APOIO ÀINSPEÇÃO DA QUALIDADE DE FRUTAS EXPORTADAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APOIO ÀINSPEÇÃO DA QUALIDADE DE FRUTAS EXPORTADAS"

Transcrição

1 APOIO ÀINSPEÇÃO DA QUALIDADE DE FRUTAS EXPORTADAS

2 Demanda dos produtores-exportadores do Vale do São Francisco; Programa implementado com recursos do Governo de Pernambuco; Atividades iniciadas em 2010: Supervisão das inspeções de containers de uvas de mesa recepcionados no porto de Rotterdam.

3 ITEP na cadeia produtiva de uva Pesquisa de novas variedades ITEP / LabTox Apoio tecnológico Campo ITEP /LabTox Análise de arginina Packing house ITEP/ LabTox Análises resíduos agrotóxicos Porto de Rotterdam ITEP Relacionamento com as empresas de inspeção e de logistíca(câmaras frias ) Recepção container na câmara fria ITEP Supervisão da inspeção Leitura dos termógrafos Uva do Vale nos supermercados europeus ITEP/LabTox relatórios análises agrotóxicos

4 Pontos de presença do ITEP Mossor ó

5 Recife - Laboratório de Análises de Resíduos de Agrotóxicos (LabTox) Escritório em Petrolina (2010) Escritório em São Paulo (2012) Escritório em Mossoró (2012)

6 Análises de resíduos de agrotóxicos acreditadas no Brasil e no exterior (Itep/LabTox) Holanda RvA Brasil INMETRO Ensaios NBR ISO/IEC Alemanha Reino Unido UKAS LABTOX 500 compostos em frutas, vegetais, grãos e cereais; Métodos multirresíduos por GC e LC-MS/MS; LQ 0,01 mg/kg.

7 Representação internacional do ITEP na Holanda Escritório em Rijswijk (2011) e em Barendrecht(2012) Escritório próximo as câmaras frias e empresas de inspeção

8 Propostas para outros portos EUA Nova Iorque Nova Jersey Filadélfia Reino Unido Kent Lincolnshire

9 Objetivos do apoio à exportação da fruticultura irrigada Representar os interesses dos produtores-exportadores na avaliação das frutas para definição de preço final e de mercados; Orientar melhorias contínuas nos procedimentos de pós-colheita da produção de frutas para exportação, a partir dos dados observados nas inspeções; Avaliar a oferta brasileira com a dos concorrentes, identificando os pontos fortes e as oportunidades de melhorias; Fortalecer a presença dos produtores-exportadores nos mercados importadores.

10 Adesão ao Programa de Inspeção Assinatura do Termo de Adesão Atendimento e preço diferenciados: Análises de resíduos de agrotóxicos

11 2010 Contrato com as empresas de inspeção da Holanda (out/2010) Início das atividades em Rotterdam (out/2010) Supervisão da inspeção de container de uva na câmara fria (nov/2010)

12 2011 Apoio do Itepàexportação do Vale Jornal do Comércio (08/05/2011) Divulgação do Programa Treinamento da equipe do Itepno Vale do São Francisco (agt/2011) Reuniões com as empresas de inspeção na Holanda (maio e set/2011) Equipe no escritório do Itep em Rijswijk(set/2011)

13 2011 Inauguração do escritório do Itep Rijswijk em 13/10/211 Recebimento de romaneios e relatórios de inspeção no escritório em Rijswijk Supervisão de inspeções de uva pela equipe do Itep

14 Resultados do Programa de Inspeção a 2012

15 Monitoramento embarques e supervisão das inspeções de uvas de mesa

16 Inspeções por variedade e por cor safras 2011 e 2012

17 Informações sistematizadas

18 Peso bruto da caixa Caixas com a passagem para circulação de ar fechada Defeitos de embalagem: cumbuca estufada

19 Temperatura (Temperature) Temperatura da polpa da baga no início da inspeção; Medida geralmente nas caixas situadas na parte inferior do pallet.

20 Condições do produto Temperatura Condensação Machucado Baga esmagada Desgrane Baga dividida Danos pelo SO 2

21 Qualidade do produto Brix Tamanho Defeitos na pele Cor Consistência

22 Resultado da inspeção Escore de qualidade Potencial de armazenamento

23 Escore de qualidade geral

24 Média da temperatura Média da temperatura 0º T média 2ºC 504 termógrafos (73%)

25 EXTREMO BAIXO: temperatura mais baixa registrada Extremo baixo 0º T baixa 2ºC 425 termógrafos (62%)

26 EXTREMO ALTO: temperatura mais alta registrada Extremo alto 0º T alta 2ºC 34 termógrafos (5%)

27 TEMPO ACIMA DE 2ºC: tempo total em que a temperatura permaneceu > 2ºC

28 Tempo abaixo 0ºC / Tempo de viagem Tempo acima 2ºC / Tempo de viagem

29 2012 Participação do Itep na Fruit Logistica em Berlim (fev/2012) Revista BrazilExportdistribuída na FruitLogistica (2012) Participação do Itep na Fruit Attraction em Madri(out/2012) Reuniões com os participantes para apresentação dos resultados da safra 2011 (Petrolina, abril/2012)

