10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS"

Transcrição

1 10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

2

3 Referências Bibliográficas 1 - Correia de Campos A. Saúde o custo de um valor sem preço. Lisboa: Editora Portuguesa de Livros Técnicos e Científicos Direcção de Serviços de Informação e Análise. Divisão de Epidemiologia. Risco de Morrer em Portugal, Lisboa: Direcção-Geral da Saúde Disponível em: 3 - Direcção de Serviços de Informação e Análise. Divisão de Epidemiologia. Risco de Morrer em Portugal, Lisboa: Direcção-Geral da Saúde Disponível em: 4 - Direcção de Serviços de Informação e Análise. Divisão de Epidemiologia. Risco de Morrer em Portugal, Lisboa: Direcção-Geral da Saúde Volume I. Disponível em: 5 - Direcção de Serviços de Informação e Análise. Divisão de Epidemiologia. Risco de Morrer em Portugal, Lisboa: Direcção-Geral da Saúde Volume II. Disponível em: 6 - Direcção-Geral da Saúde/Divisão de Estatística. Natalidade, Mortalidade Infantil, Fetal e Perinatal 1999/2003. Disponível em: 7 - Ministério da Saúde. Inquérito Nacional de Saúde 1995/1996. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge: Lisboa, Ministério da Saúde, Ministério da Saúde. Inquérito Nacional de Saúde 1998/1999. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge: Lisboa, INSA, Macedo ME, Lima MJ, Silva AO, Alcantara P, Ramalhinho V, Carmona J. Prevalence, awareness, treatment and control of hypertension in Portugal: the PAP study. J Hypertens 2005;23: Lunet N, Barros H. Diferenças entre sexos no tratamento da hipertensão arterial: um estudo comunitário no Porto. Rev Port Cardiol 2002;21: Lunet N, Pina F, Barros H. Regional trends in Portuguese gastric cancer mortality ( ). Eur J Cancer Prev 2004;13: Fernandez E, La Vecchia C, Gonzalez JR, Luchini F, Negri E, Levi F. Converging patterns of colorectal cancer mortality in Europe. Eur J Cancer. 2005;41: Centro Regional de Saúde Pública do Norte, Serviço de Epidemiologia. Relatório do programa de vigilância das TAC, na região Norte, em Porto, 2002 (não publicado).

4 14 - Centro Regional de Saúde Pública do Norte, Serviço de Epidemiologia. Epidemiologia das Toxinfecções Alimentares na Região Norte em Porto, Maio de 2003 (não publicado) Centro Regional de Saúde Pública do Norte, Serviço de Epidemiologia. Epidemiologia das Toxinfecções Alimentares na Região Norte em Porto, Maio de 2004 (não publicado) Castro L, Gonçalves G, Catarino J. Caracterização epidemiológica dos casos declarados de tétano Oportunidades perdidas de vacinação. Acta Med Port 2004; 17: Hamers FF, Downs AM. The changing face of the HIV epidemic in western Europe: what are the implications for public health policies? Lancet 2004; 364: World Health Organization. Treatment of Tuberculosis Guidelines for National Programmes, Second Edition 1997 (WHO/TB/97.220) Ministério da Saúde. Avaliação do Programa Nacional de Vacinação. 2º Inquérito Serológico Nacional Portugal Continental : Lisboa, Direcção Geral de Saúde, World Health Organization. Global Strategy on Occupational Health for All. The Way to Health at Work. (WHO/OCH/95.1). Geneva; Caisse Nationale de l'assurance Maladie des Travailleurs Salariés. Construire un plan d'action de prévention des cancers professionnels [consultado em Dezembro 2005] Disponível em: URL: The World Health Report Reducing Risks, Promotion Healthy Life, Geneva, WHO, Azevedo A, Lopes C, Barros H. Population attributable risk estimation from a casecontrol study on myocardial infarction in Porto, Portugal. In: Proceedings of the XVI International Scientific Meeting of the International Epidemiological Association, Kaunas: Matos MG, Simões C, Carvalhosa SF, Reis C, Canha L. A Saúde dos Adolescentes Portugueses. Estudo Nacional da rede Europeia HBSC/OMS. Aventura Social & Saúde. Lisboa: Faculdade de Motricidade Humana Matos MG, et al. A Saúde dos Adolescentes Portugueses. Estudo Nacional da rede Europeia HBSC/OMS. Aventura Social & Saúde. Lisboa: Faculdade de Motricidade Humana Santos AC, Barros H. Smoking patterns in a community sample of Portuguese adults, Prev Med 2004;38:114-9.

5 27 - Ministério da Saúde e Ministério da Educação. Inquérito de Saúde dos Adolescentes na Escola.!º Modulo (2ª fase). Ministério da Saúde e Ministério da Educação: Lisboa, Ribeiro TT. Consumos de tabaco, álcool, haxixe e outras substâncias em meio escolar. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto; Pereira MC. Tabaco, bebidas alcoólicas e depressão em adolescentes de Vila Real. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto; Ramos E, Fraga S, Almeida S, Falcão H, Barros H. EPITeen: Assembling a portuguese cohort of children born in J Epidemiol Community Health. 2004;58(suppl I):A World Health Organization. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases: report of a joint WHO/FAO expert consultation (WHO Technical Report Series, 916). Geneva; World Health Organization. Obesity preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO Consultation (Technical Report Series, nº. 894). Geneva; Queirós L. Autoimagem quanto à aparência física da população feminina em idade escolar. Dissertação de Mestrado. Escola Nacional de Saúde Pública, Lisboa; Afonso C. Saúde, actividade física e peso corporal: contributo para o seu conhecimento numa amostra da população adulta Portuguesa. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto; Santos AC, Barros H. Prevalence and determinants of obesity in an urban sample of Portuguese adults. Public Health 2003;117: Carracedo MA. Factores de risco e prevalência de excesso de peso, e comportamentos para perder peso em adolescentes. Relatório de Investigação. Internato Complementar de Saúde Pública. Braga Ramos E, Barros H. Prevalence of hypertension in 13-year-old adolescents in Porto, Portugal. Rev Port Cardiol 2005;24: Gal DL, Santos AC, Barros H. Leisure-time versus full-day energy expenditure: a cross-sectional study of sedentarism in a Portuguese urban population. BMC Public Health 2005;5:16.

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Audiência Pública P 18 de novembro de 2009 Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Maria José Delgado Fagundes Gerente Geral - /ANVISA Perfil Epidemiológico Brasileiro Atual:

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Orientações para a coleta

Leia mais

Investigação em Anatomia Patológica. Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos Associados ao Consumo

Investigação em Anatomia Patológica. Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos Associados ao Consumo de Janeiro de 2013 Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Investigação em Anatomia Patológica Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos

Leia mais

Morro do Bumba Niterói RJ, 08.04.10

Morro do Bumba Niterói RJ, 08.04.10 Morro do Bumba Niterói RJ, 08.04.10 A epidemia de doenças respiratórias crônicas Doença Ano da estimativa Prevalência Todos estam expostos a riscos Asma 2004 300 milhões DPOC 2007 210 milhões Rinite alérgica

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

9. Consumo de álcool. Introdução

9. Consumo de álcool. Introdução 9. Consumo de álcool Introdução O álcool é uma das poucas drogas psicotrópicas que tem seu consumo admitido e incentivado pela sociedade. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a mortalidade

Leia mais

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Hábitos Alimentares e Saúde Alexandra Bento Associação Portuguesa dos Nutricionistas 10 de Maio Fundação Cidade

Leia mais

COMPORTAMENTOS NÃO SAUDÁVEIS ASSOCIADOS À INATIVIDADE FÍSICA NO LAZER EM TRABALHADORES DAS INDÚSTRIAS DO SUL DO BRASIL

COMPORTAMENTOS NÃO SAUDÁVEIS ASSOCIADOS À INATIVIDADE FÍSICA NO LAZER EM TRABALHADORES DAS INDÚSTRIAS DO SUL DO BRASIL COMPORTAMENTOS NÃO SAUDÁVEIS ASSOCIADOS À INATIVIDADE FÍSICA NO LAZER EM TRABALHADORES DAS INDÚSTRIAS DO SUL DO BRASIL Autores: Rodrigo de Rosso Krug (1), Giovâni Firpo Del Duca (1), Kelly Samara da Silva

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

6. Sobrepeso e obesidade Introdução

6. Sobrepeso e obesidade Introdução 6. Sobrepeso e obesidade Introdução A prevalência de sobrepeso e obesidade vem aumentando rapidamente no mundo, sendo considerada um importante problema de saúde pública tanto para países desenvolvidos

Leia mais

IV Jornada de Alimentação Escolar 21/10/2010 Ana Carolina Feldenheimer

IV Jornada de Alimentação Escolar 21/10/2010 Ana Carolina Feldenheimer Perfil nutricional da população brasileira segundo inquéritos populacionais (POF, PNDS e outros) e o SISVAN (Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional) quanto a transição nutricional e excesso de peso

Leia mais

Benefícios nutricionais do consumo de Fruta e Vegetais

Benefícios nutricionais do consumo de Fruta e Vegetais Benefícios nutricionais do consumo de Fruta e Vegetais Feira Nacional da Agricultura Biológica, 9 de Outubro de 2011 Delphine Dias Nutricionista Associação Portuguesa dos Nutricionistas Causas de morte

Leia mais

Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre

Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre Blood Pressure and Obesity in the adult population who goes to the municipal market in Portalegre Andreia Costa António

Leia mais

Prevalência da obesidade em meio escolar, estudo realizado ao segundo e terceiro ciclo de escolaridade numa escola na cidade de Beja

Prevalência da obesidade em meio escolar, estudo realizado ao segundo e terceiro ciclo de escolaridade numa escola na cidade de Beja E-motion. Revista de Educación, Motricidad e Investigación 2015, nº 5, pp. 61-68. ISSN: 2341-1473 Copyright: 2015 Grupo de investigación (HUM-643) Edición Web (www.uhu.es/publicaciones/ojs/index.php/e-moti-on/index)

Leia mais

Situações de Risco para a Saúde de Jovens Adolescentes

Situações de Risco para a Saúde de Jovens Adolescentes Situações de Risco para a Saúde de Jovens Adolescentes Rodrigues, V.; Carvalho, A.; Gonçalves, A. & Carvalho, G. Resumo Nascer, crescer, envelhecer e morrer são marcos fundamentais na experiência de vida

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

3. Metodologia. Desenho do estudo. População alvo. Amostragem. Desenvolvimento dos instrumentos de coleta a. Estudo transversal de base populacional.

3. Metodologia. Desenho do estudo. População alvo. Amostragem. Desenvolvimento dos instrumentos de coleta a. Estudo transversal de base populacional. 3. Metodologia Desenho do estudo Estudo transversal de base populacional. População alvo A população alvo da pesquisa foi representada por indivíduos com idade igual ou superior a 15 anos no momento da

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Infância A infância representa um período que compreende modificações importantes: Crescimento do

Leia mais

Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho. Jorge Barroso Dias, Médico do Trabalho

Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho. Jorge Barroso Dias, Médico do Trabalho Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho, Médico do Trabalho Conceitos Básicos sobre o consumo de substâncias psicoativas em meio laboral Objectivos da Prevenção Primária Causas relacionadas com

Leia mais

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) 1. Designação da Ação de Formação: 2. Formador: Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência Dr.ª Vera Berbereia 3. Razões

Leia mais

Atividade física. Sexo Capital Total n % IC 95%

Atividade física. Sexo Capital Total n % IC 95% Atividade física Resultados De acordo com o nível de atividade física verificada no total da amostra, o percentual de indivíduos classificados como insuficientemente ativos foi maior em João Pessoa (55,1%)

Leia mais

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA Clara Monteiro 1, Filipa Franco 2, Ana Santos 2, Sara Neves 2 & Ana Neves 1 1 Departamento de Tecnologia

Leia mais

cátedra calouste gulbenkian de Saúde Global

cátedra calouste gulbenkian de Saúde Global cátedra calouste gulbenkian de Saúde Global 2013 O que é a Saúde Global? Saúde Global é uma nova disciplina que visa a melhoria da saúde das populações e a luta pela equidade em saúde a nível mundial.

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Para: Medidas de protecção contra a exposição ao fumo ambiental do tabaco em estabelecimentos onde sejam prestados cuidados de saúde aplicação da Lei n.º 37/2007 de 14 de Agosto. Todos os serviços

Leia mais

OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS

OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS Tema 1, Nº 2 Junho 2001 Margarida Gaspar de Matos e Susana Fonseca Carvalhosa Equipa do Aventura Social e Saúde Estudo realizado em co-financiamento pela Faculdade

Leia mais

que a perda de gordura corporal, nos indivíduos obesos, eleva o colesterol HDL, tipo associado com a prevenção de doença cardiovascular (TORTORA,

que a perda de gordura corporal, nos indivíduos obesos, eleva o colesterol HDL, tipo associado com a prevenção de doença cardiovascular (TORTORA, TEMA: A IMPLANTAÇÃO DO PNAE E A FORMAÇÃO DE NOVOS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE (CAIC) NO MUNICÍPIO DE MOGI GUAÇU INTRODUÇÃO

Leia mais

Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia

Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Melhorar a qualidade de vida é o principal objetivo das estratégias

Leia mais

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino 1 1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso 0,0

Leia mais

_Influência dos fatores socioeconómicos no excesso de peso e obesidade na população portuguesa em 2014

_Influência dos fatores socioeconómicos no excesso de peso e obesidade na população portuguesa em 2014 Instituto Nacional de Saúde, IP _ Determinantes de Saúde _Influência dos fatores socioeconómicos no excesso de peso e obesidade na população portuguesa em 2014 Influence of socioeconomic factors in overweight

Leia mais

Mestrado integrado de Medicina. Estágio de Saúde Pública

Mestrado integrado de Medicina. Estágio de Saúde Pública Mestrado integrado de Medicina 2014/2015 Estágio de Saúde Pública saudepublica.fmuc@gmail.com Área de Clínica Geral e Saúde Pública (Coordenador científico: Prof. Doutor Salvador Massano Cardoso) Coordenação

Leia mais

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS Ana M.B. Menezes 1 e Iná da S. dos Santos 2 1 Prof a Titular de Pneumologia Faculdade de Medicina UFPEL 1 Presidente da Comissão de Epidemiologia da SBPT

Leia mais

8. Atividade física. Introdução

8. Atividade física. Introdução 8. Atividade física Introdução Segundo a Organização Mundial de Saúde, a prática de atividade física regular reduz o risco de mortes prematuras, doenças do coração, acidente vascular cerebral, câncer de

Leia mais

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Prevenir AGORA para um Futuro Livre de Cárie Um Recurso de Saúde Oral

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Prevenir AGORA para um Futuro Livre de Cárie Um Recurso de Saúde Oral Promoção da saúde Projeto integral Descrição e uso: A promoção da saúde é o processo de envolver ativamente os indivíduos e profissionais, garantindo aceso às informações e ferramentas de saúde necessárias

Leia mais

NORMA DE BOA PRÁTICA CLÍNICA

NORMA DE BOA PRÁTICA CLÍNICA NÚMERO: 001/2010 DATA: 30/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Prescrição da Osteodensitometria na Osteoporose do Adulto Osteodensitometria Médicos do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses. Estado de Saúde.

1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses. Estado de Saúde. 1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses Estado de Saúde Ana Clara Silva 1 M Barreto 2, V Gaio 2, AP Rodrigues 2, I Kislaya 2, L Antunes 2,

Leia mais

Educação sexual no contexto escolar em Portugal: dando voz aos alunos

Educação sexual no contexto escolar em Portugal: dando voz aos alunos Educação sexual no contexto escolar em Portugal: dando voz aos alunos Autor(es): Margarida Gaspar de Matos (1) Daniel Sampaio (2) & Equipa do Projecto Aventura Social (3) (1) Faculdade de Motricidade Humana/UTL;

Leia mais

(Quatro anos depois) 1998-2002. Promoção da Saúde Oral nos Jovens, Janeiro 2006 OS ADOLESCENTES PORTUGUESES AVENTURA SOCIAL & SAÚDE 1987-2006

(Quatro anos depois) 1998-2002. Promoção da Saúde Oral nos Jovens, Janeiro 2006 OS ADOLESCENTES PORTUGUESES AVENTURA SOCIAL & SAÚDE 1987-2006 (Quatro anos depois) 1998-2002 Margarida Gaspar de Matos, *Faculdade de Motricidade Humana. ** CMDT/ Instituto de Higiéne e Medicina Tropical Promoção da Saúde Oral nos Jovens, Janeiro 2006 1987-2006 Parceiros

Leia mais

PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG.

PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG. PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG. 1.0 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo analisar o conceito

Leia mais

COMUNICAÇÃO ORAL ALEITAMENTO MATERNO E PESO À NASCENÇA FATORES PROTETORES OU DE RISCO PARA A OBESIDADE INFANTIL? - ESTUDO COSI PORTUGAL 2010

COMUNICAÇÃO ORAL ALEITAMENTO MATERNO E PESO À NASCENÇA FATORES PROTETORES OU DE RISCO PARA A OBESIDADE INFANTIL? - ESTUDO COSI PORTUGAL 2010 COMUNICAÇÃO ORAL ALEITAMENTO MATERNO E PESO À NASCENÇA FATORES PROTETORES OU DE RISCO PARA A OBESIDADE INFANTIL? - ESTUDO COSI PORTUGAL 2010 Joana Baleia 1,2, Ana Valente 2 e Ana Rito 1,3 1 Centro de Estudos

Leia mais

JUVENTUDE E DESPORTO: A IMPORTÂNCIA DE UM ESTILO DE VIDA ACTIVO

JUVENTUDE E DESPORTO: A IMPORTÂNCIA DE UM ESTILO DE VIDA ACTIVO JUVENTUDE E DESPORTO: A IMPORTÂNCIA DE UM ESTILO DE VIDA ACTIVO Segundo a Organização Mundial de Saúde, estima-se que nos países desenvolvidos mais de dois milhões de mortes são atribuíveis ao sedentarismo,

Leia mais

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 ISSN: 2183-0762 Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo www.dgs.pt Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de

Leia mais

Victor Manuel da Conceição Viana

Victor Manuel da Conceição Viana - A informação introduzida nas fichas individuais é da inteira responsabilidade do autor - Victor Manuel da Conceição Viana Professor Associado Convidado Habilitações Académicas Formação Pré-Graduada em

Leia mais

CONSUMO ALIMENTAR E ATIVIDADE FÍSICA DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE

CONSUMO ALIMENTAR E ATIVIDADE FÍSICA DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE 41 Recebido em 11/2011. Aceito para publicação em 05/2012. CONSUMO ALIMENTAR E ATIVIDADE FÍSICA DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE FOOD CONSUMPTION AND PHYSICAL ACTIVITIES OF COLLEGE STUDENTS

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

Tema 1, Nº 1 Junho 2001

Tema 1, Nº 1 Junho 2001 Tema 1, Nº 1 Junho 2001 Margarida Gaspar de Matos e Susana Fonseca Carvalhosa Equipa do Aventura Social e Saúde Estudo realizado no âmbito do protocolo entre a Faculdade de Motricidade Humana e o Gabinete

Leia mais

TUBERCULOSE REGISTO DOS CASOS E MONITORIZAÇÃO DOS RESULTADOS

TUBERCULOSE REGISTO DOS CASOS E MONITORIZAÇÃO DOS RESULTADOS Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: SISTEMA DE INFORMAÇÃO INTRÍNSECO AO PROGRAMA DE TUBERCULOSE REGISTO DOS CASOS E MONITORIZAÇÃO DOS RESULTADOS Nº 8/DT Data: 9/05/00

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

(Re) Adaptação de Vida dos Doentes após Enfarte Agudo do Miocárdio

(Re) Adaptação de Vida dos Doentes após Enfarte Agudo do Miocárdio VIII Jornadas Transfronteiriças Luso-Espanholas de Medicina Interna Elvas, 16 e 17 de Março de 2012 (Re) Adaptação de Vida dos Doentes após Enfarte Agudo do Miocárdio Patrícia Coelho, Msc, PhD Student

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

Obesidade pediátrica: a doença que ainda não teve direito a ser reconhecida. A propósito do 1º Simpósio Português sobre Obesidade Pediátrica.

Obesidade pediátrica: a doença que ainda não teve direito a ser reconhecida. A propósito do 1º Simpósio Português sobre Obesidade Pediátrica. Obesidade pediátrica: a doença que ainda não teve direito a ser reconhecida. A propósito do 1º Simpósio Português sobre Obesidade Pediátrica. Carla Rego*, Diana Silva*, António Guerra*, Manuel Fontoura*,

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

Envelhecimento da população realidade portuguesa. Unidade de Neurologia Vânia Almeida

Envelhecimento da população realidade portuguesa. Unidade de Neurologia Vânia Almeida Envelhecimento da população realidade portuguesa Unidade de Neurologia Vânia Almeida 21 de Setembro de 2015 Sumário Definição de Demência Incidência Global de Demência Prevalência Global de Demência Realidade

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 Valéria Baccarin Ianiski 2, Lígia Beatriz Bento Franz 3, Eliane Roseli Winkelmann 4, Juliana Schneider 5. 1 Atividade relacionada ao Projeto de Iniciação

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR Sabrina Dalmazo Vieira 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO:

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN Victor Henrique dos Santos Silva 1 ; Adriana Moura de Lima 2 Resumo: Perante a abordagem da

Leia mais

Joana Antunes de Lima Bastos CURRICULUM VITÆ

Joana Antunes de Lima Bastos CURRICULUM VITÆ Joana Antunes de Lima Bastos CURRICULUM VITÆ Leiria, 2015 Name Naturality Date of birth Affiliation Adress E-mail Personal information Joana Antunes de Lima Bastos Leiria, Portugal 3rd April 1975 Central

Leia mais

Estratégias para implementar medidas de prevenção primária da hipertensão Strategies to implement measures for primary prevention of hypertension

Estratégias para implementar medidas de prevenção primária da hipertensão Strategies to implement measures for primary prevention of hypertension Rev Bras Hipertens vol.7():-6,. ARTIGO DE REVISÃO Estratégias para implementar medidas de prevenção primária da hipertensão Strategies to implement measures for primary prevention of hypertension Carlos

Leia mais

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER O QUE É HEPATITE? QUAIS OS TIPOS? Hepatopatias Hepatites Virais Doença hepática alcoólica Hepatopatias criptogênicas Hepatites tóxicas Hepatopatias auto-imunes Hepatopatias

Leia mais

VAL NETO 19/08/1954-12/12/2005

VAL NETO 19/08/1954-12/12/2005 Liver Patients Association Vision and Activities Emília Rodrigues SOS Hepatites Portugal President VAL NETO 19/08/1954-12/12/2005 First Post (08/07/2004) in the Blog to support patients with hepatitis

Leia mais

12. Diabetes a. Introdução

12. Diabetes a. Introdução 12. Diabetes a Introdução As doenças cardiovasculares e o diabetes contribuem com substancial parcela dos óbitos e da morbidade por doenças crônicas entre adultos e idosos no Brasil. O diabetes mellitus

Leia mais

Resistência à Insulina e Câncer

Resistência à Insulina e Câncer Resistência à Insulina e Câncer Prof. Adaliene 1 Resistência à Insulina e Câncer Câncer Sobreviventes 11 milhões Resistência à insulina Obesidade 2 1 Obesidade/ Resistência à Insulina e Câncer OVERWEIGHT,

Leia mais

PRODUÇÃO E DIFUSÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES DE 7 A 10 ANOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS

PRODUÇÃO E DIFUSÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES DE 7 A 10 ANOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS PRODUÇÃO E DIFUSÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES DE 7 A 10 ANOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS Christiane Schneider dos Santos, Natália Trois Gomes Monteiro, Heide Guache

Leia mais

Palavras-Chave: Obesidade; Educação Nutricional; Avaliação Nutricional

Palavras-Chave: Obesidade; Educação Nutricional; Avaliação Nutricional PERFIL NUTRICIONAL DE ADULTOS ATENDIDOS EM UMA AÇÃO EDUCATIVA, EM BELÉM, PARÁ. Rosiane Angelim da Silva 1 Marília de Souza Araújo, Liliane Maria Messias Machado, Irland Barroncas Gonzaga Martens Vanessa

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Atividade Física x Exercício Físico Atividade Física: é qualquer movimento corporal com gasto energético acima do nível de

Leia mais

INTRODUÇÃO ARTIGO / ARTICLE. Ana Maria B. Menezes 1 ; Barnardo L. Horta 2 ; Asandro da Rosa 1 ; Fernando K. Oliveira 1 & Marcos Bonnann 1

INTRODUÇÃO ARTIGO / ARTICLE. Ana Maria B. Menezes 1 ; Barnardo L. Horta 2 ; Asandro da Rosa 1 ; Fernando K. Oliveira 1 & Marcos Bonnann 1 ARTIGO / ARTICLE Hábito de Fumar entre Estudantes de Medicina da Universidade Federal de Pelotas, Brasil: Comparação entre as Prevalências de 1986 e 1991 Smoking habits among Students at the Pelotas Medical

Leia mais

As condições de saúde nos BRICS entre 1990 e 2010: diversidade e crise. Roberto Passos Nogueira Nº 9

As condições de saúde nos BRICS entre 1990 e 2010: diversidade e crise. Roberto Passos Nogueira Nº 9 As condições de saúde nos BRICS entre 1990 e 2010: diversidade e crise Roberto Passos Nogueira Nº 9 Brasília, novembro de 2013 1 Nota Técnica IPEA DIEST As condições de saúde nos BRICS entre 1990 e 2010:

Leia mais

CARDIOLOGIA EM PORTUGUÊS: UM SONHO PARA TORNAR REALIDADE?

CARDIOLOGIA EM PORTUGUÊS: UM SONHO PARA TORNAR REALIDADE? CARDIOLOGIA EM PORTUGUÊS: UM SONHO PARA TORNAR REALIDADE? CARDIOLOGY IN PORTUGUESE: A DREAM TO COME TRUE? Miguel Mendes (Portugal) 35º Congresso Português de Cardiologia 23 de maio de 2014 A expansão portuguesa

Leia mais

RESUMO PROJETO HEPECONTROL HEPECONTROL. Promotor na UPORTO: Professora Maria de São José Alexandre

RESUMO PROJETO HEPECONTROL HEPECONTROL. Promotor na UPORTO: Professora Maria de São José Alexandre HEPECONTROL HEPECONTROL O vírus da hepatite E (HEV) é hoje considerado emergente nos países industrializados. A transmissão zoonótica através de suínos (consumo de carne e exposição ocupacional) é reconhecida

Leia mais

Co-orientadora Profa. Dra. da Faculdade de Nutrição/UFG,

Co-orientadora Profa. Dra. da Faculdade de Nutrição/UFG, CONSUMO DE FRUTAS, VERDURAS E LEGUMES E SUA CORRELAÇÃO COM ESTADO NUTRICIONAL E PRESSÃO ARTERIAL DE ADOLESCENTES DE GOIÂNIA (DADOS PARCIAIS REGIÃO SUDOESTE). Carolina de Souza CARNEIRO 1 ; Paulo César

Leia mais

Alexandra Crispim Boing 1, Antonio Fernando Boing 2,3

Alexandra Crispim Boing 1, Antonio Fernando Boing 2,3 84 ARTIGO ORIGINAL Hipertensão arterial sistêmica: o que nos dizem os sistemas brasileiros de cadastramentos e informações em saúde Systemic Arterial Hypertension: what do brazilian register and information

Leia mais

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10 Leana

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

O que mudou? Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório o indivíduos que apresente:

O que mudou? Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório o indivíduos que apresente: O que mudou? Marcus B. Conde Comissão de Tuberculose/SBPT Instituto de Doenças de Tórax/UFRJ marcusconde@hucff.ufrj.br Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório

Leia mais

INÊS NOBRE MARTINS CAMACHO CURRICULUM VITAE

INÊS NOBRE MARTINS CAMACHO CURRICULUM VITAE INÊS NOBRE MARTINS CAMACHO CURRICULUM VITAE Informação Pessoal Nome Morada INÊS NOBRE MARTINS CAMACHO Av. 25 de Abril nº 32 5º D 2800-299 ALMADA Telemóvel Correio electrónico, icamacho@fmh.utl.pt de nascimento

Leia mais

A Saúde Pública e a Regulamentação da publicidade de alimentos

A Saúde Pública e a Regulamentação da publicidade de alimentos Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ana Beatriz Vasconcellos 1 Dillian Goulart 2 Patricia Chaves Gentil

Leia mais

O grande desafio é aumentar os níveis de atividade física na população em ambientes comunitários ", mas, como fazê-lo?

O grande desafio é aumentar os níveis de atividade física na população em ambientes comunitários , mas, como fazê-lo? O grande desafio é aumentar os níveis de atividade física na população em ambientes comunitários ", mas, como fazê-lo? The challenger is Increase levels of physical activity in the population in community

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010 Plano Nacional de Saúde -2010 Avaliação de indicadores Maio de 2010 0 das Regiões (NUT II do D.L. de 1999) em relação ao do... 2 Evolução dos indicadores em relação à Meta para 2010... 9 1 das Regiões

Leia mais

ESPACIALIZAÇÃO DOS CASOS DE TUBERCULOSE NA PARAÍBA

ESPACIALIZAÇÃO DOS CASOS DE TUBERCULOSE NA PARAÍBA 1 ESPACIALIZAÇÃO DOS CASOS DE TUBERCULOSE NA PARAÍBA Wendell Soares Carneiro. Faculdades Integradas de Patos-FIP. wendell_sc@ig.com.br. Bianka Pereira Evangelista - FIP biankapereira@msn.com; Andréia Rayanne

Leia mais

Objetivo: Avaliar espacialmente a incidência e mortalidade por câncer de boca e orofaríngeo no município de São Paulo.

Objetivo: Avaliar espacialmente a incidência e mortalidade por câncer de boca e orofaríngeo no município de São Paulo. Maria Angela Fernandes Ferreira Fernanda Michels Murilo Gomes Maria do Rosário Dias de Oliveira Latorre PROCAD Programa de Cooperação Acadêmica O objeto da Epidemiologia Dinamismo do processo saúde-doença

Leia mais

Sara Simões Pereira Rodrigues

Sara Simões Pereira Rodrigues Sara Simões Pereira Rodrigues Assistente (com equiparação a bolseira em 2004/2005) Habilitações Académicas Formação Pré-Graduada Licenciatura em Ciências da Nutrição Faculdade de Ciências da Nutrição e

Leia mais

Deborah Carvalho Malta Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde, Brasília-DF, Brasil

Deborah Carvalho Malta Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde, Brasília-DF, Brasil Artigo original Prevalência de fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis em adultos: estudo transversal, Brasil, 2011 doi: 10.5123/S1679-49742013000300007 Prevalence of risk

Leia mais

Departamento de Epidemiologia (DEP)

Departamento de Epidemiologia (DEP) O Dia do INSA 27 de Setembro de 2010 Auditório do Centro de Genética Médica Doutor Jacinto de Magalhães PORTO A Observação: função colaborativa Atribuições, actividades e perspectivas de colaboração Departamento

Leia mais

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE Monitoramento da mortalidade do município de Campinas BOLETIM DE MORTALIDADE Breve Histórico O projeto de monitoramento da mortalidade de Campinas foi iniciado

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE INTERVENÇÃO NA COMUNIDADE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

PROMOÇÃO DA SAÚDE INTERVENÇÃO NA COMUNIDADE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PROMOÇÃO DA SAÚDE INTERVENÇÃO NA COMUNIDADE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL OBJETIVO Partilhar o trabalho desenvolvido pela ESSS/UMIS na comunidade sobre alimentação saudável no âmbito do projeto PROMOÇÃO DE ESTILOS

Leia mais

Programa Nacional de Intervenção Integrada sobre Determinantes da Saúde Relacionados com os Estilos de Vida

Programa Nacional de Intervenção Integrada sobre Determinantes da Saúde Relacionados com os Estilos de Vida Programa Nacional de Intervenção Integrada sobre Determinantes da Saúde Relacionados com os Estilos de Vida INTRODUÇÃO As doenças crónicas não transmissíveis (doenças cardiovasculares, cancro, patologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL Autor: SARANÁDIA CAEIRA SERAFIM Orientador: RACHEL DE SÁ BARRETO LUNA CALLOU CRUZ Coautor(es):

Leia mais

PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS OBESOS

PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS OBESOS 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE POLÍTICA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE POLÍTICA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE POLÍTICA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Versão Final (Aprovada pelo Conselho Estadual de Saúde) Porto Alegre, fevereiro

Leia mais

Determinantes de Saúde e Plano Nacional para a Redução dos Comportamentos Aditivos e as Dependências. 4º Fórum Nacional de Saúde

Determinantes de Saúde e Plano Nacional para a Redução dos Comportamentos Aditivos e as Dependências. 4º Fórum Nacional de Saúde Determinantes de Saúde e Plano Nacional para a Redução dos Comportamentos Aditivos e as Dependências 4º Fórum Nacional de Saúde Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Edifício Egas Moniz 26,27

Leia mais

Relatório ESTADO NUTRICIONAL [Rastreio Índice de Massa Corporal]

Relatório ESTADO NUTRICIONAL [Rastreio Índice de Massa Corporal] Relatório ESTADO NUTRICIONAL [Rastreio Índice de Massa Corporal] EB 2/3 ABELHEIRA VIANA DO CASTELO Ano letivo 2014/2015 ÍNDICE 1. Introdução. 3 a) A saúde do adolescente... 3 b) Estado nutricional infanto-juvenil....

Leia mais

2008 - Mestrado em Psicologia Clínica pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, com a classificação final de Muito Bom Por Unanimidade.

2008 - Mestrado em Psicologia Clínica pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, com a classificação final de Muito Bom Por Unanimidade. Dados Pessoais Nome: Ana Luísa de Matos Dias Quinta Gomes Nacionalidade: Portuguesa Data de Nascimento: 24 de Abril de 1980 E-mail: bisagomes@gmail.com Formação Académica 2008/Actualmente - Doutoranda

Leia mais

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Neto, Carla; Fraga, Sílvia; Ramos, Elisabete Consumo de substâncias ilícitas por adolescentes portugueses Revista

Leia mais

ESTIMULANDO A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS E BONS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE ESCOLAS PÚBLICAS

ESTIMULANDO A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS E BONS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE ESCOLAS PÚBLICAS ESTIMULANDO A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS E BONS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE ESCOLAS PÚBLICAS SILVA 1,Sabrina RadamesFerreira MASSA 2, Joquebéde Barbosa OLIVEIRA 2, Anderson Juliano

Leia mais