CÂNCER DE MAMA HER2+ E TRATAMENTO COM TRASTUZUMABE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÂNCER DE MAMA HER2+ E TRATAMENTO COM TRASTUZUMABE"

Transcrição

1 CÂNCER DE MAMA HER2+ E TRATAMENTO COM TRASTUZUMABE Loureiro, Bethânia Rodrigues 1 Bastos, Bruna de Oliveira 2 Silva, Layana Brito 3 Silva, Marcela Almeida 4 Meireles, Sarah Hilario 5 Morato, Maria José F. 6 RESUMO Câncer é o nome dado a um conjunto de diversas doenças que têm em comum o crescimento desordenado de células que invadem tecidos e órgãos. O câncer de mama é o segundo tipo mais frequente no mundo, e cerca de 25% das pacientes são do tipo HER-2 positivo. As células desse tipo de câncer caracterizam-se por apresentarem um número anormal (elevado) de genes HER-2. Este artigo tem como objetivo descrever as características do câncer de mama HER-2 positivo, seu diagnóstico e o tratamento com o anticorpo monoclonal trastuzumabe. Foi demonstrado que o uso deste medicamento promove uma redução no risco de recidiva da ordem de 25 a 52% nestas pacientes. A realização do teste HER-2 é fundamental para um diagnóstico preciso e rápido, por meio dos testes de Imuno Histoquímica e Hibridização in situ por Fluorescência. O trastuzumabe bloqueia a porção extracelular dos receptores, impedindo a ligação destes com os fatores de crescimento e inibindo as vias de sinalização intracelular. A monoterapia com o trastuzumabe em mulheres com câncer de mama metastático com superexpressão do HER-2 resultou em sobrevida mediana de 13 meses. Assim como os outros agentes antitumorais o trastuzumabe também causa efeitos adversos, sendo a cardiotoxicidade o mais importante. Com base nos dados da literatura, o trastuzumabe é altamente eficaz no tratamento do câncer de mama HER-2 positivo, desde que seja diagnosticado precocemente. Este é capaz de eliminar as células remanescentes evitando a metástase celular. Palavras-chave: Câncer de mama; Câncer de mama HER 2 positivo; Trastuzumabe; Imuno Histoquímica; Hibridização in situ por Fluorescência. 1 Bethania Rodrigues Loureiro, formanda do curso de Farmácia, da Universidade Vale do Rio Doce. 2 Bruna de Oliveira Bastos, formanda do curso de Farmácia, da Universidade Vale do Rio Doce 3 Layana Brito Silva, formanda do curso de Farmácia, da Universidade Vale do Rio Doce 4 Marcela Almeida Silva, formanda do curso de Farmácia, da Universidade Vale do Rio Doce 5 Sarah Hilário Meireles, formanda do curso de Farmácia, da Universidade Vale do Rio Doce 6 Profa. Dra. Maria José F. Morato, Orientadora

2 1 INTRODUÇÃO Câncer é o nome dado a um conjunto de diversas doenças que têm em comum o crescimento desordenado de células que invadem tecidos e órgãos. Dividindo-se rapidamente, estas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores malignos, que podem espalhar-se para outras regiões do corpo (INCA), 2010). Constituindo um grupo de doenças com morbidade e mortalidade elevadas e prevalência crescente em nosso meio, o câncer no estado de São Paulo - Brasil é a terceira causa mais frequente de morte nos dois sexos, e a segunda no sexo feminino. Atualmente mais da metade dos nove milhões de novos casos de câncer ocorre em países em desenvolvimento. A falta de acesso da população à informação e à precariedade de recursos, na área da saúde nesses países, acarreta em um diagnóstico tardio da neoplasia. Assim, em 80% dos casos, o processo patológico é identificado em fases muito avançadas, quando a doença é incurável e o tratamento, paliativo (CORRÊA, 2008). Sendo o câncer de mama o segundo tipo mais frequente no mundo e o mais comum entre as mulheres, o número de casos novos de câncer de mama no Brasil em 2010 foi de , com um risco estimado de 49 casos a cada 100 mil mulheres, e acredita-se que a cada ano cerca de 22% dos casos novos de câncer em mulheres são de mama (INCA, 2010). As mamas são glândulas formadas por lobos, que são divididos em estruturas menores denominadas lóbulos e ductos mamários. A principal classificação do câncer de mama diz respeito à estrutura em que se originou o tumor. O carcinoma que se origina das células dos ductos mamários é o ductal, o das células dos lóbulos mamários é chamado carcinoma lobular, podendo ser ainda do tipo inflamatório, onde dissemina-se por toda a pele da mama, devido à presença de células tumorais nos vasos linfáticos e do tipo hormonal em consequência à presença dos receptores para hormônios femininos (estrógeno e progesterona) que indica sensibilidade das células tumorais a esses hormônios (MULHER CONSCIENTE, 2011). Os tumores mamários são classificados molecularmente de acordo com o tipo de marcador presente na superfície das células da epiderme mamária: luminal A (positivos para receptores estrógeno RE, para receptores de progesterona RP; e negativos para HER-2); luminal B (RE +, RP + e HER-2 +); tumores com superexpressão do HER-2 (RE -, RP e HER-2 +); tipo basal (triplo-negativos: RE-, RP- e HER-2-; e também positivos para 2

3 citoqueratinas basais); não classificável (tumores com negatividade para todos estes marcadores) (DE BROT et al. 2009). Cerca de 25% das pacientes com câncer de mama são do tipo HER-2 positivo. A sigla HER-2 significa: Human Epidermal growth factor Receptor-2 (Receptor-2 do fator de crescimento da Epiderme Humana) (PICCART-GEBHART et al. 2005). As células de câncer do tipo HER-2 positivo caracterizam-se por apresentarem um número anormal (elevado) de genes HER-2, e consequentemente aumento dos receptores nas superfícies das células tumorais. A esse fenômeno denomina-se superexpressão do receptor HER-2 (HUDIS, 2007). Existem estudos prospectivos que avaliam o papel de um novo tratamento com anticorpo monoclonal, bloqueador do receptor HER-2 (trastuzumabe). Isto porque a superexpressão do HER-2, ainda que possa estar associada a pior prognóstico, pode ser inibida, funcionando com uma imunoterapia adjuvante à quimioterapia de mulheres com câncer de mama HER-2 positivo (MARTINS; YAMAMOTO, 2008). Este artigo tem como objetivo descrever as características do câncer de mama HER-2 positivo, seu diagnóstico e o tratamento com o anticorpo monoclonal trastuzumabe. 2 METODOLOGIA Utilizando os bancos de dados MEDLINE e LILACS-BIREME, foram selecionados artigos publicados no período de 1987 a 2011, abordando o tratamento do câncer de mama HER2-positivo. Os seguintes termos de pesquisa (palavras-chaves ou descritores) foram utilizados em várias combinações: câncer de mama, tratamento câncer, câncer de mama HER-2 positivo, trastuzumabe, anticorpos monoclonais e câncer. A pesquisa bibliográfica incluiu artigos originais, artigos de revisão, livros e documentos de informação técnica sobre o tema abordado. 3

4 3 DESENVOLVIMENTO Dentre as patologias ginecológicas, o câncer de mama apresenta grande importância, não só pela incidência elevada, mas também pelos fatores emocionais, sociais, psicológicos e estéticos envolvidos (FUGITA; GUALDA, 2005). Sendo o câncer de mama um dos tumores malignos mais comuns na população feminina, a questão que se impõe é saber qual o modo mais eficiente no tratamento destas mulheres, potenciais candidatas ao uso do trastuzumabe. A utilização do trastuzumabe no tratamento adjuvante de mulheres com câncer de mama HER-2 positivo está baseada em sólidas evidências científicas. Foi demonstrado que o uso deste medicamento promove uma redução no risco de recidiva da ordem de 25% a 52% nestas pacientes (MARTINS; YAMAMOTO, 2008). O HER-2 é um receptor de proteína que está situado na membrana da célula, sendo este o mais agressivo pelo fato de disseminar-se mais rapidamente que os outros tipos de câncer (MULHER CONSCIENTE, 2011). Devido à heterogeneidade molecular dos tumores mamários, estes diferem no comportamento, evolução e resposta ao tratamento, podendo apresentar a mesma classificação histológica com aspectos moleculares e evolução biológica variados, o que torna os carcinomas mamários não identificados morfologicamente, um importante desafio ao estudo e tratamento do câncer de mama (DE BROT et al. 2009). O câncer de mama HER-2 positivo resulta de alterações moleculares que são induzidas geneticamente, ou por fatores externos. A alteração molecular mais significativa observada é realmente a amplificação do gene HER-2 localizado no cromossomo 17 ao contrário do gene para EGFR (Fator de crescimento das células da epiderme) localizado no cromossomo 7. Uma característica da agressividade do câncer de mama HER-2 positivo está relacionada ao encontro de número aumentado de linfonodos comprometidos, em estágios precoces do desenvolvimento do tumor (SLAMON et al. 1987). Desta forma a transcrição do gene é aumentada, originando altos níveis de RNAm HER-2, aumento da síntese protéica com consequente superexpressão da proteína HER-2 na superfície celular. A família erbb ou HER é composta de HER-1, HER-2, HER-3 e HER-4 (figura 1), podendo ocasionar a ativação constitutiva dos receptores homodímeros do HER-2 (OLIVEIRA et al. 2003). 4

5 Figura 1 Família dos receptores HER-2 Fonte: Existem proteínas transmembrana extras, funcionando como receptores do fator de crescimento na superexpressão do HER-2, induzindo à dimerização. O HER-2 é um receptor transmembrana de atividade tirosina-quinase, que ativa vias de sinalização intracelular, influenciando o crescimento, a sobrevida, a mobilidade e a adesão celular (NAHTA; ESTEVA, 2003). Essa proteína é encontrada em células de todos os indivíduos fisiologicamente sem diagnóstico de câncer de mama HER-2 positivo, sendo que, sua superexpressão ocasiona um crescimento e divisão rápida das células do câncer, tornando sua evolução mais agressiva (figura 2) (BACCHI et al., 2008). Com a agressividade desse tipo de câncer, com os avanços genéticos e a crescente compreensão das bases moleculares do câncer, novas e efetivas opções terapêuticas tem sido desenvolvidas, dentre as quais as chamadas terapias-alvo, com ação em sítios específicos nas células tumorais (HADDAD, 2010). Por isso, a realização do teste HER-2 é fundamental para um diagnóstico preciso e rápido. A detecção da superexpressão proteica é realizada no mesmo material da biópsia 5

