03- ÁCIDO ASCÓRBICO VITAMINA C

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "03- ÁCIDO ASCÓRBICO VITAMINA C"

Transcrição

1 01- ACETAMINOFENO Uso/Limitações: Avaliar possível toxicidade ou monitoramento da droga. Seu efeito tóxico é previsível quando são ingeridas quantidades maiores do que as doses recomendadas principalmente em associação com álcool. Os casos de ingestão crônica são mais difíceis de ser avaliados. Diminuição fisiológica: anticoncepcionais orais, ferro, propanteline. Diminuição analítica: tetraciclina. Aumento analítico: aspirina, salicilato. Aumento fisiológico: diflunisal, isoniazida, metoclopramida, probenecide. Método: Cromatografia líquida. Valor de referência: Faixa terapêutica: Toxicidade: ug/ml. 150 ug/ml. 02- ACETONA Material/Colheita: 10 ml de urina após jornada de trabalho. Refrigerar. Uso/Limitações: Monitoramento de exposição a acetona. Pacientes diabéticos podem ter este resultado alterado. Aumento analítico: fenolsulfoftaleina. Método: Cromatografia gasosa. Valor de referência: < 0,3 mg/dl. IBPM: 50 mg/l 03- ÁCIDO ASCÓRBICO VITAMINA C Material/ Colheita: Plasma (EDTA). Colher sangue com EDTA em jejum. Centrifugar imediatamente após a colheita. Separar o plasma para um frasco escuro e congelar o sobrenadante. Enviar congelado. Uso/Limitações: Avaliar deficiência de vitamina C (escorbuto). Não deve ser feito durante terapia com ácido ascórbico. Níveis baixos de vitamina C são encontrados em: pacientes com sepse, pósoperatório, AIDS, síndrome do desconforto respiratório, doença de Addison, cirrose, grandes queimados, pancreatite, anticoncepcionais, aspirina, barbitúricos, estrógenos, contato com metais pesados, nitrosaminas e paraldeído. Fumantes têm níveis menores do que não fumantes. Aumento fisiológico: ác. ascórbico. Diminuição analítica: ác. tricloroacético. Diminuição fisiológica: anticoncepcionais orais, aspirina. Método: HPLC. Valor de referência: 0,4 a 1,5 mg/dl. 1

2 04- ÁCIDO DELTA-AMINOLEVULÍNICO (ALA-U) Material/Colheita: Urina. Para diagnóstico de porfirias colher urina de 24 horas (*) em frasco escuro, contendo 20 ml de HCl 50% por litro de urina. Manter a urina refrigerada durante o período da colheita. Anotar medicamentos. Alertar o paciente para a existência de ácido dentro do recipiente de colheita (cuidado!). Para verificar exposição ao chumbo, colher uma amostra de urina após a jornada de trabalho e refrigerá-la até enviar ao laboratório (não é necessário conservante). (*) Colheita de urina de 24 horas: A colheita deste material requer cuidadosa instrução e cooperação do paciente. Na manhã do dia da colheita (quando o paciente acorda) a bexiga deve ser completamente esvasiada: esta amostra de urina é desprezada e o horário (horas e minutos) é anotado. Todas as micções seguintes são recolhidas no frasco apropriado. No fim do período de 24 horas (exatamente no mesmo horário da manhã que foi anotada no dia anterior) a bexiga é completamente esvasiada e esta última amostra adicionada às já colhidas. A perda de alguma amostra durante o dia, ou a inclusão das duas amostras da manhã ao acordar, são os erros mais comuns encontrados na colheita da urina de 24 horas. Os frascos devem ser refrigerados durante a colheita e enviados ao laboratório logo após o término do período de 24 horas. Uso/Limitações: Diagnóstico das porfirias e intoxicações por chumbo. Pode dar resultados normais no período latente da porfiria, na coproporfiria hereditária. Não é um bom indicador de intoxicação por chumbo em crianças, porque o ALA-U não se eleva até que a concentração do chumbo no sangue atinja 40 mg/ dl, o que corresponde a nível bem acima do recomendado que é < 15 mg/ dl. Aumento analítico: amônia, glicina, glucosamina, penicilina G, porfobilinogênio. Aumento fisiológico: aminopirina, anticoncep. orais, anticonvulsivantes, apronalida, barbituratos, clordiazepóxido, cloropromazina, diazepam, fenitoína, glicina, glutetimida, griseofulvina, hidantoinatos, isopropildipirona, meprobanato, metildopa, metilsulfona, metilprilona, ouro, pentazocina, prepar. do Ergot, progesterona, succinimida, sulfometana, tolbutamida. Diminuição fisiológica: cimetidina. Método: Espectrofotométrico. Valor de referência:... < 4,5 mg/g creatinina. IBPM para chumbo inorgânico:... < 10,0 mg/g creatinina. Insalubridade grau máximo. 05- ÁCIDO FENILGLIOXÍLICO (ESTIRENO) Material/Colheita: Urina. Amostra colhida após a jornada de trabalho. Refrigerar. Uso/Limitações: Monitoramento de exposição ao etilbenzeno. O material deve ser conservado em geladeira. Método: Espectrofotométrico. Valor de referência: IBPM para estireno ,0 mg/g creatinina LT (estireno) ppm ou 328 mg/m ÁCIDO FENILPIRÚVICO (FENILCETONÚRIA - PKU) 2 2

3 Ver em Fenilalanina. 07- ÁCIDO FÓLICO (FOLATO) Colher em jejum de 4 horas. Evitar hemólise! Congelar imediatamente e enviar congelado. Paciente não deve ingerir bebidas alcoólicas nas 24 horas que antecedem o exame. Uso/Limitações: Detecta deficiência de folato. Usado também para acompanhar a terapia com folato e na avaliação de anemias megaloblásticas, macrocíticas, gestação, alcoolismo, hemodiálise, hepatopatias, neoplasias, e no acompanhamento da cirurgia por obesidade mórbida. Várias drogas podem alterar o resultado, inclusive os anticoncepcionais. Aumento fisiológico: dieta vegetariana, metformina, óxido nitroso. Diminuição analítica: ampicilina, cloranfenicol, eritromicina, lincomicina, sulfixozazol, tetraciclina. penicilina, Diminuição fisiológica: ác.aminossalicílico, aminopterina, antiácidos, anticoncepcionais orais, anticonvulsivantes, aspirina, arsenicais, barbituratos, cloroguanida, cicloserina, colestiramina, fenobarbital, fenitoína, glutetimida, isoniazida, levodopa, metformina, metotrexato, nitrofuranos, nitrofurantoína, pentamidina, primidona, pirimetamina, sulfazalazina, tetraciclina, trianterene, trimetoprina. Método: Quimioluminescência. Valor de referência: 3,0 a 17,0 ng/ml 08- ÁCIDO 5-HIDROXI INDOLACÉTICO (5-HIAA) Material/Colheita: Urina. Alertar o paciente da existência do ácido dentro do frasco da colheita.colheita: Urina de 24 horas (*) em frasco contendo 25 ml de HCl a 50% por litro de urina. (*) Colheita de urina de 24 horas: Ver pág. 1 Preparo do paciente: O paciente não poderá comer durante quatro dias antes da colheita da urina: frutas em geral, tomate, amendoim, alimentos aromatizados com baunilha, sorvetes, refrescos, sucos naturais ou artificiais e refrigerantes. Suspender todos os medicamentos três dias antes da colheita (inclusive expectorantes). Uso/Limitações: Empregado para o diagnóstico de síndrome ou tumores carcinóides. O teste pode ser normal em tumores carcinóides não metastáticos e na síndrome carcinóide. Pacientes com doença renal podem ter resultados falsamente baixos. O teste pode dar valores altos em pacientes com malabsorção, na doença celíaca, no esprue tropical, na doença Whipple, na fibrose cística, na gravidez, na ovulação e estresse. Resultados falsamentes elevados são observados se o preparo do paciente não for rigoroso. Método: HPLC. Valor de referência: 3 a 8 anos... 0,4 a 5,6 mg/24 hs. 9 a 12 anos... 1,0 a 6,3 mg/24 hs. 13 a 17 anos... 0,9 a 6,5 mg/24 hs. Adultos... 1,0 a 10,0 mg/24 hs. 09- ÁCIDO HIPÚRICO (TOLUENO) Material/Colheita: Urina. Amostra colhida após a jornada de trabalho. Refrigerar. Uso/Limitações: Monitoramento de exposição ao tolueno. 3

4 Aumento analítico: aspirina, preservativos alimentares. Método: Cromatografia gasosa. Valor de referência < 1,5 g/g creatinina. IBPM para tolueno:... < 2,5 g/g creatinina. LT para tolueno: ppm ou 290 mg/m 3. Insalubridade grau médio. 10- ÁCIDO HOMOGENTÍSICO (ALCAPTONÚRIA) - PESQUISA Material/Colheita: Urina. Colher em frasco contendo vaselina líquida para evitar contato com o ar. Uso/Limitações: Na investigação de alcaptonúria, onde ocorre a ausência congênita da enzima ácido homogentísico oxidase. Nos pacientes com esta patologia a urina torna-se escura e alcalina desde o nascimento. Aumento analítico: aspirina, L-dopa e ácido ascórbico. Método: Colorimétrico. Valor de referência: Negativo. 11- ÁCIDO HOMOVANÍLICO Material/Colheita: Urina. Colher a urina de 24 horas (*) em frasco escuro contendo 10 ml de HCl concentrado por litro de urina.refrigerar durante a colheita. Avisar o paciente da existência do ácido dentro do recipiente (cuidado!). O paciente não deve tomar medicamentos, álcool, fumo e refrigerantes com cola dois dias antes de começar a colheita. (*) Colheita de urina de 24 horas: Ver pág. 1. Uso/Limitações: É o principal metabolito da dopamina. Mais de ¾ dos pacientes com neuroblastoma excretam ácido homovanílico (AHV) ou/e ácido vanilmandélico (VMA) em quantidades aumentadas. É também usado no diagnóstico de ganglioneuroblastoma e feocromocitoma, e para acompanhamento do tratamento. Quase todos pacientes com neuroblastoma têm aumento de AHV enquanto que só 80% deles apresentam catecolaminas urinárias aumentadas, mas, mesmo assim, níveis elevados do AHV não são específicos de neuroblastoma. Valores aumentados do AHV e do VMA podem ser causados por vários fatores como hipertensão essencial, ansiedade intensa, exercícios e algumas drogas. Aumento fisiológico: dissulfiram, levodopa, piridoxina, reserpina. Diminuição fisiológica: moclobenide. Aumento analítico: aspirina. Método: Cromatografia líquida. Valor de referência: 3 a 6 anos... 1,4 a 4,3 mg/24 hs. 6 a 10 anos... 2,1 a 4,7 mg/24 hs. 10 a 16 anos... 2,4 a 8,7 mg/24 hs. 6 anos... 1,4 a 8,8 mg/24 hs. 12- ÁCIDO LÁTICO (LACTATO) 4 4

5 Material/Colheita: Plasma (EDTA). Sangue heparinizado. Marcar hora para colheita. Evitar hemólise. Se possível não utilizar garrote para colheita ou mantê-lo até, no máximo, 30 segundos e afrouxá-lo antes de aspirar o sangue. Uso/Limitações: Avaliação da acidose metabólica, hipoperfusão regional ou difusa dos tecidos, hipóxia, choque, oligúria, insuficiência cardíaca congestiva, desidratação, após cirúrgia, (inclusive cirurgia cardíaca), pacientes com infecção, processos inflamatórios, e outros. Vários medicamentos podem alterar o resultado. Aumento analítico: Conservar a amostra sem separar o plasma / hemólise. Aumento fisiológico: ác. valpróico (tratamento prolongado), alanina, albutenol, anticoncep. orais, aspirina, beclometazona, bicarbonato, buformina, carbamazepina, dimercaprol, disopiramida, estreptozocina, éter, etilenoglicol, fenobarbital, fenitoína, isonizida, lactose, metformina, metilprednisolona, rimeterol, ritodrina, sorbitol, terbutalida, tetracosactrina, xilitol. Diminuição analítica: ác. glicérico, ác. málico, piruvato. Diminuição fisiológica: ácido valpróico, benfluorex, morfina. Método: Enzimático. Valor de referência: Para sangue venoso. 1 mês a 1 ano 10 a 21 mg/dl. 2 a 7 anos 7 a 14 mg/dl. 7 a 15 anos 5 a 8 mg/dl. Adultos 5,7 a 22 mg/dl. 13- ÁCIDO MANDÉLICO (ESTIRENO) Material/Colheita: Urina. Amostra colhida após a jornada de trabalho. Refrigerar. Uso/Limitações: Monitoramento de exposição ao estireno ou ao etilbenzeno. Alguns antiespasmódicos e vasodilatadores podem produzir resultados alterados. Método: Cromatográfico. Valor de referência: IBPM para etilbenzeno... < 1,5 g/g creatinina. IBPM para estireno... < 0,8 g/g creatinina. LT (estireno)...78 ppm ou 328 mg/m 3. Insalubridade grau médio. 14- ÁCIDO METIL HIPÚRICO (XILENOS) Material/Colheita: Urina. Amostra colhida após a jornada de trabalho. Refrigerar. Uso/Limitações: Monitoramento de exposição ao xileno. Indivíduos obesos têm valores mais baixos. Diminuição: bebidas alcóolicas. Método: Cromatográfico. Valor de referência: IBPM para xileno... < 1,5 g/g creatinina. LT (xileno) ppm ou 340 mg/m 3. Insalubridade grau médio. 5

6 15- ÁCIDO METIL MALÔNICO. Material: Soro. Uso/Limitações: No diagnóstico de acidemia por ácido metil malônico, defeitos no metabolismo da cobalamina e na deficiência de vitamina B12. Metódo: Cromatografia gasosa. Valor de referência: 90 a 279 nmol/l. 16-ÁCIDO OXÁLICO (OXALATO) Material/Colheita: Urina. Urina de 24 horas (*) em frasco contendo 10 ml/l de HCl concentrado. Alertar o paciente da existência do ácido dentro do recipiente (cuidado!). Para pesquisa de envenenamento por etilenoglicol, colher amostra após a jornada de trabalho, refrigerar e enviar rapidamente para o laboratório. Não ingerir vitamina C nos três dias que antecedem a colheita de urina. (*) Colheita de urina de 24 horas: Ver pág. 1. Uso/Limitações: Em condições normais, o oxalato urinário é derivado da dieta, do metabolismo do ácido ascórbico e da glicina. A administração de doses elevadas de ácido ascórbico (vitamina C) pode causar elevação nos níveis urinários. Na hiperoxalatúria primária, os valores situam-se entre 100 e 600 mg/24 horas. A hiperoxalatúria secundária é devida a doenças intestinais, enterocolite, redução do intestino delgado, etc. Nestes casos, a excreção é, em geral, entre 60 e 100 mg/24 horas. O teste é útil na avaliação do paciente com nefrolitíase. Hiperoxalatúria primária ou secundária pode ser causa de formação de cálculos urinários. Níveis elevados são encontrados na intoxicação por polietilenoglicol. Aumento analítico: ác. ascórbico. Aumento fisiológico: ac. ascórbico, bumetanida, etilenoglicol, metoxiflurano. Diminuição analítica: calciocarbimida. Diminuição fisiológica: piridoxina. Método: Enzimático. Valor de referência: 16 a 48 mg/g creatinina. < 50 mg/l em pessoas não expostas mg/l em expostos a glicoetileno > 150 mg/l exposição excessiva. 17- ÁCIDO 2- TIO TIAZOLIDINA Material/Colheita: Urina. Amostra colhida após jornada de trabalho. Refrigerar. Uso/Limitações: Monitoramento de exposição ao dissulfeto de carbono. Método: Cromatografia gasosa. Valor de referência: IBPM < 5,0 mg/g de creatinina. 18- ÁCIDO TRANS-TRANSMUCÔNICO Material/Colheita: Urina. Amostra colhida após jornada de trabalho. Refrigerar. Uso/Limitações: Monitoramento de exposição ao benzeno. Método: HPLC. Valor de referência: < 0,5 mg/g creatinina. 6 6

7 19- ÁCIDO TRICLOROACÉTICO Material/Colheita: Urina. Amostra colhida após jornada de trabalho. Refrigerar. Uso/Limitações: Usado para monitoramento de exposição ao tetracloroetileno. A excreção retardada do ácido tricloracético pode dar resultados falsamente normais. Outros produtos químicos também podem dar valores aumentados de ácido tricloroacético. Diminuição: bebidas alcóolicas. Método: Espectrofotométrico. Valor de referência: (IBPM): < 3,5 mg/g de creatinina. 20- ÁCIDO ÚRICO Material/Colheita: Soro/Urina. Não colher após o exercício. Colher de preferência pela manhã porque há variação diurna: é mais alto pela manhã e mais baixo à tarde. Manter dieta normal. Se for urina, colher urina de 24 horas (*) em frasco escuro contendo 10 ml/l de NaOH 5%. (*)Colheita de urina de 24 horas: Ver pág. 1. Uso/Limitações: Na urina, identifica excretores anormais com risco de formação de cálculo. O ácido úrico é o produto final do metabolismo das purinas e está aumentado em grande variedade de entidades clínicopatológicas além da gota, como: nas doenças renais, em situações em que há uma destruição excessiva de células (câncer, leucemia), em problemas endócrinos, na acidose, no aumento dos triglicérides, e com o uso de vários medicamentos. Pode estar diminuido em várias outras patologias, assim como pelo uso de algumas drogas. Um aumento do ácido úrico não é necessariamente diagnóstico de gota. Somente 10 a 15% dos pacientes com hiperuricemia têm gota. Não há uma separação nítida entre os valores do ácido úrico encontrado em pessoas normais, e aqueles com gota clínica; existe uma sobreposição dos valores. Está aumentado em 25% dos parentes de pacientes com gota. Aumento analítico (soro): acetaminofeno, ác. acetilsalicílico, ác. ascórbico, ác. gentísico, ác. tioúrico, aminofenol, aminofilina, ampicilina, aspirina, cistina, dextram, ergotionina, etoposida, fenelzina, hidralazina, hidrato de cloral, isoniazida, levodopa, mercaptopurina, metildopa, naproxem, oxifembutazona, oxitetraciclina, propiltiouracil, rifampicina, sais de potássio, sulfanilamida, tetraciclina, teofilina, tioneína. Aumento fisiológico (soro): acetazolamida, acetoacetato, ác. etacrínico, aldatense, altitude elevada, amilorida, aminotiadiazol, andrógenos, angiotensina, antineoplásicos, aspirina, atenolol, azatimina, azatioprina, azauridina, azosemida, bendroflutiazida, benztiazida, bumetamida, bussulfona, capreocimicina, cegueira, clorambucil, clorofórmio, chumbo, cimetidina, cisplastina, citratos, clorexolona, clorotiazida, clortalidona, ciclosporina, ciclotiazida, citarabina, dantrolene, defibrotide, diapamida, diazóxido, didanosina, dideoxinosina, diuréticos, doxazosina, epinefrina, espironolactona, esteróides anabólicos, etambutol, etanol, etoxzolamida, fenotiazídicos, filgastrina, fenilbutazona, flumetiazida, fluoretos, frutose, furosemida, gentamicina, halotano, hidroclorotiazida, hidroxiuréia, ibufenac, ibuprofem, indapamida, indometacina, isotretinoína, levarterenol, levodopa, lipomul, manose, mecloretamina, mefruside, mercaptopurina, metilcilina, metotrexate, metoxiflurana, meticlotiazida, metolazona, mitomicina, morinamide, muzolimina, niacina, pempidina, pentostatina, piroxicam, politiazida, prednisona, probucol, propranolol, pirazinamida, quinetazona, rifampicina, salicilatos, teofilina, terapia com Raios X, tiazidas, tioguanina, tiotepa, transfusões de sangue, trianterene, triclormetiazida, trimetrexato, vincristina, warfarina, xilitol. 7

8 Diminuição analítica (soro): ác. ascórbico, carbamazepina, cefotaxima, cloranfenicol, cianidas, dipirona, hidralazina, levodopa, metildopa, metotrexato, novaminsulfona, piperazina, tetraciclina. Diminuição fisiológica (soro): acetohexamida, agts. radiográficos, ác. ascórbico, ác. diatrizóico, ác. etacrínico, ác. flufenâmico, ác. iopanóico, ác. mefenâmico, ác. metiazinico, ác. tiaprofênico, alanina, alopurinol, amiloride, aspirina, azapropazona, azatioprina, azlocilina, benzibromarona, benziodarona, cádmio, clorpromazina, cloprotixena, cincofem, clofibrato, corticoesteróides, corticotropina, cortisona, coumarina, dicumarol, dietilstilbestrol, diflunisal, enalapril, espironolactona, estrógenos, etinil estradiol, etilbiscumacetato, fenindiona, fenofibrato, fenolsulftaleína, fenotiazidas, fenilbutazona, glicose, griseofulvina, gravidez, guaifenazina, halofenato, hidroxihexamida, ibuprofeno, indometacina, iodipamida, iodopiraceto, ipodato, irtemazol, lisinopril, lítio, maconha, manitol, mecloretamina, merbarone, mercuriais, mersalil, metotrexato, óleo de canola, oxifembutazona, prednizolona, probenecide, salicilatos, salinas, seclazona, sulfametoxazol, sulfimpirazona, sulfonamidas, tabagismo, transplante renal, variação diurna, verapamil, vinblastina. Aumento analítico (urina): acetaminofem, ác. ascórbico, ác. protocatecuico, aspirina, ergotionina, levodopa, metildopa, teofilina. Aumento fisiológico (urina): acetohexamida, ác. ascórbico, ác. diatrizóico, ác. iopanóico, ác. tiaprofênico, ampicilina, alanina, asparaginase, aspirina, azapropazona, benzilbromarona, benziodarona, clorpromazina, clorprotixeno, clofibrato, corticotropina, cortisona, coumarina, dicumarol, dietilestilbestrol, fenindiona, fenolsulfonftaleima, fenotiazidas, fenilbutazona, floridizim, glicina, halofenato, hidroxihexamida, ifosfamida, iodipamida, iodopiraceto, iopodato, irtemazol, lítio, manitol, manose, merbarone, mercaptopurina, mercuriais, mersalil, niacinamida, metotrexato, nifedipina, probenecide, silicilato, seclazona, sulfametoxazol, sulfimpirazona, sulfonamidas, tioguanina, tioguanina, triamtereno, verapamil, xilitol. Diminuição analítica (urina): formaldeído, ác. ascórbico, hidralazina. Diminuição fisiológica (urina): acetazolamida, ác. etacrínico, ác. pirazinóico, alopurinol, angiotensina, aspirina, azatioprina, azosemida, bumetanida, benzbromarona, clorotiazida, clortalidona, citratos, diazóxido, etambutol, etoxzolamida, furosemida, hidroclorotiazida, levarterenol, niacina, pirazinamida, probenecide, sais de berílio, tiazidas. Método: Enzimático. Valor de referência (Soro): < 1 mês....1,2 a 8,8 mg/dl. 1 mês a 11 anos... 2,7 a 6,6 mg/dl. 12 a 16 anos... 3,4 a 9,0 mg/dl. Adultos Homens... 3,7 a 7,0 mg/dl. Mulheres... 2,5 a 6,1 mg/dl. Valor de referência (Urina): mg/24hs. 21- ÁCIDO VALPRÓICO (VALPROATO) É recomendável que o sangue seja colhido imediatamente antes da administração da próxima dose do medicamento. Uso/Limitações: Monitoramento terapêutico da droga ( Depakene/Depakote). Cerca de 90% do medicamento encontra-se ligado à albumina, tem um pico plasmático em 1 a 8 horas e uma meiavida de 6 a 16 horas. A concentração plasmática se estabiliza após tres dias de uso. Drogas que induzem o citocromo P-450 como a carbamazepina, fenitoina, fenobarbital e primidona reduzem os níveis do fármaco. O ácido valpróico aumenta os niveis sanguíneos de lomotrigina e fenobarbital. Em casos de hipoalbuminemia ou aumento de substâncias que competem com as ligações da droga 8 8

9 na albumina, pode ocorrer toxicidade com concentrações sanguíneas normais por elevação da fração livre (biológicamente ativa). O Depakote é o divalproato de sódio que se dissocia no intestino em ácido valpróico. Aumento fisiológico: aspirina, verapamil. Diminuição fisiológica: carbamazepina, cisplatina, doxorubicina, fenitoína, fenobarbital, salicilatos. Método: Fluorescência polarizada (FPIA). Valor de referência: Concentração terapêutica: a 100 ug/ml. Concentração tóxica:... >150 ug/ml. 22- ÁCIDO VANILMANDÉLICO (VMA) Material/Colheita: Urina. Colher a urina de 24 horas (*), em frasco escuro contendo 10 ml/l de HCl concentrado. Alertar o paciente da existência do ácido dentro do frasco (cuidado!). Manter a urina refrigerada durante o período da colheita. O paciente não poderá comer durante quatro dias antes da colheita da urina: frutas em geral, tomate, amendoim, alimentos aromatizados com baunilha, sorvetes, refrescos, sucos naturais ou artificiais, refrigerantes. Suspender toda a medicação antes da colheita. (*) Colheita de urina de 24 horas: Ver pág. 1. Uso/Limitações: No diagnóstico de feocromocitoma, na avaliação de hipertensão, no diagnóstico e acompanhamento do neuroblastoma, ganglioneuroma e ganglioneuroblastoma. Deve ser utilizado junto com a dosagem de ácido homovanílico porque a interpretação dos dois testes em conjunto detecta até 80% dos casos. Várias medicações e alimentos alteram o teste. Valores normais de VMA podem ser encontrados no feocromocitoma cujo tumor secrete só epinefrina. Aumento analítico: ác. aminosalicílico, ác. hidroximandélico, ác. hidróxindolacético, ác. nalidíxico, anileridina, dissufiram, estibofem, fenazopiridina, guaifenezina, metocarbamol, metildopa, oxitetraciclina. Aumento fisiológico: ajamalina, clorpromazina, epinefrima, glucagônio, guanetidina, insulina, isoproterenol, levartereno1, levodopa, lítio, metildopa, nitroglicerina, proclorperazina, rauwolfia, reserpina, sirosingopina. Diminuição fisiológica: agts. radiográficos, brofaromina, clonidina, debrisoquina, dissulfiram, fenelzina, fenotiazídicos, guanetidina, guanfacina, hidrazídicos, inibidores da MAO, imipramina, isocarboxazida, levedopa, metildopa, morfina, reserpina. Método: HPLC. Valor de referência: a ug / 24hs. 23- ACTH (CORTICOTROPINA) Material/Colheita: Plasma. Colher, entre 8:00 e 9:00 horas da manhã, 3 ml de sangue em tubo com EDTA. Agitar suavemente por inversão 8 vêzes. Centrifugar sob refrigeração, separar rapidamente o plasma e conservá-lo a -20º C. Jejum mínino de 6 horas. Uso/Limitações: Avaliar a etiologia da síndrome de Cushing; ajuda a diferenciar causas pituitárias das não pituitárias de excesso de corticosteróides e síndromes de deficiência. Avalia a produção ectópica de ACTH por neoplasias. Uma única determinação pode estar dentro dos valores normais tanto em pacientes com produção excessiva (Cushing) como na deficiência parcial. O nível de ACTH pode ser afetado pelo estresse e pode encobrir uma variação diurna normal. 9

10 A concentração sérica de ACTH deve ser correlacionada com os níveis de cortisol, pois valores normais de ACTH em indivíduo com cortisol baixo é evidência de deficiência em ACTH. Aumento fisiológico: angiotensina, clomipramina, dexfenfluramina, etomidato, glucagon, insulina, interferon, levodopa, metirapona, metoclopramida, mifepristone, ranitidina, vasopressina. Diminuição fisiológica: clonidina, dexametazona, fluocionolona, interleucina, metilprednisolona, octeotride, pravastatina. Método: Quimioluminescência. Valor de referência: < 46 pg/ml. 24- ADDIS Material/Colheita: Urina. Urina de 12 horas colhida em frasco contendo 5 ml de formalina a 10%. A colheita começa as 7 horas da noite: nesta hora esvaziar a bexiga e desprezar esta amostra. Em seguida colher todas as outras amostras, incluindo a do final do período de 12 horas, isto é, a amostra das 7 horas da manhã seguinte. Atenção especial deve ser dada para evitar contaminação da urina com fezes ou material vaginal. Enviar para o laboratório sem refrigerar; conservar a temperatura ambiente. Uso/Limitações: O teste quantifica os elementos formados urinários em amostras de 12 ou 24 horas. É um teste antigo e com problemas de conservação do material em função do tempo prolongado da coleta, e por isto vem sendo substituído pela análise semi quantitativa. Ver em exame de urina. Valor de referência (Sedimento): Leucócitos... < / 12 horas. Hemácias... < / 12 horas. Cilindros hialinos... < / 12 horas. 25- ADENOSINA DESAMINASE (ADA) Material/Colheita: Líquido pleural, líquor e líquido ascítico. Uso/Limitações: É um marcador indireto para o diagnóstico de tuberculose no LCR, líquido pleural, ascítico e pericárdico. Falsos negativos em pacientes com pleurites por tuberculose e HIV. Método: Colorimétrico. Valor de referência: Líquor < 18 U/L. Líquido pleural e ascítico < 60 U/L. 26- ADENOVÍRUS - PCR Material/Colheita: Secreção de nasofaringe ou lavado brônquico. Uso/Limitações: No diagnóstico de infecção do tubo respiratório. Metódo: PCR. Valor de referência: Negativo. 27- ADENOVÍRUS SOROLOGIA O diagnóstico sorológico de adenovirose é realizado comparando-se os resultados de duas coletas: uma na fase aguda e outra na fase de convalescença da infecção (intervalo de duas a quatro semanas entre elas). Uso/Limitações: Estabelece o diagnóstico do adenovírus como agente etiológico do processo infeccioso. A infecção pelo adenovírus é relativamente comum e os anticorpos circulantes podem ter longa duração, assim a dosagem de amostra pareada (duas amostras: uma no início da doença e

11 outra no período de convalescença) é obrigatória. Em razão da ampla distribuição dos adenovírus na natureza é grande o número de reações cruzadas entre os seus sorotipos. Método: Fixação do complemento. Valor de referência: Títulos significativos acima de 1:16. Aumento de duas vezes ou mais nos títulos entre as duas amostras indica infecção aguda. 28- ADRENOCORTICOTRÓFICO (ACTH) Ver em ACTH 29 -AGLUTININAS A FRIO Ver em Crioaglutininas. 30- AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA Material/Colheita: Plasma citratado. Marcar hora. Preparo do paciente: Por 10 dias antes do teste, as drogas que inibem a agregação plaquetária são contra indicadas como aspirina, antiagregantes plaquetários, antiinflamatórios não esteróides e outras. O paciente deve estar em jejum. Uso/Limitações: Avalia a função plaquetária e auxilia no diagnóstico de algumas trombopatias. A presença de lipemia ou crioglobulinas pode dificultar a interpretação do exame. Aumento fisiológico: aspirina, anticoncepcionais orais, dicumarol, metoprolol, pindolol, tabagismo. Diminuição fisiológica: ác. mefenâmico, aminopirina, ampicilina, aspirina, beclobrate, bromelaína, carbenecilina, celiprolol, cilostazol, diltiazem, dipiridamol, estrógenos, etanol, fenilbutazona, fenofibrate, flurbiprofeno, furosemida, guaifenesina, halotano, hidrocortisona, ibufenac, ibuprofem, indometacina, ketoprofenicina, lovastatina, mecloretamina, meticilina, moxalactacina, nafcilina, naproxem, nicergolina, nifedipina, nitrofurantoina, penicilina, picotamide, piroxicam, prazosima, probucol, propranolol, propoxifeno, quinidina, sulfinpirazona, sulinadac, tricarcilina, ticlopidine, uréia, warfarina. Método: Agregômetro. Valor de referência: A curva de agregação é acompanhada de laudo. 31- ALBUMINA Uso/Limitações: Avaliar estado nutricional, doença hepática, doença renal com proteinúria e outras doenças crônicas. Diminuição: acetaminofeno, ácido valpróico, amiodarona, anticoncepcionais orais, estrógeno, fenitoína, interleucina, prednisona, progesterona. Aumento: anticonvulsivantes, furosemida, fenobarbital, prednisolona. Método: Imunoturbidimétrico. Valor de referência: < 5 dias: 2.6 a 3.6 g/dl. 1 a 3 anos: 3.4 a 4.2 g/dl. 4 a 6 anos: 3.5 a 5.2 g/dl

12 > 7 anos: 3.5 a 5.5 g/dl. 32- ALBUMINA/GLOBULINA- RELAÇÃO Uso/Limitações: Níveis baixos estão relacionados a várias doenças e processos inflamatórios crônicos. Dosagem mais precisa da relação albumina/ globulina é realizada pela eletroforese de proteínas. Ver interferentes em proteínas totais e frações. Método: Imunoturbidimétrico. Valor de referência: Relação A/G: 1,1 a 2, ÁLCOOL ETÍLICO (ETANOL) Material/Colheita: Plasma fluoretado. Evitar hemólise. Não usar álcool para assepsia da pele antes da punção venosa. Usar preferencialmente anti-sépticos como hexaclorofeno ou iodo. Congelar imediatamente e vedar bem o tubo. Enviar congelado. Uso/Limitações: Quantifica nível de álcool para fins médicos-legais ou triagem para álcool em pacientes em coma. Outros álcoois que não o etílico podem interferir na dosagem. Inteferentes: Aumento fisiológico: aspirina, cimetidine, glutetimide, metoclopramida, ranitidina. Aumento analítico: metotrexate. Diminuição fisiológica: ác. ascórbico, atropina, fenobarbital, propantelina. Método: Cromatográfico. Valor de referência:.... < 10,8 nmol/l Diminuição dos reflexos:... 10,9 a 21,7 nmol/l Depressão do SNC:... > 21,7 nmol/l LT: ppm ou mg/m 3 Insalubridade grau mínimo. 34- ALDOLASE Evitar hemólise. Separar logo após a colheita e refrigerar. Anotar medicamentos em uso. Uso/Limitações: Avaliação de processo de degeneração muscular. Níveis altos são achados na distrofia muscular progressiva de Duchenne e outras distrofias, dermatomiosites, polimiosites, mas não em atrofias neurogênicas. Com a diminuição da massa muscular a aldolase diminui. O aumento da aldolase não é específica para doença muscular ( nestes casos o CK é preferido). Aumenta também na hepatite e outras doenças hepáticas, infarto do miocárdio, pancreatite hemorrágica, gangrena, delirium tremens e em algumas neoplasias. Aumento fisiológico: carbenoxolona, clopamide, corticotrofina, quinidina, tetracosactricina, tiabendazol, triptofano, vasopressina. Diminuição fisiológica: fenotiazídicos, probucol. Método: Enzimático. Valor de referência:

13 Recém- nascidos:... < 19,6 U/L 10 meses a 2 anos:... 3,4 a 11,8 U/L 2 anos a 16 anos:... 1,2 a 8,8 U/L Adultos:... < 7,6 U/L 35- ALDOSTERONA Colher entre 8:00 e 10:00 horas, separar o soro logo após a colheita e refrigerar. Medicamentos como diuréticos, anti-hipertensivos, progestágenos, estrógenos e licorice devem ser proibidos por 4 semanas antes do teste, e deve estar com dieta com sal normal. Uso/Limitações: A aldosterona é produzida pelas células da zona glomerulosa do córtex adrenal e é o principal mineralocorticóide. Sua utilização é útil no diagnóstico do hiperaldosteronismo primário (adenoma ou hiperplasia da zona glomerulosa) onde seus níveis sanguíneos se encontram elevados e os níveis de renina estão diminuídos ou indectáveis. A aldosterona age no túbulo renal distal onde aumenta a reabsorção de sódio e água. É usada também no diagnóstico de hiperaldosteronismo secundário. Sua dosagem também é indicada para os diagnósticos de hipoaldosteronismo da síndrome de Addison, da síndrome de Bartter, em casos de hipoaldosteronismo hiporreninêmico e de pseudo-hipoaldosteronismo. Uma amostra isolada de aldosterona não tem utilidade no diagnóstico, a menos que a renina seja determinada ao mesmo tempo. Perfusão renal diminuida leva a um aumento da aldosterona e da renina. A aldosterona pode dar resultados falsamente elevados na insuficiência renal crônica. A hipopotassemia causada por diuréticos tiazídicos pode levar a resultados semelhantes aos encontrados no hiperaldosteronismo primário. Toda medicação deve ser suspensa três semanas antes da colheita. Aumento fisiológico: amilorida, angiotensina, azosemida, cloreto de amônia, clortalidona, clobutamida, dopamina, endralazina, espironolactona, fenoldopan, furosemida, hidralazida, hidroclorotiazida, lacidipina, laxantes, metoclopramida, nifedipina, opiáceos, pravastatina, potássio, triantereno, verapamil, xipamide, zacopride. Diminuição fisiológica: albuterol, antinflamatórios, atenolol, captopril, carvedilol, cetoconazol, ciclosporina, cilazapril, clonidina, corticosteróide, dexametasona, dehidroergotoxina, dilevalol, dopamina, enalapril, etomidato, fadrosol, fosinopril, furosemida, glicirriza, ibopamina, indometacina, lisinopril, mifepristone, nicardipina, nisolpidene, octreotide, perindopril, ranitidina, sinorfan, verapamil. Método: RIE. Valor de referência: Paciente em pé: 4,0 a 31,0 ng/dl. Paciente deitado: 1,0 a 16,0 ng/dl. 36- ALFA 1 - ANTITRIPSINA (fezes) Material/Colheita: Fezes. Não usar medicamentos e supositórios na véspera e no dia da colheita. Colher pelo menos 10 g de fezes recém emitidas e manter sob refrigeração. Uso/Limitações: Na investigação de perda protêica por enterocolopatias, doenças inflamatórias intestinais e doença celíaca. Método: Elisa. Valor de referência: 5,4 a 26,8 mg/dl. 37- ALFA -1- ANTITRIPSINA (soro) Uso/Limitações: Detecta diminuição hereditária da produção de alfa-1- antitripsina. A alfa

14 antripsina pode estar dentro dos valores normais em pacientes heterozigotos, que estejam com alguma infecção atual, gravidez, terapia com estrógenos, terapia com esteróides, câncer e no pósoperatório. Como está, em geral, aumentada nos processos inflamatórios, é interessante dosar antes a proteína C reativa: se elevada, a dosagem de alfa-1-antitripsina deverá ser feita pelo menos uma semana mais tarde. A deficiência genética de alfa-1-antitripsina pode estar associada com enfisema pulmonar, doença hepática crônica, cirrose hepática e carcinoma hepatocelular. Aumento fisiológico: ác. aminocapróico, anticoncepcionais orais, dextram, estreptoquinase, oximetolona, tamoxifeno. Método: Nefelometria. Valor de referência: 0 a 1 mês: 79 a 222 mg/dl. 1 a 6 meses: 71 a 190 mg/dl. 6 meses a 2 anos: 60 a 160 mg/dl. 2 anos a19 anos: 70 a 178 mg/dl. Adultos: 88 a 174 mg/dl. 38- ALFA -1 - GLICOPROTEÍNA ÁCIDA Uso/Limitações: Substitui a dosagem de mucoproteínas sérica. É um marcador não específico de processos inflamatórios. Está diminuindo na síndrome nefrótica, enteropatia com perda de proteína e terapia com estrógenos. Aumento fisiológico: anticonvulsivantes, carbamazepina, oximetolona. Diminuição fisiológica: anticoncepcionais orais, antimicrobianos, ciclosporina, tamoxifeno. Método: Turbidimetria. Valor de referência: 50 a 120 mg/dl. 39- ALFA FETO PROTEÍNA ( AFP ) - SORO Uso/Limitações: É um teste sensível para o diagnóstico de carcinoma hepatocelular (em 90% dos casos está aumentado), mas podem ocorrer elevações por processos não malígnos crônicos do fígado. É utilizada também no diagnóstico de tumores germinais gonadais e extragonadais e no monitoramento terapêutico com drogas antineoplásicas. Pode estar aumentada em doenças hepáticas não malígnas. Nos seminomas e teratomas puros encontra-se normal. No diagnóstico diferencial de hepatite neonatal e atresia biliar em recém- nascidos. É útil na triagem pré- natal em conjunto com outros testes, para defeitos do tubo neural, trissomias e outras patologias. Nestes casos a AFP deve ser colhida do sangue materno entre a 16 a e 18 a semana de gestação. Defeitos do tubo neural fechados podem não aumentar os valores da AFP no sangue materno. Podem ocorrer resultados falsos positivos para o diagnóstico pré-natal de defeitos do tubo neural. Valores altos no sangue materno podem ser encontrados em gravidez gemelar, idade gestacional errada, obstrução do tubo gastrointestinal do feto, morte fetal e outras condições. No alcoolismo pode estar aumentado. Todo resultado anormal deve ser confirmado com outro teste

15 colhido uma semana depois. Diminuição fisiológica: acetaminofeno, aspirina, fenacetina. Método: Eletroquimioluminescência. Valores de referência: 95% da população 7,0 ng/ml 100% da população 13,6 ng/ml Valores encontrados em população sadia 0 15,0 ng/ml 15,1 20,0 ng/ml 20,1 100,0 ng/ml 100,1 480,0 ng/ml >480 ng/ml Em homens 100 % 0 % 0 % 0 % 0 % Em mulheres 97 % 3 % 0 % 0 % 0 % Total 99 % 1 % 0 % 0 % 0 % Valores encontrados em algumas patologias Ca-Testicular seminoma 100 % 0 % 0 % 0 % 0 % Ca-Testicular não seminoma 38 % 1 % 24 % 18 % 19 % Ca-Hepatocelular primário 11 % 1 % 4 % 8 % 76 % Ca-Pancreático 92 % 0 % 0 % 8 % 0 % Ca-Gastrointestinal 91 % 0 % 0 % 3 % 6 % Cirrose 81 % 3 % 6 % 7 % 3 % Hepatite 83 % 7 % 8 % 2 % 0 % Valores médios Semanas de gestação ,9 30,9 36,1 40,4 54,8 40- ALFA FETO PROTEÍNA ( AFP) LÍQUIDO AMNIÓTICO Material/Colheita: Líquido amniótico. A melhor amostra é a colhida entre a 16 a e 18 a semanas de gestação. Se a punção for traumática, a amostra do líquido amniótico contaminado com sangue materno poderá dar resultados falsamente positivos. Uso/Limitações: Auxilia, junto com outros testes, o diagnóstico de defeitos do tubo neural como anencefalia, espinha bífida, mielocele, hidrocefalia. A AFP no líquido amniótico também pode estar aumentada em anomalias outras que não as do tubo neural e em sangramento fetal no espaço amniótico. Defeitos fechados do tubo neural podem dar resultados normais. Quando encontrados valores altos, testes confirmatórios devem ser feitos, como a ultra-sonografia e a acetil colinesterase no líquido amniótico. Método: Eletroquimioluminescência. Valor de referência: Semanas de gestação ng/ml Semanas de gestação ng/ml a a a a a a a a a a a a a / a 1815 Valor de referência: líquor- líquido ascítico - líquido pleural < que 1,81 ng/ml. 41- ALFA FETO PROTEÍNA ( AFP ) LÍQUOR 151 5

16 Material/Colheita: Líquor. Uso/Limitações: Investigação de tumores produtores de AFP no sistema nervoso central. Método: Eletroquimioluminescência. Valor de referência: < 1,81 ng/ml 42- ALUMÍNIO Material/Colheita: Soro/Urina. O paciente não pode estar tomando antiácidos ou medicamentos que contenham alumínio, por 48 horas antes do teste. Urina: colher amostra após jornada de trabalho. Refrigerar. Uso/Limitações: Monitorar exposição ao alumínio. Em pacientes com função renal normal o nível de alumínio no sangue cai rapidamente após a exposição. Na urina, os níveis podem ficar altos até uma semana da exposição. Em pacientes dialisados níveis baixos (<20 ug/l) não excluem toxicidade. Diminuição fisiológica: deferoxamina. Aumento fisiológico: citratos, hidróxido de alumínio, lítio, sucralfate. Método: Absorção atômica. Valor de referência: (soro): < 30 ug/l. Valor de referência: (urina): Não expostos: < 15 ug/l. Expostos: < 200 ug/l. 43- AMEBA Material/Colheita: Fezes. As fezes devem ser colhidas de preferência na fase aguda da doença (diarréia) antes do tratamento. A colheita é feita evacuando-se em plástico limpo e seco, evitando contato com água ou urina. Imediatamente após a evacuação colocar uma porção das fezes em fixador (PVA ou formalina: três partes do fixador para uma parte de fezes e misturar bem) ou em MIF (Mertiolate, Iodeto, Formaldeido), e o restante em frasco de colheita comum. Uso/Limitações: No diagnóstico de amebíase intestinal. Resultado negativo não exclui o diagnóstico. antiácidos, bário, caolim, compostos de bismuto, óleo mineral, antibióticos, principalmente os de largo espectro de ação, dificultam o exame microscópico das fezes. Se alguma destas substâncias foi usada, a coleta do material deve ser feita só depois de uma semana. Método: Pesquisa direta e hematoxilina férrica. 44- AMEBÍASE - SOROLOGIA Jejum. Uso/Limitações: No diagnóstico de amebíase extra -intestinal. Em áreas endêmicas os resultados podem ser de difícil interpretação. Quanto mais grave for o caso, maior a chance do teste dar positivo. Os anticorpos persistem por anos e por isto um teste positivo não indica necessariamente uma infecção ativa. Método: Imunoensaio enzimático. Valor de referência: Não Reagente. 45- AMILASE Material/Colheita: Soro / Urina. A amostra de urina deve ser colhida num período de tempo delimitado. O paciente esvasia completamente a bexiga num determinado momento, anota a hora e minutos, despreza esta urina e bebe um copo com água. Quando tiver vontade de urinar, deve

17 esvaziar completamente a bexiga, anotar o tempo exato decorrido desde a micção anterior e enviar todo o volume desta micção para análise, com o tempo anotado. Uso/Limitações: De utilidade no diagnóstico de pancreatite aguda e no diagnóstico diferencial das dores abdominais. No diagnóstico de pancreatite vários outros testes podem ser utilizados como triglicérides, fosfatase alcalina, TGO, TGP, bilirrubina, hemograma. A amilase na urina é muito útil no diagnóstico do pseudocisto do pâncreas, no qual a amilase na urina pode permanecer elevada durante semanas após a amilase no soro ter voltado ao normal depois da crise de pancreatite aguda. Pode-se encontrar amilase normal na pancreatite, especialmente na crônica e na recorrente. Causas não pancreáticas de hiperamilasemia podem dificultar a interpretação em alguns casos, como lesões inflamatórias salivares (por exemplo, caxumba), úlcera péptica perfurada envolvendo o pâncreas ou não, obstrução ou infarto intestinal, síndrome da alça aferente, doença do trato biliar, aneurisma da aorta, peritonite, apendicite aguda, trauma cerebral, choque por queimaduras ou traumático, pós-operatório, cetoacidose diabética e carcinomas extrapancreáticos. Aumentos moderados podem ser encontrados na gravidez normal, abcesso do tubo ovariano, gravidez ectópica rota e com várias drogas. Soro lipêmico (hipertrigliceridemia) pode conter inibidores que diminuem falsamente o resultado. A macroamilasemia caracteriza-se por amilase alta no soro e normal na urina. Valores altos da amilase no lavado peritonial ou pleural estão associados com pancreatite e suas complicações, como ruptura ou perfuração do esôfago. Aumento analítico (soro): cloretos (sais), clorotiazida, fluoretos, hemólise, pancreozimina, saliva. Aumento fisiológico (soro): ac. aminosalicílico, ac. diatrizóico, ác. etacrínico, ac. valpróico, agts. radiográficos, anticoncepcionais orais, alcalóides do ópio, aprotinina, asparaginase, aspirina, azatioprina, benztiazida, betanecol, cisplatina, citarabina, clorotiazida, clortalidona, colinérgicos, cobre, corticosteróides, corticotrofina, ciclotiazida, ciproheptadina, dexametasona, didanosina, enalapril, fenilbutazona, fentanil, fludrocortisona, furosemida, glicocorticóides, gravidez, iodeto de potássio, histamina, hidroclortiazida, hidrofluometazida, indometacina, isoniazida, meperidina, mercaptonurina, metacolina, metanol, meticlotiazida, metilprednisona, metronidazol, morfina, narcóticos, nitrofurantoína, oxifembutazona, pancreozimina, parametazona, pentazocina, politiazida, prednizolona, prednizona, prociclidina, sulfapiridazina, sulfametizol, sulfisozazol, tabagismo, terapia com Raios X, tetraciclina, tiazidicos, triancinolona, triclormetazida. Diminuição analítica (soro): cefotaxima, citratos, EDTA, fluoretos, oxalato. Diminuição fisiológica (soro): esteróides anabólicos, glicose, propiltiouracil, somatostatina. Aumento fisiológico (urina): morfina, nitrofurantoína. Método: Enzimático colorimétrico. Valor de referência (soro): a 100 U/L. Valor de referência (urina): amostra isolada: U/L. amostra de 24 horas: U/24 hs. 46- AMINOÁCIDOS Ver Cromatografia de aminoácidos, no sangue e na urina. 47- AMINOGLICOSÍDEO PESQUISA DE RESISTÊNCIA DE ALTO NÍVEL Material/Colheita: Enterecoco isolado de material clínico

18 Uso/Limitações: A antibioticoterapia combinada, de um agente que atua na parede da célula microbiana (como penicilina, ampicilina ou vancomicina) com um aminoglicosídeo, é recomendada para infecções graves por enterococos. O sinergismo pode ser previsto fazendo-se o teste para resistência de alto nível à gentamicina e estreptomicina; se o enterococo adquiriu a resistência de alto nível àqueles antibióticos o efeito sinérgico desejado não ocorre. Método: Difusão em disco. Valor de referência: Negativo. 48- AMITRIPTILINA Material/Colheita: Plasma. Colher uma hora antes da próxima dose. Uso/Limitações: Monitoramento terapêutico e verificação de toxicidade deste antidepressivo tricíclico. O uso do monitoramento é controverso porque não há uma correlação definitiva entre a concentração da droga e a clínica e nem com a severidade dos efeitos colaterais. A interação com outras drogas é comum com este tipo de antidepressivo. Sua eliminação diminue com cimetidine, corticosteróides, dissulfiram, fluoxetina e antipsicóticos, e, por esta razão, há um aumento na sua concentração. Por outro lado, indutores da enzima P.450 como fenitoína, hidrato de cloral, barbituratos e tabagismo resultam em diminuição da concentração da amitriptilina. A ação anticoagulante da warfarina pode ser potencializada. Os tricíclicos podem afetar várias outras drogas. A gravidade da overdose é melhor correlacionada com o eletrocardiograma. Diminuição fisiológica: barbituratos, sucalfrate. Aumento analítico: ciclobenzaprina. Aumento fisiológico: metilfenidato. Método: FPIA Polarização de fluorescência. Valor de referência: (para amitriptilina) Nível terapêutico: 75 a 225 ng/ml. Nível tóxico: 500 ng/ml. (para nortriptilina) Nível terapêutico: 50 a 150 ng/ml. Nível tóxico: 500 ng/ml. 49- AMÔNIA Material/Colheita: Plasma. Colher 5 ml de sangue heparinizado, manter em gelo. Uso/Limitações: Diagnóstico de algumas desordens metabólicas hereditárias, em casos de letargia e vômitos inexplicavéis, na suspeita de encefalopatia e em qualquer neonato com deterioração neurológica inexplicavel e na insuficiência hepática. A correlação entre o nível de amônia no sangue e coma hepático é pobre. A determinação da amônia não é um dado confiável de coma hepático iminente. Pode estar elevada em pacientes com dieta hiperprotêica e em várias patologias. Aumento analítico: fluoretos. Aumento fisiológico: acetazolamida acetato de amônia, ác. etacrínico, ac. valpróico, asparaginase, clorotiazida, clortalidona, diuréticos, furapromidio, furosemida, hidrofluometazida, isoniazida, levoglutamida, tetraciclina. Diminuição analítica: alanina, arginina, ác. aspártico, cefotaxima, fenilalanina, fosfatos, glicina, histidina, hidroxiprolina isoleucina, leucina, lisina, metionina, prolina, serina, treonina, triptofano, trometamina, valina

19 Diminuição fisiológica: ác. acetohidroxânico, arginina, canamicina, isocarboxazida, inibidores da MAO, lactobacillus, lactulose, levodopa, neomicina, potássio, sais de sódio, tetraciclina. Método: Enzimático. Valor de referência: 0 a 10 dias: 100 a 200 umol/l. 10 dias a 2 anos: 40 a 80 umol/l. > 2 anos: 10 a 47 umol/l. 50- AMP CÍCLICO Material/Colheita: Urina. Colher urina de 24 horas (*) em frasco escuro contendo 20 ml de HCl a 50% por litro. Manter a urina refrigerada durante a colheita. Alertar o paciente da existência do ácido dentro do recipiente de colheita (cuidado!). Congelar alíquota de 50 ml no momento da chegada do material. (*) Colheita de urina de 24 h: ver pág. 1. Uso/Limitações: O composto adenosina-monofosfato cíclico (AMP cíclico) é o mediador intracelular de vários hormônios. Os portadores de hipoparatireoidismo apresentam paratormônio (PTH) baixo e AMP cíclico nefrogênico diminuido. Existe alguma sobreposição entre resultados de pacientes com hiperparatiroidismo e de normais. Nem todas as pessoas com hiperparatiroidismo têm aumento de AMP cíclico na urina. Aumento fisiológico: cetoconazol, fenitoína, furosemida, glucagônio, levarterenol. Diminuição fisiológica: calcitriol. Método: Radioimunoensaio. Valor de referência: 2,0 6,0 mg/24h. 51- ANAERÓBIAS, BACTÉRIAS Material/Colheita: Vários materiais. A colheita e o transporte do material clínico são muito importantes para o diagnóstico de laboratório das infecções causadas por bactérias anaeróbias. Sempre que possível, o material deve ser obtido por aspiração com agulha e seringa através da pele ou mucosa íntegras e que foram cuidadosamente limpas com antissépticos. O uso de swabs é desaconselhável porque são facilmente contaminados, a exposição ao oxigênio é maior e, em geral, o volume da amostra é pequeno e não permite a preparação de esfregaços para microscopia. Método: Microscopia direta e culturas em agar sangue e tioglicolato em jarra de anaerobiose. 52- ANAL SWAB (OXIURUS) Material/Colheita: Resíduos fecais do orifício anal. A colheita é feita no laboratório, pela manhã, logo após o paciente se levantar e antes de se lavar ou evacuar. Uso/Limitações: É a melhor técnica para detectar a presença de ovos de Enterobius vermicularis. A pesquisa de ovos deste parasita nas fezes não é satisfatória. Um resultado negativo não descarta a possibilidade de infecção e por isto deve-se refazer o exame em dias diferentes. Em geral, é necessário mais de um exame para o diagnóstico de infestações leves. Método: Microscopia direta. 53- ANDROSTENEDIOL GLUCORONÍDEO (3- ALFA DIOL G) Material/Colheita: Sangue. Colher no período da manhã. Congelar o soro. Uso/Limitações: O 3-alfa-androstanediol glicuronídeo é um metabólico da dehidrotestosterona 191 9

20 produzido nos tecidos responsáveis pelos androgênios (por exemplo: folículo piloso). É um marcador da formação e ação androgênica periférica. A mais importante aplicação desse ensaio é no estados de hirsutismo. Encontra-se aumentado nas mulheres com hirsutismo idiopático e na portadoras da Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP). É também considerado um marcador para o tratamento desses estados e da hiperplasia adrenal congênita. Encontra-se reduzido no sexo masculino na deficiência da 5-α-redutase. Diminuição fisiológica: anticoncepcionais orais, dexametazona, finasterida, leuprolide. Método: Radioimunoensaio. Valor de referência: Mulheres: Mulheres após menopausa: Homens: 1,15 a 3,79 ng/ml. 0,04 a 2,98 ng/ml. 3,36 a 12,80 ng/ml. 54- ANDROSTENEDIONA Material/Colheita: Soro (jejum de 8 horas). Separar o soro dentro de uma hora. A colheita deve ser feita, pelo menos, uma semana antes ou depois da menstruação. Uso/Limitações: Androstenediona é um esteróide androgênico produzido pelas adrenais e gônadas. Sua determinação é útil na avaliação das síndromes hiperandrogênicas e na avaliação da produção de andrógeno no hirsutismo. É de menor utilidade na avaliação de outros aspectos da virilização. Apresenta-se muito aumentado no tipo mais comum de hiperplasia adrenal congênita devida a deficiência da 21- hidroxilase. Há uma correlação limitada entre a elevação dos níveis plasmáticos e a gravidade do quadro clínico. Aumento fisiológico: clomifeno, ciproterona, corticotropina, danazol, dehidroepiandrosterona, fadrosol, finasterida, levonorgestrel, mifepristone, metirapona, nafarelina. Diminuição fisiológica: anticoncepcionais orais, budesonide, carbamazepina, leuprolide, ciproterona, cetoconazol, nafarelina, octreotide, oxcarbamazepina, prednisolona, piridoglutetimide. Método: Radioimunoensaio. Valor de referência: Homens Mulheres Adultos 0,3 a 3,10 ng/ml 0,21 a 3,00 ng/ml Menopausa 0,36 a 1,80 ng/ml Crianças pré-púberes 0,01 a 0,25 ng/ml 0,06 a 0,30 ng/ml Purbedade estágio I 0,04 a 0,34 ng/ml 0,14 a 0,60 ng/ml Purbedade estágio II 0,20 a 0,66 ng/ml 0,17 a 1,01 ng/ml Purbedade estágio III 0,31 a 0,71 ng/ml 0,26 a 1,10 ng/ml Puberdade estágio IV 0,45 a 1,61 ng/ml 0,84 a 1,96 ng/ml 55- ANFETAMINAS TESTE DE TRIAGEM Material/Colheita: Urina. Uso/Limitações: É um estimulante do SNC. O exame é útil no caso de suspeita do abuso do medicamento. Podem ocorrer resultados falsos positivos e falsos negativos. O tempo que a urina permanece positiva depende: do tipo de droga, do usuário e da quantidade usada. Pode ser detectada três horas após o uso e persistir por horas. Resultados positivos devem ser confirmados por técnica quantitativa cromatográfica

RESPOSTA RÁPIDA 305/2014 Rivaroxabana (Xarelto )

RESPOSTA RÁPIDA 305/2014 Rivaroxabana (Xarelto ) RESPOSTA RÁPIDA 305/2014 Rivaroxabana (Xarelto ) SOLICITANTE Eduardo Soares de Araújo Juíz de Direito Comarca de Andradas MG NÚMERO DO PROCESSO 14.2723-1 DATA 03/06/2014 Proc. 14.2723-1 Autor: VALDECI

Leia mais

Ácido valpróico. Bromazepam. Instituto Hermes Pardini - Drogas Terapêuticas 1

Ácido valpróico. Bromazepam. Instituto Hermes Pardini - Drogas Terapêuticas 1 Ácido valpróico O ácido valpróico (Depakene, Epilenil ) é um anticonvulsivante também usado em distúrbios bipolares e na profilaxia da enxaqueca. Sua dosagem é útil para monitorização dos níveis terapêuticos

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

Preparo para Exames Laboratoriais

Preparo para Exames Laboratoriais Preparo para Exames Laboratoriais Seção: Bioquímica 1) Dosagem de Colesterol 1.1) Dosagem de colesterol (sangue) :Dosagem de Colesterol Total 2.1) Permanecer em jejum, à exceção de água, durante 12 a 14

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTE NOVA SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTE NOVA SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTE NOVA SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS - REMUNE ATENÇÃO BÁSICA 01 Ácido Acetilsalicílico 100mg comprimido 02 Ácido fólico 5mg comprimido 03 Albendazol

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH)

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Nathália Krishna O que é? NAD+ está presente em quantidades somente catalíticas na célula e é um cofator essencial para a glicólise,dessa

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS CINÉTICA DO FERRO Danni Wanderson Introdução A importância do ferro em nosso organismo está ligado desde as funções imune, até as inúmeras funções fisiológicas, como

Leia mais

Dúvidas frequentes sobre exames laboratoriais.

Dúvidas frequentes sobre exames laboratoriais. Dúvidas frequentes sobre exames laboratoriais. Remédios interferem em exames laboratoriais? Alguns, sim. Os antibióticos e os anti-inflamatórios, por exemplo, interferem nos testes de coagulação do sangue,

Leia mais

Autor. Revisão Técnica. Durval Alex Gomes e Costa

Autor. Revisão Técnica. Durval Alex Gomes e Costa Apresentação A estrutura do Guia de Interpretação de Exames, em que cada capítulo aborda um exame diferente, foi concebida para ser uma alternativa à literatura especializada na melhor interpretação possível

Leia mais

Medicamentos. Esses medicamentos são Dispensados nas Unidades Básicas, Centro de Saúde e Policlínicas com a apresentação de Receituário Médico.

Medicamentos. Esses medicamentos são Dispensados nas Unidades Básicas, Centro de Saúde e Policlínicas com a apresentação de Receituário Médico. Medicamentos 1. REMUME (RELAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS). apresentação de Receituário Médico. AAS 500mg Aminofilina 100 Comp. Amoxicilina 500mg Amoxicilina 250-150 ml Susp. Ampicilina 500mg

Leia mais

FARMÁCIA BÁSICA. Ácido Acetilsalicílico 100mg. Água destilada para injeção 10mL. Albendazol 40mg/mL Suspensão Oral Alendronato de Sódio 70mg

FARMÁCIA BÁSICA. Ácido Acetilsalicílico 100mg. Água destilada para injeção 10mL. Albendazol 40mg/mL Suspensão Oral Alendronato de Sódio 70mg FARMÁCIA BÁSICA Medicamento Acetato de Retinol (Vitamina A) 50.000UI/mL + Colecalciferol (Vitamina D) 10.000UI/mL Solução Oral Acetazolamida 250mg Aciclovir 200mg Ácido Acetilsalicílico 100mg Ácido Fólico

Leia mais

8 Amoxicilina + Clavulanato de potassio comprimido 500 mg \ 125mg. Obs. Protocolo

8 Amoxicilina + Clavulanato de potassio comprimido 500 mg \ 125mg. Obs. Protocolo Secretaria de Saúde BOLETIM DE PUBLICAÇÃO Nº 005/09 Despacho da Secretaria de Saude em 22/07/09. Processo(s) 2294/08. De acordo com o parecer da Comissao de Elaboracao da Relacao de Medicamentos da Farmacia

Leia mais

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA COMISSÃO DE MEDICAMENTOS COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO SERVIÇO DE FARMÁCIA Administração de Medicamentos Farmª Luciane Lindenmeyer Farmª Raquel

Leia mais

DROGA DIALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS AMICACINA AMOXICILINA AMPICILINA AMPICILINA+ SULBACTAM AZTREONAM

DROGA DIALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS AMICACINA AMOXICILINA AMPICILINA AMPICILINA+ SULBACTAM AZTREONAM ROGA IALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS Administrar a dose pós-diálise ou administrar 2 / 3 da dose normal como dose suplementar pós-diálise; acompanhar os níveis. AMICACINA P: dosar assim como o Cl

Leia mais

Lista Medicamentos disponíves nas Farmácias da Rede SUS

Lista Medicamentos disponíves nas Farmácias da Rede SUS Lista Medicamentos disponíves nas Farmácias da Rede SUS DENOMINAÇÃO COMUM APRESENTAÇÃO 1. Ácido acetilsalicílico Comprimidos 100mg 2. Ácido acetilsalicílico Comprimidos 500mg 3. Aciclovir Comprimidos 200mg

Leia mais

ANEXO I ELENCO DE REFERÊNCIA ESTADUAL DO COMPONENTE BÁSICO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Medicamentos com aquisição pelos Municípios conforme pactuação

ANEXO I ELENCO DE REFERÊNCIA ESTADUAL DO COMPONENTE BÁSICO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Medicamentos com aquisição pelos Municípios conforme pactuação ANEXO I ELENCO DE REFERÊNCIA ESTADUAL DO COMPONENTE BÁSICO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Medicamentos com aquisição pelos Municípios conforme pactuação nas Comissão Intergestora Bipartite e financiamento

Leia mais

MODELO DE TEXTO DE BULA. Pepsamar comprimidos mastigáveis cartucho contendo 50 ou 200 comprimidos mastigáveis.

MODELO DE TEXTO DE BULA. Pepsamar comprimidos mastigáveis cartucho contendo 50 ou 200 comprimidos mastigáveis. MODELO DE TEXTO DE BULA PEPSAMAR hidróxido de alumínio Formas farmacêuticas e apresentações Pepsamar comprimidos mastigáveis cartucho contendo 50 ou 200 comprimidos mastigáveis. Via oral USO ADULTO Composição

Leia mais

INFORMAÇÕES AO PACIENTE: os comprimidos de varfarina devem ser protegidos da umidade e em temperatura entre 15ºC e 30ºC.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE: os comprimidos de varfarina devem ser protegidos da umidade e em temperatura entre 15ºC e 30ºC. MAREVAN varfarina sódica USO ADULTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Comprimidos de 2,5 mg embalagem com 60 comprimidos. Comprimidos de 5 mg embalagens com 10 e 30 comprimidos. Comprimidos de 7,5 mg embalagem

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

FARMACOLOGIA DOS DIURÉTICOS

FARMACOLOGIA DOS DIURÉTICOS Universidade Federal Fluminense Depto. Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia FARMACOLOGIA DOS DIURÉTICOS Profa. Elisabeth Maróstica INTRODUÇÃO PRINCIPAIS FUNÇÕES RENAIS: Excreção de produtos

Leia mais

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Citologia Clínica Aula 9 Exame qualitativo de Urina Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Exame qualitativo da urina Diagnóstico de doença renal, no trato urinário, sistêmicas não relacionadas com o rim.

Leia mais

ÁCIDO HIDROXI INDOLACÉTICO

ÁCIDO HIDROXI INDOLACÉTICO ÁCIDO HIDROXI INDOLACÉTICO Urina de 24 horas - Usar HCL 50% 20 ml/l de urina (adulto); 10 ml/l de urina (criança) e refrigerar. - Informar medicamentos em uso, dose e tempo de uso. DIETA: O paciente deverá

Leia mais

Após a leitura deste texto não deixe de ler também nossas outras postagens sobre exames laboratoriais:

Após a leitura deste texto não deixe de ler também nossas outras postagens sobre exames laboratoriais: Aula Prática Profa. Dra. Fernanda Ayala O exame de urina é usado como método diagnóstico complementar desde o século II. Trata-se de um exame indolor e de simples coleta, o que o torna muito menos penoso

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

ADRENAL subdivisões da glândula adrenal

ADRENAL subdivisões da glândula adrenal Função adrenal ADRENAL A glândula adrenal é uma glândula endócrina (secreta hormonas na corrente sanguínea, as quais são mensageiros químicos dentro do corpo) localizada na superfície anterior do rim.

Leia mais

REMUME 2010 ÁCIDO ACETILSALICÍLICO, 100 MG ALBENDAZOL, 40 MG/ML, SUSPENSÃO ORAL AMOXICILINA, 50MG/ML, PÓ PARA SUSPENSÃO ORAL

REMUME 2010 ÁCIDO ACETILSALICÍLICO, 100 MG ALBENDAZOL, 40 MG/ML, SUSPENSÃO ORAL AMOXICILINA, 50MG/ML, PÓ PARA SUSPENSÃO ORAL REMUME 2010 MEDICAMENTOS ATENÇÃO BÁSICA APRESENTAÇÃO ANLODIPINO BESILATO, 5 MG ACICLOVIR, 200 MG ACICLOVIR, 50 MG/G, CREME ÁCIDO ACETILSALICÍLICO, 100 MG ÁCIDO FÓLICO, 5 MG ÁCIDO FOLÍNICO, 15 MG ALBENDAZOL,

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA DEFINIÇÃO Deterioração aguda da função renal, caracterizada por redução da taxa de filtração glomerular associada a alterações na função tubular e homeostase com distúrbios do

Leia mais

CLODRIDRATO DE METFORMINA 500/850 mg

CLODRIDRATO DE METFORMINA 500/850 mg CLODRIDRATO DE METFORMINA 500/850 mg LER CUIDADOSAMENTE ANTES DE USAR FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES CLORIDRATO DE METFORMINA 500 mg: cartucho com 3 blisters de 10 comprimidos revestidos CLORIDRATO

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Prova para o Título de Especialista em Farmácia Hospitalar SBRAFH 2009

Prova para o Título de Especialista em Farmácia Hospitalar SBRAFH 2009 Prova para o Título de Especialista em Farmácia Hospitalar SBRAFH 2009 1. Para um paciente que apresenta alergia a penicilina cristalina, uma alternativa terapêutica seria: a) cefalotina b) amoxicilina

Leia mais

Meguanin cloridrato de metformina

Meguanin cloridrato de metformina Meguanin cloridrato de metformina Comprimidos Uso oral APRESENTAÇÕES MEGUANIN 500 mg: caixa contendo 30 comprimidos. MEGUANIN 850 mg: caixas contendo 30 e 200 comprimidos. USO ADULTO COMPOSIÇÃO Meguanin

Leia mais

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Avaliação da Função Renal Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Funções do Rim Balanço hídrico e salino Excreção de compostos nitrogenados Regulação ácido-base Metabolismo ósseo

Leia mais

Coombs Indireto Soro Jejum desnecessário Fibrinogênio Plasma Jejum desnecessário Grupo Sangüíneo Sangue total com EDTA e K3 Jejum desnecessário

Coombs Indireto Soro Jejum desnecessário Fibrinogênio Plasma Jejum desnecessário Grupo Sangüíneo Sangue total com EDTA e K3 Jejum desnecessário HEMATOLOGIA: Células LE Sangue sem anticoagulante Jejum desnecessário Coombs Direto Sangue total com EDTA Jejum desnecessário Coombs Indireto Soro Jejum desnecessário Fibrinogênio Plasma Jejum desnecessário

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Tempo de Jejum para realização de Exames

Tempo de Jejum para realização de Exames Tempo de Jejum para realização de Exames Jejum não necessário Amilase, Bilirrubina, Células LE, CKMB, Coombs Direto, Coombs Indireto, CPK, Desidrogenase Lática, Gasometria, Pesquisa de Drepanócitos, Eletroforese

Leia mais

PERFIL BIOQUÍMICO DO SANGUE

PERFIL BIOQUÍMICO DO SANGUE Perfil bioquímico: PERFIL BIOQUÍMICO DO SANGUE Professora: Ms. Renata Aparecida Fontes Medicina Veterinária Período: 3 Metabolismo energético: Glicose, colesterol e ácidos graxos livres Ruminantes: β-hidroxibutirato

Leia mais

Concentração no local do receptor

Concentração no local do receptor FARMACOCINÉTICA FARMACOCINÉTICA O que o organismo faz sobre a droga. FARMACODINÂMICA O que a droga faz no organismo. RELAÇÕES ENTRE FARMACOCINÉTICA E FARMACODINÂMICA DROGA ORGANISMO FARMACOCINÉTICA Vias

Leia mais

PADRONIZAÇÃO 2015 FARMÁCIA MUNICIPAL

PADRONIZAÇÃO 2015 FARMÁCIA MUNICIPAL ALENDRONATO DE SÓDIO COMPRIMIDO 70MG COM AMIODARONA, CLORIDRATO COMPRIMIDO 200MG COM AMITRIPTILINA, CLORIDRATO COMPRIMIDO 25MG COM AMOXICILINA CÁPSULA OU COMPRIMIDO 500MG COM AMOXICILINA PÓ PARA SUSPENSÃO

Leia mais

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS GLICOCORTICÓIDES - Hormônios esteroidais: Hormônios sexuais e Hormônios do Córtex da Adrenal. - Hormônios do Córtex da Adrenal: o Adrenocorticosteróides [glicocorticóides e (cortisol) e Mineralocorticóides

Leia mais

10/09/2015. Glândula pineal. Hormônio Melatonina : produzido à noite, na ausência de luz. Crescimento; Regulação do sono; CONTROLE HORMONAL

10/09/2015. Glândula pineal. Hormônio Melatonina : produzido à noite, na ausência de luz. Crescimento; Regulação do sono; CONTROLE HORMONAL Glândulas endócrinas e tecidos que secretam hormônios; Coordena funções do organismo CONTROLE HORMONAL S. Nervoso + S. endócrino = Homeostase Mensageiros químicos; Atuam em um tecido ou órgão alvo específico;

Leia mais

GRUPO 05 QUESTÃO 01. Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é:

GRUPO 05 QUESTÃO 01. Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é: QUESTÃO 01 Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é: a) Cefalotina + gentamicina b) Vancomicina + cefazidime c) Rifampicina + ceftriaxona d) Sulfametozaxol-trimetropim

Leia mais

Parâmetros para profilaxia cirúrgica

Parâmetros para profilaxia cirúrgica Parâmetros para profilaxia cirúrgica O objetivo da profilaxia antimicrobiana em cirurgia é prevenir a infecção de sítio cirúrgico, atingindo níveis do antibiótico no sangue e nos tecidos que exceda, em

Leia mais

CAPÍTULO 13: PROTEÍNAS PLASMÁTICAS DE INTERESSE CLÍNICO

CAPÍTULO 13: PROTEÍNAS PLASMÁTICAS DE INTERESSE CLÍNICO CAPÍTULO 13: PROTEÍNAS PLASMÁTICAS DE INTERESSE CLÍNICO Autores: Prof. Dr. Paulo Cesar Naoum Biólogo: Paulo Francisco Naoum Introdução Cerca de 100 tipos diferentes de proteínas plasmáticas foram identificadas

Leia mais

16/06/2010. Histórico Exame físico Exames complementares. Síntese. Metabolismo. Detoxificação. Urinálise*

16/06/2010. Histórico Exame físico Exames complementares. Síntese. Metabolismo. Detoxificação. Urinálise* HEPATOPATIAS EM FELINOS MV, M.Sc Maria Alessandra Martins Del Barrio PUC-MG Poços de Caldas VETMASTERS FUNÇÕES Síntese Metabolismo Detoxificação DIAGNÓSTICO DAS HEPATOPATIAS Histórico Exame físico Exames

Leia mais

Instituto de Farmacologia e Terapêutica FARMACOLOGIA

Instituto de Farmacologia e Terapêutica FARMACOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Instituto de Farmacologia e Terapêutica FARMACOLOGIA Interacções farmacológicas O problema das interacções farmacológicas é, hoje, e será cada vez mais, uma

Leia mais

Glucoformin cloridrato de metformina

Glucoformin cloridrato de metformina Glucoformin cloridrato de metformina LER CUIDADOSAMENTE ANTES DE USAR FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES GLUCOFORMIN 500 mg: Cartucho com 1 blister de 10 comprimidos revestidos Cartucho com 3 blisters

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS?

O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS? O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS? Franklim A. Moura Fernandes http://www.melhorsaude.org Introdução Os triglicerídeos, também chamados de triglicéridos, são as principais gorduras do nosso organismo e compõem

Leia mais

SÓDIO: 140 meq/l [DATA DA COLETA : 19/11/13 07:00] Método...: Fotometria de chama Vlor. Ref.: 135 a 145 meq/l Material..: sangue

SÓDIO: 140 meq/l [DATA DA COLETA : 19/11/13 07:00] Método...: Fotometria de chama Vlor. Ref.: 135 a 145 meq/l Material..: sangue GLICEMIA DE JEJUM: 115 mg/dl Método...: Enzimático Vlor. Ref.: 65 a 99 mg/dl Material..: Plasma fluoretado RESULTADOS ANTERIORES: 06/09/13 = 110 mg/dl 02/08/13 = 97 mg/dl URÉIA: 32 mg/dl Método...: Enzimático

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma 2013 26 de Abril Sexta-feira Algoritmo de investigação Lígia Peixoto Manuel Ferreira Gomes Teste simples e barato. Consiste no estudo da série branca, efectuando-se uma contagem total Intervalos dos leucócitos

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos.

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. LACTO-PURGA bisacodil 5mg Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças acima de 4 anos) USO ORAL

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B35 Página 1 de 6 1. Sinonímia: FOLATO Mnemônico: FOL 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do Ácido Fólico

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO. História familiar: coagulopatias (hemofilia A e B), PTI.

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO. História familiar: coagulopatias (hemofilia A e B), PTI. DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO Podem resultar de alterações no mecanismo hemostático como integridade dos vasos sanguíneos, plaquetas e fatores de coagulação. DIAGNÓSTICO CLÍNICO Baseia-se na

Leia mais

Foliron. Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimidos revestidos Ácido fólico (5,0 mg/comp) + bisglicinato quelato ferroso (150,00 mg/comp)

Foliron. Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimidos revestidos Ácido fólico (5,0 mg/comp) + bisglicinato quelato ferroso (150,00 mg/comp) Foliron Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimidos revestidos Ácido fólico (5,0 mg/comp) + bisglicinato quelato ferroso (150,00 mg/comp) Foliron Ácido fólico + bisglicinato quelato ferroso APRESENTAÇÃO

Leia mais

3-Alfa-Androstanediol-Glicuronídeo. 5-Nucleotidase

3-Alfa-Androstanediol-Glicuronídeo. 5-Nucleotidase 3-Alfa-Androstanediol-Glicuronídeo O 3-alfa-androstanediol glicuronídeo é um metabólito da dihidrotestosterona produzido nos tecidos responsivos aos androgênios (por exemplo: folículo piloso). É um marcador

Leia mais

Resumo. Introdução Segundo o Departamento de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia, a hipertensão afeta mais de 30% da população

Resumo. Introdução Segundo o Departamento de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia, a hipertensão afeta mais de 30% da população Interações Medicamentosas de Anti-Hipertensivos com outros Medicamentos Ana Virgínia Campos Miranda, Nilton Carlos Umbelino Lima, João Marcelo A. B. B. Nabas. Graduandos do curso de Farmácia da Instituição

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

TESTE DO PEZINHO. Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho:

TESTE DO PEZINHO. Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho: TESTE DO PEZINHO Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho: 1) FENILCETONÚRIA Doença causada por falta de uma substância (enzima) que transforma a fenilalanina (aminoácido) em tirosina.

Leia mais

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural 13. TERAPÊUTICA FETAL MEDICAMENTOSA Entende-se por terapêutica fetal medicamentosa ou clínica, quando nos valemos da administração de certos medicamentos específicos, visando o tratamento de alguma patologia

Leia mais

RELAÇÃO DE EXAMES REALIZADOS NO IBEx

RELAÇÃO DE EXAMES REALIZADOS NO IBEx 1 Ácido úrico 2 Albumina 3 Alfa 1 glicoproteína ácida 4 Alfa fetoproteína 5 Amilase 6 Androstenediona 7 Anticorpos Anti-HIV I, Western Blot 8 Anticorpos anti-hiv1 + HIV2 (Determinação Conjunta) ELISA 9

Leia mais

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES A função renal é formada por um conjunto de órgãos que filtram o sangue, produzem e excretam a urina. É constituída por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga

Leia mais

ÇÃO O DE EXAMES LABORATORIAIS

ÇÃO O DE EXAMES LABORATORIAIS INTERPRETAÇÃ ÇÃO O DE EXAMES LABORATORIAIS TRANSAMINASES HEPÁTICAS (TGO/TGP) Everton José Moreira Rodrigues Transaminases: enzimas que catalisam a transferência de um grupo alfa-amino de um aminoácido

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados Regulação osmótica SISTEMA URINÁRIO HUMANO adrenal Veia cava

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL RESOLUÇÃO CIB Nº 127

SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL RESOLUÇÃO CIB Nº 127 SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL RESOLUÇÃO CIB Nº 127 Aprova o novo elenco de referência do componente da Assistência Farmacêutica na Atenção Básica para cumprimento da Portaria MS n 3.237/07 após a conclusão

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-BQ-023 CREATININA 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-BQ-023 CREATININA 22/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO A creatinina e a ureia são provas de função renal que avaliam o funcionamento dos rins. Rins e Coração funcionam de forma paralela, uma vez que o coração gera a propulsão sanguínea até

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. Outros ingredientes: Citrato monossódico, Bicarbonato de sódio, Ácido cítrico e Carbonato de sódio anidro.

FOLHETO INFORMATIVO. Outros ingredientes: Citrato monossódico, Bicarbonato de sódio, Ácido cítrico e Carbonato de sódio anidro. FOLHETO INFORMATIVO ASPIRINA C Comprimidos efervescentes Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode ser adquirido sem receita médica. No entanto, é necessário

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação.

Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação. HEMOSTASIA 1 2 IX Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação. INATIVO ATIVADO NOME COMUM VIA DE ATIVAÇÃO I Ia Fibrinogênio Comum II IIa Protrombina Comum

Leia mais

Litíase urinária- Identificação dos grupos de risco e tratamento. Humberto Lopes UFJF II Encontro de Urologia do Sudeste - BH

Litíase urinária- Identificação dos grupos de risco e tratamento. Humberto Lopes UFJF II Encontro de Urologia do Sudeste - BH - Identificação dos grupos de risco e tratamento Humberto Lopes UFJF II Encontro de Urologia do Sudeste - BH 11% homens X 5,6% mulheres Brancos X negros Oxalato de cálcio 80% Recorrência 40% 5 anos, 75%

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos pancreáticos (principal e acessório) Gatos: Ducto biliar

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Sistemas Excretores. Professor Fernando Stuchi

Sistemas Excretores. Professor Fernando Stuchi Sistemas Excretores Definição Para manutenção da vida de um organismo animal, todo alimento e substancia que são digeridas, as células absorvem os nutrientes necessários para o fornecimento de energia.

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA A diarreia é definida por um aumento na frequência das dejecções ou diminuição da consistência das fezes e por uma massa fecal>200g/dia. Pode

Leia mais

Metabolismo de Aminoácidos. Degradação de Proteínas a Aminoácidos. Degradação de Proteínas e Aminoácidos. - glicemia = de glucagon e TNF

Metabolismo de Aminoácidos. Degradação de Proteínas a Aminoácidos. Degradação de Proteínas e Aminoácidos. - glicemia = de glucagon e TNF Metabolismo de Aminoácidos Degradação de Proteínas e Aminoácidos - Degradação de aminoácidos em excesso na alimentação - Absorção pelo fígado, retirada grupo amino - Degradação espontânea de proteínas

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Diego Ceolin

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Diego Ceolin SISTEMA ENDÓCRINO Prof. Diego Ceolin INTRODUÇÃO Função: Atua juntamente com o sistema nervoso para o equilíbrio corporal ( Homeostase ) HOMEOSTASE Tendência permanente do organismo manter a constância

Leia mais

Demora aproximadamente 40 semanas e é dividida em trimestres.

Demora aproximadamente 40 semanas e é dividida em trimestres. Demora aproximadamente 40 semanas e é dividida em trimestres. Primeiro trimestre 0 a 13 semanas (começo no primeiro dia do último período). Após o óvulo ter sido fertilizado na trompa de falópio, é transportado

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas

ALIVIUM ibuprofeno Gotas Dizeres de Bula FORMA FARMACÊUTICA/APRESENTAÇÃO: ALIVIUM ibuprofeno Gotas ALIVIUM Gotas apresentado-se em frascos de 30 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses de idade) Composição: Cada ml de ALIVIUM

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

GESTRELAN GESTRELAN - Composição GESTRELAN - Posologia e Administração Gestrelan Gestrelan Gestrelan Gestrelan Gestrelan Gestrelan Gestrelan

GESTRELAN GESTRELAN - Composição GESTRELAN - Posologia e Administração Gestrelan Gestrelan Gestrelan Gestrelan Gestrelan Gestrelan Gestrelan 067520 GESTRELAN GESTRELAN - Composição cada comprimido contém: levonorgestrel 0,15 mg;etinilestradiol 0,03 mg. Excipientes: lactose, microcelulose, croscarmelose sódica, laurilsulfato de sódio, silicato

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016. Especialidades Pediátricas

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016. Especialidades Pediátricas FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 Especialidades Pediátricas Gabarito da Prova realizada em 22/nov/2015 A Banca Examinadora alerta que o gabarito divulgado corresponde

Leia mais

DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC No- 44, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 DOU de 28/10/2010

DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC No- 44, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 DOU de 28/10/2010 DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC No- 44, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 DOU de 28/10/2010 Dispõe sobre o controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL. Revisão em 2012 Prof Solange Maria Dieterich

ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL. Revisão em 2012 Prof Solange Maria Dieterich ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL Revisão em 2012 Prof Solange Maria Dieterich Referências: DEF 2010/11; WANNMACHER; FERREIRA, 2010 (a); FUCHS, WANNMACHER,

Leia mais

MONITORIZAÇÃO TERAPÊUTICA MONITORIZAÇÃO TERAPÊUTICA

MONITORIZAÇÃO TERAPÊUTICA MONITORIZAÇÃO TERAPÊUTICA MONITORIZÇÃO Material desenvolvido por: Profa. Dra.Maria Elisa P.B. Siqueira Profa. Dra. Isarita Martins Departamento de nálises Clínicas e Toxicológicas- Unifal/MG O QUE É?? MONITORIZÇÃO É MEDIÇÃO DOS

Leia mais

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro 01 de 05 Anexo 1 Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro Figura 2: Exemplo de caixa com tampa de material não poroso, rígido, resistente à descontaminação, identificada

Leia mais

PROGRAMA DE ANTICOAGULA- ÇÃO ORAL COMO FUNCIONA

PROGRAMA DE ANTICOAGULA- ÇÃO ORAL COMO FUNCIONA ANTICOAGULAÇÃO ORAL PROGRAMA DE ANTICOAGULA- ÇÃO ORAL O controle do uso do anticoagulante oral nas clínicas especializadas garante um tratamento mais adequado e seguro. COMO FUNCIONA A Hematológica possui

Leia mais