Propuesta de estudio para el mapeo y definición de la Industria Brasilera de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Propuesta de estudio para el mapeo y definición de la Industria Brasilera de Software"

Transcrição

1 Propuesta de estudio para el mapeo y definición de la Industria Brasilera de Software San Salvador, febrero / 2008 IV TALLER SOBRE LA MEDICIÓN DE LA SOCIEDAD DE LA INFORMACIÓN

2 Motivação Prioridade do software na PITCE (Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior) trouxe nova dinâmica para o setor. POR QUE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO? Tornou maior a necessidade de informações precisas e consistentes sobre a indústria brasileira de software e serviços. Brasil não consegue fornecer dados básicos sobre o setor, com periodicidade regular e consistência. O levantamento de informações setoriais básicas é realizado a partir de aproximações. É fruto de iniciativas isoladas e pontuais.

3 Motivação POR QUE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO? Dados produzidos com metodologias e conceitos diferentes. Alguns exemplos: Exportação de software e serviços (2004): Empresas de software e serviços: US$ 314 milhões SOFTEX PAS/IBGE ABES/IDC, 2005 US$ 126 milhões ABES/IDC Mercado de software e serviços - Brasil (2005): US$ 7,41 bilhões ABES/IDC US$ 11,31 bilhões Série Estudos

4 POR QUE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO? MDIC, SEPIN/MCT, BNDES, IBGE, FINEP, SOFTEX, ABES, ASSESPRO e UFRJ: GT para discutir e propor a construção de um Sistema de Informação. SOFTEX recebe tarefa de coordenar o projeto Motivação Projeto aprovado pelo MCT (Ministério da Ciência e Tecnologia) em outubro.

5 Objetivo OBJETIVOS E PREMISSAS DO SISTEMA Conceber e implantar um sistema de informação sobre o setor de software e serviços de TI, eliminando gargalo estrutural de dados e informações. Produtos do SIBSS: Site de acesso irrestrito, com informações e dados sobre o setor. Publicação anual com análise de dados.

6 Público amplo: governo, empresas, academia, mídia Uso de terminologia e indicadores aceitos internacionalmente Premissas OBJETIVOS E PREMISSAS DO SISTEMA Sustentabilidade: Recursos públicos e privados Comercialização de subprodutos Aproveitamento de bases já existentes Legitimidade e confiabilidade dos dados: Parceria com IBGE e outras entidades públicas e privadas Painéis de compromisso para validação do Sistema.

7 Visão O SIBSS deverá: I) Transformar-se na principal fonte de referência para: Tomada de decisões de políticas públicas OBJETIVOS E PREMISSAS DO SISTEMA Tomada de decisões empresariais Mídia nacional e internacional Pesquisas acadêmicas II) Fortalecer a imagem de software e serviços brasileiros,divulgando informações e dados da IBSS

8 Fases FASE 1 FASE 2 FASE 3 Maio/07 Out/07 Set/07 Mar/08 Mar/08 Maio/08 OBJETIVOS E PREMISSAS DO SISTEMA DESENHO DESENVOLVIMENTO ENTREGA

9 O sucesso do SIBSS requer a construção e consolidação de uma rede de parceiros. Rede Equipe operacional: coordenada pela Sociedade SOFTEX e responsável pela implantação e manutenção do SIBSS. OBJETIVOS E PREMISSAS DO SISTEMA Fornecedores de bases de dados: Fornecimento de dados com padrão e periodicidade determinados. Usuários: participação nos Painéis de Compromisso e uso intensivo do Sistema.

10 Desafio I Consciência de que o usuário é fornecedor potencial dos dados. DESAFIOS Empresas privadas Entidades de classe Órgãos do governo Alinhamento quanto à relevância do Projeto. Convergência de propósitos. Integração de esforços visando à busca de padrão conceitual e metodológico.

11 Cadeia de valor Entidades de classe Empresas filiadas SIBSS Σ Políticas públicas, mídia nacional e internacional DESAFIOS Apoio das entidades na obtenção de dados junto às filiadas. Contribuição das filiadas, fornecendo dados Retorno pelo SIBSS, de dados agregados sobre o setor, para entidades, empresas, governo e mídia em geral.

12 DESAFIOS Internacional Continental Nacional v Regional/ Local Desafio II Alinhamento a padrões internacionais. Inclusão do Brasil nas estatísticas disponíveis: OCDE, EITO, CEPAL. Unidades regionais auxiliando na coleta, armazenamento e divulgação de dados confiáveis sobre o setor.

13 Mensagem principal O SIBSS não é um Projeto de uma instituição só. É um projeto construído por todos aqueles preocupados e comprometidos em saber quem somos, quais as nossas competências e quais as nossas necessidades. DESAFIOS

14 Componentes do Sistema SUBSISTEMA 1 SUBSISTEMA 3 SUBSISTEMA 2 Capacitação Qualidade Empresa de software e serviços Usuário P&D Inovação Fomento Regulação Imagem SOBRE O SIBSS Fatores macroeconômicos / Projeto nacional SUBSISTEMA 4 SUBSISTEMA 6

15 Subsistema 5 Automação financeira E-government Empresa de software e serviços Capacitação Qualidade P&D Inovação Usuário Agronegócios Fomento Regulação Imagem Fatores macroeconômicos / Projeto nacional TV Digital SOBRE O SIBSS Automação Industrial

16 Subsistema 6 Capacitação Qualidade Empresa de software e serviços Usuário P&D Inovação Fomento Regulação Imagem Fatores macroeconômicos / Projeto nacional SOBRE O SIBSS Entidades vinculadas ao setor e as suas filiadas

17 Fontes disponíves Oficiais e privadas Com representatividade alta e baixa Com lacunas grandes e pequenas Com clara definição metodológica e conceitual ou sem definição metodológica e conceitual SOBRE O SIBSS Com âmbito bem definido e não definido

18 SOBRE O SIBSS IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) Dados de pesquisas diversas: PAS, PIA, PINTEC Representatividade e confiabilidade. Elaboração de tabelas especiais. Padrão internacional: ISIC (International Standard Industry Classification) MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) Parcerias Dados da RAIS (Relação Anual de Informações Sociais). Pesquisa de preenchimento obrigatório, com informações sobre tipo de ocupação, total de empregados em TI, etc. Padrão internacional: ISIC

19 CNAE CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS SEÇÃO: A a Q Seção K: Atividades imobiliárias, aluguéis e serviços prestados às empresas DIVISÃO (10 a 90) Divisão 72: Atividades de Informática e serviços relacionados GRUPO Grupo (72.1, 72.2, 72.3,72.4, 72.5, 72.9) CLASSE Classes 7210, 7221, 7229, 7230, 7240, 7250 e 7290

20 CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS Divisão 72 da CNAE 1.0 Empresas cuja fonte principal de receita é a Divisão 72 Empresa pertence a uma única classe da divisão. Produção secundária não é considerada. IBSS: Divisão 72 da CNAE 7210 Consultoria em hardware 7221 Desenvolvimento e edição de software pronto para uso 7229 Desenvolvimento de software sob encomenda e outras consultorias em software 7230 Processamento de dados 7240 Atividades de BD e distribuição on-line de conteúdo eletrônico 7250 Manutenção e reparação de máquinas de escritório e de informática 7290 Outras atividades de informática

21 IBSS CNAE 72 Classe Descrição da atividade Consultoria em hardware Desenvolvimento e edição de software pronto para uso % 6,5 1,8 CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS TOTAL Desenvolvimento de software sob encomenda e outras consultorias em software Processamento de dados Atividades de banco de dados e distribuição on line de conteúdo eletrônico Manutenção e reparação de máquinas de escritório e de informática Outras atividades de informática Fonte: IBGE, PAS 2005, com manuseio equipe SIBSS. 37,6 36,0 0,2 13,4 4,5 100%

22 CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS Outras divisões, grupos ou classes da CNAE Como mensurar as atividades de software e serviços? Produção secundária Software para uso próprio. Software para comercialização, como atividade secundária. Software para embarcar em produtos de fabricação própria. Serviços em TI. Estimativas a partir do pessoal ocupado em TI. Respostas à PIA-IBGE 2005.

23 Dados da PIA-BGE 2005 COD 10 Principais em termos relativos % total setor 30 Fabr Máq p/ Escr e Equip de Informática 32,6% 32 Fabr Material Eletrônico e Apar e Equip de Com 14,2% 16 Fabricação de Produtos de Fumo 12,5% CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS 23 Fabricação de Coque, Refino de Petróleo, Elab Combustíveis Nucleares e Produção de Álcool 33 Fabricação Equip de Instr Médico-Hosp, Instr de Precisão e Ópticos, Equip Aut Ind, Cron e Rel 11,8% 11,4% 21 Fabricação de Celulose, Papel e Prod Papel 10,7% 24 Fabricação de Produtos Químicos 8,0% 11 Extração de Petróleo e Serviços Relacionados 7,9% 10 Extração de Carvão Mineral 7,8% 31 Fabr Máquinas, Aparelhos e Materiais Elétricos 7,5%

24 Ocupações em TI CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS Em que setores, atividades econômicas se concentram os ocupados em TI? Quem são os ocupados em Diretores de Informática Gerentes de Informática Engenheiros em computação Administradores de redes, sistemas e banco de dados Analistas de sistema Técnicos de desenvolvimento de sistemas e aplicações TI? Técnicos em operação e monitoração de computadores Fonte: MTE. RAIS, 2005.

25 Produtos e Serviços CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS Verificação de produtos e serviços, independente da CNAE da empresa Vantagens: A receita da empresa é distribuída por cada uma das atividades que exerce. Desvantagens do Suplemento PAS: Apenas empresas com 20 ou mais ocupados da Div. 72 da CNAE.

26 Produtos e Serviços CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS Serviço de processamento de dados Serviço de processamento de dados para terceiros Exemplo Entrada de dados (digitação, escaneamento, leitura óptica, interfaceamento) Digitalização (imagens, sons, manuscritos, microfilmes ou quaisquer outras informações em meio analógico) Editoração em multimídias (foto, som, imagem, gravações de CD e DVD) Processamento de dados georreferenciadas (imagens de satélites e dados vetoriais) Aluguel de tempo de CPU para processamento de dados Outras atividades relacionadas à informática Treinamento e cursos de informática Serviço de elaboração de cartões de visita, mala direta, logotipos, etc. Venda de produtos de informática de fabricação própria (equipamentos de informática, periféricos e acessórios, etc.. Revenda de software de prateleira, computadores, peças e suprimentos de informática, não produzidos pela empresa. Locação de equipamentos de informática

27 Produtos outras divisões CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS Produtos e serviços Verificação de produtos e serviços, independente da CNAE da empresa Vantagens: Auxilia no levantamento das divisões, grupos ou classes que supostamente incluem atividades de informática. Desvantagens: As relações de produtos não trazem os produtos e serviços típicos da divisão 72.

28 Definição de âmbito Segmento de software e serviços Outras divisões Divisão 72 Produtos e serviços Empresas top; fomento para o setor; filiadas SOFTEX; etc IBSS Produção secundária 7250 Produtos e serviços 7290 CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS

29 Grau de informatização CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS Não possui computador Possui computador mas não utiliza na atividade-fim Utiliza computador na atividade-fim: software básicos Utiliza computador na atividade-fim: aplicativos verticais Contrata empresa para desenvolvimento

30 Gracías. Virgínia Duarte (55 19)

Capital Humano como um Indicador de Avanços no Governo Eletrônico V Taller Regional para Medição da Sociedade do Conhecimento

Capital Humano como um Indicador de Avanços no Governo Eletrônico V Taller Regional para Medição da Sociedade do Conhecimento Capital Humano como um Indicador de Avanços no Governo Eletrônico V Taller Regional para Medição da Sociedade do Conhecimento 06 a 08 de abril de 2009 Virgínia Duarte Objetivo - Observatório Conceber e

Leia mais

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Encontro da Qualidade e Produtividade em Software - EQPS Manaus, novembro/2007 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da

Leia mais

Grupo de Trabalho para Mensuração da Sociedade da Informação no Brasil - IBGE

Grupo de Trabalho para Mensuração da Sociedade da Informação no Brasil - IBGE Grupo de Trabalho para Mensuração da Sociedade da Informação no Brasil - IBGE Cuarto Taller Regional sobre la medición de la Sociedad de la Información en América Latina y el Caribe Roberto Neves Sant

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

O SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2003-2006

O SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2003-2006 O SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2003-2006 V Taller Regional sobre la Medición de la Sociedad de la Información en América Latina y el Caribe Roberto Neves Sant Anna IBGE Diretoria

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

A Qualidade e. Produtividade. no Setor de. Software Brasileiro. Ministério da Ciência e Tecnologia

A Qualidade e. Produtividade. no Setor de. Software Brasileiro. Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia A Qualidade e Produtividade no Setor de Software Brasileiro Caracterização das Organizações CNAE 1.0 Seção K Atividades imobiliárias, aluguéis e serviços prestados às

Leia mais

PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS - 2007 Suplemento de Serviços de Tecnologia da Informação www.ibge.gov.br ibge@ibge.gov.br

PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS - 2007 Suplemento de Serviços de Tecnologia da Informação www.ibge.gov.br ibge@ibge.gov.br Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio Gerência de Pesquisas PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS - 2007 Suplemento de Serviços de Tecnologia da Informação www.ibge.gov.br ibge@ibge.gov.br 01

Leia mais

Agenda. Noções de Empregabilidade; Profissões tecnológicas ligadas à Computação; Visão do Mercado de Trabalho na Bahia e no Brasil.

Agenda. Noções de Empregabilidade; Profissões tecnológicas ligadas à Computação; Visão do Mercado de Trabalho na Bahia e no Brasil. Prof. Fernando Cardeal fcardeal@ifba.edu.br Agenda Noções de Empregabilidade; Profissões tecnológicas ligadas à Computação; Visão do Mercado de Trabalho na Bahia e no Brasil. Tempo estimado: 40 minutos.

Leia mais

Qualidade e Produtividade em Software

Qualidade e Produtividade em Software Qualidade e Produtividade em Software Encontro Manaus 03 de novembro de 2004 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia 1993/2004 Qualidade e Produtividade no

Leia mais

Software e Serviços de TI:

Software e Serviços de TI: Software e Serviços de TI: a indústria brasileira em perspectiva Volume 2, 2012 Fumsoft, BH, 31/07/2012 Sumário Sobre a SOFTEX Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI (IBSS) Software e Serviços

Leia mais

Setor Brasileiro de TIC em Números

Setor Brasileiro de TIC em Números Setor Brasileiro de TIC em Números A Dimensão da Oferta CIBSS 2012, 22/10/12 Sumário Definições Resultados: Contas Satélites Resultados: Censo Demográfico Definições Setor TIC Importante segmento da sociedade

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL INDÚSTRIA DIVERSIFICADA... outros; 18,8% Alimentos

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Workshop 007 Tecnologia da Informação

Workshop 007 Tecnologia da Informação Workshop 007 Diretor, Softex Blumenau, November 20 th th 2007 Logo Empresa Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2007 QUESTÕES APRESENTADAS: 1) Como o Brasil desenvolve o setor de TI e quais os maiores desafios?

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

Compras públicas favorecendo a IBSS. CIBSS 2012, Itupeva, 24 de outubro

Compras públicas favorecendo a IBSS. CIBSS 2012, Itupeva, 24 de outubro Compras públicas favorecendo a IBSS CIBSS 2012, Itupeva, 24 de outubro Considerações iniciais Compras públicas Procedimento formal através do qual o Estado adquire mercadorias e serviços para fins próprios.

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Propriedade Intelectual

Propriedade Intelectual CAPÍTULO 15 Propriedade Intelectual Apresentação A Propriedade Intelectual possui duas vertentes: (a) Propriedade Industrial (Patentes, Marcas e Desenhos, Indicações Geográficas de procedência e de origem)

Leia mais

Estrutura da apresentação

Estrutura da apresentação 05/12/201 3 Estrutura da apresentação Tópicos abordados Introdução Edições anteriores Aperfeiçoamentos na PINTEC 2011 Aspectos metodológicos Âmbito Amostra Coleta de dados Método e situações de coleta

Leia mais

Software e Servicos de TI

Software e Servicos de TI Número 1 Volume 1 Observatório SOFTEX Software e Servicos de TI A Indústria Brasileira em Perspectiva RESUMO EXECUTIVO RESUMO EXECUTIVO Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva

Leia mais

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS CAPÍTULO 5 Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS Apresentação Neste capítulo, avaliam-se a importância e o crescimento, ao longo do período 2003 a 2010, das atividades

Leia mais

Empresa GÊNIO INFORMÁTICA

Empresa GÊNIO INFORMÁTICA 0 Empresa Com mais de 15 anos de experiência no mercado, GÊNIO INFORMÁTICA é líder em seu segmento e se destaca na prestação de serviços em redes de computadores e instalação de CFTV (Câmeras de segurança).

Leia mais

EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM CRIAÇÃO DE PORTAL WEB, PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO PORTAL DA SOCIEDADE SOFTEX

EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM CRIAÇÃO DE PORTAL WEB, PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO PORTAL DA SOCIEDADE SOFTEX Campinas 16 de abril de 2009. EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM CRIAÇÃO DE PORTAL WEB, PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO PORTAL DA SOCIEDADE SOFTEX A convida empresas especializadas em

Leia mais

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Guilherme Yukihiro Dallaido Shibata Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e no Brasil com

Leia mais

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL PRINCIPAIS FONTES DE DADOS: CONCLA (Comissão nacional de classificação) Órgão administrado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão criado em

Leia mais

Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação

Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação Associação de empresas do setor eletroeletrônico de base tecnológica nacional Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação P&D Brasil - Quem somos Associação de empresas do setor

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

II Seminário Resultados da Lei da Informática

II Seminário Resultados da Lei da Informática II Seminário Resultados da Lei da Informática Rodrigo Pinto Diretor de P&D 29 de março de 2006 Agenda A Solectron Estratégia Organização Realizações Resultados entre 1998 2003 Resultados entre 2004-2005

Leia mais

Estatísticas de Empreendedorismo 2008

Estatísticas de Empreendedorismo 2008 Notas técnicas estudo do empreendedorismo remonta a Cantillon, que imagina O o empreendedor como um portador de incerteza no mercado, aquele que é capaz de prever e investir no futuro, ajudando a ajustar

Leia mais

Janelas de Oportunidades Locacionais: o PAPL alagoano. Francisco Rosário FEAC/UFAL Keuller Hissa FEAC/UFAL

Janelas de Oportunidades Locacionais: o PAPL alagoano. Francisco Rosário FEAC/UFAL Keuller Hissa FEAC/UFAL Janelas de Oportunidades Locacionais: o PAPL alagoano Francisco Rosário FEAC/UFAL Keuller Hissa FEAC/UFAL Agenda 1. Por que Janelas de Oportunidades Locacionais? O contexto do debate. 2. A política de

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Estado e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Desempenho Conjuntural da Indústria Participação

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

PESQUISA DA DEMANDA NACIONAL POR SERVIÇOS TECNOLÓGICOS

PESQUISA DA DEMANDA NACIONAL POR SERVIÇOS TECNOLÓGICOS PESQUISA DA DEMANDA NACIONAL POR SERVIÇOS TECNOLÓGICOS RELATÓRIO TÉCNICO O conteúdo deste documento é de exclusiva responsabilidade da equipe técnica do Estudo da Demanda Nacional por Serviços Tecnológicos.

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

ABINEE TEC 2005. Padrão Digital TV e Rádio. Padrão Digital Visão da Indústria de Componentes. Toshihiko Komatsu

ABINEE TEC 2005. Padrão Digital TV e Rádio. Padrão Digital Visão da Indústria de Componentes. Toshihiko Komatsu Padrão Digital TV e Rádio Padrão Digital Visão da Indústria de Componentes Toshihiko Komatsu Vice-Diretor da Área de Componentes Elétricos e Eletrônicos ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Identificação do questionário. Identificação da empresa. Informações adicionais

Identificação do questionário. Identificação da empresa. Informações adicionais Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio Gerência de Pesquisas PESQUISA DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - 2009 www.ibge.gov.br ibge@ibge.gov.br PROPÓSITO DA PESQUISA - conhecer

Leia mais

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira !"#"#!$%&"'()* * " + # (, " - --.&"- "/"& 0+- &#"./" - "0 - () " 1 # 2- (, - 34/ % - &5"() #-6 $ 7-" &"'()"" (,8 32- )-" 8 7- & () 98 % ) #- 2-

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

Alavancagem do Comércio Exterior de Serviços

Alavancagem do Comércio Exterior de Serviços Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio e Serviços Alavancagem do Comércio Exterior de Serviços Brasília, 08 de abril de 2015 O Setor de Serviços no Brasil O

Leia mais

Tabela 72 Empresas da Indústria que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Estado de São Paulo 2001 Atividades

Tabela 72 Empresas da Indústria que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Estado de São Paulo 2001 Atividades Tecnologia da Informação No, 72,34% das empresas industriais pesquisadas afirmaram utilizar computadores. As categorias fabricação e refino de petróleo e álcool, fabricação de máquinas, aparelhos e material

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Senado Federal. O BNDES e o Apoio ao Setor de Software

Senado Federal. O BNDES e o Apoio ao Setor de Software Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática O BNDES e o Apoio ao Setor de Software Alan Fischler Área Industrial Depto das Industrias de TICs 11/04/2012 Brasília

Leia mais

Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT

Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT Publicado em BNDES Setorial 39 Ricardo Rivera Ingrid Teixeira Luis Otávio Reiff Carlos Eduardo Azen Diego da Silva Moreira Rio

Leia mais

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Base 2010

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Base 2010 II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010 Base 2010 Coordenação de Contas Nacionais (São Paulo, 19 de junho de 2013) 1 MUDANÇA DE BASE Por que uma mudança na série? Atualização de pesos não faz

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

21 a 23. novembro 2012. 13h00 20h30 São Paulo - Brasil www.itechfair.com.br

21 a 23. novembro 2012. 13h00 20h30 São Paulo - Brasil www.itechfair.com.br 21 a 23 novembro 2012 13h00 20h30 São Paulo - Brasil www.itechfair.com.br O Grupo Cipa Fiera Milano O Grupo A organização da itech - Feira Internacional de Tecnologia da Informação, é do Grupo Cipa Fiera

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Sumário. Sobre a SOFTEX. Principais indicadores

Sumário. Sobre a SOFTEX. Principais indicadores Software e Serviços de TI: a indústria brasileira em perspectiva Volume 2, 2012 Sumário Sobre a SOFTEX Principais indicadores Parte 1 IBSS Parte 2 NIBSS Parte 3 Capacitações e competências Parte 4 Cenários,

Leia mais

SIG Capítulo 3 - Parte 1

SIG Capítulo 3 - Parte 1 SIG Capítulo 3 - Parte 1 Estudo de caso: Textron Fabrica de tudo: de aviões corporativos e sistemas de transmissão automotivos até aparadores de grama. Outra área industrial e uma financeira Vai de bem

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral

Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral PAULO MOL Diretor de Inovação Brasília, 10 de junho de 2013 Brasil precisa ser mais competitivo e a inovação é um dos caminhos 6ª Economia Mundial

Leia mais

PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009

PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 2011 Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) Diretoria de Inovação (DRIN) Departamento de Acompanhamento (DAC) PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 Janeiro/2011

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus Christian Villela Dunce Presidente da Assipi Salvador, 23

Leia mais

Prospecto dos projetos realizados pela EMSISTI no período 2010 à 2015

Prospecto dos projetos realizados pela EMSISTI no período 2010 à 2015 Prospecto dos projetos realizados pela EMSISTI no período 2010 à 2015 Este prospecto descreve os projetos realizados pela EMSISTI no período entre janeiro de 2010 à setembro de 2015. Os projetos compreendem

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Projeto 8: Conhecimento para Inovação. Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU

Projeto 8: Conhecimento para Inovação. Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU Projeto 8: Conhecimento para Inovação Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU Equipe Técnica Laboratório do Ambiente Construído, Inclusão e Sustentabilidade LACIS/FAU/CDS/UnB: Coord. Geral: Raquel Naves

Leia mais

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009 PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA PBACV OBJETIVO Estabelecer diretrizes, no âmbito do SINMETRO, para dar continuidade e sustentabilidade às ações de ACV no Brasil com vistas a apoiar o

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

A Parceria Apex-Brasil e RENAI

A Parceria Apex-Brasil e RENAI A Parceria Apex-Brasil e RENAI Mário Neves Coordenador-Geral da Rede Nacional de Informações sobre o Investimento Alexandre Petry Gerente de Promoção e Facilitação de Investimentos da Apex-Brasil Ciclo

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Investimento em Controle Ambiental das Indústrias no Brasil 1997/2002 Rio de Janeiro

Leia mais

Mercados potenciais para workstations

Mercados potenciais para workstations Mercados potenciais para workstations Onde vender workstations e workstations móveis HP Desenvolvimento de produtos Mídia e entretenimento Serviços financeiros Educação Ciências biológicas Petróleo e gás

Leia mais

Atividades de software e serviços de TI em território brasileiro. I CIBSS, Itupeva, outubro 2012

Atividades de software e serviços de TI em território brasileiro. I CIBSS, Itupeva, outubro 2012 Atividades de software e serviços de TI em território brasileiro I CIBSS, Itupeva, outubro 2012 Serviços de informática no contexto TIC Serviços de informática Setor TI Setor TIC Software Serviços TI Hardware

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo IPEA/BID nº 1841/OC-BR Projeto: Dinâmica do Sistema Produtivo Brasileiro perspectivas

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Software e Servicos de TI. A Indústria Brasileira em Perspectiva. Observatório SOFTEX. Número 1 Volume 1

Software e Servicos de TI. A Indústria Brasileira em Perspectiva. Observatório SOFTEX. Número 1 Volume 1 Número 1 Volume 1 Observatório SOFTEX Software e Servicos de TI A Indústria Brasileira em Perspectiva Número 1 Volume 1 Observatório SOFTEX Software e Servicos de TI A Indústria Brasileira em Perspectiva

Leia mais

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação 26 a 28 de Setembro de 2012 Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá A Tecnologia Digital oferece meios sem precedentes

Leia mais

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Eng. Fabián Yaksic Presidente do IPD Eletron Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Complexo Eletroeletrônico e Tecnologia da Informação Associação

Leia mais

Seminário de Lei de Informática. Francisco Siqueira de Sousa Gerente Comercial

Seminário de Lei de Informática. Francisco Siqueira de Sousa Gerente Comercial Seminário de Lei de Informática Francisco Siqueira de Sousa Gerente Comercial Conteúdo Introdução Casos de Sucesso IMPORTÂNCIA DA LEI Estabelece uma Política de Desenvolvimento Nacional; Estimula a inserção

Leia mais

O sistema estadual de inovação do estado do Rio de Janeiro

O sistema estadual de inovação do estado do Rio de Janeiro O sistema estadual de inovação do estado do Rio de Janeiro Uma contribuição ao diálogo de políticas entre o governo do estado do Rio de Janeiro e o Banco Interamericano de Desenvolvimento Geciane Silveira

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

ERP ERP ERP TRABALHO SOBRE IMPORTÂNCIA

ERP ERP ERP TRABALHO SOBRE IMPORTÂNCIA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE PERNAMBUCO FCAP TRABALHO SOBRE Clarissa Emmanuelle Mariana Bruna Larissa EQUIPE: Bruna Araruna Bertão Clarissa Pimentel Bandeira

Leia mais

I Ciclo de Palestras sobre a Gestão Arquivística de Documentos no INPE A Organização da Gestão Documental do MCTI

I Ciclo de Palestras sobre a Gestão Arquivística de Documentos no INPE A Organização da Gestão Documental do MCTI I Ciclo de Palestras sobre a Gestão Arquivística de Documentos no INPE A Organização da Gestão Documental do MCTI Sonia Maria/Ronal Guedes Informações Iniciais Sobre o MCTI Criação e finalidade A unidade

Leia mais

Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos

Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos Maria Luiza B. Zacharias - IBGE, Brasil Segunda Reunião da Conferência de Estatística das Américas da Comissão Econômica

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado

A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado Alexandre J. Beltrão Moura Vice-presidente alex@nac.softex.br Coimbra, 07 de Abril de 2004 Apresentação de Hoje

Leia mais

Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM

Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+ Faturamento: R$ 1

Leia mais

X SIMPASE Temário TEMA 1. Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como:

X SIMPASE Temário TEMA 1. Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como: X SIMPASE Temário TEMA 1 Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como: - Implantação, operação e manutenção de sistemas de automação

Leia mais