Sexagésima sétima sessão, 1999

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sexagésima sétima sessão, 1999"

Transcrição

1 COMENTÁRIO GERAL N.º 27: ARTIGO 12. O (LIBERDADE DE CIRCULAÇÃO) Sexagésima sétima sessão, A liberdade de circulação é uma condição indispensável ao livre desenvolvimento de uma pessoa. Está relacionada com vários outros direitos consagrados no Pacto, como se observa muitas vezes na prática do Comité ao examinar os relatórios dos Estados Partes e nas comunicações com os indivíduos. Além disso, o Comité no seu Comentário Geral n.º 15 ( A posição dos estrangeiros no que respeita ao Pacto, 1986) fez referência ao vínculo especial entre os artigos 12.º e 13.º As limitações permissíveis, que se podem impor aos direitos protegidos ao abrigo do artigo 12.º, não podem anular o princípio da liberdade de circulação e regem-se pelas exigências estabelecidas no artigo 12.º, número 3 e pela necessidade de consistência com os outros direitos reconhecidos no Pacto. 3. Os Estados Partes devem incluir nos seus relatórios ao Comité as normas legais e as práticas judiciais e administrativas internas relacionadas com os direitos protegidos pelo artigo 12.º, tendo em conta as questões discutidas no presente Comentário Geral. Devem também incluir informações sobre recursos disponíveis quando se limitam esses direitos. Liberdade de circulação e liberdade de escolha de residência (número 1) 4. Todo o indivíduo legalmente no território de um Estado tem o direito de circular livremente e de aí escolher livremente a sua residência. Em princípio, os cidadãos de um Estado encontram-se sempre legalmente dentro do território desse Estado. A questão de um estrangeiro se encontrar ou não legalmente dentro do território de um Estado é uma questão regida pelo direito interno, que pode submeter a entrada de estrangeiros no território do Estado a restrições, desde que se encontrem em conformidade com as obrigações internacionais do Estado. A esse respeito, o Comité mantém que um estrangeiro que entre num Estado ilegalmente, mas cujo estatuto tenha sido regularizado tem de ser considerado como estando legalmente dentro do território para os fins do artigo Uma vez que a pessoa se encontre legalmente dentro de um Estado, todas as restrições aos seus direitos garantidos pelo artigo 12, números 1 e 2 do assim como qualquer tratamento diferente do dado aos nacionais, tem de ser justificado ao abrigo das disposições do artigo 12, número 3. 3 Assim, é importante que os Estados Partes indiquem nos seus relatórios as circunstâncias em que tratam os estrangeiros de maneira diferente dos nacionais a este respeito e como justificam esta diferença de tratamento. 5. O direito de circular livremente relaciona-se com todo o território de um Estado, incluindo todas as partes de estados federais. Segundo o artigo 12.º, número 1 todo o indivíduo tem o direito de circular livremente e de aí escolher livremente a sua residência. O usufruto deste direito não deve depender de nenhum objectivo ou motivo em particular da pessoa que deseja circular ou permanecer num lugar. Qualquer restrição tem de estar em conformidade com o número O Estado Parte tem de assegurar que os direitos garantidos no artigo 12.º são protegidos não só de intervenção pública como privada. No caso das mulheres, esta obrigação de proteger é 1 HRI/GEN/1/Rev.3, 15 Agosto 1997, p. 20 (número 8). 2 Comunicação n.º 456/1991, Celepli v. Sweden, número Comentário Geral n.º 15, número 8, em HRI/GEN/1/Rev.3, 15 Agosto 1997, p

2 particularmente pertinente. Por exemplo, é incompatível com o artigo 12.º, número 1 que o direito de uma mulher de circular livremente e de escolher a sua residência esteja sujeito, por lei ou na prática, à decisão de outra pessoa, incluindo de um familiar. 7. Com sujeição às disposições do artigo 12.º, número 3 o direito a residir no local escolhido dentro do território inclui a protecção contra todas as formas de deslocações internas forçadas. Este número obsta também ao impedimento da entrada ou permanência de pessoas em determinada parte do território. No entanto, a detenção legal afecta mais especificamente o direito à liberdade pessoal e está coberta pelo artigo 9.º do Pacto. Nalgumas circunstâncias, os artigos 12.º e 9.º podem actuar em conjunto. 4 Liberdade de deixar qualquer país, incluindo o seu (número 2) 8. A liberdade de deixar o território de um Estado pode não estar dependente de qualquer objectivo específico ou do período de tempo em que o indivíduo escolha permanecer fora do país. Assim, estão cobertas viagens ao estrangeiro, bem como partidas com objectivo de emigração permanente. Do mesmo modo, o direito do indivíduo de determinar o Estado do destino faz parte da garantia legal. Como o âmbito do artigo 12.º, número 2 não está restrito às pessoas legalmente no território do Estado, um estrangeiro que seja legalmente expulso do país tem também direito de eleger o Estado de destino, sujeito ao consentimento desse Estado De modo a permitir ao indivíduo o usufruto dos direitos garantidos no artigo 12.º, número 2 as obrigações são impostas tanto no Estado de residência como no Estado de nacionalidade. 6 Visto que viagens internacionais normalmente exigem documentos adequados, em particular um passaporte, o direito a deixar um país tem de incluir o direito de obter os documentos de viagem necessários. A emissão de passaportes cabe normalmente ao Estado da nacionalidade do indivíduo. A recusa de um Estado de emitir um passaporte ou prolongar a sua validade a um nacional que resida no estrangeiro pode privar essa pessoa do direito de deixar o país de residência e de viajar para outro local. 7 Não constitui justificação para o Estado a alegação de que esse nacional teria direito a voltar ao seu território sem passaporte. 10. Muitas vezes as práticas dos Estados demonstram que as normas jurídicas e as medidas administrativas afectam negativamente o direito de saída, em particular, do próprio país da pessoa. Assim, reveste-se da maior importância que os Estados Partes apresentem informações sobre todas as restrições legais e práticas no que respeita ao direito de sair que aplicam tanto a nacionais como a estrangeiros, de modo a permitir ao Comité avaliar a conformidade destas normas e práticas com o artigo 12.º, número 3. Os Estados Partes devem também incluir informações sobre os seus relatórios no que respeita a medidas que imponham sanções às transportadoras internacionais que tragam para o seu território pessoas sem os documentos necessários, caso essas medidas afectem o direito de sair de outro país. Restrições (número 3) 4 Ver, por exemplo, a Comunicação n.º 138/1983, Mpandajila v. Zaire, número 10; Comunicação n.º 157/1983, Mpaka- Nsusu v. Zaire, número 10; Comunicação n.º 241/1987 e n.º 242/1987, Birhashwirwa/Tshisekedi v. Zaire, número Ver Comentário Geral n.º 15, número 9, em HRI/GEN/1/Rev.3, 15 Agosto 1997, p Ver Comunicação n.º 106/1981, Montero v. Uruguay, número 9.4; Comunicação n.º 57/1979, Vidal Martins v. Uruguai, número 7; Comunicação n.º 77/1980, Lichtensztejn v. Uruguay, número Ver Comunicação n.º 57/1979, Vidal Martins v. Uruguai, número 9. 2

3 11. O artigo 12.º, número 3 prevê circunstâncias excepcionais em que os direitos que conferem os números 1 e 2 podem ser restringidos. Esta disposição autoriza o Estado a restringir estes direitos apenas na protecção da segurança nacional, da ordem pública (ordre public), da saúde ou da moralidade pública e dos direitos e liberdades de outrem. Para ser permissível, as restrições têm de estar previstas nos termos da lei, têm de ser necessárias numa sociedade democrática para a protecção destes objectivos e têm de ser consistentes com todos os outros direitos reconhecidos no Pacto (ver número 18 infra). 12. A própria lei tem de estabelecer as condições em que esses direitos podem ser limitados. Os relatórios dos Estados devem especificar assim as normas legais nas quais essas restrições se fundamentam. As restrições que não se encontrem previstas nos termos da lei ou que não estejam em conformidade com os requisitos ao abrigo do artigo 12.º, número 3 violam os direitos garantidos nos números 1 e Ao aprovar leis que prevejam restrições permitidas em virtude do artigo 12.º, número 3 os Estados devem ser sempre guiados pelo princípio de que as restrições não podem comprometer a essência do direito (ver artigo 5.º, número 1); não se pode inverter a relação entre o direito e a restrição, entre a norma e a excepção. As leis que autorizem a aplicação de restrições devem usar critérios precisos e não podem conferir livre discrição às pessoas encarregadas da sua aplicação. 14. O artigo 12.º, número 3 indica claramente que não é suficiente que as restrições sirvam os objectivos permissíveis; estas têm também de ser necessárias para protegê-los. As medidas restritivas têm de se ajustar ao princípio da proporcionalidade; têm de ser apropriadas para conseguir realizar a sua função protectora; têm de ser o instrumento menos intrusivo entre os que poderão conseguir atingir o resultado pretendido; e têm de ser proporcionais ao interesse a ser protegido. 15. O princípio da proporcionalidade tem de ser respeitado não apenas na lei que define as restrições, mas também pelas autoridades administrativas e judiciais na aplicação da lei. Os Estados devem assegurar que quaisquer procedimentos relacionados com o exercício ou restrição destes direitos sejam expeditos e que as razões para a aplicação de medidas restritivas sejam apresentadas. 16. Os Estados Partes muitas vezes não conseguem demonstrar que a aplicação das suas leis na restrição dos direitos consagrados no artigo 12.º, números 1 e 2 estão em conformidade com os requisitos referidos no artigo 12.º, número 3. A aplicação de restrições em qualquer caso particular tem de ter como base fundamentos legais claros e cumprir com o critério de ser necessário e com o requisito de proporcionalidade. Estas condições não são cumpridas se, por exemplo, um indivíduo for impedido de deixar um país meramente com base no facto dele ou dela ser portador(a) de segredos de Estado ou se um indivíduo for impedido de viajar internamente sem uma autorização específica. Por outro lado, as condições podem ser satisfeitas por restrições no acesso a zonas militares por motivos e segurança nacional ou limitações na liberdade de estabelecer residência em áreas habitadas por comunidades indígenas ou minoritárias Uma grande fonte de preocupação é constituída pelas múltiplas barreiras jurídicas e burocráticas que afectam o pleno exercício do direito dos indivíduos de livre circulação, de deixar um país, incluindo o seu próprio país, e de adoptar uma residência. No que respeita ao direito de circulação dentro de um país, o Comité criticou as disposições que exigem que as pessoas solicitem autorização para mudar de residência ou procurem a aprovação das autoridades locais do local de destino, bem como atrasos no processamento de tais pedidos por escrito. Na prática dos Estados 8 Ver Comentário Geral n.º 23, parágrafo 7, em HRI/GEN/1/Rev.3, 15 Agosto 1997, p

4 encontra-se uma gama ainda mais variada de obstáculos que tornam mais difícil a saída do país, em particular dos próprios nacionais. Entre essas normas e práticas figuram a falta de acesso dos requerentes às autoridades competentes e a falta de informação no que diz respeito aos requisitos; a necessidade de ter de requerer formulários especiais para conseguir obter os documentos oficiais para a emissão de passaporte; a necessidade de declarações de apoio por parte de empregadores ou familiares; descrição exacta do itinerário de viagem; a emissão de passaportes apenas mediante o pagamento de taxas elevadas excedendo substancialmente o custo do serviço prestado por parte da administração; demoras excessivas na emissão dos documentos de viagem; restrições à viagem de membros de família juntos; requisito de um depósito de repatriação ou bilhete de ida e volta; requisito de que se tenha recebido um convite do Estado de destino ou de pessoas que aí vivam; perseguição dos requerentes, por exemplo por meio de intimidação física, detenção, perda de emprego ou expulsão dos filhos da escola ou da universidade; recusa na emissão de passaporte sob pretexto que o requerente prejudica o bom-nome do país. À luz destas práticas, os Estados Partes devem assegurar que todas as restrições que imponham se encontram em total conformidade com o disposto no artigo 12.º, número A aplicação das restrições permissíveis ao abrigo do artigo 12.º, número 3 precisa de ser consistente com os outros direitos garantidos no Pacto e com os princípios fundamentais da igualdade e não discriminação. Assim, constitui uma clara violação do Pacto se os direitos consagrados nos números 1 e 2 do Pacto forem restringidos ao se fazerem distinções por motivos de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou qualquer outra opinião, origem nacional ou social, propriedade, nascimento ou outra situação. Ao examinar os relatórios dos Estados, o Comité descobriu em várias ocasiões medidas que impedem as mulheres de circularem livremente ou de deixarem o país, ao exigir que elas tenham autorização ou sejam acompanhadas por um membro do sexo masculino, o que constitui uma violação do artigo 12.º. O direito de entrar no seu próprio país (número 4) 19. O direito de uma pessoa de entrar no seu próprio país reconhece o vínculo especial de uma pessoa com esse país. Esse direito tem várias facetas. Implica o direito de permanecer no seu próprio país. Inclui não só o direito de voltar após ter deixado o seu próprio país, como também pode permitir a uma pessoa entrar no país pela primeira vez se ele ou ela tiver nascido fora do país (por exemplo, se o país for o Estado da nacionalidade da pessoa). O direito de voltar reveste-se da maior importância para refugiados que procurem repatriamento voluntário. Também implica a proibição de transferência forçada da população ou expulsões em massa para outros países. 20. O texto do artigo 12.º, número 4 não faz distinção entre os cidadãos nacionais e os estrangeiros ( ninguém ). Assim, os titulares desse direito apenas podem ser identificados interpretando o significado da expressão seu próprio país. 9 O âmbito do seu próprio país é mais amplo do que o conceito país da sua nacionalidade. Não se limita à nacionalidade no sentido formal, ou seja, à nacionalidade adquirida por nascimento ou por concessão; abrange, pelo menos, os indivíduos que, devido aos seus vínculos especiais ou pretensões com um determinado país, não podem ser considerados como meros estrangeiros. Este seria o caso, por exemplo, dos nacionais de um país que tenham sido privados da sua nacionalidade em violação do direito internacional e dos indivíduos cujo país de nacionalidade tenha sido incorporado ou transferido para outra entidade nacional, cuja nacionalidade se lhes negue. O texto do número 4 do artigo 5.º permite, além disso, uma interpretação mais ampla que poderá abarcar outras categorias de residentes a longo prazo, incluindo, sem estar limitado a, pessoas apátridas privados arbitrariamente do direito a adquirir a nacionalidade 9 Ver Comunicação n.º 538/1993, Stewart v. Canada. 4

5 do país de residência. Visto que outros factores podem, em certas circunstâncias, resultar no estabelecimento de vínculos estreitos e duradouros entre uma pessoa e um país, os Estados devem incluir nos seus relatórios informações respeitantes aos direitos dos residentes permanentes de voltarem ao seu país de residência. 21. Em nenhum caso pode-se privar uma pessoa arbitrariamente do direito de entrar no seu próprio país. A referência ao conceito de arbitrariedade neste contexto tem como objectivo sublinhar que se aplica a todas as actuações do Estado, no âmbito legislativo, administrativo e judicial; garante que mesmo as intervenções previstas nos termos da lei devem ser em conformidade com as disposições, propósitos e objectivos do Pacto, e devem, em todo o caso, ser razoáveis nas circunstâncias particulares. O Comité considera que existem poucas circunstâncias, se é que há alguma, em que a privação do direito de entrar no seu próprio país possa ser razoável. Um Estado Parte não pode, ao privar uma pessoa da sua nacionalidade ou ao expulsar um indivíduo para um país terceiro, impedir arbitrariamente esta pessoa de regressar ao seu próprio país. 5

NACIONALIDADE COMO DIREITO FUNDAMENTAL: A QUESTÃO DOS, APÁTRIDAS E OS REFUGIADOS

NACIONALIDADE COMO DIREITO FUNDAMENTAL: A QUESTÃO DOS, APÁTRIDAS E OS REFUGIADOS NACIONALIDADE COMO DIREITO FUNDAMENTAL: A QUESTÃO DOS, APÁTRIDAS E OS REFUGIADOS Aula 07 NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Identificamos a evolução histórica dos direitos humanos Direitos Humanos Direitos fundamentais

Leia mais

Obtendo a Nacionalidade brasileira

Obtendo a Nacionalidade brasileira Direito Constitucional Da Nacionalidade A nacionalidade é o vínculo jurídico-político que liga um indivíduo a um certo e determinado Estado, fazendo deste indivíduo um componente do povo, da dimensão pessoal

Leia mais

Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas

Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas TEMAS ATUAIS DE DIREITOS HUMANOS E FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA PROF. HELENA DE SOUZA ROCHA Igualdade e Não discriminação Igualdade = conceito antigo, que pode

Leia mais

Delegado Polícia Federal Direito Internacional Nacionalidade Paulo Portela

Delegado Polícia Federal Direito Internacional Nacionalidade Paulo Portela Delegado Polícia Federal Direito Internacional Nacionalidade Paulo Portela Nacionalidade Ponto 3.3. População; nacionalidade; tratados multilaterais; estatuto da igualdade. Professor: Paulo Henrique Gonçalves

Leia mais

União de Facto. Requerimento nº Recibo nº Atestado nº. Exmo(a) Senhor(a) Presidente da Junta de Freguesia da União de Freguesias de Pontinha e Famões

União de Facto. Requerimento nº Recibo nº Atestado nº. Exmo(a) Senhor(a) Presidente da Junta de Freguesia da União de Freguesias de Pontinha e Famões União de Facto Requerimento nº Recibo nº Atestado nº Exmo(a) Senhor(a) Presidente da Junta de Freguesia da União de Freguesias de Pontinha e Famões Nome: Data de Nascimento: Natural de Nacionalidade Portador

Leia mais

El Salvador Atualizado em:

El Salvador Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL El Salvador Atualizado em: 12-11-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Pessoas que estejam ou tenham estado sujeitas à legislação de Portugal ou de El Salvador, referida no separador

Leia mais

VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Intercâmbio de Estudantes, Estágio Profissional e Voluntariado

VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Intercâmbio de Estudantes, Estágio Profissional e Voluntariado VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Intercâmbio de Estudantes, Estágio Profissional e Voluntariado Documentação do Requerente Formulário de pedido de visto devidamente preenchido online (www.cgportugalemluanda.com)

Leia mais

Convenções sobre Segurança Social

Convenções sobre Segurança Social www.pwc.com Convenções sobre Segurança Social Carla Matos 8 Universidade Católica Portuguesa - Lisboa Porque surgem as convenções de Segurança Social? Processo de industrialização originou a deslocação

Leia mais

CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO REINO UNIDO DA GRÃ BRETANHA E IRLANDA DO NORTE SALVO-CONDUTO

CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO REINO UNIDO DA GRÃ BRETANHA E IRLANDA DO NORTE SALVO-CONDUTO CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO REINO UNIDO DA GRÃ BRETANHA E IRLANDA DO NORTE SALVO-CONDUTO O Salvo-Conduto é um documento de identificação internacional utilizado pelo cidadão nacional para

Leia mais

CARTA DE CAÇADOR. A carta de caçador pode ser emitida a favor dos requerentes que reunam simultaneamente as seguintes condições :

CARTA DE CAÇADOR. A carta de caçador pode ser emitida a favor dos requerentes que reunam simultaneamente as seguintes condições : CARTA DE CAÇADOR INDÍCE Requisitos para obter carta de caçador Especificações Validade Concessão, renovação, 2.ºs vias e alteração de dados Quando requerer Renovação de cartas de caçador emitidas antes

Leia mais

PROGRAMA DE DIREITOS REAIS 4.º Ano

PROGRAMA DE DIREITOS REAIS 4.º Ano UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO Curso de Licenciatura em Direito em Língua Portuguesa PROGRAMA DE DIREITOS REAIS 4.º Ano ANO LECTIVO 2016/2017 Docência: Paulo Videira Henriques (Mestre em Direito)

Leia mais

Tendo em conta a Comunicação da Comissão (COM(2002) 431 C5-0573/2002),

Tendo em conta a Comunicação da Comissão (COM(2002) 431 C5-0573/2002), P5_TA-PROV(2003)0486 Tributação dos veículos de passageiros Resolução do Parlamento Europeu sobre a Comunicação da Comissão relativa à tributação dos veículos de passageiros na União Europeia (COM(2002)

Leia mais

XIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Lisboa, 24 de Julho de 2008

XIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Lisboa, 24 de Julho de 2008 XIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Lisboa, 24 de Julho de 2008 Acordo de Cooperação Consular entre os Estados Membros da Comunidade dos Países

Leia mais

DETENÇÃO. - Os actos processuais com detidos são urgentes e os prazos correm em férias (art. 80º CPP).

DETENÇÃO. - Os actos processuais com detidos são urgentes e os prazos correm em férias (art. 80º CPP). DETENÇÃO 1- Definição. Medida cautelar de privação da liberdade pessoal, não dependente de mandato judicial, de natureza precária e excepcional, que visa a prossecução de finalidades taxativamente 1 previstas

Leia mais

DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM

DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo

Leia mais

Razões para ser Sócio do SBC

Razões para ser Sócio do SBC S INDICATO DOS B ANCÁRIOS DO C ENTRO Razões para ser Sócio do SBC Tem direito: Contratação Coletiva. Apoio Judiciário gratuito em questões do foro laboral. Aconselhamento Jurídico gratuito (particular).

Leia mais

Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações?

Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações? Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações? Priscila Queirolo Susin Psicóloga; Técnica Social Responsável PMCMV-E; Pesquisadora do CAES Mestre em Ciências Sociais (PUCRS) Doutoranda

Leia mais

AULA 19. Ilícito praticado por ação, a responsabilidade é individual.

AULA 19. Ilícito praticado por ação, a responsabilidade é individual. Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Empresarial Professor: Leandro Antunes Monitor: André Manso AULA 19 Da responsabilidade Qualquer ato praticado pelo administrador que venha a prejudicar

Leia mais

Circular nº / Inscrições/Renovações Agentes Desportivos 2014/15 (*)

Circular nº / Inscrições/Renovações Agentes Desportivos 2014/15 (*) Circular nº215-2013/2014 23. Julho.2014 Pág. 1/15 1 Filiação Época 2014/15 (*) De acordo com o Artigo 8º do Regulamento Interno da FPH, a Filiação dos sócios efectivos na FPH realiza-se entre 1 e 31 de

Leia mais

Lei n.º 113/2009, de 17/9 1

Lei n.º 113/2009, de 17/9 1 (Não dispensa a consulta do Diário da República) Lei n.º 113/2009, de 17/9 1 Estabelece medidas de proteção de menores, em cumprimento do artigo 5.º da Convenção do Conselho da Europa contra a Exploração

Leia mais

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO PROVENIENTE DA UNIÃO EUROPEIA

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO PROVENIENTE DA UNIÃO EUROPEIA INSCRIÇÃO DE ADVOGADO PROVENIENTE DA UNIÃO EUROPEIA DOCUMENTOS A ENTREGAR (Reg. Nº 232/2007, de 4 de Setembro) 1) Requerimento de inscrição (Anexo A) 2) Boletim de inscrição com a assinatura pessoal e

Leia mais

A UNICEF e a Convenção sobre os Direitos da Criança

A UNICEF e a Convenção sobre os Direitos da Criança A UNICEF e a Convenção sobre os Direitos da Criança UNICEF áreas de intervenção prioritária Sobrevivência desde o nascimento Até ao pleno desenvolvimento 1 Saúde 2 HIV/SIDA 3 Água e saneamento 4 Nutrição

Leia mais

Regulamento do Arquivo Histórico do Ministério da Justiça

Regulamento do Arquivo Histórico do Ministério da Justiça Regulamento do Arquivo Histórico do Ministério da Justiça MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTÓRIO DO MJ Í n d i c e 1. Nota Introdutória... 1 2. O Arquivo Histórico do Ministério da Justiça...

Leia mais

O Direito de Adoptar?

O Direito de Adoptar? Direito da Igualdade Social 2010 2011 O Direito de Adoptar? A adopção por casais homossexuais Andreia Engenheiro Nº 2068 1. Família Tem influência de factores: - Religiosos; - Económicos; - Socio-culturais.

Leia mais

PROGRAMA. 4. O conceito de crime e o processo penal: pressupostos materiais e processuais da responsabilidade penal.

PROGRAMA. 4. O conceito de crime e o processo penal: pressupostos materiais e processuais da responsabilidade penal. DIREITO PROCESSUAL PENAL PROGRAMA I INTRODUÇÃO AO DIREITO PROCESSUAL PENAL 1. O funcionamento real do sistema penal: os dados da PGR (2010), do Relatório Anual de Segurança Interna (2011) e o tratamento

Leia mais

Registos e Notariado. Ficha Técnica. Código do Notariado. TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais. CAPÍTULO I - Disposições gerais

Registos e Notariado. Ficha Técnica. Código do Notariado. TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais. CAPÍTULO I - Disposições gerais Registos e Notariado Ficha Técnica Código do Notariado TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais CAPÍTULO I - Disposições gerais CAPÍTULO II - Competência funcional SECÇÃO I - Atribuições dos notários

Leia mais

LICENCIAMENTO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE EXPLORAÇÃO DE MÁQUINAS DE DIVERSÃO

LICENCIAMENTO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE EXPLORAÇÃO DE MÁQUINAS DE DIVERSÃO REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DE MÁQUINAS AUTOMÁTICAS, MECÂNICAS, ELÉCTRICAS E ELECTRÓNICAS DE DIVERSÃO Nos termos do disposto nos artigos 112.º, n.º 8 e 241.º da Constituição da República Portuguesa, do preceituado

Leia mais

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Nesta classe estão incluídos todos os valores representativos do conjunto da actividade creditícia, as aplicações em títulos que não sejam imobilizações financeiras

Leia mais

Direito Administrativo I I Na sequência dos atentados terroristas de Paris, o Governo português aprovou um regulamento permitindo que as autarquias

Direito Administrativo I I Na sequência dos atentados terroristas de Paris, o Governo português aprovou um regulamento permitindo que as autarquias Direito Administrativo I I Na sequência dos atentados terroristas de Paris, o Governo português aprovou um regulamento permitindo que as autarquias locais expulsem do seu território todos os estrangeiros

Leia mais

VISTO DE CURTA DURAÇÃO. pelo requerente, sem rasuras ou emendas. As fotografias devem ser coladas;

VISTO DE CURTA DURAÇÃO. pelo requerente, sem rasuras ou emendas. As fotografias devem ser coladas; VISTO DE CURT DURÇÃO Documentos necessários: ESTRNG e O Ã E Ç Formulário e ficha devidamente preenchidos, com letra de imprensa ou dactilografados com tinta preta e assinado R G I IRO pelo requerente,

Leia mais

PORTARIA Nº. 712, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014

PORTARIA Nº. 712, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014 PORTARIA Nº. 712, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014 Normatiza o processo de Certificação de Conclusão do Ensino Médio ou Declaração Parcial de Proficiência com base no Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM no

Leia mais

Caso prático 4. Direito Constitucional I. (resolvido) Charles é doutorado por Oxford, residindo em Portugal há 10 anos.

Caso prático 4. Direito Constitucional I. (resolvido) Charles é doutorado por Oxford, residindo em Portugal há 10 anos. Caso prático 4 Direito Constitucional I (resolvido) Charles é doutorado por Oxford, residindo em Portugal há 10 anos. a) Poderá Charles candidatar-se a Reitor da Universidade de Lisboa? b) Poderá Charles

Leia mais

Direito Administrativo II

Direito Administrativo II 1 3. Classificação dos atos administrativos Fernanda Paula Oliveira 2 Algumas espécies de atos com relevo prático atos de eficácia duradoura: os efeitos não se esgotam no momento da sua prática e criam

Leia mais

AS DECISÕES JUDICIAIS; JURISPRUDÊNCIA

AS DECISÕES JUDICIAIS; JURISPRUDÊNCIA ASPECTOS PRÁTICOS DA LEI DO ASILO AS DECISÕES JUDICIAIS; JURISPRUDÊNCIA A concessão de asilo ou protecção subsidiária Lei n.º 27/2008, de 30 de Junho, na redacção da Lei n.º 26/2014, de 5 de Maio Algumas

Leia mais

Prova escrita de conhecimentos específicos de ECONOMIA

Prova escrita de conhecimentos específicos de ECONOMIA Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do Instituto Politécnico de Leiria dos Maiores de 23 Anos - 2009 Prova escrita de conhecimentos

Leia mais

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários DECRETO N.º 53/XI Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

POPULAÇÃO ESTRANGEIRA EM PORTUGAL MODERA CRESCIMENTO

POPULAÇÃO ESTRANGEIRA EM PORTUGAL MODERA CRESCIMENTO População Estrangeira Residente em Portugal Resultados provisórios 2002 2 de Julho de 2003 POPULAÇÃO ESTRANGEIRA EM PORTUGAL MODERA CRESCIMENTO Em 2002, a população estrangeira com a situação regularizada,

Leia mais

Convocada para Genebra pelo Conselho de Administração da Repartição Internacional do Trabalho e aí reunida a 7 de Junho de 1994, na sua 81.

Convocada para Genebra pelo Conselho de Administração da Repartição Internacional do Trabalho e aí reunida a 7 de Junho de 1994, na sua 81. Resolução da Assembleia da República n.º 37/2006 Convenção n.º 175, sobre trabalho a tempo parcial, da Organização Internacional do Trabalho, adoptada em Genebra em 24 de Junho de 1994. A Assembleia da

Leia mais

Medidas de Protecção de Menores no Caso de Recrutamento para Profissões ou Exercício de Funções que Envolvam Contacto com Crianças

Medidas de Protecção de Menores no Caso de Recrutamento para Profissões ou Exercício de Funções que Envolvam Contacto com Crianças CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Medidas de Protecção de Menores no Caso de Recrutamento para Profissões ou Exercício de Funções que Envolvam Contacto

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PROFESSOR PELO ALUNO. Leia com atenção os itens abaixo e assinale a alternativa que melhor corresponde à sua opinião.

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PROFESSOR PELO ALUNO. Leia com atenção os itens abaixo e assinale a alternativa que melhor corresponde à sua opinião. FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PROFESSOR PELO ALUNO Professor Disciplina Leia com atenção os itens abaixo e assinale a alternativa que melhor corresponde à sua opinião. 1 - APRESENTAÇÂO DO PROGRAMA: é esperado

Leia mais

CURSO BREVE. 12 de Novembro 27 de Novembro h 30m-20h 30m, Sextas-feiras 10h-13h e 14h 30m-17h 30m, Sábados

CURSO BREVE. 12 de Novembro 27 de Novembro h 30m-20h 30m, Sextas-feiras 10h-13h e 14h 30m-17h 30m, Sábados ANTÍGONA Livres e Iguais FDUNL CURSO BREVE Direitos Humanos dos Imigrantes e Refugiados 12 de Novembro 27 de Novembro 2010 17h 30m-20h 30m, Sextas-feiras 10h-13h e 14h 30m-17h 30m, Sábados 1. Apresentação

Leia mais

na Europa e em África

na Europa e em África LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal: plataforma de investimento na Europa e África Rogério M. Fernandes Ferreira (rff@rffadvogados.pt rff@rffadvogados.pt)

Leia mais

Artigo 1º (DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREIROS DO HOMEM)

Artigo 1º (DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREIROS DO HOMEM) ( de quem verificou que o infrator pagou a sua multa) Artigo 1º (DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREIROS DO HOMEM) Todos os seres humanos nascem livres em dignidade e em direitos Sabia que: tem o direito e o

Leia mais

1/2006 CONTRATO DE SOCIEDADE POR QUOTAS. Artigo 1.º Tipo e firma

1/2006 CONTRATO DE SOCIEDADE POR QUOTAS. Artigo 1.º Tipo e firma CONTRATO DE SOCIEDADE POR QUOTAS Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo sociedade por quotas e a firma. 2. A sociedade tem o número de pessoa colectiva e o número

Leia mais

AVISO N.º05/2015. Considerando a necessidade de promover o aumento da segurança dos cheques, designadamente, ao nível dos respectivos formulários;

AVISO N.º05/2015. Considerando a necessidade de promover o aumento da segurança dos cheques, designadamente, ao nível dos respectivos formulários; Publicado no Diário da República, I série, nº 53, de 20 de Abril AVISO N.º05/2015 ASSUNTO: SISTEMA DE PAGAMENTOS DE ANGOLA - Cheque Normalizado Considerando a necessidade de promover o aumento da segurança

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, SEGURANÇA SOCIAL E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATÓRIO [SEC (2010) 887] [SEC (2010) 888]

COMISSÃO DE TRABALHO, SEGURANÇA SOCIAL E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATÓRIO [SEC (2010) 887] [SEC (2010) 888] RELATÓRIO COM (2010) 379 FINAL Proposta de Directiva do Parlamento Europeu e do Conselho Relativa às condições de entrada e de residência de nacionais de países terceiros para efeitos de trabalho sazonal

Leia mais

Conceito De Liberdade Pessoal Tânia Fernandes

Conceito De Liberdade Pessoal Tânia Fernandes Conceito De Liberdade Pessoal Tânia Fernandes 24-11-2010 Tânia Fernandes Página 1 Índice Índice Conceito De Liberdade Pessoal... 1 Índice... 2 Conceito De Liberdade Pessoal... 3 Segue alguns artigos do

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVO À NATALIDADE

REGULAMENTO DE INCENTIVO À NATALIDADE REGULAMENTO DE INCENTIVO À NATALIDADE JUNTA DE FREGUESIA DE CANDEMIL Regulamento de Incentivo à Natalidade na Freguesia de Candemil Nota Justificativa Considerando que a diminuição da Natalidade é um problema

Leia mais

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 1 PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 2 4. NACIONALIDADE O tema guarda grande complexidade,

Leia mais

VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Atividade Profissional de Carácter Temporário

VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Atividade Profissional de Carácter Temporário VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Atividade Profissional de Carácter Temporário Documentação do Requerente Formulário de pedido de visto devidamente preenchido online (www.cgportugalemluanda.com) e assinado;

Leia mais

VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Atividade Profissional de Carácter Temporário

VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Atividade Profissional de Carácter Temporário VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Atividade Profissional de Carácter Temporário Documentação do Requerente Formulário de pedido de visto devidamente preenchido online (www.cgportugalemluanda.com) e assinado;

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 554, DE

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 554, DE SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 554, DE 2011 Altera o 1 o do art. 306 do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), para determinar o prazo de vinte e quatro

Leia mais

Os direitos da criança - No contexto internacional. Director do ILPI Njal Hostmaelingen MJDH, workshop interno, Luanda, 27 de Junho 2016

Os direitos da criança - No contexto internacional. Director do ILPI Njal Hostmaelingen MJDH, workshop interno, Luanda, 27 de Junho 2016 Os direitos da criança - No contexto internacional Director do ILPI Njal Hostmaelingen MJDH, workshop interno, Luanda, 27 de Junho 2016 Programa História e enquadramento legal Desenvolvimentos internacionais

Leia mais

PROJETO CUIDAR TRATAR DAS NOSSAS PESSOAS REDE INTERMUNICIPAL DE CUIDADOS DE SAÚDE. Metodologia de Avaliação e Seleção de Candidatos

PROJETO CUIDAR TRATAR DAS NOSSAS PESSOAS REDE INTERMUNICIPAL DE CUIDADOS DE SAÚDE. Metodologia de Avaliação e Seleção de Candidatos PROJETO CUIDAR TRATAR DAS NOSSAS PESSOAS REDE INTERMUNICIPAL DE CUIDADOS DE SAÚDE PROTOCOLO INTERMUNICIPAL ENTRE OS MUNICÍPIOS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO E OLHÃO Metodologia de Avaliação e Seleção de

Leia mais

EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória

EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória REQUERIMENTO: CMPV 218/2 EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL Número de Processo / / Data de Entrada / / Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória (nome do requerente ), Contribuinte (pessoa singular

Leia mais

UNIÃO DAS FREGUESIA DE RECARDÃES E ESPINHEL

UNIÃO DAS FREGUESIA DE RECARDÃES E ESPINHEL UNIÃO DAS FREGUESIA DE RECARDÃES E ESPINHEL REGULAMENTO DE INCENTIVO À NATALIDADE Página 1 de 7 Nota Justificativa Considerando que a diminuição da Natalidade é um problema premente e preocupante nas regiões

Leia mais

Regulamento CARTÃO BARCELOS JOVEM

Regulamento CARTÃO BARCELOS JOVEM Regulamento CARTÃO BARCELOS JOVEM PREÂMBULO O projecto Cartão Barcelos Jovem é um documento emitido pela Casa da Juventude da Câmara Municipal de Barcelos, capaz de conceder benefícios na utilização de

Leia mais

CONVITE. Câmara Municipal de Proença a Nova CESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO BAR DA ZONA DE LAZER DA PEDRA DO ALTAR

CONVITE. Câmara Municipal de Proença a Nova CESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO BAR DA ZONA DE LAZER DA PEDRA DO ALTAR CONVITE Câmara Municipal de Proença a Nova CESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO BAR DA ZONA DE LAZER DA PEDRA DO ALTAR A Câmara Municipal de Proença a Nova, sita na Avenida do Colégio, 6150 401 Proença a Nova, com

Leia mais

REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DO REGIME DE ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES

REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DO REGIME DE ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES do Norte REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DO REGIME DE ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES DATA DE Nº DO PROCESSO 1 EXMO. (ª) SR. (ª): 1 2 NATUREZA DA ACUMULAÇÃO: Pública Privada FASE: Inicial Renovação 2 Situação no serviço

Leia mais

AUXÍLIO TRANSPORTE ORIENTAÇÕES E PERGUNTAS FREQUENTES

AUXÍLIO TRANSPORTE ORIENTAÇÕES E PERGUNTAS FREQUENTES AUXÍLIO TRANSPORTE ORIENTAÇÕES E PERGUNTAS FREQUENTES Definição: É o benefício de natureza indenizatória, concedido em pecúnia pela União, destinado ao custeio parcial das despesas realizadas com transporte

Leia mais

DECRETO N.º 41/XI. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 41/XI. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 41/XI Derrogação do sigilo bancário (21.ª alteração à Lei Geral Tributária, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 398/98, de 17 de Dezembro, e segunda alteração ao Decreto-Lei n.º 62/2005, de 11 de

Leia mais

Convenção nº. 102/52 Organização Internacional do Trabalho, relativa a seguridade social.

Convenção nº. 102/52 Organização Internacional do Trabalho, relativa a seguridade social. Convenção nº. 102/52 Organização Internacional do Trabalho, relativa a seguridade social. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada para Genebra pelo conselho de administração

Leia mais

TEMPO DE JUSTIÇA A REFORMA DA CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA E DO ESTATUTO DA ORDEM DOS ADVOGADOS

TEMPO DE JUSTIÇA A REFORMA DA CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA E DO ESTATUTO DA ORDEM DOS ADVOGADOS TEMPO DE JUSTIÇA A REFORMA DA CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA E DO ESTATUTO DA ORDEM DOS ADVOGADOS Visa esta comunicação submeter a reflexão alguns pontos que me parece oportuno debater, acerca da

Leia mais

Regime Fiscal do Investidor Residente Não Habitual

Regime Fiscal do Investidor Residente Não Habitual Regime Fiscal do Investidor Residente Não Habitual Este regime foi aprovado em 2009 pelo Decreto-Lei n.º 249/2009, de 23 de Setembro. Trata-se dum regime especial de tributação de rendimentos, com múltiplos

Leia mais

CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO REINO UNIDO DA GRÃ BRETANHA E IRLANDA DO NORTE VISTO DE TURISMO

CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO REINO UNIDO DA GRÃ BRETANHA E IRLANDA DO NORTE VISTO DE TURISMO CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO REINO UNIDO DA GRÃ BRETANHA E IRLANDA DO NORTE VISTO DE TURISMO O Visto de Turismo destina-se ao cidadão estrangeiro que pretenda entrar na República de Angola

Leia mais

Prova escrita de conhecimentos específicos de ECONOMIA

Prova escrita de conhecimentos específicos de ECONOMIA Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do Instituto Politécnico de Leiria dos Maiores de 23 Anos - 2010 Prova escrita de conhecimentos

Leia mais

Município de Monforte REGULAMENTO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

Município de Monforte REGULAMENTO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Município de Monforte REGULAMENTO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Convertido para formato digital em 16 de fevereiro de 2013. Aplicação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa - Cumprimento da Resolução do

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:

LICENCIAMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: LICENCIAMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Lei 6938/81 (PNMA), art. 9º, inc. IV Dec. 99.274/90, art. 7, inc. I Resolução CONAMA 001/86 e 237/97 e 006/86 CF/88 art. 225 (proteção e prevenção) Art. 2º

Leia mais

Projeto de Regulamento de Concessão de Regalias Sociais aos Bombeiros da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Avisenses PREÂMBULO

Projeto de Regulamento de Concessão de Regalias Sociais aos Bombeiros da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Avisenses PREÂMBULO Projeto de Regulamento de Concessão de Regalias Sociais aos Bombeiros da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Avisenses PREÂMBULO O Regulamento de Concessão de Regalias Sociais aos Bombeiros

Leia mais

ANTEPROJECTO DE LEI DO HABEAS CORPUS

ANTEPROJECTO DE LEI DO HABEAS CORPUS 2013 ANTEPROJECTO DE LEI DO HABEAS CORPUS RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO E PROJECTO DE LEI Comissão de Reforma da Justiça e do Direito Subcomissão de Reforma do Código de Processo Penal 16-09- 2013 ANTEPROJECTO

Leia mais

EXTRADIÇÃO HIPÓTESE CORRIDA.

EXTRADIÇÃO HIPÓTESE CORRIDA. EXTRADIÇÃO Caso prático de aplicação da Convenção de Extradição entre os Estados Membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP); Praia, 23.11.2005. De acordo com o Aviso n.º 183/2011, de

Leia mais

Metodologias de. Monitorização. Sessão de Formação Julho de Mário Caeiro. Com o apoio das publicações da APT

Metodologias de. Monitorização. Sessão de Formação Julho de Mário Caeiro. Com o apoio das publicações da APT Metodologias de Mário Caeiro Monitorização Sessão de Formação Julho de 2012 Com o apoio das publicações da APT Para Lá dos Muros que nos Dividem Monitorização de Locais de Detenção de Pessoas Privadas

Leia mais

BlackSandBox. Termo de Responsabilidade. Por favor leia os termos e condições constantes deste termo.

BlackSandBox. Termo de Responsabilidade. Por favor leia os termos e condições constantes deste termo. BlackSandBox Termo de Responsabilidade Por favor leia os termos e condições constantes deste termo. O presente Termo de Responsabilidade consubstancia um contrato celebrado entre o signatário e a empresa

Leia mais

PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES

PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES a) Não está vedado ao advogado, genericamente e em abstracto, exercer o patrocínio contra anterior cliente, impondo-se apenas verificar se tal patrocínio configurará

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO

PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Proposta de Lei nº 310/XII/4ª (Aprova o Estatuto da Ordem dos Notários e altera o Estatuto do Notariado aprovado pelo Decreto-Lei 26/2004, de 4 de Fevereiro) A Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos,

Leia mais

REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CERTIDÃO DE DESTAQUE. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra. Despacho:

REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CERTIDÃO DE DESTAQUE. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra. Despacho: 1/5 REQUERIMENTO PARA: Despacho: Espaço reservado aos serviços PEDIDO DE CERTIDÃO DE DESTAQUE Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome do requerente),

Leia mais

NACIONALIDADE PROFA. ME. ÉRICA RIOS

NACIONALIDADE PROFA. ME. ÉRICA RIOS NACIONALIDADE PROFA. ME. ÉRICA RIOS ERICA.CARVALHO@UCSAL.BR CONCEITO Vínculo jurídico que liga uma pessoa a um ou mais Estados. Apenas quando a nação se organiza em Estado, entidade jurídicopolítica, a

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 11/2009 Interpretação do art. 189º do EOA O Senhor Advogado, Dr.... vem solicitar que o emita parecer sobre a factualidade que passamos a enunciar: a. O Senhor Advogado consulente foi notificado,

Leia mais

Associação de Futebol do Porto Rua António Pinto Machado, no % Porto

Associação de Futebol do Porto Rua António Pinto Machado, no % Porto Associação de Futebol do Porto Rua António Pinto Machado, no % - 4100-068 Porto COMUNICADO OFICIAL OFICIO-CIRCULAR No. 340-2016/2017- Exmo. Senhor Diretor Seaetário ASSUNTO: SISTEMA DE PROTEÇAO DE MENORES

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015

PLANO DE ATIVIDADES 2015 PLANO DE ATIVIDADES 2015 ÍNDICE ENQUADRAMENTO QUEM SOMOS MISSÃO, VISÃO E VALORES SERVIÇOS À COMUNIDADE MISSÃO PRINCIPAL DA COOPERATIVA RESPOSTAS SOCIAIS ESTRATÉGIAS CHAVE QUAIS SÃO AS ESTRATÉGIAS CHAVE

Leia mais

Cotações. Prova Escrita de Filosofia. 10.º Ano de Escolaridade Março de Duração da prova: 90 minutos. 3 Páginas

Cotações. Prova Escrita de Filosofia. 10.º Ano de Escolaridade Março de Duração da prova: 90 minutos. 3 Páginas Prova Escrita de Filosofia Versão A 10.º Ano de Escolaridade Março de 2016 Duração da prova: 90 minutos 3 Páginas Leia atentamente o enunciado Para cada resposta, identifique o grupo e o item. Apresente

Leia mais

REGULAMENTO ASSISTÊNCIA MÉDICA DO SINDICATO DOS FUNCIONÁRIOS JUDICIAIS

REGULAMENTO ASSISTÊNCIA MÉDICA DO SINDICATO DOS FUNCIONÁRIOS JUDICIAIS REGULAMENTO DA ASSISTÊNCIA MÉDICA DO SINDICATO DOS FUNCIONÁRIOS JUDICIAIS I ASSISTÊNCIA MÉDICA DO SFJ Missão: Facultar aos seus beneficiários o acesso, em condições vantajosas, a um conjunto de serviços

Leia mais

Jean-Jacques Rousseau

Jean-Jacques Rousseau Jean-Jacques Rousseau 1712-1778 Da servidão à liberdade Temas centrais da filosofia política rousseauniana O contrato social. O surgimento da propriedade privada. A passagem do estado de natureza para

Leia mais

Ministério da Família e Promoção da Mulher

Ministério da Família e Promoção da Mulher Ministério da Família e Promoção da Mulher Decreto Executivo n.º 23/07 de 25 de Junho Considerando que o Protocolo Facultativo à Convenção das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 923/2016

DELIBERAÇÃO N.º 923/2016 1 DELIBERAÇÃO N.º 923/2016 1. A pretensão de acesso aos dados pessoais constantes de recibo de vencimento de trabalhadores objeto de processo de execução A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD)

Leia mais

TRATADO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE A TRANSFERÊNCIA DE PESSOAS CONDENADAS

TRATADO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE A TRANSFERÊNCIA DE PESSOAS CONDENADAS TRATADO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE A TRANSFERÊNCIA DE PESSOAS CONDENADAS TRATADO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE A TRANSFERÊNCIA DE PESSOAS CONDENADAS

Leia mais

CONSULADO-GERAL DE PORTUGAL EM MAPUTO

CONSULADO-GERAL DE PORTUGAL EM MAPUTO CONSULADO-GERAL DE PORTUGAL EM MAPUTO 5.MAIO.2017 CESSAÇÃO DA EMISSÃO DE VISTOS SCHENGEN A CIDADÃOS DE ESTADOS-MEMBROS DO ESPAÇO SCHENGEN DETENTORES DE DUPLA NACIONALIDADE (MOÇAMBICANA OU OUTRA) PROCEDIMENTOS

Leia mais

1. A presente norma transitória reguladora aplica-se aos procedimentos inerentes ao pedido de inscrição e atribuição do cartão de leitor.

1. A presente norma transitória reguladora aplica-se aos procedimentos inerentes ao pedido de inscrição e atribuição do cartão de leitor. Capítulo I DEFINIÇÃO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. A presente norma transitória reguladora aplica-se aos procedimentos inerentes ao pedido de inscrição e atribuição do cartão de leitor. 2. Entende-se por inscrição

Leia mais

LEI DE REGÊNCIA. Decreto n /66 Lei Uniforme. Lei Federal n /85 Lei do Cheque. Resolução n /2011 do Banco Central do Brasil

LEI DE REGÊNCIA. Decreto n /66 Lei Uniforme. Lei Federal n /85 Lei do Cheque. Resolução n /2011 do Banco Central do Brasil CHEQUE LEI DE REGÊNCIA Decreto n. 57.595/66 Lei Uniforme Lei Federal n. 7.357/85 Lei do Cheque Resolução n. 3.972/2011 do Banco Central do Brasil HISTÓRIA IDADE MÉDIA depósito de ouro nos ourives, que

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO CONCURSO EXTERNO DE INGRESSO NA CARREIRA DE INSPETOR SUPERIOR DE JOGOS

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO CONCURSO EXTERNO DE INGRESSO NA CARREIRA DE INSPETOR SUPERIOR DE JOGOS DRH V2 2015.05.12 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO CONCURSO EXTERNO DE INGRESSO NA CARREIRA DE INSPETOR SUPERIOR DE JOGOS CÓDIGO DE PUBLICITAÇÃO DO CONCURSO Código da publicitação do procedimento [N.º Aviso

Leia mais

Convite à apresentação de propostas de iniciativas ou projetos a integrar na Plataforma eletrónica da Campanha Juntos contra a Fome!

Convite à apresentação de propostas de iniciativas ou projetos a integrar na Plataforma eletrónica da Campanha Juntos contra a Fome! Convite à apresentação de propostas de iniciativas ou projetos a integrar na Plataforma eletrónica da Campanha Juntos contra a Fome! Anexo - 2 Ficha de apresentação do proponente Por cada candidatura devem

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA RECOMENDAÇÃO-IG-2/2016

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA RECOMENDAÇÃO-IG-2/2016 PA 538/2015 RECOMENDAÇÃO-IG-2/2016 Assunto: Cumprimento de mandado de condução a estabelecimento hospital de portador de deficiência psíquica grave 1 - Na sequência de uma exposição de cidadão, foi determinada

Leia mais

REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CARTOGRAFIA PEDIDO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CARTOGRAFIA PEDIDO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA 1/5 REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CARTOGRAFIA PEDIDO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Despacho: Espaço reservado aos serviços Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exm.º Sr. Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

1. DIREITOS DE NACIONALIDADE

1. DIREITOS DE NACIONALIDADE 1. DIREITOS DE NACIONALIDADE CONCEITO: vínculo jurídico político que se estabelece entre um indivíduo e um Estado e o torna membro do POVO. POVO = POPULAÇÃO? 1. ESPÉCIES DE NACIONALIDADE ORIGINÁRIA ou

Leia mais

Nacionalidade Alemã I. CONDIÇÕES PARA OBTENÇÃO

Nacionalidade Alemã I. CONDIÇÕES PARA OBTENÇÃO A Embaixada e os Consulados Gerais da República Federal da Alemanha no Brasil 1 informam: Gz.: RK 10 512 (Porto Alegre) Em: 28.08.2007 Nacionalidade Alemã I. CONDIÇÕES PARA OBTENÇÃO 1. Nascimento 1.1 ser

Leia mais

Acordos sobre Estabelecimento de Requisitos Comuns Máximos para a Instrução de Processos de Visto de Curta Duração

Acordos sobre Estabelecimento de Requisitos Comuns Máximos para a Instrução de Processos de Visto de Curta Duração Acordos sobre Estabelecimento de Requisitos Comuns Máximos para a Instrução de Processos de Visto de Curta Duração e-mail: geral@info-angola.com portal: www.info-angola.com Página 1 / 5 Considerando que

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INÍCIO DE OBRA

COMUNICAÇÃO DE INÍCIO DE OBRA 1/5 Despacho: Espaço reservado aos serviços COMUNICAÇÃO DE INÍCIO DE OBRA Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome), contribuinte (pessoa singular

Leia mais

Direitos Reais. Programa

Direitos Reais. Programa Direitos Reais Programa Pedro Caetano Nunes 2014/2015 (1) Corresponde ao Programa da disciplina de Direitos Reais, tal como definido pelo Professor Doutor Rui Pinto Duarte quando foi regente desta disciplina

Leia mais

Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014

Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014 Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014 Norma Estadual - Mato Grosso do Sul Publicado no DOE em 24 out 2014 Regulamenta dispositivos da Lei n. 11.959, de 29 de junho de 2009 relativo ao registro dos pescadores

Leia mais