UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DANILO PACHECO MARTINS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DANILO PACHECO MARTINS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DANILO PACHECO MARTINS IMPORTAÇÃO E EXECUÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ADAPTWEB JOINVILLE SC 2010

2 DANILO PACHECO MARTINS IMPORTAÇÃO E EXECUÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ADAPTWEB Trabalho de Monografia apresentado à Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito para a obtenção do título de Especialista em Computação Aplicada. Orientadora: Dra. Avanilde Kemczinski JOINVILLE SC 2010

3

4 AGRADECIMENTOS Para que este trabalho pudesse ser concluído, tive o prazer de conhecer e contar com a ajuda de ótimas pessoas, o qual sem elas todo esse esforço não seria possível. Com isso, gostaria de destacar alguma delas. Primeiramente, agradeço a Deus, por me presentear com maravilhosas pessoas e oportunidades que vem me dado ao longo de toda minha vida. A minha melhor amiga, única namorada e amante Raquel Jane Beninca, que foi compreensiva à minha ausência, paciente e sempre me incentivou em minha jornada, ajudando até mesmo nas revisões de português da monografia. À minha família, que sempre acreditou em mim, me apoiou e ajudou no que era possível para facilitar a minha caminhada, seja pela excelente estrutura familiar, conforto, amor ou aconchego. A InfoCont Sistemas Integrados, por proporcionar um agradável local de trabalho e em especial ao meu sócio Fernando Wuthstrack, que foi altamente compreensivo e segurou a barra na empresa durante minhas ausências. A professora Dra. Avanilde Kemczinski, que aceitou me orientar, a ajudar na escolha do problema, por ser sempre muito prestativa ao contribuir com sua experiência em importantes tomadas de decisão, construção da monografia, artigos e entre outros. Foi uma excelente orientadora e lhe sou muito grato por isso. A professora Msc. Isabela Gasparini, que também ajudou muito na conclusão do trabalho, participou da escolha do problema e mesmo com pouco tempo devido à sua tese de doutorado, sempre se disponibilizou a tirar minhas dúvidas, contribuir com a construção de artigos e etc. Muito obrigado. À excelente pessoa que tive o prazer e a sorte de conhecer, o Msc. Adilson Vahldick, que caiu do céu com o componente CELINE, e mesmo sem me conhecer e saber da minha pouca experiência com programação web, foi sempre muito prestativo e trabalhou junto comigo na conclusão do trabalho, tanto em tomadas de decisões como em linhas de código. Obrigado pela atenção dada, confiança passada e por vezes me incentivar e acreditar em mim mais do que eu mesmo.

5 Por último, mas não menos importantes, aos meus amigos, alunos, professores do ECOA e a todas as pessoas que formam a UDESC e mantêm forte essa entidade que forma os profissionais mais bem qualificados do mercado de trabalho.

6 RESUMO Um Objeto de Aprendizagem (OA) é qualquer conteúdo digital, que tenha explicitamente a intenção de auxiliar o processo de ensino-aprendizagem e tem como principal característica a reusabilidade, visando reduzir custos na criação de disciplinas ou cursos de educação a distância. Com a crescente procura por cursos a distância, juntamente com o acesso a internet via banda larga nos últimos anos, o processo de ensino-aprendizagem a distância tem ganho força e destaque em pesquisas e, com isso, OA torna-se um item importante nesse contexto, que tem como principal objetivo facilitar a tarefa de autoria destes cursos, por meio da reutilização de conteúdos educacionais. Frente a esta contextualização, este presente trabalho apresenta a adequação do ambiente de aprendizagem AdaptWeb para a integração de OAs do padrão SCORM no processo de autoria do ambiente. Para tal, foi realizado um estudo dos padrões de OAs existentes e selecionado o mais apto a ser implementado no ambiente. Após essa etapa, foi definido a forma de implementação desta funcionalidade, projetado as customizações necessárias no sistema e, por fim, implementado a partir de uma abordagem baseada em componentes de software. Essa solução fez o uso de um componente de software intitulado CELINE, que foi acoplado ao AdaptWeb por meio de WebService, uma tecnologia usada para comunicação entre diferentes linguagens, tornando essa solução possível de ser usada também em outros ambientes. Com essa adequação, os professores têm mais facilidade e flexibilidade na etapa de autoria, pois poderão reutilizar materiais educacionais no padrão SCORM, independente do sistema operacional ou Learning Management System (LMS) utilizado. Os alunos do AdaptWeb, poderão também tirar proveito de OAs importados pelos autores das disciplinas, visto que os OAs devem atender características técnicas e pedagógicas facilitando o processo ensino-aprendizagem. PALAVRAS-CHAVE: Objetos de Aprendizagem (OAs), importação de OAs, padrões de integração de OAs, SCORM.

7 ABSTRACT A Learning Object (LO) is any digital content that has been explicitly designed to aid teaching-learning and has as main feature the reusability, in order to reduce costs in the creation of subjects or distance learning courses. According the increasing demand for distance learning courses, along with the access to broadband Internet in recent years, the process of distance teaching-learning has gain strength and highlights in searches and, with that, LO becomes an important item for this context, whose main objective is to facilitate the task of authoring these courses through the reuse of educational content. Considering of that contextualization, this present work presents the adequacy of the learning environment AdaptWeb for the integration of LOs in the SCORM standard in the authorship process. For such work, was realized a study of standard of existing LOs, selected the likely to be implemented in the environment. After this step, was defined the way to implement this functionality, designed the necessary customizations in the system, and finally, implemented from an approach based on software components. This solution has used a software component called CELINE, which one was linked to the AdaptWeb via of WebService, a technology used to communication between different languages, also making this solution possible to be used in others environments. Regarding this adequacy, the teachers have more facility and flexibility in the stage of authorship, because they will be able to reuse educational materials in standard SCORM, independently of operating system or Learning Management System (LMS) utilized. The AdaptWeb 's students may also to take advantage from LOs imported by the authors of subjects, knowing that Los should conduct a technical and pedagogical features, facilitating the teaching-learning process. KEYWORDS: Learning Objects (LO), Import of LOs, Standards of Integration, SCORM.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Níveis de agregação de um OA...23 Figura 2 Exemplo de OA Sequência de imagens ilustrando uma fagocitose...26 Figura 3 Exemplo de OA Visualização de Saturno e Titã num sistema solar virtual...27 Figura 4 Exemplo de OA Curso de golfe...27 Figura 5 Estrutura do Pacote IMS CP...32 Figura 6 Diagrama de Classes do Modelo Conceitual do Learning Design...34 Figura 7 Organização dos livros que definem o SCORM...40 Figura 8 Diagrama de sequência do AdaptWeb com CELINE...59 Figura 9 Código em PHP para acesso a uma função Web Service...61 Figura 10 Código em PHP com envio de um arquivo binário por Web Service...61 Figura 11 Exemplo de pacote SCORM sendo importado ao CELINE...63 Figura 12 Exemplo de um OA SCORM sendo executado pelo CELINE...64 Figura 13 Página de escolha dos pacotes a serem testados pela CTS...65 Figura 14 Página de aprovação da CTS ao pacote API...66

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Conjunto de categorias de uma OA no padrão LOMv Quadro 2 Atributos de cada elemento do padrão Dublin Core...31 Quadro 3 Definição dos subgrupos do Manifest...32 Quadro 4 Requisitos do modelo LD...35 Quadro 5 Evolução do SCORM...38 Quadro 6 Resumo dos livros do SCORM...41 Quadro 7 Funcionalidades do componente CELINE...54 Quadro 8 Pontos fortes e fracos dos trabalhos relacionados...55 Quadro 9 Vantagens de uso do Web Service...59 Quadro 10 Funções WebService do componente CELINE...60

10 LISTA DE ABREVIATURAS AdaptWeb ADL AGR AICC API ARIADNE ASP AT BD CAM CBT CD CHLS CMI CNPq CP DCMI DOM EaD EML FTS HTML HTTP IEEE IMS KERIS LACLO LCMS LD LMS LOM Ambiente de Ensino-Aprendizagem Adaptativo na Web Advanced Distributed Learning AICC Guideline & Recommendations Aviation Industry CBT Committee Application Programming Interface Alliance of Remote Instructional Authoring and Distribution Networks for Europe Active Server Pages Activity Tree Banco de Dados Content Aggregation Model Computer-Based Training Compact Disc Cyber Home Learning System Computer-Managed Instruction Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Content Package Dublin Core Metadata Initiative Document Object Model Educação a Distância Educational Modeling Language Formação Tecnológica e de Serviços HyperText Markup Language HyperText Transfer Protocol Institute of Electrical and Electronics Engineers Innovation Adoption Learning Korea Education & Research Information Service Latin American Conference on Learning Objects Learning Content Management System Learning Design Learning Management Systems Learning Object Metadata

11 LTSC MEST MIME MPOE MSDN OA PHP PIF PT in PUCRC RTE SBIE SCO SCORM SHA SN SOAP TIC UDESC UEL UFRGS UML UNIVALI URL VRML W3C WSDL WWW XML Learning Technology Standards Committee Ministry of Education, Science and Technology Multipurpose Internet Mail Extensions Metropolitan & Provincial Offices of Education Microsoft Developer Network Objeto de Aprendizagem Hypertext Preprocessor Package Interchange File Portugal Telecom Inovações Pontifícia Universidade Católica do Paraná Run-Time Environment Simpósio Brasileiro de Informática na Educação Sharable Content Objects Sharable Content Object Reference Model Sistema Hipermídia Adaptativo Sequencing and Navigation Simple Object Access Protocol Tecnologias de Informação e Comunicação Universidade do Estado de Santa Catarina Universidade Estadual de Londrina Universidade Federal do Rio Grande do Sul Unified Modeling Language Universidade do Vale do Itajaí Uniform Resource Locator Virtual Reality Modeling Language World Wide Web Consortium Web Services Description Language Word Wide Web Extensible Markup Language

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO TEMÁTICA JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivos Específicos LIMITAÇÕES DO TRABALHO DE PESQUISA METODOLOGIA ESTRUTURA DA MONOGRAFIA OBJETOS DE APRENDIZAGEM CONCEITOS Características Técnicas Características Pedagógicas EXEMPLOS PADRÕES PADRÕES DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM Padrões de metadados Padrão de Empacotamento Padrão de Interface e Comunicação Padrão de Organização e Sequenciamento Padrão de Integração CONSIDERAÇÕES SHARABLE CONTENT OBJECT REFERENCE MODEL (SCORM) MODELO DE AGREGAÇÃO DE CONTEÚDO Content Model Content Packaging Metadata Sequencing and Navigation AMBIENTE DE TEMPO DE EXECUÇÃO SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO CONSIDERAÇÕES TRABALHOS RELACIONADOS CYBER HOME LEARNING SYSTEM FORMARE MOODLE CELINE CONSIDERAÇÕES EXECUÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ADAPTWEB ADAPTWEB SOLUÇÃO VALIDAÇÃO DA SOLUÇÃO CONSIDERAÇÕES...66

13 7 CONCLUSÃO TRABALHOS FUTUROS...69 REFERÊNCIAS...72 APÊNDICE...81

14 14 1 INTRODUÇÃO Com o crescente acesso a internet via banda larga dos últimos anos, o processo de ensino-aprendizagem a distância tem ganho força e destaque em pesquisas. Com isso, sistemas e-learning (Aprendizado Eletrônico) tem sido desenvolvidos e aperfeiçoados, cada um com suas particularidades e características comuns. Neste contexto, Pais (2004) cita alguns exemplos dessas características comuns, tais como: disciplina deve ter um ambiente integrado onde usuários têm acesso; a elaboração de conteúdo de suporte sem a necessidade do corpo docente ter conhecimentos de programação; testes interativos que forneçam feedback ao aluno; ferramentas de comunicação para todos os alunos; zona específica para o aluno na qual ele pode dispor de página pessoal; fóruns próprios e entre outros recursos. Uma das características comum entre esses sistemas e-learning e que auxilia no processo de elaboração de conteúdo, é o uso de Objetos de Aprendizagem (OAs), visto que é custoso para um professor digitalizar um conteúdo para cada novo curso ou disciplina. OA pode ser definido como qualquer recurso digital que possa ser reutilizado e ajude na aprendizagem (WILEY, 2000). No entanto, para que esses quesitos sejam alcançados, é necessário que o sistema e-learning siga uma estrutura padrão para ler esse conteúdo. OAs podem ser inseridos em várias abordagens, cada um com seus padrões e objetivos específicos, como por exemplo, integração de conteúdo em vários ambientes e catalogação de materiais para o processo de ensino-aprendizagem. 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO TEMÁTICA A educação a distância vem sendo amplamente pesquisada nas últimas décadas (SILVA, 2007) e a utilização de sistemas e-learning baseados na Word Wide Web (WWW) é uma aliada na educação, pois permite a transmissão de conhecimento de uma maneira mais flexível e adequada para cada pessoa. A EaD, segundo Belloni (1999), tende a se tornar um elemento regular dos sistemas educativos, necessário não apenas para atender a demandas ou grupos específicos, mas assumindo uma crescente importância, principalmente no ensino superior. Nesse novo ambiente de educação, pesquisadores tem dedicado esforços para padronização de materiais de ensino, tendo como principal intuito a reutilização de conteúdos didáticos. Nesse contexto de reaproveitamento de conteúdo surgem os OAs. OAs são considerados como qualquer tipo de recurso, digital ou não, que visa auxiliar o processo de ensino-aprendizagem, podendo ser reutilizado em diferentes contextos (IEEE,

15 ). O conceito de OAs visa estabelecer o formalismo para o desenvolvimento de conteúdo educacionais digitais que sejam acessíveis em qualquer ambiente virtual de ensinoaprendizagem e aplicáveis em diferentes contextos (SILVA, 2007). Wiley (2000) define OA como qualquer recurso digital que possa ser reutilizado e ajude na aprendizagem, enquanto ARIADNE (2009) (Alliance of Remote Instructional Authoring and Distribution Networks for Europe) define OA como documentos pedagógicos. A definição de OA pela IEEE é bastante abrangente, incluindo não apenas conteúdos digitais. Contudo, Wiley e Silva restringem a definição como somente materiais educacionais digitais. Tendo em vista esses diferentes pontos de vista, entende-se neste trabalho que a definição de OA é a mesma sugerida por Wiley e Silva, sendo que OA é comumente tratado na literatura para reutilização na internet. Alguns exemplos de OAs podem ser citados, como uma apresentação em slides, uma imagem, vídeo, hipertexto, som, ou seja, qualquer conteúdo digital que tenha como finalidade auxiliar no processo de ensino-aprendizagem. OAs podem ser usados em vários contextos, como em treinamentos baseados em computador, ambientes de aprendizagem interativos, sistemas de educação a distância e ambientes de aprendizagem colaborativa (LTSC, 2010). Um exemplo de Ambiente de Aprendizado a ser citado e foco nesse trabalho é o Ambiente de Ensino-Aprendizagem Adaptativo na Web (AdaptWeb ), que basicamente explora as possibilidades de adaptação de cursos Web para diferentes públicos-alvo (VALE, 2006). O AdaptWeb foi inicialmente desenvolvido por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Universidade Estadual de Londrina (UEL), através dos projetos Electra e AdaptWeb, com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). A partir de 2006, os pesquisadores da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) também passaram a contribuir com o desenvolvimento e melhorias no AdaptWeb (GASPARINI et. al. 2009). O projeto foi motivado pela necessidade de facilitar a tarefa de construção de material instrucional para a Web por parte dos professores (PALAZZO, 2003), voltado para a autoria e apresentação adaptativa de disciplinas integrantes de cursos EaD na Web (GASPARINI et. al., 2009). 1.2 JUSTIFICATIVA Nas sociedades modernas, mudanças sociais aceleradas, sobre todo o avanço das tecnologias de informação e comunicação (TICs), vêm provocando mudanças estruturais no campo da educação (BELLONI, 1999).

16 16 A atenção ao processo de ensino-aprendizagem a distância vem aumentando com o tempo, e é uma das quatorze áreas com mais projeções, segundo publicação da revista Você S.A. (ed. 146 de Agosto de 2010), resultado da compilação de três pesquisas distintas, o que pode ser justificado pelo tempo cada vez mais escasso para o estudo e deslocamento. Juntando isso a necessidade de atualização constante de informações, tem sido implicadas mudanças no processo de ensino aprendizagem, fazendo com que instituições abram-se para o uso da tecnologia para auxílio na educação, e o aluno tendo um papel mais autônomo nesse contexto. Um dos problemas encontrados nesse processo é a diferenciação do ritmo e maneira de aprendizagem de cada aluno, como: a velocidade de absorção de conhecimento, nível de curiosidade, competitividade ou colaboratividade. Cada um possui seu tempo de desenvolvimento. Outro fator importante é a grande quantidade de informações na web e a necessidade de se obter conhecimento em tempo mínimo e sem a necessidade de deslocamento: nunca se precisou tanto. Tal fato pode ser explicado devido ao aumento na disseminação da informação, a facilidade no uso de computadores e a ligação entre eles, fazendo com que uma informação em qualquer lugar do mundo possa ser transmitida para qualquer outro lugar em questão de segundos. Tendo em vista este cenário em que alunos apresentam ritmos de aprendizagem diferentes e tempo cada vez mais escasso para o estudo, existe a necessidade do ensino personalizado, o que justifica a concentração das forças nas pesquisas em educação para os sistemas de educação a distância. O uso de sistemas e-learning como ferramenta auxiliar no processo de ensinoaprendizagem vem ganhando cada vez mais força, porém, nesse novo contexto destaca-se um outro problema: a fabricação dos conteúdos educacionais, mais especificamente materiais multimídias, é uma tarefa custosa, demanda tempo, conhecimento, recursos humanos e financeiros (BEZZI et al, 2007), pois além de muitos professores não serem familiarizados com a criação destes materiais, o reaproveitamento de conteúdos já prontos é pequeno. Nesse contexto os OAs tornam-se um recurso importante. Com a reutilização de conteúdos educacionais que os OAs permitem, é possível a adaptação de um recurso educacional ou não refazer o trabalho toda vez que se crie um novo curso ou disciplina (conteúdo), o que implica numa economia de tempo e custos. OAs também aumentam a interoperabilidade desses recursos educacionais, pois além de não ficarem presos a um sistema e-learning específico, poderão ser mantidos,

17 17 independente das atualizações do sistema, tipo de plataforma de sistema operacional e navegador. Em vista dessa fase em que se encontra o processo de ensino-aprendizagem e pelas dificuldades supracitadas que a EaD apresenta, considera-se importante o uso de OAs no formato SCORM no AdaptWeb. Com base nesse contexto, o objetivo deste trabalho é desenvolver o processo de importação e execução de OAs para o AdaptWeb. O tipo de padrão utilizado nesse processo é o de Integração, muito comum em Ambientes e-learning como o Moodle 1, e-front 2, Sakai 3, e, entre outros. Por fim, com esse recurso de importação de OA disponível no AdaptWeb, os professores, usuários desse sistema terão praticidade na criação de disciplinas e no compartilhamento de material, e o ambiente está mais preparado para a atual realidade dos sistemas de EaD. 1.3 OBJETIVOS Este trabalho tem como objetivo geral integrar OAs no processo de autoria de conteúdos do AdaptWeb Objetivos Específicos Para alcançar o objetivo geral, os seguintes objetivos específicos foram realizados: Levantar os padrões de Comunicação e Integração de OA; Definir o modelo de serviço de importação para o AdaptWeb no padrão selecionado; Projetar as customizações necessárias no AdaptWeb para permitir a importação dos OAs; Implementar o processo de importação do OA no AdaptWeb. 1.4 LIMITAÇÕES DO TRABALHO DE PESQUISA Este trabalho limita-se ao estudo dos conceitos e características dos OAs, no levantamento de padrões de OA e no estudo de processo de importação dos mesmos para o

18 18 AdaptWeb, com bases em trabalhos relacionados, sem criar rotinas para exportação desses objetos. Na organização do conteúdo do AdaptWeb, durante a fase de pré-autoria, o autor necessita identificar os dados de entrada, onde possui para cada conceito, um arquivo HTML (Hyper Text Markup Language) referente e outros arquivos associados em uma única estrutura adaptada para diferentes cursos, o que restringe a execução de um OA SCORM diretamente na estrutura de conceito. Com isso, a importação e execução de OA foram definidas como um material complementar da disciplina. 1.5 METODOLOGIA O desenvolvimento deste trabalho, em sua natureza é definido como uma pesquisa aplicada, focada no estudo do processo de adequação do sistema e-learning AdaptWeb para a importação e execução de OA. Para implementar o processo de importação e execução de OA para o AdaptWeb, primeiramente foi necessário um levantamento bibliográfico sobre OAs, pesquisar sobre os diferentes tipos de padrões de OA, decidir o padrão a ser adotado e pesquisar trabalhos relacionados com casos de importação de OA em sistemas e-learning. A pesquisa tomou alguns trabalhos relacionados, com base na familiaridade com o problema, identificando assim previamente algumas dificuldades a serem enfrentadas, influenciando as decisões tomadas para a solução do problema. Finalizada a pesquisa, foi necessário analisar a estrutura do banco de dados do AdaptWeb, para então projetar as customizações necessárias para a importação e execução dos OAs no ambiente, estudar as tecnologias atualmente usadas pelo ambiente, e finalmente implementar o processo de importação e execução de OA. 1.6 ESTRUTURA DA MONOGRAFIA O capítulo 2 apresenta a fundamentação teórica a respeito dos OAs, seus conceitos e características. O terceiro capítulo apresenta os diferentes tipos de padrões de OA e quais suas principais finalidades. O quarto capítulo trata especificamente do padrão escolhido por esta pesquisa como a mais apropriada para integração de OA em ambientes e-learning, que foi o SCORM. O quinto capítulo apresenta os trabalhos relacionados, na intenção de ajudar a moldar a solução encontrada com base nas experiências já enfrentadas por outros autores.

19 19 O sexto capítulo apresenta a adequação do ambiente de aprendizagem AdaptWeb para a importação de OA, na qual foi primeiramente apresentando o sistema e-learning para somente então descrever o processo de importação de OA nesse sistema. Por fim, são apresentadas as conclusões, os trabalhos futuros e após, a lista das referências bibliográficas utilizadas.

20 20 2 OBJETOS DE APRENDIZAGEM Objeto de Aprendizagem (OA) é a unidade de um conteúdo educacional que tem como principal característica a reusabilidade, visando diminuir o custo na criação de uma disciplina ou curso de EaD. Um OA pode ser aplicado em vários contextos e, por seguirem um padrão de metadados 4, a busca para encontrar um OA torna-se eficiente. Uma definição que aproxima os OAs da informática argumenta que estes objetos são recursos digitais que podem ser utilizados para dar suporte ao ensino, e são construídos de forma a dividir o conteúdo em pequenos módulos reutilizáveis em diversos ambientes seguindo os princípios da orientação a objetos (WILEY, 2000). Uma analogia é a comparação às peças de LEGO: ambos são formados por pequenas peças que se, combinado com outras peças, geram um novo objeto. Essa foi a primeira analogia a ressaltar a ideia de facilidade de reutilização de um OA, que foi concedida em 1994 por Wayne Hodgins (WILEY, 2007). 2.1 CONCEITOS O termo de OA possui diversos sinônimos definidos na literatura, tais como: objetos instrucionais (GIBBONS, 2000), objetos educacionais (TAROUCO et al, 2003), objetos de mídia (SOUTH, 2000), objetos inteligentes (GOMES, 2004), objetos espertos (SADDIK et al, 2000), e objeto de ensino (FILHO, 2004). Segundo a IEEE (2002), OA é qualquer entidade, digital ou não digital, que pode ser utilizada, reutilizada, ou referida para a aprendizagem educacional ou treinamento, o que torna a definição ampla a qualquer material de conteúdo educacional um OA. No entanto, Wiley (2000) tem uma definição um pouco mais restrita, definindo OA como qualquer recurso digital que possa ser reutilizado e ajude na aprendizagem. Apesar da grande diversidade de definições, todas elas visam a reusabilidade de conteúdo educacional, e geralmente são associados a cursos, treinamentos e de modo geral, ambientes e-learning 5. Com isso, a definição proposta por Wiley atrela-se aos objetos digitais, sendo na sua maioria relacionados à ambientes e-learning. 4 Padrão de metadados utilizado na identificação de recursos, auxiliando na filtragem de uma busca e na recuperação de um registro ou OA (DEVAUX, 2000). 5 Ambientes e-learning também denominados de ambientes virtuais de aprendizagem, são sistemas computacionais disponíveis na Internet, destinados ao suporte de atividades de ensino-aprendizagem, mediados pelas Tecnologias de Informação e Comunicação TICs (KEMCZINKI, 2005).

21 21 Para que um OA possa alcançar seu propósito educacional, é necessário que uma série de características sejam atendidas, as quais podem ser qualificadas em duas categorias, Técnica e Pedagógica (FERLIN, 2009), descritos a seguir. 2.2 Características Técnicas Para que um OA atenda de maneira satisfatória os propósitos de sua criação, algumas características precisam ser seguidas. Longmire (2001) apresenta em seus estudos uma série de características relacionadas a OA: Flexibilidade: Se o material é projetado para ser usado em diferentes contextos, ele pode ser mais facilmente reutilizado do que materiais que precisam ser reescritos para cada novo contexto; Facilidade de Atualização: Os metadados permitem a rápida atualização, procura e gerenciamento desses conteúdos, filtrando e selecionando somente os conteúdos relevantes para um determinado fim; Customização: Quando as necessidade individuais e organizacionais exigem personalização do conteúdo, os OAs facilitam a customização em curto tempo. OAs modulares maximizam o potencial de customização deste conteúdo, permitindo a combinação destes materiais ao nível de granularidade desejado; Interoperabilidade: OAs permitem que organizações definam especificações relativas a projeto, desenvolvimento e apresentação do conteúdo educacional, com base nas necessidades da organização, mantendo a interoperabilidade com outros sistemas e-learning e contextos; Facilita a aprendizagem baseada em competência: A abordagem de aprendizagem baseada em competência foca na intersecção de habilidades, conhecimentos e atitudes dentro do modelo baseado em competências ao invés de um curso. Aumento do valor de um conteúdo: Do ponto de vista dos negócios, o valor do conteúdo educacional é aumentado a cada vez que é reutilizado. Isso reflete não somente nos custos, evitando novos projetos e desenvolvimentos, mas também na possibilidade de vender OAs fornece-los em mais de um contexto. Um dos principais objetivos de um OA é ter uma alta capacidade de reusabilidade, com isso, das características citadas acima, destaca-se a padronização, por permitir que uma mesma estrutura digital seja entendida por vários sistemas. Porém, de nada adianta um OA

22 22 seguir um padrão, se ele não pode ser reutilizado em vários contextos, para isso é importante observar também o seu nível de granularidade Granularidade. Uma das características comumente discutida entre OAs, que quanto menor for seu nível de granularidade, maior o seu nível de reusabilidade, porém seu nível de entendimento é menor. No entanto objetos com maior nível de granularidade tem um menor nível de reusabilidade, porém mais fácil será administrá-los. A granularidade de um objeto deve ser estudada a ponto de maximizar o nível de reusabilidade de um objeto, conforme explica Tarouco et al (2003): Embora objetos de aprendizagem maiores sejam mais fáceis de administrar são proporcionalmente menos fáceis de recontextualizar para outros cenários de aprendizagem diferentes daqueles para os quais foram inicialmente previstos ou concebidos. Objetos de aprendizagem menores podem ser mais precisamente definidos, são mais fáceis de recontextualizar, mas demandam esforço maior para organizar com o intuito de facilitar sua localização. A busca pelos objetos de aprendizagem é um elemento de gargalo em sua utilização nos dias atuais. Outros autores também discutem sobre o nível de granularidade, como Silva (2004, apud Assis, 2005) exemplifica outra classificação para os níveis de granularidade: Arquivos digitais simples: equivalendo a atividades, textos, imagens e vídeos; Arquivos digitais compostos: que correspondem à comunicação de textos, imagens e atividades; Situações didáticas simples: que correspondem a combinação de arquivos digitais compostos; Situações didáticas compostas: formada pela combinação de várias didáticas simples. Muito parecida com a ideia exposta por Assis e Abar, para The Masie Center's e- learning Consortium (2003), uma melhor compreensão dos OAs pode ser obtida analisandoos dentro de um Modelo Conceitual de Objetos de Conteúdo, indicando os níveis de granularidade, conforme demonstrado na Figura1. No primeiro nível do modelo conceitual, são os chamados Recursos Crus, que é o arquivo digital simples, citado por Assis e Abar, como uma imagem, arquivo de texto simples, entre outros. Já nos Blocos de Informação, são grupos de Recursos Crus, que agrupados podem formar um contexto, que por sua vez, agrupados formam um terceiro nível, chamado de Objetos de Aplicação. A partir desse ponto, o objeto começa a ser de uso mais específico.

Autor(es) BRUNO TEODOSIO GONÇALVES. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO, FLÁVIA LINHALIS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) BRUNO TEODOSIO GONÇALVES. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO, FLÁVIA LINHALIS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE PADRÕES DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA AMBIENTES COLABORATIVOS DE APRENDIZADO ELETRÔNICO Autor(es) BRUNO TEODOSIO GONÇALVES Orientador(es)

Leia mais

DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC

DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC Projeto desenvolvido junto ao Departamento de EAD/UFSC 2007-2008. Equipe: Profª. Edna Lucia da Silva e Profª. Ligia Café

Leia mais

Objetos de Aprendizagem para Educação a Distância Robson Santos da Silva

Objetos de Aprendizagem para Educação a Distância Robson Santos da Silva Objetos de Aprendizagem para Educação a Distância Robson Santos da Silva Novatec Copyright 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Eduardo Barrére Liamara Scortegagna Atualizando o título: Elaboração

Leia mais

2 Objetos de Aprendizagem 2.1. Visão Geral do e-learning

2 Objetos de Aprendizagem 2.1. Visão Geral do e-learning 2 Objetos de Aprendizagem 2.1. Visão Geral do e-learning Nas últimas quatro décadas, mudanças econômicas e inovações tecnológicas transformaram nossa economia de um sistema baseado em produto para uma

Leia mais

Manual do sistema. My e-learning objects. Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação

Manual do sistema. My e-learning objects. Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação Manual do sistema My e-learning objects Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação Manual do sistema - Meelo Autor: Alexandre Yukio Yamashita Laboratório de Engenharia

Leia mais

Metadados Essenciais: Uma Metodologia para Catalogação de Objetos de Aprendizagem no Repositório Digital ROAI

Metadados Essenciais: Uma Metodologia para Catalogação de Objetos de Aprendizagem no Repositório Digital ROAI Metadados Essenciais: Uma Metodologia para Catalogação de Objetos de Aprendizagem no Repositório Digital ROAI Jhônatan Ferlin, Avanilde Kemczinski, Edson Murakami, Marcelo da Silva Hounsell Departamento

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM

OBJETOS DE APRENDIZAGEM MEDs e METADADOS OBJETOS DE APRENDIZAGEM O que é um objeto de aprendizagem? Segundo Wiley, D.A.,2000 Qualquer entidade DIGITAL que pode ser usada, reusada ou referenciada durante um processo de aprendizagem

Leia mais

Objetos de Aprendizagem: Uma comparação entre SCORM e IMS Learning Design

Objetos de Aprendizagem: Uma comparação entre SCORM e IMS Learning Design CINTED-UFRGS Novas Tecnologias na Educação Objetos de Aprendizagem: Uma comparação entre SCORM e IMS Learning Design Renato Luís de Souza Dutra* Liane Margarida Rockenbach Tarouco** Centro Interdisciplinar

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE *

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * Hudson Henrique de Souza LOPES 1 ; Wellington Garcia PEREIRA 2 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 3. 1 Bolsista do PET EEEC/UFG hudsonhsl@hotmail.com.

Leia mais

UMA ABORDAGEM PARA GESTÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS

UMA ABORDAGEM PARA GESTÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS UMA ABORDAGEM PARA GESTÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS RESUMO: - PALAVRAS-CHAVES: ABSTRACT: The use of the Web as a platform for distance education (e-learning) has been one of the great alternatives for

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Construção de Objetos Educacionais Numéricos utilizando padrão SCORM no ambiente Moodle. Setembro/2007

Construção de Objetos Educacionais Numéricos utilizando padrão SCORM no ambiente Moodle. Setembro/2007 1 Construção de Objetos Educacionais Numéricos utilizando padrão SCORM no ambiente Moodle Setembro/2007 Carmem Lúcia Graboski da Gama Pós-Graduação em Métodos Numéricos em Engenharia, Universidade Federal

Leia mais

Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros

Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros 7 e 8 de maio de 2015 Encontro de integração das Escolas da Magistratura Tema: Potencialidades e Desafios do Moodle um ambiente

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO E SOFTWARE PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE ENSINO

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO E SOFTWARE PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE ENSINO 1 AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO E SOFTWARE PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE ENSINO Rio Branco AC 05/2010 Luciete Basto de Andrade Albuquerque Universidade Federal do Acre luciete@brturbo.com.br Luiz Augusto

Leia mais

NOVAS APRENDIZAGENS ABRIL/2004. Maria da Graça Moreira da Silva SENAC São Paulo maria.gmsilva@sp.senac.br

NOVAS APRENDIZAGENS ABRIL/2004. Maria da Graça Moreira da Silva SENAC São Paulo maria.gmsilva@sp.senac.br 1 NOVAS APRENDIZAGENS ABRIL/2004 Maria da Graça Moreira da Silva SENAC São Paulo maria.gmsilva@sp.senac.br Educação a Distância nos Sistemas Educacionais.; Educação Universitária Este artigo pretende levantar

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

Sistemas de gestão de conteúdo para objetos de aprendizagem: características desejáveis e soluções existentes. Liane Tarouco CINTED/UFRGS

Sistemas de gestão de conteúdo para objetos de aprendizagem: características desejáveis e soluções existentes. Liane Tarouco CINTED/UFRGS Sistemas de gestão de conteúdo para objetos de aprendizagem: características desejáveis e soluções existentes Liane Tarouco CINTED/UFRGS 1 Gestão de conteúdo Alternativas metodológicas e tecnológicas para

Leia mais

EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI. Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis

EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI. Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Trabalhos correlatos Desenvolvimento Resultados

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem 266 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem Naidú Gasparetto de Souza1, Sidnei Renato

Leia mais

DOMUS MOBILE: PLATAFORMA DE SUPORTE AO MOBILE-LEARNING

DOMUS MOBILE: PLATAFORMA DE SUPORTE AO MOBILE-LEARNING Conferência IADIS Ibero-Americana WWW/Internet 2005 DOMUS MOBILE: PLATAFORMA DE SUPORTE AO MOBILE-LEARNING Paulo Alves e José Adriano Escola Superior de Tecnologia e de Gestão de Bragança Campus de S.

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO AMBIENTE EUREKA

INTEGRAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO AMBIENTE EUREKA INTEGRAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO AMBIENTE EUREKA MARTINS, Silvio Antonio Rodrigues Junior - PUCPR silvio.martinsjr@uol.com.br BORTOLOZZI, Flávio - PUCPR fborto@ppgia.pucpr.br ELEUTÉRIO, Marco Antonio

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO BRASIL & BAHIA (2013) UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO D.T. RODRIGUES 1, M. ROCHA 1, D.M. BRITO 1 e G.P. PINTO 1,2. 1

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO. Maio de 2007

OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO. Maio de 2007 1 OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO Maio de 2007 Érico Galdino Almeida Senac São Paulo erico.galmeida@sp.senac.br Leandro Cassa

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LCMS PARA A CONSTRUÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM BASEADOS EM MODELOS Área de Informática

Leia mais

ENSINET/NAV: UMA FERRAMENTA PARA ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS BASEADOS EM OBJETOS DE APRENDIZAGEM *

ENSINET/NAV: UMA FERRAMENTA PARA ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS BASEADOS EM OBJETOS DE APRENDIZAGEM * ENSINET/NAV: UMA FERRAMENTA PARA ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS BASEADOS EM OBJETOS DE APRENDIZAGEM * Diego Lemos de Souza ** Graçaliz Pereira Dimuro *** Antônio Carlos da Rocha Costa **** Raquel Mello de Miranda

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E ESTUDO PARA REUTILIZAR OBJETOS DE APRENDIZAGEM BUSCANDO POR COMPETÊNCIA

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E ESTUDO PARA REUTILIZAR OBJETOS DE APRENDIZAGEM BUSCANDO POR COMPETÊNCIA 1 PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E ESTUDO PARA REUTILIZAR OBJETOS DE APRENDIZAGEM BUSCANDO POR COMPETÊNCIA Florianópolis SC - 05/2015 Giovana Schuelter FabriCO Educare giovana.schuelter@fabrico.com.br Norton

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

com Repositórios Abertos

com Repositórios Abertos Integração do Moodle com Repositórios Abertos Liane Tarouco Marcelo Schmitt PGIE/CINTED Univ. Federal Rio Grande do Sul Brasil LACLO 2010 Autoria de conteúdo educacional Crescimento de educação a distância

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Índice Introdução... 1 Sobre a linguagem XML... 2 O que é XML (extensible Markup Language)?... 2 Características da Linguagem...3 Sobre o seu uso...

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

UM MODELO PARA COLABORAßà O ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM

UM MODELO PARA COLABORAßà O ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UM MODELO PARA COLABORAßà O ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM LUÃS GUSTAVO ARAUJO FERREIRA Canoas, novembro de 2008 LUÃS GUSTAVO ARAUJO

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 1.2 - Dados Governamentais Abertos Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste

Leia mais

NanowareCyber: Nosso negócio é sua formação.

NanowareCyber: Nosso negócio é sua formação. NanowareCyber: Nosso negócio é sua formação. PLATAFORMA AcademiaWeb Sistema de gerenciamento de escola virtual com gestão de conteúdo, transmissão de web-aula ao vivo e interação online com os participantes.

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA 9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA Autor(es) MICHELE CRISTIANI BARION FREITAS Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO 1. Introdução A partir de ferramentas

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 03 DOCÊNCIA E TUTORIA NA EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Introdução A Educação a Distância, por meio dos inúmeros recursos didáticos e tecnológicos,

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO A EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE AUTORIA E DE GERENCIADORES DE APRENDIZAGEM

UMA INTRODUÇÃO A EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE AUTORIA E DE GERENCIADORES DE APRENDIZAGEM UMA INTRODUÇÃO A EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE AUTORIA E DE GERENCIADORES DE APRENDIZAGEM Dante Alves Medeiros Filho Universidade Estadual de Maringá - UEM Departamento de Informática - DIN dantefilho@gmail.com

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013)

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Questionamentos que devem ser enfrentados 1. Como você descreveria esse ambiente

Leia mais

Resumo. Abstract. Introdução

Resumo. Abstract. Introdução 1 Análise e Modelagem de Projeto E-Learning com base na linguagem UML e no padrão SCORM com um propósito de futuras implementações na Faculdade Estácio de Sá de Ourinhos ELAINE PASQUALINI 1 RODRIGO CHRISTONI

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 FRAMEWORK PARA TREINAMENTOS NA WEB BASEADO EM VÍDEO SOBRE DEMANDA Ícaro Carlos Andrade Costa 1 Igor Antônio Andrade Costa 2 Ricardo Ariel Correa Rabelo 3 Renata Azevedo Santos Carvalho 4 RESUMO A educação

Leia mais

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça 1 O Instituto COPPEAD: O Instituto COPPEAD oferece o curso de especialização

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

TUTORIAL DE AMBIENTAÇÃO AO SGUS

TUTORIAL DE AMBIENTAÇÃO AO SGUS TUTORIAL DE TUTORIAL DE Sumário APRESENTAÇÃO 6 OBJETIVOS 8 CAPÍTULO 1 CONHECENDO OS MENUS DE NAVEGAÇÃO 10 CAPÍTULO 2 O SGUS NA PRÁTICA DOS GESTORES 22 CONCLUSÃO 28 REFERÊNCIAS 30 TUTORIAL DE Apresentação

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Teorias de e-learning Fábio Fernandes

Teorias de e-learning Fábio Fernandes Teorias de e-learning Fábio Fernandes O que é uma teoria? Uma teoria, nesse contexto, pode ser descrita como uma série de hipóteses que aplicam-se a todas as instâncias de um acontecimento ou assunto e

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Índice. Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4

Índice. Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4 Página 1 Índice Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4 O QUE É EDUCAÇÃO A DISTANCIA (EAD)?... 4 O que é necessário para estudar em ead?... 4 Quais são as vantagens de estudar a distância?...

Leia mais

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Autor: Robson da Silva Lopes 1, Orientadora: Prof a. Dr a. Márcia Aparecida Fernandes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

Necessário que o participante já tenha conhecimentos em HTML, CSS e desenvolvimento Web.

Necessário que o participante já tenha conhecimentos em HTML, CSS e desenvolvimento Web. Fundado em 1965, o Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel - é um centro de excelência em ensino e pesquisa na área de Engenharia, e tem se consolidado cada vez mais, no Brasil e no exterior, como

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

MATERIAL DE APOIO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA VIA WEB

MATERIAL DE APOIO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA VIA WEB 1 MATERIAL DE APOIO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA VIA WEB Edna Aniceto de Magalhães Universidade de Ribeirão Preto UNAERP edna@odin.unaerp.br Priscila de Oliveira Universidade de Ribeirão Preto UNAERP priscila.oliver@odin.unaerp.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LUIZ CARLOS BARRETO DA SILVA FILHO MODELAGEM DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM UTILIZANDO O MODELO SCORM Salvador 2009

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem)

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) ead.clinicajulioperes.com.br Sumário navegável Como acesso o ambiente?... Como assisto aos vídeos?... Como preencher meu perfil?...

Leia mais

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Sérgio M. Baú Júnior* e Marco A. Barbosa* *Departamento de Informática

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região Objetivo geral Elaborar um projeto básico de curso on-line Objetivos específicos 1.Aplicar conceitos e fundamentos do DI na concepção

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

http://www2.joinville.udesc.br/~gpie Avanilde Kemczinski, Dra.

http://www2.joinville.udesc.br/~gpie Avanilde Kemczinski, Dra. http://www2.joinville.udesc.br/~gpie Foco As investigações do grupo estão relacionadas a utilização, avaliação e desenvolvimento de Tecnologias de Informação e Comunicação - TIC, como elemento facilitador

Leia mais

Comportamento Humano: Liderança, Motivação e Gestão do Desempenho

Comportamento Humano: Liderança, Motivação e Gestão do Desempenho A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

FEB Federação de Repositórios Educa Brasil UFRGS/UNISINOS

FEB Federação de Repositórios Educa Brasil UFRGS/UNISINOS FEB Federação de Repositórios Educa Brasil UFRGS/UNISINOS Parcerias A UFRGS é a executora principal do projeto, através do Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação (CINTED), do Programa

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO COM APOIO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM

ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO COM APOIO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO COM APOIO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM Gilmer Jacinto Peres 1 Instituto Federal do Norte de Minas Gerais gilmerperes@gmail.com Maria

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais