Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto"

Transcrição

1 B O C C I A REGULAMENTAÇÃO GERAL NACIONAL 2008/ INTRODUÇÃO Todos os intervenientes em competições de zona e nacionais, acções de formação e classificação médico - desportiva, deverão reger-se pelos normativos e indicações contidas neste documento. As alterações que se vierem a efectuar futuramente, serão dadas a conhecer, passando a vigorar a partir da data em que forem enviadas ESTRATÉGIA 2.1 Campeonato Nacional individual BC1, Zona Norte 2.2 Campeonato Nacional individual BC1, Zona Centro, Sul e Ilhas 2.3 Campeonato Nacional individual BC2, Zona Norte 2.4 Campeonato Nacional individual BC2, Zona Centro, Sul e Ilhas 2.5 Campeonato Nacional individual BC3, Zona Norte 2.6 Campeonato Nacional individual BC3, Zona Centro, Sul e Ilhas 2.7 Campeonato Nacional individual BC4, Zona Norte 2.8 Campeonato Nacional individual BC4, Zona Centro, Sul e Ilhas 2.9 Campeonato Nacional de Pares BC3, Zona Norte 2.10 Campeonato Nacional de Pares BC3, Zona Centro, Sul e Ilhas 2.11 Campeonato Nacional de Pares BC4, Zona Norte 2.12 Campeonato Nacional de Pares BC4, Zona Centro, Sul e Ilhas 2.13 Campeonato Nacional de Equipas BC1, BC2, Zona Norte 2.14 Campeonato Nacional de Equipas BC1, BC2, Zona Centro, Sul e Ilhas 2.15 Campeonato Nacional individual BC1 fase final 2.16 Campeonato Nacional individual BC2 fase final 2.17 Campeonato Nacional individual BC3 fase final 2.18 Campeonato Nacional individual BC4 fase final 2.19 Campeonato Nacional Pares BC3 fase final 2.20 Campeonato Nacional Pares BC4 fase final 2.21 Campeonato Nacional Equipas BC1, BC2 fase final 2.22 Campeonato de Portugal individual BC Campeonato de Portugal individual BC Campeonato de Portugal individual BC Campeonato de Portugal individual BC Campeonato de Portugal Pares BC Campeonato de Portugal Pares BC Campeonato de Portugal Equipas BC1, BC2 3. NORMAS GERAIS DA COMPETIÇÃO As competições de boccia desenrolar-se-ão de acordo com a última edição do Manual de Classificação e Regras da CPISRA (10ª edição), bem como pelos normativos incluídos neste regulamento. Em caso de dúvida ou desacordo na interpretação das regras, seguir-se-á a versão oficial portuguesa. Todas as situações omissas no presente regulamento resolver-se-ão do seguinte modo: a) Os casos de natureza geral, de acordo com a PCAND; b) As questões técnicas, de acordo com o Delegado Técnico nomeado pela PCAND. É da responsabilidade dos Clubes participantes, estarem familiarizados com os regulamentos anteriormente citados. As competições desenrolar-se-ão procurando permitir a recuperação dos jogadores entre jogos. Assim, os calendários serão elaborados por forma a que cada jogador descanse o máximo possível, com um mínimo de 15 minutos entre dois jogos, em situações extremas.

2 4. COMPETÊNCIAS DA PCAND: 1. Enviar atempadamente comunicados técnicos e fichas de inscrição de cada competição e proceder à sua recepção, após preenchimento; 2. Fornecer aos organizadores locais a relação dos inscritos e elaborar as séries de competidores em cada evento, de acordo com o formato da competição; 3. Nomear um delegado técnico, responsável pelo cumprimento das normas e bom funcionamento, em cada competição; 4. Designar um Árbitro Principal e os árbitros necessários para cada competição; 4. Receber o pagamento que compete aos Clubes referente a alimentação e possível alojamento e proceder aos pagamentos necessários. DOS ORGANIZADORES LOCAIS 1. Fornecer à PCAND uma listagem com os nomes completos dos Marcadores/Cronometristas e data de nascimento, com pelo menos uma semana de antecedência em relação a cada competição, para efeitos de realização do seguro desportivo. Sempre que houver alterações, devem ser comunicadas de imediato; 2. Fornecer à PCAND com pelo menos 3 semanas de antecedência, as informações necessárias sobre o local da competição com indicação da morada; 4. Quando aplicável, fornecer alimentação. DOS ASSOCIADOS PARTICIPANTES 1. Todos os atletas e agentes desportivos que intervêm directamente na competição, têm obrigatoriamente de estar devidamente inscritos, possuir exame médico obrigatório e seguro desportivo. A PCAND não se responsabiliza pelas consequências de qualquer acidente que possa afectar os intervenientes acima mencionados. 5. RANKING NACIONAL Ordena os jogadores individuais, equipas e pares. Contribui para: a) Apurar os cabeças de série em cada competição; b) Apurar para o Campeonato de Portugal, os jogadores não qualificados directamente pelos Campeonatos Nacionais. Nota: Apesar de se aplicar às equipas e pares, o ranking é elaborado a pensar nos jogadores individuais e por isso todo aquele que, constando do ranking, não puder participar num campeonato, tal não implica que seja substituído por outro do mesmo clube. Participará o jogador imediato na tabela do ranking. 6. CAMPEONATOS NACIONAIS POR ZONA ÂMBITO: Zona Norte - Distritos de Viana do Castelo, Braga, Bragança, Vila Real e Porto Zona Centro - Distritos de Aveiro, Viseu, Guarda, Coimbra, Leiria e C. Branco Zona Sul e Ilhas - Distritos de Santarém, Portalegre, Lisboa, Setúbal, Évora, Beja, Faro, Madeira e Açores A) INDIVIDUAIS BC1, BC2, BC3 e BC4- Camp. Nacional Zona Norte e Camp. Nacional Zonas Centro, Sul e Ilhas São apurados para a fase final, os 4 primeiros das classes BC1, BC2 e BC3 e de 2 a 4 primeiros da classe BC4 de cada competição, dependendo do número de inscritos nos Campeonatos de Zona. B) COLECTIVOS Equipas e Pares - Camp. Nacional Zona Norte e Camp. Nacional Zonas Centro, Sul e Ilhas São apurados para a fase final, os 2 primeiros pares e equipas de cada competição 7. CAMPEONATOS NACIONAIS FASE FINAL A) Individual- Jornada única, com 8 jogadores (BC1, BC2 e BC3) e 4, 6 ou 8 jogadores (BC4). B) Colectivos - Jornada única, com 4 pares BC3, 4 pares BC4 e 4 equipas

3 8. PROCESSO DE APURAMENTO PARA O CAMPEONATO DE PORTUGAL Campeonato Nacional, fase final. Os jogadores apurados para os Camp. Nacionais, fase final Ranking Nacional - Através do ranking nacional, devidamente actualizado com os resultados dos últimos 4 anos, incluindo as competições anteriores do corrente ano. Competições que contam para o Ranking : - Campeonato de Portugal - factor 1 - Campeonato Nac. p/ classe e p/ zona - factor Campeonato Nac. p/ classe, fase final - factor Número de competidores a qualificar para o Campeonato de Portugal 2009: BC1-16 BC2-16 BC3-16 BC4-8 Caso haja alguma desistência serão apurados aqueles que se situarem nas posições imediatas do campeonato da sua zona ou do ranking, ou seja: a) Se o atleta que desiste estiver nos 4 primeiros do Campeonato Nacional por Zona será apurado o seguinte da sua zona. b) Se o atleta que desiste não estiver nos quatro primeiros do Campeonato Nacional por Zonas será apurado o atleta melhor classificado do Ranking. 9. DESTINATÁRIOS Praticantes de ambos os sexos, das classes BC1, BC2, BC3 e BC4, de acordo com o Manual de Classificação e Regras da CP-ISRA, 10ª edição. Idade mínima de participação: - Campeonatos Nacionais, Campeonato de Portugal e competições internacionais principais - 14 anos feitos em 1 de Janeiro de Outras competições Aberto ou de acordo com normativos próprios 10. STAFF / APOIO Para as competições que impliquem alojamento, cada clube tem o direito de inscrever o seguinte 1 elemento de staff / apoio por jogador, mais um treinador (n+1). Entende-se por Staff/Apoios, aqueles que, fazendo parte da delegação, não são jogadores, excepto os motoristas que desempenham exclusivamente essa função. Poderão ser aceites inscrições suplementares, caso exista capacidade logística. 11. PRAZOS A PCAND reserva-se o direito de não aceitar inscrições fora do prazo estabelecido para o efeito. 12. CLASSIFICAÇÃO DESPORTIVA Só poderão participar em competições sancionadas pela PCAND, os jogadores que sejam possuidores do seu boletim de classificação médico - desportiva, perfeitamente actualizado. 13. AVALIAÇÃO DOS DISPOSITIVOS AUXILIARES As bolas e os dispositivos auxiliares, (calhas), que se pretendam utilizar durante a competição, poderão ser avaliados em qualquer momento, pelos árbitros designados para o efeito. Os jogadores podem utilizar as suas próprias bolas e mais do que uma calha em cada jogo. 14. ARBITRAGEM A arbitragem estará a cargo de árbitros internacionais, nacionais e regionais, permitindo por um lado, assegurar a qualidade, e por outro, o desenvolvimento regional. Os árbitros internacionais e nacionais deverão ser pelo menos em número igual ao dos campos existentes. Os restantes poderão ser árbitros regionais, desde que devidamente acreditados. O total de árbitros será pelo menos de 1,5 por campo, mais o árbitro principal. O número de marcadores e cronometristas deverá ser de 2 a 2,5 por campo.

4 15. FORMATO DA COMPETIÇÃO Sempre que possível, a competição será organizada da seguinte forma: 1ª fase - séries de todos contra todos (séries de 4, sempre que possível) 2ª fase - 1/8 final; 1/4 de final e 1/2 finais 3ª fase - 3º/4º lugares e final Quando o número de competidores não permitir a constituição de séries de 4 jogadores, ou o número de jogadores a apurar para a 2ª fase assim o justificar, serão constituídas séries de 5 se houverem condições de espaço e tempo para o efeito, e em último caso, de 3 competidores: 16. "SETS" DE BOLAS De acordo com o regulamento em vigor, os atletas poderão utilizar o seu próprio jogo de bolas. Cada jogador jogará a sua bola alvo (nas competições individuais). Quem o desejar, deverá entregar as bolas ao árbitro principal que, antes do início da competição, as medirá e pesará. Em qualquer momento da competição, entre jogos, o árbitro principal poderá solicitar a medição e/ou a pesagem das bolas que entender. Para além do referido no parágrafo anterior, a PCAND deverá disponibilizar 1 set de bolas por cada dois campos, que será utilizado pelos jogadores que não tiverem ou não quiserem utilizar as suas próprias bolas. 17. PROGRAMA HORÁRIO O programa horário da competição será enviado aos clubes inscritos antes do início da competição, para consulta pelos técnicos e responsáveis das delegações. Sempre que seja considerado necessário, serão prestados esclarecimentos sobre o programa horário, regulamento ou outras. 18. COMPARÊNCIA DOS JOGADORES Sempre que exista Câmara de Chamada, é da responsabilidade dos jogadores comparecerem nessa zona, pelo menos 10 minutos antes do horário fixado para o início de cada jogo (excepto nos casos determinados de forma diferente pela Comissão Organizadora, mas nunca menos de 5 minutos). O não cumprimento desta determinação dá origem a uma derrota automática nesse jogo (ver regras: 6.1 e derrota por desqualificação). 19. DERROTA POR DESQUALIFICAÇÃO Se um jogador, par ou equipa for desqualificado durante um jogo, o procedimento subsequente será de acordo com o previsto nas Regras de Boccia do Manual de CP-ISRA (10ª edição). 20. PROCEDIMENTO DE PROTESTO Caso exista motivo para protesto, o procedimento deverá ser o seguinte: 1º Ver regras actuais; 2º Os protestos devem ser apresentados na mesa de competição por escrito, através do jogador, capitão, ou delegado, e num boletim fornecido para o efeito, disponível na referida mesa. 3º Os protestos devem ser acompanhados por um depósito em dinheiro, na quantia de 50,00 para provas individuais e de 75,00 para provas colectivas, os quais serão devolvidos caso a decisão seja favorável. 4º O júri de protesto será constituído da seguinte forma: Árbitro principal; Dois árbitros não implicados no jogo em causa 21. ORDENAÇÃO Os jogadores individuais, os pares e as equipas serão ordenados de acordo com a sua classificação no ranking nacional. Os jogadores individuais que não se encontrem no ranking serão sorteados, segundo critério que evite mais do que dois jogadores do mesmo clube, na mesma série.

5 22. CRITÉRIOS PARA DESEMPATE E CLASSIFICAÇÃO EM CADA SÉRIE 1º O maior número de vitórias conseguidas na série. 2º A maior diferença positiva entre pontos marcados e sofridos. Não se incluem os parciais de desempate. 3º O maior número de pontos marcados. Não se incluem os parciais de desempate. 4º Se subsistir o empate, proceder-se-á a parciais de desempate entre os lados em questão. Se forem somente dois lados, jogar-se-á o número de parciais de desempate necessários, (um de cada vez) para determinar o lado apurado. No caso de serem três ou mais os lados empatados, então proceder-se-á a um ou mais parciais de desempate entre todos os lados em questão. 23. CRITÉRIOS DE REPESCAGEM Sempre que seja necessário efectuar repescagens, serão considerados quatro critérios, pela seguinte ordem: 1º Os jogadores classificados no lugar imediatamente abaixo do(s) apurado(s) directamente em cada série; 2º Os classificados com maior diferença positiva entre pontos marcados e sofridos ou, no caso da quantidade de jogos efectuados ser diferente, devido ao número de jogadores por série também ser diferente, será o maior quociente resultante da divisão da diferença positiva entre pontos marcados e sofridos pelo total de jogos realizados Não se incluem os parciais de desempate; 3º Os classificados com maior número de pontos marcados sobre o nº de jogos efectuados. Não se incluem os parciais de desempate; 4º Se ainda assim subsistir o empate, proceder-se-á a parciais de desempate entre todos os jogadores em questão. Se forem somente dois, os jogadores em causa, jogar-se-á o número de parciais de desempate necessários (um de cada vez) para determinar o jogador a apurar. 24. PLACARD DE RESULTADOS Os resultados da competição deverão ser afixados pelo menos no final de cada fase, em zona bem visível e de fácil acesso. A identificação do jogador é registada nas séries da 1ª fase. Nas fases seguintes, os qualificados só são conhecidos após a afixação dos resultados, pelo que todos os treinadores deverão estar atentos. 25. PRÉMIOS À excepção do Campeonato de Portugal, a PCAND fornecerá medalhas para os 3 primeiros classificados de cada classe. Outros troféus são da responsabilidade dos organizadores locais. Serão atribuídas medalhas aos três primeiros classificados nas provas individuais das classes BC1, BC2, BC3 e BC4. De igual modo, aos jogadores que fazem parte das equipas e pares, classificadas nos três primeiros lugares, deverão ser atribuídas medalhas. Ainda às três primeiras equipas e pares deverão ser atribuídos troféus. 26. PRAZOS 1. Os Associados da PCAND deverão cumprir os prazos de devolução dos formulários de inscrição, para que as reservas necessárias e a elaboração do calendário de jogos possa ser enviado atempadamente a todos. O não cumprimento implica a não aceitação da inscrição; 2. Quaisquer atrasos na chegada aos jogos, desde que estejam reunidas todas as condições para a sua realização, implicarão falta de comparência (derrota por 0-6).

Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015. Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar 15:00

Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015. Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar 15:00 Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015 1. Calendário Federativo Nacional Data Dia da Semana Evento Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar

Leia mais

Feminino 2ª Divisão 2010_11. FASE FINAL APURADOS (1º ao 6º LUGAR) REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO

Feminino 2ª Divisão 2010_11. FASE FINAL APURADOS (1º ao 6º LUGAR) REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO Campeonato Nacional Feminino 2ª Divisão 2010_11 FASE FINAL APURADOS (1º ao 6º LUGAR) REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO A. Clubes Apurados B. Modelo Competitivo C. Marcação de Jogos D. Arbitragem E. Inscrição das

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVA CAMPEONATO NACIONAL DAS ASSOCIAÇOES MATRAQUILHOS E FUTEBOL DE MESA FEDERAÇÃO PORTUGUESA

REGULAMENTO DE PROVA CAMPEONATO NACIONAL DAS ASSOCIAÇOES MATRAQUILHOS E FUTEBOL DE MESA FEDERAÇÃO PORTUGUESA FEDERAÇÃO PORTUGUESA MATRAQUILHOS E FUTEBOL DE MESA FUNDADA EM 0 DE FEVEREIRO DE 200 FILIADA NA ITSF - INTERNATIONAL TABLE SOCCER FEDERATION SEDE OFICIAL AV. ENG.º ARMANDO MAGALHAES, 31 4440-505 VALONGO

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS Em vigor a partir de 21 de Agosto de 2015 1. PRIMEIRAS PAGAIADAS 1.1. Objetivos O quadro competitivo promovido

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS. Taça Fundação INATEL

NORMAS ESPECÍFICAS. Taça Fundação INATEL NORMAS ESPECÍFICAS Taça Fundação INATEL FUTEBOL - ÉPOCA 2009-2010 Taça Fundação INATEL NORMAS ESPECÍFICAS As normas específicas são regras estabelecidas pela Direcção Desportiva, em complemento do Código

Leia mais

1ª Liga de Futsal 2014/2015

1ª Liga de Futsal 2014/2015 1ª Liga de Futsal 2014/2015 Patrono RICARDINHO 1 I Liga Futsal 2014/2015 Regulamento Equipas Artigo 1º Esta liga de futsal encontra-se aberta a equipas de empresas devidamente certificadas, podendo ser

Leia mais

CAMPEONATOS NACIONAIS DE EQUIPAS 2014 / 2015. - Este Campeonato será disputado por 10 (dez) equipas incluídas numa Zona Única.

CAMPEONATOS NACIONAIS DE EQUIPAS 2014 / 2015. - Este Campeonato será disputado por 10 (dez) equipas incluídas numa Zona Única. CAMPEONATOS NACIONAIS DE EQUIPAS 2014 / 2015 I DIVISÃO - SENIORES MASCULINOS - Este Campeonato será disputado por 10 (dez) equipas incluídas numa Zona Única. - O Campeonato compreenderá duas fases distintas:

Leia mais

REGULAMENTO DO 1º TORNEIO DE FUTSAL MOSAICO DE PAISAGENS 2013

REGULAMENTO DO 1º TORNEIO DE FUTSAL MOSAICO DE PAISAGENS 2013 REGULAMENTO DO 1º TORNEIO DE FUTSAL MOSAICO DE PAISAGENS 2013 1. INTRODUÇÃO O 1º Torneio de Futsal Mosaico de Paisagens 2013, organizado pelo Município de Caminha, será disputado por um total máximo de

Leia mais

FUTEBOL. www.inatel.pt

FUTEBOL. www.inatel.pt NORMAS ESPECIFICAS FUTEBOL www.inatel.pt FUTEBOL NORMAS ESPECIFICAS As normas específicas são regras estabelecidas pela Direção Desportiva, em complemento do Código Desportivo, para as provas organizadas

Leia mais

FUTSAL. www.inatel.pt

FUTSAL. www.inatel.pt NORMAS ESPECIFICAS FUTSAL www.inatel.pt FUTSAL NORMAS ESPECIFICAS As normas específicas são regras estabelecidas pela Direção Desportiva, em complemento do Código Desportivo, para as provas organizadas

Leia mais

Convite. Grupo Desportivo ecultural Actuais e Antigos Alunos

Convite. Grupo Desportivo ecultural Actuais e Antigos Alunos Grupo Desportivo ecultural Actuais e Antigos Alunos A.A. e Alunos Guilhabreu Contribuinte 503635758 G.P.S. N 41.292939 W 8.635334 Rua Senhora do Amparo, 4485-266 Guilhabreu, Vila do Conde Convite O Grupo

Leia mais

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS O QUE É O Gira Volei é um jogo fácil, divertido e competitivo destinado aos jovens com idade compreendida entre os 8 e os 16 onde apenas se pode utilizar uma técnica: o passe. OBJECTIVOS: Contribuir para

Leia mais

CÂMARA MUNICPAL DO NORDESTE GABINETE DO DESPORTO TORNEIO DE FUTSAL INTER-FREGUESIAS DO NORDESTE 2015

CÂMARA MUNICPAL DO NORDESTE GABINETE DO DESPORTO TORNEIO DE FUTSAL INTER-FREGUESIAS DO NORDESTE 2015 CÂMARA MUNICPAL DO NORDESTE I.INTRODUÇÃO Com a organização do Torneio de Futsal Inter-Freguesias do Nordeste 2015, o gabinete do Desporto pretende proporcionar à população concelhia um espaço privilegiado

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTSAL 2013-2017

REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTSAL 2013-2017 REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTSAL 2013-2017 Índice 1. Introdução 2 2. Escalões Etários, tempo de jogo e variantes da modalidade 2 2.1. Escalões Etários 3 2.2. Tempo de Jogo e variantes da modalidade 3 2.3.

Leia mais

CLUB INTERNACIONAL DE FOOT-BALL

CLUB INTERNACIONAL DE FOOT-BALL REGULAMENTO GERAL DE PROVAS de Futebol 11 (categoria sénior) Capítulo I - Da realização dos torneios e jogos Capítulo II - Das inscrições Capítulo III - Da disciplina Capítulo IV - Da representação das

Leia mais

Câmara Municipal de Montemor-o-Velho. Unidade de Desporto XVII TORNEIO DE FUTEBOL JUVENIL 2014 REGULAMENTO

Câmara Municipal de Montemor-o-Velho. Unidade de Desporto XVII TORNEIO DE FUTEBOL JUVENIL 2014 REGULAMENTO Câmara Municipal de Montemor-o-Velho Unidade de Desporto XVII TORNEIO DE FUTEBOL JUVENIL 2014 REGULAMENTO Montemor-o-Velho, Maio de 2014 Índice REGULAMENTO... 3 1. ORGANIZAÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS/ESCALÕES

Leia mais

1.3 - A primeira jornada da liga, será sorteada numa reunião, em que a organização espera ter presentes, os representantes de todas as equipas.

1.3 - A primeira jornada da liga, será sorteada numa reunião, em que a organização espera ter presentes, os representantes de todas as equipas. Regulamento DISPOSIÇÕES GERAIS a) A Liga FutsalSport não se responsabiliza por acidentes extradesportivos, sejam eles de que natureza for, que venham a ocorrer antes e depois dos jogos. b) Em todos os

Leia mais

TAÇA DE PORTUGAL POR EQUIPAS REGULAMENTO

TAÇA DE PORTUGAL POR EQUIPAS REGULAMENTO REGULAMENTO Época 2015 / 2016 Informação de 1 de outubro de 2015 A Taça de Portugal por Equipas (Taça), organizado pela Federação Portuguesa de Xadrez (FPX) com o apoio do Instituto Português do Desporto

Leia mais

CIRCUITO REGIONAL GIRA PRAIA

CIRCUITO REGIONAL GIRA PRAIA Associação de Voleibol do ALENTEJO e ALGARVE 2015 = REGULAMENTO = Artigo 1º Enquadramento da prova e dos atletas participantes 1 O Circuito Regional de Gira Praia é uma competição regional organizada em

Leia mais

2º CAMPEONATO MUNICIPAL DE MATRAQUILHOS. Normas de Funcionamento

2º CAMPEONATO MUNICIPAL DE MATRAQUILHOS. Normas de Funcionamento 2º CAMPEONATO MUNICIPAL DE MATRAQUILHOS Normas de Funcionamento Normas de Funcionamento Considerando a importância que a promoção da dinâmica desportiva assume no concelho, a Câmara Municipal da Lourinhã,

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL GIRA-PRAIA (SUB. 16,18 e 20)

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL GIRA-PRAIA (SUB. 16,18 e 20) REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL GIRA-PRAIA (SUB. 16,18 e 20) I DISPOSIÇÔES GERAIS ARTIGO 1º O Campeonato Nacional Gira-Praia é uma competição de Voleibol de Praia de âmbito nacional, organizada pela

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTSAL. (Revisto em setembro 2015)

REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTSAL. (Revisto em setembro 2015) REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTSAL 2013 2017 (Revisto em setembro 2015) Índice 1. Introdução 2 2. Escalões Etários, tempo de jogo e variantes da modalidade 3 2.1. Escalões Etários 3 2.2. Tempo de Jogo e variantes

Leia mais

Associação Nacional de Desporto para Deficientes Visuais. Campeonato Juvenil de Goalball REGULAMENTO

Associação Nacional de Desporto para Deficientes Visuais. Campeonato Juvenil de Goalball REGULAMENTO Associação Nacional de Desporto para Deficientes Visuais Campeonato Juvenil de Goalball REGULAMENTO Preâmbulo O Goalball é uma modalidade desportiva coletiva, originariamente concebida para pessoas com

Leia mais

Associação Nacional de Desporto para Deficientes Visuais XIX CAMPEONATO DE GOALBALL DE PORTUGAL REGULAMENTO

Associação Nacional de Desporto para Deficientes Visuais XIX CAMPEONATO DE GOALBALL DE PORTUGAL REGULAMENTO Associação Nacional de Desporto para Deficientes Visuais XIX CAMPEONATO DE GOALBALL DE PORTUGAL REGULAMENTO Preâmbulo O Goalball é uma modalidade desportiva coletiva, originariamente concebida para a prática

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROVAS

REGULAMENTO GERAL DE PROVAS REGULAMENTO GERAL DE PROVAS Aprovado em Reunião de Direcção de 31 de Julho de 2013 Aprovado em Reunião de Direcção de 31 de Julho de 2013 1/22 Artigo 1º ÉPOCA DESPORTIVA 1) A Federação estabelece como

Leia mais

TORNEIO NACIONAL DE SUB-14 (MASC. E FEM)

TORNEIO NACIONAL DE SUB-14 (MASC. E FEM) COMPETIÇÕES NACIONAIS TORNEIO NACIONAL DE SUB-14 (MASC. E FEM) Modelo Competitivo -Proposta de Alteração- Elaborado por: Directores Técnicos das Associações de Basquetebol de VIANA DO CASTELO, BRAGA, PORTO,

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DOS CAMPEONATOS PORTUGUESES DE DERBY ATRELADO PARA 2009

PROPOSTA DE REGULAMENTO DOS CAMPEONATOS PORTUGUESES DE DERBY ATRELADO PARA 2009 PROPOSTA DE REGULAMENTO DOS CAMPEONATOS PORTUGUESES DE DERBY ATRELADO PARA 2009 A partir de 1 de Janeiro de 2009 entra em vigor o presente Regulamento revogando o Regulamento do Campeonato de Derbies de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE SETAS DE LISBOA REGULAMENTO 2012-2013 DARDOS ELECTRÓNICOS

ASSOCIAÇÃO DE SETAS DE LISBOA REGULAMENTO 2012-2013 DARDOS ELECTRÓNICOS ASSOCIAÇÃO DE SETAS DE LISBOA REGULAMENTO 2012-2013 DARDOS ELECTRÓNICOS REGULAMENTO 2012-2013 Ponto 1. Máquinas e distância de jogo Nas competições de dardos eletrónicos da Associação de Setas de Lisboa

Leia mais

REGULAMENTO DESPORTIVO

REGULAMENTO DESPORTIVO TORNEIO DE FUTEBOL INFANTIL JOSÉ TORRES AMADORA 2014 FUTEBOL 7 INFANTIS COMPLEXO DESPORTIVO MUNICIPAL DO MONTE DA GALEGA 4 e 5 de outubro de 2014 REGULAMENTO DESPORTIVO 01 Regras 02 Escalão etário 03 Equipas

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS FUTSAL ÉPOCA 2009-2010

NORMAS ESPECÍFICAS FUTSAL ÉPOCA 2009-2010 NORMAS ESPECÍFICAS FUTSAL ÉPOCA 2009-2010 FUTSAL NORMAS ESPECÍFICAS As normas específicas são regras estabelecidas pela Direcção Desportiva, em complemento do Código Desportivo, para as provas organizadas

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL XIRA 2016

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL XIRA 2016 REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL XIRA 2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 ESCALÕES ETÁRIOS, TEMPO DE JOGO E BOLA... 4 2.1. ESCALÕES ETÁRIOS... 4 2.2. DURAÇÃO DOS JOGOS... 4 2.3. A BOLA... 4 REGULAMENTO DO ESCALÃO

Leia mais

XII TORNEIO 24 HORAS FUTSAL INTER-BOMBEIROS

XII TORNEIO 24 HORAS FUTSAL INTER-BOMBEIROS XII TORNEIO 24 HORAS FUTSAL INTER-BOMBEIROS Regulamento Base 1. FINALIDADE É do interesse deste Corpo de Bombeiros fomentar a prática desportiva por parte dos bombeiros e outros agentes de proteção civil,

Leia mais

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

REGULAMENTO DE XADREZ

REGULAMENTO DE XADREZ SINDICATO DOS BANCÁRIOS DO SUL E ILHAS PELOURO DE TEMPOS LIVRES REGULAMENTO DE XADREZ SBSI - Abril de 2013 2 PRIMEIRA PARTE DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1.º (Âmbito de aplicação) O presente Regulamento refere-se

Leia mais

REGULAMENTO_2015. Página 1

REGULAMENTO_2015. Página 1 1 - Regras 1.1 - O Sesimbra Summer Cup será disputado em conformidade com as regras da FIFA, com excepção do previsto neste regulamento. 1.2 As equipas participantes podem ser equipas federadas, equipas

Leia mais

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA IMPRENSA ESCRITA E DIGITAL DUAS FORMAS COMPLEMENTARES DE COMUNICAR PUBLICAÇÕES ATIVAS: 2008-2012 3.169 2.940

Leia mais

III TAÇA NACIONAL DE FUTSAL

III TAÇA NACIONAL DE FUTSAL III TAÇA NACIONAL DE FUTSAL NORMAS DE INSCRIÇÕES E OUTRAS 1. Inscrições, entrega de documentação e caução Para inscrição da Equipa, será necessário: a) preencher o template definido para o efeito e publicado

Leia mais

VI CAMPEONATO NACIONAL DE FUTSAL

VI CAMPEONATO NACIONAL DE FUTSAL VI CAMPEONATO NACIONAL DE FUTSAL NORMAS DE INSCRIÇÕES E OUTRAS 1. Inscrições, entrega de documentação e caução Para inscrição da Equipa, será necessário preencher o template definido para o efeito e publicado

Leia mais

Regulamento do Circuito Smashtour 2013

Regulamento do Circuito Smashtour 2013 REGULAMENTO CIRCUITO SMASHTOUR 2014 Regulamento do Circuito Smashtour 2013 1 - O Circuito será disputado em três fases, com um mínimo de 19 provas de cada fase de desenvolvimento Mínimo de 1 e máximo de

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DE VELOCIDADE

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DE VELOCIDADE F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DE VELOCIDADE Em vigor a partir de 27 de Janeiro de 2010 INDICE 1. CAMPEONATO NACIONAL DE REGATAS EM LINHA... 3 2. DEFINIÇÃO... 3 3.

Leia mais

Regulamento do Global Management Challenge 2015

Regulamento do Global Management Challenge 2015 Regulamento do Global Management Challenge 2015 1. O Global Management Challenge é uma Competição de Estratégia e Gestão organizada em Portugal pela SDG Simuladores e Modelos de Gestão, S.A. em parceria

Leia mais

3º TORNEIO PATRICIUS GRANDE ESCOLHA 2015

3º TORNEIO PATRICIUS GRANDE ESCOLHA 2015 3º TORNEIO PATRICIUS GRANDE ESCOLHA 2015 - ARTIGO 1 O 3º Torneio PATRICIUS GRANDE ESCOLHA realiza-se no Campo de 5 situado no Parque da Cidade do Porto. - ARTIGO 2 Estrutura - 1ª Fase: Um Grupo de oito

Leia mais

FUTSAL INTER CURSOS 2013/14 REGULAMENTO GERAL DA PROVA

FUTSAL INTER CURSOS 2013/14 REGULAMENTO GERAL DA PROVA INTER CURSOS 2013/14 REGULAMENTO GERAL DA PROVA 1 MODELO COMPETITIVO DO INTER CURSOS 1.1 ESTA COMPETIÇÃO SERÁ DISPUTADA ENTRE 35 EQUIPAS, DISTRIBUIDAS 12 PELA PRIMEIRA DIVISÃO, E DOIS GRUPOS NA SEGUNDA

Leia mais

Regulamento Interno Liga Futsal AEISCSN 2010/2011

Regulamento Interno Liga Futsal AEISCSN 2010/2011 1 ÍNDICE I. DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º - Organização e direcção do torneio II. ORGANIZAÇÃO DA PROVA Artigo 2º - Modelo Competitivo Artigo 3º - Pontuação de Jogo Artigo 4º - Critérios de Desempate Artigo

Leia mais

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS Contacto: nelma.marq@gmail.com QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS O presente questionário pretende servir de apoio ao desenvolvimento de um estudo relacionado

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE TÉNIS XIRA 2015

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE TÉNIS XIRA 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DE TÉNIS XIRA 2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 INSCRIÇÕES... 4 DATAS E LOCAIS DOS ENCONTROS 4 ESCALÕES ETÁRIOS/DURAÇÃO DE JOGO... 4 CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA... Erro! Marcador não definido.

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL DE GIRA-PRAIA DE SUB. 16,18 e 20-2014

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL DE GIRA-PRAIA DE SUB. 16,18 e 20-2014 REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL DE GIRA-PRAIA DE SUB. 16,18 e 20-2014 ARTIGO 1º O Campeonato Nacional de Gira- Praia de Subs é uma competição de Voleibol de Praia de âmbito nacional, organizada pela

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA Departamento de Lazer e Desporto para Todos NORMAS ESPECÍFICAS

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA Departamento de Lazer e Desporto para Todos NORMAS ESPECÍFICAS NORMAS ESPECÍFICAS As normas específicas são regras estabelecidas pela F.P.T.M.- Departamento de Lazer e Desporto para Todos, para as provas por ela organizadas. As normas específicas aplicam-se a todos

Leia mais

Comunicado Oficial N.º 1 Época 2013-2014

Comunicado Oficial N.º 1 Época 2013-2014 Época 2013-2014 Aprovado na reunião da Direção da Federação Portuguesa de Futebol, de 12 de Junho de 2013, de acordo com o disposto no artigo 10.º e alíneas a) e c) do número 2 do artigo 41.º, do Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2013/2014. Artigo 1º (Entidade reguladora)

REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2013/2014. Artigo 1º (Entidade reguladora) REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2013/2014 Artigo 1º (Entidade reguladora) A entidade reguladora da Escola de Futebol Os Afonsinhos é o departamento de futebol formação do Vitória Sport

Leia mais

CABO FRIO VOLEI MASTER 2015 CIDADE DE CABO FRIO - RJ Dias 04, 05, 06 e 07 de Junho de 2015 VOLEIBOL DO RIO DE JANEIRO CABO FRIO VOLEI MASTER 2015

CABO FRIO VOLEI MASTER 2015 CIDADE DE CABO FRIO - RJ Dias 04, 05, 06 e 07 de Junho de 2015 VOLEIBOL DO RIO DE JANEIRO CABO FRIO VOLEI MASTER 2015 REALIZAÇÃO APOIO ASSOCIAÇÃO MASTER DE VOLEIBOL DO RIO DE JANEIRO AMAVOLEI CABO FRIO VOLEI MASTER 2015 VOLEIBOL DE QUADRA PREFEITURA MUNICIPAL DE CABO FRIO SECRETARIA DE ESPORTES DE CABO FRIO Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL 2007 2008 e 2008-2009 ÍNDICE INTRODUÇÃO.. 3 1. CONSTITUIÇÃO / IDENTIFICAÇÃO DAS EQUIPAS... 4 2. DURAÇÃO DOS JOGOS... 5 3. A BOLA.. 6 4. CLASSIFICAÇÃO / PONTUAÇÃO.... 6

Leia mais

III Olimpíadas da Economia. Regulamento

III Olimpíadas da Economia. Regulamento III Olimpíadas da Economia Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O presente regulamento estabelece um conjunto de normas e orientações gerais sobre as III Olimpíadas da Economia

Leia mais

Cada campo terá 13 metros de comprimento por 6,5 de largura. 13 m. Deve ser distanciado de qualquer obstáculo, se possível, pelo menos 1 (um)

Cada campo terá 13 metros de comprimento por 6,5 de largura. 13 m. Deve ser distanciado de qualquer obstáculo, se possível, pelo menos 1 (um) MINI-VOLEIBOL 2014/15 TORNEIO 4X4 Regulamento da Prova CAPÍTULO I INSTALAÇÕES E MATERIAL O Terreno de Jogo Cada campo terá 13 metros de comprimento por 6,5 de largura 13 m 6,5 m metro. Deve ser distanciado

Leia mais

ANÁLISE INTERNA. 1. Balanço da época desportiva do Boccia Sénior 2013/14

ANÁLISE INTERNA. 1. Balanço da época desportiva do Boccia Sénior 2013/14 ACTA Realizamos a reunião do fim de época do Campeonato Nacional de Boccia Sénior 2013/14 no Centro de Reabilitação da APPC no dia 17 de Julho de 2014, pelas 10 horas com a seguinte ordem de trabalhos:

Leia mais

REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2015/2016. Artigo 1º (Entidade reguladora)

REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2015/2016. Artigo 1º (Entidade reguladora) REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2015/2016 Artigo 1º (Entidade reguladora) A entidade reguladora da Escola de Futebol Os Afonsinhos é Academia do Vitória Sport Clube. Artigo 2º (Destinatários)

Leia mais

Comunicado Oficial n.º 1 Época 2014-2015

Comunicado Oficial n.º 1 Época 2014-2015 Época 2014-2015 Aprovado pela Direção da Federação Portuguesa de Futebol, de acordo com o disposto no artigo 10.º e alíneas a) e c) do número 2 do artigo 41.º, do Decreto-Lei n.º 248-B/2008, de 31 de Dezembro

Leia mais

R E G U L A M E N T O 2 0 0 6

R E G U L A M E N T O 2 0 0 6 CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE MENORES XXXIII Masculino e Feminino R E G U L A M E N T O 2 0 0 6 Emitido em 15/02/06 Art. 1º - Os CAMPEONATOS BRASILEIROS DE ATLETISMO DE MENORES têm por

Leia mais

Regulamento Específico de Basquetebol

Regulamento Específico de Basquetebol Regulamento Específico de Basquetebol Regulamento Basquetebol 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESCALÕES ETÁRIOS / BOLA DE JOGO... 4 3. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA... 4 4. MESA DE JOGO... 4 5. ARBITRAGEM... 5

Leia mais

REGULAMENTO TORNEIO INTER-ESCOLAR ISMAI LEGENDS

REGULAMENTO TORNEIO INTER-ESCOLAR ISMAI LEGENDS REGULAMENTO TORNEIO INTER-ESCOLAR ISMAI LEGENDS O ISMAI LEGENDS, promovido pelo ISMAI - Instituto Universitário da Maia, é um torneio do jogo de computador League of Legends (www.leagueoflegends.com) para

Leia mais

I TORNEIO DE FUTSAL ASSOCIAÇÃO DE SHORINJI KEMPO DE SINTRA. Dia 3 de Julho de 2011 Escola Secundária Gama Barros - Cacém

I TORNEIO DE FUTSAL ASSOCIAÇÃO DE SHORINJI KEMPO DE SINTRA. Dia 3 de Julho de 2011 Escola Secundária Gama Barros - Cacém I TORNEIO DE FUTSAL ASSOCIAÇÃO DE SHORINJI KEMPO DE SINTRA Dia 3 de Julho de 2011 Escola Secundária Gama Barros - Cacém APRESENTAÇÃO Este torneio é o primeiro da Associação de Shorinji Kempo de Sintra

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º. Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem a Campeonato Brasileiro de Handebol dos Surdos 2015, nas categorias

Leia mais

Torneio de Futsal Inter-Associações de Mortágua

Torneio de Futsal Inter-Associações de Mortágua CÂMARA MUNICIPALL DE MORTTÁGUA TORNEIO DE FUTSAL DE 2015 INTER-ASSOCIAÇÕES DE MORTÁGUA TORNEIO DE FUTSAL INTER-ASSOCIAÇÕES 2015 1º ORGANIZAÇÃO 1- O Município de Mortágua será responsável pela estruturação

Leia mais

Utilidade Pública Desportiva - Despacho 49/94, de 9.9.1994. REGULAMENTO de COMPETIÇÃO

Utilidade Pública Desportiva - Despacho 49/94, de 9.9.1994. REGULAMENTO de COMPETIÇÃO REGULAMENTO de COMPETIÇÃO Regulamento da Taça de Portugal de ing 2015 INDICE Capitulo I Definição e Âmbito Capitulo II Objectivos e Títulos Capitulo III Categorias e escalões etários integrantes Capitulo

Leia mais

REGULAMENTO PASSATEMPO #PARTILHAMOSFUTEBOL

REGULAMENTO PASSATEMPO #PARTILHAMOSFUTEBOL REGULAMENTO PASSATEMPO #PARTILHAMOSFUTEBOL 1. DEFINIÇÕES 1.1. Passatempo: Iniciativa que visa premiar os participantes com maior pontuação que se candidatem a receber um bilhete para um jogo do Campeonato

Leia mais

CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino

CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino Art. 1º - Os CAMPEONATOS BRASILEIROS DE ATLETISMO DE JUVENIS têm por propósito básico a integração nacional,

Leia mais

2º TORNEIO KICK-OFF / WORTEN

2º TORNEIO KICK-OFF / WORTEN 2º TORNEIO KICK-OFF / WORTEN DOSSIER DO TORNEIO 1. Introdução A nossa empresa conta com alguns anos de experiência na organização de eventos desportivos, surgindo este no seguimento de outros por nós realizados.

Leia mais

TAXAS ÉPOCA 2010/2011 American Pool. * Jogadores com idade até 21 anos contados em 31 de Dezembro do acto da inscrição.

TAXAS ÉPOCA 2010/2011 American Pool. * Jogadores com idade até 21 anos contados em 31 de Dezembro do acto da inscrição. Federação Portuguesa de Bilhar Rua Gonçalves Crespo, 28, 4º - 1150-186 LISBOA Tel: 21 3153220 Fax: 213538497 email: fpbilhar@fpbilhar.pt Site: www.fpbilhar.pt TAXAS ÉPOCA 2010/2011 American Pool Filiação

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E INSTRUÇÕES PARA DELEGADO AO JOGO NOS JOGOS OFICIAIS DOS CAMPEONATOS DISTRITAIS

MANUAL DE NORMAS E INSTRUÇÕES PARA DELEGADO AO JOGO NOS JOGOS OFICIAIS DOS CAMPEONATOS DISTRITAIS MANUAL DE NORMAS E INSTRUÇÕES PARA DELEGADO AO JOGO NOS JOGOS OFICIAIS DOS CAMPEONATOS DISTRITAIS Associação de Futebol de Aveiro 1. INTRODUÇÃO O Delegado ao jogo desempenha uma das funções mais importantes

Leia mais

Regulamentos do Inter-Residências 2014 e das modalidades

Regulamentos do Inter-Residências 2014 e das modalidades Regulamentos do Inter-Residências 2014 e das modalidades Inter-Residências 2014 Regulamento geral Artigo 1 (Preâmbulo) Assumindo-se como uma das atividades mais emblemáticas organizadas pela Direção da

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DE PROVAS OFICIAIS DE POLO-AQUATICO 2015/2016 INDICE... 2 PO1 CAMPEONATO NACIONAL DA 1.ª DIVISÃO MASCULINOS...

REGULAMENTO ESPECIFICO DE PROVAS OFICIAIS DE POLO-AQUATICO 2015/2016 INDICE... 2 PO1 CAMPEONATO NACIONAL DA 1.ª DIVISÃO MASCULINOS... REGULAMENTO ESPECÍFICO DE PROVAS OFICIAIS 2015/2016 INDICE INDICE... 2 PO1 CAMPEONATO NACIONAL DA 1.ª DIVISÃO MASCULINOS... 5 1 PRÉMIOS... 5... 5... 5 PO2 CAMPEONATO NACIONAL DA 2.ª DIVISÃO MASCULINOS...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO REGIONAL DE DESPORTOS PARA DEFICIENTES INTELECTUAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO REGULAMENTO ESPECÍFICO DA TAÇA SÃO PAULO DE FUTSAL-2015

ASSOCIAÇÃO REGIONAL DE DESPORTOS PARA DEFICIENTES INTELECTUAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO REGULAMENTO ESPECÍFICO DA TAÇA SÃO PAULO DE FUTSAL-2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DA TAÇA SÃO PAULO DE FUTSAL-2015 DA DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO Art. 1º - A Taça São Paulo de Futsal - 2015 será disputado por equipes com atletas com deficiência intelectual. Art.

Leia mais

REGULAMENTO BASQUETE 2009

REGULAMENTO BASQUETE 2009 REGULAMENTO BASQUETE 2009 Organização: Fórum das Associações dos Servidores das Agências Reguladoras Patrocínio: DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO BASQUETE - 2009 Art.01 - Este regulamento é o conjunto

Leia mais

II ÁGUAS ABERTAS AQUAPOLIS ABRANTES

II ÁGUAS ABERTAS AQUAPOLIS ABRANTES II ÁGUAS ABERTAS AQUAPOLIS ABRANTES IX CIRCUITO NACIONAL DE ÁGUAS ABERTAS Regulamento 02.Agosto.2009 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO / CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL 0 1. ORGANIZAÇÃO Associação de Natação

Leia mais

PORTUGAL OPEN 2015 REGULAMENTO

PORTUGAL OPEN 2015 REGULAMENTO Oeiras - Portugal 30 de Agosto a 5 de setembro de 2015 1. ORGANIZADOR Federação Portuguesa de Xadrez (FPX) Rua Francisco Foreiro, n.º2, 4º esq 1150-166 Lisboa Portugal Tel: (+ 351) 213 579 144, Fax: (+

Leia mais

PARTE GERAL I. Época oficial II. Horário de Funcionamento e Registo de Entrada III. Correspondência IV. Tabelas de Emolumentos e Taxas INSCRIÇÕES

PARTE GERAL I. Época oficial II. Horário de Funcionamento e Registo de Entrada III. Correspondência IV. Tabelas de Emolumentos e Taxas INSCRIÇÕES CAPÍTULO 1º PARTE GERAL PARTE GERAL I. Época oficial II. Horário de Funcionamento e Registo de Entrada III. Correspondência IV. Tabelas de Emolumentos e Taxas Pág. 3-5 CAPÍTULO 2º INSCRIÇÕES E TRANSFERÊNCIAS

Leia mais

JUNIOR BUSINESS CHALLENGE

JUNIOR BUSINESS CHALLENGE JUNIOR BUSINESS CHALLENGE 1 Regulamento do Jogo INTRODUÇÃO ARTIGO 1: DA INSCRIÇÃO ARTIGO 2: DA METODOLOGIA ARTIGO 3: DAS FASES E ETAPAS DO JOGO ARTIGO 4: DOS CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO ARTIGO 5: DOS REQUISITOS

Leia mais

ÍNDICE. I. DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º - Âmbito

ÍNDICE. I. DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º - Âmbito ÍNDICE I. DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º - Âmbito II. ORGANIZAÇÃO DE PROVAS Artigo 2º - Modelo Competitivo Artigo 3º - Sistema Competitivo Artigo 4º - Ordem dos Jogos Artigo 5º - Duração dos Jogos Artigo

Leia mais

APURAMENTO CAMPEÃO AFH JUNIORES A FUTSAL

APURAMENTO CAMPEÃO AFH JUNIORES A FUTSAL Rua Cônsul Dabney 9900-014 Horta APURAMENTO CAMPEÃO AFH JUNIORES A FUTSAL DATA: 06 e 07 de fevereiro de 2015 LOCAL: Pavilhão das Lajes das Flores / Lajes das Flores / Flores Página Net : www.afhorta.com

Leia mais

TAÇA CIDADE SÃO JOSÉ DE FUTSAL 2014 REGULAMENTO GERAL I - DA ORGANIZÇÃO E DIREÇÃO

TAÇA CIDADE SÃO JOSÉ DE FUTSAL 2014 REGULAMENTO GERAL I - DA ORGANIZÇÃO E DIREÇÃO TAÇA CIDADE SÃO JOSÉ DE FUTSAL 2014 REGULAMENTO GERAL I - DA ORGANIZÇÃO E DIREÇÃO Art. 1º - A organização da Taça Cidade São José de Futsal é de inteira responsabilidade da Prefeitura Municipal de São

Leia mais

Regulamento do Campeonato Nacional de Veteranos 2011

Regulamento do Campeonato Nacional de Veteranos 2011 Regulamento do Campeonato Nacional de Veteranos 2011 O Campeonato Nacional de Veteranos é organizado pela Federação Portuguesa de Xadrez, e conta com os apoios do Hotel Golfmar, IDP, Câmara Municipal de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA

REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA Art. 1º O Torneio de Futebol Society tem por finalidade: A congregação dos graduandos, o fortalecimento dos laços de amizade e a camaradagem

Leia mais

NORMAS ESPECIFICAS VOLEIBOL. www.inatel.pt

NORMAS ESPECIFICAS VOLEIBOL. www.inatel.pt NORMAS ESPECIFICAS www.inatel.pt NORMAS ESPECÍFICAS As normas específicas são regras estabelecidas pela Direção Desportiva, em complemento do Código Desportivo, para as provas organizadas pela Fundação

Leia mais

REGULAMENTO DE REMO 2007 2008

REGULAMENTO DE REMO 2007 2008 REGULAMENTO DE REMO 2007 2008 REGATAS OFICIAIS E CAMPEONATOS ESTADUAIS CAPÍTULO I DOS REMADORES E SUAS CATEGORIAS: Artigo 1º O(a)(s) remador(a)(es)(as) que vierem a participar de regatas da serão divididos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto

Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto Centros de medicina desportiva do Instituto Nacional do Desporto... 2 Organização... 2 Colaboração com outras entidades... 2 Formação e Investigação... 3 Exames de

Leia mais

Apoios e Subsídios 2014/2015

Apoios e Subsídios 2014/2015 Apoios e Subsídios 2014/2015 Notas prévias: Apenas serão apoiados e subsidiados os atletas e equipas vinculados a clubes que tenham a sua situação financeira regularizada perante a FPB; As equipas e atletas

Leia mais

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA no Ensino Superior CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior Setembro 2011 DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direcção de Serviços de Suporte à

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVAS

REGULAMENTO DE PROVAS REGULAMENTO DE PROVAS CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO DAS PROVAS ARTIGO 1º - LIMITES DA ÉPOCA OFICIAL 1 - É considerada Época Oficial, o período compreendido entre 1 de Agosto e 31 de Julho. ARTIGO 2º - PROVAS

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

CIRCUITO VERÃO SESC DE ESPORTES 2013/2014

CIRCUITO VERÃO SESC DE ESPORTES 2013/2014 CIRCUITO VERÃO SESC DE ESPORTES 2013/2014 I. DA COMPETIÇÃO II. DA COORDENAÇÃO III. DAS FASES DA COMPETIÇÃO IV. DAS INSCRIÇÕES E PARTICIPAÇÕES V. DA PREMIAÇÃO VI. DA ARBITRAGEM VII. DA IDENTIFICAÇÃO VIII.

Leia mais

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária?

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Respondidas: Ignoradas: 0 < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Opções de resposta < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Respostas

Leia mais

REGULAMENTO do TORNEIO

REGULAMENTO do TORNEIO REGULAMENTO do TORNEIO As regras de jogo aplicadas no Maia Handball Cup 2014 são as que estão em vigor na Federação de Andebol de Portugal que, por sua vez, baseia a sua lei na IHF. No entanto, ficam estabelecidas

Leia mais

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DO DESPORTO ESCOLAR 2014-2015 ( a que se refere o Despacho nº9302/2014 de 17 de julho) 1. ÂMBITO O presente regulamento define

Leia mais

Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS. Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07

Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS. Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07 Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07 REGULAMENTO GERAL DE PROVAS DESPORTIVAS 1. PROVAS FEDERATIVAS 1.1. São consideras Provas Federativas

Leia mais

REGULAMENTO TEMPORADA DOS CAMPEÕES 2014 MODALIDADE: TÊNIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO TEMPORADA DOS CAMPEÕES 2014 MODALIDADE: TÊNIS CAPÍTULO I REGULAMENTO TEMPORADA DOS CAMPEÕES 2014 MODALIDADE: TÊNIS CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º - O Torneio de Tênis tem por finalidade promover a integração dos colaboradores do Grupo FIAT através da atividade

Leia mais

Comunicado Oficial nº 1 2015/2016 Página 1 de 23

Comunicado Oficial nº 1 2015/2016 Página 1 de 23 Comunicado Oficial n.º 1 Época 2015/2016 Aprovado na reunião da Direção da Federação Portuguesa de Futebol, de 25 de junho de 2015, de acordo com o disposto no artigo 10.º e nas alíneas a) e c) do número

Leia mais

CIRCUITO NACIONAL CORREIOS DE BEACH TENNIS REGULAMENTO GERAL PARA 2014 1. DO CAMPEONATO

CIRCUITO NACIONAL CORREIOS DE BEACH TENNIS REGULAMENTO GERAL PARA 2014 1. DO CAMPEONATO CIRCUITO NACIONAL CORREIOS DE BEACH TENNIS REGULAMENTO GERAL PARA 2014 1. DO CAMPEONATO O Campeonato será realizado nos meses de Junho, Agosto,Outubro e a Etapa Master final do ano(local e data a confirmar),

Leia mais

Liga de Rugby do Vale

Liga de Rugby do Vale REGULAMENTO DO TORNEIO Torneio de Rúgbi de Areia 58º Jogos Regionais de Caraguatatuba Liga de Rugby do Vale Capítulo I - Disposições Gerais Art. 1º - O Torneio de Rúgbi de Areia em Caraguatatuba, é um

Leia mais

Campeonato Regional de Ténis 2009 Iniciados e Juvenis CLUBE DE TÉNIS DO ESTORIL

Campeonato Regional de Ténis 2009 Iniciados e Juvenis CLUBE DE TÉNIS DO ESTORIL 1 Introdução DOCUMENTO ORIENTADOR O Campeonato Regional de Ténis enquadra-se num conjunto de Campeonatos Regionais da responsabilidade da Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo. O presente

Leia mais

REGULAMENTO EUROPEAN SLOT CHAMPIONSHIP Pré-Qualificações e Qualificação Casino Estoril / Casino Lisboa

REGULAMENTO EUROPEAN SLOT CHAMPIONSHIP Pré-Qualificações e Qualificação Casino Estoril / Casino Lisboa REGULAMENTO EUROPEAN SLOT CHAMPIONSHIP Pré-Qualificações e Qualificação Casino Estoril / Casino Lisboa I Normas Gerais 1.ª (Conceito) 1. O European Slot Championship é uma iniciativa que envolve a realização

Leia mais