Uso de Probióticos na recuperação da flora intestinal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uso de Probióticos na recuperação da flora intestinal"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE NUTRIÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TERAPIA NUTRICIONAL Uso de Probióticos na recuperação da flora intestinal Anna Carolina Accioly Lins Santos Rio de Janeiro 2010

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE NUTRIÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TERAPIA NUTRICIONAL Uso de Probióticos na recuperação da flora intestinal, durante a antibioticoterapia Monografia apresentada ao Curso de Pós- Graduação Lato Sensu do Instituto de Nutrição como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Terapia Nutricional. Aluna: Anna Carolina Accioly Lins Santos Orientadora: Henyse Gomes Valente Rio de janeiro 2010

3 CATALOGAÇÃO NA FONTE UERJ / REDE SIRIUS / BIBLIOTECA CEH/A S237 Santos, Anna Carolina Accioly Lins. Uso de probióticos na recuperação da flora intestinal, durante antibioticoterapia / Anna Carolina Accioly Lins Santos f. Orientadora : Henyse Gomes Valente. Monografia apresentada como conclusão do curso de Especialização em Terapia Nutricional. 1. Probióticos. 2. Nutrição humana. 3. Antibióticos. 4. Bacterioses. I. Valente, Henyse Gomes. II. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Nutrição. II. Título. CDU Autorizo apenas para fins acadêmicos e científicos, a reprodução total ou parcial desta monografia. Assinatura Data

4 Aluno: Anna Carolina Accioly Lins Santos Título do trabalho: Uso de Probióticos na recuperação da flora intestinal. Sub-título do trabalho: Uso de Probióticos na recuperação da flora intestinal, durante antibioticoterapia Monografia apresentada ao Curso de Pós-Graduação Lato Sensu do Instituto de Nutrição da Universidade do Estado do Rio de Janeiro como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Terapia Nutricional. AVALIAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO (2 pontos) Nota: 2. OBJETIVIDADE (2 pontos) Nota: 3. CONTEÚDO (3 pontos) Nota: 4. SUFICIÊNCIA (3 pontos) Nota: NOTA FINAL: Observações: AVALIADO POR: (Nome completo, por extenso) (assinatura) Rio de Janeiro, de de

5 Dedicatória: Dedico esse trabalho à minha família, em especial, meu pai Mauricio, minha mãe Sylvia e meus irmãos Marcello e Felippe, que me acompanham por todos esses anos, nos bons e maus momentos. Aos meus amigos do Colégio Teresiano que continuam a fazer parte da minha vida. Ao meu namorado Daniel, pelos momentos incríveis por que passamos, e por ser muito mais do que eu poderia imaginar. Obrigado por me surpreender a cada dia com todo seu amor, carinho e paciência.

6 Agradecimentos: As grandes amigas que construi nesses anos de faculdade e pós graduação e que espero levar para toda vida: Bruna Oliveira, Daiana Serpa e Celina Palhares. A toda equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional do Hospital Samaritano, que me deu apoio durante essa etapa de estudos.

7 Se você desistir diante das adversidades durante a juventude, ou, pelo contrário, conseguir transformar as dificuldades em nutrientes para o seu progresso, determinará se será vitorioso, ou não, no futuro. Aqueles que são prósperos em qualquer campo de atuação, de alguma forma utilizarão os obstáculos encontrados em sua juventude como vantagens para o desenvolvimento." Daisaku Ikeda

8 RESUMO A flora intestinal humana tem papel importante na saúde. Em alguns momentos este equilíbrio não é alcançado e por esta razão a suplementação da dieta com probióticos se faz necessária, para assegurar uma microbiota favorável, como por exemplo, em terapia antimicrobiana no tratamento de infecções bacterianas. Entende-se como probióticos, microorganismos vivos, que administrados em quantidades adequadas, conferem benefícios à saúde do hospedeiro. O presente estudo descreve alguns conceitos e os benefícios que estas substâncias conferem à saúde humana, em especial na recuperação da flora intestinal, além de estudar a utilização de próbioticos, durante a antibioticoterapia. Palavras-chaves: Probióticos. Flora Intestinal. Antimicrobianos.

9 ABSTRACT The human intestinal flora performs an important role in human health. In some instances this balance is not reached, then it is necessary to supplement the diet with probiotics to assure a favorable microbiotic, as for example, in the antimicrobiotics therapy in the bacterial infection treatment. The probiotics is known as living microorganisms that, when prescribed in adequate quantities, provide great benefits to the dweller s health. The present study describes some concepts and the benefits that those substances provide to the human health, particularly in the intestinal flora recovery, besides studying the use of probiotics during the antibiotic therapy. Key Words: Probiotics, Intestinal Flora, Antimicrobial

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1: Distribuição de bactérias anaeróbias ao longo do trato gastrointestinal...15 FIGURA 2: Distribuição Bacteriana ao longo do Trato Gastrointestinal...18 FIGURA 3: Benefícios do consumo de probióticos a saúde humana...25 FIGURA 4: Função Imunomoduladora dos probióticos...26 TABELA 1: Principais Probióticos comercializados...22 TABELA 2 : Bactérias Probióticas...23

11 11 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA METODOLOGIA REVISÂO TEÓRICA Microbiota Intestinal Desenvolvimento da Microbiota Intestinal Ações da Microbiota Intestinal Diferenciação da Microbiota Intestinal de acordo com a área do Trato Gastrintestinal Disbiose Intestinal PROBIÓTICOS Conceito Sua História Classificação e Tipos Funções Indicações Efeitos Colaterais/Contra Indicações Estudos Relacionados ao uso do probiótico em pacientes com uso de antibióticos CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...34

12 12 1. INTRODUÇÃO Os probióticos são alimentos suplementados com microorganismos vivos e que, consumidos regularmente em quantidades suficientes, devem produzir efeitos benéficos à saúde e ao bem estar; além dos efeitos nutricionais habituais que beneficiam o hospedeiro por meio da melhoria no equilíbrio da microbiota intestinal (Fuller, 1989; Gibson; Roberfroid, 1995; Henker et al., 2007). A microbiota intestinal exerce influência considerável sobre série de reações bioquímicas do hospedeiro. Em equilíbrio, impede que microorganismos potencialmente patogênicos nela presentes exerçam seus efeitos maléficos. Por outro lado, o desequilíbrio dessa microbiota pode resultar na proliferação de patógenos, com conseqüente infecção bacteriana podendo levar a diarréia, inflamação da mucosa, desordem de permeabilidade e ativação de carcinógenos no conteúdo intestinal. (Ziemer, Gibson, 1998). A influência benéfica dos probióticos sobre a microbiota intestinal humana se deve ao aumento da resistência contra patógenos, estimulando a multiplicação de bactérias benéficas ao hospedeiro, reforçando os mecanismos naturais de defesa (Puupponen-Pimiä et al., 2002). Os probióticos mais utilizados são estirpes de bactérias produtoras de ácido láctico como Lactobacillus e Bifidobacterium fazendo parte dos chamados Alimentos Funcionais em leites fermentados e em alguns iogurtes. Elas aumentam de maneira significativa o valor nutritivo e terapêutico dos alimentos, pelo aumento dos níveis de vitaminas do complexo B e aminoácidos, absorção de cálcio, ferro e magnésio (Rolfe, 2000; Coudray et al., 2005; Snelling, 2005). Como os antibióticos agem na flora intestinal eliminando seletivamente as bactérias, favorecendo o crescimento de fungos, produzindo toxinas que irritam diretamente a barreira intestinal, aumentando a permeabilidade e absorvendo as toxinas pela corrente sanguínea, foram desenvolvidas estratégias alimentares, objetivando a manutenção e o estímulo das bactérias normais, ali presentes, sendo assim indicados os probióticos no tratamento da diarréia durante a antibioticoterapia (Gibson, Fuller, 2000).

13 13 2. OBJETIVOS 2.1 Geral Estudar a influência dos probióticos sobre a microbiota intestinal humana, através de revisão bibliográfica. 2.2 Específicos Identificar os principais probióticos utilizados na prática clínica. Identificar as recomendações de probióticos para restauração da microbiota intestinal, durante a antibioticoterapia.

14 14 3. JUSTIFICATIVA Com o aumento na expectativa de vida da população, aliado ao crescimento exponencial dos custos médico-hospitalares, a sociedade necessita vencer novos desafios, através do desenvolvimento de novos conhecimentos científicos e de novas tecnologias que resultem em modificações importantes no estilo de vida das pessoas. O número de casos de diarréia, causada pelo uso de antibióticos em unidades hospitalares, é grande, prejudicando o estado nutricional e aumentando a morbidade dos envolvidos. Diante da importância da saúde da nossa população, é importante estudarmos as possíveis terapêuticas para minimizar os efeitos deletérios da antibioticoterapia durante a internação hospitalar, melhorando o estado nutricional e por consegüinte a recuperação dos pacientes envolvidos.

15 15 4. METODOLOGIA A metodologia aplicada para a elaboração da revisão bibliográfica foi à análise de artigos científicos originais, livros e publicações recentes. Para isso foram realizadas consultas a bancos de dados do SCIELO, PUBMED, MEDLINE, JPEN e revistas especializadas no assunto, referente aos últimos 5 anos. A pesquisa foi realizada nos idiomas português, espanhol e inglês, utilizando as seguintes palavras-chaves: probiotics, diahrrea, infection, nutrition, risk factors, treatment.

16 16 5. REVISÃO TEÓRICA 5.1 MICROBIOTA INTESTINAL Desenvolvimento da microbiota Intestinal O trato gastrintestinal do feto é estéril, mas após o nascimento as superfícies e mucosas são colonizadas rapidamente por microorganismos. A duração desse processo varia de 6 a 12 meses, até que uma microbiota semelhante à de um adulto se instale (Borba LM. 2003; Nicoli JR, 2000). O parto tem uma influência grande neste processo uma vez que a microbiota intestinal materna é transmitida ao recém nascido durante o parto normal, o que não ocorre nos partos cesáreos, reduzindo assim, neste grupo o estabelecimento das bactérias anaeróbias (Adlerberth I, 1998). Outros fatores que podem ser citados são o colostro e o leite humano, que têm uma carga microbiana secundária variável, originada do mamilo, ductos lactíferos, pele circundante e mãos (Carvalho G, 2002) Durante o estabelecimento da microbiota intestinal, o teor elevado de oxigênio no intestino do recém-nascido favorece primeiramente o crescimento de bactérias aeróbias ou anaeróbias facultativas, como Enterobactérias, Enterococos e Stafilococos. Com o consumo do oxigênio por estes grupos, o ambiente torna-se altamente reduzido e, portanto, adequado ao crescimento de bactérias anaeróbias obrigatórias, ocasionando a proliferação de Bacteróides, Bifidobactérias e Clostridium (Adlerberth I, 1998) A localização de predominância da flora também varia. A Escherichia coli, por exemplo, predomina no íleo distal e no cólon predominam a flora anaeróbia, com espécies do gênero Bacteróides sendo encontradas com mais frequência (Borba LM, 2003). FIGURA 1 - Distribuição de bactérias anaeróbias ao longo do trato gastrointestinal Fonte: Adaptado de AFMCP, 2007

17 Ações da microbiota Intestinal A microbiota intestinal saudável é definida como aquela que conserva e promove o bem estar e a ausência de doenças, especialmente do trato gastrintestinal. Ela forma uma barreira contra os microorganismos invasores, potencializando os mecanismos de defesa do hospedeiro contra os patógenos, melhorando a imunidade intestinal pela aderência à mucosa e estimulando as respostas imunes locais. Além disso, ela também compete por combustíveis intraluminais, prevenindo o estabelecimento das bactérias patogênicas. Quando benéfica ajuda a digerir os alimentos e a fermentar carboidratos que permaneçam mal absorvidos ou resistentes à digestão, além de ajudar a converter as fibras da dieta e a produzir ácidos graxos de cadeia curta (AGCC - butirato, propionato, acetato e lactato) e proteínas, que são parcialmente absorvidos e utilizados pelo hospedeiro. O ácido butírico ou butirato é o alimento preferido dos colonócitos, sendo produzido pela fermentação das bactérias intestinais sobre a fibra da dieta, particularmente a fibra solúvel (Coppini LZ, 2001). Atualmente se reconhece que os AGCC exercem papel fundamental na fisiologia normal do cólon, no qual constituem a principal fonte de energia para os enterócitos e colonócitos, estimulam a proliferação celular do epitélio, o fluxo sanguíneo visceral e intensificam a absorção de sódio e água, ajudando a reduzir a carga osmótica de carboidrato acumulado (Mathai K, 2002). Existem ainda outras funções metabólicas e nutricionais, incluindo a hidrólise de ésteres de colesterol, de andrógenos, estrógenos e de sais biliares e a utilização dos carboidratos, proteínas e lipídeos (Beyer PL, 2002), além de haver a formação de vários nutrientes, quando da síntese bacteriana, que são disponíveis para a absorção, contribuindo assim para o suprimento de vitaminas como a vitamina K, B12, tiamina e riboflavina (Klein S, 2003) Diferenciação da Microbiota Intestinal, de acordo com a região do Trato Gastrintestinal Em diferentes regiões do trato gastrintestinal estão presentes grupos específicos de microorganismos, que são capazes de produzir uma grande variedade de compostos, com variados efeitos na fisiologia. Esses compostos podem influenciar a nutrição, a fisiologia, a eficácia de drogas, a carcinogênese e o processo de envelhecimento, assim como a resistência do hospedeiro à infecção (Teshima E, 2003).

18 18 A colonização do trato gastrintestinal compreende uma população bacteriana estável. As bactérias nativas não se proliferam aleatoriamente no trato gastrintestinal, sendo que determinadas espécies são encontradas em concentrações e regiões específicas (Borba LM, 2003). A regulação ocorre, portanto, pelo próprio meio, devido à presença dos diversos grupos que se estabelecem à medida que as condições apresentam-se favoráveis em relação às interações microbianas e substâncias inerentes ao seu metabolismo, aos fatores fisiológicos do hospedeiro, como estado clínico; idade; o transito e o ph intestinal; suscetibilidade a infecções; estado imunológico e nutrientes provenientes da dieta alimentar. (Carvalho G, 2004; Castilho AC, 2006) A cavidade oral contém uma mistura de microorganismos, em especial bactérias anaeróbicas, encontradas na concentração de UFC/ml, em especial: Bifidobactéria, Propionibactéria, Bacterióides, Fusobactéria, Leptotrichia, Peptostreptococci, Estreptocci, Veillonella e Treponema. Normalmente há pouca ação bacteriana no estômago, pois o ácido clorídrico atua como um agente germicida. As condições marcadas pela secreção diminuída de ácido clorídrico podem diminuir a resistência à ação bacteriana, ocasionalmente levando à inflamação da mucosa gástrica ou um risco maior de super crescimento no intestino delgado, que em geral é relativamente estéril (Mcfarland LV, 2000). A microbiota do intestino delgado consiste em UFC / ml do íleo proximal, com predominância de bactérias gram-positivas aeróbicas, e UFC/ml do íleo distal, com concentração de bactérias gram-negativas anaeróbicas. O curto espaço de trânsito através do intestino delgado não permite maior crescimento bacteriano. O trato gastrintestinal humano contém aproximadamente bactérias, representando mais de 500 espécies diferentes. No cólon, no qual o tempo de trânsito é mais prolongado, ocorre, o estabelecimento de uma microbiota bastante rica (Mcfarland LV, 2000). No intestino grosso, como um todo, há três níveis distintos que podem ser observados, sendo uma microbiota predominante, um grupo de subdominante e um grupo residual. A microbiota dominante ( UFC/ml de conteúdo) é constituída por bactérias anaeróbias estritas como Bacteróides, Eubacterium, Fusobacterium, Peptostreptococcus, Bifidobacterium.

19 19 Na microbiota subdominante ( UFC/ml de conteúdo), predominam as bactérias anaeróbia facultativa, dentre elas Escherichia coli, Enterococcus faecalis e algumas vezes Lactobacillos. Na microbiota residual (< 10 7 UFC/ml de conteúdo), há uma grande variedade de microorganismos procarióticos: Enterobacteriaceae, Pseudomonas, Veillonella, além de eucarióticos: leveduras e protozoários (Nicoli, 2003). FIGURA 2 - Distribuição Bacteriana ao longo do Trato Gastrointestinal Fonte: Clinical Nutrition: A Functional Approach. IFM, Disbiose Intestinal Disbiose, um distúrbio cada vez mais considerado no diagnóstico de várias doenças, é caracterizado por disfunção colônica, ocasionada pela alteração da microbiota intestinal, na qual ocorre predomínio das bactérias patogênicas sobre as bactérias benéficas. As principais causas desta alteração são o uso indiscriminado de antibióticos, que matam tanto as bactérias úteis como as nocivas; além de favorecem o crescimento de fungos, produzirem toxinas que irritam diretamente a barreira intestinal, aumentarem a permeabilidade intestinal, absorvendo as toxinas pela corrente sanguínea. Os antiinflamatórios hormonais e não-hormonais também alteram a flora intestinal, bem como o abuso de laxantes; o consumo excessivo de alimentos processados em detrimento de alimentos crus; a excessiva

20 20 exposição a toxinas ambientais; as doenças consumptivas, como câncer e síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS); as disfunções hepatopancreáticas; o estresse e a diverticulose (Silva LFG, 2006). Existem outros fatores que levam ao estado de disbiose, como a idade, o tempo de trânsito e ph intestinal, a disponibilidade de material fermentável e o estado imunológico do hospedeiro (Carvalho G, 2006). Uma das principais funções da mucosa intestinal é sua atividade de barreira, que impede as moléculas ou microorganismos antigênicos ou patógenos de entrarem na circulação sistêmica. Quando a mucosa é rompida, a permeabilidade intestinal pode ocorrer e as bactérias do intestino, alimento não digerido ou toxinas podem se translocar através desta barreira (Bloch AS, 2002). A translocação bacteriana é a passagem potencial de bactérias do lúmen intestinal ou de endotoxinas através da mucosa epitelial do trato gastrintestinal para o sangue ou sistema linfático, iniciando uma resposta inflamatória sistêmica. A exata etiologia da alteração da permeabilidade intestinal não é clara, porém, a ingestão dietética e o desequilíbrio bacteriano no intestino foram sugeridos como fatores (Mathai K, 2002). 5.2 PROBIÓTICOS CONCEITO Lilly & Stillwel (1965) usaram o termo probiótico para denominar substâncias secretadas por um protozoário que estimula o crescimento de outros, e Parker (1974), para denominar suplementos alimentares destinados a animais, incluindo microorganismos e substâncias que afetam o equilíbrio da microbiota intestinal. Fuller (1989) considerou que os probióticos são suplementos alimentares que contêm bactérias vivas que produzem efeitos benéficos no hospedeiro, favorecendo o equilíbrio de sua microbiota intestinal, enquanto Havenaar & Huis In t Veld (1992) consideraram que são culturas únicas ou mistas de microorganismos que, administrados a animais ou humanos, produzem efeitos benéficos no hospedeiro por incremento das propriedades da microbiota nativa. Esses autores restringiram o uso desse termo a produtos que contenham microorganismos viáveis que promovem a saúde de humanos ou animais, e que exercem seus efeitos no aparelho digestivo, no trato respiratório superior ou no trato urogenital (Havenaar et al., 1992). Schrezenmeir & De Vrese (2001) propuseram que o termo probiótico deveria ser usado para designar preparações ou produtos que contêm microorganismos viáveis definidos e

21 21 em quantidade adequada, que alteram a microbiota própria das mucosas por implantação ou colonização de um sistema do hospedeiro, e que produzem efeitos benéficos em sua saúde. Atualmente, nas várias definições disponíveis, nota-se uma maior preocupação em se enfatizar a atividade profilática ou mesmo terapêutica desses microorganismos (Fioramonti et al., 2003). Assim, probióticos podem ser definidos como sendo microorganismos vivos que, se administrados em quantidades adequadas, conferem benefícios à saúde do hospedeiro (Sanders, 2003). Eles compreendem apenas um pequeno percentual da nossa microbiota, entre 1% a 13% SUA HISTÓRIA Embora o termo e a definição precisa de probiótico tenham sido desenvolvidos a partir de 1990, o interesse por microorganismos potencialmente benéficos para a saúde vem de longo tempo. Estudos do final do século XIX, nos primórdios da Microbiologia, já detectavam diferenças entre a microbiota intestinal de pessoas doentes e a de pessoas saudáveis, despertando para a importância da mesma na manutenção do estado de saúde. A observação original do papel positivo desempenhado por algumas bactérias foi atribuída à Eli Metchnikoff. O russo ganhou o Prêmio Nobel por seu trabalho no Instituto Pasteur no início do século passado. Segundo o pesquisador, a dependência dos microorganismos intestinais, tornava possível tomar medidas para alterar a flora intestinal e para substituir os micróbios nocivos por micróbios úteis" (Metchnikoff, 1907). O francês e pediatra Tissier Henry observou que as fezes das crianças com diarréia tinham um pequeno número de bactérias com uma morfologia distinta como Y (Tissier, 1906). Ele sugeriu a possibilidade de ingestão destas bactérias em pacientes com diarréia para facilitar a restauração da flora intestinal saudável. Os trabalhos de Metchnikoff e Tissier foram os primeiros a apresentarem propostas ao uso de bactérias probióticas na ciência CLASSIFICAÇÃO E TIPOS Os probióticos mais utilizados são estirpes de bactérias produtoras de ácido láctico como Lactobacillus, que são bactérias anaeróbias facultativas e gram positivas e normalmente são predominante no intestino delgado, e Bifidobacterium, bactérias aeróbicas estritas ou anaeróbicas, gram positivas e presentes no cólon.

22 22 Dentre as bactérias pertencentes ao gênero Bifidobacterium, destacam-se B. bifidum, B. breve, B. infantis, B. lactis, B. animalis, B. longum e B. thermophilum. Dentre as bactérias láticas pertencentes ao gênero Lactobacillus, destacam-se Lb. acidophilus, Lb. helveticus, Lb. casei - subsp. paracasei e subsp. tolerans, Lb. paracasei, Lb. fermentum, Lb. reuteri, Lb. johnsonii, Lb. plantarum, Lb. rhamnosus e Lb. salivarius (Collins, Thornton, Sullivan, 1998; Lee et al.,1999; Sanders, Klaenhammer, 2001). Cerca de 56 espécies do gênero Lactobacillus foram descritas até hoje. Essas bactérias estão distribuídas por vários nichos ecológicos, sendo encontradas por todo o trato gastrointestinal e geniturinário, constituindo uma importante parte da microbiota de homens e animais. A sua distribuição, porém, é afetada por diversos fatores ambientais como: ph, disponibilidade de oxigênio, nível de substrato especifico, presença de secreções e interações bacterianas, tendo propriedades potencialmente probióticas, favorecendo beneficamente o organismo humano. Por isto, L. acidophilus e L. casei têm sido amplamente utilizados pelos laticínios para produção de leites fermentados e outros derivados lácteos (Sozzi,1980; Pedrosa, 1995; Mustapha, 1997; Guerin-Dananet, 1998; Gomes, 1999). A viabilidade de L. acidophilus pode ser melhorada nos produtos pela seleção adequada de cepas resistentes a acidez estomacal e a bile, utilização de recipientes impermeáveis ao oxigênio, fermentação em duas etapas, adaptação ao estresse, incorporação de peptídeos e aminoácidos (Gomes, 1999). Entretanto, deve ser salientado que o efeito de uma bactéria é específico para cada cepa, não podendo ser extrapolado, inclusive para outras cepas da mesma espécie (Guarner, 2003). As bactérias S. thermophilus, pertecentes ao gênero Streptococos são bactérias anaeróbicas facultativas, que podem ter efeitos benéficos a saúde, sendo uma das duas espécies mais comumente utilizadas na produção de iogurtes assim como o L.bulgaricus. Os Enterococos são encontrados em uma vasta gama de produtos probióticos. Neste grupo o E. faecium tem sido estudada por apresentar efeitos benéficos à saúde gastrintestinal, a despeito de o gênero Enterococos ser um reconhecido causador de infecções no ser humano. Recentemente, um grupo de pesquisadores iniciou estudos para a utilização de uma linhagem de Escherichia coli com características probióticas (Kruis, 2004; Schultzet, 2004; Ukena, 2007; Henker, 2007; Schlee, 2007). O fungo Saccharomyces boulardii é outro probiótico utilizado com freqüência (Qamaret, 2001; Geyik, 2006; Canani, 2007).

23 23 Em geral, pode-se considerar efeito probiótico a utilização de um bilhão de unidades formadoras de colônias (UFC), variando a dose conforme o tipo de bactéria, a qualidade da preparação e o objetivo (Jelen, Lutz, 1998). Os principais probióticos utilizados comercialmente estão representados na tabela 1: TABELA 1 - Principais probióticos comercializados

24 24 TABELA 2 - Bactérias probióticas Fonte: SENOK, A.C. et al., Probiotics: facts and myths. Clin Microbiol Infect ; 11: , FUNÇÕES Os probióticos normalmente têm pouco tempo de vida e ação e, por isso mesmo, devem ser mantidos bem refrigerados. Ao serem ingeridos através dos alimentos, vão para o intestino e ali se somam à microbiota já existente, sem se fixarem, equilibrando-a e, com isso, auxiliam o trabalho de absorção dos nutrientes. Suas principais funções são: Nutricional: Síntese de vitaminas do complexo B (B1, B2, B3, B5, B6, ácido fólico, B12) e vitamina K participando de forma importante para o pool desta vitamina no organismo; Digestória: Síntese de enzimas digestivas, sobretudo da enzima lactase, mas também de proteases e peptidases. Regula o trânsito intestinal e a absorção dos nutrientes; Cardiovascular: Tem um papel na normalização do colesterol e triglicerídeos plasmáticos; Metabólica: As bactérias probióticas produzem ácidos graxos de cadeia curta (AGCCs, como o butirato), que são substrato metabólico para os colonócitos, promovendo, em condições ideais, 40-50% da energia requerida. Além disso, produzem enzimas citocromo P450-like, que estimulam a expressão gênica do citocromo no fígado favorecendo a destoxificação hepática; evitam a ressíntese de hormônios já degradados e convertem muitos flavonóides às suas formas ativas. Algumas cepas produzem substâncias que, após absorvidas, parecem ter

25 25 efeito inibitório sobre a HMG-CoA redutase, provocando a redução da produção do colesterol. Auxiliam, ainda, na metabolização de medicamentos, hormônios, carcinógenos, metais tóxicos e outros xenobióticos; Imunomoduladora: Essas bactérias são essências para o desenvolvimento e a maturação do sistema imune entérico e sistêmico (GALT e MALT), visto que estimulam a expansão clonal de linfócitos e previnem sua apoptose. Produzem substâncias antimicrobianas que agem sobre uma vasta gama de microorganismos patogênicos, por tornarem o ambiente desfavorável ao seu crescimento e desenvolvimento. Previnem a adesão de patógenos através da competição por sítios receptores. Contribuem para a promoção da tolerância oral, mecanismo pelo qual nosso organismo passa a não reagir a determinados antígenos. Atuam na manutenção da barreira mucosa intestinal, assim como na produção de anticorpos (IgA intestinal e sérica), na atividade de fagócitos e na dos linfócitos matadores naturais (NK-kB). Reduzem a produção intestinal de citocinas pró-inflamatórias (TNF-a, Interferon-, IL-8) e aumentam a produção intestinal de citocinas anti-inflamatórias (IL-10 e TGF-ß), (Paschoal V. et al., 2010). Vide figura 4.

26 26 FIGURA 3 - Benefícios do consumo de probióticos a saúde humana Supressão de Patógenos Endógenos Ex: Antibiótico associado à diarréia Resistência a Colonização Controle da síndrome do intestino irritável Normalização da composição da microbiota intestinal Controle de doenças intestinais inflamatórias Resposta imunológica equilibrada Imunomodulação Melhora dos sintomas de alergia alimentar em crianças Imunidade Inata reforçada Supressão de patógenos exógenos ex: Diarréia do viajante Probióticos Efeitos metabólicos Diminuição do colesterol sérico Desconjugação e secreção de sais biliares Fornecimento de SCFA e vitaminas (ex: Folato) ao epitélio do colón Redução dos fatores de risco para o câncer de colón Baixo nível de reações toxigênicas e mutagênicas no intestino Hidrólise da Lactose Melhora da intolerância a Lactose Fonte: Nutr Clin Pract. 2009; 24:10-14 Fatores que influem sobre a composição da microbiota intestinal única que cada um alberga incluem; idade, tempo de trânsito intestinal, ph intestinal, disponibilidade de material fermentável, interação entre componentes da microbiota, suscetibilidade a infecções, estado imunológico, requerimentos nutricionais, uso de antibióticos e imunossupressores. É importante destacar que, destes dez fatores citados, pelo menos seis têm associação direta com a nutrição realizada pelo indivíduo.

27 27 FIGURA 4 - Função Imunomoduladora dos probióticos Resistência a colonização (Exclusão Competitiva) Manter a função da barreira (Reduz a permeabilidade macromolecular e a translocação bacteriana e mantém as junções firmes) Efeitos Metabólicos: Bacteriócitos Diminuição do ph Quantidade de sensibilidade Modulação do sinal de transdução Melhora da Flora Microbiana Imunomodulação adaptativa/inata Aumento da produção de Mucina Aumento das citocinas Fonte: Nutr Clin Pract. 2009; 24: INDICAÇÕES a) Intolerância à lactose e a outros dissacarídeos provavelmente é uma das utilizações mais antigas dos probióticos, pois desde há muito se sabe que o iogurte é muito melhor tolerado que o leite pelos indivíduos intolerantes à lactose. Esta melhor tolerância tem sido atribuída à redução do conteúdo em lactose no iogurte devido à fermentação pelas bactérias produtoras

28 28 de ácido láctico, à atividade da ß-galactosidase das próprias bactérias que produzem o iogurte e, também, à menor velocidade de esvaziamento gástrico deste em relação ao leite. A administração de um probiótico como Sacharomyces boulardii melhora a sintomatologia em indivíduos com déficit em sacarase-isomaltase (Kolars, 1984; Marteau, 2001; Callanan, 2005; Janeret, 2005; Ward, 2006). b) Diarréia O maior número de estudos com probióticos tem incidido quer na prevenção quer no tratamento da diarréia aguda infecciosa. Em ensaios preventivos, verificou-se uma diminuição significativa da incidência da diarréia nas crianças que ingeriram probióticos em comparação com os controles (Isolauri, 2003; Canani, 2007; Rolfe, 2000; Gorbach, 2000; Shamir, 2005). Em ensaios terapêuticos, o conjunto dos resultados aponta para diferenças significativas a favor dos grupos com probióticos no que diz respeito à intensidade e duração da diarréia, ao número de dias de internação e dos dias em que os vírus são eliminados no caso da diarréia e por rotavírus. Tendo em conta que a diarréia é uma causa importante de mortalidade nos países em desenvolvimento, sobretudo em crianças e adultos com má nutrição, os probióticos, pela sua eficácia preventiva e terapêutica, são úteis em Saúde Pública (Rolfe, 2000; Juntunen, 2001). Várias estirpes têm comprovado a eficácia dos probióticos na prevenção e tratamento da diarréia associada aos antibióticos. Os mais utilizados têm sido Bifidobacterium, Saccharomyces boulardi e Lactobacillus. O consumo de leite fermentado com Lactobacillus casei defensis DN reduziu significativamente a incidência de diarréia associada ao uso de antibióticos e a incidência de diarréia infecciosa por Clostridium difficile (Hickson, 2007). A Diarréia do viajante é a doença mais comum durante a visita às regiões tropicais e sub-tropicais. O efeito dos probióticos para prevenir esta diarréia não está suficientemente demonstrado e alguns trabalhos são contraditórios. No entanto, alguns ensaios clínicos demonstram um declínio de incidência da diarréia de acordo com as regiões visitadas e as doses utilizadas (Szajewska; Mrukawicz, 2005). c) Doença inflamatória crônica do intestino e outras situações gastroenterológicas Parece bastante promissor o uso de probióticos, especialmente de Saccharomyces boulardii e do Lactobacillus casei na doença de Crohn, na colite ulcerosa e na inflamação crônica da bolsa

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

Probiótico. Identificação. Descrição / especificação técnica: Pó creme a marrom claro, contendo no mínimo 10 bilhões de UFC/g.

Probiótico. Identificação. Descrição / especificação técnica: Pó creme a marrom claro, contendo no mínimo 10 bilhões de UFC/g. Material Técnico Probióticos Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável DCB / DCI: Não aplicável INCI: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável CAS: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

MICROBIOTA INTESTINAL PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS SIMBIÓTICOS Apresentado por : Prof. Dr. Yvon Toledo Rodrigues Membro Titular da Academia Nacional de Medicina. Presidente da Academia Latino-Americana de Nutrologia.

Leia mais

DIARRÉIA EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL Grupo de Suporte em Terapia Nutricional CTI-A Hospital Israelita Albert Einstein Fevereiro/10

DIARRÉIA EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL Grupo de Suporte em Terapia Nutricional CTI-A Hospital Israelita Albert Einstein Fevereiro/10 DIARRÉIA EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL Grupo de Suporte em Terapia Nutricional CTI-A Hospital Israelita Albert Einstein Fevereiro/10 O surgimento de diarréia durante internação hospitalar é evento comum,

Leia mais

LACTOBACILLUS BULGARICUS

LACTOBACILLUS BULGARICUS Informações Técnicas LACTOBACILLUS BULGARICUS 10 bilhões/g DESCRIÇÃO Lactobacillus bulgaricus é uma bactéria que, devido à sua ação benéfica para o sistema digestivo, costuma ser usada para a produção

Leia mais

Conduta dietética na intolerância à lactose

Conduta dietética na intolerância à lactose UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA DISCIPLINA DE GASTROENTEROLOGIA PEDIÁTRICA Conduta dietética na intolerância à lactose Karina Akemi Yamasaki Nutricionista Especializanda Disciplina

Leia mais

Disbiose intestinal. AArtigo de R. Intestinal dysbiosis Disbiosis intestinal

Disbiose intestinal. AArtigo de R. Intestinal dysbiosis Disbiosis intestinal AArtigo de R Artigo de Revisão Disbiose intestinal Intestinal dysbiosis Disbiosis intestinal Luciana Barros Almeida 1 Célia Bastos Marinho 2 Cristiane da Silva Souza 3 Vicência Barbosa Pereira Cheib 4

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS Aderbal Sabra MD. PhD. Cientista Visitante e Staff Senior ICISI Georgetown University USA Professor de Pediatria, Gastroenterologia e Alergia

Leia mais

CONHECIMENTO DE UNIVERSITÁRIOS SOBRE PROBIÓTICOS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PROMOÇÃO DE SAÚDE

CONHECIMENTO DE UNIVERSITÁRIOS SOBRE PROBIÓTICOS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PROMOÇÃO DE SAÚDE 35 CONHECIMENTO DE UNIVERSITÁRIOS SOBRE PROBIÓTICOS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PROMOÇÃO DE SAÚDE KNOWLEDGE OF COLLEGE STUDENTS ON PROBIOTICS AND ITS IMPLICATIONS IN THE PROMOTION OF HEALTH SANTOS, Taides Tavares

Leia mais

Manual dos Fitoquimicos Primavera da Flora Intestinal

Manual dos Fitoquimicos Primavera da Flora Intestinal Manual dos Fitoquimicos Primavera da Flora Intestinal Prebióticos e Probióticos: Os Adubos da Saúde Intestinal Seus intestinos podem atrapalhar os seus planos de manter a saúde e o corpo em dia, sabia?

Leia mais

Prebióticos e probióticos na alergia diferencial. Márcio Miasato Residente de 3º Ano da Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica

Prebióticos e probióticos na alergia diferencial. Márcio Miasato Residente de 3º Ano da Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Prebióticos e probióticos na alergia diferencial Márcio Miasato Residente de 3º Ano da Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Histórico * Elie Metchnikoff (cientista russo, professor do Instituto Pasteur)

Leia mais

Papel do Aleitamento Materno e Probióticos nas Alergias Alimentares e Respiratórias

Papel do Aleitamento Materno e Probióticos nas Alergias Alimentares e Respiratórias Papel do Aleitamento Materno e Probióticos nas Alergias Alimentares e Respiratórias I Congresso Médico de Guarulhos Maria Elisa Bertocco Andrade CHPBG - IAMSPE Alergia Nas últimas décadas, número crescente

Leia mais

DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA

DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H30 08H50 ABERTURA 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA 09H20 09H50 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL

Leia mais

PRODUTOS LÁCTEOS PROBIÓTICOS, PREBIÓTICOS, SIMBIÓTICOS E O MERCADO NACIONAL E INTERNACIONAL

PRODUTOS LÁCTEOS PROBIÓTICOS, PREBIÓTICOS, SIMBIÓTICOS E O MERCADO NACIONAL E INTERNACIONAL PRODUTOS LÁCTEOS PROBIÓTICOS, PREBIÓTICOS, SIMBIÓTICOS E O MERCADO NACIONAL E INTERNACIONAL Sebastião Cesar Cardoso Brandão Professor Titular Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal

Leia mais

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose Informações Técnicas INULINA Fibra alimentar CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose INTRODUÇÃO A inulina é um nutriente funcional ou nutracêutico, composto por frutose, encontrado

Leia mais

Manejo da Diarréia no Paciente Crítico

Manejo da Diarréia no Paciente Crítico Manejo da Diarréia no Paciente Crítico Bibiana Rubin Especialista em Clínica Terapêutica Nutricional Mestre em Saúde Coletiva Nutricionista Clínica CTI/HCPA Não há conflitos de interesse. Diarréia do Paciente

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

VAMOS AOS FATOS PROBIÓTICOS PERGUNTAS E RESPOSTAS. Dr. Celso Cukier Nutrólogo

VAMOS AOS FATOS PROBIÓTICOS PERGUNTAS E RESPOSTAS. Dr. Celso Cukier Nutrólogo VAMOS AOS FATOS PROBIÓTICOS PERGUNTAS E RESPOSTAS Dr. Celso Cukier Nutrólogo Dr. Celso Cukier CRM-SP: 65.052 Presidente da Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral; Médico assistente colaborador

Leia mais

DESVENDANDO 8 MITOS SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE

DESVENDANDO 8 MITOS SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE 1 DESVENDANDO 8 S SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE 2 3 Conhecendo a INTOLERÂNCIA À LACTOSE DESVENDANDO S Contém lactose A lactose, encontrada no leite e seus derivados é um carboidrato, e é conhecida popularmente

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

7/3/2014 Alegações de propriedade funcional aprovadas

7/3/2014 Alegações de propriedade funcional aprovadas Contraste normal Alto Contraste Alegações de propriedade funcional aprovadas As alegações horizontais apresentadas a seguir fazem parte de um processo contínuo e dinâmico de reavaliação das alegações aprovadas

Leia mais

ÁCIDOS GRAXOS. Alegação

ÁCIDOS GRAXOS. Alegação DECLARACIONES FUNCIONALES O DE SALUD As alegações horizontais apresentadas a seguir fazem parte de um processo contínuo e dinâmico de reavaliação das alegações aprovadas com base em evidências científicas.

Leia mais

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico.

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico. Nota Técnica Processo n º Solicitante: Dra. Daniele Viana da Silva Juíza da Comarca de Ervália - Mg Data: 07/12/2012 Medicamento/ Dieta Material Procedimento Cobertura x TEMA: Dieta enteral de soja para

Leia mais

Alimentos com Alegações de Propriedades Funcionais e ou de Saúde, Novos Alimentos/Ingredientes, Substâncias Bioativas e Probióticos

Alimentos com Alegações de Propriedades Funcionais e ou de Saúde, Novos Alimentos/Ingredientes, Substâncias Bioativas e Probióticos FONTE: ANVISA Alimentos com Alegações de Propriedades Funcionais e ou de Saúde, Novos Alimentos/Ingredientes, Substâncias Bioativas e Probióticos IX - Lista de alegações de propriedade funcional aprovadas

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

E OS SEUS BENEFÍCIOS

E OS SEUS BENEFÍCIOS E OS SEUS BENEFÍCIOS A principal função do leite é nutrir (alimentar). Além disso, cumpre as funções de proteger o estômago das toxinas e inflamações e contribui para a saúde metabólica, regulando os processos

Leia mais

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar A assistência nutricional e clínica ao paciente em domicilio vêm crescendo no Brasil e no mundo. Também conhecida como home care, internação domiciliar ou

Leia mais

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I ALIMENTAÇÃO Preventiva Volume I By porque evoluir é preciso Que o teu alimento seja seu medicamento Hipócrates Pai da medicina moderna Não coma, nutra-se! Existem muitas informações importantes disponíveis,

Leia mais

LACTOBACILOS. Dentre entre os diversos gêneros integrantes desse grupo destacamos o Bifidobacterium e o Lactobacillus.

LACTOBACILOS. Dentre entre os diversos gêneros integrantes desse grupo destacamos o Bifidobacterium e o Lactobacillus. LACTOBACILOS 1. Introdução: Em 1991, foi regulamentada uma categoria de alimentos denominada de Foods for Specified Health Use, traduzindo para o português Alimentos Funcionais ou Nutracêuticos. Entre

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE ALIMENTOS PROBIÓTICOS

INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE ALIMENTOS PROBIÓTICOS INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE ALIMENTOS PROBIÓTICOS O desenvolvimento de novos produtos alimentícios torna-se cada vez mais desafiador, à medida que procura atender à demanda dos consumidores

Leia mais

PROBIÓTICOS, PREBIÓTICOS E SIMBIÓTICOS

PROBIÓTICOS, PREBIÓTICOS E SIMBIÓTICOS PROBIÓTICOS, PREBIÓTICOS E SIMBIÓTICOS Em 1991, foi regulamentada uma categoria de alimentos denominada de Foods for Specified Health Use, traduzindo para o português, Alimentos Funcionais ou Nutracêuticos.

Leia mais

RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico

RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico Informações Técnicas RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico CAS NUMBER: 9036-66-2 SINÔNIMOS: Arabinogalactana, Lariço arabinogalactana, Galactoarabinina, Fibra lariço, Goma lariço NOME BOTÂNICO:

Leia mais

Cranberry. Tratamento e prevenção infecção urinária

Cranberry. Tratamento e prevenção infecção urinária Cranberry Tratamento e prevenção infecção urinária Nome científico: Vaccinium macrocarpon Família: Ericaceae Parte utilizada: fruto Ativos: antocianidinas, flavonóides, proantocianidinas, taninos condensados

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

Saúde da Mulher. Rede Mundo Verde - Ano 1 Livro 1

Saúde da Mulher. Rede Mundo Verde - Ano 1 Livro 1 Guia Saúde da Mulher Uma queixa constante de mulheres é a prisão de ventre, flatulência, distensão abdominal. Muitas se habituam ao problema como se fosse normal e convivem com essa situação, muitas vezes

Leia mais

Microrganismos e hospedeiros: microbiota residente, transitória e doenças

Microrganismos e hospedeiros: microbiota residente, transitória e doenças UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Microrganismos e hospedeiros: microbiota residente, transitória e doenças Disciplina: Microbiologia Aplicada

Leia mais

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014.

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014. 1. (Ufsm 2015) O consumo exagerado de sódio está associado a uma serie de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como as cardiovasculares. Essas moléculas são responsáveis por 72% das mortes no Brasil,

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

ALIMENTOS FUNCIONAIS E NUTRACÊUTICOS

ALIMENTOS FUNCIONAIS E NUTRACÊUTICOS ALIMENTOS FUNCIONAIS E NUTRACÊUTICOS Crisliane de P. Branco 1 Aristides R. de Oliveira 2 Mariana Pina da Silva 3 RESUMO O presente trabalho, através de uma revisão bibliográfica, fala sobre alimentos funcionais

Leia mais

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon)

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon) As fibras alimentares estão presentes nos alimentos de origem vegetal, englobando um conjunto de compostos que não podem ser digeridos pelas enzimas do nosso sistema gastrointestinal, não sendo por isso

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAI VI Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias Bactérias anaeróbias não-esporuladas Participam

Leia mais

Fisiologia da Nutrição na saúde e na Doença da Biologia Molecular ao Tratamento de R$389,00 por R$233,00

Fisiologia da Nutrição na saúde e na Doença da Biologia Molecular ao Tratamento de R$389,00 por R$233,00 Abordagem clínica e nutricional nas Doenças do Esôfago e Estômago Gastroenterologia e Nutrição de R$181,00 por R$108,00 Avaliação e Rastreamento Nutricional na Saúde e na Doença Avaliação Nutricional Aspectos

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

Equilibra o seu metabolismo para a perda de peso

Equilibra o seu metabolismo para a perda de peso Equilibra o seu metabolismo para a perda de peso PARA FICAR EM FORMA SEU ORGANISMO PRECISA DE EQUILÍBRIO NUTRICIONAL Descrição: Bis-glicinato de magnésio, bis-glicinato de zinco, picolinato de cromo, óxido

Leia mais

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes AULA DO PRODUTO Curso inicial & Integração Novos Representantes 1 HELICOBACTER PYLORI A bactéria Helicobacter pylori foi descoberta em 1982 pelos australianos Barry J. Marshall e J. Robin Warren. Até então,

Leia mais

FISIOLOGIA DIGESTIVA

FISIOLOGIA DIGESTIVA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA DIGESTIVA 01. Na digestão, a redução dos alimentos a partículas através de processos mecânicos tem por finalidade: a) facilitar a eliminação de substâncias inúteis

Leia mais

Legislação Brasileira para Alimentos Funcionais

Legislação Brasileira para Alimentos Funcionais Tecnoláctea & Sorvetes Seminário: Perspectivas e Oportunidades de Mercado no Setor de Lácteos Instituto de Tecnologia de Alimentos ITAL São Paulo Maio- 2009 Legislação Brasileira para Alimentos Funcionais

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

USO DE PROBIÓTICOS NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE DOENÇAS INTESTINAIS

USO DE PROBIÓTICOS NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE DOENÇAS INTESTINAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE CURSO DE NUTRIÇÃO USO DE PROBIÓTICOS NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE DOENÇAS INTESTINAIS Autora: Jannya Freitas de Carvalho

Leia mais

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves PROFILAXIA CIRÚRGICA Valquíria Alves INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO (ILC) Placeholder for your own subheadline A infecção do local cirúrgico (ILC) é uma complicação comum da cirurgia, com taxas de incidência

Leia mais

EFEITO BIFIDOGÊNICO DO FRUTOOLIGOSSACARÍDEO NA MICROBIOTA INTESTINAL DE PACIENTES COM NEOPLASIA HEMATOLÓGICAS

EFEITO BIFIDOGÊNICO DO FRUTOOLIGOSSACARÍDEO NA MICROBIOTA INTESTINAL DE PACIENTES COM NEOPLASIA HEMATOLÓGICAS EFEITO BIFIDOGÊNICO DO FRUTOOLIGOSSACARÍDEO NA MICROBIOTA INTESTINAL DE PACIENTES COM NEOPLASIA HEMATOLÓGICAS TELMA BÚRIGO; REGINA LÚCIA MARTINS FAGUNDES; ERASMO BENICIO SANTOS DE MORAES TRINDADE; HELENA

Leia mais

Cranberry (Vaccinium macrocarpon) Tratamento e Prevenção da Infecção Urinária

Cranberry (Vaccinium macrocarpon) Tratamento e Prevenção da Infecção Urinária Cranberry (Vaccinium macrocarpon) Tratamento e Prevenção da Infecção Urinária Cranberry é uma planta nativa da América do Norte que apresenta em sua composição antocianidinas, flavonóides, proantocianidinas,

Leia mais

Clostridium difficile: quando valorizar?

Clostridium difficile: quando valorizar? Clostridium difficile: quando valorizar? Sofia Bota, Luís Varandas, Maria João Brito, Catarina Gouveia Unidade de Infecciologia do Hospital D. Estefânia, CHLC - EPE Infeção a Clostridium difficile Diarreia

Leia mais

ALIMENTOS PROBIÓTICOS: APLICAÇÕES COMO PROMOTORES DA SAÚDE HUMANA PARTE 1 PROBIOTICS FOODS: APPLICATION AS THE PROMOTERS OF THE HUMAN HEALTH PART 1

ALIMENTOS PROBIÓTICOS: APLICAÇÕES COMO PROMOTORES DA SAÚDE HUMANA PARTE 1 PROBIOTICS FOODS: APPLICATION AS THE PROMOTERS OF THE HUMAN HEALTH PART 1 ALIMENTOS PROBIÓTICOS: APLICAÇÕES COMO PROMOTORES DA SAÚDE HUMANA PARTE 1 PROBIOTICS FOODS: APPLICATION AS THE PROMOTERS OF THE HUMAN HEALTH PART 1 ANDRÉA CÁTIA LEAL BADARÓ Docente dos cursos de Nutrição

Leia mais

Sistemas do Corpo Humano

Sistemas do Corpo Humano Sistemas do Corpo Humano Sistema Digestório consegue energia e matéria prima. Cada órgão tem uma função específica no processo de transformação dos alimentos O QUE É UM SISTEMA????? Sistema Digestório

Leia mais

MAPEAMENTO DA SAÚDE GASTRINTESTINAL DE MULHERES BRASILEIRAS E SEU IMPACTO SOBRE A QUALIDADE DE VIDA

MAPEAMENTO DA SAÚDE GASTRINTESTINAL DE MULHERES BRASILEIRAS E SEU IMPACTO SOBRE A QUALIDADE DE VIDA MAPEAMENTO DA SAÚDE GASTRINTESTINAL DE MULHERES BRASILEIRAS E SEU IMPACTO SOBRE A QUALIDADE DE VIDA Coordenado por: Parceria: 1. INTRODUÇÃO... 03 2. OBJETIVOS... 05 3. O ESTUDO... 06 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO...

Leia mais

Reposição Nutricional Pós- Cirurgia Bariátrica

Reposição Nutricional Pós- Cirurgia Bariátrica Reposição Nutricional Pós- Cirurgia Bariátrica Shake Redutor das Complicações Neurológicas Pós-Cirurgia Reposição das Vitaminas B1 e B12 Previne Encefalopatia de Wernecke, Neuropatia Óptica, Mielopatia,

Leia mais

INTOLERÂNCIA À LACTOSE

INTOLERÂNCIA À LACTOSE INTOLERÂNCIA À LACTOSE e produtos lácteos com baixo teor de lactose A lactose (galactose β-1,4 glucose) é um tipo de glicídio que possui ligação glisídica. É o açúcar presente no leite e seus derivados.

Leia mais

PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS: VALE A PENA INCLUÍ-LOS EM NOSSA ALIMENTAÇÃO!

PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS: VALE A PENA INCLUÍ-LOS EM NOSSA ALIMENTAÇÃO! SynThesis Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, v.1, n.1, 308-317, out. 2009 www.fapam.edu.br/revista 308 PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS: VALE A PENA INCLUÍ-LOS EM NOSSA ALIMENTAÇÃO! Lana Claudinez dos Santos

Leia mais

Grau A de evidência: a escolha completa da fórmula

Grau A de evidência: a escolha completa da fórmula Grau A de evidência: a escolha completa da fórmula A escolha de um nutriente pode ser realizada mediante a leitura de um guia alimentar (diretriz) produzido por entidade científica renomada como ASPEN

Leia mais

NATUREZA, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE

NATUREZA, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE ARTIGO NATUREZA, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE 67 As autoras ¹Thamires Moraes Brito Macedo Acadêmica do curso de Nutrição da Unisulma (macedo.thamires@hotmail.com). ²Gracilene Schmourlo Bioquímica, professora

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br Lipídeos são compostos guardados em grandes quantidades como triglicerídeos neutros e representam 90% da dieta. São altamente insolúveis, podendo ser

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO Disciplina: Microbiia e Parasitia Patrícia de Lima Martins INTRODUÇÃO O que é Microbiota? MICROBIOTA São os microrganismos (bactérias, fungos, vírus e protozoários)

Leia mais

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA USO ADULTO USO OTOLÓGICO Forma farmacêutica e apresentação Solução otológica: frasco contendo 10 ml com conta-gotas. Composição Cada (1 ml) contém

Leia mais

FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA DIRETORIA DE ENSINO COORDENAÇÃO DE NUTRIÇÃO

FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA DIRETORIA DE ENSINO COORDENAÇÃO DE NUTRIÇÃO FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA DIRETORIA DE ENSINO COORDENAÇÃO DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA I-IDENTIFICAÇÃO 1. CURSO: NUTRIÇÃO 2. DISCIPLINA: NUTRIÇÃO E METABOLISMO 3. SEMESTRE DO CURSO: 4º 4. PROFESSOR(A):

Leia mais

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA Graduação 1 FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA UNIDADE 4 ALIMENTAÇÃO ENTERAL Nesta unidade você irá estudar as

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos.

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. LACTO-PURGA bisacodil 5mg Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças acima de 4 anos) USO ORAL

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0 NOTA TÉCNICA 75/2013 Solicitante Juiz de Direito Dr.Alexsander Antenor Penna Silva Comarca de João Monlevade Processo Número 0024 13 023060-0 Data: 23/05/2013 Medicamento/ x dieta Material Procedimento

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Legifol CS folinato de cálcio. APRESENTAÇÕES Legifol CS solução injetável de 10 mg/ml em embalagens contendo 10 ampolas de 5 ml (50 mg).

Legifol CS folinato de cálcio. APRESENTAÇÕES Legifol CS solução injetável de 10 mg/ml em embalagens contendo 10 ampolas de 5 ml (50 mg). Legifol CS folinato de cálcio I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Legifol CS Nome genérico: folinato de cálcio APRESENTAÇÕES Legifol CS solução injetável de 10 mg/ml em embalagens contendo

Leia mais

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura e Bovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Classificação do hábito alimentar

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil

Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil FOODSTAFF Assessoria de Alimentos Ltda. setembro/ 2012 Agenda Alimentos Funcionais e Novos Alimentos O Mercado de Alimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução Os animais não encontram no meio, em forma imediatamente utilizável, todos os alimentos ou nutrientes de que necessitam. A absorção direta de nutrientes ocorre, excepcionalmente,

Leia mais

Laxantes. Laxantes e Antidiarreicos. Obstipação. Fibras. são comuns na população em geral. rios. Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios

Laxantes. Laxantes e Antidiarreicos. Obstipação. Fibras. são comuns na população em geral. rios. Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios Laxantes e Diarréia e obstipação são comuns na população em geral Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios rios Laxantes Muitas vezes sem a necessidade de medicação Porem esses sintomas podem

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS Características fisiológicas das bactérias Oxigênio Temperatura Água Concentração hidrogênionica do meio (ph) Oxigênio Temperatura ambiental Grupo Temp. Temp.

Leia mais

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes PROFESSORA NAIANE Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes dos alimentos, chegam às células do

Leia mais

ALUNO(a): Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas citoplasmáticas.

ALUNO(a): Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas citoplasmáticas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 3º ano ALUNO(a): Lista de Exercícios NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas

Leia mais

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação 1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação hospitalar (desde que não incubada previamente à internação)

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

Regulamentação atual de alimentos contendo probióticos

Regulamentação atual de alimentos contendo probióticos Regulamentação atual de alimentos contendo probióticos Brasília, 30 de novembro de 2015 Competência Lei n. 9782/1999: Art. 8º Incumbe à Agência, respeitada a legislação em vigor, regulamentar, controlar

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

Para quê precisamos comer?

Para quê precisamos comer? Para quê precisamos comer? Para a reposição de água, substratos energéticos, vitaminas e sais minerais. O TUBO DIGESTIVO E SUAS PRINCIPAIS ESTRUTURAS O Trato Gastrointestinal (TGI) Digestive System (Vander,

Leia mais

APROVADO EM 01-10-2004 INFARMED

APROVADO EM 01-10-2004 INFARMED FOLHETO INFORMATIVO Antibiophilus, 250 mg, Cápsulas Lactobacillus casei variedade rhamnosus Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode ser adquirido

Leia mais

PROBIÓTICOS EM LÁCTEOS E SAÚDE HUMANA

PROBIÓTICOS EM LÁCTEOS E SAÚDE HUMANA PROBIÓTICOS EM LÁCTEOS E SAÚDE HUMANA Marcelo Resende de Souza Departamento de Tecnologia e Inspeção de Produtos de Origem Animal Escola de Veterinária UFMG 1. HISTÓRICO 1. HISTÓRICO Antigo Testamento

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais