Faz diferença ter um banco que investe na agricultura familiar.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faz diferença ter um banco que investe na agricultura familiar."

Transcrição

1 Faz diferença ter um banco que investe na agricultura familiar.

2

3 O Banco do Brasil e o Pronaf O Banco que apoia a diversidade da agricultura familiar. O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar foi criado para valorizar você que trabalha junto com a sua família no campo e é um dos principais responsáveis pela produção dos alimentos que chegam diariamente à mesa de todos os brasileiros. O Banco do Brasil sabe disso e acredita em você. Acredita no potencial e na diversidade da agricultura familiar e quer, cada vez mais, ser seu grande parceiro, contribuindo para que você e sua família tenham tranquilidade para produzir mais, com qualidade e segurança. E por isso é importante planejar e organizar os negócios de sua propriedade, valorizar e inovar o processo produtivo, respeitando o meio ambiente e todas as pessoas envolvidas. Confira as facilidades que o Banco do Brasil oferece a você e conte com o apoio do maior parceiro da agricultura familiar brasileira.

4 No Banco do Brasil você tem: Contratação de operações em parceria A contratação de operações por entidades parceiras do agricultor e do Banco do Brasil resulta em maior agilidade, comodidade e abrangência na disponibilização do crédito. Renovação Automática Pagando em dia, o financiamento de custeio pode ser renovado anualmente por até 5 anos. As condições devem ser iguais às do contrato original, como: área, valor e produto financiado, taxas de juros e local de plantio. Contrato simplificado para operações de custeio Vinculado a um contrato com as cláusulas gerais, cujo teor está anexo a esta cartilha. Cartão Pronaf Cartão gratuito que permite saque nos Terminais de Autoatendimento BB e o pagamento dos bens adquiridos diretamente nas empresas agropecuárias. Atenção Quando houver alteração de área, custo de produção, produto financiado e/ou local de plantio, o Banco do Brasil deve ser avisado antes da data prevista para a renovação do crédito. Só assim você pode ter uma nova contratação de financiamento com base nas novas condições e, se for o caso, garantir eventual cobertura pelo Proagro.

5 Veja os diferenciais de contar com o Banco do Brasil É o banco que escuta os anseios do produtor Em 2008, o Banco do Brasil realizou, em conjunto com mais de 140 entidades parceiras, seis encontros regionais para discutir questões relativas à importância da aplicação de novas práticas, tecnologias e da boa gestão, a fim de garantir mais sucesso e sustentabilidade aos negócios da agricultura familiar. Crédito facilitado e sem burocracia para mais agricultores de todas as regiões Atualmente, cerca de 90% dos municípios do País são atendidos com crédito do Pronaf, pelo Banco do Brasil. Confira mais novidades, acessando o site bb.com.br/ agronegócio, no perfil Agricultor Familiar. Lá você encontra um espaço destinado à agricultura familiar. Quem pode ser atendido pelo Pronaf? Agricultores que tenham o trabalho familiar como base da exploração da propriedade, inclusive indígenas e quilombolas. É preciso residir na propriedade ou em local próximo. Ter renda bruta agropecuária anual de até 110 mil. Deter ou explorar área de até 4 módulos fiscais. Podem participar também: pescadores artesanais, aquicultores, maricultores, piscicultores, extrativistas e silvicultores que atendam aos requisitos do Pronaf. Para comprovar o enquadramento ao Programa, você deve obter a Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP, que é fornecida gratuitamente e exigida para acesso aos financiamentos.

6 Procure um dos órgãos ou entidades credenciadas pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) para emitir a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP). Para saber quais entidades estão credenciadas em seu município, procure informações junto à prefeitura ou ao seu sindicato. Como se habilitar ao crédito do Pronaf? Apresente a DAP às entidades parceiras ou ao Banco, juntamente com os documentos pessoais (carteira de identidade, CPF e, se for o caso, certidão de casamento) e os documentos do imóvel. No caso de investimento, leve também orçamento e plano ou projeto simplificado, que pode ser elaborado por empresas de assistência técnica da localidade. (Exemplo: Emater) O que fazer para sempre ter crédito no Banco do Brasil Aplique os recursos do seu financiamento de forma correta e planejada. Pague as prestações do financiamento em dia. Comunique ao Banco do Brasil qualquer situação que comprometa o bom andamento do empreendimento e a sua capacidade de pagamento. Mantenha seu nome limpo na praça (no comércio e nos bancos). Verifique se sua propriedade está em conformidade com a legislação ambiental de seu estado.

7 Dicas para adequação ambiental da propriedade O que é Reserva Legal (RL)? É a área da propriedade rural que deve ser mantida com a vegetação original, para servir como proteção do solo, das águas e da biodiversidade. A RL deve ser averbada à margem da inscrição de matrícula do imóvel, no registro de imóveis competente, devendo respeitar as seguintes proporções: a) 80% na propriedade rural situada em área de floresta localizada na Amazônia Legal; b) 35% na propriedade rural situada em área de cerrado localizada na Amazônia Legal, sendo, no mínimo, 20% na propriedade e 15% na forma de compensação em outra área, desde que esteja localizada na mesma microbacia; c) 20% na propriedade rural situada em área de floresta, ou outras formas de vegetação nativa, localizada nas demais regiões do País; d) 20% na propriedade rural em área de campos-gerais localizada em qualquer região do País. O que são Áreas de Proteção Permanente (APP)? São áreas, cobertas ou não por vegetação, que se encontram às margens de rios, córregos, lagos, nascentes e reservatórios artificiais, nas encostas com mais de 45º de inclinação e nos topos dos morros. O principal objetivo da APP é proteger os recursos hídricos, evitando a erosão, a perda de fertilidade do solo e o assoreamento. Importante: Para adequação de sua Reserva Legal e APP procure o Ibama em seu Estado. Para isenção do Imposto Territorial Rural sobre as áreas destinadas à preservação, o produtor precisa, anualmente, apresentar ao Ibama uma declaração para reconhecimento das áreas, por meio do Ato Declaratório Ambiental (ADA), no período entre janeiro e setembro.

8 Novidades para a Safra 2009/2010 Pronaf Sustentável O que é: Programa de Desenvolvimento Sustentável da Unidade de Produção Familiar Finalidade: planejar, orientar, coordenar e monitorar a implantação dos financiamentos de agricultores familiares e assentados da reforma agrária, com enfoque sistêmico, ou seja, permite observar a propriedade como um todo, levando em conta fatores sociais, econômicos e ambientais, no âmbito da modalidade de crédito do Pronaf. Seus objetivos estão voltados para o aumento da produção e da produtividade, com melhor uso dos recursos naturais, especialmente o solo e a água, estimulando a diversificação produtiva. Selo da Agricultura Familiar O que é: é um selo concedido pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), a partir da adesão voluntária dos produtores, que identificará a origem dos produtos. O selo tem por objetivo garantir mais informações e segurança ao consumidor e valorizar a produção da agricultura familiar. Apoio à Comercialização Agora é lei! A partir da Safra 2009/2010, os produtores familiares serão responsáveis pelo fornecimento de, pelo menos, 30% dos produtos para alimentação escolar da educação básica. Benefícios especiais do Pronaf Pronaf Mais Alimentos O que é: linha de crédito de até 100 mil, com juros de 2% ao ano e prazo de até 10 anos para pagar. O que financia: projetos de investimento destinados a aquisição de máquinas, inclusive tratores, equipamentos, correção de solo, irrigação, armazenagem, implementos agrícolas e matrizes, formação de pastagens, implantação de pomares e estufas, entre outros. A quem se destina: agricultores familiares que possuem, no

9 mínimo, 70% da renda da unidade familiar, comprovada no projeto técnico, oriunda das seguintes atividades: açafrão, arroz, café, centeio, feijão, mandioca, milho, sorgo, trigo, frutas, olerícolas, apicultura, aquicultura e pesca, avicultura, bovinocultura de corte, bovinocultura de leite, suinocultura, caprinocultura e ovinocultura. Proagro Mais O que é: é um seguro de produção. O que cobre: eventos climáticos naturais, doenças fúngicas ou pragas sem método difundido de combate, controle ou prevenção e ainda garante uma renda mínima para sua família. Como funciona: você pode fazer o seguro para até 100% do valor do financiamento e até 65% da receita líquida prevista para o empreendimento, limitado ao valor do financiamento ou a 2.500,00, o que for menor. Havendo perdas, você deve comunicar imediatamente ao Banco do Brasil, que envia um perito para vistoria e comprovação. Dicas importantes: Na contratação/renovação e antes da liberação do financiamento: a) apresente o laudo de vistoria prévia para lavouras já plantadas; b) para operações de valor acima de 12 mil, entregue ao Banco os resultados das análises física e química do solo e a recomendação técnica de insumos. Não é permitido, na mesma safra e no mesmo município, financiar lavouras iguais, por exemplo: milho e milho, soja e soja, etc. Na solicitação do pedido de cobertura: entregue ao Banco as notas fiscais da compra de insumos (semente, adubo, inseticida, fungicida, etc.) ou declaração emitida por órgão público responsável pelo seu fornecimento. ATENÇÃO A não apresentação dos documentos citados é motivo para a redução do valor indenizado pelo Proagro.

10 Programa de Garantia de Preços para Agricultura Familiar PGPAF O que é: é um seguro de preço. O que cobre: custeios e investimento (principal produto gerador de renda) de algodão em caroço, alho, amendoim, arroz, borracha natural, café, caprinos e ovinos, cará, castanha-de-caju, castanha-do-brasil, cebola, cera de carnaúba, feijão, girassol, inhame, juta, leite, malva, mamona, mandioca, milho, pimenta-do-reino, pó cerífero de carnaúba, sisal, soja, sorgo, tomate, trigo e triticale. Quando o produtor recebe: sempre que o preço de comercialização (apurado pela Conab) estiver abaixo do preço de garantia do produto. No caso de operações de investimento, somente as contratadas a partir de e com vencimento a partir de fazem juz ao bônus PGPAF. Seguro de Vida Agricultura Familiar O que é: é um seguro que garante aos herdeiros a quitação ou a amortização de dívidas assumidas, até o limite do capital coberto, em caso de morte natural ou acidental do segurado. Além disso, oferece uma indenização extra.

11

12 Central de Atendimento BB ou SAC Ouvidoria BB Deficiente Auditivo ou de Fala ou acesse bb.com.br/agronegocio

13 Prezado(a) agricultor(a), O Pronaf é uma conquista sua! Nós, do Banco do Brasil, disponibilizamos todas as linhas de crédito rural que você necessita para produzir alimentos e gerar emprego, renda e qualidade de vida no campo, com respeito ao meio ambiente. Central de Atendimento BB ou SAC Ouvidoria BB Deficiente Auditivo ou de Fala ou acesse bb.com.br/agronegocio Linhas de Crédito e Condições de Financiamento

14 Linhas de Crédito e Condições de Financiamento Linha Beneficiários (1) Finalidade Limites () Juros Prazo/Carência Pronaf A Assentados da Reforma Agrária ou Investimentos para estruturação das propriedades Até ,00 0,5% a.a. Até 10 anos/até 5 anos Beneficiados pelo Crédito Fundiário Pronaf Programas Especiais Recupera A Até 6.000,00 por beneficiário em uma única operação 1% a.a. Até 10 anos/até 3 anos Assentados da Reforma Agrária até 01/08/2002 ou Beneficiados pelo Crédito Fundiário Pronaf Investimento Grupo B Renda bruta anual familiar até 6.000,00 Financiamento da recuperação de unidades familiares dos agricultores beneficiados com crédito do PROCERA ou Pronaf A, ou Crédito Fundiário Investimentos agropecuários e não agropecuários INVESTIMENTO 2.000,00 por operação, admitida apenas uma operação em ser 0,5% a.a. Até 2 anos Pronaf Custeio Grupo A/C (2) Assentados da Reforma Agrária Custeio das atividades agropecuárias Até 5.000,00 1,5% a.a. Até 2 anos Pronaf Custeio Grupo C Agricultor familiar do Grupo C, com DAP emitida até e que não tenha obtido os 6 rebates Custeio para atividades agropecuárias, turismo rural, artesanato e outros empreendimentos De 500,00 até 5.000,00 em uma única operação por ano agrícola 3% a.a. Até 2 anos (2) (3) Pronaf Custeio Agricultores (4) (5) Pronaf Investimento Agricultores Pronaf Agroindústria Pronaf Programas Especiais Semiárido Pronaf Programas Especiais Jovem Pronaf Florestal Pronaf Agroecologia Pronaf Mulher Pronaf Eco Pronaf Mais Alimentos familiares enquadrados Custeio para atividades agropecuárias Até 5.000,00 1,5% a.a. Até 2 anos no Pronaf, com renda bruta anual Acima de 5.000,00 e até ,00 3% a.a. de 6.000,00 até ,00, Acima de ,00 e até ,00 4,5% a.a. exceto nos grupos A, A/C e B Acima de ,00 e até ,00 5,5% a.a. familiares enquadrados Investimento para atividades agropecuárias Até 7.000,00 1% a.a. Até 8 anos/até 5 anos no Pronaf, com renda bruta anual Acima de 7.000,00 e até ,00 2% a.a. de 6.000,00 até ,00, Acima de ,00 e até ,00 4% a.a. exceto nos grupos A, A/C e B Acima de ,00 e até ,00 5% a.a. Agricultores familiares enquadrados Custeio e investimento para implantação, Investimento - PF: até 7.000,00 individual 1% a.a. Até 8 anos/até 5 anos no Pronaf, suas cooperativas ampliação, recuperação e modernização de PJ: até ,00 e associações, exceto os pequenas e médias agroindústrias Investimento - PF:acima de 7.000,00 e até 2% a.a. enquadrados no Grupo A ,00 individual e PJ: de 500 mil até 10 milhões Investimento - processamento e 3% a.a. industrialização de leite e derivados - PJ: acima de 10 milhões e até 25 milhões Custeio - PF: até e PJ: até 2 milhões 4% a.a. Até 1 ano Agricultores familiares enquadrados Investimento para infraestrutura hídrica e demais INVESTIMENTO: até 7.000,00 1% a.a. Até 10 anos/até 3 anos no Pronaf infraestruturas de produção agropecuária Agricultores familiares enquadrados Investimento para atividades agropecuárias, turismo INVESTIMENTO: até 7.000,00 1% a.a. Até 10 anos/até 5 anos no Pronaf rural, artesanato e outras atividades de interesse do(a) jovem agricultor(a) Agricultores familiares enquadrados Investimento para sistemas agroflorestais, INVESTIMENTO: até 7.000,00 1% a.a. Até 12 anos/até 8 anos no Pronaf exploração extrativista ecologicamente sustentável, plano de manejo e manejo florestal, recomposição e manutenção de áreas de preservação Agricultores familiares enquadrados Investimento para implantação dos sistemas de Conforme estabelecido na Linha Pronaf Conforme estabelecido Até 8 anos/até 3 anos no Pronaf, exceto nos grupos A, produção agroecológicos e/ou orgânicos Investimento na Linha Pronaf A/C e B Investimento Agricultoras familiares enquadradas no Pronaf Agricultores familiares enquadrados no Pronaf, exceto nos grupos A, A/C e B Agricultores familiares enquadrados no Pronaf, exceto nos grupos A, A/C e B Investimento para atividades agropecuárias, turismo rural, artesanato e outras atividades de interesse da mulher agricultora Investimento para implantação, utilização e/ou recuperação de tecnologias de energia renovável, tecnologias ambientais, armazenamento hídrico, pequenos aproveitamentos hidroenergéticos e silvicultura Projetos de investimento para a produção de açafrão, arroz, café, centeio, feijão, frutas, leite, mandioca, milho, sorgo e trigo, olerícolas, apicultura, aquicultura e pesca, avicultura, gado de corte, caprinos e ovinos e suinocultura INVESTIMENTO: A, A/C e B : até 1.500,00, demais agricultoras enquadradas no Pronaf: conforme Linha Pronaf Investimento Conforme estabelecido na Linha Pronaf Investimento A, A/C e B : 0,5% a.a. Demais: os da Linha Pronaf Investimento Conforme estabelecido na Linha Pronaf Investimento Até 2 anos: A, A/C e B Até 8 anos/5 anos: demais produtoras Miniusinas biocombustíveis: até 12 anos/ até 5 anos Silvicultura: até 12 anos/até 8 anos (6) Demais final.: até 8 anos/até 5 anos Correção solo: até 5 anos/até 2 anos De 7.000,00 até ,00 2% a.a. Até 10 anos/até 3 anos 1. É obrigatória a apresentação da DAP para acessar o crédito ( DAP principal identifica a unidade familiar, DAP acessória identifica a mulher agregada e o jovem agricultor, DAP especial identifica os beneficiários da agroindústria). 2. No caso de custeio agrícola é obrigatória a adesão ao Proagro Mais ou Proagro Tradicional. 3. Para as operações de custeio, as taxas de juros serão fixadas em função do valor do somatório dos créditos contratados pelo produtor, em cada safra. 4. Para as operações de investimento, as taxas de juros serão fixadas em função do somatório das operações em ser do produtor, contratadas a partir de O limite máximo financiável, na linha Pronaf Investimento, pode ser ampliado em 50% se o crédito for destinado a aquisição de máquinas, tratores e implementos agrícolas, veículos utilitários, embarcações, equipamentos de armazenagem e equipamentos de irrigação. 6. No caso de financiamentos para Silvicultura, na Linha Pronaf Eco, com recursos do FCO, o prazo poderá ser elevado para até 16 anos, quando a atividade assistida requerer e o projeto técnico ou a proposta de crédito comprovar a necessidade.

15 Acompanhamento de Despesas e Receitas Custeio Agrícola Sítio: Lavoura: Área ha: DESPESAS DA LAVOURA 1. Serviços 1.1. Preparo da terra 1.2. Plantio 1.3. Tratos culturais 1.4. Colheita 1.5. Despesas pós-colheita Total Serviços 2. Insumos 2.1. Sementes 2.2. Fertilizantes 2.3. Defensivos 2.4. Outros gastos Total Insumos 3. Outras Despesas 3.1. Manutenção de máquinas 3.2. Diesel 3.3. Manutenção de benfeitorias 3.4. Proagro 3.5. Juros do financiamento 3.6. Assistência técnica 3.7. Outros Total Outras Despesas TOTAL GERAL DESPESAS: RECEITAS DAS VENDAS DOS PRODUTOS TOTAL GERAL RECEITAS: RESULTADO DA SAFRA ( + ) Receitas totais ( - ) Despesas totais ( = ) Resultado

16 Acompanhamento de Despesas e Receitas Custeio Pecuário Sítio: Atividade: DESPESAS PECUÁRIAS 1. Serviços (manuais ou máquinas) 1.1. Adubação de pastagens 1.2. Distribuição de calcário 1.3. Limpeza de pastagem 1.4. Manejo de animais 1.5. Aplicação de vacinas/medicamentos 1.6. Outros serviços Total serviços 2. Insumos (aquisição) 2.1. Fertilizantes 2.2. Calcário dolomítico 2.3. Diesel 2.4. Ração animal 2.5. Silagem 2.6. Sal mineral 2.7. Vacinas - aftosa, anti-rábica, brucelose, carbúnculo, etc 2.8. Medicamentos 2.9. Outros produtos Total insumos 3. Outras Despesas 3.1. Manutenção de máquinas 3.2. Diesel 3.3. Manutenção de benfeitorias 3.4. Juros do financiamento 3.5. Assistência técnica 3.6. Outros Total outras despesas TOTAL GERAL DESPESAS: RECEITAS DAS VENDAS TOTAL GERAL RECEITAS: RESULTADO DA SAFRA ( + ) Receitas totais ( - ) Despesas totais ( = ) Resultado

17 CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO RURAL FIXO AO AMPARO DO PRONAF CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO RURAL FIXO AO AMPARO DO PRONAF PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR REGIS- TRADO SOB Nº , EM , NO CARTÓRIO DO 1º OFÍCIO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE BRASILIA (DF). PREÂMBULO CLÁUSULAS GERAIS que regem o CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO RURAL FIXO, ao amparo do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Pronaf, tendo de um lado o Banco do Brasil S.A., sociedade de economia mista, com sede em Brasília, Capital Federal, inscrito no CNPJ sob o número / , a seguir denominado FINANCIADOR, e, de outro lado, como FINANCIADO(A)(S), o(a)(s) produtor(a)(es) rural(is) familiar(es) indicado(a)(s) e qualificado(a)(s) no Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, devidamente assinado pelas PARTES, ao qual estas Cláusulas Gerais se encontram vinculadas, formando com aquele um todo único e indivisível, contratam nos termos das cláusulas seguintes. CLÁUSULA PRIMEIRA DA ABERTURA DO CRÉDITO O FINANCIADOR abre ao(a)(s) FINANCIADO(A) (S), e este(a)(s) aceita(m) um crédito fixo no valor estipulado no Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, ao qual estas Cláusulas Gerais se encontram vinculadas. CLÁUSULA SEGUNDA DA APLICAÇÃO DO CRÉDITO Os recursos financiados serão aplicados no custeio das atividades agropecuárias de acordo com(s) orçamento(s) estabelecido(s) no Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, ao qual estas Cláusulas Gerais se encontram vinculadas. CLÁUSULA TERCEIRA DA FORMA DE UTILIZAÇÃO O FINANCIADOR liberará os recursos financiados de uma única vez, mediante crédito do valor correspondente na conta corrente do(a)(s) FINANCIADO(A)(S), mantida junto ao FINANCIADOR, com prévio trânsito na conta vinculada ao financiamento. CLÁUSULA QUARTA DOS ENCARGOS FINANCEIROS Sobre os saldos devedores verificados diariamente na conta vinculada ao crédito concedido, incidirão juros à taxa que vier a ser fixada no Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, ao qual estas Cláusulas Gerais se encontram vinculadas, calculados diariamente pelo critério (prórata) dia corrido (ano de 365 dias), com base na taxa equivalente diária desde a data do cálculo até o débito/exigibilidade e debitados/exigidos na data do vencimento e na liquidação da operação. PARAGRAFO ÚNICO Por ocasião das renovações automáticas previstas na cláusula DA RENOVAÇÃO AUTOMÁTICA, os encargos financeiros, fixados no Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, ao qual estas Cláusulas Gerais se encontram vinculadas, poderão ser alterados considerando o somatório das operações contratadas na mesma safra e previstos para as operações de custeio contratadas no âmbito do Pronaf, conforme as normas divulgadas pelo Conselho Monetário Nacional e Banco Central do Brasil. CLÁUSULA QUINTA DO INADIMPLEMENTO EM CASO DE DESCUMPRIMENTO DE QUALQUER OBRIGAÇÃO LEGAL OU CONVENCIONAL, OU NO CASO DE VENCIMENTO ANTECIPADO DA OPE- RAÇÃO, SERÃO EXIGIDOS, A PARTIR DO INADIMPLEMENTO E SOBRE O VALOR INADIMPLIDO, OS ENCARGOS FINANCEIROS ABAIXO, EM SUBSTITUIÇÃO AOS ENCARGOS DE NORMALIDADE PAC- TUADOS: A) COMISSÃO DE PERMANÊNCIA À TAXA DE MERCADO DO DIA DO PAGAMENTO, NOS TERMOS DA RESOLUÇÃO 1.129, DE , DO CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, ART. 8 DA LEI 9.138, DE , E RESOLUÇÃO 2.886, DE , DO CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL; B) JUROS MORATÓRIOS À TAXA EFETIVA DE 1% (UM POR CENTO) AO ANO; C) MULTA DE 2% (DOIS POR CENTO) CALCULADA E EXIGÍVEL NAS DATAS DOS PAGAMENTOS, SOBRE OS VALORES EM ATRASO A SEREM PARCIALMENTE PAGOS E, NA LIQUIDAÇÃO DO SALDO DEVEDOR, SOBRE O MONTANTE INADIMPLIDO. CLÁUSULA SEXTA PENHOR RURAL Para a segurança do principal da dívida e demais obrigações decorrentes deste Contrato, o(a)(s) FINANCIADO(A)(S) dá, em penhor rural e sem concorrência de terceiros, o produto descrito no item Penhor Rural do Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, ao qual estas Cláusulas Gerais se encontram vinculadas. CLÁUSULA SÉTIMA IMÓVEL DE LOCALIZAÇÃO DOS BENS VINCULADOS Os bens vinculados estão localizados no imóvel descrito no item Imóvel de Aplicação do Crédito do Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, ao qual estas Cláusulas Gerais se encontram vinculadas. CLÁUSULA OITAVA NOVO GRAVAME FICA ESTABELECIDO QUE NOS CASOS DE ALIENAÇÃO, ARRENDAMENTO, CESSÃO, TRANSFERÊNCIA OU QUALQUER FORMA DE GRAVAME DOS BENS CONSTITUTIVOS DA GARANTIA EM FAVOR DE TERCEIROS, SEM A PRÉVIA ANUÊNCIA DO BANCO DO BRASIL S.A., OCORRERÁ O VENCIMENTO ANTECIPADO DO CRÉDITO. CLÁUSULA NONA COTA DE REMIÇÃO Na vigência do presente instrumento, o FINANCIADOR, poderá, a seu exclusivo critério, autorizar o(a) FINANCIADO(A)(S) a dispor de quaisquer quantidades dos bens apenhados (ou o que for), desde que seja entregue pelo(a) FINANCIADO(A)(S) para amortização da dívida, importância correspondente a 100 (cem) pontos percentuais do valor de comercialização dos bens a serem liberados. CLÁUSULA DÉCIMA DOS RECURSOS PRÓPRIOS A diferença entre o crédito aberto e o valor do orçamento apresentado será coberta mediante aplicação de recursos próprios do(a)(s) FINANCIADO(A) (S), obrigando-se este(a)(s) a comprovar previamente e em proporção ao levantamento de cada parcela, a respectiva aplicação de recursos próprios. Fica excluído do crédito qualquer excesso que, porventura, se verificar na execução do plano orçado. CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA DA DATA E DA FORMA DE PAGAMENTO Na data de vencimento registrada no Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, ao qual estas Cláusulas Gerais estão vinculadas, o(a)(s) FINANCIADO(A)(S) obriga-se(am-se) a pagar todas as responsabilidades dele oriundas, aí compreendidos: principal, juros, comissão de permanência, multas, juros moratórios e outros acessórios e quaisquer despesas, independentemente de qualquer aviso ou interpelação judicial ou extrajudicial. PARÁGRAFO PRIMEIRO Quando o vencimento registrado no Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, ao qual estas Cláusulas Gerais se encontram vinculadas, ocorrer nos sábados, domingos ou feriados nacionais, inclusive os bancários, será, para todos os fins e efeitos, deslocado para o primeiro dia útil subseqüente, sendo os encargos calculados até essa data. PARÁGRAFO SEGUNDO O(A)(s) FINANCIADO(A)(S) concorda(m) e aceita(m) que qualquer pagamento por ele(a)(s) efetuado(s) fora dos prazos avençados constituirá mera tolerância, que não afetará de forma alguma a data de vencimento da dívida registrada no Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, ao qual estas Cláusulas Gerais se encontram vinculadas, ou as demais cláusulas e condições deste instrumento, nem importará novação ou modificação do ajustado, inclusive quanto aos encargos resultantes da mora, imputando-se ao pagamento do débito o valor recebido, obrigatoriamente na seguinte ordem: multa, juros moratórios, juros remuneratórios, comissão de permanência, outros acessórios debitados, principal vencido

18 e principal vincendo. PARÁGRAFO TERCEIRO Fica expressa e irrevogavelmente estabelecido que a abstenção do exercício, por parte do FINANCIADOR, de quaisquer direitos que lhe assistam por força do presente contrato ou a concordância com atrasos no cumprimento ou inadimplemento de obrigação do(a)(s) FINANCIADO(A) (S), não afetarão aqueles direitos ou faculdades - que poderão ser exercidos a qualquer tempo e não alterarão, de nenhum modo, as condições estipuladas neste contrato, nem obrigarão o FINANCIADOR relativamente a vencimentos ou inadimplementos futuros. CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA DA RENOVAÇÃO AUTOMÁTICA O(A)(s) FINANCIADO(A)(S) declara-se(m-se) ciente(s), concorda(m) e aceita(m) que, não havendo manifestação em contrário de qualquer das partes, o vencimento ou os novos vencimentos deste Contrato e do Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, ao qual estas Cláusulas Gerais se encontram vinculadas, poderão ser, independentemente da lavratura de aditivo, renovados por períodos subseqüentes, até o prazo máximo de 5 (cinco) anos ou (um mil, oitocentos e vinte e cinco) dias contados a partir da data de formalização jurídica do Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, ao qual estas Cláusulas Gerais se encontram vinculadas, desde que o(a)(s) FINANCIADO(A)(S) cumpra(m) as seguintes condições: a) seja liquidado o saldo devedor apresentado na conta vinculada ao presente financiamento, na data do vencimento original ou dos vencimentos sucessivos; b) sejam mantidas as mesmas condições objeto do financiamento; c) seja apresentada Declaração de Aptidão ao PRONAF Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, na forma disciplinada pelo Conselho Monetário Nacional e pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário. CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA DO LOCAL DE PAGAMENTO O lugar do pagamento é a agência do FINANCIADOR responsável pela firmatura do Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, ao qual estas Cláusulas Gerais se encontram vinculadas. Poderá o FINANCIADOR facultar a utilização de outra sistemática de pagamento, desde que registrada no Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, ao qual estas Cláusulas Gerais se encontram vinculadas. CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA DA AUTORIZAÇÃO PARA DÉBITO EM CONTA CORRENTE O(A)(s) FINANCIADO(A)(S) autoriza(m) o FINANCIADOR a aplicar, na cobertura parcial ou total do saldo devedor apresentado na conta vinculada ao financiamento, quaisquer importâncias levadas, a qualquer título, a crédito de sua conta de depósitos mantida junto ao FINANCIADOR, com a finalidade de quitar os débitos nas épocas estipuladas no Contrato de Abertura de Crédito Rural Fixo, ao qual estas Cláusulas Gerais se encontram vinculadas. PARÁGRAFO ÚNICO O(A)(S) FINANCIADO(A)(S) reconhece(m), como prova de sua dívida, os cheques, saques e transferências (inclusive por meios eletrônicos), ordens, recibos e avisos de débito lançados diretamente na conta corrente e o FINANCIADOR reconhece como prova dos créditos os lançamentos efetuados em conta corrente a este título. CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA DO VENCIMENTO ANTECIPADO SE O(A)(S) FINANCIADO(A)(S) NÃO PAGAR(EM) PONTUALMENTE QUAISQUER DAS PRESTAÇÕES PREVISTAS NESTE INSTRU- MENTO, OU SE NÃO DISPUSER(EM) DE SALDO SUFICIENTE NAS DATAS DOS SEUS RESPEC- TIVOS VENCIMENTOS, PARA QUE O FINANCIADOR PROMOVA OS LANÇAMENTOS CONTÁBEIS DESTINADOS ÀS SUAS RESPECTIVAS LIQUIDAÇÕES, CONFORME EXPRESSAMENTE PREVISTO NA CLÁUSULA AUTORIZAÇÃO PARA DÉBITO EM CONTA, PODERÁ O FINANCIADOR CONSIDE- RAR VENCIDAS ANTECIPADAMENTE, DE PLENO DIREITO, TODAS AS DEMAIS PARCELAS AINDA VINCENDAS, ASSUMIDAS NÃO SÓ NESTE INSTRUMENTO COMO EM OUTROS QUE TENHA(M) FIRMADO COM O FINANCIADOR, E EXIGIR O TOTAL DA DÍVIDA DELAS RESULTANTE, INDEPEN- DENTEMENTE DE AVISO EXTRAJUDICIAL OU INTERPELAÇÃO JUDICIAL. O FINANCIADOR TAM- BÉM PODERÁ CONSIDERAR INTEGRALMENTE VENCIDA E EXIGÍVEL A DÍVIDA RESULTANTE DAS OPERAÇÕES EXISTENTES QUANDO O(A)(S) FINANCIADO(A)(S) OU O(S) COOBRIGADO(S): A) SOFRER(EM) PROTESTO CAMBIÁRIO, REQUERER(EM) SUA RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL, JUDICIAL OU FALÊNCIA OU TIVER(EM) SUA FALÊNCIA OU INSOLVÊNCIA CIVIL REQUERIDA OU POR QUALQUER MOTIVO ENCERRAR(EM) SUAS ATIVIDADES; B) SOFRER(EM) AÇÃO JUDICIAL OU PROCEDIMENTO FISCAL CAPAZ DE COLOCAR EM RISCO AS GARANTIAS CONSTITUÍDAS OU CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES AQUI ASSUMIDAS; C) DIRETAMENTE OU ATRAVÉS DE PRE- POSTOS OU MANDATÁRIOS, PRESTAR(EM) AO FINANCIADOR INFORMAÇÕES INCOMPLETAS OU ALTERADAS, INCLUSIVE ATRAVÉS DE DOCUMENTO PÚBLICO OU PARTICULAR DE QUALQUER NATUREZA; D) DIRETAMENTE OU ATRAVÉS DE PREPOSTOS OU MANDATÁRIOS, DEIXAR(EM) DE PRESTAR INFORMAÇÕES QUE, SE DO CONHECIMENTO DO FINANCIADOR, PODERIAM ALTERAR SEUS JULGAMENTOS E/OU AVALIAÇÕES; E) TORNAR(EM)-SE INADIMPLENTE(S) EM OUTRA(S) OPERAÇÃO(ÕES) MANTIDA(S) JUNTO AO FINANCIADOR; F) EXCEDER(EM) O LIMITE DE CRÉDITO CONCEDIDO; G) DESVIAR(EM), NO TODO OU EM PARTE, O(S) BEM(NS) DADO(S) EM GARANTIA; H) NÃO MANTIVER(EM) EM DIA O(S) SEGURO(S) DO(S) BEM(NS) DADO(S) EM GARANTIA; I) NÃO REFORÇAR(EM), NO PRAZO INDICADO NA COMUNICAÇÃO QUE LHE FOR FEITA PELO FINANCIA- DOR, A(S) GARANTIA(S) CONSTITUÍDA(S). CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA DA SUSPENSÃO DE LIBERAÇÃO DE CRÉDITO ALÉM DAS SITUA- ÇÕES PREVISTAS NA CLÁUSULA VENCIMENTO ANTECIPADO, QUE REGULA OS CASOS QUE PODERÃO IMPLICAR O VENCIMENTO ANTECIPADO DA(S) OPERAÇÃO(OES) EXISTENTE(S), O FINANCIADOR PODERÁ SUSPENDER A LIBERAÇÃO DE NOVOS VALORES QUANDO O(A) (S) FINANCIADO(A)(S) DEIXAR(EM) DE APRESENTAR AO FINANCIADOR, NO PRAZO POR ESTE INDICADO, A DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA A RENOVAÇÃO DO SEU LIMITE DE CRÉDI- TO, BEM COMO QUANDO O(A)(S) FINANCIADO(A)(S) OU O(A)(S) COOBRIGADO(A)(S) FOR(EM) NEGATIVADO(A)(S) EM QUAISQUER ÓRGÃOS DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO OU NO CADASTRO DE EMITENTES DE CHEQUES SEM FUNDOS (CCF), OU TIVER(EM) ENCERRADA(S) SUA(S) CONTA(S) CORRENTE(S) EM QUALQUER ESTABELECIMENTO DE CRÉDITO, EM DECORRÊNCIA DE NOR- MAS EMANADAS DO BANCO CENTRAL DO BRASIL. CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA DA ALTERAÇÃO DAS ATIVIDADES O(A)(s) FINANCIADO(A)(S) obriga(m)-se a comunicar previamente ao FINANCIADOR quaisquer alterações nas atividades desenvolvidas no(s) imóvel(is), como a(s) mudança(s) de cultura(s) e alteração(ões) de área, ficando ciente(s) de que a falta dessa informação poderá importar no vencimento antecipado desta e de todas as dívidas junto ao FINANCIADOR, tornando-se exigíveis pela sua integralidade e ficando o FINANCIADOR autorizado a promover a cobrança judicial de todo o débito. CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Por força do disposto no art. 47, parágrafo sexto, item B, combinado com os artigos 25, 12, Incisos V, item A e VII, 30, Incisos III, IV e X, da Lei 8.212/91, o(a)(s) FINANCIADO(A)(S) declara(m), sob as penas da lei, que não é(são) responsável(is) pelo recolhimento de contribuições à Previdência Social, eis que não industrializa(m), não comercializa(m) a adquirente domiciliado no exterior, nem vende(m) seu(s) produto(s) no varejo diretamente ao consumidor.

Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal

Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF) O Pronaf iniciou em 28 de julho de 1996, pelo

Leia mais

O agricultor familiar pode contar com o Pronaf do Banco do Brasil. Todo seu do plantio à colheita.

O agricultor familiar pode contar com o Pronaf do Banco do Brasil. Todo seu do plantio à colheita. O agricultor familiar pode contar com o Pronaf do Banco do Brasil. Todo seu do plantio à colheita. O Banco do Brasil e o Pronaf O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Pronaf foi

Leia mais

Soluções para a Agricultura Familiar Para todos os momentos da produção.

Soluções para a Agricultura Familiar Para todos os momentos da produção. Soluções para a Agricultura Familiar Para todos os momentos da produção. bb.com.br/agronegocio O Banco do Brasil acredita na força da agricultura familiar brasileira. O Banco do Brasil reconhece a importância

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF O QUE É O PGPAF Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDI-RÁPIDO CLIENTE - 1º TITULAR CPF CÓD. DA AGÊNCIA CLIENTE - 2º TITULAR CPF NÚMERO DA CONTA

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDI-RÁPIDO CLIENTE - 1º TITULAR CPF CÓD. DA AGÊNCIA CLIENTE - 2º TITULAR CPF NÚMERO DA CONTA CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDI-RÁPIDO CLIENTE - 1º TITULAR CPF CÓD. DA AGÊNCIA CLIENTE - 2º TITULAR CPF NÚMERO DA CONTA CLÁUSULAS GERAIS, que regem o Contrato de Abertura de Credi-Rápido, que são

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Secretaria da Agricultura Familiar. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Secretaria da Agricultura Familiar. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO Secretaria da Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf Agricultura Familiar 06/07- renegociação dos custeios - Resolução

Leia mais

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015 PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015 LINHA PÚBLICO MODALIDADE FINALIDADE CRÉDITO/TETO JUROS Pronaf Custeio MCR 10-4 familiares com renda bruta anual até R$ 360 mil. (exceto Grupo

Leia mais

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Av. Pres. Juscelino Kubitschek,

Leia mais

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA TÍTULO Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA Lei 11.326/06 Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos Linhas de crédito para o setor florestal Homero José Rochelle Engº Agrônomo ESALQ 1979 Plano de Safra 2014/2015 MAPA - Ministério

Leia mais

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016 PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016 LINHA PÚBLICO MODALIDADE FINALIDADE CRÉDITO/TETO JUROS Pronaf Custeio MCR 10-4 faiares com renda bruta anual até R$ 360. (exceto Grupo A e A/C)

Leia mais

2. inadimplência na data de publicação desta Resolução, contratadas até 30 de junho de 2010;

2. inadimplência na data de publicação desta Resolução, contratadas até 30 de junho de 2010; RESOLUÇÃO Nº 4.028, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 Autoriza a composição de dívidas e a renegociação de operações de crédito rural, no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS Quadro Resumo BANCO CNPJ/MF Banco Bradesco S.A. 60.746.948/0001 12 Sede Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco, Estado de

Leia mais

Cédula de Crédito Bancário Abertura de Crédito Pessoa Física

Cédula de Crédito Bancário Abertura de Crédito Pessoa Física Cédula nº: Valor: Data da emissão: Data do vencimento: 1. EMITENTE(S): 1.1 Nome: 1.2 RG: 1.3 CPF/MF - CNPJ/MF: E os coemitentes, demais titulares da conta corrente ao final nomeados, todos qualificados

Leia mais

F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO

F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO NO SETOR RURAL Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Programa de Financiamento às Atividades Agropecuárias Programa a de Financiamento a

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 17/2003. Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003. Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola

CARTA-CIRCULAR N 17/2003. Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003. Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola CARTA-CIRCULAR N 17/2003 Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003 Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante

Leia mais

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Rua Amador Bueno, nº 474, São Paulo/SP,

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu Estatuto

Leia mais

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Rua Amador Bueno, nº 474, São Paulo/SP,

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE ) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações com ou

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.823, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento O BB em Mato Grosso Agências 571 Posição em Agosto/2011 Terminais de Autoatendimento Municípios com Presença do BB 267 Correspondentes 202 Número de Municípios com Presença do BB 897 126 102 PABs + PAEs

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para contratação das operações de crédito fundiário ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, de que trata a Seção 1 do Capítulo 12

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações

Leia mais

Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF

Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF 1. Partes 1.1. Cliente - é o cliente do Personnalité e solicitante da abertura de crédito em conta corrente de

Leia mais

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Av. Pres Juscelino Kubitschek, 2041/2235A,

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui.

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. TÍTULO: CRÉDITO RURAL CAPÍTULO: Operações - 3 SEÇÃO: Créditos de Custeio - 2 1 - O custeio rural classifica-se como: (Res a) agrícola; b) pecuário; c) de beneficiamento

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO APLICÁVEL ÀS LETRAS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO

REGULAMENTO APLICÁVEL ÀS LETRAS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO REGULAMENTO APLICÁVEL ÀS LETRAS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO BANCO CRUZEIRO DO SUL S.A., instituição financeira com sede na Cidade e Estado de São Paulo, na Rua Funchal, nº 418, 7º a 9º andares, Vila Olímpia,

Leia mais

Credfaz Servidor Federal

Credfaz Servidor Federal COOPERATIVA DE CRÉDITO DO SERVIDOR FEDERAL LTDA. SICOOB CREDFAZ SERVIDOR FEDERAL Credfaz Servidor Federal Edifício CREDFAZ - SCS - Quadra 05 Bloco C - Ent. 165/9 - CEP 70305-921 - Brasília - Fone: 61 3035

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS Fortalecimento e ampliação das políticas públicas O Plano Safra da Agricultura Familiar 2009/2010 fortalece

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A SUCESSÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR MELHORIAS NAS CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO Resolução CMN nº 4.177, de 07 de Janeiro

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96)

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96) PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96) Dispõe sobre o Programa Nacional de Habitação Rural PNHR, integrante

Leia mais

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO Condições Particulares Processo SUSEP Nº 15414.003063/2009-70 0 ÍNDICES CONDIÇÕES PARTICULARES 1. OBJETO DO SEGURO 2 2. ESTIPULANTE 2 3. GRUPO SEGURÁVEL 2 4. GRUPO SEGURADO

Leia mais

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10 TÍTULO : CRÉDITO RURAL TÍTULO : CRÉDITO RURAL 1 CAPÍTULO: Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO: Proagro Mais - Safras a partir de 1º/7/2011-10 CAPÍTULO : Programa de Garantia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), de que trata o Capítulo 10 do Manual de Crédito Rural

Leia mais

La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil

La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil Taller sobre el Acceso a Créditos para la Agricultura Familiar en América Latina - Cadena Productiva de Palma Bogotá Colombia Junio 2015 O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Resolução nº 3.500 define novas condições para dívidas agrícolas

Resolução nº 3.500 define novas condições para dívidas agrícolas Resolução nº 3.500 define novas condições para dívidas agrícolas O Governo Federal, através do Banco Central, divulgou no dia 28 de setembro de 2007 a Resolução nº 3.500, que trata das condições para negociação

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

MODELO CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL

MODELO CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Av. Juscelino Kubitschek, 2.235 São Paulo/SP, inscrito no

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA. Quadro Resumo

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA. Quadro Resumo INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA Quadro Resumo BANCO CNPJ/MF Banco Bradesco S.A. 60.746.948/0001 12 Sede Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco, Estado

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA

CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL, entidade fechada de previdência complementar, com sede na Praia de Botafogo, nº

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM.

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. Por norma do Conselho Monetário Nacional (CMN), foram padronizados os Serviços Prioritários e os serviços isentos para Pessoa

Leia mais

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF 032/2014 - PGM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica

Leia mais

MODELO DO CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO DE MANUTENÇÃO DE REDE INTERNA

MODELO DO CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO DE MANUTENÇÃO DE REDE INTERNA CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO DE MANUTENÇÃO DE REDE INTERNA São partes no presente instrumento, de um lado, (i) o usuário dos serviços de telecomunicações da Brasil Telecom S.A., doravante individualmente

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2766. Art. 2º Os financiamentos ao amparo de recursos do PRONAF ficam sujeitos às seguintes taxas efetivas de juros:

RESOLUÇÃO Nº 2766. Art. 2º Os financiamentos ao amparo de recursos do PRONAF ficam sujeitos às seguintes taxas efetivas de juros: RESOLUÇÃO Nº 2766 Dispõe sobre alterações no Regulamento do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF). O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de

Leia mais

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF ELETRA - FUNDAÇÃO CELG DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA www.eletra.org.br - versão: 05/2015 12.08.2015 - pág.: 1 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) ( ) ATIVO ( ) APOSENTADO

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, critérios e normas de concessão de Empréstimo Pessoal aos participantes da PREVICEL Previdência Privada da CELEPAR, obedecendo as disposições legais vigentes sobre

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL

LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL *PRONAF* Legislação LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL Art. 187. A política agrícola será planejada e executada na forma da lei, com a participação efetiva do setor de produção, envolvendo produtores e trabalhadores

Leia mais

% em sua dívida! Aproveite, pague à vista ou em parcelas.

% em sua dívida! Aproveite, pague à vista ou em parcelas. São Paulo, 30 de JANEIRO de 2014 Prezado(a) JEFERSON BATISTA DA SILVA, temos uma ótima oportunidade para você. Pague à vista Pague 48 Parcelas de R$ 82,60 R$ 2.223,95 Ou (*) cada. (*) Este é o valor para

Leia mais

Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank

Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank CONSIDERANDO QUE: i) A empresa para a qual o MUTUÁRIO trabalha ( EMPREGADOR ) celebrou com o MUTUANTE (BANCO CITIBANK S.A.) Convênio

Leia mais

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado pela Lei n.º 7.827, de 27.09.1989, que regulamentou o art. 159, inciso I, alínea c, da Constituição Federal, com

Leia mais

ANEXO III PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG MINUTA DO CONTRATO

ANEXO III PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG MINUTA DO CONTRATO ANEXO III PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG MINUTA DO CONTRATO Instrumento Particular de Contrato referente ao PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG, que entre si fazem o Serviço Social do Comércio

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARA DESCONTO DE CHEQUES - PESSOAS JURÍDICAS

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARA DESCONTO DE CHEQUES - PESSOAS JURÍDICAS CLÁUSULAS GERAIS que regem o Contrato de Abertura de Crédito para Desconto de Cheques Pessoas Jurídicas, tendo de um lado o BRB - BANCO DE BRASÍLIA S.A., com sede em Brasília, Capital Federal, inscrito

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo.

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo. Folha 1 DE 6 Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus participantes na forma do seu Regulamento Básico. Fundação

Leia mais

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar o funcionamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual,

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO CCB CONV DESC VJ 04/2011 (540) CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CCB Nº VIA: Negociável (CREDOR) Não Negociável (EMITENTE) I - EMITENTE Nome/Razão Social CPF /CNPJ Banco Agência Conta Corrente nº II TERCEIROS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE

Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE Art. 14. da Art. 14. Do total dos recursos financeiros repassados pelo FNDE, no âmbito do PNAE, no mínimo trinta por cento deverá ser utilizado na aquisição de gêneros

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARCELADO PARA CAPITAL DE GIRO PESSOAS JURÍDICAS

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARCELADO PARA CAPITAL DE GIRO PESSOAS JURÍDICAS CLÁUSULAS GERAIS que regem o Contrato de Abertura de Crédito Parcelado para Capital de Giro Pessoas Jurídicas, tendo de um lado o BRB - BANCO DE BRASÍLIA S.A., com sede em Brasília, Capital Federal, inscrito

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009

MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009 MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009 Regulamenta as medidas de estímulo à liquidação ou renegociação de dívidas originárias de operações

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO ASSESSORIA TÉCNICO-LEGISLATIVA DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO ASSESSORIA TÉCNICO-LEGISLATIVA DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 PUBLICADO EM PLACAR Em / / Dispõe sobre a regulamentação da Lei Complementar nº 187, de 12 de agosto de 2009, que autoriza a transação tributária para fins de

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

CONVÊNIO Nº 004/2011-TJAP

CONVÊNIO Nº 004/2011-TJAP CONVÊNIO Nº 004/2011-TJAP CONVÊNIO DE PARCERIA PARA CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ E O BANCO GERADOR S.A. O, com sede em Macapá, Capital

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: INVEST CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 93.202.448/0001-79 (NOME FANTASIA DO PRODUTO): INVESTCAP TRAD-PU 03 (12M) MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900283/2013-20

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO

ACORDO DE COOPERAÇÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO DEFINE O ACORDO DE COOPERAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPIRITO SANTO - CREA/ES, PARA CONCESSÃO

Leia mais

BB Crédito Imobiliário

BB Crédito Imobiliário Dados da Agência acolhedora / condutora da Operação BB Crédito Imobiliário Prefixo-dv Nome da agência Proposta nº Dados da Operação Produto Finalidade Tipo de imóvel pretendido Aquisição de imóvel Moradia

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA Condições Gerais Abaixo estão as Condições Gerais do

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014 O Município de Boa Vista do Buricá, comunica aos interessados

Leia mais

SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE:

SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE: CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE: Partes - BANCO MERCANTIL DO BRASIL S.A., com sede na Rua Rio de Janeiro, nº 654, Centro,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. Altera

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Estas são as condições gerais do Empréstimo, solicitado e contratado por você. Leia atentamente estas condições gerais, que serão aplicáveis durante todo o período

Leia mais

O mútuo, objeto deste contrato, será concedido conforme condições que se seguem:

O mútuo, objeto deste contrato, será concedido conforme condições que se seguem: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE CREDINÂMICO FUNCEF 13º SALÁRIO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: A FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO PARA USO DA COOPERATIVA CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO Contrato nº Sist./Regional: Percentual de Capitalização % Conta Capital R$ Data do Crédito do Emp.: / / Valor da Prim. Parcela R$ Venc.da

Leia mais

MANUAL DE GARANTIAS 1

MANUAL DE GARANTIAS 1 MANUAL DE GARANTIAS 1 Para a obtenção do financiamento junto à FINEP deverão ser apresentadas Garantias Reais e Pessoais cumulativamente, exceto em caso de garantia por fiança bancária e demais casos de

Leia mais

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Histórico de contratação de financiamentos, no âmbito do PRONAF, para apicultura. Ano Agrícola Contratos Valor 2002/2003 152 811.931 2003/2004 1.088 4.758.640

Leia mais

Regulamento da MultiConta Prestige

Regulamento da MultiConta Prestige Regulamento da MultiConta Prestige Mais serviços e mais benefícios feitos para quem recebe seu crédito de salário ou aposentadoria no Itaú Personnalité. A MultiConta Prestige oferece um maior número de

Leia mais