DISFUNÇÃO PERIODONTAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISFUNÇÃO PERIODONTAL"

Transcrição

1 DISFUNÇÃO PERIODONTAL Fernandes Neto, A.J., et al. Univ. Fed. Uberlândia Na presença de distúrbios oclusais, os pacientes suscetíveis à desordem periodontal apresentam alterações do periodonto de sustentação que podem levar à mobilidade dentária ou à migração patológica dos dentes. As doenças periodontais inflamatórias é um conjunto de doenças crônicas que resultam na perda do suporte do dente, sendo a periodontite adulta a mais prevalente. Um programa efetivo de prevenção e tratamento desta doença depende fundamentalmente da identificação e do desenvolvimento de métodos para eliminação ou controle dos fatores etiológicos, envolvidos no início e na progressão da doença. Em geral, doenças crônicas são caracterizadas por ter curso de tempo longo, com períodos de exacerbações e remissões, por ter origem multifatorial envolvendo o estilo de vida e por ser de natureza debilitante. A história natural de uma doença pode ser definida a partir de seu curso clínico, como ela ocorre na população, sendo estudada a partir de investigações epidemiológicas longitudinais. A historia natural da doença periodontal inflamatória é caracterizada inicialmente a partir de uma gengiva saudável, evoluindo para gengivite, periodontite e resultando na perda do dente. A alta prevalência de doença periodontal inflamatória se relaciona com o nível de acúmulo da placa bacteriana e a idade do paciente. A gengivite e a periodontite, representam dois diferentes estágios de um mêsmo problema, (sendo a periodontite sucessora a gengivite). Entretanto o inverso nem sempre é verdadeiro, pois a gengivite pode permanecer sem necessariamente evoluir para um quadro de periodontite. Este acontecimento é possível devido ao fato de que diversos fatores, dentre os quais pode estar o trauma oclusal, regularem ou contribuírem para a progressão da inflamação marginal, produzida pelas bactérias, na direção das estruturas periodontais mais profundas. A desordem do periodonto a qualquer momento é determinada pela presença de fatores de risco e pela resposta do hospedeiro. O conceito de origem multifatorial para a doença periodontal inflamatória pode ajudar a explicar as diferenças com relação à susceptibilidade de cada pessoa para o desenvolvimento da doença. A causa da doença periodontal inflamatória pode ser, a qualquer momento, uma ação conjunta de fatores etiológicos, atuando simultaneamente. Tratando-se da desordem do periodonto, os fatores etiológicos se dividem em: - Determinantes - Precipitantes - Predisponentes: - Intrínsecos - Extrínsecos. Fatores Determinantes Fatores determinantes são fatores de risco que devem estar presentes para que a doença inicie ou progrida, embora seja possível que a doença não ocorra na presença de um fator determinante. A placa subgengival com microorganismos periodontopáticos é considerada um fator determinante, devendo estar

2 Disfunção Periodontal Fernandes Neto, A.J., et al. Univ. Fed. Uberlândia presente na etiologia e progressão da doença periodontal inflamatória. Os principais microorganismos envolvidos podem ser de diferentes espécies periodontopáticas ou uma combinação destas. E ainda, os microorganismos envolvidos na patogênese podem ser os mesmos ou diferir de um local para outro em um mesmo paciente em diferentes períodos. Dentes mal posicionados podem resultar em maior dificuldade de higienização, mas este fato pode ser controlado pelo paciente quando bem orientado. Fatores Precipitantes Fatores precipitantes são fatores de risco que apressam o início ou a progressão da doença. Os contatos funcionais, que estão sobre controle dos mecanismos de proteção proprioceptivos, são de mínima duração e intensidade. Como conseqüência, a mastigação, a deglutição e a fala não podem ser consideradas fatores precipitantes de patologias oclusais. Um contato oclusal que supera o limiar de tolerância fisiológica do periodonto onde sinais e sintomas comprometem os tecidos de suporte periodontal é denominado trauma periodontal, traumatismo periodontal ou trauma oclusal. Historicamente, trauma de oclusão e hábitos parafuncionais têm sido considerados fatores importantes na etiologia das doenças periodontais, pois podem alterar o curso de evolução da doença periodontal, contribuindo para o agravamento dos efeitos produzidos pelos microorganismos, o que torna a terapia oclusal ponto básico do tratamento periodontal. As maloclusões e dentes mal posicionados são significantes do ponto de vista anatômico. As prematuridades oclusais representam a mais freqüente anormalidade oclusal, e desde que não tenham sido ajustadas ou restauradas, elas estão sempre presentes. Todavia, com o conhecimento atual, não é possível predizer quando estas prematuridades irão produzir algum tipo de injúria aos tecidos de suporte dentário. O grau de adaptação as prematuridades oclusais varia de acordo com a influência do sistema nervoso central. Indivíduos com mínimo de tensão psíquica ou com alta capacidade de adaptação podem passar a vida toda sem apresentar nenhum efeito patológico advindo destas prematuridades. O trauma de oclusão se refere a injúria de origem oclusal nos tecidos de suporte do dente, podendo ser desencadeado a partir de um excesso oclusal em uma restauração, caracterizando contato prematuro. Dentro de certos limites, é possível a adaptação fisiológica, no entanto, poderá ocorrer lesão no periodonto de sustentação, o que torna fundamental na reconstrução oclusal, a verificação da ausência de prematuridades dentro dos limites dos movimentos mandibulares. A não observância deste aspecto perpetua a iatrogenia. O trauma oclusal pode comprometer cemento, membrana periodontal e osso alveolar, e apresentar como sinais clínicos: mobilidade dentária (superior a fisiológica), mudança do som à percussão dos dentes, padrões atípicos de desgaste dentário, migração patológica dos dentes, formação de abscessos periodontais provenientes de sobremordida, ulceração gengival, hipertonicidade dos músculos da mastigação e alterações na ATM. A mobilidade dentária, superior a fisiológica é o sinal clínico mais comum de trauma no periodonto. Mudanças ocorrem dentro da membrana periodontal e osso alveolar em resposta às forças oclusais excessivas, consistindo em reabsorção do osso alveolar, espessamento do espaço da membrana periodontal e substituição da fibra de colágeno densa normal da membrana periodontal por tecido de granulação. Embora o aumento da mobilidade dentária seja um sinal clínico

3 Disfunção Periodontal Fernandes Neto, A.J., et al. Univ. Fed. Uberlândia do trauma oclusal, este pode nem sempre estar presente nos dentes com mobilidade. Mobilidade dentária crescente é sinal claro para o diagnóstico de trauma oclusal, sendo frêmito o primeiro sinal de hiperfunção oclusal. O trauma oclusal pode comprometer mais de uma área ou um único dente. A série completa de radiografias periapicais dos dentes fornece meios para análise dos tecidos duros do periodonto. Os sinais radiográficos do trauma oclusal mais significantes são descontinuidade da lâmina dura nas laterais do dente ou ao redor do ápice dental e espessamento do espaço da membrana periodontal, podendo também envolver hipercementose, densidade aumentada do osso alveolar, calcificação pulpar e fratura dental. A B Fig Desenho esquemático: A - reabsorção do osso alveolar; B - espessamento do espaço da membrana periodontal. Estabelecido o diagnóstico de trauma oclusal, o exame das características da oclusão do paciente pode ajudar a definir o tratamento apropriado. Contatos oclusais que causam discrepâncias em relação cêntrica e interferências oclusais nos movimentos excêntricos da mandíbula estão associados com trauma oclusal. Contatos oclusais que resultam em frêmito podem freqüente-mente ser determinados, pedindo ao paciente que aperte ou deslize os dentes. A anatomia da área, o modelo de distribuição de vasos e a presença de impacção alimentar podem também contribuir para a produção de defeitos ósseos. Quanto maior a perda de suporte periodontal mais importante se torna o aspecto oclusal. Dentes com inclinações severas em direção a vestibular e associados a taboa óssea vestibular muito fina ou inexistente, podem gerar deiscências. Geralmente molares inclinados para mesial poderão gerar bolsas periodontais mais profundas nesta região específica. Hábitos parafuncionais como apertamento dentário, bruxismo e deglutição atípica atuam também como traumas de oclusão. Outros hábitos como morder lápis, caneta, grampos de cabelo e agulhas de costura e a interposição lingual, sobrecarregam dentes isolados podendo gerar excessiva ou prolongada carga sobre os dentes envolvidos, produzindo alterações isoladas. A resposta dos tecidos a estes hábitos é importante, pois nem todos os indivíduos com algum hábito parafuncional irão desenvolver sinais e sintomas patológicos. Quando sintomas aparecem, uma disfunção oclusal se desenvolveu, o que significa presença de um sinal, a injúria. Nestes casos, embora a etiologia esteja relacionada com a oclusão, a terapia oclusal por si só não terá efeito terapêutico. È necessário eliminar o hábito. Toda força oclusal anormal, fator precipitante, deve ser considerada de suma importância quando associada à presença de inflamação. Os fatores etiológicos precipitantes que podem ser alterados durante um tratamento são: placa supragengival, placa subgengival, cálculo, fatores de retenção de placa, fumo, e trauma de oclusão. Fatores Predisponentes Fatores de risco relacionados à probabilidade do indivíduo a desenvolver a doença, que ocorram em pelo menos um, mas não necessariamente em todos os casos, e são suficientemente capazes de resultar na atividade da doença são considerados fatores predisponentes.

4 Disfunção Periodontal Fernandes Neto, A.J., et al. Univ. Fed. Uberlândia Os fatores predisponentes podem ser divididos em intrínsecos e extrínsecos. São considerados fatores predisponentes intrínsecos: - Características morfológicas das raízes (tamanho, forma e número são de suma importância, porque dentes com raízes curtas, cônicas, finas ou fusionadas estão mais predispostos ao trauma oclusal quando submetidos a uma força excessiva prolongada). - Orientação das forças oclusais (forças oclusais podem ser funcionais ou parafuncionais, porém quando orientadas axialmente são mais toleradas do que as orientadas não axialmente. Em dentes mal posicionados, o efeito da força excessiva poderá ser prejudicial). - Característica morfológica do processo alveolar (se a qualidade e a quantidade de osso alveolar não forem adequadas os efeitos das forças parafuncio-nais prolongadas podem resultar em uma perda rápida da sustentação alveolar). São considerados fatores predisponentes extrínsecos: - Irritantes (a placa bacteriana é considerada o mais sério, outros que podem causa efeitos semelhantes são: impacção alimentar, restaurações com excessos, coroas com contorno insatisfatório e grampos de próteses parciais mal adaptados). - Neuroses (resultando em atividades parafuncionais, como apertamento dentário e bruxismo, que são os mais prevalentes e mais sérios dos fatores causadores de tensões oclusais anormais). - Perda do osso de suporte (causada pelos principais fatores etiológicos como periodontite, recessão óssea, trauma inadvertido e enfermidades sistêmicas). - Perda de dentes (resultando em sobrecarga nos dentes remanescentes, por exemplo, colapso posterior da mordida). - Má oclusão funcional (criada iatrogenicamente). Outros fatores que têm sido citados como fatores predisponentes para doença periodontal inflamatória incluem a idade avançada, hereditariedade, anatomia desfavorável, tabagismo, estresse psicológico e algumas desordens sistêmicas, como diabete mellitus insulino dependente, neutropenia e AIDS. O conhecimento atual oferece pouca ajuda na avaliação do risco quando estão presentes tais fatores. Segundo Kinane, Lindhe, (2005) a Academia Americana de periodontia, organizou em 1999 um simpósio internacional com o objetivo de estabelecer um consenso sobre as condições e as doenças periodontais. As contribuições mais importantes estão na terminologia de varias doenças que favorecem uma melhor compreensão de suas apresentações e diferenças e, também, a concordância de que a periodontia do adulto e a de acometimento precoce podem ocorrer em qualquer idade. Este simpósio recomendou que a denominação periodontite do adulto, uma vez que esta forma de doença periodontal pode ocorrer em idades distintas, tanto na dentição decídua quanto na permanente, seja substituída pela denominação periodontite crônica que é menos restritiva do que a denominação relacionada à idade. Classificado-a em localizada ou generalizada, conforme menos ou mais de 30% dos sítios da boca forem comprometidos. Recomendou ainda que as denominações periodontite de acometimento precoce, periodontite juvenil e periodontite pré-pubertal, que ocorrem em várias idades e persistir em adultos mais idosos, sejam substituídas pela denominação periodontite agressiva, localizada ou generalizada. Estabeleceu também, que certas condições sistêmicas, como diabetes e outras, podem modificar a periodontite crônica ou agressiva, podendo causar destruição no periodonto, que podem ou não ser periodontite do ponto de vista histopatológico, como por exemplo, neutropenias ou leucemias.

5 Disfunção Periodontal Fernandes Neto, A.J., et al. Univ. Fed. Uberlândia Convencionou também, que tanto a gengivite ulcerativa necrosante (GUN) e a periodontite ulcerativa necrosante (PUN), que provavelmente representam estágios diferentes da mesma infecção, sejam referidas conjuntamente como doenças periodontais necrosantes. As duas condições estão associadas a uma diminuição da resistência sistêmica à infecção bacteriana dos tecidos periodontais. A diferença fundamental entre as duas condições é faz se esta limitada à gengiva ou se estendi também aos tecidos de sustentação. Terapia oclusal na periodontia Um fato ainda controverso é a definição sobre a indicação de terapia oclusal como parte do tratamento periodontal. Alguns estudos, onde forças oclusais excessivas foram adicionadas a dentes previamente acometidos por doença periodontal marginal, têm mostrado que a única terapia necessária é o tratamento da bolsa periodontal e um rigoroso controle da inflamação marginal através de métodos corretivos de rotina. Porém, achados em um estudo longitudinal em Michigan, no qual a resposta a diferentes modalidades cirúrgicas no tratamento periodontal estava sendo avaliada, indicaram que o ganho inicial do nível de inserção após terapia periodontal é inversamente proporcional ao grau de mobilidade que o dente apresenta antes do tratamento. Quanto menor a mobilidade, mais favorável é o nível de inserção pós-terapêutico. Baseado nesses achados, em outros estudos experimentais e em experiências clínicas parece razoável atestar o papel da terapia oclusal, no tratamento de certos pacientes que sofrem de doença periodontal. A terapia oclusal na periodontia começa por um criterioso exame e se justifica pelo diagnóstico de algum tipo de patologia relacionada à oclusão. A terapia oclusal será realizada em pacientes com trauma oclusal primário para redução da mobilidade e para alcançar uma melhor distribuição das forças sobre os dentes. Como dito anteriormente, forças direcionadas axialmente são melhores toleradas, pois não têm a tendência de forçar os dentes com mobilidade dentro de suas bolsas, como as forças laterais o fazem. Os dentes que mostram evidência de trauma momentâneo, no qual a estabilidade oclusal não foi atingida, devem passar pela terapia oclusal. Sinais clínicos e radiográficos de trauma periodontal podem estar associados com esta situação, o que faz com que a mobilidade permaneça a mesma ou tornese pior. Situação diferente é vista quando a estabilidade oclusal é alcançada. Os dentes podem mostrar mobilidade que por si só é autolimitante ou mesmo muito reduzida. Radiograficamente, tais dentes podem mostrar um espaço do ligamento periodontal aumentado em associação com lâmina dura bem radiopaca. A mobilidade destes dentes, especialmente dentes anteriores inferiores, não deve aumentar com o tempo, o que é um bom exemplo de adaptação funcional. Quando a maloclusão interfere com o estabelecimento de um relacionamento intermaxilar estável, a terapia oclusal é necessária. Isto é especialmente verdade quando a maloclusão é resultado de alguma disfunção como migração dentária, diastemas, impacção alimentar e dentes ausentes que precisam ser repostos. A terapia oclusal somente pode ser iniciada quando as evidências indicarem que o aparelho estomatognático não está mais se adaptando ao padrão oclusal do paciente. Em outras palavras, uma alteração funcional, em qualquer de suas manifestações clínicas, deve ser bem diagnosticada. A terapia oclusal profilática não deve ser praticada, pois ela poderá ser mais prejudicial do que favorável.

6 Disfunção Periodontal Fernandes Neto, A.J., et al. Univ. Fed. Uberlândia Condutas terapêuticas Existem diversas condutas terapêuticas, para as disfunções do aparelho estomatognático, incluindo: ajuste oclusal, placa oclusal, ortodôntica, ortopédica, cirúrgica ortognática, fisioterápica e restauradora. Dependendo da situação, uma ou mais terapias podem ser aplicadas para se obter uma oclusão fisiológica. - O ajuste oclusal é o tratamento básico recomendado à maioria dos pacientes com trauma oclusal. Porém, para aqueles em que outras terapias, para restabelecer uma oclusão fisiológica, como ortodontia ou odontologia restauradora, precederem o ajuste oclusal, este deve ser utilizado para o refinamento dos resultados obtidos. Como analogia o ajuste oclusal está para o restabelecimento da estabilidade oclusal, assim como a raspagem e o alisa-mento radicular estão para o trata-mento periodontal. Regras para o ajuste oclusal da dentição natural foram estabelecidas, com o objetivo de eliminar as discrepâncias em relação cêntrica e as interferências oclusais nos movimentos excêntricos da mandíbula, resultando no restabelecimento e manutenção da estabilidade oclusal e na liberdade nos movimentos mandibulares. Dependendo do modelo de oclusão do indivíduo nenhum dente deve ser sobrecarregado durante a excursão mandibular, seja em paciente com oclusão protegida por função em grupo ou por guia canina. Durante a lateralidade se um único dente ou mais dentes no lado de trabalho mostrarem sinais de frêmito à palpação, estes dentes estarão certamente recebendo força excessiva. O padrão oclusal do indivíduo deve ser respeitado, mas se o paciente com oclusão protegida pelo canino mostrar severo grau de perda óssea periodontal neste dente, o prognóstico deste elemento e da dentição como um todo, será melhor estabelecido se sua oclusão for ajustada em função em grupo. Através deste ajuste, as forças oclusais serão distribuídas em um maior número de dentes e o dente comprometido suportará uma força oclusal mínima. - Nos pacientes com marcante hipermobilidade dentária, a partir de uma doença periodontal inflamatória com ou sem extensiva perda óssea alveolar, a placa oclusal pode ajudar a estabilizar os dentes facilitando o tratamento oclusal. Freqüente-mente estes pacientes acham que o uso da placa oclusal ajustada proporciona maior conforto durante o sono. A placa oclusal cobre somente um arco dental, usualmente a maxila, e promove uma superfície oclusal bem ajustada com a qual todos os dentes antagonistas devem manter contato. Isto faz com que se obtenha a estabilidade oclusal em cêntrica, assim como uma distribuição axial das forças oclusais. O uso da placa pode preceder o ajuste oclusal se ambos forem incluídos no plano de tratamento, uma vez que o uso da mesma promove o relaxamento dos músculos facilitando o ajuste oclusal. Quando o paciente está sendo submetido a uma terapia oclusal e demonstra sinais de bruxismo, mas não desenvolveu trauma de oclusão devido à adaptação ou hiperfunção, uma placa oclusal plana pode ser a única terapia indicada. Nesses casos, além de promover estabilidade e completa liberdade de movimento a placa também oferece proteção contra o desgaste dentario excessivo. Este tipo de placa pode ser usado indefinidamente durante os episódios em que o paciente é acometido pelo bruxismo, especialmente à noite quando estas forças têm grande tendência de aparecer. - A terapia ortodôntica está se tornando parte integral do tratamento de pacientes que se submetem ao tratamento periodontal. Movimentações dentárias menores por meio de aparelhos fixos ou removíveis podem ser aplicadas em adultos para que se alcancem relacionamentos oclusais que promovam estabili-

7 Disfunção Periodontal Fernandes Neto, A.J., et al. Univ. Fed. Uberlândia dade e função, assim como estética. Dentes migrados, dentes anteriores protruídos com grandes diastemas, sobremordida acentuada, molares inclinados, assim como diferentes posicionamentos dentais são condições propícias ao tratamento ortodôntico. Além disso, alguns relatos tem indicado mudança no nível de inserção (por exemplo, um aumento no nível de inserção mesial tem sido mostrado quando molares inclinados são verticalizados), devido ao fato de que a inserção dental move-se com o dente. Entretanto as possíveis complicações que podem aparecer quando o dente periodontalmente comprometido é movimentado ortodonticamente devem ser cuidadosamente analisadas. Os dentes nunca devem ser movimentados: além do osso basal (sendo este ponto fundamental na terapia ortodôntica para um favorável relacionamento entre dente e osso) e contra as forças geradas pela oclusão, pois uma constante instabilidade e uma recidiva podem aparecer. As forças oclusais aplicadas devem ser fracas o bastante para movimentar o dente vagarosamente, resultando em proce-ssos fisiológicos de reabsorção óssea e reparo ósseo, minimizando ainda o risco de reabsorção radicular. O ajuste oclusal deve ser sempre executado após o final do tratamento ortodôntico, de modo a obter melhor estabilidade oclusal e manutenção dos resultados alcançados. O uso de placas oclusais pode ser realidade durante o tratamento ortodôntico para eliminação de contatos oclusais que possam estar interferindo na movimentação do dente, (por exemplo, durante o verticalização de molares inclinados ou correção de mordidas cruzadas). Tais placas também podem ser usadas para que se promova contenção temporária ou permanente após o tratamento ortodôntico. - A Odontologia Restauradora é ponto chave no tratamento geral do paciente que está recebendo terapia periodontal, (por exemplo, quando um dente precisa ser reposto ou esplintado para se obter estabilização). Os procedimentos restauradores não devem apenas promover a saúde periodontal, mas também assegurar a manutenção da estabilidade oclusal. O padrão oclusal da restauração deve ser harmônico em relação à dentição do paciente. Apesar de raramente utilizado nos dias atuais o splint temporário é empregado na tentativa de redução da mobilidade inicial e ganho mais favorável de inserção, nestes casos o uso de técnicas adesivas é o tratamento de escolha. Dentes isolados, principalmente molares, que mostrem sinais de atividade de trauma e constante inclinação, requerem procedimento restaurador que não deve somente repor o dente ausente, mas promover também estabilidade oclusal. A maioria das hemisecções radículares requer a splintagem. Embora o suporte ósseo da raiz remanescente possa ser fraco, a conexão rígida é preferível a conexão semi-rígida de maneira a oferecer retenção e estabilidade às raízes mantidas em todas as direções (mesiodistal, bucolingual e axial). A splintagem por si só não reduz a mobilidade dos dentes envolvidos, mas ajuda a alcançar e manter o relacionamento oclusal estável. Portanto, é muito aconselhável que se ofereça uma placa oclusal a pacientes que possuam perda de suporte periodontal avançado e que se submeteram a tratamento restaurador extenso, de modo a controlar o efeito da possível atividade de bruxismo nas restaurações. A impacção alimentar vertical representa uma perturbação ao paciente e uma séria ameaça ao tecido periodontal na área interproximal. Se a causa do problema for um contato proximal aberto, uma restauração para estabelecer o correto contato é necessária. Em algumas circunstâncias, que usualmente envolve molares superiores, a contenção dos dentes

8 Disfunção Periodontal Fernandes Neto, A.J., et al. Univ. Fed. Uberlândia envolvidos pode ser necessária para evitar possíveis recidivas. A impacção alimentar vertical também pode ocorrer entre dentes que têm contato adequado, por exemplo, se o dente possuir cristas marginais desniveladas ou cúspides impactantes, o ajuste oclusal ajuda a eliminar esses problemas. A gengiva pode ser severamente traumatizada na presença de uma mordida profunda. Isso é particularmente verdadeiro, se a gengiva marginal livre estiver envolvida e o alimento for direcionado ao sulco gengival durante a mastigação. O primeiro procedimento para eliminar essa agressão é o uso de placa oclusal. Posteriormente os dentes que causam injúria ao tecido gengival podem ser ajustados quanto ao seu comprimento, eliminando o trauma e mantidos em posição por uma contenção. Esse procedimento terapêutico pode ser muito benéfico durante a terapia periodontal inicial, promovendo adequada resposta tecidual e podendo ser seguido de tratamento ortodôntico ou restaurador como meio permanente para eliminar a injúria tecidual. Em pacientes com severa mordida aberta anterior e língua mal posicionada durante a deglutição, os contatos oclusais ocorrem somente nos segundos molares. Nessas situações, os dentes ocluídos estão freqüentemente em elevado risco de colapso periodontal. Se os segundos molares são perdidos, o suporte total da oclusão passa a ser os primeiros molares que entram em risco. Com o tempo a perda dentária, pode continuar em direção anterior da boca, progredindo dente a dente. Novamente a placa oclusal pode ser usada como parte da terapia periodontal, promovendo o contato equilibrado dos dentes anteriores. Para isso a placa deve ter uma considerável espessura na região anterior, mas em geral, os pacientes toleram bem o dispositivo. O ajuste oclusal pode, em alguns casos ser feito na tentativa de aumentar o número de dentes envolvidos no suporte das forças oclusais, seguido de tratamento ortodôntico, ortopédico ou cirúrgico como meio permanente para eliminar a injúria tecidual. Qual é o momento exato para a execução da terapia oclusal durante o tratamento periodontal? Dentro da preparação inicial ou fase higiênica do tratamento, existem somente dois passos relacionados à oclusão que devem ser postos em prática: 1. Um ajuste oclusal deve ser realizado quando interferências oclusais significantes são a causa principal de uma situação clínica particular. Nesse caso o ajuste oclusal irá lidar somente com o(s) dente(s) envolvido(s), e nenhum esforço será feito, neste momento, no sentido de se refinar o ajuste para que se consiga estabilidade oclusal. O único objetivo é eliminar contato(s) excessivo(s) no(s) dente(s) traumatizado(s). 2. Splintes temporários ou próteses provisórias para estabilização de dentes podem ser utilizados no caso de dentes que necessitam estabilização momentânea. As restaurações permanentes serão efetivadas posteriormente durante o tratamento. É aconselhável postergar qualquer tratamento referente à oclusão até que a preparação radicular tenha se completado e o paciente tenha recebido instruções sobre higiene oral. Quando os processos inflamatórios tiverem sido controlados os dentes modificaram sua posição dentro dos alvéolos e bolsas, estando mais estáveis e menos moveis, logo relacionamentos oclusais estáveis serão mais fáceis de se obter. Assim, depois de controlados os processos inflamatórios a terapia oclusal é executada, se indicada, como parte corretiva do tratamento, e placas oclusais se necessário, são instaladas antes dos procedimentos cirúrgicos periodontais. O mesmo é válido para o tratamento ortodôntico. É possível a movimentação de

9 Disfunção Periodontal Fernandes Neto, A.J., et al. Univ. Fed. Uberlândia dentes ortodonticamente após a inflamação ter sido controlada, sem nenhuma complicação. Entretanto, se placa e cálculo são deixadas em bolsas profundas, e como conseqüência a inflamação não esteja controlada, abscessos periodontais podem se desenvolver quando realizado o movimento ortodôntico. Mais uma vez, a preparação radicular previamente a tais procedimentos é de importância fundamental. Existem algumas vantagens em se realizar o tratamento ortodôntico previamente a cirurgias periodontais, pois quando um dente é movido o tecido conjuntivo da inserção periodontal irá se mover juntamente com o dente e o nível de inserção pode ser ampliado. Porém, se o tratamento ortodôntico é realizado após a terapia cirúrgica periodontal uma segunda cirurgia pode ser necessária, como por exemplo, se um dente é extruído as papilas hiperplásicas podem se desenvolver, necessitando de uma nova cirurgia. É comumente recomendado hoje que uma fibrotomia gengival seja efetuada após uma rotação dental ter sido completada. Este procedimento cirúrgico de desloca-mento do tecido conjuntivo supra ósseo vai possibilitar sua reinserção ao cemento dentário evitando o retorno do dente a sua má posição anterior. Um ajuste oclusal deve então seguir-se após o fim do tratamento ortodôntico para que se assegure a estabilização oclusal. O único procedimento oclusal que deve ser realizado após a terapia cirúrgica periodontal é a odontologia restauradora. Qualquer restauração permanente deve ser instalada ou confeccionada 45 a 60 dias após a cirurgia periodontal ter sido completada, permitindo tempo para que os tecidos marginais se estabilizem e um selamento fisiológico possa ser restabelecido. Se o prognóstico de um determinado dente a ser incluído no tratamento restaurador é incerto, uma prótese temporária pode ser mantida até que a decisão precisa sobre esta situação seja tomada. Após a reconstrução, o paciente pode necessitar de placa oclusal para proteger as novas restaurações dos efeitos de possível atividade de bruxismo. A terapia oclusal deve ser mantida durante a fase de controle periodontal do paciente. A oclusão deve ser checada periodicamente especialmente naqueles que receberam alguma terapia oclusal durante o tratamento periodontal. A estabilidade oclusal e os relacionamentos oclusais devem ser verificados, e sinais e sintomas de trauma de oclusão devem ser imediatamente conferidos, assim, qualquer ajuste necessário pode ser feito durante esta fase de manutenção do paciente. Bibliografia consultada 1- CAFFESSE, R.G. Management of periodontal disease in patients with occlusal abnormalities. Dental Clinics of North America, v. 24, n. 2, April, p , BURGETT, F.G. Trauma from occlusion periodontal concerns. Dental Clinics of North America, v. 39, n. 2, April, p , LINDHE, J., KARRING, T., LANG, N. P. Tratado de periodontia clínica e implantologia oral. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 4- SCHLUGER, S., YUODELIS, R. R., PAGE, R. C., Periodontia: fenômenos básicos, tratamento e inter-relação oclusais e restauradores. Rio de Janeiro: Interamericana, 701, 1981.

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Introdução A associação do trauma oclusal (TO)

Leia mais

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas ODONTOLOGIA PERIODONTIA I 5º Período / Carga Horária: 90 horas 1. PRÉ-REQUISITO: Biossegurança e Orientação Profissional Odontológica; Diagnóstico por Imagem I; Patologia Buço Denta. 2. EMENTA: O aluno

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Doença Periodontal na Infância

Doença Periodontal na Infância Universidade de São Paulo Faculdade de Odontologia Doença Periodontal na Infância Profa. Dra. Ana Estela Haddad Camilla V. Galatti / Dr. Cássio Alencar Doença periodontal é uma afecção da fase adulta?

Leia mais

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs Ana Carla Rios O Exame do Sistema Estomatognático utilizando a análise oclusal é parte importante do processo diagnóstico

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica;

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica; Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Odontologia Extensão Universitária - ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Conceitos Restauradores de Oclusão:

Leia mais

DISTÚRBIOS OCLUSAIS. Fig. 01 - Desenho esquematico da distribuição da força oclusal ao longo do dente.

DISTÚRBIOS OCLUSAIS. Fig. 01 - Desenho esquematico da distribuição da força oclusal ao longo do dente. DISTÚRBIOS OCLUSAIS Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Em uma oclusão fisiológica ou orgânica, no final do fechamento mandibular, a ação dos músculos elevadores promove o

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico.

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico. Introdução CONTENÇÕES EM ORTODONTIA em ortodontia é o procedimento para manter um dente recém- movimentado em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção ortodôntica

Leia mais

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Doenças Periodontais Tratamento e Prevenção 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Gengivite e Periodontite Guia para o paciente Aprenda mais sobre as Doenças Periodontais (de gengiva) As doenças

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR PREFEITURA DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR COORDENAÇÃO TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações 1 INTRODUÇÃO Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações desse padrão. Vale a pena relembrarmos a definição

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS PERIODONTIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS PERIODONTIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Cirurgiã-Dentista CONCEITO: PERIODONTIA Especialidade Odontológica que estuda os tecidos normais e as doenças do sistema de implantação e sustentação dos

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 7 Samuel. Fundamentação Teórica: Doenças periodontais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 7 Samuel. Fundamentação Teórica: Doenças periodontais CASO COMPLEXO 7 Samuel : Ilíria Salomão Feist Dividiremos nosso conteúdo referencial em duas partes: na primeira definiremos, segundo a Academia Americana de Periodontia (AAP), os itens que devem ser seguidos

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO 1. DIAGNÓSTICO 1.1- ANAMNESE 1.2- EXAMES COMPLEMENTARES 1.3- AVALIAÇÕES CLÍNICA 1.1. ANAMNESE História

Leia mais

MANTENEDORES DE ESPAÇO

MANTENEDORES DE ESPAÇO MANTENEDORES DE ESPAÇO Conceito São aparelhos ortodônticos usados para manter o espaço nas arcadas dentárias, por perda precoce de dentes decíduos. Classificação Quanto ao uso: fixos semifixos removíveis

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS S DENTES ORTODONTIA FORÇA MOVIMENTO -Inicialmente,na Era Cristã, preconizava-se pressões digitais nos dentes mal posicionados visando melhorar a harmonia dos arcos dentários.

Leia mais

CONDUTA TERAPÊUTICA RESTAURADORA

CONDUTA TERAPÊUTICA RESTAURADORA CONDUTA TERAPÊUTICA RESTAURADORA Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 A Odontologia Restauradora é a conduta terapêutica por meio da qual é realizado o ajuste oclusal por acréscimo

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROTESE DENTÁRIA 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: a) Polígonos de Roy e de Kent. b) Polígono

Leia mais

Doença Periodontal Orientações para manter uma boca saudável Anatomia Estrutura saudável Gengivas A A figura mostra as gengivas de uma pessoa que tenha a constituição clara. As pessoas de pele escura têm

Leia mais

PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR

PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR 5. PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS 6. ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA Cirurgia Oral A Cirurgia Oral é uma especialidade da Medicina Dentária que inclui o diagnóstico e o tratamento cirúrgico de patologias dos tecidos moles e tecidos duros

Leia mais

MOVIMENTOS MANDIBULARES

MOVIMENTOS MANDIBULARES MOVIMENTOS MANDIBULARES Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Para o entendimento da dinâmica dos movimentos mandibulares, além dos quatro determinantes anatômicos do aparelho

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de Tratamento Odontológico Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2009 A EQUIPE DE SAÚDE BUCAL NA UTMO Fernanda de Paula Eduardo Letícia Mello Bezinelli Pacientes que

Leia mais

Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde

Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde 17 Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde ALFREDO JÚLIO FERNANDES NETO FLÁVIO DOMINGUES NEVES Boa parte das ações do homem na sociedade, objetivam fazer a vida melhor para a humanidade, ou despertá-la

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

RASPAGEM E ALISAMENTO RADICULAR E TRATAMENTO PERIODONTAL DE SUPORTE

RASPAGEM E ALISAMENTO RADICULAR E TRATAMENTO PERIODONTAL DE SUPORTE INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação Disciplina de Periodontia 5 o período RASPAGEM E ALISAMENTO RADICULAR E TRATAMENTO PERIODONTAL DE SUPORTE Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com

Leia mais

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS DESCRIÇÃO DO SERVIÇO 01. DIAGNÓSTICO Exame clínico inicial Consultas com hora marcada Exame clínico final Exame admissional (exame de sanidade dentária) 02. ATENDIMENTO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ODONTOPEDIATRIA 1. ODONTOPEDIATRIA PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

MANIFESTAÇÕES E COMPLICAÇÕES BUCAIS NA DOENÇA FALCIFORME

MANIFESTAÇÕES E COMPLICAÇÕES BUCAIS NA DOENÇA FALCIFORME Departamento de Odontologia Social e Preventiva Faculdade de Odontologia - UFRJ MANIFESTAÇÕES E COMPLICAÇÕES BUCAIS NA DOENÇA FALCIFORME Marlene Cezini Doença Falciforme Conceito Doença genética caracterizada

Leia mais

DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia

DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia Uma parcela da população sempre procura os serviços odontológicos pela presença de dores, porém muitas dessas dores não são de origem dentária, mas sim

Leia mais

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Aplicação do t Manual INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Classificação Geral Identificação dos instrumentos t SONDAS PERIODONTAIS EXPLORADORES CURETAS ENXADAS FOICES LIMAS Instrumentos Exploradores

Leia mais

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 2 Manual de Orientação Julho/2013 (2 a edição) Indice Orientação ao Paciente Introdução 04 Implantes dentais 04 Titânio - a matéria-prima dos implantes 05 Osseointegração

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral

Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral Maio/Junho 2010 Caso Clínico Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral Di Alberti L, Donnini F, Camerino M, Di Alberti C, Rossi G, Perfetti G, Dolci M, Trisi P do Department of

Leia mais

Odontologia 2.004 à 2.007

Odontologia 2.004 à 2.007 Odontologia 2.004 à 2.007 Procedimentos após 10/99 à 12/07 2.004 2.005 2.006 2.007 TOTAL 0301101-PROCEDIMENTOS COLETIVOS (PACIENTE/MES) 3.161 5.145 434-8.740 0301102-ACAO COLETIVA ESCOVACAO DENTAL SUPERVISION

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

Reginaldo César Zanelato

Reginaldo César Zanelato Reginaldo César Zanelato Nos pacientes portadores da má oclusão de Classe II dentária, além das opções tradicionais de tratamento, como as extrações de pré-molares superiores e a distalização dos primeiros

Leia mais

Premissa. Códigos e rios

Premissa. Códigos e rios Índices epidemiológicos em saúde bucal 3/10/2011 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Premissa A epidemiologia pode ser definida como o estudo da distribuição e dos determinantes de eventos ou estados relacionados

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) AUTORES Ingryd Coutinho de Oliveira Priscila Cunha Nascimento Discentes da Graduação em Odontologia e Bolsistas de Ensino

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL SUB- PATOLOGIA GERAL E ORAL Estomatologia Métodos de Diagnóstico I e II Processos Patológicos PROGRAMA SUGERIDO (PROVA ESCRITA / DIDÁTICA / PRÁTICA) - TEMAS 1. Cistos dos maxilares. 2. Neoplasias benignas

Leia mais

Curso de Especialização em Endodontia

Curso de Especialização em Endodontia Curso de Especialização em Endodontia Coordenador: Prof. Nilton Vivacqua EndodontiaAvancada.com OBJETIVOS DO CURSO Este curso tem como objetivos colocar à disposição de clínicos gerais, a oportunidade

Leia mais

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 K00 - Distúrbios do Desenvolvimento e da Erupção Dos Dentes K00.0 - Anodontia K00.1 - Dentes Supranumerários

Leia mais

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor.

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor. 7 LEANDRO RAATZ BOTTURA EFEITOS DA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR SOBRE O SISTEMA NERVOSO CENTRAL Monografia apresentada à Fundação para o Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico da Odontologia

Leia mais

Aula 9: Laudo Radiográfico

Aula 9: Laudo Radiográfico Aula 9: Laudo Radiográfico Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Definição: É a interpretação das imagens radiográficas, reconhecendo as estruturas e reparos anatômicos

Leia mais

Doenças gengivais induzidas por placa

Doenças gengivais induzidas por placa Doenças gengivais induzidas por placa Definição Inflamação dos tecidos gengivais sem afetar irreversivelmente o aparato de inserção Classificação (AAP 1999) Doenças Gengivais Induzidas por placa Não

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin

Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin Espera-se que a leitura deste documento forneça, de maneira rápida

Leia mais

TABELA PARA O AGREGADO FAMILIAR. Tabela 2011

TABELA PARA O AGREGADO FAMILIAR. Tabela 2011 Dental Clinic New Generaction www.newgeneraction.com.pt Os sócios, colaboradores e familiares do SIT, poderão usufruir do Plano de Medicina Oral - DentalClinic New Generaction, mediante o pagamento de

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

DentalRede, Lda Tabela a aplicar ao: Exército Português

DentalRede, Lda Tabela a aplicar ao: Exército Português DentalRede, Lda Tabela a aplicar ao: Exército Português 1 - CONSULTA 10110 Exame clínico/consulta S/Custo 2 - ODONTOLOGIA PREVENTIVA 20630 Destartarização, polimento (Limpeza) S/Custo 20610 Aplicação tópica

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

Diagnóstico - Primeira Consulta. Radiologia ou Radiografia

Diagnóstico - Primeira Consulta. Radiologia ou Radiografia Diagnóstico - Primeira Consulta Consulta Inicial: É a primeira consulta feita com o cirurgião-dentista, com o objetivo de diagnosticar as patologias presentes e estabelecer o tratamento a ser feito. Exame

Leia mais

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha MANUAL DE DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS PACIENTES www.ocm.mar.mil.br MARINHA DA BRASIL ODONTOCLÍNICA

Leia mais

Kit de Teste GrandTEC

Kit de Teste GrandTEC Kit de Teste GrandTEC Cara Utilizadora, Caro Utilizador, Este Kit de Teste foi criado para que possa experimentar num modelo a aplicação das tiras GrandTEC, confeccionadas em fibra de vidro impregnadas

Leia mais

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER NOVO PROGRAMA [Revisto & Atualizado] CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER CURSO MODULAR DE FORMAÇÃO DE ASSISTENTES DENTÁRIOS 6.ª edição Início a 21 de novembro de 2015 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO

Leia mais

Qualidade de vida com implantes dentários 1

Qualidade de vida com implantes dentários 1 DENTES BONITOS Qualidade de vida com implantes dentários 1 VOCÊ PODE REALMENTE IMPLANTAR ALEGRIA? Algumas vezes uma pequena peça de titânio pode revitalizar o seu sorriso e estimular a sua autoconfiança.

Leia mais

TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO.

TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO. TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO....Tip-Edge é um braquete com um slot edgewise modificado, pré-ajustado, que permite inclinação da coroa em uma direção e ainda cria ancoragem através de movimento

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS 01.01.01.001-0 Procedimento x CBO ATIVIDADE EDUCATIVA / ORIENTACAO

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

Planilha1. Controle de hemorragia com aplicação de agente hemostático em região buco-maxilo-facial

Planilha1. Controle de hemorragia com aplicação de agente hemostático em região buco-maxilo-facial 81000421 Radiografia periapical CIRURGIA Planilha1 DIAGNÓSTICO 81000065 Consulta odontológica inicial 81000111 Diagnóstico anatomopatológico em citologia esfoliativa na região buco-maxilo-facial 81000138

Leia mais

Atendimento Emergencial... Consulta Clinica Geral... Prescrições de Medicamentos... Exames Clínicos Periódicos... RADIOGRAFIAS E EXAMES RADIOLÓGICOS

Atendimento Emergencial... Consulta Clinica Geral... Prescrições de Medicamentos... Exames Clínicos Periódicos... RADIOGRAFIAS E EXAMES RADIOLÓGICOS DESBAN Procedimentos YES EMPRESARIAL SPLIT Cobertura somente na rede credenciada YES EMPRESARIAL SPLIT PLUS Cobertura rede aberta (Reembolso) Atendimento Emergencial...... Consulta Clinica Geral......

Leia mais

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

Palavras chaves: Traumatismos dentários ; Dentes decíduos ; Dentes permanentes

Palavras chaves: Traumatismos dentários ; Dentes decíduos ; Dentes permanentes TRAUMATISMO EM DENTES DECÍDUOS E SUA REPERCUSSÃO EM DENTES PERMANENTES JOVENS: RELATO DE CASO Márcia Cançado FIGUEIREDO 1 ;Sérgio Estelita Cavalcante BARROS 1 ;Deise PONZONI 1 Raissa Nsensele NYARWAYA

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PRÓTESE DENTÁRIA 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: a) Tratamento endodôntico. b) Perda da estrutura

Leia mais

à cirurgia periodontal

à cirurgia periodontal Introdução à cirurgia periodontal C. Marcelo S. Figueredo Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail hotmail.com www.periodontiamedica periodontiamedica.com Cirurgia periodontal

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c. Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C. aplicação

Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c. Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C. aplicação Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C O sistema reembasador para qualquer aplicação Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c O sistema reembasador para qualquer aplicação A atrofia do osso alveolar

Leia mais

ELEMENTOS ESSENCIAIS DIAGNÓSTICO. Prof. Hélio Almeida de Moraes.

ELEMENTOS ESSENCIAIS DIAGNÓSTICO. Prof. Hélio Almeida de Moraes. ELEMENTOS ESSENCIAIS DE DIAGNÓSTICO Prof. Hélio Almeida de Moraes. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 Documentação do Paciente: 2 1- Ficha Clínica:- 2 A- Identificação: 2 B- Anamnese: 3 História da Família 3 História

Leia mais

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO SAÚDE BUCAL Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO ANATOMIA BUCAL ANATOMIA DENTAL TIPOS DE DENTES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu - Daniela Cristina dos Santos Alves O Uso do Spray de Fluorometano no Tratamento Prof. D. Sc.

Leia mais

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC A) TIPOS DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A.1 Consulta Inicial Entende-se como exame clínico,

Leia mais

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P 41 Coluna de Prótese Utilização de prótese parcial acrílica overlay para diagnóstico da dvo prévia a reabilitação estética Gil Montenegro 1 Weider Oliveira Silva 2 Tarcísio Pinto 3 Rames Abraão Basilio

Leia mais

TRAUMA OCLUSAL, EFEITOS SOBRE O PERIODONTO

TRAUMA OCLUSAL, EFEITOS SOBRE O PERIODONTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA TRAUMA OCLUSAL, EFEITOS SOBRE O PERIODONTO FLORIANÓPOLIS 1999 LAUR CARLOS GUZELA VEDANA TRAUMA OCLUSAL, EFEITOS SOBRE O PERIODONTO Monografia apresentada na Universidade

Leia mais

INCLUSÃO E ALTERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS

INCLUSÃO E ALTERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS Circular 275/2013 São Paulo, 3 de Julho de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) INCLUSÃO E ALTERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS Diário Oficial da União Nº 126,

Leia mais

Cronologia dental. Professor: Bruno Aleixo Venturi. Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal

Cronologia dental. Professor: Bruno Aleixo Venturi. Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Cronologia dental Professor: Bruno Aleixo Venturi Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Anatomia dental A Anatomia dental é um segmento dedicado ao estudo da estrutura dental

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil 1 DIAGNÓSTICO 1.1 Consulta Clínico 1.2 Consulta Especialista 1.3 Condicionamento em Odontologia para crianças

Leia mais

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Plano Integral... TRATAMENTO AMBULATORIAL/DIAGNÓSTICO Consulta EMERGÊNCIA Colagem de fragmentos (consiste na recolocação de partes de dente que sofreu fratura,

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES DENTISTAS

CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES DENTISTAS CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES Dr. Dario Adolfi Dr. Gustavo Javier Vernazza Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Data: 20 a 24 de setembro de 2010 PROGRAMA DO CURSO PRIMERO DIA Dr. Gustavo

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais