Declínio na Experiência de Cárie em Dentes Permanentes de Escolares Brasileiros no Final do Século XX

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Declínio na Experiência de Cárie em Dentes Permanentes de Escolares Brasileiros no Final do Século XX"

Transcrição

1 Odontologia e Sociedade 1999 Vol. 1, No. 1/2, 25-29, Printed in Brazil. Artigo Declínio na Experiência de Cárie em Dentes Permanentes de Escolares Brasileiros no Final do Século XX Dental Caries Experience Decline in Permanent Teeth of the Brazilian Schoolchildren at end of XX Century Paulo C. Narvai a *, Paulo Frazão b, Roberto A. Castellanos a a Departamento de Prática de Saúde Pública, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo b Departamento de Prática de Saúde Pública, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo; Universidade Metodista de São Paulo Resumo. O objetivo deste artigo é recolher, organizar e tornar acessíveis alguns dados nacionais sobre a situação da cárie em dentes permanentes de escolares brasileiros nas últimas décadas do século XX. Foram analisados estudos que utilizaram como instrumento de medida o índice CPO-D e também informações disponíveis no site do Ministério da Saúde na Internet. A análise dos dados secundários revela uma significativa redução nos valores do índice CPO-D no período De um valor considerado muito alto (7,25) em 1980, na idade de 12 anos, o índice mostrou consistente tendência de queda ao longo do período até atingir, em 1996, o valor de 3,1 caracterizando uma prevalência considerada moderada. Entre 1980 e 1996 a redução nos valores do índice CPO-D aos 12 anos de idade foi da ordem de 57,8%. A fluoretação das águas de abastecimento público, a adição de compostos fluoretados aos dentifrícios e a descentralização do sistema de saúde brasileiro são fatores que devem ser considerados para compreender esse fenômeno. Palavras-Chave: cárie dentária; índice CPO; fluoretação da água; dentifrício; SUS Abstract. The aim of this paper is to collect, organize and offer a few national data on dental caries in permanent teeth of Brazilian schoolchildren at last decades of the XX Century. Studies that used DMF-T index as a tool to verify dental caries conditions and data from the Brazilian Ministry of Health at its site on Internet were examined. This analysis reveal a significant reduction in the DMF-T index value in the period From a very high value (7,25) in 1980 at the 12-years-old index-age, DMF-T index shown a consistence falling tendency registering 3,1 in This is a moderate prevalence. There were an expressive decline around 58% at DMF-T value in the period Increment on access to water fluoridation and dentifrice fluoridation and health system reform must be regarded to understand this situation. Keywords: dental caries; DMF index; water fluoridation; dentifrice; National health systems Introdução Informações sobre a ocorrência da cárie dentária em populações interessam a vários agentes sociais em todos os países. De autoridades públicas a estudantes, passando por planejadores e administradores de serviços de saúde e por profissionais vinculados à indústria de produtos do âmbito odontológico, entre outros, todos estão interessados, ainda que em graus variados, em dados sobre cárie. Esta é uma das razões pelas quais a Organização Mundial da Saúde *Av. Dr. Arnaldo 715, São Paulo - SP, Brasil;

2 26 Narvai et al. Odontologia e Sociedade (OMS) mantém em seu site na Internet uma área com várias páginas dedicadas a informar sobre a saúde bucal nos países membros (www.whocollab.odont.lu.se/index.html). Tais informações incluem dados sobre cárie dentária. As informações sobre o Brasil, entretanto, estavam incompletas e desatualizadas em Fevereiro de O propósito deste artigo foi recolher, organizar e tornar acessíveis alguns dados nacionais sobre a situação da cárie em dentes permanentes de escolares brasileiros, nas últimas décadas do século XX. Materiais e Métodos Foram recolhidos dados sobre experiência de cárie em dentes permanentes de escolares brasileiros, provenientes de estudos que utilizaram como instrumento de medida o índice CPO-D, independente dos critérios utilizados pelos produtores do dado primário. Esse instrumento (índice CPO-D) foi proposto em 1938 por Klein & Palmer e, desde então, tem sido amplamente utilizado em todo o mundo. O índice CPO-D tem sido, também, objeto de sucessivas modificações nos critérios adotados para caracterizar uma determinada condição clínica, bem como na forma de apresentação e análise dos dados. Embora se admita o significado dessas modificações, o que implica reconhecer com reserva algumas das estimativas apresentadas, considera-se necessário, ainda assim, compreender a validade das correlações e a utilidade das diferentes pesquisas, dando-lhes a necessária divulgação. Os dados secundários foram identificados na literatura sobre o assunto e no site do Ministério da Saúde (MS) na Internet. A forma de organizá-los e apresentá-los, bem como a análise efetuada, é de responsabilidade dos autores. Resultados e Discussão A Tabela 1 mostra os valores do índice CPO-D em 1980 (Pinto, 1983). Na idade-índice de 12 anos (OMS, 1997) o valor é 7,25. Segundo a classificação de prevalência de cárie da OMS, com base nessa idade-índice, esse valor situava o Brasil na faixa de prevalência muito alta (maior ou igual a 6,6). É relevante registrar que em 1972 apenas 3,3 milhões de brasileiros tinham acesso à água fluoretada reconhecidamente a medida preventiva de cárie de maior impacto populacional, reduzindo-a em cerca de 60%, após 10 anos de aplicação diária. Em 1977 esse número havia sido elevado para 10,7 milhões, impulsionado pela aprovação da Lei Federal 6.050/74 e pelas políticas públicas de saneamento que permitiram a alocação de significativos recursos para esse fim. Em 1982, chegava-se a 25,7 milhões de brasileiros com acesso à água fluoretada (20,8% da população total do país). Quanto aos dentifrícios, segundo Bastos & Lopes (1984), em 1981 apenas cerca de 12% dos produtos consumidos no Brasil eram fluoretados. Este dado é relevante, pois sabe-se que quando disponível no creme Tabela 1. Média dos componentes do índice CPO-D segundo idade em escolares. Brasil, ,39 0,03 0,12 0,10 1, ,23 0,07 0,08 0,18 2, ,29 0,09 0,16 0,85 3, ,74 0,05 0,18 1,01 3, ,86 0,34 0,38 1,16 4, ,37 0,63 0,52 1,40 5, ,22 0,78 0,47 1,78 7, ,90 0,75 0,81 2,70 9, ,95 1,54 0,47 2,98 9,94 Fonte: PINTO, V.G. (1983). dental (cerca de 0,1% = ppm), o flúor está comprovadamente associado à menor incidência de cárie dentária. Na Tabela 2 são apresentados os dados relativos à cárie dentária no grupo etário de 6 a 12 anos de idade, do Levantamento Epidemiológico em Saúde Bucal: Brasil, Zona Urbana, 1986, realizado pelo MS em 16 capitais estaduais, tomadas como representativas das cinco macrorregiões brasileiras (norte, nordeste, centro-oeste, sudeste e sul). Foram examinadas pessoas, em quatro grupos etários: 6-12, 15-19, e anos de idade (Brasil, 1988). Observa-se relativa tendência de declínio nos valores do índice CPO-D em todas as faixas etárias, em relação aos dados de Mas aos 12 anos de idade o valor do CPO-D era 6,65 (prevalência ainda muito alta ). Na Tabela 3, estão apresentados os dados para o grupo etário de 7 a 14 anos de idade, obtidos em 1993 pelo serviço odontológico do SESI Serviço Social da Indústria, em crianças de escolas mantidas pelo SESI e também de algumas escolas públicas, em 114 municípios de 22 unidades federativas, abrangendo todas as macrorregiões brasileiras (SESI, 1996). Em relação aos dados de 1980 e 1986, Tabela 2. Média dos componentes do índice CPO-D segundo idade em escolares. Brasil, ,13 0,00 0,02 0,16 1, ,71 0,03 0,07 0,43 2, ,90 0,07 0,14 0,73 2, ,13 0,15 0,25 1,08 3, ,67 0,24 0,28 1,37 4, ,29 0,36 0,39 1,76 5, ,66 0,44 0,44 2,12 6,66 Fonte: Ministério da Saúde (1988).

