programa sebrae 2014:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "programa sebrae 2014:"

Transcrição

1 programa sebrae 2014: Mapa de Oportunidades para as Micro e pequenas empresas nas cidades-sede caderno de conhecimento: turismo

2 FICHA TÉCNICA SEBRAE SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente Luiz Barretto Diretor Técnico Carlos Alberto dos Santos Diretor de Administração e Finanças José Claudio dos Santos Gerente da Unidade de Atendimento Coletivo Serviços Vinicius Lages Coordenação Nacional do Programa Sebrae 2014 Dival Schmidt Filho Larissa Xavier Natário Teixeira Unidades Estaduais do Sebrae Dirigentes Amazonas: Maurício Seffair Bahia: Lauro Ramos Ceará: Alci Gurgel Distrito Federal: Rodrigo Sá Mato Grosso: José Guilherme Ribeiro Minas Gerais: Afonso Rocha Paraná: Allan Costa Pernambuco: Roberto Castelo Branco Rio de Janeiro: Cezar Vasquez Rio Grande do Norte: José Ferreira de Melo Rio Grande do Sul: Marco Antônio Ribeiro São Paulo: Ricardo Tortorella Coordenadores Estaduais Amazonas: José Araújo Gomes Bahia: Richard Alves Ceará: Antônio Luiz do Nascimento Neto Distrito Federal: Roberto Faria Santos Filho Mato Grosso: Marisbeth Maria Gonçalves Minas Gerais: Mônica Stela de Alencar Castro Paraná: Aldo Cesar Carvalho Pernambuco: Jose Oswaldo Ramos Rio de Janeiro: Danuza Costa Magalhães de Almeida Rio Grande do Norte: Célio José Vieira de Moura Rio Grande do Sul: Amanda B. H. Paim São Paulo: José Bento Desie FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Presidente Carlos Ivan Simonsen Leal Diretor Executivo da FGV Projetos Cesar Cunha Campos Coordenação do Núcleo de Turismo Luiz Gustavo M. Barbosa EQUIPE DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Coordenação Geral do Estudo Airton Pereira Luiz Gustavo M. Barbosa Coordenação Executiva Roberto Pascarella Justa Equipe Técnica Agnes Dantas André Meyer Coelho Gabriela Serpa Isabel Farias Roberto Pascarella Justa Thais Padinha DIAGRAMAÇÃO Quattri Design

3 Índice 5 INTRODUÇÃO 6 Notação Metodológica do Mapeamento de Oportunidades 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS 11 Função: Agenciamento de viagens 12 Função: Alimentos e Bebidas 14 Função: Alojamento 15 Função: Atrativos 17 Função: Serviços de apoio ao turismo 19 Função: Transporte 20 anexos 21 anexo 1 - Estrutura Analítica e Principais Atividades do Setor 26 anexo II - Requisitos de Contratação

4 4 PROGRAMA SEBRAE 2014: Mapa de Oportunidades para as Micro e Pequenas Empresas nas Cidades-Sede Abreviaturas e Siglas ABETA ABNT ANVISA ASO BACEN CADASTUR CADIN CNAE CNPJ CPF EMBRATUR FGTS Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura Associação Brasileira de Normas Técnicas Agência Nacional de Vigilância Sanitária Atestado de Saúde Ocupacional Banco Central do Brasil Casadstro de Turismo Cadastro Informativo de Créditos Não Quitados do Setor Público Federal Classificação Nacional das Atividades Econômicas Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica Cadastro de Pessoas Físicas Instituto Brasileiro de Turismo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGV Fundação Getulio Vargas FIFA Fédération Internationale de Football Association GPS Guia da Previdência Social IRPJ Imposto de Renda Pessoa Jurídica ISO International Organization for Standardization MPE Micro e Pequena Empresa MTUR Ministério do Turismo PCTS Programa de Certificação em Turismo Sustentável RAIS Relação Anual de Informações Sociais RG Registro Geral SA8000 Social Accountability 8000 SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas TI Tecnologia da Informação

5 Caderno de Conhecimento: TURISMO 5 Introdução Este documento apresenta o mapeamento de oportunidades, decorrentes do evento mobilizador Copa do Mundo FIFA 2014, para as micro e pequenas empresas (MPEs) do setor de TURISMO, realizado em conjunto pela Fundação Getulio Vargas (FGV), SE- BRAE Nacional e unidades estaduais no âmbito do PROGRAMA SEBRAE Além dos resultados encontrados em termos de oportunidades de negócios para as MPEs no setor em estudo e de seus requisitos de mercado, também são descritos, de forma sucinta, os aspectos metodológicos específicos no processo de mapeamento das oportunidades do setor de TURISMO. Mais detalhes sobre a construção da metodologia do mapeamento de oportunidades em geral e as implicações para o PROGRAMA SEBRAE 2014 podem ser encontrados em seus respectivos cadernos de conhecimento. É importante salientar que os resultados contidos neste estudo não se esgotam em si mesmos. As conclusões do trabalho devem ser vistas como insumo inicial de dados e informações do Programa SEBRAE Nesse sentido, é fundamental o aprimoramento e o detalhamento dessas conclusões para que o SEBRAE Nacional e suas unidades estaduais possam auxiliar, de maneira mais efetiva possível, as MPEs brasileiras no contexto da Copa do Mundo FIFA 2014.

6 6 PROGRAMA SEBRAE 2014: Mapa de Oportunidades para as Micro e Pequenas Empresas nas Cidades-Sede Notação Metodoló- gica do Mapeamento de Oportunidades A identificação das oportunidades para as MPEs do setor de TURISMO, decorrentes do evento mobilizador Copa do Mundo FIFA 2014, foi realizada com base em uma metodologia desenvolvida especificamente para essa finalidade. A Figura 1, a seguir, apresenta esquematicamente as etapas percorridas para o desenvolvimento metodológico do estudo. Mais detalhes sobre cada uma das etapas podem ser encontrados no Caderno de Conhecimento Metodologia. Figura 1 - Metodologia de Estudo do Mapeamento de Oportunidades Nacional Como mostra a Figura 1, inicialmente foi elaborado, por um painel de especialistas, o instrumento de coleta de dados do setor de TURISMO. Nesses instrumentos é listado o conjunto de atividades do setor, totalizando 159 diferentes tipos de atividades (Anexo 1), distribuídas em 6 funções e 21 áreas. Esse conjunto de atividades deu origem à estrutura analítica do estudo no setor, mostrada na Figura 2.

7 Caderno de Conhecimento: TURISMO 7 Figura 2 - Estrutura analítica das atividades do setor de TURISMO Após a elaboração do instrumento de coleta de dados, o levantamento de oportunidades, no âmbito nacional, foi realizado junto aos especialistas consultados pela FGV. Assim, o objetivo era identificar a chance de atuação de uma MPE em cada uma das atividades do setor. Sendo assim, os especialistas classificaram cada atividade de acordo com a possibilidade de contratação/atuação de uma MPE, considerando determinados parâmetros, listados a seguir: a) Necessidade de parceiros locais: significa a parceria firmada, em determinadas atividades, entre organizações (empresas e comitês locais, por exemplo) e MPEs do setor de TURISMO. Essas parcerias podem gerar oportunidades de negócios para as MPES por meio de contratações diretas; b) Oferta e demanda turística: diz respeito às demandas existentes do setor de TURISMO e o perfil da oferta de empresas e prestadores de serviços (empreendedores individuais, por exemplo) para atendimento dessa demanda; c) Grau de complexidade de recursos técnicos envolvidos: quando as atividades a serem executadas são muito complexas, do ponto de vista técnico, a participação de micro e pequenas empresas pode ser dificultada; d) Histórico do setor: trata-se da memória institucional do setor de TURISMO, seu histórico de contratação e relacionamento com parceiros, podendo existir ou não evidências de contratação de MPEs para a atividade; e) Necessidade de investimentos: dependendo da oportunidade, eventuais investimentos necessários para sua concretização podem impactar, positiva ou negativamente, a chance de atuação das MPEs. Para que as oportunidades identificadas possam ser aproveitadas pelas empresas é necessário que as mesmas estejam adequadas às exigências de seus contratantes. Dessa maneira, como parte da metodologia, o painel de especialistas e a pesquisa de campo levantaram o conjunto de requisitos de contratação a serem cumpridos pelas empresas fornecedoras. Os requisitos, esquematicamente exemplificados na Figura 3, foram organizados em quatro diferentes tipos: > > Documentação geral documentos exigidos pela legislação brasileira para formalização e funcionamento de empresas em qualquer área de atuação, como, por exemplo, CNPJ, alvará de funcionamento e nota fiscal; > > documentação exclusiva do setor de TURISMO, considerada, muitas das vezes, obrigatória para a atuação de empresas em determinadas atividades do setor; > > Gestão requisitos gerais de gestão de negócios, comuns a qualquer empresa. Contudo, podem conter especificidades para o setor, como, por exemplo, avaliação de controle de risco e planejamento para identificação de perigos; > > Sustentabilidade programas e certificações voltados à sustentabilidade e à responsabilidade social e ambiental. Refere-se à preocupação dos empreendimentos em minimizar os impactos ocasionados por suas atividades.

8 8 PROGRAMA SEBRAE 2014: Mapa de Oportunidades para as Micro e Pequenas Empresas nas Cidades-Sede Figura 3 - Estrutura analítica e exemplificação dos requisitos de contratação A natureza dos diferentes tipos de requisitos estão explicadas no Caderno de Conhecimento Metodologia deste estudo. Finalmente, a última etapa da metodologia no nível nacional, após a identificação das oportunidades e definição dos requisitos de contratação, refere-se ao levantamento da densidade de micro e pequenas empresas nas atividades consideradas como oportunidades. Mais detalhes sobre o cálculo de densidade podem ser encontrados no Caderno de Conhecimento Metodologia.

9 Caderno de Conhecimento: TURISMO 9 Resultados consolidados Além dos parâmetros considerados para avaliação das oportunidades (mencionados ) outros aspectos gerais permeiam as oportunidades de negócios para as MPEs do setor de TURISMO. Assim, das 159 atividades levantadas inicialmente (Anexo 1), 98 foram apontadas como potencial oportunidade de atuação de MPEs de acordo com a coleta de dados primários. A possibilidade de participação de MPEs foi identificada em áreas como serviços de alimentação, meios de hospedagem, e outras que podem ser contratadas diretamente pelo turista ou por outras empresas, em escala maior para revenda ao turista.

10 10 PROGRAMA SEBRAE 2014: Mapa de Oportunidades para as Micro e Pequenas Empresas nas Cidades-Sede Funções Nas próximas seções é apresentado o mapeamento de oportunidades para o setor de TURISMO no contexto da Copa do Mundo FIFA Os resultados serão mostrados por função da estrutura analítica do estudo, em quadros individualizados. Cada quadro apresenta cinco colunas: 1) Área: significa em qual área da estrutura analítica do setor de TURISMO a atividade mapeada se encontra; 2) Atividade: é o micro dado do estudo e sua parte mais importante. É a efetiva atividade identificada com chance alta de atuação de uma MPE; 3) Código CNAE 2.0: a estrutura analítica do estudo foi elaborada com base na experiência de profissionais da área e da realidade diária e prática do setor. Assim, as atividades descritas não necessariamente se enquadram na classificação de atividades econômicas do Brasil. Além disso, as empresas brasileiras podem realizar mais de um tipo de atividade econômica, mas elas se registram de acordo com a principal atividade. Assim, para cada atividade, foi elaborada uma lista de possíveis códigos CNAE sob os quais estas atividades podem se encaixar; 4) Descrição CNAE 2.0: é a descrição dos códigos CNAE selecionados para as atividades; 5) Densidade de MPEs: o cálculo explicado na metodologia deste estudo leva em consideração o universo de empresas classificadas sob o código CNAE em análise e a respectiva parcela de MPEs nesse mesmo universo. Quanto mais próximo de 1, mais MPEs existem na atividade econômica.

11 Caderno de Conhecimento: TURISMO 11 Função: Agenciamento de viagens As oportunidades na função Agenciamento de viagens, em decorrência da Copa do Mundo FIFA 2014, são relativas a serviços especializados descritos no quadro a seguir. Tais oportunidades podem ser apro- veitadas por agências especializadas em serviços emissivos e receptivos, e por empreendedores individuais com atuação na área de serviços de condução e guia de turismo. Área Quadro 1 - Oportunidades na função Agenciamento de viagens Atividade Código CNAE Descrição CNAE Agências de viagem Serviços de emissivo por agências de viagem Agências de viagens 0,77 Agências de viagem Serviços de receptivo por agências de viagem Agências de viagens 0,77 Empreendedor individual Serviços de condutor Operadores turísticos 0,99 Empreendedor individual Serviços de guia de turismo Operadores turísticos 0,99 Empreendedor individual Serviços de guia específicos (ex.: montanha, caça e pesca) Operadores turísticos 0,99 Densidade MPEs A Copa do Mundo FIFA 2014 apresenta oportunidades para as agências de viagem, tanto emissivas quanto as de receptivo. No caso das primeiras, é preciso destacar a relevância do fluxo de turistas domésticos durante o evento. Os jogos não somente da seleção brasileira, como também de outros países tradicionais do futebol podem despertar o interesse dos brasileiros e motivar viagens internas para acompanhamento ao vivo dessas partidas. No caso do turismo receptivo, é importante destacar que as agências brasileiras podem se beneficiar das oportunidades geradas pela Copa do Mundo FIFA 2014 ao se credenciarem junto aos operadores internacionais credenciados do Tour Operator Programme (TOP) da Match/FIFA. Os credenciados ao programa têm o direito de vender, em seus países de origem, pacotes oficiais com ingressos para os jogos da Copa do Mundo FIFA Normalmente, conforme levantado nas entrevistas desse trabalho, esses operadores internacionais recorrem aos serviços de receptivo no país sede da Copa do Mundo FIFA 2014 para atender seus clientes localmente. Respeitando os requisitos pactuados entre esses operadores e os interessados que venham a fechar parcerias com eles durante a Copa do Mundo FIFA 2014, surgem oportunidades para as empresas brasileiras do segmento se apropriarem dos negócios gerados por meio do credenciamento juntos aos operadores. Além das oportunidades geradas por meio dos agentes oficiais do TOP, as empresas de receptivo também têm a chance de aproveitar as oportunidades geradas pelos turistas que viajam ao país sede sem um pacote oficial Match/FIFA. Segundo a pesquisa realizada pela FGV durante a Copa do Mundo FIFA 2010 na África do Sul, metade dos indivíduos entrevistados que recorreram a agências para organização de suas viagens assim o fizeram em agentes não-oficiais. Finalmente, cabe destacar que o incremento da demanda de serviços de receptivo pode gerar oportunidades também para empreendedores individuais ligados a essas atividades. Nesse sentido, são boas as perspectivas dos guias e condutores que desempenham suas atividades nas cidades-sede ou em destinos do entorno, por exemplo. A demanda para estes segmentos é significativa, pois segundo os dados levantados na pesquisa de demanda da Copa do Mundo FIFA 2010 na África do Sul, 83% dos entrevistados afirmaram que permaneceriam mais dias nas cidades-sede ou conheceriam outras localidades.

12 12 PROGRAMA SEBRAE 2014: Mapa de Oportunidades para as Micro e Pequenas Empresas nas Cidades-Sede Função: Alimentos e Bebidas Existe uma grande variedade de serviços de Alimentos e Bebidas que poderão ser aproveitados pelas MPEs, listados no quadro abaixo. Área Outros tipos de serviço de alimentação Outros tipos de serviço de alimentação Outros tipos de serviço de alimentação Outros tipos de serviço de alimentação Outros tipos de serviço de alimentação Outros tipos de serviço de alimentação Quadro 2 - Oportunidades na função Alimentos e Bebidas Atividade Código CNAE Cafeterias Lojas de conveniência Padarias e confeitarias Serviços de bufê, catering Serviços de provisão de bebidas para seu consumo local Sorveterias Refeição Estabelecimentos de auto serviço Refeição Lanchonetes e similares Refeição Restaurantes e estabelecimentos de bebidas, com serviço completo Descrição CNAE Restaurantes e outros estabelecimentos de serviços de alimentação e bebidas 0,98 Restaurantes e outros estabelecimentos de serviços de alimentação e bebidas 0, Restaurantes e outros estabelecimentos de serviços de alimentação e bebidas 0, Comércio varejista de produtos de padaria, laticínio, doces, balas e semelhantes 0,91 Serviços de catering, bufê e outros serviços de comida preparada 0, Comércio varejista de bebidas 1, Restaurantes e outros estabelecimentos de serviços de alimentação e bebidas 0,98 Restaurantes e outros estabelecimentos de serviços de alimentação e bebidas 0,98 Restaurantes e outros estabelecimentos de serviços de alimentação e bebidas 0,98 Restaurantes e outros estabelecimentos de serviços de alimentação e bebidas 0, Restaurantes e outros estabelecimentos de serviços de alimentação e bebidas 0,98 Densidade MPEs Os serviços de alimentação são um componente importante da oferta dos destinos turísticos que serão sede da Copa do Mundo FIFA Além da necessidade básica por alimentação, esses serviços também podem se consitituir no próprio atrativo, representando a motivação para o turista com interesse pela gastronomia local, contribuindo para o amento de seus gastos médios de viagem. Nesse sentido, as oportunidades no segmento de alimentação e bebidas podem ser bastante pulverizadas durante a fase dos jogos. Com a exceção mais notável dos serviços de catering, grande parte das oportunidades pode se concentrar na oferta dos serviços diretamente ao público do evento. Isso proporciona, automaticamente, oportunidades de aumento de receitas das empresas prestadoras desses serviços durante o período da Copa do Mundo FIFA No caso dos serviços de catering e bufê, as oportunidades estão associadas à realização de uma série de eventos (relacionados direta ou indiretamente à Copa do Mundo FIFA 2014) a serem promovidos nas cidades-sede. Tais eventos podem ser oficiais ou não. No caso de eventos da própria FIFA, é importante que as empresas da área estejam atentas aos requisitos de contratação determinados pelas organizações contratantes. Esse contexto é especialmente importante para aqueles estabelecimentos situados nas chamadas áreas turísticas ou de trânsito turístico. Contudo, nas áreas próximas aos estádios onde serão realizadas partidas da Copa do Mundo FIFA 2014, bem como nas imediações dos eventos FIFA fan parks e FIFA fan fests, os empresários devem ficar atentos às normas que as autoridades locais venham a estabelecer em conjunto com a FIFA com o objetivo de proteger os parceiros comerciais da organização. Na Copa do Mundo FIFA 2010 na África do Sul, por exemplo, a proteção à marca dos patrocinadores oficiais (globais e locais) pela FIFA foi rigorosa e as auto-

13 Caderno de Conhecimento: TURISMO 13 ridades do país determinaram que os estabelecimentos de rua perto dos estádios que vendiam bebidas não fabricadas pelos patrocinadores oficiais teriam de colocá-las em garrafas sem marcas. Outro aspecto importante para a apropriação das oportunidades da Copa do Mundo FIFA 2014 na função Alimentos e Bebidas diz respeito à compreensão do perfil da demanda do evento. Portanto, faz-se necessário identificar os desejos e hábitos alimentares dos indivíduos das diversas nacionalidades participantes da Copa do Mundo FIFA 2014 no Brasil. Tal análise é importante para definir quais os principas produtos a serem comercializados e atrair os turistas internacionais para as peculiaridades da gastronomia nacional. Contudo, é preciso ressaltar que apenas a partir de 2013 o país saberá quais as nações classificadas para a Copa do Mundo FIFA 2014, de acordo com as eliminatórias continentais.

14 14 PROGRAMA SEBRAE 2014: Mapa de Oportunidades para as Micro e Pequenas Empresas nas Cidades-Sede Função: Alojamento As oportunidades referentes à função Alojamento indicam possibilidades de prestação de serviços em diferentes tipos de meios de hospedagem. O quadro a seguir apresenta essas oportunidades. Área Quadro 3 - Oportunidades na função Alojamento Atividade Código CNAE 2.0 Descrição CNAE 2.0 Aluguel Serviços de aluguel de imóveis por temporada Outros tipos de alojamento não especificados 1,00 Meio de hospedagem Contratação de diária em albergue de turismo Outros tipos de alojamento não especificados 1,00 Meio de hospedagem Contratação de diária em cama e café Outros tipos de alojamento não especificados 1,00 Meio de hospedagem Contratação de diária em hotel Hotéis e similares 0,96 Meio de hospedagem Contratação de diária em pensão /hospedaria Outros tipos de alojamento não especificados 1,00 Meio de hospedagem Contratação de diária em pousada Hotéis e similares 0,96 Meio de hospedagem Contratação de diária em spa Hotéis e similares 0,96 Meio de hospedagem Serviços de barco-hotel Outros tipos de alojamento não especificados 1,00 Densidade de MPEs Os aspectos ligados ao alojamento são considerados um dos mais críticos para a gestão e boa realização de qualquer megaevento. No caso específico da Copa do Mundo FIFA 2014, assim como mencionado na função de Agenciamento de viagens, a Match/FIFA têm um importante papel. O staff da FIFA, composto por membros de seus patrocinadores globais e locais, parceiros diversos e representantes governamentais são atendidos por uma cota de unidades habitacionais em estabelecimentos devidamente credenciados pela Match/FIFA reservado a esse público específico. Desta maneira, verifica-se que esse mercado não oferece oportunidades para as MPEs, pois os estabelecimentos credenciados são grandes hotéis de redes nacionais e internacionais. Além dos membros da FIFA, a Match também é responspavel pelas hospedagens referentes aos pacotes de viagem comercializados pelas operadoras autorizadas a negociar oficialmente esses pacotes para os jogos (conforme discriminado na função Agenciamento de viagens). Historicamente, esse mercado também não é aberto para as MPEs, sendo normalmente atendido por grandes empreendimentos. Todavia, a Copa do Mundo FIFA 2010 na África do Sul abriu um precedente novo. Nesse evento, a Match contratou acomodações também em outros meios de hospedagem além de grandes hotéis. A semelhança entre os países Brasil e África do Sul quanto a economia em desenvolvimento, possibilita que a oferta hoteleira nacional seja complementada por um acordo semelhante ao realizado em 2010 na África do Sul. Cabe ressaltar que do total de turistas entrevistados na pesquisa da FGV na Copa do Mundo FIFA 2010 na África 15% indicaram ter se hospedado em estabelecimentos tipicamente pequenos, destes 10% utilizaram estabelecimentos do tipo bed & breakfast e 5% albergues. Além disso, 69% dos entrevistados indicaram utilizar hotéis, sendo que mais de dois terços foram hotéis econômicos e médios.

15 Caderno de Conhecimento: TURISMO 15 Função: Atrativos As oportunidades na função Atrativos, divididas nas áreas de eventos e entretenimento, estão apresentadas no quadro a seguir. Área Quadro 4 - Oportunidades na função Atrativos Atividade Código CNAE Descrição CNAE Danceteria, discoteca, casas de dança Atividades de recreação e lazer não especificadas 0, Ensino de esportes 0,86 Escolas de esportes (ex.: surf, futebol etc.) Clubes sociais, esportivos e similares 0, Gestão de instalações de esportes 1,00 Salas de espetáculos Gestão de espaços para artes cênicas, espetáculos e outras atividades artísticas 0,50 Serviços de recreação para crianças Aluguel de equipamentos recreativos e esportivos 1, Atividades de recreação e lazer não especificadas 0,77 Serviços relacionados com atrativos naturais (ex. jet ski, caiaque, etc.) Serviços relacionados com esportes de aventura e risco Serviços relacionados com patrimônio cultural e artístico (ex.: museus, alambiques, fazendas, ateliês) Aluguel de espaço para eventos científicos ou técnicos Aluguel de espaço para eventos culturais e artísticos Aluguel de espaço para eventos desportivos Serviços de confecção de brinde Serviços de confecção de material gráfico Aluguel de equipamentos recreativos e esportivos 1, Atividades esportivas não especificadas 0, Aluguel de equipamentos recreativos e esportivos 1, Ensino de esportes 0,86 Atividades de museus e de exploração, restauração artística e conservação de lugares e prédios históricos e atrações 0,28 similares Atividades de organização de eventos, exceto culturais e esportivos 0, Atividades de organização de eventos, exceto culturais e esportivos 0, Atividades esportivas não especificadas 0, Gestão de instalações de esportes 1,00 Atividades de publicidade não especificadas 0,32 Atividades de publicidade não especificadas 0,32 Serviços de empresa/profissional de decoração Design e decoração de interiores 0,99 Aluguel de máquinas e equipamentos não ,97 especificados Serviços de iluminação Artes cênicas, espetáculos e atividades ,99 complementares Serviços de locação de equipamentos para eventos, feiras e exposições (ex.: gerador, cabine de tradução etc.) Serviços de montagem de eventos de negócios, feiras e exposições Serviços de montagem de provas desportivas de competição e de entretenimento Serviços de organização de eventos de negócios, feiras e exposições Aluguel de máquinas e equipamentos não especificados Atividades de organização de eventos, exceto culturais e esportivos Atividades esportivas não especificadas Atividades de organização de eventos, exceto culturais e esportivos Densidade MPEs 0,97 0,98 0,97 0,98

16 16 PROGRAMA SEBRAE 2014: Mapa de Oportunidades para as Micro e Pequenas Empresas nas Cidades-Sede Área Atividade Serviços de organização de provas desportivas de competição e de entretenimento Serviços de produção de eventos de negócios, feiras, exposições Serviços de produção de provas desportivas de competição e de entretenimento Serviços de promoção de eventos de negócios, feiras, exposições Serviços de promoção de provas desportivas de competição e de entretenimento Serviços de sistema de comunicação (ex. Internet, telefonia etc.) Código CNAE Descrição CNAE Atividades esportivas não especificadas 0, Atividades de organização de eventos, exceto culturais e esportivos 0, Atividades esportivas não especificadas 0, Atividades de organização de eventos, exceto culturais e esportivos 0, Atividades esportivas não especificadas 0, Aluguel de máquinas e equipamentos para escritório 0, Consultoria em tecnologia da informação 0,91 Serviços de sistema de credenciamento Consultoria em tecnologia da informação 0,91 Serviços de sonorização Artes cênicas, espetáculos e atividades complementares 0,99 Densidade MPEs Considerando que o Brasil, assim como a África do Sul, também é um país distante dos grandes centros emissivos, pode-se assumir que o tempo de permanência durante a Copa do Mundo FIFA 2014 no Brasil será semelhante ao observado na Copa do Mundo FIFA 2010 na África do Sul, que foi de 17,6 pernoites, segundo pesquisa realizada pela FGV durante o evento. Esse tempo de permanência elevado abre várias oportunidades de entretenimento aos turistas durante sua estadia no Brasil. Adicionalmente, se considerarmos o perfil majoritário dos turistas internacionais que acompanharam o evento na África do Sul, ou seja, adultos, solteiros, com formação superior e renda elevada, produtos turísticos que sejam um entretenimento para esse público tornam-se, naturalmente, oportunidades de negócios para as MPEs dessas áreas. Portanto, as casas de dança e salas de espetáculos, além dos estabelecimentos culturais, bem como as atividades relacionadas com atrativos naturais, passam a dispor, potencialmente, de um fluxo financeiro adicional, em virtude da maior demanda de turistas por esses serviços durante a realização dos jogos. No que tange à área de eventos, também é possível observar o surgimento de oportunidades para as empresas que prestam serviços nessa área. Assim, serviços de apoio à realização de eventos, tais como locação de equipamentos, iluminação, sonorização, produção, etc. podem se beneficiar desse contexto e aproveitar oportunidades geradas pela realização de eventos decorrentes da Copa do Mundo FIFA É importante destacar que os eventos não precisam ser necessariamente oficiais, isto é, eventos da FIFA. Porém, nesses casos e naqueles que envolvam a contratação desses serviços via comitê organizador local, é fundamental a observância aos requisitos de contratação, elaborados pelos contratantes, a fim de que oportunidades não sejam desperdiçadas pela não adequação a tais exigências.

17 Caderno de Conhecimento: TURISMO 17 Função: Serviços de apoio ao turismo Nessa função, há diversas atividades de apoio ou desenvolvimento de empresas do setor de TURISMO que estão abertas como oportunidades para as MPEs. Assim, atividades de capacitação, tais como cursos voltados para o empreendedor e cursos relacionados à segurança alimentar, bem como atividades de consultoria (serviços de marketing, de planejamento estratégico e tributário, por exemplo) são oportunidades que podem ser aproveitadas pelas MPEs. O quadro a seguir discrimina as oportunidades para as MPEs na função Serviços de apoio ao turismo.. Área Quadro 5 - Oportunidades na função Serviços de apoio ao turismo Atividade Código CNAE Descrição CNAE Capacitação Cursos relacionados à segurança alimentar Atividades de ensino não especificadas 0,63 Capacitação Cursos voltados para o empreendedor Atividades de ensino não especificadas 0,63 Capacitação Serviços de ensino de idiomas Ensino de idiomas 0,93 Consultoria Serviços de marketing Atividades de publicidade não especificadas 0,32 Consultoria Serviços de planejamento estratégico Atividades de consultoria em gestão empresarial 0,26 Consultoria Serviços financeiros/tributários Atividades de contabilidade, consultoria e auditoria contábil e tributária 0,85 Consultoria Serviços jurídicos Atividades jurídicas, exceto cartórios 0,73 Comércio de cartões telefônicos Comércio varejista de outros produtos novos não especificados 0,86 Confecção de mapas Impressão de jornais, livros, revistas e outras publicações periódicas 0,31 Edição de cartões postais Edição de cadastros, listas e outros produtos gráficos 0,97 Serviços de academia de ginástica Transportes rodoviários não especificados 0,80 Serviços de aluguel de câmeras fotográficas Aluguel de objetos pessoais e domésticos não especificados 0,99 Serviços de beleza/estéticos Cabeleireiros e outras atividades de tratamento de beleza 0,95 Serviços de casas de câmbio Atividades auxiliares dos serviços financeiros não especificadas 0,98 Serviços de excursão panorâmica por via aquaviária Transportes aquaviários não especificados Serviços de fotografia Atividades fotográficas e similares 0,99 Serviços de informação turística Serviços de reservas e outros serviços de turismo não especificados 0,97 Serviços de Internet sem fio Outras atividades de telecomunicações 0, Telecomunicações por satélite 0,46 Atividades de serviços prestados Serviços de lan house e business center principalmente às empresas não especificadas 0,96 Serviços de leasing ou aluguel de equipamentos de camping Serviços de leasing ou aluguel de equipamentos de equitação Serviços de leasing ou aluguel de equipamentos de transporte aéreo que não sejam motorizados (ex.: asa-delta, parapente) Serviços de leasing ou aluguel de equipamentos náuticos Aluguel de equipamentos recreativos e esportivos Aluguel de equipamentos recreativos e esportivos Aluguel de equipamentos recreativos e esportivos Aluguel de equipamentos recreativos e esportivos Densidade MPEs 0,97 1,00 1,00 1,00 1,00

18 18 PROGRAMA SEBRAE 2014: Mapa de Oportunidades para as Micro e Pequenas Empresas nas Cidades-Sede Área Atividade Serviços de leasing ou aluguel de equipamentos para esportes Código CNAE Descrição CNAE Aluguel de equipamentos recreativos e esportivos Serviços de revelação fotográfica Atividades fotográficas e similares 0,99 Serviços de tradução e interpretação Atividades profissionais, científicas e técnicas não especificadas 0,62 Transporte turístico em tração animal (ex.: charrete) Atividades de recreação e lazer não especificadas Segurança Serviços de vigilância Atividades de vigilância e segurança privada 0,07 Técnico/Operacional Confecção de material promocional Atividades de publicidade não especificadas 0,32 Técnico/Operacional Limpeza e manutenção Limpeza em prédios e em domicílios 0,07 Técnico/Operacional Locação de geradores Aluguel de máquinas e equipamentos não especificados 0,97 Técnico/Operacional Serviço de carro-pipa Captação, tratamento e distribuição de água 0,16 Técnico/Operacional Serviço de dedetização Imunização e controle de pragas urbanas 0,39 Técnico/Operacional Serviços de comunicação e informática Suporte técnico, manutenção e outros serviços em tecnologia da informação 0,38 Técnico/Operacional Serviços de lavanderia Lavanderias, tinturarias e toalheiros 0, Locação de mão de obra temporária 0,66 Técnico/Operacional Serviços de terceirização de mão de obra Fornecimento e gestão de recursos humanos para terceiros 0,65 Serviços de web Serviços de web designer Desenvolvimento de programas de computador sob encomenda 0,29 Densidade MPEs 1,00 0,77 MPEs que prestam serviços técnicos ou operacionais para outras empresas do setor de TURISMO também podem se beneficiar da demanda extra proporcionada pela Copa do Mundo FIFA 2014 e incrementar os negócios na prestação de serviços diversos, tais como limpeza e manutenção, terceirização de mão de obra e lavanderia. Outra área que também pode se beneficiar do contexto do evento e ampliar suas receitas são as atividades de apoio ao turismo que são direcionadas aos próprios turistas. Nesses casos, pode-se citar desde serviços de passeio para os turistas como também aqueles que colaboram para a competitividade de destinos turísticos, tais como os estabelecimentos de lan house e casas de câmbio.

19 Caderno de Conhecimento: TURISMO 19 Função: Transporte As oportunidades para as MPEs na função Transporte, além da divisão por modalidade, também podem ser classificadas em função da natureza da atividade. Nesse sentido, há oportunidades para empresas que realizam trabalhos de manutenção em veículos rodoviários e marítimos, sendo que tais oportunidades estão associadas ao incremento da demanda por seus serviços em função do maior fluxo turístico previsto para o período dos jogos. As oportunidades para função tranporte seguem descritas no Quadro 6. Hidroviário Hidroviário Hidroviário Área Manutenção e reparação Manutenção e reparação Manutenção e reparação Quadro 6 - Oportunidades na função Transporte Atividade Serviços de aluguel de embarcações com tripulação para transporte de viajantes Serviços de leasing ou aluguel de embarcações de passageiros sem tripulação Serviços relacionados com a exploração de portos e vias de navegação (exceto carga e descarga) Serviços de manutenção de veículos motorizados Serviços de manutenção e conservação de embarcações privadas de passageiros Serviços de manutenção e reparação de veículos a motor Código CNAE Descrição CNAE Transporte marítimo de cabotagem 0, Transporte marítimo de longo curso 0, Arrendamento mercantil 0, Gestão de portos e terminais 0, Manutenção e reparação de veículos automotores Densidade MPEs 0, Manutenção e reparação de embarcações 0, Centrais de chamadas e reservas de táxi Manutenção e reparação de veículos automotores Atividades auxiliares dos transportes terrestres não especificadas Serviços de aluguel de automóveis com motorista Transporte rodoviário de táxi 0,97 Serviços de aluguel de lotação e ônibus com motorista Transporte rodoviário de táxi 0,97 Serviços de estacionamento privado Estacionamento de veículos 0,71 Serviços de leasing ou aluguel de automóveis ou camionetas sem motorista Arrendamento mercantil 0,33 Serviços de táxi (empreendedor individual) Transporte rodoviário de táxi 0,97 Serviços de estacionamento de terminais de transporte de passageiros Estacionamento de veículos 0,71 0,86 0,96 O aluguel de veículos durante o período dos jogos também é uma fonte de oportunidades para as MPEs que atuam nesse ramo. No caso dos carros alugados, mais especificamente, vale destacar que na África do Sul 47% dos entrevistados pela pesquisa realizada pela FGV recorreram a esse tipo de serviço. Finalmente, cabe destacar que os serviços de aluguel de veículos com motorista também se destacam como boas oportunidades para as MPEs. Desta maneira, é importante que os prestadores desse tipo de serviço estejam atentos a possíveis parcerias. À semelhança do que ocorreu com os meios de hospedagem e os serviços de agenciamento de viagens, algumas empresas internacionais de logística recorrem a parceiros nacionais para atendimento na ponta de seus clientes nos países-sede. Para tanto, é importante que os interessados estejam atentos aos requisitos que venham a ser estipulados pelos contratantes para fechamento das parcerias.

20 20 PROGRAMA SEBRAE 2014: Mapa de Oportunidades para as Micro e Pequenas Empresas nas Cidades-Sede anexos

1 - Lista de produtos específi cos de turismo

1 - Lista de produtos específi cos de turismo Anexos 1 - Lista de produtos específi cos de turismo Economia do Turismo Análise das atividades características do turismo 2003 (continua) 63110.0 Serviços de alojamento em hotéis e motéis 63191.0 Serviços

Leia mais

Anexos. 1 - Lista de produtos específicos do turismo. 2 - Lista de atividades e produtos característicos do turismo

Anexos. 1 - Lista de produtos específicos do turismo. 2 - Lista de atividades e produtos característicos do turismo Anexos 1 - Lista de produtos específicos do turismo 2 - Lista de atividades e produtos característicos do turismo Anexos (continua) 63110.0 Serviços de alojamento em hotéis e motéis 63191.0 Serviços de

Leia mais

Anexo 1 LISTA DE PRODUTOS CARACTERÍSTICOS DO TURISMO E ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DO TURISMO

Anexo 1 LISTA DE PRODUTOS CARACTERÍSTICOS DO TURISMO E ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DO TURISMO ANEXOS Anexo 1 LISTA DE PRODUTOS CARACTERÍSTICOS DO TURISMO E ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DO TURISMO A. Lista de produtos característicos do turismo A lista de produtos característicos do turismo é provisória

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO

O MERCADO DE TRABALHO O MERCADO DE TRABALHO NAS ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DE TURISMO NA CIDADE DE SÃO PAULO 99.090 Postos de Trabalho Formais e Diretos Alimentação 44,5% Agência de Viagem 13,1% 22,2% Alojamento 14,7% s 1,9%

Leia mais

COMO PRODUTORES E EMPRESAS PRECISAM SE PREPARAR PARA PARTICIPAR E GANHAR ESSE JOGO?

COMO PRODUTORES E EMPRESAS PRECISAM SE PREPARAR PARA PARTICIPAR E GANHAR ESSE JOGO? COMO PRODUTORES E EMPRESAS PRECISAM SE PREPARAR PARA PARTICIPAR E GANHAR ESSE JOGO? Léa Lagares Coordenadora Nacional da Fruticultura e Vitivinicultura Unidade de Atendimento Coletivo Agronegócio - UAGRO

Leia mais

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Legislação Turística LEI N º 11.771/2008 DECRETO N 7.381/2010 PORTARIA N 197/20103 PORTARIA Nº 311/2013 Legislação Turística Lei Geral do Turismo 11.771/2008

Leia mais

programa sebrae 2014:

programa sebrae 2014: programa sebrae 2014: Mapa de Oportunidades para as Micro e pequenas empresas nas cidades-sede caderno de conhecimento: SerViÇoS FICHA TÉCNICA SEBRAE SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

Fabricação de artigos do vestuário, produzidos em malharias e tricotagens, exceto meias

Fabricação de artigos do vestuário, produzidos em malharias e tricotagens, exceto meias CNAE Grupo CNAE Descrição CNAE Grau de risco 4.-8 4 Confecção de roupas íntimas 4.-6 4 Confecção de peças do vestuário, exceto roupas íntimas 4.3-4 4 Confecção de roupas profissionais 4.4-4 Fabricação

Leia mais

Notas técnicas. Definição e classificação de produtos do turismo

Notas técnicas. Definição e classificação de produtos do turismo Notas técnicas Definição e classificação de produtos do turismo A Organização Mundial de Turismo - OMT (World Tourism Organization - UNWTO) define turismo como o conjunto de atividades que as pessoas realizam

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo

Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo Boletim Trimestral Julho - Setembro/2010 Dados: CAGED (MTE) IPEA O objetivo deste Boletim é acompanhar a cada três meses a variação do emprego formal nas atividades

Leia mais

PROGRAMA SEBRAE 2014:

PROGRAMA SEBRAE 2014: PROGRAMA SEBRAE 2014: Mapa de Oportunidades para as Micro e Pequenas Empresas nas Cidades-Sede caderno de conhecimento: FOrtaleza FICHA TÉCNICA SEBRAE SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

Ideias de Negócios para 2014

Ideias de Negócios para 2014 Ideias de Negócios para 2014 Agência de Receptivo 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo

Leia mais

Programa Sebrae 2014: Mapa de oportunidades para as micro e pequenas empresas nas cidades-sede. Relatório Recife

Programa Sebrae 2014: Mapa de oportunidades para as micro e pequenas empresas nas cidades-sede. Relatório Recife t Programa Sebrae 2014: Mapa de oportunidades para as micro e pequenas empresas nas cidades-sede Relatório Recife MAAMENTO DE OPORTUNIDADES NACIONAL Diante do cenário positivo de investimentos e movimentação

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.406 DE 30 DE MARÇO DE 2005. Regulamenta o cadastro obrigatório para fins de fiscalização das sociedades empresárias, das

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI

ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI APRESENTAÇÃO Com o intuito de auxiliar destinos turísticos a analisar, conjugar e equilibrar os diversos fatores que, para além da atratividade, contribuem para a evolução

Leia mais

Diretoria de Pesquisa. Serviços 25/08/2010

Diretoria de Pesquisa. Serviços 25/08/2010 Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio Pesquisa Anual de Serviços PAS 2008 25/08/2010 Objetivos da PAS 1 - Reunir um conjunto de informações econômicofinanceiras que permitam estimar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA n.º 05/20015. Para baixar o termo, clique aqui

TERMO DE REFERÊNCIA n.º 05/20015. Para baixar o termo, clique aqui TERMO DE REFERÊNCIA n.º 05/20015 Para baixar o termo, clique aqui 1. OBJETO Coordenação de logística projeto Flip 2015 2. ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS Hospedagem Organizar a logística de hospedagem dos seguintes

Leia mais

Programa Sebrae 2014: Mapa de oportunidades para as micro e pequenas empresas nas cidades-sede. Relatório São Paulo

Programa Sebrae 2014: Mapa de oportunidades para as micro e pequenas empresas nas cidades-sede. Relatório São Paulo Programa Sebrae 2014: Mapa de oportunidades para as micro e pequenas empresas nas cidades-sede Relatório São Paulo 1 MAPEAMENTO DE OPORTUNIDADES NACIONAL Diante do cenário positivo de investimentos e movimentação

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens 28/09/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

Apresentação. Entendendo a Copa A Copa em Porto Alegre Oportunidades

Apresentação. Entendendo a Copa A Copa em Porto Alegre Oportunidades Apresentação Entendendo a Copa A Copa em Porto Alegre Oportunidades Impactos Econômicos Mega Eventos 2010 2013 Construção Civil Móveis Tecnologia da Informação 2013... Comércio e Serviços Turismo Produção

Leia mais

CADASTUR E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. www.cadastur.turismo.gov.br

CADASTUR E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. www.cadastur.turismo.gov.br CADASTUR E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS www.cadastur.turismo.gov.br O QUE É? É o cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos no Brasil. OBJETIVO Promover o ordenamento, a formalização e a legalização

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso...

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso... PORTO SEGURO APRESENTAÇÃO Qualquer forma de desenvolvimento econômico requer um trabalho de planejamento consistente para atingir o objetivo proposto. O turismo é apresentado hoje como um setor capaz de

Leia mais

programa sebrae 2014:

programa sebrae 2014: programa sebrae 2014: Mapa de Oportunidades para as Micro e pequenas empresas nas cidades-sede caderno de conhecimento: comércio VareJiSta FICHA TÉCNICA SEBRAE SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS

Leia mais

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT MISSÃO SEBRAE Missão: Ser uma organização de desenvolvimento, ética e séria, gerando alternativas de soluções para nossos clientes tornarem-se competitivos alinhados à sustentabilidade da vida. ÁREA DE

Leia mais

CABEÇALHO IDENTIFICAÇÃO

CABEÇALHO IDENTIFICAÇÃO Página 1 de 7 UF CABEÇALHO REGIÃO TURÍSTICA MUNICÍPIO DISTRITO TIPO SUBTIPO 1 - NOME IDENTIFICAÇÃO 1.1 NOME FANTASIA/COMERCIAL: 1.2 NOME JURÍDICO/ RAZÃO SOCIAL: 1.3 NOME DA REDE/HOLDING: 1.4 CNPJ: 1.5

Leia mais

ANEXO 96 ATIVIDADES COM FORMA DE PAGAMENTO EM FUNÇÃO DA RECEITA BRUTA (a que se refere o 1º do art. 118)

ANEXO 96 ATIVIDADES COM FORMA DE PAGAMENTO EM FUNÇÃO DA RECEITA BRUTA (a que se refere o 1º do art. 118) ANEXO 96 ATIVIDADES COM FORMA DE PAGAMENTO EM FUNÇÃO DA RECEITA BRUTA (a que se refere o 1º do art. 118) Nota: A redação atual do Anexo 96 foi dada pela Alteração nº 84 (Decreto nº 10.223, de 02/02/07,

Leia mais

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL PORTO SEGURO 2015

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL PORTO SEGURO 2015 ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL PORTO SEGURO 2015 2 APRESENTAÇÃO A fim de dar continuidade ao trabalho iniciado em 2008, o Ministério do Turismo (MTur), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE A COPA FIFA 2014

INFORMAÇÕES SOBRE A COPA FIFA 2014 INFORMAÇÕES SOBRE A COPA FIFA 2014 Por Milton Karam 06.outubro.2010 COPA FIFA 2014 CRONOLOGIA 2003 03 de junho - a Confederação Sul-Americana de Futebol CONMEBOL anuncia Argentina, Brasil e Colômbia 2006

Leia mais

2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS

2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS 2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS Este tópico apresenta uma avaliação da capacidade e da qualidade atual dos equipamentos turísticos disponíveis na Área de Planejamento,

Leia mais

Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo. Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001

Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo. Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001 Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001 A Diretoria da EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo, no uso de suas atribuições

Leia mais

ANEXO IV Autorização para geração da NFS-e a partir de 01/03/2015. Descrição do Código CNAE 2.0. 8690-9/04 Atividades de podologia 06.

ANEXO IV Autorização para geração da NFS-e a partir de 01/03/2015. Descrição do Código CNAE 2.0. 8690-9/04 Atividades de podologia 06. 8690-9/04 Atividades de podologia 06.01 9602-5/01 Cabeleireiros 06.01 9602-5/02 Outras atividades de tratamento de beleza 06.01 9602-5/02 Atividades de estética e outros serviços de cuidados com a beleza

Leia mais

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015 Vicente Sevilha Junior setembro/2014 Compreender como funciona o SIMPLES Entender quais atividades podem ou não optar pelo SIMPLES Analisar as tabelas e percentuais do SIMPLES

Leia mais

Ministério do Turismo. Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos

Ministério do Turismo. Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos Ministério do Turismo Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos Sumário Executivo Em 2005, do total previsto para o Ministério do Turismo,

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio. Pesquisa Anual de Serviços PAS 2009 25/08/2011

Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio. Pesquisa Anual de Serviços PAS 2009 25/08/2011 Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio Pesquisa Anual de Serviços PAS 2009 25/08/2011 Objetivos da PAS 1 - Reunir um conjunto de informações econômicofinanceiras que permitam estimar

Leia mais

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com São Paulo O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios São Paulo Convention & Visitors Bureau Fundação 25 de Janeiro Entidade estadual, mantida pela iniciativa privada. Captação e apoio

Leia mais

Expediente. Créditos. Prefeito de Vitória João Coser. Vice-Prefeito Tião Barbosa. Secretário Municipal de Turismo Antônio Olímpio Bispo

Expediente. Créditos. Prefeito de Vitória João Coser. Vice-Prefeito Tião Barbosa. Secretário Municipal de Turismo Antônio Olímpio Bispo Expediente Prefeito de Vitória João Coser Vice-Prefeito Tião Barbosa Secretário Municipal de Turismo Antônio Olímpio Bispo Subsecretário Municipal de Turismo Leandro Dalcolmo Tononi Gerente de Desenvolvimento

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE LOJA

FRANQUIA MODALIDADE LOJA FRANQUIA MODALIDADE LOJA SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem 1º Semestre 2013 O Cadastur Registro Hotel, Hotel histórico, hotel de lazer/resort,

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE

FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE SUMÁRIO QUEM SOMOS 02 PREMIAÇÕES 03 ONDE ESTAMOS 04 O MODELO QUIOSQUE 06 NOSSO NEGÓCIO 07 MULTIMARCAS 07 MULTISERVIÇOS 08 PERFIL DO FRANQUEADO 09 VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE

Leia mais

ANEXO V-D Usos e Atividades. Enquadramento das atividades nos usos do solo, obedecendo a Legislação Federal, Estadual e Municipal pertinente

ANEXO V-D Usos e Atividades. Enquadramento das atividades nos usos do solo, obedecendo a Legislação Federal, Estadual e Municipal pertinente ANEXO V-D Usos e Atividades Quadro Enquadramento das atividades nos usos do solo, obedecendo a Legislação Federal, Estadual e Municipal pertinente Usos CORRESPONDÊNCIA COM A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE Instalações

Leia mais

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior Exportação e Importação Gerência

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamentos

Desoneração da Folha de Pagamentos Desoneração da Folha de Pagamentos Legislação Constituição Federal Art. 195, 12 e 13 Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991 Art. 22, inciso I e III Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011 Como isso funciona

Leia mais

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL Considerações Gerais Para comemorar os cinco anos do Programa de Regionalização

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. A partir de 01/07/2007 deixa de existir o Simples que conhecemos atualmente (Lei 9.317/96) e passa a Existir o Simples Nacional.

SIMPLES NACIONAL. A partir de 01/07/2007 deixa de existir o Simples que conhecemos atualmente (Lei 9.317/96) e passa a Existir o Simples Nacional. SIMPLES NACIONAL Visando um esclarecimento a todos os nossos clientes, elaboramos a presente cartilha com o máximo de informações para auxiliar no entendimento do novo sistema de recolhimento de impostos.

Leia mais

FRANQUIA HOME OFFICE

FRANQUIA HOME OFFICE FRANQUIA HOME OFFICE SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

URBES TRÂNSITO E TRANSPORTES

URBES TRÂNSITO E TRANSPORTES CADASTRO DE FORNECEDORES RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA CADASTRAMENTO NESTA EMPRESA PÚBLICA, CONFORME ARTIGOS 27 A 31 DA LEI FEDERAL 8.666/93 E SUAS ALTERAÇÕES, EM ATENDIMENTO AO ARTIGO 35 DA REFERIDA

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Comprovante de Inscrição e de Situação Cadastral Contribuinte, Confira os dados de Identificação da Pessoa Jurídica e, se houver qualquer divergência, providencie junto à RFB a sua atualização cadastral.

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS MUNICÍPIO DE COLINAS DO TOCANTINS LEI COMPLEMENTAR, N.º 1.379/2014, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014.

ESTADO DO TOCANTINS MUNICÍPIO DE COLINAS DO TOCANTINS LEI COMPLEMENTAR, N.º 1.379/2014, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014. LEI COMPLEMENTAR, N.º 1.379/2014, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014. Altera a Lei Municipal n. 1.133 de 31 de dezembro de 2010 que institui o Código Tributário do Município de Colinas do Tocantins e da outras

Leia mais

ANEXO II PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO AMBIENTAL DE CAPÃO DA CANOA GRUPOS DE ATIVIDADES.

ANEXO II PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO AMBIENTAL DE CAPÃO DA CANOA GRUPOS DE ATIVIDADES. 1 ANEXO II PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO AMBIENTAL DE CAPÃO DA CANOA GRUPOS DE ATIVIDADES. 1.HABITAÇÃO 2.MEIOS DE HOSPEDAGEM 3.COMÉRCIO VAREJISTA I 4.COMÉRCIO VAREJISTA II 5.COMÉRCIO VAREJISTA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.974, DE 15 MAIO DE 2014. Dispõe sobre as atividades das Agências de Turismo. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS Para efeito de seleção das categorias que possuem divisão de 1 o, 2 o,3 o, vigoram os seguintes paramentos abaixo listados: 1 o categoria Contrato social acima de R$ 30.000,00

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PESQUISA DA OFERTA DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAPEMA Janeiro UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ

Leia mais

Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos

Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos M&M Soluções Web www.mmsolucoesweb.com.br Página 2 de 18 Apresentação Criada oficialmente em 2009, a M&M iniciou suas atividades através

Leia mais

CARTILHA PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA

CARTILHA PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA DEPARTAMENTO DE CULTURA CARTILHA PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA SUMÁRIO 1 Sobre a cartilha... 03 2 O que é o Programa Municipal de Incentivo à Cultura... 04 3 Finalidades do programa... 04 4

Leia mais

A COPA DO MUNDO NOSSA

A COPA DO MUNDO NOSSA A COPA DO MUNDO E NOSSA SANTA E BELA CATARINA Multifacetada e rica em oportunidades para a Copa do Mundo 2014! Oportunidades Copa 2014 Em 2014 o Brasil terá uma oportunidade única para mostrar ao mundo

Leia mais

Economia do Turismo. Uma perspectiva macroeconômica 2003-2009

Economia do Turismo. Uma perspectiva macroeconômica 2003-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Contas Nacionais Estudos e Pesquisas Informação Econômica número

Leia mais

Gilberto Pessanha Ribeiro Bruno Garbéro Pinna. Cristiano dos Santos Maciel Marcus Felipe Mourão Pereira. Apoio: www.georeferencial.com.

Gilberto Pessanha Ribeiro Bruno Garbéro Pinna. Cristiano dos Santos Maciel Marcus Felipe Mourão Pereira. Apoio: www.georeferencial.com. Sistema de Informação Geográfica para o Turismo de Angra dos Reis, RJ Cristiano dos Santos Maciel Marcus Felipe Mourão Pereira Gilberto Pessanha Ribeiro Bruno Garbéro Pinna Apoio: Categorias do Turismo

Leia mais

COMENTÁRIOS TABELA 1 INDICADORES DE RECEITA NOMINAL DO SETOR DE SERVIÇOS, SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES BRASIL - MAIO 2015

COMENTÁRIOS TABELA 1 INDICADORES DE RECEITA NOMINAL DO SETOR DE SERVIÇOS, SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES BRASIL - MAIO 2015 COMENTÁRIOS O setor de serviços registrou no Brasil, no mês de maio de 2015, um crescimento nominal de 1,1%, na comparação com igual mês do ano anterior, inferior às taxas de abril (1,7%) e março (6,1%),

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO São Paulo Turismo

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO São Paulo Turismo OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO São Paulo Turismo BOLETIM ESPECIAL Mercado de Trabalho do Turismo NA CIDADE DE SÃO PAULO: PRINCIPAIS RESULTADOS 2010 Mercado de Trabalho do Turismo na Cidade

Leia mais

2.2 A operadora elabora, organiza e executa o roteiro da viagem contratada.

2.2 A operadora elabora, organiza e executa o roteiro da viagem contratada. CONDIÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE PROGRAMAS DE VIAGENS NACIONAIS E INTERNACIONAIS A aquisição de pacotes e programas de viagens nacionais e internacionais adquiridas da ARA TRAVEL TURISMO E VIAGENS LTDA.

Leia mais

INTRODUÇÃO. Construção civil Tecnologia da informação Turismo Produção associada ao turismo Comércio varejista Serviços

INTRODUÇÃO. Construção civil Tecnologia da informação Turismo Produção associada ao turismo Comércio varejista Serviços INTRODUÇÃO Com a seleção das doze cidades-sede para a Copa do Mundo de Futebol da FIFA em 2014, o Brasil inicia uma etapa de planejamento dos projetos necessários para a maximização dos resultados do evento

Leia mais

PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014.

PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014. PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014. Objetivo: Acompanhar trabalhos de ampliação do número de leitos na rede hoteleira na cidade de Curitiba. Justificativa: A cidade de Curitiba

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. DRF/Cuiabá/MT

Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. DRF/Cuiabá/MT Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte DRF/Cuiabá/MT Características principais do Regime do Simples Nacional: 1. Abrange a participação

Leia mais

COMÉRCIO Comércio varejista de produtos alimentícios. Comércio varejista de artigos e aparelhos de uso pessoal e domiciliar

COMÉRCIO Comércio varejista de produtos alimentícios. Comércio varejista de artigos e aparelhos de uso pessoal e domiciliar Página 1 de 6 472110100 472110200 ANEXO XXV RELAÇÃO DE USOS PERMITIDOS NA ADE DA PAMPULHA (Substitui o Anexo VII da Lei 9037/05) Padaria e confeitaria com predominância de produção própria COMÉRCIO Comércio

Leia mais

ANEXO I - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/09/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0

ANEXO I - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/09/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0 ANEXO I - Obrigatoriedade da NFS-e a partir de 01/09/2009 CÓDIGO DE ATIVIDADE CNAE 2.0 Código Descrição 1830-0/03-00 REPRODUCAO DE SOFTWARE EM QUALQUER SUPORTE 6190-6/01-00 PROVEDORES DE ACESSO AS REDES

Leia mais

A verdadeira arte de viajar

A verdadeira arte de viajar A verdadeira arte de viajar A Ducato Turismo é uma agência especializada na prestação de serviços de gestão de viagens corporativas, com proposta e objetivo de personalização no atendimento diferenciado

Leia mais

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL Programa 0410 Turismo: a Indústria do Novo Milênio Objetivo Aumentar o fluxo, a taxa de permanência e o gasto de turistas no País. Público Alvo Turistas brasileiros e estrangeiros Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

Direito do Consumidor Turista. Seja muito bem-vindo ao Estado do Paraná

Direito do Consumidor Turista. Seja muito bem-vindo ao Estado do Paraná Direito do Consumidor Turista Seja muito bem-vindo ao Estado do Paraná No Brasil os direitos do consumidor são regulamentados pelo Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8078/90). A lei é aplicada quando

Leia mais

Image: header-highlight.gif

Image: header-highlight.gif Abril de 2010 Image: header-highlight.gif OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS SERVIÇOS PRIVATIVOS E CUSTOMIZADOS DE TRANSFERS, CITY TOURS E ASSISTÊNCIA PESSOAL Oferecemos desconto de 20% sobre os nossos serviços

Leia mais

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL ARMAÇÃO DOS BÚZIOS 2015 2 APRESENTAÇÃO A fim de dar continuidade ao trabalho iniciado em 2008, o Ministério do Turismo (MTur), o Serviço Brasileiro de Apoio

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL

PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO IV PERFIL DO TURISTA TABELAS JOÃO PESSOA-PB, JUNHO 2004 TABELA Nº01 PROCEDÊNCIA DOS TURISTAS JANEIRO/1999

Leia mais

O EVENTO A Maior Feira para Hotelaria e Gastronomia do interior do RJ

O EVENTO A Maior Feira para Hotelaria e Gastronomia do interior do RJ O EVENTO A Maior Feira para Hotelaria e Gastronomia do interior do RJ De 12 a 14 de Agosto de 2014 das 16h às 22h Local: Geribá Tennis Park em Búzios/RJ Tema: O novo perfil do turista: Tendências e Oportunidades

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA PROJETOS REFERENTES AO PROGRAMA LIVRO ABERTO NA AÇÃO FOMENTO A PROJETOS CULTURAIS

Leia mais

1. OBJETO Coordenação de produção local projeto Flip 2015 2. ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS

1. OBJETO Coordenação de produção local projeto Flip 2015 2. ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS TERMO DE REFERÊNCIA n.º 06/20015 Para baixar o termo, clique aqui 1. OBJETO Coordenação de produção local projeto Flip 2015 2. ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS Coordenação de equipe de produção local; Planejamento

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012

INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012 1 FUNDAÇÃO DE TURISMO DE MATO GROSSO DO SUL FUNDTUR/MS INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012 A Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul para acompanhar o andamento da atividade e sua contribuição

Leia mais

Impactos da Copa do Mundo 2014 no Agenciamento Turístico do Brasil

Impactos da Copa do Mundo 2014 no Agenciamento Turístico do Brasil Impactos da Copa do Mundo 2014 no Agenciamento Turístico do Brasil Julho de 2014 EQUIPE TÉCNICA DO IPETURIS COORDENAÇÃO: SUPERVISÃO: PESQUISADORES: APOIO: Glauber Santos Mariana Nery César Melo Flávia

Leia mais

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República O que o Brasil já ganhou com a Copa COPA DO MUNDO NO BRASIL um momento histórico e de oportunidades A Copa do Mundo é um momento histórico para o Brasil, que vai sediar, em conjunto com as Olimpíadas em

Leia mais

PURP 36 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP7 SETOR DE HOTÉIS DE TURISMO - SHT ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 36 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP7 SETOR DE HOTÉIS DE TURISMO - SHT ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP7 UP7 Folha 1 / 7 AP7 UP7 Folha 2 / 7 VALOR PATRIMONIAL A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO / CHEIOS E VAZIOS) A orla foi idealizada por Lucio Costa, em consonância

Leia mais

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 31/12/1958 - Distância da capital: 128 km - Área: 130 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Borborema Potiguar - População: 4.217 (IBGE/2007)

Leia mais

na cidade de São Paulo

na cidade de São Paulo OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO SÃO PAULO TURISMO Copa do mundo da fifa Brasil 2014 impacto econômico na cidade de São Paulo A pesquisa Objetivo: * Identificar o movimento econômico gerado

Leia mais

Índice. O projeto. Público-Alvo do Projeto. Critérios de Participação. Sistema de Convidados. Processo de Participação. Pedidos e Alocação

Índice. O projeto. Público-Alvo do Projeto. Critérios de Participação. Sistema de Convidados. Processo de Participação. Pedidos e Alocação Guideline Copa do Mundo da FIFA 2014 TM Índice O projeto Público-Alvo do Projeto Critérios de Participação Sistema de Convidados Processo de Participação Jogos com Hospitality Pedidos e Alocação As Responsabilidades

Leia mais

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento www.turisangra.com.br Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento Tel/ax: (21) 2522-2421 ideias@ideias.org.br Quem Somos O Instituto IDEIAS é uma associação civil, sem fins lucrativos, criada em 8

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS.

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA 2016 A Política de Responsabilidade Social da AngloGold Ashanti define como um de seus princípios que a presença de nossa

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO

FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO

Leia mais