Erro de medicação: estratégias e novos avanços para minimizar o erro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Erro de medicação: estratégias e novos avanços para minimizar o erro"

Transcrição

1 Erro de medicação: estratégias e novos avanços para minimizar o erro Gracinete do Carmo Silva Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Caroline Alves Garcia Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora. RESUMO A administração de medicamentos é uma atividade freqüente para a enfermagem que atuam principalmente no ambiente hospitalar, exigindo assim um maior conhecimento, habilidade, não só na assistência propriamente dita, mas na segurança do paciente como um todo, tendo em vista que o processo de administração de medicamentos é um dos maiores fatores relacionados às ocorrências de erros no âmbito hospitalar, eventos esse que podem levar o paciente até a morte. A partir dessas considerações esse estudo tem por objetivo analisar tipos e causas de erros na medicação, e sobre as novas condutas e avanços voltados à segurança na administração de medicamentos. Foi realizada uma revisão bibliográfica sobre os erros de medicação e as novas condutas, avanços e estratégias para a segurança do paciente. Concluise que o conhecimento do enfermeiro no processo de administração de medicamento tem grande influência na segurança do paciente. Descritores: Erro de Medicação; Cuidados de Enfermagem; Administração de Medicamento. Silva GC, Garcia CA. Erro de medicação: estratégias e novos avanços para minimizar o erro. Rev Enferm UNISA 2009; 10(1): INTRODUÇÃO Atualmente o assunto erro de medicação está trazendo gravíssimos transtornos e manifestando preocupações quanto á responsabilidade de disponibilizar um ambiente seguro com qualidade na assistência de enfermagem. Sabe-se que administração de medicamentos constitui umas das maiores responsabilidade atribuída à enfermagem. Para sua execução é necessária a aplicação de vários princípios científicos que fundamentam a ação do enfermeiro, de forma a promover a segurança do paciente tendo uma visão como um todo. No que diz respeito à enfermagem esta deve ater-se não somente aos procedimentos técnicos e básicos inerentes à profissão, mas identificar os caminhos percorridos pelo medicamento desde o momento que o médico o prescreve até a sua administração ao paciente, analisando criticamente o sistema de medicação, refletindo sobre seus conhecimentos. Devendo colaborar com a segurança do sistema buscando soluções para os problemas existentes, além de colaborar com pesquisas sobre as novas condutas, avanços e tecnologia para a segurança do paciente com relação ao erro de medicamento. Este trabalho tem como objetivo analisar e elencar os tipos de erros e estratégias para prevenção do mesmo, apontando as ações voltadas à segurança na administração de medicamentos como novas condutas e avanços no conhecimento cientifico sobre o processo. MÉTODO Tratou-se de uma revisão da literatura. Realizou-se levantamento bibliográfico, por meio de consulta eletrônica,na base de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), por meio das palavras-chave contempladas na Biblioteca Virtual em Saúde Descritores em Ciências da Saúde (DeCS). erro medicação, segurança paciente, prevenção erros, cuidados enfermagem, foram localizados 28 artigos, destes 13 atenderam ao objeto de estudo desta pesquisa. Os critérios de inclusão determinados foram: artigos que retratam o tema erro de medicação, segurança do paciente, ações para minimizar o erro: publicados no período de 2000 a 2009 e no idioma português. RESULTADOS E DISCUSSÃO Erro de medicação é um assunto delicado, pesando sobre 22

2 ele estigmas e preconceitos, medos e principalmente desinformação onde muitos profissionais preferem não pronunciar sobre o mesmo (1). A ocorrência de erros é inerente ao processo cognitivo humano, e neste contexto, profissionais de saúde são passiveis de cometê-los. Esforços devem ser implementados na tentativa conhecer e explorar tais eventos, com a finalidade de desenvolver estratégias que conduzam à prevenção e conseqüentemente promovam a segurança do paciente (2). Os erros podem estar relacionados á prática profissional, produtos usados na área da saúde, procedimentos, problemas de comunicação, incluindo prescrições, rótulos, embalagens, monitoramento, o uso de medicamento. Medicar pacientes depende de ações meramente humanas e os erros fazem parte dessa natureza, porém, um sistema de medicação bem estruturado deverá promover condições que auxiliem na minimização e prevenção dos erros, implementando normas, regras e processos com a finalidade de auxiliar os profissionais envolvidos (3). Os erros podem ocorrer de varias formas acometendo ou não risco ao paciente. Entre eles identificamos: Erro na medicação: é qualquer evento evitável que pode causar ou induzir ao uso inapropriado de medicamento ou prejudicar o paciente enquanto o medicamento está sob o controle do profissional de saúde, paciente ou consumidor. Podem está relacionados a pratica profissional, durante procedimentos, também por falhas dos sistemas incluindo prescrição, comunicação, etiquetação, embalagem e nomenclatura aviamento dispensação, distribuição. Acidentes com medicamentos: constituem em todos os incidentes, problemas ou insucessos, inesperados ou evitáveis, produzidos ou não por erro a imperícia ou negligência (4). Reações medicamentosas: se refere a qualquer dano ou injuria causada ao paciente pela intervenção médica relacionada á prescrição medicamentos, provocadas pelo o uso ou falta do uso, quando necessário (4). Reações adversas ao medicamento: é definida pela OMS como qualquer efeito prejudicial ou indesejado que se apresente após a administração de doses de medicamentos normalmente utilizadas no homem para profilaxia, diagnostico e tratamento de uma enfermidade (4). Erro potencial: constitui-se em um evento ou situação que poderia ter resultado em um acidente, injuria ou doença, mas por sorte ou por que foi interceptado nada aconteceu (4). Administração de medicamentos é um processo que compreende: aquisição, recebimento, armazenamento, prescrição, aprazamento, transcrição, aceite, dispensação, preparo e administração. A administração de medicamentos é um dos tipos de eventos adversos na assistência relacionados a procedimentos; todavia erros de medicação ocorrem, não somente durante a administração do medicamento propriamente dita, mas, em todas as etapas do sistema. Todos aqueles envolvidos na implementação da terapia medicamentosa, desde as instituições o farmacêutico, e os demais profissionais de saúde são responsáveis pela prevenção dos possíveis erros de medicação e por promover praticas segura. Porém, na área da saúde a equipe de enfermagem realiza o processo de administração do medicamento é sobre esta, que cai mais fortemente a responsabilidade pelo o erro (5). O processo de administração de medicação é composto por seis etapas: revisão e validação da prescrição, separação e distribuição do medicamento, preparação e administração do medicamento, monitoramento da ação ou reação do medicamento (6). Os erros descritos tanto na literatura nacional como na internacional são relacionados conforme descrição à seguir (7). Erros de omissão: qualquer dose não administrada até o próximo horário de medicação. Erros na administração de um medicamento nãoautorizado: a administração de um medicamento ou dose de medicamento não-prescrito pelo o médico. Erro de dose extra: da administração de uma ou mais unidades de dosagem, além daquela prescrita. Erro referente á via administração: pela via errada ou por uma via que não a prescrita. Erros de dosagem: erros com a administração do medicamento em dosagens diferentes daquelas prescritas pelo médico. Erros de horário: devido ao horário incorreto de administrar o medicamento; fora dos horários pré-definido pela instituição ou da prescrição aprazada. Erros devido ao preparo incorreto do medicamento. Medicamento incorretamente formulado ou manipulado. Diluição ou reconstituição incorreta ou inexata, falha ao agitar suspensões, diluição de medicamentos que permitam esse procedimento, mistura de medicamentos que são física ou quimicamente incompatíveis e embalagem inadequada do produto. Erros devido à utilização de técnicas incorretas na administração. Uso de procedimentos inconveniente ou técnicas impróprias, como falhas nas técnicas de assepsia e das lavagens das mãos. Erros com medicamentos deteriorados. Administração de medicamento com comprometimento da integridade física ou química. Estes erros citados até então, referem-se à etapa de administração de medicação, no entanto, existem outros tipos de erros relacionados a outras etapas do processo que incluem: Erros de prescrição: prescrição imprópria de um medicamento, como dose incorreta; rótulos incorretos ou inadequados; preparação incorreta ou inapropriada distribuição de medicamento com data expirada; medicamento estocado de maneira imprópria ou ainda comprometido física ou quimicamente. Erros potenciais: são aqueles que ocorreram na prescrição, distribuição ou administração dos medicamentos, mas que não causaram dano ao paciente. Os erros na medicação também podem estar relacionados com: 23

3 A deficiência da formação acadêmica, inexperiência, negligencia e desatenção. Desatualização quanto aos avanços tecnológicos e científicos em procedimentos definidos. Ao manuseio de equipamentos, e sobre carga de trabalho. Pontos críticos que contribuem para o erro de medicação: Não conferir a medicação com a prescrição médica; Não checar a presença de alergia; Administrar o medicamento sem conferir a pulseira de identificação; Não realizar os cincos certos da administração de medicamentos; Desconhecer a medicação que será administrada; Prescrição médica ilegível; Não respeitar o horário de preparo para a administração; Nomes parecidos de pacientes favorecendo erro. Outros fatores que podem contribuir para o erro é a ausência da execução diária de fatores como: Aprazamento: É o momento em que o enfermeiro analisa a prescrição médica e, utilizando seus conhecimentos sobre medicamentos, estipula horários para sua administração, de acordo com os intervalos prescritos pelo médico e a rotina de aprazamento vigente. Prescrição médica de medicamento se necessário (SN) consiste na medicação que deverá ser feita ao paciente se for necessário. O enfermeiro deverá ter prudência ao determinar a necessidade da administração, não havendo necessidade de pedir autorização ao médico para administrá-la. Geralmente o médico estabelece intervalos para a administração da medicação. Prescrição médica a critério médico (ACM): Consiste na medicação que antes de ser administrada, exige que a enfermeira responsável pelo paciente consulte o médico titular ou o médico plantonista, ou seja, não há a administração sem a confirmação médica (8). A fim de prevenir erros de medicação, enfermeiros comumente utilizam a prática de verificação dos cinco certos, que estão intimamente relacionados, sendo eles: Paciente certo, droga certa, via certa, dose certa, hora certa (9). Outros três cuidados foram recentemente incorporados à administração de medicamentos: 1. O enfermeiro juntamente com sua equipe de enfermagem deverá ler e analisar a prescrição como um todo da esquerda para direita no início de cada plantão, sendo uma ação de extrema importância; 2. O direito de o paciente recusar o medicamento; 3. Documentação correta. Que totalizam oito cuidados no processo de administração de medicamentos, mas que apenas algumas instituição de saúde adota todos esses princípios implementando prescrição médica eletrônica, protocolos e rotinas com cuidados gerais no processo medicamentoso, aprazamento de medicação como responsabilidade do enfermeiro. Pesquisa recente da Joint Commission destaca a qualidade das questões de segurança de medicamentos a pesquisa indica que uma instituição pode diminuir substancialmente eventos adversos de drogas usando três estratégias: Identificando processos de alto risco; Identificando erros antes que eles atinjam o paciente; Desenvolvendo sistemas que rapidamente mitiguem os efeitos de qualquer dano causado a um paciente (10). Ressalta ainda que a administração de medicamentos é um processo complexo. São necessários recursos direcionados a líderes da instituição, médicos, enfermeiras e farmacêuticos assim como a pacientes. É preciso desenvolver estratégias que sejam comprovadas, práticas e mensuráveis para ajudar a desenvolver a melhor abordagem para a administração de medicamentos (10). Documentação: Anotar nas evoluções e anotações de enfermagem todo e qualquer intercorrência, principalmente relacionadas a medicação, pois será a partir de dados relevantes que se tomam condutas de melhorias, como: implementação da educação continuada treinamentos reciclagem. Identificação do paciente com código de barras: Identificar o paciente com pulseira contendo nome, número do prontuário com código de barras é um procedimento pratico e simples que é de grande participação para a minimização dos erros de medicação, e segurança do paciente em todo e quaisquer procedimentos. Mas infelizmente este protocolo está presente apenas em algumas instituições de saúde. No processo da administração de medicamentos, a enfermeira desempenha um papel essencial, podendo executar ações que incluem da avaliação clínica e laboratorial diária do paciente ao planejamento do aprazamento da prescrição (estabelecimento dos horários de administração dos medicamentos), no intuito de evitar complicações relacionadas à via de administração, toxicidade dos medicamentos e assim entendido, constata-se que o aprazamento dos medicamentos carece de maior atenção dos enfermeiros, tanto no campo prático quanto no investigativo (10). A Joint Commission on Accreditations of Healthcare Organizations (JCAHO), organização não-gorvenamental americana que avalia a qualidade dos serviços de hospitalares dentro e fora dos EUA, recomenda que existam ferramentas para medir e monitorar a performance de uma instituição, propondo, que exista uma análise crítica sobre as causas de sua ocorrências e sugere implantação de medidas de qualidade. Influenciados pelos programas de acreditação hospitalar já concedido a hospitais brasileiros, muitas instituições vêm padronizando processos e adotando a notificação de eventos adversos como um indicador para o gerenciamento de qualidade em seus serviços garantindo assim a segurança do paciente e profissionais envolvidos no processo de administração de medicamentos (11). No processo de administração medicamentos deve-se ter em conta: Se o medicamento contém substâncias sujeitas a controle especiais como, faixa etária a quem se destina a medicação terapêutica, crianças, jovens, a pacientes idosos grupos farmacológicos, descrição da ação, reação e interação das drogas posologia, prescrição medica com aprazamento, 24

4 diluição e tempo de infusão, è importante que a enfermagem saiba identificar e apontar os fatores de risco para não cometer erro levando em conta os seguintes critérios: - Verificar no prontuário presença de alergias (identificação com etiqueta de alergia e descrição da substância a que o paciente refere ser alérgico, que deverá constar na avaliação inicial, capa externa do prontuário, e em todas as folhas da prescrição médica) ou, caso não esteja anotado, certificar-se por segurança com o paciente. - Fazer leitura global da prescrição médica, da esquerda para direita: nome do medicamento, dose, via freqüência, horários aprazados. - O processo de administração de medicamento deve ser individual, desde o seu início até a realização da administração no paciente. - A prescrição médica é indispensável no momento do preparo da medicação. O profissional que administra a medicação deve ter suficiente conhecimento sobre o medicamento á ser administrado (12). - Não conversar durante o processo de preparação de medicamentos. - Enquanto prepara o medicamento deve ter sempre à frente a bula do medicamento prescrição médica aprazada pelo o enfermeiro com horário, diluição, tempo de infusão e via. - Ao preparar a medicação, identificar corretamente a mesma com descrição da medicação contendo dose, horário, via, nome e leito do paciente. - Não tocar as mãos em pastilhas, drágeas, cápsulas, comprimidas. - Antes de administrar o medicamento, deve-se esclarecer ao paciente qualquer duvida existente. - Lembrar a regra dos cinco certos, e conseqüentemente dos três novos cuidados somente após administrar a medicação é que se deve dar baixa, e nunca antes, fazer sempre a anotação no relatório sempre que o medicamento não for administrado indicando qual o motivo. O enfermeiro deve ter conhecimento do seu papel com relação à assistência de enfermagem e principalmente na segurança do paciente, pois é de sua responsabilidade os atos de erros cometidos pela sua equipe, desde assistência mal prestada até o erro com a administração de medicamentos. Por essa e outras razões, é de completa competência do enfermeiro executar, planejar e coordenar seu ambiente de trabalho, realizando e implementando ações que miniminize os erros. Para que a enfermagem consiga controlar o processo de medicação sob sua responsabilidade, garantindo a segurança do paciente, fazemse necessários programas de educação continuada e incorporado a tecnologias, nova condutas e avanços no sistema de informação na pratica assistencial. Algumas estratégias são capazes de reduzir os erros de medicação relacionados a pratica da enfermagem, tais como implementação de prescrições informatizadas, dose unitária, uso de códigos de barras e bombas de infusão inteligentes, identificação do paciente contendo nome e registro do prontuário, prescrição médica com aprazamento, contendo horário, via, dose escrita de forma clara, quando por via endovenosa, tempo de infusão e cuidados concernentes a administração e monitorização, conforme a diluição, tempo de infusão, no ato da preparação deve-se estar com a prescrição, à realização da leitura da prescrição juntamente com o profissional, que irá exultá-la dupla checagem durante o manuseio e administração do mesmo (13). CONCLUSÃO Como a base da enfermagem é o cuidado, considera-se relevante que seja prestado de forma humanizada com uma visão ampla do processo do cuidado, pois o erro de medicação é uma questão multidisciplinar e as circunstâncias que o envolvem são multifatorias se limitando apenas a uma categoria profissional. É importante a reflexão da enfermagem sobre o papel que ele desempenha no local de trabalho, avaliar seus princípios, crenças e educação, além de considerar também os princípios culturais do paciente e da família. É de grande importância a participação do enfermeiro em todo momento da assistência prestada ao paciente, com a visão de que a administração de medicamentos é um dos fatores mais propícios a ocorrência de erros causando prejuízos aos pacientes que vão desde o não-recebimento do medicamento necessário até lesões e morte. A prática de medicação em uma organização hospitalar pode ser definida como um sistema complexo, com vários processos interligados, interdependentes e constituído por profissionais de diferentes áreas do conhecimento (médicos, equipe da farmácia e de enfermagem) que compartilham de um objetivo comum à prestação da assistência á saúde dos pacientes com qualidade, eficácia e segurança. O enfermeiro deve assumir que, nas atividades não existem tarefas menos importante, mas menos complexas, e que dentro de uma equipe de trabalho os resultados devem ser seguidos colocando os esforços da equipe a frente de metas individuais. REFERÊNCIAS 1. Bohomol ER. Erro de medicação: importância da notificação no gerenciamento da segurança do paciente. Rev Bras Enferm 2007; Melo R, Sílvia D. Segurança na terapia medicamentosa: uma revisão bibliográfica. Esc Anna Nery Rev Enferm 2008; 12(1): Grou R, Miasso I, Cassiani B, Silvia C., Fakin T. Erros de medicação: tipos, fatores causais e providencias em quatro hospitais brasileiros. Rev Esc Enferm USP 2006; 40(4): Cassiani B. Segurança do paciente e o paradoxo no uso de medicamentos. Rev Bras Enferm 2005; 58(1): Pertelini S, Chaud N. Órfão de terapia medicamentosa: administração de medicamentos por via intravenosa em crianças hospitalizadas. Rev Latino-am Enfermagem 2003; Yakamana TI, Pereira DG, Pereira MLG, Peterline, MAS. Redesenho das atividades de enfermagem para redução 25

5 de erros de medicação em pediatria. Rev Bras Enferm, 2007; 60(2): Kawano F, Pereira LM, Freitas O. Acidentes com os medicamentos: Como minimizá-los? Braz J Pharm Sciences 2006; 42(4). 8. Cassiani B, Silvia C. Administração de medicamentos: uma visão sistêmica para o desenvolvimento de medidas preventivas dos erros na administração. Rev Eletron Enferm 2004; 6(2). 9. Camargo B. Cassiani B, Oliveira C. Estratégias para prevenção de erros na medicação no setor de emergência. Rev Bras Enferm 2005; 58(4). 10. Joint Commission International [página na Internet]. EUA: Joint Commission International: segurança de medicamentos. [cited on 2009 Oct 11]. Available from: 11. Cassiani T. Administração de medicamentos: aquisição de conhecimentos e habilidades requeridas por um grupo de enfermeiros. Rev Latino-am Enfermagem 2004; 12(3). 12. Miasso I, Silvia C. O processo de preparo e administração de medicamentos: identificação de problemas para propor melhoria e prevenir erros de medicação. Rev Latino-am Enferm 2006; 14(3). 13. Gimenes FRE, Miasso AI, Lyra Junior DP, Grou CR. Prescrição Eletrônica como fator contribuinte para segurança de pacientes hospitalizados. Pharmacy Practice 2006; 4(1):

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

Prevenção do Erro e o Medicamento

Prevenção do Erro e o Medicamento Prevenção do Erro e o Medicamento Daniela Garcia 26 de março de 2015 Diretora dos Serviços Farmacêuticos Erro de medicação Qualquer evento evitável que pode causar dano ao doente ou dar lugar à utilização

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. POP nº 05 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 11/12/2015 Elaborado

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

Gerenciamento de Riscos a Saúde

Gerenciamento de Riscos a Saúde Gerenciamento de Riscos a Saúde O papel da Prescrição Eletrônica e Rastreabilidade na administração segura de medicamentos Serviço de Informática /CAISM Profa Dra Roseli Calil Hospital da Mulher Prof.

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Requisitos comuns a todos as subseções Planeja as atividades,

Leia mais

ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO

ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO Autor: Celiane Crivelli Alves Co-autores: Ana Cristina Rossetti Raquel A. dos Santos Tatiana de Carvalho Ramos Cláudio Alves de Souza Carla

Leia mais

Análise das publicações sobre administração de medicamentos na assistência de enfermagem: revisão integrativa

Análise das publicações sobre administração de medicamentos na assistência de enfermagem: revisão integrativa Análise das publicações sobre administração de medicamentos na assistência de enfermagem: revisão integrativa Rafael Pires Silva 1, Bruna Maiara Ferreira Barreto 2, Danielle Moura Tenório 3, Alessandra

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

Palavras-chave: Prescrição e dispensação de Medicamentos. Erros de Medicação. Segurança do paciente.

Palavras-chave: Prescrição e dispensação de Medicamentos. Erros de Medicação. Segurança do paciente. INCONFORMIDADES ENCONTRADAS NO AMBIENTE HOSPITALAR REFERENTE ÀS MEDICAÇÕES Andressa Ranzani Nora Mello* Liliane Giglio Figueiredo Pereira** RESUMO Erros de medicação são efeitos adversos evitáveis que

Leia mais

ERROS DE MEDICAÇÃO. ¹Alunos do curso de Graduação em Enfermagem do Instituto de Ensino Superior de Londrina INESUL;

ERROS DE MEDICAÇÃO. ¹Alunos do curso de Graduação em Enfermagem do Instituto de Ensino Superior de Londrina INESUL; ERROS DE MEDICAÇÃO Joyce Martha Gonçalves¹, Suely Belchior¹, Pamela Angeline Trindade Oliveira¹, Karoline Rosa Silva¹, Fernanda Gomes Moura¹, Ednalva Guizi² RESUMO Esta pesquisa foi realizada com o objetivo

Leia mais

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo Farmacêutica, graduada em Farmácia pela Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Farmacologia pela Universidade Federal de Lavras

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

MATRIZ DE PRIORIZAÇÃO GUT ERRO DE MEDICAÇÃO. Rosangela Jeronimo

MATRIZ DE PRIORIZAÇÃO GUT ERRO DE MEDICAÇÃO. Rosangela Jeronimo MATRIZ DE PRIORIZAÇÃO GUT ERRO DE MEDICAÇÃO Rosangela Jeronimo 2011 HOSPITAL SANTA CRUZ Filantrópico Foco na comunidade japonesa Localizado no bairro da Vila Mariana São Paulo 166 leitos destinados a internação

Leia mais

IATROGENIA MEDICAMENTOSA: a culpa é humana, ou o culpado é o sistema?

IATROGENIA MEDICAMENTOSA: a culpa é humana, ou o culpado é o sistema? IATROGENIA MEDICAMENTOSA: a culpa é humana, ou o culpado é o sistema? Maria Raquiel Salvador dos Santos 1, Bruna de Carvalho Biagioni 2, Ana Lucia De Faria 3, Teresa Celia de Mattos Moraes dos Santos 4

Leia mais

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Da Prescrição à Administração do Medicamento Sofia Valongo Serviços Farmacêuticos 26-09-2015 OBJETIVO 2 Descrever o papel do Farmacêutico na implementação

Leia mais

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Introdução O tema Segurança do Paciente se transformou em preocupação, nas instituições de saúde, a partir de 2003

Leia mais

HFMEA TIME DE FLUXO TAUBATÉ.xls O = Ocorrência pode ser 1 = baixa, 4 e 7 = média e 10= alta

HFMEA TIME DE FLUXO TAUBATÉ.xls O = Ocorrência pode ser 1 = baixa, 4 e 7 = média e 10= alta Etapa Tipo de falha Efeito da falha Consequência Controle e detecção S O D Risco Ação Responsável Medida implantada S O D Risco Não há 10 7 10 700 10 7 10 700 2 protocolo de 2 protocolo de prevenção de

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC Quedas são eventos adversos em que um indivíduo cai inadvertidamente ao chão ou em outro nível. Isto pode ser devido a um escorregão ou tropeço, perda do equilíbrio

Leia mais

Ciclo de palestras Gerenciamento de Risco HCC

Ciclo de palestras Gerenciamento de Risco HCC Ciclo de palestras Gerenciamento de Risco HCC Segurança na administração de medicamentos Apresentação cedida pela Enfª Christa Schmiedt Os 13 certos no HCC Prescrição correta Paciente certo Medicamento

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PRÉ-TREINAMENTO PARA MEDICAÇÕES ENDOVENOSAS

DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PRÉ-TREINAMENTO PARA MEDICAÇÕES ENDOVENOSAS DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PRÉ-TREINAMENTO PARA MEDICAÇÕES ENDOVENOSAS Ana Leticia Dias Semtchuk 1 ; Gabryella Caparós Pimentel 2 ; Lilian Gatto 3 ; Willian Augusto de Melo 4 RESUMO: A Educação Permanente

Leia mais

Prescrição Médica Versão de Sistema: 11.8.0.0. Novembro 2014 Versão do documento: 3.0

Prescrição Médica Versão de Sistema: 11.8.0.0. Novembro 2014 Versão do documento: 3.0 Prescrição Médica Versão de Sistema: 11.8.0.0 Novembro 2014 Versão do documento: 3.0 Índice Título do documento 1. Objetivo... 3 2. Prontuário Eletrônico do Paciente... 3 3. Prescrição Médica... 4 3.1.

Leia mais

ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE O SISTEMA DE MEDICAMENTO EM UNIDADE DE EMERGÊNCIA

ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE O SISTEMA DE MEDICAMENTO EM UNIDADE DE EMERGÊNCIA ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE O SISTEMA DE MEDICAMENTO EM UNIDADE DE EMERGÊNCIA Nadja Maria dos Santos (Docente UPE); Thereza Christina da Cunha Lima Gama (Docente UPE); Priscylla

Leia mais

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM DOSE UNITÁRIA - OPINIÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE AS MUDANÇAS NO PROCESSO DE TRABALHO

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM DOSE UNITÁRIA - OPINIÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE AS MUDANÇAS NO PROCESSO DE TRABALHO DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM DOSE UNITÁRIA - OPINIÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE AS MUDANÇAS NO PROCESSO DE TRABALHO FARHAT,Eleide Margarethe 1 SANTOS, Danielle Teixeira 2 TOMCZAK, Maria Isabel 3 AMARAL,

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Farmacêutica Priscila Xavier

Farmacêutica Priscila Xavier Farmacêutica Priscila Xavier A Organização Mundial de Saúde diz que há USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS: quando pacientes recebem medicamentos apropriados para suas condições clínicas, em doses adequadas às

Leia mais

GERENCIAMENTO E USO SEGURO DOS MEDICAMENTOS. O papel da Farmácia no contexto hospitalar atual vai além da distribuição e dispensação de medicamentos.

GERENCIAMENTO E USO SEGURO DOS MEDICAMENTOS. O papel da Farmácia no contexto hospitalar atual vai além da distribuição e dispensação de medicamentos. GERENCIAMENTO E USO SEGURO DOS MEDICAMENTOS O papel da Farmácia no contexto hospitalar atual vai além da distribuição e dispensação de medicamentos. O farmacêutico atual tem participação nos processos

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Prescrição Médica. 12.1.x. julho de 2015. Versão: 4.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Prescrição Médica. 12.1.x. julho de 2015. Versão: 4.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Prescrição Médica 12.1.x julho de 2015 Versão: 4.0 1 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Prontuário Eletrônico do Paciente... 3 3 Prescrição Médica... 4 3.1 Nova Prescrição

Leia mais

REBEn. ercepção da equipe de enfermagem sobre

REBEn. ercepção da equipe de enfermagem sobre Revista Brasileira de Enfermagem REBEn PESQUISA Per ercepção da equipe de enfermagem sobre fatores causais de erros na administração de medicamentos Perception of the nursing team about causes of errors

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

08/11/2012. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012

08/11/2012. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Módulo 3 Sistemas de Distribuição Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 1 Erros de medicação ERRAR É HUMANO!!

Leia mais

Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico. Sandra Abrantes Krug Seabra

Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico. Sandra Abrantes Krug Seabra Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico Sandra Abrantes Krug Seabra Outubro 2010 Agenda Gerenciamento de Risco Fatores Críticos de Sucesso Estamos fazendo certo? Gestão = Administração Administrar:

Leia mais

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica 21-Maio-2014 1 O que (quem) é a Cadeia Terapêutica Medicamentosa? 2 É um sistema complexo de fornecimento de medicação.

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

Metas Internacionais de Segurança do paciente

Metas Internacionais de Segurança do paciente Metas Internacionais de Segurança do paciente 2011 Missão Defender a saúde da comunidade e contribuir para o aprimoramento do Sistema Único de Saúde Visão Ser reconhecido nacionalmente pela excelência

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO

II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO Necessidade de Atendimento e Riscos à saúde Complexidade do Sistema de Atenção à Saúde. Difíceis interações entre

Leia mais

Orientações para elaboração de documentos utilizados no gerenciamento e assistência de enfermagem

Orientações para elaboração de documentos utilizados no gerenciamento e assistência de enfermagem Orientações para elaboração de documentos utilizados no gerenciamento e assistência de enfermagem REGIMENTO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM De acordo com Paulina Kurcgant (1991): O regimento interno é o ato normativo

Leia mais

Gerenciamento de Riscos a Saúde

Gerenciamento de Riscos a Saúde Gerenciamento de Riscos a Saúde Ações de Farmacovigilância no CAISM/UNICAMP Profª Drª Roseli Calil FARMACOVIGILÂNCIA NO BRASIL Perfil de RAM Fatores de risco Inefetividade Avaliação benefício/risco Segurança

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA Neste módulo vamos tratar de situações que envolvem dúvidas quanto à melhor maneira de agir e as práticas permitidas ou não pela legislação, mas que, comumente,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Segurança na Administração de Medicamentos : Erros na Prescrição e Dispensação de Medicamentos Andrea Almeida Tofani Email: farm.hc1.hospitalar@inca.gov.br Novembro 2010 Segurança

Leia mais

Definir protocolo para garantir a segurança no uso de medicamentos de alta vigilância no Hospital São Paulo.

Definir protocolo para garantir a segurança no uso de medicamentos de alta vigilância no Hospital São Paulo. 1. INTRODUÇÃO Os medicamentos de Alta Vigilância são aqueles que possuem risco aumentado de provocar danos significativos aos pacientes em decorrência de falha no processo de utilização. Os erros que ocorrem

Leia mais

Índice: Expediente. Elaboração e organização: Renata Zaccara - Farmacêutica Clínica. Diagramação: Impressão: Ano 2010. Pág. 2 ...

Índice: Expediente. Elaboração e organização: Renata Zaccara - Farmacêutica Clínica. Diagramação: Impressão: Ano 2010. Pág. 2 ... ... Pág. 1 Índice: O QUE PRECISO SABER SOBRE OS MEDICAMENTOS QUE ESTOU TOMANDO? 01 ONDE E COMO DEVO GUARDAR E/OU DESPREZAR OS MEDICAMENTOS? QUAIS CUIDADOS DEVO TER COM AS INSULINAS? INFORMAÇÕES GERAIS

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 Assunto: Responsabilidade pelo Controle, Guarda e Dispensação de Medicamentos de Pesquisa Clínica. 1. Do fato Solicitado parecer sobre o controle, guarda e dispensação

Leia mais

Informação de segurança muito importante para os profissionais de saúde que prescrevem, dispensam e administram

Informação de segurança muito importante para os profissionais de saúde que prescrevem, dispensam e administram Informação de segurança muito importante para os profissionais de saúde que prescrevem, dispensam e administram Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Versão 1, março 2014 ATENÇÃO: Risco

Leia mais

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503.

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. Ementa: Possibilidade de recusa na administração de um medicamento (preparado/diluído) por outro profissional. Administração

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission

Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission Mesa redonda: O Papel do enfermeiro na segurança do paciente e nos resultados do atendimento Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission Cristiana Martins Prandini

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop Hospital Nossa Senhora da Conceição SERVIÇO DE FARMÁCIA STELLA GOULART LAMEIRA Farmacêutica-Bioquímica Especialista

Leia mais

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE POR QUE? Porqueo paciente é colocado sob risco durante uma intervenção feita para melhorar sua saúde! Porque causam-se danos ao paciente durante os cuidados

Leia mais

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / /

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / PERFIL DO PACIENTE : Encaminhamento Equipe Alta Hospitalar Busca Ativa Outra Nome: Cartão SUS: Data de nascimento: Idade: Gênero: Masculino Feminino

Leia mais

Indicadores do Programa Nacional de Segurança do Paciente

Indicadores do Programa Nacional de Segurança do Paciente Indicadores do Programa Nacional de Segurança do Paciente Profa. Dra. Sonia Lucena Cipriano Diretora Técnica de Saúde Serviço de Farmácia Instituto do Coração do Hospital das Clínicas FMUSP. Abril 2014

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL

RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL Adriana Baptista da Cruz Löffel Coordenadora de Farmácia ACCamargo Cancer Center Especialista em Farmacologia Clínica CONCEITOS Reconciliar = ato de restabelecer

Leia mais

Movimento da Farmácia Clínica no Brasil

Movimento da Farmácia Clínica no Brasil Farmácia Clínica Marinei Ricieri 1 Movimento da Farmácia Clínica no Brasil Disciplinas ofertadas (optativas e obrigatórias) nos cursos de graduação Programas de Residência Multiprofissional em hospitais

Leia mais

11º Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Segurança na Terapia Intravenosa

11º Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Segurança na Terapia Intravenosa 11º Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Segurança na Terapia Intravenosa Bruno Viana de Andrade Enfermeiro do Serviço de Oncologia do Hospital Mater Dei Belo Horizonte MG 2014 História

Leia mais

Sistema Informatizado com Foco na Segurança do Paciente. Simone Mahmud

Sistema Informatizado com Foco na Segurança do Paciente. Simone Mahmud Sistema Informatizado com Foco na Segurança do Paciente Simone Mahmud 28 a 56% dos Eventos Adversos são preveníveis Erros devido a prescrição ilegível Interações negligenciadas, erro de dose Intervenções

Leia mais

Eventos adversos relacionados à assistência

Eventos adversos relacionados à assistência Eventos adversos relacionados à assistência em serviços de saúde - Medicamentos Farmacêutico Sergio Matthies Junior Joinville SC VII Seminário Nacional de Acreditação Assistência Segura ao Paciente: uma

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

META 1. Identificar os pacientes corretamente

META 1. Identificar os pacientes corretamente META 1 Identificar os pacientes corretamente Identificar, com segurança, o paciente como sendo a pessoa para a qual se destina o serviço e/ou procedimento. Como atendemos a esta meta: Utilizando a dupla

Leia mais

HEALTHCARE SOLUTIONS GESTÃO INTEGRADA DE MEDICAMENTOS PARA HOSPITAIS INOVADORES

HEALTHCARE SOLUTIONS GESTÃO INTEGRADA DE MEDICAMENTOS PARA HOSPITAIS INOVADORES HEALTHCARE SOLUTIONS GESTÃO INTEGRADA DE MEDICAMENTOS PARA HOSPITAIS INOVADORES UMA LONGA HISTÓRIA DE INOVAÇÃO EM SISTEMAS AUTOMATIZADOS SEGUROS E EFICIÊNTES PARA GESTÃO DE MEDICAMENTOS SOB MEDIDA «SWISSLOG,

Leia mais

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes AUDITORIA EM ENFERMAGEM UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes Conceito AUDITORIA é uma avaliação sistemática e formal de

Leia mais

SERVIÇO FARMACÊUTICO EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

SERVIÇO FARMACÊUTICO EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA SERVIÇO FARMACÊUTICO UMA UNIDADE DE ERGÊNCIA Junior André da Rosa Blumenau, 23 de maio de 2014 DECLARAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver nenhum conflito de interesse nesta apresentação. Parte

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO 1. A comunicação durante o processo de enfermagem nem sempre é efetiva como deveria ser para melhorar isto, o enfermeiro precisa desenvolver estratégias de

Leia mais

SÃO CONSIDERADAS COMO QUEDAS AS SEGUINTES SITUAÇÕES: FATORES QUE PREDISPÕEM AO RISCO PARA QUEDA

SÃO CONSIDERADAS COMO QUEDAS AS SEGUINTES SITUAÇÕES: FATORES QUE PREDISPÕEM AO RISCO PARA QUEDA PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS: É a assistência multidisciplinar no monitoramento e implementação de medidas para prevenção de quedas em pacientes internados, em atendimento no Pronto Socorro e nos Serviços

Leia mais

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral 2º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus Enfª Érika Moreti Campitelli Antineoplásico oral: Atualmente

Leia mais

PARECER CRM/MS N 30/2012 PROCESSO CONSULTA CRMMS N 18/2012 INTERESSADO: DR. J.C.A. CONSULTA:

PARECER CRM/MS N 30/2012 PROCESSO CONSULTA CRMMS N 18/2012 INTERESSADO: DR. J.C.A. CONSULTA: PARECER CRM/MS N 30/2012 PROCESSO CONSULTA CRMMS N 18/2012 INTERESSADO: DR. J.C.A. CONSULTA: O Dr. J.C.A., Diretor Clínico/Técnico do Hospital Unimed Campo Grande, solicita parecer a respeito do atendimento

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL PROFICIÊNCIA

PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL PROFICIÊNCIA Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT1: A importância do processo histórico no desenvolvimento da Terapia Intravenosa (TI): da anatomia à fisiologia

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO MÉDICA Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECÉITA MÉDICA CONCEITO Solicitação escrita, com instruções detalhadas, sobre o medicamento a ser dado ao paciente: Quantidade

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

BIBLIOTECA LAS CASAS Fundación Index http://www.index-f.com/lascasas/lascasas.php

BIBLIOTECA LAS CASAS Fundación Index http://www.index-f.com/lascasas/lascasas.php BIBLIOTECA LAS CASAS Fundación Index http://www.index-f.com/lascasas/lascasas.php Cómo citar este documento Portz, Aline; Franco da Silva, Eveline; Lorenzini, Elisiane. Erros de medicação em pediatria:

Leia mais

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC 1- Introdução O propósito das Metas Internacionais de Segurança do Paciente é promover melhorias específicas

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Conjunto de Políticas Institucionais de Qualidade e Segurança do Paciente

Conjunto de Políticas Institucionais de Qualidade e Segurança do Paciente Conjunto de Políticas Institucionais de Qualidade e Segurança do Paciente I - Política de Identificação do Paciente Todo paciente deve ser identificado pelo nome completo e data de nascimento. Os dois

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS CARGO: ALMOXARIFE a) Descrição Sintética: Zelar pelo Patrimônio Público. b) Descrição Analítica: Controlar as mercadorias de uso da administração municipal;

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Aprova as diretrizes e estratégias para organização, fortalecimento e aprimoramento das ações e serviços de farmácia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA

A RESPONSABILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA 43 A RESPONSABILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO MEDICAMENTOSA Maria da Conceição Protázio de Oliveira 1 Celia Akemi Kanashiro 2 RESUMO A administração de medicamentos é um procedimento básico

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO Jonas Ricardo Munhoz 1 Johnny Trovó Rota 1 Raquel Soares Tasca 2 Marco Antonio Costa 2 Os estudos da utilização

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR)

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) 1 - OBJETIVO Este protocolo tem por objetivo padronizar o atendimento à parada cardiorrespiratória (PCR), para um atendimento rápido e organizado,

Leia mais

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS.

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS. Introdução AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS. Iris Iasmine de Rezende Araújo (UEG), Jessyka Cordeiro de Godoi (UEG), Flavio Marques Lopes (UEG) flaviomarques@ueg.br

Leia mais

Orientações sobre o uso correto dos medicamentos.

Orientações sobre o uso correto dos medicamentos. Orientações sobre o uso correto dos medicamentos. O quê preciso saber sobre os medicamentos do paciente? Antes de administrar qualquer medicamento, verifique: O nome: alguns medicamentos têm nomes parecidos,

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Introdução Em 2009, o Ministério da Saúde (MS) do Brasil mudou seu esquema de tratamento

Leia mais

FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS

FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS Para uso de profissionais da saúde, hospitais, clínicas, farmácias

Leia mais