3 Vol. 1, No. 1/2, 1999 Cárie em Escolares Brasileiros no Final do Século XX 27 Tabela 3. Média dos componentes do índice CPO-D segundo idade em escolares. Brasil, ,91 0,01 0,03 0,32 1, ,06 0,03 0,05 0,69 1, ,26 0,05 0,09 0,94 2, ,40 0,09 0,13 1,36 2, ,59 0,15 0,18 1,79 3, ,11 0,33 0,24 2,16 4, ,07 0,26 0,25 3,16 5, ,04 0,34 0,24 3,87 6,49 Figura 1. Índice CPO-D aos 12 anos de idade em diferentes anos no Brasil. Fonte: SESI (1996). confirma-se a tendência de declínio nos valores do CPO-D. O valor do CPO-D na idade-índice de 12 anos havia atingido 4,8 (prevalência alta 4,5 a 6,5 segundo a OMS). Tal tendência é reafirmada pelos dados da Tabela 4, que apresenta o resultado da pesquisa nacional promovida pelo Ministério da Saúde em 1996, abrangendo 27 capitais estaduais em todas as macrorregiões do país. Observa-se na Figura 1 que o declínio ocorre em todas as macrorregiões brasileiras. Em 1996, o valor do CPO-D registrado aos 12 anos de idade foi 3,1. A OMS considera que quando esse valor oscila entre 2,7 e 4,4 a prevalência é moderada. Esta estimativa está dentro da meta definida pela OMS a ser atingida pelos países até o ano (FDI, 1982). Observa-se na Figura 2 que entre 1980 e 1996 a redução nos valores do índice CPO-D aos 12 anos de idade foi da ordem de 57,8%. Em 1989 cerca de 62 milhões de brasileiros estavam cobertos por água fluoretada, segundo estimativa oficial. Em 1995 esse número subiu para 65,5 milhões. Segundo Cury (1996), em 1988 os dentifrícios líderes de vendas no Brasil tiveram compostos fluoretados adicionados às suas composições. Quanto aos dentifrícios, segundo Narvai (1998), com base em dados divulgados Tabela 4. Média dos componentes do índice CPO-D segundo idade em escolares. Brasil, ,22 0,00 0,06 0,05 0, ,51 0,01 0,02 0,16 0, ,77 0,02 0,05 0,32 1, ,93 0,03 0,07 0,50 1, ,03 0,05 0,10 0,70 1, ,28 0,08 0,13 0,90 2, ,56 0,12 0,17 1,21 3,06 Fonte: Ministério da Saúde (www.datasus.gov.br). Figura 2. Índice CPO-D aos 12 anos de idade em 1986 e em 1996 segundo macrorregiões brasileiras. pelos produtores nacionais, em 1997 os brasileiros estavam consumindo 508 gramas per capita um dos melhores índices em nível mundial (EUA, por exemplo, registram média de 571 gramas per capita/ano). Entre setembro de 1996 e abril de 1998 o Brasil registrou um aumento de 10% nas vendas. O consumo total passou de 77,4 mil toneladas para 81,3 mil toneladas. Produtos importados corresponderam (1997) a 1,2% do mercado. No final do século, praticamente todos os dentifrícios comercializados no Brasil, e com relevância no mercado, contêm fluoretos. Essa adequada conjugação de fatores (cobertura de água fluoretada + dentifrícios fluoretados) está na base das análises que pretendem explicar o fenômeno de acentuado declínio na experiência de cárie em dentes permanentes de escolares brasileiros ainda que se reconheça a insuficiente cobertura da água fluoretada, estimada em 42% da população em 1998, correspondendo a 65,5 milhões de pessoas (Brasil, 1998). Entre 1980 e 1996 a estimativa de queda foi de 57,8% (Figura 2). Embora a contribuição relativa dos serviços odontológicos na alteração dos níveis de cárie dentária aos 12 anos de idade seja muito pequena quando comparada às variáveis já mencionadas, o mesmo não pode ser afirmado em relação aos programas de promoção da saúde bucal bem organizados e dirigidos aos que freqüentam pré-escolas, escolas de 1º grau e outros espaços sociais. A partir de 1991, observa-se uma grande expansão desses sistemas de prevenção, fato relacionado, dentre outros aspectos, à aprovação da Portaria 184 da Secretaria Nacional de Assistência à Saúde (MS). Através desse documento foram instituídos os Procedimentos Coletivos em saúde bucal (PC) na tabela de procedimentos vinculada ao Sistema de Informações Ambulatoriais do Sistema Único de Saúde

4 28 Narvai et al. Odontologia e Sociedade (SIA-SUS). Sua edição criou condições extremamente favoráveis à implementação dessas ações nos municípios brasileiros, passando-se efetivamente a financiar o desenvolvimento de outras ações preventivas além da fluoretação das águas. Frazão (1998) assinala que mesmo em municípios menos desenvolvidos, e com modestos sistemas locais de saúde, foi possível utilizar recursos do Fundo Nacional de Saúde para financiar a realização desses procedimentos preventivos. Tais possibilidades decorreram da descentralização do sistema de saúde brasileiro, ocorrida a partir de 1988 com a criação do SUS, que viabilizou o surgimento e expansão de centenas de programas municipais de saúde bucal (Narvai, 1996). Outras hipóteses que podem ser consideradas, relacionadas a fatores de ordem geral, dizem respeito ao padrão de consumo de produtos açucarados e à distribuição da renda nacional, variáveis reconhecidas como capazes de influenciar os níveis de prevalência e magnitude da cárie dentária em populações. Entretanto, segundo Narvai (1996), não se registraram, no período analisado, alterações positivas significativas nessas variáveis. A composição percentual do índice CPO-D nas idades de 8 e 12 anos é apresentada nas Figuras 3 e 4. Embora tenha ocorrido um expressivo declínio na experiência de cárie entre os escolares brasileiros, observa-se que a problemática do acesso aos serviços odontológicos permanece Figura 3. Composição percentual do índice CPO-D aos 8 anos de idade. Brasil, Figura 4. Composição percentual do índice CPO-D aos 12 anos de idade. Brasil, como importante desafio. Em 1980, o componente O (dentes restaurados) correspondia a apenas cerca de 25%, tanto aos 8 quanto aos 12 anos de idade. Em 1996, esse componente ( O ) registrou 28% aos 8 anos de idade e 40% aos 12 anos. Esse ganho na idade de 12 anos, de cerca de 15% em quase duas décadas, é significativo e pode ser atribuído à ampliação da cobertura dos serviços odontológicos, decorrente tanto da descentralização do sistema de saúde quanto da maior disponibilidade de recursos odontológicos pela sociedade. No período a proporção dentista/ habitantes evoluiu de 5,13 para 8,76. A análise dos dados revela também que esse melhor desempenho do componente O foi conseguido com a diminuição da participação dos componentes C (dentes cariados), E (dentes extraídos), e EI (dentes com extração indicada). C caiu de 58% para 51%; E de 11% para 4%; e EI de 6,5% para 5,6%. Como E+EI correspondem aos dentes perdidos, expressam a mutilação dentária a que a população está submetida. Assim, é alentador observar que dos 15% de aumento no componente O, 8% correspondem a dentes que passaram a ser mantidos e não extraídos. Isso é tanto melhor quando se considera que entre houve um ganho médio de cerca de 4 dentes sem experiência de cárie na idade-índice de 12 anos. Tratandose todavia de média populacional, cabe assinalar que tal ganho não é homogêneo em todas as regiões do país (os dados referem-se às zonas urbanas) e em todas as classes sociais, sendo lícito admitir que pode ser, de modo geral, bem maior entre os segmentos de melhor renda e escolaridade e mais modesto ou, talvez, inexpressivo em certos grupos de baixa renda e escolaridade e entre os desprovidos de acesso aos meios de produção. Referências Bibliográficas 1. Bastos, J.R.M.; Lopes, E.S. (1984) Dentifrícios: cosméticos e terapêuticos. Bauru, FOB-USP. Série Publicações Científicas n 001/ Brasil (1988) Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde. Divisão Nacional de Saúde Bucal. Levantamento epidemiológico em Saúde Bucal: Brasil, Zona Urbana, Brasília, CD-MS. 3. Brasil (1998) Ministério da Saúde. Mais saúde no sorriso das crianças. Saúde Informe, n 72, nov. 4. CFO (1997) Decide impedir criação de novos cursos de odontologia. Jornal da ABO Nacional 46, 5, mar/abr. 5. Chaves, M.M. (1986) Odontologia social. 3 a ed. Rio de Janeiro, Artes Médicas. 6. Conselho Federal de Odontologia (1982) Relatório Rio de Janeiro, CFO. 7. Cury, J.A. (1996) Dentifrícios fluoretados no Brasil. Jornal da ABOPREV 7, mai/jun.

5 Vol. 1, No. 1/2, 1999 Cárie em Escolares Brasileiros no Final do Século XX 29 8.Federation Dentaire Internationale (1982) Global goals for oral health in the year International Dental Journal 1, Klein, H.; Palmer, C.E. (1938) Dental caries in american indian children. Public Health Bulletin 239, Washington, GPO. 10.Narvai, P.C. (1996) Está ocorrendo um declínio de cárie no Brasil? Jornal da ABOPREV 6, mar/abr. 11. Narvai, P.C. (1998) Vigilância sanitária e saúde bucal. São Paulo, FSP-USP. 12. Pinto, V.G. (1983) Saúde bucal no Brasil. Revista de Saúde Pública 17, Serviço Social da Indústria (1996) Estudo epidemiológico sobre prevalência da cárie dental em crianças de 3 a 14 anos: Brasil, Brasília, Sesi-DN.

DECLÍNIO NA EXPERIÊNCIA DE CÁRIE EM DENTES PERMANENTES DE ESCOLARES BRASILEIROS NO FINAL DO SÉCULO XX

DECLÍNIO NA EXPERIÊNCIA DE CÁRIE EM DENTES PERMANENTES DE ESCOLARES BRASILEIROS NO FINAL DO SÉCULO XX DECLÍNIO NA EXPERIÊNCIA DE CÁRIE EM DENTES PERMANENTES DE ESCOLARES BRASILEIROS NO FINAL DO SÉCULO XX Rev. Odontologia e Sociedade, vol 1 n1/2, 1999 Paulo C. Narvai, Paulo Frazão, Roberto A. Castellanos

Leia mais

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC)

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) ISSN 1806-7727 Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) Evaluated the prevalence of dental caries

Leia mais

5 50% ceo = zero 40% 12 CPO-D < 3,0 CPO-D = 2,78. 18 80 % com todos os dentes 55% 35-44 75% com 20 ou mais dentes 54%

5 50% ceo = zero 40% 12 CPO-D < 3,0 CPO-D = 2,78. 18 80 % com todos os dentes 55% 35-44 75% com 20 ou mais dentes 54% Saúde e sociedade: desafios para a epidemiologia em saúde bucal 3/10/2011 20:02 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Metas da OMS para o ano 2000 e a situação brasileira IDADE META DA OMS PARA 2000 SB Brasil

Leia mais

Indicador 24. Cobertura de primeira consulta odontológica programática

Indicador 24. Cobertura de primeira consulta odontológica programática Indicador 24 Cobertura de primeira consulta odontológica programática É o percentual de pessoas que receberam uma primeira consulta odontológica programática no Sistema Único de Saúde (SUS), A primeira

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Dezembro/ 2011 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTAL EM BARRETOS, SP, BRASIL, APÓS DEZESSEIS ANOS DE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTAL EM BARRETOS, SP, BRASIL, APÓS DEZESSEIS ANOS DE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTAL EM BARRETOS, SP, BRASIL, APÓS DEZESSEIS ANOS DE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO Yvette Viegas* Alfredo Reis Viegas* VIEGAS, Y. & VIEGAS, A. R. Prevalência de cárie

Leia mais

Ciência & Saúde Coletiva, v.11, n.1, 2006

Ciência & Saúde Coletiva, v.11, n.1, 2006 www.pgops.dod.ufrn.br Epidemiologia e Modelos Assistenciais Produção de Conhecimento Diagnóstico, planejamento e avaliação das ações e serviços Dados e informações geradas pelos serviços Produção de dados

Leia mais

José Leopoldo Ferreira Antunes

José Leopoldo Ferreira Antunes José Leopoldo Ferreira Antunes 1º Marco: Sistema Único de Saúde Lei 8080, 19/09/1990. 2º Marco: Programa de Saúde da Família: 1991/1994/1997/2000 3º Marco: Programa Brasil Sorridente (17/03/2004) Centros

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZA-CEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1

GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZA-CEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1 GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZACEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1 Introdução Vera Maria Câmara Coelho 2 O estudo analisou os gastos nos Centros Especializados

Leia mais

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA PROGRAMA PARA A PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA E DA DOENÇA PERIODONTAL Serviço de Odontologia

Leia mais

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Residência Pediátrica 2012;2(2):12-9. RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Use of fluoride toothpaste by preschoolers: what pediatricians should know? ; Ana Paula Pires dos Santos pré-escolar. Resumo Resultados e conclusões:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL MESTRADO PROFISSIONAL SAÚDE PÚBLICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL MESTRADO PROFISSIONAL SAÚDE PÚBLICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL MESTRADO PROFISSIONAL SAÚDE PÚBLICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO AVALIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA DE CÁRIE E UTILIZAÇÃO DO SERVIÇO

Leia mais

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(3). Edição 38 Aline da Silva Oliveira 1 Cristiana Maria de Sousa Macedo 1 Mércia da Silva Sousa 1 Márcia Andrea Lial Sertão

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DE 12 ANOS DE IDADE EM 2002 E 2007 EM LAJEADO, RS

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DE 12 ANOS DE IDADE EM 2002 E 2007 EM LAJEADO, RS OS IMPACTOS DAS MUDANÇAS NA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NOME SOBRE DO A SAÚDE... ARTIGO 25 PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DE 12 ANOS DE IDADE EM 2002 E 2007 EM LAJEADO, RS PREVALENCE OF DENTAL

Leia mais

Comentários. Programa saúde da família

Comentários. Programa saúde da família Comentários levantamento suplementar de saúde da Pesquisa Nacional por O Amostra de Domicílios PNAD 2008 trouxe informações detalhadas sobre a saúde da população residente em domicílios particulares no

Leia mais

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Autores: Ana Cláudia Morandini Sanchez, CD Serviço de saúde: Unidade de Saúde da Família VILA ANA Palavras-chaves: cárie dentária,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Atualizado por Danusa em Nov/2007 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Para organizar um serviço local de atenção à saúde é necessário que o administrador, coordenador, gerente

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

SAÚDE BUCAL COLETIVA (*)

SAÚDE BUCAL COLETIVA (*) 1. INTRODUÇÃO SAÚDE BUCAL COLETIVA (*) Adaptado e atualizado por Frias AC; Junqueira SR. As ações de saúde bucal, sejam de assistência odontológica às pessoas ou ações sobre o meio-ambiente que tenham

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

NOTA TÉCNICA 24 2012. Programa de Curso Técnico em Prótese. Dentária a Nível Nacional

NOTA TÉCNICA 24 2012. Programa de Curso Técnico em Prótese. Dentária a Nível Nacional NOTA TÉCNICA 24 2012 Programa de Curso Técnico em Prótese Dentária a Nível Nacional Proposta da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde SGETS/MS para pactuação na CIT de 26/07/2012 Introdução:

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL Cenário

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Prevalence of Dental Caries and Treatment Needs in Twelve-Year-Old Scholars from the Sixth Grade at Campos Dos Goytacazes CIEP 417.

Prevalence of Dental Caries and Treatment Needs in Twelve-Year-Old Scholars from the Sixth Grade at Campos Dos Goytacazes CIEP 417. 1 PREVALÊNCIA DA CÁRIE DENTAL E AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DE TRATAMENTO EM ESCOLARES DE 12 ANOS DA SEXTA SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL NO CIEP 417 DE CAMPOS DOS GOYTACAZES. Prevalence of Dental Caries and

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-156/2015

RESOLUÇÃO CFO-156/2015 DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO SEÇÃO 1, DE 23/03/2015 PÁGINAS: 79 e 80 RESOLUÇÃO CFO-156/2015 Estabelece novos procedimentos para o prêmio Brasil Sorridente, em consonância com a atual conjuntura sanitária nacional.

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS: UMA ANÁLISE DESCRITIVA PARCIAL 1

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS: UMA ANÁLISE DESCRITIVA PARCIAL 1 Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 7, n. 1, p. 121-125, 2006. 121 ISSN 1982-2111 PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS:

Leia mais

Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU

Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU Caruaru, 2013 Diretor Presidente da Associação Caruaruense de Ensino Superior Prof. Paulo Muniz Lopes

Leia mais

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação Nome: n o : Ensino: Fundamental Ano: 7 o Turma: Data: Professor(a): Maria Silvia Geografia Exercícios de recuperação 1) Para a geografia, qual é o conceito de região? 2) Entre os aspectos utilizados para

Leia mais

Projeto SB Brasil 2003

Projeto SB Brasil 2003 Projeto SB Brasil 2003 MINISTÉRIO DA SAÚDE Condições de Saúde Bucal da População Brasileira 2002-2003 Resultados Principais Série C. Projetos, Programas e Relatórios Brasília DF 2004 2004 Ministério da

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Câmpus de Araçatuba. Plano de Ensino. Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida

Câmpus de Araçatuba. Plano de Ensino. Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida Curso ODOI 8 - Odontologia Ênfase Identificação Disciplina SCOI9-I-T/P-A/B - Saúde Coletiva I Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM BRASÍLIA, BRASIL (1)

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM BRASÍLIA, BRASIL (1) PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM BRASÍLIA, BRASIL (1) José Maria Pacheco de SOUZA (2) Eunice Pinho de Castro SILVA (2) Osdyr Brasileiro de MATTOS (3) SOUZA, J. M. P. de; SILVA, E. P. de C. & MATTOS, O.

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

Resumo. Claudia Gastaldi de M. M. Lopes CORRÊA* Sylvio MONTEIRO JÚNIOR** Maria Dalva de Souza SCHROEDER***

Resumo. Claudia Gastaldi de M. M. Lopes CORRÊA* Sylvio MONTEIRO JÚNIOR** Maria Dalva de Souza SCHROEDER*** ISSN 1806-7727 Estudo da incidência de fluorose dentária na dentição permanente no município de Joinville Evaluated the incidence of dental fluoroses in school children the public net education in Joinville

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hanseníase no

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Polarização da cárie em município sem água fluoretada. Polarization of dental caries in a Brazilian city without fluoridated water

Polarização da cárie em município sem água fluoretada. Polarization of dental caries in a Brazilian city without fluoridated water ARTIGO ARTICLE 7 Polarização da cárie em município sem água fluoretada Polarization of dental caries in a Brazilian city without fluoridated water Luciana Cardoso Cassiano Rösing Paulo Kramer Carolina

Leia mais

Novos rumos da saúde bucal: inserção profissional do cirurgião-dentista. A Odontologia e o profissional. Primeiro curso no Brasil, em 1884:

Novos rumos da saúde bucal: inserção profissional do cirurgião-dentista. A Odontologia e o profissional. Primeiro curso no Brasil, em 1884: Novos rumos da saúde bucal: inserção profissional do cirurgião-dentista 3/10/2011 19:16 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 A Odontologia e o profissional cirurgião-dentista Primeiro curso no Brasil, em

Leia mais

GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE

GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE Samuel Kilsztajn* Dorivaldo Francisco da Silva** Marcelo Bozzini da Câmara** Vanessa Setsuko Ferreira** RESUMO: O

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Março / 2011 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Como consequência de políticas governamentais implementadas com o objetivo

Leia mais

o PROGRAMA DE SAÚDE BUCAL PARA CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES EM ARARAQUARA - SP

o PROGRAMA DE SAÚDE BUCAL PARA CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES EM ARARAQUARA - SP ... _ Rev. Odont. UNESP, São Paulo, 17(112): 191-196,1988. o PROGRAMA DE SAÚDE BUCAL PARA CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES EM ARARAQUARA - SP Maria do Carmo Costa VASCONCELLOS" Cleide BARONETTO"" Edney Pereira LÉO"'"

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM DENTES PERMANENTES NA FAIXA ETÁRIA DE 6 A 12 ANOS NO MUNICÍPIO DE NIOAQUE/MS.

JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM DENTES PERMANENTES NA FAIXA ETÁRIA DE 6 A 12 ANOS NO MUNICÍPIO DE NIOAQUE/MS. JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM DENTES PERMANENTES NA FAIXA ETÁRIA DE 6 A 12 ANOS NO MUNICÍPIO DE NIOAQUE/MS. CAMPO GRANDE 2011 1 JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica A Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic) e a Pesquisa de Informações Básicas Municipais

Leia mais

CENTROS DE ESPECIALIDADES

CENTROS DE ESPECIALIDADES CENTROS DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS (CEO): Um estudo linha de base para a avaliação e monitoramento dos serviços para o Brasil. METODOLOGIA 2ª ETAPA Visita i em loco aos serviços cerca de 10% dos CEO

Leia mais

MÁRCIA HELENA BALDANI PINTO

MÁRCIA HELENA BALDANI PINTO MÁRCIA HELENA BALDANI PINTO RELAÇÃO ENTRE PREVALÊNCIA DE CÁRIE, DESENVOLVIMENTO SOCIAL E PROVISÃO DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS NO ESTADO DO PARANÁ, BRASIL, 1996 PONTA GROSSA 2002 MÁRCIA HELENA BALDANI PINTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Gerusa Maria Figueiredo gerusa.figueiredo@saude.gov.br I CONGRESSO BRASILEIRO

Leia mais

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina da USP - FMUSP Núcleo de Pesquisa em Direito

Leia mais

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário Boletim Econômico Federação Nacional dos Portuários Agosto de 2014 Sumário Indicadores de desenvolvimento brasileiro... 2 Emprego... 2 Reajuste dos salários e do salário mínimo... 3 Desigualdade Social

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Marina Guimarães Lima, Cristiane Olinda Coradi Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia

Leia mais

Condições de saúde bucal em escolares de Vassouras/RJ: uma pesquisa epidemiológica

Condições de saúde bucal em escolares de Vassouras/RJ: uma pesquisa epidemiológica Marcos Alex Mendes da Silva 1 Maria Cristina Almeida de Souza 2 Carlos Roberto Teixeira Rodrigues 3 Rachel Ferreira Bello 4 Conditions of oral health in school children from Vassouras/RJ: an epidemiological

Leia mais

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL.

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. 1- Apresentação A Constituição de 1988, denominada pelo saudoso Deputado

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Comparativo entre o rendimento médio dos beneficiários de planos de saúde individuais e da população não coberta por planos de saúde regional e por faixa etária Amanda Reis Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Escassez de profissionais de saúde na APS em áreas de difícil fixação no Brasil

Escassez de profissionais de saúde na APS em áreas de difícil fixação no Brasil Escassez de profissionais de saúde na APS em áreas de difícil fixação no Brasil Decit/SCTIE/MS EVIPNet Brasil Capacitação Ferramentas SUPPORT para políticas informadas por evidencias Bireme, SP 27 a 30

Leia mais

Aliança para um Futuro Livre de Cárie

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Creme dental com alto teor de fluoreto Resumo completo Descrição: Os dentifrícios fluoretados foram introduzidos pela primeira vez na década de 1950. [1] O primeiro dentifrício fluoretado continha fluoreto

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

Saúde Bucal Coletiva. 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1

Saúde Bucal Coletiva. 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Promoção e Prevenção em Saúde Bucal Coletiva 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 S 2 1 Programa Promoção de saúde bucal baseada em evidências científicas Estratégias comuns de prevenção de

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Feira da Mata sorrindo para o futuro Área temática Estudos Epidemiológicos / Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Feira

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

São Paulo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de São Paulo (1991, 2000 e 2010)

São Paulo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de São Paulo (1991, 2000 e 2010) São Paulo Em 21, no estado de São Paulo (SP), moravam 41,3 milhões de pessoas, onde uma parcela considerável (7,8%, 3,2 milhões) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 645 municípios,

Leia mais

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica Edson

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

A ESPACIALIZAÇÃO DO RISCO DE PERDA DENTÁRIA EM IDOSOS NO BRASIL POR MEIO DE UM PROCESSO ANALÍTICO HIERÁRQUICO (AHP)

A ESPACIALIZAÇÃO DO RISCO DE PERDA DENTÁRIA EM IDOSOS NO BRASIL POR MEIO DE UM PROCESSO ANALÍTICO HIERÁRQUICO (AHP) A ESPACIALIZAÇÃO DO RISCO DE PERDA DENTÁRIA EM IDOSOS NO BRASIL POR MEIO DE UM PROCESSO ANALÍTICO HIERÁRQUICO (AHP) Rafael da Silveira Moreira Júlio César Rodrigues Pereira LigiaVizeu Barrozo Lucélia Silva

Leia mais

O futuro da Saúde no Brasil!

O futuro da Saúde no Brasil! O futuro da Saúde no Brasil! Tiago A. Coelho de Souza souza_tiago@hotmail.com Para vislumbrar o futuro, precisamos entender nosso passado e refletir acerca do presente! 1500 1530 1808 1822 1889 1930 1945

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Fluoretação da água e democracia

Fluoretação da água e democracia ARTIGOS TÉCNICOS Fluoretação da água e democracia Mais do que uma vontade política, a fluoretação das águas deve ser considerada como um direito de cidadania. Dados de Campinas (SP), Baixo Guandu (ES)

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

PROJETO DE LEI N /2012

PROJETO DE LEI N /2012 PROJETO DE LEI N /2012 EMENTA: INCLUI COMO ITEM OBRIGATÓRIO NA CESTA BÁSICA COMERCIALIZADA NO MUNICÍPIO DE (sua cidade), ESCOVAS DENTAIS INFANTIL E ADULTA, CREME DENTAL E FIO DENTAL. A Câmara Municipal

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais