Fundações Profundas:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundações Profundas:"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE: Curso: Fundações Profundas: Tubulões Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, abril de

2 Fundações Profundas: Tubulões A altura H (embutimento) mínimo recomendado por norma 4 m 1- Tipos de tubulões: A - A Céu aberto: - sem escoramento; - com escoramento. B Pneumático: - Com revestimento metálico; - Com revestimento de concreto. - Métodos de perfuração - Manual (sarrilho + balde + pá + picareta); - mecânico (perfuratriz). Obs: A abertura mecanizada só do fuste, pois a base deverá ser feita manualmente. 3- Detalhe genérico do tubulão: Vista em planta: Onde: F B F Diâmetro do fuste B Diâmetro da base H Altura da base V a Volume de Alargamento

3 60 Vista em corte: F Armadura de coroamento Concreto Va H Rodapé 0,1 a 0, m B 4- Tipos principais: A Tubulão a céu aberto: A.1 Sem escoramento: Nada mais é do que um poço onde na cota de apoio, cria-se uma base e posteriormente a sua abertura, concreta-se o conjunto, constituído de fuste, base e armadura de coroamento. Características gerais: - Escavado manualmente; - φ mínimo do fuste para escavação manual 0,70 m; - Ângulo de 60º é suficiente para que não tenha necessidade de colocação de armadura na base; - Só para receber esforços verticais; - Executado somente acima do lençol freático (N.A.); - Executado em solos coesivos; - Concreto utilizado pode ser o ciclópico. 3

4 A. Com escoramento: A..1 Tipo Chicago: 1,5 a,0 m Anéis metálicos Pranchas de madeira (sarrafos) Diâmetro do fuste Prancha de madeira (sarrafos) Anel Metálico Características gerais: - Escoramento das paredes do fuste é feito com madeira preso por anéis metálicos; - Elementos de escoramento podem ou não ser recuperados durante a concretagem; - Elementos de escoramento, são utilizados em trechos onde o solo é de baixa consistência; - Só para receber esforços verticais; - Executado somente acima do lençol freático (N.A.); - Concreto utilizado pode ser o ciclópico. 4

5 A.. Tipo Gow:,0 m Anéis metálicos (Telescópicos) 1/" Ø Mín 0,8 m Características gerais: - Escoramentos laterais da parede do fuste, são executados com anéis metálicos telescópicos, cravados por percussão; - Elementos de escoramento são recuperados durante a concretagem; - Só para receber esforços verticais; - Executado somente acima do lençol freático (N.A.); - Concreto utilizado pode ser o ciclópico. Nota importante: Os tubulões a céu aberto são considerados o tipo de fundação mais barata, dentro das fundações profundas. B Tubulão pneumático: Generalidades: - As cotas de apoio das bases dos tubulões, são executadas abaixo do lençol freático. (N.A.); - As condições de trabalho normais para elemento humano e de 3 atm (30 m.c.a); - Rebaixamento do N.A. é feito sob pressão, com auxílio de ar comprimido. 5

6 - Revestimento das paredes do fuste pode ser feito com anéis de concreto ou anéis metálicos. B.1 Tipo Benoto: - Executado com cravação mecânica de tubo metálico de espessura ¼ ; - Diâmetro do tubo é igual ao diâmetro do fuste; - concreto utilizado pode ser o ciclópico e o utilizado para a concretagem do fuste pode ter um fck 9,5 MPa (95 kgf / cm ), pois o tubo metálico de aço é considerado como um reforço para os esforços de compressão. - Escavação após a cravação do tubo é feita manualmente. 6

7 Treliça para coloção da campânula e do tubo metálico Peso Cinta metálica Tubo metálico Solda para emenda Braço Máquina Benoto Rotação Peso 7

8 B. Tipo Pneumático: (anel de concreto) Características gerais: - Revestimento das paredes laterais do fuste é feito com anéis de concreto com diâmetro externo igual ao diâmetro do fuste. - Os anéis de concreto, movem-se verticalmente pelo peso próprio; - Escavação é feita manualmente; - As escavações feitas abaixo do N.A. são feitas manualmente com o auxílio de uma campânula; - O diâmetro interno 0,70 m (diâmetro do fuste). Detalhe construtivo: 8

9 Campânula Ar Comprimido Anel de Concreto,0 a 3,0 m N.A. Detalhe construtivo da campânula de compressão: Cachimbo de armadura Porta Cachimbo de Concretagem Cachimbo para retirada de solo Ar Comprimido 9

10 60 Considerações da NB 51/78: (recomendações) 1- Os centros de gravidade da área do fuste e da base devem coincidir com o ponto de aplicação da carga do pilar, (exceto em pilar de divisa), e em qualquer caso os centros de gravidade da área da base e do fuste devem coincidir. - No caso de tubulão sem revestimento, o coeficiente de minoração da resistência do concreto γ c deve ser tomado igual a 1,6 tendo em vista as condições de concretagem, com revestimento γ c 1,5. 3- Desde que a base esteja embutida em material idêntico ao do apoio, num mínimo de 0 cm, o ângulo α pode ser adotado igual a 60º independente da pressão admitida de armadura de base. 4- A altura do alargamento da base (H) não deve ser superior a,0 m, a não ser em casos plenamente justificados. 5- O peso próprio do tubulão não é considerado nos cálculos, pois na fixação da tensão admissível do solo, na cota de apoio, supõe-se a resistência lateral ao longo do fuste igual ao peso próprio do tubulão. A- Pilar isolado Pilar Bloco de transição F Va H 0, m (Rodapé) B Vista em planta: Onde: F B F Diâmetro do fuste Diâmetro B Diâmetro da base Diâmetro H Altura da base 10

11 O fuste deve ser dimensionado com pilar, ou seja, peça estrutural de concreto submetida a uma compressão. Adota-se coeficiente de majoração de carga γ f 1,4. Adota-se coeficiente de minoração de resistência do concreto (γ c ). Sem revestimento: γ c 1,6 Com revestimento: γ c 1,5 Multiplica-se a resistência característica do concreto pelo coeficiente de 0,85 para levar em conta a diferença entre resultados de ensaios rápidos de laboratório e a resistência do concreto sob a ação de cargas de longa duração. F 4 (1,4 P) fck π 0, 85 γ C Diâmetro do fuste A base é calculada para que não ultrapasse a tensão admissível do solo na cota de apoio do tubulão. B 4 P π σ S Diâmetro da base A altura H do alargamento é função da inclinação α que por sua vez deve ser tal que não haja necessidade de introdução de ferragem na base. H B F tgα Altura da base; ondeα 60º Exemplo nº 01: Dimensionar um tubulão para uma carga P 55 t, com um concreto 100 kgf / cm e um solo com σ s 50 tf / m na cota de apoio da base, sendo um pilar isolado, admitir tubulão com revestimento. F 4 (1,4 P) fck π 0,85 γ C 4 (1,4 55) 1000 π 0,85 1,5 0,89 0,90m B 4 P π σ S 4 5 π 50,54m,55m 11

12 B F,55 0,90,55 0,90 H tgα tg60º 1,73 1,4m 1, 45m F 0,90 m 0,0 m H 1,45 m F 0,90 m B,55 m B,55m Onde: VB 4,16m 3 F 0,90 m B,55 m H 1,45 m Como calcular o volume para a base circular (VB): r R h h V 1 π ( R + r + R r) 3 V π R h0 ho V TOTAL V + V VB 1 R H h + ho; onde h altura do rodapé 0 r V1 V Base do tipo comum circular 1

13 Exemplo nº 0: Pilar isolado Seção de 0,80 X 0,60 m Carga P 840 tf fck do concreto 95 kgf / cm 9,5 MPa 950 tf / m σ s 6,0 kgf/cm Admitir tubulão a céu aberto sem revestimento. 13

14 B- Pilar de divisa (alavancado) Não se executa tubulão com base circular, porque a excentricidade da peça seria muito grande. Usamos alargamento da base na forma de falsa elipse: 1 retângulo semicírculos Viga alavanca ou de equilíbrio A distância do centro do fuste a base da divisa, a, deve se situar no intervalo de: 1, a 1,5 m Uma vez escolhido o valor de a a excentricidade esta definida: b a e a,5cm Onde: b a menor dimensão do pilar /,5 cm folga R 1 P l l e 1 R ΔP P Onde : Δ P R1 P1 A falsa elipse, composta de um retângulo e dois semicírculos, é calculada de tal forma que a área total, A, transmita carga para o solo, em função de sua pressão admissível, assim, conhecendo-se esta área A, calcula-se o disparo X. R1 π B A A + B X σ 4 S A π X B B 4 Onde B a (Por causa das limitações de espaço) A altura deve ser calculada de tal forma que na maior dimensão seja respeitado o ângulo de 60º com a horizontal. B + X F H tg60º Deve-se limitar o disparo X no máximo ao diâmetro dos semicírculos: X B Os centros de gravidade das áreas do fuste e da base devem estar sobre o eixo da viga alavanca. 14

15 Observar a ilustração com muita atenção! a e f X P1 P Esquema Estático : l DIVISA P1 P R1 R e R1 R l 15

16 Exemplo nº 03: Dados Pilar de divisa: fck do concreto 100 kgf / cm 10 MPa 1000 tf / m σ s 6,0 kgf/cm Admitir tubulão a céu aberto sem revestimento.,5 cm (folga) 6,00 P1 35 tf P 430 tf Divisa 1,0 1,0 0,50 0,60 Dimensionamento do P1: a 1,0 m (adotado) (de 1, a 1,5 m) e a,5 cm b a / (ba: menor dimensão do pilar) e 1,0 0,05 0,50 / 0,95 m P1 l R1 384, 3tf l e 6 0,95 5,075 R1 A σ S 384,3 6,40m 60 B a 1,0m, 40m A π 6,40 π X B,40 0,77 0, 80m B 4,40 4 Mas, X B. Portanto OK! 16

17 F 4 (1,4 P) fck π 0,85 γ C 4 (1,4 384,3) 1000 π 0,85 1,6 1,13 1,15m ( neste caso : P R 1 ) B + X F,40 + 0,80 1,15 H tgα tg60º 1,77 1, 80m F 1,15 m VB 6,55m 3 X 0,80 m B,40 m Dimensionamento do P: ΔP (384,3 35) R P , 38tf F 4 (1,4 P) fck π 0,85 γ C 4 (1,4 400,38) 1000 π 0,85 1,6 4,1 1668,1 1,15m B 4 P π σ S 4 400,38 π 60,91m,95m B F,95 1,15,95 1,15 H tgα tg60º 1,73 1, 55m F 1,15 m B,95 m h V 1 π ( R + r + R r) 3 V π R V h0 TOTAL BASE V1 + V VB, 11 H h + ho 6 m 3 17

18 Como calcular o volume para a base falsa elipse (VB): r h V 1 π ( R + r + R r) 3 x h V ( R + r) h V ( h 3 π R + R r) 0 R R V TOTAL V V V3 ho R r R V1 V x V3 H h + ho; onde h altura do rodapé 0 Base do tipo "falsa elipse" 18

19 Exemplo nº 04: Dados Pilar de divisa: fck do concreto 100 kgf / cm 10 MPa 1000 tf / m σ s 6,0 kgf / cm 60 tf / m Admitir tubulão a céu aberto sem revestimento.,5 cm (folga) 4,00 P1 400 tf P 300 tf Divisa 0,6 0,3 0,3 0,3 19

20 C- Tubulão de pilares próximos: Conselhos importantes: Não associar fundação de dois ou mais pilares com um único tubulão. Ocorrendo superposição das áreas da base, deve-se utilizar falsa elipse. Observações gerais: A. Caso os pilares estejam tão próximos que não seja possível a solução trivial, afastase o centro de gravidade dos tubulões e introduz-se uma viga de ligação. Viga de Interligação Solução trivial comum B. Para pilares muito longos em seção transversal é aconselhável a utilização de dois tubulões na forma de falsa elipse. (l >,00 m). Podem Encostar Pilar l Viga de Interligação C. Na mesma cota de apoio: os tubulões podem encostas as suas bases. Cota de apoio Podem encostar 0

21 Exemplo nº 05: Dados Pilares próximos: fck do concreto 100 kgf / cm 10 MPa 1000 tf / m σ s 5,0 kgf / cm 50 tf / m Admitir tubulão a céu aberto com revestimento. P1 560 tf P 560 tf 0,60 0,60 0,60 0,60,00 Como os pilares são próximos e as bases dos tubulões irão se sobrepor, devemos utilizar base na forma de falsa elipse, afastando o centro de gravidade do tubulão em relação ao centro de gravidade do pilar introduzindo a viga de rigidez. F 4 (1,4 P) fck π 0,85 γ C 4 (1,4 560) 1000 π 0,85 1,5 1,33 1,35m P A σ S ,0m 50 Impondo X B para que a base do tubulão fique o mais parecido a uma circunferência. 4 A 4 11, X B,51m, 55m π + 4 π + 4 Altura da base B + X F,55 +,55 1,35 H tgα tg60º 3,4 3, 5m,00 1,00 1,00 Viga de Rigidez,55 1,35 H 3,5 m,55,55 1

22 D- Em cotas diferentes: α : Deve respeitar Para solo 60º Para rocha 30º a E- Pilares de divisa com pequenas cargas: Nestes casos geralmente o disparo x da valor negativo, e a melhor solução é um tubulão na forma de cachimbo com armadura de fretagem, ou seja, sem coroamento, somente com bloco circular com diâmetro do fuste. A A 0,4 0,4 0,4 Armadura do Pilar F 0,80 m B 0,80 x 1,0 m H 0,70 m Corte A-A Bloco de Fretagem 0, 0,7 Dimensões mínimas para escavação manual 1,0

23 Anexo-01: Projeto Tubulões 01 Projeto Tubulões 0 3

24 1º Projeto Tubulões: Dado o perfil de sondagem abaixo: a- Determinar a cota de apoio do tubulão (Tubulão a céu aberto sem revestimento). b- Determinar a tensão admissível do solo na cota de apoio do tubulão. c- Dimensionar os tubulões dos pilares na planta em anexo. d- Calcular o provável volume de escavação. SPT Descrição do material ( m ) Argila silto arenosa, mole a rija, vermelha clara/escura. (solo residual) /1 I.P. Argila silto arenosa, dura, variegada, vermelha clara/escura, amarela escura. (solo residual) I.P. Impenetrável a percussão N.A 6, Obs-01: Admitir fck do concreto 135 kgf/cm Obs-0: Para calcular o volume de escavação, montar um tabela de resumo de cálculos. Obs-03: VF Volume do fuste VB Volume da base VT VF + VB Tabela: Resumo dos cálculos: Pilar Nº Carga (tf) B (m) F (m) H (m) VF (m 3 ) VB (m 3 ) VT (m 3 ) Volume total escavado m 3 4

25 º Projeto Tubulões: Dado o perfil de sondagem abaixo: a Determinar a cota de apoio do tubulão (Tubulão a céu aberto sem revestimento). b Determinar a tensão admissível do solo na cota de apoio do tubulão. c Dimensionar os tubulões dos pilares na planta em anexo. d Calcular o provável volume de escavação. e Calcular o provável volume de concreto (concreto fck 135 kgf/cm ) SPT Descrição do material ( m ) Argila silto arenosa, mole a rija, vermelha clara/escura. (solo residual) Argila silto arenosa, variegada, vermelha clara/escura, amarela clara. (solo residual) / 30/1 I.P. Argila silto arenosa, com fragmentos de rocha em decomposição, variegada, vermelha clara, amarela clara, preta. (solo saprolítico) I.P. Impenetrável a percussão 6.00 N.A Obs-01: Admitir cota de arrasamento do concreto 0,7 m da superfície Obs-0: Para calcular o volume de escavação, montar um tabela de resumo de cálculos. Obs-03: VF Volume do fuste VB Volume da base VT VF + VB 5

26 Tabela: Resumo dos cálculos: Pilar Nº PT PT Carga (tf) B (m) F (m) H (m) VF (m 3 ) VB (m 3 ) VT (m 3 ) Volume total escavado m 3 6

27 Anexo-0: Locação dos pilares Projeto Tubulões 01 Locação dos pilares Projeto Tubulões 0 Locação dos pilares Projeto Tubulões 03 Volumes de escavação 7

28

29

30

31 CÁLCULO DO VOLUME DA BASE DOS TUBULÕES r h V 1 π ( R + r + R r) 3 x h V ( R + r) h V ( h 3 π R + R r) 0 R R V TOTAL V V V3 ho R r R V1 V x V3 Base do tipo "falsa elipse" r h h V 1 π ( R + r + R r) 3 R V π R h0 ho V TOTAL V 1 + V R r V1 V Base do tipo comum (circular)

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação 2 Escolha do tipo de fundação Americana, junho de 2005 0 Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação Americana, junho de

Leia mais

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT AULA 5 NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT março 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Relação

Leia mais

UNIVERSIDADE: Curso: Fundações Rasas: Sapatas. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio. Data: Americana, março de 2004.

UNIVERSIDADE: Curso: Fundações Rasas: Sapatas. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio. Data: Americana, março de 2004. UNIVERSIDDE: Curso: Fundações Rasas: Sapatas luno: R: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: mericana, março de 004. FUNDÇÕES RSS - Fundações rasas ou diretas (SPTS) s sapatas

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Cristóvão C. C. Cordeiro Fundações usuais em relação ao porte dos edifícios Pequenos edifícios (casas e sobrados) pequenas cargas Rasas Blocos e alicerces,

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO NBR 6122/1996

Leia mais

Tubulão TIPOS/MODELOS. De acordo com o método de escavação os tubulões se classificam em: a céu aberto e ar comprimido.

Tubulão TIPOS/MODELOS. De acordo com o método de escavação os tubulões se classificam em: a céu aberto e ar comprimido. Tubulão CONCEITO São fundações de forma cilíndrica com base alargada ou não, que resistem por compressão a cargas elevadas. São compostos por três partes: cabeça, fuste e base. A cabeça é executada em

Leia mais

Os principais tipos de fundações profundas são:

Os principais tipos de fundações profundas são: 3.4 - FUNDAÇÕES INDIRETAS OU PROFUNDAS Os principais tipos de fundações profundas são: 3.4.1 - Estacas São peças alongadas, cilíndricas ou prismáticas, cravadas ou confeccionadas no solo, essencialmente

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Fundações Diretas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Introdução: Todo peso de uma obra é transferido para o terreno em que a mesma é apoiada. Os esforços produzidos

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas

Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas a decisão de qual fundação se comporta melhor envolve a análise técnica, logística e econômica. Tipos de fundações D B 2,5 D B 2,5 e D 3m Tipos de fundações

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO TUBULÕES A CÉU ABERTO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-06/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a cravação e

Leia mais

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 O que são?: São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS TUBULÕES A CÉU ABERTO E A AR COMPRIMIDO

FUNDAÇÕES PROFUNDAS TUBULÕES A CÉU ABERTO E A AR COMPRIMIDO FUNDAÇÕES PROFUNDAS TUBULÕES A CÉU ABERTO E A AR COMPRIMIDO Introdução TUBULÕES Tubulão é um tipo de fundação profunda, caracterizado por transmitir a carga da estrutura ao solo resistente, por compressão

Leia mais

FUNDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FUNDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I O QUE SÃO FUNDAÇÕES? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas. Métodos Dinâmicos

AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas. Métodos Dinâmicos AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas Métodos Dinâmicos maio/ 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Avaliação da capacidade de carga de estacas Método - Fórmulas

Leia mais

LT 500 kv ESTREITO FERNÃO DIAS CD PROJETO BÁSICO

LT 500 kv ESTREITO FERNÃO DIAS CD PROJETO BÁSICO PROJETO BÁSICO CAPÍTULO 14 FUNDAÇÕES Capítulo 14 Pág.1/22 CONTEÚDO 1. CRITÉRIOS DE PROJETO 1.1 Introdução 1.2 Normas Aplicáveis 2. PARÂMETROS GEOTÉCNICOS 2.1 Introdução 2.2 Solo Tipo I 2.3 Solo Tipo II

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÃO TEORIA EC8P30/EC9P30 FUNDAÇÕES PROFUNDAS 1 semestre/2012 1. ESTACAS DE DESLOCAMENTO São aquelas introduzidas no terreno através de algum processo

Leia mais

UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília. ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL

UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília. ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL

Leia mais

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio UNIVERSIDADE: Curso: Fundações: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, agosto de 2004. 0 FUNDAÇÕES:

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas.

As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas. Memória de cálculo de fundações 1. Classificação As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas. As fundações rasas podem ser sapatas (isoladas ou corridas) e radiers

Leia mais

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação PCC-2435 ecnologia da Construção de Edifícios I FUNDAÇÕES AULAS 5 e 6 DEPARAMENO DE ENGENHARIA DE CONSRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - ecnologia da Construção de Edifícios I Profs. Luiz Sergio Franco, Mercia M.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONCEITO Estacas são importantes e comuns elementos

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tipos de fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Tipos de

Leia mais

Construção Civil I Execução de Fundações Indiretas

Construção Civil I Execução de Fundações Indiretas Construção Civil I Execução de Fundações Indiretas Estaca a Trado Rotativo O trado é cravado no solo por meio de um torque; Quando o trado está cheio, é sacado e retirado o solo; Quando a cota de assentamento

Leia mais

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações 1. MÉTODOS DIRETOS Os métodos diretos englobam todas as investigações que possibilitam a visualização do perfil e retirada de amostra. Os procedimentos de investigação são bem definidos nas normas ABNT

Leia mais

Unidade: Fundações. Unidade I:

Unidade: Fundações. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Fundações 1 Definição Fundações são elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente de solo. Possuem inegável importância estrutural

Leia mais

ASC. Prof. Danilo Toledo Ramos

ASC. Prof. Danilo Toledo Ramos ASC Prof. Danilo Toledo Ramos Fundações Profundas (Indiretas) Segundo a NBR 6122/1996: Elementos de fundação que transmitem a carga ao terreno pela base (resistência de ponta), por sua superfície lateral

Leia mais

FUNDAÇÕES CLASSIFICAÇÃO DAS FUNDAÇÕES

FUNDAÇÕES CLASSIFICAÇÃO DAS FUNDAÇÕES 1 FUNDAÇÕES Elemento da estrutura encarregado de transmitir as cargas da edificação ao solo diretas, indiretas superficiais (rasas), profundas CLASSIFICAÇÃO DAS FUNDAÇÕES BLOCOS DE FUNDAÇÃO SUPERFICIAIS

Leia mais

13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação

13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação Mecânica dos Solos e Fundações PEF a Aula Escolha do Tipo de Fundação Considerações Iniciais Dados: Planta de pilares Cargas Perfil de solo Verificação da ordem de grandeza das cargas apresentadas pelo

Leia mais

17:44. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1)

17:44. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1) FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1) Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações indiretas profundas 1.Pré-moldadas 2.Moldadasin loco Prof. Dr. Marcelo

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. Capacidade de carga de fundações profundas. 29/04/ 2014 Disciplina - Fundações

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. Capacidade de carga de fundações profundas. 29/04/ 2014 Disciplina - Fundações FUNDAÇÕES PROFUNDAS Capacidade de carga de fundações profundas 29/04/ 2014 Disciplina - Fundações Métodos Diretos para Cálculo da Capacidade de Carga por meio do SPT. Métodos Direto Semi Empíricos - Estatísiticos

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 3 2 DIRETRIZES DE CÁLCULO 3 3 MATERIAIS 3 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 5 GERADOR DE IMPULSO E DIVISOR DE TENSÃO DE 6,4 MV 4

1 INTRODUÇÃO 3 2 DIRETRIZES DE CÁLCULO 3 3 MATERIAIS 3 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 5 GERADOR DE IMPULSO E DIVISOR DE TENSÃO DE 6,4 MV 4 Documento: Cliente: MEMÓRIA DE CÁLCULO CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS LDIST-ST-A4-002-0 Pag: 1 of 32 Título: EQUIPAMENTOS E FUNDAÇÕES PARA PÓRTICOS TECHNIP ENGENHARIA

Leia mais

Certificado de Registro (Averbação) INFRAESTRUTURA FUNDAÇÕES DESCRIÇÃO: 1. NOÇÃO DE APLICAÇÕES DE FUNDAÇÕES DIRETAS E INDIRETAS.

Certificado de Registro (Averbação) INFRAESTRUTURA FUNDAÇÕES DESCRIÇÃO: 1. NOÇÃO DE APLICAÇÕES DE FUNDAÇÕES DIRETAS E INDIRETAS. Certificado de Registro (Averbação) DESCRIÇÃO: 1. NOÇÃO DE APLICAÇÕES DE FUNDAÇÕES DIRETAS E INDIRETAS. 02. NORMAS TÉCNICAS DE FUNDAÇÕES. 03. NOÇÕES DE INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE FUNDAÇÕES. 04. LOCAÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 10 Introdução às Fundações Profundas, 227. Capítulo 11 Principais Tipos de Fundações Profundas, 235

SUMÁRIO. Capítulo 10 Introdução às Fundações Profundas, 227. Capítulo 11 Principais Tipos de Fundações Profundas, 235 SUMÁRIO Capítulo 10 Introdução às Fundações Profundas, 227 10.1 conceitos e definições............................................................... 227 10.2 breve histórico......................................................................

Leia mais

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Introdução Elementos Estruturais - ESQUEMA Introdução Escolha do tipo de fundação Custo da etapa de fundações varia entre 3% e 7% do custo total do empreendimento;

Leia mais

O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES?

O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES? O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES? Sob a ótica do... Projetista estrutural Consultor de fundações Executor das fundações Equipe de obra Gerenciador da obra Proprietário da obra Empreendedor/investidor Órgãos

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS METÁLICAS Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-08/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a utilização de estacas

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil I Fundações Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Considerações Preliminares Para se optar por uma

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil CAP. XV ESTACAS CRAVADAS 1/47 1. INTRODUÇÃO 2/47 1 1. INTRODUÇÃO Pré-fabricadas Estacas cravadas Fundações indirectas (profundas) Alternativa às estacas moldadas 3/47 1. INTRODUÇÃO Processo pouco utilizado

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-10/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais

Eng Mauro Hernandez Lozano

Eng Mauro Hernandez Lozano 3. Fundações É o sistema de apoio de uma estrutura qualquer no solo ou rocha de maneira a obter segurança em relação a dois condicionantes fundamentais: - Ruptura: representa a situação limite de resistência

Leia mais

Documentos de consulta: projetos de escavação, fundação, estrutura e hidrossanitário

Documentos de consulta: projetos de escavação, fundação, estrutura e hidrossanitário 1 NI 002 Norma técnica: NBR 6122:2010 Documentos de consulta: projetos de escavação, fundação, estrutura e hidrossanitário Predecessores de execução: Movimentação de terra, contenção (definitiva ou provisória),

Leia mais

Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2

Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2 Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2 1 Universidade de Uberaba / andersonaf@outlook.com 2 Universidade de Uberaba / tulio.acerbi@gmail.com

Leia mais

Tipos de Fundações. Tipos de Fundações. Fundações. Tubulões à ar comprimido - exemplos:

Tipos de Fundações. Tipos de Fundações. Fundações. Tubulões à ar comprimido - exemplos: Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tubulões à ar comprimido - exemplos: Fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com

Leia mais

AULA 4. Fig. 11 Fundações. Fonte: Revista Arquitetura e construção, Jun. 2003.

AULA 4. Fig. 11 Fundações. Fonte: Revista Arquitetura e construção, Jun. 2003. Tecnologia das Construções I AULA 4 Universidade da Amazônia - UNAMA Agora vamos identifi car os tipos de fundações que são usadas em nossas construções, pois sua importância é muito grande, já que toda

Leia mais

Projetos de Fundação

Projetos de Fundação Projetos de Fundação PROF. LUIS FERNANDO P. SALES Engenheiro Civil - Mestre em Geotecnia CREA/SC 039.164-3 TERMINOLOGIA: SEMINÁRIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES AREA/IT 20 DE AGOSTO DE 2014 Fundação

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Assunto: Fundações Indiretas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 7 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Classificação: Fundações

Leia mais

3 - FUNDAÇÕES CONVENCIONAIS

3 - FUNDAÇÕES CONVENCIONAIS 3 - FUNDAÇÕES CONVENCIONAIS APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar um perfil de sondagem; Saber escolher a

Leia mais

Estaca Strauss CONCEITO

Estaca Strauss CONCEITO CONCEITO A estaca Strauss é uma fundação de concreto (simples ou armado), moldada no local e executada com revestimento metálico recuperável. Pode ser empregada em locais confinados ou terrenos acidentados,

Leia mais

Marinho, F. Mecânica dos Solos e Fundações USP (2008)

Marinho, F. Mecânica dos Solos e Fundações USP (2008) Marinho, F. Mecânica dos Solos e Fundações USP (2008) 5. 1. 3 - Estacas Escavadas - Sem Deslocamento Estacas Escavadas Assim se denomina a estaca em que, com auxílio de lama bentonítica (se for o caso),

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO TUBULÕES A AR COMPRIMIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a cravação

Leia mais

Manual de Estruturas. Conceitos. Parâmetros para a escolha. Fundação superficial. Fundação profunda. Características das fundações.

Manual de Estruturas. Conceitos. Parâmetros para a escolha. Fundação superficial. Fundação profunda. Características das fundações. Fundação Conceitos Definição Parâmetros para a escolha da fundação Topografia da área Características do maciço do solo Dados da estrutura Dados sobre as construções vizinhas Aspectos econômicos Fundação

Leia mais

17:46. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 2)

17:46. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 2) FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 2) Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações indiretas profundas 1. Pré-moldadas 2. Moldadas in loco Prof. Dr. Marcelo

Leia mais

ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv. Rubens Ashcar CTEEP

ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv. Rubens Ashcar CTEEP IX/FI-22.7 COMITÊ 22 LINHAS AÉREAS DE ALTA TENSÃO ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv Rubens Ashcar CTEEP RESUMO Este trabalho apresenta a economia obtida nas

Leia mais

5.2 Escolha do Tipo de Estaca

5.2 Escolha do Tipo de Estaca 5.2 Escolha do Tipo de Estaca Segundo SIMONS e MENZIES, são considerados os seguintes aspectos relativos ao projeto de estacas: 1. Tipos de estacas 2. Estacas em solos coesivos 3. Estacas em solos granulares

Leia mais

Engº Civil Bruno Rocha Aula Locação / Fundações

Engº Civil Bruno Rocha Aula Locação / Fundações Engº Civil Bruno Rocha Aula Locação / Fundações Etapa da obra que começamos a transferir o que esta no papel (projetos) para a realidade. Essa etapa é fundamental para garantir a correta execução da obra.

Leia mais

SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes

SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes Engº José Luiz de Paula Eduardo Engº Roberto Nahas I - ESCOLHA DO TIPO DE FUNDAÇÃO I - ESCOLHA DO TIPO DE FUNDAÇÃO 1.Elementos

Leia mais

ESTACAS PRÉ-FABRICADAS DE CONCRETO (CONTROLES ELEMENTO DE FUNDAÇÃO) Eng o Celso Nogueira Correa CONTROLE DE CRAVAÇÃO DE ESTACAS PRÉ-MOLDADAS Análise do projeto Contratação (estaca e equipamento) Locação

Leia mais

FUNDAÇÕES. Prof. Amison de Santana Silva

FUNDAÇÕES. Prof. Amison de Santana Silva FUNDAÇÕES Prof. Amison de Santana Silva O QUE É? PARA QUE SERVE? - Trata-se do elemento estrutural que transmite ao terreno a carga de uma edificação. - Estudo preliminar para tomada de decisão: Cálculo

Leia mais

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 Frefer System Estruturas Metálicas Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 www.frefersystem.com.br A

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ALUNA: MARESSA M. DE FREITAS OLIVEIRA ORIENTADOR: PROF. JAIRO P. DE ARAÚJO ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES Mogi das Cruzes,SP

Leia mais

Edificações - fundações

Edificações - fundações MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL PAULO MARCOS DA SILVA JUNIOR

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL PAULO MARCOS DA SILVA JUNIOR UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL PAULO MARCOS DA SILVA JUNIOR Alguns erros de execução em Fundações Dezembro de 2006 PAULO MARCOS DA SILVA JUNIOR

Leia mais

UNINOVE Universidade Nove de Julho. Aula 07 Tubulões Prof: João Henrique

UNINOVE Universidade Nove de Julho. Aula 07 Tubulões Prof: João Henrique 1 Aula 07 Tubulões Prof: João Henrique Sumário Tubulões... 1 Definições... 1 Tubulões a ar comprimido... 1 Generalidades... 2 Dimensionamento... 3 Atividade 1... 6 Atividade 2... 7 Atividade 3... 8 Tubulões

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras.

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. 9.7 Notas sobre Desenhos de Projecto 9.7.1 Observações Gerais Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. Os desenhos de dimensionamento

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. Prof. Marco Pádua

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. Prof. Marco Pádua FUNDAÇÕES PROFUNDAS Prof. Marco Pádua Prevalecendo o comprimento sobre a seção essas estruturas de fundações são indicadas para solos argilosos e representadas pelas estacas e tubulões. 1) BATE-ESTACAS

Leia mais

MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA

MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA CONCEITO É uma estaca de pequeno diâmetro concretada in loco, cuja perfuração é realizada por rotação ou roto-percussão (no caso de rochas), em direção vertical ou inclinada. Utilizada para reforço de

Leia mais

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Rubenei Novais Souza Petrobras S/A Rio de Janeiro - Brasil RESUMO: O trabalho apresenta uma verificação expedita realizada em uma

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM Vitória, 19 de junho de 201 RELATÓRIO DE SONDAGEM CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KENNEDY OBRA/LOCAL: SANTA LUCIA - PRESIDENTE KENNEDY CONTRATO: ETFC.0..1.00 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...02 PERFIL

Leia mais

FUNDAÇÕES Edifícios Altos

FUNDAÇÕES Edifícios Altos PCC-2435 ecnologia da Construção de Edifícios I FUNDAÇÕES Edifícios Altos AULAS 7 e 8 DEPARAMENO DE ENGENHARIA DE CONSRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - ecnologia da Construção de Edifícios I Profs. Luiz Sergio Franco,

Leia mais

FUNDAÇÕES. SAP0653 Tecnologia das Construções II PROFESSORES: MÁRCIO M. FABRÍCIO JOÃO A. ROSSIGNOLO

FUNDAÇÕES. SAP0653 Tecnologia das Construções II PROFESSORES: MÁRCIO M. FABRÍCIO JOÃO A. ROSSIGNOLO FUNDAÇÕES SAP0653 Tecnologia das Construções II PROFESSORES: MÁRCIO M. FABRÍCIO JOÃO A. ROSSIGNOLO SUMÁRIO 1. TIPOS DE FUNDAÇÕES...1 1.1 Fundações Rasas ou Diretas (H B)...1 1.1.1. Blocos de Fundação...1

Leia mais

Geotecnia e Fundações, Arquitectura Geotecnia e Fundações, Arquitectura

Geotecnia e Fundações, Arquitectura Geotecnia e Fundações, Arquitectura Capítulo 5 (Cap. 6 Teoria) FUNDAÇÕES 1. Tipos de Fundações Fundações superficais D/B

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Fundações Indiretas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 6 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Classificação: b) fundações indireta ou profundas. de madeira Fundações Indiretas estacas de aço Pré-moldadas

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

5 Torres, Terrenos e Fundações Conceitos Gerais

5 Torres, Terrenos e Fundações Conceitos Gerais 5 Torres, Terrenos e Fundações Conceitos Gerais Definem-se e se descrevem, de maneira breve e geral, os elementos integrantes deste estudo, ou seja, os tipos de suportes mais comuns em projetos de linhas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL NOTAS DE AULAS MECÂNICA DOS SOLOS FUNDAÇÕES

CONSTRUÇÃO CIVIL NOTAS DE AULAS MECÂNICA DOS SOLOS FUNDAÇÕES CONSTRUÇÃO CIVIL NOTAS DE AULAS MECÂNICA DOS SOLOS FUNDAÇÕES 2010 1-32 Mecânica dos Solos Prof. Dorival Rosa Brito 1 FUNDAÇÕES I. INVESTIGAÇÃO GEOTÉCNICA A. CONSIDERAÇÕES GERAIS A investigação das propriedades

Leia mais

Fundações Profundas:

Fundações Profundas: UNIVERIDADE: Curso: Fundações Profundas: Estacas Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, junho de 2004. 0 ETACA: 01 CONIDERAÇÕE GERAI: ão consideradas

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA COBERTURA DE QUADRA POLIESPORTIVA

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

Obras-de-arte especiais - fundações

Obras-de-arte especiais - fundações MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 FUNDAÇÃO DIRETA... 3

FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 FUNDAÇÃO DIRETA... 3 1/1 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 FUNDAÇÃO DIRETA... 3 FUNDAÇÃO INDIRETA... 5 01 a 07 ESTACA E TUBULÃO... 9 a 15 FÔRMA... 21 16 PASSARELA DE SERVIÇO... 24 17 RAMPA DE ACESSO... 25 18

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 1 ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 2 ÍNDICE: 1) Estacas Hélice Continua 2) Provas de Carga Estática 3) Ensaios Dinâmicos

Leia mais

UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo

UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo Materiais e Tecnologia Construtiva I Prof. Angelo Just da Costa e Silva Escolha do terreno Demolição Limpeza do terreno CONCEITOS INICIAIS Instalações provisórias

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A):

RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A): RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A): Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT PUBLICAÇÃO: Reforsolo 2033/15

Leia mais