30 2012 Divulgação do Manual de Inspeção e da Análise dos Resultados da safra 2011 Estandes to Itepna Fenagri (Petrolina) e na Expofruit(Mossoró) Convite para apresentação dos resultados durante a Expofruit

31 Produtos da Programa em 2011 e 2012 disponíveis em Manual de inspeção de uva de mesa Análise dos resultados das inspeções safra 2011 Análise dos resultados das inspeções safra 2012 Análise da leitura dos termógrafos safra 2012

32 PROPOSIÇÕES PARA 2014

33 Dados de exportação Safra 2011 Fonte: Rotterdam UK C o n ta in e rs Meloes Mangas Uvas C o n ta in e rs Meloes Mangas Uvas Semanas Semanas ESPANHA EUA C o nta ine rs Meloes Mangas Semanas C o n t a in e r s Meloes Mangas Uvas Semanas

34 Proposta: Apoio tecnológico para melhoria dos processos pós-colheita dos polos de fruticultura irrigada do Nordeste para a consolidação e expansão de mercados para: 1. Integrar os produtores de uva, manga, melão e melancia dos estados de Pernambuco, Bahia e Rio Grande do Norte ao Programa de supervisão da qualidade e das condições de frutas exportadas para a Europa; 2. Orientar melhorias para a qualidade e condições das frutas recepcionadas na Europa e sobre as eventuais causas responsáveis pelos danos observados por ocasião das inspeções, a partir dos dados observados; 3. Realizar análises de resíduos de agrotóxicos para avaliação da conformidade frente aos limites máximos estabelecidos pelos mercados importadores

35 PROPOSIÇÕES 1. Integrar os produtores de uva, manga, melão e melancia dos estados de Pernambuco, Bahia, Rio Grande do Norte ao Programa de supervisão da qualidade de frutas exportadas para a Europa e os EUA; 2. Orientar melhorias para os procedimentos de pós-colheita para cada empresa participante do programa, a partir dos dados observados nas inspeções no porto de destino; 3. Realizar análises de resíduos de agrotóxicos para avaliação da conformidade frente aos limites máximos estabelecidos por cada mercado importador.

36 ATIVIDADE INDICADOR META SAFRA SAFRA Supervisão da inspeção de uva Nº de container inspecionado com relatório 650 (Países Baixos) 350 (Reino Unido) 150 (EUA) 650 (Países Baixos) 350 (Reino Unido) 200 (EUA) Supervisão da inspeção de manga Nº de container inspecionado com relatório 150 (Países Baixos) 150 (Reino Unido) 200 (EUA) 150 (Países Baixos) 150 (Reino Unido) 300 (EUA) Supervisão da inspeção de melão e melancia Nº de container inspecionado com relatório 1250 (Países Baixos) 500 (Reino Unido) 50 (EUA) 1250 (Países Baixos) 500 (Reino Unido) 100 (EUA) Orientação para melhorias das condições e da qualidade das frutas recepcionadas na Europa, a partir dos dados observados. Coleta de dados e informações dos procedimentos de inspeção de manga e melão/melancia para elaboração dos Manuais. Nºde apresentação e lista de presença por palestra e treinamento realizado 02 palestras 01 treinamento 02 palestras 01 treinamento Nº de manual concluído 1 p/ manga 1 p/ melão/melancia Desenvolvimento e validação do software para gestão do Programa de Inspeção. Software (sw) desenvolvido e validado Funcionalidades validadas p/ uva Funcionalidades validadas p/ manga e melão/melancia Tabulação e análise dos resultados das inspeções de uva, manga e melão/melancia. Nº de relatório concluído 1 p/uva 1 p/manga 1 p/melão/melancia 1 p/uva 1 p/manga 1 p/melão/melancia Análise de resíduos de agrotóxicos Nº de amostra analisada No mínimo 300 amostras No mínimo 300 amostras Consolidação e expansão da presença dos produtoresexportadores de uva, manga e melão/melancia nos mercados importadores. Nº de relatório concluído 2 2

37 RUBRICA ITEM DE DESPESA DESCRIÇÃO VALOR TOTAL (R$) 1. Consultoria em comercialização Consultoria comercial Representação dos interesses dos produtores para fortalecimento da exportação de uva, manga e melão/melancia. R$ ,00 2. Consultoria tecnológica Consultoria tecnológica Supervisão das inspeções de uva, manga e melão/melancia nos Países Baixos, no Reino Unido e nos EUA. R$ ,00 3. Serviços de terceiros 4. Passagem área 5. Transporte, hospedagem e alimentação. 5. Transporte, hospedagem e alimentação. Aluguel de escritório Escritório em Barendrecht(Holanda) e Filadélfia (EUA). R$ ,97 Aluguel de carro Apoio tecnológico Manutenção e calibração de equipamento Desenvolvimento e validação de software Impressão de material Aluguel de estande Deslocamentos nos Países Baixos para acompanhamento das inspeções de uva e manga R$ ,16 Deslocamentos nos Países Baixos para acompanhamento das inspeções de melão/melancia. R$ ,16 Deslocamentos no Reino Unido para acompanhamento das inspeções de uva, manga e melão/melancia. R$ ,08 Deslocamentos nos EUA para acompanhamento das inspeções de uva, manga e melão/melancia. R$ ,83 Acompanhamento das inspeções de uva e manga nos Países Baixos. R$ ,90 Acompanhamento das inspeções melão/melancia nos Países Baixos. R$ ,10 Acompanhamento das inspeções de uva, manga e melão/melancia no Reino Unido. R$ ,68 Acompanhamento das inspeções de uva, manga e melão/melancia nos EUA R$ ,75 CG ou LC-MS/MS R$ ,00 Software para gerenciamento do Programa de Inspeção. R$ ,00 Participação em eventos internacionais para divulgar a qualidade das frutas brasileiras, os produtores-exportadores aderentes ao Programa e como consequência, a marca Sebrae. Participação em eventos internacionais para divulgar a qualidade das frutas brasileiras, os Produtores-exportadores aderentes ao Programa e como consequência, a marca Sebrae. R$ ,00 R$ ,00 Passagem área internacional Trechos entre Brasil - Holanda Reino Unido Brasil EUA Brasil R$ ,46 Passagem área internacional Trechos Brasil-Alemanha-Brasil/ Brasil-Dubai-Brasil/ Brasil-Madri-Brasil/Brasil-EUA-Brasil R$ ,00 Combustível Hospedagem e alimentação Deslocamentos nos Países Baixos para acompanhamento das inspeções de uva e manga R$ ,45 Deslocamentos nos Países Baixos para acompanhamento das inspeções de melão/melancia. R$ ,52 Deslocamentos no Reino Unido para acompanhamento das inspeções de uva, manga e melão/melancia. R$ ,52 Deslocamentos nos EUA para acompanhamento das inspeções de uva, manga e melão/melancia. R$ 6.183,07 Deslocamento para mobilização e sensibilização dos produtores-exportadores do Vale do São Francisco e da região Açu- Mossoró para adesão ao Programa. R$ ,00 Consultoria comercial para os exportadores de uva e manga nos Países Baixos e no Reino Unido. R$ ,01 Consultoria tecnológica à supervisão das inspeções de uva e manga nos Países Baixos e no Reino Unido. R$ ,01 Consultoria comercial para os exportadores de melão/melancia nos Países Baixos e no Reino Unido. R$ ,26 Consultoria tecnológica à supervisão das inspeções de melão/melancia nos Países Baixos e no Reino Unido. R$ ,26 Consultoria comercial para os exportadores de uva, manga e melão/melancia nos EUA. R$ ,01 Consultoria tecnológica à supervisão das inspeções de uva, manga e melão/melancia nos EUA. R$ Participação em eventos internacionais para divulgar a qualidade das frutas brasileiras, os produtores-exportadores aderentes ao Programa e como consequência, a marca Sebrae. Deslocamento para mobilização e sensibilização dos produtores-exportadores do Vale do São Francisco e da região Açu- Mossoró para adesão ao Programa. TOTAL (BA, PE, RN) = R$ ,20 para 24 meses VALOR POR ESTADO / ANO = R$ ,20 R$ ,00 R$ ,00

38 Frederico Montenegro

1. Apresentação... 05

1. Apresentação... 05 1. Apresentação... 05 2.... 07 3.1.Etapas do procedimento... 07 3.2.Informações gerais do container... 08 3.3.Condições do container... 10 3.4.Condições dos pallets... 15 3.5. das caixas... 18 3.5.1. Condições

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROGRAMA ROTTERDAM

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROGRAMA ROTTERDAM MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROGRAMA ROTTERDAM INFORMAÇÕES DO EXECUTOR Governo do Estado de Pernambuco João Soares Lyra Neto Governador José Bertotti Secretário de Ciência e Tecnologia Instituto de Tecnologia

Leia mais

Perguntas e respostas Mais Qualidade

Perguntas e respostas Mais Qualidade Perguntas e respostas Mais Qualidade O que é o Programa Mais Qualidade? O Mais Qualidade é um programa da Bayer CropScience que tem como objetivo a obtenção de frutas com qualidade superior. Tudo isso

Leia mais

Impacto da seca e da economia no setor de HF em 2015

Impacto da seca e da economia no setor de HF em 2015 Impacto da seca e da economia no setor de HF em 2015 Renata Pozeli Sábio Msc.Larissa G. Pagliuca Letícia Julião João Paulo Deleo Cepea março/2015 Pesquisadores da Hortifruti Brasil/Cepea Agenda Projeto

Leia mais

Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte

Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte Pavilhão Amarelo São Paulo BEM VINDO A FRUIT & LOG 2009! ABRINDO

Leia mais

EXPERIÊNCIA NA VIABILIDADE DO USO DE PADRÕES VENCIDOS NA ANÁLISE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS.

EXPERIÊNCIA NA VIABILIDADE DO USO DE PADRÕES VENCIDOS NA ANÁLISE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS. EXPERIÊNCIA NA VIABILIDADE DO USO DE PADRÕES VENCIDOS NA ANÁLISE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS. DANUZA LEAL TELLES Instituto de Tecnologia de Pernambuco ITEP Laboratório de Análise de Resíduos de Agrotóxicos-LabTox

Leia mais

Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco - ADAGRO

Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco - ADAGRO Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco - ADAGRO 11 ENFISA: Encontro de Fiscalização e Seminário sobre Agrotóxicos Etapa Regional Nordeste Petrolina, Abril de 2013 Cronograma de Metas

Leia mais

Inpeção da uva no armazenamento em SP

Inpeção da uva no armazenamento em SP Inpeção da uva no armazenamento em SP Data da Inspeção: 10/09/2013 Carreta: OGJ-7641-GO-0712 Liberação: MI-LAB-0715/13 Termógrafo Classificação da Uva RED GLOBE (Vermelha com semente) CLASSE DIÂMETRO (mm)

Leia mais

Notas Técnicas A região do Vale do Submédio São Francisco está se desenvolvendo intensamente nos últimos anos. A viticultura, ou seja, a produção de

Notas Técnicas A região do Vale do Submédio São Francisco está se desenvolvendo intensamente nos últimos anos. A viticultura, ou seja, a produção de Notas Técnicas A região do Vale do Submédio São Francisco está se desenvolvendo intensamente nos últimos anos. A viticultura, ou seja, a produção de uvas para o consumo in natura, foi introduzida no Semi-Árido

Leia mais

Fevereiro Março Abril Maio Junho. Local: Alemanha Local: Estados Unidos Local: Rússia Local: São Paulo Local: Polônia e Alemanha

Fevereiro Março Abril Maio Junho. Local: Alemanha Local: Estados Unidos Local: Rússia Local: São Paulo Local: Polônia e Alemanha Fevereiro Março Abril Maio Junho AçÕes 2015 Feira Fruit Logistica* SXSW* Fórum de Eficiência Energética APAS 2015 Europa Alemanha Rússia São Paulo Polônia e Alemanha Dias: 4 a 6 FI Dias: 13 a 17 ME Dias:

Leia mais

Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios

Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios Hulda O. Giesbrecht Enqualab 2013 Congresso da Qualidade em Metrologia São Paulo, 27 de agosto de 2013 Diretoria

Leia mais

Visão do Acreditador. Marcos Aurelio Lima de Oliveira Coordenador Geral de Acreditação Cgcre / Inmetro

Visão do Acreditador. Marcos Aurelio Lima de Oliveira Coordenador Geral de Acreditação Cgcre / Inmetro Visão do Acreditador Marcos Aurelio Lima de Oliveira Coordenador Geral de Acreditação Cgcre / Inmetro Acreditação no Acordo de Barreiras Técnicas ao Comércio 6.1.1 competência técnica adequada e contínua

Leia mais

PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS

PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS RESUMO Aline Vitti Renata Elise Gaiotto Sebastiani Cinthia Antoniali Vicentini Margarete Boteon Este trabalho buscou avaliar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS Rosilene Ferreira Souto Luzia Souza Setembro 2014 Parceria Institucional com foco na rastreabilidade Acordo de Cooperação entre

Leia mais

Reunião Técnica Nacional sobre Pesquisa com Agrotóxicos, 30/Out/2012. Princípios de Boas Práticas de Laboratório (Campo), na pesquisa com Agrotóxicos

Reunião Técnica Nacional sobre Pesquisa com Agrotóxicos, 30/Out/2012. Princípios de Boas Práticas de Laboratório (Campo), na pesquisa com Agrotóxicos Reunião Técnica Nacional sobre Pesquisa com Agrotóxicos, 30/Out/2012 Princípios de Boas Práticas de Laboratório (Campo), na pesquisa com Agrotóxicos Celso Borges Zaccaria, Diretor da Garantia da Qualidade

Leia mais

Fruit Logística 2009

Fruit Logística 2009 Fruit Logística 2009 Projeto Brazilian Fruit: HISTÓRICO Projeto Brazilian Fruit É realizado desde 1998 pelo Ibraf em parceria com a Apex- Brasil - Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos

Leia mais

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Discurso pronunciado pelo Deputado Gonzaga Patriota (PSB/PE), na Sessão de 23/05/2006. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Acompanhando os grandes

Leia mais

Missão Institucional da REMEQ-PB Promover a difusão de conhecimentos científicos e tecnológicos nas áreas de metrologia e qualidade, apoiando o desenvolvimento de pessoal e de infra-estrutura laboratorial,

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000 GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Modelo da Série NBR ISO 9000 A Garantia da Qualidade requer uma ação coordenada de todo sistema produtivo da empresa, do fornecedor de insumos de

Leia mais

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Klako Group Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária Otimização e Controle de Qualidade Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Visite nossa site http://www.klakogroup.com Nossa Empresa Klako Group

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais

Leia mais

PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO

PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Maio/2015 CLIMA Anomalia da Temperatura da Superfície do Mar sobre o Pacífico Equatorial El Niño

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

Onde? São Paulo Feira REVESTIR - Transamérica Expo Center. Quando? 09 a 12 de março de 2010

Onde? São Paulo Feira REVESTIR - Transamérica Expo Center. Quando? 09 a 12 de março de 2010 Onde? São Paulo Feira REVESTIR - Transamérica Expo Center Quando? 09 a 12 de março de 2010 Quem? Foram convidados dois grupos de compradores internacionais, um grupo de jornalistas e um grupo de formadores.

Leia mais

PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE

PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE Ano V Abril de 2011 Nº 05 INFORME RURAL ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação - AEPA PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

Exigências Internacionais e o Programa Brasileiro de Certificação em Biocombustíveis

Exigências Internacionais e o Programa Brasileiro de Certificação em Biocombustíveis Exigências Internacionais e o Programa Brasileiro de Certificação em Biocombustíveis Romeu J. Daroda, Ph.D. Assessor Técnico DIMCI Coordenador do Projeto Biocombustíveis Importância dos biocombustíveis:

Leia mais

DOURO - Uso seguro para os Viticultores

DOURO - Uso seguro para os Viticultores DOURO - Uso seguro para os Viticultores O que queremos dizer quando falamos em Uso Seguro de um produto fitofarmacêutico? Há várias perspetivas segundo as quais podemos abordar este tema, mas do ponto

Leia mais

A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja

A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja Conselho Empresarial Brasil China ABIOVE Carlo Lovatelli Presidente Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais 1 de Junho de 2005 1 Brasil

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Frederico Cavalcanti Montenegro Diretor Presidente ITEP

Frederico Cavalcanti Montenegro Diretor Presidente ITEP Simpósio Polo Gesseiro do Araripe Potencidades Problemas e Soluções UFRPE 12 a 14 de agosto de 2014 Frederico Cavalcanti Montenegro Diretor Presidente ITEP Centro Tecnológico do Araripe CTA Rua Antônio

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS

1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS 1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS Organização de Produtores para produção e comercialização de laranjas in natura. MAURÍLIO SOARES GOMES - Engenheiro Agrônomo JOSÉ ROBERTO GOLFETE - Técnico

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 9º Encontro - 16/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - LOCALIZAÇÃO DE EMPRESAS O fator globalização

Leia mais

Yes, nós temos maçãs

Yes, nós temos maçãs a g r o n e g ó c i o Yes, nós temos maçãs A produção de maçãs no Brasil nas últimas três décadas teve um impressionante aumento de mais de 6.%. De importador o País passou não apenas a abastecer todo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10 Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz Brasília/DF - 10/09/10 Dados da Seguradora Aliança a do Brasil Seguro Agrícola Riscos Cobertos Tromba d água Ventos fortes e ventos frios Granizo Geada

Leia mais

Fevereiro Março Abril Maio Junho. Local: Alemanha Local: Estados Unidos Local: Rússia Local: São Paulo Local: Polônia e Alemanha

Fevereiro Março Abril Maio Junho. Local: Alemanha Local: Estados Unidos Local: Rússia Local: São Paulo Local: Polônia e Alemanha Fevereiro Março Abril Maio Junho AçÕes 2015 Feira Fruit Logistica* SXSW* Fórum de Eficiência Energética APAS 2015 Europa Alemanha Rússia São Paulo Polônia e Alemanha Dias: 4 a 6 FI Dias: 13 a 17 ME Dias:

Leia mais

OCORRÊNCIA DE INJÚRIAS MECÂNICAS DURANTE AS OPERAÇÕES PÓS-COLHEITA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA MANGA 'TOMMY ATKINS' DESTINADA AO MERCADO EUROPEU

OCORRÊNCIA DE INJÚRIAS MECÂNICAS DURANTE AS OPERAÇÕES PÓS-COLHEITA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA MANGA 'TOMMY ATKINS' DESTINADA AO MERCADO EUROPEU OCORRÊNCIA DE INJÚRIAS MECÂNICAS DURANTE AS OPERAÇÕES PÓS-COLHEITA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA MANGA 'TOMMY ATKINS' DESTINADA AO MERCADO EUROPEU Tânia Bené Florêncio de Amorim, Maria Auxiliadora Coêlho

Leia mais

DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA. Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br

DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA. Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br DESAFIOS PARA A FRUTICULTURA DE MESA BRASILEIRA Importância: 73% do volume de produção brasileira se destinam

Leia mais

Pós-colheita 2006 II Tour Técnico nos Estados Unidos

Pós-colheita 2006 II Tour Técnico nos Estados Unidos Pós-colheita 2006 II Tour Técnico nos Estados Unidos Visitas técnicas supervisionadas a áreas de produção, casas de embalagem, estruturas de comercialização e plantas de processamento de frutas e hortaliças

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Nacional da Indústria Cerâmica ANICER Santa Luzia, 651, 12º andar Centro - Rio de Janeiro / RJ Tel/Fax: (21) 2524-0128 Site: www.anicer.com.br E-mail:

Leia mais

1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015

1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 FABRICANTES, LOJISTAS, CONSTRUTORAS E CONSUMIDORES 1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 PSQ Esquadrias de Alumínio 2015 Alberto

Leia mais

COMO PRODUTORES E EMPRESAS PRECISAM SE PREPARAR PARA PARTICIPAR E GANHAR ESSE JOGO?

COMO PRODUTORES E EMPRESAS PRECISAM SE PREPARAR PARA PARTICIPAR E GANHAR ESSE JOGO? COMO PRODUTORES E EMPRESAS PRECISAM SE PREPARAR PARA PARTICIPAR E GANHAR ESSE JOGO? Léa Lagares Coordenadora Nacional da Fruticultura e Vitivinicultura Unidade de Atendimento Coletivo Agronegócio - UAGRO

Leia mais

Débora Creutzberg. São Paulo, 9 de dezembro de 2008

Débora Creutzberg. São Paulo, 9 de dezembro de 2008 O Mercado de Frutas na Alemanha Débora Creutzberg São Paulo, 9 de dezembro de 2008 Informações Gerais sobre Alemanha Condições econômicas e políticas (Dados ano 2008) Área População Capital 357.104 km²

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

Qualificação de equipamentos térmicos utilizados em ensaios

Qualificação de equipamentos térmicos utilizados em ensaios Qualificação de equipamentos térmicos utilizados em ensaios Marise Tenório Wanderley Hübner INCQS / FIOCRUZ QUALIFICAÇÃO Conjunto de operações que estabelece, sob condições especificadas, que os resultados

Leia mais

Programas de Apoio à Exportação

Programas de Apoio à Exportação INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Programas de Apoio à Exportação ENCOMEX JARAGUÁ DO SUL Flávio Martins Pimentel Coordenação-Geral de Programas de Apoio à Exportação MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 26 de junho de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 26 de junho de 2015. Clipping de notícias Recife, 26 de junho de 2015. Recife, 26 de junho de 2015. 26/06/2015 Brasil avança no combate à febre aftosa É possível que ainda este ano, todos os estados recebam identificação

Leia mais

CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NORMA Nº: NIT-DIOIS-003 APROVADA EM JUN/2011 Nº 0 01/09 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade

Leia mais

BIOLÓGICA CONTAMINAÇÃO. O risco invisível na era do Alimento Seguro CAPA. Por Francine Pupin e Juliana Haddad Tognon

BIOLÓGICA CONTAMINAÇÃO. O risco invisível na era do Alimento Seguro CAPA. Por Francine Pupin e Juliana Haddad Tognon CONTAMINAÇÃO BIOLÓGICA O risco invisível na era do Alimento Seguro Por Francine Pupin e Juliana Haddad Tognon O consumidor, ao olhar aquela fruta linda no supermercado, não nota os perigos escondidos nela.

Leia mais

PRODUÇÃO INTEGRADA DE UVA NO VALE DO SÃO FRANCISCO

PRODUÇÃO INTEGRADA DE UVA NO VALE DO SÃO FRANCISCO 1 CAPITULO 7 PRODUÇÃO INTEGRADA DE UVA NO VALE DO SÃO FRANCISCO José Eudes de Morais Oliveira 1 ; Paulo Roberto Coelho Lopes 1 ; Francisca Nemaura Pedrosa Haji 2 ; Andréa Nunes Moreira 3 ; Janaina dos

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015*

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* 1 SINOPSE. Um dos maiores desafios atuais para as empresas é ter um sistema de gestão documental de fácil entendimento entre todos profissionais da organização.

Leia mais

SIMPÓSIO DE TECNOLOGIA DE LATICÍNIOS & SORVETES. de Laticínios e Sorvetes. PAS Programa Alimentos Seguros

SIMPÓSIO DE TECNOLOGIA DE LATICÍNIOS & SORVETES. de Laticínios e Sorvetes. PAS Programa Alimentos Seguros SIMPÓSIO DE TECNOLOGIA DE LATICÍNIOS & SORVETES - 25/abril/2007 Rastreabilidade aplicada à Industrialização de Laticínios e Sorvetes PAS Programa Alimentos Seguros Nedio Jair Wurlitzer - Eng. Alimentos

Leia mais

Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan

Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan orivaldo@tropsabor.com.br Produção de bananas no Brasil (toneladas) 4500000 4000000 Tendência 3500000 3000000 2500000 2000000 1500000 2011 2010 2009

Leia mais

Importação Passo a Passo

Importação Passo a Passo 1º Passo Defina o que quer importar Importação Passo a Passo O mercado internacional, principalmente a China, apresenta uma ampla oportunidade de produtos para se importar. Antes de iniciar sua operação

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

)587,&8/785$ A CULTURA DA MANGA: DESEMPENHO NO PERÍODO 1961/2001. Tagore Villarim de Siqueira*

)587,&8/785$ A CULTURA DA MANGA: DESEMPENHO NO PERÍODO 1961/2001. Tagore Villarim de Siqueira* A CULTURA DA MANGA: DESEMPENHO NO PERÍODO 96/ Tagore Villarim de Siqueira* *Economista do Departamento Nordeste do BNDES (GP/Denor). Nota: As fontes dos dados utilizados neste trabalho foram FAO (para

Leia mais

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 7 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 19/09/14 ELABORAÇÃO: Volnei VERIFICAÇÃO:

Leia mais

EDIÇÃO Nº 11 / NOVEMBRO DE 2012 EDIÇÃO Nº 12 / DEZEMBRO DE 2012

EDIÇÃO Nº 11 / NOVEMBRO DE 2012 EDIÇÃO Nº 12 / DEZEMBRO DE 2012 EDIÇÃO Nº 11 / NOVEMBRO DE 2012 EDIÇÃO Nº 12 / DEZEMBRO DE 2012 História da Copa do Mundo FIFA A história da Copa do Mundo de Futebol da FIFA se iniciou em 1928, durante um congresso da entidade, quando

Leia mais

MITIGAR RISCOS DA EXPORTAÇÃO. Paulo Cruz Gomes Comunicação, Desenvolvimento e Inovação paulo.gomes@sgs.com 808 200 747 www.sgs.pt

MITIGAR RISCOS DA EXPORTAÇÃO. Paulo Cruz Gomes Comunicação, Desenvolvimento e Inovação paulo.gomes@sgs.com 808 200 747 www.sgs.pt MITIGAR RISCOS DA EXPORTAÇÃO Paulo Cruz Gomes Comunicação, Desenvolvimento e Inovação paulo.gomes@sgs.com 808 200 747 www.sgs.pt 2 A SGS A SGS é um parceiro do comércio internacional desde 1878 Líder Mundial

Leia mais

A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil

A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico José Antonio Alberto da Silva Pesquisador Científico APTA-Colina Coordenador da PIC no Estado de

Leia mais

Termo de Referência Curso ISO 17025:2005

Termo de Referência Curso ISO 17025:2005 Termo de Referência Curso ISO 17025:2005 Número e título do Projeto: Projeto PNUD BRA/08/G32 Estabelecimento de gerenciamento e disposição de Bifenilas Policloradas (PCB). 1. Título Consultoria técnica,

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Rodadas de Negócios Internacional - EMBALA NORDESTE 2015 Centro de Convenções de Pernambuco Olinda Bahia 04 a 07 de agosto de 2015

Rodadas de Negócios Internacional - EMBALA NORDESTE 2015 Centro de Convenções de Pernambuco Olinda Bahia 04 a 07 de agosto de 2015 Rodadas de Negócios Internacional - EMBALA NORDESTE 2015 Centro de Convenções de Pernambuco Olinda Bahia 04 a 07 de agosto de 2015 Informações da Rodada de Negócios (MANUAL DA EMPRESA COMPRADORA): 1. O

Leia mais

Ser referência de excelência nas soluções de consultoria e desenvolvimento de sistemas de informação, superando as expectativas dos clientes.

Ser referência de excelência nas soluções de consultoria e desenvolvimento de sistemas de informação, superando as expectativas dos clientes. DOMPER CONSULTORIA E SISTEMAS LTDA Rua Dr. Flores, 273 Sala 30-1 andar Ed. Frozzi CEP: 95.200-000 - Vacaria RS Fone (54) 3232-6119 / (54) 3232-8484 / (54) 3232-1471 CNPJ: 08.020.035/0001-02 IE: 154/0101158

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

2. A proposta será avaliada pelo Subcomitê Virtual de Revisão (SVR) e examinada pelo Comitê de Projetos em março de 2013.

2. A proposta será avaliada pelo Subcomitê Virtual de Revisão (SVR) e examinada pelo Comitê de Projetos em março de 2013. PJ 45/13 9 janeiro 2013 Original: inglês Disponível em inglês e português P Comitê de Projetos 5. a reunião 7 março 2013 Londres, Reino Unido Empoderamento das mulheres nas cooperativas de café brasileiras

Leia mais

Questão 45. Questão 47. Questão 46. alternativa D. alternativa E

Questão 45. Questão 47. Questão 46. alternativa D. alternativa E Questão 45 alternativa D Entre os recursos naturais importantes para o fortalecimento da economia canadense no século XX temos a taiga (o Canadá encontra-se entre os maiores produtores de madeira, papel

Leia mais

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS.

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. A Experiência dos Agrupamentos Vitícolas de Petrolina (Brasil) e Tierra Amarilla (Chile). Estrutura do Trabalho: 1.

Leia mais

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo 11 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo 13 1. Considerações iniciais O programa SEBRAEtec é um serviço de consultoria tecnológica. Sua finalidade é facilitar o acesso dos empreendedores

Leia mais

Pós-colheita 2009 V Tour Técnico nos Estados Unidos 8 a 14 de Março

Pós-colheita 2009 V Tour Técnico nos Estados Unidos 8 a 14 de Março Pós-colheita 2009 V Tour Técnico nos Estados Unidos 8 a 14 de Março Visitas técnicas supervisionadas a áreas de produção, casas de embalagem, estruturas de comercialização e plantas de processamento de

Leia mais

Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Inmetro. Avaliação da Conformidade. Gustavo José Kuster

Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Inmetro. Avaliação da Conformidade. Gustavo José Kuster Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Avaliação da Conformidade Gustavo José Kuster Avaliação da Conformidade Conceituação ABNT ISO/IEC GUIA 2 Exame sistemático

Leia mais

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) Execução do Projeto de Desenvolvimento de Capacidades na Pós-Colheita e Práticas de Marketing na Região do Jaíba

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) Execução do Projeto de Desenvolvimento de Capacidades na Pós-Colheita e Práticas de Marketing na Região do Jaíba TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) Execução do Projeto de Desenvolvimento de Capacidades na Pós-Colheita e Práticas de Marketing na Região do Jaíba Este documento define o objetivo e os resultados a serem atingidos

Leia mais

Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01

Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01 Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01 ELABORAÇÃO DE PLANOS DE SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA PARA EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS ORGANIZADOS EM REDES DE COOPERAÇÃO NOS TERRITÓRIOS DA MATA SUL/PE, MATA

Leia mais

A Rede Nacional de Laboratórios Agropecuários

A Rede Nacional de Laboratórios Agropecuários A Rede Nacional de Laboratórios Agropecuários Área de Resíduos e Contaminantes Nov 2007 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Coordenação-Geral de Apoio

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO

CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO Instituto de Qualidade e Metrologia Ltda Rio de Janeiro - RJ QUALIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS AUTOCLAVES E ESTUFAS CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO Instituto

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL 1 Biodiesel Estratégias: Ampliação de Acesso (inserção social e redução das disparidades regionais) Objetivos:

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

Boletim. Equipe da UGRS-Itep inicia ações do Recicla Pernambuco em Tamandaré, Arcoverde, Rio Formoso e Escada. Pernambuco. Projeto

Boletim. Equipe da UGRS-Itep inicia ações do Recicla Pernambuco em Tamandaré, Arcoverde, Rio Formoso e Escada. Pernambuco. Projeto Projeto Pernambuco Boletim Ano II - Nº 06 Recife, 25 de janeiro de 2013 Equipe da UGRS-Itep inicia ações do Recicla Pernambuco em Tamandaré, Arcoverde, Rio Formoso e Escada Com a realização de oficinas

Leia mais

FEIRA CHIMPORT. A melhor solução em Exportação para a China

FEIRA CHIMPORT. A melhor solução em Exportação para a China FEIRA CHIMPORT A melhor solução em Exportação para a China Por que China? Os tempos mudaram. O mundo mudou. Made in China Made for China Por que China? Consumidores Chineses: 85 bilhões de dólares em produtos

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

Objetivo da Missão. A missão contará com: - Workshops informativos e visitas. - Palestras com especialistas e entidades de classe.

Objetivo da Missão. A missão contará com: - Workshops informativos e visitas. - Palestras com especialistas e entidades de classe. Objetivo da Missão O objetivo desta missão será contribuir para o desenvolvimento de novos negócios e fornecer acesso a informações privilegiadas nos mais importantes pólos do setor Médico-Hospitalar nos

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010 1 2 PRODUTOS CADEIA PRODUTIVA DO SETOR DE INFORMÁTICA - 2007 Hardware Software Serviços 38,2% 11,8% 50,0% Computadores Gerenciamento

Leia mais

Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional

Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional de Comercialização Solidária constituída por empreendimentos econômicos comerciais feiras permanentes, lojas e centrais/centros públicos

Leia mais

Porto de Fortaleza. O desenvolvimento do Ceará passa por aqui

Porto de Fortaleza. O desenvolvimento do Ceará passa por aqui Porto de Fortaleza O desenvolvimento do Ceará passa por aqui O Porto de Fortaleza: porto de múltiplo uso Navios de Carga Geral / Navios Roll-on e Roll-off Navios Porta-Contêineres Navios de Passageiros

Leia mais

CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS

CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS Brasília/DF, 26 de novembro de 2010 LUZIA M. SOUZA FFA(ENGª AGRª,

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

CAP. 21 REGIÃO NORDESTE. Prof. Clésio Farrapo

CAP. 21 REGIÃO NORDESTE. Prof. Clésio Farrapo CAP. 21 REGIÃO NORDESTE Prof. Clésio Farrapo 1 CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DAS SUB-REGIÕES DO NE A Região Nordeste é formada por nove estados: Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco

Leia mais

AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE FRUTAS: UM PANORAMA ATUAL jmcarvalho59@hotmail.com

AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE FRUTAS: UM PANORAMA ATUAL jmcarvalho59@hotmail.com AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE FRUTAS: UM PANORAMA ATUAL jmcarvalho59@hotmail.com Apresentação Oral-Comércio Internacional JOSÉ MÁRCIO CARVALHO; DIOGO LEITÃO MIRANDA. UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA, BRASILIA

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 FRUTICULTURA Elaboração: Eng. Agr. Paulo Fernando de Souza

Leia mais

DIFICULDADES NA EXPANSÃO DA PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM UMA PEQUENA ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES RURAIS EM JUAZEIRO-BAHIA

DIFICULDADES NA EXPANSÃO DA PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM UMA PEQUENA ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES RURAIS EM JUAZEIRO-BAHIA DIFICULDADES NA EXPANSÃO DA PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM UMA PEQUENA ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES RURAIS EM JUAZEIRO-BAHIA Neusivan Furtado Matias Araújo¹, Luana Angélica Freitas Rodrigues²

Leia mais

Relatório Geral. Abril - 2015

Relatório Geral. Abril - 2015 Relatório Geral Abril - 015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL DE HPPC Objetivo Promover o desenvolvimento das empresas do setor de HPPC de forma sustentável, por meio da gestão e difusão de conhecimento,

Leia mais