INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE:"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Coordenação Geral de Inovação Tecnológica INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE: RELATÓRIO 2009 Dezembro 2010

2 1 Ministro da Ciência e Tecnologia Sérgio Machado Resende Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Ronaldo Mota 1 Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Esplanada dos Ministérios, Bloco E, 3º andar, sala 398 CEP: , Brasília DF, Brasil. Visite nosso site

3 2 LISTA DE SIGLAS BASA Banco da Amazônia BB Banco do Brasil BNB Banco do Nordeste do Brasil BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BRDE - Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul CAIXA Caixa Econômica Federal CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FACEPE Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco FAPEAM - Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas FAPEG - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás FAPEMAT Fundação de Amparo à Pesquisa do Mato Grosso FAPEMIG - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPERGS - Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul FAPERJ - Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio e Janeiro FAPES - Fundação de Amparo à Pesquisa do Espírito Santo FAPESB - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESC - Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de Santa Catarina FAPESP - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FAPESPA - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Pará FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FUNCAP Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico Fund. Araucária Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná SECITEC Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia do Estado do Mato Grosso SECT - Secretaria de Ciência e Tecnologia do Tocantins SEDECT - Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia do Pará

4 3 SUMÁRIO Apresentação Introdução Investimentos em C,T&I fomentados pelas Instituições Federais e Estaduais em apoio às ME e Lei Complementar n 123/ MERCOSUL Geral Investimento em C,T&I fomentados pelas Instituições Federais, em apoio às ME e Investimentos federais em ME e, segundo a LC n 123/ Investimentos federais em ME e, segundo o critério do MERCOSUL Investimento em C,T&I fomentados pelas Instituições Estaduais em apoio a ME e Investimento ME e por região Investimentos federais e estaduais em ME e, segundo o critério da LC nº 123/ Investimentos federais e estaduais em ME e, segundo ambos critérios (LC nº 123/2006 e MERCOSUL) Investimento por setor econômico Lei Complementar nº 123/ MERCOSUL Previsão de investimento para Conclusão Recomendações... 31

5 4 APRESENTAÇÃO Este Relatório foi elaborado pela Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia de SETEC/MCT, com base nas respostas fornecidas pelas instituições de fomento, por meio de um formulário web disponibilizado no site do MCT, sobre o volume de recursos aplicados em atividades de ciência, tecnologia e inovação (CT&I) para as Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (), atendendo ao disposto no capítulo X Do Estímulo à Inovação da Lei Complementar nº 123, de 4 de dezembro de 2006 (LC nº 123/2006). O art º da LC nº 123/2006 estabelece que essas instituições têm por meta a aplicação mínima de 20% (vinte por cento) dos recursos destinados à inovação para o desenvolvimento de tal atividade nas ME e. O formulário foi respondido por 22 instituições de fomento, sendo: (a) 15 instituições respondentes, 3 federais e 12 estaduais; (b) 5 instituições informaram que não tiveram recursos aplicados e; (c) 2 instituições somente preencheram o cadastro do formulário. Merece destaque o fato de que não houve a participação de instituições municipais neste levantamento. Os investimentos informados foram os concedidos para as ME e de acordo com o critério de classificação fornecida pela LC nº 123/2006 que classifica como ME a empresa com receita bruta igual ou inferior a R$ 240 mil e aquela com receita bruta superior a R$ 240 mil e igual ou inferior a R$ 2,4 milhões. O critério do MERCOSUL considera o valor máximo de faturamento anual de R$ 10,5 milhões para classificar uma empresa como PYMES (pequeñas y medianas empresas). Das instituições federais, apenas o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) cumpriu a meta de 20% da LC nº 123/2006 de investimentos totais em inovação destinados a ME e. Todas as instituições estaduais que participaram com informações alcançaram a meta, merecendo o destaque que as Fundações de Apoio à Pesquisa (FAP), na maioria, investiram 100% neste tipo de empresa. As seguintes instituições: (a) Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (FACEPE); (b) Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB); e (c) Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico

6 (FUNCAP) apresentaram um investimento médio de R$ 300 mil por empresa, o maior dentre suas congêneres na categoria ME e. As regiões Sudeste e Sul receberam o maior valor de investimentos das instituições federais tanto no critério da LC nº 123/2006 quanto no do MERCOSUL. Já com os recursos estaduais, a região que mais se beneficiou foi a Nordeste, seguida da região Sudeste. De acordo com a LC nº 123/2006, os setores econômicos que mais foram beneficiados pelos recursos federais foram Outros seguido da Siderurgia, Sistema Agroindustrial, Plásticos e Tecnologia da Informação e Comunicação. Enquanto os recursos estaduais foram, em grande parte, direcionados ao setor de Tecnologia da Informação e Comunicação e Outros. Quanto à previsão de investimento para 2010 de acordo com a LC nº 123/2006, as instituições estaduais pretendem atender por volta de ME e num valor médio de R$ 120 mil por empresa. Já as federais informaram que estimam apoiar aproximadamente ME e, com valor médio de R$ 175 mil reais por empresa. 5

7 6 1. INTRODUÇÃO O que se observa com a pesquisa realizada, é que as ME e vêm recebendo apoio ao desenvolvimento tecnológico em programas específicos, inclusive na forma serviços prestados por parte da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios, das respectivas agências de fomento, das Instituições Científicas e Tecnológicas (ICT), dos núcleos de inovação tecnológica (NIT) e das instituições de apoio. Conforme o art. 65 3º da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006 (LC nº 123/2006), os órgãos e entidades da administração pública federal deverão enviar ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), no primeiro trimestre de cada ano, informações relativas aos valores alocados em programas e projetos de ação e apoio a ME e, com a respectiva relação percentual relativa ao total dos recursos aplicados. A Portaria do MCT nº 589, de 27 de julho de 2010, instituiu o formulário para que os órgãos e entidades da Administração Pública Federal, atuantes em pesquisa, desenvolvimento ou capacitação tecnológica, bem como os órgãos congêneres ao Ministério da Ciência e Tecnologia estaduais e municipais, apresentem ao MCT informações referentes aos recursos destinados à inovação alocados às ME e. Com a Portaria ficou instituído que essas informações devem ser fornecidas de forma consolidada, anualmente, até a data de 31 de março do ano subseqüente ao ano a que se referem os investimentos. Convém ressaltar que no ano de 2010, o prazo para preenchimento do formulário pelas Instituições de Fomento ocorreu no 2 semestre em decorrência dos aperfeiçoamentos que o formulário eletrônico sofreu e cuja publicação ocorreu em julho do mesmo ano. O formulário eletrônico tem os seguintes objetivos: Orientar as políticas de fomento à C,T&I às ME e, dos órgãos e entidades integrantes da Administração Pública Federal, atuantes em pesquisa, desenvolvimento ou capacitação tecnológica, bem como os órgãos congêneres ao Ministério da Ciência e Tecnologia estaduais e municipais, na prestação das informações referentes aos recursos destinados à inovação alocados às microempresas e empresas de pequeno porte;

8 Obter dados que subsidiem a avaliação destes recursos e que irão compor a publicação de um relatório devidamente circunstanciado; Disponibilizar informações que auxiliem o acompanhamento da meta da LC nº 123/2006 que obriga a aplicação de no mínimo 20% (vinte por cento) dos recursos destinados à inovação para o desenvolvimento de tal atividade nas microempresas ou nas empresas de pequeno porte. 7 De acordo com a Lei Complementar nº 123/2006, os investimentos realizados para fomentar o desenvolvimento tecnológico das ME e, deverão atender às seguintes diretrizes: Disponibilizar as condições de acesso diferenciadas, favorecidas e simplificadas; O orçamento deve conter expressamente o montante disponível, suas condições de acesso e ampla divulgação; Indicação do percentual dos recursos aplicados em inovação destinados a microempresa e empresa de pequeno porte.

9 2. Investimentos em C,T&I fomentados pelas Instituições Federais e Estaduais em apoio às ME e Lei Complementar n 123/2006 A Lei Complementar nº 123/2006 classifica as microempresas e empresas de pequeno porte nas seguintes condições abaixo: Microempresas - o empresário, a pessoa jurídica, ou a ela equiparada, aufira, em cada ano-calendário, receita bruta igual ou inferior a R$ ,00 (duzentos e quarenta mil reais); Empresas de pequeno porte - o empresário, a pessoa jurídica, ou a ela equiparada, aufira, em cada ano-calendário, receita bruta superior a R$ ,00 (duzentos e quarenta mil reais) e igual ou inferior a R$ ,00 (dois milhões e quatrocentos mil reais). De posse das informações enviadas ao MCT, verificou-se que 15 instituições de fomento preencheram o formulário eletrônico com as informações referentes ao ano base 2009, sendo 03 federais (BNDES, FINEP e BNB) e 12 estaduais (Fundações de Amparo à Ciência e Tecnologia e Secretarias de Ciência, Tecnologia e Inovação). Cabe ressaltar, que o MCT não recebeu informações das seguintes instituições federais: Banco do Brasil (BB); Caixa Econômica Federal (CAIXA); Banco da Amazônia (BASA), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). O Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal e o Banco da Amazônia justificaram a respectiva pendência encaminhando comunicado por meio de ofício ao Ministério da Ciência e Tecnologia. O Banco do Brasil (Ofício nº 2010/790 de 11/10/2010) informou que não se enquadra como agência de fomento, ICT ou NIT de acordo com os termos dos artigos 64 e 67 da Lei Complementar nº 123/2006, isentando a obrigatoriedade de preenchimento do formulário, entretanto, apresentou informações financeiras referentes às operações de crédito disponibilizadas às microempresas e empresas de pequeno porte. A Caixa Econômica Federal (Ofício

10 nº 044/2010/SUMPE de 29/09/2010) informou que não atua com linhas de financiamento específicas para atividades de P&D e que não dispõe de mecanismos de controle para informar com precisão sobre as demandas solicitadas no formulário eletrônico. No entanto a instituição apresentou informações financeiras referentes às linhas de financiamento disponibilizadas às microempresas e empresas de pequeno porte. O Banco da Amazônia (Carta nº 2010/21 de 18/10/2010) informou que seu Programa de Apoio à Pesquisa não contempla diretamente as microempresas e empresas de pequeno porte, mas apenas as instituições de ensino e pesquisa, não se enquadrando no perfil de instituições que devem preencher o formulário. O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) não responderam ao questionário. Verificou-se que quase todos os 26 Estados do Brasil e o Distrito Federal possuem uma Fundação de Amparo à Pesquisa (FAP) e uma Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação ou que trata desses temas. Entretanto, somente 12 dessas instituições estaduais responderam ao formulário. Contudo, importantes FAPs não responderam ao formulário este ano, tais como a: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG); Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de Santa Catarina (FAPESC); Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS), dentre outras. Os investimentos federais em C,T&I para ME e, segundo o critério da LC nº 123/2006, foram em torno de R$ 425 milhões, que corresponde a 18% do total dos recursos federais para empresas de todos os portes e em número de empresas corresponde a 56% do total de empresas atendidas. A média aplicada pelas instituições federais em ME e foi aproximadamente de R$ 178 mil por empresa (ver Tabela 1). Os investimentos estaduais em C,T&I para ME e, segundo o critério da LC nº 123/2006, foram em torno de R$ 64 milhões, que corresponde a 96% do total dos recursos estaduais para empresas de todos os portes e em número de empresas corresponde a 98% do total de empresas atendidas. A média aplicada pelas instituições estaduais em ME e foi aproximadamente de R$ 57 mil por empresa, pelo critério da LC nº 123/2006 (ver Tabela 1). 9

11 10 TABELA 1 - TOTAL DE INVESTIMENTOS FEDERAIS E ESTADUAIS EM ME E (LC Nº 123/2006) Instituições de Fomento Investimento total (empresas de todos os portes) R$ Nº de empresas Investimento ME e (LC nº 123/2006) % Investimento ME e (LC nº 123/2006) Nº de ME e (LC nº 123/2006) % ME e Federais , ,96 18% % Estaduais , ,07 96% % TOTAL , ,03 20% % 2.2 MERCOSUL O critério MERCOSUL considera o valor máximo de faturamento anual de R$10,5 milhões para classificar uma empresa como ME ou. Os investimentos federais em C,T&I para ME e, segundo ambos os critérios (LC nº 123/2006 e MERCOSUL), foram em torno de R$ 862 milhões, que corresponde a 37% do total dos recursos federais para empresas de todos os portes e em número de empresas corresponde a 93% do total de empresas atendidas. A média aplicada pelas instituições federais em ME e foi aproximadamente de R$ 221 mil por empresa (ver Tabela 2). Os investimentos estaduais em C,T&I para ME e, segundo ambos os critérios (LC nº 123/2006 e MERCOSUL), foram em torno de R$ 66 milhões, que corresponde a 99% do total dos recursos estaduais para empresas de todos os portes e em número de empresas corresponde a 99% do total de empresas atendidas. A média aplicada pelas instituições estaduais em ME e foi aproximadamente de R$ 57 mil por empresa (ver Tabela 2).

12 11 TABELA 2 TOTAL DE INVESTIMENTOS FEDERAIS E ESTADUAIS EM ME E (AMBOS CRITÉRIOS) Instituições de Fomento Investimento total (empresas de todos os portes) R$ Nº de empresas Investimento ME e (LC nº 123/2006 e MERCOSUL) % Investimento ME e (LC nº 123/2006 e MERCOSUL) Nº de ME e (LC nº 123/2006 e MERCOSUL) % ME e Federais , ,81 37% % Estaduais , ,90 99% % TOTAL , ,71 39% % 2.3 Geral Em resumo, os recursos totais de atendimento a C,T&I para empresas de todos os portes nestas 15 instituições de fomento (federais e estaduais) somaram em 2009 aproximadamente R$ 2,4 bilhões, sendo que em torno de 489 milhões foram destinados para ME e, segundo o critério da LC nº 123/2006 (ver Tabela 1). Já o valor total de investimento (federal e estadual) em micro e pequenas empresas (LC nº 123/2006 e MERCOSUL) foi de aproximadamente R$ 927 milhões atendendo a empresas. Este montante de recursos equivale a 39% do total investido e em número de empresas corresponde a 94% do total de empresas atendidas (ver Tabela 2). Finalmente, considerando apenas as ME e, enquadradas na LC nº 123/2006, o montante de recursos federais e estaduais foi de cerca de R$ 489 milhões, equivale a 20% do total investido e em número de empresas corresponde a 65% do total de empresas atendidas (veja Tabela 1).

13 3. Investimento em C,T&I fomentados pelas Instituições Federais, em apoio às ME e Investimentos federais em ME e, segundo a LC n 123/2006 Levando em consideração exclusivamente os investimentos realizados às microempresas e empresas de pequeno porte conforme o critério da LC nº 123/2006, verificou-se que as instituições federais foram responsáveis pelo financiamento total em torno de R$ 425 milhões para ME e, o que equivale 18% do total de investimento para empresas de todos os portes. Os investimentos federais para ME e oscilaram entre R$ 598 mil e R$ 363 milhões, veja Tabela 3. As 03 instituições federais (BNDES, FINEP e BNB) disponibilizaram recursos por meio de diversas linhas para atividades de C,T&I ao setor empresarial, independente do porte da empresa, no montante total de R$ 2,3 bilhões para empresas (ver Tabela 3). TABELA 3 - TOTAL DE INVESTIMENTOS FEDERAIS EM ME E (LC Nº 123/2006) Instituições de Fomento Investimento total (empresas de todos os portes) R$ Nº de empresas Investimento em ME e (LC nº 123/2006) R$ investimento total Nº de ME e empresa FINEP , ,31 06% % BNDES , ,00 29% % BNB , ,65 12% 14 18% TOTAL , ,96 18% % De acordo com o critério da LC nº 123/2006, os recursos do BNDES contemplaram empresas de todos os portes no valor aproximado de R$ 1,2 bilhão, tendo como média em torno de R$ 338 mil. Dessas empresas, são ME e e receberam em torno de R$ 363 milhões, o que equivale à média aproximada de R$ 166 mil por empresa. Seguindo o mesmo critério, a FINEP contemplou 420 empresas de todos os portes no valor em torno de R$ 1 bilhão, tendo como média aproximada de R$ 2,5 milhões. Dessas empresas, 178 são ME e

14 e receberam recurso total aproximado de R$ 62 milhões e média em torno de R$ 346 mil por empresa. Por fim, o BNB (de acordo com a LC nº 123/2006) contemplou 79 empresas de todos os portes no valor aproximado de R$ 5,1 milhões, tendo como média em torno de R$ 65 mil. Dessas empresas, 14 são ME e e receberam recurso total aproximado de R$ 598 mil, o que equivale a média aproximada de R$ 43 mil por empresa, conforme Tabela 3 e Figura FIGURA 1 INVESTIMENTO MÉDIO EM C,T&I POR ME E LC Nº 123/ FEDERAI Com relação ao cumprimento da meta de aplicação mínima de 20% (vinte por cento) da LC nº 123/2006 dos recursos destinados à inovação para o desenvolvimento de tal atividade nas ME e, verificou-se que o BNDES aplicou o percentual de 29% do investimento total para empresas de todos os portes, atingindo assim, a meta especificada na legislação. Contudo, o BNB e a FINEP tiveram percentuais abaixo, respectivamente: 12% e 6% do estipulado na meta, conforme Tabela 3 e Figura 2.

15 14 FIGURA 2 % DE INVESTIMENTO EM ME E LC Nº 123/ FEDERAI Cabe ressaltar que dentre os recursos aplicados pela FINEP não foram computados os recursos descentralizados para outras agências de fomento tais como os programas PAPPE-Subvenção e PRIME, bem como recursos destinados a apoiar infraestruturas e atendimentos para prestação de serviços nas ME e pelas Redes de Extensão Tecnológica, Serviços Tecnológicos e Centros de Inovação do SIBRATEC. Destaque-se ainda que dentre os recursos aplicados pelo BNDES, o programa de financiamento BNDES Finame equipamentos sem roda para empresas corresponde ao valor aproximado de R$ 692 milhões que equivale 55% do total dos recursos aplicados para empresas de qualquer porte e 97 todas as empresas de qualquer porte, ou seja, uma parte expressiva do total dos recursos do BNDES (Ver Tabela 3). Contudo, este programa por sua vez apóia a compra de equipamentos tanto para a atividade de C,T&I, controle da qualidade dentre outros, ou seja, não é um recurso vinculado apenas às atividades de C,T&I. 3.2 Investimentos federais em ME e, segundo o critério do MERCOSUL Para esta análise optou-se por excluir os investimentos e as empresas que foram atendidas segundo o critério da LC n 123/2006, ou seja, o subtrato ficou para empresas que faturam acima dos R$ 2,5 milhões até R$ 10,5 milhões ao ano. Não existe legislação que exija a obrigação das instituições de fomento destinarem o

16 percentual mínimo dos seus recursos às microempresas e empresas de pequeno porte seguindo os critérios do MERCOSUL. A análise indica, pelo critério MERCOSUL, que o BNDES disponibilizou financiamentos em torno de R$ 402 milhões, contemplando ME e. O valor médio aproximado por empresa foi de R$ 275 mil. Em relação à FINEP, verificou-se que os recursos disponibilizados somaram em torno de R$ 34 milhões, atendendo 62 ME e, com uma média aproximada de R$ 547 mil (Ver Tabela 4 e Figura 3). Cabe ressaltar ainda que dentre as instituições de fomentos estaduais, somente a FUNCAP utilizou o critério MERCOSUL para definir ME e. Dessa forma, o valor investido nessa categoria por esta instituição foi em torno de R$ 2,4 milhões distribuídos em 20 empresas, com uma média aproximada de R$ 123 mil por empresa (Ver Figura 3). O BNDES atingiu o percentual de 32 investimento para ME e do investimento total para empresas de todos os portes, enquanto que a FINEP atingiu o percentual de 3%, segundo a Tabela TABELA 4 - TOTAL DE INVESTIMENTOS FEDERAIS EM ME E (MERCOSUL) Investimento total (empresas de todos os portes) R$ Nº de empresas Investimento ME e (Mercosul) excluído LC nº nº 123/06 R$ % do investimento Nº de ME e % na empresa BNDES , ,00 32% % FINEP , ,85 3% 62 15% BNB % TOTAL , ,85 19% %

17 16 FIGURA 3 INVESTIMENTO MÉDIO EM CT&I POR ME E CRITÉRIO MERCOSUL (EXCLUÍDO LC Nº 123/2006) O Banco do Nordeste não contemplou recursos utilizando o critério do MERCOSUL.

18 4. Investimento em C,T&I fomentados pelas Instituições Estaduais em apoio a ME e Com relação às Fundações de Apoio à Pesquisa e outros órgãos de fomento estaduais, 12 instituições relacionadas na Tabela 5 apresentaram as informações solicitadas. Verificou-se que os recursos estaduais investidos oscilaram entre R$ 1 milhão e R$ 16,5 milhões. A quantidade de empresas beneficiadas pelos recursos estaduais, independente do porte, variou entre 11 e 480 empresas por instituição, de acordo com a Tabela 5. Considerando o critério da LC nº 123/2006, o somatório dos recursos de CT&I destinados para as ME e apoiadas pelas 12 instituições de fomento estaduais foi em torno de R$ 64 milhões. Este resultado apresenta uma média aproximada de R$ 56 mil por empresa (Ver Tabela 5 e Figura 6). 17 TABELA 5 - TOTAL DE INVESTIMENTOS ESTADUAIS EM ME E (LC Nº 123/2006) Instituições de Fomento *FUNCAP: É a única instituição estadual que aplicou recursos para ME e pelo critério do MERCOSUL. Apenas uma instituição estadual, a FUNCAP, utilizou o critério do MERCOSUL (excluída a LC nº 123/2006) para classificar ME e. Somente esta Instituição aplicou em torno de R$ 2,4 milhões em 20 ME e, numa média aproximada de R$ 123 mil por empresa. aplicados em CT&I (todas as empresas) Nº de empre sas de CT&I destinado a ME e LC 123/2006 recursos Nº de ME e % ME e FACEPE R$ ,00 47 R$ , FAPEAM R$ ,32 21 R$ , FAPEG R$ ,00 60 R$ , FAPEMAT R$ ,59 11 R$ , FAPERJ R$ , R$ , FAPES R$ ,39 13 R$ , FAPESB R$ ,49 25 R$ ,81 98, FAPESPA R$ ,80 46 R$ , FUNCAP* R$ ,83 39 R$ ,67 70, ,71 Fund. Araucária R$ , R$ , SECITEC R$ ,00 36 R$ , SEDECT R$ , R$ , TOTAL R$ , R$ ,07 97, ,39

19 Sendo assim, o somatório de todos os recursos estaduais para as empresas de todos os portes incluindo ambos os critérios é em torno de R$ 67 milhões, tendo como média aproximada o valor de R$ 57 mil por empresa. As instituições estaduais que mais investiram em ME e considerando o critério da LC nº 123/2006 foram a FACEPE e a FAPERJ com respectivamente R$ 16,5 milhões e R$ 12,8 milhões aproximados. Seguiram estas instituições a FAPESB, FUNCAP, a Fundação Araucária do Paraná e a FAPESPA, com valores aproximados de R$ 7,9 milhões, 6,4, 6,0 e 4,3 respectivamente. Todas as outras instituições apresentaram valores abaixo de R$ 2,6 milhões (Ver Tabela 4 e Figura 4). 18 FIGURA 4 INVESTIMENTO EM CT&I NAS ME E LC Nº 123/2006 INSTITUIÇÕES ESTADUAIS Todas as instituições estaduais que preencheram o formulário alcançaram a meta de 20 investimentos para ME e conforme estabelecido pela LC nº 123/2006. Verifica-se que das 12 instituições de fomento estaduais que investiram em CT&I em empresas, 10 dessas instituições investiram 100% dos recursos em ME e. Somente a FUNCAP e FAPESB investiram menos que 100sses recursos em ME e, conforme Figura 5.

20 19 FIGURA 5 % DE INVESTIMENTO EM ME E LC Nº 123/2006 INSTITUIÇÕES ESTADUAIS De acordo com a Figura 6, o investimento médio em CT&I da ME e de 3 instituições estaduais (FACEPE, FAPESB e FUNCAP) ultrapassou aproximadamente R$ 300 mil por empresa e o restante das instituições tiveram investimentos médios abaixo de R$ 200 mil por empresa. FIGURA 6 INVESTIMENTO MÉDIO EM C&T POR ME E LC Nº 123/2006 INSTITUIÇÕES ESTADUAIS

21 20 5. Investimento ME e por região 5.1. Investimentos federais e estaduais em ME e, segundo o critério da LC nº 123/2006 Ao analisar os recursos aplicados pelas instituições federais e estaduais, verificou-se que o total investido em 3.521, enquadradas na LC nº 123/2006, foram aproximadamente de R$ 489 milhões, sendo que a região Sudeste e Sul foram as que receberam mais recursos (ver Tabela 6). TABELA 6 - TOTAL DE INVESTIMENTOS ESTADUAIS E FEDERAIS EM ME E POR REGIÃO (LC Nº 123/2006) Instituições Federais e Estaduais Investimento ME e (LC nº 123/06) investimento Nº ME e ME e Norte R$ ,58 3% % Nordeste R$ ,66 12% 281 8% Centro-Oeste R$ ,76 6% 248 7% Sudeste R$ ,66 51% % Sul R$ ,37 29% % TOTAL R$ ,03 100% % Ao analisar os recursos aplicados somente pelas instituições federais, verificouse que o total investido em 2.381, enquadradas na LC nº 123/2006, foram aproximadamente de R$ 425 milhões, sendo que a região Sudeste e Sul foram as que receberam mais recursos (ver Tabela 7). TABELA 7 - TOTAL DE INVESTIMENTOS FEDERAIS EM ME E POR REGIÃO (LC Nº 123/2006) Instituições Federais Investimento ME e (LC nº nº 123/06) investimento Nº ME e ME e Norte R$ ,54 2% 55 2% Nordeste R$ ,18 6% 191 8% Centro-Oeste R$ ,17 6% 141 6% Sudeste R$ ,70 55% % Sul R$ ,37 32% % TOTAL R$ ,96 100% %

22 Ao analisar os recursos aplicados somente pelas instituições estaduais, verificou-se que o total investido em 1.140, enquadradas na LC nº 123/2006, foram aproximadamente de R$ 64 milhões, sendo que a região Nordeste e Sudeste foram as que receberam mais recursos (ver Tabela 8). TABELA 8 - TOTAL DE INVESTIMENTOS ESTADUAIS EM ME E POR REGIÃO (LC Nº 123/2006) 21 Instituições Estaduais Investimento ME e (LC nº nº 123/06) investimento Nº ME e ME e Norte R$ ,04 11% % Nordeste R$ ,48 48% 90 8% Centro-Oeste R$ ,59 7% 107 9% Sudeste R$ ,96 24% % Sul R$ ,00 9% % TOTAL R$ ,07 100% % 5.2. Investimentos federais e estaduais em ME e, segundo ambos critérios (LC nº 123/2006 e MERCOSUL) Considerando os recursos disponibilizados para as micro e pequenas empresas por ambos os critérios, verificou-se que o total investido em ME e foi de aproximadamente R$ 928 milhões, sendo que a região Sudeste e a Sul foram que as receberam mais recursos (ver Tabela 9). TABELA 9 - TOTAL DE INVESTIMENTOS FEDERAIS E ESTADUAIS EM ME E POR REGIÃO (AMBOS CRITÉRIOS) Instituições Federais e Estaduais Investimento ME e (LC nº 123/06 e Mercosul) investimento Nº ME e ME e Norte R$ ,58 3% % Nordeste R$ ,16 11% 417 8% Centro-Oeste R$ ,34 5% 336 7% Sudeste R$ ,49 51% % Sul R$ ,14 30% % TOTAL R$ ,71 100% %

23 Ao analisar os recursos aplicados somente pelas instituições federais em ambos critérios, verificou-se que o total investido em foram aproximadamente de R$ 861 milhões, sendo que a região Sudeste e Sul foram as que receberam mais recursos (ver Tabela 10). TABELA 10 - TOTAL DE INVESTIMENTOS FEDERAIS EM ME E POR REGIÃO (AMBOS CRITÉRIOS) 22 Instituições Federais Por fim, ao analisar os recursos aplicados somente pelas instituições estaduais em ambos critérios, verificou-se que o total investido em empresas foi de aproximadamente R$ 66 milhões. Diferentemente da destinação dos recursos federais, quando se trata de recursos estaduais, a região que mais se beneficiou foi a Nordeste, seguida da região Sudeste (Ver Tabela 11). TABELA 11 - INVESTIMENTOS ESTADUAIS EM ME E POR REGIÃO EM AMBOS CRITÉRIOS Instituições Investimento ME e Nº ME Estaduais (LC nº nº 123/06 investimento e Mercosul) e ME e Norte R$ ,04 11% % Nordeste R$ ,31 50% 110 9% Centro-Oeste R$ ,59 6% 107 9% Sudeste R$ ,96 23% % Sul R$ ,00 9% % TOTAL R$ ,90 100% % Investimento ME e (LC nº nº 123/06 e Mercosul) investimento Nº ME e ME e Norte R$ ,54 2% 116 3% Nordeste R$ ,85 8% 307 8% Centro-Oeste R$ ,75 5% 229 6% Sudeste R$ ,53 53% % Sul R$ ,14 31% % TOTAL R$ ,81 100% %

24 23 6. INVESTIMENTO POR SETOR ECONÔMICO 6.1 Lei Complementar nº 123/2006 Neste item, analisou-se quais setores econômicos foram beneficiados com os investimentos federais e estaduais em CT&I destinados para ME e independente do critério adotado para definir micro e pequenas empresas. De acordo com o critério da LC nº 123/2006, verificou-se que o setor econômico que mais beneficiou as ME e com os recursos federais foi o Outros seguido da Siderurgia, Sistema Agroindustrial, Plásticos e Tecnologia da Informação e Comunicação, que receberem em torno de R$ 212, R$ 37, R$ 27, R$ 25 e R$ 24 milhões respectivamente. Por outro lado, os recursos estaduais beneficiaram o setor da Tecnologia da Informação e Comunicação seguido de Outros que receberam aproximadamente R$ 20 milhões e R$ 14 milhões respectivamente. Contudo, ao unificar os recursos federais e estaduais verificou-se que o setor que mais recebeu recursos foi Outros e Tecnologia da Informação e Comunicação recebendo valores em torno de R$ 226 milhões e R$ 44 milhões respectivamente (Ver Tabela 12). TABELA 12 - INVESTIMENTOS FEDERAIS E ESTADUAIS EM ME E POR SETOR ECONÔMICO (LC Nº 123/2006) SETOR ECONÔMICO - LC nº 123/2006 Federal C&I destinado a ME e R$ Nº ME e Estaduais em C&I destinado a ME e - R$ Nº ME e Federais e Estaduais em C&I destinado a ME e R$ % do total Nº ME e ME e do total Alimentos , ,87 0,08 4 0,11 Agronegócio , ,00 0,07 1 0,03 Apicultura , ,00 0,02 1 0,03 Aqüicultura e , ,00 0,02 1 0,03 pesca Artesanatos, , ,65 0,02 2 0,06 produtos e serviços ambientais Bens de capital , , ,21 2, ,37 Biodiesel , , ,07 0,07 4 0,11 Biomassa , ,00 0,20 3 0,09 Biotecnologia , ,43 1, ,91 Brinquedos , ,00 0,01 2 0,06 Carnes , ,00 0, ,48

25 24 SETOR ECONÔMICO - LC nº 123/2006 Federal C&I destinado a ME e R$ Nº ME e Estaduais em C&I destinado a ME e - R$ Nº ME e Federais e Estaduais em C&I destinado a ME e R$ % do total Nº ME e ME e do total Ciência, , ,00 1, ,41 tecnologia e inovação Complexo de , , ,38 1, ,51 serviços Complexo , ,00 1, ,16 automotivo Complexo de , , ,34 1, ,80 saúde Construção civil , ,00 4, ,85 Couro e , , ,75 0, ,48 calçados Eletroeletrônica , ,00 0,71 9 0,26 Eletrônica de , , ,00 0,21 8 0,23 consumo Engenharia , ,00 0,02 1 0,03 ambiental Engenharia de , ,50 0,05 1 0,03 alimentos Engenharia de , ,50 0,08 1 0,03 aqüicultura Fármacos , ,00 0,07 2 0,06 Gema e jóias , ,00 0,02 1 0,03 Higiene , ,00 0,32 8 0,23 Indústria , ,14 0,03 2 0,06 Indústria , ,00 0,08 2 0,06 aeronáutica Indústria de , ,46 1, ,77 transformação Indústria , ,00 0,08 4 0,11 marítima Leite e , ,90 0,02 2 0,06 derivados Madeira e , , ,91 2, ,49 móveis Mandioca , ,60 0,02 1 0,03 Meio ambiente , ,25 0,20 4 0,11 Mineração e , ,00 2, ,96 papel e celulose Minerais não , ,00 0,03 1 0,03 Metálicos Outros , , ,53 46, ,74 Perfumaria e , ,00 0,03 2 0,06 cosméticos Petróleo e gás ,80 4 0, ,80 0,08 4 0,11 Plásticos , , ,08 5, ,73 Pólo Cerâmico , ,13 0,04 2 0,06 Psicultura , ,00 0,02 1 0,03 Química , ,96 0,09 2 0,06 Siderurgia , ,00 7, ,82

26 25 SETOR ECONÔMICO - LC nº 123/2006 Federal C&I destinado a ME e R$ Nº ME e Estaduais em C&I destinado a ME e - R$ Nº ME e Federais e Estaduais em C&I destinado a ME e R$ % do total Nº ME e ME e do total Sistema , , ,26 5, ,79 agroindustrial Tecnologia da , , ,39 9, ,75 informação e comunicação Têxtil e , , ,32 1, ,76 Vestuário Turismo , ,60 0,04 2 0,06 ecológico TOTAL , , ,03 100, , MERCOSUL De acordo com o critério do MERCOSUL (excluído os da LC nº 123/2006) para classificar ME e, verificou-se que o setor econômico que mais se beneficiou com os recursos federais foi o Outros - Comércio e Serviços e Sistema Agroindustrial que recebeu em torno de R$ 119 milhões e R$ 52 milhões respectivamente. Enquanto os recursos estaduais beneficiaram o setor do Sistema agroindustrial seguido da Tecnologia da informação e comunicação que recebeu aproximadamente R$ 585 mil e R$ 472 mil respectivamente. Contudo, ao unificar os recursos federais e estaduais verificou-se que o setor que mais recebeu recursos foi o Outros - Comércio e Serviços e Sistema Agroindustrial no valor aproximado de R$ 119 milhões e R$ 52 milhões respectivamente (Ver Tabela 13). TABELA 13 - Investimentos federais e estaduais em ME e por setor econômico (MERCOSUL) SETOR ECONÔMICO - Mercosul (Excluída LC nº 123/2006) Federal C&I destinado a ME e R$ Nº ME e Estaduais em C&I destinado a ME e R$ Nº ME e Federais e Estaduais em C&I destinado a ME e R$ % do total Bens de capital , ,30 4,2 79 5,1 Bioetanol , ,50 0,4 1 0,1 Brinquedos , ,00 0,1 2 0,1 Carnes , ,00 1,1 33 2,1 Complexo de serviços , , ,15 0,9 9 0,6 Complexo automotivo , ,72 1,6 36 2,3 Complexo de saúde , , ,95 1,1 17 1,1 Construção civil , ,00 7,0 96 6,2 Couro e calçados , ,00 0,7 12 0,8 Nº ME e ME e do total

27 SETOR ECONÔMICO - Mercosul (Excluída LC nº 123/2006) Federal C&I destinado a ME e R$ Nº ME e Estaduais em C&I destinado a ME e R$ Nº ME e Federais e Estaduais em C&I destinado a ME e R$ % do total Eletrônica de consumo , , ,80 0,1 4 0,3 Higiene , ,79 0,5 6 0,4 Indústria de defesa , ,80 0,4 1 0,1 Indústria de , ,03 0,5 6 0,4 transformação Indústria marítima , ,00 0,3 2 0,1 Madeira e móveis , ,00 3,4 80 5,2 Mineração e papel e , ,00 7,5 68 4,4 celulose Outros , ,92 0,6 3 0,2 Outros - Agropecuária , ,00 0,2 5 0,3 Outros - Comércio e , ,1 serviços , ,00 Outros - Indústria , ,00 10, ,7 Outros - Infraestrutura , ,00 1,9 44 2,9 Petróleo e gás , , ,69 0,1 2 0,1 Plásticos , , ,96 8, ,6 Siderurgia , ,20 1,2 18 1,2 Sistema agroindustrial , , ,26 11, ,8 Tecnologia da , , ,61 5,2 37 2,4 informação e comunicação Têxtil e Vestuário , ,00 2,8 38 2,5 TOTAL , , ,68 100, ,0 Nº ME e 26 ME e do total Sendo assim, conclui-se que os investimentos federais por serem muito superiores aos investimentos estaduais, acabam direcionando quais as ME e por setor econômico que receberam mais recursos financeiros para investimentos em CT&I.

28 27 7. PREVISÃO DE INVESTIMENTO PARA 2010 As instituições de fomento, que preencheram o formulário, estimaram o investimento em CT&I (LC nº 123/2006) para o exercício financeiro de 2010 em torno de R$ 5,2 bilhões, para empresas de todos os portes, e de R$ 1,1 bilhões, para ME e (Ver Tabela 14 e 15). Este valor é maior do que o aplicado em As instituições federais investiram, em 2009, em torno de R$ 2,3 bilhões em CT&I para empresas de todos os portes, sendo que deste valor, R$ 425 milhões aproximadamente foram para ME e (critério LC nº 123/2006), conforme Tabela 1. Comparando com a previsão de investimento para 2010 ressalta-se que as instituições federais previram investir em torno de R$ 5,2 bilhões para empresas de todos os portes, ou seja, mais que o dobro do investido em 2009 e, nos casos da ME e a previsão de investimento é em torno de R$ 1,1 bilhão para empresas, ou seja, quase o triplo do investido em 2009, tendo uma média aproximada de R$ 175 mil por empresa, conforme Tabela 14. TABELA 14 - Previsão de investimentos federais para 2010 (LC nº 123/2006) Instituições de Fomento (federais) Previsão de investimento em CT&I (empresas de qualquer porte) As instituições estaduais investiram, em 2009, o total aproximado de R$ 67 milhões em CT&I, para empresas de todos os portes, sendo que deste valor, R$ 64 milhões aproximadamente foram para ME e (critério LC nº 123/2006), conforme Tabela 5. Comparando com a previsão de investimento para 2010 ressalta-se que as instituições estaduais previram investir em torno de R$ 152 milhões, para empresas de todos os portes, ou seja, mais do que o dobro investido em 2009 e, nos casos da ME e a previsão foi de investimento aproximadamente de R$ 118 milhões para 971 empresas, ou seja, quase o dobro do que o investido em A média da previsão de investimento em ME e é em torno de R$ 121 mil por empresa (Ver Tabela 15). Previsão de investimento em CT&I em ME e (LC 123/06) Nº ME e BNDES R$ ,00 R$ , FINEP R$ ,00 R$ , BNB R$ ,00 R$ ,00 20 TOTAL R$ ,00 R$ ,

29 28 TABELA 15 - PREVISÃO DE INVESTIMENTOS ESTADUAIS PARA 2010 (LC Nº 123/2006) Instituições de Fomento (estaduais) Previsão de investimento em CT&I Previsão de investimento em CT&I em ME e (LC 123/06) Nº ME e FUNCAP R$ ,00 R$ ,58 19 FAPERJ R$ ,00 R$ , FAPEG R$ ,00 R$ ,00 40 Fundação Araucária PR R$ ,00-0 FACEPE R$ ,00 R$ ,00 50 FAPESPA R$ ,42 R$ ,42 46 FAPESB R$ ,00 R$ ,00 25 SEDECT R$ ,92 R$ , SECITEC R$ ,00-80 FAPEMAT R$ ,00 R$ ,00 24 FAPES R$ ,00 R$ ,00 7 FAPEAM R$ ,31 R$ ,31 0 TOTAL R$ ,70 R$ ,20 971

30 29 8. CONCLUSÃO Em 2009, as instituições federais e estaduais aplicaram em torno aproximadamente R$ 2,3 bilhões em empresas de todos os portes, sendo que R$ 489 milhões foram destinados para ME e que equivale a 20% do total investido e em número de empresas corresponde a 65% do total de empresas atendidas (critério da LC nº 123/2006), de acordo com a Tabela 1. Ressalta-se, que considerando o critério MERCOSUL que engloba a LC nº 123/2006, o investimento foi de R$ 927 milhões nas linhas de apoio a inovação atendendo ME e, conforme Tabela 2. Seguindo o critério da LC nº 123/2006, as instituições federais investiram no total em torno de 426 milhões em ME e o que equivale a uma média de 179 mil por empresa, ou seja, disponibilizaram uma média maior do que as estaduais. As instituições estaduais investiram em torno de R$ 64 milhões em ME e o que equivale a média de R$ 56 mil por empresa. Com relação às instituições federais verificou-se que somente o BNDES alcançou a porcentagem imposta pela LC nº 123/2006 de 20 aplicação dos recursos de inovação à ME e, com 29%, conforme Tabela 3 e Figura 2. Em se tratando das instituições estaduais, todas atingiram a meta da LC nº 123/2006 de 20%. A maioria das FAPs investiu 100% e a porcentagem mínima apresentada pelas estaduais foi de 70%, de acordo Tabela 5. Com relação às regiões mais beneficiadas pelos investimentos federais e estaduais segundo o critério da LC nº 123/2006, conclui-se que o montante dos recursos federais foi destinado, em maior parte, para as regiões Sudeste e Sul, de acordo com a Tabela 7. Já o montante dos recursos estaduais foi destinado, em maior parte, para as regiões Nordeste e Sudeste, conforme Tabela 8. Na análise feita quanto ao setor econômico pela LC nº 123/2006, as instituições federais beneficiaram predominantemente os setores: Outros seguido da Siderurgia, Sistema Agroindustrial, Plásticos e Tecnologia da Informação e Comunicação. Já as instituições estaduais, investiram mais no setor da Tecnologia da Informação e Comunicação seguido de Outros. Contudo, ao unificar os

31 recursos federais e estaduais verificou-se que o setor que mais recebeu recursos foi o Outros, seguido da Tecnologia da Informação e Comunicação (ver Tabela 12). Por fim, quanto à previsão de investimento para 2010, as instituições federais previram investir em torno de R$ 1,1 bilhão para uma gama de ME ou (média aproximada de R$ 175 mil), conforme Tabela 14. Já as instituições estaduais previram investir em torno de R$ 118 milhões para 971 ME e (média aproximada de R$ 121 mil por empresa), de acordo com Tabela

32 31 9. RECOMENDAÇÕES Em paralelo aos esforços do MCT, o Comitê Executivo das Micro e Pequenas Empresas da Política de Desenvolvimento Produtivo - PDP, em articulação com o Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, devem fazer gestão junto aos atores federais, estaduais e municipais, de forma a ampliar o universo das instituições que atendam as diretrizes do Art. 65 da Lei Complementar nº 123/2006. Em particular, existe a necessidade de atender ao Art. 66 da LC nº123/2006, que determina o envio no primeiro trimestre do ano subsequente, pelos órgãos congêneres ao Ministério da Ciência e Tecnologia, estaduais e municipais, de relatório circunstanciado anual retratando e avaliando os resultados obtidos e indicando as previsões de ações e metas para ampliação de sua participação no exercício seguinte. Para tanto é recomendado a inclusão de novos itens no formulário atual. Embora se tenha percebido um aumento significativo da quantidade de Instituições de Fomento que preencheram o formulário SPMP em relação ao ano anterior, é ciente que este quantitativo poderia ter sido maior. Verificou-se o não preenchimento por parte de algumas instituições de relevância no cenário nacional no nível federal (como BB, CEF, BASA, BRDE, CNPq e CAPES) e no estadual (Como FAPESP, FAPEMIG e FAPERGS), para tanto, serão tomadas medidas que otimizem o processo de divulgação do formulário e da necessidade de preenchimento por parte Instituições de Fomento (conforme previsto na LC nº 123/2006). Apesar de terem ocorrido algumas melhorias no formulário eletrônico, verificouse a necessidade de aperfeiçoá-lo ainda mais para o próximo ano.

RELATÓRIO DE FOMENTO 2008

RELATÓRIO DE FOMENTO 2008 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação RELATÓRIO DE FOMENTO 2008 MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Dados do Formulário sobre os investimentos das

Leia mais

INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Coordenação Geral de Inovação Tecnológica INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Missão da FINEP Promover e financiar a Inovação e a Pesquisa científica e tecnológica em: Empresas; Universidades; Centros de pesquisa;

Leia mais

Manual do Usuário SPMP

Manual do Usuário SPMP MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Manual do Usuário SPMP Informações referentes ao Ano Base 2013 Bem vindo ao SPMP O preenchimento deste

Leia mais

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação da Finep São Paulo, 28/04/2009 O desenvolvimento das economias modernas demonstra o papel fundamental que, nesse processo, compete

Leia mais

Palestra Divulgação PAPPE Paraná. PAPPE Subvenção Paraná Chamada Pública 01/2009. Fomento à Inovação Tecnológica

Palestra Divulgação PAPPE Paraná. PAPPE Subvenção Paraná Chamada Pública 01/2009. Fomento à Inovação Tecnológica Palestra Divulgação PAPPE Paraná PAPPE Subvenção Paraná Chamada Pública 01/2009 Fomento à Inovação Tecnológica Programa PAPPE Programa de Apoio à Pesquisa na Pequena Empresa Operacionalização: Consórcio

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

CARTA-CONVITE A EMPRESAS USUÁRIAS DOS RECURSOS HÍDRICOS E A FABRICANTES DE INSUMOS E EQUIPAMENTOS VINCULADOS À ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS

CARTA-CONVITE A EMPRESAS USUÁRIAS DOS RECURSOS HÍDRICOS E A FABRICANTES DE INSUMOS E EQUIPAMENTOS VINCULADOS À ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARTA-CONVITE A EMPRESAS USUÁRIAS DOS RECURSOS HÍDRICOS E A FABRICANTES DE INSUMOS E EQUIPAMENTOS VINCULADOS À ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA Integração produtiva e cooperação industrial: a experiência da ABDI LEONARDO SANTANA Montevidéu, 15 de julho de 2009 Roteiro da Apresentação 1. Política de Desenvolvimento Produtivo PDP 2. Integração Produtiva

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Workshop: Os Desafios para a Industria Nacional de Petróleo e Gás BNDES, Rio de Janeiro - RJ, 02 de julho de 2008 FINEP Empresa pública

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado pela Lei n.º 7.827, de 27.09.1989, que regulamentou o art. 159, inciso I, alínea c, da Constituição Federal, com

Leia mais

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Rochester Gomes da Costa Departamento de Capital Semente 29 de outubro

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

Termômetro da Consultoria Organizacional e Pesquisa Rápida de Honorários. 9ª edição

Termômetro da Consultoria Organizacional e Pesquisa Rápida de Honorários. 9ª edição Termômetro da Consultoria Organizacional e Pesquisa Rápida de Honorários 9ª edição Av Paulista, 6 Conj 77 Bela Vista CEP -9 São Paulo SP Fone/Fax: 89-5/6 897 ibco@ibcoorgbr - wwwibcoorgbr Agosto de 8 Índice

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO DE PARCEIROS PARA OPERAÇÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA EM EMPRESAS NA MODALIDADE SUBVENÇÃO A MICRO E PEQUENAS

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS Objetivos da apresentação Exposição dos principais detalhes do edital,

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

Inovação no Complexo Industrial da Saúde

Inovação no Complexo Industrial da Saúde 3º ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO EM FÁRMACOS E MEDICAMENTOS Inovação no Complexo Industrial da Saúde Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo SP, 15 de setembro de 2009 FINEP Empresa pública

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Fevereiro 2014 Um olhar da Inventta: ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Maria Carolina Rocha, Marina Loures e Otávio Vianna 1. Introdução A Lei do Bem, cujo principal objetivo é promover

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077)

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Sobre a autora Eng. Adelice Leite de Godoy Obteve sua graduação em Engenharia Química pela Unicamp em 1992, completando sua formação com o Curso

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES É obrigatório oferecer contrapartida? Em caso afirmativo, quanto devo oferecer de contrapartida? Sim. O

Leia mais

A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores

A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação São Paulo 05.11.2010 Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO PARA EMPRESAS DE TECNOLOGIA E EMPRESAS INOVADORAS. Resumo. Djalma Petit Consultor

LINHAS DE CRÉDITO PARA EMPRESAS DE TECNOLOGIA E EMPRESAS INOVADORAS. Resumo. Djalma Petit Consultor LINHAS DE CRÉDITO PARA EMPRESAS DE TECNOLOGIA E EMPRESAS INOVADORAS Resumo Djalma Petit Consultor Brasília São Paulo, novembro de 2014 FINANCIAMENTO Recursos reembolsáveis. Operado por bancos Requerem

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Núcleo de Capital Inovador Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Anápolis cenário atual Segunda maior cidade do estado, com mais de 335 mil habitantes; 4,7 bilhões de reais de produto interno bruto,

Leia mais

MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR?

MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR? MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR? São Paulo 16 de abril de 2013 Missão do SEBRAE Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo

Leia mais

Reunião do Conselho das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa CONFAP

Reunião do Conselho das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa CONFAP Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Reunião do Conselho das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa CONFAP Manoel Cardoso Assessoria de Planejamento e Estudos Brasília,

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Departamento de Financiamentos APEI FINEP. julho de 2009

Departamento de Financiamentos APEI FINEP. julho de 2009 Departamento de Financiamentos APEI FINEP julho de 2009 Objetivo Apresentar a FINEP e seus mecanismos de fomento; Orientar as empresas sobre aplicabilidade desses mecanismos; Apresentação Institucional

Leia mais

XVII Fórum BNB de Desenvolvimento XVI Encontro Regional de Economia

XVII Fórum BNB de Desenvolvimento XVI Encontro Regional de Economia XVII Fórum BNB de Desenvolvimento XVI Encontro Regional de Economia Financiamento aos pequenos negócios como Estratégia de Desenvolvimento Formas de Operação Operações Diretas Contratadas diretamente com

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica

A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica Radar Inovação - Março de 2010 A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica Bruna Soly, Carina Leão, Manuela Soares e Pollyana Souza A EVOLUÇÃO DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO

Leia mais

RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL

RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL Gilberto Luiz do Amaral INTRODUÇÃO A REFERÊNCIA PRINCIPAL deste trabalho

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Perspectivas/oportunidades para o

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Perspectivas/oportunidades para o Política Nacional de Resíduos Sólidos Perspectivas/oportunidades para o CATA AÇÃO e as cooperativas. RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS

Leia mais

1. OBJETIVO 2. DADOS FINANCEIROS E ORÇAMENTÁRIOS

1. OBJETIVO 2. DADOS FINANCEIROS E ORÇAMENTÁRIOS 1. OBJETIVO O referido Edital tem por objetivo apoiar o desenvolvimento da pesquisa científica e/ou tecnológica no estado, através da presença, nas instituições baianas, de pesquisadores estrangeiros renomados

Leia mais

Programa Juro Zero. Guilherme Calheiros Coordenador. Dezembro de 2008

Programa Juro Zero. Guilherme Calheiros Coordenador. Dezembro de 2008 Programa Juro Zero Guilherme Calheiros Coordenador Dezembro de 2008 OBJETIVO O Programa Juro Zero foi criado com a finalidade de estimular o desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas Inovadoras (MPEI

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE 1. OBJETIVO O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT, por intermédio da Financiadora de Estudos

Leia mais

Coordenação Sistêmica de Formação e Qualificação Profissional A qualificação abre as portas da inovação.

Coordenação Sistêmica de Formação e Qualificação Profissional A qualificação abre as portas da inovação. Coordenação Sistêmica de Formação e Qualificação Profissional A qualificação abre as portas da inovação. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - Secretaria de Inovação Secretaria

Leia mais

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Define a assistência

Leia mais

Programa Regionalização

Programa Regionalização Programa Regionalização Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Setembro/2010 Gestor: Henrique Villa da Costa Ferreira Secretário de Políticas de Desenvolvimento

Leia mais

o Fomento Público Federal

o Fomento Público Federal Seminário Biotecnologia e Inovação: Programas de Inovação e Incubadoras de Base Biotecnológicas Manaus, novembro de 2009 Algumas informações sobre o Fomento Público Federal Marcio de Miranda Santos Diretor

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO Objetivo: O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores

Leia mais

PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009

PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 2011 Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) Diretoria de Inovação (DRIN) Departamento de Acompanhamento (DAC) PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 Janeiro/2011

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL. Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais

Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL. Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais Dezembro/2013 Pauta 1. Banco da Amazônia enfoque institucional 2. Ações

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Programas de Financiamento à Inovação III WORKSHOP DAS UNIDADES DE PESQUISA DO MCT Campinas, 30 e 31 de agosto de 2010 Inovação Inovação

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 39/2012-BNDES Rio de Janeiro, 05 de junho de 2012. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

1. OBJETIVO 2. CLASSIFICAÇÃO DOS PROJETOS

1. OBJETIVO 2. CLASSIFICAÇÃO DOS PROJETOS 1. OBJETIVO O referido Edital tem como principal objetivo o fortalecimento da pós-graduação stricto sensu no Estado, através do apoio a projetos de implantação, ampliação, recuperação e/ou modernização

Leia mais

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

Permanente e os Fóruns F Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Permanente e os Fóruns F Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria do Desenvolvimento da Produção Departamento de Micro, Pequenas e Médias M Empresas O Fórum F Permanente e os Fóruns F Regionais das

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

BIBLIOTECAS PÚBLICAS

BIBLIOTECAS PÚBLICAS EDITAL DE FORTALECIMENTO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA (SNC) 2014 BIBLIOTECAS PÚBLICAS Orientações aos Sistemas Estaduais de Bibliotecas Públicas (SEBPs) integrantes do SNC O que é o Sistema Nacional

Leia mais

Chamada Pública MCTI/FINEP - AT - PRÓ-INOVA. Núcleos de Apoio à Gestão da Inovação - 11/2010

Chamada Pública MCTI/FINEP - AT - PRÓ-INOVA. Núcleos de Apoio à Gestão da Inovação - 11/2010 NAGI Núcleos de Apoio à Gestão da Inovação Chamada Pública MCTI/FINEP - AT - PRÓ-INOVA Núcleos de Apoio à Gestão da Inovação - 11/2010 Objetivo Estruturação e operação de Núcleos de Apoio à Gestão da Inovação

Leia mais

ENCTI. C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável. Ministro Marco Antonio Raupp. Estratégia Nacional 2012 2015 Ciência, Tecnologia e Inovação

ENCTI. C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável. Ministro Marco Antonio Raupp. Estratégia Nacional 2012 2015 Ciência, Tecnologia e Inovação C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável Ministro Marco Antonio Raupp Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (ENCTI) Aprovada pelo CCT em 15 de dezembro de 2011 Elaborada com

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O

Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO NORDESTE ORGANOGRAMA SFRI INSTRUMENTOS

Leia mais

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012 Member of ICMCI International Council of Management Consulting Institutes PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição 2011 / 2012 Av. Paulista, 326 Conj. 77 Bela Vista CEP 01310902

Leia mais

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Ações MEI Políticas de caráter horizontal (incentivos fiscais, crédito, melhoria de marcos regulatórios); Políticas para setores estratégicos;

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

Arranjo Produtivo Local

Arranjo Produtivo Local Arranjo Produtivo Local GN CAPTAÇÃO MICRO E PEQUENA EMPRESA SN Micro e Pequena Empresa Atuação em APL da CAIXA tem o objetivo de promover: Principais setores apoiados Aeroespacial Biotecnologia Couro e

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

Panorama do emprego no turismo

Panorama do emprego no turismo Panorama do emprego no turismo Por prof. Wilson Abrahão Rabahy 1 Emprego por Atividade e Região Dentre as atividades do Turismo, as que mais se destacam como geradoras de empregos são Alimentação, que

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA

CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - MCT, em cumprimento à recomendação do Comitê

Leia mais

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais no Prêmio FINEP de Inovação 2009.

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais no Prêmio FINEP de Inovação 2009. Regulamento O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores brasileiros, desenvolvidos

Leia mais

Documento de Referência para Apresentação, Habilitação e Seleção de Núcleos de Tecnologia Assistiva

Documento de Referência para Apresentação, Habilitação e Seleção de Núcleos de Tecnologia Assistiva Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social Apoio a Projetos de Tecnologias Social e Assistiva Documento de Referência para Apresentação, Habilitação

Leia mais

Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas

Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas Prof. Dr. Sergio Pilling 31/ago/2011 Agências de Fomento. As agências de fomento são instituições financeiras

Leia mais

Rede Brasileira de Produção mais Limpa

Rede Brasileira de Produção mais Limpa Rede Brasileira de Produção mais Limpa Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável SENAI Sistema FIERGS Rede Brasileira de Produção mais Limpa PARCEIROS Conselho Empresarial Brasileiro

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Parte 1 Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico Recomendações tecnológicas Parte 2 Proposta da ABM para ampliar sua participação

Leia mais

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector Promovendo a cultura de inovação nas Instituições Brasileiras de Ciência e Tecnologia e a sua capacidade de transferir conhecimento para o setor empresarial Fostering the culture of innovation in the Brazilian

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMITÊ TEMÁTICO INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO JULHO/2012. Ampliar e fomentar a utilização dos Fundos Garantidores já existentes.

SUMÁRIO EXECUTIVO COMITÊ TEMÁTICO INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO JULHO/2012. Ampliar e fomentar a utilização dos Fundos Garantidores já existentes. SUMÁRIO EXECUTIVO COMITÊ TEMÁTICO INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO JULHO/2012 Agenda Estratégica 2010 horizonte de 2 anos: Ampliar e fomentar a utilização dos Fundos Garantidores já existentes. Padronização

Leia mais