Você, sua família e a doença crônica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Você, sua família e a doença crônica"

Transcrição

1 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - VOCÊ, SUA FAMÍLIA E A DOENÇA CRÔNICA - EDIÇÃO REVISADA 01/2006 Você, sua família e a doença crônica

2 Estamos acostumados no dia-a-dia aos manuais. O manual da TV, do aparelho de som, do vídeo cassete, do telefone celular; mas o que é um manual? No dicionário Aurélio encontramos duas definições interessantes: "pequeno livro" e "livro que contém noções acerca de uma matéria". Pois bem, escrevemos este pequeno livro na tentativa de ajudar você e sua família a pensar algumas questões sobre a doença crônica. Ele traz noções e situações que vemos com freqüência na nossa prática e procura abrir espaço para vocês trazerem suas próprias dúvidas e sentimentos. Não é um manual como os outros já que o ser humano é diferente das máquinas, não tem parafusos, controle remoto, chip... Ao contrário, sabemos que cada um enfrenta as situações de uma maneira muito particular. Naturalmente, ele não substitui uma conversa com o médico e os outros profissionais que cuidam de você ou de seu filho. Poder falar sobre o que você está vivendo pode ser uma das formas de entender o que está acontecendo e buscar melhores opções. Ter uma doença crônica não tira de você a sua história e o seu jeito de viver. Saber mais sobre a doença e o seu tratamento permitirá compreender o que lhe acontece e realizar as adaptações necessárias para ter uma melhor qualidade de vida. Existem vários mitos, lendas, histórias sobre a doença crônica. Alguns pensam que o doente precisa ser protegido o tempo todo, que não deveria trabalhar, estudar, casar, ter filhos... E muitas vezes as idéias que os outros têm a seu respeito podem vir a afetar a maneira como você se vê, pois cada um de nós tem muitas características e ter uma doença crônica é apenas uma delas. Como você se descreve? Como você descreve o seu filho? Acesse o Portal do HEMORIO e saiba mais sobre outras orientações e serviços:

3 O tratamento A sua participação como paciente, seja você adulto, adolescente ou criança, no processo de tratamento, contribui para que você não se sinta à parte do que lhe diz respeito, ajudando-o a se cuidar e a ter melhor noção dos seus limites e possibilidades em cada fase de sua vida. Por ser um tratamento para a vida toda, que geralmente tem início na infância, com consultas, exames e eventuais internações, o hospital e a equipe que o acompanham tornam-se importantes para você. Pode acontecer de alguém da equipe, por tratá-lo há muito tempo, esquecer que você cresceu e continuar a cuidá-lo como quando era criança. Também por estar há muito tempo no hospital, você pode vir a tratar a equipe como se fosse a sua família e o hospital como se fosse a sua casa. Essas e outras situações podem gerar conflitos e mal entendidos e devem ser esclarecidos. Algumas vezes podem ser necessários cuidados mais intensos, com vindas mais regulares ao hospital ou mesmo internações. Essas fases podem gerar medo, insegurança, revolta, angústia, raiva, criando um mal estar próprio em situações de crise. Esses momentos existem, por isso é bom lembrar que, apesar das possíveis diferenças, todos os envolvidos: paciente, família e equipe estão do mesmo lado e devem buscar juntos, soluções para os problemas que surgirem, daí a necessidade constante de diálogo. Uma atitude de confiança e esperança poderá ajudar você, seu filho ou familiar paciente a conviver com essa marca e tornarem-se cada vez mais responsáveis por si próprios. O hospital e a equipe que o acompanham tornam-se importantes para você 3

4 Os Pais Quando falamos em herança todos pensam em dinheiro, muito dinheiro, em herdar castelos, mas nem sempre as heranças são para nos enriquecer. Herdamos também traços das pessoas que são ou foram responsáveis por nos colocar na vida. Quando uma mulher fica grávida, geralmente passa a pensar no filho que terá e no que deseja para ele. Um filho é sempre falado antes mesmo de nascer. Escolhe-se o nome, pensa-se na cor dos olhos, dos cabelos, no enxoval, em como poderá criá-lo; enfim sempre algum plano se faz quando se espera um filho. Nem sempre o que se planeja para os filhos é o que acontece. A vida é feita de muitas situações e às vezes elas são inesperadas. Em relação às doenças crônicas hereditárias, que vêm dos pais, nem sempre estes sabem que são portadores de tais doenças e só o descobrem quando seus filhos passam a ficar doentes e são levados ao médico. Essas situações novas podem vir acompanhadas de medo, raiva, tristeza, confusão e questionamentos, tais como: "Por que comigo?", "Por que com o meu filho?" Estes pensamentos e sentimentos fazem parte do ser humano e representam a vontade de resolver os problemas que lhe acontecem. Um tempo será necessário para compreender as mudanças em suas vidas. Através da fala o ser humano expressa seus medos, dificuldades, emoções e esta é uma das formas de enfrentar as situações que vivencia. A família tem um papel muito importante para a criança, pois é quem vai apresentar o mundo para ela. A criança quando se sente cuidada, pode conversar sobre seus sentimentos e dúvidas, sendo que a brincadeira é uma das maneiras que ela tem de demonstrá-los e por meio dela, compreendê-los e aprender a lidar com estes sentimentos. Ninguém melhor do que você, que a conhece bem e em que ela confia, para saber como confortá-la e responder às suas perguntas à medida que forem surgindo. O mais importante não é ter todas as respostas, mas acolhê-la e poder conversar quantas vezes forem necessárias e de seu interesse. 4

5 A Criança A criança sabe que tem uma doença e que necessita de cuidados. Por vezes pode se sentir um pouco diferente das outras, por ter que tomar remédios e fazer um tratamento que seus amigos não fazem. Mas é importante ressaltar que ela também faz muitas coisas igualzinho às outras crianças: brinca, vai à escola, faz malcriação, fica triste, alegre... As pessoas que o ajudam a cuidar do seu filho (irmãos, vizinhos, amigos, professores) devem saber que a criança tem uma doença crônica, o que não a transforma na própria doença. Outro ponto importante é que esta doença não é contagiosa e não há risco de "pegar" nas pessoas com quem ela entra em contato. Tudo isto pode, a princípio parecer muito difícil e complicado, mas a verdade é que todo ser humano vai passar por dificuldades e vai precisar aprender a lidar com elas de algum jeito. A maneira que a criança tem de adquirir e entender suas experiências é brincando. É principalmente através da brincadeira que ela se desenvolve e se relaciona com outras crianças e com o mundo. Do que as crianças brincam? De tudo o que vêem e vivenciam: de escola, de fazer comida, de bola, de vídeo-game, de super-herói... É comum que a brincadeira passe a ser de médico, de enfermeiro, ou de dar injeção, depois de vir ao hospital. São formas que a criança tem de expressar e lidar com o que acontece com ela. Assim como vocês, a criança também pode ficar com muita raiva ou muito triste por ter essa doença e perguntar : "por que eu?" Pode até usar a doença para conseguir o que quer, como por exemplo: não ir à escola, desobedecer aos pais, ganhar brinquedos... Muitas vezes, na tentativa de proteger seus filhos, vocês podem poupá-los demais e com isto limitar suas possibilidades de enfrentar as situações da vida. Para se tratar, seu filho vai precisar da ajuda da família até poder se cuidar sozinho. Além disso precisará de um médico e de uma equipe de quem ele goste e em quem confie. Sabe o porquê? Porque, também, vão cuidar dele, tentando ajudá-lo a se sentir melhor. Uma boa relação equipe-criança-família possibilita que, mesmo os procedimentos invasivos e dolorosos, sejam enfrentados com menos tensão e mais confiança nos resultados. 5

6 A Escola Depois da família a escola é o local mais importante para a c r i a n ç a. P o d e s e r considerada como uma ampliação da família. É na escola que a criança vai se relacionar com outras pessoas e aprender regras que não as da família. A e s c o l a t e m f u n ç õ e s importantes no desenvolvimento físico, emocional e intelectual da criança, por isso o diálogo entre a família e a equipe escolar (professores,coordenadores e diretores) é tão importante. Assim como vocês pais, ou quem cuida da criança, procuram saber sobre os deveres de casa, suas notas e comportamento na escola, o professor precisa saber da doença do seu filho para melhor ajudá-lo. Devido ao tratamento (consultas, exames, possíveis internações) podem ocorrer várias faltas, às vezes até em dia de prova. A escola deve ser avisada. Lembre-se que lá quem tem a responsabilidade de cuidar da criança é a equipe escolar, que para isto deve ser informada e orientada para poder tomar as atitudes adequadas, quando necessário. O Trabalho A pessoa com doença crônica pode trabalhar? 6 No nosso país ainda existe um nível de desigualdade e uma taxa de desemprego significativas e nem sempre é fácil manter um emprego fixo, mesmo para quem não tem uma doença crônica. Mas, isso não impede que milhares de pessoas tenham atividades produtivas e empreguem sua capacidade e interesse em algo que seja possível, lucrativo e prazeroso, sustentando a si próprias e às suas famílias. Assim como

7 o brincar para a criança, é saudável em todas as idades ter ocupações e atividades. O ser humano, além das necessidades materiais básicas, precisa de interesses e de se sentir produtivo. Existem inúmeras formas de trabalho que, não só não prejudicam seu tratamento, mas ajudam você a levar uma vida melhor e mais saudável. Pode acontecer, por uma série de fatores, que em algum momento haja necessidade de auxílio da seguridade social. Neste caso, você deve entrar em contato com o Serviço Social para ser orientado sobre seus direitos. Caso precise se aposentar, é importante lembrar que você não está se aposentando também da vida e que pode encontrar outras formas de viver da melhor maneira possível. Isto pode acontecer em qualquer etapa, em qualquer idade. Concluindo Como foi dito no início, este pequeno livro contém algumas noções acerca do que você e sua família podem estar vivendo, mas lembre-se que é um "pequeno livro" com "algumas noções". O livro da sua vida, com a sua história, que é única, só você poderá escrever. Com esse texto não pretendemos esgotar nenhum assunto, mas sim criar condições para que vocês e seu filho possam fazer as perguntas que lhes interessam e procurar a ajuda que melhor lhes convier. Conte conosco! Equipe de Psicologia do HEMORIO 7

8 Serviço de Psicologia O HEMORIO possui psicólogos clínicos que prestam assistência aos pacientes internados e aos familiares nas enfermarias. e atendem também no ambulatório com consultas marcadas. Ambulatório A marcação é feita diretamente com o profissional, na sala 531, no 5 andar, ou por telefone, ramal Enfermaria Basta solicitar atendimento ao psicólogo que é responsável pela enfermaria. Equipe Técnica Branca Szafir Janete Santos Silva Maria Inês Corrêa de Oliveira Regina Cabêdo de Mello Telma Haubrichs de Freitas e Silva Thais Monnerat Celes 8

9 Expediente Direção Geral Katia Machado da Motta Equipe Técnica Grupo Interdisciplinar de Tratamento de Portadores de Doenças Hemolíticas Hereditárias Vera Marra Editoração Gabriel Neumann Marcos Monteiro Revisado em Junho de 2006 Publicado em Junho de 2006 Tiragem exemplares PSICOLOGIA DO HEMORIO Sala Tel.: ramal 2294 SERVIÇO SOCIAL DO HEMORIO Sala Tel.: ramal 2253 Rua Frei Caneca, nº 8 - Centro-Rio de Janeiro

10

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico MANUAL DO PACIENTE - TENHO TRAÇO FALCÊMICO.... E AGORA? EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico Sabemos

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Anemia Hemolítica Hereditária III (TALASSEMIA)

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Anemia Hemolítica Hereditária III (TALASSEMIA) HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - ANEMIA HEMOLÍTICA HEREDITÁRIA III - TALASSEMIA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Anemia Hemolítica Hereditária III (TALASSEMIA)

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

Doença de Von Willebrand

Doença de Von Willebrand HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - DOENÇA DE VON WILLEBRAND EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Doença de Von Willebrand Introdução Este manual tem como objetivo

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS Projeto Estórias I. Introdução O projeto Estórias nasceu da necessidade de incluir na literatura infantil personagens com câncer e o ambiente hospitalar. A literatura que contém

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares.

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares. 1 Manual do Paciente Você não está sozinho Qualquer pessoa pode vir a desenvolver algum tipo de câncer ao longo da vida. No ano passado de 2008, mais de 1,3 milhões de novos cânceres foram diagnosticados

Leia mais

Cuidando da Minha Criança com Aids

Cuidando da Minha Criança com Aids Cuidando da Minha Criança com Aids O que é aids/hiv? A aids atinge também as crianças? Como a criança se infecta com o vírus da aids? Que tipo de alimentação devo dar ao meu bebê? Devo amamentar meu bebê

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. 2. Preparação para sua discussão com seu médico

1. INTRODUÇÃO. 2. Preparação para sua discussão com seu médico 1. INTRODUÇÃO Artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória crônica que pode afetar diferentes áreas da vida.1 Como parte do controle de longo prazo da AR, seu médico* irá ajudá-lo a controlar melhor

Leia mais

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS OPÇÕES DE LOGO 1. Psicotraumatologia Clínica 2. PSICOTRAUMATOLOGIA CLÍNICA psicotraumatologia clínica Todos já perdemos ou perderemos pessoas queridas e, geralmente,

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

na sala de aula e na vida

na sala de aula e na vida na sala de aula e na vida Dez dos pais que favorecem o sucesso dos filhos na sala de aula e na vida 2 2012, Fundação Otacílio Coser COSTA, Antonio Carlos Gomes da BASILE, Odelis PAIS, ESCOLA E FILHOS,

Leia mais

Obrigado por cuidar de mim!!

Obrigado por cuidar de mim!! Data da alta do bebê Retorno ao hospital Fabiana Pinheiro Ramos Sônia Regina Fiorim Enumo Kely Maria Pereira de Paula 7. Escreva aqui as suas principais dúvidas para perguntar ao médico na próxima consulta:

Leia mais

Orientações aos pacientes sobre radioterapia

Orientações aos pacientes sobre radioterapia Orientações aos pacientes sobre radioterapia SUMÁRIO Prezado paciente....................... 03 O que é radioterapia?..................... 04 Quais os benefícios da Radioterapia?.............. 04 Como

Leia mais

Meu bebê tem Doença Falciforme. O que fazer?

Meu bebê tem Doença Falciforme. O que fazer? HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Meu bebê tem Doença Falciforme. O que fazer? Um guia sobre Doença Falciforme para a família INTRODUÇÃO Este manual reflete a busca

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

A vez e a voz das crianças

A vez e a voz das crianças 119 outubro de 2010-ESPECIAL CRIANÇA PARA LER NO AR A vez e a voz das crianças Às vésperas de 12 de outubro, Dia das Crianças, eu convido você, ouvinte, a refletir sobre os direitos das meninas e meninos

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO

ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO 1.AMBULATÓRIO DO CTQ Atendimento ao paciente e familiares, garantindo a permanência de um acompanhante como apoio

Leia mais

O AUTISMO- NA CRIANÇA

O AUTISMO- NA CRIANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano Disciplina de Psicopatologia Geral Ano letivo 2013\14 Docente:

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Educação Infantil Primeira Edição de 2014

Educação Infantil Primeira Edição de 2014 AVISOS GERAIS Educação Infantil Primeira Edição de 2014 03 à 07 de Fevereiro Primeira Semana de Aulas Foi com muita alegria que recebemos nossos queridos alunos durante esta primeira semana de aula! Sabemos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo

O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo Esta é a segunda edição do manual sobre o autismo, elaborado pelo Grupo de Saúde Mental da Avape (Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência), em parceria

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Um guia para crianças para a doação de medula óssea. Children s Cancer and Leukaemia Group www.cclg.org.uk

Um guia para crianças para a doação de medula óssea. Children s Cancer and Leukaemia Group www.cclg.org.uk A Doação de Medula Óssea de Jess Um guia para crianças para a doação de medula óssea Children s Cancer and Leukaemia Group www.cclg.org.uk Tradução: Daiane Lemes e Carmen C M Rodrigues (Centro Infantil

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 83 Papo Reto com José Junior 12 de junho de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO 1 RESUMO OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO Glória Maria A. F. Cristofolini Nada se passa na mente que o corpo não manifeste, cita Hermógenes. Quando a medicina ocidental passou a

Leia mais

CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS

CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS UM COMPROMISSO COM A VIDA CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS AMBULATÓRIO DE DOENÇA DE CHAGAS UNIDADE DE INSUFICIÊNCIA CARDÍACA UNIDADE DE

Leia mais

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR INTRODUÇÃO O presente estudo busca refletir a respeito da importância do brincar no ambiente hospitalar. A construção desse material foi feita a partir do contato de três

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

é coisa séria BRINCAR É IMPORTANTE E NECESSÁRIO

é coisa séria BRINCAR É IMPORTANTE E NECESSÁRIO é coisa séria Em 2007, milhares de crianças brasileiras tiveram que devolver seus brinquedos favoritos por defeitos de fabricação que colocam em risco sua saúde e segurança. Mas isso é apenas uma parte

Leia mais

Regras de Convivência Documentos Básicos (Última Revisão em agosto de 2009)

Regras de Convivência Documentos Básicos (Última Revisão em agosto de 2009) Regras de Convivência Documentos Básicos (Última Revisão em agosto de 2009) Rua Capistrano de Abreu, 29 Botafogo 2538-3231 Rua Conde de Irajá, 224 Botafogo 2538-3231 Rua Marques, 19 Humaitá 2538-3232 www.sapereira.com.br

Leia mais

CONFLITO DE SER MÃE EMPREENDEDORA

CONFLITO DE SER MÃE EMPREENDEDORA 1 CONFLITO DE SER MÃE EMPREENDEDORA Quando nos tornamos mãe, sem dúvida nenhuma é a melhor coisa desse mundo. Nossos filhos nascem, curtimos muito eles, nos dedicamos exclusivamente e chega uma hora que

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

Arquitetura dos ambientes de saúde

Arquitetura dos ambientes de saúde Arquitetura dos ambientes de saúde Todos os olhares do ambiente de saúde A palavra arquitetura não traduz a dimensão do que produzimos nessa área. Nosso trabalho vai além da planta. Aqui, são os fluxos

Leia mais

Enquete para Pais ou Responsáveis

Enquete para Pais ou Responsáveis MEXT Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia do Japão Avaliação Nacional do Desempenho Escolar e Condições do Aprendizado em 2013 Pesquisa detalhada Enquete para Pais ou Responsáveis

Leia mais

Preparado para o infantário. Portugais

Preparado para o infantário. Portugais Preparado para o infantário Portugais As crianças precisam de tarefas que as façam crescer, De um modelo pelo qual se possam guiar, De comunidades que as façam sentir-se seguras. Prof. Dr. Gerald Hüther

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o Psicose pós-parto Pode ir desde uma leve tristeza que desaparece com o passar dos dias até um grau mais grave de depressão onde é necessária uma rápida intervenção médica. Este estágio é chamado de psicose

Leia mais

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Paciente Ativo e Responsável ACELBRA-RJ Ser um PAR celíaco Flávia Anastácio de Paula Adaptação do Texto de Luciana Holtz de Camargo Barros

Leia mais

Discussão 5. O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações

Discussão 5. O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações No Capítulo 5 da História do Pequeno Reino Uma verdadeira confusão toma conta do castelo, depois que a Rainha cochila. Ao acordar,

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais Associação promoção do desenvolvimento, tratamento e prevenção da saúde mental Associação Edição online gratuita i dos pais. Folheto Informativo. Vol. 4,

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão 2 EM 5 ENTREVISTA COM DESTAQUES Workshop Para os + Novos Para a sua Saúde Nº 3 MAIO 2008 6 NEUROFITNESS ESPECIAL EXERCÍCIOS Newsletter Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão Fernando Pessoa... Lisboa

Leia mais

Subsídios para datas comemorativas

Subsídios para datas comemorativas Subsídios para datas comemorativas CLBRANDO A FAMÍLIA NO DIA DAS MÃS Hoje o conceito de família mudou bastante. O papel da mãe pode ser exercido pelo pai, avó, um parente ou outra pessoa. Há uma mudança

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MÁS NOTÍCIAS

COMUNICAÇÃO DE MÁS NOTÍCIAS COMUNICAÇÃO DE MÁS NOTÍCIAS José Filipe Farela Neves Funchal, Outubro 2012 Comunicação de más notícias Tarefa complexa, difícil. Em intensivos, frequentemente inesperada. Pouco tempo para estabelecer relação

Leia mais

O seu bem-estar emocional

O seu bem-estar emocional Your Emotional Wellbeing in pregnancy and beyond- Portuguese O seu bem-estar emocional na gravidez e períodos seguintes Breve guia 1 O seu bem-estar emocional na gravidez e períodos seguintes 2 Gravidez

Leia mais

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org. 1 2 E X P E D I E N T E GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.br Diretoria: Gilvane Casimiro Edson Arata Luiz Donizete

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald

Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald Em junho deste ano, comecei um trabalho voluntário na instituição Casa Ronald McDonald, que tem como missão apoiar e humanizar o tratamento de crianças e adolescentes

Leia mais

Versão compacta para distribuição gratuita. Copyright 2014 Plenitude Soluções Empresariais. mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros.

Versão compacta para distribuição gratuita. Copyright 2014 Plenitude Soluções Empresariais. mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros. DESPERTE SEU PODER INTERIOR Marcia Luz www.marcialuz.com.br 1ª Edição Versão Beta 12/2014 Versão compacta para distribuição gratuita Copyright 2014 Plenitude Soluções Empresariais. Todos os direitos reservados

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids GUIA - VÍDEO DEBATE - aconselhamento DST/HIV/aids Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Coordenação Nacional de DST e Aids Paulo R. Teixeira Coordenador Rosemeire Munhoz Assessora Técnica

Leia mais

Manter se limpo na rua

Manter se limpo na rua Manter se limpo na rua Tradução de literatura aprovada pela Irmandade de NA. Copyright 1993 by Narcotics Anonymous World Services, Inc. Todos os direitos reservados Muitos de nós tiveram o primeiro contato

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Projeto Mensageiros da Paz

Projeto Mensageiros da Paz Projeto Mensageiros da Paz Grupo Escoteiro Católico João Paulo II 293º Projeto: Não Bata Eduque Parceria: Ong Não Bate Eduque e Prefeitura de Campo Limpo Paulista Problemática: A violência doméstica contra

Leia mais

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br APRESENTAÇÃO A timidez é um problema que pode acompanhar um homem a vida inteira, tirando dele o prazer da comunicação e de expressar seus sentimentos, vivendo muitas

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes

Leia mais

DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET

DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET INTRODUÇÃO Olá pessoal! Antes de começar a análise dos dados queria agradecer a participação de todos que responderam a pesquisa desse ano do projeto Este Jovem Brasileiro.

Leia mais

O LÚDICO NA RECONSTRUÇÃO AFETIVA UMA CRIANÇA HOSPITALIZADA EM UM CENTRO DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA

O LÚDICO NA RECONSTRUÇÃO AFETIVA UMA CRIANÇA HOSPITALIZADA EM UM CENTRO DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA O LÚDICO NA RECONSTRUÇÃO AFETIVA UMA CRIANÇA HOSPITALIZADA EM UM CENTRO DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA Autores: Erika Pallottino - erika.pallottino@gmail.com Ana Cristina Waissmann RESUMO: O presente trabalho

Leia mais

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Tec. de Enfermagem Claudia Sterque claudiasterque@yahoo.com.br 11 de novembro de 2010 VISÃO DO TÉCNICO ESPECIALISTA Quando comecei

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DÉFICITI COGNITIVO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO TRABALHO DOCENTE EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DÉFICITI COGNITIVO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO TRABALHO DOCENTE EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DÉFICITI COGNITIVO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO TRABALHO DOCENTE EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Resumo Cíntia Aline Schlindweis Iop 1 UFSM Denise Ferreira da Rosa 2 UFSM Martiéli de Souza

Leia mais

REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA. Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP

REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA. Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP Cenário Eficácia dos esquemas terapêuticos Aumento do número de crianças que atingem a idade escolar e

Leia mais

Tratamento pediátrico no INCA. Orientações aos pacientes

Tratamento pediátrico no INCA. Orientações aos pacientes Tratamento pediátrico no INCA Orientações aos pacientes 2010 Instituto Nacional de Câncer / Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais 1016327-7 - set/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

Questionário HAT-QoL *

Questionário HAT-QoL * Questionário HAT-QoL * (HIV/AIDS Targeted Quality of Life) INSTRUMENTO DE QUALIDADE DE VIDA DIRECIONADO PARA HIV/AIDS, TRADUZIDO, ADAPTADO E VALIDADO PARA PACIENTES HIV NO BRASIL. *Adaptado de HIV/AIDS-Targeted

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #2 Positivo, o que e u faç o Deu Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo de facilitar

Leia mais

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental Avaliação & Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA MSc. Psicologia Esp. Neusopsicologia Esp.Psicopedagogia Terapeuta Cognitivo-Comportamental Coordenadora do Curso de TCC Aplicada a crianças e adolescentes

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

BIBLIOTECA PARA PAIS.

BIBLIOTECA PARA PAIS. Nossa sociedade mudou, temos uma inversão de papeis e valores, mais informação do que podemos absorver, a mulher trabalha fora, o avanço tecnológico foi grande, a família mudou, a criança mudou, o aluno

Leia mais

Logo, fiquem atentos às nossas instruções para que tudo ocorra dentro da normalidade.

Logo, fiquem atentos às nossas instruções para que tudo ocorra dentro da normalidade. Papai e Mamãe, A Escola Bem-Me-Quer apresenta esta cartilha para que vocês possam tornar a adaptação do seu (sua) filho (a) mais tranquila e sem traumas. Mas para isso, é necessário que vocês sigam direitinho

Leia mais

ENSINANDO A APRENDER!

ENSINANDO A APRENDER! ENSINANDO A APRENDER! A hora do estudo da criança em casa pode ser produtiva, eficaz e até prazerosa se você colocar em prática uma série de dicas valiosas dos especialistas. Confira! Estudar é fundamental.

Leia mais

CONHECENDO A NOSSA ROTINA

CONHECENDO A NOSSA ROTINA III A CONHECENDO A NOSSA ROTINA Ao iniciarmos o ano letivo, as crianças vivenciam um momento de muitas novidades: escola, sala nova, professoras, espaços do ambiente escolar, entre outros. Diante dessa

Leia mais

NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA

NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA Criando Filhos Edificação da Família 45 Sétima Lição NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA Todo ser humano tem necessidades que são básicas em sua vida. A primeira delas todos

Leia mais

Palestra para os pais Rede de Adolescentes Tema: Sexo + Adolescente =? Como conversar sobre sexo com seu filho Palestrante: Dr.

Palestra para os pais Rede de Adolescentes Tema: Sexo + Adolescente =? Como conversar sobre sexo com seu filho Palestrante: Dr. Palestra para os pais Rede de Adolescentes Tema: Sexo + Adolescente =? Como conversar sobre sexo com seu filho Palestrante: Dr. Isaac Azevedo INTRODUÇÃO: A conversa sobre sexualidade é delicada e precisa

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2

O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2 O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo, mostrar o papel do assistente social dentro de uma equipe

Leia mais

ENTRE FRALDAS E CADERNOS

ENTRE FRALDAS E CADERNOS ENTRE FRALDAS E CADERNOS Entre Fraldas e Cadernos Proposta metodológica: Bem TV Educação e Comunicação Coordenação do projeto: Márcia Correa e Castro Consultoria Técnica: Cláudia Regina Ribeiro Assistente

Leia mais

Grupo Terapêutico: diminuindo impactos da violência familiar em crianças 1

Grupo Terapêutico: diminuindo impactos da violência familiar em crianças 1 Grupo Terapêutico: diminuindo impactos da violência familiar em crianças 1 Veruska Galdini 2 1. Introdução Durante os 17 anos de existência da ACER, temos encontrado crianças 3 que apresentam uma referência

Leia mais

GRUPO DE CONVIVÊNCIA COM DEFICIENTES VISUAIS: PRÁTICA DE ESTÁGIO

GRUPO DE CONVIVÊNCIA COM DEFICIENTES VISUAIS: PRÁTICA DE ESTÁGIO GRUPO DE CONVIVÊNCIA COM DEFICIENTES VISUAIS: PRÁTICA DE ESTÁGIO Lisiane Botelho Ferreira 1 Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo tem como finalidade discutir as adversidades encontradas

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

sobre pressão alta Dr. Decio Mion

sobre pressão alta Dr. Decio Mion sobre pressão alta Dr. Decio Mion 1 2 Saiba tudo sobre pressão alta Dr. Decio Mion Chefe da Unidade de Hipertensão do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP)

Leia mais

Cada pessoa tem a sua história

Cada pessoa tem a sua história 1 Cada pessoa tem a sua história Nina menina [...] Um dia desses, eu passei toda a tarde de um domingo assistindo às fitas de vídeo das minhas festinhas de aniversário de 2, de 3 e de 4 anos. O programa

Leia mais