DROGAS ANTI-CÂNCER E SUAS AÇÕES ESPECÍFICAS CONTRA AS CÉLULAS TUMORAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DROGAS ANTI-CÂNCER E SUAS AÇÕES ESPECÍFICAS CONTRA AS CÉLULAS TUMORAIS"

Transcrição

1 ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO,SP DROGAS ANTI-CÂNCER E SUAS AÇÕES ESPECÍFICAS CONTRA AS CÉLULAS TUMORAIS PROF.DR. PAULO CESAR NAOUM Biomédico, Professor Titular pela Universidade Estadual Paulista Ex-assessor científico da Organização Mundial da Saúde 2014

2 AÇÃO DE ALGUMAS DROGAS ANTI-CÂNCER NA CÉLULA TUMORAL Apresentaremos algumas drogas utilizadas nos tratamentos de diversos tipos de câncer, mostrando suas formas de bloqueios biológicos nas células tumorais. A figura abaixo representa uma célula com os principais alvos terapêuticos (receptores de membrana e hormonais, proteossoma, centríolo, e metabólitos para formar ). Androgênio Estrogênio Receptores de Estrogênio Estrogênio Receptor de membrana Proteossoma Centríolo Metabólitos de ácido fólico

3 AÇÃO DE ALGUMAS DROGAS ANTI-CÂNCER NA CÉLULA TUMORAL O objetivo das drogas anti-câncer é bloquear os sinalizadores celulares que atuam no citoplasma e núcleo das células(estruturas de cor verde). Esses sinalizadores têm,por exemplo, as funções de estimularem o das células tumorais para faze-las com que se reproduzam indefinidamente, formando o tumor,. Androgênio Estrogênio Receptores de Estrogênio Estrogênio Receptor de membrana Proteossoma Centríolo

4 ANTIBIÓTICOS NATURAIS ANTRACICLINAS MITOMICINAS DACTINOMICINA PLICAMICINA BLEOMICINA ALCALÓIDES PIRROZIDÍNICOS Esse grupo de antibióticos contém produtos químicos que interferem nas ligações das bases nitrogenadas do, rompendo-as. Como consequencia desse rompimento molecular do se liberam excessivas concentrações de radicais livres (RL) que, além de oxidar o e RNA integros, alteraram as reações enzimáticas (sempre muito ativas) no citoplasma das células tumorais. USADOS PARA TRATAMENTO AUXILIAR DE VÁRIOS TIPOS DE CÂNCER A CRITÉRIO MÉDICO. ANTIBIÓTICOS NATURAIS RL Enzimas Enzimas RL

5 AROMASIN É uma droga que inibe a enzima aromatase. Essa enzima tem a função de transformar os hormônios androgênicos em estrogênio. As células das glândulas mamárias, principalmente as tumorais, precisam do estrogênio para viverem. O Aromasin impede a formação de estrogênio e, portanto, as células tumorais não sobrevivem. Androgênio AROMASIN aromatase Estrogênio Receptor de Estrogênio CÂNCER DE MAMA E ENDOMETRIAL, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

6 AZACITIDINA VIDAZA É um quimioterápico que retira os radicais metil da molécula do, inibindo a divisão celular. Tal qual a maioria dos quimioterápicos, essa ação ocorre com maior intensidade em células tumorais, mas atingem também as células normais, causando toxicidades. SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO. AZACITIDINA

7 BEVACIZUMAB AVASTIN É um anticorpo monoclonal bloqueador de uma proteina que estimula a produção de vasos sanguíneos especializados em alimentar tumores (neoangiogênese) e,também, possibilitar o deslocamento das células tumorais para outros órgãos ou tecidos (metástase). Essa proteina é conhecida por Fator de Crescimento Endotelial Vascular ou VEGF. O VEGF precisa entrar na célula para estimular a produção de células endoteliais para induzir a neoangiogênese, mas o Bevacizumab ou Avastin bloqueia o VEGF e este não consegue entrar na célula. BEVACIZUMAB AVASTIN Receptor 2 de VGEF VEGF bloqueado VEGF Receptor 1 de VGEF CÂNCER DE PULMÃO (NÃO PEQUENAS CÉLULAS), COLORETAL, RIM, GLIOBLASTOMA E MAMA, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

8 BUSULFAN - MILERAN É uma droga sulfonada que se introduz entre alguns dos componentes da molécula do (as bases nitrogenadas guanina-adenina), tornando-a inefetiva e causando a morte da célula. Esse ataque, no entanto não é só dirigido às células tumorais, mas também às células normais. Por essa razão a droga é muito tóxica ao organismo. BUSULFAN LEUCEMIAS, LINFOMAS E DOENÇAS MIELOPROLIFERATIVAS, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

9 CETUXIMAB PANITUMUMAB Essa droga é um anticorpo monoclonal específico feito para bloquear a sinalização do Receptor do Fator de Crescimento Epidermal (EGFR). Atua evitando a formação de células tumorais e inibindo o estímulo à formação de novos vasos sanguíneos (neoangiogênese) que alimentaria o tumor. CETUXIMAB PANITUMUMAB EGFR CÂNCER COLO-RETAL E DE CABEÇA E PESCOÇO, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

10 CISPLATINA - CARBOPLATINA OXALIPLATINA Essas drogas fazem parte dos complexos de coordenação da platina e que são potentes agentes antitumorais, além de produzirem efeitos antitumorais mais expressivos ao se associarem com outras drogas quimioterápicas. Suas ações nas células destabilizam o, notadamente por se introduzir nas ligações com as bases nitrogenadas adenosina e citosina, inibindo as divisoes das células tumorais. CÂNCER DE TESTÍCULOS, OVÁRIOS, GARGANTA, BEXIGA, ESÔFAGO, PRÓSTATA, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO. CISPLATINA CARBOPLATINA OXALIPLATINA

11 FULVESTRANTE FASLODEX Essa droga atua bloqueando o receptor de estrogênio com função específica de anti-estrogênio. O hormônio estrogênio é importante para o desenvolvimento de células glandulares da mama, normais e tumorais. As células tumorais são mais ávidas por estrogênio, aumentando a sinalização para a excessiva divisão celular que resultará em tumor. Por essa razão, as células tumorais são mais afetadas pelo fulvestrante que as células normais Androgênio FULVESTRANTE Estrogênio Receptores de Estrogênio CÂNCER DE MAMA, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO. Estrogênio TAMOXIFENO

12 GEMCITABINA GEMZAR É uma droga que tem uma estrutura molecular muito similar à base nitrogenada citosina. Por essa razão, a droga, ao entrar na célula, se ajusta na molécula de em posições que têm citosina, enganando o e promovendo a morte de células tumorais. A gemcitabina potencializa a ação de outra droga, a cisplatina, auxiliando a destruição das células tumorais. GEMCITABINA CÂNCER DE PULMÃO, BEXIGA, MAMA E PÂNCREAS, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

13 HIDROXIUREIA - HIDREIA São drogas que interferem na oferta de compostos químicos para compor o e RNA. Entre esses compostos o mais significante é o ácido fólico, que atua como metabólito para formar e RNA. Essas drogas, conhecidas por antifolatos, inibem a ação do ácido fólico e outros folatos impedindo que as células normais e tumorais se proliferem. Pelo fato das células tumorais consumirem mais folatos, elas são as mais prejudicadas por essas drogas anti-metabólicas. LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA, CÂNCER DE OVÁRIO, MELANOMA E VÁRIOS TIPOS DE CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO. HIDROXIUREIA Metabólitos de ácido fólico

14 IMATINIB (GLIVEC) Essa droga foi idealizada para impedir que os Receptores do Fator de Crescimento Epidermal (EGFR) de células tumorais atuassem estimulando a divisão celular, invasão das células tumorais para tecidos próximos ao do tumor primário, a neoangiogênese (expansão de vasos sanguíneos em direção ao tumor primário para alimenta-lo e possibilitar o deslocamento das células tumorais para outros órgãos, causando a metástase) e inibindo a morte celular (apoptose). A ação dessa droga ocorre numa parte do receptor (Dominio da Tirosina-quinase) impedindo que ocorra a sinalizção que estimularia a reprodução da celula tumoral. IMATINIB GLIVEC Domínio da Tirosina-quinase EGFR mutante LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA E TUMORES ESTROMAIS GASTRO-INTESTINAIS, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

15 IPILIMUMAB - YERVOY É um composto químico-imunológico (anticorpo monoclonal) produzido em laboratório especificamente para bloquear um tipo de proteína(antígeno de membrana) que se expõe na membrana de linfócitos do tipo T. Essa proteina é como se fosse um canal por meio do qual são lançados para fora da célula sinais (citocinas) que finalizam a resposta imunológica contra um processo inflamatório. Como o câncer é uma inflamação tumoral, o objetivo desse medicamento é fazer com que os linfócitos T parem de sinalizar o fim da resposta imunológica, induzindoos para que continuem ativos. IPILIMUMAB YERVOY Antígeno de membrana MELANOMA, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

16 IRESSA GEFITINIB Essas drogas foram idealizadas para impedirem que o Receptor do Fator de Crescimento Epidermal (EGFR) de células tumorais atuassem estimulando a divisão celular, invasão das células tumorais para tecidos próximos ao do tumor primário, a neoangiogênese (expansão de vasos sanguíneos em direção ao tumor primário para alimenta-lo e possibilitar o deslocamento das células tumorais para outros órgãos, causando a metástase) e inibindo a morte celular (apoptose). A ação dessa droga ocorre numa parte do receptor (Dominio da Tirosina-quinase) impedindo que ocorra a sinalizção que estimularia a reprodução da celula tumoral. IRESSA GEFITINIB Domínio da Tirosina-quinase EGFR mutante CÂNCER DE PULMÃO (NÃO PEQUENAS CÉLULAS), ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

17 LEUKERAN - TREANDA MUSTARGEN CYTOXAN São drogas que tem por base a mostarda nitrogenada cujos componentes químicos se interpõe entre as bases nitrogenadas de guanina, principalmente. Esse processo rompe a molécula do, tornando-a inefetiva e causando a morte da célula. Este ataque, no entanto não é só dirigido às células tumorais, mas também às células normais. Por essa razão a droga é tóxica ao organismo, podendo causar mutações adicionais. LEUKERAN TREANDA MUSTARGEN CYTOXAN DOENÇA DE HODGKIN, LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

18 MELFALAN(O) - ALKERAN - FENIALANINA MOSTARDA É uma droga que tem um componente químico (fenilalanina mostarda) que se introduz entre alguns dos componentes da molecula do (bases nitrogenadas guanina-adenina), tornando-a inefetiva e causando a morte da célula. Esse ataque, no entanto, não é só dirigido às células tumorais, mas também às células normais. Por essa razão a droga é tóxica ao organismo, podendo causar mutações adicionais. MILERAN(O) / ALKERAN / FENILANALINA MOSTARDA CÂNCER DE MAMA,OVÁRIO, LINFOMA NÃO-HODGKIN, MIELOMA MÚLTIPLO SARCOMA OSTEOGÊNICO, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

19 METOTREXATO AMETOPTERINA - AMINOPTERINA São drogas que interferem na oferta de compostos químicos para compor o e RNA. Entre esses compostos o mais significante é o ácido fólico, que atua como metabólito para formar e RNA. Essas drogas, conhecidas por antifolatos, inibem a ação do ácido fólico e outros folatos impedindo que as células normais e tumorais se proliferem. Pelo fato das células tumorais consumirem mais folatos, elas são as mais prejudicadas por essas drogas anti-metabólicas. METOTREXATO AMETOPTERINA Metabólitos de ácido fólico LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA AGUDA E VÁRIOS TIPOS DE CÂNCER, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

20 PACLITAXEL ALBUMINA - DOCETAXEL - CABAZITAXEL São quimioterápicos anti-mitóticos que atuam inibindo a interação de proteinas tubulares específicas que compõe os centríolos. Os centríolos participam da formação de uma estrutura celular conhecida por fuso mitótico (fusos espiralantes) pelo qual migram os cromossomos durante o processo de mitose, dando início à divisão celular. Inicialmente o taxel era extraido da casca de uma árvore conhecida por Teixo do Pacífico, mas devido às dificuldades de extrair o princípio ativo do medicamento essas drogas são produzidas,atualmente, de forma sintetica. Essas drogas inibem a divisão das células tumorais. CÂNCER DE MAMA, PULMÃO (CÉLULAS NÃO-PEQUENAS), PRÓSTATA, CABEÇA E PESCOÇO, ADENOCARCINOMA GÁSTRICO, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO. DOCETAXEL PACLITAXEL CARBAZITAXEL Centríolo

21 PEMETREXEDE (ALIMTA) CITARABINA- FLUORACIL São drogas que interferem na oferta de compostos químicos para compor o e RNA. Entre esses compostos o mais significante é o ácido fólico, que atua como metabólito para formar e RNA. Essas drogas,conhecidas por antifolatos, inibem a ação do ácido fólico e outros metabólitos impedindo as células normais e tumorais se proliferem. Pelo fato das células tumorais consumirem mais folatos, elas são as mais prejudicadas por essas drogas anti-metabólicas. USADO USADO PARA PARA TRATAMENTO TRATAMENTO DE: DE: LEUCEMIA LEUCEMIA MIELÓIDE MIELÓIDE AGUDA, AGUDA, CÂNCER CÂNCER DE DE NÃO-PEQUENAS NÃO-PEQUENAS CÉLULAS NÃO-ESCAMOSAS CÉLULAS NÃO-ESCAMOSAS DO DO PULMÃO, PULMÃO, MESOLTELIOMA MESOLTELIOMA PLEURAL PLEURAL MALIGNO,ENTRE MALIGNO,ENTRE OUTROS AACRITÉRIO OUTROS, CRITÉRIO MÉDICO. MÉDICO. PEMETREXEDE CITARABINA FLUORACIL Metabólitos de ácido fólico

22 RAPAMICINA A rapamicina é um composto químico extraído de fungos. É uma droga imunosupressora com propriedades antitumorais por iniberem alguns sinalizadores celulares (mtor raptor e mtor rictor). Como resultado desse processo a célula tumoral deixa de se dividir, tornando mais fácil a ação da quimioterapia usada no tratamento do câncer. USADOS PARA TRATAMENTO AUXILIAR ALGUNS TIPOS DE CÂNCER (EX: MAMA E RENAL) A CRITÉRIO MÉDICO. mtor raptor mtor rictor RAPAMICINA RAPAMICINA

23 RITUXIMABE RITUXAN - MABTHERA É um composto químico-imunológico produzido em laboratório especificamente para bloquear um tipo de proteína que se expõe na membrana de linfócitos (Antígeno CD20). Essa proteina é como se fosse um canal por meio do qual são lançados para fora da célula sinais para que se produzam mais linfócitos. Quando esses linfócitos são anormais, como ocorrem em leucemias e linfomas de células B, bem como em doenças auto-imunes, os sinais lançados são também anormais. Dessa forma, essas drogas que são conhecidas por anticorpos monoclonais, impedem que ocorram as liberações desses sinais. RITUXIMABE RITUXAN MABTHERA Antígeno CD20 LEUCEMIAS E LINFOMAS DE CÉLULAS B, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

24 TALIDOMIDA A talidomida é uma droga que atua em três setores relacionados com a formação da célula tumoral: a) inibe a citocina TNF alfa, que no câncer está muito elevada e é uma das principais causas da inflamação tumoral, b) regula a imunidade do paciente por meio do estímulo de linfócitos CD8 que atacam células tumorais, e c) inibe a produção de vasos sanguíneos em direção ao tumor, que facilitaria o deslocamento de células tumorais do tumor primário, causando a metástase. TALIDOMIDA TALIDOMIDA Receptor de membrana Citocinas TNF MIELOMA MÚLTIPLO, MELANOMA, CÂNCER DE PÂNCREAS E RENAL, SARCOMA DE KAPOSI, E LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

25 TAMOXIFENO O tamoxifeno atua bloqueando o receptor de estrogênio, hormônio importante para o desenvolvimento de células glandulares da mama, normais e tumorais. As células tumorais são mais ávidas por estrogênio, aumentando a sinalização para a excessiva divisão celular que resultará em tumor. Por essa razão, as células tumorais são mais afetadas pelo tamoxifeno que as células normais Androgênio Estrogênio TAMOXIFENO Receptores de Estrogênio CÂNCER DE MAMA, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO. Estrogênio TAMOXIFENO

26 TARCEVA Essa droga foi idealizada para impedir que o Receptores do Fator de Crescimento Epidermal (EGFR) de células tumorais atuassem estimulando a divisão celular, invasão das células tumorais para tecidos próximos ao do tumor primário, a neoangiogênese (expansão de vasos sanguíneos em direção ao tumor primário para alimenta-lo e possibilitar o deslocamento das células tumorais para outros órgãos, causando a metástase) e inibindo a morte celular (apoptose). A ação dessa droga ocorre numa parte do receptor (Dominio da Tirosina-quinase) impedindo que ocorra a sinalizção que estimularia a reprodução da celula tumoral. TARCEVA Domínio da Tirosina-quinase EGFR mutante CÂNCER DE PÂNCREAS, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

27 TRASTUZUMAB HERCEPTINA - PERTUZUMAB É um composto químico-imunológico (anticorpo monoclonal) produzido em laboratório especificamente para bloquear um tipo de proteína (receptor de membrana HER2) que se expõe na membrana das células da glândula mamária. Esse receptor é como se fosse um canal por meio do qual entram sinais (citocinas) para dentro dessas células, estimulandoas a se dividirem continuamente, causando o tumor. O traztuzumab ou herceptina impede a entrada desses sinais, evitando a formação do tumor. TRAZTUZUMAB OU HERCEPTINA PERTUZUMAB Recetor de membrana HER2 CÂNCER DE MAMA ESPECÍFICO PARA HER2 E CÂNCER GÁSTRICO, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO.

28 VELCADE - BORTEZOMIDA Velcade ou Bortomozomida atuam inibindo as atividades dos proteossomas. Nos proteossomas ocorrem os ajustes químicos das proteinas destinadas a causarem a morte das células normais quando essas atingem seus níveis máximos de vida. Em células tumorais as proteinas dos proteossomas são anormais e ao invés de induzirem a morte celular, as fazem viverem muito mais, formando o tumor. Essas drogas degradam os proteossomas, desnaturam as proteinas anormais e impedem a formação de células tumorais MIELOMA MÚLTIPLO, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO. VELCADE OU BORTOZOMIDA Proteossoma Proteinas anormais

29 VINCRISTINA VINDESINA - VINBLASTINA São quimioterápicos anti-mitóticos que atuam inibindo a interação de proteinas tubulares específicas que compõe os centríolos. Os centríolos participam da formação de uma estrutura celular conhecida por fuso mitótico (fusos espiralantes) pelo qual migram os cromossomos durante o processo de mitose, dando início à divisão celular.. Essas drogas extraidas de uma planta (Vinca rosea) inibem a mitose e, consequentemente, divisão das células tumorais. CÂNCER DE OVÁRIO, CABEÇA E PESCOÇO, CÉRVIX, PULMÃO, SARCOMAS, LINFOMAS, NEUROBLASTOMA, BEXIGA, TESTÍCULO, MAMA, MIELOMA,LINFOMA E LEUCEMIAS, ENTRE OUTROS, A CRITÉRIO MÉDICO. VINCRISTINA VINBESINA VINBLASTINA Centríolo

30 VITAMINA C A vitamina C é um potente antioxidante, principalmente contra os radicais livres liberados de forma excessiva pelas células tumorais. Esses radicais livres( RL) penetram nas células normais e afetam as reações químicas dessas células. A ação da vitamina C recompõe, em parte, o equilíbrio químico no citoplasma das células normais. Vit. C USADOS PARA TRATAMENTO AUXILIAR DE VÁRIOS TIPOS DE CÂNCER A CRITÉRIO MÉDICO. RL Vit. C Vit. C RL RL RL

31 Referências Almeida VL et al- Quimica Nova,2005, 28:1-20 Denny WA- The Lancet Oncol. 2000, 1: King RJB, Robins MW- Cancer Biology 3rd ed.pearson Education Ltd,London, 2006 Sliwkowski MX, Mellman I- Science 2013, 341: Weinberg RA- The Biology of Cancer, Garland Science,

Princípios de Oncologia Clínica. Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861

Princípios de Oncologia Clínica. Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861 Princípios de Oncologia Clínica Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861 Histórico 1900 Termo Quimioterapia Dr. Paul Ehrlich (1854-1915) Anos 40 Segunda Guerra Mundial Ilha de Bali 1943

Leia mais

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia)

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia) 1 SILVA, M.B..; FONSECA, C.A.; RODRIGUES, A.J.L.; Terapia medicamentosa do câncer. In III SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E I JORNADA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UEG. 2005, Anápolis. Anápolis: UEG,

Leia mais

IMUNOLOGIA DO CÂNCER Prof. Dr. Paulo Cesar Naoum Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Atualizado até 2013

IMUNOLOGIA DO CÂNCER Prof. Dr. Paulo Cesar Naoum Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Atualizado até 2013 IMUNOLOGIA DO CÂNCER Prof. Dr. Paulo Cesar Naoum Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Atualizado até 2013 Gênese do câncer A célula cancerosa é originada de uma célula normal que

Leia mais

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue:

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue: 8 - O câncer também tem fases de desenvolvimento? Sim, o câncer tem fases de desenvolvimento que podem ser avaliadas de diferentes formas. Na avaliação clínica feita por médicos é possível identificar

Leia mais

doença Sem especificação de fase da doença Sem especificação de fase da doença Estágios avançados Linfomas Mama Micose Fungóide

doença Sem especificação de fase da doença Sem especificação de fase da doença Estágios avançados Linfomas Mama Micose Fungóide SUBSTÂNCIA LOCALIZAÇÃO INDICAÇÃO Acetato de Abiraterona Anastrozol Bicalutamida Bussulfano Metastático resistente à castração em homens que receberam quimioterapia prévia com docetaxel Adjuvante na pós-menopausa

Leia mais

Oncologia. Aula 4: Farmacologia dos antineoplásicos. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 4: Farmacologia dos antineoplásicos. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 4: Farmacologia dos antineoplásicos Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Alquilantes Produtos Diversos Antimicóticos Classificação Atividade Funcional Antimetabólico Antibióticos Antitumorais

Leia mais

BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DO CÂNCER

BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DO CÂNCER 40 CONGRESSO BRASILEIRO DE ANÁLISES CLÍNICAS FLORIANÓPOLIS, 16 DE JUNHO DE 2013 (11:00 11:45H) BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DO CÂNCER PROF.DR. PAULO CESAR NAOUM ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÀO

Leia mais

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos:

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos: 6- Qual é a causa do câncer? Na realidade não há apenas uma causa, mas várias causas que induzem o aparecimento do câncer. Primeiramente é importante saber que todo o câncer tem origem genética por abranger

Leia mais

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe NOTA TÉCNICA 19 2013 Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe Incorporado no SUS para tratamento de câncer de mama HER2 positivo, em fase inicial ou localmente avançado. CONASS, julho de 2013 1 Considerações

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

INTERFACES CELULAR, MOLECULAR, IMUNOLÓGICA E TERAPÊUTICA DO CÂNCER

INTERFACES CELULAR, MOLECULAR, IMUNOLÓGICA E TERAPÊUTICA DO CÂNCER INTERFACES CELULAR, MOLECULAR, IMUNOLÓGICA E TERAPÊUTICA DO CÂNCER Naoum, P C Biomédico, Professor Titular pela UNESP de São José do Rio Preto, SP Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José

Leia mais

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias NEOPLASIAS Prof. Dr. Fernando Ananias Neoplasia = princípio básico CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES Comportamento Benigno versus Maligno Crescimento lento rápido Semelhança com O tecido de origem (Diferenciação)

Leia mais

ALIMENTOS ANTI-CÂNCER

ALIMENTOS ANTI-CÂNCER ALIMENTOS ANTI-CÂNCER Autoria: Paulo Cesar Naoum Professor Titular pela UNESP Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto,SP COUVE, COUVE-FLOR, REPOLHO, BRÓCOLIS Ação Protetiva:

Leia mais

Interfaces Celular, Molecular, Imunológica e Terapêutica do Câncer

Interfaces Celular, Molecular, Imunológica e Terapêutica do Câncer Interfaces Celular, Molecular, Imunológica e Terapêutica do Câncer Naoum, P. C. 1 Resumo O câncer é uma doença proveniente da proliferação descontrolada de células. Uma simples célula normal produz cerca

Leia mais

INTERFACES MOLECULARES, CELULARES E TERAPÊUTICAS DO CÂNCER

INTERFACES MOLECULARES, CELULARES E TERAPÊUTICAS DO CÂNCER INTERFACES MOLECULARES, CELULARES E TERAPÊUTICAS DO CÂNCER PROF.DR. PAULO CESAR NAOUM ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÀO JOSÉ DO RIO PRETO,SP REVISÃO ATÉ 2013 *TODOS OS TIPOS DE CÂNCER TÊM ORIGEM

Leia mais

Introdução ao Tratamento Oncológico

Introdução ao Tratamento Oncológico Introdução ao Tratamento Oncológico Diogo Rodrigues Médico oncologista da COI - Clínicas Oncológicas Integradas Gerente Médico do Instituto COI de Pesquisa, Educação e Gestão TÓPICOS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Pacientes em tratamento com medicamentos cedidos por Liminar Judicial. Novembro de 2011

Pacientes em tratamento com medicamentos cedidos por Liminar Judicial. Novembro de 2011 Pacientes em tratamento com medicamentos cedidos por Liminar Judicial Novembro de 2011 Todos pacientes são encaminhados pela SMS mediante emissão de Código de Transação Se o caso for oncológico o médico

Leia mais

Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2013 2014 3a. Reunião do Grupo Técnico - GT. 9 de Abril de 2013

Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2013 2014 3a. Reunião do Grupo Técnico - GT. 9 de Abril de 2013 Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2013 2014 3a. Reunião do Grupo Técnico - GT 9 de Abril de 2013 1 Rol de Procedimentos: Definição e Características Principais O Rol de Procedimentos e

Leia mais

Quimioterapia antineoplásica

Quimioterapia antineoplásica MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Ensino Superior Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação Programa de Educação Tutorial Grupo PET Farmácia Quimioterapia antineoplásica Gisele Ribeiro

Leia mais

QUIMIOTERÁPICOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO CARCINOMA DE MAMA: REVISÃO DE LITERATURA

QUIMIOTERÁPICOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO CARCINOMA DE MAMA: REVISÃO DE LITERATURA QUIMIOTERÁPICOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO CARCINOMA DE MAMA: REVISÃO DE LITERATURA OLIVEIRA, Alisson Felipe de 1 ; GARCES, Solange Beatriz Billig 2 ; HANSEN, Dinara 3 ; COSER, Janaína 3 ; LEITEMBERGER,

Leia mais

Assunto: Atendimento a pacientes corn Neoplastia Maligna pelo SUS.

Assunto: Atendimento a pacientes corn Neoplastia Maligna pelo SUS. ESTADO OE SAO PAULO - BRASIL Prefeitura Municipal de Limeira Gabinete do Prefeito A / C"tAh S LA DASASS 0EaJlt/ Limeira, 16 de outubro de 2014. OF. CM. n 2718/2014 A Sua Excelencia o Senhor RONEI COSTA

Leia mais

Denominação geral dos tumores

Denominação geral dos tumores Imunologia dos tumores Denominação geral dos tumores Carcinomas - derivados de células epiteliais (rim, fígado, epitélio gastro-intestinal) Sarcomas - originários de fibroblastos, células musculares e

Leia mais

PROTOCOLOS DE PRÉ-MEDICAÇÃO EM QUIMIOTERAPIA

PROTOCOLOS DE PRÉ-MEDICAÇÃO EM QUIMIOTERAPIA PROTOCOLOS DE PRÉ-MEDICAÇÃO EM QUIMIOTERAPIA Marta Ferreira, Bebiana Conde, Ana Fernandes, António Araújo I. PROTOCOLO DE HIDRATAÇÃO: a) Cisplatina: - Se dose < 50 mg/m 2 : Pré-Hidratação: 250 ml, PO,

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

PROF.DR. PAULO CESAR NAOUM ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO,SP

PROF.DR. PAULO CESAR NAOUM ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO,SP PROF.DR. PAULO CESAR NAOUM ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO,SP 2014 TEMÁRIO DO CURSO PRIMEIRA PARTE DO CURSO 1- A ORIGEM BIOLÓGICA DOS TUMORES 2- INDUÇÕES GENÉTICAS QUE TRANSFORMAM

Leia mais

Apoptose em Otorrinolaringologia

Apoptose em Otorrinolaringologia Apoptose em Otorrinolaringologia Teolinda Mendoza de Morales e Myrian Adriana Pérez García Definição A apoptose é um processo biológico existente em todas as células de nosso organismo, conhecida desde

Leia mais

Resposta Imune contra o Câncer

Resposta Imune contra o Câncer Câncer é um termo genérico, que compreende em torno de 200 doenças, cujas células causadoras partilham algumas características em comum: Mutações genéticas; Crescimento descontrolado; Capacidade de migração

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

Toxicidade pulmonar no tratamento oncologico

Toxicidade pulmonar no tratamento oncologico Toxicidade pulmonar no tratamento oncologico Teresa Yae Takagaki Pneumologia do HCFMUSP - Incor ICESP

Leia mais

Imunossupressores e Agentes Biológicos

Imunossupressores e Agentes Biológicos Imunossupressores e Agentes Biológicos Histórico Início da década de 1960 Transplantes Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Doenças autoimunes Neoplasias Imunossupressores Redução

Leia mais

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Sob este título o leitor poderá ter duas interpretações

Leia mais

Iniciação. Angiogênese. Metástase

Iniciação. Angiogênese. Metástase Imunidade contra tumores Câncer Cancro, tumor, neoplasia, carcinoma Características: Capacidade de proliferação Capacidade de invasão dos tecidos Capacidade de evasão da resposta imune Câncer Transformação

Leia mais

QUIMIOTERAPIA NO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO

QUIMIOTERAPIA NO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO INDICAÇÕES 1 Carcinoma Espinocelular 2 Carcinoma da Rinofaringe 3 Carcinoma de Glândulas Salivares 1- CARCINOMA ESPINOCELULAR INDICAÇÕES: a. tratamento adjuvante: concomitante a RXT b. neo-adjuvante (indução)

Leia mais

Alquilantes Diretrizes para Quimioterapia e Modificações das Dosagens Farm. William Rotea Junior Mostardas nitrogenadas Nitrosuréias Triazenos Etileniminas Alquilsulfonados Divisão Celular Mostardas Quimioterápicos

Leia mais

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M.

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M. Imunologia do câncer Impacto da imunologia na cancerologia Biologia tumoral Diagnóstico : imuno-histoquímica Tratamento : imunoterapia Mecanismos da resposta imunológica contra o câncer Quais as células

Leia mais

Roche apresenta fortes resultados em 2013: crescimento de 6%

Roche apresenta fortes resultados em 2013: crescimento de 6% Roche apresenta fortes resultados em 2013: crescimento de 6% Demanda no Brasil registra aumento de 9,4%. Vendas totais do Grupo alcançam 46,8 bilhões de francos suíços A Roche anunciou hoje os seus resultados

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

O Avastin é utilizado em associação com outros medicamentos contra o cancro no tratamento de adultos com os seguintes tipos de cancro:

O Avastin é utilizado em associação com outros medicamentos contra o cancro no tratamento de adultos com os seguintes tipos de cancro: EMA/175824/2015 EMEA/H/C/000582 Resumo do EPAR destinado ao público bevacizumab Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR) relativo ao. O seu objetivo é explicar o modo como o Comité

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

Antineoplásicos de uso oral

Antineoplásicos de uso oral Antineoplásicos de uso oral ABIRATERONA, ACETATO DE Metastático resistente à castraçăo em homens que receberam quimioterapia prévia ANASTROZOL Principais indicações por medicamento Adjuvante na pós-menopausa

Leia mais

NOTAS TÉCNICAS RESPONDIDAS PELA CGAPDC NOS ANOS DE 2013 E 2014

NOTAS TÉCNICAS RESPONDIDAS PELA CGAPDC NOS ANOS DE 2013 E 2014 2014 NOTAS TÉCNICAS RESPONDIDAS PELA CGAPDC NOS ANOS DE 2013 E 2014 1. tratamento para tumor linfático 2. tratamento oncológico para neoplasia maligna do reto 3. fornecimento de procedimento cirúrgico

Leia mais

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático O tratamento de pacientes com câncer de mama metastático

Leia mais

TRATAMENTOS OS NOVOS. contra o cancro. Melhores diagnósticos e medicamentos à medida de cada tipo

TRATAMENTOS OS NOVOS. contra o cancro. Melhores diagnósticos e medicamentos à medida de cada tipo Célula do cancro da mama HER2+, umadas que são alvo das novas terapias. OS NOVOS TRATAMENTOS contra o cancro Melhores diagnósticos e medicamentos à medida de cada tipo de tumor e de cada doente estão a

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos.

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos. Questão 1 Você é um imunologista que quer ficar rico e decide deixar o mundo da ciência, conseguindo um emprego como consultor de roteiro em um novo seriado de drama médico. Você avalia o conhecimento

Leia mais

Morte Celular Programada (Apoptose)

Morte Celular Programada (Apoptose) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR Morte Celular Programada (Apoptose) Profa. Dra. Nívea Macedo APOPTOSE A morte celular desempenha

Leia mais

ÍNDICE - 22/08/2006 Tribuna da Imprensa (RJ)...2 Ciência/ Ambiente...2 A Notícia (SC)...3 País/Mundo...3

ÍNDICE - 22/08/2006 Tribuna da Imprensa (RJ)...2 Ciência/ Ambiente...2 A Notícia (SC)...3 País/Mundo...3 ÍNDICE - Tribuna da Imprensa (RJ)...2 Ciência/ Ambiente...2 Descobertas novas drogas para inibir metástase...2 A Notícia (SC)...3 País/Mundo...3 Novos remédios para metástase...3 Jornal de Santa Catarina

Leia mais

MARCADORES TUMORAIS. AUTOR: PROF. DR. PAULO CESAR NAOUM Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP, Brasil 2014

MARCADORES TUMORAIS. AUTOR: PROF. DR. PAULO CESAR NAOUM Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP, Brasil 2014 MARCADORES TUMORAIS AUTOR: PROF. DR. PAULO CESAR NAOUM Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP, Brasil 2014 O QUE SÃO MARCADORES TUMORAIS(MT) SÃO SUBSTÂNCIAS PRODUZIDAS POR TECIDOS

Leia mais

INTRODUÇÃO. Cancro é o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos.

INTRODUÇÃO. Cancro é o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos. CANCRO INTRODUÇÃO Cancro é o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos. Dividindo-se rapidamente, estas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis. O QUE É CANCRO Cancro

Leia mais

Quimioterapia Metronômica novos usos para drogas antigas.

Quimioterapia Metronômica novos usos para drogas antigas. Quimioterapia Metronômica novos usos para drogas antigas. A gama de opções de drogas quimioterápicas disponíveis para uso veterinário continua a se expandir bem como o aprendizado com a oncologia humana

Leia mais

Índice. A Abrale. O que é plano de saúde? Qual órgão é responsável por cuidar dos planos de saúde?

Índice. A Abrale. O que é plano de saúde? Qual órgão é responsável por cuidar dos planos de saúde? Índice 1 2 3 4 5 6 7 8 9 11 12 18 19 A Abrale O que é plano de saúde? Qual órgão é responsável por cuidar dos planos de saúde? Quais os tipos de cobertura existentes nos planos de saúde? Há carência para

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR DCI gefitinib N.º Registo Nome Comercial Apresentação/Forma Farmacêutica/Dosagem PVH PVH com IVA Titular de AIM 30 comprimidos

Leia mais

Tratamento Sistêmico Câncer de Mama. Renata Cangussú 19/05/2012

Tratamento Sistêmico Câncer de Mama. Renata Cangussú 19/05/2012 Tratamento Sistêmico Câncer de Mama Renata Cangussú 19/05/2012 Modalidades Quimioterapia Hormonioterapia Terapia Biológica Modalidades Quimioterapia Hormonioterapia Terapia Biológica Número de células

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2014 DA LIGA ACADÊMICA DE ONCOLOGIA DO PIAUÍ. Liga Acadêmica de Oncologia do Piauí Filiada à Sociedade Brasileira de Cancerologia

PROCESSO SELETIVO 2014 DA LIGA ACADÊMICA DE ONCOLOGIA DO PIAUÍ. Liga Acadêmica de Oncologia do Piauí Filiada à Sociedade Brasileira de Cancerologia PROCESSO SELETIVO 2014 DA LIGA ACADÊMICA DE ONCOLOGIA DO PIAUÍ Liga Acadêmica de Oncologia do Piauí Filiada à Sociedade Brasileira de Cancerologia CANDIDATO: CPF: INSTRUÇÕES: 1. A prova terá duração máxima

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais

Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE

Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE UNESP, São José do Rio Preto Câncer : Doença Genética?

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º Avisos 1. Este documento apenas serve como apoio parcial às aulas de Biologia 12.º ano parte da Unidade 2 e Unidade 3 - leccionadas na Escola Secundária Morgado

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO - 2007 Prefeitura Municipal de Porto

CONCURSO PÚBLICO - 2007 Prefeitura Municipal de Porto CONCURSO PÚBLICO - 2007 Prefeitura Municipal de Porto Velho Caderno de Questões Gabarito A ESTATUTÁRIO - Nível Superior Médico Oncologista 23/09/2007 - MANHÃ ATENÇÃO! 1. O Caderno de Questões contém 40

Leia mais

Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro. Invasão. História natural do cancro

Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro Tratamento. Cancro. Invasão. História natural do cancro Cancro História natural do cancro Equilíbrio entre proto-oncogénios/genes supressores Proliferação descontrolada e indefinida de células Clones de células transformadas Subclonos Variabilidade genética

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS

ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS (2013) ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS E SUAS RELAÇÕES COM PATOLOGIAS. PARA QUE SERVE? E COMO SE INTERPRETA? Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Academia de Ciência e Tecnologia de São José

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

Honorário/palestrante: MSD. Patrocínio/viagens/congressos: Jansen; Roche, CQAI, ONCOCENTRO

Honorário/palestrante: MSD. Patrocínio/viagens/congressos: Jansen; Roche, CQAI, ONCOCENTRO Novas drogas para tratamento oncológico Dr. Gustavo Costa Baumgratz Lopes Oncologista Clínico Santa Casa de Belo Horizonte Hospital Belo Horizonte Belo Horizonte, 10 de outubro de 2014 1 Declaração de

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

Novos alvos para tratamento

Novos alvos para tratamento CÂNCER Os cânceres, até recentemente definidos em função da célula tumoral propriamente dita, hoje são encarados como doenças mais complexas, que envolvem diferentes tipos de células presentes no mesmo

Leia mais

A Química na medicina: Quimioterapia no tratamento do câncer

A Química na medicina: Quimioterapia no tratamento do câncer PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNICAMP A Química na medicina: Quimioterapia no tratamento do câncer Letícia Araújo de Oliveira, bolsista PIBID, IQ-UNICAMP Professores responsáveis:

Leia mais

Marcadores tumorais. Carla Almeida Setembro 2010

Marcadores tumorais. Carla Almeida Setembro 2010 Marcadores tumorais Carla Almeida Setembro 2010 Marcadores tumorais Marcadores tumorais Marcadores Tumorais são substâncias que podem ser encontradas em quantidades acima do normal no sangue, urina ou

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA

2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA Questão nº: 21 O câncer de tireóide é o tumor maligno mais comum do sistema endócrino, apresenta quadro clínico extremamente variável, que inclui desde os

Leia mais

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni Resposta imunológica a tumores Ronei Luciano Mamoni Tumores Conceitos gerais Neoplasias conceito Neoplasia (neo= novo + plasia = tecido) é o termo que designa alterações celulares que acarretam um crescimento

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: ONCOLOGISTA (ADULTO) C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de

Leia mais

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa Pesquisa A pesquisa no INCA compreende atividades de produção do conhecimento científico, melhoria dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos do câncer e formação de recursos humanos em pesquisa oncológica.

Leia mais

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 R1 CIT Vinícius Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 Prolongamento na sobrevida em pacientes com Câncer avançado não-pequenas células (CPNPC) Recentemente, 2 estudos randomizados,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

9) QUIMIOTERAPIA DO CÂNCER

9) QUIMIOTERAPIA DO CÂNCER 9) QUIMIOTERAPIA DO CÂNCER O câncer é uma doença caracterizada pela multiplicação e propagação descontroladas no corpo de formas anormais das próprias células corporais. Existem três abordagens principais

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

TERAPIA ANTINEOPLÁSICA ORAL PARA TRATAMENTO DO CÂNCER

TERAPIA ANTINEOPLÁSICA ORAL PARA TRATAMENTO DO CÂNCER TERAPIA ANTINEOPLÁSICA ORAL PARA TRATAMENTO DO CÂNCER SUBSTÂNCIA LOCALIZAÇÃO INDICAÇÃO Abiraterona, Acetato de Anastrozol Bicalutamida Bussulfano Capecitabina Ciclofosfamida Clorambucila Colorretal Colorretal

Leia mais

Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre. Disciplina de Genética Humana. Curso de Medicina. Estudo Dirigido: Ciclo Celular

Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre. Disciplina de Genética Humana. Curso de Medicina. Estudo Dirigido: Ciclo Celular Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre Disciplina de Genética Humana Curso de Medicina Estudo Dirigido: Ciclo Celular 1. Qual o papel de G0 no ciclo celular? Células ativas em divisão

Leia mais

BIOLOGIA TUMORAL E CARCINOGÊNESE

BIOLOGIA TUMORAL E CARCINOGÊNESE 6 BIOLOGIA TUMORAL E CARCINOGÊNESE INTRODUÇÃO A história natural da maioria dos tumores malignos pode ser dividida em 4 fases: (1) transformação maligna, (2) crescimento da célula transformada, (3) invasão

Leia mais

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS PROCESSO SELETIVO 2008/2 - CPS PROVA DISCURSIVA DE BIOLOGIA INSTRUÇÕES: CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. Só abra a prova quando autorizado. 2. Veja se este caderno contém 10 (dez) questões discursivas.

Leia mais

Hospital Governador Israel Pinheiro IPSEMG. DEAFAR Farmácia e Comissão de Farmácia e Terapêutica CFT

Hospital Governador Israel Pinheiro IPSEMG. DEAFAR Farmácia e Comissão de Farmácia e Terapêutica CFT Ácido Aminocapróico - Cirurgias cardíacas. Cirurgia FA 20 ml c/ 1g SOL INJ Cardiovascular Ácido Zoledrônico - Tratamento de câncer de próstata com metástase óssea FA 4 mg atuando nas lesões ósseas líticas

Leia mais

Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores

Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores Introdução Objetivos Ags expressados pelas células cancerosas Natureza da resposta Imune Como o câncer escapa do sistema Imune Imunoterapia Introdução ao Câncer Crescimento descontrolado produz um tumor

Leia mais

Ciclo de Palestras em Atualização no tratamento do Câncer Radioisótopos em Medicina

Ciclo de Palestras em Atualização no tratamento do Câncer Radioisótopos em Medicina Ciclo de Palestras em Atualização no tratamento do Câncer Radioisótopos em Medicina Introdução a Medicina Nuclear Radiofármacos de Terceira Geração Radiofármacos para Terapia Paliativa de Dor em Metástase

Leia mais

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Capacitação ACS /FEMAMA 2012 Eduardo Cronemberger Oncologia em 120 anos Willian Halsted Aqui está minha sequencia! Mastectomia

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4.

Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4. BASES CELULARES DO CANCER. Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4. 1 Graduanda Curso de Ciências Biológicas UEG/UNuCET 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

Quimioterapia citotóxica aumenta a sobrevida de 5 anos no câncer maligno de adultos em apenas 2,3% na Austrália e 2,1% nos Estados Unidos da América

Quimioterapia citotóxica aumenta a sobrevida de 5 anos no câncer maligno de adultos em apenas 2,3% na Austrália e 2,1% nos Estados Unidos da América Quimioterapia citotóxica aumenta a sobrevida de 5 anos no câncer maligno de adultos em apenas 2,3% na Austrália e 2,1% nos Estados Unidos da América Graeme Morgan, Robyn Wardt e Michael Barton Graeme Morgan

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR E OS SEUS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE

A ENERGIA NUCLEAR E OS SEUS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE A ENERGIA NUCLEAR E OS SEUS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE NISE HITOMI YAMAGUCHI ONCOLOGISTA E IMUNOLOGISTA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO MINISTÉRIO DA SAÚDE-ESTADO DE SÃO PAULO ENERGIA NUCLEAR DIAGNÓSTICO NA MEDICINA

Leia mais

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores.

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores. Célula Normal Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G 2 /M Divisão Celular Neoplasias Fatores Reguladores Controlada Estimuladores Inibidores Homeostase Célula Neoplásica Divisão Celular Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G

Leia mais

Processo número: 0040.14.000.969-3 TEMA: IRESSA (GEFITININIBE) OU TARCEVA (ERLOTINIBE) NO TRATAMENTO DO ADENOCARCINOMA DE PULMÃO

Processo número: 0040.14.000.969-3 TEMA: IRESSA (GEFITININIBE) OU TARCEVA (ERLOTINIBE) NO TRATAMENTO DO ADENOCARCINOMA DE PULMÃO NOTA TÉCNICA 18/2014 Solicitante Ilmo Dr. José Aparecido Fausto de Oliveira Juiz de Direito Data: 31/01/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Processo número: 0040.14.000.969-3 TEMA: IRESSA

Leia mais

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO Data: 08/12/2012 Nota Técnica 2012 Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública Municipal Juiz Renato Dresh Numeração Única: 3415341-21.201 Impetrante Marlene Andrade Montes Medicamento Material Procedimento Cobertura

Leia mais

O que é Câncer? Estágio de Iniciação

O que é Câncer? Estágio de Iniciação O que é Câncer? O câncer é definido como um tumor maligno, mas não é uma doença única e sim um conjunto de mais de 200 patologias, caracterizado pelo crescimento descontrolado de células anormais (malignas)

Leia mais