Inteligência nos Negócios: Logística faz a diferença.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inteligência nos Negócios: Logística faz a diferença."

Transcrição

1 Inteligência nos Negócios: Logística faz a diferença. Juliana Karim de Mendonça MBA Executivo e Inteligência em Negócios Instituto de Pós-Graduação e Graduação IPOG Goiânia, GO, 28 de Setembro de Resumo No panorama mundial onde as empresas se veem inseridas em um mercado acirrado e competitivo, levando em consideração que as fronteiras geográficas não fazem mais sentido, as organizações buscam diferenciar-se de seus concorrentes. Nesta busca, a logística vem assumindo papel decisivo e importante na captação e manutenção de clientes, tornando-se ferramenta estratégica para as empresa. O presente artigo tem como objetivo apresentar a relevancia da logistica, bem como suas atividades, controle e monitoramento, visto que dentro do processo decisorio há grande necessidade de informações tempestivas para auxiliar a tomada de descisão, como fator importante na competitividade. Apresentando, através de pesquisa bibliografica, a amplitude do sistema logistico, assim como sua fundamental importância, agregando valor as instituições por meio da efetividade de seus processos, sendo fator imprescindível para diferenciação das empresas no mercado atual. Palavras-chave: Logistica; Desempenho logistico; Diferencial competitivo. 1. Introdução Segundo Mc Ginnis e Kohn (2002), nos últimos anos a globalização tem impulsionado as empresas a desenvolverem a logística como estratégia para assegurar vantagens de custo e serviço. Sendo assim, cada organização busca encontrar a melhor maneira de atender às necessidades dos consumidores. Corroborando com este pensamento, Capacino e Britt (1991) citam que em função da concorrência cada vez mais acirrada, com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão sendo forçadas a buscarem constantes melhorias na atuação do mercado, a fim de garantirem a sua sobrevivência. Arboche et al. (2006) por sua vez, ressalta que a logística é vital para as empresas que pretendem valorizar cada vez mais sua marca, reter o máximo de clientes, expandir Market share e negócios a longo prazo. Kobayashi (2002) também acredita na importância da logística e aponta que a ela é a atividade que pode criar vantagem competitiva e sustentar a diferenciação estratégica. Neste contexto, a gestão estratégica da logística, ou seja, a administração inteligente desta atividade, pode incrementar a vantagem competitiva das organizações. Levando assim, as organizações a alcançarem seus objetivos, aproveitando oportunidades emergidas e, ao mesmo tempo, reduzindo custos e aumentam sua lucratividade através de controle e monitoramento dos processos logísticos. Haja vista, que os clientes já não percebem a diferença dos produtos, visto a grande oferta de mercado e similaridade deste.

2 Diante destes aspectos a logística vem ganhado destaque e o termo tratado, anteriormente, como simples atividade de transporte tem alcançado dimensões de extrema importância para as organizações, trazendo para estas, através de uma gestão eficiente, condições de se manterem num mercado altamente competitivo. 2. Logística O termo logística vem do grego logos (λόγος), significando "discurso, razão, rácio, racionalidade, linguagem, frase", mais especificamente da palavra grega logistiki (λογιστική), significando contabilidade e organização financeira. A palavra logística tem a sua origem no verbo francês loger - alojar ou acolher. Foi inicialmente usado para descrever a ciência da movimentação, suprimento e manutenção de forças militares no terreno. Posteriormente foi usado para descrever a gestão do fluxo de materiais numa organização, desde a matéria-prima até aos produtos acabados. (http://logistica2011-2a.webnode.com.br/products/origem-do-nome/. Acessado em: 22 de setembro de 2012) A logística existe desde os primórdios, onde com a socialização do homem desenvolveu-se a necessidade de estocar alimentos, surgindo assim às primeiras atividades logísticas. Entretanto a atividade teve grande evolução quando, devido às guerras, os exércitos tinham a necessidade de deslocamento com grandes quantidades de equipamentos e suprimentos. Segundo Castiglioni (2010, p. 13), pelos recursos disponíveis na época, essa organização era muito grande e envolvia diversos estudos, como preparação de soldados, transporte, armazenagem de gêneros alimentícios para as tropas, munições, armas e etc.. O autor ainda destaca que partir da evolução a logística passou a abranger outros ramos da administração, sendo absorvida pelos civis. Desta forma, o conceito de logística, com origens militares, foi desenvolvido com o objetivo de abastecer, transportar e alojar recursos certos para estarem no local certo na hora certa. Bowersox e Closs (2001) relatam que até a década de 50 não existia um conceito formal ou teórico sobre logística. Neste período a atividade era considerada como uma operação de apoio, não havendo gestão ou coordenação das atividades gerando retrabalhos e desperdícios. Conforme Pozo (2002) em 1980 teve inicio a logística empresarial advinda das altas demandas decorrentes da globalização, alteração estrutural da economia mundial e desenvolvimento tecnológico. Fleury (2003) destaca que na década de 90 a logística passou por significativas mudanças, tanto em termos de praticas empresariais, quanto da eficiência, qualidade e disponibilização da infraestrutura de transporte e comunicações, elementos fundamentais para a existência de uma logística moderna. Para Christopher (1997, p. 2) a logística é um processo de gerenciar estrategicamente aquisição, movimentação e armazenagem de materiais, peças e produtos acabados, bem como os fluxos de informação correlatos, por meio da organização de seus canais de marketing de modo a poder maximizar a lucratividade presente e futura através do atendimento dos pedidos a baixo custo. Martins et al. (2002, p. 252) define: a logística é responsável pelo planejamento, operação e controle de todo o fluxo de mercadorias e informações, desde a fonte fornecedora até o consumidor.

3 Sintetizando esses conceitos, de uma forma mais simplista Rodrigues (2005, p.126) conceitua logística da seguinte forma: 2.1 Logísticas Empresariais Conjunto de atividades direcionadas a agregar valor, otimizando o fluxo de materiais, desde a fonte produtora até o consumidor final, garantindo o suprimento na quantidade certa, de maneira adequada, assegurando sua integridade, a um custo razoável, no menor tempo possível e atendendo a todas as necessidades do cliente. (RODRIGUES, 2005 p. 126) A logística empresarial é o processo de planejamento, implementação e o controle do fluxo e armazenagem eficientes e de baixo custo de matérias-primas, estoque em processo, produtos acabados e informações relacionadas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do cliente. (BALLOU, 1993 p. 42). Compartilhando do mesmo pensamento, Pozo (2002, p. 13) expõe: A logística empresarial trata de todas atividades de movimentação e armazenagem que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria prima até o ponto de consumo final, assim como o fluxo de informação que colocam os produtos em movimento, com o proposito de providenciar níveis de serviços adequados aos clientes a um custo razoável. (POZO, 2002 p. 13). Figura 1 - Escopo da Logística Empresarial e Possíveis atividades em uma cadeia de suprimentos imediatos da empresa. Fonte: Adaptado de Ballou (2001, p. 23)

4 Diante da amplitude das atividades logísticas, esta ganha destaque passando a fazer parte da gestão empresarial, sendo tratada como um assunto vital para as organizações que precisam diminuir o intervalo entre produção e suas demandas, levando aos seus clientes serviços e produtos de forma eficiente e eficaz atendendo as condições desejadas. 3. Atividades logísticas A logística é dividida em dois tipos de atividades - as principais e as secundárias (Carvalho, 2002, p. 37): Principais: Transportes, Gerenciar os Estoques, Processamento de Pedidos. Secundárias: Armazenagem, Manuseio de materiais, Embalagem, Obtenção / Compras, Programação de produtos e Sistema de informação. Bowersox e Closs (2001, p.19) afirmam que a logística envolve a integração de informações, transporte, estoque, armazenamento, manuseio de materiais e embalagens. E completam: o objetivo da logística é tornar disponível produtos e serviços no local onde são necessários, no momento em que são desejados. 3.1 Atividades Primarias Ballou (1993, p. 24) define como sendo 3 as atividades primarias para atendimento aos objetivos logisticos de custo e nivel de serviço. Sendo estas: Transporte, manutenção de estoque e processamento de pedidos. Compartilhando do mesmo pensamento Pozo (2004, p. 21) define: A denominação da atividade primaria identifica aquelas que são de importância fundamental para obtenção dos objetivos logísticos de custo e nível de serviço que o mercado deseja, e essas atividades são consideradas primarias porque contribuem com a maior parcela do custo total da logística ou são essenciais para a coordenação e para o cumprimento da tarefa logística. (POZO, 2004 p. 21).

5 Figura 2 - Atividades primárias no ciclo crítico de atividade logística Fonte: Adaptado de Ballou (1993) Segundo Ballou (2001), as atividades de Transporte, Manutenção de Estoques e Processamento de Pedidos, são consideradas primárias porque elas contribuem com a maior parcela do custo total da logística ou elas são essenciais para a coordenação e o cumprimento da tarefa logística Transporte A movimentação de cargas permite que os produtores/fabricantes/distribuidores coloquem seus produtos exatamente onde seus consumidores estão. Sua importância ganha destaque por assumirem o maior percentual dos custos logísticos. Transportes referem-se aos vários métodos para se movimentar produtos. Algumas das alternativas populares são os modos rodoviários, ferroviários e aeroviários. A administração da atividade de transporte geralmente envolve decidir-se quanto ao método de transporte, aos roteiros e a utilização dos veículos. (BALLOU, 1993 p. 24). Devido às empresas buscarem redução de custos e investimentos através do gerenciamento de estoques, estas buscam trabalhar com os menores estoques possíveis. Seja de matérias-primas ou produtos acabados. Sendo assim, o transporte tem favor de suma importância para atendimento das necessidades, passando a ser diferencial competitivo no cenário atual. Segundo Monteiro (2010), as modalidades (modais) de transporte são: a) Rodoviário; b) Aéreo;

6 c) Aquaviário; d) Ferroviário; e) Dutoviário; Gestão de Estoque A gestão de estoque, assim como o transporte, é de extrema importância para as empresas tratandose, basicamente, do gerenciamento de recursos destinados a suprir as necessidades futuras de uma organização. Para Castiglioni (2009, p.17) o controle ou gestão de estoque engloba todas as atividades, procedimentos e técnicas que permitam garantir a qualidade correta, no tempo certo, de cada item ao longo da cadeia produtiva, tanto dentro como fora das organizações. A manutenção de estoque é primordial, manter os estoques bem organizados e estruturados facilita para manuseio e a tomada de decisão. Para Martins et al. (2006, p. 198), a gestão de estoques constitui uma serie de ações que permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se utilizam, bem manuseados e bem controlados. Ballou destaca a importância para logística da manutenção de estoque, visto que mesmo devendo-se mantê-lo baixo, há a preocupação em manter a quantidade desejada para atender aos pedidos dos clientes Processamento de Pedido Para se atingir um grau razoável de disponibilidade de produto, é necessário manter estoques, que agem como amortecedores entre a oferta e a demanda. O uso extensivo de estoques resulta aproximadamente um a dois terços dos custos logísticos, o que torna a manutenção de estoque uma atividade chave da logística. Enquanto o transporte adiciona valor de lugar ao produto, o estoque agrega valor de tempo. Para agregar este valor dinâmico, o estoque deve ser posicionado próximo aos consumidores ou aos pontos de manufatura. O numero normalmente grande destes pontos de estoque e os altos custos associados a manter estes produtos armazenados, em geral entre 25% e 30% do valor do produto por ano, requerem administração cuidadosa. A administração de estoque envolve manter seus níveis tão baixos quanto possível, ao mesmo tempo em que provê a disponibilidade desejada pelos clientes. (BALLOU, 1993, p ) Processo inicial para a movimentação de mercadorias e produtos, de fundamental importância para o processo logístico, onde a informação e a peça chave para o bom desempenho desta atividade. É demasiadamente importante o bom gerenciamento do processamento de pedidos para atingir um nível eficaz de serviço oferecido ao cliente. A exatidão no processamento de pedidos minimiza o tempo de resposta ao cliente suavizando o transtime do fluxo de mercadorias. Segundo Ballou (1993, p.25) os custos de processamento de pedidos tendem a ser pequenos quando comparados aos custos de transportes ou de manutenção de estoques. Contudo, processamento de

7 pedidos é uma atividade logística primária. Sua importância deriva do fato de ser um elemento crítico em termos do tempo necessário para levar bens e serviços aos clientes. É também, a atividade primária que inicializa a movimentação de produtos e a entrega de serviços. 3.2 Atividades Secundarias ou de apoio Para Pozo (2004, p. 23) as atividades consideradas de apoio são aquelas adicionais que dão suporte ao desempenho das atividades primarias para que possamos ter sucesso na empreitada organizacional, que é manter e criar clientes com pleno atendimento do mercado e satisfação total do acionista e receber seu lucro. São elas: Armazenagem; Manuseio de materiais; Embalagem de proteção; Obtenção; Programação de produtos; Manutenção de informações. Figura 2 - Relação entre atividades logísticas primárias e de apoio e o nível de serviço desejado. Fonte: Ballou (1993)

8 Sendo assim, as atividades secundarias tem fundamental relevância para o processo logístico exercem a função de suporte às atividades primárias na obtenção de níveis de bens e serviços requisitados pelos clientes. a) Armazenagem Castiglioni conceitua armazenagem como: Na moderna administração, a armazenagem pode ser conceituada como um conjunto de atividades relacionadas à função de abastecimento, a qual requer meios, métodos e técnicas adequadas, bem como instalações apropriadas, e que tem como proposito o recebimento, a estocagem e distribuição dos materiais. (CASTIGLIONI, 2010, p. 23) Sendo assim, o processo só é concluído quando há o aceite da mercadoria pelo cliente. As quatro atividades básicas da armazenagem são: Recebimento (entrada dos produtos e as dividas verificações). Estocagem (direcionamento do produto para seu ponto-de-guarda). Administração de pedidos (processamento dos pedidos, emissão da lista de separação picking e criação do circuito lógico para separação). Expedição (conferência entre o pedido e o que foi separado, emissão das documentações, programação das entregas, rotas e controle do embarque das mercadorias). b) Manuseio de Materiais Esta atividade está diretamente ligada a armazenagem, representando a movimentação dos produtos no local de estocagem, onde a maior preocupação está em manter os produtos em perfeitas condições. De acordo com Ching (2001), refere-se à movimentação dos produtos no local da armazenagem. O processo envolvido no manuseio de materiais vai desde o recebimento de mercadorias, no ponto de recebimento do depósito, sua movimentação até o local de armazenagem e, por fim, a movimentação do ponto de armazenagem até o ponto de despacho. c) Embalagem Parte fundamental para a proteção dos produtos, onde dentro do processo logístico tem a finalidade de possibilitar a movimentação dos produtos sem quebra ou danos e otimizar a atividade de manuseio e armazenagem. Conjunto de artes, ciências e técnicas utilizadas na preparação das mercadorias, com o objetivo de criar as melhores condições para seu transporte, armazenagem, distribuição, venda e consumo, ou alternativamente, um meio de assegurar a entrega de um produto numa condição razoável ao menor custo global. (MOURA & BANZATO, 2000, p.11)

9 d) Suprimento/Obtenção Atividade que disponibiliza o produto para o processo logístico. Procedimento de avaliação e seleção dos fornecedores. Assim como, das quantidades e forma a serem adquiridas para a programação de compras. Importante no processo logístico por afetar diretamente os custos logísticos. Segundo Ballou (1993), a obtenção trata da seleção das fontes de suprimento, das quantidades a serem adquiridas, da programação das compras e da forma pela qual o produto é comprado. e) Planejamento/Programação de Produtos Esta atividade refere-se à programação que inclua todas as atividades necessárias, como compra, transporte, entrega, distribuição dos produtos, etc. A quantidade do que deverá ser produzido também deve estar prevista no planejamento, para evitar a oferta excessiva de produtos, bem como sua escassez. f) Manutenção de Informação Para a eficiência logística é de suma importância a manutenção da informação, visto que estes dados são fundamentais para o planejamento. Segundo Ballou (1993, p. 27) manter uma base de dados com informações tais como: localização dos clientes, volume de vendas, padrões de entrega e níveis dos estoques a administração eficiente e efetiva das atividades primarias e de apoio. Ou seja, manter informações corretas e precisas para proporcionar qualidade e agregando valor ao serviço para o cliente. Conforme Ching (2001, p. 20), é ter uma base de dados para o planejamento e o controle da logística. 4. Custos logísticos O custo é o gasto econômico que representa a fabricação de um produto ou a prestação de um serviço, ou seja, o sacrifício monetário a fim de atingir um objetivo, seja este um bem ou um serviço. Segundo Porter (1996, p. 13) o custo é gerado quando se executa atividades, e a vantagem nos custos surge ao se executar atividades específicas com maior eficiência do que as concorrentes. Custos logísticos são todos os custos relacionados com a logística de uma empresa, entre os quais se podem destacar os custos de armazenagem, custos de existência (stock), custo de ruptura de stock, custos de processamento de encomendas e custos de transporte. Os custos logísticos são, geralmente, os segundos mais importantes, só ultrapassados pelos custos da propria mercadoria. (http://pt.wikipedia.org/wiki/custos_log%c3%adsticos. Acessado em: 22 de setembro de 2012) Pozo (2008) afirma que um dos principais desafios da logística empresarial é gerenciar adequadamente a relação entre custo e nível de serviço. A função da logística é a constante melhoria da rentabilidade e da oferta de nível de serviço ao cliente como fator de desempenho

10 competitivo, e sua gestão tem como dever primordial solucionar os problemas existentes entre nível de serviço e custos que consistem na falta de sistemas adequados para a gestão dos custos. Para Chiavenato (1991, p. 130), a gestão destes custos é feita através do planeamento de custo ou do pré-cálculo de custo, pois estes permitem determinar os padrões de custo de produção ou produto/mercadoria. Ricarte (2002) não obstante, destaca que saber gerir estes custos pode ser crucial para sobrevivência da empresa. Sendo assim, a logística tem o importante papel de buscar diferencial oferencendo um serviço que agregue valor ao menor custo possivel, satisfazendo ao seu cliente e trazendo bons resultados a companhia. 5. Desempenho Logístico O conceito basico da logistica é a integração das areas e processos da empresa a fim de obter melhor desempenho que seus concorrentes. Com isso, ela pode diminuir seus custos e melhorar a qualidade do produto, disponibilizando ao cliente o produto correto, no tempo e quantidade desejada. CHING (2001, p.55) A cada dia o grande desafio da logística é assumir a medição do desempenho dos processos quaisquer que sejam os acontecimentos, devido a necessidade de informações para o gerenciamento dos processos e melhor tomada de decisões. Rummler e Brache (1994) asseguram sobre a importância de um sistema de mensuração de desempenho, enfatizando que a ausência deste sistema afeta negativamente o desempenho global das organizações. No entendimento deles, vários motivos justificam a importância de um processo de medição de desempenho, tendo em vista que, sem um processo de medição, o desempenho não pode ser gerenciado e, consequentemente, não se pode identificar adequadamente os problemas, nem estabelecer um conjunto de prioridades, assemelhando-se, assim, a um conjunto de adivinhações desordenadas. 5.1 Indicadores logísticos Segundo Bowersox e Closs (2001), indicadores logísticos são parâmetros de desempenho que representam um conjunto de informações necessárias para o processo decisório estratégico na área de logística. Estes indicadores evidenciam e identificam os pontos críticos que prejudicam ou comprometem o desempenho da atividade logística, servindo de apoio à implementação e gestão do processo de melhoria e mudança organizacional. Os indicadores de desempenho logístico possibilitam a empresa monitorar e controlar seus processos como maior eficiência dando a ela maior capacidade de responder aos desafios do ambiente competitivo. Estes indicadores são medidas de desempenho que ajudam as empresas a definirem, avaliarem e melhorarem suas performance, alcançando assim melhores resultados.

11 Dornier et al. (2000) asseguram que os indicadores logísticos relevantes na capacidade de prestação de serviço são ferramentas-chave do sistema de controle, permitindo ações e decisões coerentes e orientadas para a estratégia. Caixeta-Filho e Martins (2001) afirmam que os indicadores de desempenho possibilitam que as avaliações sejam feitas com base em fatos, dados e informações quantitativas, o que dá maior confiabilidade às conclusões. Ballou (1993) complementa que a empresa precisa controlar o esforço logístico. Para Bowersox e Closs (2001, p. 560) avaliar e controlar o desempenho são duas tarefas necessárias para destinar e monitorar recursos. Ou seja, o que não se mensura não se controla. Ainda segundo os autores, essa mensuração podes ser classifica ou dividida em vários tipos. Medidas Internas de desempenho o Custos o Serviços aos Clientes o Medidas de produtividade o Mensuração dos ativos o Qualidade Medidas Externas de desempenho o Percepção do cliente o Benchmarling Sendo assim, os indicadores internos monitoram o desempenho dos processos internos da empresa (ex.: giro de estoques, ruptura de estoque, etc.). Os externos monitoram o desempenho dos serviços prestados junto ao seu publico. Segundo o site Tigerlog Consultoria (2012), seguem alguns exemplos de indicadores de desempenho que as empresas devem ou podem utilizar: Indicador de Desempenho (Key Performance Indicators) Descrição Cálculo Melhores Práticas DESEMPENHO NO ATENDIMENTO DO PEDIDO DO CLIENTE Pedido Perfeito ou Perfect Order Measurement % de Pedidos Completos e no Prazo ou % OTIF - On Time in Full Calcula a taxa de pedidos sem erros em cada estágio do pedido do Cliente. Deve considerar cada etapa na "vida" de um pedido. Corresponde às entregas realizadas dentro do prazo e atendendo as quantidades e especificações do pedido. % Acuracidade no Registro do Pedido x % Acuracidade na Separação x % Entregas no Prazo x % Entregas sem Danos x % Pedidos Faturados Corretamente Entregas Perfeitas / Total de Entregas Realizadas Em torno de 70%. Para grupos de Clientes A, o índice varia de 90 % a 95%; no geral atinge valores próximos de 75%.

12 % de Entregas no Prazo ou On Time Delivery Taxa de Atendimento do Pedido ou Order Fill Rate Tempo de Ciclo do Pedido ou Order Cycle Time Dock to Stock Time Acuracidade do Inventário ou Inventory Accuracy Stock outs % Estoque Indisponível para Venda Utilização da Capacidade de Estocagem ou Storage Utilization Desmembramento da OTIF; mede % de entregas realizadas no prazo acordado com o Cliente. Desmembramento da OTIF; mede % de pedidos atendidos na quantidade e especificações solicitadas pelo Cliente. Tempo decorrido entre a realização do pedido por um Cliente e a data de entrega. Alguns consideram como data final a data de disponibilização do pedido na doca de expedição. Entregas no prazo / Total de Entregas Realizadas Pedidos integralmente atendidos / Total de Pedidos Expedidos Data da Entrega menos a Data da Realização do Pedido DESEMPENHO NA GESTÃO DOS ESTOQUES Tempo da mercadoria da doca de recebimento até a sua armazenagem física. Outros consideram da doca até a sua armazenagem física e o seu registro nos sistemas de controle de estoques e disponibilização para venda. Corresponde à diferença entre o estoque físico e a informação contábil de estoques. Quantificação das vendas perdidas em função da indisponibilidade do item solicitado. Tempo da doca ao estoque ou disponibilização do item para venda Estoque Físico Atual por SKU / Estoque Contábil ou Estoque Reportado no Sistema Receita não Realizada devido à Indisponibilidade do Item em Estoque (R$) Corresponde ao Estoque estoque indisponível Indisponível (R$) / para venda em função Estoque Total (R$) de danos decorrentes da movimentação armazenagem, vencimento da data de validade ou obsolescência. Mede a utilização volumétrica ou do número de posições para estocagem disponíveis em um armazém. Ocupação Média em m³ ou Posições de Armazenagem Ocupadas / Capacidade Total de Armazenagem em m³ ou Número de Posições Variam de 95% a 98 % 99,5 % Menos de 24 horas para localidades mais próximas ou até um limite de 350 km. 2 horas ou 99,9 % no mesmo dia. No Brasil, 95 %. No Japão atingem 99,95 % e nos EUA entre 99,75 % a 99,95%. Variável. Variável. Estar acima de 100 % é um péssimo indicador, pois provavelmente indica que corredores ou outras áreas

13 Visibilidade dos Estoques ou Inventory Visibility Pedidos por Hora ou Orders per Hour Custo por Pedido ou Cost per Order Custos de Movimentação e Armazenagem como um % das Vendas ou Warehousing Cost as % of Sales Tempo Médio de Carga / Descarga Tempo Médio de Permanência do Veículo de Transporte ou Truck Turnaround Time Utilização dos Equipamentos de Movimentação Custos de Transporte como um % das Vendas ou Freight Costs as Mede o tempo para disponibilização dos estoques dos materiais recém recebidos nos sistemas da empresa. Data / Hora do Registro da Informação de Recebimento do Material nos Sistemas da Empresa - Data / Hora do Recebimento Físico PRODUTIVIDADE DO ARMAZÉM Mede a quantidade de pedidos separados e embalados / acondicionados por hora. Também pode ser medido em linhas ou itens. Rateio dos custos operacionais do armazém pela quantidade de pedidos expedidos. Revela a participação dos custos operacionais de um armazém nas vendas de uma empresa. Mede o tempo de permanência dos veículos de transporte nas docas de recebimento e expedição. Além do tempo em doca, mede tempos manobra, trânsito interno, autorização da Portaria, vistorias, etc. Mede a utilização dos equipamentos de movimentação disponíveis em uma operação de movimentação e armazenagem. Pedidos Separados / Embalados / Total de Horas Trabalhadas no Armazém Custo Total do Armazém / Total de Pedidos Expedidos Custo Total do Armazém / Venda Total Hora de Saída da Doca - Hora de Entrada na Doca Hora de Saída da Portaria - Hora de Entrada na Portaria Horas em Operação / Horas Disponíveis para Uso DESEMPENHO EM TRANSPORTES Mostra a participação dos custos de transportes nas vendas totais da empresa. inadequadas para estocagem estão sendo utilizadas. Máximo de 2 horas. Variam conforme o tipo de negócio. Variam conforme o tipo de negócio. Variam conforme o tipo de negócio. Variam conforme tipo de veículo, carga e condições operacionais. Variam conforme procedimentos da empresa. Em uso intensivo, com operador dedicado, mínimo de 95 %. Custo Total de Variam conforme Transportes (R$) / o tipo de Vendas Totais (R$) negócio.

14 % of Sales Custo do Frete por Unidade Expedida ou Freight Cost per Unit Shipped Coletas no Prazo ou On Time Pickups Utilização da Capacidade de Carga de Caminhões ou Truckload Capacity Utilized Avarias no Transporte ou Damages Não Conformidades em Transportes Revela o custo do frete por unidade expedida. Pode também ser calculado por modal de transporte. Calcula o % de coletas realizadas dentro do prazo acordado. Avalia a utilização da capacidade de carga dos veículos de transporte utilizados. Mede a participação das avarias em transporte no total expedido. Custo Total de Transporte (R$) / Total de Unidades Expedidas Coletas no prazo / Total de coletas Carga Total Expedida / Capacidade Teórica Total dos Veículos Utilizados Avarias no Transporte (R$) / Total Expedido (R$) Mede a participação Custo Adicional de do custo extra de frete Frete com Não decorrente de reentregas, devoluções, (R$) / Custo Total Conformidades atrasos, etc por de Transporte (R$) motivos diversos no custo total de transporte. Tabela 1 Exemplos de indicadores de desempenho. Fonte: Tigerlog Consultoria, Acesso em: 29 de setembro de 2012 Variam conforme o tipo de negócio. Variam de 95 % a 98 %. Depende de diversas variáveis, mas as melhores práticas estão ao redor de 85 %. Variável. Variável. 6. Diferencial competitivo Diante de um mercado altamente globalizado onde os clientes têm acessos a tudo com um simples clique, controlar e monitorar processos, para reduzir custos e trazer satisfação aos clientes, tornou-se fator extremamente competitivo. Segundo Porter (1998), uma empresa pode conseguir vantagem competitiva por meio de custos ou de diferenciação. Ele ressalta que mesmo quando a opção da empresa é pela diferenciação, os custos não podem ser esquecidos. Corroborando com o tema Christopher (1997), afirma que a procura por vantagem competitiva sustentável e defensável tem se tornado a preocupação de todo gerente alerta para as realidades do mercado, ou seja, as empresas tem procurado diferenciar-se da concorrência por meio de vantagem competitiva, seja ela no âmbito dos custos ou na vantagem de valores percebidos para seus clientes. De acordo com Novaes (2007) a logística agrega valores à cadeia produtiva, valor de lugar, tempo, qualidade e informações, e elimina processos que não tem valor ao cliente. A agregação de valor poderá surgir por meio de entregas confiáveis, quantidades menores, variedades de produtos e melhores serviços, facilidades estas que poderá se tornar um diferencial aos olhos do consumidor.

15 Flint, Larsson e Gammelgaard (2005), complementam que sob o ponto de vista estratégico as empresas precisam se organizar melhor e mais rápido que seus concorrentes, de forma alinhada com o mercado e ainda com ênfase aos diferenciais competitivos advindos da gestão logística. Sendo assim, para obtenção de vantagens é necessário planejar, implementar e controlar estratégias adequadas as organizações, visando estabelecer uma posição lucrativa em relação a concorrência, onde a logística é o suporte para a estratégia global da empresa, atividade de fundamental importância para agregar valor e diferencial competitivo. 7. Conclusão A logística vem tomando destaque em virtude do cenário atual de mercado. Onde as empresas passam a ver a logística como ferramenta estratégica para desenvolvimento de vantagens competitivas em relação a seus concorrentes, principalmente nos aspectos de custo e nível de serviço. Pode-se constatar através deste estudo a evolução da logística e a importância que esta tem tomado para a diferenciação das companhias. Visto que a gestão eficiente da logística possibilita agregar valor e reduzir custos aos negócios. Entretanto, este estudo mostra, também, a importância do controle, mensuração, dos processos logísticos para o melhor aproveitamento de seus recursos e suporte na tomada de decisão. Não bastando apenas realizar as atividades, mas efetuá-las com um alto nível de serviço e ao menor custo possível. Visto que no contexto atual, em um mundo altamente globalizado, a diferenciação se dá nos pequenos detalhes. Sendo assim, comprovou-se a amplitude dos processos logísticos nas organizações e a importância do sistema na obtenção de melhores posições em relação a seus concorrentes no mercado, visto que atualmente os custos logísticos estão intimamente relacionados aos custos globais. Podendo então as empresas por meio do gerenciamento efetivo deste processo reduzir custo, aumentar o nível de serviço prestado e fidelizar clientes. Mostrou-se que a logística é muito mais que transportar e armazenar, sendo o modo pelo qual as empresas obterão diferenciação e sucesso em um mercado altamente competitivo e tecnológico, onde o equilíbrio entre menor custo e satisfação do cliente é essencial para a sobrevivência destas organizações. Referências ARBOCHE, F.S. Gestão de logística, distribuição e trade marketing. 2ª ed. FGV, BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial. São Paulo: Atlas, Logistica da cadeia de suprimentos: planejamento, organização e logistica empresarial. Porto Alegre: Bookman, 2001.

16 BOWERSOX, D. J; CLOSS, D. J. Logística empresarial: processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas, CAIXETA-FILHO, J.V.;MARTINS, R.S. (Orgs.) Gestão logística do transporte de cargas. São Paulo: Atlas, CAPACINO, W.C.; BRITT, F.F. Perspectives on global logistics. International Journal of Logistics Management, CARVALHO, José Meixa Crespo de. Logística. 3ª ed. Lisboa: Edições Silabo, 2002 CASTIGLIONI, José Antonio de Mattos. Logistica Operacional: Guia Pratico. São Paulo: Érica, CHIAVENATO, Idalberto. Iniciação à administração da produção. São Paulo: McGraw-Hill, CHING, Hong Yuh. Gestão de estoques na cadeia de logística integrada. São Paulo: Atlas, CRISTOPHER, M. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégias para redução de custo e melhoria de serviço. São Paulo: Pioneira, DORNIER, Philippe Pierre; ERNEST, Ricardo; FENDER, Michel; KOUVELIS, Panos. Logística e operações globais: texto e casos. São Paulo: Atlas, Escola Técnica Estadual de Palmares PE, site: acesso 22 /09/2012 às 23:18 FLEURY, P.F. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos. 1ª ed. São Paulo: Atlas, FLINT, D.J.; LARSSON E.; GAMMELGAARD, B. Logistics innovation: a customer value oriented social process. Journal of Business Logistics, KOBAYASHI, S. Renovação da logística: como definir estratégias de distribuição física global. São Paulo: Atlas, MARTINS et al. Administração de recursos materiais e patrimoniais. São Paulo: Saraiva, 2002, MC GINNIS, M.A; KOHN, J.W. Logistic strategy revised. Journal of Business Logistics, MONTEIRO, D. Logística - Principais atividades. Site:

17 MOURA, Reinaldo A.; BANZATO José Maurício. Embalagem Unitização & Conteinerização. IMAM, São Paulo, NOVAES, A.G. Logistica e gerenciamento da cadeia de distribuição. 3ª ed. São Paulo, PORTER, M. What is Strategy?. Harvard Business Review, Estratégia: A Busca da Vantagem Competitiva. Rio de Janeiro, POZO, Hamilton. Administração de recursos materiais e patrimoniais. São Paulo: Atlas, 2002, 2004, RICARTE, Marcos António Chaves. A importância dos custos logísticos na cadeia de suprimentos. São Paulo: Widesoft Sistemas, RODRIGUES, Paulo Roberto Ambrosio. Introdução aos Sistemas de Transporte no Brasil e à logistica Internacional. São Paulo: Aduaneiras, RUMMLER, G. A.; BRACHE, A. P. Melhores Desempenhos das Empresas. São Paulo: Makron Books, Tigerlog, site: http: //www.tigerlog.com.br/interna.asp?pagidpagina=19&cnt_id_conteudo=48 acesso 29 /09/2012 às 23:30 Wikipédia, site: acesso 22 /09/2012 às 23:18

Indicadores de Desempenho Logístico

Indicadores de Desempenho Logístico Indicadores de Desempenho Logístico Lívia B. Ângelo, liviabangelo@hotmail.com 1. Estratégia X Indicadores de Desempenho As estratégias servem como guia para as empresas desenvolverem e utilizarem recursos

Leia mais

O que significa Serviço ao Cliente?

O que significa Serviço ao Cliente? Serviço ao cliente Professor: Leandro Zvirtes O que significa Serviço ao Cliente? refere-se especificamente a cadeia de atividades que atendem as vendas, geralmente se iniciando na recepção do pedido e

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Aula 03 Benchmarking e Indicadores de Desempenho. Aula 03 Benchmarking e Indicadores de Desempenho. Aula 03 Benchmarking e Indicadores de Desempenho

Aula 03 Benchmarking e Indicadores de Desempenho. Aula 03 Benchmarking e Indicadores de Desempenho. Aula 03 Benchmarking e Indicadores de Desempenho O que é benchmarking Benchmarking é a prática ser humil o suficiente para admitir que alguém é melhor em algo, e ser sensato o suficiente para aprenr como alcançá-lo e superá-lo". (Björn Anrsen) 2 O que

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Administração de Recursos e Administração de Recursos e Objetivo Discutir o conceito da administração de recursos materiais e sua relação

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Faculdade de Tecnologia de Pompéia LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Concepção de logística Agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para administrá-las de forma coletiva.

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL.

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. Vanessa Teresinha Alves (UFSM) vanerotta@gmail.com Julio Cezar Mairesse

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes

A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes O que é Logística? CLM Council Logistics Management. Logística no Cenário Nacional? De acordo com uma pesquisa da Fundação Dom Cabral de 2012, as empresas

Leia mais

Construindo o Conceito de Avaliação de Desempenho da Logística Lean

Construindo o Conceito de Avaliação de Desempenho da Logística Lean Construindo o Conceito de Avaliação de Desempenho da Logística Lean Flávio Belli Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas, Programa de Pósgraduação em Engenharia de Produção e Sistemas, Universidade

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS O OUTSOURSING ESTRATÉGICO DE OPERAÇÕES LOGÍSTICAS

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS O OUTSOURSING ESTRATÉGICO DE OPERAÇÕES LOGÍSTICAS 1 TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS O OUTSOURSING ESTRATÉGICO DE OPERAÇÕES LOGÍSTICAS Prof. Marco Antonio Paletta Curso Superior de Tecnologia em Logística Centro Universitário Padre Anchieta Faculdade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE Barbara Batista Povoa (UFES ) barbara_povoa@hotmail.com A gestão de estoques vem ganhando cada vez mais espaço

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO 5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) CAROLINA PASQUOT Orientador(es) José Roberto Soares Ribeiro

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Fabio Rosa (G CESPAR) Luiz Alberto de Oliveira (G - CESPAR)

Fabio Rosa (G CESPAR) Luiz Alberto de Oliveira (G - CESPAR) RINGA MANAGEMENT RESUMO Redução de custos passou a ser a diretriz primária das empresas para enfrentar a acirrada concorrência atual. Diante desse desafio desenvolveram formas de melhoria de produção,

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES

GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES Michelle Santos do Nascimento, FATEC- Carapicuíba, mi_mkk@yahoo.com.br Aline de Souza Custodio, FATEC- Carapicuíba,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS A LOGÍSTICA COMO FATOR COMPETITIVO NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES ALUNO:

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

O balanced scorecard como estrutura de avaliação de desempenho logístico em uma empresa de distribuição de lubrificantes

O balanced scorecard como estrutura de avaliação de desempenho logístico em uma empresa de distribuição de lubrificantes 1 O balanced scorecard como estrutura de avaliação de desempenho logístico em uma empresa de distribuição de lubrificantes Maxmiliano Fernandes Vidal maxfv.ce@gmail.com Rogério Teixeira Mâsih rogeriomasih@gmail.com

Leia mais

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista.

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Romão del Cura Lopéz (OPET) romao_dcl@ig.com.br Rodrigo Perez Guerra (OPET) rodrigoguerra@softall.com.br Mari Regina Anastácio (PUCPR)

Leia mais

CAPÍTULO II LOGÍSTICA

CAPÍTULO II LOGÍSTICA CAPÍTULO II LOGÍSTICA Uma boa estrutura organizacional não produz por si só um bom desempenho - assim como uma boa Constituição não garante grandes presidentes, ou boas leis, ou uma sociedade moral. Mas

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

Visão Geral da Logística Empresarial

Visão Geral da Logística Empresarial Visão Geral da Logística Empresarial Prof. Dr. Nicolau D. Fares Gualda Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes email: ngualda@usp.br LOGÍSTICA Verbo Loger

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis. Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE

Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis. Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE Giovanna Fornaciari Mestranda da FUCAPE Maria Mariete A. M. Pereira Mestranda da FUCAPE

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA

GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA FASA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA Lorena Palma Araújo RA nº. 20350584

Leia mais

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem Introdução histórica a Administração de Materiais Prof. Vianir André Behnem Origem - A origem da logística surge cerca de 10.000 AC; - Cerca de 6.000 anos, as civilizações da Mesopotâmia e do Egito já

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

A COMPENSAÇÃO DE CUSTOS NO TRANSPORTE E ARMAZENAGEM DO FARELO DE SOJA EM UMA COOPERATIVA: DECISÕES ESTRATÉGICAS NA LOGÍSTICA.

A COMPENSAÇÃO DE CUSTOS NO TRANSPORTE E ARMAZENAGEM DO FARELO DE SOJA EM UMA COOPERATIVA: DECISÕES ESTRATÉGICAS NA LOGÍSTICA. OBESERVAÇÃO: ESSE ARTIGO SUBSTITUI O ENVIADO ANTERIORMENTE, POIS DEVIDO A PRORROGAÇÃO FORAM FEITAS ALGUMAS MODIFICAÇÕES. A COMPENSAÇÃO DE CUSTOS NO TRANSPORTE E ARMAZENAGEM DO FARELO DE SOJA EM UMA COOPERATIVA:

Leia mais

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Autores Adriana Gimenes Patreze Jose Roberto Soares Ribeiro 1. Introdução Esta pesquisa diagnosticou a gestão de estoques no

Leia mais

LOGISTICA EMPRESARIAL

LOGISTICA EMPRESARIAL 1 UM POUCO DA HISTÓRIA DA LOGÍSTICA (GOMES & RIBEIRO, 2004), afirmam que a palavra logística é originária do vocábulo francês loger, que significa alocar. As operações logísticas iniciaram na Grécia Antiga,

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

Administração de Materiais e Logística II.

Administração de Materiais e Logística II. A Administração de Material corresponde, no seu todo ao planejamento, organização, direção, coordenação e controle de todas as tarefas de aquisição, guarda, controle de aplicação dos materiais destinados

Leia mais

Logística empresarial conceitos e definições

Logística empresarial conceitos e definições Logística empresarial conceitos e definições Por Leandro Callegari Coelho - Logística Descomplicada, em 01 de fevereiro 2010 Por Camila Avozani e Aline Regina Santos No início de 1991, a logística e a

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Palavras-chaves: Logística, centro de distribuição, armazenagem, picking.

Palavras-chaves: Logística, centro de distribuição, armazenagem, picking. MÉTODOS DE ORGANIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE PICKING NA GESTÃO LOGÍSTICA: UM ESTUDO DE CASO NO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA REDE SUPERMERCADISTA DO RIO GRANDE DO SUL Jessica de Assis Dornelles (Unipampa ) jessica-dornelles@hotmail.com

Leia mais

2. Referencial teórico

2. Referencial teórico 2. Referencial teórico O referencial teórico consiste em uma revisão bibliográfica de forma a apresentar o embasamento necessário para compreensão do tema e seus elementos relacionados. São apresentados

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 7CCSADFCMT01 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Marília Caroline Freire Cunha (1) ; Maria Sueli Arnoud Fernandes (3). Centro de Ciências Sociais Aplicadas/Departamento

Leia mais

Proposta de uma Metodologia de Análise Para Operações Logísticas em Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros

Proposta de uma Metodologia de Análise Para Operações Logísticas em Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros Proposta de uma Metodologia de Análise Para Operações Logísticas em Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros Guilherme Castro Ferreira (UFOP) guilhermecferreira@yahoo.com.br Gustavo

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA Antonia Maria Gimenes¹, Marcio Jabour de Oliveira², William Gonçalves São Leão⁴

Leia mais

O que é uma Empresa Líder em Logística?

O que é uma Empresa Líder em Logística? 133 O que é uma Empresa Líder em Logística? É aquela que oferece maior agregação de valor aos seus clientes em relação aos seus concorrentes a partir de uma combinação harmônica de práticas logísticas

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

MBA em Administração e Logística

MBA em Administração e Logística MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 Prof. Albino Mileski Jr. Olá! Você quer saber mais sobre a distribuição física na logística? Assista ao vídeo a seguir. Distribuição

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE MIRIENE FELIPE BEZERRA. Logística Hospitalar: Análise do Estoque de Segurança um estudo de caso

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE MIRIENE FELIPE BEZERRA. Logística Hospitalar: Análise do Estoque de Segurança um estudo de caso FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE MIRIENE FELIPE BEZERRA Logística Hospitalar: Análise do Estoque de Segurança um estudo de caso SÃO PAULO 2010 4 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE Logística Hospitalar:

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE LUBRIFICANTES EM MANAUS

GESTÃO DE ESTOQUE: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE LUBRIFICANTES EM MANAUS GESTÃO DE ESTOQUE: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE LUBRIFICANTES EM MANAUS PATRICIA AZEVEDO IZEL (UFAM ) patricia_izel@yahoo.com.br Ananda Utta Ramos Galvao (UFAM ) ananda_galvao@hotmail.com Sandro

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais