DE VALOR EM NEGÓCIOS 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 A IMPORTÂNCIA DA INDÚSTRIA DE TERCEIRIZAÇÃO DE FROTA PARA GERAÇÃO DE VALOR EM NEGÓCIOS Fernando Cesar Romao UFF Marco Aurelio Cabral Pinto UFF Resumo Este trabalho

Leia mais

Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos:

Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos: Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos: Serviços Diferentes para Clientes Diferentes? Moderador: Tomás Ramos 04/02/2009 Considerando-se o tráfego e os problemas de segurança nas grandes cidades da

Leia mais

Manual Técnico MEMORIAL DESCRITIVO TREINAMENTO E-LEARNING MECÂNICA PARA MULHERES

Manual Técnico MEMORIAL DESCRITIVO TREINAMENTO E-LEARNING MECÂNICA PARA MULHERES Manual Técnico MEMORIAL DESCRITIVO TREINAMENTO E-LEARNING MECÂNICA PARA MULHERES Versão 1.0 Outubro de 2011 2 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 4 1.1 HISTÓRICO 1.2 DEFINIÇÃO 2 OBJETIVOS 5 2.1 - OBJETIVO GERAL 2.2

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS III.1 - GENERALIDADES Após a classificação dos projetos tecnicamente corretos é imprescindível que a escolha considere aspectos econômicos. E é a engenharia

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 7CCSADFCMT01 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Marília Caroline Freire Cunha (1) ; Maria Sueli Arnoud Fernandes (3). Centro de Ciências Sociais Aplicadas/Departamento

Leia mais

EUGENIO MODESTO PROTASIO

EUGENIO MODESTO PROTASIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADIMINISTRAÇÃO EUGENIO MODESTO PROTASIO VANTAGENS DA TERCEIRIZAÇÃO

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

YES Aluguel de Carros

YES Aluguel de Carros YES Aluguel de Carros O mercado brasileiro de aluguel de carros Frota do Setor Em unidades Fonte: Anuário ABLA 2012 Idade média da frota Em meses Fonte: Anuário ABLA 2012 Composição da frota por modelo

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

ESTUDO DE CASO Circuit City: Vendendo carros como quem vende aparelhos estéreo

ESTUDO DE CASO Circuit City: Vendendo carros como quem vende aparelhos estéreo ESTUDO DE CASO Circuit City: Vendendo carros como quem vende aparelhos estéreo Um tormento! Comprar um carro usado. É só mencionar o assunto e qualquer um que já tenha passado por essa experiência provavelmente

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015 PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) OU TAXA

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE FROTAS: UMA SOLUÇÃO NA REDUÇÃO DE CUSTOS E GANHOS OPERACIONAIS

TERCEIRIZAÇÃO DE FROTAS: UMA SOLUÇÃO NA REDUÇÃO DE CUSTOS E GANHOS OPERACIONAIS TERCEIRIZAÇÃO DE FROTAS: UMA SOLUÇÃO NA REDUÇÃO DE CUSTOS E GANHOS OPERACIONAIS GESTÃO DE FROTAS O QUE É GESTÃO DE FROTAS? ATIVIDADE DE GERENCIAR UM CONJUNTO DE VEÍCULOS PERTENCENTES A UMA MESMA EMPRESA.

Leia mais

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Plano de Negócio AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Rodovia Celso Garcia Cid 2500 86051-990, Londrina - PR aztech@aztech.com.br André Ricardo Gonçalves - CEO / Tecnologia argoncalves@aztech.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula Formação de Preços Fatores Determinantes: Influência do macroambiente Análise da concorrência Comportamento de compra do consumidor Ciclo de vida do produto Segmentação do mercado

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Ubiratam de Nazareth Costa Pereira (UNIFEI) upereira@sp.senac.br João Batista Turrioni (UNIFEI) turrioni@unifei.edu.br Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Habilitação, qualificações e especializações: 1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Carga-Horária: 960 horas 1.2 Objetivo Geral do Curso O curso de Educação

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Estudo da Viabilidade de Investimentos em uma Franquia de Ensino Profissionalizante

Estudo da Viabilidade de Investimentos em uma Franquia de Ensino Profissionalizante Estudo da Viabilidade de Investimentos em uma Franquia de Ensino Profissionalizante Ana Maria Paiva Guimarães UFSJ Pablo Luiz Martins pablo@ufsj.edu.br UFSJ Resumo:O presente trabalho objetiva apresentar

Leia mais

Para fazer um estudo econômico adequado alguns princípios básicos devem ser considerados, sendo os seguintes:

Para fazer um estudo econômico adequado alguns princípios básicos devem ser considerados, sendo os seguintes: NOTAS DE AULA Prof. Geronimo Todo o fundamento da engenharia econômica se baseia na matemática financeira, que se preocupa com o valor do dinheiro no tempo. Podem-se citar como exemplos de aplicação: Efetuar

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Custos e de Resultado. Coordenação Acadêmica: Professor Fabiano Simões Coelho

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Custos e de Resultado. Coordenação Acadêmica: Professor Fabiano Simões Coelho CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Custos e de Resultado Coordenação Acadêmica: Professor Fabiano Simões Coelho 1 APRESENTAÇÃO: Atualmente o mercado está hipercompetitivo.

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

A Flexibilização da Relação entre Franqueadora e Franqueada:

A Flexibilização da Relação entre Franqueadora e Franqueada: CF1212 A Flexibilização da Relação entre Franqueadora e Franqueada: Um Estudo de Caso da locadora de Veículos Yes Rent a Car Carlos Arruda, Hérica Morais Righi e Raoni H. Pereira Introdução O objetivo

Leia mais

REGULAMENTO DE ASSISTÊNCIA 24H MAPFRE WARRANTY. Não haverá franquia quilométrica para os serviços descritos nos itens abaixo: 1.

REGULAMENTO DE ASSISTÊNCIA 24H MAPFRE WARRANTY. Não haverá franquia quilométrica para os serviços descritos nos itens abaixo: 1. 1. DEFINIÇÕES Acidente: é a ocorrência de qualquer fato danoso e imprevisível produzido no veículo, tais como: colisão, abalroamento ou capotagem que provoque sua imobilização, tendo ou não resultado em

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO 5ª aula

FORMAÇÃO DE PREÇO 5ª aula FORMAÇÃO DE PREÇO 5ª aula Formação de Preços Fatores Determinantes: Influência do macroambiente Análise da concorrência Comportamento de compra do consumidor Ciclo de vida do produto Segmentação do mercado

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br. Artigo

P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br. Artigo P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br Artigo 31/10 A utilização da contabilidade de custos na formação do preço de venda INTRODUÇÃ O Atualmente a Contabilidade de Custos é vista sob dois

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

A VIABILIDADE ECONÔMICO- FINANCEIRA DE INSTALAÇÃO DE KIT GNV: UM ESTUDO DE CASO

A VIABILIDADE ECONÔMICO- FINANCEIRA DE INSTALAÇÃO DE KIT GNV: UM ESTUDO DE CASO A VIABILIDADE ECONÔMICO- FINANCEIRA DE INSTALAÇÃO DE KIT GNV: UM ESTUDO DE CASO Fabiana de Faveri (UNESC ) defaveri_22@hotmail.com Leopoldo Pedro Guimaraes Filho (UNESC ) lpg@unesc.net Andreia Cittadin

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

A ordem é não mudar. Concorrência destrutiva

A ordem é não mudar. Concorrência destrutiva A ordem é não mudar Michael Porter, o grande especialista em estratégia da Harvard Business School, considerado por muitos "o pai da estratégia", fez uma palestra para o público da Wharton School sobre

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

uvaeverde.com.br Apresentação ao Shopping

uvaeverde.com.br Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping Retorno do investimento garantido em contrato ou a devolução da verba inicial investida* Cláusula vigésima: do retorno do investimento inicial 20.1 A Franqueadora se compromete

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

4 Referencial teórico

4 Referencial teórico 4 Referencial teórico Um projeto de investimento pode ter diferentes avaliações dependendo dos critérios utilizados na análise. Em geral, somente são considerados fatores tangíveis, aqueles que podem ser

Leia mais

1- Objetivos e métodos

1- Objetivos e métodos Resumo: O dinamismo e a competitividade sempre caracterizaram a indústria automobilística, a qual está em constante busca por inovações que agreguem valor ao seu processo produtivo, reduzindo custos com

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO Ricardo Zerinto Martins 1, Paulo César Ribeiro Quintairos 2 1 Mestrando em Gestão

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios Governança de TI Parte 3 Modelo de Governança v2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Modelo de Governança de TI Modelo adaptação para qualquer tipo de organização Componentes do modelo construídos/adaptados

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

StarMoney Câmbio Exchange & Centurion Aluguel de Carros Av. Osaka, 600 Loja 6 Fone: (11) 4651-5649 - Centro Industrial de Arujá Arujá/SP

StarMoney Câmbio Exchange & Centurion Aluguel de Carros Av. Osaka, 600 Loja 6 Fone: (11) 4651-5649 - Centro Industrial de Arujá Arujá/SP STARMONEY CÂMBIO/EXCHANGE - Quem Somos A StarMoney é a uma credenciada da Mega Corretora de Câmbio Ltda, instituição autorizada pelo Banco Central do Brasil. É mais segurança na hora de fechar negócios

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Se estiver no Mercosul, também poderá contar com os serviços de emergência, bastando ligar para 55 11 4133 6537.

Se estiver no Mercosul, também poderá contar com os serviços de emergência, bastando ligar para 55 11 4133 6537. Assist24h_AutoPasseio_jul 6/13/07 4:32 PM Page 1 CARO SEGURADO Para você que adquiriu o Real Automóvel e contratou os serviços de Assistência 24 horas, este é o seu guia de serviços da Real Assistência.

Leia mais

Matemática. Aula: 02/10. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 02/10. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 02/10 Prof. Pedro UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Fevereiro 2014 Um olhar da Inventta: ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Maria Carolina Rocha, Marina Loures e Otávio Vianna 1. Introdução A Lei do Bem, cujo principal objetivo é promover

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 14 de maio de 2012 - A Unidas S.A. anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto quando indicado o contrário.

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais