SEMIÓTICA ELEMENTAR DA ALERGIA E INTOXICAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMIÓTICA ELEMENTAR DA ALERGIA E INTOXICAÇÃO"

Transcrição

1 SEMIÓTICA ELEMENTAR DA ALERGIA E INTOXICAÇÃO Edilbert Pellegrini Nahn Junior UFRJ Campus Macaé Medicina do Adulto

2 Etiologia das Intoxicações MEDICAMENTOS / DROGAS ALIMENTOS PRODUTOS DOMICILIARES INSETICIDAS / AGROTÓXICOS METAIS PESADOS PLANTAS ANIMAIS PEÇONHENTOS POLUIÇÃO AMBIENTAL

3 Causas das intoxicações ACIDENTAIS (crianças) EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL 5% USO ABUSIVO (medicamentos, drogas lícitas e ilícitas) 4% CRIMINOSAS (suicídio, homicídio) 30%

4 SINITOX - Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas sys/start.htm? /start.htm?tpl tpl=home Registro de 100 mil casos de intoxicação humana e quase 500 óbitos no ano de 2007; Medicamentos (30,7%), animais peçonhentos (20,1%) e produtos de limpeza domiciliar (11,4%) são os principais agentes; Cerca de 25% do total de casos, as crianças menores de cinco anos se mantém como a faixa etária mais atingida; A região Sudeste registrou cerca de 46% dos casos de intoxicação humana, seguido da região Sul com cerca de 30%; Sexo masculino apresenta o maior número de mortes por acidente com agrotóxicos de uso agrícola, com 112 registros em 2007, seguido pelas drogas de abuso (58), raticidas (26) e medicamentos (24); Sexo feminino, destacam-se os medicamentos, com 53 óbitos, agrotóxicos de uso agrícola (50) e raticidas (20); Dentre os quase 21 mil envenenamentos por animais peçonhentos registrados em 2007, os escorpiões contribuíram com quase 6 mil dos casos, seguidos por serpentes e aranhas. Publicada em: 03/06/2009

5 Intoxicação por plantas 60% dos casos de intoxicação por plantas tóxicas no Brasil ocorrem com crianças menores de nove anos; 80% deles são acidentais.

6 Plantas que mais causam intoxicação no Brasil Tinhorão Comigo-ninguém ninguém-pode

7 Copo-de de-leite Saia branca

8 Bico-de de-papagaio Aroeira

9 Coroa-de de-cristo Avelós (dedo dedo-do do-diabo diabo; gaiolinha)

10 Taioba-brava brava Urtiga

11 Espirradeira Chapéu-de de-napoleão

12 Cinamomo Mandioca-brava

13 Mamoma (carrapateira) Pinhão-roxo (pinhão-bravo)

14 Notificação Dermatoses Ocupacionais

15 SINITOX - Sistema Nacional de Informações Toxico Farmacológicas d=101

16 Os casos de óbito por intoxicação consequente dos defensivos são registrados em bancos de dados de controle de toxicologia, tais como SINITOX (Sistema Nacional de Informação Tóxico-Farmacológica), SINAN (Sistema de Informações de Agravos de Notificação) e SINDAG (Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Agrícola), entre outros. É conhecido o fato da subnotificação dessas ocorrências pelas instituições de saúde.

17 Diagnóstico ANAMNESE EXAME FÍSICO EXAMES LABORATORIAIS Hemograma, EAS, ECG, EEG, gasometria, funções hepáticas e renais, eletrólitos, etc. EXAMES TOXICOLÓGICOS PESQUISA DO AMBIENTE DOMICILIAR E TRABALHO

18 Atendimento inicial ao paciente intoxicado Suporte básico de vida: ABC Interromper a exposição ao agente tóxico: Retirar as roupas da vítima e lavá-la; Suspensão imediata da droga, alimento ou produto. Descontaminação / remoção do tóxico absorvido: Esvaziamento gástrico (até 1h), carvão ativado; Aumento da excreção renal, hemodiálise. Neutralização do efeito tóxico: Antídotos, antagonistas.

19 Principais substâncias CIANETO INSETICIDAS ORGANOFOSFORADOS E CARBAMATOS BARBITÚRICOS OPIÁCEOS PARAQUAT (herbicida) DIGITÁLICOS ANTIDEPRESSIVOS METANOL ESTRICNINA COCAÍNA ARSÊNICO PARACETAMOL

20 Manifestações sistêmicas Pele e mucosas: queimaduras, alopécia Aparelho digestivo: vômitos, diarreia, dor abdominal SNC e periférico: síncope, convulsões, neurites Pulmão: apnéia, bradpnéia Sistema cardiovascular: arritmias, bradicardia Rins: IRA, anúria Sangue: anemia, aplasia medular Alteração térmica e dos órgãos dos sentidos: hipertemia, midríase,

21 Alergia alimentar mecanismos imunológicos

22 Reações cruzadas com alimentos

23 Inseticidas organofosforados e carbamatos Largamente utilizados; Intoxicação potencialmente grave; Toxicidade decorrente da inibição da acetilcolinesterase com acúmulo de acetilcolina nos receptores muscarínicos (céls colinérgicas), nicotínicos (céls musculares) e SNC; Laboratório: cromatografia gasosa, dosagem sérica da pseudocolinesterase; Tratamento: suporte de vida, descontaminação, carvão ativado, atropina, pralidoxima (intoxicação por fosforados);

24 Receptores muscarínicos e nicotínicos

25 Receptores nicotínicos TECIDO EFEITO DA ACETILCOLINA RECEPTOR Sistema nervoso Memorização e aprendizagem M1 Coração Bradicardia M2 Vasos sanguíneos Vasodilatação, hipotensão M3 Pulmão Broncoconstrição, secreção M3 Intestinos, estômago Contração, secreção M3 Glândulas salivares Secreção M3 Olho Miose, lacrimejamento M3 Glândula supra-renal Liberação de adrenalina N

26 Sinais e sintomas da intoxicação por anticolinesterásicos Muscarínicos Nicotínicos SNC Miose Palidez Confusão mental Lacrimejamento Taquicardia Sonolência Sudorese Hipertensão Letargia Sialorréia Fasciculações Convulsões Hipersecreção brônquica Cãimbras Coma Broncoespasmo Dispnéia Fraqueza muscular Hiporreflexia Náuseas e vômitos Diarréia Hipotensão Bradicardia

27 Doença renal misteriosa na América Central pode estar ligada a agrotóxicos Pesquisas em El Salvador e no Sri Lanka trazem resultados semelhantes em relação aos mesmos produtos; O resultado marcou uma reviravolta nos Centros dos Estados Unidos para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), que em 2011 ajudaram a derrotar um esforço de El Salvador para declarar prioridade ao tratamento da doença; No Sri Lanka, de acordo com um relatório oficial, mais de 8 mil pacientes estão recebendo tratamento por DRC de causa desconhecida. Mais de 16 mil homens morreram de falência renal na América Central de 2005 a As mortes anuais mais que triplicaram desde 1990, de acordo com análise dos dados coletados pela Organização Mundial de Saúde. Em El Salvador, a DRC se tornou a principal causa de mortes hospitalares entre os homens adultos Testes de meio ambiente, com amostras do solo e da água de um vilarejo fortemente afetado pela DRC, Ciudad Romero, registraram a presença de altos níveis de cádmio e arsênico, metais pesados tóxicos aos rins. No estudo, dos 42 moradores de Ciudad Romero que sofrem de DRC, todos relataram aplicar pesticidas sem nenhum equipamento de proteção.

28 doenca+renal+misteriosa+na+america+central+pode+esta r+ligada+a+agrotoxicos.shtml

29 Close association between metal allergy and nail lichen planus: detection of causative metals in nail lesions. J Eur Acad Dermatol Vener; ; 2013 Feb;27(2):e Os autores analisaram, retrospectivamente, 115 pacientes com LP com relação à contribuição dos metais para LPU ou LPO. Dos 79 pacientes que se submeteram a umpatchteste (PT) de metal, 24 (30%) foram positivos para pelo menos um dos compostos de metal testados. A prevalência de reações positivas para metais nos pacientes com LPU foi significativamente maior em comparação com os pacientes com LPO (59% versus 27%, P <0,05). Entre os 10 pacientes positivos para o PT com LPU, ocorreu uma melhora das lesões cutâneas em seis deles após a remoção de materiais dentários que continham metais causadores ou terapia sistêmica com cromoglicato dissódico. Metais causadores em preenchimentos / aparelho ortodônticos foram detectados nos tecidos das unhas envolvidas.

30

31 Prevenção - EPI

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico?

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? Dica de Bolso Agrotóxicos O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? 12 1 O QUE SÃO AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, também chamados de pesticidas, praguicidas, biocidas, fitossanitários,

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor. Neurônio pré e pós ganglionar. Neurônio e músculo esquelético (placa.

Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor. Neurônio pré e pós ganglionar. Neurônio e músculo esquelético (placa. Colinérgicos Sinapses Colinérgicas Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor Neurônio pré e pós ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio e músculo

Leia mais

Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Preventiva Disciplina Saúde e Trabalho

Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Preventiva Disciplina Saúde e Trabalho Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Preventiva Disciplina Saúde e Trabalho Neurotoxicologia Dra Angelica dos Santos Vianna 18 e 19 novembro 2010 Neurotoxicidade (Medronho

Leia mais

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Autônomo PSICOLOGIA Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Central: Encéfalo (cérebro, bulbo, ponte, cerebelo) Medula Sistema Nervoso Sistema Nervoso Periférico: Nervos Periféricos 12 craniais

Leia mais

METAIS PESADOS NO AMBIENTE. PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS.

METAIS PESADOS NO AMBIENTE. PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS. METAIS PESADOS NO AMBIENTE PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS. COMPORTAMENTO NO AMBIENTE: NÃO SÃO DEGRADÁVEIS? ACUMULAM NO

Leia mais

Intoxicação Exógena. Profa. Kátia Lima

Intoxicação Exógena. Profa. Kátia Lima Intoxicação Exógena Profa. Kátia Lima Intoxicação Exógena Dados nacionais não são confiáveis EUA 2 3 milhões por ano 5 10% dos atendimentos em emergência Os casos mais significativos são por tentativa

Leia mais

Não existe dados nacionais confiáveis; Nos Estados Unidos, estima-se cerca de dois a três milhões o número de intoxicações agudas;

Não existe dados nacionais confiáveis; Nos Estados Unidos, estima-se cerca de dois a três milhões o número de intoxicações agudas; Universidade Federal Fluminense Departamento de Patologia Disciplina de Toxicologia Clínica Não existe dados nacionais confiáveis; Nos Estados Unidos, estima-se cerca de dois a três milhões o número de

Leia mais

INTOXICAÇÃO ORAL SEGUIDO DE ÓBITO POR CARBAMATO E ORGANOFOSFORATO: RELATO DE 2 CASOS

INTOXICAÇÃO ORAL SEGUIDO DE ÓBITO POR CARBAMATO E ORGANOFOSFORATO: RELATO DE 2 CASOS INTOXICAÇÃO ORAL SEGUIDO DE ÓBITO POR CARBAMATO E ORGANOFOSFORATO: RELATO DE 2 CASOS Vanessa S.M. Côrtes-Salvio, Marcio A. Babinski, Enrique A. C.Loayza Escola de Medicina - Centro de Ciências da Saúde

Leia mais

BULA DE NALDECON NOITE Comprimidos

BULA DE NALDECON NOITE Comprimidos BULA DE NALDECON NOITE Comprimidos NALDECON NOITE paracetamol - cloridrato de fenilefrina - maleato de carbinoxamina COMBATE OS SINTOMAS DA GRIPE Dores em Geral Febre Congestão Nasal Coriza FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

INTOXICAÇÕES POR CHUMBINHO (ALDICARB) PROVOCADA POR DETENTOS EM AGÊNCIA PRISIONAL (GO) PARA TENTATIVA DE FUGA

INTOXICAÇÕES POR CHUMBINHO (ALDICARB) PROVOCADA POR DETENTOS EM AGÊNCIA PRISIONAL (GO) PARA TENTATIVA DE FUGA Revista Eletrônica de Farmácia Suplemento Vol 2 (2), 29-31, 2005. ISSN 1808-0804 INTOXICAÇÕES POR CHUMBINHO (ALDICARB) PROVOCADA POR DETENTOS EM AGÊNCIA PRISIONAL (GO) PARA TENTATIVA DE FUGA AZEREDO, Flaubertt

Leia mais

BULA DE NALDECON DIA Comprimidos

BULA DE NALDECON DIA Comprimidos BULA DE NALDECON DIA Comprimidos NALDECON DIA paracetamol 800mg cloridrato de fenilefrina 20mg Sem anti-histamínico Não causa sonolência COMBATE OS SINTOMAS DA GRIPE Dores em geral Febre Congestão nasal

Leia mais

RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina

RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Cápsulas: cartuchos com 20 e 120 cápsulas em blísteres e frasco de vidro com 20 cápsulas Gotas

Leia mais

! Belas e Perigosas PRESERVA MEIO AMBIENTE. Associação de Moradores da Shis 26

! Belas e Perigosas PRESERVA MEIO AMBIENTE. Associação de Moradores da Shis 26 Plantas tóxicas são um perigo para crianças e animais Conheça espécies de plantas ornamentais que merecem cautela. Mais do que belas, eles escondem perigos que pouca gente conhece. 10 de maio de 2014 Algumas

Leia mais

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS Protocolo: Nº 81 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 06/09/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS DEFINIÇÃO: Animais peçonhentos são animais que

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA PRIMEIROS SOCORROS CONCEITO TRATAMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOCORRISTA CONHECIMENTO INICATIVA CONFIANÇA CRIATIVIDADE CALMA SOLIDARIEDADE ESTADO DE CHOQUE HIPOTENSÃO COM ACENTUADA BAIXA

Leia mais

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Unidade de Anestesia Versão eletrônica atualizada em Março 2009 Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Definições OMS Uma resposta

Leia mais

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FARMACOLOGIA SEROTONINA Serotonina: funções e distribuição Receptores centrais e periféricos Neurotransmissor: neurônios

Leia mais

BULA DE NALDECON PACK - Comprimidos

BULA DE NALDECON PACK - Comprimidos BULA DE NALDECON PACK - Comprimidos NALDECON PACK paracetamol, cloridrato de fenilefrina, maleato de carbinoxamina NALDECON PACK é composto por NALDECON Dia (paracetamol e cloridrato de fenilefrina- Sem

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

MARAX. Comprimidos. 10 mg + 25 mg + 130 mg

MARAX. Comprimidos. 10 mg + 25 mg + 130 mg MARAX Comprimidos 10 mg + 25 mg + 130 mg Marax dicloridrato de hidroxizina, sulfato de efedrina, teofilina anidra I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome: Marax Nome genérico: dicloridrato de hidroxizina,

Leia mais

ACETILCOLINA. A. Professor Luís Figueira

ACETILCOLINA. A. Professor Luís Figueira A. Professor Luís Figueira ACETILCOLINA 1. Um agricultor é trazido ao S.U. por exposição a um insecticida ("605 forte") durante a lavoura. Queixa-se de dispneia intensa e apresenta-se hipersudorético,

Leia mais

8. URTICÁRIA 9. INTOXICAÇÕES EXÓGENAS

8. URTICÁRIA 9. INTOXICAÇÕES EXÓGENAS [36] p r o t o c o l o s d a s u n i d a d e s d e p r o n t o a t e n d i m e n t o 2 4 h o r a s 8. URTICÁRIA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Pode ser aguda ou crônica e aparecer em qualquer

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Albicon benzocaína, bicarbonato de sódio, clorato de potássio APRESENTAÇÕES Pó para uso tópico. Cada grama contém 0,006 g de benzocaína, 0,884 g de bicarbonato de sódio e

Leia mais

PROVA ENFERMAGEM ASSISTENCIAL A

PROVA ENFERMAGEM ASSISTENCIAL A 1. Considerando um caso fictício foi prescrito SF 0,45% de 500mL. Porém na sua unidade há disponível somente SF 0,9% de 1000mL, frasco de água destilada de 500mL e ampola de NaCl 20% de 10mL. Como você

Leia mais

15 Drogas Simpaticomiméticas 16 Drogas Antagonistas dos Receptores Adrenérgicos 17 FÁRMACOS CARDIOVASCULARES E RENAIS 18 Fármacos Antiarritimicos 19

15 Drogas Simpaticomiméticas 16 Drogas Antagonistas dos Receptores Adrenérgicos 17 FÁRMACOS CARDIOVASCULARES E RENAIS 18 Fármacos Antiarritimicos 19 SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Solução Oral: Cada 5 ml de solução oral contém: paracetamol...200,00 mg maleato de

Solução Oral: Cada 5 ml de solução oral contém: paracetamol...200,00 mg maleato de Resfedryl paracetamol / clorfenamina fenilefrina Formas Farmacêuticas e Apresentações: Cápsula: Embalagem com 20, 100 e 200 cápsulas. Granulado para solução oral: Envelope contendo 5 g. Solução Oral: Frasco

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

Prostigmine metilsulfato de neostigmina

Prostigmine metilsulfato de neostigmina Prostigmine metilsulfato de neostigmina APRESENTAÇÕES Solução Injetável 0,5 mg/ml - Embalagem com 50 ampolas de 1 ml. USO INJETÁVEL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml contém 0,5 mg de metilsulfato

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

Intoxicações. Suporte às funções vitais (respiração e circulação).

Intoxicações. Suporte às funções vitais (respiração e circulação). Intoxicações Quando estiver em casa, dê uma olhada no seu armário de medicamentos. Vá até a área de serviço e conte quantos produtos de limpeza existem lá. Imagine a felicidade de uma criança ao deparar-se

Leia mais

Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2)

Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2) Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2) Emergências em cães e gatos Envenenamentos e intoxicações (inseticidas, venenos para roedores, produtos de limpeza, medicações, chocolates, etc) Escoriações

Leia mais

BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável

BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável BRISTOL-MYERS SQUIBB PARAPLATIN carboplatina Uso intravenoso somente APRESENTAÇÃO PARAPLATIN 50 mg, 150 mg e 450

Leia mais

Métodos de Depuración en Intoxicaciones Agudas. Dr. Carlos Augusto Mello da Silva MD

Métodos de Depuración en Intoxicaciones Agudas. Dr. Carlos Augusto Mello da Silva MD Curso Internacional de Emergencias Toxicológicas Hospital Nacional Guillermo Irigoyen UNITOX 4 al 7 de Julio de 2007,Lima,Perú Métodos de Depuración en Intoxicaciones Agudas Dr. Carlos Augusto Mello da

Leia mais

Carboplatina_150_01 1

Carboplatina_150_01 1 Carboplatina DCB 01754 Medicamento genérico Lei nº. 9.787, de 1999 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMAS FARMACÊUTICAS, VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÕES COMERCIALIZADAS Carboplatina é um pó liófilo

Leia mais

NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA

NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA ISONIAZIDA + RIFAMPICINA D.C.B. 05126.01-0 FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA é apresentado em: Cápsulas duras, para ADMINISTRAÇÃO ORAL,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Reminyl ER

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Reminyl ER IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Reminyl ER bromidrato de galantamina cápsulas de liberação prolongada APRESENTAÇÕES Cápsulas de liberação prolongada de 8 mg: embalagem com 7 cápsulas. Cápsulas de liberação

Leia mais

Há cinco anos no Instituto da Criança do Hospital das Clínicas, a enfermeira

Há cinco anos no Instituto da Criança do Hospital das Clínicas, a enfermeira Casos de intoxicação exigem agilidade e olhar atento A rapidez na constatação é determinante para salvar a vida do paciente. As principais substâncias químicas detectadas em intoxicações são aparentemente

Leia mais

Lição 07 INTOXICAÇÕES

Lição 07 INTOXICAÇÕES Lição 07 INTOXICAÇÕES OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Enumerar os principais sinais e sintomas das intoxicações por ingestão, inalação ou por contato e, descrever

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Diferenças entre SNMotor e SNAutônomo: a) função: controla funções involuntárias

Leia mais

FÁRMACOS Moduladores GástricosG

FÁRMACOS Moduladores GástricosG Curso Noções Básicas B de Farmacologia Clínica nica FÁRMACOS Moduladores GástricosG Thyago Araújo Fernandes Secreção gástrica Produção diária de 2,5L de suco gástrico diariamente; Substâncias produzidas:

Leia mais

GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS

GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS PREVENT SENIOR Sumário 1. PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR)...1 1.1. Apresentação... 1 1.2. Causas... 1 1.3. Sintomas... 2 1.4. Como agir... 2 2. QUEDAS...2 2.1. Apresentação...

Leia mais

AGENTES COLINÉRGICOS. Introdução. Sistema Nervoso Autônomo Simpático. Parassimpático. Sistema Nervoso Somático (junção neuromuscular)

AGENTES COLINÉRGICOS. Introdução. Sistema Nervoso Autônomo Simpático. Parassimpático. Sistema Nervoso Somático (junção neuromuscular) Ministério da Educação UIVESIDADE FEDEAL D PAAÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica AGETES CLIÉGICS Introdução Sistema ervoso Autônomo Simpático

Leia mais

Prova para o Título de Especialista em Farmácia Hospitalar SBRAFH 2009

Prova para o Título de Especialista em Farmácia Hospitalar SBRAFH 2009 Prova para o Título de Especialista em Farmácia Hospitalar SBRAFH 2009 1. Para um paciente que apresenta alergia a penicilina cristalina, uma alternativa terapêutica seria: a) cefalotina b) amoxicilina

Leia mais

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia FÁRMACOS ANALGÉSICOS Analgésico é um termo coletivo para designar qualquer membro do diversificado grupo de drogas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. ADEROGIL Gotas acetato de retinol colecalciferol

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. ADEROGIL Gotas acetato de retinol colecalciferol MODELO DE BULA Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. ADEROGIL Gotas acetato de retinol colecalciferol APRESENTAÇÃO Solução oral: frasco conta-gotas

Leia mais

CASODEX bicalutamida. Comprimidos revestidos de 50 mg em embalagens com 28 comprimidos.

CASODEX bicalutamida. Comprimidos revestidos de 50 mg em embalagens com 28 comprimidos. I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO CASODEX bicalutamida APRESENTAÇÃO CASODEX bicalutamida Comprimidos revestidos de 50 mg em embalagens com 28 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido revestido

Leia mais

paracetamol Biosintética Farmacêutica Ltda. Solução oral 200 mg/ml

paracetamol Biosintética Farmacêutica Ltda. Solução oral 200 mg/ml paracetamol Biosintética Farmacêutica Ltda. Solução oral 200 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO paracetamol Medicamento Genérico Lei

Leia mais

ORMIGREIN tartarato de ergotamina cafeína paracetamol sulfato de hiosciamina sulfato de atropina

ORMIGREIN tartarato de ergotamina cafeína paracetamol sulfato de hiosciamina sulfato de atropina ORMIGREIN tartarato de ergotamina cafeína paracetamol sulfato de hiosciamina sulfato de atropina Forma farmacêutica, via de administração e apresentações: Comprimidos uso oral. Embalagem com 10 ou 20 comprimidos.

Leia mais

ESPASLIT DUO. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 10mg

ESPASLIT DUO. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 10mg ESPASLIT DUO Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 10mg 4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO? Não use outro produto que contenha paracetamol, pois há risco de dose

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade

Leia mais

Assustadores e Venenosos

Assustadores e Venenosos Assustadores e Venenosos Assustado e chocado com as plantas tóxicas? Agora o temor e o choque serão ainda maiores. Nos próximos slides, os três animais peçonhentos mais famosos e perigosos que existem

Leia mais

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução à Anatomia e Fisiologia EN2319-Bases Biológicas para Engenharia I Reginaldo K Fukuchi Universidade Federal do ABC Por que

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade de

Leia mais

paracetamol - cloridrato de fenilefrina Sem anti-histamínico (antialérgico) Não causa sonolência

paracetamol - cloridrato de fenilefrina Sem anti-histamínico (antialérgico) Não causa sonolência paracetamol - cloridrato de fenilefrina Sem anti-histamínico (antialérgico) Não causa sonolência COMBATE OS SINTOMAS DA GRIPE Dores em geral Febre Congestão nasal APRESENTAÇÕES NALDECON DIA é apresentado

Leia mais

Sistema Nervoso Autônomo

Sistema Nervoso Autônomo FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Sistema Nervoso Autônomo Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos de Aprendizagem

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Comprimidos de 7,5 mg ou 30 mg em embalagens com12 comprimidos.

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Comprimidos de 7,5 mg ou 30 mg em embalagens com12 comprimidos. 1.1236.3332b 1 MODELO DE BULA Tylex 7,5 mg / 30 mg paracetamol, fosfato de codeína comprimidos FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Comprimidos de 7,5 mg ou 30 mg em embalagens com12 comprimidos. COMPOSIÇÃO

Leia mais

MENELAT. mirtazapina. Comprimidos revestidos - 30 mg e 45 mg INDRAD

MENELAT. mirtazapina. Comprimidos revestidos - 30 mg e 45 mg INDRAD MENELAT - 30 mg e 45 mg INDRAD BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 MENELAT I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO MENELAT APRESENTAÇÕES 30 mg: embalagens com 10 e 30 comprimidos.

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Captopril Inpharma 25 mg Comprimidos. Captopril

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Captopril Inpharma 25 mg Comprimidos. Captopril FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Captopril Inpharma 25 mg Comprimidos Captopril Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento - Conserve este folheto. Pode ter necessidade

Leia mais

TYLALGIN CAF. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg

TYLALGIN CAF. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg TYLALGIN CAF Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

2ª FASE Prof.ª QUEILA PATRÍCIA POLTRONIERI

2ª FASE Prof.ª QUEILA PATRÍCIA POLTRONIERI 2ª FASE Prof.ª QUEILA PATRÍCIA POLTRONIERI 4º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências da Natureza. Aula 195 Revisão e avaliação de Ciências da Natureza. 2 Câncer de Próstata 3 Câncer de Próstata É o tipo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO Identificação do animal Nome/número RG do HV Espécie: Raça: Idade: Sexo: Peso: Cor: Data e hora do

Leia mais

ALOIS. cloridrato de memantina APSEN. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 10 mg. Caixas contendo 15, 30, 50, 60 e 120 comprimidos revestidos.

ALOIS. cloridrato de memantina APSEN. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 10 mg. Caixas contendo 15, 30, 50, 60 e 120 comprimidos revestidos. ALOIS cloridrato de memantina APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos revestidos. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 10 mg. Caixas contendo 15, 30, 50, 60 e 120 comprimidos revestidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br CONCEITOS ABSORÇÃO Passagem da droga do local de administração p/ a corrente sangüínea FÍGADO TGI METABOLISMO PLASMA PULMÃO RIM METABOLISMO

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

Apostila de Toxicologia Básica

Apostila de Toxicologia Básica 1 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SESAB Apostila de Toxicologia Básica REALIZAÇÃO Centro de Informações Antiveneno da Bahia CIAVE AUTORES Daisy Schwab Rodrigues Daniel

Leia mais

QUEIMADURAS. Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

QUEIMADURAS. Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com QUEIMADURAS Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Problemática da queimadura no Brasil São lesões frequentes em acidentes de trabalho. Considera-se a quarta causa de óbitos

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

rim medula óssea familiar tecidos córneas tecidos órgãos fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino pâncreas pâncreas

rim medula óssea familiar tecidos córneas tecidos órgãos fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino pâncreas pâncreas familiar rim medula óssea fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino tecidos córneas rim rim pâncreas pâncreas fígado fígado pulmão pulmão órgãos tecidos órgãos rins rins coração

Leia mais

CASODEX bicalutamida

CASODEX bicalutamida CASODEX bicalutamida I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO CASODEX bicalutamida APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos de 50 mg em embalagens com 28 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido revestido

Leia mais

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína 1 IDENTIFICAÇÃO MEDICAMENTO DO Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína APRESENTAÇÕES Comprimidos de 7,5 mg de fosfato de codeína e 500 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos

Leia mais

Modelo de bula Paciente Cinarizina 25 mg & 75 mg. cinarizina. Comprimidos 25 mg & 75 mg

Modelo de bula Paciente Cinarizina 25 mg & 75 mg. cinarizina. Comprimidos 25 mg & 75 mg cinarizina Comprimidos 25 mg & 75 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cinarizina Medicamento genérico Lei nº 9.787 de 1999. FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES cinarizina 25 mg e 75 mg: embalagens com 30

Leia mais

I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. AKINETON cloridrato de biperideno

I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. AKINETON cloridrato de biperideno I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO AKINETON cloridrato de biperideno APRESENTAÇÕES AKINETON (cloridrato de biperideno) 4 mg comprimido revestido retard: embalagem com 30 comprimidos revestidos. VIA ORAL USO

Leia mais

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009. bicalutamida Accord Farmacêutica Ltda Comprimido revestido 50 mg

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009. bicalutamida Accord Farmacêutica Ltda Comprimido revestido 50 mg bicalutamida Accord Farmacêutica Ltda Comprimido revestido 50 mg 1 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO bicalutamida 50mg bicalutamida 50 mg Medicamento Genérico Lei nº. 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Comprimidos

Leia mais

Anexo A DORFEN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Solução oral. 200mg

Anexo A DORFEN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Solução oral. 200mg Anexo A DORFEN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA Solução oral 200mg DORFEN Paracetamol I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DORFEN Paracetamol FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução oral em frasco

Leia mais

Intoxicações sinais sintomas /UFRGS

Intoxicações sinais sintomas /UFRGS Intoxicações sinais sintomas Dra Rosane Maria Salvi Prof Farmacologia e Toxicologia /PUCRS Dra Neurociências, Bioquímica /UFRGS Ocorrências tóxicas Elevação da dose I. Exposição a doses elevadas Acidental

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

RESFENOL. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Cápsulas 400mg paracetamol + 4mg maleato de clorfeniramina + 4mg cloridrato de fenilefrina

RESFENOL. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Cápsulas 400mg paracetamol + 4mg maleato de clorfeniramina + 4mg cloridrato de fenilefrina Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Cápsulas 400mg paracetamol + 4mg maleato de clorfeniramina + 4mg cloridrato de fenilefrina paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina APRESENTAÇÃO

Leia mais

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 cloridrato de gencitabina Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Pó liófilo. Embalagens com 1 frasco-ampola de vidro incolor de 13 e 50 ml de capacidade,

Leia mais

Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA

Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para o agravamento

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE TOXICOLOGIA DE PLANTAS

NOÇÕES BÁSICAS DE TOXICOLOGIA DE PLANTAS UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: FITOTERAPIA PROF.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO NOÇÕES BÁSICAS DE TOXICOLOGIA DE PLANTAS Em princípio, todas as plantas medicinais são

Leia mais

bicalutamida Bula para paciente Comprimidos revestidos 50 mg

bicalutamida Bula para paciente Comprimidos revestidos 50 mg bicalutamida Bula para paciente Comprimidos revestidos 50 mg bicalutamida Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Comprimido revestido FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: Embalagem com 30 comprimidos

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco.

COMPOSIÇÃO Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco. MODELO DE BULA PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Stugeron cinarizina comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 25 mg de cinarizina em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 75 mg de cinarizina

Leia mais

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas Instituto Biomédico Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia II Curso: Medicina Veterinária Pâncreas Endócrino Prof. Guilherme Soares Ilhotas Células A (25%) Glucagon Células B

Leia mais

Grupo 1. Grupo 2. Poeiras minerais Ex.: sílica, asbesto, carvão, minerais Poeiras vegetais Ex.: algodão, bagaço de cana-de-açúcar

Grupo 1. Grupo 2. Poeiras minerais Ex.: sílica, asbesto, carvão, minerais Poeiras vegetais Ex.: algodão, bagaço de cana-de-açúcar Zelãene dos Santos SEGURANÇA NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE NR-9 - RISCOS AMBIENTAIS (Atual: Programa de Controle Médico de Saúde Ambientais PPRA) Ambientais Consideram-se riscos ambientais os agentes químicos,

Leia mais