6 mamária em que foi diagnosticado o câncer de mama por meio de dois testes: Imuno- Histoquímica (IHQ) e Hibridização in Situ por Fluorescência (FISH) (BACCHI et al., 2008). Figura 2 Amplificação do gene HER-2 Fonte: O teste IHQ quantifica a proteína HER-2 presente na superfície da célula tumoral. Sendo este graduado (escore) de zero a três, de acordo com a coloração celular. Indivíduos com tumor que apresentam escores 0 e 1 são considerados negativos, escore 3 indica positividade para HER-2 e escore 2 são considerados equívocos, necessitando realizar o teste de FISH para confirmação da positividade (MULHER CONSCIENTE, 2011). O teste de FISH verifica se as células do câncer têm ou não um número normal de genes HER-2. A reação é lida em microscópio de imunofluorescência e, após contar-se no mínimo trinta núcleos interfásicos de células neoplásicas, determina-se quantos genes HER2 existem, em comparação com outros genes normais. Os casos são classificados então da seguinte forma: se houver dois genes ou mais de HER2 para cada gene normal nas células do câncer, o tumor é HER-2 positivo (MULHER CONSCIENTE, 2011). Uma das terapias desenvolvidas em 1992 foi um anticorpo monoclonal anti-her-2 humanizado (trastuzumabe), que se liga com grande afinidade ao domínio extracelular do HER-2, inibindo a transmissão de sinais desde a estimulação até o crescimento celular (figura 3). O trastuzumabe demonstrou suprimir a ação do HER-2, resultando em benefícios significativos no tratamento do câncer de mama HER-2 positivo. O anticorpo é uma IgG que contém trechos humanos que se ligam ao HER-2 e é produzido em laboratórios, tendo origens 6

7 humana, murina ou mista. Em alguns tumores sólidos há receptores para EGF (SILVEIRA et al., 2008). Figura 3 Inibição da sinalização intracelular Fonte:http://www.biology.iupui.edu/biocourses/Biol540/6secondwavequestionCSS.html O trastuzumabe bloqueia a porção extracelular dos receptores, impedindo a ligação destes com os fatores de crescimento. Com isso, inibem-se as vias de sinalização intracelular (fosfatidilinositol-3-quinase e as quinases ativadas por mitógenos MAPK) que determinam a proliferação celular, resultando em efeitos citostático (interrupção do ciclo celular em G1) e citotóxico mediado por NK (apoptose) (HADDAD, 2010). A monoterapia com trastuzumabe em mulheres com câncer de mama metastático com superexpressão do HER-2 resultou em sobrevida mediana de 13 meses. Por isso este é bastante utilizado em combinação com outros antitumorais (paclitaxel, doxorrubicina, docetaxel e ciclofosfamida), reduzindo o risco de recorrência do câncer 7

8 em 50% em comparação com a quimioterapia isoladamente (ANELLI; CUBERO, 2004). Assim como outros agentes antitumorais o trastuzumabe também causa efeitos adversos, porém estes não estão associados com os que ocorrem normalmente com a quimioterapia, tais como alopecia, mielossupressão, náuseas e vômitos. A cardiotoxicidade é o efeito adverso mais importante, ocorrendo em torno de 1,4 % das mulheres que receberam a monoterapia com o trastuzumabe, e já em quadro metastático (PICCART-GEBHART et al., 2005). Abaixo são mostrados os efeitos adversos que ocorrem em mais de 2% dos usuários do trastuzumabe. Tabela 1- Efeitos adversos relatados em um ano em mais de 2% dos pacientes por grupo de tratamento em um estudo randomizado. Sistema orgânico Evento adverso (EA) 8 Somente observação Trastuzumabe 1 ano N= N= Nº(%) Nº (%) Total de pacientes com pelo menos 792 (46) (70) um EA Número total de EA Distúrbios musculoesqueléticos Artralgia 98 (6) 137 (8) e do tecido conjuntivo Lombalgia 59 (3) 91 (5) Mialgia 17 (<1) 63 (4) Espasmos Musculares 3 (<1) 45 (3) Infecções e infestações Nasofaringite 43 (3) 135 (8) Influenza 9 (<1) 69 (4) Infecção do trato respiratório superior 20 (1) 46 (3) Distúrbios gerais e condições Fadiga 44 (3) 128 (8) do local de administração Pirexia 6 (<1) 100 (6) Astenia 30 (2) 75 (4) Calafrios - 85 (5) Distúrbios gastrintestinais Diarréia 16 (<1) 123 (7) Náusea 19 (1) 108 (6) Vômito 10 (<1) 58 (3) Distúrbios do sistema nervoso Cefaléia 49 (3) 161 (10) Tontura 29 (2) 60 (4) Distúrbios vasculares Hipertensão 35 (2) 64 (4) Pele e tecido subcutâneo Erupção cutânea 10 (<1) 70 (4) Distúrbio ungueal - 43 (3) Distúrbios respiratórios, Tosse 34 (2) 81 (5) torácicos e mediastinais Distúrbios cardíacos Palpitações 12 (<1) 48 (3) Fonte: Laboratório Roche

9 Cada organismo reage de maneira diferente devido à diversidade biológica, por isso não é possível prever quais efeitos colaterais ou reações adversas que uma pessoa poderá ter, ou se o tratamento com o trastuzumabe será efetivo. Por isso é importante examinar junto com o médico e o farmacêutico os potenciais benefícios e riscos, visando o custo e expectativas do tratamento (MULHER CONSCIENTE, 2011). Outros trabalhos mostram que dentre os efeitos cardíacos observados, o enfraquecimento do miocárdio e a redução da função cardíaca podem aumentar a chance de problemas sérios no coração, sendo assim, é necessário certificação e monitoramento médico quanto à condição cardíaca da paciente (PICCART-GEBHART et al., 2005). 4 CONCLUSÃO Com base nos dados da literatura, o trastuzumabe é altamente eficaz no tratamento do câncer de mama HER2 positivo, desde que seja diagnosticado precocemente como os demais tipos de câncer. Mas, dada agressividade do câncer, o trastuzumabe é bastante eficaz após o tratamento convencional com quimioterapia, quando grande parte das células já foram eliminadas, e o trastuzumabe é capaz de eliminar as células remanescentes, evitando a metástase celular. BREAST CANCER AND HER 2 POSITIVE TREATMENT WITH TRASTUZUMAB ABSTRACT Cancer is the name given to a number of different diseases that have in common the uncontrolled growth of cells that invade tissues and organs. Breast cancer is the second most common type in the world, and about 25% of patients are HER2 positive. The cells of this type of cancer characterized by an abnormal number present (high) HER2 gene. This article aims to describe the characteristics of HER2-positive breast cancer, its diagnosis and treatment with the monoclonal antibody traztuzumab. It was shown that the use of this medicine promotes a reduction in the risk of recurrence of the order of 25 to 52% in these patients. The HER2 testing is essential for accurate diagnosis and fast, 9

10 through tests Immuno Histochemistry and Fluorescence in situ hybridization. Traztuzumab blocks the extracellular portion of the receptors, preventing the binding to these growth factors and inhibiting intracellular signaling pathways. Monotherapy with traztuzumab in women with metastatic breast cancer overexpressing the HER2 resulted in a median survival of 13 months. As with other antitumor agents traztuzumab also causes adverse effects, cardiotoxicity being the most important. Based on literature data, traztuzumab is highly effective in the treatment of breast cancer HER 2 positive, provided it is diagnosed early. This can eliminate the remaining cells preventing metastasis. Keywords: Breast cancer, breast cancer HER 2 positive, traztuzumab; Immuno Histochemistry, Fluorescence in situ hybridization. REFERÊNCIAS ANELLI, A; CUBERO, D. I. G. Terapia antineoplásica direcionada a alvos moleculares. Pratica Hospitalar, ano 6,.n.34, DE BROT, M. D. et al.,. Carcinomas mamários de tipo basal: perfil clínico-patológico e evolutivo. Revista da Associação Medica Brasileira, v.55, n.5, p , CORRÊA, F. M. Epidemiologia In: GUIMARÃES, J. R. Q. Manual de oncologia. 3ª Ed. São Paulo: BBS, cap 1. FUGITA, R. M. I.; GUALDA, D. M. R. A causalidade do câncer de mama à luz do Modelo de Crenças em Saúde. Ver Esc Enferm USP, São Paulo, v.40, n.4, p , HADDAD, Cássio Furtini. Trastuzumab no câncer de mama. FEMMA, Lavras-MG, v.38, n.2, Fev HUDIS, C. A. Trastuzumab Mechanism of Action and Use in Clinical Practice. N Engl J M, v.357, n.1, p.39-51,jul INCA. Instituto Nacional do Câncer. Disponível em: <http://www1.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=322>. Acesso em: 10 de maio MARTINS, S. J.; YAMAMOTO, C. A. Aspectos clínico-econômicos da quimioterapia adjuvante no câncer de mama HER2 positivo. Revista Associação Médica Brasileira, São Paulo, v.54, n.6, p ,

11 MULHER CONSCIENTE. Disponível em: <http://mulherconsciente.com.br/cancerde-mama/diagnostico-positivo.aspx> Acesso em: 11 de maio NAHTA, R; ESTEVA F. J. HER-2-targeted therapy: lessons learned and future directions. Clin Cancer Res, v.9, n.14, p , Nov OLIVEIRA, Marilene Almeida de et al. Imunoexpressão da proteína Her-2 em punção aspirativa com agulha fina de carcinoma de mama: correlação com os achados da peça cirúrgica. RGBO, São Paulo, v.25, n.1,p.23-28, PICCART-GEBHART, M. J. et al. Trastuzumabe after Adjuvant Chemotherapy in HER2-Positive Breast Cancer. N Engl J Med, v.353, n. 16, p , SILVEIRA, Luis Alberto. Princípios dos agentes antineoplásicos In: GUIMARÃES, J. R. Q. Manual de oncologia, 3ª Ed. São Paulo: BBS, Cap.14. SLAMON, Dennis J. et al. Human Breast cancer: correlation of relapse and survival with amplification of the HER-2/neu Oncogene. Science. Los Angeles, v.235, n.177, p ,

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

TEMA: Trastuzumabe (Herceptin ) para tratamento câncer de mama localmente avançado

TEMA: Trastuzumabe (Herceptin ) para tratamento câncer de mama localmente avançado NTRR 09/2013 Solicitante: Desembargador Alyrio Ramos Número do processo: 1.0134.12.010459-8/001 Impetrato: Secretaria de Caratinga Data: 02/02/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Trastuzumabe

Leia mais

Lapatinibe para câncer de mama

Lapatinibe para câncer de mama Data: 05/11/2013 NTRR 212/2013 Solicitante: Desembargador Geraldo Augusto de Almeida Mandado de Segurança: nº1.0000.13.083981-4/000 Impetrado: Secretário de Estado da Saúde de Minas Gerais. Medicamento

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Capacitação ACS /FEMAMA 2012 Eduardo Cronemberger Oncologia em 120 anos Willian Halsted Aqui está minha sequencia! Mastectomia

Leia mais

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe NOTA TÉCNICA 19 2013 Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe Incorporado no SUS para tratamento de câncer de mama HER2 positivo, em fase inicial ou localmente avançado. CONASS, julho de 2013 1 Considerações

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

O seu guia para entender o laudo médico de câncer de mama

O seu guia para entender o laudo médico de câncer de mama O seu guia para entender o laudo médico de câncer de mama Desenvolvido para você pela breastcancer.org, com traduções realizadas em colaboração com a Cancer Resource Foundation, Inc. www.cancer1source.org.

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama O câncer de mama - 2º tipo de câncer mais freqüente no mundo e o mais comum

Leia mais

Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo

Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo Ingrid A. Mayer, M.D., M.S.C.I. Professora Assistente Diretora, Pesquisa Clínica Programa de Câncer de Mama Vanderbilt-Ingram Cancer Center Nashville,

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas.

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Perguntas que pode querer fazer Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Estas são algumas perguntas

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

Trastuzumab. Herceptin Roche

Trastuzumab. Herceptin Roche Trastuzumab Herceptin Roche PORTARIA Nº 73, DE 30 DE JANEIRO DE 2013 Estabelece protocolo de uso do trastuzumab na quimioterapia do câncer de mama HER-2 positivo inicial e localmente avançado. que devem

Leia mais

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro 4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro Afecções Oncológicas nas Mamas Enfª Giselle G. Borges Epidemiologia (BRASIL, 2012) Anatomia da mama (estruturas) Linfonodos Fisiologia

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina.

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina. Alta taxa de resposta completa patológica (prc) em câncer de mama triplo negativo após quimioterapia neoadjuvante sequencial Augusto Ribeiro GABRIEL, MD* Ruffo de FREITAS JÚNIOR, MD, PhD* * Programa de

Leia mais

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia.

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia. NTRR 158/2014 Solicitante: Juíz: Dra. Solange Maria de Lima Oliveira Juiza da 1ª Vara Cível de Itaúna. Data: 04/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0338.14.006.873-9

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Resumo O trastuzumab, anticorpo monoclonal contra o sítio extracelular do receptor

Resumo O trastuzumab, anticorpo monoclonal contra o sítio extracelular do receptor REVISÃO SISTEMATIZADA Trastuzumab no câncer de mama Trastuzumab in breast cancer Palavras-chave Neoplasias da mama Fator de crescimento epidérmico Quimioterapia Key words Breast neoplasms Epidermal growth

Leia mais

Câncer de Mama IZABELLA SERAPHIM PITANGA. Princípios Básicos História Natural Epidemiologia. Mastologista do Núcleo da Mama

Câncer de Mama IZABELLA SERAPHIM PITANGA. Princípios Básicos História Natural Epidemiologia. Mastologista do Núcleo da Mama Câncer de Mama Princípios Básicos História Natural Epidemiologia IZABELLA SERAPHIM PITANGA Mastologista do Núcleo da Mama O QUE É CÂNCER? Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Introdução 50.000 novos casos por ano DNA microarray imuno-histoquímica (IHQ) tissue microarray (TMA) técnicas alternativas de construção de TMA

Introdução 50.000 novos casos por ano DNA microarray imuno-histoquímica (IHQ) tissue microarray (TMA) técnicas alternativas de construção de TMA Introdução No Brasil o câncer de mama é a neoplasia maligna mais freqüente, com cerca de 50.000 novos casos por ano. Na última década, avanços na área da patologia molecular permitiram o reconhecimento

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Otto Feuerschuette. Declaração de conflito de interesse

Otto Feuerschuette. Declaração de conflito de interesse Otto Feuerschuette Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 49/2013 Data: 23/03/2014 Solicitante: Dr. José Hélio da Silva Juíz de Direito da 4a Vara Civel Comarca de Pouso Alegre em Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo:

Leia mais

IMUNOTERAPIA EM NEOPLASIA MAMÁRIA METASTIZADA

IMUNOTERAPIA EM NEOPLASIA MAMÁRIA METASTIZADA IMUNOTERAPIA EM NEOPLASIA MAMÁRIA METASTIZADA ANTICORPO MONOCLONAL HER2 1 Ana Silva 13501@ufp.pt Mariana Soares 13585@ufp.pt Cátia Guedes 13509@ufp.pt Actualmente as terapêuticas tradicionais para neoplasias

Leia mais

representam melhor resposta terapêutica e capacidade de cura (BRASIL, 2010; INSTITUTO DO CÂNCER, 2004). Atualmente, a terapêutica do carcinoma

representam melhor resposta terapêutica e capacidade de cura (BRASIL, 2010; INSTITUTO DO CÂNCER, 2004). Atualmente, a terapêutica do carcinoma 11 1 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma das doenças mais incidentes em mulheres na faixa etária de 40 a 59 anos com múltiplos fatores de risco associados: fatores genéticos, ambientais e comportamentais,

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA Pinheiro, A.C ¹, Aquino, R. G. F. ¹, Pinheiro, L.G.P. ¹, Oliveira, A. L. de S. ¹, Feitosa,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Uso de trastuzumabe para o tratamento de mulheres com câncer de mama HER2 positivo: um estudo farmacoepidemiológico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Uso de trastuzumabe para o tratamento de mulheres com câncer de mama HER2 positivo: um estudo farmacoepidemiológico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DE RIBEIRÃO PRETO Uso de trastuzumabe para o tratamento de mulheres com câncer de mama HER2 positivo: um estudo farmacoepidemiológico Lorena

Leia mais

QUIMIOTERÁPICOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO CARCINOMA DE MAMA: REVISÃO DE LITERATURA

QUIMIOTERÁPICOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO CARCINOMA DE MAMA: REVISÃO DE LITERATURA QUIMIOTERÁPICOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO CARCINOMA DE MAMA: REVISÃO DE LITERATURA OLIVEIRA, Alisson Felipe de 1 ; GARCES, Solange Beatriz Billig 2 ; HANSEN, Dinara 3 ; COSER, Janaína 3 ; LEITEMBERGER,

Leia mais

Qual é a função dos pulmões?

Qual é a função dos pulmões? Câncer de Pulmão Qual é a função dos pulmões? Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado

Leia mais

1º modelo: doença degenerativa

1º modelo: doença degenerativa 2ª Aula de Biopatologia 18/09/2006 Medicina molecular: Da nova Biologia à Clínica Nesta aula vamos falar de três modelos de relevância entre a biologia básica e a clínica. 1º modelo: doença degenerativa

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Herceptin trastuzumabe Roche Agente antineoplásico IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome do produto: Herceptin Nome genérico: trastuzumabe Forma farmacêutica, via de administração e apresentações Herceptin

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

Trastuzumabe para tratamento do câncer de mama avançado

Trastuzumabe para tratamento do câncer de mama avançado Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Trastuzumabe para tratamento do câncer de mama avançado Julho de 2012 Relatório de Recomendação da Comissão Nacional 1 de Incorporação

Leia mais

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV Nota Técnica 2015 NATS HC UFMG Solicitante: Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Seção Judiciária de Minas Gerais Nº Processo: 41970-36.2015.4.01.3800 Data 20/08/2015 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático O tratamento de pacientes com câncer de mama metastático

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia)

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia) 1 SILVA, M.B..; FONSECA, C.A.; RODRIGUES, A.J.L.; Terapia medicamentosa do câncer. In III SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E I JORNADA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UEG. 2005, Anápolis. Anápolis: UEG,

Leia mais

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A IMUNOEXPRESSÃO DO PCNA, KI-67 E CICLINA B1 SPÍNDULA FILHO, José Vieira de ;

Leia mais

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 R1 CIT Vinícius Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 Prolongamento na sobrevida em pacientes com Câncer avançado não-pequenas células (CPNPC) Recentemente, 2 estudos randomizados,

Leia mais

Perjeta. (pertuzumabe) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução para diluição para infusão 420 mg/14 ml

Perjeta. (pertuzumabe) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução para diluição para infusão 420 mg/14 ml Perjeta (pertuzumabe) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução para diluição para infusão 420 mg/14 ml Perjeta pertuzumabe Roche Agente antineoplásico APRESENTAÇÃO Solução para diluição para

Leia mais

APESP 246 Caso Botucatu. Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2

APESP 246 Caso Botucatu. Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2 APESP 246 Caso Botucatu Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2 História Clínica LP, 55 anos, homem, branco, pedreiro, hipertenso Massa palpável em flanco E TC = massa de 8 cm no pólo superior renal

Leia mais

ACESSO E IMPACTO ECONÔMICO DAS TERAPIAS-ALVO BEVACIZUMABE E CETUXIMABE NO TRATAMENTO DO CÂNCER CÓLON-RETAL METASTÁTICO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

ACESSO E IMPACTO ECONÔMICO DAS TERAPIAS-ALVO BEVACIZUMABE E CETUXIMABE NO TRATAMENTO DO CÂNCER CÓLON-RETAL METASTÁTICO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ACESSO E IMPACTO ECONÔMICO DAS TERAPIAS-ALVO BEVACIZUMABE E CETUXIMABE NO TRATAMENTO DO CÂNCER CÓLON-RETAL METASTÁTICO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Andrea Queiróz Ungari 1, Leonardo Régis Leira Pereira

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório.

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório. OUTUBRO ROSA 25 de outubro Mais detalhes sobre o câncer de mama no Brasil 1. Exames clínicos de mama são tão importantes quanto as mamografias. Mamografias a partir de 40 anos de idade são cruciais (Deve

Leia mais

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2 ESTUDO CLÍNICO-PATOLÓGICO E IMUNOHISTOQUÍMICO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES JOVENS DIAGNOSTICADAS E TRATADAS NO HOSPITAL DE CÂNCER DE PERNAMBUCO NO PERÍODO DE 1996 A 2006. Marília Ávila Acioly 1 ; Maria

Leia mais

QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1

QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1 QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1 QUANDO PEDIR SEGUNDA Dr. Ira Bleiweiss of Mount Sinai OPINIÃO

Leia mais

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço A P R E S E N T A D O R : S E L I N A L D O A M O R I M R E S I D E N T E D E C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S

Leia mais

USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER. Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG

USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER. Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER Gyzelly Gondim de Oliveira 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2 1 Graduanda do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Um novo tipo de câncer

Um novo tipo de câncer Um novo tipo de câncer Cirurgias menos invasivas e tratamentos personalizados são algumas das apostas da ciência para o câncer de cabeça e pescoço. Em visita ao Brasil, médico especialista na área apresenta

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO Elaine Jacob da Silva Carmo 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3, 4. 1 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências

Leia mais

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DE MULHERES COM CARCINOMA MAMÁRIO DUCTAL INVASIVO SUBMETIDAS À QUIMIOTERAPIA NEOADJUVANTE 1

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DE MULHERES COM CARCINOMA MAMÁRIO DUCTAL INVASIVO SUBMETIDAS À QUIMIOTERAPIA NEOADJUVANTE 1 ARTIGO ORIGINAL CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DE MULHERES COM CARCINOMA MAMÁRIO DUCTAL INVASIVO SUBMETIDAS À QUIMIOTERAPIA NEOADJUVANTE 1 CLINICAL CHARACTERISTICS OF WOMEN WITH DUCTAL INVASIVE BREAST CARCINOMA

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

Eduardo Henrique Laurindo de Souza Silva¹, João Ricardo Auller Paloschi 1, José Roberto de Fígaro Caldeira 1, Ailton Joioso 1

Eduardo Henrique Laurindo de Souza Silva¹, João Ricardo Auller Paloschi 1, José Roberto de Fígaro Caldeira 1, Ailton Joioso 1 ARTIGO ORIGINAL DOI: 0.527/Z2050002000RBM Estudo comparativo de resposta à quimioterapia neoadjuvante em dose total, entre câncer de mama e metástase axilar, conforme resultados de imunoistoquímica, no

Leia mais

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA A Doença, ou Linfoma de Hodgkin, é uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Processo número: 0013603-80.2014 TEMA: IRESSA (GEFITININIBE) NO TRATAMENTO DO CÂNCER DE PULMÃO NÃO PEQUENAS CÉLULAS METASTÁTICO

Processo número: 0013603-80.2014 TEMA: IRESSA (GEFITININIBE) NO TRATAMENTO DO CÂNCER DE PULMÃO NÃO PEQUENAS CÉLULAS METASTÁTICO NOTA TÉCNICA 81/2014 Solicitante Ilma Dra. Marcela Maria Amaral Novais Juíza de Direito Comarca de Caeté Minas Gerais Data: 03/05/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Processo número: 0013603-80.2014

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDAS NO HOSPITAL DA PROVIDÊNCIA DE APUCARANA - PR

PERFIL NUTRICIONAL DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDAS NO HOSPITAL DA PROVIDÊNCIA DE APUCARANA - PR PERFIL NUTRICIONAL DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDAS NO HOSPITAL DA PROVIDÊNCIA DE APUCARANA - PR BOLONEZI, K.C. Resumo: O câncer de mama continua sendo um problema de saúde publica a nível mundial,

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

Imunoistoquímica e FISH nos carcinomas invasores

Imunoistoquímica e FISH nos carcinomas invasores Imunoistoquímica e FISH nos carcinomas invasores Monica Stiepcich Fleury Medicina e Saúde - Patologia Novembro 2008 1 Diagnóstico, orientações terapêuticas e predição de risco em Oncologia Análises clínicas

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

PEDIDO DE ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA

PEDIDO DE ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA 6ª VARA FEDERAL DE PORTO ALEGRE SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO GRANDE DO SUL PEDIDO DE ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA Processo Nº 2009.71.00.009143-8 A DEFENSORIA PÚBLICA

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

Processo número: 0075666-71.2013.8.13.0694. TEMA: IPILIMUMABE NO TRATAMENTO DE PRIMEIRA LINHA DO MELANOMA MALIGNO METASTÁTICO

Processo número: 0075666-71.2013.8.13.0694. TEMA: IPILIMUMABE NO TRATAMENTO DE PRIMEIRA LINHA DO MELANOMA MALIGNO METASTÁTICO NOTA TÉCNICA 231/2013 Solicitante Dr. Felipe Manzanares Tonon Juiz de Direito Comarca de Três Pontas Data: 27/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Processo número: 0075666-71.2013.8.13.0694.

Leia mais

Câncer de mama: do diagnóstico ao tratamento

Câncer de mama: do diagnóstico ao tratamento Artigo Científico Revista Master, v.1. n. 1. Jan. /Jun. 2016 Ciências Biológicas e da Saúde Câncer de mama: do diagnóstico ao tratamento Breast cancer: from diagnosis to treatment Analysis of bakery sanitation

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue:

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue: 8 - O câncer também tem fases de desenvolvimento? Sim, o câncer tem fases de desenvolvimento que podem ser avaliadas de diferentes formas. Na avaliação clínica feita por médicos é possível identificar

Leia mais

BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DO CÂNCER

BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DO CÂNCER 40 CONGRESSO BRASILEIRO DE ANÁLISES CLÍNICAS FLORIANÓPOLIS, 16 DE JUNHO DE 2013 (11:00 11:45H) BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DO CÂNCER PROF.DR. PAULO CESAR NAOUM ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÀO

Leia mais

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos Prof.ª Esp. Natália Ficagna ANATOMIA DA MAMA Tecido Glandular + Tecido Conjuntivo +Tecido Adiposo Alvéolo Lóbulo Lobo Ducto Lactífero Seio Lactífero - Mamilo As

Leia mais

SUNITINIBE PARA CARCINOMA RENAL DE CÉLULAS CLARAS

SUNITINIBE PARA CARCINOMA RENAL DE CÉLULAS CLARAS Nota Técnica NATS 59/2012 Número do processo: 1311922-91.2012.8.13.0000 Data: 08/12/2012 Medicamento Material Procedimento Cobertura X SUNITINIBE PARA CARCINOMA RENAL DE CÉLULAS CLARAS Sumário 1. RESUMO

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação de nova informação de segurança. Pede-se aos profissionais

Leia mais

Declaro não haver nenhum conflito de interesse.

Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Faculdade de Medicina do ABC Disciplina de Ginecologia Serviço do Prof. Dr. César Eduardo Fernandes Setor de Mastologia IVO CARELLI FILHO Maior dilema da

Leia mais

BEVACIZUMABE PARA GLIOBLASTOMA MULTIFORME SOLICITANTE : Des. Estevão Lucchesi. NÚMERO DO PROCESSO: 1.0145.15.003244-2/001

BEVACIZUMABE PARA GLIOBLASTOMA MULTIFORME SOLICITANTE : Des. Estevão Lucchesi. NÚMERO DO PROCESSO: 1.0145.15.003244-2/001 13/03/2015 NT 06/2015 BEVACIZUMABE PARA GLIOBLASTOMA MULTIFORME SOLICITANTE : Des. Estevão Lucchesi. NÚMERO DO PROCESSO: 1.0145.15.003244-2/001 SOLICITAÇÃO/ CASO CLÍNICO De: Gabinete Desembargador Estêvão

Leia mais

Profissional de Saúde. Perguntas Frequentes

Profissional de Saúde. Perguntas Frequentes Profissional de Saúde Perguntas Frequentes Índice Qual o objetivo deste livreto? O que eu devo saber sobre ipilimumabe? O que eu devo saber sobre reações adversas importantes? O que eu devo discutir com

Leia mais

Princípios de Oncologia Clínica. Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861

Princípios de Oncologia Clínica. Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861 Princípios de Oncologia Clínica Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861 Histórico 1900 Termo Quimioterapia Dr. Paul Ehrlich (1854-1915) Anos 40 Segunda Guerra Mundial Ilha de Bali 1943

Leia mais

TÍTULO: A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO ACERCA DO CÂNCER DE MAMA FEMININO NO CONTEXTO BRASILEIRO

TÍTULO: A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO ACERCA DO CÂNCER DE MAMA FEMININO NO CONTEXTO BRASILEIRO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO ACERCA DO CÂNCER DE MAMA FEMININO NO CONTEXTO BRASILEIRO CATEGORIA:

Leia mais

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Metastatis (grego) Transferência, mudança de lugar Disseminação da doença Sinal de doença avançada Qual a via preferencial de metástase

Leia mais